O desenvolvimento do psiquismo [2 ed.]

433 106 23MB

Portuguese Pages 352 [348] Year 2004

Report DMCA / Copyright

DOWNLOAD FILE

Polecaj historie

O desenvolvimento do psiquismo [2 ed.]

Citation preview

ALEXIS LEONTIEV

O DESENVOLVIMENTO DO

PSIQUISMO

CENTAURO EDïTORA

Capa: Paulo Gaia Digitação: Rosilene e Rogério Bolanho Ediloração: Conexão Editorial Fotolitos de Capa: SM Fotoiíto Impressão e Acabamento: Provo Distribuidora e Gráfica Lula Título Original: Le développment du psychisme Tradutora: Hellen Roballo

T Edição: Outubro de 2004 Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) Leontiev, Alexis, 1904-1979 O desenvolvimento do psiquismo / Alexis Leontiev ; [tradutor Rubens Eduardo Frias],-2. ed. -- São Paulo : Centauro, 2004. Título Original em francês: Le développement du psychisme Bibliografia

1. Consciência 2. Pesquisa psicologia 2, Psicologia - História 4. Psicologia - Teoria, métodos etc. I. Título 04-2408

l.

CDD-150

índices para catálogo sistemático: Psiquismo humano ; Psicologia 150 ©CENTAURO EDITORA Travessa Roberto Santa Rosa, 30 02804-010-São Paulo-S P Tel. I I - 3976-2399 - Tel./Fax 11 - 3975-2203 E-mail: [email protected] www.centiiiiR »cdiinra.com. br

SU-MÁRK)-

Introdução, 07 Prefácio da Primeira Edição (1959), 15 Prefácio da Segunda Edição (1964), 17

ENSAIO SOBRE O DESENVOLVIMENTO DO PSIQUISMO I

- O desenvolvimento do psiquismo animai 1. Estágio do psiquismo sensória! elementar. 2 1

2. Estágio do psiquismo percepüvo, 43 3. Estágio do intelecto, 53 4. Caracteres gerais do psiquismo animal, 64 II - Aparecim ento da consciência humana

1. As condições de aparecimento da consciência, 75 2 . O estabelecimento do pensamento e da linguagem, 87 III - Sobre o desenvolvimento d a

história da

consciência

1. A psicologia da consciência, 95

2. A consciência primitiva, 107 3. A consciência humana e a sociedade de classes, 121

A DÉMARCI1E HIS TÓRICA NO ESTUDO DO PSIQUISMO 1IUMANO 1. As teorias naturalistas em psicologia humana, I 55 2. A corrente sociológica em psicologia, 159 3. O desenvolvimento da "démarche ” histórica na psicologia soviética, 162 4. O indivíduo e o meio, o homem e a sociedade, 169 5. O desenvolvimento biológico e sócio-histórico do homem, I 7 i 6 A apropriação pelo homem da experiência sócio-histórica, 176 7. Os mecanismos fundamentais do comportamento na ontogênese animal

e humana, 186 8. As particularidades da formação das ações intelectuais, 195 9. O cérebro c a atividade psíquica do homem, 201 O MECANISMO DO REFLEXO SENSORIAL, 215 O BIOLÓGICO E O SOCIAL NO PSIQUISMO DO HOMEM, 249 O I SOMEM L A CULTURA, 277 O DESENVOLVIMENTO DO PSIQUISMO NA CRIANÇA, 303 OS PRINCÍPIOS DO DESENVOLVIMENTO PSÍQUICO NA CRIANÇA E O PROBLEMA DOS DEFICIENTES MENTAIS, 335 1. O desenvolvimento mental da criança enquanto processo de apropriação da experiência humana, 339 2. O desenvolvimento de uma aptidão como processo de formação de sistemas cerebrais funcionais, 344 3. O desenvolvimento intelectual da criança enquanto processo de formação das ações mentais, 348 índices dos autores citados, 353

INTRODUÇÃO A obra psicológica de Aiexis Leontiev c das mais notáveis da nossa época, c, todavia pouco conhecida nos paises de língua francesa. As traduções de alguns trabalhos seus, dispersas por órgãos especializados como o Bulletin de psvchologie ou nas Recherches internationales à la lumière du marxistne e a sua participação constante em encontros internacionais valeram ao autor uma autoridade incontestável. Faltava a obra fundamental que aqui apresentamos. Trata-se dos elementos de uma teoria do psiquismo humano. Leontiev recusa, no entanto, a qualificação de ‘'teórico'". Com efeito, no decurso de meio século de atividade científica, efetuou e dirigiu um número considerável de trabalhos experimentais. Foi a pari ir deles e para melhor os interpretar que se interessou pelos problemas metodológicos e que chegou a uma concepção de conjunto. Seria simplista demais afirmar que a sua teoria deve bastante ao marxismo enriquecendo-o, em contrapartida, pelo simples fato de Leontiev trabalhar na União Soviética. Foram as suas investigações que o levaram a defender a natureza sóciohistórica do psiquismo humano e, a partir daí, a teoria marxista do desenvolvimento social tornava-se-lhe indispensável. Experimentador. Aiexis Leontiev não limita o seu horizonte ao laboratório. Preocupa-se com os problemas da vida humana em que o psiquismo intervém. O seu campo de estudos compreende a pedagogia, a cultura no seu conjunto, o problema da personalidade. Mais diretamente ensina, dirige e organiza a investigação, criou a Faculdade de Psicologia da Universidade de Moscou, de que é decano, intervém e é conselheiro em numerosos órgãos e organismos da vida científica, filosófica e política.

s

O Desenvolvimento do Psiquismo

Após as suas primeiras investigações sobre as reações afetivas, empreendeu, sob a direção de Vygotski, vários trabalhos sobre o desenvolvimento ontogênico do psiquismo, especialmente sobre a memorização. Em 1932, estuda, em Kharkov, o desenvolvimento da atividade intelectual prática e da consciência na criança e dedica-se aos problemas teóricos das relações entre a estrutura da atividade e as formas do reflexo psíquico. Isso conduz a investigações nos domínios da psicofisíológia e da zoopsicologia. ao mesmo tempo que dirige um grupo de pesquisas com fins práticos sobre a percepção das ilustrações nas crianças. De regresso a Moscou em 1935, Leontiev consagra-se aos problemas da gênese da sensibilidade e da teoria geral do desenvolvimento psíquico. Durante a guerra estuda o restabelecimento das funções motrizes dos feridos e organiza um hospital especializado. As observações e trabalhos feitos nesta ocasião conduziram, após alguns anos, à hipótese da estrutura do sistema das funções psíquicas (1954). Regressa então aos problemas da psicologia da criança e à pedagogia e à psicologia geral. E neste momento que aparece a primeira edição da presente obra. Desde então, paralelamente às suas publicações e ao seu intenso trabalho de organização e de ensino, o autor continuou as suas pesquisas. Interessou-se pelos problemas da ergonomia, por certas questões levantadas pela automatização. Prosseguindo os seus trabalhos sobre a percepção e a imagem descobri lí , recentemente, um curioso fenômeno batizado por ele de “efeito de lobo”, mas conhecido hoje sob o nome de “efeito Leontiev” (primeira publicação em 1974) e que fornece novos dados sobre a formação das imagens visuais na consciência. Finalmente, um pequeno livro muito importante, apreciado em Moscou em fins de 1975. reúne os trabalhos e reflexões dos últimos anos sob o título: Atividade, consciência, personalidade (“Atividade” é tomada explicitamente aqui no sentido concreto do alemão Tätigkeit). Um prefácio-profissão de fé introduz este livro e não poderíamos fazer melhor do que dar dele alguns breves extratos.

O Desenvolvimento ilo Px-nilfitUIM

9

O autor afirma inicialnieníe que este livro teórico não (oi escrito pelo gosto de teorizar: “Os esforços para esclarecer os problemas metodológicos da ciência psicológica foram sempre motivados por uma necessidade constante de referências teóricas, referências sem as quais as investigações concretas permaneceriam inevitavelmente atingidas dê miopia". E continua: “Há quase um século a psicologia vive uma crise de metodologia.. O sistema dos conhecimentos psicológicos, partilha no seu tempo entre as ciências humanas e as ciências naturais, cindido numa parte descritiva e numa parte explicativa, abre cada vez mais brechas por onde o próprio objeto da psicologia parece desaparecer. Este objeto reduz-se, e muitas vezes sob o pretexto do necessário desenvolvimento das pesquisas interdisciplinares. Ouvem-se mesmo vozes que clamam: “Vinde a psicologia e reinai sobre nós.” O paradoxo c que, mau grado todas as dificuldades teóricas, se observa atualmente no mundo inteiro uma extraordinária aceleração do desenvolvimento das pesquisas psicológicas sob a pressão direta das exigências da vida. Donde uma contradição crescente entre a enorme quantidade de fatos acumulados escrupulosamente pela psicologia cm laboratórios perfeitamente equipados e o estado lamentável do seu fundamento teórico e metodológico. A negligência c o ceticismo em relação à teoria geral do psiquismo e a extensão tomada pelo fatologismo e o cientismo que caracterizam a psicologia americana contemporânea (e não só ela), são erigidos como uma barreira no caminho do estudo dos problemas psicológicos capitais. Percebe-se sem dificuldade o elo entre estes fenômenos e a decepção que suscita o fracasso das primeiras tendências européias ocidentais e americanas que pretendiam realizar em psicologia, a revolução teórica tão esperada. Quando o bebaviorismo apareceu, falou-se de um fósforo junto de um barril de pólvora; depois acreditou-se que em vez do bebaviorismo, seria a psicologia da Gestalt que teria descoberto o princípio geral que seria capaz de fazer sair a psicologia do impasse a que a tinha conduzido a análise elementarista, “atomizada ; por fim, bastantes foram aqueles a quem o freudisnio fez virar a cabeça, encontrando, digamos

m

O Desenvolvimento do Psiquismo

assim, no inconsciente o ponto de apoio que permitiria recolocar a psicologia sobre os seus pés e dar-lhe verdadeiramente vida. Outras tendência psicológicas burguesas tiveram sem dúvida menores pretensões, mas a mesma sorte as esperava; encontramo-las todas na caldeirada que cozinham hoje, cada um a sua maneira os psicólogos partem em busca de uma reputação de “grande espírito”. Leontiev fala em seguida da psicologia soviética. O essencial no caminho que ela percorreu, escreve Leontiev é que “foi o caminho de uma luta incessante orientada para a assimilação criadora do marxismoleninismo e contra as concepções idealistas c mecanistas biologizantes, que tomava ora um rosto ora outro. Seguindo uma linha oposta a estas concepções havia que preservar-se quer do isolacionismo científico quer da adoção de posições duma das escolas psicológicas em presença. Compreendíamos todos que a psicologia marxista não é uma tendência particular, não é uma escola, mas uma nova etapa histórica que representa o princípio de uma psicologia autenticamente científica e consequentemente materialista”. Na opinião do autor, “há que reconhecer que nestes últimos anos a atenção pelos problemas metodológicos da psicologia diminuiu um pouco. Isso não quer dizer evidentemente que se discuta menos sobre questões teóricas ou que sobre elas se escreva menos. Tenho para mim outra razão: uma certa negligência metodológica cm muitas pesquisas psicológicas concretas, inclusive em pesquisas aplicadas (...). Criou-se como que uma impressão de dicotomia: de um lado, o domínio da problemática filosófica psicológica, do outro o das questões metodológicas especialmente psicológicas surgidas de pesquisas experimentais concretas (...). Mas é necessário que os problemas parciais não escondam os problemas mais gerais e que os métodos da investigação não dissimulem a sua metodologia. Com efeito, o psicólogo experimentador preocupado com o estudo de questões concretas continua inevitavelmente a confrontar-se com os problemas metodológicos fundamentais da psicologia. Só que eles se lhe apresentam sob uma forma disfarçada pois a solução das questões concretas parece não depender deles c exigir apenas a multiplicação de

O Desenvofaimrnto do / ’.vn/w.v/m»

//

dados empíricos cada vez mais preciosos. Criou-se uma ilusão de “desmetodologizaçã©;” do domínio das pesquisas concretas, o que mais reforça a impressão de desconexão das ligações internas entre as bases gerais teóricas marxistas da psicologia cientifica e o seu material de tatos. Resulta daqui uma espécie de vazio no sistema dos conceitos psicológicos, vazio no qual se infiltram concepções engendradas por opiniões estranhas, no seu fundo, ao marxismo. O autor indica cm seguida que os trabalhos que conduziram ao seu novo livro resultam simultaneamente da tomada de consciência das dificuldades descritas e dos resultados das pesquisas concretas contemporâneas. Ele qualifica-as como “um ensaio de compreensão psicológica das categorias mais importantes para a construção de um sistema não contraditório da psicologia enquanto ciência da gênese do funcionamento e da estrutura do reflexo psíquico da realidade que mediatiza a vida dos indivíduos. E explica-se sobre as três categorias assim encaradas: a atividade concreta, a consciência humana, a personalidade. “A análise psicológica (...) não consiste em extrair desta os elementos psíquicos para os estudar a parte; mas em introduzir na psicologia unidades dc análise que portem em si mesmas o reflexo psíquico na sua indissociabilidade com os elementos da atividade humana que o engendram e são mediatizados por ele. A posição que defendo exige a reorganização de lodo o aparelho conceituai da psicologia, o que apenas foi esboçado neste livro e representa na sua maior parte tarefa do futuro”. No que concerne a consciência “ela deve scr considerada não como um campo contemplado pelo sujeito e sobre o qual se projetam as suas imagens e os seus conceitos, mas como um movimento interno particular engendrado pelo movimento da atividade humana”. Há que “pôr em evidência a categoria de consciência psicológica, o que significa compreender as passagens reais que ligam o psiquismo dos indivíduos concretos e a consciência social e as formas desta. Isto não pode porém, fazer-se sem a análise prévia dos componentes da consciência individual cujo movimento caracteriza a sua estrutura interna .

I

O Desenvólvimentí! du Psiquismo

Quanto à personalidade, Alexis Leontiev considera que concebê-la como objeto de estudo psicológico é absolutamente incompatível com as concepções antropológico-culturais e com as concepções da sua dupla determinação biológica e social. Isso parece-lhe sobressair particularmente do exame dos "motores internos da personalidade e da ligação da personalidade do homem com os seus caracteres somáticos”. "A concepção largamente espalhada das necessidades e inclinações do homem pretende que sejam elas que determinam a atividade da pesca e a orientam; a tarefa principal da psicologia é, portanto, estudar quais as necessidades que são inerentes ao homem e quais as emoções psíquicas (inclinações, desejos, sentimentos) que elas suscitam. A outra concepção, por seu lado, consiste em compreender como é que o desenvolvimento da atividade humana, dos seus motivos e dos seus meios, transforma as necessidades humanas e engendra novas, na sequência da qual a sua hierarquia se modifica, pois a satisfação de algumas delas reduz-se ao simples estatuto de condições necessárias da atividade humana e da existência do homem como pessoa”. Opondo ao ponto de vista naturalista o seu ponto de vista psicológico, o autor precisa que, para Marx, "a personalidade é uma qualidade particular que o indivíduo natural adquire no sistema das relações sociais. O problema torna-se então inevitável, as propriedades antropológicas do indivíduo não se manifestam como determinando a personalidade ou entrando na sua estrutura, mas como condições dadas geneticamente da formação da personalidade c. ao mesmo tempo, como aquilo que determina, não os seus traços psicológicos, mas apenas as formas e os modos das suas manifestações”. A obra que apresentamos aqui apareceu pela primeira vez em 1959. É uma recolha de trabalhos que o autor considera essenciais, Uma segunda edição, revista e aumentada, apareceu em 1964 e uma terceira em 1972. boi esta última que traduzimos parcialmente para evitar dimensões excessivas. O próprio Alexis Leontiev quis proceder à escolha dos capítulos que figuram nesta tradução, assim como aconselhou eficazmente os tradutores.

13

A versão inicial do Ensaio sobre o éeseiivo/viiiiciito i/o psiquismo data de 1947. Foi adaptada pelo autor em. função de oulras suas publicações e do.s debates suscitados por este trabalho. O primeiro parágrafo resume a segunda parte da tese de doutoramento de A. Leontiev (“O desenvolvimento do psiquismo”, 1940): os dois outros constituem as leses gerais de uma monografia preparada pelo autor, mas cuja bibliografia e documentação prévia se perderam durante a guerra. O resto desta recolha é formado por um conjunto de estudos em que Alexis Leontiev desenvolve certos aspectos das suas tes.es gerais ou expõe os resultados das investigações e das experiências que o conduziram à elaboração dessas teses. É parti cu Sarmeittè o caso dos trabalhos sobre o psiquismo infantil e sobre a percepção. O capítulo sobre O homem e a cultura retoma uma reflexão geral de. grande amplitude publicada pela primeira vez por oeasião do colóquio internacional da Tachkent em 1967. Acrescentamos que a obra que apresentamos conheceu numerosas traduções:.. Ao colocá-ia à disposição de um vasto público francófono de psicólogos, de pedagogos, de filósofos, de moralistas e, mais geralmente, de homens e mulheres preocupados em compreender o destino dos homens para agir sobre ele, temos consciência de preencher uma lacuna bastante nefasta na formação do pensamento contemporâneo neste vasto e decisivo domínio. Os editores

PREFÁCIO DA PRIMEIRA EDIÇÃO (1959)

O problema do desenvolvimento do psiquismo é um dos problemas centrais da psicologia soviética. Isto deve-se ao fato de a teoria do desenvolvimento do psiquismo não estar apenas na base da solução das mais importantes questões da psicologia, mas também da pedagogia. A importância destes problemas aumentou muito particularmente neste momento, ao passo que as questões do desenvolvimento psíquico e da personalidade tomam uma grande atualidade. Como o problema tem múltiplos aspectos e se reveste dc uma grande complexidade, o seu estudo deve tazcr-se em várias direções, sob diferentes planos e por meio de métodos diversificados. Os trabalhos experimentais e teóricos reunidos neste livro são apenas uma das muitas tentativas empreendidas para o resolver. Razão porque esta obra não pretende dar um apanhado geral ou uma síntese dos trabalhos psicológicos soviéticos e mundiais sobre o problema do desenvolvimento psíquico, afirmação que se aplica particularmente às numerosas pesquisas consagradas ao desenvolvimento do psiquismo na criança. Se bem que digam respeito a aspectos diferentes do problema, os trabalhos publicados aqui obedecem uma intenção única e estão unidos por uma démarche comum no estudo dos fenômenos psíquicos. Como datam de diferentes períodos, podem conter idéias que o autor modificou posteriormente. Razão por que a escolha comporta artigos recentes.

£ÉÉÉ

Extratos

*

PREFÁCIO DA SEGUNDA EDIÇÃO (1%4)

A segunda edição: desle livro difere cia primeira pela adjunção de novos trabalhos: “O biológico, e o social no psiquismo humano” e “O homem e sua cultura", não obstante certos artigos psicppedagógicos mais especializados terem sido retirados e outros de certo modo resumidos. Estas modificações têm por causa o desejo, do autor de melhor realçar a idéia central do livro, a saber a da natureza sócio-histórica do psiquismo humano. Esta idéia que se exprimiu, pela primeira vez. na psicologia de L. S. Vygotski, conservou toda sua atualidade. Encontramos frequentemente hoje ainda concepções segundo as quais os processos psíquicos superiores e as aptidões humanas dependeriam diretamente e fatalmente dos caracteres biológicos hereditários. Estas concepções não são apenas propagadas ativamente por certas escolas psicológicas estrangeiras. Manifestam-se também sob formas inconscientes e invisíveis, nos preconceitos pedagógicos ou outros, resultantes da desigualdade secular das condições sociais do desenvolvimento das pessoas. Se este livro contribuir para a luta contra estas opiniões biologizantes sobre a natureza e o desenvolvimento de psiquismo humano, o autor terá atingido o seu objetivo principal.

