O Mediterrâneo e o Mundo Mediterrâneo [1]

  • Commentary
  • decrypted from 44679DAAB7EA67D205F6636DEA2D8A64 source file

Table of contents :
Capa [1]
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0001
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0002
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0003
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0004
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0005
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0006
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0007
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0008
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0009
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0010
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0011
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0012
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0013
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0014
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0015
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0016
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0017
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0018
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0019
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0020
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0021
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0022
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0023
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0024
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0025
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0026
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0027
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0028
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0029
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0030
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0031
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0032
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0033
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0034
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0035
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0036
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0037
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0038
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0039
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0040
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0041
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0042
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0043
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0044
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0045
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0046
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0047
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0048
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0049
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0050
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0051
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0052
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0053
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0054
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0055
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0056
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0057
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0058
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0059
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0060
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0061
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0062
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0063
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0064
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0065
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0066
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0067
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0068
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0069
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0070
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0071
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0072
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0073
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0074
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0075
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0076
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0077
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0078
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0079
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0080
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0081
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0082
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0083
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0084
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0085
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0086
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0087
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0088
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0089
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0090
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0091
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0092
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0093
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0094
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0095
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0096
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0097
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0098
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0099
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0100
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0101
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0102
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0103
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0104
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0105
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0106
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0107
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0108
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0109
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0110
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0111
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0112
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0113
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0114
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0115
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0116
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0117
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0118
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0119
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0120
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0121
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0122
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0123
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0124
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0125
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0126
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0127
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0128
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0129
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0130
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0131
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0132
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0133
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0134
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0135
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0136
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0137
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0138
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0139
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0140
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0141
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0142
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0143
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0144
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0145
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0146
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0147
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0148
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0149
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0150
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0151
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0152
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0153
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0154
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0155
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0156
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0157
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0158
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0159
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0160
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0161
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0162
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0163
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0164
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0165
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0166
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0167
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0168
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0169
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0170
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0171
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0172
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0173
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0174
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0175
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0176
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0177
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0178
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0179
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0180
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0181
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0182
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0183
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0184
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0185
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0186
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0187
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0188
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0189
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0190
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0191
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0192
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0193
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0194
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0195
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0196
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0197
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0198
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0199
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0200
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0201
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0202
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0203
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0204
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0205
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0206
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0207
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0208
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0209
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0210
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0211
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0212
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0213
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0214
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0215
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0216
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0217
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0218
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0219
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0220
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0221
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0222
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0223
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0224
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0225
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0226
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0227
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0228
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0229
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0230
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0231
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0232
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0233
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0234
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0235
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0236
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0237
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0238
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0239
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0240
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0241
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0242
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0243
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0244
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0245
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0246
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0247
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0248
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0249
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0250
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0251
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0252
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0253
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0254
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0255
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0256
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0257
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0258
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0259
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0260
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0261
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0262
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0263
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0264
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0265
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0266
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0267
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0268
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0269
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0270
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0271
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0272
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0273
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0274
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0275
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0276
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0277
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0278
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0279
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0280
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0281
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0282
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0283
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0284
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0285
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0286
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0287
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0288
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0289
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0290
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0291
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0292
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0293
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0294
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0295
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0296
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0297
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0298
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0299
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0300
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0301
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0302
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0303
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0304
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0305
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0306
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0307
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0308
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0309
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0310
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0311
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0312
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0313
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0314
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0315
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0316
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0317
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0318
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0319
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0320
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0321
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0322
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0323
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0324
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0325
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0326
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0327
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0328
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0329
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0330
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0331
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0332
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0333
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0334
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0335
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0336
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0337
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0338
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0339
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0340
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0341
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0342
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0343
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0344
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0345
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0346
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0347
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0348
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0349
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0350
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0351
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0352
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0353
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0354
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0355
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0356
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0357
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0358
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0359
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0360
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0361
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0362
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0363
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0364
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0365
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0366
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0367
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0368
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0369
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0370
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0371
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0372
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0373
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0374
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0375
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0376
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0377
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0378
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0379
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0380
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0381
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0382
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0383
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0384
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0385
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0386
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0387
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0388
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0389
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0390
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0391
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0392
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0393
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0394
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0395
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0396
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0397
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0398
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0399
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0400
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0401
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0402
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0403
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0404
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0405
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0406
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0407
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0408
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0409
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0410
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0411
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0412
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0413
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0414
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0415
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0416
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0417
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0418
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0419
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0420
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0421
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0422
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0423
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0424
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0425
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0426
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0427
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0428
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0429
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0430
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0431
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0432
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0433
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0434
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0435
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0436
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0437
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0438
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0439
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0440
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0441
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0442
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0443
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0444
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0445
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0446
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0447
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0448
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0449
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0450
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0451
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0452
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0453
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0454
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0455
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0456
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0457
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0458
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0459
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0460
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0461
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0462
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0463
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0464
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0465
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0466
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0467
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0468
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0469
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0470
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0471
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0472
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0473
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0474
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0475
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0476
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0477
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0478
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0479
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0480
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0481
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0482
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0483
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0484
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0485
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0486
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0487
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0488
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0489
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0490
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0491
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0492
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0493
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0494
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0495
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0496
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0497
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0498
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0499
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0500
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0501
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0502
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0503
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0504
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0505
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0506
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0507
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0508
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0509
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0510
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0511
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0512
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0513
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0514
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0515
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0516
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0517
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0518
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0519
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0520
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0521
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0522
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0523
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0524
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0525
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0526
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0527
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0528
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0529
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0530
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0531
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0532
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0533
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0534
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0535
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0536
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0537
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0538
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0539
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0540
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0541
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0542
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0543
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0544
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0545
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0546
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0547
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0548
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0549
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0550
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0551
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0552
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0553
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0554
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0555
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0556
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0557
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0558
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0559
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0560
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0561
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0562
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0563
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0564
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0565
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0566
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0567
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0568
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0569
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0570
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0571
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0572
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0573
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0574
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0575
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0576
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0577
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0578
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0579
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0580
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0581
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0582
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0583
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0584
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0585
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0586
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0587
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0588
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0589
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0590
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0591
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0592
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0593
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0594
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0595
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0596
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0597
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0598
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0599
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0600
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0601
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0602
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0603
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0604
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0605
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0606
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0607
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0608
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0609
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0610
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0611
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0612
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0613
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0614
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0615
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0616
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0617
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0618
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0619
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0620
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0621
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0622
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0623
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0624
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0625
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0626
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0627
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0628
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0629
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0630
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0631
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0632
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0633
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0634
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0635
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0636
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0637
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0638
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0639
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0640
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0641
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0642
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0643
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0644
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0645
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0646
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0647
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0648
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0649
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0650
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0651
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0652
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0653
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0654
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0655
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0656
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0657
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0658
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0659
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0660
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0661
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0662
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0663
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0664
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0665
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0666
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0667
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0668
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0669
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0670
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0671
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0672
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0673
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0674
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0675
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0676
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0677
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0678
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0679
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0680
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0681
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0682
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0683
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0684
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0685
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0686
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0687
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0688
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0689
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0690
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0691
Fernand Braudel - O Mediterrâneo - 0692
Capa [2]

Citation preview

O MEDITERRÂNEO e o Mundo Mediterrânico na Época de Filipe II

O AUTOR: Femand Braudel nasceu em Meuse em.1902. Licenciado em História, leccionou em Argel, Paris e São Paulo, antes de, em 1937, se tomar director de estudos na École Pratique des Hautes Études. A partir de 1946 é um dos responsáveis pela revista Anna/es, fundada por Marc Bloch e Lucien Febvre, ao último dos quais sucede, em 1949, no College de France e, em 1956, na presidência da VI Secção da referida École, onde estimula o diálogo inovador da História com as restantes ciências sociais. Em 1962 é nomea­ do administrador da Maison des Sciences de l'Homme.

Doutor honoris causa por Bruxelas, Oxford, Madrid, Genebra, Florença, Varsóvia, Cambridge, São Paulo, Pádua, Londres, Chicago, Saint Andrews e Edimburgo, Femand Braudel é hoje consi­ derado um dos maiores especialistas mundiais, tendo colaborado na Cambridge Economic History of Europe e na Encyclopedia Americana.

O Mediterr/Jneo e o Mundo Mediterrânico na Época de Filipe li, tese que redigiu durante a sua detenção no campo de concentração de LUbeck e que defendeu em 1947, inaugurou uma nova manei­ ra de encarar a História e foi considerada pelo New York Times como «a obra histórica mais signi­ ficativa do nosso tempo».

FERNAND BRAUDEL

O MEDITERRÂNEO e o Mundo Mediterrânico na Época de Filipe II

FICHA: ©

1966, Librairie Armand Co/in.

Título original: La Méditerranée et /e monde

méditerranéen a l'époque de Philippe JJ.

Editor original: Librairie Armand Colin, Paris. A presente tradução, apoiada pelo Ministério da Cultura francês, foi efectuada a partir da quarta edição francesa (1979), revista e corrigida pelo Autor. Capa: Fernando Felgueiras, sobre pormenor

de «La légende de sainte Ursu/e, Le départ des époux», de Vittore Carpaccio (Foto Giraudon). 1 . • edição: Setembro de 1983. Edição: 2AS817. Direitos de edição, reprodução e adaptação reservados para todos os países de língua portuguesa por: Publicações Dom Quixote, Rua Luciano Cordeiro, 119, Lisboa. Composição e impressão: Santelmo, Cooperativa de Artes Gráficas, SCARL,

em Setembro de 1983.

Venda interdita em Portugal.

ÍNDICE

I:�:�: �� :::i��::�:Sª.����-�-��-�����-:::::::::::::::::::::: ::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

PREFÁCIOS .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .......... . . . . . . . . . . ...... . . . . . . . . . . . .. ................... . . . . . . . . . à primeira edição ... .... . . .. ... ........ . . .... . . . . . . . . . ......... . . . . . . . .. . . . ........... . . . . . . .. . . . .. . . . . .. . à segunda edição ..................... .. . . . . . . . . . . . ....... . . . . . . . . . . ......... . ....... . . . . ... . .. . . . . .... . .. . à terceira edição . . . . . . . . . .. .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .... . . . . . . . . . . . . . . . . ... . . . . . . . . . . . . . . . . . .. .. ...............

13 14 19 21 27 29

Primeira Parte O MEIO 1

-

A S PENÍNSULAS: MONTANHAS, PLANALTOS, PLANÍCIES . . . . . . . .................. 1. As montanhas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ... . . . .............................................. . ....... . . . . . .

Características flsicas e humanas . ................ ... ............................................. Definir a montanha .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ............ . ... .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Montanhas, civílízações e religiões . . .......... ................................................... A liberdade montanhesa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . ....... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . .. ... Recursos da montanha e seu balanço . ................... ........................................ Os montanheses na cidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. .. .... . . . . . . . . . . . . . Casos-tipo de diáspora montanhesa .. .. .. .. .. .. .. . . . . . .. .. .. .. .. .. .. ......... . .. . . .. . . .. .. .. .. . . A vida n a montanha, primeira etapa d a história d o Mediterrâneo? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

2. Planícies, encostas e colinas . ........ ........................ ..................................... .

35 35 36 40 44

48 51

54 58 62

64

As altas planícies . . .................................................................. . . ............... As zonas dos socalcos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ....... . . . . . . ... . . . . ·:;............ As colinas . .......................................... ...................................................

64 66 69

3. Asplanlcies....... . .. . .. ...... . . ... . . . .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . .......... . . . . . . . . . . . . .......................

71

Os problemas da água: a malária . . ............ ...................... ............................. A beneficiação das planícies . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . O exemplo da Lombardia . ........................................ .. .. ............................. Grandes proprietários e camponeses pobres . . ............ ..................................... As mutações a cuno prazo das planícies: a Terra Firme veneziana.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . A longo prazo: os destinos do Campo Romano . . . . . .... ... . . . . . . .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O poder das planicies: a Andaluzia. .. . . .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . .. . . .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

73 81 86 89 92

96

97

7

4.

Transumancia ou nomadismo: dois Mediterraneos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

As. transumâncias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . . . . . . . . . ... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . .

O nomadismo mais antigo que a transumância . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . A transumância castelhana . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . . . . . . . . Comparações e cartografias de conjunto ....................................................... Dromedários e camelos: as invasões árabes e turcas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O no"!ladis�o dos Balcãs, d a Anatólia e d a África d o Norte visto por observadores oc1denta1s . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Ciclos mais que seculares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. .. . . . . . . . . . . . . . . . . . 2

-

NO CORAÇÃO DO MEDITERRÂNEO: MARES E LITORAIS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1.

2.

121

A navegação costeira . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ... . . . . ... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . . . . . . . . . . No inicio das descobenas ponuguesas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Os mares estreitos, bases da história . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O mar Negro, couto de caça . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O Arquipélago: veneziano e genovês ...... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Entre a Tunisia e a Sicilia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . A «Mancha» mediterrânica . .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . A bacia tirrena . . . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O Adriático . . . . . . . . ..... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . .. . .. . . . . . . . . . . . . A Leste e a Oeste da Sicilia . ........................................................................ Dois universos maritimos . . . ........ . . . . . .. . . . . . . . . . .. . . . . . . . . . . . ... . . .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . A dupla lição dos impérios turco e hispânico ···················�····························· Para além da politica ................................................................................

121 126 126 128 133 134 135 1 38 1 44 1 54 1 55 156 158

As orlas continentais . ...............................................................................

1 59 1 59 163 168 170 1 72

Mundos isolados? . . . . . . . . . . . . . . . . . . ..... . . . . . . . . . . . . . . . ... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Vidas precárias . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Nos caminhos da grande história . ................................................................ Emigrantes insulares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ...... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .......... . . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . . . E as ilhas que o m ar não rodeia . . . . ....... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ... . .. . . . .. . . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . . . As. peninsulas . . . . .. . . . . . . . . . . . .. . .. . ...... . . . . . . ..... .. .. . .. .... . .. . . . . . . ... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

173 1 75 177 181 184 185

OS CONFINS OU O MAIOR MEDITERRÂNEO . . . . . .. . .... . . . ... . . .. . . . . . . . . . . . .. . ... . . . . . . .

19 1

Um Mediterrâneo com as dimensões da história . .............................................

193

O Sara, segundo rosto do Mediterraneo . .......................................................

194

1.

2.

O Sara: limites próximos e longinquos . . . . . . . . . . . . . ....... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . . .. . . . . . . Indigência e pobreza . .. . . . . . . . . . ... .... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Os grandes nómadas.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . . .. . . . . . Avanços e infiltrações provenientes das estepes . . . . . . . . . . . ... . .. . . . . . . . . . . . ....... . . . . . . . . . . . . As. caravanas do ouro e das especiarias . . . ... . . . . . . . . . . . . . . . . . ... . . .... ... . .. ...... . . . . . . . . . . . . . . Os oásis. . . . . . . . . . . . . ... . .. .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . . . . . . A área geográfica do Islão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ........................................

195 1 97 200 201 205 209 211

Europa e MediterrlJneo . . . ... .. . . .. . . . . . . . . . . ...... . .. . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . . . . . .. . .. . . . . . . . . . . . . . . . . .

213

Os istmos e as suas rotas meridionais ............................................................ O istmo russo: rumo ao mar Negro e ao Cáspio. .. ... .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. .. . . . . . .

8

12 1

As ilhas . . . . . . . . . . .. .. ....... . . . . . . . . . . .......... . . . . . . ......... . . . . . . . . . . . ... . . . ..... . . .................

3.

-

116 1 18

Asplanlcies llquidas . . ........ . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ..... . . .. . . . . . .... . . . . . . . . . . . . . . ...... . . . . . . . . . . ...

Os povos do mar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Pontos fracos dos sectores maritimos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . As metrópoles . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. .. . .. . . . . . . . . .. . . . . . . . . Altos e baixos da vida maritima . . . . . .. .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

3

1 00 100 103 107 110 111

213 215

3.

4

-

Dos Balcãs a Dantzig: o istmo polaco . ................................ ....... . ...... .. . . . . . . . .. . O istmo alemão: um esquema de conjunto ...... .............. ................................. Os Alpes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Terceira personagem: a Alemanha multifacetada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . De Génova a Antuérpia, de Veneza a Hamburgo: as condições de circulação . . . . . . . . . . Balanço e emigrações mercantis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O istmo francês de Ruão a Marselha ... .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . .. . . . ... . . . . . . .. . . Europa e Mediterrâneo . ......... .................................................................. .

220 228 231 234 237 240 243 249

O Oceano Atlântico . . .. . . . . .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .... . ........................

250

Vários Atlânticos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O Oceano mi escola do Mediterrâneo . ......... .................................................. O destino oceânico no século xv 1 . ............................. ................................... Uma decadência tardia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

250 252 253 256

A UNIDADE FI SICA: O CLIMA E A HISTÓRIA . . . . . . . . . . . . . ..... ............. ..............

257

A unidade climática .......................................................... . .............. ....... .

258

1.

2.

O Atlântico e o Sara . ...................................... .. .............. ................ .......... Um clima homogéneo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . A seca: praga do Mediterrâneo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

259 26 1 265

As estaçôes . ........................................................ ...................................

272

A paragem da navegação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Paz e cavaqueio do Inverno . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . As durezas do Inverno . ............................................................................. O Verão e a sua vida precipitada ........................... ....................._.................. As epidemias de Verão . ................. .............. ................ .............................. O clima mediterrânico e o Oriente ... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . . Ritmo das estações e estatisticas . ................................................................. Determinismo e vida económica . .............................................................. ...

273 275 28 1 287 288 290 29 1 292 299

As paragens do Inverno . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

3.

O clima mudou depois do séculoxn? . . . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . . .. .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Nota complementar . ............... . ............................................... ................. 5

-

300 305

A UNIDADE HUMANA: ROTAS E CIDADES, CIDADES E ROTAS . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

309

Rotas terrestres e rotasmarftimas . ...............................................................

31O

Arcalsmo dos meios d e transporte . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . Vantagem das rotas terrestres por volta d e 1600? ............................................. O problema d a rota terrestre . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . . . . . . . O duplo testemunho de Veneza . ........ ..................... .. ................................... Circulação e estatistica: o caso de Espanha . . . . . . . . . . . .. . . .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O duplo problema no longo prazo ... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

312 316 318 323 324 327 328

A navegaçtJo: tonelagens e conjunturas . . . . . . ......... . . . . . . .... . . . . . . ..... . . . . . . .. . . . . . . .......

329

Navios grandes e pequenos veleiros no século xv . ............................................ Os primeiros êxitos dos barcos de pequena tonelagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . .. . . . . . . . . . . . No Atlântico do século XVI......................................................................... No Mediterrâneo . ................................................................. ...................

333 335 336 340

Asfunç6es urbanas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ...... . . . . . . . . . . . . . . .. . . . ...... . . . . . . . . . . . . ...............

35 1

Cidades e estradas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . . .. . . . . . . . . . . . . . As rupturas de carga . . . . . . . .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . .... . . . . . . . . . . . . . . ... ... .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

351 355

1.

As rotas dos viveres . .................................................................................

2.

3.

9

5�� t

Da rota à banca . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ....... . . .. . . . .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

357 360 361

As cidades testemunhas do século . . .. . ....... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . . . . . .... . . . . . . . .

364

�:!���=::�rt�������I���· :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

4.

O crescimento demográfico .. ..... . . . . . . . .. . .. . . . . ..... . . . . . .. . ... . .. . . . . . . . . .. . .. .. . . . . . . . . . .. .. . . Misérias antigas, misérias novas: as fomes e o problema do trigo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Misérias antigas, misérias novas: as epidemias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O indispensável imigrante . . .. .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . As crises políticas urbanas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ..... . . . . . . . . . . . . . .

�: �:�:�:: �:!r!1��:�::i�� ����-�'.��.:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

Em favor das capitais . . . . .. . . . . .. . .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ... .. ... . . . .. . . . Desde já a conjuntura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . .. . . . .. .. . . ... . . . . . . . . . . . .... . . . . . .. . . . . . . . . . . . . .. . . . . .

364 366 370 373 377 380 387 394 395

Segunda Parte DESTINOS COLECTIVOS E MOVIMENTOS DE CONJUNTO 1

-

AS ECONOMIAS: A MEDIDA DO SÉCULO . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

40 1

O espaço, inimigo número um . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

401

1.

Para aqueles que escrevem : o que se perde entre partidas e chegadas ... .. .. .. . . . . . . . . .. . . As dimensões do mar: algumas velocidades recorde. . . .. . . . .. . .. . .... . . . . . .. . . . . . . .. . . . . . . .. . As velocidades médias . ...................... ... . ................................................... O caso privilegiado das cartas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . A noticia, mercadoria d e luxo . .. . . . .. . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Comparações actuais . . . . . . . . .. .. .. ... . . . . . . . . . . . . . . .. ... . . . . . . . . . . . . . . . .. .... . . . . . . . . .. . .. . .. . .. .. . . Impérios e espaço . . . . . . . . . . . . . . . . . . ... . . . . . . . . . . . . . . . . . ........ ...................................... As três missões de Claude du Bourg (1576 e 1 577) ............................................ Espaço e economia . . . . ...... .......... . . . . . ... . . ..... .. .. .. .. . . . . . . . . . ........... . . . . . . . . . . . . . . . . ... . As feiras, rede supletiva da vida económica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . As zonas de economia de curto raio .... ...... . .. . ... . . . . . . . . . . . . ... . ... . . ..... .. . . .. . .......... . . O quadrilátero: Génova, Milão, Veneza, Florença ........................................... 2.

A quantidade de homens . ...... . ..................... . .................. . ........ . .......... . . . ....

440

Pode construir-se o «modelo» da economia mediterrânica?. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ... . . . . . . . . .

464

Um mundo de sessenta ou setenta milhões de homens .................. ..................... Os ermos mediterrânicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . U� �ument_o demográfico da ordem dos IOOOJo? ..•.....•.••••.•••••••••••••••.........••••••• . N1ve1s e md1ces ......................................... ............................................... Reservas e conclusões . ....... ... ........ . ........... . ... ............................................ Confirmações e sugestões ................... ... .................................................... Algumas certezas . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . . . . . . ... .......... .... .. . . . . . . . . . Outro teste: as migrações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . .. . . . . . . . . . . . . . . . . . .

3.

A agricultura, indústria principal.. . . . . . . . . . . . . . . . . .... . . . . ... . . . .. . . ... . ..... . . .. . . . . . . . . . . . . . . . . Um balanço industrial . ............................................................................. «Verlagssystem» e desenvolvimento das indústrias urbanas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O sistema prosperou. ............ ................... ........................................... . ..... Uma mão-de-obra itinerante .... .. ...................... .......................................... Movimentos de conjunto e movimentos particulares. . . . .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .... . . . . . . . . . . . . O volume das transacções mercantis. .................. . ... . ..... . ........... . ........ . .......... Significado e limitação do comércio a longas distâncias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . As concentrações capitalistas . ............. ... .................... ................................. A tonelagem das frotas mediterrânicas . . . . . . . . . . . . . . . . . .... . . . . . . . . . . . . . .... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Os transportes terrestres ........... ...... ................. . . . .................. .. .. . ................

10

402 404 407 410 412 416 418 420 422 425 428 433

440 444 448 449 456 458 458 461

466 473 476 478 479 480 484 487 490 49 1 494

Os �tados �ão os maiores �mpreende�ores do século ....................................... Metais preciosos e economia monetàna ........................................................ . Os miseràveis são um quinto dos vivos? ......................................................... Uma grelha provisória ............................................................................. . Os alimentos, um mau critério.: oficialmente a sopa é sempre boa ........................ Confirma-se o càlculo? ............................................................................. 2-

AS ECONOMIAS: METAIS PRECIOSOS, MOEDAS E PREÇOS.........................

S09

O Mediterriineo e o ouro do Sud(Jo . . . . . .. . . . . .. . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . . . . .... .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

511

�:::�:;!��:Ár������':�:.:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

511 514 516 519 521

1.

2.

3.

As saídas de metais preciosos pra o Leste ...................................................... . O ouro sudanês: os precedentes ................................................................. .. Os Portugueses na Guiné: o ouro chega quase sempre ao Mediterrâneo .................

A prata da América . . . ...... . . . . . . . . . . . . . . . . . .... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . . .. . . . . . . . . . . . . . .

Os tesouros da América e de Espanha .......................................................... . Os tesouros da América no caminho de Antuérpia ........................................... O desvio francês ..................................................................................... . A grande rota de Barcelona a Génova e o segundo ciclo dos metais preciosos da América ........................................................................................... . O Mediterrâneo invadido pelas moedas espanholas .......................................... A ltàlia vitima da «moneda larga» .............................................................. . O século dos Genoveses ............................................................................ . As feiras de Plaisance .............................................................................. . O século do papel. ................................................................................... . Da última bancarrota de Filipe li â primeira de Filipe III ( 1 607)...........................

A subida dos preÇ os. . . . . . . . . . . . . .......... . . . . . . . . . . . . . ....... . . . . ....... . . .. . . .. . . . .... . . . . . . . . . . . . . As queixas dos contemporlneos

................................................................. . À responsabilidade da América .................................................................. . Contra e a favor da responsabilidade da América............................................. Os salàrios ............................................................................................ . Os rendimentos rurais ..................................... :................................. .......

523 523 527 532 534 54 1 S44 548 SS2 5S6 SS8 564

�����!�rf��!�::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: Os Estados e a alta de preços...................................................................... . A baixa dos «tesouros» da América ............................................................. . Moedas desvalorizadas e moeda falsa .......................................................... . Três idades metàlicas ............................................................................... .

567 S69 570 573 S1S S16 580 581 S8S 586 590

AS ECONOMIAS: COMÉRCIO E TRANSPORTE ............................................

593

.

3-

49S 498 500 504 506 507

1.

2.

O comércio dapimenta . . . . . . . . . . ... . . . . ... . . . . . . . . . . . . . . . .... . . . . . . . . .. . . . ....... . . . . . . . . . . . . . . . . ..

Vingança mediterrânica: a prosperidade do mar Vermelho depois de ISSO ............. Os caminhos do comércio do Levante ........................................................... Retomada da pimenta portuguesa ............................................................... . Projectos e negociatas a propósito da pimenta portuguesa ................................. A pimenta portuguesa oferecida a Veneza ..................., ............... . .................. O contrato dos Welser e dos Fugger: 1586-1591 ............................................... A permanência dãs rotas levantinas das especiarias .......................................... Explicações possíveis ............................................................................... . Equillbrios e crises do trigo mediterriinico . .. . . . . .............. ........ . . . . .....................

Os trigos ............................................................................................... . Algumas regras do comércio dos cercais ........................................................

593 S9S S99

604

607 609 61 1 613 618 621 62 1 622

li

O comércio do trigo ligado às rotas marinhas ................................................. Portos e países exportadores ...................................................................... O trigo do Oriente ................................................................................... Equilíbrios, crises e vicissitudes .................................................................. Primeiras crises: o trigo do Norte cm Lisboa e em Sevilha ................................. O «boom» do trigo turco: 1548-1564 ........................................................... Comer o seu próprio pão: a conjuntura italiana de 1 564 a 1 590........................... Última vicissitude: o trigo nórdico depois de 1 590 ........................................... A Sicília continua a ser o celeiro do Mediterrâneo ........................................... Sobre as crises do trigo .............................................................................

.

.

.

.

.

.

.

.

.

3.

.

Comércio e transporte: os veleiros do Atlântico . . . . . .. ... .................................. . . .

658

Antes de 1550: as primeiras chegadas. . . .. . . . ......................... . . ...................

658

.

658 660 66 1 663 664 665

1

-

Bascos, Biscainhos e mesmo Galegos ........................................................... Os Portugueses Normandos e Bretões............................................................................... g: ��!��r��:i:rr��·i�8i��;::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: ::::::::::: :::: O período de prosperidade ( 1 5 1 1 - 1 534) ........................................................ li De 1550a 1573 . . . .. . . .. O Mediterrâneo para os Mediterrânicos........................................................ O regresso dos Ingleses cm 1572-1573........................................................... As negociações anglo-turcas: 1578-1583 ....................................................... O êxito das navegações inglesas .................................................................. A situação no final do século ..................................................................... A chegada dos Hanscáticos e dos Holandeses................................................. Do trigo às especiarias: os Holandeses conquistam o Mediterrâneo ..................... Como os Holandeses tomaram Sevilha sem luta a partir de 1570 ......................... Cristãos novos no Mediterrâneo ................................................................. A intrusão nórdica e o declínio do Mediterrâneo ............................................. ...................................................................................... . .

.

-

............. .. .... ..........

.. . .

............·.......................... .

667

.

667 671 674 676 677 679 68 1 685 690 691

.

.

.

.

.

.

.

.

.

12

627 630 634 635 637 642 645 651 654 657

ÍNDICE DOS MAPAS, QUADROS E GRÁFICOS 1. As profundidades e as alturas de SOO em SOO m . ........ .. ................ .... ................... 16-17 2. As depressões do Mediterrâneo...................................................................... 37 3. Os grandes canais da planície lombarda ........................................................... 87 4. Os canais de regularização salvaguardaram metade das lagunas venezianas............... 93 104 S. Invernia e estiagem dos rebanhos da Alta Provença cerca do final do século xv .......... 6. As transumâncias castelhanas........................................................................ 108 7. As transumâncias actuais .............. . .............................................................. 114-115 8. Os naufrágios de barcos que vão para Veneza, de 1592 a 1609................................ 130 9. As tomadas de navios durante o mesmo periodo................................................. 131 10. A Sicilia e a Tunisia conam o Mediterrãneo em dois............................................ 132 11. Em frente de Otranto, Corfu comanda a entrada do Adriático............................... 146-147 12. O Mediterrâneo à escala do Mundo................................................................. 192 13. A implantação dos palmeirais do Indo ao Atlântico ............................................ 19S 14. Caravanas sarianas, séculos xv.xv1 ................................................................. 207 IS. As rotas do istmo alemão ...................................... ....................................... 229 230 16. A barreira dos Alpes ................................................................................... 17. Lyon e as especiarias segundo alguns registos de 1S25 a IS34 ................................. 244 18. Marselha e o mercado interno francês, IS43 ......................... ............................. 246 19. O «verdadeiro» Mediterrâneo, da oliveira aos grandes palmeirais........................... 258 20. Em vez de chegar a Espanha, culminar em Tabarca, Janeiro de 1S97 ....................... 278 21. Efeito do mistral, a 19 de Abril de 1S69 e nos dias seguintes................................... 280 22. O movimento dos negócios do Fondaco dei Tedeschi em Veneza ............................ 299 23. Rede das rotas ibéricas em 1546....................................... .. .... ..................... .... 313 24. Rotas através dos Apeninos toscanos............................................................... 314 2S. O grande bazar de Istambul, séculos xv1-xv11. ........ ............................................ 352 26. O coração de Veneza ................................................................................... JS4 27. População das cidades de Castela . .................................... .......................... .... 362 28. Noticias a caminho de Veneza(ISOO) .............. ................................ -· - · ············· 414 29-30. Noticias a caminho de Veneza (1686-1700) (1733�1765) .................................... 41S 31-32. Em Veneza: as viagens das galere da mercato.... . . . . . . . . . . . . . ........... . .. . . . . . . . . . . . . . . .... 439 33. A população da «Terra Firme» veneziana, em 1548............................................. 442 34. Popµlação de Castela em IS41 e em IS91 .......................................................... 4S2 35. Crescimento da população de Castela (1541-IS91) (1593)...................................... 453 36. A população da Sicília, 1501-1706 .................................................................. 454 37. Os baptismos em Florença, 15Sl-1600 ............................................................. 459 38. A cotação do cequim veneziano ..................................................................... 519 39. O ouro contra a prata .................................................................................. 520 40. As duas idades da prata americana.................................................................. 524 41. O dinheiro «político» da Espanha na Europa, 1580-1620...................................... 525 42. Os preços do trigo no Mediterrâneo - Europa . ............... ................. . ....... ........ . 565 43. Dos preços em Brousse, 1489-1633 ............................................................... ... S66 44. O movimento de preços em Paris, segundo os Arquivos das instituições de caridade.... 568 4S. Estrasburgo precede Valência........................................................................ 572 46. Preços e salários reais em Valência.................................................................. S73 47. Preços reais dos cereais em Estrasburgo, Lwow e Valência.................................... 574 48. As desvalorizações do dinheiro contado .................. ......................................... S78 49. Os caricatorisicilianos em 1532...................................................................... 631 50. Trigo de mar e trigo de Terra Firme em Veneza.................................................. 647 S1. As exportações sicilianas ............................ .................... ......... ..................... 649 52. Na Sicília, depois de 1593, não há trigo importado mas seda exponada .................... 656 S3. Um registo de seguros marítimos em Génova..................................................... 669 54. Incremento dos barcos nórdicos em Livorno: 1573-1593....................................... 683

13

ÍNDICE DAS ILUSTRAÇÕES 1 . Os Alpes entre França e Piemonte. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ... . . . . . . . . . . . . . 75 2-3. Terras áridas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ........ . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . .... . . ............... . . . 76-77 4. O delta do Ródano. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ........... . . . .. . . . . . . ...... 78 S. Portulano (século XVI) do Mediterrâneo Oriental . . . . . . . . ... . . . . . . . . . . . . . . . . .... . . . . . . . . . . . . . . . . . 141 6-7. Tapeçarias que são mapas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .... . . . . . . . . . . . . . . . .... . . . . . . . . 142 e 161 8. Porto de Barcelona . . . . . . . . . . . . . . . . . . ... ..... . . . . . . . . . . . . . . . . ... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 162 9. No Bósforo . . . . . . . . . . . . . .. . . ........... . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . . . . ......... . . . . . ...... . . . ... . . . . . . . . . . . . . 162 283 10. Navios redondos mercantes . . .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .... . . . . . . . . . . . 1 1-12. O Atlântico invade o Mediterrâneo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ....... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 284 286 13. Galeão veneziano . . . . . . . . . . . . . ....... . . . . . . . . . . . . . . . . .... . . . . . . . . . . . . . . . . . .... . . . ..... . . . . . . . . . . . .... . . . 14. Veleiro atlântico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34 1 IS. Os Ingleses tomam Cádis ( 1 596) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ... . . . . . . . . . . . 342 16. Veleiros grandes e pequenos . . . . . ........... . . . . . . . . .. . .. . . . . . . ...... . . . . . . ... . . . . . .. . . . . . . . .... . . . . . . 342 17. Galeras e navios redondos no Oceano Atlântico . . . . .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ... . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . 343 18. Navio redondo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .... . . . . . . . . . . 344 19-20. Génova no século xv . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ... . . . . . . . . . . . . . . 381 2 1 . O arsenal d e Veneza ( 1 500) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 382 383 22. Constantinopla . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .... . . . . .... . . . .. . . . 23. O Cairo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .... 384 24. Plano de Veneza (século XVI) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ... . ... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . . . . . . . . 384

14

A Lucien Febvre, sempre presente, em testemunho de reconhecimento e filial afeição.