O M SïillkS.1 0(1 o j u

m

v io M

O 3H H O S

O IVSK 3

j s a a

() DESENVOLVIMENTO DO PSIQUISMO ANIMAL

1. Estágio do psiquismo sensória! elementar O aparecimento de organismos vivos dotados de sensibilidade está ligado à complexidade da sua atividade vital. Esta complexidade reside na formação de processos da atividade exterior que mediatizam as relações entre os organismos e as propriedades do meio donde depende a conservação e o desenvolvimento da sua vida. A formação destes processos c determinada pelo aparecimento de uma irritabilidade em relação aos agentes exteriores que preenchem a função de sinal. Assim nasce a aptidão dos organismos para refletir as ações da realidade circundante nas suas ligações e relações objetivas: é o reflexo psíquico. Estas formas de reflexo psíquico desenvolvem-se com a complexidade estrutural dos organismos e em função do desenvolvimento da atividade que elas acompanham. Por esta razão, é impossível analisá-las uentificamente sem examinar a própria atividade dos animais. A que atividade animal se liga a forma de psiquismo mais elementar? A sua particularidade essencial é ser suscitada por tal e tal propriedade que age sobre o animal, propriedade para a qual sc orienta, mas que não coincide com as propriedades de que depende diretamente a vida do animal. Assim, esía atividade é determinada não pelas propriedades atuantes do meio, mas por estas mesmas propriedades. K E Q .! J 5 " l % % jl'siqHiSHio

illl í

Js/yf^Vv"

ni l i" K

!Vyv_z-vr\_

\

J __ L Variação do com portam ento d a d á fn ia : I. experiências de Iilires ( I9 1 l>|: 11. experiências de Leontiev. B assine e S olom akh {1933-1934)

Á primeira vista, este tato pode não parecer contraditório com a “coação” do folotropismo positivo da dáfnia: pode-se supor que o fototropismo positivo da dáfnia se transforma num fototropismo negativo, sob a influência de condições desconhecidas para nós. Mas de tato, esta suposição é desmentida pelo fato de que uma vez saída do tubo, a dáfnia se dirige de novo para a luz. Assim, ressalta dos fatos anteriormente expostos que o comporta­ mento da dáfnia não se reduz aos movimentos automáticos forçados que são os tropismos. Os tropismos dos animais não são os elementos de um comportamento globalmente mecânico, mas os mecanismos dos processos

m

O Desenvolvimento tio Psiquismo

dementares de um comportamento sempre plástico e capaz de se reor­ ganizar em função das transformações do meio. O outro conceito, ligado em psicologia à idéia de um compor­ tamento animal inato estritamente fixado, é o instinto. Existem diversas concepções do instinto. A mais difundida é a que vê no comportamento instintivo um comportamento hereditário que não exige qualquer apren­ dizagem, que se forma sob a ação de estímulos determinados, se realiza de uma certa maneira, determinada uma vez por todas e inteiramente idêntica para todos os representantes de uma mesma espécie animal. Razão por que o instinto é “cego”, não leva em linha de conta as particularidades das condições exteriores de vida de um dado animal e não pode modihcar-se a não ser no decurso da lenta evolução biológica. Esta concepção do instinto foi sustentada em especial por .1. 11. Fabre . Efetivamente na maior parte dos animais altamente organizados, podemos distinguir bastante nitidamente, por um lado, os processos que são a manifestação de um comportamento-que se formou no decurso da evolução histórica de uma espécie c que são fixados herediíariamcnte (por exemplo, certos insetos “sabem” construir favos) e, por, outro, os proces­ sos de comportamento que aparecem no decurso da “aprendizagem’ dos animais (por exemplo, as abelhas aprendem a escolher os recipientes que contém xarope marcado por um sinal figurado particular). Os dados experimentais demonstram todavia que não é possível a oposição entre o comportamento de espécie e comportamento elaborado individualmente, mesmo em graus inferiores do desenvolvimento animal. O comportamento animal é evidentemente um comportamento especifico, mas é igualmente muito plástico. Assim o comportamento instintivo estritamente fixado não é o grau inferior do desenvolvimento da atividade nos animais, Este é o primeiro ponto. Segundo, mesmos nos graus mais elevados do desenvolvimento da atividade animal, não há tipo de comportamento instintivo que não seI

I II I ;iHiL* Souvenirs cníamologiques, Paris, 1910.

O Desenvolvimento ifa Evk/ hI.yhk

4!

modifique sob a ação das condições de vida individual do animal. Isto significa que não existe, estritamente falando, comportamento deíinítivamente fixado, que seguiria simplesmente um estereótipo preexistente no próprio animal. Esta concepção do comportamento animal resulta dc uma análise bastante pouco profunda dos fatos. Eis o exemplo de uma das experiências de Fabre que foi aperfei­ çoada posteriormente. Para provar que o comportamento instintivo só responde às condi­ ções de vida estritamente determinadas de uma dada espécie e que não é capaz de se adaptar a condições não habituais, Fabre fez uma experiência com abelhas solitárias. No dia cm que essas abelhas saem do ninho pela primeira vez, elas têm que roer a massa compacta que o obtura. Fabre dividiu então o ninho em dois grupos. Recobriu a entrada dos primeiros ninhos com uma folha dc papel, dc maneira que esta aderisse ao ninho; para o segundo grupo, utilizou um cone do mesmo papel que colocou de maneira a deixar um certo intervalo entre as paredes do cone e do ninho. O primeiro grupo de abelhas roeu a parede do ninho que as aprisionava, bem como o papel e libertou-se. Quanto às abelhas do segundo grupo, elas também roeram a parede dura do ninho, mas não conseguiram roer a parede de cone de papel separado do ninho e acharamse, portanto, votadas à morte. Fabre conclui daqui que o inseto podia prolongar um pouco o alo instintivo de roer para deixar o ninho, mas que não era capaz de o renovar quando se apresentava um segundo obstáculo, por mínimo que fosse; isto significaria, portanto que o comportamento do inseto é cego e que só se efetua perante urna ordem estereotipada e preexistente. Todavia a experiência de Fabre não é convincente. Não aprofun­ dou suficientemente o seu estudo das condições artificiais nas quais colocou as abelhas. Posteriormente, demonstrou-se que as abelhas do segundo grupo ficavam presas na armadilha não porque fossem incapazes de adaptar o seu comportamento às novas condições criadas pela presença de um obstáculo insólito (a segunda parede de papei que envolvia o ninho), mas muito simplesmente porque a própria conformação das suas

0 Desenvolvimento do Psiquism

maml ihi ilas não lhes permitia agarrara superfície lisa do papel, se bem que I c u h n m tentado fazê-lo. Outras experiências provaram que o inseto podia renovar o ato de roer, se losse necessário; com efeito, se se coloca à saída do ninho um tubo de vidro obturado numa extremidade por argila, a abelha ro! a parede do ninho, percorre o tubo e rói o segundo obstáculo ( o pedaço de argila). Isto prova que o comportamento instintivo das abelhas não está tolnlmcnte submetido a uma sucessão de atos preestabelecidos. O estudo detalhado do comportamento inato de uma espécie (as vespas solitárias, as aranhas, (rs caranguejos, os peixes e outros animais) mostra, portanto, que este último de modo algum é constituído por encadeamentos de movimentos imutáveis, fixados pela hereditariedade e cujos diferentes elos se sucederiam automaticamente; bem peio contrário, cada um dos elos é excitado por sinais sensoriais determinados, em conseqiiência do que o comportamento global do animai é sempre regulado pelas condições dadas e pode portanto variar consideravelmente10 . L ainda mais evidente que aquilo a que se chama o comportamento animal individual se forma sempre, por sua vez, a partir do comportamento instintivo da espécie; não poderia ser, aliás, de outro modo. Assim, tal como não existe comportamento integral mente real izado pelos movimen­ tos inatos, insensíveis aos agonies exteriores, também não existem hábitos ou reflexos condicionais que sejam independentes dos elementos inatos. Razão por que não podemos opor estes dois tipos de comportamento, Podemos quanto muito afirmar que os mecanismos inatos desempenham um papel bastante grande em certos animais, enquanto noutros o são os mecanismos da experiência individual. Mas mesmo esta diferença não reflete os verdadeiros estágios do desenvolvimento do psiquismo no mundo animal. Ela põe antes em evidência as particularidades que caracterizam as diferentes linhas de evolução dos animais. É assim que o comportamento inato encontra a sua manifestação mais nítida nos insetos que representam um dos ramos laterais da evolução.

I Kahmici: La bigiogie des hisects; .1. 11. Paire: Journal de Psychologie. 1024. n° 8

0 ftext!nv.õtvmienUf tio Pnh(Uinno

43

Assim, a diferença entre os tipos de mecanismos cjlic asseguram a adaptação dos animais às mudanças do meio não poderia ser o único critério do desenvolvimento do seu psiquismo. O essencial não é apenas dc que maneira sc modifica principalmente a atividade anima!, mas é sobretudo o conteúdo e a estrutura interna desta atividade e as formas, de reflexo da realidade que a ela se ligam.

2. Estágio do psiquismo pereeptivo Ü segundo estágio do desenvolvimento do psiquismo, que sucede ao do psiquismo sensória! elementar, pode ser chamado estágio do psiquismo pereeptivo. Ele caracteriza-se pela atitude para refletir a realidade objetiva exterior, não sob a forma de sensações elementares isoladas (provocadas por propriedades isoladas ou grupos de proprie­ dades), mas sob a forma dc reflexo das coisas. A passagem a este novo estágio de desenvolvimento psíquico está ligada à modificação da estrutura da atividade animal, já preparada no estágio anterior. Esta mudança de estrutura consiste em que temos agora diferen­ ciado o conteúdo do atividade que antes se desenhava, conteúdo que se relaciona objetivamente com as condições do meio em que é dado o objeto, e não com o próprio objeto para o qual está orientada a atividade do animal. Neste segundo estágio, o conteúdo não está já ligado àquilo que excita a atividade, tomado no seu conjunto, mas responde às ações particulares que o provocam. Assim um mamífero contorna naturalmente um obstáculo colocado entre ele c o alimento. Isto significa que tal como os peixes do aquário dividido descrito anteriormente, podemos distinguir na atividade do mamífero um certo conteúdo objetivamente ligado ao obstáculo, que constitui uma das condições exteriores da atividade, e não ão próprio alimento que é o objeto da atividade. 1lá, todavia, uma grande diferença entre a atividade dos peixes e a dos mamíferos. Com eleito, enquanto o

II

O Desenvolvimento do Psiquismo

conlcútlo cia atividade dos peixes (o contornar) se conserva depois de iciirado o obstáculo e só desaparece progressivamente, os animais superioics, colocados num caso análogo, dirigem-se em gerai diretamente para o alimento. Assim, nestes últimos, o estímulo para o qual está orientada a atividade não se confunde com a ação do obstáculo: eles agem indepen­ dentemente um do outro para o animal. Do primeiro, dependem a orien­ tação e o resultado final da atividade, da segunda as modalidades da sua realização, por exemplo, os movimentos de rodeio. Chamaremos operação esta composição, este aspecto da atividade que responde às condições nas quais se encontra o objeto que a suscita. É precisamente a existência de operações distintas na atividade que indica que Os estímulos que agem sobre o animal, que até lá se sucediam uns aos outros, começam a reagrupar-se: de um lado, as propriedades que caracterizam o objeto, visado peia atividade e suas interações, do outro lado, as propriedades dos objetos que determinam o modo da atividade, isto é, a operação. Se no estágio do psiquismo sensorial elementar a diferenciação dos estímulos estava iigada à sua simples reunião à volta de um excitante predominante, agora aparecem os primeiros processos de integração dos estímulos numa imagem única e acabada; eles reúnem-se enquanto propriedades de uma só e mesma coisa. Doravante o animal reflete a realidade circundante sob a forma de imagens mais ou menos segmentares de coisas individualizadas. Encontramos a maior parte dos Vertebrados atuais nos diversos níveis do estágio do psiquismo perceptivo. A passagem a este estágio está aparentemente ligada à passagem dos vertebrados a um modo de vida terrestre. O nascimento e o desenvolvimento do psiquismo perceptivo nos animais são condicionados por mudanças anatômicas e fisiológicas profundas. A principal dentre elas é o desenvolvimento e a transformação do papel dos órgãos dos sentidos que agem à distância, em primeiro lugar da visão. O seu desenvolvimento traduz-se por uma modificação tanto da importância que eles tem no sistema geral da atividade como da forma das

O Desenvolvimento do Psiquismo

45

suas correlações anatômicas com o aparelho nervoso central. Sc, no estágio precedente, a diferenciação dos órgãos dos sentidos conduzia a se isolar dentre eles os órgãos dominantes, nos Vertebrados os órgãos diretores são cada vez mais órgãos que integram os estímulos exteriores. Esta integração é possível graças a uma reorganização do sistema nervoso central com a formação do cérebro anterior, depois do córtex cerebral (em primeiro lugar nos Répteis). Inicialmente (nos peixes nos anfíbios e nos repteis), o cérebro ante­ rior c uma formação puramente olfativa, espécie de prolongamento do aparelho olfativo central. A importância relativa dos centros olfativos no 5*7

Fig. 9. C órtex olfativo do ouriço-cacheiro

çórtex cerebral diminui consideravelmente no decurso do desenvolvimento nos mamíferas) em proveito da representação de órgãos dos sentidos. Isto vê-se nitidamente se se compara o lugar ocupado pelo córtex olfativo no ouriço-cacheiro (Fig. 9) e no símio (Fig. 10).

1(1

O Desenvolvimento do Psiquismo

H g. 10. C órtex olfativo do sím io inferior

Peio contrário, a visão, cujo processo de “corticalização ’ começa no réptil, ocupa um lugar cada vez mais importante (Fig. 12). Nas aves, os olhos são o receptor principal (Fig. 11). A visão desempenha igualmente o papel principal em muitos mamíferos superiores. Ao mesmo tempo, desenvolvem-se os órgãos da motricidade exterior, esses “instrumentos naturais” dos animais que permitem realizar as operações complexas que exige a vida no meio terrestre (correr, trepar, perseguir uma presa, transpor obstáculos etc.). As funções motrizes dos animais corticalizam-se cada vez mais (isto é passam para o córtex cerebral), de modo que o pleno desenvolvimento das operações nos animais produz-se em relação com o desenvolvimento do córtex. Assim, se a atividade dos Vertebrados inferiores está principalmente ligada aos centros inferiores (gânglios subcorticais), ela depende posteriormente muito mais do córtex, cujas transformações estruturais refletem todo o desenvolvimento ulterior; A diferenciação das operações que caracteriza o estágio do psiquismo dá origem a uma nova forma de fixação da experiência animal, a fixação sob forma de hábitos motrizes, no senlido restrito do termo.

O Desenvolvimento do Psiquismo

47

Por vezes, chama-se hábito a toda a ligação que aparece na experiência individual. Mas com uma acepção tão simples do termo “hábito” este conceito torna-se muito vago e engloba um vasto conjunto de processos totalmente diferentes, desde modificações nas reações dos difusórios às ações humanas mais complexas. Ao contrário desta extensão injustificada do complexo hábito, designaremos apenas por “hábitos” as operações fixadas. Esta definição do hábito coincide com a percepção proposta pela primeira vez na U.R.S.S. por V.P. Protopov que provou experimentalmente que os hábitos motrizes dos animais se formam a partir dos elementos

Fig. 12. O deslocam ento progressivo dos ecm ros o ncos no c o n e s a o s v e u corcous t^ g u m , M om ikov): a) as vias e os centros óticos no cérebro fla rü: b) no réptil: c) no m am ífero: 1. C érebro anterior; 2. C érebro interm ediário; 3. C é re b r^ m é d io ; 4. C erebelo; 3. B ulboraquidiano

fS

O Desenvolvimento do Psiquismo

motores da transposição de um obstáculo, que é o caráter do próprio obstáculo que determina o conteúdo dos hábitos e que o próprio estímulo (isto ê, o agente excitante principal) tem apenas uma influência dinâmica (sobre a rapidez e a estabilidade do hábito), mas que não se reflete sobre o conteúdo do hábito11. Os elementos motores que entram na composição dos hábitos dos animais podem ter diferentes caracteres; tanto podem ser movimentos específicos, inatos, como movimentos adquiridos quando de uma experiência anterior; por fim, fortuitos que o animal faz quando contrai um hábito. Encontramos pela primeira vez hábitos bem marcados, no sentido próprio do termo, apenas nos animais que possuem córtex cerebral. Razão por que devemos considerar o mecanismo da formação e de fixação dos sistemas dc ligações nervosas condicionais çorticais, a base fisiológica da formação dos hábitos. A passagem ao estágio do psiquismo perceptivo acarreta igualmente uma transformação qualitativa da forma sensorial da fixação da experiência. Pela primeira vez aparecem no animal as representações sensitivas. A questão da presença de representações no animal ainda hoje é objeto de debates. Os fatos são todavia numerosos para testemunhar de modo convincente esta presença. As experiências de Tinklcpaugh estiveram na origem do estudo experimental sistemático deste problema. Tinklepaugh dissimulava frutos atrás de uma divisória opaca, sob os olhos de um animal (um símio). Em seguida, substituía-os, sem o seu conhecimento, por uma couve, objeto evidentemente menos atraente para o símio. C) símio dirigia-se então atrás da divisória; descobria a couve, mas continuava não obstante a procurar os frutos vistos anteriormente. Cl'. V .P .P rotopopov: C ondições de form ação dos hábitos m otrizes e sua característica fisiológica, K harkov-K iev, 1935. OI I inklcpaugh: “ Hsludo experim enta! dos fatores representativos nos sím ios" Journal o f ( oniparative Psychologie (jo rn al d e Psicologia com parada) t, VIU. 1928. Jxp 3.

O Desenvolvimento tio 1’siqmsmo

49

O soviético N. I. Voitonis fez com uma raposa experiência análogas que mostraram os mesmos resultados” , A este propósito, as observações sobre cães descritas por Beritov l+ apresentam grande interesse. Colocava o cão num determinado lugar, apresentava-lhe em seguida um sinal conveniente ao qual ele respondia correndo para uma manjedoura que se abria nesse mesmo momento. Na sequência da experiência, antes de fazer o cão entrar no laboratório, conduzia-o até o Sun de um Corredor onde sc encontrava alimento, mostrava-lhe o alimento sem no entanto o autorizar a abocanhá-lo. Após o que o reconduzia ao laboratório; ao sinal combinado, ele corria para o comedouro, mas nada recebia. Nestas condições, o cão não voltava ao seu lugar como era hábito, mas corria pelo corredor e dirigia-se para o local onde anteriormente vira o alimento. As experiências com cães de Buitendijk e dc Fichei são mais especializadas. Os dois autores demonstraram experimentalmente que, contrariamente aos vertebrados menos organizados (os peixes), os cães, na sua reação a uma situação anterionneute percebida (o engodo escondido sob os seus olhos), orientam-se para a própria coisa que lhes foi mostrada. Assim, como a modificação da estrutura da atividade dos animais e com a correspondente modificação da forma do reflexo da realidade por eles realizada, produz-se igualmente uma reorganização da função memória. No estágio do psiquismo sensorial elementar, esta função exprimia-se na esfera motriz dos animais sob a forma de transformação sob a ação dos agentes exteriores dos movimentos ligados ao agente que excitava o animal e, na esfera sensorial, sob a forma de fixação entre os diversos agentes. Agora neste estágio muito mais. elevado, a função13

13 Cl. N. 1. V oitonis, A. V. K réknina: M a t e r i a i s p a r a u m e s t u d o d e p s i c o l o g i a c o m p a r a d a R e c o lh a " in slin k ti i navyki” (“ instintos e hábitos” ). M oscou, 1935. 1. S. B eritov: R e f l e x o e c o m p o r t a m e n t o . “T roudi biologuilcheskogo scklora A kadem ii naouk C C C P ” (T rabalhos d o setor dc biologia da A cadem ia de C iências d á U .R .S .S j D epartam ento de G eórgia. I, 1, 1934.

d a m e m ó r ia .

O Desenvolvimento do Psiquismo

mnemónica manifesta-se na esfera motriz sob forma de hábitos motrizes e na esfera sensória! sob forma de memória Figurada primitiva. Quando da passagem ao psiquismo perceptivo, os processos de análise e de generalização do meio exterior que agem sobre o anima! sofrem transformações ainda mais importantes. Podemos observar processos de diferenciação e de associação dos diversos estímulos desde as primeiras etapas do desenvolvimento do psiquismo animal. Se colocarmos, por exemplo, um animal que na sua origem reage de maneira idêntica a dois sons diferentes, em condições tais que um só destes dois sons seja ligado a um estímulo biologicamente importante, o segundo som cessará gradualmente dc provocar qualquer reação. Uma diferenciação aparece, portanto, entre os dois sons; o animal reage doravante de uma maneira seletiva. Se, pelo contrário, se liga toda uma série dc sons a este mesmo estímulo biologicamente importante, o animal reagirá identicamente a cada um desses sons; eles adquirirão para ele o mesmo sentido biológico. É a generalização primitiva. No estágio do psiquismo sensorial elementar observam-se portanto, processos de diferenciação e de generalização dos diversos estímulos, das diversas propriedades agentes. É importante notar que estes processos não são determinados por uma correlação dos estímulos tomada abstratamente, mas dependem do seu papel na atividade do animal. Razão por que o fato dos animais diferenciarem facilmente ou não, generalizarem ou não diferentes estímulos, depende menos do seu grau de semelhança objetiva que do seu papel biológico concreto. Assim as abelhas diferenciam facilmente as formas vizinhas das flores; em contrapartida, têm dificul­ dades cm distinguir formas abstratas, mas perfeitamente nítidas (triângulo, quadrado etc.). Esta situação encontra-se igualmente nas etapas ulteriores do desenvolvimento do mundo animal. Os cães, por exemplo, reagem aos mais fracos odores de origem animal, mas não manifestam qualquer reação ao perfume das flores, aos produtos de perfumaria etc. (Passy e Binei) ' II. I Iciuiing: ( ieruchversuche am Hurtd (experiências sobre o olfato do cão). “ ZeiLschriU Iüi llio lo g ie" ( Revista de b io lo g ia ); N° 70, 1921.