Até ao presente, ninguém descobriu no Novo Mundo qualquer Mediterrâneo semelhante ao que há na Europa, Á sia e África...

J.

Acost�.

Histoire Naturelle des lndes, 1558,

p. 94.

1 m (mapa levantado por Jacques Bertio)

PREFÁCIOS

à

primeira edição

Amei apaixonadamente o Mediterrâneo indubitavelmente porque oriundo do Norte. Como tantos outros, após tantos outros. Consagrei-lhe, com alegria, longos anos de estudo, muito para além de toda a minha juventude. Como única contrapartida, espero que um pouco desta alegria e muito da sua luz iluminem as páginas deste livro. Para tanto, ideal seria, sem dúvida, que, à semelhança do romance, pudéssemos situar a personagem sempre segundo a nossa vontade, sem nunca a perdermos de vista e jamais permitindo que se es­ quecesse a sua presença dominadora. Infeliz ou felizmente, o nosso oficio não permite as admiráveis subtilezas do romance. O leitor que pretenda abordar este livro no sentido que tenho por útil, fará, portanto, bem em ter sempre pre­ sentes as suas próprias memórias e perspectivas do mar Interior, utilizando-as para colorir o meu texto, e assim me ajudando a recriar esta presença avassala­ dora, tarefa a que dediquei o melhor do meu esforço. Penso que o melhor do­ pode v�.r � cumento sobre o passado do mar é ele pr§mj_Q,tal «;. aro_ar. Talvez tenha sido esta a ílnica lição que me ficou dos geógrafos que foram meus mestres na Sorbonne; mas, pelo menos, conservei-a, e com uma obstinação que explica o sentido de todo o meu trabalho. Poderá pensar-se que eu poderia ter recorrido a um exemplo mais simples ql!�-º MediteJrân�9__p�_�!L��liçar os la.çQs �_ntre _él �istóriél �-º -�s_p�g, tanto mais que, à escala dos homens, o mar Interior era, no século XVI, bastante mais vasto que hoje; uma personagem complexa, embaraçosa, excepcional, que es­ capa às nossas medidas e definições. Inútil é pretender escrever dele a história simples, no género «nasceu a.. . »; tal como é inútil tentar escrever com simplici­ dade a seu respeito, contar singelamente como as coisas se passaram. .. O Medi-

�ºlll �rii:O

21

O MEDITERRÂNEO E O MUNDO MEDITERRÂNICO

terrãneo nem sequer é um mar, antes é um «complexo de mares», de mares pe­ jados de ilhas, cortados por penínsulas, cercados por costas rendilhadas; a sua vida está ligada à terra, a sua poesia é predominantemente rústica, os seus mari­ nheiros são camponeses nas horas vagas; é o mar dos olivais e das vinhas, tanto como dos esguios barcos a remos ou dos redondos navios dos mercadores, e a sua história não pode ser separada do mundo terrestre que o envolve, tal como a argila o não pode ser do artesão que a modela. Lauso la more e tente'n terro («Elogia o mar e mantém-te em terra»), diz um provérbio provençal. Será, portanto, difícil definir exactamente que personagem histórica pode­ rá ser o Mediterrâneo; para tal seria necessário paciência, múltiplas diligên­ cias, e, certa e inevitavelmente, alguns erros. Nada se apresenta mais nítido que o Mediterrâneo do oceanógrafo, do geólogo, ou, mesmo, do geógrafo, todos eles especialistas de domínios claramente reconhecidos, definidos, e balizados. Mas o mesmo não se passa com o Mediterrâneo da história: mil vozes autoriza­ das se ergueram já para avisar que ele não é isto nem aquilo, que não é um mundo fechado em si mesmo, e que nem sequer é finito. E pobre do historiador que pensa que esta difícil questão se não coloca, que o Mediterrâneo é uma per­ sonagem que não tem de ser definida porque já está definida há muito, que se apresenta clara e imediatamente reconhecível, e cujas características se abar­ cam recortando a história geral segundo o picotado dos seus contornos geográ­ ficos. Porque tais contornos, que valem eles para as nossas pesquisas? Seria possível escrever a história do mar - mesmo que referente, por hipó­ tese, a um período de apenas cinquenta anos -, fazendo-a parar nas Portas de Hércules, e, no outro extremo, no corredor marítimo cujos acessos já eram vigiados pelos antigos troianos? Estas questões de enquadramento são as pri­ meiras a porem-se-nos, e delas derivam todas as outras; delimitar é definir, analisar, reconstruir, e, neste caso concreto, escolher e, mesmo, adoptar uma .filosofia da história. · Para nos auxiliar na tarefa, dispúnhamos de um volume prodigioso de ar­ tigos -publicaÇões, pesquisas; uns puramente históricos, enquanto outros, não menos interessantes, provinham de contribuições dos nossos vizi­ nhos etnógrafos, geógrafos, botânicos, geólogos, tecnólogos . ... Não existe no mundo um espaço mais bem iluminado e inventariado que o do mar Interior e das terras que ele atinge com o seu reflexo. Mas - devemos dizê-lo, mesmo correndo o risco de parecermos ingratos para os nossos antecessores - esta massa de dados esmaga o investigador como uma chuva de cinzas, e a esmaga­ dora maioria dos estudos fala uma linguagem do passado, caída em desuso por múltiplas razões. Não têm em vista todo o vasto mar, mas um específico e mi­ núsculo pedaço de mosaico, como não têm em vista a globalidade da sua vida agitada, antes se concentrando nos gostos dos príncipes e dos ricos, numa nu­ vem de futilidades que pouco tem de comum com a história, lenta e poderosa, que está nos nossos objectivos. Assim, muitos desses estudos deverão ser reto­ mados, reavaliados à escala do conjunto, repostos em causa para que se lhes confira nova validade.



22

PREFÁ CIOS

Do mesmo modo, também não é possível fazer a história do mar se se não tiver um conhecimento exacto das vastas fontes de informa"Ção guardadas nos arquivos. E esta é uma tarefa que parece estar acima das possibilidades de qual­ quer historiador isolado, porque não existe_._!!Q_��culo XVI, um único Estado _!ll:edi�errânico que não disponha cl� U_J!l_ilI9.\liyista, geralmente bem fornecido de doc\l111entos que escaparam aos incêndios. aos cercos, às catástrofes de toda. o iénero que o mundo mediterrânico sofreu. Pª1'a iJllleRtafiar e explQrar todas estas riquezas insuspeitadas seriam precisas não uma ma� vinte vidas. ou vinte investigadores que lhes consagrassem, em esforço simultâneo, a totalidade das suas próprias vidas. Más talvéZ chegue o dia em que já não se trabalhe nas ofici­ nas da história com métodos de pequenos artífices; e então já será possível fa­ zer história geral com base em textos originais e não em livros mais ou menos em primeira mão. Será, ainda, necessário dizer que, apesar de um aturado es­ forço, não estudei todos os documentos de arquivo que estavam ao meu alcan­ ce, e que o meu livro se baseia num esforço de pesquisa necessariamente par­ cial? Sei, antecipadamente, que as conclusões a que cheguei serão analisadas, discutidas, substituídas por outras. Sei, e desejo-o. Porque é assim que progri­ de, e deve progredir, a história. Por outro lado, e até porque referido a um tempo histórico ingrato, entre os últimos grandes clarões da Renascença e da Reforma e a rudeza do sé­ culo XVII, o Mediterrâneo da segunda metade do século XVI é, de facto, «um falso belo tema», para usar a expressão de Lucien Febvre. Mas quem lhe con­ testará o interesse? Certamente se terá por útil que se apure em que se.transfor­ mou o mar Interior ao começar a época rnodernª,_g__u,ando o mundo deixou de se centrar nele, de viver para ele e ao seu ritmo. A decadência imediata, de que sempre se fálou, não me parece estar provada;-ou melhor, tudo parece demons­ trar o contrário. Mas, para além deste aspecto, creio que todos os problemas que o Mediterrâneo coloca são de uma riqueza humana excepcional, interessan­ do, portanto, tanto a historiadores como a não historiadores. Penso até que esses problemas se mantêm actuais, e que não estão desprovidos da «utilidade», em sentido restrito, que Nietzsche exigia da própria história. Não me alargarei em considerações sobre o fascínio e as tentações que um tal tema provocava, e já falei das suas falsidades, isto é, das suas dificuldades e perfídias. Mas acrescentarei mais uma: a de saber que, de entre as nossas obras históricas, nenhum guia válido me ofereceria auxílio. Um estudo histórico cen­ trado sobre um espaço líquido tem todos os encantos, e, mais seguramente ain­ da, todos os perigos de uma novidade. Estando ambos os pratos da balança extremamente pesados, terei tido, no fim de contas, razão ao decidir-me pelo lado do risco, e ao pensar, imprudente­ mente, que a aventura valia bem a pena? A própria história deste livro constitui a minha desculpa. Quando, em 1 923 , o iniciei, fi-lo adaptando a forma, clássica e certamente mais prudente,

de um estudo consagrado à política mediterrânica de Filipe II, atitude que teve 23

O MEDITERRÂNEO E O MUNDO MEDITERRÂNICO

a entusiástica aprovação dos meus mestres de então. Porque viam tal estudo en­ quadrar-se na história diplomática, indiferente, ou quase, às conquistas da geo­ grafia, pouco preocupada (como, demasiadas vezes, também a própria diplo­ macia) com a economia e os problemas sociais; uma história que despreza, em grande medida, os dados da organização social, da religião, e também das le­ tras e das artes (grandes testemunhos da história verdadeiramente válida), e que, entrincheirada nos seus preconceitos, recusava qualquer olhar que se es­ tendesse para além dos gabinetes e abrangesse a vida real, fecunda e densa. As­ sim, explicar a política do Rei Prudente seria, sobretudo, definir as responsabi­ lidades do soberano e dos seus conselheiros na elaboração dessa política, tendo em conta circunstâncias variáveis, seria determinar os grandes e pequenos pa­ péis, reconstituir o quadro geral da política mundial de Espanha - de que o Mediterrâneo era apenas um sector, e nem sempre privilegiado. Com efeito, a partir de 1 580, a Espanha virara-se decisivamente para o Atlântico; era aí que, consciente ou não do perigo, o vasto império de Filipe II devia enfrentar ameaças e defender a sua existência. Um poderoso movimento de báscula empurrava-o para os seus destinos oceânicos. Mas, interessar-se por este jogo subterrâneo, por esta tisica da política da Espanha, e preferir estas investigações à definição das responsabilidades de um Filipe II ou de um D. João de Áustria, admitindo, ainda para mais, que, apesar das suas ilusões, a estes últimos esteve frequentemente reservado o mero papel de actores, era já, sair dos quadros tradicionais da história diplomática; e, por último, admitir que, para lá do jogo longínquo e irregular da Espanha (intervenção muito té­ nue, de resto, se esquecermos a grande atitude passional de Lepanto), o Medi­ terrâneo teve uma história própria, cumprindo o seu destino através de uma vida plena e vigorosa, e duvidar que tudo isto merecesse apenas ser considerado como pano de fundo, todos estes elementos, em suma, acabaram por me arras­ tar para o imenso tema a que acabei por devotar-me. Poderia, aliás, ter acontecido outra coisa? Teria sido possível que eu se­ guisse a pista de sucessivos documentos altamente esclarecedores sem acabar por me aperceber dessa vida multímoda e agitada? Sujeito a tais estímulos, po­ deria eu ficar surdo ao apelo de uma revolucionária história económica e social que um pequeno grupo de franceses tentava fazer reconhecer no seu país, como já acontecia na Alemanha, na Inglaterra, nos Estados Unidos, e até mesmo na vizinha Bélgica e na Polónia? A tentativa de encarar a história do Mediterrâneo na sua complexa globalidade in:lpllnha que seguisse a senda desses pioneiros,. e, aproveitando a sua experiência, militar com eles por uma nova forma de histó­ ria, repensada e elaborada por nós, mas capaz de transpor as nossas fronteiràs; uma história consciente das suas tarefas e responsabilidades, e também desejo­ sa, porque obrigada a romper com elas, de pôr termo às formas antigas, ainda que nem sempre com total justiça! . . . E a ocasião era boa, pois tratava-se de es­ tüdai uma personagem fora de série, aproveitando-lhe a complexidade, dificul­ dade, armadilhas e vigor para·tentar fazer uma história diferente da que os nos­ sos mestres ensinavam. 24

PREFÁCIOS

Toda a obra pretende ser revolucionária, e se esforça por significar uma nova conquista. Se mais razões não houvesse, ficaríamos gratos ao Mediterrâ­ neo por nos ter forçado a sair da rotina. Esta obra divide-se em três partes, cada uma das quais pretende ser uma tentativa de explicação de conjunto. A primeira trata de uma história, quase imóvel, que é a do homem nas suai reJ�ções c�m � '!'�� qu�-.�· umafü_st_Q�1�Jenta. de lentaitraruformacões muitas vezes feita de retrocessos, de cliclos sem,.RK.[ecomr,çadQS·.u.ão quis des­ prezar essa história, quase fora do· tempo�-dei�lação com as coisas inanimadas, mas também não quis ficar-me pelas tradicionais introduções geográficas à his­ tória, inutilmente lançadas para o princípio de cada livro, com descrições do meio fisico, das actividades agrícolas e das flores; paisagens, actividades e flo­ res que se mostram rapidamente e de que depois se não volta a falar, como se as flores não regressassem todas as Primaveras, como se os rebanhos parassem nas suas migrações, como se os navios não navegassem num mar real, que muda com as estaçõs do ano. Acima desta história imóvel, pode distinguir-se uma outra, caracterizada por um ritmo lento: se a expressão não tivesse sido esvaziada do seu sentido ple­ no, chamar-lhe-íamos de bom grado história social, a _h_i§Jé>Iiª- cl.Qs_gr_1,1p9�e ����J1t�!· Qual a influência dessáSVãgãS êfeíilndo no conjunto da vida . mediterrânica, eis a pergunta que a mim próprio pus na segunda parte da mi­ nha obra, ao estudar, sucessivamente. as economias, os Estados. as sociedade., , as civilizações, e , por _fü_11,. _e p���- �t:lh_or e�sl.��-í!.IPJ'Jbi çon­ _ · todas estas forças profundas actuam no cepção de história� mos -ra.r-�êomó complexo dOmTu.iô'da guerra. Porque, como todos bem sabemos, a guerra nun­ ca resulta apenas de decisões individuais. E, finalmente, a terceira parte, a da história tradicional, necessária _s�_p_n:­ . tendemos uma história não à dimensão do- homem mas. .ciõ iiidivídÚo, �ma bis­ iória .dê acont�i��ntos à maneira ciê'J>ã�i Lac��be e François Si�iancÍ , i�to ·é, a da agitação de superficie, as vagas levantadas pelo poderoso movimento das marés, uma história com oscilações breves, rápidas, nervosas. Ultra-sensível por definição, o menor movimento activa todos os instrumentos de medida. Com todas estas características, é de todas a mais apaixonante, a mais rica em humanidade, e também a mais perigosa. É necessário desconfiar desta história ainda quente, tal como os contemporâneos a sentiram, descreveram e viveram, segundo o ritmo das suas próprias vidas, breves como a nossa. Esta história tem a dimensão das cóleras, sonhos e ilusões dos seus contemporâneos. No sé­ culo XVI, à verdadeira Renascença seguir-se-á a Renascença dos pobres, dos hu­ mildes, que se decidem a escrever, a contar-se, a falar dos outros. Toda esta preciosa papelada é bastante deformante, invade o tempo perdido, onde assu­ me um lugar à margem. O historiador que leia os papéis de Filipe II encontrará um mundo bizarro, como que deslocado do seu tempo e lugar próprios, um mundo de paixões vivas, irreflectido, agitado, hostil a uma análise serena e pro-



25

O MEDITERRÂNEO E O MUNDO MEDITERRÂNICO

funda; um mundo perigoso, cujos sortilégios podemos, porém, conjurar se tivermos previamente estudado as grandes correntes subjacentes, frequente­ mente silenciosas, e cujo sentido só se revela se trabalharmos com dilatados pe­ ríodos de tempo. Os acontecimentos espectaculares não passam muitas vezes de instantes, de manifestações dos grandes destinos, e só neles encontram explica­ ção cabal. Chegámos assim a uma decomposição da história em planos sobrepostos; ou, se se quiser, à distinção, no tempo da h1stóna, de um tempo geográfico, de um tempo social, e de um �_�po indiv��l!li1-: Ou ainda,-se se preferir, à decom­ posição do homem num corteío-aepersonagens. Será talvez por isso que serei menos perdoado, ainda que possa alegar que as divisões tradicionais fraccio­ nam, também elas, a história viva e profundamente una, ou, mesmo, que possa argumentar, contra Ranke ou Karl Brandi, que a história-exposição não é um método (ou o método) objectivo por excelência, mas sim uma filosofia da his­ tória; ou até, ainda, se sustentar, e depois demonstrar, que estes planos preten­ dem ser meios de exposição, e que não evitei dificuldades fingindo passar de uns para outros . . . E, no fundo, valerá a pena discutir? Se me for feita a critica de ter concatenado mal os elementos, espero, não obstante, que os criticos en­ contrem esses elementos devidamente elaborados, e de acordo com as boas re­ gras das nossas oficinas. Espero também que me não critiquem a ambição excessiva, o desejo e a ne­ cessidade de ver em grande e ao longe; a história não está irremediavelmente condenada a ter de se remeter ao estudo de jardins encerrados entre muros. Até porque, a ser assim, ela não cumpriria uma das tarefas que actualmente se lhe põem, qual seja a de responder aos angustiantes problemas actuais, ligando-se às ciências do homem, tão jovens ainda, mas já tão avassaladoras. Poderá, em 1 946, existir um humanismo actual sem uma história ambiciosa, consciente dos seus deveres e dos seus imensos poderes? «Foi o medo da grande história que matou a grande história», escrevia, em 1 942, Edmond Faral. Que ela possa reviver 1 ! Maio de 1 946. 1 Longa é a lista das minhas dívidas de gratidão. Para ser exaustiva, exigiria um volume; limitar-me-ei, por isso, ao essencial. Recordo com gratidão os meus mestres da Sorbonne, da Sorbonne de há vinte e cinco anos: Albert Demangeon, Émile Bourgeois, Georges Pages, Maurice Holleaux, Henri Hauser, a quem devo a minha pri­ meira orientação no sentido da história económica e social, e cuja viva amizade sempre me reconfortou. Em AI­ gel, usufruí da ajuda amiga de Georges Yver, Gabriel Esquer, Émile-Félix Gautier, René Lespês; em 1931, tive ai o prazer de seguir as maravilhosas lições de Henri Pirenne. Um agradecimento muito especial aos arquivistas espanhóis que me auxiliaram nas investigações e foram os meus primeiros mestres de hispanismo: Mariano Alcocer, Angel de la Plaza, Miguel Bordonau, Ricardo Magdale­ na, Gonzalo Oniz, todos eles gostosamente evoco, e com eles, as nossas discussões em Sirnancas, capital «históri­ ca» da Espanha. Em Madrid, Francisco Rodriguez Marin honrou-me com a hospitalidade fidalga . . . Igualmente agradeço aos arquivistas de Itália, Alemanha e França, que inundei de perguntas no decurso das minhas investiga­ ções. Nesse agradecimento, um lugar à parte para o Sr. Truhelka, reputado astrónomo e incomparável arquivista de Dubrovnik, o grande amigo nas minhas viagens através dos arquivos e bibliotecas. Também extensa e dispersa pelo mundo é a lista dos meus colegas e alunos de Aigel, São Paulo e Paris, cole­ gas e alunos que me prestaram valioso awtilio. Agradeço especialmente a Earl J. Hamilton, Marcel Bataillon, Ro-

26

PREFÁ CIOS

à

segunda edição

Hesitei muito em reeditar O Mediterrâneo. Alguns amigos aconselharam­ -me a nada alterar - nem uma palavra, nem sequer uma virgula -, chegando mesmo a acentuar que havia toda a vantagem em não modificar um texto que se tornou clássico. Mas, honestamente, poderia eu crer neles? Sujeitos ao cres­ cente peso dos conhecimentos que vamos adquirindo e ao avanço constante das ciências humanas, que lhes são vizinhas, os livros de história tendem a envelhe­ cer muito mais depressa que antigamente. Um breve instante passado, o seu vo­ cabulário é já velho, o que tinha de novo torna-se vulgar, e a própria explicação inovadora que impuseram é claramente posta em causa. Para mais, O Mediterrâneo não data, de facto, de 1949, ano da sua publi­ cação, nem sequer de 1947, ano que foi matéria de tese defendida na Sorbonne. As suas grandes linhas estavam já fixadas, para não dizer inteiramente expres­ sas em texto definitivo, em 1939, no termo da primeira juventude dourada dos Annales de Marc Bloch e Lucien Febvre, de que éfruto directo. Não deve, tam­ bém, o leitor iludir-se com os argumentos expressos no prefácio da primeira edição, pois eles visavam combater teses obsoletas, hoje em dia já esquecidas no mundo da investigação, se não mesmo no do ensino. O combate de ontem é hoje apenas contra sombras. Consequentemente, muito cedo tive a certeza de que uma nova edição implicaria uma revisão profunda, para já não dizer completa, e que, para a jus­ tificar, me não bastaria acrescentar uma série de mapas, esboços, gráficos e ilustrações que as dificuldades dos tempos que vivíamos em 1949 me tinham impedido de publicar. Assim, introduzi correcções, acrescentos e transforma­ ções, por vezes de amplitude considerável, tanto mais que me foi necessário ter em conta conhecimentos novos,· e novas problemáticas, frequentemente de mais vastas consequências que os novos conhecimentos. É por isso que vários capftulos tiveram de ser reescritos do principio ao fim. Como dizia, e repetia, Henri Pirenne, todas as sfnteses acabam por deter­ minar novas investigações específicas. Foi o que aconteceu após a publicação deste meu livro, com novos aspectos que primeiramente me acompanharam e bcn Ricard e André Aymard, que, a diversos títulos, me ajudaram. Dos meus colegas de cativeiro, dois houve que colaboraram no meu trabalho: Addé·Vidal, advogado no Supremo Tribunal de Paris, e Maurice Rouge, urbanista e historiador nas horas vagas. Não esqueço, por fim, o auxilio, nunca regateado, do pequeno grupo da Revue His­ rorique - Maurice Crouzet e Charles-André Julien - no tempo em que Charles Bémont e Louis Einsenmann ali protegiam e acarinhavam os lmpetos juvenis da minha geração. Nas últimas correcções introduzidas no texto, aproveitei sugestões apresentadas por Marcel Betaillon, Émile Coomaert, Roger Dion e Emest Labrousse. A maior das minhas dividas de gratidão é de facto para com os Annafes (a sua ciência e o seu espirita), e é pú­ blica a minha determinação em pagá-la o melhor que posso. Embora, antes da guerra, apenas tivesse tido um pri­ meiro contacto com Marc Bloch, creio poder afirrnar que nenhum pormenor do seu pensamento me foi estranho. Cabe-me acrescentar, a finalizar, que sem a solicitude afectuosa e enérgica de Lucien Febvre este trabalho não teria cenamente sido concluído tão depressa. Foi graças aos seus encorajamentos e conselhos que me libenei de longas dúvidas sobre a razão de ser do meu trabalho. Se não fosse ele, é ceno que eu acabaria por voltar sempre a mais pesquisas e documentos. O inconveniente dos empreendimentos demasiado vastos é que acabamos por nos perder neles. E, por vezes, perdemo-nos com prazer.

27

O MEDITERRÂNEO E O MUNDO MEDITERRÂNICO

agora me aprisionam. Necessitaria depáginas e páginaspara assinalar o imenso trabalho que, desde 1949, foi realizado em campos que dizem directamente res­ peito a esta obra, e que se encontra nos livros e estudos - alguns dos quais ain­ da não publicados - de Omer Lutfi Barkan e seus discípulos, de Julio Caro Barroja, de Jean-François Bergier, de Jacques Berque, de Ramón Carande, de A/varo Castil/o Pintado, de Federico Chabod, de Huguette e Pierre Chaunu, de Cario M. Cipolla, de Gaetano Cozzi, de Jean De/umeau, de Alphonse Du­ pront, de E/ena Fasano, de René Gascon, de José Gentil da Silva, de Jacques Heers, de Emmanue/ de Roy Ladurie, de Vitorino Magalhães Godinho, de Her­ mann Kellenbenz, de Henri Lapeyre, de Robert Mantran, de Felipe Ruiz Mar­ tín, de Frédéric Mauro, de Ruggiero Romano, de Raymond de Roover, de Frank Spooner, de forjo Tadié, de Alberto Tenenti, de Ugo Tucci, de Valentín Vázquez de Prada, de Pierre Vilar, e, por último, o trabalho da equipa consti­ tuída pelo saudoso José Vicens Vives e pelos seus extraordinários discípulos, equipa a que me liga estreita colaboração. Finalmente, eu próprio acrescentei abundantes informações às publicadas na primeira edição, mediante leituras e investigações nos arquivos e bibliotecas de Veneza, Parma, Modena, Florença, Génova, Nápoles, Paris, Viena, Siman­ cas, Londres, Cracóvia, Varsóvia. A necessidade de incorporar tantas novas contribuições pôs-me de novo perante as insidiosas q_uestões de método. Questões que têm imediata implica­ ção num 'livro que abarca o espaço mediterrânico, entendido nos seus mais am­ plos limites, e todo o espectro da sua vida multifacetada. Uma informação au­ mentada determina necessariamente uma reformulação, quando não mesmo uma ruptura com os antigos problemas, e a relação com outros novos, de solu­ ção diffcil e incerta. Por outro lado, também o próprio autor evoluiu no decur­ so dos quinze anos que separam esta nova edição do texto inicial. Era impossí­ vel mexer neste livro sem que isso determinasse por si só a alteração de certos equilfbrios_ , in Bul/etin hist. et phil. du Comité des travaux hist. et scient., 1901, pp. S6S-S68.

2J Bérard, Les Navigations d'Ulysse, li, Pénélope et /es Barons des iles, 1928, pp. 3 1 8 e 3 1 9. Os monta­ nheses estiveram sempre presentes na história do Mediterrâneo: há já algum tempo, os emigrantes montenegrinos que iam para a América; mais recentemente, os soldados da guerra da independeticia turca, companheiros de Mustafá Kemal, que Armstrong (Mustapha Kema/, op. cit., p. 270) nos retrata: os irregulares do «exército verde» de Ehden, «selvagens de rosto feroz», os guardas de Mustafá, vindos da tribo montanhesa de Lazzes (costa sul do mar Negro), «grandes foliões selvagens . . . ágeis como gatos», que conservaram, por privilégio, os seus cos­ tumes nacionais e as suas danças, nomeadamente a dança do «Zebek». De referir ainda o exemplo dos Curdos, e algumas notas do conde de Sercey (op. cit., pp. 216, 288, 297) sobre as suas tendas, os seus pies feitos mais de pa­ lha que de trigo, o seu queijo de cabra e aspectos gerais da sua vida.

V.

H. C.

40

AS PENÍNSULAS: MONTANHAS, PLANAL TOS, PLANÍCIES valor, escalas incertas, dificeis de referenciar nos mapas. De resto, já há muito

Raoul Blanchard lançara o aviso: «Uma definição de montanha que seja clara e compreensível é, em si mesma, quase impossível de formular»24 •

Mas será legítimo concluir que as montanhas são os cantões pobres do Me­

diterrâneo, as suas reservas de proletários? Sim, em termos gerais. Contudo, no

século XVI há muitas outras zonas pobres situadas abaixo da linha dos quinhen­ tos metros; é, pelo menos, o caso das estepes de Aragão e dos pântanos Ponti­

nos . . . E, por outro lado, são numerosas as montanhas que, se não são ricas, são pelo menos bastante favorecidas e relativamente povoadas. Alguns vales si­

tuados nos mais altos cumes dos Pirenéus catalães absorvem mesmo «entre uma aldeia e outra a sua própria emigração» 25 • Muitas outras montanhas são ricas, porque são chuvosas; segundo Arthur Young, em clima mediterrânico

pouco importa o solo: «tudo se deve ao sol e à água.» Os Alpes, os Pirenéus, o Rif, as Cabílias, todas as montanhas expostas ao vento do Atlântico são regiões

verdejantes, onde abundam a erva e os densos bosques26 • Outras montanhas há

que são ricas graças aos seus subsolos, e algumas outras são anormalmente po­

voadas devido ao refluxo de populações não montanhesas - acidente histórico mil vezes repetido.

Que a montanha é um refúgio contra os soldados ou os piratas, é um lugar comum referido por todos os documentos, a começar pela Bíblia27 • Por vezes, esse refúgio torna-se definitivo28 • Atente-se no exemplo dos Puszto-Valacos,

expulsos das planícies pelos camponeses eslavos e gregos, e vivendo depois, du­ rante toda a Idade Média, como nómadas através dos espaços livres dos Balcãs,

da Galícia à Sérvia e até ao mar Egeu, sempre empurrados por outros, e sempre levando outros à sua frente29 • Semelhantes aos veados «em ligeireza, descem

das montanhas para roubar . . . », como nota um viajante do século x11 Jo . Erran­

do por toda a Península «até ao Matapão e Creta, passearam os seus rebanhos

de carneiros e os seus capotes negros através das duas mais altas cadeias de montanhas, Hémus e Pindo, que constituíam para eles o melhor abrigo; é des­

tas duas montanhas que bruscamente descem para entrarem na história bizanti-

Prefácio a Jules Biache, L 'homme et la Montagne, op. cit., p. 7 . Pierre Vilar, La Catalogne dans l'Espagne modeme, l, 1962, p. 209. A afirmação de Arthur Young é cita­ da ibid., p. 242. 26 Rif e Atlas, «onde a refeição-tipo é o confortante caldo de farinha, de favas e de azeite», J. Biache, op. cit., pp. 79-80. 27 Josué, li, 1 -1 . Após o fracasso da conspiração em Aorença, Buondelmonti procura refúgio no Apenino 5 6 toscano (Augustin Renaudet, Machiavef, 194 1, p. 108). Os Cretenses, para escaparem aos corsários e navios tur­ cos, refugiam-se nas montanhas da sua ilha (B.N., Paris, !tal. 427 , 1 572, f.º 1 99 v.0). 28 É o ponto de vista de Paul Vida! de La Biache, Principes de géographie humaine, Paris, 1922, p. 42. Por exemplo, os Alpes da TransilvAnia, onde se reconstitui o povo romeno, os Balcãs, onde, de igual modo, embora em menor escil.la, se reconstitui o povo búlgaro, o Cáucaso, etc. 29 André Blanc, La Croatie occidentafe, 1957 , p. 97. 30 Benjamin de Tudela, Voyage du célebre Befl}amin autour du monde commencé l'an MCLXX/11, trad. Pierre Bergeron, Haia, 1 735, p. 10. 24

25

41

O MEDITERRÂNEO E O MUNDO MEDITERRÂNICO na, no início do século XIl l . E é ainda em volta destas montanhas que o sé­

culo XIX os encontra - pastores, agricultores, e, sobretudo, condutores das

caravanas de mulas que ainda são as grandes empresas de camionagem da Al­ bânia e da Grécia do Norte32 • São portanto numerosas as montanhas que constituem excepção à regra da

pobreza e do vazio, regra confirmada, de resto, por abundantes descrições de

viajantes e por outras fontes do século XVI: um enviado de Veneza que, em

1 572, se junta a D. João de Áustria em Messina, encontra desertas as regiões da Alta Calábria que atravessa33 ; desertas, também a Sierra Morena, em Castela34 e as serras de Espadan e Bernia, no reino de Valência35 , que, em 1 564, foram

alvo de explorações e inquéritos por se temerem revoltas das populações arabi­ zadas, e o consequente perigo de uma guerra difícil numa região montanhosa em que revoltosos tinham já resistido à infantaria alemã, em

1526;

mais vazios

ainda, eternamente desertos, os montes selvagens e nus do interior siciliano, e

vários acidentes montanhosos de outras regiões mediterrânicas, carentes de

água e hostis até à própria vida pastori1 36 .

Mas estes são casos extremos. Para o geógrafo J. Cvijié37 a montanha do centro balcânico (compete-nos a nós alargar ou não a outras zonas as suas ob­

servações) é o domínio por excelência do habitat disperso, do lugarejo, enquan­

to as planícies são, pelo contrário, o domínio do povoamento tipo aldeia.

A distinção é válida para o caso da Valáquia, e mais ainda, para a Hungria,

com as enormes aldeias de Puszta, e também para a Alta Bulgária, onde os lu­

garejos, outrora semipastoris, são conhecidos pelo nome de

kolibé,· e mesmo,

ainda, para a Sérvia Antiga, a Galícia e a Podólia. Só que tudo isto apenas é vá­

lido em traços gerais. Em muitos casos, seria difícil marcar com precisão num

mapa a área de aldeias das zonas mais baixas - aldeias que são muitas vezes autênticas cidades - e a das zonas mais altas, dos lugarejos que apenas agru­ pam algumas casas, quando não mesmo uma só família. Um desenvolvido estu­

do elaborado pelo mesmo autor sobre os confins servo-búlgaros, entre Kumanil

3 1 Victor Bérard, La Turquie et l'héllénisme contemporain, 1893, p. 247 . 32 C. H. L. de Pouqueville, Voyageen Grece, 1820, t. 111, pp. 8 e 13; V. Bérard, op. cit., pp. 79-83 e 247 . Sobre Valacos e Aromunos, abundante literatura. Algumas precisões em Biache, op. cit., p. 22; J. Cvijié, La Péninsule balkanique, Paris, 1918, pp. 1 1 5, 178 (nota 1), 202-203.

F.

J.

33 Luca Michieli, 2S Out. 1572, Reüa.ione, d. S., Veneza, Collegio Secreta, filza 18. 34 Don Quijote, o episódio de Cardenio, la no;on que os ha traido (pergunta o cavaleiro) a vivir y moriren es­ tas soledades como bruto animal. 35 Discol30 sopra le due montagne di Spadan e di Bemia (1564 ou 1565). Sirnancas 329. relacionar, penso, com o documento B. N. Paris, Esp. 177: lnstruccion a vos Juan Baptista Antonelli, para que vayas a reco­ noscer el sitio de la Sierra de Vemia (s.d.). 36 Cf. as observações de Paul Dcscamps, Le Portugal, la vie sociale actuelle, 1935, a propósito da Serra da

A.