O Desenvolvimento do Psii/uismo

Em geral o cão é capaz de distinguir com grande finura um odor que tenha um sentido biológico para ele; segundo dados experimentais, nas condições da experiência, um cão distingue o odor de ácidos orgânicos em soluções até a milionésima parte. A passagem ao psiquismo perceptivo acarreta como modificação principal dos processos de diferenciação e de generalização o aparecimento nos animais da diferenciação e da generalização das imagens das coisas. O aparecimento e o desenvolvimento do reflexo generalizado das coisas é urn problema muito mais complexo sobre o qual convém determonos mais particularmente. A imagem de um objeto não é a simples soma de diversas sensações, o produto mecânico de diversas propriedades que pertencem objetivamente a diferentes objetos e agem simultaneamente. Assim, tomemos dois objetos quaisquer A e B, possuindo as propriedades a, b, c. d, e m, n, o, p; para que se forme uma imagem é necessário que estas diversas propriedades agentes se manifestem como formando duas unidades distintas (A e B), isto c, que a diferenciação entre elas deva precisamente fazer-se sob esta relação. Isto significa também que, se os estímulos correspondentes se repetem entre outros, a unidade anteriormente distinguida deve ser percebida como sendo o mesmo objeto. Mas com a variação inevitável do meio e das condições da própria percepção, isso só é possível no caso em que a imagem formada for uma imagem generalizada. Nos casos descritos, nós observamos processos correlativos duplos: de um lado, processos de transferência de uma operação de uma situação concreta numa outra objetivamente semelhante; por outro lado, processos de formação generalizada de um objeto. A imagem generalizada deste objeto, que aparece como a formação da operação respeitante a este objeto e sobre a base deste, permite efetuar posteriormente a transferência da operação numa situação nova; dada a transformações das condições objetuais da atividade, a operação precedente encontra-se em desacordo com estas; ela deve, portanto, ser retocada. E retoca-se consequentemente, torna-se mais exata, parece “absorver” o conteúdo novo e uma imagem

O Desenvolvimento do Psiquismo

generalizada do objeto considerado, o que por sua vez pode acarretar uma nova transferência da operação nas novas condições do objeto, as quais exigem então um reflexo generalizado ainda mais justo e mais completo da parte do animai.

I'ig. 13, O córtex cerebral do coelho, do sím io interior c do hom em . O s som breados horizontais representam o cam po de projeção; os som breados verticais, os cam pos de integração. V erifica-se o aum ento relativam ente forte da superfície dos cam pos não som breados (a integração) quando se passa para níveis superiores de desenvolvim ento (segundo Von Hconom o; a escala de conjunto destas representações dos cérebros não é respeitada neste esquem a)

Assim, neste estágio, a percepção está ainda totalmente inclusa nas operações motrizes externas do animal. A generalização e a diferenciação, a síntese e a análise, desenrolam-se como um processo único. O desenvolvimento das operações c da percepção generalizada da atividade exterior encontra a sua expressão numa nova complexidade do córtex cerebral. Intervém urna diferenciação mais acentuada dos campos de integração, que ocupam um lugar relativamente cada vez mais importante no córtex (Fig. 13). Estes campos superiores de integração têm por função, como o seu nome indica, integrar os diversos estímulos.

O Desenvolvimento do Psiquismo

53

3. Estágio cio intelecto O psiquismo da maior parte dos mamíferos permanece no estágio do psiquismo perceptivo, mas os mais altamente organizados entre eles elevam-se a um grau superior de desenvolvimento. Este grau superior é comum ente chamado estado do intelecto. Naturalmente, o intelecto animal é algo absolutamente diferente da razão humana; veremos que há entre eles uma enorme diferença qualitativa. t) estágio do intelecto caracteriza-se por uma atividade extremamente complexa e por formas de reflexo da realidade também complexas. Razão por que nâo podemos tratar das condições da passagem ao intelecto antes de descrever na sua expressão exterior a atividade dos animais que se encontram neste estágio. W. Kõhler foi o primeiro a fazer um estudo experimental sistemá­ tico do comportamento intelectual nos animais mais altamente organiza­ dos, nos símios antropóides. Eis o esquema dessas experiências. Coloca-se um símio (um chimpanzé) numa gaiola. No exterior, coloca-se um engodo (banana, laranja etc.) a uma distância suficiente para que o chimpanzé não possa apanhá-lo diretamente com a mão. Há um pau na gaiola. O símio, atraído pelo engodo só pode alcançar o fruto numa condição: utilizar o pau. Como sc comporta o símio nestas condições? Num primeiro tempo, tenta apoderar-se do engodo com a ajuda apenas da mão; como os esforços são vãos, a sua atividade extingue-se após algum tempo. Afasta-se do engodo e abandona toda a tentativa. Em seguida, a sua atividade reaparece, mas esta vez por outra via. Sem tentar apanhar diretamente o fruto à mão. pega no pau, estende-o em direção ao fruto, toca-o, puxa o pau para trás, estende-o de novo, depois puxa-o para trás, numa sequência em que o fruto se aproxima cada vez mais até o poder apanhar. O problema está resolvido. Com base neste princípio, inventaram-se numerosos problemas, que foram propostos aos símios antropóides; para os resolver, era preciso

1/

O Desenvolvimento do Psiquismo

também usar de um modo de atividade que só podia criar no decurso da solução do problema considerado. Eis como se procedia. Suspendiam-se as bananas na barra superior da gaiola dos símios; era portanto impossível ao animal apoderar-se delas diretamente. Não longe dali, coloca-se um caixote. Nestas condições, o único meio de alcançar os frutos, consistia cm colocar o caixote exatamente debaixo das bananas e utilizá-lo como escadote. As observações mostram que os símios resolvem este segundo problema sem aprendizagem prévia notável. Vimos que a um nível inferior do desenvolvimento, a operação se Formava lentamente, na sequência de uma longa série de tentativas, no decurso das quais os movimentos conseguidos se fixavam progres­ sivamente, enquanto os movimentos inúteis eram inibidos também progressivamente até acabar por se extinguirem; em contrapartida, no símios observamos um primeiro período de fracasso total, com uma multiplicidade de tentativas que não conduzem à realização de atividade; num segundo tempo, há como a descoberta súbita da operação que conduz quase imediatamente ao sucesso. U esta a primeira particularidade da atividade intelectual do animal. Se se repete a experiência, a operação que foi apenas efetuada uma única vez reproduz-se, isto é, o símio resolve um problema análogo sem recorrer a ensaios preliminares. Este é o segundo traço característico da atividade intelectual. A sua terceira particularidade reside no fato de que o símio é capaz dc transferir rapidamente a solução encontrada anteriormente para outras condições simplesmente análogas às que suscitaram a primeira solução. Assim, um símio que resolveu o problema que consiste em aproximar um fruto com a ajuda de um pau, utilizará facilmente qualquer outro objeto adequado, se lhe tirarem o pau. Se sc muda a posição do fruto em relação à gaiola, se de uma maneira geral se modifica um pouco a situação, o animal encontra imediatamente a solução conveniente. A solução, isto é, a operação é transferida para uma outra situação e adaptada à nova situação embora um pouco diferente da primeira. Entre os numerosos dados acumulados no decurso de experiências praticadas com símios antropóides, devemos mencionar um conjunto dc

O Desenvolvimento do Fsicjutsiiu.

fatos que apresentam uma certa originalidade qualitativa, estes latos testemunham a aptidão dos símios antropóides para reunir duas operações distintas numa única e mesma atividade.

o o o o o o o o o o o o o o o o o o

D Engodo

Fig. 14. E squem a de um problem a “ bifásico”

Por exemplo, coloca-se utn engodo íbra da gaiola onde se encontra o animal, a uma certa distância das barras. Um pouco mais perto da gaiola, mas sempre fora do alcance para o símio, encontra-se um pau comprido. Na gaiola, pomos outro pau, muito mais curto que o primeiro, que permite alcançar o pau comprido, mas não o engodo. Para resolver este problema o símio deve primeiro apoderar-se do pau pequeno para alcançar o grande, que deverá ser utilizado para se apoderar do engodo (Fig. 14). Em geral, os símios chegam ao fim deste tipo de problemas ''bitasicos” sem custo. A quarta particularidade da atividade intelectual consiste, portanto, na aptidão do animal para resolver problemas bifásicos.

O Desenvolvimento do Psiquismo

Outras experiências mostraram que estes traços característicos se conservam mesmo num comportamento mais complexo dos símios anlropóides (cf. E. G. Vatsouro e N. N. Ladyguina-Kots) . Eis um dos problemas mais complexos que um símio antropóide pode resolver (Fig. 15): coloca-se uma caixa na gaiola dos símios; uma das paredes dessa caixa está munida de barras, a outra apresenta uma fenda longitudinal estreita. Contra a parede posterior da caixa coloca-se um fruto que o símio tanto pode ver através das barras como pela fenda. O engodo está a uma distância tal das barras que a mão do símio não pode alcançá-lo. Também não c acessível da parede posterior pois a mão do símio é bastante grossa para passar na fenda. Perto da parede posterior da caixa crava-se uma sólida estaca, à qual se prende um pau por uma cadeiazinha de ferro. Para resolver este problema, é preciso deslizar o pau pela fenda posterior da caixa e aproximar, por este meio o fruto das barras da parede anterior; em seguida, basta agarrar o fruto à mão. !
. G uillaum e. .1. M eyerson: Recherches sur l'usage de l'instrum ent chez les singes. to u rn ai de P sychologie” , 1930. n" 3-A. IK ç i .. W, K ohler. Rstudo do inleleclo dos simios antropôides, M oscou. 1930.

O Desenvolvimento do Psiquismo

59

na teoria idealista da '‘Gestalt” revela-se muito fraca. É absolutamente claro que não basta evocar a estrutura da percepção para explicar a originalidade do comportamento dos animais superiores. Com eteito, para os partidários do '"princípio de estrutura”, a percepção estruturada não é atributo apenas dos símios superiores; segundo eles, valeria também para animais para animais muito menos desenvolvidos; mas estes animais não manifestam comportamento intelectual. Esta explicação revela-se insatisfatória por uma outra razão ainda. Ao insistir sobre a instantaneidade da solução intelectual e ao isolar este fato do conteúdo da experiência animal, Köhler negligenciou toda uma série de circunstâncias características cio comportamento símio nas condições naturais de existência. K. Biihier foi, segundo parece, o primeiro a chamar a atenção para a semelhança que há entre o ato de atrair um fruto a si com a ajuda de um pau e o de apanhar um fruto na arvore utilizando um ramo. Chamou-se a atenção, em seguida, paia o fato de que os rodeios efetuados pelos símios antropóides podem também ser explicados pelo fato de estes animais, vivendo nas florestas e passando sem cessar de uma árvore para a outra terem constantemente de “calcular” o seu caminho, se não arriscam-se a encontrarem-se num dos impasses do labirinto natural que são as árvores. Razão por que não é por acaso que os símios mostram aptidão tão desenvolvida para resolver os problemas dos “rodeios” . Esta concepção do comportamento intelectual do símio concorda perfeitamente com certos fatos; tem o mérito de não opor o intelecto do animal à experiência individual ou específica; também não separa o intelecto dos hábitos. Ela choca todavia com sérias dificuldades. Primeiro é evidente que nem a formação de uma operação nem a sua transferência em condições de atividade novas podem ser indícios distintos do comportamento dos símios superiores, pois os encontramos igualmente nos animais menos evoluídos. Encontramos estes dois momentos, embora sob uma forma menos marcada, em muitos outros

111 C f K. B ithler:

B a s e s d o d e s e n v o lv im e n t o p s íq u ic o .

M oscou. 1924.

O Desenvolvimento do Psiquismo

ninais, cm especial os Mamíferos e as Aves. Daqui resulta que as lerenças na atividade e no psiquismo que existem entre estes animais e . símios antropóides se reduzem a uma diferença puramente quantitativa: na formação das operações mais ou menos rápida, transferências mais ou eiios vastas. Todavia a diferença entre o comportamento dos símios itropóides c o dos mamíferos inferiores é igualmente qualitativa. O uso instrumentos e o caráter particular das operações que eles efetuam Dstam para o provar. Por outro lado, a concepção do intelecto animal que acabamos de spor deix'a o mais importante na sombra, a saber, a verdadeira natureza esta larga transferência de ação c a sua explicação. Os problemas “bifásicos” mostram particularmente bem que toda a iivuliidc intelectual animal comporta duas fases. Ele deve primeiro pegar 0 pau, cm seguida no fruto. Ele deve primeiro afastar o Iruto de si, em cguida contornar a gaiola e agarrar o fruto no lado oposto. Em, si, o fato e agarrar o pau significa para o símio que ele possui o pau, mas não o m i o cobiçado. É a primeira fase. Destacada da fase seguinte, ela é lesprovida de sentido biológico. É uma fase preparatória. A segunda fase, 1uso A decomposição desta formação da consciência — poderíamos qualificá-ía de formação primitiva integrada — foi preparada no próprio seio da sociedade primitiva. Como dissemos, foi preparada (se considerarmos as transformações que se produzem de maneira refletida no seio da consciência) pelo alargamento da esfera dos fenômenos conscientes e pela defasagem consecutiva entre a riqueza do consciente e a relativa

122

0 Desenvolvimento cio Psiquismo

pobreza da linguagem, o que se traduziu por vezes por uma insuficiência da aptidão psicológica para diferenciar as significações. Mas só o aparecimento e o desenvolvimento da divisão social do trabalho e das relações de propriedade privada poderiam atuar dc modo a que a estrutura inicial da consciência cedesse lugar a uma nova respon­ dendo às novas condições sócio-econômicas da vida humana. Esta nova estrutura da consciência caracteriza-se pela relação fundamentalmente nova que liga os principais “componentes” da consciência, os sentidos e as significações. Veremos que se tornou uma relação de exterioridade. Por convenção, qualificaremos esta estrutura de “desintegrada”. A transformação essencial que caracteriza a consciência nas condições do desenvolvimento da sociedade de classes é a modificação que sofre a relação que existe entre o plano dos sentidos e o plano das significações nas quais se produz a tomada de consciência. A segunda transformação capital diz respeito àquilo que se convencionou chamar as funções da consciência, isto é, os fenômenos subjetivos que constituem o seu conteúdo. Do ponto de vista do desenvolvimento funcional da consciência, esta transformação consiste na formação de processos psíquicos propriamente internos. Primeiramente estudaremos esta transformação. Estando o desenvolvimento de linguagem e da palavra na base desta transformação devemos regressar às fontes destes dois fenômenos. O desenvolvimento da comunicação verbal faz aparecer ações de palavra, isto é, ações tendo um fim especial: transmissão verbal, comunicação de um certo conteúdo. Este conteúdo é estritamente definido. O desenvolvimento da palavra não começa pela conversação sobre um tema qualquer. É um fato a palavra estar ainda inclusa na atividade coletiva dos homens que determina a sua função. Ela realiza, portanto um certo conteúdo. Qual é, pois, o conteúdo de atividade que pode ser realizado nas ações verbais? Evidentemente, só pode ser um conteúdo qne respeite à planificação, à organização e à direção de uma atividade, isto é, um conteúdo que não

O Desenvohimento do Psiquismo

E

123

constitui diretamente a realização prática desta atividade. É esta “fase preparatória” da atividade prática de trabalho que constitui o seu aspecto teórico. Este último destaca-se, portanto, do processo diretamente prático do trabalho, embora permaneça ainda confundido com a comunicação verbal. A separação da função teórica, cognitiva, da palavra e a sua função de comunicação propriamente dita, constitui um novo passo. Esta separação começa na etapa histórica seguinte. Tem por preliminar o isolamento da função de organização da produção e da troca e, por isso mesmo, da função de ação. Este fato confere à palavra a sua motivação independente, ou seja, dizer que ele a transforma em atividade relativamente autônoma. Graças ao desenvolvimento da divisão do trabalho e de urna certa individualização da atividade intelectual, as ações verbais não asseguram unicamente a comunicação, mas orientam-se agora igualmente para íms teóricos, o que torna a sua forma exterior facultativa e mesmo supérflua; razão por que elas revestem posteriormente o caráter de processos puramente interior. Estes processos interiores (ações verbais internas, depois, em conformidade com a lei geral do deslocamento dos motivos, formação de uma atividade iingüística, interior pela sua forma, e de operações interiores) manifestam-se agora como puramente cognitivas; processos de pensamento verbal ou talvez, de memorização ativa etc.; numa palavra, formam um conjunto particular de processos internos intelectuais que só são verbais na medida em que os são as significações lingüísticas aptas para se deslocarem da ação direta do significado que constituem o seu tecido. A forma subjetiva destas significações, isto é, a maneira sensível como são representadas na consciência individual — imagem sonora da palavra ou imagem visual interior — não é fundamental. Nem é mesmo obrigatório que a sua forma seja totalmente inferior. Os processos do pensamento podem apoiar-se na representação exterior gráficas das palavras, sobre fórmulas matemáticas ou físicas etc.; podem-se processar

124

0 Desenvolvimento Jo Psiquismo

sob ;i forma cie pensamento cm voz alta ou pensamento ""escrito . Sob o ângulo de desenvolvimento das formas de vida humana, o essencial é que estes processos não transformam imediatamente o mundo material e o seu produto é teórico qualquer que seja a sua lorma concreta exterior. Por conseqüência, um homem que exerça uma atividade que tenha por conteúdo principal estes processos interiores, só pode existir em troca do produto desta atividade se receber uma parte dos frutos da produção material da sociedade. Os produtos ideais da sua atividade própria devem ser transformados para ele em objetos que nada têm de ideal. Assim, a atividade teórica torna-se para o próprio homem um meio de realizar a sua vida prática. Naturalmente, isso só implica que a sua atividade teórica coincida com o processo material da sua vida. Mesmo subjetivamente, mesmo psicologicamente, ela distingue-se da prática autêntica. Não é isso, porem, o importante para nós neste momento, mas outra coisa: o fato de uma atividade humana ideal na sua forma de poder, nas condições de separação entre trabalho intelectual e trabalho físico, ser capaz dc realizar a vida de um homem. Assim aparece a forma de atividade que a velha psicologia idealista considerava como exclusivamente "psicológica como relevando apenas da psicologia. Sob este ângulo a sua análise apresenta um interesse particular. Vimos que a divisão social do trabalho leva a que a atividade espiritual e a atividade material incumbam a pessoas diferentes. Ao mesmo tempo, essa forma de atividade é isolada da ajjipc!ade_materia I prática, na seqüência do isolamento das ligações e relações pessoais dos indivíduos para quem ela constituí a ocupação exclusiva. Este isolamento da atividade intelectual reflcte-se igualmente na cabeça dos homens que começam a ver nela não uma das tormas sugeridas historicamente do processo único da vida real do homem, mas na manifestação de um princípio espiritual particular — o mundo da consciência, oposto ao mundo da matéria e da extensão. Esta concepção idealista errada, que opõe espírito e matéria levou a que se apresentasse o pensamento e toda atividade espiritual interior em

O Desenvolvimento do Psiquismo

125

geral por aquilo que eles não são na realidade. Esta atividade loi considerada na psicologia não como uma das formas, historicamente surgidas, de realização de vida humana, real (constituindo apenas, em certas condições históricas precisas, o conteúdo essencial da vida de uma parte das pessoas), mas como uma atividade particular, como um tipo de processos particulares, fundamentaimente opostos aos da atividade exterior prática e totalmente independente desta última. Evidentemente, a atividade ideal interior é profundamente original e qualitativamente particular. Nem por isso deixa de ser uma verdadeira atividade. O trabalho intelectual é portanto, um trabalho — se bem que a sua forma seja particular. Como qualquer outro trabalho, está submetido às condições gerais da produção; devemos, por exemplo, levar em conta o tempo necessário à sua realização. "De outro modo, exponho-me, dizia Marx, pelo menos, ao perigo do meu objeto jamais deixar o domínio da idéia para entrar no objeto da realidade; que não possa, portanto adquirir outro valor que o de um objeto imaginário, isto é, um valor imaginário . " + Só a divisão social do trabalho poderia criar condições tais que viessem a permitir ao homem que este representasse, corno qualquer coisa de absolutamente diferente dos processos de atividade exterior, os processos de atividade interior existindo entre estes dois processos uma contradição originai e eterna. A análise do processo de desenvolvimento histórico do homem mostra que a vida humana pode ter por conteúdo principal, e mesmo, em certas condições, por conteúdo único, uma atividade ideal, teórica. O homem cria neste caso produtos ideais teóricos que se transformam para ele em objetos que satisfazem as suas necessidades práticas: alimento, vestuário, alojamento etc. As relações sociais, no seio das quais se opera esta metamorfose, separam a sua atividade ideal da atividade material prática que incumbem aos outros homens. Se, ao fazê-lo, a sua atividade teórica perder o seu sentido próprio e revestir o sentido vulgar de salário, o

K. Marx, La Sainte Famlle, lid. Sociales. Paris. 1972. p. 62

126

O Desenvolvimento do Psiquismo

homem procurará afirmar-se ainda mais numa outra atividade intelectual. A sua nova atividade mais lhe parecerá agora pertencer a um mundo particular, mundo que pode ser considerado o único real. Quanto mais rápido o trabalho intelectual se separa do trabalho físico, a atividade espiritual da atividade material, menos capaz é o homem de reconhecer, no primeiro, a marca do segundo c perceber a comunidade das estruturas c das leis psicológicas das duas atividades. Este fato marcou a psicologia que durante muito tempo sc desenvolveu estudando apenas a atividade psíquica interior como atividade totalmente independente da atividade exterior. Razão por que os processos psicológicos eram considerados unilateralmente, unicamente na qualidade de determinantes da atividade exterior. Que a formação da atividade interior depende da atividade exterior, isso permanecia à sombra. Quanto à formação dos processos intelectuais na criança, considerava-se, no melhor dos casos, que a sua origem sc devia procurar nas percepções sensíveis; o desenvolvimento das ações intelectuais era apresentado como um processo autônomo dc que dependia o desenvolvimento das próprias ações exteriores. Negligenciava-se o fato de que os processos interiores teóricos se destacam inicialmente do seio da atividade exterior, e só depois são transformados num tipo particular de atividade. Digamos a propósito que a questão de saber se devemos considerar o pensamento e os outros tipos de processos interiores "ideais’ como formas da atividade humana ou diferentemente, constitui, verdadeiramente o problema essencial do método psicológico, da abordagem científica concreta do psiquismo. A análise psicológica mostra que a atividade interior teórica possui a mesma estrutura que a atividade prática. Por conseqüência, devemos, também no pensamento, distinguir entre a atividade propriamente dita, as ações e as operações e as funções cerebrais que as possibilitam. É precisamente a comunidade de estrutura da atividade interior teórica e da atividade exterior prática que permite aos seus diferentes elementos estruturais passar — e eles passam realmente — de uns para os outros; assim, a atividade exterior inclui sempre ações e operações

O Desenvolvimento do Psiquismo

12'

exteriores, ao passo que a atividade exterior inclui ações e operações interiores de pensamento. Quando efetuo um trabalho científico onde a minha atividade é evidentemente mental, teórica. Todavia no decurso do meu trabalho apresenta-se uma série de fins cuja realização necessita de ações exteriores práticas. Suponhamos que tenho que montar (montar c não imaginar ou projetar) uma instalação laboratorial; começo a estender os fios, a parafusar, serrar, soldar etc.; ao montar esta instalação, efetuo operações se bem que práticas, não entram menos no conteúdo da minha atividade teórica e que fora delas estariam desligadas de sentido. Suponhamos agora que, para pôr em circuito um dos aparelhos da instalação, devo ter cm conta a grandeza da resistência elétrica do conjunto do circuito elétrico; ao colocar o fio no borne, calculo mentalmente esta grandeza: neste caso é a minha ação prática que inclui uma operação intelectual. O que há de comum entre a atividade prática exterior e a atividade interior teórica não se limita unicamente à sua comunidade de estrutura. E psicologicamente essencial, igualmente que elas religuem, as duas, se bem que de maneira diferente, o homem ao seu meio circundante, o qual, por este fato, se reflete no cérebro humano; que uma e a outra formas de atividades sejam mediatizadas pelo reflexo psíquico da realidade; que sejam a título igual processos dotados de sentido e formadores de sentido. Os seus pontos comuns testemunham a unidade da vida humana. Ocorrida numa etapa histórica precisa, a “desintegração” da vida humana acarretou uma oposição entre atividade mental interior e atividade prática, depois de uma relação de ruptura entre elas. Por consequência, esta relação não é nem universal nem eterna. O homem cuja vida não se limita ao trabalho intelectual mas que tem diversos tipos de atividade, física entre outras, tem também um pensamento de aspectos diversos. Este pensamento não se fixa, portanto, em pensamento abstrato e a passagem do pensamento à atividade prática efetua-se como um alo absolutamente natural. Este pensamento “é sempre um momento da vida total do

O Desenvolvimento do Psiquismo

128

indivíduo que se desvanece e se reproduz consoante a necessidade se faz sentir

41 ..

.

É psicologicamente muito importante pôr em evidência a comunidade de estrutura entre atividade intelectual em prática e a comunidade de seu elo interno com o reflexo da realidade. Ida permite, em particular, compreender como, nas condições de um desenvolvimento completo da personalidade humana, c psicologicamente possível chegar a uma união equilibrada destas duas formas de atividade que a história isolara. A primeira transformação da consciência, engendrada pelo desenvolvimento da divisão social do trabalho, consistiu, portanto, no isolamento da atividade intelectual teórica. Isso c acompanhado de uma transformação na estrutura luncional da consciência, no sentido em que o homem toma consciência também dos encadeamentos interiores da sua atividade, o que lhe permite atingir o seu pleno desenvolvimento. Eles adquirem relativa autonomia c tornam-se orientados, governáveis e motivados conscientemente, isto quer dizer, que eles se realizam num tipo de atividade preciso. Subjetivamente, o psiquismo humano, manifestar-se-á doravante com o pensamento, como atividade intelectual em geral, como lugar ou sujeito dos processos interiores psíquicos. Tal foi a descrição que dele tez a psicologia tradicional. A segunda transformação da consciência, a mais importante, é. como vimos, a mudança de estrutura interna. Ela revela-se de maneira evidente nas condições da sociedade de classes desenvolvidas. A grande massa dos produtores separou-se dos meios de produção e as relações entre os homens transformaram-se cada vez mais em puras relações entre as coisas que se separam (“se alienam”) do próprio homem. O resultado é que a sua própria atividade deixa de ser para o homem o que ela c verdadeiramente.

K. Marx: A ideologia alemã. O concilio de Leipzig, p, 296, Ed. Sociales, Paris< 1975.

7

129

O Desenvolvimento do Psiquismo

Esta “alienação” é criada pelo desenvolvimento das formas de propriedade e das relações de troca. Na origem, o trabalho do homem não estava separado das suas condições materiais. O homem encontrava-se em perfeita relação de unidade natural com as condições objetivamente neces­ sárias à vida. Mas o desenvolvimento das forças produtivas desagrega inevitavelmente esta relação, o que se traduz pelo desenvolvimento das formas de propriedade. A ligação inicial do trabalhador à terra, aos instrumentos de trabalho, ao próprio trabalho encontra-se destruída “ . Finalmente, a grande massa dos produtores transforma-se em operários assalariados cuja única propriedade é a capacidade de trabalho. As condições objetivas da produção opõem-se-lhes doravante enquanto propriedade estranha. Para viver, para satisfazer as suas necessidades vitais, vêem-se, portanto coagidos a vender a sua força de trabalho, a alienar o seu trabalho. Sendo o trabalho o conteúdo mais essencial da vida, devem alienar o conteúdo da sua própria vida. Isolando os produtores, este processo isola na mesma cajadada as próprias condições que, sob a forma dc capital, são a propriedade dos capitalistas. Para o trabalhador, o capitalista é a encarnação das condições que se opõem a ele. Todavia o capital tem também a sua própria existência^ distinta do capitalista e que domina a sua vida e a submete, Estas relações objetivas engendradas pelo desenvolvimento da propriedade privada determinam as propriedades da consciência humana nas condições da sociedade de classes. Naturalmente, o psicólogo tradicional recusa-se a estudar as relações nas quais não vê senão relações entre coisas. Exige que a psicologia permaneça absolutamente nos limites do “psicológico” que ele concebe como puramente objetivo. Mesmo o estudo da atividade industrial do homem se reduz, para ele, ao simples estudo dos seu “componentes psíquicos”, isto é, das aptidões psíquicas que as técnicas requerem. Nem vê sequer que a atividade industrial é inseparável das relações sociais42

42 K . M a r x ,

F u n d a m e n to s d a c r ític a

d a e c o n o m ia p o lí t ic a ,

t.

1,

págs.

1 2 -4 2 . K d. A n t r o p o s

130

O Desenvolvimento do Psiquismo

humanas, que ela cria ao desenvolver-se e que determina a consciência dos homens. Voltemos à analise destas relações. A “alienação” da vida do homem tem por consequência a discordância entre o resultado objetivo da atividade humana e o seu motivo. Dito por outras palavras, o conteúdo objetivo da atividade não concorda agora com o seu conteúdo objetivo, isto é, com aquilo que ela é para o próprio homem. Isto confere traços psicológicos particulares à consciência. A atividade do batedor primitivo é subjetivamente motivada pela parte da presa que lhe caberá e que corresponde às suas necessidades; por outro lado, a presa é o resultado objetivo da sua atividade, no quadro da atividade coletiva. Na produção capitalista, o operário assalariado procura, ele também, subjetivamente, a satisfação das suas necessidades de alimento, vestuário, habitação etc., pela sua atividade. Mas o seu produto objetivo é diferente: este pode ser o minério de ouro que extrai, o palácio que constrói. “O que ele produz para si mesmo não é a seda que tece, não é o ouro que extraí da mina, não é o palácio que constrói. O que produz para si próprio é o salário — e a seda, o ouro, o palácio reduzem-se para ele a uma quantidade determinada de meios de subsistência, talvez a uma camisola de algodão, ao papel de crédito e a um alojamento numa cave”. U A sua atividade de trabalho transforma-se, para ele em qualquer coisa de diferente daquilo que ela é. Doravante, o seu sentido para o operário não coincide com a sua significação objetiva. Nas condições da sociedade capitalista, o operário sabe o que é a fiação ou a tecelagem? Possui ele os conhecimentos e as significações correspondentes? Naturalmente que possui estas significações; em todo o caso só na medida em que isso é necessário para tecer, fiar, furar racionalmente — numa palavra, para efetuar as operações de trabalho que constituem o conteúdo do seu trabalho. Todavia, nas condições

43

K. Marx. Lu Nouvelle Gazette rhénane, t. IIÍ. p. 229, I d. Sociales. Paris.

O Desenvolvimento do Psiquismo

131

consideradas a tecelagem não tem para ele o sentido subjetivo de tecelagem, ilação ou de furacão... “As doze horas de trabalho não têm, de modo algum, para ele, o sentido de tecer, de fiar, de furar etc., mas o de ganhar aquilo que lhe permita sentar-se a mesa, dormir na cama44 A tecelagem tem. portanto, para o operário a significação objetiva de tecelagem, a fiação de fiação. Todavia não é por aí que se caracteriza a sua consciência, mas pela relação que existe entre estas significações e o sentido pessoal que tem para ele as ações de trabalho. Sabemos que o sentido depende do motivo. Por conseqüência, o sentido da tecelagem ou da fiação para o operário é determinado por aquilo que o incita a tecer ou a fiar. Mas são lais as suas condições de existência que ele não fia ou não tece para corresponder às necessidades da sociedade em fio on em tecido, mas unicamente pelo salário; é o salário que confere ao fio e ao tecido o seu sentido para o operário que o produziu. Certamente que a significação social do produto do seu trabalho não está escondida ao operário, mas ela é estranha ao sentido que este produto tem para ele. Se tivesse a possibilidade de escolher o seu trabalho, seria coagido a escolher antes de mais entre dois salários e não entre a tecelagem e a fiação. O operário experimenta o sentimento da sua dependência em face de condições que nada tem de comum com o conteúdo do seu trabalho, com um sentimento crescente de insegurança face ao futuro. Certas investigações psicológicas recentes revelam que, na Inglaterra, os operários de uma fabrica procuram antes de mais nada a segurança do emprego. Outros fatos vão no mesmo sentido. Por exemplo, a reciclagem profissional, organizada pelas sociedades industrial c em geral mal aceita pelos operários, precisamente porque “mina o sentimento de segurança que lhes proporcionava o seu antigo emprego.” Estas significações estranhas ao sentido que se esconde por detrás delas encontram-se natural mente no outro polo da sociedade. Com eleito, 44

K. Marx.

Ibici, p. 229.

O Desenvolvimento do Psiquismo

132

para o capitalista o sentido da fiação ou da tecelagem reside no lucro que dela tira, isto é, numa coisa estranha às propriedades do fruto da produção c à sua significação objetiva. A alienação das relações pessoais dos homens e a sua transformação em puras relações entre coisas manifestam-se de maneira flagrante no poder que o dinheiro, modo de troca universal, tomou sobre a vida do homem. “Quanto menos cada um comer, beber, comprar livros, for ao teatro ou ao baile, ao bar, quanto menos cada um pensar, amar, teorizar, cantar, falar, fazer esgrima etc., tanto mais poupará, tanto maior será o seu tesouro, que nem a traça nem a ferrugem roerão o seu capital. Quanto menos cada um for, quanto menos cada um expressar a sua vida, tanto mais possuirá, tanto maior será a sua vida alienada, mais acumulará do seu ser alienado”. Mas “tudo o que não podes por ti mesmo, o teu dinheiro consegui-lo-á: cie pode comer, beber, ir ao baile, ao teatro. Pode adquirir a arte, a erudição, as curiosidades históricas, o poder político: pode viajar, apropriar todas estas coisas, comprar todas as coisas. Ele é a verdadeira capacidade45 ”. Sob o reino da propriedade privada dos meios de produção tudo toma um aspecto duplo, quer se trate da própria atividade do homem ou do mundo dos objetos em que vive. Q quadro cm que o pintor põe toda a sua arte. Ele é obrigado a fazê-lo para transformar em dinheiro, coisa que nada tem de comum com a pintura. O quadro conserva todavia o seu verdadeiro sentido para o rico industrial que o compra. Talvez tome para este último o sentido de objeto no qual ele entende colocar vantajosamente uma parte do seu dinheiro: talvez, o de um objeto testemunho da prosperidade do seu proprietário. O médico que compra a crédito uma clientela para exercer a medicina numa pequena aldeia de província pode querer muito sinceramente aliviar os sofrimentos dos seus doentes, talvez seja essa a sua vocação. Mas simultaneamente é coagido a desejar ver aumentar o número •lí

k . M arx,

Manuscriís de 1844, p. 103. Ed. Sociales, 1969, Paris.

O Desenvolvimento do Psiquismo

133

dos doentes, porque a sua própria vida depende disso, uma vez que os doentes são a base material indispensável ao exercício da sua profissão. Este dualismo desnatura os sentimentos mais elementares no homem. O vidraceiro, notava Fourier, alegra-se com o granizo que parte lodos os vidros. Mesmo o amor pode revestir as formas mais objetivas; sem falar do amor pelo dinheiro que pode tornar-se uma verdadeira paixão. A penetração na consciência destas relações traduz-se psicologicamente pela “desintegração” da sua estrutura geral que caracteriza o aparecimento de uma relação de alienação entre os sentidos e as significações, nas quais o seu mundo e a sua própria vida se refratam para o homem. Para o reino da propriedade privada, qualquer que seja o traço histórico concreto do psiquismo humano que nós consideremos (quer ele se relacione com o pensamento, com os interesses ou os sentimentos), ele comporta forçosamente a marca desta estrutura da consciência e só pode ser corretamente compreendida em função das características desta estrutura. Razão por que ao deixarmos de lado estas particularidades de estrutura da consciência humana, a pô-las entre parênteses na investigação psicológica, privamos a psicologia do seu concreto histórico e fazemos dela uma ciência do psiquismo do homem abstrato, do “homem em geral”. O que dissemos anteriormente da estrutura da consciência humana, nas condições da produção capitalista, é ainda muito insuficiente para caracterizai de maneira precisa no plano psicológico. Para avançar um poueo, devemos analisar ainda duas circunstâncias pelo menos. Uma delas decorre da própria natureza da alienação da atividade humana. A “alienação” não significa muito simplesmente que qualquer coisa deixou de existir para mim. O trabalho alienado não é dc modo algum um trabalho inexistente para o operário. Existe para ele, por certo, e entra aliás duplamente na sua vida: de maneira negativa e de maneira positiva.

O Desenvolvimento do Psiquismo

Hi

Negativamenle, porque o trabalho lhe toma uma parte da vida pois fazer pela vida não é viver. A vida começa para ele onde acaba esta . . . . . 46 atividade, a mesa, cm casa, na cama . Positivamente, sob duas relações. Primeiro, enquanto meio de atividade. Fde constitui a riqueza real do aspecto “técnico’' da sua vida, a riqueza em conhecimentos, em hábitos, em saber-fazer que lhe é necessário possuir para efetuar seu trabalho. Segundo, enquanto condição de enriquecimento da sua vida por um conteúdo novo. muito diferente do da sua atividade alienada, mas todavia criada por ela. O operário de uma empresa capitalista não aliena apenas o seu trabalho, entra também por este fato cm relação com outros homens: com o explorador do seu trabalho, por um lado, e com os seus companheiros dc trabalho, por outro. Naturalmente, não são apenas relações “teóricas”. Para o homem, elas encarnam-se-antes de tudo na luta de classes que tem que travar em todas as etapas do desenvolvimento da sociedade de classes, como escravo, como servo ou como proletário. Esta luta compromete os dois pólos da sociedade, tanto o da dominação como o da exploração. Do lado da dominação, a luta desenvolve o aspecto inumano do homem e sabemos ho je até onde esta inumanidade pode ir no horror. No pólo oposto, a luta desenvolve o aspecto autenticamente humano do homem. Assim, na sociedade capitalista, “uma vez mais o trabalhador só tem esta alternativa: aceitar a sua sorte, tornar-se um ‘bom operário’, servir ‘fielmente’ os interesses da burguesia — e, neste caso, cai de certo ao nível do animal — ou então resistir, lutar quanto possa pela sua dignidade de homem, e isto só lhe é possível lutando contra a burguesia47 ”. O movimento prático que esta indignação exprime cria uma verdadeira união entre indivíduos; cies recobrem a sua essência humana e

K. M a rx :

L a N o u v e lle

1,7 F. E n g e ls : 1975.

L a

G a z e tte rh e n a n e

S itu a tio n

de

la

c la s s e

, l. i l l . p . 2 2 9 . E d , S o c ia le s , P a r is .

la b o r ie u s e

en

A n g le t e r r e ,

p 1 66. E d . S o c ia le s , P a r is .

135

O Desenvolvimento do Psiquismo

na sua boca a fraternidade dos homens torna-se realidade e a nobreza da humanidade brilha sobre estas figuras endurecidas pelo trabalho ' As relações dos operários entre si criam neles “o sentido (Sinn) da coletividade”. Este sentido penetra também a sua relação com o trabalho, o seu trabalho jamais sc transforma para cie numa simples mercadoria. A segunda circunstância convém notar, apresenta-se assim: se a alienação prática do trabalho do operário se acompanha da alienação de uma parte da sua vida e se isso encontra expressão na consciência, por outro lado, as relações reais conservam os seu sentido humano para ele. Este sentido não lhe escapa e não esta de modo algum envolvido pelo véu místico da religião. Estes ideais espirituais, a sua moral, são humanos; a sua consciência não tem necessidade de representações religiosas que se revelam ocas, vazias de sentido para ele. “... E se tem por acaso qualquer religião ela não é senão formal, mas nem sequer teórica; praticamente, cie não vive senão para este mundo e nele procura ter direito de cidade Como na sua atividade não há motivos para que outro homem possa perder o seu sentido para ele e possa ter a significação de uma coisa, o operário é muito mais humano que o burguês na vida cotidiana. “Para eles (os operários - A. E.) todo o homem é um ser humano, ao passo que para a burguesia o operário é menos que um homem Os operários sentem ódio e cólera pelos exploradores, mas estes sentimentos não testemunham uma perda de humanidade. “Esta paixão, esta cólera são pelo contrário a prova de que os trabalhadores se ressentem do caráter inumano da sua situação, de que não querem deixar-se resvalar ao nível do animal51 ”, “A religião do capital” é um sentimento que os trabalhadores ignoram totalmente. Para eles, o dinheiro não tem sentido próprio, e se bem que sejam obrigados a trabalhar por dinheiro, “aos seus olhos, o*50 411 K . M a r x :

M a n u s c r its d e

w F . E n g e ls , P a r is ,

L a

s itu a tio n

1975.

50 F . E n g e ls , Ib id . p . 1 7 2 .

1844, de

la

p. 1 0 8 . E d . S o c ia le s , P a ris . c la s s e

la b o r ie u s e

e n A n g le t e r r e , p p .

1 7 2 -1 7 3 ,

E d . s o c ia le s ,

-------------------..