E.º

Estrela (pp. 123-124), com a sua vida pastoril menos desenvolvida que a do Norte.

A

37 Sobre esta questão, duas brilhantes páginas de Paul Vida! de La Biache, Principes de Géographie humai­ ne, 1922, pp. 188-189. As ideias de Cvijié sobre o assunto estio expostas, ainda que de forma algo obscura, no seu livro, cm franc!s, La Péninsule balkanique, 1918. propósito dos lugarejos de montanha, P. V. de La Biache salienta: « É destes povos que Constantino Porfirogeneta escrevia: nlo podem suponar que duas cabanas estejam próximas uma da outra», op. cit., p. 188.

J.

A

42

AS PENÍNSULAS: MONTANHAS, PLANALTOS, PLANÍCIES e Kumanovo38 , é formal a respeito desta quase impossibilidade de delimitação precisa.

É, de resto, diflcil transpor rigorosamente esta realidade de continente bal­ cânico para o universo mediterrânico, para a vizinha Grécia39 , para o Ocidente,

virado para a vida marítima, temendo as incursões piratas e desprezando as planícies, alvos fáceis das pilhagens e frequentemente insalubres; atente-se nas grandes aldeias alcantiladas da Córsega, da Sardenha, da Sicília, da Provença,

das Cabílias, do Rif. Lugarejo minúsculo ou aldeia importante, o povoamento

montanhês expandiu-se normalmente por áreas demasiado amplas e de difícil

circulação; a situação é semelhante à dos primeiros centros populacionais do

Novo Mundo, também eles afogados pela imensidade de um espaço circundan­

te muitas vezes inútil40 ou hostil, isolado dos contactos e das trocas comerciais, sem as quais não evolui a civilização41 • A montanha vê-se forçada a bastar-se a si própria em tudo o que é essencial à vida, a produzir, custe o que custar, tudo

aquilo de que necessita, a cultivar a vinha, o trigo e a oliveira mesmo que o solo

ou o clima não sejam adequados. Sociedades, civilização, economia, tudo ali se caracteriza pelo arcaísmo e pela insuficiência42 • Em termos gerais, pode, portanto, falar-se de diluição do povoamento

montanhês, ou, com mais propriedade, de civilização incipiente devido à insu­ ficiência da ocupação humana. Heinrich Decker estudou, num belo livro43 , a

JH «Grundlinien der Geographie und Geologie von Mazedonien und Ah-Serbien», in Petermanns Mitteilun­ gen aus J. Perthes Geographischer Anstalt, Ergánnzungsheft n . º 162, 1908. 39 Sobre a «aldeia-cidade» da Grécia, ver J. Angel, Les peuples et nations des Balkans, 1926, pp. 1 10- 1 1 1 . A titulo de expressiva prova, ver em Martin Hurlimann, Griechenland mil Rhodos und Zypern, Zurique, 1938, p. 28, a magnírica fotografia da aldeia grega de Arachova, situada a 942 metros de altitude, sobre uma paisagem de campos cultivados em terraços, nas vertentes do Parnaso. Esta aldeia é ainda famosa pelos seus tecelões. 40 Paul Arqué, Géographie des Pyrénéesfrançaises, 1 943 , p. 48, assinala que, segundo os cálculos do inspec­ tor-geral Thierry, o espaço cultivado dos Pirenéus franceses «pode comparar-se a um departamento médio». Observação, a ser corrccta, bastante esclarecedora. 41 Ver, a respeito da Córsega, a carta de advertência de F. Borromeo ao bispo de Ajaccio ( 1 4 Nov. 1 58 1 , p.p. Villorio Adami, « l Manoscritti della Biblioteca Ambrosiana di Milano, relativi alia storia di Corsica», in Archivio storico di Corsica, 1932, 3, p. 8 1 ) . Nestas reprimendas evoca-se a vida errante do bispo, em viagem através da montanha com a sua pequena caravana de bestas de carga. Comparem-se as dificuldades da viagem com as da jor­ nada de São Carlos Borromeu (é certo que nos Alpes) em 1 580, ou com as do bispo de Dax, que, no Inverno, per­ correu as montanhas nevadas da Esclavónia (sobre a sua carta ao rei, em Janeiro de 1 573, ver Ernest Charriére, Négociations de la France dons le Levant, 1840-1 860, I l i , pp. 348-352). Circular no Inverno nas montanhas próxi­ mas é uma prova «cujas consequências são vulgarmente muito perniciosas para a saúde», e até mesmo mortais ( 1 2 Nov. 1573) - documento publicado por Vladimir Lamansky, Secrets d'État de Venise, 1884, p. 104. Até 1923, eram ainda precisos três dias para fazer chegar mercadorias de Viana do Castelo à foz do Lima (P. Descamps, op. cit., p. 1 8). 42 René Maunier, Sociologie et Droit romain, 1 930, p. 728, vê na fanúlia agnática da Cabília uma família patriarcal, uma gens romana evidentemente muito adulterada. Sobre o arcaísmo económico da montanha, fre­ quentemente referido, cf. Charles Morazé, lntroduction à l'histoire économique, 1943 , pp. 45-46. Sobre a «pa­ triarcalidade aperfeiçoada» das regiões dináricas de que fala J. Cvijié, ver La Péninsule balkanique, op. cit., p. 36. Pessoalmente prefiro a sua exprcsslo «ilhas montanhosas» (ibid. p. 29). Segundo ele o Montenegro, autêntica for­ talcz.a, e outras regiões elevadas comportaram-se «sob um ponto de vista social como ilhas». Sobre a Zadrouga, outro exemplo de arcalsmo social, ver R. Busch-Zantner, Albanien, Leipzig, 1 939, p. 59. 43 Barockplastik in den AlpenllJndem, Viena, 1 944. Sobre o meio social dos Alpes, o importante estudo, dis­ cutivel e discutido, de A. Günthcr, Die AlpenllJndischen Gesellscheft, Jcna, 1 930. Observações interessantes de J. Solch cm «Raum und Gcscllschaft in den Alpcn», in Georg. 7.eitschr., 1 93 1 , pp. 143- 1 68.

43

O MEDITERRÂNEO E O MUNDO MEDITERRÂNICO civilização artística dos Alpes; mas os Alpes são um caso excepcional, pelos

seus recursos naturais, as suas leis colectivas, a qualidade da sua população, o

número de grandes estradas. Não é nos Alpes que se pensa quando se fala das montanhas do Mediterrâneo, mas antes nos Pirenéus, na sua história violenta,

na sua crueldade primitiva. Mas até os próprios Pirenéus são ainda privilegia­

dos, a ponto de se poder falar, com rigor, de uma civilização pirenaica, dando à

palavra o antigo sentido de boa qualidade de vida. Voltaremos a falar várias ve­

zes de uma região - os Pirenéus catalães - onde, do século XI ao XII, se assis­

tiu ao desabrochar de uma vigorosa arquitectura românica44 que, curiosamen­ te, sobreviveu até ao século XVI45 • Mas que encontramos no Aures, no Rif, nas Cabílias? . . .

Montanhas, civilizações e religiões Normalmente, a montanha é um mundo que vive à margem das civiliza­

ções, produto das cidades e das regiões baixas. A história da montanha é não

ter história, é ficar, habitualmente, fora das grandes correntes civilizadoras, mesmo que estas evoluam com lentidão. Capazes de expansão em superficie, na horizontal, estas correntes revelam-se impotentes no sentido vertical, perante

um obstáculo de algumas centenas de metros. Mesmo Roma não teria tido uma

grande influência nestes mundos alcantilados, apesar do seu espantoso tempo de vida46 , se não fossem os acampamentos de soldados que o Império, para sua própria segurança, espalhou na orla dos maciços rebeldes - como em León, no sopé dos montes Cantábricos, em Djemilah, destinada a conter as revoltas do

Atlas berbere, em Timgad e no anexo de Lambese, onde estava acampada a

IIIª legio augusta. Do mesmo modo, a língua latina não conseguiu triunfar nos

maciços hostis da África do Norte, das Espanhas e de vários outros pontos, e a casa latina continuou sempre limitada à planície47 • Apesar de algumas infiltra­ ções localizadas, a montanha sempre se manteve fechada aos Romanos.

Mais tarde, quando à Roma dos Césares sucede a Roma de São Pedro, o

problema mantém-se. Apenas nas zonas onde teve uma acção mais insistente

foi a Igreja capaz de conquistar e evangelizar estes pastores, estes camponeses independentes. E mesmo nesses casos, necessitou de muito tempo. No sé­

culo XVI a tarefa ainda não estava completa, aliás tanto para o Catolicismo

como para o Islamismo, que esbarrou no mesmo obstáculo; os Berberes da

44 Cf. os bons estudos de J. Puig 1 Cadafalc, L 'arquitectura romanica a Catalunya (mi colaboraçlo), Barce­

lona,

1909-1 9 18; Le premier art romain, Paris, 1 928.

4' P. Arqué, op. cit., p. 69 . Bética, o domlnio romano foi mais intenso nos planaltos,

46 Na

O. Nimieier, Siedlungsgeogr. Unter­ suchungen in Niederanda/usien, Hamburgo, 1 935 , p. 37. Roma penetra tarde e mal no rmioto Noroeste da Espa­ nha, protegido pelo isolamento, R. Konetzke, Gachichte des spanischen und portugiesischen Volkes, Leipzig, 1941, p. 3 1 . Alben Dauzat, Le vil/age et /e paysan de Frrmce, 1 941, p. 52.

47

44

AS PEN/NSULAS: MONTANHAS, PLANA LTOS, PLAN/CJES África do Norte, protegidos pelos altos cumes, continuavam pouco atraídos para Maomé, e o mesmo acontecia com os Curdos na Ásia48 • Isto enquanto em

Aragão, na região valenciana, e nas terras de Granada, a montanha continuava a ser uma zona de dissidência religiosa, de permanência muçulmana49 , tal como

as altas colinas selvagens e «desconfiadas» do Lubéron continuavam a servir de abrigo para os «heréticos» de Vauds0 . No século XVI, é uma constante a fraca sintonia das regiões altas com as regiões dominantes nas zonas marítimas, tal como uma constante é o atraso da vida montanhesa.

A prová-lo está a facilidade com que, quando as circunstâncias lhe possibi­

litam a penetração, as novas religiões fazem nestas regiões conquistas maciças, ainda que instáveis. No mundo balcânico do século xv vastos sectores monta­

nhosos passam-se para o Islão, tanto na Albânia como na Herzegovina, à volta de Serajevo, fenómeno que, antes de mais, prova quanto era fraca a ligação às

igrejas cristãs. Em

1 647,

durante a guerra de Cândia, voltará a verificar-se fe­

nómeno semelhante, quando importante número de montanheses cretenses, li­

gados por interesses aos Turcos, decidem abjurar. E, já no século XVII, o Cáu­

caso, confrontado com o avanço russo, vira-se para Maomé, e engendra para si próprio uma das formas mais virulentas de islamismos 1 •

Na montanha, portanto, a civilização continua a ser um valor pouco segu­

ro. Veja-se, a propósito, o curioso texto de Pedraça, na sua Historia eclesiasti­

ca de Granada, escrita na época de Filipe II: «Não admira que os habitantes

dos Alpujarras (montanhas muito altas do reino de Granada) tenham abando­ nado a sua antiga fé. Os que continuam nestas montanhas são

cristianos viejos:

não lhes corre nas veias uma única gota de sangue impuro, são súbditos de um

rei católico, e, contudo, por falta de doutores e devido às opressões de que são

vítimas, são tão ignorantes daquilo que deviam saber para obterem a salvação eterna que apenas lhes restam alguns vestígios de religião cristã. Haverá alguém

que creia que, se os infiéis - Deus o não permita - se tornassem agora senho­

res do seu pais, essa gente levaria muito tempo a abandonar a sua fé e a abraçar as crenças dos vencedores?s2» .

48 Olnde de Serccy, op. cit., p. 1 04: «Vê-se todavia (dado que dançam) que as mulheres curdas, apesar de muçulmanas, não estilo sequestradas.» 49 Ver infra os capítulos sobre os mouros, segunda parte, cap. V, e terceira parte, cap. III. 50 No coração de Lubéron, Lourmarin, Cabriéres, Mérindol e uma vintena de outros burgos - em que pulu­ lam javalis, raposas e lobos - são abrigo para protestantes (J. L. Vaudoyer, Beautésde la Provence, Paris, 1926, p. 238). Nlo esquecer as bolsas de protestantes no Estado de Sabóia e as dos Apeninos, no reino de Nápoles. O ca­ tarismo, escreveu Marc Bloch, «evoluiu ao sabor de uma obscura seita de pastores da montanha», in Annales d'histoire sacia/e, 1940, p. 79. 51 O Muridismo. Cf. L. E. Houzar, «La Tragédie circassienne», in Revue des Deux Mondes, IS-6-1943, pp. 434-435 . 52 Francisco Bcrmúdez de Pedraça, Granada, 1 637 , f. 0 9S vº. Citação e tradução de Reinhart-Pieter A. Dozy, a quem cabe o mérito de ter encontrado este belo texto (H. des Musulmans d'&pagne, 1 86 1, II, p. 4S, nota 1). Todavia, o abade de Vayrac (État présent de /'&pagne, Amsterdão, 1 7 19, l, p. 1 6S) defende que estas gentes dos Alpujarras, apesar de cristlos, slo islamizados que conservaram «a sua antiga maneira de viver, os seus hábitos e a sua llngua própria, que é uma mistura monstruosa de árabe e de espanhol.»

45

O MEDITERRÂNEO E O MUNDO MEDITERRÂNICO Assim se estrutura uma geografia religiosa específica do mundo monta­

nhês, constantemente alvo de conquistas e reconquistas pelas partes em confli­

to, o que explica e confere sentido a vários pequenos episódios da história tradi­

cional. Santa Teresa, que em criança sonhava com o martírio às mãos dos povos islamizados da serra de Guadarrama53 , escolheu a localidade de Duruelo para sede do primeiro convento das monjas do Carmelo reformado. Este facto, apa­

rentemente pequeno, é digno de alguma reflexão. A casa escolhida pertencia a um fidalgo de Ávila. «Um átrio relativamente grande, um quarto com vestiário

e uma pequena cozinha, eis - escreve a santa - a estrutura deste belo edifício.

Depois de o ter estudado, pensei que se poderia fazer do átrio uma capela, do

vestiário um coro e do dormitório um quarto.» E foi neste «perfeito pardieiro»

que se instalou São João da Cruz, com um companheiro, o padre António de Herédia, que se lhe juntou no Outono, trazendo consigo um irmão de coro, o

irmão José. Aí passaram o Inverno, numa vida monástica extremamente fru­

gal, ainda que não de clausura: «muitas vezes saíam, descalços, por caminhos horríveis, a pregar o evangelho aos camponeses como a selvagens54» .

É também por u m capítulo d a história missionária que s e descobre um

pouco da vida religiosa da Córsega no século XVI. E este caso é tanto mais signi­ ficativo quanto o povo corso tinha sido catequizado pelos franciscanos alguns

séculos antes. Mas que ficara desta primeira reconquista católica? Múltiplos documentos evidenciam o espantoso estado a que chegara a vida espiritual das

populações quando a Companhia de Jesus chega à ilha para lhe impor a sua lei e a ordem de Roma. Quando sabem ler, os padres não conhecem o latim, não

sabem gramática, e, o que é mais grave, ignoram a forma da Eucaristia. Muitas

vezes vestindo como laicos, são camponeses que trabalham no campo e nas flo­

restas e mantêm família à vista de todos. O cristianismo dos seus fiéis é deveras singular: ignoram o «Credo» e o «Pater», alguns não sabem fazer o sinal da

cruz, e vivem escravizados por superstições. A ilha é idólatra, bárbara, quase

alheia à cristandade e à civilização. O homem é duro para o homem, e impiedo­ so. Mata-se mesmo na igreja, e os padres não são os menos lestos a atirar a lan­

ça ou o punhal ou a disparar a escopeta, arma nova que chega à ilha por volta

do meio do século, contribuindo para o agravamento das consequências da vio­

lência. Nas igrejas arruinadas, chove, medram as ervas e crescem os répteis. Pese

embora algum natural exagero da parte de missionários bem intencionados, o quadro apresentado é substancialmente real. Com uma característica suple­

mentar: este povo semi-selvagem é capaz de grandes impulsos, de entusiasmos

espectaculares. Basta surgir um novo pregador e a igreja enche-se de montanhe-

'3 l!m criança, a chega um dia a diriair·se, acompanhada pelo innlo, para a montanha, na esperança de ai encontrar o martlrio: SchnUrer, Katol�he Kirche und Kultur in der Barokuit, 1937, p. 179; e Louis Bcrtr1111d , Salnte Thlràe, 1927, pp. 46-47. S4 E. Baumann , L 'anneau d'or des grands Mystiqlles, 1924, pp. 203-204.

santa Gustav

46

AS PENÍNSULAS: MONTANHAS, PLANAL TOS, PLANÍCIES ses, a ponto de os últimos a chegar terem de ficar no exterior, à chuva, enquan­ to sucessivas levas de penitentes vão confessar-se pela noite fora55 • O mesmo se passa em zonas de influência muçulmana; os relatos da con­

quista marabútica das montanhas de Sous, no século XVI, feito por hagiógrafos da época (nomeadamente lbn Askar) dão-nos uma ideia da atmosfera sobrena­

tural que rodeava os santos e os seus seguidores: «Encontramo-los envolvidos numa multidão de intrigantes, de loucos e de pobres de espírito56» .

Nada h ã d e surpreendente n o facto d e o folclore destas altas regiões revelar

uma credulidade primitiva. Prãticas mãgicas e superstições fazem parte do quo­

tidiano, proporcionando quer os grandes transportes místicos quer as maiores falcatruas57 • Uma notícia do dominicano Bandello58 transporta-nos a uma pe­

quena aldeia dos Alpes de Brescia, no começo do século xv1: algumas casas, ãgua corrente, uma fonte, vastas quintas com instalações para o armazenamen­

to de forragem, e, entre o seu escasso povo, um cura que se aplica a abençoar os

patamares das casas, as entradas das quintas e os estãbulos, a pregar a boa pa­

lavra, e a dar o exemplo das suas virtudes. Mas eis que uma jovem montanhesa, que veio buscar ãgua à fonte do presbitério, lhe desperta a concupiscência. . .

«Estais ameaçados pelas piores desgraças - clama ele à s suas ovelhas -, um

pàssaro, um grifo, anjo extermínador, vai cair sobre vós para punição dos vos­

sos pecados. Assim que ele surgir eu tocarei o sino, e, ao ouvi-lo, tapareis os

olhos e ficareis imóveis.» Dito e feito: ninguém se mexeu até ao segundo toque

do sino . . . E o curioso é que frei Bandello nem sequer crê seu dever protestar a

falsidade da história que transmite. Claro que este é um pequeno exemplo no enorme processo das superstições

camponesas, processo que os historiadores de facto ainda não iniciaram. Enor­ mes e ardentes epidemias «diabólicas» atravessam periodicamente a Europa de

uma ponta a outra, criando a angústia e a incerteza nos seus velhos povos, espe­ cialmente nos das regiões montanhosas, particularmente atrasados devido ao isolamento em que vivem. Feiticeiros , bruxarias, magias primitivas, missas

negras, constituem o aflorar de um velho subconsciente cultural de que a civili­

zação do Ocidente não consegue libertar-se definitivamente. As montanhas são

55 Alguns dos muitos documentos sobre a vida religiosa na Córsega: cana do cardeal de Toumon a Paulo IV, em 1 7 de Maio de 1 556, pedindo acção contra os abusos, Michel François, «Le rôle du Cardinal François de Tournon dans la politique française en ltalie, de janvier à juillet IS56», in Mélanges. . . de l'École Françoise de Re>­ me, t. 50, 1 933, p. 328; Ilario Rinieri, «l vescovi della Corsica>>, in Archivio Storico di Comca, 1 930- 193 1 , p. 344 e segs.; Padre Daniele Bartoli, Degli uomini e de'fatti dei/a Compagnia di Gesrl, Turim, 1 847 , Ili, pp. S1-S8; Abade S. B. Casanova, Histoire de l'Église corse, 1931, p. 103 e segs. 56 R. Montagne, Les Berberes et /e Makhzen dans de Sud du Maroc, 1 930, p. 83. 57 Mas onde encontrar a riqueza folclórica destas montanhas? Ver, a titulo de exemplo, o belo conto dos té­ riels que Leo Frobenius conta, in Histoire de la civili.sation efricaine, 1 936, p. 236 e segs., revelando a longinqua existência da região das Cabllias, consagrada às grandes caçadas e nlo à agricultura. Do mesmo modo, onde en­ contrar uma colectAnea de canções montanhesas7 Sobre a vida religiosa dos Alpes e a localização dos heréticos, cf. G. Bolero, Le relationi univenali, Veneza, IS59, Ili, 1 , p. 76. Sobre a visita do cardeal Borromeu à Mesolina, ibid., p. 17 . 58 IV, .' parte, Novel/e, ed. de Londres, 9 , li, pp. -43. A história situa-se no Vai di Sabbia, que faz 2 17 1 25 parte dos Pré-Alpes de Brescia.

47

O MEDITERRÂNEO E O MUNDO MEDITERRÂNICO o refúgio dessas manifestações culturais aberrantes, vindas do fundo dos tem­

pos e resistentes mesmo à Renascença e à Reforma. No final do século XVI

abundavam as montanhas «mágicas», da Alemanha aos Alpes piemonteses ou

milaneses, dos homens do Maciço Central em efervescência revolucionária e

«diabólica» até aos soldados curandeiros dos Pirenéus, do Franco-Condado ao País Basco. No Rouergue, em

1 595,

«os feiticeiros imperam sobre a massa de

ignorantes moradores»; por falta de igrejas, a própria Biblia é desconhecida naquelas paragens. E por todo o lado o «sabbat» se apresenta como uma vin­

gança social e cultural, uma revolução no espirito que se impõe à falta de uma revolução social realizada com lucidez59 • O Diabo viaja em segurança, nos fi­ nais do século XVI, por todos os países da Europa, tendência que se acentua, nas primeiras décadas do século seguinte, chegando a Espanha, segundo creio,

pelas altas passagens dos Pirenéus. Em Navarra, a Inquisição ataca severamen­ te, em

161 1 ,

uma seita de mais doze mil adeptos que «adoram o Demónio,

erguem-lhe altares e com ele abordam, familiarmente, todos os assuntos»60•

Deixemos porém este vastissimo tema, para nos concentrarmos naquele que de momento nos interessa - o problema do atraso, da disparidade das duas vidas em detrimento do universo montanhês.

A liberdade montanbesa61

É inegável que a vida das regiões baixas e das cidades tem dificuldade em

penetrar no mundo das alturas, onde só consegue infiltrar-se a conta-gotas.

O que se passou com a penetração do cristianismo não é um fenómeno isolado.

O regime feudal, como sistema politico, social e económico e como aparelho de

justiça, deixou fora da sua área de influência a maior parte das zonas monta­ nhosas, e quando as atingiu só o conseguiu imperfeitamente; facto muitas vezes

assinalado a propósito das montanhas da Córsega e da Sardenha, ele também

ocorreu na Lunigiana, região entre a Toscânia e a Ligúria que os historiadores citam como uma espécie de Córsega continental62 • O fenómeno verificar-se-ia

S9 Estas observações foram-me sugeridas pela leitura da obra de Emmanuel Le Roy Ladurie, Les paysans de Languedoc, impressão , p. 407. 60 A. S. Senato, Dispacci Spagna, Madrid, 6 de Junho de 1 6 1 1 , Priuli ao doge. 6 1 Os próprios contemporâneos se apercebem dela. Loys Le Roy, De /'excellence du gouvemement roya/, Pa­ ris, 1 57S, p. 37 , escreve: «Uma região montanhosa, de rochedos e florestas, oferecendo boas pastagens e onde há muitos pobres, como é a maior parte da Sulça, é mais própria para a democracia . . . A regiBo da planlcie . . . onde se encontram mais ricos e nobres, é mais própria para a aristocracia.» Jean Bodin, Les six livres de la République, 1S83, p. 694, conta que Leão o Africano se espanta com a robustez dos habitantes de Monte Megeza, contraste com a fragilidade dos da planície. «A força e o vigor fazem que os montanheses amem a liberdade popular, à se­ melhança do que já dissemos dos Suiços e dos Grisões.» A Idade Média corsa, diz Lorenzi de Bradi La Corse inconnue, 1927 , p. 3S, é um grandioso perlodo de liberdade. «0 corso nBo tolerava que alguém se apropriasse do produto do seu trabalho. leite da sua cabra, tal como a colheita do seu campo, eram mesmo dele.» E. Taine, na sua Voyage aux Py"'nées, 18S8, p. 138, afirma que «a liberdade floresceu aqui, desde a antiguida­ de, belicosa e selvagem.» 62 Arrigo «La Corsica», in Arch. st. di Corsica, T92S, p. 32 .

em V.

em em

O

H.

Solnú,

48

AS PENÍNSULAS: MONTANHAS, PLANAL TOS, PLANÍCIES em todas as regiões em que a fraca densidade populacional e o povoamento dis­

perso impediram o estabelecimento e domínio das estruturas de Estado, das lín­

guas dominantes e das grandes civilizações. Um estudo sobre a

giões da

vendetta conduziria a conclusões do mesmo teor: as re­ vendetta (todas as regiões de montanha, afinal) são aquelas em que a

Idade Média não conseguiu penetrar, e, com ela, a justiça feudal63 - é, por

exemplo, o caso das regiões berberes, da Córsega e da Albânia. Em estudo so­ bre a Sardenha, Marc Bloch64 observa que a Idade Média encontrou «aí uma

sociedade fortemente senhorializada, não feudalizada», dado que a ilha esteve

«durante muito tempo à margem das grandes correntes de influência que atra­

vessavam o continente.» Dizer isto é o mesmo que acentuar a insularidade da Sardenha, e, evidentemente a decisiva influência deste factor na história sarda.

Mas, a par da insularidade, e com não menos importância, há que ter em conta

a montanha, que, tanto ou mais que o mar, é responsável pelo isolamento da população, engendrando, nos nossos tempos, os fora-de-lei patéticos e cruéis que se revoltam contra o estabelecimento do Estado moderno e contra a presen­

ça dos carabineiros em Orgosolo e noutras regiões da ilha. Etnógrafos e cineas­

tas têm tratado esta realidade. «Quem não rouba não é homem», diz uma per­ sonagem de um romance sardo65 • E outra afirma: «Eu faço as minhas leis, e

apodero-me do que me interessa»66 • Na Sardenha, na Lunigiana, na Calábria, em todos os locais onde a obser­

vação (quando possível) nos revela ter ocorrido um hiato em relação às grandes correntes da história, a manutenção do arcaísmo social (a vendetta, entre ou­ tras manifestações) deve-se sobretudo à realidade da montanha - isto é, um obstáculo, e, ao mesmo tempo, um excelente refúgio para homens que querem

ser livres. De facto, esses montanheses são imunes a todas as pressões e servi­

dões que a civilização impõe: ordem social e política, economia monetária,

etc. Na montanha não existe uma nobreza da terra forte e implantada (são de recentíssimo passado os «senhores do Atlas» criados por Maghzen); no

século XVI, na Alta Provença, o nobre rústico, o «cavaier salvatje» , vive junto dos seus camponeses, desbrava a terra como eles, não se exime a lavrar ou ca­

var nem a transportar com o seu burro cargas de madeira ou de estrume, e é uma afronta permanente «aos olhos da nobreza da Provença, essencialmente

63 Para a problemática geral, o livro lúcido, ainda que essencialmente centrado nos aspectos juridicos, de Jacques Lambert, La vengeance privh et lesfondements du droit intemational, Paris, 1936 . Também na mesma ordem de ideias, a observação de Michelet sobre o Delfinado, onde, diz, «o feudalismo nunca se impôs como no resto da França.» E, ainda, E. de Taine, op. cit., p. 138: «Eis os foros do Béam, nos quais se faz menção de que antigamente nlo existia senhor na rqilo.» Sobre as vinganças de sangue no Montenegro e Alta Albânia, ver Ami Boué, La Turquie en Europe, Paris, 1840, II, pp. 395 e 523. 64 Marc Bloch, La Sociltéflodale, 1939, 1, p. 377. Ainda de Marc Bloch, correctas observações sobre «La Sardaigne», in Mélanges d'histoire sociale, Ili, p. 114. 6' Maurice Le Lannou, «Le bandit d'Orgosolo», Le Monde, l&-17 de Junho de 1963. O filme é de Vittorio de Seta, e a pesquisa etnográfica foi conduzida por Franco Caguetta, tr. francesa Les Bandits d'Orgosolo, 1963; os romances slo de Grazia Deledda, La via dei ma/e, Roma, 1896, e // Dio dei viventi, Roma, 1922. 66 lbid.

H.

49

O MEDITERRÂNEO E O MUNDO MEDITERRÂNICO citadina como a de Itália»67 • O clero local não é rico, nem objecto de inveja ou escárnio, pois o padre é tão pobre como as suas ovelhas68 • Não havendo uma cerrada rede urbana, não existe

administração, nem cidades na total acepção É nas regiões mais baixas

do termo; e, acrescente-se, também não há polícias.

que existem as sociedades fechadas e opressoras, com cleros prebendados, no­

brezas orgulhosas e eficazes aparelhos de justiça. A montanha é o refúgio das liberdades, das democracias, das «repúblicas» camponesas.

«Os locais mais escarpados foram sempre o asilo da liberdade», disse,

doutamente, o barão de Tott nas suas Mémoires69 • «Quem percorre a costa da Siria - observa o barão70 - verifica que o despotismo (dos Turcos) se estende a toda a orla litoral mas se detém assim que chega às montanhas, às primeiras

massas rochosas, ao primeiro desfiladeiro de fácil defesa, atrás dos quais se

mantêm, livres, os Curdos, os Drusos e os Mutualis, senhores do Líbano e do

Antilibano. » Pobre despotismo turco! Senhores apenas das estradas, dos desfi­

ladeiros, das cidades, das planicies, que significado terá tido o seu dominio nas

zonas altas dos Balcãs, da Grécia, e do Epiro, ou nas de Creta, onde os Skafio­ tas, instalados nos cumes, desafiam, desde o século XVII, qualquer autoridade,

e da Albânia, onde, muito mais tarde, viverá Ali Paxá de Tebelen? Terá algu­ ma vez tido um efectivo poder o Walibé instalado em Monastir após a conquis­

ta turca no século xv? Em principio, a sua autoridade estendia-se às aldeias

gregas e albanesas, mas cada uma delas constituia uma autêntica fortaleza, a sede de uma pequena comunidade independente, e, ocasionalmente, um verda­ deiro ninho de vespas7 1 • Nestas condições, surpreenderá alguém que os Abru­

zos (a zona mais alta, mais ampla e mais selvagem dos Apeninos) tenham con­

seguido manter-se imunes ao dominio bizantino, ao do Exarchat de Ravena, e, posteriormente, ao da Roma pontifical, apesar de serem contiguos ao Estado pontificio, que se estende para Norte, através da Úmbria, até ao vale do Pó72 ? Do mesmo modo, poderá constituir surpresa que, em Marrocos, o

bled es siba,

isto é, a região não submetida ao sultão, seja, essencialmente, a montanha73 ?

Em certos casos, estas liberdades da montanha subsistiram, facilmente

observáveis e ainda vigorosas, até aos nossos dias, não obstante o peso das mo67 Fernand Benoit, La Provence et le Comtat Venaissin, 1949, p. 27 .

68 Na montanha milanesa, ver, a propósito, S. Pugliese, «Condizione economiche e finanziarie della Lom­ bardia nella prima metà dei secolo XVIII», in Misc. di Storia italiana, 3.' série, t. XXI, 1924.

69 Mémoire:s sur les Turr:s et les Tartares, Amsterdlo, 1 784, II, p. 1 47 . A propósito das posições genovesas na Crimeia, o barlo de Tott fala de « ... o asilo da liberdade, ou o covil da tirania.» 70 lbid., l, p. XXI. 7 1 Cf. Franz Spunda, in Wemer Benndorf, Das Mittelmeerbuch, 1940, pp. 209-2 1 0. 72 A. Philippson, «Umbrien und Etrurien», in Geogr. Zeitschr. 1933, p. 4S2. 73 Outros exemplos: apesar de sucessivas batidas, Napolelo nlo consegue dominar as montanhas à volta de Génova, onde se refugiam os resistentes (Jean Borel, Glnes sous Napoléon /e', 2.' ed., p. 103); cerca de 1828, a policia turca nlo consegue conter os surtos de pilhagem dos povos do Ararat (conde de Sercey, op. cit., p. 9S); de resto, hoje em dia, não conhece melhor sucesso na tentativa de protecção das riquezas florestais contra o dente vo­ raz dos rebanhos (Herman Wenz.el, «Agrargeographische Wandlungen in derTUrkei», in Geogr. Zeitschr., 1937 , p. 407). O mesmo em Marrocos: «Na realidade, no sul de Marrocos, a autoridade do sultlo terminava nos limites da planlcie», escreve R. Montagne, op. cit, p. 134. _

50

AS PENINSULAS: MONTANHAS, PLANAL TOS, PLANÍCIES dernas máquinas administrativas. No Alto Atlas marroquino, nota Robert Montagne74 , «as aldeias dispostas nas encostas soalheiras segundo o curso das

torrentes e à volta de imensas nogueiras alimentadas pelas águas rumorejantes

do Atlas, não conhecem casas de chikhs ou de

khalifats. Em vão se tentaria dis­

tinguir nestes vales as casas dos pobres e dos ricos. Cada um destes pequenos

cantões da montanha forma um Estado à parte, administrado por um conse­ lho. Reunidos num largo, os notáveis, todos vestidos de lã castanha, discutem,

horas a fio, os interesses da aldeia; ninguém levanta a voz e a observação atenta

não permite distinguir quem seja o presidente.» Isto tudo, claro, se se tratava

de cantões suficientemente altos, de diflcil acesso e afastados das grandes vias

de comunicação, o que hoje é raro mas se verificava com frequência antes da expansão das redes rodoviárias. Nurra, apesar de ligada ao resto da Sardenha por uma planície de fácil acesso, permaneceu longo tempo fora do alcance das

estradas e das viaturas. Num mapa elaborado no século XVII por engenheiros

piemonteses podia ler-se: «Nurra, povos não conquistados, que não pagam quaisquer impostos 1 »75 •

Recursos da montanha e seu balanço A montanha é, pois, hostil à grande história, aos seus encargos como aos

seus benefícios; quando muito, aceita estes com reticências. Mas a vida encarre­ ga-se de cruzar sempre os caminhos dos homens das alturas com os das regiões baixas. Não há no Mediterrâneo as montanhas fechadas a sete chaves tão vul­

gares no Extremo Oriente (China, Japão, Indochina, Índia, e, até na península

de Malaca), montanhas que, sem quaisquer comunicações com a planície, são forçadas a constituir-se em mundos aut6nomos76 • A montanha mediterrânica consente estradas, que, por muito inclinadas e sinuosas que sejam ou arruina­

das que estejam, permitem que o tráfico se processe. Essas estradas são «uma espécie de prolongamento da planície» e das potencialidades das regiões altas77 •

Era por elas que o sultão de Marrocos despachava os seus harkas, Roma os seus

legionários, o rei de Espanha os seus pregadores ambulantes78 •

tercios, e a Igreja os seus missionários e

74 lbid., 131. 7S M. Le Lannou, P8tres e t paysans de la Sardaigne, 1941, 1 4, nota 1 . 76 J . Biache, op. cit., p . 1 2. Ver ainda Pierre Gourou, L 'homme et la terre en Extrime-Orient, 1940, e o resu­ mo deste livro por Lucien Febvre, in Annalesd'hist. sociale, 1941, 73 ; e P. Vida! de La Biache, op. cit.,

p.

p. 1 72.

p. XIII,

p.

n R. Montagne, op. cit., 1 7. 78 Recorde-se as viqens de Silito V na juventude e quando adulto, segundo as notas de Ludwig von Pastor, Geschichte der Papste, Fribourg-en-Brisgau, 1 901-1931, 1913, 23 e S9. É passivei elaborar um esboço des­ viqens.

p.

X,

pp.

sas

S1

O MEDITERRÂNEO E O MUNDO MEDITERRÂNICO A vitalidade mediterrânica é tal que, sempre que a necessidade o impõe,

consegue franquear, em múltiplos pontos, os obstáculos de relevo hostil. De­

zassete das vinte e três passagens existentes nos Alpes propriamente ditos eram já utilizadas pelos romanos79 • Além disso, é frequente que a montanha se en­ contre sobrepovoada, ou, pelo menos, sobrepovoada em relação aos recursos

disponíveis. O «povoamento óptimo» é depressa atingido e ultrapassado, obri­

gando a despejar, periodicamente, para a planície a sobrecarga de homens.

E isto não acontece porque os recursos da montanha não sejam considerá­

veis: não há montanha que não tenha solos aráveis, no fundo dos vales ou nos

socalcos abertos nas encostas. Nas zonas estéreis de calcário, há, aqui e além,

faixas de flysch ou margas que permitem o cultivo do trigo, centeio ou cevada.

A fertilidade da terra varia por zonas: Espoleta situa-se no meio de uma planí­

cie muito extensa e relativamente rica; Áquila, nos Abruzos, permite a cultura

de açafrão . Quanto mais para sul, tanto mais elevado o limite superior das cul­

turas e árvores úteis. Hoje em dia, nos Apeninos do Norte, os castanheiros dão­

-se até aos

900 m; em Áquila, o trigo e a cevada vão até aos 1680 m; em Cosen­ 1400 m, e a aveia os 1500; nas encostas do Etna, a vinha dá-se até aos 1 100 m, e os castanheiros até aos 1 500So. Na Grécia, o trigo vai até aos 1500 m, e a vinha aos 12508 1 • Na África za, o milho, introduzido no século XVI atinge os

do Norte os limites são ainda superiores. Além disso, os recursos da montanha têm a vantagem de serem diversifica­ dos, indo desde os olivais, laranjais e vinhas das encostas mais baixas às gran­

des florestas e pastagens das zonas altas. Aos réditos da actividade agrícola há

que adicionar os da pecuária - carneiros, ovelhas e cabras, mas também bovi­

nos, que abundaram nos Balcãs e mesmo na Itália e África do Norte, a ponto

de apresentarem uma densidade relativa mais elevada que a actual. Por isso, a montanha é a zona por excelência do leite e do queijo82 - no século XVI o queijo sarda é exportado por via marítima para todo o Mediterrâneo Ociden­

tal -, tal como o é da manteiga fresca ou rançosa, da carne cozida ou assada . . . Quanto à casa da montanha, é, quase sempre, feita segundo os inte­

resses de pastores e criadores de gado, e, portanto, mais a pensar nos animais que nas pessoas83 • Em 1 574, Pierre Lescalopier, ao atravessar as montanhas da Bulgária, prefere repousar «sob qualquer árvore» a dormir nas casas de adobe

dos camponeses, onde pessoas e animais dormem «sob o mesmo tecto . . . de um

modo tão repugnante que não podíamos suportar o cheiro»84•

79 W. Woodbum Hyde, «Roman Alpine routes>>, in Memoires of the American phi/osophical society, Fila­ délfia, X, II, 1935. Também os Pirenéus não foram a barreira que pode imaginar (M. Sorre, Glog. Univ., t. VII, 1. • parte, p. 70; e R. Konctzke, op. cit., p. 9). 80 Richard Pfalz, «Neue wirtschaftgcographische Fragen ltaliens», in Geogr. Zeitschr., 1931, p. 133. 81 A. Philippson, Das Mittelmeergebiet, op. cit., p. 1 67 . 82 Victor Bérard, La Turquie et l'Hellénisme contemporain, op. cit., p. 103, escreveu ao deilllir a Albânia: «Após tras dias a queijo de cabra . . . » 83 p. Arqué, op. cit., p. 68. 84 Op. cit., f.º e

se

44 44 v.0

52

AS PENÍNSULAS: MONTANHAS, PLANAL TOS, PLANÍCIES Falta acrescentar que a floresta de então era muito mais densa que

actualmente85 • A realidade da floresta desses tempos pode ser imaginada a par­

tir de uma visita ao Parque Nacional do Vale di Corte, nos Abruzos, às suas

espessas florestas de faias que sobem até aos

1 400

m, e à sua fauna de ursos e

gatos selvagens. Os recursos do Monte Gargano em madeira de carvalho deter­ minaram a fixação de uma população de lenhadores e mercadores de madeiras,

quase sempre ao serviço dos construtores de naves de Ragusa. Estas florestas

são objecto de disputas tão violentas como as pastagens, quer entre as aldeias quer contra as pretensões dos senhores. Quanto às semiflorestas, que são o

mato, servem para terrenos de pastagem mas também por vezes para hortas e pomares, além de proporcionarem a caça e a apicultura86 • Vantagens suple­ mentares: a multiplicidade de fontes, a abundância de água, tão preciosa nestas

terras do sul, e, ainda, as minas e pedreiras, pois nas montanhas encontram-se quase todos os recursos do subsolo mediterrânico.

Contudo, a totalidade das vantagens não ocorre em cada cantão. Há mon­

tanhas de castanheiros (Cevenas, Córsega) onde o precioso pão de castanhas, «pão de árvore» 87 , substitui, eventualmente, o pão de fermento; há montanhas de amendoeiras, como as que Montaigne viu à volta de Lucques em

1 5 8 1 88 , e as

das zonas altas de Granada. Como o agente espanhol Francisco Gasparo Corso explicava a Euldj Ali «rei» de Argel, em

1 56989 ,

«essa gente de Granada não é

perigosa. Que poderiam fazer contra o Rei Católico? Falta-lhes a prática das armas. Passaram toda a vida a trabalhar com o alvião, a guardar os rebanhos,

a criar bichos da seda . . . » Há, ainda, montanhas de nogueiras: ainda hoje, no

Marrocos berbere, é sob nogueiras centenárias, no centro da aldeia, que se cele­ bram, em noites de luar, as grandes festas de reconciliação90 • O balanço dos recursos da montanha não é, portanto, tão negativo como

a priori se supunha. A vida é ali possível, ainda que não seja fácil . Pense-se nas

dificuldades do trabalho em encostas onde se não podem utilizar os animais do­

mésticos, e é, portanto, à mão que se têm de amanhar os campos pedregosos,

segurar a terra que se escapa e desliza pelas encostas, e, quando isto acontece,

85 Havia florestas nas encostas do Vesúvio. Sobre a floresta em geral, consultar as observações, sempre úteis, de Théobald Fischer, cm B. iur physischen Geogr. der Mittelmeerllinder besonders Sicüiens, 1 877 , p. ISS e scgs. Sobre as florestas de Nàpoles, Calàbria e Basilicato cm ISS8, cf. Eugenio Al�ri. Relazioni degliambosciatori ve­ neti durante ü s. XYI, Florença, 1839- 1 863, li, Ili, p. 271 . Ainda hoje existem autmticas rcliquias das antigas gran­ des florestas. No que concerne à Córsega, ver a sua enumeração cm Philippe Leca, no prefácio de A. Albitreccia, Guide Bleu de la Corse, Paris, 1 93S, p. IS; e, deste último autor, La C-Orse, son évolution au xr.xe sikle et au dé­ but du x.xe sikle, 1942, p. 9S e scgs. 86 Conde Joseph de Bradi, Mémoire sur la Corse, 1 819, pp. 187 , 1 9S e scgs. 87 P. Vida! de La Biache, op. cit., pp. 88, 1 39, 1 78. Excelentes observações de D. Fauchcr, Princlpes de géogr. agraire, p. 23. «0 povo come pio de madeira» perto de Lucques; Montaignc, Journa/ de voyage en ltalie (Ed. E. Pilon, 1932), p. 237. 88 Montaignc, ibid., p. 243. 89 Relacion de lo que yo Fco Gaspare >, in Rev. Afr., 1941.

206

14. Canvanu sarianas, séculos xv.xvt

Esquema retirado, no essencial, da obra de Vitorino Magalhães Godinho, Os descobrimentos 1963, que se refere mais especialmente ao século xv. As rotas através da África do Norte, em direcção a Orlo ou Tunes estio precariamente esboçadas. A fortuna de Argel s6 se estabelece com o século xv1, e tardiamente. Naturalmente, as rotas do Magrebe ao pais dos Negros conheceram deslocações, actividades variáveis. Para a Abissinia, o Nilo é a grande rota.

e a economia mundial,

comércio entre a Abissínia e o Egipto; é por aí que chegam à Turquia as plumas de avestruz com que se adornam janízaros e spahjsSO, e, como podemos provar em relação ao século XVI, é também por aí que passa o ouro. Este circuito do SO Belon du Mana, op. cit., pp. 98, 89 v. 0 e 190; N. Ioraa, Ospiti romeni in Venezia, Bucareste, 1932, p. I'°.

207

O MEDITERRÂNEO E O MUNDO MEDITERRÂNICO

ouro subsiste ainda no século XVII, como assinala Tavernier51 • Na época de Fili­ pe II, enquanto a Europa passava a depender da prata americana, o Islão turco parece ainda viver do ouro de África. Embora não se possa dizer que o receba com abundância, dado que são crescentes as importações de países cristãos, é curioso assinalar que, no final do século, a Turquia é ainda um país do ouro, por comparação com a Pérsia dos Safévidas, país da prata52 • No Próximo Oriente, há duas zonas caravaneiras essenciais: uma corres­ ponde às rotas de Meca, fazendo-se as partidas quer da Síria, quer do Cairo; a outra vai de Alepo ao Tigre53 • O Eufrates, no dizer de Tavernier, é abandonado pela navegação por causa dos seus moinhos; pelo menos até 1638, data em que o exército turco o utilizará como via de comunicação54 • O Tigre só é utilizado a jusante de Bagdade55 • Os dois feixes de rotas tendem para o oceano Índico, um em direcção do golfo Pérsico, o outro em direcção ao mar Vermelho, culminando nos portos egípcios dos Tor e do Suez, e em Djedda, porto dos peregrinos e terminal da na­ vegação que liga o mar Vermelho à Índia e à Insulíndia56 • Estas ligações exis­ tem há séculos, e a sua prosperidade, iniciada nos séculos XII e XIII, continua vigorosa no século XVI. Associam o transporte marítimo e a caravana, varian­ do, ao acaso das circunstâncias, os pontos de muda e de escala, mas tudo se ajustando sempre para que o sistema permaneça eficaz. O que não quer dizer que o Mediterrâneo e as regiões que o prolongam no sentido do oceano Índico sejam «um único ser vivo», como pretende a fórmula, feliz mas certamente excessiva, de Jacob Burckhardt. É inegável que as condicionantes geográficas determinam as vias de passagem nas pequenas distâncias por terra do golfo Pérsico até à costa síria, com especial relevo para o istmo de Suez. Nem tudo depende porém destas facilidades naturais, e, além disso, a travessia destas ter­ ras desertas continua a representar um obstáculo só ultrapassável à custa de grande esforço. É assim que entram em contacto duas economias que têm enormes vanta­ gens mútuas no encontro mas que são autónomas e se habituaram a viver por si sós. O oceano Índico é, antes como depois de Vasco da Gama, um universo que quase se basta a si próprio: o trigo é fornecido por Diu, os tecidos de algodão 5 1 Rota do Nilo, uma das rotas do ouro, J. B. Tavernier, op. cit.• II, p. 324 . 52 Hakluyt, II, p. 171 ( 1583). H De notar a permanência no Tigre, ainda no final do século XIX, de arrais nestorianos, originários da aldeia de Tell Kel, perto de Mossul, Eduard Sachau, Am Euphrat und Tigris, 1900, p. 24. Dificuldades para subir o Tigre em meados do século XVII; os barcos thn de ser rebocados por homens, slo precisos sessenta dias para ir de Bassora a Bagdade, J. B. Tavernier, op. cit., I, p. 200. '4 J. B. Tavernier, op. cit., 1, p. 125 . 55 W. Heyd, Histoire du commerce du Levant, trad. franc. de Furcy-Raynaud, 2 vol., 1 885- 1 886, 2.' tira, gem, 1 936, II, p. 125. 56 A. Philippson, op. cit., pp. 46-47, nota a importância dos transportes do mar Vermelho, e as dificuldades de nave11ação oeste mar. De Maio a Outubro, os ventos do Norte nilo permitem a subida de Djedda a Tor ou ao Suez senlo durante as acahnias do vento dominante, e graças entlo ao vento de terra. Sobre a coocorrência entre mar Vermelho e rotas da Síria, ainda a obra clássica de W. Heyd, Histoire du commerce du Levant, op. cit., e o es­ tudo sempre útil de O. Peschel, «Die Handels11eschichte des Roten Meeres», in Deutsche Viene/jahrschrift, III, 1 855 , pp. 157-228 . Sobre as dificuldades das caravanas no istmo do Suez, Belon du Mans, op. cit., p. 132.

208

OS CONFINS OU O GRANDE MEDITERRÂNEO

por Cambraia, os cavalos por Ormuz, o arroz e o açúcar por Bengala, e o mar­ fim, os escravos e o ouro pela costa da África Austral. E dispõe de mecanismos para ajustar as necessidades às produções, pedindo ao exterior as coisas supér­ fluas: ao Pacífico, sedas, porcelanas, cobre, estanho, especiarias; ao Ocidente, tecidos e sobretudo moedas de prata. Sem a contínua oscilação do mercado de moedas brancas não teria sido tão fácil a derrota da poderosa vida do oceano Índico. No Mediterrâneo há uma crescente pressão sobre a procura de especia­ rias, pimenta e seda, mas essa procura febril continuaria provavelmente por sa­ tisfazer se não fora a paixão pelo metal branco que se verifica na Índia e na China . . . Condicionado por uma extrema tensão, o comércio d o Levante não s e pro­ cessa facilmente, exigindo uma cadeia de esforços conjugados ao longo de su­ cessivas escalas. Basta um choque violento para que o sistema se desregule. Neste contexto, fácil é imaginar os percursos que faz, e as vicissitudes por que passa, um saco de pimenta oriundo da Índia, ou um saco de cravo-da-índia vin­ do da Insulíndia antes de chegar a uma loja de Alepo, e, depois, a Veneza e a Nuremberga . . .

Os oásis Nomadismo dos homens e dos rebanhos, caravanas, povos em marcha, eis, aos olhos de um ocidental, as características mais marcantes das regiões áridas. Todavia, o deserto não é apenas movimento. De outro modo, não existi­ riam as cidades imóveis e as ricas regiões que as rodeiam, obras-primas de sá­ bias civilizações rurais, baseadas na exploração da água dos rios, das fontes e das correntes subterrâneas . Este o triunfo atingido há milénios pelo homem do Próximo Oriente, produto final de um esforço que começou Deus sabe onde e quando; mas sem dúvida há muito tempo, e simultaneamente no Egipto, na Mesopotâmia, no Irão, no Turquestão e nas margens do Indo. Transmitido, ensinado (e deste modo renovado e enriquecido), tal esforço propagou-se de­ pois na direcção da África do Norte e do Mediterrâneo meridional. Estes oásis não passam de minúsculas bases de apoio. O Egipto do sé­ culo XVI é uma dupla fila de campos cultivados, com um delta ainda mal con­ quistado pelo homem . Mesmo no apogeu do seu antigo esplendor, a Mesopotâ­ mia não tinha mais de vinte a vinte e cinco mil quilómetros quadrados de férteis jardinss7 : quase nada em qualquer mapa. Mas estes oásis são pontos de concen­ tração de populações, verdadeiras cidades agrícolas onde as ruas correm para-

S7

Segundo Hermann Wagner, «Die Übcrschãtzung der Anbauflllche Babyloniens», in Nachrichten K. Ges.

Wissensch., Gõttingen, Ph. hist. Klasse, 1902, II, pp.

224-298.

209

O MEDITERRÂNEO E O MUNDO MEDITERRÂNICO

leias aos canais de irrigação; pode deduzir-se o que seria o seu estilo de vida pela observação dos actuais pomares-hortas da Argélia meridional, com os seus muros de terra servindo de divisórias, a sua sábia legislação sobre o uso da água e a sua fiscalização apertada, de acordo com um regime ainda mais exigente que o das planícies do Mediterrâneo. Efectivamente, não há comparação entre os rigores legislativos dos arrozais da Lombardia e os preceitos espantosamente estritos do Código de Hamurabi. Mesmo em Valência, e noutras regiões em que a irrigação impõe disciplina férrea, há lugar para alguma liberdade, enquanto o oásis impõe uma dedicação total e obriga tanto como as planícies mais autênti­ cas ao sacrificio de enormes massas de homens. O homem gasta-se num clima hostil, vitimado por uma série de endemias, nomeadamente o paludismo. Belon du Mans, ao viajar pelo Egipto, fica com o rosto de tal modo coberto de picadas de mosquitos que julga ter sarampo58 • Esta vida exige, portanto, um constante fornecimento de homens. Os oásis do Sara conheceram a escravatura negra muito antes da América. O mesmo se pas­ sa em relação ao Egipto, que durante toda a sua história manteve uma perma­ nente ligação com o Sudão e a Abissínia, ligação que explica os traços negrói­ des exibidos por tantos felás das margens do Nilo. Quanto à Mesopotâmia, parece ter sido tributária das montanhas que a cercam a Norte e a Leste. Na Idade Média, ela é uma sucursal da Pérsia, que ali encontra campo de expansão para todas as conquistas da sua civilização, e ali situa os seus grandes centros de peregrinação e as suas metrópoles. Diz-se que os Turcos destruíram os jardins persas da Mesopotâmia devido à sua incúria, mas o que na realidade se passou foi que, separada do Irão, a Mesopotâmia se viu privada do seu indispensável abastecimento em novos homens; foi então fácil aos Beduínos levarem os seus rebanhos até aos confins deste pais moribundo, e aí se instalarem com a sua sumária agricultura de aprendizes de sedentários . . . Eis aqui um excelente pretexto para avaliar quão frágeis são as hortas-jar­ dins; precisamente porque são uma obra a recriar constantemente, a defender contra inimigos sempre activos. No caso da Mesopotâmia, a areia, a invasão dos canais pelo lodo, e os homens quase primitivos que nomadizam pelas este­ pes vizinhas. Nos finais do século XIX, ainda não existe uma única aldeia da Mesopotâmia que não possua a sua torre e os seus vigias encarregados de assi­ nalar as incursões dos pastores 59 • Como poderiam, de resto, os Beduínos adap­ tar-se à vida tropical do oásis e à sua alimentação essencialmente vegetal, eles que pertencem ao tipo atlético dos nómadas, de pernas magras e peito largo (a Brustrasse dos antropólogos alemães), enquanto os habitantes do oásis são da Bauchrasse, camponeses de grande barriga à Sancho Pança, inchados pelos ali­ mentos vegetais? Veja-se também na história do Ferghana o papel desempenha­ do pelos sedentários de origem iraniana; são eles que parecem ter amanhad·o o vale do Syr Daria, desbastado as colinas frequentemente cobertas de florestas 'ª Bclon, op. cit., p. 107. 59 E. Sachau, op. cit., nomeadamente, pp. 43-44.

210

OS CONFINS OU O GRANDE MEDITERRÂNEO

impenetráveis, drenado os pântanos de espessos caniços; eles, e não o mundo complexo dos nómadas e seminómadas que se agita à sua volta60 • Não há dúvida de que, grandes ou pequenos, os oásis são bases de força. Cedo conquistados, foram as ilhotas férteis sobre as quais se constituiu a «civi­ lização oriental» , de que o Islão foi apenas um ressurgir, milénios àpós o seu nascimento. Eles foram, de facto, os primeiros «paraisos» dessa civilização, com as suas árvores, as suas águas vivas e as suas rosas. Se não foi forçosamen­ te nos oásis que surgiram muitas plantas úteis e variadas ferramentas agrícolas, como a charrua, foi neles, e muito cedo, que tudo isto teve aplicação prática . . . O que não quer dizer que, como defendeu Alfred Hettner, o s oásis sejam a base única de sustentação do Oriente. Entre estes dois elementos opostos e comple­ mentares da vida do deserto, os geógrafos obstinaram-se, ao que parece, dema­ siadas vezes em escolher um excluindo o outro; como se eles pudessem ser sepa­ rados, como se o nómada não se sustentasse com a estabilidade das cidades e as cidades com as visitas dos nómadas, como se, sobretudo, uma e outra não fos­ sem elementos conjugados de uma história maior que a sua, elementos necessá­ rios para compreender, nomeadamente, a grande e singular história do Islão, filho do deserto . . .

A área geográfica d o Islão Porque «o Islão é o deserto» , como reafirma o ensaísta Essad Bey61 , o de­ serto e o seu vazio, a sua dureza ascética, o misticismo que lhe é inerente, a sua devoção ao Sol implacável, princípio unitário dos mitos, e, ainda, as milhentas consequências desse vazio humano. Identicamente, também as civilizações do Mediterrâneo terão crescido sob o determinismo do vazio do mar. Aqui, um vazio que se anima com a circulação de navios e barcas, ali, com a circulação das caravanas e dos povos eternamente nómadas. Tal como o mar, o deserto é movimento, e o Islão é movimento. Vidal de La Biache dizia que os bazares e caravançarás são, tanto como as mesquitas e minaretes, características da sua civilização62 • E o deserto deve a esta mobilidade uma inegável homogeneidade humana. Disse o barão de Tott: «Se contactardes um tártaro manchu e um tár­ taro da Bessarábia dificilmente encontrareis a diferença que seria de esperar da­ das as quinhentas léguas que os separam; o clima pouco difere, e o governo é o mesmo . . . »63 • Mas não cedamos à tentação da simplificação excessiva. O Islão é tudo o que o deserto implica em termos de diversidade de população, mais todos os problemas geográficos que assinalámos. Recordemo-los: as grandes rotas das caravanas; as zonas costeiras (o Islão viveu desses Sahe/s, orlas de vida seden60 V. Nalivkine, Histoire du Khonat de Khokond, Paris, 1889. 61 AI/ah est grand, Paris, 1937, p. 1 1 . 62 Op. cit., p . 290. 63 Op. cit., 1, p. 1 1 1 .

21 1

O MEDITERRÂNEO E O MUNDO MEDITERRÂNICO

tária instaladas face ao Mediterrâneo, ao longo do golfo Pérsico, do oceano Índico ou do mar Vermelho, tal como do contacto com os países sudaneses); os oásis, pontos de acumulação de força que Hettner considera o elemento essen­ cial. O Islão é, de facto, tudo isto: uma longa faixa de mobilidade que atraves­ sa, do Atlântico ao Pacífico, a massa mais estática do Velho Mundo. Roma não fez mais quando consolidou a unidade do Mediterrâneo . O Islão é, portanto, o acaso histórico que lhe permitiu ser o unificador do Velho Mundo a partir do século VII . Ele detém o controlo das passagens entre as massas densamente povoadas da Europa em sentido amplo, as Áfricas ne­ gras e do Extremo Oriente, e vive dos lucros de intermediário que tal controlo lhe faculta. Nada passa sem a sua permissão ou tolerância, representando para toda essa massa terrestre, carente de uma ligação marítima central, o mesmo que a Europa será mais tarde à escala mundial: uma economia triunfante, e, logo, uma civilização dominante. Claro que esta grandeza tem também os seus pontos fracos: carência crónica de homens, deficiente capacidade técnica, que­ relas internas fundadas ou pretextadas pot questões religiosas, e, no caso do primeiro surto islâmico, dificuldade em se apoderar dos desertos frios, ou, pelo menos, de os controlar nas fronteiras do Turquestão ou do Irão. Este é o ponto fraco do complexo em torno ou atrás da porta da Dzungaria, entre o duplo pe­ rigo mongol e turco. Última fraqueza: o Islão torna-se, em pouco tempo, prisioneiro do seu próprio êxito, desse sentimento confortável de estar no centro do mundo, de ter encontrado as soluções mais eficazes, de não ter de procurar outras. Os seus na­ vegadores conhecem as duas costas da África Negra, a atlântica e a índica, sus­ peitam que o Oceano as une, e, no entanto, não se preocupam64 . . . A isto s e soma, no século XV, o imenso sucesso dos Turcos: um segundo Islão, úma segunda ordem islâmica, desta feita ligada à terra, baseada no cava­ leiro, no soldado. Uma ordem «nórdica» e profundamente empenhada na Eu­ ropa devido ao domínio dos Balcãs. Enquanto o primeiro Islão culminara em Espanha, o cerne da aventura dos Osmanlis situa-se na Europa, particularmen­ re numa cidade marítima que os vencerá e trairá. A paixão revelada por Istam­ bul no sentido de sedentarizar, organizar, planificar, é de estilo europeu65 , comprometendo os sultões em causas perdidas e desviando-os dos verdadeiros problemas. Em 1 529, não concluem os trabalhos já iniciados para a construção de um canal no Suez; em 1538, não se empenham a fundo na luta contra os Portugueses, antes se virando contra a Pérsia numa guerra fratricida, nas de­ sérticas zonas de fronteira; em 1 569, falham a conquista do Baixo Volga e não

64 Richard Hennig, Terraf! Incognitae, 2 . ' edição, 1 956, IV, p. 44 e segs. 6S «0 estilo europeu», evidentemente, para um historiador. Para um viajante europeu, o alemão Salomon Schweigger, que atravessou a Turquia em 1 577 (Eine neue Reissbeschreibung au.ss Teutschland nach Konstantino· pel und Jerusalem, 4.' ed., Nuremberga, 1639), pelo contrário, «o hábito da vida nómada, que é um dos traços distintivos dos povos asiáticos, caracteriza ainda os Turcos de hoje»; testemunho citado por Ivan Sakazof, Bu/ga­ rische Wirtschaftsgeschichte, Berlim-Leipzig, 1929, p. 206.

212

OS CONFINS OU O GRANDE MEDITERRÂNEO

reabrem a Rota da Seda, e perdem-se em guerras inúteis no Mediterrâneo, quando o seu real problema é conseguir transcender este mundo encantado. Outras tantas ocasiões perdidas66! . . .

2. Europa e Mediterrâneo Do mar Negro ao estreito de Gibraltar, a frente Norte do Mediterrâneo toca terras da Europa. Como habitualmente, o traçar das fronteiras será mais difícil para o historiador que para o geógrafo. «Europa é uma noção confusa», escreveu já Henri Hauser. É um mundo duplo, se não mesmo triplo, formado por seres e espaços diversamente trabalhados pela história. E o Mediterrâneo, que influencia fortemente o Sul do Continente, contrariou bastante a unidade da Europa, que procurou atrair para a sua esfera de influência, pretvocando movimentos de diversão que lhe fossem favoráveis .

O s istmos e a s suas rotas meridianas A massa de terras que a Europa interpõe entre a água azul do Mediterrâ­ neo setentrional, o Báltico, o mar do Norte e a Mancha adelgaça-se progressi­ vamente para Oeste. Essa massa de terras é atravessada por uma série de rotas meridianas, de istmos naturais, que ainda hoje são de decisiva importância para os movimentos comerciais: o istmo russo, o istmo polaco, o istmo alemão e o istmo francês. No sector ocidental, a Península Ibérica oferece também rotas transver­ sais, predominantemente orientadas de Leste para Oeste, do Mediterrâneo para o Atlântico: as rotas de Barcelona para Navarra e províncias bascas pela via do Ebro; a importante transversal de Valência a Medina dei Campo e a Portugal; ou, ainda, as ligações por terra de Alicante e Málaga a Sevilha67 , que permitem evitar a passagem de Gibraltar. Estas rotas de Espanha não nos interessam, por agora; a sua orientação afasta-as demasiado do nosso campo de estudos, além de que são factores estimulantes da velha questão sobre o grau de pertença da Espanha à Europa. Regressemos portanto aos limites traçados pelos geólogos, isto é, a uma li­ nha que vai do golfo da Gasconha ao Cáucaso. Para nós, são as rotas situadas a Norte desta linha que colocam o verdadeiro problema da Europa nas suas li­ gações com o Mediterrâneo. O verdadeiro problema, ou melhor, a série dos verdadeiros problemas.

66 É o que explica, à sua maneira brilhante e original, o pequeno ensaio de W. E. D. Allen, Problems of Turkish Power in the Sixteenth Century, Londres, 1963. 67 Gonzalo Menéndez Pidal, Los caminos en la historia de Espa;fa, Madrid, 1951, p. 85. Sobre a rota Mála­ ga-Sevilha, a título de exemplo, Théodore de Mayeme Turquet, Sommaire description de la France, Allemagne, ltalie et Espagne, 1629, p. 309.

213

O MEDITERRÂNEO E O MUNDO MEDITERRÂNICO

Porque a não homogeneidade desta Europa a Norte do Mediterrâneo con­ tribui poderosamente para o contraste gritante que ela oferece em relação às regiões do mar Interior. Ao contrário dos pomares e vinhas do Sul, é por defi­ nição a zona dos densos bosques68 , das planícies abertas e dos grandes rios na­ vegáveis, e só excepcionalmente possui as árvores e arbustos com aptidão agrí­ cola que são a base da vida mediterrânica. Os seus vastos espaços oferecem condições excelentes para o tráfego de carros, a ponto de Dantiscus, quando em viagem de Antuérpia para Bruges e Calais, ter escrito, com toda a naturali­ dade, no Outono de 1 522: ex Antverpia per currus ut hicfieri solet (como aqui é hábito)69 • O Sul é pelo contrário, o domínio das caravanas de machos. Ao che­ garem à fronteira de Espanha, em Janeiro de 1 560, a futura rainha Isabel de Valais e o seu séquito mudaram para o dorso de bestas de carga, assim se for­ mando o cortejo que os vai levar ao coração da Península70 • O mesmo aconte­ ceu meio século antes, quando, em 1 502, Filipe o Belo fez a sua primeira viagem a Espanha. O Norte é a região da cerveja, das bebidas feitas a partir de grãos fermen­ tados. Já assim era na Germânia de Tácito. As primeiras fábricas de cerveja instalaram-se em Constância no século xv17 1 , e os dominicanos introduziam a cerveja na Lorena; em breve a cerveja atingiria a Inglaterra, onde, nos termos de um ditado popular, chega ao mesmo tempo que o lúpulo, e, evidentemente, que a Reforrna72 • Marco Ottobon, um secretário que Veneza enviou a Dantzig no Inverno de 1 590- 1 591 para comprar trigo, admirava-se ao ver chegar à cida­ de, no Verão seguinte, duzentos barcos holandeses, diminutos e mal aparelha­ dos, que ali se deslocavam a buscar os cereais de segunda qualidade, gli grani per birra. Para um mediterrânico estas paragens são (tanto corno a Polónia) estra­ nhos sítios onde o vinho é produto de luxo, atingindo preços incríveis. Durante breve cativeiro nos Países Baixos, em 1 5 1 3 , Bayard, apesar de não ter fortuna, desfruta de boa mesa, mas «houve um dia em que despendeu vinte escudos em vinho»73 • Qualquer mediterrânico que visite esses países considerará os seus ha­ bitantes grosseiros, sem requintes, bárbaros. Muitas vezes dirá que são bons

68 Belas páginas de Jean Brunhes sobre a Europa florestada do Norte e a Europa desarborizada do Sul, in Géographie Humaine, 4.' ed., p. S I . 69 Dantiscus a o rei da Polónia, Londres, 1 2 d e Outubro d e IS22, Biblioteca Czartoryski, 19, r.0' 33-34 . 70 L. Paris, Négociations. . . relatives au llgne de François li, 1841 , p. 187 . 71 Friedrich Wielandt, Die Bierbrauerei in Constanz, 1936. O primeiro fabricante de cerveja, Jacob Wueder­ franck, veio de Budwitz. 72 Como diz um refrão popular desse tempo (George Macaulay Trevelyan, History of England, Londres, 1943, p. 287, nota 1): Hops, Reformation, bays and beer Carne, into England ali in one year. (Lúpulo, Reforma, louro e cerveja Chegaram a Inglaterra num só ano). 73 La tres joyeuse et tres plaisante Histoire composée par /e Loya/ Serviteur desfaits, gestes, triomphes. . . du bon cheva/ier sans paour et sans reprouche. Le gentil seigneur de Bayart, p. p. J. C. Buchon, Col. «Le Panthéon littéraire», 1886, p. 106.