136

O Desenvolvimento do Psiquismo

dinheiro só tem valor considerando aquilo que lhes permite comprar, ao passo que para o burguês ele têm um valor particular, intrínseco, o valor de um bem,.. Razão por que o operário tem também muito menos opiniões feitas; está mais aberto à realidade que o burguês e não vê tudo através do prisma do interesse" ' Assim, quando se examina mais de perto o quadro de conjunto constituído pela vida do homem na sociedade capitalista, imediatamente descobre não apenas a sua dualidade, mas também a sua contradição interna. Nestas condições, a vida do homem não se partilha pura e simplesmente entre o seu próprio conteúdo e o seu conteúdo alienado. Para o próprio homem, a sua vida é “una” na sua totalidade. Razão por que ela reveste também a forma de uma luta interior que traduz a resistência do homem à própria relação que o submete, O fato do sentido e as significações serem estranhas uma às outras é dissimulado ao homem na sua consciência, não existe para a sua introspecção. Revela-se-lhe todavia, mas sob a forma de processo de luta interior aquilo a que se chama correntemente as contradições da consciência, ou melhor, os problemas de consciência. São eles os processos de tomada de Consciência do sentido da realidade, os processos de estabelecimento do sentido pessoal nas significações. Estudemos primeiro estes processos sob sua forma mais simples. O processo de tomada de consciência complica-se por um lado, pela divergência inicial que existe entre as relações da coletividade e a realidade circundante, relações generalizadas no sistema das significações linguísticas; por outro lado, pelas relações pessoais dos indivíduos, relações que constituem para estes últimos o sentido do refletido. Em certas condições, este processo pode tomar, como vimos, as formas mais estranhas, como as “participações”. Todavia, a consciência não pode desenvolver-se sob estas formas, enquanto formas universais, para lá de um certo limite. A complexidade da produção e a extensão consecutiva dos conhecimentos positivos sobre a

137

O Desenvolvimento do Psiquismo

natureza acarretam forçosamente o desenvolvimento e a diferenciação das significações. Esta precisão faz com que as significações reflitam cada vez mais as relações objetivas entre os objetos, relações às quais são submetidos os meios e processos técnicos— socialmente elaborados — da atividade humana. Simultaneamente, elas libertam-se cada vez mais da relação social, nelas cristalizada, que elas têm com os fenômenos significados. Agora, estas relações são parcialmente refletidas nas significações particulares, e por um lado, este conteúdo é refletido não nas próprias significações mas por intermédio das significações. Para bem compreendermos isto, devemos igualmente ter presentes no espírito as transformações que as formas da linguagem e as formas da consciência social sofrem. Do ponto de vista da história da linguagem, isto liga-se à “tecnização” da língua (V. Abaev), Isto significa que, decorrente da evolução da língua as palavras deixam de ser diretamente portadoras de conteúdo refletido: elas transformam-no indiretamente. Do ponto de vista da história da consciência social, descobre-se que isto está ligado com o fato de que “a uma ideologia expressa na língua se substitui uma ideologia expressa pela língua ”5’ . Um mesmo sistema de significações verbais está, portanto, apto para exprimir conteúdos diferentes, até opostos. Razão por que não há necessidade de línguas diferentes, de sistemas diferentes, de significações para exprimir as diferenças radicais de representações e de pensamentos que aparecem inevitavelmente na sociedade de classes. Naturalmente, o escravo e o proprietário de escravos, o camponês e o senhor, o operário e o capitalista têm maneiras diferentes e mesmo contraditórias de representarem o mundo, mas estas diferenças não exigem de modo algum uma mesma diferença na sua língua, nas significações verbais que eles possuem e não se reduzem a elas.53

53 V . A b a e v : “ A l í n g u a e n q u a n t o id e o ló g ic a e t é c n ic a " . p e n s a m e n t o " ) , t. 2 , L c n i n g r a d o . 1 9 3 4 ( e m l in g u a r u s s a ) .

la z y k

i

m y c h lé n ié

(“ a lín g u a c o

138

O Desenvolvimento do Psiquismo

Do ponto de vista psicológico, isto é, dos processos da consciência, isto liga-se ao fato de que este processo tem doravante um caráter desenvolvido. Com efeito, a revelação do sentido de um fenômeno à consciência só pode realizar-se sob a forma de uma designação deste fenômeno; como vimos várias vezes, um sentido não encarnado nas significações não é ainda consciente para o homem, não é ainda '‘sentido' para ele. Este estabelecimento do sentido nas significações passa do simples processo de concretização do sentido nas significações a um processo bastante complexo, que é de certo modo a solução dc um problema psicológico particular. Este problema psicológico é, por vezes, torturante. A literatura científica e a literatura estética descreveram várias vezes “os tormentos da palavra”, isto c, os tormentos da objetivação do sentido nas significações, os tormentos da conscientização do sentido, quando para retomar uma expressão de Dostoievski, “a idéia não entra nas palavras”. A coisa não é a mesma em relação aos tormentos criadores do pensamento; estes são os tormentos da consciência, da tomada de consciência. Por tal motivo, seria vão procurar a sua natureza na natureza da atividade propriamente cognitiva. A sua natureza não reside unicamente no fato do processo pelo qual o sentido se estabelece nas significações revestir doravante um aspecto muito complexo; com efeito, a complexidade deste processo abre, pelo contrário imensas possibilidades. A sua verdadeira natureza encontrase nas contradições do conteúdo da própria vida humana; ela está, por outro lado, ligada à estreiteza da consciência social, tornada doravante consciência de classe. Vimos que o homem não está sozinho em face do problema da conscientização do seu meio circundante, da sua vida e de si mesmo. A sua consciência individual só pode existir nas condições de uma consciência social; é apropriando-se da realidade que o. homem a reflete como através do prisma das significações, dos conhecimentos e das representações elaboradas socialmente. Assim, nas condições de uma língua desenvolvida e “tecnicizada”, o homem não controla apenas o domínio das significações

i

O Desenvolvimento do Psiquismo

139

lingüísticas. Ela domina-as, mas apropriando-se do sistema de idéias e de opiniões que elas exprimem. Psicologicamente, é impossível assimilá-las dc outro modo. Por outras palavras, a apropriação do sistema das significações lingüísticas é ao mesmo tempo a apropriação de um conteúdo ideológico muito mais geral, isto é, a apropriação das significações no sentido mais amplo do termo 1. Sabemos que a ideologia dominante, na sociedade de classes, é a da classe dominante que reflete e reforça as relações sociais existentes. Vimos, além disto, que essas relações escravizam o homem, submetem a sua vida c nela criam contradições internas. Tal como a vida humana não se encarna totalmente nestas relações, assim os sentidos engendrados pela atividade humana não sc encarnam totalmente nem de maneira autêntica nas significações que refletem estas relações estranhas a vida. E esta a causa da imperfeição e da inadequação da consciência e da conscientização. Devemos sublinhar que, se bem que se trate de uma inadequação da consciência interna, ela não pode ser eliminada de outro modo a não ser pela transformação prática das condições objetivas que a criaram. Mais precisamente se essas condições se conservam, esta inadequação só pode ser eliminada à custa de um repúdio pela consciência da vida real ou num processo de luta ativa contra as ditas condições. O homem esforça-se por pôr fim à desintegração da sua consciência. Mas se busca a adequação e a autenticidade da sua consciência, não é por amor abstrato à verdade. Isso apenas traduz a sua aspiração a uma verdadeira vida; é por ta! razão que esta aspiração é tão intensa e os processos da tomada de consciência — os mais secretos, da “vida interior” do homem — tomam por vezes um curso realmente dramático.54

54 C h a m a m o s a a te n ç ã o d o le ito r p a r a o d u p lo s e n t id o q u e d a m o s d o te r m o " s i g n it i c a ç ã o : e m c e r t o s e a s o s e le d e s i g n a a s i g n if ic a ç ã o d e u m a p a l a v r a ( s i g n i l i c a ç a o v e r b a l) , n o u tr o s , o s c o n h e c i m e n t o s , o c o n t e ú d o d a c o n s c i ê n c i a s o c ía i a s s i m i l a d a p c lò in d iv íd u o .

140

O Desenvolvimento do Psiquismo

Esta aspiração é evidentemente diferente segundo se considera um ou outro pólo da sociedade; cia reveste formas contrárias e o seu destino é diferente. Nos homens das classes dominantes, ela apresenta-se como a negação de si, a negação de sua própria vida; não pode ser, portanto, qualquer coisa durável, de sólido; a sua caracterização essencial é a sua impotência; ela não pode realizar-se senão fícticiamente nos sentimentos. Máximo Cíorki gravou a forma negativa desta aspiração e a sua impotência no romance Thomas Gordeiev e na personagem de Bougrov. A vida de Ignácio Gordeiev é inteiramente consagrada à acumulação do capital e nisto a sua avidez e a sua severidade não conhecem limites. “Nos seu períodos de entusiasmo no trabalho, tratava as pessoas duramente e sem piedade... Não dava tréguas a si mesmo na caça aos rublos.” Estes períodos eram seguidos de instantes durante os quais afastava da procura do dinheiro e o mundo lhe aparecia de súbito diferente. “Ignácio Gordeiev sentia que não era o senhor do seu bem, mas o seu humilde escravo. Então acordava nele outra alma...” “Com raiva atirava-se às próprias cadeias que forjara e com que se tinha carregado, atirava-se a elas e não tinha força para as quebrar.” Vinha então um tempo de pândega, seguido de vários dias de arrependimento e de oração. “Senhor! Tu vês!...’ , sussurrava surdamente Ignácio. Gorki registra estas palavras de Bougrov: “Um dia, cai cm si, acalma-se e, de súbito a alma estremecida pensa resignado: Senhor! E possível que todos os homens ou quase todos habitem trevas tão cegas como as tuas?” “É muito estranho, nota Gorky saber que este homem que vive do trabalho de alguns milhares de homens é capaz de dizer que, na sua opinião, este trabalho é inútil e não leva a nada.” A impotência desta aspiração a adequação da consciência apenas traduz a inadequação objetiva das relações vitais reais do homem. Psicologicamente, ela é duplamente condicionada, primeiro, pela desna­ turação dos sentidos que criaram as relações de coisas às quais está submetida a vida humana, em seguida, pelo sistema de significações, pela

O Desenvolvimento do Psiquismo

NI

ideologia que precisamenle reflete estas relações de coisas inautênticas . Com efeito, a vida de lgnácio Gordeiev não é senão acumulação de capital, cia materializa-se apenas nisto. Na sua materialização, ela subordina mesmo os sentimentos e os desejos mais Íntimos de Gordeiev. Ele deseja ardentemente um filho, mas mesmo este sentimento - todavia tão humano! - tem nele um sentido totalmente desnaturado, puramente material. "E um filho que me falta! Compreendes? Um filho, um herdeiro! A quem deixarei o meu capital quando morrer?... E uma angústia implacável se apoderava dele.” No pólo do trabalho, a aspiração a uma consciência adequada é, pelo contrário, a expressão psicológica de uma aspiração verdadeiramente vital. Ela não se contradiz, não nega o conteúdo real da vida humana, Ela afirma, pelo contrário, o seu desenvolvimento mais completo. Sabe-se que, com o desenvolvimento da produção capitalista, o trabalho toma um caráter cada vez mais coletivista: enormes massas de operários se unem e sc aproximam na luta prática contra a burguesia. Nestas condições, que são as da vida dos trabalhadores, não há traço das condições que fixam na sua consciência as relações dominantes. Mesmo os últimos laços do patriarcado que mascarava outrora o verdadeiro caráter destas relações estão definitivamente quebrados. Seguem-se que as relações predominantes, bem como os elementos de relações novas que elas dissimulam entre si, tomam cada vez. mais para os operários o seu sentido real, autêntico. Mas este sentido não é imediatamente consciente de maneira adequada. Para se tornar consciente, deve encarnar, entrar para a consciência nas significações, elaboradas socialmcnte, que refletem a real natureza destas relações. Ora, nas condições históricas consideradas, as significações dominantes são as representações, as idéias que traduzem a ideologia da burguesia. Elas são, portanto, estranhas a este sentido. E o seu enraizamento na consciência das massa a causa da inadequação psicológica, da “inautenticidade” da consciência. Vimos já que não c indiferente, bem pelo contrário, qualquer inadequação da consciência e da tomada de consciência; e com efeito, por detrás dela dissimula-se a inadequação da própria vida. pois a consciência

142

O Desenvolvimento do Psiquismo

não é apenas um “epifenômeno” ou “um fenômeno anexo”; a consciência é também condição necessária da vida. Isto explica a aspiração inevitável para superar esta inadequação. A aspiração à adequação da consciência reveste, no pólo do trabalho, nas condições históricas consideradas, uma forma particular, radicalmente diferentes das formas que podemos observar no pólo do capital. Não cria nem a negação nem o abandono da vida real, nem a perda ou a desnaturação do seu sentido para o homem; cria sim a negação e o abandono das significações inadequadas, que refratam falsamente a vida na consciência. Esta aspiração cria, por outro lado. um terreno psicológico favorável à assimilação de significações adequadas, de uma ideologia adequada; cria aquilo que se manifesta objetivamente por uma atração pela ideologia socialista, pela consciência socialista cientifica. Isto deve-se a que, por um lado, o sentido das relações objetivas existentes não pode ainda realizar-se dc maneira adequada na consciência dos operários, e conservando ainda a sua forma de sentido inconsciente, de instinto, por outro, nem por isso deixa de se realizar na vida prática, na luta espontânea, na união prática, nos seus contatos. Sendo o sentido verdadeiro das relações existentes, ele é eficiente. Razão pela qual as dificuldades e as contradições da consciência não tomam a forma de uma revolta impotente contra si mesma, de um sentimento ineficaz, mas de uma revolta contra a ideologia que escraviza a consciência e por uma aspiração a uma compressão e a um saber autênticos. A revolta dos operários contra as grilhetas da ideologia burguesa e o seu gosto por uma compressão autêntica são suficientemente conhecidos para que seja necessário dar exemplo. Do ponto de vista psicológico, temos aqui no fundo uma nova relação entre os componentes principais da estrutura interna da consciência que nós distinguimos, se bem que isso seja ainda no quadro da sua estrutura geral anterior. Esta relação exprime-se no novo papel que as sigmllcações e as idéias adquiridas desempenham na força maior que elas podem adquirir refletindo as relações reais de maneira adequada.

O Desenvolvimento do Psiquismo

143

As idéias que exprimem estas relações verdadeiras, as idéias do socialismo científico, que criam uma nova ideologia socialista nas condições do capitalismo, são o leito de homens que dominando a ciência estão ao mesmo tempo penetrados pela compreensão do sentido do movi­ mento operário. O papel importante das idéias do socialismo científico foi posto em evidência pela teoria Marxista da penetração da consciência socialista no movimento operário espontâneo. Nós só queremos aqui sublinhar ainda uma vez um dos elementos psicológicos mais importantes da consciência nesta etapa da sua história: a nova correlação que aparece entre os sentidos e as significações, as idéias que as encarnam doravante, correlação que notamos mais atrás e que confere às significações e às idéias um papel particular na vida. Esta nova correlação é ta! que a conscientização dos sentidos que o homem opera no sistema destas significações, confere às suas ações traços psicológicos novos. As ações humanas recobrem toda a força e toda a naturalidade do instinto, conservando a racionalidade e a clareza dos fins próprios da atividade humana desenvolvida. A sua força crescente é para os ideólogos burgueses um “enigma psicológico”. E!es estão todavia conscientes de que este fenômeno está ligado à propagação das idéias do socialismo cientifico, o bastante para intensificar a sua luta contra estas idéias. Em certas circunstâncias, esta força transforma-se finalmente numa força de ação histórica, que abole o domínio das relações de propriedade privada e liberta o trabalho do homem. Esta supressão prática das relações de propriedade privada e esta libertação prática do trabalho humano que conduzem à “reintegração” (Marx) do próprio homem, conduzem ao mesmo tempo à reintegração da consciência humana. É assim que se efetua a passagem a uma nova estrutura interna da consciência, a uma nova “formação” da consciência, à passagem à consciência do homem socialista. A transformação psicológica essencial é então a da relação principal cia consciência, a relação entre o sentido e a significação. Como

144

O Desenvolvimento do Psiquismo

toda a relação do conteúdo, este último não pode transformar-se sem uma modificação destes dois elementos que o compõem. Na ocorrência, esta ultima não é idêntica para as duas componentes. A sua base é o retorno prático consecutivo à abolição da propriedade privada dos meios de produção, do conteúdo subjetivo da atividade, isto é, do sentido real que ela tem para o homem, ao seu conteúdo objetivo, a sua não-coincidência e a sua contradição são eliminadas. O operário socialista tal como o operário da empresa capitalista tece, fia etc. Mas para ele o seu trabalho tem realmente o sentido de tecelagem, fiação etc. Para cie, o motivo e o produto objetivo do trabalho não são estranhos um ao outro, porque ele não trabalha para os exploradores, mas para ele, para a sua classe, para a sociedade. O operário socialista recebe um salário em troca do seu trabalho; também para ele o trabalho tem, portanto uma significação de salário, mas para este último não é senão um meio para ele de realizar uma parte dos frutos da produção social para o seu consumo pessoal. O sentido do trabalho modifica-se porque os seus motivos são novos. A nova motivação do trabalho é também uma atitude nova face ao problema que põe o domínio da técnica, dos meios de trabalho e das operações produtivas. Enquanto relação de consciência, é a relação que existe entre o sentido do trabalho e o conjunto das significações concretas c conhecimentos que com elas se relacionam. Estas significações concretas — conhecimentos, saber-fazer — deixam de ser estranhas ao sentido do trabalho. O seu domínio não c apenas a condição do salário ou, se se considera o empresário capitalista a condição de lucro: nos dois casos a condição dc obtenção de resultado nada tem de comum com a essência da produção e dos seus frutos. Estas significações concretas aparecem ao homem na sua realidade, no seu conteúdo próprio, como condição de uma forte produtividade do trabalho. Compreende-se que a sede de conhecimentos seja particularmente grande nestas condições. É uma condição indispensável à evolução da consciência do homem novo: o sentido novo deve com efeito realizar-se psicologicamente

O Desenvolvimento do Psiquismo

145

nas significações, pois um sentido não objetivado e não concretizado nas significações, nos conhecimentos, é um sentido ainda não consciente, que não existe ainda totalmente para o homem. O novo sentido do trabalho realiza-se na assimilação daquilo a que se chama a cultura do trabalho, que constitui nele o aspecto intelectual. O mundo das significações manifesta-se agora ao homem de maneira diferente. Objetivamente, se, por um lado, a riqueza da experiência prática humana, cristalizada e refletida no mundo é assimilada muito intensamente, por outro lado esta riqueza manifesta-se doravante para os homens à luz de novos sentidos pessoais. Tudo o que nela é autêntico se apresenta à consciência com extremo vigor e desenvolve-sé rapidamente; tudo o que é fictício perde o seu sentido e desaparece. Â estrutura interna nascente da consciência, a sua nova “formação”, caracteriza-se, primeiro, por esta nova relação entre sentido e significações. Não é de modo algum um retorno à sua coincidência inicial, à sua fusão pura e simples. Esta nova relação conserva a forma desenvolvida de passagens complexas de uma para a outra. Há como que uma rotação do plano dos sentidos que abole o fenômeno de desintegração da consciência. Agora, a consciência humana apresenta uma estrutura integrada. Esta característica estruturai da consciência caracteriza-a verdadei­ ramente psicologicamente? Esta questão tem razão em se pôr na medida em que a consciência se caracteriza, entre outras, pela relação que a liga à consciência social, ao seu conteúdo ideológico, que em si não é naturalmente objeto de um estudo psicológico. O instrumento, por exemplo, não é de modo algum em si um objeto “psicológico”; todavia, a estrutura interna da atividade intelectual ligada ao instrumento e ao processo de domínio do instrumento tem indubitavelmente um conteúdo psicológico. Mediatizando a atividade do homem, o instrumento, reorga­ niza-a de tal maneira que mesmo os processos mais elementares que a constituem se transformam. As diferentes ações modificam-se sejam elas exteriores, práticas ou interiores, teóricas, a sua transformação cria o desenvolvimento dos meios

146

O Desenvolvimento do Psiquismo

KttNÉ

de ação, das operações e, por conseqiiência, o das significações, nas quais estas ações se cristalizam para a consciência. Por fim, como mostram certas pesquisas experimentais atuais, as próprias funções elementares mudam segundo as operações que realizam; um só exemplo bastará: os limiares das sensações são suscetíveis de variações sensíveis, em função do papel que desempenha na atividade da forma de sensibilidade e da maneira como entra nesta atividade a operação sensorial correspondente. É esta dependência estritamente objetiva entre os processos parciais e a estrutura global da atividade e da consciência dos homens — determinada pelas condições históricas concretas da sua vida —, que explica psicologicamente a transformação das propriedades e forças humanas, transformação que se produz sob os nossos olhos e cria a nova face psicológica do homem. Não se pode, por exemplo não deixar de ver a relação interna entre o fato dos homens descobrirem a sua verdadeira comunidade, comunidade que não altera doravante a forma das coisas que afetavam as suas relações mútuas e, o fato dos sentimentos outrora dominantes darem lugar cada vez mais a outros sentimentos verdadei­ ramente humanos. Distinguir os sentidos e os motivos é sempre também distinguir uma vontade, sentimentos. O ato de coragem que tem por motivo a sujeição de outro homem, a usurpação do bem de outrem ou a ascensão na hierarquia social tem qualidades psicológicas bastante diferentes das do ato corajoso cujo motivo é contribuir com a sua ajuda para a causa comum. Há também uma diferença psicológica entre uma taçanha realizada nas condições de uma vida contraditória no seu conjunto (portanto, no único domínio da pessoa) e a mesma façanha quando a personalidade do homem se exprime em toda a sua unidade e totalidade naturais; só nestas condições, com efeito, é que a força moral e a beleza interior do gesto podem se manifestar plenamente. Uma psicologia que ignorasse que as particularidades do psiquismo humano dependem do caráter geral da consciência, ele próprio determinado pelas condições da vida real do homem, acabaria inevitavelmente por negar a natureza histórica dos traços psicológicos.