214

OS CONFINS OU O GRANDE MEDITERRÂNEO

«bárbaros», de uma grande devoção religiosa (seja a Alemanha antes de Lutero74 ou a Normandia no tempo de Francisco 1)75 ; e também honestos (o mesmo Marco Ottobon diz da Polónia que se pode viajar ali /'oro in mano sen­ za pericolo di essere offeso). Para mais, a vida é menos cara que na Itália. Em Dantzig, observa o nosso veneziano, «por dois táleres por pessoa e por semana posso dizer que tenho um banquete de manhã e outro à noite»76 • Mas não generalizemos. O Mediterrâneo não é região exclusiva da besta de carga, tal como a Europa do Norte não é zona incontestada da cerveja ou dos carros. Em França, como noutros pontos, a besta de carga assegura grande parte dos transportes. Muitas vezes as viaturas só rolam nos exíguos oásis mais ou menos urbanizados e servidos por caminhos em volta das cidades, e isso também se verifica nas mais interiores das cidades dos países do Mediterrâneo. Que também tem regiões atrasadas, de fé primitiva, de vida barata. Convém repetir: a Europa é diversidade. A civilização penetrou nela por diferentes vias e em diferentes datas: nos tempos mais recuados, pela rota do Sul, com inegável influência mediterrânica; mais tarde, a partir do Ocidente cristão, no sentido dos paralelos, simultaneamente pelas rotas marítimas (veja­ -se a influência de Lübeck no Báltico) e por caminhos terrestres (caso do impac­ to de Magdeburgo, de mais lenta difusão mas mais dilatado raio). Portanto, no seu sector europeu, o mundo mediterrânico depara com re­ giões, sociedades, civilizações que diferem quer quanto às origens quer quanto ao nível cultural e económico, regiões que apresentam sociedades com diferen­ tes tipos e graus de estratificação e que são diversamente receptivas à atracção mediterrânica. Em termos gerais, é pelo menos de quatro grupos europeus que se deve fa­ lar, correspondendo aos quatro pontos de projecção vertical que são os istmos; quatro fusos de história mais ou menos estritamente ligados ao mar quente e rico, e também ligados entre si (o que não facilita a observação).

O istmo russo: rumo ao mar Negro ou ao Cáspio É fácil dizer, e quase provar, que no século xv1 não existe um istmo russo que desempenhe o esperado papel de ligação e faça afluir ao Mediterrâneo importantes bandos nómadas de tártaros da Crimeia que, ao ritmo dos seus rá­ pidos cavalos, tanto vão até aos contrafortes setentrionais do Cáucaso ou às

74 Don Antonio de Beatis, Voyage du Cardinal d'Aragon (1517-1518), traduzido do italiano por M. Havard de la Montagne, Paris, 1913, p. 74. 75 A. d. S., Mântua, Série E., Francia 637, o deão de Bayeux ao marquês de Mintua, Bayeux, 1 6 de Abril de 1529: che a dir il vero li �ovi di qui son havuti in maggior reverentia che in /ta/ia. 76 A correspondência de Marco Ottobon cstà registada em cópia, sob o título «Dispacci scriti ai Scnato dai Secretario Marco Ottobon da Dan.zica delli I S de oovcmbre 1590 sino 7 scttembre 1591.» A. d. S., Veneza, Secreta Archivi Propri, Polonia. O registo não está numerado. A matéria referida reporta-se às cartas datadas de 13 e 22 de Dezembro de 1590.

215

O MEDITERRÂNEO E O MUNDO MEDITERRÂNICO

margens do Cáspio como até Moscovo, que incendeiam em 1 57177, ou até ao centro das regiões danubianas, que saqueiam desapiedadamente7s . N o final do século XVIII é ainda o vazio que se deparará à colonização russa: uma imensa terra cruzada por alguns bandos de nómadas saqueadores, criadores de came­ los e de cavalos79 , Embora os raids destes saqueadores não constituam uma ameaça na estepe (onde se não ergue uma única cidade), mais do que os barcos corsários consti­ tuem uma ameaça nos mares, representam, ainda assim, um perigo real. Prote­ gidos, do lado de terra, pelos relevos da Crimeia, apoiados pelos Turcos, que ali mantêm algumas praças fortes (entre as quais Caffa), estes tártaros do Sul, ao contrário dos de Kazan e Astracã, resistiram vitoriosamente à tentativa de sujeição empreendida pelo «Grão-Duque»; e isto porque os Turcos lhes tinham fornecido arcabuzes e artilharia, assim eliminando a única vantagem com que os Russos podiam contar80 . São esses tártaros que, na sequência das suas ope­ rações de saque, fornecem aos lares e campos turcos criados e operários esla­ vos. Enormes quantidades de escravos russos, e por vezes de polacos, chegam a Constantinopla, onde são comprados a bom preço8 t . Estas razias nos efectivos populacionais são tão vigorosas que, em 1 591 , Giovanni Botero as salienta como uma das causas do fraco povoamento da Rússia82 . É talvez a falta de ho­ mens que explica que os Russos não tentem conquistar as margens do mar Ne­ gro no século xv1, contentando-se em lançar alguns contra-ataques, no Inver­ no, quando os rios gelados não constituem obstáculo ao movimento das tropas. No começo do século xvII, os fora-de-lei russos, os cossacos (espécie de usco-

K.. Hakluyt, op. cit., l, p. 402. Paolo Lambeni ao embaixador de Veneza em Paris, Rouen, 1 1 de Agosto de 157 1 , C.S.P., p. 473-474: Moscovo incendiada, e massacradas 150 000 pessoas , entre as quais mercadores flamensos, ingleses, alemães e italianos que ali residiam. A tomada de Moscovo toma impraticável, durante anos, o comércio de Narva no qual se utlizavam, à conta de Lamberti, navios fretados em Dieppe. Karl SUlhlin, Geschichte Russlands von den Al1flJngen bis zur Gegenwart, 1 923, t. 1, pp. 28 2-283, explica os números inverosl­ meis que se chegou a dar sobre vitimas (800 000 mortos, 130 000 prisioneiros). 78 Ainda na época de J. B. Tavemier ( Voyaga, 1, p. 3 10), estes raidsslo realizados por punhados de cavalei­ ros. «Notei . . . que indo de Paris a Constantinopla, encontrava entre Buda e Belgrado dois bandos desses Tártaros, um de sessenta cavaleiros, e o outro de oitenta . . . » Sobre o papel destes «irregulares» por detrás dos exércitos tur­ cos, J. SzekfQ, Étar et Nation, Paris, 1945 , pp. 1 56-1 57. As suas terrlveis invemias. Vivem na região com mulhe­ res, crianças e rebanhos. A cronologia dos seus feitos seguida de peno em Veneza (A. d. S., Veneza, Annali di Ve­ nezia, 9 de Outubro de 157 1 , 7 de Março de 1595; Marciana 7299 , I S de Abril de 1 584; 5837 C II. 8, 1 1 de Janeiro de 1597; Musco Correr Cicogna, 1993, f. º 1 35 , 23 de Julho de 1602, etc.); na Polónia, Museu Czanoryski, 2242, f. 0 256, 1 571 ; Johann Geor8 Tochterrnann , «Die Tartaren in Polen, ein anthropogeographischer Entwurf», in Pet. Mitt., 1939. Qualquer ataque dos Tártaros à Polónia desencadeia reacções vivas: como em 1522 , Acta Tomi­ ciana, VI, p. 12 1 ; e como em 1650, Recuei/ da Gazetta, nouvella ordinaires et extraordinaires, por Théophraste Renaudot, pp. 25 a 36. 79 Barão de Tott, Mémoires, li, pp. 29. 80 G. Botero, Relazioni univ., li, pp. 39-40; W. Platzhoff, op. cit., p. 32, tende a acentuar demasiado a si­ tuação dos Tártaros como a de um Estado-tampão, inerte, entre russos e turcos. Sobre os carros dos Tártaros, os seus cavaleiros, sobre os inúmeros cavaleiros russos, capazes de se servirem do arcabuz, E. AlbCri, Relazioni, III, li, p. 205 , 1 576. 8 1 G. Botero, ibid. , li, p. 34. Ver sobre este assunto os importantes textos publicados por V. Lamanski, op. cit., pp. 380, 381, nota l , 382, 383. 82 G. Botero, ibid. , p. 34.

216

OS CONFINS OU O GRANDE MEDITERRÂNEO

ques ou haiâouks). utilizarão barcas ligeiras para perturbar o tráfego turco no mar Negro, e já em 1602 cossacos «polacos» cruzavam com uma galera na em­ bocadura do Danúbio83 . Mas a ténue ligação dos Russos com o Sul deve-se também à ausência de esforços sérios da sua parte; fundamentalmenté, porque são mais atraídos pelo progresso económico do Báltico84 e pelos países europeus com que fazem fron­ teira a Oeste, Polónia e Alemanha, e ainda porque, centrados no Cáspio, ten­ dem para a Pérsia. É o rumo de Sudeste, e não o de Sul, que comanda as suas vidas. Embora ainda não seja a Europa85 , a Rússia começa a europeizar-se. Atra­ vés dos Alpes, da Boémia e da Polónia, chegam a Moscovo os pedreiros-arqui­ tectos italianos, construtores de campanários em forma de bolbos, e, também de Oeste, chegam as preciosas técnicas da pólvora para canhão. Os Polacos não se cansaram de alertar para o perigo de tais transmissões86 . Quando o czar toma Narva, entre 1 558 e 1 58 1 87 e assim abre uma «janela» para o Báltico, o rei da Polónia alarma-se com as novas perspectivas que se abrem aos Moscovitas, sugerindo que o único meio de os manter em respeito seria deixá-los «na sua barbárie e na sua ignorância.» Fizeram portanto bem os homens de Dantzig, escreve, em 6 de Dezembro de 1 559, o rei Segismundo à rainha Isabel, ao trava­ rem os navios ingleses que se dirigiam «à Narva»88. A querela durará algum tempo, e não se limitará aos Ingleses: em Junho de 1 570 um navio francês de Dieppe, o Espérance, que se dirigia a Narva, foi tomado por pseudocorsários de Dantzig89 ; em 1 5 7 1 , o duque de Alba avisava o Reichstag alemão contra a exportação de canhões e material de guerra que fossem reforçar estes inimigos da Alemanha e talvez de toda a cristandade90 . Estes e outros factos mostram que o centro de gravidade da economia russa se desloca paulatinamente para Norte, mantendo embora o Sul (particularmente o Sudeste) o seu importante papel. Há em Moscovo mercadores gregos, tártaros, valáquios, arménios, persas e turcos9 1 . Fundamentalmente, verifica-se intenso tráfego ao longo do Volga: no sentido descendente, seguem soldados, artilharia e trigo; no ascendente, sal e esturjões secos92 . Depois da ocupação pelos Russos do Kazan e Astracã, entre

8l Museo Correr, 1 933, 11 de Setembro de 1 602. 84 L. Beutin, in Vierteljahr:schri/I /Ur S.u. W. Geschichte, 1 935, p. 83, a propósito do livro de Aliei Nielscn, DiJnische Wirtschaftsgeschichte, 1933. 8S P. Herre, Europ/Jische Politik in cyprischen Krieg, 1902, p. 152. 86 A. Brückner, Russische Literaturgeschichte, 1 909, 1, p. S I . 8 7 Walter Kirchner, Th e R ise o/ the Baltic Question, 1 954 , p p . 71}.73. 88 R. Hakluyt, op. cit., 1 , pp. 237-238 . 89 Carlos X na cidade de Dantzig, Blois, 16 de Outubro de 1 571 . Arquivos de Dantzig, 300, 53630. 90 J. Janssen, Geschil·hte des deuts,·hen Volkes, seit dem Ausgang des M111elallers, IHH,, p. 3 1 3 , nota 1 . 9 1 J . von Hammer, Hi.stoire de l'Empire 01/oman depui.s son origine jusquà nos jours, 1835-1839, VI, p. 1 1 8 : o sultão escreve ao czar, em 1 558, para lhe recomendar mercadores turcos que vão a Moscovo comprar peles, R. Hakluyt, op. cit., I, p. 25 7. 92 R. Hakluyt, op. cit., 1 , p. 364 .

217

O MEDITERRÂNEO E O MUNDO MEDITERRÂNICO

1 5 5 1 e 1 55693 , todo o curso do rio ficou sob controlo, só muito raramente sen­ do o tráfego perturbado por incursões dos Cossacos e dos Tártaros Noga!s94. A tentativa turca, com apoio dos Cossacos, de avanço até Astracã a fim de se abrir um canal que ligasse o Don ao Volga e permitisse o abastecimento pelo Cáspio das suas forças em luta contra a Pérsia saldou-se por um fracasso devi­ do à admirável resistência russa95 ; é que esta antena meridional assegura a Mos­ covo as suas ligações com os nómadas de Sudeste e com a Pérsia e seus recursos fiduciários (é das suas províncias meridionais que o czar recebe tributos em di­ nheiro, enquanto do Norte muitas vezes só chegam peles e peliças96. Aliás, estas peliças estão na origem de um importante comércio russo com os Balcãs, com Constantinopla e com a Pérsia97 , na sequência da melhoria das relações russo­ -turcas após a embaixada de Novossiltsof, em 1 57098 . Mas o facto mais interessante em termos da história geral ainda é a tentati­ va inglesa, entre 1 556 e 1 58 1 , para uma ligação não já ao mar Negro (para quê um esforço que terminasse num bem defendido lago turco? . . . ), mas sim ao Cáspio. Tentou-se efectivamente tornear o Mediterrâneo não por um caminho marítimo, como tinham conseguido os Portugueses em 1498, mas por uma via mista, simultaneamente continental e marítima99 • Com efeito, cerca de meados do século, os barcos ingleses desapareciam do Mediterrâneo, e com eles, os lucros das trocas com o Oriente que tais via­ gens proporcionavam aos comerciantes britânicos; perante tal privação mais se acirra nestes o desejo de assegurarem uma participação no frutuoso comércio das Índias, monopólio de mediterrânicos e ibéricos. A associação dos Mer­ chants Adventurers de Londres lança então navios e descobridores para as re­ giões árcticas, na esperança de nova rota que possibilitasse a realização pelo Norte do périplo de Magalhães. É num destes barcos que Chancellor aportará, por acaso, à baía de São Nicolau, não muito longe de Arkangel; o acaso da des­ coberta não impediu que logo se iniciasse a exploração dos recursos da região, e, pouco depois, cera, óleo de baleia, peles, linho, cânhamo, dentes de foca,

93 F. Lot, Les Invasions barbares, li, 1937, p. 36; W. Platzhoff, op. cit., p. 3 1 , situa cm 1 55 2 a tomada de Kazan; Wemer Philipp, Ivan Peresnetov und seine Schriften :r.ur Emeuerung des Moskauer Reiches, 1 935; Hein· rich von Staden, A uf:r.eichnungen über den Moskauer Staat, p.p. F. Epstein, Hamburgo, 1 930, documentação im­ ponante sobre a anexação das duas cidades tánaras do Baixo Volga. 94 Assim em Julho de 1 568, R. Hakluyt, op. cit., 1, p. 394. 95 Pormenores úteis na correspondência do bailio veneziano, Constantinopla, 30 de Abril de 1 569, 8 de Janeiro de 1 570, A. d. S., Veneza, Annali di Vene:r.ia. Ver W. E. D. Allen, op. cit., p. 26 e segs. 96 E. Pommier, «Les ltaliens et la découvene de la Moscovie», in Mélanges d'Archéologie et d'Histoire pu­ bliés par l'École Françoise de Rome, 1 953, p. 267 . 97 Nicolay (Nicolas de), Les quatre premiers livres des navigations et pérégrinations orientales, Lyon, 1 568 , p. 75, o mercado barato das peles no «Besestan». 98 J. von Hammer, op. cit., VI, pp. 340-34 1 . 99 Um excelente esclarecimento: I. Lubimenko, Les relations commerciales et politiques de l'Angleterre avec la Russie avant Pierre le Grand, 1 933, Biblioteca da Escola dos Altos Estudos. Um resumo de Karl Stahlin, op. cit., I, p. 279 e segs. lbid., p. 288 , trinta anos antes dos Ingleses, Génova, com Paolo Centurione, tinha tentado desviar pelas rotas russas, na direcção da Ásia, o monopólio geográfico turco do comércio do Levante.

218

OS CONFINS OU O GRANDE MEDITERRÂNEO

madeira e bacalhau começavam a chegar a Inglaterra, em troca de tecidos e prata. _ Pouco depois a Moscovie Companie apercebe-se da viabiltdade do projec­ to primitivo através do espaço russo, isto é, que se podia chegar pelo Cáspio às especiarias, à pimenta, à seda . . . Em 1561 um agente inglês chegava à Pérsia com as suas mercadorias, e em breve se estabeleciam as viagens regulares: durante anos, as maravilhas do Oriente subiram o Volga até aos porões dos barcos ingleses, fundeados na baía de São Nicolau. Mas só durante alguns anos; o fracasso final do projecto fica a dever-se não só a razões políticas como ao facto de os Ingleses terem encontrado, a partir de 1 575, o caminho directo do Mediterrâneo. As longas viagens para o Cáspio e a Pérsia perdem interesse, mas não se extinguem por completo, visto que os Russos não desistem dos con­ tactos com a Pérsia, seu principal parceiro oriental 1 00 : expulsos de Narva em 1 58 1 , concentrarão o seu interesse em Arkangel, última janela que lhes resta aberta para o grande Norte101 , e, onde em breve chegarão os Holandeses com os seus navios 102 • Voltemos à aventura inglesa. Ela não implicou, evidentemente, o movi­ mento de grandes volumes de mercadorias (volume em todo o caso bastante para proporcionar bons lucros aos mercadores ingleses e alguma inquietação aos espanhóis de Londres), mas é eloquente testemunho da vida mediterrânica em geral, dos interesses afectados pelo tráfego entre o Oceano e o mar Interior, e, finalmente, da reabertura do Mediterrâneo aos Nórdicos. Resumindo, foi pela Rússia que durante alguns anos o comércio anglo-mediterrânico tentou abrir caminho, e no pensamento dos seus promotores, a aventura devia ser impor­ tante, pois o objectivo final era nada mais que atacar pela retaguarda e ao mes­ mo tempo o comércio português e sírio. Em 1 582 ainda se negociava em Lon­ dres um entendimento anglo-turco que permitiria desviar para o Cáspio, com passagem pelo mar Negro, o comércio de especiarias, centralizando-o em Cons­ tantinopla. Projecto grandioso para um monopólio só parcialmente inglês, mas que várias razões condenavam desde logo ao fracasso. Curiosamente, também o padre Joseph sonha, por volta de 1630, utilizar o desvio russo 103 , não, obvia­ mente, para se entender com os Turcos, mas, pelo contrário, para abalar com esta rota as posições e privilégios comerciais daqueles. Tal como o precedente, este projecto realça o valor do istmo russo como rota para o Levante, e também o interesse que tem para o estudo da história do mar a observação cuidada de certas massas continentais. De resto, o valor da rota russa poderia ser salienta-

100 Horst Sablonowski, «Berichtüber die soviet-russische Geschichtswissenschaft in den Jahren 1941-1942», in Historische Zeitschrift, 1955, t. 180, p . 142. IOI «Russia and the World Market in Lhe Seventeenth Century, A discussion of the connection between Prices and Trade Routes», por Ame Ôhberc Vadstena, in Scandinavian Economic History Review, vol. I I I , n. º 2, 1955, p . 154. I02 Jacques Accarias de Serionne, La richesse de la Hol/ande, Londres, 1778, !, p . 3 1 . IOJ P. J. Charliat, Trois siecles d'économie marilime française, 1 93 1 , p. 19.

219

O MEDITERRÂNEO E O MUNDO MEDITERRÂNICO

do com a recordação do papel que desempenhou durante a Idade Média 104, e de alguns curiosos projectos italianos anteriores à tentativa inglesa ios ou então posteriores ao século xvm 106 , sonhos que, se as circunstâncias os propiciassem, poderiam pôr em causa o equilíbrio tradicional dos circuitos comerciais de todo o Mediterrâneo. Tal como determinam os ritmos da economia russa, estas rotas ligam inti­ mamente essa economia às do resto do mundo. É o que prova um recente estu­ do sobre a oscilação dos preços no Estado russo do século xv1 1 01 , preços que variam em sincronismo com as flutuações gerais da. Europa. Uma vez provada esta ligação, poderá admitir-se, com a necessária reserva, que a vasta recessão ocorrida no século xvn tem a sua quota de responsabilidade na desorganização que, pelo menos a partir de 1 6 1 7 108, grassa numa Rússia abalada por perturba­ ções sociais e sofrendo os efeitos de fracassos externos. Mas, apesar destas adversidades e apesar dos ocasionais ataques cossacos contra uma ou outra staritza (caravana) que se desloca ao longo do Volga, verifica-se que o tráfego de barcos e bestas de carga (chegado o Inverno dos trenós) é suficiente para manter activa a grande rota 1 09 .

Dos Balcãs a Dantzlg: o istmo polaco 1 1 º O istmo a que chamamos polaco não se centra (ou já não se centra) no sé­ culo XVI no mar Negro, mas antes na Penínsul� dos Balcãs; nitidamente desvia­ do para Oeste, liga o Báltico ao Danúbio, e, esporadicamente, a Istambul ou até mais longe. Significará isto que, ao passar de genovês a turco, o mar Negro perdeu interesse para a Polónia? Sim, e não. É preciso levar em linha de conta as crises do comércio do Levante quando se procura explicar a interrupção de um activo movimento comercial logo que os Turcos ocupam Caffa ( 1 475), Kilia ( 1484) e Bialogrado ( l 484) 1 1 1 , tal como é preciso contar entre as explicações a

104 W. Heyd, Histoire du commerce du levant au Moyen Age (tradução francesa), 1885-1 886 (2. • tiragem 1936), I, p. 66 e segs. !OS E. Pommier, art. cit., p. 2S3 e segs.

106 Paul Masson, Histoire du commercefrançais dans /e levant au XVIII' siecle, 19J I , p. 396. 1 07 A. G. Mankov, le mouvement des prix dans /'État russe du XVI' siecle, 1957. 108 B. Porchnev, «Les rapports politiques de l'Europe occidentale et de l'Europe orientale à l'époque de la Guerre de Trente Ans» (Congres lnternational des Sciences Historiques, Rapports, IV, Estocolmo, 1960, p. 142), acentua a importância da paz de Stolbovo, 1617, que consagra o êxito dos suecos. t09 Recuei/ des Voyages de /'abbé Prévost, Voyage des ambassadeurs du Holstein, traduzido por Wicqueíort, t. II, 1639, pp. 76-77. 1 10 Não tive tempo de utilizar o excelente artigo de M. Malowist, «Die Problematik der sozial-wirtschaftli­ chen Geschichte Polens vom IS. bis zum 17. J1'.», in la Renaissance et la Réformation en Po/ogneet en Hongrie, Studia Historica, 53, Budapeste, 1963. t t t O nome da cidade é em romeno Cetatea Alba, Bialograd em eslavo antigo, Aqkerman em turco, sempre com o mesmo sentido (a cidade branca). Tomada a 7-8 de Agosto de 1484 pelos turcos, N. Beldiceanu, «La cam­ pagne ottomane de 141 8 , ses préparatifs militaires et sa chronologie», in Revue des Études Roumaines, 1960, pp. 67-77.

220

OS CONFINS OU O GRA NDE MEDITERRÂNEO

insegurança trazida às rotas meridionais pelas incursões dos Tártaros. De qual­ quer modo, é claro o declínio de um tráfego continental de longo raio que desde o século XIII fazia chegar à Polónia, sobretudo a partir de Caffa, os produtos do Levante, nomeadamente pimenta e especiarias. Mas não é total a ruptura da antiga ligação: em meados do século xvn Tavernier fala ainda de ligações por carroças entre Varsóvia e Caffa, precisando que a viagem demorava cinquenta dias 1 12 • De qualquer modo, não deve atri­ buir-se importância excessiva a estes antigos e activos circuitos que garantiam à Polónia acesso directo aos Balcãs e às mercadorias da Turquia e do Levante. Porque, se é certo que a Polónia de então é uma espécie de zona franca (enten­ da-se que não cobra direitos de passagem e pratica taxas mínimas de alfândega e portagens), não é menos verdade que é uma zona vastíssima (, in Zeitsch. far Agrargesch. und Agrarsoziologie, Abril de 1 959. 116 Actualmente cidade polaca, com o nome de Gdansk. (N. da T.). 1 17 Canas de Marco Ottobon, já citadas, A. d. S., Veneza, Secreta Archivi Propri, Polonia 2. 1 1 2 J.

1 14

17. Jahr­

221

O MEDITERRÂNEO E O MUNDO MEDITERRÂNICO

outros produtos, mas sobretudo cereais) nas feiras de Inverno que se realizam em Thorun e em Lublin, onde os senhores da terra vendem os seus cereais (de­ bulhados durante o Inverno e transportados em Abril-Maio, após o degelo). Cabe a Dantzig armazená-los, fiscalizar a qualidade em termos de comerciali­ zação e apressar-se a encontrar-lhes comprador, porque se trata, na melhor hi­ pótese, de trigo do ano anterior e é impossível conservá-lo no celeiro por muito tempo. E, acrescenta Ottobon, sono bisognosi di dinaro, precisamente de di­ nheiro, seja para novas compras, seja para reinvestimentos, seja para as remes­ sas em numerário para Nuremberga, normalmente com um lucro de 3 % . Será esta a principal razão da margem a que se limitam os habitantes de Dantzig e que o nosso veneziano, que entre eles viveu sete meses, classifica de moderada, ou dever-se-á tal limitação ao facto de lhes restar estreito campo de manobra entre as exigências dos vendedores de trigo e as dos compradores holandeses, franceses, portugueses e espanhóis (e muito em breve também mediterrânicos)? Em resumo, não estarão eles à mercê de quem lhes fornece o indispensável di­ nheiro, único meio para controlarem os mercados ainda arcaicos da Polónia e regiões limítrofes? Marco Ottobon confirma-o ao mencionar duas característi­ cas essenciais da conjuntura do mercado cerealífero de Dantzig: a colheita do ano anterior (só o trigo antigo é comercializado, corno já explicámos), e a pro­ cura portuguesa (eu preferiria dizer ibérica), que tem enorme influência no mercado não só pela brevidade relativa da viagem e pela possibilidade que ofe­ rece de pagamentos em numerário corno também pelo volume das encomendas e consequentes pagamentos, que em muito excede os do Mediterrâneo se excep­ tuarrnos os anos de crise do final do século 1 18 • Finalmente, Dantzig acaba por dar prioridade ao papel de intermediário em detrimento do desenvolvimento da sua própria marinha porque o lucro, embora ligeiro, se aplica a enormes quan­ tidades de cereais - oitenta mil toneladas a partir de 1 562 1 1 9 • De qualquer mo­ do, a Polónia polariza-se em torno desta cidade de decisiva importância, cons­ tituindo Dantzig o «olho» através do qual observa o mundo (na perspectiva dos seus melhores interesses, evidentemente). Pouco a pouco, o centro de gravidade do país desloca-se para Norte. Em 1 569 efectivou-se a união entre a Polónia e a Lituânia, união que até então ape­ nas se expressava pela existência de um soberano comum. Em 1 590 a capital foi transferida de Cracóvia para Varsóvia 1 20• Esta súbita ascensão de urna cidade que no século xv ainda não passava de modesto burgo ducal ilustra bem a pro­ funda transformação económica e política que entretanto se verificara. Nos úl­ timos anos do século a Polónia empenhar-se-á num combate «à espanhola», desde o início condenado ao fracasso, contra a Suécia e a Rússia, esforço rnili-

1 18 M. Malowist, «The Economic and Social Development of the Baltic Countries fro m the ISth to lhe 17th Centuries», in The Economic History Rewiew, 1 9S9. p. 1 79, nota 2. l t 9 M. Malowits, «Les produits des pays de la Baltique dans le commerce intemational au xv • siecle», in Re­ 1 vue du Nord, Abril-Junho de 1960, p. 1 79. 120 Domaniewski, «Die Hauptstadt in der Geopolitik Polens», in Geopolitik, Maio de 1 939, p. 327 .

222

OS CONFINS OU O GRANDE MEDITERRÂNEO

tar e político semelhante ao de Filipe II quando, já no fim do seu reinado, quis submeter simultaneamente a França e a Inglaterra. As forças económicas e políticas desenvolvem-se segundo orientações idênticas, como provam estatísticas sobre o comércio polaco publicadas pelo investigador P. Rybarski 121 • A balança comercial é favorável à Polónia, e a acumulação de capitais revela-se útil para a nobreza, a szlechta, sempre zelando ciosamente pela venda do seu trigo, do seu centeio e do seu gado (bois engorda­ dos durante o Inverno, conhecidos por bois de fidalgo) e sempre pronta a tirar lucro de tudo, até mesmo da venda da cerveja, que é fabricada a baixo preço para consumo dos camponeses. Todas as condições estão reunidas para que a Polónia se abra (como de facto aconteceu) ao comércio de luxo, aos mercado­ res estrangeiros que frequentam as suas cidades e feiras, aos revendedores itine­ rantes de origem escocesa, os szkoci1 22, que seguem a Corte nas suas desloca­ ções, colocando-se sob a protecção dos grandes senhores, um pouco à maneira dos mascates do Brasil colonial, protegidos pelos seus clientes, os grandes pro­ prietários, que, tal como na Polónia, eram «muito generosos e esplêndidos» 123 • Mas também a Sul existem duas zonas mercantis a que devemos prestar atenção; uma, mais próxima, que é extremamente activa, e outra mais longín­ qua e diflcil de controlar. Em terras de curta distância, isto é, a partir da Morávia e da Hungria, a actividade centra-se na regular exportação de vinhos para uma Polónia já então quase sem vinhedos, e onde todos os anos a chegada do vinho novo é pretexto para grandes manifestações de regozijo. Para evitar quaisquer fraudes, cada ta­ berna de Cracóvia tem de ostentar à porta um pequeno feixe de palha ou um ramo verde, significando, respectivamente, que ali se vende vinho morávio ou húngaro 124 • O vinho que se consome em Lwow, por seu lado, provém da Valá­ quia, onde é produzido por colónias húngaras radicadas no Sul da região 125 • · Este circuito comercial de pequeno raio fornece ainda, noméadamente a partir da MQldávia, manadas de bovinos, tornados necessários porque os abun­ dantíssimos rebanhos de carneiros da planície estão afectados permanentemen­ te à satisfação do ilimitado apetite de Constantinopla. Os bois moldavos consti­ tuem assim a moeda de troca de uma região que precisa de adquirir, nas cidades da Transilvânia ou na Polónia, os tecidos vulgares de fabrico local e as ferra­ mentas indispensáveis à vida rural - relhas para charrua, grelhas, foices, foi­ cinhos, pregos, guita, corda, correias e arreios 126 • Estas trocas processam-se nas feiras fronteiriças, sobretudo em Sniatyn, Sipeniti e Lintesti 127 , mas os bois brancos da Moldávia são também exportados para a Alemanha, para Veneza, 121 122 121 1 24 l2.5 l26 1 27

Op. cit., pp. 246 e 248. lbid., pp. 208 e 228 . 80. A expressão é de Anthony Sherley ( 1622), X. A. Flores, op. cit., Arquivos de Cracóvia, Senatus Consulta ( 1 538- 1 643), 121 3, f.º 3, 17 Dezembro .1 N. Angelcscu, Hi.stoire économique des Roumains, I, 1 9 1 9, p. 3 1 1 . lbid., pp. 300-301 . lbid., p. 31 7 .

p.

1 540.

223

O MEDITERRÂNEO E O MUNDO MEDITERRÂNICO

e, segundo um historiador, até mesmo para Dantzig, onde, no século xv, se ini­ cia a sua venda para Inglaterra. Em 1 558, o embaixador inglês em Constantino­ pla assinou um acordo nos termos do qual os tecidos ingleses seriam trocados por «gado branco» que transitaria para Inglaterra via Dantzig 128 • Ao gado moldavo juntavam-se nas estradas do Norte os bois da Polónia, Ruténia, Volhynia, Lituânia e da própria Polónia, todas regiões mal servidas pelos circuitos comerciais regulares e que exportavam gado, limitando-se a sub­ sistir com os cereais que produziam, além do mais porque o gado apresentava a vantagem extra de se transportar a si próprio, formando longos cortejos pelas estradas de Oeste, de Poznan a Leipzig e até mesmo a Francoforte-sobre-o-Me­ no. Segundo R. Rybarski saiam anualmente da Polónia quarenta a sessenta mil bovinos 129 • Documentos relativos às regiões-fronteira polaco-turcas mencio­ nam, talvez com exagero, centenas de milhares de animais, mas constituem in­ dício seguro de uma pecuária vigorosa, semelhante à da América colonial até mesmo no ambiente em que se processa: vastos espaços mal explorados pelo homem, enormes pântanos, maciças florestas, infindáveis viagens de enormes manadas de animais semi-selvagens. Há uma outra rota comercial que se dirige para Sul e atinge os Balcãs e até mesmo Constantinopla, passando Cracóvia, Lwow e Galatz, pela estrada que evita o território húngaro, assolado por frequentes conflitos armados: no senti­ do descendente seguem peles, algum âmbar, tecidos polacos (baratos) ou têxteis de luxo reexportados, ferro e possivelmente numerário em liga pobre 1 30 • • • Em troca, os mercadores arménios e judeus (sobretudo a partir de 1 550) e os merca­ dores turcos e gregos (um destes últimos, Andrea Carcacandella conseguiu, com o apoio do sultão, o direito de comerciar livremente com a Polónia) 1 3 1 , en­ viam especiarias, cavalos e sedas. Uma querela, nas vésperas do São Tomé em 1 538, em Cracóvia, envolvendo um mercador polaco acabado de regressar da Turquia, Stanislas Zijemijanij , permite-nos saber que ele transporta quarenta peças de quinquilharia, petias czambeloti integras, avalidas em dez florins cada uma, 34 pequenas peças avaliadas em quatro florins cada, 102 libras de flor de noz moscada e 24 libras de noz moscada1 32 , e, se entendemos correctamente a demanda que o opõe ao credor, este teria emprestado dinheiro e mercadorias quando Stanislas saiu de Cracóvia. Em 1 530 e 1 5 3 1 há notícia de mercadores arménios de Kamieniec levarem à feira de Lublin açafrão e arroz de origem turca1 33 • Em 1548 Lublin consegue

lbid., p. 3 17 . R. Rybarski, op. cit., pp. 62-64 . X. A. Flores, op. cit., p. 8 1 ( 1622). R. Rybarski, op. cit., p. 286. Arquivos de Cracóvia, 437 , f.º 69-70, 1 539, Feria sexta die S. Antonii. 1 3 3 R. Rybarski, op. cit., p. 1 53. 128 129 1 30 131 132

224

1 538, Feria sexta vigilia Thomae Apostoli. Ver também 437, f.º 86,

OS CONFINS OU O GRANDE MEDITERRÂNEO

um privilégio sobre diversas res aromaticae trazidas da Grécia e da Turquia1 34 • As suas feiras são testemunho do papel singular então reservado à pequena ci­ dade: situada entre Lwow, no Sul, e Varsóvia, constitui um confortável ponto de escala na estrada de Dantzig, com a vantagem adicional de ser um burgo que não cobra direitos «de etapa», de sklad, ao contrãrio de Lwow, que detém os seus privilégios e os sabe defender. Em Lublin as mercadorias entram e saem se­ gundo a livre vontade dos mercadores, enquanto em Lwow são forçadas a pa­ rar e a ser postas à venda. Ponto de encontro de mercadores judeus, levantinos e italianos, a Lwow aflui o comércio do Sul . Em 1 57 1 , um agente da firma dos Hureau (mercadores originários de Valenciennes e estabelecidos em Antuérpia) viaja de Dantzig a Lwow, e dali para Constantinopla 13s. Em 1 575, um italiano estabelecido em Cracóvia compra, ao serviço de compatriotas, vinho de Malvasia e moscatéis em Lwow; estas preciosas bebidas vêm, evidentemente, tal como o suave vinho grego que se consome na cidade, das margens do Mediterrâneo oriental 1 36 • Por último, passa regularmente por Lwow, com destino a Constantinopla, aquilo a que se chama a «caravana da Polónia», conjunto de carroceiros e mercadores que param quer nos hans das cidades, gozando ou não da protecção das autori­ dades, quer em pleno campo, ao redor das fogueiras do acampamento. Nem sempre, porém, é clara a natureza das cargas transportadas até ao Bósforo pe­ las suas pesadas viaturas puxadas por bois 1 37 ou cavalos. Por estes difíceis caminhos viaja Tommaso Alberti, mercador de Bolonha, que nos deixou relato, infelizmente demasiado breve, das suas digressões. Che­ gou a Constantinopla por mar, e parte de novo da cidade em 26 de Novembro de 1612, passando por Andrinopla e atravessando a Dobroudja. Os carrocei­ ros, turcos, escapam-se-lhe no dia do Beiram, para irem festejar numa aldeia próxima. As intermináveis planícies romenas provocaram no viajante a impres­ são de «semelhantes a um mar em terra», e é nessas planícies que se perde quan­ do os trilhos das viaturas precedentes já se apagaram e nada mais indica o caminho. Neva quando chega a Jassy, e seis dias mais tarde alcança Lwow; aí procede à venda das suas mercadorias, compra outras, e, na Primavera, torna a partir para Constantinopla com sessenta viaturas, cada uma das quais puxada por seis cavalos. A 23 de Maio de 1 6 1 3 uma das viaturas volta-se durante a difí­ cil travessia dos Balcãs: «iam nela trinta sacos de reais de Espanha, contendo cada saco quinhentos reais, zibelinas e outras mercadorias .» Tudo foi recupera­ d o , e, a 1 de J u n h o a .:a ra\' a n a at i nge Co m t a n t i no p l a , donde o no sso mer.:ador \Ol t a a part i r a 2 1 . Chega de n o vo a Lwow a 27 de J u l h o , rn 11 1 i n u a depois 1 34 Jbid., p. IS3. l lS Émile Coornaert, Les Français et /e commerce international à An ver:s, fin du XV"-XVJ'! siecle, l, 1 96 1 , p . 187. Sobre esta firma ver também K. Heeringa, Bronnen to/ Geschiedenis levantschen Handel, S'Gravenhage, 1917, 1 , 1, n.º JS, e Alberto Tenenti, Naufrages, cor:saires et assurances maritimes à Venise (1S92-1609), 1959, p. S60. 1 36 Arquivos de Cracóvia, 447, f. 0 22-23, 1575, Feria quinta post festum S. Jacobi. 1 37 1. N. Angelescu, op. cit., p. 326 e segs.

225

O MEDITERRÂNEO E O MUNDO MEDITERRÂNICO

por Cracóvia, Praga, Nuremberga e Milão, chegando a Bolonha a 25 de Outubro 138 • Apesar de interessante pelos seus pormenores pitorescos e por evidenciar o défice da balança comercial polaca com o Sul, este trãfego não se compara se­ quer com o vasto conjunto de trocas comerciais entre a Polónia e a vizinha Ale­ manha, através de Francoforte-sobre-o-Oder, de Nuremberga (compradora de peles) ou da Silésia onde se verificam querelas devidas à ambição, algumas ve­ zes enganada, dos mercadores de Breslau 1 39 • E também em nada se comparam ao vaivém com Veneza, passando por Breslau, Leipzig, Nuremberga, Augsbur­ go e todo o Sul da Alemanha. Em Junho de 1564 a Senhoria de Veneza entrega ao agente do rei da Polónia um carregamento completo de armas, entre as quais cem couraças, quinhentos arcabuzes e trinta alabardas 1 40 . . . Afluem cons­ tantemente à Polónia artistas, mercadores e artesãos italianos 1 4 1 , e três destes últimos fundam uma fãbrica de tijolos em Cracóvia em 1 533 1 42 • Igualmente afluem tecidos de luxo, ou de pseudoluxo; fabricam-se 143 em Veneza e Nãpoles sedas de trama fraca a que depois se dã nova consistência mergulhando-as em goma, e que são conhecidas por robba per Polonia! Cerca de 1665 1 44 hã entre quinze a vinte botteghe d'Italiani em toda a Polónia, entre as quais se destaca a dos Soderini, riquíssimos mercadores. Com o avançar do século intensifica-se o afluxo de homens e mercadorias, tendência anãloga à verificada no Sul da Ale­ manha e que parece indicar que nos finais do século se dã uma invasão de pes­ soas e bens italianos na Europa central e nos limites da oriental, invasão que compensa a crescente presença dos Nórdicos no Mediterrâneo. Durante muitos anos os mercadores italianos marcarão presença nos principais centros polacos - Cracóvia, Lwow, Varsóvia, Lublin, Sandomir -, sendo a sua acti­ vidade particularmente marcante entre os fins do século XVI e meados do seguinte 14s. O livro de contas de um deles, referente a 1645 146, indica bem o grau de actividade nas feiras polacas, nomeadamente na de Lublin, mostrando-nos o numerãrio utilizado nas transacções, os preços, as quantidades, as característi­ cas dos transportes e um surpreendente rol de tecidos das mais variadas prove­ niências que são vendidos em Lublin: uma peça verdegaio a onde proveniente de Londres, um veludo verde piano de Florença, uma caravaccia nera de Nãpo­ les, um raso azuro piano de Veneza, um tecido rosa seccha e um outro raso

138 Tomrnaso Alberti, Viaggio a Constantinopoli, 1609-1921, Bolonha, 1889. 139 R. Rybarski, op. cit., 1 97 e 323. 140 A. d. S., Veneza, Senato Terra, 40, 13 de Junho de IS64. 14 1 Jan Ptasnik, Gli //a/iani a Cracovia dai XVI seco/o ai XVIII, Roma, 909. 1 1 42 A. de Cracóvia, ! S I , 24 de Dezembro de I S33. 143 R. Rybarski, op. cit., 1 80. 144 Relazione di Polonia, de Paolo Emilio Giovanni (IS6S), in Scriptores Rerum Polonicarum, Analecta Ro­ mana, IS, 196. 14s Herrnann Kellenbenz, «Le déclin de Venise et les relations de Venise avec les marchés au Nord des Alpes», in Decadenia economica veneiiana nel s«olo XVII, 1 961 (Fondazione Giorgio Cini), IS6. 146 Arquivos de Cracóvia, !tal. 382.

pp.

p.

p.

p.

226

OS CONFINS OU O GRANDE MEDITERRÂNEO

nero de Lucca, curiosos nomes cuja identificação não é fácil e cuja origem indi­ cada não é necessariamente verdadeira. . . Mas que são um testemunho tão va­ lioso como as memórias de Thommaso Alberti sobre a realidade de urna vigo­ rosa presença italiana para além dos limites do século XVI. Situação idêntica se pode notar na Transilvânia, onde é óbvia a intensa actividade de mercadores, operários, arquitectos, pedreiros, canteiros e soldados vindos de Itália 147 • O esquema anterior ajuda-nos a compreender a Polónia, país a que falta no século XVI, não uma actividade económica intensa mas antes uma economia monetária suficientemente desenvolvida. O Estado polaco é estruturalmente fraco, e o seu rei serve «mais para a representação do que para o exercício do poder» 1 48 devido à ordem social e política da «República», e também à sua in­ capacidade para acumular recursos financeiros suficientemente importantes para poder manter um exército moderno. Nos confins turcos e tártaros, a defe­ sa da fronteira está confiada a cossacos, bandoleros agregados de todas naciones - grupos de bandidos recrutados em todas as nações, como faz notar um texto espanhol 149 , que acrescenta: «Povo belicoso, irrequieto, sempre em movimento, cruel, capaz dos maiores actos de resistência e também o mais cele­ rado que há no mundo . » Portanto, um povo que age como lhe apraz, e não um exército moderno. Em Janeiro de 1 59 1 o pagamento aos soldados colocados na fronteira moscovita põe problemas à Dieta polaca reunida em Varsóvia, pois, enquanto esperam o soldo, os homens praticam razias sem se importarem mui­ to com o lado da fronteira em que de momento se encontram 1 50• Porém, como sabemos, idêntico comportamento se verifica nos países mais ricos do Oci­ dente. Como já fizemos notar, a economia explica que a política polaca se inte­ resse sobretudo pelas questões do Norte, isto é, da região dos grandes circuitos comerciais; as disputas com Moscovo tanto se centram no controlo de Narva e do Báltico como no das fluidas faixas fronteiriças entre os dois grandes países. Por isso mesmo a política polaca tende fortemente para uma perspectiva paci­ fista no que diz respeito aos problemas do Sul. Turcos e Polacos não mostram quaisquer indicias de estarem dispostos a passar a vias de facto. Em vão os alia­ dos na Santa Liga tentarão em 1 572 lançar a Polónia contra o Grande Senhor; por seu turno, em 1 573 os turcos favorecem a eleição do duque de Anjou como rei da Polónia. Em 1 590, nas vésperas da guerra turco-imperial, os Ingleses tra­ balharão para um entendimento entre Turcos e Polacos, embora estes últimos saibam dar por si sós provas de espírito conciliador. Em Janeiro de 1 59 1 , ten­ do-se o Grande Senhor queixado de depredações cometidas pelos cossacos po-

141 S. Goldenberg, «ltaliens et Ragusains dans la vie économique de la Transylvanie au xv< siécle» (em romeno), in Revista de lstorie, 1963, n. 0 3. 1 48 X . A. Flores, Le «peso pol/tico de todo e/ mundo» d'Anthony Sherley, p. 79. 1 49 lbid., p. 8 1 . 150 Marco Ottobon ao doge de Venez.a, Thorun, 12 de Janeiro de 1 59 1 , e Dantzig, 1 de Fevereiro de 1 59 1 , A. d. S., Venez.a, Secreta Archivi Propri, Polonia 2.

227

O MEDITERRÂNEO E O MUNDO MEDITERRÂNICO

tacos, o rei prontifica-se, com o acordo da Dieta, a pagar (melhor diríamos a oferecer) cento timpani di zibellini, avaliados no considerável montante de trin­ ta mil florins; é certo que o financiamento de tal despesa será obtido logo nesse ano de 1 59 1 , mediante um imposto de um florim por cabeça que deverá ser pago pelos judeus do reinol S I . Há, pois, p az a Sul, o que não basta para explicar o curioso fenómeno da difusão na Polónia dos trajes e das sumptuosas tendas da Turquia, de que al­ guns exemplares podem ainda hoje ser observados nos museus do país. Será que subestimámos a importância das relações comerciais que se processaram no sentido do Sul?

O istmo alemão: um esquema de conjunto Por istmo alemão entendemos toda a Europa Central, na acepção mais ampla: no sentido Este-Oeste, da Hungria e da Polónia até à França; no Norte­ -Sul, do mar do Norte e do Báltico até ao Adriático e ao Tirreno. Amplo espaço este, agrupando prodigiosa série de países, de relações, de rotas comerciais, e de que o mapa de V. von Rauers 1 52 nos dá uma primeira ideiam. Pode enquadrar-se este espaço mediante duas linhas: uma que vá de Géno­ va (com mais rigor, de Marselha) a Londres, e uma outra de Veneza a Dantzig. Trata-se, evidentemente, de uma delimitação arbitrária, apenas útil para um enquadramento geral. Contudo, a Norte e Sul, este vasto bloco está limitado, respectivamente, pelos mares do Norte e Báltico e Mediterrâneo, ou, para ser mais exacto, prolonga-se por esses espaços marítimos, atingindo, sem dúvida, a Suécia (recorde-se a curiosa prospecção que do país fazem os comerciantes ve­ nezianos no final do século XVI e no começo do xvn) 1 54 , à Noruega, e, sobretu­ do, à Inglaterra, que, apesar de empenhada na grande aventura do Atlântico nem por isso está menos solidamente amarrada à Europa. Um dos ramos prin­ cipais do comércio ingles é o dos tecidos, cuja exportação se processa, essen­ cialmente e conforme as circunstâncias, por Emden 1 55, HamburgoIS6, Bremen ou Antuérpia"', e ocasionalmente por Rouen. Os tecidos ingleses são a melhor demonstração dos laços entre a Inglaterra e o continente vizinho (com o destam Ottobon ao doge, Dantzia, 1 de Fevereiro de IS91, ibid. U2 «Karte der Handelstrassen in Deutsc:hland», in htermann's Mitt11ilun1en, 1 906. I H Para as refmncias bibliogrllficas o melhor IJllia � Hennann Kellenbenz, art. clt., supra, p. 226, nota 14S.

•�4 A. d. S . , Veneza, Cinque Savil, 142, f.0 6 e 6 v.0, 28 de Agosto de 1607. Alberto Tenenti, Nau/raies, corsaires et a.ssurances mar/times à Venise, JS92-/609, 19S9, assinala dois barcos venezianos, que vão para a Suécia em IS91 e 1S9S, pp. 23 e IS9. Giuseppe Gabrielli, «Un medico svedese viaggiatore e osservatore in ltalia nel secolo XVII», in Rendiconti dei/a R. Academia dei Lince/, 7- 1 2 de Novembro de 1938. m B. de Mendoza a Filipe li, 10 de Maio de l SS9, CODOIN, XCI, pp. 3S6, 364. U6 J . A . van Houtte, «Les avvisi du fonds Urbinat ... », in Bulletin de la Commission Royale d'Histoirr, LXXXI :\ . 1' 1HH. 24 de Setembro de IS69. m Feria a Filipe li, 10 de Maio de ISS9, CODO/N, LXXXVll, p. 184: noventa mil peças de tecidos ingleses são trazidas para Antu�ia pela flota de pallos.

228

15. As rotas do Istmo alemio

Reproduzido em escala demasiado pequena, o mapa estabelecido por F. von Rauers assinala contudo muito bem a densidade das redes viárias da Alemanha do século xv1 e das grandes vias transalpinas. É preciso imaginar uma rede muito cerrada para o Oeste, em França, onde as indica­ ções estio aqui reduzidas a algumas linhas essenciais. Os pontos negros grandes assinalam as al­ deias de transportadores e de carreteiros. Aparecem com nitidez nas rotas dos Alpes e assinalam a imponincia destas rotas principais. O mapa põe bem em relevo também a ligação Praga-Linz de que o nosso texto não fala, mas sobre a qual uma excelente documentação é dada pelo anigo de Jo­ sef Janacek, «Die Handelsbeziehungen zwischen Prag und Linz im 16. Jahr.», in Historisches

Jahrbuch der Stadt Linz. 1960.

O MEDITERRÂNEO E O MUNDO MEDITERRÂNICO

que, que neste momento nos interessa para esta zona específica). Zona que é ex­ :remamente activa e se apresenta como talvez a melhor consequência de uma economia baseada nos transportes terrestres - o equivalente ao que poderiam ter sido, nos séculos XII e XIII, os contactos nas feiras de Champagne, elas mes­ mo uma forma já vigorosa das relações entre o Sul e o Norte. 16. A barreira dos Alpes

Este mapa, de desenho esquemático, mostra a estreiteza dos espaços da Itália do Norte em re­ lação às terras para além dos Alpes. Esta Itália do Norte é murada a Oeste, ao Norte, a Leste (os Alpes Dináricos). As grandes rotas alpestres (Cenis, Simplon, Saint-Gothard, Brenner, Tarvis e al­ gumas outras) rompem a barragem. O esboço só dá o traçado dos grandes rios a partir do ponto em que eles são amplamente utilizados pela navegação. 230

OS CONFINS OU O GRANDE MEDITERRÂNt:o

Em traços gerais, este espaço apresenta uma forma singular: limitando-se, a Sul, à zona setentrional de Itália, alarga-se para lá dos Alpes e torna-se numa vasta massa continental. Uma carta enviada em 25 de Julho de 1 552 pelo rei da Polónia para Antuérpia (onde o seu embaixador junto de Carlos V, Dantiscus, a aguarda com impaciência) só chega ao destino a 12 de Setembro, após uma viagem de quase cinquenta dias 1 58 • Em 1 590 Marco Ottobon viaja trinta e nove dias seguidos para ir de Veneza a Dantzig, mas o percurso foi feito no Inverno 1 59 • Não há, evidentemente, qualquer comparação entre as planícies do Piemonte, da Lombardia e das Venécias, sempre próximas das saídas para o mar, e estas vastas regiões continentais a Norte dos Alpes. A Sul, as rotas con­ vergem , enquanto a Norte se afastam bastante. Os Alpes cortam a Europa cen­ tral «com um traço longo e grosso» 1 60 dividindo-a em dois pedaços muito desi­ guais quer em termos de superficie quer da importância que foram tendo ao longo dos séculos. O «istmo alemão» é portanto composto, sucessivamente, pela Itália (so­ bretudo a Setentrional), pelos Alpes, e depois pelas imensas planícies e planal­ tos da Europa central (limitados, de um lado, pelo Maser e pelo Reno, e, do outro, pelo Oder e pelo Vístula). Não há necessidade de uma grande referência à Itália, visto que teremos inúmeras ocasiões de falar, ao longo do livro, nas �uas cidades e campos de decisiva importância. Mas já é preciso situar, ainda que em poucas linhas, os Alpes, montanhas onde os milagres e o natural se con­ fundem. Obstáculo de monta para a Europa central, em breve esta descobrirá i:naneiras de o transpor; tráfico dificil, naturalmente, e que só pode contar con­ sigo próprio, a tal ponto que as suas sociedades e as suas aldeias parecem existir apenas com a finalidade de organizar a passagem dos «montes» e estender o mais possível para Norte e Sul os efeitos salutares de tal circulação.

Os Alpes Os Alpes apresentam-se como associando umas às outras sociedades e eco­ nomias sobrepostas: lugares e aldeias nos limites superiores das culturas; bur­ gos nos vales profundos; modestas cidades nas aberturas fluviais, possuindo por vezes uma loja de «lombardos» e algumas tendas de artesãos; finalmente, as cidades do piedmont, na periferia, em contacto com as planícies e com a na­ vegação dos lagos, rios e ribeiros, activos centros de comunicação: Génova, Ba­ sileia e Zurique, Salzburgo e Villach, ou Klagenfurt, Suse, Verceil, Asti, Como, Bergamo, Brescia ou Verona, frequentemente locais de feiras (Zurzach, Hall,

n.0

1'B Johanncs Dantiscus ao rei Segismundo, Antu�rpia,

16.

1 8 de �cmbro de 1 522,

Museu Czartoryski, 274,

1 '9 Referência indicada supra, p. 21S, nota 76. !60 Jean-François Bcrgicr, Lesfoires de Gen"1e et l'économie intemationale de la Renaissance,

1 963, p.

17.

23 1

O MEDITERRÂNEO E O MUNDO MEDITERRÂNICO

Linz, Bolzano) ou centro de grandes firmas de transportes (Coire, Chiavenna, Plurs), e sempre cidades «intermediárias» entre Sul e Norte, onde os montanhe­ ses encontram os produtos indispensáveis à vida de todos os dias, «tecidos vul­ gares para o vestuário, metais para as ferramentas, e, sobretudo, o sal, produto essencial para a pecuária» 1 61 • Existe portanto um tráfego especificamente alpino, envolvendo homens, animais, rebanhos e mercadorias, tráfego diário a que se acrescenta um outro que utiliza esses mesmos homens e meios para atravessar a cadeia de um lado ao outro; tais travessias seriam de facto impossíveis sem o concurso das popula­ ções de carroceiros e almocreves ávidos dos lucros que tal actividade lhes pro­ porciona. Em 1 598, Primolano é uma viletta de apenas cinquenta fogos situada no vale do Brenta (Alpes de Vicenza), onde «quase todos os habitantes vivem dos salários que auferem nos transportes de mercadorias com as suas carroças» 1 62 • Poderíamos citar centenas de casos idênticos. Quer se trate de um circuito em vias de concretização ou de uma rota já bem estabelecida, é de regra que as aldeias ao longo do percurso se organizem de forma a partilharem as ta­ refas, determinarem as etapas, assegurarem o transporte e a segurança dos via­ jantes e das mercadorias, e, por vezes, proporcionarem, mediante uma taxa su­ plementar, um «comboio directo» que viaja dia e noite. . . O caminho do Septimer 1 63 é um bom exemplo, e de forma alguma o único . . . E nada parece capaz de entravar a eficácia dessa coordenação; nem mesmo o Inverno, que é vencido pelo recurso aos trenós 1 64: a 16 de Dezembro de 1 537, um empresário de transportes de Verceil assumia em Genebra o compromisso de 1 32 fardos de mercadorias, prometendo entregar 42 deles em Ivrée a 4 de Ja­ neiro «se o tempo o permitir»; e Marco Dandolo, que vai representar em Fran­ ça a Senhoria de Veneza, passa o Mont-Cenis de liteira no mês de Dezembro de 1 5401 65 • É certo que conserva da viagem uma má impressão semelhante à de Gi­ rolamo Lippomano, que fez a mesma travessia em Abril de 1 577 («os cavalos e as mulas enterravam-se na neve até ao ventre e só com grande dificuldade con­ seguiam safar-se»), mas também é verdade que, nas próprias palavras deste, «incontável multidão de viajantes ali passa todos os dias, com destino à Itália, à França, à Inglaterra, e muitas vezes a Espanha.» A aldeia de Novalesa, que não possui cereais nem vinho, tem, em contrapartida, os guias marroni, a quem nunca falta trabalho. Que estranha região esta, pensa Lippomano, esta miserá­ vel Sabóia das alturas «que só tem sol três meses por ano, em que as sementei­ ras de trigo rendem de duas para uma semente», e que se prolonga até Lansle-

161 J . F. Bergier, op. cit., p. 3 1 . 162 Marciana 5838, C l i , 8 , f . º 3 7 . Relatório d e Francisco Caldogno, 1598. 1 63 Aloys Schulte, Geschichte des mittelalterlichen Hande/s und Verkehrs �wischen Westdeulschland und /ta­ lien, 1, 1 900, p. 37 e segs. 1 64 J. F. Bergier, op. cit., p. 31 . 1 165 Marco Dandolo a o doge, Lyon, 2 d e Dezembro d e 1540; B. N . , hal. 1 7 15, f.º 1 1 , cópia. 1

232

OS CONFINS OU O GRANDE MEDITERRÂNEO

bourg, onde as descidas se fazem de trenó, e mais precisamente até Saint-Jean­ -de-Maurienne166. Que concluir destes exemplos mais conhecidos e de tantos outros relativos à Idade Média recolhidos com paciência e perícia por Aloys Schulte 1 67 ? Funda­ mentalmente, que todas as vinte e uma passagens dos Alpes podem ser utiliza­ das, bastando que se apresentem circunstâncias favoráveis; há disso imensos testemunhos, oferecendo-se à nossa curiosidade a comparação entre os êxitos e os êxitos relativos, entre as tentativas e as desistências . Naturalmente, as cida­ des e os seus mercadores são intervenientes activos no processo: a construção no século XIII da então revolucionária estrada de Saint-Gothard deve-se a mer­ cadores milaneses, os quais também utilizarão , para atingirem o Alto Reno, as passagens de Splügen, de Maloi'.a e do Septimer, que a história política do sé­ culo xvn celebrizará devido à ocupação de Valteline. Demasiado próximas umas das outras, estas estradas entram em concorrência e desempenham suces­ sivos papéis conforme as conjunturas políticas e mercantis e conforme até a evolução da rede viária em regiões distantes dos Alpes. A autorização dada pelo rei à cidade de Lyon em 1464168 para receber directamente a pimenta e es­ peciarias dita o fim da supremacia de Aiguesmortes e da estrada do Ródano, em favor do Mont Genevre, do Mont-Cenis e dos Pequeno e Grande Saint-Ber­ nard. Convém observar com algum pormenor as querelas que surgem, indepen­ dentemente da sua importância aparente: uma boa ocasião para comprovarmos a atenção com que Veneza seguia os tráfegos alpinos, por exemplo, surge com o estudo da aliança política que a Senhoria conclui com os Grisões em 1 603, e que, coincidindo com o fim dos trabalhos da estrada entre Morbegno e Chia­ venna, vai permitir desviar para Bergamo parte do tráfego que se processava em direcção a Milão169 . As transformações não ocorrem, evidentemente, de um dia para o outro, pois são de carácter permanente as vantagens ou obstáculos criados pelos capri­ chos da natureza. Uns e outros, aliás, muito difíceis de evitar; é o caso, por exemplo, da necessidade de combinar rotas lacustres e fluviais - lsere, lago de Bourget, lago de Genebra, lago de Constança, Ródano, Reno e lnn, ou, na ver­ tente sul os lagos italianos e sobretudo um rio como o Adige, ao longo do qual sucessivas jurisdições e soberanias nada podem contra o dado de facto que é o autotransporte de madeiras e a navegação por meio de barcas. Vantagens per­ manentes, pois, mas em concorrência: estatísticas sobre os transportes de An­ tuérpia para Itália demonstram a prioridade nítida de Saint-Gothard entre 1 534 e 1 545 170, devido à sua situação central em relação a Génova e a Veneza. Mais a 166 «Voyage de Jérõme Lippomano», in Colecção de documentos inéditos sobre a história de França, Re/ations des ambassadeurs vénitiens, recolhidos por N. Tommaseo, 1 838, t. li, pp. 274-275 . 167 Ver supra, p. 232, nota 1 3. 6 16M Marc Bresard, Les foires de Lyon aux XI"' e/ XVI" siédes, 1 9 14, pp. 44 e 168. 16� Hermann Kellenbenz, art. cit., pp. 1 24- 1 25 . 1 7 0 Wilfrid Brulez, « L 'cxportation dcs Pays-Bas vcrs I ' ltalic par voic d e tcrrc, a u milicu d u X vc siéclc», i n An­ nales E.S.C., 1959, pp. 469-470.

233

O MEDITERRÂNEO E O MUNDO MEDITERRÂNICO

Leste, é o Brenner que constitui a outra grande via transversal , com a vantagem de ser o mais baixo de todos os desfiladeiros transalpinos ( 1 374 m), de permitir a utilização de duas correntes de água divergentes (o Inn e o Adige) e de condu­ zir a Veneza; além disso, é acessível para as grandes viaturas alemãs (carretoni, como se diz deste lado dos Alpes) que, após as vindimas, vão recolher o vinho novo das Venécias e mesmo da Ístria, gerando enorme fluxo de tráfego que anualmente se repete, a menos que se verifique um dos raros casos de interdição decidida por Veneza, como aconteceu em 1 597 171 • Mas normal mente a Senho­ ria não levanta obstáculos aproveitando o ensejo para ficar cl1111 os néctares de melhor qualidade . . . Sob o estímulo do comércio do vinho. o Brenner torna-se desde o início do século XVI umà das mais activas vias dos .·\lpes, tendência que se intensifica no final do século, sem que, contudo, alguma vez tenha atingido a primazia absoluta. Em 1 530, o arcebispo de Salzburgo 1 72 decide transformar em via capaz de suportar o trânsito de viaturas a rota de Tauern, até então um simples Saumweg (caminho de mulas); os Estados Provinciais do Tirol, defen­ sores, por motivos óbvios, do Brenner, manifestam a sua oposição, e tentam (aliás sem êxito) persuadir o rei Fernando a impedir a obra. Eis um exemplo claríssimo da extrema mobilidade dos circuitos alpinos, que o homem abre e mantém, e, sendo necessário, também transfere.

Terceira personagem: a Alemanha multifacetada Para lá dos Alpes estende-se uma Europa verdejante, pontuada por flores­ tas e por grandes rios que permitem o trânsito de barcos de grandes dimensões, constantemente percorrida por viaturas e terrivelmente fria quando chega o In­ verno. Em 1 49 1 caiu tanta neve que os mercadores de Nuremberga puderam deslocar-se de trenó até Genebra173 • É a Alemanha, que apresenta facetas diferentes conforme se observe no sentido dos meridianos, isto é, de Norte para Sul, ou no dos paralelos, de Oeste para Este. Se seguirmos os meridianos a partir de Itália depararemos com a Alta Alemanha, que vai, pelo menos em nosso entender, até Colónia, Francoforte e Nuremberga. Familiarizada com os valores da Itália, cliente dos vinhos do Sul dos Alpes, há séculos que mantém relações com as cidades da Península - Génova, Milão, Florença e sobretudo Veneza, mas também Roma, Nápoles e Áquila, o centro de venda do açafrão, e todos os centros urba­ nos que ficam no caminho. Esta Alemanha termina, a Sudeste, no Fontego dei

in

171 1 72

A. d. S . , Veneza, Cinque Savii 2 1 , f.º 45, 25 m o seu crédito, que é grande. Quando morre, . em 1 644, carregado de anos e de familia, deixa uma fortuna avaliada em mais de um milhão de florins. Nem todos têm êxito desta maneira espectacular, mas os seus negócios representam muitas vezes grandes volumes, tanto em Colónia (apesar de múltiplas falências) como em Nuremberga, em Praga222 ou Augsbur­ go, em Francoforte como em Leipzig, as duas cidades que crescem.

212 Hermano Kellenbcnz, an. cit., p. 1 19. 213 Ibidem. 214 Ibidem. 2U A. d. S., Veneza, Clnqw Savii, Risposte, 1602-1606, f.05 189 v.0 19S, 1 de Janeiro (1607). 216 Hermano Kellenbenz, an. cit., p. 13S. 217 lbid., p. 147. 218 lbid., p. 1S ; os Italianos, senhores dos câmbios em Nuremberga, em 1 6 S, p. 149. 2 2 219 lbid., p. 1 8 2 220 /bid., pp. 1 28, 143 e segs. 221 lbid., p. 144. 222 Josef Janacek, Histoire du commerce de Prague avant la bataille de la Montagne Blanche (em checo), Praaa, 19SS.

241

O MEDITERRÂNEO E O MUNDO MEDITERRÂNICO

Com toda a evidência, estes mercadores imigrados ajudaram as suas cida­ des a adaptarem-se a esta Alemanha, que pouco a pouco, no século xvm, en­ contra «os seus novos pontos cardeais» e cuja charneira vai estabelecer-se, en­ tre Norte e Sul, sobre a nova linha de Francoforte a Leipzig e, mais ou menos, sobre o eixo Hamburgo-Veneza. O combate que os mercadores italianos tra­ vam contra os mercadores locais e ainda mais contra os negociantes holandeses - esses calvinistas contra os quais Leipzig se revolta, em Maio de 1 593223 -, esse combate irá durar muito tempo. Em 1 585, em Francoforte, quando da criação de feiras de câmbios, de oitenta e duas firmas que pedem esta transformação à cidade, contam-se vinte e duas firmas italianas224 • Verdade do século que termina, como do século que começa. Um relatório holandês de 1626, aos Estados Gerais da Holanda, assinala que os Venezianos abastecem não só os seus vizinhos «mas mesmo a Alemanha a preço muito melhor do que os Holandeses em todas as mercadorias do Levante»225 • Em Colónia, em Fran­ co forte, em Nuremberga, em Leipzig, uma presença de mercadores italianos, mais sensível a partir de 1 580, mantém-se para além de 1 600. Ainda em 1633, em Nuremberga, que os Suecos tomam de assalto, os Venezianos erguem muito alto a bandeira de São Marcos para protegerem os seus armazéns. Prova, pelo menos, de que continuam aí226• Em 1604 ainda, Veneza, que conservou o mo­ nopólio (ou quase) do abastecimento em algodão das indústrias alemãs de fus­ tões, exige cinco vezes mais meios de transporte para a Alemanha no sentido as­ cendente que no descendente. Assim, a Itália, e por ela o Mediterrâneo, desemboca ainda durante muito tempo neste vasto espaço e continua solidamente implantada em Antuérpia, praça de dinheiro que continua o seu papel apesar da (ou por causa da) guerra podre dos Países Baixos. Em 1 603, a missão de B. C. Scaramelli227 restabeleceu as relações com a Inglaterra. Em breve, em 1610228 , estabelecem-se relações amigáveis entre Veneza e Amsterdão . Em 1616, os Procônsules e Senadores de Hamburgo pedem a Veneza que instale um cônsul na sua cidade229• A partir de 1599, Sebastian Koch, cônsul de Hamburgo em Génova, oferecia-se para repre­ sentar, ao mesmo tempo, os interesses dos capitães de Dantzig210• Em suma, por muito enganador que possa por vezes ser um quadro descritivo, é provável que este comércio tenha mantido as porta amplamente abertas, nos dois senti­ dos, e muito para além do início do século X V I I . Í23 Ernst Kroker, Handelsgeschichte der Stadt Leip:i;ig, 19 , p. 1 1 3, 19- d e Maio d e IS93. 26 20 A. Dietz, Frankfurter Handelsgeschichte, t. III, 1921, p. 216. 22S l'laga aos Estados Gerais, in Heeringa, Bronnen tot Geschiedenis levantschen Handel, I,

224 pp.

S32-S33 .