O Desenvolvimento do Psiquismo

147

Interessada em reduzir a face psicológica do homem às suas diferentes aptidões e propriedades, ela tende a conduzir as suas investigações no sentido oposto ao que o processo real da sua transformação segue. Por este falo, inverte todos os elementos: para eia, o determinado é o determinante, a consequência é a causa. Acaba mesmo por encontrar os motivos da atividade humana nos sentimentos subjetivos, nos sentimentos e emoções do interesse ou do desejo. Prosseguindo a sua análise nesta direção, acaba por encontrar a fonte deste sentimentos nas emoções e desejos inatos do homem, isto é, nas particularidades dos seus instintos. j, A via aberta pela análise histórica mostra, pelo contrário, que as propriedades do psiquismo humano são determinadas pelas relações reais do homem com o mundo» as relações que dependem das relações históricas objetivas da sua vida. Sãó estas relações que criam as particularidades estruturais da consciência humana, e que por ela são refletidas. Assim se caracteriza o psiquismo humano na sua verdadeira essência social. Como o nosso fim não é estudar a história concreta do desenvolvimento do psiquismo humano, limitar-nos-emos a uma exposição muito breve das suas “formações” históricas mais gerais. Aliás, este apanhado basta para provar que o que parece à primeira vista imutável no homem, não passa de lato de uma etapa transitória no seio do seu desenvolvimento histórico. Mostra, por outro lado, que só com a “reintegração” da constiência humana que intervém com a reorganização radical da sociedade é que começa o seu desenvolvimento realmente livre e completo. Naturalmente, a nova estrutura psicológica da consciência não aparece instantaneamente logo após a transformação das condições de vida. Ela não nasce por si mesma, espontaneamente, sem luta, fora do processo dc educação dos homens, e da penetração da sua consciência pela ideologia socialista. Pelo contrário, a formação ativa das novas qualidades psicológicas é condição indispensável da sua constituição. A metamorfose da consciência não toca imediatamente todos os aspectos da vida, todas as ligações do homem ao mundo. Quando da primeira aparição da consciência, a realidade não apareceu de súbito na sua

148

O Desenvolvimento do Psiquismo

totalidade sob uma iluminação nova; no princípio, uma grande parte da realidade guarda a sua iluminação anterior porque as significações, as representações e as idéias não se modificam automaticamente, desde que perderam o seu terreno nas condições objetivas da vida. leias podem conservar a sua força como preconceitos e muitas vezes só após uma luta perseverante é que elas acabam por perder o seu prestígio aos olhos dos homens. Por outro lado, a “reintegração” da consciência não constitui de modo algum, como vimos a passagem à coincidência, à simples fusão, na consciência, do sistema das significações. O trabalho interior de conscien­ tização e de objetivação das relações subjetivas pessoais com a realidade, que subsiste no sistema das significações elaboradas socialmente, não se torna menos complexo ou menos tenso. Verifica-se sim como que um deslocamento deste trabalho interior para uma esfera de relações mais variadas, mais profundas e mais sutis que o homem deve tomar consciência para si, para “se encontrar” de certa maneira nelas. Psicologicamente a consciência humana desenvolve-se, portanto, nas suas mudanças qualitativas por definhamento das suas particularidades anteriores que cedem o seu lugar a outras. Na aurora da sociedade humana, a consciência passa pelas diferentes etapas da sua formação inicial; só o desenvolvimento ulterior da divisão social do trabalho, da troca e das formas de propriedade acarreta um desenvolvimento da sua estrutura interna, tornando-a, porém, limitada e contraditória; depois, chega um tempo novo, o tempo de novas relações, que cria uma nova consciência do homem. Ainda nos é difícil imaginar as imensas perspectivas do seu desabrochar futuro. ★ Para terminar esta breve exposição, resta-nos tirar algumas conclusões teóricas concernentes à abordagem de princípio dó psiquismo. Por certo, os problemas que abordamos até aqui não esgotam mesmo o essencial do conteúdo do processo de desenvolvimento psíquico.

O Desenvolvimento do Psiquismo

149

Liste estudo não tem. portanto a pretensão dc ser um resumo da história do psiquismo; ele representa antes um apanhado da teoria do desenvolvimento do psiquismo; mais exatamente, propôs-se estudar o próprio princípio da concepção histórica do psiquismo. Quais são as conclusões gerais a que chegamos? A concepção tradicional do psiquismo distingue dois tipos de fenômeno e de processos. Os primeiros são os fenômenos e processos interiores, que encontramos em nós; as imagens sensíveis, os conceitos, as sensações e também os processos do pensamento, da imaginação, da memorização voluntária etc. lodos eles pertencem ao domínio do psiquismo. 1; o seu conjunto que constitui o famoso cogito de Descartes. “Pela palavra pensar eu entendo tudo o que se passa em nós de tal maneita que nós o percebemos imediatamente por nós mesmos; é por isso que não apenas ouvir, querer, imaginar, mas também sentir é a mesma coisa aqui que pensar?31 Os outros fenômenos e processos são os que contrariamente aos primeiros, constituem o mundo material exterior. São a realidade concreta que circunda o homem, o próprio corpo deste, os fenômenos e processos fisiológicos que se realizam nele. Este conjunto constitui o domínio do físico, o mundo da “extensão”. Nesta ótica, opõem-se dois tipos de fenômenos e processos, de que só os primeiros relevam do estudo psicológico. Em que estes se distinguem especificamente dos fenômenos e processos iísicos? A diferença está na sua natureza puramente subjetiva, isto é, no fato deles não existirem por assim dizer senão enquanto dados do vivido interior, imediato, do sujeito e não terem outra existência; com efeito, qualquer outra forma dc existência significaria que eles existem no mundo físico, num mundo da extensão c não no do pensamento. Uma concepção do psiquismo que parte desta distinção, seja que figura de estilo se empregue, fecha inevitavelmente à psicologia o livro da

R . D e s c a r te s :

L e s P r ín c ip e s d e la p h ilo s o p h ic

(E d . V r in , 1 9 6 7 ), p . 5 6 .

150

O Desenvolvimento do Psiquismo

atividade prática e sensível do homem, sem a qual a psicologia, como disse Mane, não pode ser um ciência real e verdadeiramente rica de conteúdo. Existe uma outra concepção do psiquismo. Constitui sua base filosófica a teoria do reflexo. Também ela se apoia numa distinção inicial, entre o sujeito material da vida e a realidade objetiva concreta em que vive este sujeito, isto é, segundo uma forma particular de interação material. Dito por outras palavras, nesta ótica, o sujeito não se opõe ao mundo, como o “eu” de Fichte; pelo contrário, estão originalmente ligados um ao outro; a sua vida, a sua atividade vital ligam realmente o sujeito ao objeto efetuando as passagens mútuas que, na origem, se traduzem simplesmente pela troca de substâncias. Num certo nível de desenvolvimento da vida do sujeito material aparecem necessariamente fenômenos específicos que refletem as propriedades da realidade objetiva nas suas relações e ligações, isto quer dizer que refletem a realidade na sua materialidade. É a forma psíquica do reflexo. Considerado no sistema das relações e ligações da matéria do próprio sujeito, o reflexo psíquico não passa de um estado particular desta matéria, uma função do seu cérebro. Considerado no sistema das relações e ligações do sujeito com o mundo circundante, o reflexo psíquico é a imagem deste mundo. Assim, existe um processo real no qual o refletido cria o reflexo, o ideal (segundo a expressão de Marx “ele é transportado no ideal!). Este processo é precisamente o processo material da vida do sujeito. Exprimese nos processos da sua atividade que o ligam ao mundo objetivo. É devido ao fato da atividade criar um elo prático entre o sujeito e o mundo circundante agindo sobre ele, e se submeter às suas propriedades objetivas, que aparecem no sujeito os fenômenos que constituem um reflexo do mundo, cada vez mais adequado. Na medida em que a atividade é mediatizada por estes fenômenos particulares c os comporta de certa maneira em si, ela torna-se uma atividade mentalizada. Numa etapa relativamente tardia da evolução da vida, a atividade pode ser interiorizada, isto é, revestir a forma de uma atividade interior

O Desenvolvimento do Psiquismo

151

ideal; não deixa de ser menos um processo realizando a vida real de um sujeito real e não se torna “puramente” espiritual, oposta fundamentaliuente à atividade exterior, imediatamente prática. Erigir como 0 faz a psicologia idealista tradicional, esta oposição em absoluto, traduz ideologicamente a separação que de fato se criou, no decurso do desenvolvimento da sociedade, entre trabalho intelectual c trabalho manual. Esta separação tem na realidade um caráter tao pouco absoluto, tão transitório como as relações econômicas que a engendram. A segunda concepção do psiquismo rejeita, portanto, a oposição e a separação dualista entre a atividade interior teórica e a atividade exterior prática. Além disso, exige uma nítida distinção entre o reflexo propriamente dito como imagem da realidade (apareça ele sob que forma for — sob forma de sensações, de conceitos etc.) e os processos de atividade propriamente dita, inclusive de atividade interior. Recusando esta ruptura e esta confusão recusamos ao mesmo tempo a concepção idealista do psiquismo que as exprime. Torna-se assim possível superar a concepção de um psiquismo como essência com existência própria, o que lhe permitia entrar na composição dos processos materiais, interagir com eles, conter qualquer coisa etc. Devemos insistir neste ponto pois o próprio modo dc expressão dos conceitos e das relações psicológicas a que estamos habituados, traz em si a marca desta concepção errada. Assim, por exemplo, quando dissermos o que é habitual, que “algo se passa na nossa consciência, devemos ver nisto apenas o preço inevitável da tradição iingüistica. Na nossa concepção, a história real do desenvolvimento do psiquismo não é a história do desenvolvimento do “desdobramento” da vida, inicialmente una; este desdobramento deu origem ao psiquismo primitivo do animal e encontra a sua plena expressão na vida consciente do homem. Esta história é, como vimos, o reflexo da história da evolução da própria vida e obedece às suas leis gerais: no estágio do desenvolvimento biológico obedece às leis da evolução biológica, nas etapas do desenvolvimento histórica às leis sócio-históricas.

iêiisasi

152

O Desenvolvimento do Psiquismo

Pensamos que esta concepção histórica pode fazer da psicologia uma ciência que não se separe dos grandes problemas da vida, antes ajude verdadeiramente a resolvê-los, a construir uma vida nova, a de um homem liberto até ao desenvolvimento completo e harmonioso de todas as suas aptidões e propriedades.

A “O ÉM AKC H E” H IS T Ó R IC A KO ESTUDO O O P S IQ U IS M O H U M A K O

id í.|

LU

ü W

N

W

M

O Desenvolvimento do Psiquismo

155

1. A s te o r ia s n a tu r a lis ta s cm p s ic o lo g ia h u m a n a

Hoje citar-se-iam com dificuldade investigações psicológicas que não tenham em conta, de uma maneira ou outra, o falo de que a /consciência e o comportamento humanos são ‘sensíveis às condições históricas e sociais c que cies se modifiquem com as suas mudanças. Mesmo os estudos consagrados a questões puramente psicofisiológicas são obrigados a levar em consideração a influência dos fatores sociais — instrução verbal, apreciação pelo experimentador dos resultados obtidos pelo sujeito da experiência etc. O estudo da determi­ nação do psiquismo pelas condições sociais constitui mesmo a tarefa essencial de certos ramos da psicologia. É o caso das investigações sobre o desenvolvimento histórico do psiquismo humano e sobre o desenvolvi­ mento do psiquismo da criança; o mesmo se verifica para a psicopedagogia, a psicologia da linguagem c das relações entre os indivíduos, a psicologia da personalidade. A importância teórica geral do problema do determinismo social do psiquismo é também absolutamente evidente. Outra coisa é a maneira de resolver este problema e a importância de princípio que lhe é atribuída nas diferentes correntes da psicologia científica. As diferenças de opinião são com efeito extremamente grandes e traduzem-se em confrontações a partir de posições teóricas.

156

O Desenvolvimento do Psiquismo

Uma dessas posições exprime a linha teórica derivada do. evolucionismo positivista de Spencer'6, cujas idéias tiveram influência direta notável sobre a psicologia pragmática americana57. Esta concepção parte do princípio de que o homem, diferentemente dos animais, não vive apenas num meio exclusivamente natural, mas num meio igualmente “supra-orgânico”, isto é, social; sente-lhe constantemente os efeitos e é coagido a adaptar-se; admite-se, por iss.o, que as leis e os mecanismos de aquisição da experiência individual não se modificam fundamentalmente: quando da passagem ao homem. Eles complicam-se apenas, dado o aparecimento de fatores novos como a linguagem a as diversas instituições sociais. Por consequência, para estudar o homem, convém conservar todas as noções, fundamentais relativas à evolução biológica: o conceito de adaptação ao meio e de sobrevivência, o conceito da integração e de diferenciação dos órgãos e das suas funções e o das duas formas dc experiência - hereditária (específica) e individual. Numa palavra, a passagem do animal ao homem provoca simplesmente uma complexidade quantitativa dos processos de adaptação tanto específica como individual. Assim, a maioria dos investigadores que professam esta tese apóia-se habitual mente e sem reservas nos dados das experiências praticadas por animais: por exemplo, tratar dos mecanismos de aquisição da experiência individual no homem (aprendizagem — learning. Os pontos de vista dos autores divergem evidentemente um pouco sobre a importância destes dados, mas estas diferenças não afetam a essência desta concepção. Assim, se certos autores afirmam categoricamente que a aquisição da experiência individual é idêntica no animal e no homem “E. R. Guthrie)58, outros vêem a especificidade da aprendizagem humana no fato dela poder realizar-se no plano da palavra (F. Skinner 9; em certos casos, admite-se em rigor que a

C f M. Spencer: Elementos de base. IK67: O s f u n d a m e n t o s I.. P. Thorpe, A. M. Schmuller: T e o r i a s c o n t e m p o r â n e a s

1954. E. R. Guthrie: A p s i c o l o g ' E. Skinner: O c o m p o r t a m

ia

d o e n s in o .

e n t o v e r b a l.

Nova Iorque. 1953. Nova Iorque. 1957,

d a p s ic o lo g ia .

1898

d a a p r e n d iz a g e m

.

Nova Iorque,

O Desenvolvimento do Psiquismo

157

aprendizagem humana faz intervir fatores particulares, como a "vontade de aprender”)60. Na maioria das vezes, para os investigadores, o principal fator que “humaniza” o comportamento é constituído pela palavra. A adição ao estágio do homem, da palavra (e, por consequência, dos sistemas exterior e interior de comportamento verbal) é considerado como satisfatória das aptidões especificamente humanas: a aptidão para distinguir os fins, para planificar as ações, para governar os movimentos. E verdade, como com bastante justiça lembrou í. Nuíin61, que desde a aurora das idéias do behaviorismo Thorndik se precavera contra a adjunção mecânica da palavra ao comportamento animal para explicar as particularidades especificamente humanas. O homem, escrevia ele na sua primeira monografia, não é um animal munido de palavra tal como o elefante não é uma vaca munida de tromba. Isso não o impediu, todavia, de afirmar que o homem se caracteriza pelo aperfeiçoamento das aptidões psíquicas que possui já o animal e que a evolução do comportamento consiste sempre “numa complicação quantitativa do processo de ligação instaurado entre a situação e a reação de resposta, processo que se encontra em todos os vertebrados e mesmo os animais inferiores, da lampreia ao homem Esta démarche, não supera o quadro do problema da adaptação do organismo, ao meio. mantém-se no estrangeiro num grande número de trabalhos contemporâneos; mesmo para um problema tão especificamente humano como o da personalidade. A personalidade humana é neles considerada como um organismo, como o produto da integração de todos os atos de adaptação ao meio físico e sobretudo ao meio social, como o produto de ligações “intercorrelativas” que constituem um sistema global qüe se forma na luta pela sobrevivência. Em resumo, esta concepção da

■R e s u m o d o s r e c e n te s t r a b a l h o s a m e r ic a n o s s o b r e o s p r o b l e m a s d o e n s in o (c f. K. R .

Peoria do ensino , N o v a I o r q u e . 1 9 4 8 ) . L . I'. T h o r p e , A . M . S c h m u lle r : Teonas comparativas do ensino. N o v a I o r q u e , 1 9 4 5 , S. S . S te v e n s : Manual de psicologia experimental, N o v a I o r q u e , 1 9 4 5 . 1. Nutíin: Tarefa, êxito e fracasso. I.ovaina, 1953. " E. T h o r n d i k e : O ensino no homem. M o s c o u . 1 9 3 5 ( e m l ín g u a r u s s a ). Ililg ard .

158

O Desenvolvimento cio Psiquismo

personalidade pode ser formulada nestes termos: a psicologia da personalidade tem por objeto dc estudo o organismo humano individual; este organismo nada mais é que a história das suas adaptações. F.sla concepção que encara as relações mútuas existentes entre o homem e a sociedade de maneira naturalista, isto é, por analogia com as relações mútuas que existem entre o animal e o meio, é das concepções que estão na base do ponto de vista pragmático em teoria do conhecimento. Se realmente a vida se reduz, para o homem, cm efetuar atos cujo único fim é a sobrevivência, devemos admitir que o fundamento supremo do comportamento e do conhecimento é a sua utilidade. O êxito, o efeito positivo (ef. a "lei do efeito”) é nesta ótica, o único critério de adequação e de justeza: só é justo e verdadeiro o que conduz ao sucesso. Aqui reside a principal tese de todo o pragmatismo. O utilitarismo e o pragmatismo são a consequência necessária da transferência mecânica, para o homem, das relações biológicas; com efeito, os animais são realmente “pragmáticos práticos”, no sentido em que a regulação do seu comportamento não tem outro fundamento a não ser a utilidade biológica. Mas eles não têm que resolver os problemas que se põem ao homem c à humanidade. A démarche naturalista torna impossível a explicação científica da verdadeira especificidade da atividade e da .consciência humana; mas, por outro lado, reforça retrospectivamente as concepções erradas em biologia. O regresso ao mundo animal a partir do comportamento humano, cujas particularidades aparecem, com esta démarche, como fundamentalmente indiscernívets, reforça inevitavelmente, na própria biologia a idéia da existência de um princípio incognoscível. Esta démarche sustenta na teoria da evolução, mas desta vez “de cima”, as concepções metafísicas e idealistas que postulam tanto um misterioso movimento “instintivo' dos prolongamentos neurônicos, isto é, a existência de uma enteléquia, como uma tendência universal para a “forma perfeita”, ou seja, a existência de inclinações profundas agindo eternamente etc.

O Desenvolvimento do Psiquismo

159

2. A c o r r e n te s o c io ló g ic a e m p s ic o lo g ia

Os trabalhos da psicologia em que o homem é considerado antes de mais nada como um ser social e que procuram revelar as particularidades tjiie lhe são inerentes, na história da sociedade, traduzem uma concepção totalmente diferente. Elas constituem a tendência histórica e sociológica da psicologia, distinta da corrente naturalista e biológica. Esta corrente sociológica encontra-se sobretudo na literatura científica francesa. A tese da partida c que a sociedade forma a natureza humana, isto quer dizer que “a sociedade é. portanto, o principio da explicação do indivíduo6” ’. Aqui as divergências concernem cm primeiro lugar à concepção do desenvolvimento da sociedade que permanece idealista na maioi paite dos autores estrangeiros. A segunda divergência de opiniões, que aliás decone da primeira, refere-se à compreensão do processo de “socialização do indivíduo. Alguns autores como E. Durkhein’1, M. Halbwachs' e outros apresentam este processo dc acordo com a sua orientação sociológica, como o resultado da comunicação intelectual, verbal entre os homens e os seus semelhantes, como o resultado da apropriação dos ‘ conceitos sociais ou “representações coletivas”; assim, a sociedade apareceria primeiro, nos trabalhos destes autores c de outros da mesma escola, como consciência da sociedade e do indivíduo humano mais como um ser ”de relação do que como ser social agindo praticamente. Todavia, os trabalhos desta corrente trouxeram uma contribuição preciosa, muitas vezes subestimada, à psicologia, notoriamente no que respeita ao problema do desenvolvimento das formas sociais da memória humana, da noção dc tempo, do pensamento lógico em ligação do desenvolvimento da linguagem, da

# G . D um as:

11 li.

Traité de psychologie,

D u r k h e im :

t. II. P a r i s . 1 9 2 4 . p . 7 6 6 .

A s r e g r a s d o m é to d o s o c io ló g ic o

f,‘ M . H a l b w a c h s :

O s q u a d r o s s o c ia is d a m e m ó r ia

, P a r is , 18 9 5 . . P a r is . 1 9 2 5 .