1,

n. 0 2S 1,

226 B. Benedetti, lntomo alie relawni commerciali dei/a Repubblica di Veneiia et di Norimberga, Veneza, 1864. 227 A. d. S., Veneza, Dispacci, lnghilterra, 2 . 228 P. J . Blok, Re/a:i:ioni veneiiane, 1909; A. d. S., Veneza, Cinque Savii, 3 , f. 0 35 , 7 de Fevereiro de 161S, Edigio Overz reconhecido cônsul dos Países Baixos. 229 /bid., 144, f. 0 74 , 30 de Abril de 1616. 230 Génova, 28 de Fevereiro de 1599, Arquivos de Gdansk, 300-53/147.

242

OS CONFINS OU O GRANDE MEDITERRÂNEO

O istmo francês de Ruão a Marselha O istmo francês pode desenhar-se a partir das rotas que vão de Marselha23 1 a Lyon232, depois pela Borgonha233 até Paris, finalmente para além até Ruão. Se observarmos de perto este primeiro desenho, demasiado simples, não poderá bastar. De Lyon a Marselha, há quatro caminhos: o próprio Ródano, no qual se enxerta em Beaucaire a grande rota de Espanha por Montpellier e Narbonne; a grande rota, sobretudo para mulas, que segue a margem esquerda; uma segun­ da rota deslocada para Leste e que, por Carpentras, atinge Aix; finalmente, uma rota que mergulha nos Alpes, no desfiladeiro da Croix-Haute e por Siste­ ron atinge igualmente Aix-en-Provence. De Lyon a Paris três traçados: um que, por Roanne, utiliza o Loire pelo menos até Briare234, para além até Orleães; mais os dois ramos que se separam em Chalon, quer em Dijon, quer em Auxerre e Sens. Mais ainda, esta rede liga-se, para Leste e Norte, às rotas da Europa Cen­ tral. De Lyon duas rotas atingem a Itália por Grenoble ou Chambéry: unem-se no Mont-Cenis e para além «no estreito de Suse» que abre a porta da Itália tan­ to aos mercadores como aos soldados. Suse é uma das gares viárias mais activas dos Alpes, donde partem e aonde chegam os machos, ou como se dizia «as grandes viaturas». De Lyon ainda, uma ou duas rotas atingem o Reno através do Jura, duas rotas que conduzem a Antuérpia, quer pela Lorena, quer por Champagne. Que esta rede do istmo francês seja assim atraída para o Leste, captada por esta circulação viva, é importante e podemos mostrá-lo pelo menos em dois exemplos. Primeiro exemplo: o cálculo determina que Lyon ainda recebe, pelo Mont-Cenis, uma parte importante da sua pimenta e das suas especiarias, isto sucede entre 1 525 e 1 535, enquanto a fortuna de Marselha continua ainda mo­ desta. Segundo exemplo: a importância da ligação com Antuérpia23S é demons­ trada de maneira surpreendente num mapa da distribuição ou redistribuição por Antuérpia de mercadorias pertencentes a mercadores franceses, chegadas ao porto do Escaut por terra ou por mar, ou que são ai entft:postas e que evi­ dentemente podem por vezes vir de outro lado além da França. Mas a ligação é evidente. A rede francesa está igualmente inclinada a SO para Espanha. Assinalei a rota de Beaucaire. Uma rota activa corre de Lyon a Bayone, atravessa o Maciço Central por Limoges, onde cruza a grande rota que, de Paris, se dirige para a 2ll Da colecção Histoire du commerce de Marseille, o tomo III, 19S l , redigido por Joseph Billioud, p. 1 36 e segs. 232 Sobre Lyon, além de René Gascon, R. Gandilhon, La po/itique économique de Louis XI, 1941, p. 36 e, 2 cerca de 1'73, Nicolas de Nicolay, Description générale de la ville de Lyon, ed. de 1883 . 233 H. Drouot, Mayenne et la Bourgogne, 2 vol., 1937, 1, pp. 3 e 4. 234 O canal de Briare, começado em 1604. 23S Émile Coomaen, Les François e/ le commerce intemational à Anve'3", 1961.

243

O MEDITERRÂNEO E O MUNDO MEDITERRÂNICO Espanha. Esta grande rota, que começa na capital com a rua Saint-Jacques, é não só o antigo caminhb de Santiago de Compostela, mas o eixo vivo da Fran­

ça da segunda metade do século XVI. A demonstração é sugerida pelo livro de Frank Spooner236 : todo o Oeste atlântico é seguramente apanhado nas malhas da pratá espanhola de que Bayonne, gare fronteiriça, e porque gare fronteiriça, 17. Lyon e u especlarlu, seaundo alguns registos de IS2S a 1534

Segundo R. Gascon, d.e siecle du commerce des q,ices à Lyon, fin xve, fin xvie siecle», in

Annales E.S.C., Julho-Aaosto de 1960.

Na contlu!ncia dos tráfegos em Lyon, predominância das rotas de Marselha e Alpes a partir de Chieri.

é uma das mudas essenciais, mas não a única. A outra é Rennes, dada as via­ gens das barcas bretãs que trazem trigo de que se alimentam Lisboa e Sevilha . . . Nenhuma comparação é possivel entre este Oeste rico em moedas de prata e a pobre Borgonha, reduzida às suas moedas de cobre327 •

Í

236 Frank Spooner, L 'konom� mondialc ct lafrapJJG monltaire:s cn France. 149 -1680, 1956, p. 275 e segs. 137 Henri Hauser, «La question eles prix et des monnaies en Bour10111e pendant la seconde moiti� du xv1• si�­ clc», in Annala de Bourgognc, 1932.

244

OS CONFINS OU O GRANDE MEDITERRÂNEO

Esta rota da prata espanhola terá sido durante muito tempo lucrativa para Lyon. Criação do capitalismo italiano, tal como Genebra - e não só criação genial de Luis XI - Lyon, cidade de feiras no meio de todos os seus oficios, colecta o dinheiro de peso e sonante que salda o activo dos mercadores italianos em França. É uma porta ampla e longamente aberta a essas fugas de numerá­ rio . . . E este papel é a coroação de múltiplas actividades. Será um dos grandes acontecimentos do destino francês quando o centro financeiro do país passar de Lyon para Paris238 • Movimento tão importante, tão dificil de explicar como a passagem da primazia de Antuérpia para a de Amsterdão. Em suma, falar do istmo francês, é, um pouco mais cedo ou um pouco mais tarde, pôr em causa todo o espaço francês. Antes duvidava-se disso. Desenhado este esquema, podemos regressar ao corredor de Rodes que in­ teressa ao Mediterrâneo em primeiro lugar. Na descida do rio realiza-se um grande tráfego. Orange, edificada longe do Ródano, pensa em 1562 cavar um canal até Camaret239 para juntar os seus barcos. O que estes transportam é essencialmente trigo, sobretudo trigo de Borgonha que viaja em tonéis (como na Toscana, outra região do vinho) e se dirige para Arles. Graças a ele, a Pro­ vença forneceu durante muito tempo uma importante exportação de cereal no Mediterrâneo. O trigo da Provença foi muitas vezes, para o rei de França, um meio de agir sobre Génova. Para além de 1 559, pelo contrário, já não há vestí­ gios de uma exportação importante, apenas com algumas excepções, como a descida de Avinhão até Roma de barcas carregadas de trigo. O trigo de Rodes e da Provença seria, para além desta data, consumido no local? De notar tam­ bém nos barcos do rio, a par dos tonéis de trigo, os brocz de carvão de pedra (vindos sem dúvida da bacia de Ales), que valem a Marselha esse privilégio de ser, no século XVI, a única cidade do Mediterrâneo que se aquece com carvão240 • Um tráfego viário, na descida, duplica o tráfego fluvial: é o dos livros, saídos em grande parte das imprensas lionesas, e que se exportam em fardos in­ teiros na direcção da Itália e da Espanha; e o dos tecidos de todas as proveniên­ cias, ingleses241 e flamengos, tecidos de Paris e Ruão . . . Estamos aqui em pre­ sença de velhas correntes de troca, precipitam-se com o século XVI em benefício de uma produção artesanal da França do Oeste e do Norte que repele tudo na sua frente, tanto os produtos catalães como os produtos de Itália. Turbas de

238 Frank Spooner, op. cit., p. 279. 239 A. Yrondelle, «Orange, pon rhodanien», in Tablettes d'A vignon et de Provence, 9-1 6 de Junho de 1928, tiragem à pane, 1929. A indicação relativa ao ano de IS62 foi exualda dos Arquivos Comunais de Orange. 240 O carvão pode também servir para os caleiras ou para os ferradores, para o fabrico das armas, Achille Bar­ don, L 'exploitation du bassin houüler d'A/ais sous l'ancien régime, 1898, pp. 13 e IS. Marselha impona ferro, ferro em sacos da Catalunha. A. des Bouches-du-Rhõne. Almirantado de Marselha, B IX, 14. A primeira chegada indica trezentos sacos de ferro vindo de Collioure, em 2 de Maio de 1609 (o registo não está numerado). Portanto, forjas. 241 Segundo os portate de Livomo, A. d. S., Florença, Mediceo, 2080. Ver Também Jakob Strieder, «Levan­ tinische Handelsfahnen», art. cit., p. 13. Creio que o historiador alemão faz uma interpretaçlo errada de carisee.

245

O MEDITERRÂNEO E O MUNDO MEDITERRÂNICO

feirantes e rurais vão para as cidades e feiras do Midi. Em Pézenas e em Mon­ tagnac, no Languedoque, só os tecidos vindos do Norte poderiam enumerar-se durante páginas e páginas: «tecidos de Paris e Ruão, vermelhos, negros, ama­ relos, violeta, ou grys acinzentado . . . », panos de Auvergne, de Berry, de Bolo­ nha e sobretudo de Bretanha «para vestir os pobres, para forrar os casacos, para talhar os lençóis e enxergões dos hospitais . . . »242 •

18. Marselha e o mercado interno francês, 1543

Tintas

O

Couros e peles

Especiarias

• LANGUEDOQUE

As

quantidades indicadas são calculadas muito imperfeitamente.

Na subida colaboram transportes fluviais e transportes por mulas. Os bar­ cos de Rodes transportam grandes quantidades de sal para os países do Norte. Desde o tempo de Luís XI, os capitalistas de Montpellier interessavam-se por este comércio lucrativo que, mais tarde, as nossas próprias Guerras de Religião não interrompem243• Pelas rotas fluviais podem também ser veiculadas as lãs

242 E. Le Roy Ladurie, op. cit., p. 12.S. 243 J. F. Noble de La Lauziere, Abrigé chronologique de l'histoire d'Arles, 246

1808, pp. 393 e 420.

OS CONFINS OU O GRANDE MEDITERRÂNEO cruas do Languedoque ou da Provença, ou o verdete (zinabre) de Montpellier . Pelas rotas terrestres bastante defeituosas, frequentemente cortadas por terre­ nos pantanosos, sobe t udo o que Marselha expede para a França interior: espe­ ciarias, pimenta, drogas, lãs e couros barbarescos de Hyéres244, tapetes da Tur­ quia, sedas, arroz do Levante, aço do Piemonte, alúmen de Civitavecchia,

vinho de Malvasiam. Fizemos este resumo segundo um registo marselhês de

1 543 , conservado por acaso2"". I ndica também as cidades que, sendo clientes

directos deste comércio, desenham sobre o mapa a zona económica de Marse­ lha.

O seu

eixo é o Ródano até Lyo n . Algumas expedições, mas raras, na direc­

ção de Toulouse. E muito poucas para Paris: no conj unto, o comércio marse­ lhês é retomado, para o interior, por uma série de cidades que são estações de muda. Apaga-se, a uma maior ou menor distância do mar - em Arles, Beau­

caire, Pézenas - e desaparece por fim totalmente, engolido pela grande praça de Lyon . Verdade que seria sem dúvida válida para todas as out ras cidades do Mediterrâneo, não estando então nenhuma em condições de acompanhar, at é

ao fim do seu trajecto, as mercadorias expedidas pa ; a o interior das terras .

Também não há dúvidas sobre a modicidade do comércio de Marselha, tal como surge nesse registo de 1 543 . A cidade é todavia, nessa época, a incontestá­ vel senhora dos rios provençais: os portos vizinhos estão ao seu serviço, uns para lhe trazerem o trigo de Arles, outros para veicular, na véspera da estação das pescas, os indispensáveis tonéis trazidos de Fréjus . . . Desde essa época, exerce uma forte atracção sobre o cabo Corso. O impulso marselhês não teve todavia de preceder as capitulações de 1 569 ou, mais nitidamente ainda, a guer­ ra de 1 570- 1 573 que imobilizou Veneza, perturbando-a terrivelmente nas suas relações com o Levante. Esta crise fez a fortuna de Marselha, multiplicando as viagens da sua frota mercante ao mesmo tempo que dilatava os tráfegos do cor­ redor de Rodes, nem que fosse pelo desencaminhamento de uma parte do comércio alemão via Lyon e Marselha247 • Por volta de 1 580, o Mediterrâneo, em toda a sua extensão, é sulcado pelas «barcas» e galeões da cidade foceense. Evidentemente, a fortuna marselhesa não é inteiramente alimentada pelas rotas do istmo248• Alimenta-se também dos tráfegos do mar: as «barcas» de

244 A. des D. du Rhône, Almirantado de Marselha, D IX, 1 98 ter. 24S N. de Nicolay, op. cit., pp. 164, 175, 188-189. 246 Ver nota 244 . 247 Jakob Strleder, art. cit., passim; cf. também o estudo de Karl Ver Hees, in Viertefj. ftJr S.u. W. Gesch., 1 934, pp. 235-244, sobre as finnaa alcmls pmentes na praça de Lyon (Arq. municipais de Lyon, H. H. 292, n. 0 1 4); no total, setenta e uts firmas, vinte e quatro de Nuremberga, trinta e cinco de Aupburgo, seiJ de Ulm, seis de Estrubur110, uma de Constança, uma de Colónia, sem contar evidentemente com os comércios interpostos.

Em relação aos Palses Baixos colocou-se com acuidade, sobretudo de 1 SSO a 1 580, o grande problema das suas ligações com o Mediterrllneo. Este amplo problema não é resolvido pelo pequeno exemplo [email protected] que te­ mos de citar, mas talvez seja assim curiosamente esclarecido num ponto de pormenor. Em 1575, não foi assinado um acordo entre o duque de Sab6ia, Emmanuel-Philibert, e o governo dos Palses Baixos (P. Egidi, Emmanuel Fi­ liberto, 1928, 11, 127)7 Reduziam-se a metade todos os direitos sobre as mercadorias trocadas e também sobre as mercadorias em trAnsito. Nos anos anteriores, o duque de Sab6ia tinha tentado arejar os seus Estados por meio de acordos com Genebra e a Valtelina (ibid., p. 127). Ao mesmo tempo, esforçava-se, com um espanhol, Vitale Sa­ cerdoti, por estabelecer relações com o Levante e as lndias e, para este efeito, entrar em acordo com o turco. Note-

248

247

O MEDITERRÂNEO E O MUNDO MEDITERRÂNICO

Marselha estão ao serviço de Génova, de Livorno, de Veneza, dos portos de Es­ panha e de África. Como os barcos de Ragusa, vivem do mar e do seu interco­ mércio. Tanto mais que o século XVI não é ainda a época de Colbert: não existe, por trãs de Marselha, indústria francesa poderosa. Mas já há a França, a Fran­ ça e os seus mercados. E há também uma grande rota que corta a França, dum lado a outro, e faz de Marselha uma das portas de saída, sobre o Mediterrâneo, dos tecidos ingleses ou das sarjetas da Flandres. As revoltas civis, para lá de 1 563 , não interromperam estas correntes comerciais: só houve crise e perturba­ ções duradouras depois de 1 589, o que incitaria, se fosse necessário, a rever as nossas opiniões de conjunto sobre a crise interna francesa249 • Mas uma grande rota continental não é apenas uma rota mercante. O eixo francês é, tanto como a subida do sal ou a descida dos tecidos do Norte, o avan­ ço conquistador, para lá dos anos 1450, da língua francesa, penetrando para o Sul, através da civilização e da língua occitanas, até ao mar 1Iiterior250 • É, no século XVI, a subida misturada dos Italianos, mercadores, artistas, operários, artesãos, homens a soldo, essas centenas, esses milhares de italianos, brigões e geniais, que se imagina com boa mesa nos albergues franceses cuja abundância enleva o próprio Girolamo Lippomano, embaixador da opulenta Veneza: Há em Paris, afirma, «taberneiros que vos dão de comer em casa deles por todos os preços: por um tostão, por dois, por um escudo, por quatro, por dez, por vinte mesmo por pessoa, se o desejardes ! »251 • Esses italianos escreveram grandes ca­ pítulos de história: aqui, as secas do baixo vale do Ródano; ali, esse crescimen­ to da banca e da bolsa de Lyon; e em bloco a Renascença, a arte da Contra­ -Reforma, esses poderosos avanços da civilização mediterrânica. O istmo francês conheceu muitas alterações. Atrai toda a grande vida do Ocidente, do século XII ao xm, com a primazia das feiras de Champagne. De­ pois vem um longo eclipse. Mas o corredor reanima-se no final da guerra dos Cem Anos252, a partir de 1450, melhor ainda, de 1480. A ocupação da Proven­ ça e de Marselha dá então à França real a sua ampla fachada sobre o Mediterrâ­ neo e uma crescente influência francesa afirma-se na orla do mar. Esta influência foi em primeiro lugar a de uma grande força política; depressa acompanhada de uma irradiação nova da cultura francesa, modesta

mos que estas primeiras negociações são iniciadas em 1572, numa época em que Venez.a (a guerra da liga vai de 1571 a 1573) tem dificuldade em avançar os seus negócios. A tentativa de Emmanuel Philibert aliás não terá êxito; só era passivei com o auxilio dos mercadores judeus; tentou portanto protegê-los e atrai-los, mas, neste ponto, não conseguiu vencer a oposição de Roma e da Espanha (1574). Não impede que tivesse ai uma politica comercial de grande alcance e a ideia, como nota Pietro Egidi, de desviar para o Piemonte e para Nice uma parte destas gran­ des correntes transcontinentais que, quer pela França, quer por Milão, corriam assim à beira do Estado de Sabóia (ibid., 1 27). 249 Cf. Vol. 11, segunda parte, capitulo VI. 2'0 A. Brun, Recherches historiqUllS sur /'introduction dufrançais dans les provincesdu Midi, 1923 , cf. o rela­ to de Lucien Febvre, in Rev. de Synthbe, 1924. 251 Edmond Bonnaffé, Voyages et voyageurs de la Renaissance, 1895, p. 92 (1577]. 2'2 Yves Renouard, «Les relations économiques franco-italiennes à la fin du Moyen Age», in Cooperaz.ione intellettuale, Set.-Dez. de 1936, pp. 53-75.

248

OS CONFINS OU O GRANDE MEDITERRÂNEO

ainda no século da Renascença e do Barroco, visível todavia por mil pequenos sinais, anuncia o que em breve será uma i n fl uência exagerada. É o encanto que se apodera das damas da corte de Espanh a quando a « Rainha da Paz » , a pequena Isabel de Yalois com quem Filipe li acaba de casar, t i ra das malas as suas toile1tes. É a moda francesa que faz carreira mesmo em Veneza, capital da elegância feminina e masculina até ao século x v 1 1 m . É a marquesa do Gast em Nápoles que se mete em despesas para conquistar o Grande Prior, que a visita em 1 5 59: «Senhora Marquesa - escreveu Brantôme, que assistia à cena - saudou à francesa, depois a ent revista cont inuou. Pediu a suas fi lhas que lhe fizessem (ao Grande Prior) companhia à francesa, tal como ri r , dançar, brincar, conversar livremente, modest amente e honest ament e como fazeis na

corte de França»254 • É a canção francesa, começando para o Sul uma viagem conquistadora; bastante .cedo para não se cruzar no caminho com a ópera ita­ liana, que se difundirá em todas as direcções, por volta do final do século. São pequenos sinais que parecem superficiais. Mas, terá tão pouca importância que nesta Itália do século XVI seja já o francês, o francês tal como se imagina pelo menos, gesticulante, abanando a cabeça com referências complicadas, fazendo na cidade despesas excessivas, estafando e esgotando os seus lacaios, quem ser­ ve de modelo à delicada sociedade255 ?

Europa e Mediterrtneo Os istmos europeus desenham assim as linhas essenciais de transmissão da influência mediterrânica, linhas que agrupam cada uma em seu redor uma mas­ sa continental mais ou menos autónoma: porque não existe, em face do Medi­ terrâneo, uma Europa, mas Europas, quadrantes europeus, mal ligados muitas vezes entre si pelas rotas transversais, de débito limitado. Mas a!. rotas Norte-Sul , apesar da sua importância, não conseguiram alterar toda a massa dos países e dos povos que atravc�sam . As dist âr11.: i as

opõem-se a isso, com frequência os relevos. Entre o Mediterrâneo e a Europa do Norte os muros interpostos desempenharam o seu papel negativo. De igual modo as influências do Sul para o Norte não se propagam por superflcies contí­ nuas, por vagas (sejam quais forem as imagens que nos venham ao espírito). Quando penetram profundamente nas terras, é por estreitos fusos meridianos que seguem as grandes rotas comerciais, mergulhando com elas até às mais lon­ ginquas terras. E é até aí que se deve ir procurar por vezes, para a explicar, a história do mar. Mas estas linhas profundas, mergulhadas muitas vezes no meio de terras completamente estranhas - as da Rússia, por exemplo -, não passam da ar253 H. Kretschmayr, op. cit., li, p. 378 . 254 Brantõme, Mémoire.s, ed. Mérimée, XII, p. 263. 255 Gonz.ague Truc, Uon X et son srecle, 1941 , p. 127 .

249

O MEDITERRÂNEO E O MUNDO MEDITERRÂNICO

madura de uma Europa mais ou menos mediterrânica. A influência do mar não se estende e alarga, senão pelas múltiplas ramificações dessas artérias essen­ ciais, a pouca distância das suas margens. Só aí há um verdadeiro domínio de im­ pregnação mediterrânica. Zona privilegiada, mas móvel: basta pensar na reli­ gião, na cultura, na economia para ver alargar-se ou retrair-se a sua superfície. Um exemplo, tirado da história económica, pode precisar o nosso pensamento. Falávamos há pouco de Marselha, em suma de todos os portos mercantes plan­ tados à beira do mar, cujos serviços são substituídos, a uma certa distância, por outros centros urbanos. Na Europa ocidental e média, uma linha que une estes substitutos internos passaria de Lyon por Genebra, Basileia, Ulm, Augsburgo, Viena, Cracóvia, Lwow. Não é a própria lista de cidades curiosamente mistas, ao mesmo tempo Norte e Sul, cujos olhares e vida estão virados para os Medi­ terrâneos do Norte e o vasto Mare Internum? Não se pode negar que este eixo mediano seja uma grande cicatriz, uma importante charneira do complexo eu­ ropeu. Pode negar-se mais que a Europa, que finalmente será hostil ao Medi­ terrâneo, comece ao Norte destas cidades mistas: a Europa aberta à Reforma, a Europa dos países novos256, agressivos no seu avanço, e cujo aparecimento marcará à sua maneira os inícios daquilo a que chamamos os Tempos Moder­ nos? Isto dito sem querer esquematizar demasiado. A Europa são também os mares do Norte, o vasto oceano Atlântico. E, desde as Grandes Descobertas, um Atlântico conquistador, ligado por Magalhães ao Pacífico e por Vasco da Gama ao Índico.

3. O Oceano Atlintico Pode parecer paradoxal terminar um capítulo sobre os confins mediterrâ­ nicos pelo próprio Atlântico, como se não passasse de um anexo do mar Inte­ rior. Mas no século XVI, o Oceano ainda não existe na sua plena autonomia. Começa somente a ser conquistado pelos homens e construido por eles, pouco a pouco, com aquilo que podem extrair da Europa, como Robinson Crusoé cons­ truiu a sua casa com o que recolheu do navio.

Vários Atlintlcos Este Atlântico do século XVI é a associação, a coexistência mais ou menos perfeita, de vários espaços em parte autónomos. Há o Oceano transversal dos

2S6 Cf. as belas observações de Marc Bloch sobre as velhas cidades do Sul e as novas cidades do Norte, in Re­ vue historique, 1931 , p. 133.

250

OS CONFINS OU O GRANDE MEDITERRÂNEO

lngleses257 e dos Franceses de que a Gulf Stream, com os seus abalos de tempes­ tades, é o eixo habitual e a Terra Nova o primeiro encontro. O Atlântico dos Espanhóis é esse eclipse de que Sevilha, as Canárias, as Antilhas e os Açores marcam e são as estações de muda e os motores258 • O Atlântico dos Portugueses259 é esse imenso triângulo do Oceano central e austral, de Lisboa ao Brasil, primeiro lado; depois ao cabo da Boa Esperança, segundo lado; sen­ do o terceiro essa linha que os veleiros no regresso das índias seguem, a partir de Santa Helena, ao longo da costa africana. Estes diversos Atlânticos, ligados a histórias nacionais, encontraram facil­ mente os seus historiadores. Há um outro negligenciado talvez na medida em que liga em conjunto essas vidas particulares e só teria o seu significado à escala de uma história global do Oceano que ainda esperamos. É todavia o mais anti­ go de todos, o das navegações medievais e mesmo antigas das Colunas de Hér­ cules às Cassitéridas, esse mar estreito de tempestades frequentes e selvagens entre as costas de Portugal, de Espanha, de França, da Irlanda e de Inglaterra, uma simples rota Norte-Sul, rival das rotas terrestres dos istmos europeus. É dele que são oriundos todos os oceanos Atlânticos dos séculos xv e XVI. Pro­ jectou-os para fora dele mesmo. Mar desagradável na verdade, onde as viagens são difíceis: o golfo da Gas­ conha, com as suas vagas longas e as suas águas furiosas goza de uma má repu­ tação tão justificada como a do golfo do Leão, no Mediterrâneo. Ninguém está seguro, ao deixar a Espanha ao Sul, de não falhar a entrada, contudo tão am­ pla, da Mancha, no Nordeste. Fernando, o jovem irmão de Carlos V, em 1 5 1 8, encontra-se sem o desejar, com a frota que o levou de Laredo, ao largo das cos­ tas selvagens da Irlanda260 • Vindo do Norte, como Filipe II em Agosto de 1 559, não há qualquer certeza de chegar directamente aos portos profundos da costa cantábrica261 • O embaixador Dantiscus, que durante muito tempo representou a Polónia junto de Carlos V, faz, em Dezembro de 1 522, a experiência desta na­ vegação, da Inglaterra à Peninsula. Afirma que nada é comparável, no Medi­ terrâneo ou no Báltico, à horrivel violência do «Mar de Espanha». «Se tivesse de obter o império do mundo à custa de tal navegação, não me meteria numa aventura tão perigosa», exclama262• Ora, foi efectivamente com os perigos do Atlântico próximo e do golfo da Gasconha que foi pago «o império do mundo». Sobre estes mares ásperos, a Europa fez a sua mais dura aprendizagem do mar e preparou a sua conquista do mundo.

2s7 D. A. Farnie, «The commercial Empire of the Atlantic, 1 607-1 783 >>, in The Economic History Review, vol. XV, 1962 , n.º 2, pp. 205-206. 2S8 Pierre Chaunu, 5'ville et /'Atlantique, 1959, 3 vol. 2S9 Frédéric Mauro, Le Portuaal et l'Atlantique au xnie siecle, 157f>.1670, 1960. 260 Laurent Vital, Premier voyaae de Charles Quint en &pagne, 1881 , pp. 79- 83 . 2 2 261 Ver infra, vol. li, terceira parte, cap. 1, «0 regresso de Filipe li a Espanha». 262 Museu Czartoryski, Cracóvia, 35, f. º 35 f. 0 55, Valladolid, 4 de Janeiro de 15 3 . 2

25 1

O MEDITERRÂNEO E O MUNDO MEDITERRÂNICO

O Oceano na escola do Mediterrâneo Estes Oceanos, como culminam eles na vida do Mediterrâneo e como age este através dos seus imensos espaços? A história tradicional apresentava antigamente todos os oceanos, em bloco, como o inimigo número um do mar Interior, o mais vastcrespaço que subjugou o outro de minúsculas dimensões. Isto é simplificar as coisas. Exagero por exagero, mais valia dizer que o Mediterrâneo dominou durante muito tempo o seu imenso vizinho e que a sua decadência, entre outras razões, se explica no dia em que este domínio se perdeu. Repita-se: não são os espaços geográficos que fazem a histó­ ria, mas sim os homens, senhores ou inventores destes espaços. No século XVI, o mar Interior mantém para o Oeste atlântico evidentes prerrogativas. A prosperidade oceânica favorece-o; em todo o caso, participa nisso. Tonéis de bacalhau da Terra Nova, açúcar das ilhas (Madeira, São Tomé), açúcar e madeira de tintureiro provenientes do Brasil, ouro e metal branco da América espanhola, pimenta, especiarias, pérolas ou sedas do ocea­ no Índico veiculados pelo cabo da Boa Esperança, o Mediterrâneo tem a sua parte destas riquezas longínquas, destes tráficos novos. Durante todo o sé­ culo XVI, não é esse universo abandonado e empobrecido que as viagens de Colombo e de Vasco da Gama teriam imediatamente arruinado . Pelo contrá­ rio, constrói o Atlântico e, no Novo Mundo dos Ibéricos, reinventa e projecta as suas próprias imagens. Determinado historiador, ao falar da primeira edição deste livro, lamentava que o burrico, símbolo da vida quotidiana do Mediterrâ­ neo, não ocupasse um lugar mais importante263 • Ver passar camponeses monta­ dos em burros, no México, é evocar irresistivelmente, acrescenta, pessoas e paisagens do Mediterrâneo . Então, quantas outras ocasiões! O trigo semeado assim que possível, as vinhas cedo plantadas do Peru e do Chile, as caravanas de mulas dos arrieros, as igrejas, a Plaza Mayor das cidades espanholas, os re­ banhos vindos da Península Ibérica e que em breve se reproduzem no estado selvagem, o espantoso florescimento do Barroco colonial. . . Toda esta vida nova tem raízes mediterrânicas264• Estas ligações e estas trocas fizeram-se, no decorrer so século, por meio de navios, mediterrânicos ou atlânticos, e é um problema, em si, importante. Mas não basta para dar conta dos interesses em presença. Seria excessivo pensar, cada vez que um navio ou um mercador do Atlântico atinge o Mediterrâneo, que este perderia um ponto. Assim, no final do século XVI, o progresso de Ná­ poles, centro de compras de produtos nórdicos e de exportações de produtos mediterrânicos, deve-se à sua chegada; tal como as naves holandesas que trans­ portam directamente para Veneza a lã de Espanha explicam, em parte, nesta úl­ tima cidade, o progresso espectacular, no final do século XVI, da indústria dos tecidos265 • Em suma, não é fácil o deve e o haver das duas partes. 263 Robert Ricard, in Bulletin Hispanlque, 1949, p. 79. 264 Charles Verlinden, «Les orisines coloniales de la civilisation atlantique. Antél:Ments et types de structu­ res», in Cahiers lntemationawr d'Histolre, 19S3. Este artigo resume os outros artigos do autor, p. 382, n. 0 4. 26S Ver infra, p. 3 . 26

252

OS CONFINS OU O GRANDE MEDITERRÂNEO

O destino oceinico no século

XVI

É mais útil para o nosso objectivo esboçar uma história do Atlântico, vista nas suas ligações com o Mediterrâneo. Dos inícios do século a 1 580, os Ibéricos, ou sejam os Mediterrânicos, or­ ganizaram o grande Oceano transversal de Sevilha às Antilhas - «o Atlântico de Sevilha», para retomar a expressão de Pierre Chaunu. Organizaram não me­ nos, a partir de Lisboa, o interminável Oceano dos Portugueses. Excepto al­ guns corsários franceses, ninguém intervém, praticamente, nestes espaços bem guardados . Ninguém interrompe ou desvia o seu crescimento. O Atlântico sevi­ lhano, para além do istmo do Panamá, apodera-se da rota marítima do Peru, até Arica, o porto das minas de Potosi. A partir de 1 564, o galeão de Manilla atravessa o Pacífico, de Acapulco às Filipinas, e junta-se de maneira eficaz à economia chinesa266 • Os Portugueses, desde o princípio, avançaram a sua nave­ gação até às Índias, depois para além até à lnsulíndia, à China, ao Japão267 • Organizaram, além disso, o grande comércio dos escravos entre África e Amé­ rica, e não menos pelas rotas interiores do Brasil e mais ainda por Buenos Aires e os pequenos navios do Rio de la Plata, urna saída clandestina da prata de Potosi268• Ou seja, um imenso e complexo sistema de drenagem da economia mun­ dial. Conhecerá alguns contratempos, algumas «desacelerações», mas, no con­ junto, o ascenso desta economia dos Ibéricos mantém-se até 1 580, e mesmo para além disso . . . As provas: o aumento das chegadas de prata a Sevilha e das diversas mercadorias de regresso das « índias»: couros, madeira de tintureiro, cochonilha - esta última figurando entre «as mercadorias reais» de que os ne­ gociantes disputam entre si os lucros e vigiam as cortes. Outra prova: a grande amostragem dos seguros marítimos do Consulado de Burgos onde a taxa do prémio é durante muito tempo menos elevada no Atlântico do que no Mediterrâneo269 • E Lisboa manteve o seu lugar no comércio das especiarias muito para além de 1 600 . Finalmente, quando as coisas se estragam com os pri­ meiros avanços sérios da corrida protestante, os dois colossos, Portugal e Espa­ nha, reunem-se. Ninguém pensava, em 1 580, que isto fosse a associação de duas monumentais fraquezas. A este quadro optirnista é preciso acrescentar sombras, e sérias: o Atlân­ tico próximo, o Atlântico Norte-Sul em breve está perdido. Esta rota tinha sido conquistada alguns séculos mais cedo pelos Mediterrânicos. Em 1297, as galés genovesas tinham realizado a sua primeira viagem directa até Bruges, seguidas

266 Pierre Chaunu. Les Phi/ippines et /e Pacifique des I/Hriques (XVI'. XVII', XVIII' sikles). lntroduction méthodologique et indices d'activité, 1960. 267 C. R. Boxcr, The great Ship from Amacon, Lisboa, 19S9.

268

Alice Piffcr Canabrava, O Comércio Português no Rio da Prata, 1580-1640, São Paulo, 1944. 269 Segundo as primeiras conclusões do trabalho ainda inédito de Marie Helmer sobre os seguros marltimos de

Burgos.

253

O MEDITERRÂNEO E O MUNDO MEDITERRÂNICO

uma vintena de anos mais tarde pelas galere da mercato venezianas (entre 1 3 1 0 e 1320, sem dúvida e m 1 3 17) e por muitos outros navios27º. Este avanço coinci­ de (sem ser forçosamente a sua causa e a sua consequência) com o fim da pros­ peridade das feiras de Champagne; leva para os Paises Baixos e para Inglaterra numerosos mercadores italianos; instalam-se ai como em pais conquistado. Este triunfo marítimo imediatamente privilegia a Itália: apoiada nas colónias do Levante e nas feitorias do Norte, separou-se dos mundos atrasados que a ro­ deiam, mais moderna e mais rica que quem quer que seja. Outra consequência, mas imprevista: a animação da frente atlântica da Europa, pelo menos de al­ guns dos seus sectores, a Andaluzia, Portugal, prepara, de facto, os Grandes Descobrimentos27 1 • Quando se esboça o lento e poderoso desenvolvimento de meados do sé­ culo xv, é ainda o sistema italiano, simultaneamente continental e marítimo, que tira dai vantagens. Veneza, Génova, são então senhoras dos mercados in­ glês e flamengo. Este sistema deteriora-se apenas com o século xv1. Por volta de 1 550272 , com efeito, o tráfego entre mar do Norte, Portugal e Andaluzia re­ gressa aos navios nórdicos. Vinte anos mais tarde, aquando da crise hispano­ -inglesa de 1 568-1 569273 , os Ibéricos têm de abandonar, ou quase, a viagem do Norte. Sobre a sua navegação, os veleiros nórdicos em breve retomarão o cami­ nho de Gibraltar e realizarão e�ta conquista do Mediterrâneo onde quase ti­ nham tido êxito antes de 1 550. Mas esta subida foi tardia. Um velho espanhol (tem 87 anos), que evoca as suas lembranças em 1629, fala do tempo que conhe­ ceu em que a Inglaterra não conseguia manter quinze navios de guerra274 • Trata-se, totalmente, neste caso, no que respeita ao mar Interior, de per­ das directas ou indirectas, mas não forçosamente catastróficas para os paises mediterrânicos. A Espanha e Portugal mobilizam as suas forças para assegura­ rem em primeiro lugar os seus grandes circuitos atlânticos. O caso da Biscaia é revelador: fornece os melhores navios da Carrera de Indias, os seus galeões to­ mam o caminho das indias, os seus zabras pelo contrário, que, antes de 1 569, levavam as lãs e a prata de Espanha para Antuérpia, tomam-se mais raros nas linhas do Norte. Todavia, a ligação vital entre Sevilha e o Norte é mantida, ape­ sar destas transformações. Para os Nórdicos, que entregam o trigo, o peixe, a madeira, o ferro, o cobre, o estanho, a pólvora, os tecidos, os panos, a quin­ quilharia, os navios já construídos, a viagem de Espanha salda-se por regressos de sal, de vinho, de prata. . . É que a Península pode pagar alegremente tais ser­ viços. Portanto, trata-se de perdas, mas compensadas num sistema mundial lar­ gamente aberto aos mercadores de Itália. Estes estão em Lisboa e em Sevilha

270 Renée Doehaerd, Les relations commerr:la/es entre Glnes, la Belgique e/ l'Outremont, B111J1elas-Roma, p. 89. 271 G. de Reparaz (hijo), La época de los gnurdes descubrimientos espalloles y ponugueses, 9 1 , p. 90. �72 Desde 1 S49, A. Ballesteros, Historia de Espalla, y su i'lfiuencia en la historia universal, 19 1, 3IV, , p. 1 80.

1941 , 1,

...7.1 Ver m i ra. p. 5:!Y e '"'l!.'· 274 COOO/N, l . V , p p . 7 - M .

254

27

2

OS CONFINS OU O GRANDE MEDITERRÂNEO

desde as primeiras horas . Os Genoveses lançaram Sevilha e instit uíram os indis­ pensáveis e lentos movimentos de capitais, sem o que nada se faria de um e outro lado do Atlântico17\ A economia espanhola suporta a sua intervenção e, a par ' dela, a dos Florentinos, mais discreta mas importante. Os capitalistas de Í talia, venezianos e milaneses, j untando-se ao conj unt o , mantêm ª ' rot a'> decisivas

para os Países Baixos. Encontram-se uns e outros em Antuérpia, em Nuremberga, e do mesmo modo no outro fim do mundo, em Ormuz, em Goa . . . Em suma, o Mediterrâneo não está fora do jogo. Ou melhor, não está fora de nenhum jogo. Detém mesmo pelos Genoveses as finanças imperiais da Espanha e, pelas feiras ditas de Besanção276, todo o movimento, na cúpula, dos capitais na Europa. Este sistema geral terá uma vida dura. Não há grande catástrofe para o Mediterrâneo antes de se dobrar o cabo da Boa Esperança pelos navios holan­ deses de Cornelius Houtmann, em 1 596 na ida, em 1 598 na volta. Só então o sistema é atingido nas suas acções vivas, no momento em que, um pouco mais cedo ou um pouco mais tarde, a conjuntura secular se desvia. Por ocasião destes desvios, são vulgarmente os êxitos mais avançados muitas vezes os primeiros atingidos. Contudo, neste refluxo, nada será rápido. As datas mais característi­ cas são talvez 1620- 1630, quando se instalam no coração das finanças de Espa­ nha, os marranos portugueses, esses novos christãos mal convertidos e muitas vezes testas-de-ferro do capitalismo nórdico. Ocupam um lugar decisivo a par dos «hombres de negocios» genoveses. A 8 de Agosto de 1628, ao largo de Ma­ tanzas, perto de Havana, a «armada y flota» da Nova Espanha é cercada e con­ quistada pelos barcos holandeses de Piet Heyn277• Estas datas tardias minimizam, sob o nosso ponto de vista, o corte habi­ tual do ano de 1 588, o da Invencivel Armada. Existem, para isso, algumas razões de peso: primeira, a Espanha foi capaz, depois do fracasso de 1588 - tanto devido ao inimigo como aos ventos e às tempestades, à ausência de pilotos experimentados ao longo dos bancos de areia do mar do Norte -, de lançar ainda duas expedições contra a ilha em 1 597278 e em 1601279 , assim como de manter na Irlanda uma guerra de diversão que esgotou as finanças de lsabel280 ; segunda, este fracasso deu-se numa época de conjuntu­ ra geral favorável, em que qualquer ferida podia ainda cicatrizar; terceira, a corrida inglesa diminuiu por si só, desfere evidentemente golpes muito duros ao adversário (o saque de Cádis, em 1596, afecta ainda mais do que a fortuna, o prestígio da Espanha), mas pouco a pouco as ilhas, as costas de Espanha armam-se - a corrida inglesa é uma indústria cujos rendimentos diminuem,

k

�7� A11Url.·-I·.. Sayou,, século, e não menos em i;elação a nµmerosos �os do século seguinte. O recente estudo de Emmm.i_uei' Le Roy : l..4ldur�e assínà.111 factos anâlogo s : «0 Ródano gela ainda totalmente, ao ponto cJe suportar IÍlUlas, ,caDhões e carroças, em 1 590, 1 595 , 1603 , talvez 1 6Q8. em i 6 16, j 6.i4: Ó mar d� Marselha congela em 1 595, ,erri 1�38 «a:água gela em re­ dor das gaieqts . . . » A c0ngelação d.as oliveiras languedocianas repete-se: 1565, 1569, 157 1 , 1573, '1 587, 1595, 1 6 1 5 , 162422 1 • • • «Es�es assassinatos de oliveiras acablllll por desencorajar os plantadores»222 no LanguedoqÚe e sem dúvida noutros sítios. Parece certo que fez mais frio, entre' o final do século XVI e o princípio do ·xvn, do que antes. Choveu durante mais tempo. De 1590 a 1 60 1 , um historiador observa, a propósito do Languedoque: «Neves tardias e obstinadas na Primavera, grandes frialdades na boa estação, chuvas excessivas sobre o Mediterrâneo, acompa­ nhadas de fomes e da famosa "descida" do trigo nórdico pàra o mar Interiorn223 • Pelo contrário, de 1602.a 1612 e mesmo depois, houve «como que uma bafurada de calor e de luz»224 , regresso da seca, pelo menos más reparti­ ções das chuv'as . Quantas ladainhas a favor da chuva em Valladolid em 1607, 1617, 1627225 ; em Valência, em Novembro de 1615; havia molts mesos que no p/oguia; em Outubro e Novembro de 1 6 17226 , no caiga un solo chaparron. Não fiquemos demasiado seguros, na sequência de lgnacio OlagOe, de que a Espa­ nha tenha sido então vítima de uma seca a longo prazo que organizaria a sua decadência227 • Mas, que a paisagem da Mancha tenha sido mais verdejante na época de Cervantes do que depois continua a ser muito possível228 • · O mecanismo da chuva, na Europa (incluindo o Mediterrâneo), está sob a dependência dos caminhos que as depressões atlânticas seguem, quer ao Norte, pela Mancha, o mar do Norte, o Báltico (durante todo o ano); quer ao Sul, desta vez pelo mar Interior, do equinócio de Outono ao equinócio da Pri­ mavera. Para Gustav Utterstrõm, no século XVI, esta dupla circulação seria perturbada ao Norte por frios intensos, e portanto pela permanência de zonas anticiclónicas, de ar carregado. Contrariada a via setentrional, a do Mediterrâ­ neo estaria por compensação mais bem aberta do que vulgarmente. Mas, por­ que se abriria uma das vias quando a outra se fechava em metade? E qual a du­ ração destas oscilações, se elas existem? Estes são pormenores, explicações a curto prazo. As novas investigações vão muito mais longe e obedecem a duas tendências razoáveis: constituir longas

22 1 E. Le Roy Ladurie, op. cit., p.48. 222 E . Le Roy Ladurie, op. cit., p. 46. 223 E. Le Roy Ladwic, op. cit., p. 39. 224 E. Le Roy Lad c, op. é:it., p. 37. 225 B. Bcnnassar (tese ainda inédita, Val/ado/id au XVI� siecle). 226 J. Ólstallcdâ Alcover, op. cil., pp. 222 e 324. 227 lgnacio Olagüe, La decadencia de Espalla, 1950, tomo IV , cap.

uri

XXV. 228 Ignaclo OlagÍle, «El palsage manchego en tiemp0s de Cervantes»., .ln Annales

306

Cervantinos, III,

1953.

A UNIDADE FÍS/Çrj : O CLIMA E(I H/STÓIVA

séries de indícios; alargar o quadro da explicação ao conjunto não só do Medi­ terrâneô' mas do Mediterrâneo e da Europã·, ou nlélhor, do mundo inteiro. Apoio-me, para o afirm ar, nos trabalhos exem ares do .Dr. P. Shove229, ein Ingl�terri;' de �m ieogl-afo, Pierre i>éddaborde2 , e de um historiador, 'Entmanµ�I ;· . . si aii Qci- , a�up,aJ!do ·.. as i� f�r, 111açqes seguQçlq grelhas estabelecidas pn:y1amente _-- ca�a por1enór descnt1vo � . fican_do nc:i. s.e1d úgar: hjinÜd�de; seca frio� calor, segundo 0'as e�fações é os anos ....,. 'é pàssar do pitoresco a uma espécie de balanço quiuítitàti.vo. Determi­ nar em segiJlda as s�ries de inciclentes análogos: as datas das vindimas, as datas de chegada aos mercados do primeiro azeite novo, do primeiro trigo, do primeiro �o. as informações dadas pelos cortes de árvores, os débitos dos rios, as flora­ ' ções, os p�eiI:os gelos de � lago a pript�a9u a últimª mllSsa de 8elo do Bâlti­ � co, os avl!JiÇos é recuos dos glacilU"C$ � as va?açõis de ajvel dcú�1ar � é'.réOOnstituir cronologías que estªbelece111 as variações, longas ou curtas, do clima • · ' Segundo pa8so,' enquadrar . problemas e r�gistos n� hipÓteses. e coQ.st�ta­ ções de conjunto. A hipótese de Jet Stream terá talvez o destino de tlll)tas ou­ tras explicações gerais: aguentlll"á mais ou menos tempo o seu papel. Em redor do nosso hemisférip Norte, uma corrente contínua, um anel de ar em movimen­ to de velocidade variável giraria a 20 ou �O km de altitude acima da superficie terrestre. Se acelera a sua velocidade, distende-se e mergulha na esfera, como um chapéu demasiado grande na cabeça do seu detentor; se diminui o seu rit­ mo, formâ meandros e retrai-se para o pólo Norte. Então, se as nossas obser­ vações éstão exactas, o Jet Stream teria acelerado a sua marcha no final do sé­ culo XVI e, aproximando-se do equador e portanto do Mediterrâneo, teria levado consigo para o Sul a chuva e o frio. Evidentemente, as nossas hipóteses esta­ riam demonstradas se o encadeamento das constàtações não tivesse falhas, o que nada o garantirá. Segundo os termos admitidos nas actuais discussões, com os meados do século XVI, um pouco mais cedo, um pouco mais tarde, começa­ ria aquilo a que se chama, segundo o Dr. Shove, «a pequena idade gfaciar», a qual atravessará todo o Século de Luís XIV . As questões em suspenso continuam a ter importância. Estaremos em pre­ sença de uma fase prolongada? Então no século XVI estaríamos em longo perío­ do de inflação do frio e da chuva. Assinalo, sem lhe atribuir qualquer força de demonstração, uma observação sobre o nível, em Veneza, do commune, ou seja, o nível médio das águas, que marca com um traço escuro o pé das casas, à beira dos canais. Um documento defende que este nível se elevou regularmente

� .

��t�Aff#�!fs�' i.n(orin��õ:�s. · #�W zan



•.

.

.

.

. .

. ·

229 Para se orien1ar no meio dos ·setis inl'lltlplos estudos, partir da sua comunicaçllo, «Dlscussio111 póst-glacial climatic change», in The Quarterly Journal o/ the Royal Meteoro/ogica/ Society, Abril de 1949. · 230 Le' climat du Bassirr Prlrisien; ma; d'urle méthode rationnelle de c//matologie physique, 1951. 23 1 Penso nos seus treS brilhantes artigos, «Hlstoire et climat», in Anrrales E.S.C.; 19S9; «Climat et récoltes aux XII• et Xlll•», in ibid.; «Aspcct historique de la nouvelle climatologie», in Rl!Vue Hlstorique; 1961.

307

O MEDITERRÂNEO E O MUNDO MEDITERRÂNICO

a partir de 1 560, em três séculos de duração232 • Se a observação é fundada - e pedem-se provas e certezas - , ficaria por saber se o plano de água da lagoa ve­ neziana está ou não apenas sob a dependência das precipitações atmosféricas e não de acidentes locais. O que não impede que o testemunho seja para fixar. Uma outra questão fica cm suspenso: a incidência eventual desta pequena idade glaciar sobre a vida da Europa e do Mediterrâneo . Irá o historiador liber­ tar-se de uma série de problemas relativos à vida agrícola, à saúde pública ou à circulação para os inscrever nesta nova rubrica? A sensatez exigiria, nestes do­ mínios, amplas investigações colectivas, que ainda nos faltam. Não diremos, antecipadamente, como seria tentador desde já diagnosticá-lo: com o final do século XVI, mais criação de gado e menos trigo! Frio e chuva visitando o Medi­ terrâneo com insitência desregularam certos ajustamentos, mas em proporções que ainda nos escapam. E o homem tem as suas inegáveis responsabilidades, cujo alcance, também ele, continua por fixar. Assim, como o demonstrou Emmanuel Le Roy Ladurie, o atraso progressivo das vindimas deve-se exacta­ mente a ele, porque quis obter colheitas tardias, de um grau alcoólico mais elevado233 • É claro - e é o progresso mais considerável nestes domínios - que a his­ tória do clima é una, à escala do hemisfério Norte. Que o caso do Mediterrâneo está ligado a um conjunto de problemas a esta mesma escala: o recuo actual dos glaciares do Alasca, que restitui, a nosso ver, antigas florestas maceradas pela sua progressão antiga, a sequência das datas exactas da floração das cerejeiras de Tóquio (cada uma marcada por uma festa ritual), as camadas concêntricas das árvores da Califórnia, todos estes «acontecimentos» e outros estão ligados entre si pela história unitária do clima. Jet Stream ou não, há uma unidade,_ um chefe de orquestra. Por todo o lado, o «primeiro» século XVI foi favorecido pelo clima, por todo o lado, o «segundo» sofreu perturbações atmosféricas .

232 Correr, D. delle Rose, Apenas quero evocar esta imensa questlo e a imensa bibliografia que lhe diz res· peito desde antes da publicaçlo do livro de Luisi Comaro, Trattato di acque dei Magnifico Luigi Comaro nobile Vinitiano, Pádua, 1560. A melho1 orientação, a que oferece Roberto Cessi, «Evoluzione storica dei problema la· 1unare», in Atti dei conwgno per la conservazione e difesa dei/a laguna e dei/a città di Veneiia, 14-IS de Junho de 1960 (lstituto Veneto), pp. 23-64 . 2l l Op. cit.

20.

308

5 A UNIDADE HUMANA: ROTAS E CIDADES, CIDADES E ROTAS1 Passar do Mediterrâneo propriamente dito, tal como o seu clima o define, ao Grande Mediterrâneo sobre o qual irradia, é passar de uma unidade física a essa unidade humana para a qual se orienta o nosso livro. Esta não é apenas obra da natureza, ou mais especificamente, da água mediterrânica. A água é tudo quanto se disse que era: união, transporte, troca, aproximação, com a condição de que o homem se esforce por isso, aceite pagar o preço. É também, foi mes­ mo durante muito tempo, separação, obstáculo que foi preciso ultrapassar. A arte de navegar é talvez oriunda, se recuarmos bastante no tempo, das bacias de água calma entre as ilhas egeias e a costa da Ásia, ou do próximo mar Ver­ melho, nunca o saberemos com exactidão. Em todo o caso, no princípio dos tempos, decorre uma época interminável em que o mar não é ainda dominado pelo homem. Pouco a pouco, as barcas tê-lo-ão vencido, estendendo os seus la­ ços, construindo gradualmente o conjunto coerente do Mediterrâneo dos ho­ mens e da história. Construído, digamo-lo, pela mão do homem. Ainda hoje, no momento em que o mar Interior já não passa, à escala das nossas velocida­ des, de um simples rio sobre o qual se lançam pontes aéreas, um Mediterrâneo

1 Nlo intitulo este capitulo As Rotos e os Cidades, mas Rotos e Cidades, Cidades e Rotos, em memória de uma reflexão de Lucien Febvre na primeira leitura destas páginas.

309

O MEDITERRÂNEO E O MUNDO MEDITERRÂNICO

dos homens só existe na medida em que o engenho, o trabalho, o esforço destes mesmos homens continuem a criá-lo. Não é a água que liga as regiões do Mediter­ râneo, mas os povos do mar. Verdade banal, que importa tomar a dizer, neste do­ mínio em que tantas fórmulas e imagens se perdem como que por prazer.

1. Rotas terrestres e rotas marítimas O Mediterrâneo só tem unidade pelo movimento dos homens, as ligações que implica, as rotas que o conduzem . Lucien Febvre escrevia: «0 Mediterrâneo são rotas»2, rotas de terra e de mar, rotas dos rios e das ribeiras, imensa rede de liga­ ções regulares e fortuitas, de distribuição perene de vida, de quase-circulação orgâ­ nica. . . O importante não é mostrar o pitoresco, acompanhar Cervantes pelos cami­ nhos espanhóis de venta en venta, navegàr lendo os diários de bordo dos navios mercantes ou dos corsários, ou descer o A.dige a bordo dos burchieri, grandes bar­ cas de carga para além de Verona, ou ir «para a água a fim de atingir Veneza», em Fusina, à beira. da lagoa, na companhja das bag&geQS de Micbel de MQntaigne3. O importante é verificar. o que uma.tal rede implica de aproximações, de.história coerente•. a ,que pont,o. o moVÍDle��. dos ,barcos, das �tas de carga, das viaturas, das própriás pes'soa8', toma o Méditerrãneo · uno e, · dé um determinado ponto de vista, uniforme, apesar das resistências locais. O conjunto do Mediterrâneo é este espaço-movimento. O que o aborda, guerras, sombras de guerra, modas, técnicas, epidemias, materiais leves ou pesados, preciosos ou vis, tudo pode ser arrastado pela S\.Ul cox:rente de vida sanguínea, levad() para longe, dewsto, . levado de novo, veici;ilad.Q sem fun, até mesmo atira_dp para, fora dos. seus limites. . . Sem avotas, seria . assim? Mas _estas não. são, .pura e simpleSll).�nte, fitas soJ:>re o sq}o, es�eir...rota de Bóloilha.a F1orénça pela Futa carresponc;le à maravilhosa auto-estrada de hoje. O documento utilizado ·limita-se à enumeração. de rotilS transapeninas., partindo de Florença e de · · Lucca.

Oglio Mincio 14; . assim, os nos «TUSSOS»; assim , todos os cursos de água portu­ gµe�s; assjm, o ,yuadajqµivfr até �eviJha, e para lá de sevilha,. até C6rdova1'; ' ou, ·µjeditefrãflico 'ap�nas em rriet11de, o . Nilo, ' cuja enorme ma5sa �e agua doce se ºestende paia além do seu delta, «todo turvo e aiiiareladÔ» 16, em pleno •.

1 4 G. Botero, op. cit. , 1 , p. SO. I S lbid. , p. \J. 1 6 Conde de Brevês , Voyages ... , op. cit., p. 229.

314

A UNIDA DE HUMANÁ: ROTÁSE CIDÀDES, CIDÀDES E ROTA S

mar; ou ainda, autenticamente mediterrânicos esses, o Ebro com os seus barcos de fundo chato que conduzem os viajantes e o trigo aragonês . até Tortosa, a parte iriferior'de alguns dos cursos de águii và.1enciànos e granadmos11', em lta­ lia o Saixo Arno, o Baixo Tibre aberto até Roma às barcas do mar, sulcado por curiosas barcas fluviais de leme lateral e colil as duas extremidades levantadas, que permitem, como escadas, desembarcar nas margens escarpadas do rio 18 • Todas estas rotas, que podem ser indicadas n.um m,a�a segundo os guias dos caminhos de Estienne 19 , de Turquet20 , do Herba21 , dão a trama da �ida ge­ ral do mar; Em geral; não são de maneira nenhuma diferentes ·no século XVI das rotas que fizeram o brilho de Roma ou do Mediterrâneo medieval. Mas, seja qual for a siia rede, variável ou não a longo prazo, desenham ilimitadamente para além das costas, o império das economias e das civilizações do mar Inte­ rior e dominam o seu destino. A 'vida da rota declina? Prospera? Os comércios, as cidades, os Estados empolam-se ou deterforam-se. Com justà razão, todas as grandes explicações históricas invocam catástrofes ou acidentes viários. Para Arthur Philippson22 , as ligações directas, a partir do século III a. C . , na bacia oriental, arruinam as regiões gregas privadas dos lucros das escalas. Roma, no fim da sua grandeza, declina na sequência de violentas capturas em beneficio das rotas do Próximo Oriente, por onde fogem os metais preciosos "'-'- dizia-se não há muito - ou na sequência dessa ampla actividade de um eixo comercial Danúbio-Reno, como se defendeu recentemente, e que se desenvolve em detrimento do movi­ mento geral do mar". O facto de este mesmo movimento geral estar ao serviço do Islão, nos séculos VIII e IX, e de.todo o campo de forças mediterrânico se en­ contrar elil breve deslocado subtraia o Ocidente cristão à rede de abastecimento das rotas do mar. Enfim, para pararmos na época do nosso livro, os Grandes Descobrimentos, abrindo os caminhos do Atlântico e do Mundo, ligando o

p. 5. Belon du Mans, op. cit. , p. 103 . Estienne, La Guide de.s Chemlns de France, 2. • ed.,

1 7 lbid. , 18

19 ·Charles

1552; Les voyages de plusi.eurs endrolts de

France e/ encore de la Terre Saincte, d'Espaigtu!, d'ltalie et autns pays, .(552. Novas edições: com variaotes, em Paris, 1553 , 1554, 1555, 1556, 1558, 1560, 1570, 1583 , 1586, 1588, 1599, 1600; Lyon, 1566, 1580, 1583 , 16 1 0; Rouen, 1553 , 1600, 1658; Troyes, 16 1 2, 1 622, 1623 . Para o pormenor cf. Sir Herbert George Fordham, Les rou/es dt Franr:e: Catalogul! dl!S Gulde:s routlers 1929, e Les guide:s roUliers, ltinéraires e/ Cartes Rout/eres de L 'Europe, Lille, 1926. 20 Théodore Mayeme de Turquet, Sommaire description de la France, Allemagne, Ita/ie, Espagne, avec la Gulde de:s Chemins, Genebra, 1 591-1592, 1618, 1653 ; Lyon, 1596, 1627; Rouen, 1604, 1606, 1615, 1624, 1629, ,

1640; 1 642.

21 Giovanni de L'Herba, llinerario dei/e poste per diverse parti dei mondo, Veneza, 1561 . Outros guias da mesma época: Guilhelmus Gratarolus, De Regimine iler agentium vel equilum, velpeditum, vel mari, vel curru seu rheda, Basileia, 1561 ; Cherubinis de Stella, Poste per diverse parti dei mondo, Lyon, 1572; Anónimo, ltinerarium Orbis Christiani, 1579; Richard Rowlands, The post ai lhe World, Londres, 1 S76; Anónimo, Kronn. und Aus­ bundt. a/ler We,rweiser. . , Colónia, 1597; Matthias Quadt, Deliciae Gal/iae sive Itinerario per universam Gal/iam . . . , Francoforte, 1603 ; Ottavio Codogno, Nuovo Itinerario dei/e Poste per tu/lo il Mpndo . . , Milão, 1608; Paulus Hentznerus, ltinerarium Germaniae, Galliae, AntÇliae, etc. , Noribersae, 1612. 22 Das Mittelmeergebiet (4. • ed.), pp. 222-223 . 23 André Piganiol, Histoire de Rome, 1939, p. 522. .

.

315

O MEDITERRÂNEO E O MUNDO MEDITERRÂNICO

Atlântico ao Índico por um caminho marítimo contínuo, atacaram pela reta­ guarda as rotas vivas do Mediterrâneo e, a longo prazo, empobreceram todo o mar. Mais ainda do que quando escrevi a primeira edição deste livro, impõe-se­ -me a importância destas ligações viárias. São a infra-estrutura de toda a histó­ ria coerente. Mas o seu papel preciso coloca dificeis problemas.

Arcaismo dos meios de transporte

De 1 550 a 1600 , nenhuma grande revolução se revela, à primeira vista, nos

transportes marítimos ou terrestres: os mesmos barcos que antes, os mesmos comboios de bestas de carga, as mesmas viaturas imperfeitas, os mesmos itine­ rários, as mesmas mercadorias transportadas. Conseguiu-se melhorar os cami­ nhos e as navegações, a velocidade, a regularidade dos correios, baixar a taxa dos transportes, contudo, nunca em proporções revolucionárias. A prova disto consiste na sobrevivência, às transformações políticas e económicas do século, que foram numerosas, das pequenas cidades, ou seja, das paragens secundá­ rias. Se subsistem, não é, como pensava Stendhal, porque as grandes cidades, por uma inusitada docilidade, tenham deixado as pequenas viverem e realiza­ rem o seu destino. Foram estas que se defenderam e sobretudo porque as maio­ res não podiam passar sem elas, e também porque ao longo da estrada não se viaja sem substituir os cavalos ou recorrer aos albergues . . . A vida destas para­ gens está ligada à aritmética das distâncias, à média das velocidades consegui­ das nos percursos terrestres, às demoras da navegação, realidades que em nada mudaram no decurso de um século mal equipado do ponto de vista técnico, que ainda utiliza as velhas estradas (Roma continua a viver, em pleno século XVI, das estradas da sua antiga grandeza24) e os barcos de pequena tonelagem (os gi­ gantes do mar não ultrapassam um milhar de toneladas); que recorre mais vezes aos serviços das bestas de carga que aos da viatura25 • Esta, no século de Filipe II, não é uma desconhecida, mas a sua progressão continua a ser lenta, insigni­ ficante, se é que existe progressão, de 1 550 a 1600 . Pensemos que em 1881 a via­ tura era ainda desconhecida em Marrocos26• Que só fez o seu aparecimento no Peloponeso no século xx. Que a sua chegada implica sempre uma revisão, a criação de estradas, quase uma revolução, como afinna J. L. Cvijié a propósito da Turquia do século x1x27 • Então, não antecipemos: no século XVI, a Espanha não é ainda o pais das diligências com parelhas de mulas, todas com sonantes campainhas; nem a Itá­ lia é o país dos vetturini, os célebres «trens» da época romântica. Aqui ou ali, deparam-se-nos viaturas (umas mais ou menos aperfeiçoadas, outras ainda pri-

Delumeau, Vie économique et sociale de Rome, 1, 1957, p. 81 e segs. 2S Jules Sion, «Probl�mes de transports dans l'antiquité» (c.r. da obra de Lcfebvrc des Noettes, L 'attelage. Le cheva/ de sei/e à trave� des llges), in Ann. d'hist. écon. et soe., 1935, p. 628 e segs. 26 Jules Lcclcrcq, De Mogador à Biskra: Maroc et A/gérie, 1 88 1 , p. 2 1 . 27 La Péninsule Ba/kanique, 1 9 1 8 , p. 195.

24 Jean

316

A UNIDADEHUMANA: ROTA S E CIDADES, CIDADES E ROTAS

mitivas), puxadas por cavalos, mulas, bois ou búfalos. Rolam viaturas pelo Stamboulyol, no campo de Brousse28 , no Constantinês (Leão o Africano29 assi­ nala-as), na rota do Brenner30 , em quase toda a Itália. As pipas de vinho, em redor de Florença3 1 , são transportadas sobre rodas; Cervantes troça dos carre­ teiros de Valladolid32 , e quando o duque de Alba, em 1 580, invade Portugal33 , assegurou para o seu exército os serviços de numerosos carros. Em 1606, de Valladolid para Madrid, a mudança da corte de Filipe III faz-se com carros de bois34 • Portanto, não há dúvida de que se utilizam viaturas, perto das grandes ci­ dades, atrás dos exércitos que exigem transportes maciços. Mas, noutros luga­ res? Em Nápoles, em 1 560, encara-se mandar vir o trigo da Púglia por terra e não por mar, como era costume, para evitar a longa circum-navegação da Itália meridional; mas é preciso estabelecer transportes entre a cidade e a região pro­ dutora e, para este efeito, procurar, diz a missiva de Filipe II ao duque de Alca­ lo, vice-rei de Nápoles, de adereçar los caminos que vienen de Pul/a cerca de Asculi, começar a arranjar os caminhos que vêm da Púglia até perto de Áscoli35

e isto, é onde queríamos chegar, de manera que pudiendose carretear como se hace en Alemania y otras partes, se trayga el trigo por ellos à Nápoles, de forma que, podendo fazer-se o transporte por carroças como é costume na Alemanha e outros países, se possa, por estes caminhos, transportar o trigo até Nápoles36 • Como se hace en Alemania: portanto, será ainda preciso que a viatura tenha conquistado o Sul de Itália, que reine aí à moda da Alemanha, embora pareça ter tomado posse, no final do século, dessa rota transversal de Barletta a Nápoles37 que notícias oficiais, em 1 598 e em 1603, mostram contudo imperfei­ ta, inacabada, apesar dos projectos, ou por causa dos projectos, da cidade pon­ tifical de Benavento, que gostaria de se apoderar do tráfego desta rota38 • Mes­ mo em França, no final do século, as estradas para carroças ainda não são numerosas39 • Em enormes espaços, a primazia continua a ser dada à besta de carga. Nos séculos XVII e XVIII, a rede de caminhos do Império Otomano, que causa a admiração da Europa, comporta estreitas pistas pavimentadas com três pés de largura para os cavaleiros e de ambos os lados os trilhos dos rebanhos e dos peões decuplaram a sua largura40• Nesta paisagem não existem, ou quase não existem, viaturas . . . 28 Barão de Busbec, op. cit., l , p . 103 , isto acreditando num pormenor anedótico, base evidentemente frágil. 29 Description de /'Afrique tierce partie... , ed. 1830, li, pp. 16-17. 30 E. von Ranke, art. cit., in Vj. ftJr Soz. und W. Gesch., 1924, p. 79. 3 1 B. N. Aorença, Capponi, 239, 26 de Janeiro de 1569. 32 Novelas ejemp/ares, Licenciado Vidriera. 33 CODOIN, XXXIV, 1 de Maio de 1580, p. 442; 4 de Maio de 1580, p. 45 3 . 34 Franccschi ao doge de Génova, Valladolid, 3 1 de Maio de 1606, A. d. S., Génova, Spagna 15. 35 Ver nota seguinte. 36 Filipe II vice-rei de Nápoles, Toledo, 1 3 de Outubro de 1560, B. Com. de Palermo, 3 Qq. E 34 f.•s 8-11. 37 22 de Maio de 1588, A. de Ragusa, D. de Foris, f. • 245. 38 Arch. st. ital., IX, pp. 460 e 460, nota 1; 468 e 468, nota 1 . 39 Albert Babeau, Les voyageurs en France, 1885, pp. 68-69 (viagem de Paul Hentmer, 1598). 40 Victor Bérard, Pénélope. . . , op. cit. , p. 307; Chauteaubriand, /tinéraire. . . , op. cit. , p. 7. ao

3 17

O MEDITER{lÃNEO f! O MUNDOMEPlfERRÂNlí:O

Vantagem das rotas terrestres por volta de 1600? " 1 Ji f.J à , • • 1J f'• ·(d"' " li' 1 1 .•, ! "' ) t ' 1 ' , Todavia, nest� pobres. esfrad�, os transportes fazem7se a aespeito e t,udo e 1 progijdem mesmo nó fmal do sécwo XYI: Causa e consequênçja âeste des'envo vi� 1 ' uÍn aumento b�t�te geral do núnlero1de iiiachos, pelo me�ds nas ment�,,notk��e ". 'J •; ' ' ·� J1) j 1 ) )'1 l , . pemnsill� euro�1�: eµi Esp,affPa,, um �gr