O Desenvolvimento do Psiquismo

O Desenvolvimento do Psiquismo

161)

origem dos sentidos superiores e dos comportamentos ditos sociais diversos hábitos, costumes, cerimônias etc. (P. Janet)* 66 Do ponto de vista que nos interessa, as notáveis investigações de J. Piaget, consagradas ao desenvolvimento psíquico da criança67, tem uma significação particular, dupla na minha opinião. Penso, por um lado, na sua teoria gera! do desenvolvimento, dos conceitos de organização, de assimilação e de acomodação como conceitos de base e, por outro lado, no fato de éle considerar o desenvolvimento psíquico como o produto do desenvolvimento das reações do indivíduo com as pessoas que o rodeiam, com a sociedade, relações que transformam e reorganizam a estrutura dos processos de cognição iniciais da criança. Tomemos um exemplo: .1. Piagei pensa que a etapa principal na formação da lógica infantil — o aparecimento de sistemas ligados a operações intelectuais — é produto da cooperação exterior aparecida na vida social, transferida para o plano interior. Sem cooperação com os outros, escreve Piaget, o indivíduo não poderia reorganizar as suas operações num todo coerente. A dualidade da concepção de Piaget cria uma série de dificuldades maiores, uma das quais encontra expressão no fato de a transformação social em questão não aparecer verdadeiramente a não ser em etapas relativamente tardias do desenvolvimento ontogênico c não concernir senão aos processos superiores. Entre os numerosos trabalhos estrangeiros que enumeramos e em outros consagrados à análise da natureza histórica e social das proprie dades e faculdades do homem, convém notar a presença de tendências inegavelmente progressistas e materialistas. Em primeiro lugar, a tendên­ cia para considerar o aspecto social do homem não abstraindo das suas particularidades naturais e da sua organização neurofisiológica, mas como produto da transformação histórica do sujeito material e corporal na unidade das suas propriedades corporais e psicológicas. Esta tendência está

representada da maneira mais nítida na psicologia moderna francesa, nos trabalhos de H. Wallon6S e dos investigadores da sua escola. Em segundo lugar, é a tendência para superar o socioiogismo abstrato e idealista na concepção histórica do psiquismo humano. Encontramo-la nos trabalhos de autores que, partindo de uma concepção materialista da sociedade, sublinham o caráter concreto e dinâmico da atividade psicológica do homem (G. Politzer)6''. [gualmente importante c a tentativa de introduzir na corrente histórico-social atual da psicologia a teoria segundo a qual o trabalho, transformando a natureza exterior e produzindo o mundo dos objetos humanos materiais e intelectuais, transforma ao mesmo tempo a própria natureza do homem e cria a consciência humana (I. Meyerson' ). Estas duas tendências que acabamos de esboçar — abordagem naturalista e abordagem histórico-social do psiquismo humano — conser­ vam todavia, de fato, na psicologia estrangeira contemporânea, a separação dos dois domínios que remonta à classificação das ciências de Bacon, em que se atribui uma parte da psicologia à investigação análomo-fisiológica e outra parte à sociologia. Esta dualidade, como se sabe, reproduziu-se até o infinito: quer na oposição entre psicologia experimental, fisiológica e psicologia teórica, metafísica, quer na oposição entre psicologia “explicativa” e psicologia descritiva ou “compreensiva”, quer na oposição entre psicologia do comportamento e psicologia subjetiva fenomenal etc. No decurso da evolução da ciência psicológica, o isolamento recíproco destes dois tipos de concepção do psiquismo foi. é certo, apenas relativo, pois as pesquisas concretas, se bem que emanado de posições e de correntes opostas aprofundavam finalmente os mesmos fenômenos psicológicos; objetivamente isso ofereceu a possibilidade de suprimir a dicotomia da psicologia, mas será necessário ura trabalho teórico mais H. Wallon: D e / ’a c t e à l a p e n s e é , Paris, Flammarion, 1942. 66 Ci. Politiser: C r i t i c a d o s f u n d a m e n t o s d a p s i c o l o g i a c o n t e m p o r â n e a 70 1. Meversom: “Temas novos da psicologia objetiva", J o u r n a l d e p s y c h o l o g i e n o r m a l e t p a t h o l o g i q u e . 1954. “0 trabalho, função psicológica. O trabalho, os ofícios, o emprego", 1955.

68 C f . 1,6 P. J a n e t:

A

e v o lu ç ã o

e v o lu ç ã o p s ic o ló g ic a

d a

m e m ó r ia

e d a

d a p e r s o n a lid a d e .

6 '.l. P ia g e i:

A fo rm a ç ã o

d o

s ím b o lo

N e u c h â le l -

Paris. 1947;

D a

ló g ic a

na

n o çã o

d o

te m p o .

P a r is . 1 9 2 8 : d o m e s m a a u to r ; .1

Paris. 1929. c r i a n ç a . Paris. 1945: A

d a c r ia n ç a

à ló g ic a

p s ic o lo g ia

d o a d o le s c e n te

,

d a

in te lig ê n c ia

Paris, 1955.

161

4' 162

O Desenvolvimento do Psiquismo

importante ainda para o alcançar definitivamente. Nem o materialismo mecanicista nem o idealismo estão em estado de orientar a pesquisa psicológica de maneira a criar uma ciência única da vida psíquica do homem. Este problema só pode ser resolvido sobre a base de uma concepção do mundo filosófico que estenda a explicação científica e materialista tanto aos fenômenos naturais como aos fenômenos sociais. Existe uma única concepção do mundo que responde a este objetivo; a filosofia do materialismo dialético.

3 . O d e s e n v o lv i m e n to d a “ d é m a r c h e ” h is tó r ic a na p s ic o lo g ia s o v ié tic a

Desde a sua origem, a psicologia soviética entregou-se a tarefa de elaborar uma ciência psicológica na base do materialismo dialético, do Marxismo. Tomou, portanto, imediatamente consciência da importância decisiva do problema da determinação sócio-histórica do psiquismo humano. Por essa razão, os primeiros trabalhos de psicologia soviética avançaram, por um lado, com a tese do psiquismo como função de um órgão material, o cérebro que se exprime no reflexo da realidade objetiva; e por outro lado, estes primeiros trabalhos avançaram fortemente a tese do papei do meio social e da determinação histórica concreta dc classe do psiquismo humano71. Não há necessidade de mostrar em detalhe quanto esta tarefa dos psicólogos soviéticos é complexa ou de falar do longo trabalho sistemático necessário para a levar a bom termo, mesmo numa primeira aproximação. É muito natural, portanto que as primeiras tentativas dos investigadores para elaborar uma psicologia Marxista se tenham limitado ao estabelecimento dos princípios extremamente gerais respeitantes à concepção materialista do psiquismo e à crítica do idealismo militante em

' CT. A . A . S in i m o v :

4 0 a n o s d e p s ic o lo g ia s o v ié t ic a .

" V o p ro s s y p s ik h o lo g u ii . 1 9 5 7 . N ° 5

3

O Desenvolvimento do Psiquismo

163

psicologia ' . Os trabalhos desta época trataram iguaimente do problema da determinação social do comportamento humano. Em 1924. K. N. Kornilov, que defendia ainda posições “reatológicas”, escrevia a este propósito: “Não devemos ir da psicologia individual à psicologia social, mas ao contrário...", e “só a partir da base dos fatores sociais motores compre­ enderemos a psicologia individual de que trata a psicologia empírica”. Ao dizer isto, coloca-se resolutamente em guarda contra o reconhecimento da “onipotência do método naturalista” em psicologia7’ . Todavia, o problema metodológico maior, a saber o de uma demarche única para o estudo do psiquismo humano, não estava resolvido. O fato era manifesto no manual publicado por K. N. Kornilov nesta época74, em que ele defendia a tese dos dois fatores (biológico e social) que determinam o comportamento humano e citava ingenuamente, ao lado da sua descrição das relações elementares as características psicológicas dos representantes das diversas classes sociais no espírito de Sombart. Uma nova etapa no estudo do problema do determinismo sóciohistórico do psiquismo humano foi marcada pelos trabalhos de L. S. Vygotski. Foi ele o primeiro entre nós (em 1927) a exprimir a tese de que a demarche histórica devia tornar-se o princípio diretor da edificação da psicologia do homem. Efetuou a crítica teórica das concepções biológicas naturalistas do homem e opôs-lhe a sua teoria do desenvolvimento histórico e cultural. O mais importante é que introduziu na investigação psicológica concreta a idéia da historicidade da natureza do psiquismo humano e a da reorganização dos mecanismos naturais dos processos psíquicos no decurso da evolução sócio-histórica e onlogênica. Vygotski interpretava esta reorganização como o resultado necessário da apropriação*73

C f. P . P. B lo n s k y : Ensaio de psicologia científica , M o s c o u , 1 9 2 ! ; K . N . K o r n ilo v : Psicologia contemporânea e Marxismo, L e n in g r a d o , 1 9 2 4 . 73 K . N . K o r n i l o v : Psicologia e Marxismo. R e c o lh a “ p s i c o lo g i a c m a r x i s m o " . M o s c o u , 1 9 2 5 ; I,. S . V y g o t s k y : A psicologia e a teoria da localização. " T e s e s d o p r i m e ir o c o n g r e s s o

12

u c ra n ia n o d e n e u ro p s ic o lo g ia ” , K h a rk o v , 1934. 7,1 C f. K . >1. K o r n ilo v :

Manual de psicologia.

d i a lé tic o , L e n i n g r a d o , 1 9 2 6

E x p o s to d o p o n to d c v i s t a d o m a t e r i a l i s m o

164

O Desenvolvimento do Psiquismo

pelo homem dos produtos da cultura humana no decurso dos seus contatos com os seus semelhantes. Como se sabe, Vygotski tomou como base das suas investigações as duas hipóteses seguintes: as funções psíquicas do homem são dc caráter mediatizado; os processos interiores intelectuais provêm de uma atividade inicialmente exterior, “interpsicológica”. Segundo a primeira destas duas hipóteses, as particularidades especificamente humanas do psiquismo nascem da transformação dos processos, anteriormente diretos, “naturais”, em processos mediatizados, graças à introdução, no comportamento, de um nó intermediário (“estímulo-médio”). Daqui resulta a reunião no cérebro de elementos simples numa “unidade” nova. Assim se cria um processo global que se pode representar pelo esquema seguinte:

B F ig , 2 0 . B l o c o - e s q u e m a d a in s ta la ç ã o e x p e r im e n ta l.

A-B simboliza o novo processo mediatizado, A-X c X-B representam as ligações elementares que se criam a título de instauração dos reflexos condicionais. Numa memorização mediatizada, por exemplo, as ligações elementares que sc instauram unem-se estrutural mente por

O Desenvolvimento do Psiquismo

165

meio de um signo mnemotccnico X; em outros casos este papel volta à palavra '. Assim, Vygotski não via a originalidade da atividade psíquica do homem em relação à do animal apenas na sua complexidade quantitativa e na mudança do próprio conteúdo objetivo que ela reflete, mas antes de tudo na transformação da sua estrutura. A segunda hipótese de L. Vygotski não era menos importante: a estrutura medial macia do processo psíquico forma-se inicialmente nas condições em que o nó mediatizante tem a forma de estímulo exterior (em que, por consequência, o processo correspondente tem, também ele, uma forma exterior). Isto permitiu compreender a origem social da nova estrutura que não surge do interior, não se inventa, mas se forma necessariamente na comunicação que no homem é sempre mediatizada. Assim, por exemplo, o processo voluntário da “efetuação de uma ação é inicialmente mediatizada por um sinal exterior, pdo qual um outro homem age sobre o comportamento do sujeito que efetua a ação considerada. Neste estágio de formação, a estrutura mediatizada não caracteriza o processo realizado pelo sujeito agente, mas o processo “interpsicológico” correspondente, isto é, o processo no seu conjunto, no qual intervêm tanto à pessoa que reage ao sinal realizando a ação como a outras pessoas que dão o sinal. Só posteriormente, quando numa estrutura análoga o sinal cie partida começa a ser dado pelo próprio sujeito agente (“auto-comando”), é que o processo adquire um caráter mediatizado “inírapsicológico”. isto é, integralmente realizado por um só homem; nasce assim a estrutura elementar da ação voluntária, o ato de vontade. Por outras palavras, a estrutura mediatizada dos processos psicológicos aparece sempre a partir cia apropriação por um indivíduo das formas de comportamento que foram inicialmente formas e comportamento imediatamente social. Ao fazê-lo, o indivíduo assimila o nó (“estímulo-médio”) que mediatiza o processo considerado; este pode ser um meio material (um instrumento), conceitos verbais socialmente 75 L S. Vygotski: “Problema do desenvolvimento cultural dá criança.” Journal of Gênetic 1’sychology (Jornal de psicologia genética), 1929. n” 3,

(

166

O Desenvolvimento do Psiquismo

elaborados ou qualquer outro sinal. Assim se introduz em psicologia uma nova idéia capital, a tese de que o principal mecanismo do desenvolvimento psíquico no homem é o mecanismo da apropriação das diferentes espécies e formas sociais de atividade, historicamente constituídas. Uma vez que a atividade só pode efetuar-se na sua expressão exterior admitiu-se que os processos apropriados sob a sua forma exterior sc transformavam posteriormente cm processos internos, intelectuais. Devemos, porém, dizer que as idéias avançadas na época por L. S. Vygotski não constituem um sistema psicológico acabado. Elas exprimem mais a abordagem do problema que a sua solução76. O estudo do problema da consciência e da atividade humanas constitui um outro aspecto do princípio da historicidade do psiquismo humano. É a teoria de Marx sobre a transformação da natureza humana no decurso do processo de desenvolvimento da atividade material c intelectual da sociedade, a fonte direta do aparecimento deste problema. O artigo de S. L. Rubinstein, consagrado aos problemas de psicologia nas obras dc Marx77e aparecido em 1934, foi um marco importante no estudo deste problema, infelizmente, não suscitou toda a atenção que merecia'8. Mais tarde, apoiando-se na fórmula célebre de Marx a propósito da indústria, “esta psicologia concretamente presente”, S. L. Rubinstein, propôs nos Fundamentos da Psicologia (1935), a tese segundo a qual a psicologia estuda as particularidades psicológicas da atividade que inclui nas suas investigações também a atividade ou o comportamento 79. Esta formulação foi em seguida modificada pelo autor. Num artigo teórico aparecido em 1940, Rubinstein insistiu sobre a idéia de que a psicologia estuda “não o psiquismo e a atividade, mas o psiquismo na atividade” e*7 76Poder-se-á encontrar uma análise c uma apreciação mais completa dos trabalhos de L. S. Vygotski na introdução de A. N. Leontiev - A. R. Louria à ultima edição da obra A l g u m a s e x p e r i ê n c i a s p s i c o l ó g i c a s . L. S. Vygotski, Moscou 1956. Ver igualmente A. N. Leontiev e 1.. S. Vygotski, A n e u r o f i s i o l o g i a c o n t e m p o r â n e a , 1934, n° 6. 7Cf. S. L. Rubinstein: P r o b l e m a s d e p s i c o l o g i a n a s o b r a s d e M a r x , “Psicotécnica”, 1934. ?sO: significado essencial deste artigo foi apenas notado, tanto quanto sei. na obra dc B. M. Templov: T r i n t a a n o s d e c i ê n c i a p s i c o l ó g i c a s o v i é t i c a , M o s c o u , 1 9 4 7 . 7’S.L. Rubinstein: O s f u n d a m e n t o s d a P s i c o l o g i a , Moscou, 1935, (cm língua russa).

O Desenvolvimento do Psiquismo

16 7

que “toda a psicologia que compreende o que laz estuda o psiquismo e apenas o psiquismo80”. Mas se bem que o autor, nos seus trabalhos ulteriores, tenha várias vezes fornecido esclarecimentos que o salvaguardavam contra uma eventual interpretação simplista das suas tesess! , estas foram muitas vezes compreendidas dc tal maneira que perdiam praticamente o seu sentido fundamental. Pilas foram de lato suplantadas por uma concepção essencialmente diferente, segundo a qual os processos psíquicos se manifestam na atividade e dependem da atividade; foi notoriamente a posição característica adotada nos manuais universitários dessa época. A esta posição opunha-se principalmente a concepção genética, histórica, do problema da atividade psíquica que prosseguia a investigação no sentido indicado por Vygotsky. Esta concepção considerava a atividade psíquica como uma forma particular de atividade — produto e derivado do desenvolvimento da vida material, da atividade exterior material, que se transforma no decurso do desenvolvimento socio-histórico em atividade interna, em atividade da consciência; assim, o problema essencial continuava a ser o do estudo da estrutura da atividade e da sua interiorização. Convém notar que se concedia muito menos atenção aos mecanismos fisiológicos nas investigações orientadas para a análise do problema da atividade, como aliás na maioria dos trabalhos psicológicos dos anos 40, por exemplo, do que nas primeiras obras “histórico-culturais” de L. S. Vygotski. Razão pela qual a importância que tomou posteri­ ormente, em psicologia, a fisiologia da atividade nervosa superior, elaborada por L. Pavlov, veio a colocar o estudo do problema da natureza socio-histórica do psiquismo humano em face dc dificuldades muito sérias que não era possível evidentemente superar de imediato. Por outro lado, este problema fundamental da psicologia Marxista encontrava-se de certo modo relegado para segundo plano. Limitava-se*81 *°S.L. Rubinstein: Reflexões sobre a psicologia, “ M e m ó r i a s do Instituto Pedagógico A. 1. I l e r z e m , de Leningrader’, t. XXXIV , Leningrado, 1 9 4 0 ( c m língua r u s s a ) . 81 Cf. S. L. Rubinstein: Os Fundamentos da psicologia geral. Moscou, 1948.

168

O Desenvolvimento do Psiquismo

essencialmente ao estudo do papel da palavra (segundo sistema de sinalização) no comportamento. Naturalmente que continuava em vigor a tese do caráter histórico e da essência social do homem e da sua essência, mas unicamente nas declarações e principalmente em relação a problemas psicológicos como os dos traços sociais da personalidade, do sentimentos superiores, da vontade moral etc. Assim reapareceu uma nova alternativa que, não obstante, se verificou falsa, como o testemunha o conjunto da experiência acumulada pela psicologia científica. Duas possibilidades se ofereciam: em primeiro lugar, um estudo psicológico “a partir de cima’ , o estudo dos problemas mais complexos, especificamente humanos. Mas então a investigação entrava fatalmente, em seguida, no domínio das concepções puramente descritivas que só podiam pôr-se em ligação com conceitos explicativos relativos aos mecanismos de processos mais elementares à custa de interpretações totalmente arbitrárias. A segunda possibilidade consistia em partir '"de baixo”, isto é, do estudo analítico ou genético das relações e processos mais simples. Sc partirmos da doutrina pavloviana, tratamos de relações de sinalização e de processos correspondentes de formação de ligações ou associações condicionais. Evidentemente, poder-se-ia exigir do investigador que não perdesse de vista que o homem é um ser antes de mais nada social etc., mas esta exigência não podia ser realmente respeitada, pela simples razão de que os conceitos de base são tirados de um sistema de relações fundamentalmente diferentes do sistema das relações homem-sociedade. Por tal razão, não se pôde resolver, radicalmente, o problema c superar a dualidade da psicologia tentando complexi ficar e enriquecer estes conceitos para os aplicar ao homem, integrando, por exemplo, o índice de atividade no conceito de adaptação ou a qualidade da sociatidade, de caráter de classe e atividade (aqui, ações educativas orientadas para os indivíduos) no conceito de meio etc. Esta dualidade tornou-se um hábito tal que, em artigo relativamente decente, consagrado às discussões em psicologia, se tentou justificar teoricamente a divisão dos problemas psicológicos em duas espécies: os problemas estudados na base da doutrina

O Desenvolvimento do Psiquismo

169

pavloviana e os problemas estudados na base do materialismo histórico8 . Evidentemente que a verdadeira tarefa da psicologia consiste, pelo contrário, em aplicar uma démarche única a todos os problemas da psicologia humana e inseri-los assim num sistema unificado da ciência. Esta tarefa é Sioje de grande atualidade, segundo penso, pois se renunciássemos a ela criaríamos em psicologia as condições favoráveis ao desenvolvimento de todas as tendências que apoiam objetivamente as concepções naturalistas positivistas.

4. í) indivíduo e o meio, o homem e a sociedade

Não há necessidade de mostrar as vantagens reais que apresenta a démarche “a partir de baixo”, isto é que parte dos mecanismos elemen­ tares. Todavia, esta démarche, como vimos, choca com sérias contradições. A primeira surge quando nos esforçamos por estudar o comportamento humano no quadro do problema clássico da adaptação ao meio exterior c do equilíbrio com ele. A contradição reside em que, por um lado uma investigação psicológica feita no quadro do problema da interação entre o meio e o organismo dá resultados muito limitados e, por este fato, inadequados; por outro lado, não podemos negligenciar este problema da interação, pois o homem é um ser natural e não está evidentemente isento de interação com o meio. Não podemos, portanto, pôr o problema nestes termos: devemos ou não estudar este problema em psicologia humana? A questão deve ser formulada assim: que conteúdo novo adquire o problema "organismo-meio’ quando o aplicamos ao homem, isto é, quando a questão fundamental se torna a relação "homemsociedade”? Todavia como o testemunham os esforços desenvolvidos para encontrar no problema "organismo-meio” um novo conteúdo adequado ao nível do homem, é impossível chegar a uma solução se permanecermos Cf. "Questões filosóficas da psicologia", Voprossy lilosoíli. 1954, n" 4 (em língua russa).

170

O Desenvolvimento do Psiquismo

nos limites do problema considerado. Para o tratar a este novo nível, devemos previamente estudar a questão da relação que existe entre as propriedades da espécie e as dos indivíduos que a compõem. Sabendo como a psicologia em geral ignora o problema da espécie e do indivíduo, é indispensável que nos demoremos um pouco sobre o conteúdo deste problema enquanto problema geral da biologia. A definição mais simples da espécie (definição descritiva) é a seguinte: a espécie é o conjunto dos seres mais próximos uns dos outros. A teoria da evolução forneceu à noção de espécie um sentido filogenético: a espécie é uma etapa do desenvolvimento e o reflexo de toda a evolução anterior83. A realidade da existência da espécie enquanto fenômeno filogenético reside em que as propriedades desta se transmitem por hereditariedade de geração em geração e são reproduzidas pelos diferentes organismos que a compõem. “Se não houvesse hereditariedade, não haveria espécie. Todos os indivíduos que colocamos numa mesma espécie pertencem a esta, precisamente porque têm em comum um certo número de propriedades que herdaram de um parente comum 8,1”. Por outro lado, no plano do organismo, os diferentes organismos, (indivíduos) são em relação à sua espécie a reprodução das suas propriedades. Esta reprodução é um traço necessário e comum a todos os organismos; é este mesmo fato que exprime a sua natureza. Assim, o problema da natureza de todo o ser vivo é o das suas propriedades intrínsecas que exprimem as particularidades da sua espécie. Dito por outras palavras, a natureza do indivíduo é determinada pela sua pertença a espécie e é o reflexo do estado atingido nesta época pela evolução filogenética. Deste ponto de vista, o desenvolvimento ontogênico do organismo que se realiza num processo de inter-relações com o meio, é afinal a realização das suas propriedades específicas. Razão por que (e quando se conhecem as posições simplistas de certos autores, é importante notá-lo) 83 t'f. Darwin: A origem das espécies, Moscou, 1952. [F.xiste edição portuguesa.) i"1*V, !.. Komartív: A noção de espécies vegetais. Moscou, 1944.

O Desenvolvimento do Psiquismo

171

um estudo da interação do meio exterior e dos diferentes organismos que não leve em conta a própria natureza destes organismos, é uma abstração absolutamente ilegítima. Com efeito, o que é o seu meio para o organismo c como este meio se manifesta para ele, isso depende da própria natureza do organismo em questão; desta natureza dependem igualmente as transformações que ele pode sofrer ontogenicamente, sob a influencia do meio. É isto que assegura a sucessão das gerações, o movimento da evolução filogenética. O indivíduo humano, como qualquer ser vivo, reflete nas suas particularidades próprias os caracteres da sua espécie — os adquiridos durante o desenvolvimento das gerações anteriores. Quando dizemos que certas formas de comportamento, como a palavra, a consciência etc., são especificamente inerentes ao homem, pensamos precisamente nas particularidades formadas filogeneticamente no decurso da evolução do homem enquanto espécie “homem”,-enquanto gênero humano (a Menschengattung em Marx). Assim, o problema consiste em explicar as particularidades específicas do indivíduo humano, a sua atividade e o seu psiquismo, analisando a relação c a ligação que existem entre estas particularidades e as particularidades adquiridas durante o desenvolvimento das gerações anteriores do homem, do desenvolvimento da sociedade. Como se sabe, Marx foi o primeiro a dar a este ponto de vista uma análise científica da natureza do homem, ser ao mesmo tempo natural e social. A sua descoberta foi da maior importância para a psicologia.5

5. ü desenvolvimento biológico e sócio-histórico do homem Encontramos ainda, bastante frequentemente, a concepção do desenvolvimento filogenético do homem como um processo ininterrupto, regido pelas leis da evolução biológica. A descrição dos homens fósseis, dos mais antigos aos mais recentes, constitui à primeira vista um quadro bastante convincente das variações morfológicas progressivas que se

172

O Desenvolvimento do Psiquismo

operavam até o homem moderno e se prolongarão no futuro, talvez mesmo com a perspectiva do aparecimento de uma nova espécie dc homens, qualquer Homo fui urus. Fsta concepção está ligada à convicção de que a evolução humana, obedecendo às leis biológicas, se estende a todas as etapas do seu desenvolvimento no seio da sociedade. Supõe que a seleção e a hereditariedade dos caracteres biológicos, que asseguram a adaptação constante do homem às exigências da sociedade, prossigam mesmo em condições novas. • A paleantropologia moderna progressista está em contradição flagrante com esta concepção da antropogênese e suas conclusões grosseiramente biologizantes. A teoria segundo a qual o desenvolvimento filogenético do homem é formado por uma série de estágios sucessivos fundamentalmente diferentes,> sobre os quais agem leis diferentes*5, forneceu uma contribuição bastante importante à teoria científica da antropogênese. O primeiro destes estágios é o que prepara a passagem ao homem. Começa no fun da era terciária e prossegue até ao princípio dó-quaternário, quando aparece o pitecantropo. Os representantes deste estágio — os australopitecos — eram símios que viviam sobre a terra em hordas; caracterizavam-se pela posição vertical e pela sua aptidão para efetuar operações manuais complexas, o que tornava possível o uso dc instrumentos rudimentares, muito pouco elaborados. As relações complexas que existem no seio da horda obrigam-nos a admitir a existência entre eles de meios elementares de comunicação. O segundo estágio, estágio do pitecantropo (protoantropiano), e o terceiro, o do homem de Neanderthal (paleantropiano) poderiam ser qualificados de estágios de transição para o do homem moderno (neantropiano). A fronteira qualitativa que separa estes estágios do estágio preparatório anterior consiste no aparecimento, nos pitecantropos, da85 85 Cf. i. I, Roguinski, M G. Lévine: As bases ela antropologia. Moscou, 1955 (em língua russa).

Q Desenvolvimento do Psiquismo

173

confecção dc instrumentos e de uma atividade coletiva primitiva utilizando os instrumentos; isso significa que neste estágio estavam em vias de sc criar as formas embrionária do trabalho c da sociedade, liste lato modificou fundamentalmente o curso da evolução. As únicas leis da evolução no estágio dos australopitecos eram as leis da evolução biológica. Elas conservam toda a sua forma nos estágios do protoantropiano e do paleantropiano. Nestes estágios, também, o, desenvolvimento é constituído por uma série de variações morfológicas bem conhecidas, como as importantes modificações do endocrânio, superfície interior da cavidade craniana“’. As transformações morfológicas fixadas pela hereditariedade, que se operavam em ligação com o desenvolvimento da atividade do trabalho e da comunicação verbal, isto é, sob a influência de fatores já sociais, obedeciam também, evidentemente, as leis estritamente biológicas. O problema é completamentc outro no que concerne ao desenvolvimento da própria produção social e dc todos os fenômenos que ela engendra. Com efeito, este desenvolvimento não é agora regido senão peiás leis sociais, leis socio-históricas, leis fundamentalmente novas. Os indivíduos, tornados sujeitos de um processo social, obedecem, portanto, doravante, simultaneamente à ação de leis biológicas (graças as quais se produzem as transformações morfológicas ulteriores, tornadas necessárias pelo desenvolvimento da produção e da comunicação) c à ação das leis sociais (que regem o desenvolvimento da própria produção social). 1’ode-se dizer que nestes estágios intermediários as novas leis sociais se manifestavam relativamente pouco, limitadas que eram pelos progressos da evolução biológica no decurso da qual se estava formando o homem propriamente dito -—- o Homo sapiens. À medida que se desenrola este processo, as leis tomam maior importância e o ritmo do desenvolvimento

" ' F. Tilney: T h e B n t i n f r o m !•'. Nèstourkh: l . ' o r i g i n e d e l

A pe

10

'h o m m e ,

[O cérebro do iiiacaco ao homem], 1. 2, 1928: M. Ed. de Moscou {cm língua francesa).

M a n

174

O Desenvolvimento do Psiquismo

social do homem depende cada vez menos do seu desenvolvimento biológico87. O segundo momento crítico na filogênese do homem situa-se quando da passagem ao estado neantropiano, isto é, ao estágio do homem inteiramente formado biologicamente, o homem moderno. Esta viragem manifesta-se no fato de o desenvolvimento soei o-histórico do homem estar doravante totalmente liberto da sua antiga dependência em relação ao seu desenvolvimento morfológico: é a nova era da dominação das leis sociais apenas. “Do outro lado da fronteira, isto é, no homem em formação, a atividade de trabalho estava em relação estreita com a sua evolução morfológica. Deste lado da fronteira, isto é, no homem “terminado”, a atividade de trabalho desenrola-se independentemente do seu progresso morfológico” 88 (Roginski). Assim, a partir do homem dc Cro-Magnon, isto é, do homem em sentido próprio, os indivíduos possuem todas as propriedades morfológicas indispensáveis ao desenvolvimento socio-histórico ilimitado do homem, processo que não exige doravante modificação da natureza hereditária. Eis como se apresenta verdadeiramente o curso real do desenvolvimento do homem durante as dezenas de milênios que nos separam do primeiros representantes do tipo Homo sapiens: por um lado, transformações extraordinárias de uma importância sem precedentes e feitas segundo ritmos cada vez mais rápidos, das condições e do modo de vida humanos; por outro lado, a estabilidade das particularidades morfológicas humanas, cuja variação não ultrapassa as simples variantes que não têm qualquer significado adaptador socialmente essencial89. 87 Como sublinha 1. I. Roguinski trata-se aqui de diferentes leis agindo em diferentes esferas e não de leis biossociais intermediárias ou mistas. (Roguinski, M. Lévine: Fundamentos da antropologia. Moscou, 1955) ** Roguinski. M. G. Lévine: Fundamentos da antropologia (em língua russa). B‘J o processo da morfogênese no homem cessa, não, bem entendido, porque a ação da lei da variação e da hereditariedade biológicas cesse, mas porque a seleção na luta pela existência para. “A teoria da luta pela existência, escreve K. A. Timiriazev, detém-se no limiar da história cultural. Toda a atividade racional do homem c uma luta contra a luta pela

O Desenvolvimento do Psiquismo

175

Significaria isto que cessa todo o desenvolvimento filogenético no estágio do homem? Que natureza do homem, enquanto expressão da sua espécie, não se transforma, uma vez formada? Se o admitimos, temos que admitir igualmentc que as faculdades e as funções próprias do homem moderno, como um ouvido fonèmico muito fino, ou a aptidão para o pensamento lógico, são o produto de modificações funcionais ontogênicas (A. N. Seventsov), independentes das características adquiridas durante o desenvolvimento específico, das aquisições das gerações anteriores. É manifesta a ausência de fundamento desta hipótese. /A comunicação pela linguagem ou a aptidão para utilizar instrumentos e utensílios transmite-se evidentemente de geração em geração; neste sentido, elas são propriedades da espécie humana. O indivíduo em quem, por urna razão qualquer, se não formaram na ontogênese propriedades deste tipo (casos análogos ao do famoso Kaspar Hauscr, descritos por vezes na literatura), não pode ser considerado um verdadeiro representante das características do homem moderno, por pouco que dele se distinga pelos seus caracteres morfológicos. Durante o processo do seu desenvolvimento ontogênico, o homem realiza necessariamente as aquisições da sua espécie, entre outras as acumuladas ao longo da era socio-histórica. Todavia as aquisições do desenvolvimento socio-histórico da humanidade acumulam-se e fixam-se sob uma forma radicalmente diferente da forma hiológica sob a qual se acumulam e fixam as propriedades formadas filogeneticamente. Por consequência, a transmissão das aquisições do desenvolvimento histórico da humanidade pode tomar formas muito diferentes segundo os indivíduos. O problema da relação que existe entre as propriedades do indivíduo e as da espécie conserva-se, portanto, no homem; ele tonta todavia um conteúdo totalmente novo. São as particularidades desta relação no homem que vamos estudar agora.

existência." (K.. A. Timiriazev; trechos escolhidos, cm quatro tomos, t. III, Moscou, 1949, em língua russa).

« V

1t ■ «i : »>■•I **

176

O Desenvolvimento do Psiquismo

6. A apropriação pelo homem da experiência socio-histórica No decurso da sua história, a humanidade empregou forças e faculdades enormes. A este respeito, milênios de história social contribuíram infinitamente muito mais que milhões de anos de evolução biológica. Os conhecimentos adquiridos durante o desenvolvimento das faculdades e propriedades humanas acumularam-se e transmitiram-se de gerações em gerações. Por consequência, estas aquisições devem necessariamente ser fixadas. Ora, nós vímos que na era do domínio das leis sociais elas não se fixavam sob a forma de particularidades morfológicas, de variações fixadas pela hereditariedade. Fixavam-se sob uma forma original, exterior (“esotérica”). Esta nova forma de acumulação da experiência filogênica pôde aparecer no homem, na medida em que a atividade especificamente humana tem um caráter produtivo, contrariamente à atividade animal. Esta atividade produtiva dos homens, fundamental entre todas, é a atividade do trabalho. -■ O trabalho, realizando o processo de produção (sob as duas formas, material e intelectual) imprime-se no seu produto. “O que era movimento (Unruhe) no trabalhador, aparece agora no produto como uma propriedade em repouso (ruhende Eigenschaft), como um ser objetivo9, (Marx). O processo que transforma o trabalho, de forma de atividade em forma de ser (ou de objetividade, Gegenständlichkeit), pode estudar-se sob aspectos e relações diversas. Pode-se estudá-lo sob o ângulo da quantidade de força de trabalho e em relação à quantidade produzida, abstraindo do conteúdo concreto do trabalho. Pode-se igualmente estudá-lo sob o ângulo do próprio conteúdo da atividade de trabalho e na sua relação com os indivíduos produtores, abstraindo de todos os outros aspectos e relações. Então, a transformação de que acabamos de falar manifesta-se como um processo de encarnação, de objetivação nos produtos da atividade dos homens, das suas forças e faculdades intelectuais e a história da cultura

' K. Marx. O Capital, ob. eil., t. i.

O Desenvolvimento cio Psiquismo

/ 77

material e intelectual da humanidade manifesta-se como um processo, que exprime sob uma forma exterior e objetiva, as aquisições do desenvolvimento das aptidões do gênero humano. Nesta ótica, pode considerar-se cada etapa do aperfeiçoamento dos instrumentos c utensílios, por exemplo, como exprimindo e fixando em si um certo grau de desen­ volvimento das funções psicomotoras da mão humana, a complexidade da fonética da línguas como a expressão do desenvolvimento das faculdades de articulação e do ouvido verbal, o processo nas obras de arte como a manifestação do desenvolvimento estético da humanidade etc. Mesmo na indústria material ordinária, sob o aspecto de objetos exteriores, estamos perante faculdades humanas objetivadas os das “forças essenciais' (objetivadas) do homem (Wesenkráfte des Menschen). Recordemos uma vez mais que nós não falamos aqui senão de faculdades psíquicas do homem. Evidentemente qne durante o processo de trabalho o homem faz intervir um conjunto de faculdades que se gravam no produto e de que algumas são necessariamente físicas. Todavia, as forças e faculdades físicas apenas realizam sob a forma prática a especificidade da atividade humana do trabalho, aquilo que constitui o seu conteúdo psicológico. Razão por que Marx tala do ser objetivo da indústria como de uma psicologia concretameníe presente, e escreve: "uma psicologia para a qual continua fechado este livro, isto c. precisamente a parte mais concretamente presente, a mais acessível da história, não pode tornar-se uma ciência real e verdadeiramente rica de conteúdo Este pensamento de Marx ioi muitas vezes citado na nossa literatura psicológica, mas dava-se-lhe geralmente um sentido restrito, essencialmente genético, histórico. Na realidade, ele tem uma significação geral e decisiva para a psicologia científica. Esta significação aparece plenamente quando se considera o processo sob um outro aspecto, isto é, não sob o ângulo da objetivação (Vergegenstándigung) das faculdades humanas, mas sob o da sua apropriação (Aneignung) pelos indivíduos.

K.. Marx: Mwntscrits de 1844. Ed. Sodaies. 1962, Paris. p. 95.

O Desenvolvimento do Psiquismo

No decurso do seu desenvolvimento ontogênico “ o homem entra em relações particulares, específicas, com o mundo que o cerca, mundo feito de objetos e de fenômenos criados pelas gerações humanas anteriores. Bsta especificidade c antes de tudo determinada pela natureza destes objetos e fenômenos. Por outro lado, é determinada pelas condições em que se instauram as relações em questão. O mundo real. imediato, do homem, que mais do que tudo determina a sua vida, é um mundo transformado e criado pela atividade humana. Todavia, ele não é dado imediatamente ao indivíduo, enquanto mundo de objetos sociais, de objetos encarnando aptidões humanas formadas no decurso do desenvolvimento da prática sócio-histórica; enquanto tal, apresenta-se a cada indivíduo como um problema a resolver. Mesmo os instrumentos ou utensílios da vida cotidiana mais elementares têm de ser descobertos ativamente na sua qualidade específica pela criança quando esta os encontra pela primeira vez. Por outras palavras, a criança tem de efetuar a seu respeito uma atividade prática ou cognitiva que responda de maneira adequada (o que não quer dizer de maneira forçosamente idêntica) à atividade humana que cies encarnam. Em que medida a atividade da criança será adequada c. por consequência, em que grau a significação de um objeto ou de um fenômeno lhe aparecerá, isto é outro problema, mas esta atividade deve sempre produzir-se. É isto que explica que quando se colocam objetos da cultura material humana na gaiola de um animal, sc bem que eles não percam evidentemente qualquer das suas propriedades físicas, torna-se impossível a manifestações das propriedades especificas que estes têm para o homem, eles aparecem como simples objetos de adaptação ou de equilíbrio, isto é. como elemento do meio natural do animal. A atividade do animal compreende atos de adaptação ao meio, mas nunca atos de apropriação das aquisições do desenvolvimento filogênieo. Estas aquisições são dadas ao animal nas suas particularidades naturais hereditárias; ao homem, são propostas nos fenômenos objetivos do mundo

Considero aqui e mais adiante apenas o período de desenvolvimento pós-natal (A. L.j

O Desenvolvimento do Psiquismo

179

que o rodeia". Para as realizar no seu próprio desenvolvimento ontogênico, o homem tem que apropriar-se delas; só na sequência deste processo —sempre ativo — é que o indivíduo fica apto para exprimir em si a verdadeira natureza humana, estas propriedades e aptidões que constituem o produto do desenvolvimento sócio-histórico do homem. O que só c possível porque estas propriedades e aptidões adquiriram uma forma material objetiva. „ “Só através da riqueza objetivamente desenvolvida do ser humano, escrevia Marx, é que em parte se cultiva em parte se cria a riqueza da sensibilidade subjetiva humana (que um ouvido se torna musical, que um olho percebe a beleza da forma, em suma, que os sentidos se tornam sentidos e se afirmam como faculdades essenciais do homem). De fato, não são apenas os cinco sentidos, mas também os sentidos ditos espirituais, os sentidos práticos (vontade, amor etc.), numa palavra, a sensibilidade humana e o caráter humano dos sentidos, que se formam graças à existência do seu objeto, através da natureza humanizada. A formação dos cinco sentidos é obra de toda história passada”. Assim, o desenvolvimento espiritual, psíquico dos indivíduos é o produto de um processo antes de mais nada particular, o processo de apropriação, que falta no animal, tal como, aliás, o processo inverso de objetivação das suas faculdades nos produtos objetivos da sua atividade . Convém sublinhar que este processo de adaptação individual ao meio natural, pois a extensão sem reservas do conceito de equilíbrio ou de adaptação ao meio ao desenvolvimento ontogênico do homem é quase universalmente admitido. Se se aplica este conceito ao homem sem análise conveniente, apenas estamos a esconder o verdadeiro quadro do desenvolvimento humano.*945

^ ’’Nern a natureza - em sentido objetivo - nem a natureza em sentido subjetivo existem imediatamente de uma maneira adequada ao scr h u m a n o . " M a m i s c r i t s d e 1 8 4 4 . o b . d l 94K. Marx; Manuscrits d e 1 8 4 4 . o h . c i l . p. 94. 95Naturalmente, excluo aqui o caso em que os animais manifestam ''instintos dc construção", pois a sua natureza c evidentemente diferente.

180

O Desenvolvimento do Psiquisnío

Poderemos, por exemplo, tratar em termos dc adaptação ou de equilíbrio a atividade do homem que corresponde à sua necessidade de conhecimentos em relação a um saber objetivo existindo sob a forma verbal e que se torna para ele estimulação, fim, ou simplesmente condição para atingir um fim? Ao satisfazer a necessidade de conhecimentos, o homem pode fazer dc um conceito o seu conceito, isto é, apropriar-se da sua significação; mas este processo não se assemelha de modo algum ao processo de adaptação ou de equilíbrio propriamente dito. “A adaptação ao conceito”, L‘o equilíbrio entre o homem e o conceito” são expressões totalmente desprovidas de sentido. A situação já é diferente nos casos em que os objetos em relação com o homem são objetos materiais, coisas criadas pela atividade humana, como os instrumentos de trabalho. O instrumento não é para o homem um simples objeto de forma exterior determinada e possuindo propriedades mecânicas definidas; ele manifesta-se-lhe como um objeto no qual se gravam modos de ação, operações de trabalho socialmente elaboradas. Por tal motivo, a relação adequada do homem ao instrumento traduz-se antes de tudo. no fato do homem se aproximar, na prática ou em teoria (isto é, apenas, na sua significação), das operações lixadas no instrumento, desenvolvendo assim as suas capacidades humanas ’. Não vá se dizer que o processo é idêntico para todos os outros objetos humanos. A diferença fundamental entre os processos de adaptação em sentido próprio e os de apropriação reside no fato do processo de adaptação biológica transformar as propriedades c faculdades específicas do organismo bem como o seu comportamento de espécie. O processo de assimilação ou de apropriação é diferente: o seu resultado é a reprodução pelo indivíduo, das aptidões e funções humanas, historicamente formadas Pode-se dizer que, é o processo pelo qual o homem atinge no seu desenvolvimento o cpie é atingido, no animal, pela hereditariedade, isto é, a A apropriação cte uma totalidade de instrumentos de produção e já o desenvolvimento de uma totalidade das faculdades nos próprios indivíduos,” (Marx: A Ideologia Alemã, oh

cit.l.

O Qesenvolvimento do Psiquismo

181

encarnação nas propriedades do indivíduo das aquisições rio desenvolvi­ mento da espécie. Às aptidões e funções formadas no homem no decurso deste processo são neoform ações psicológicas, rei ativam ente às quais os mecanismos e os processos hereditários, inatos, não passam de condições interiores (subjetivas) necessárias que tornam o seu aparecimento possível; em nenhum caso determinam a sua composição ou a sua qualidade específica. Assim, são por exemplo as particularidades morfológicas do homem que permitem a formação das faculdades auditivas; mas c apenas a existência objetiva da linguagem que explica o desenvolvimento do ouvido verbal, tal como só as particularidades fonéticas de uma língua explicam o desenvolvimento das qualidades específicas deste ouvido. Também o pensamento lógico se não se pode absolutameníe deduzir dos processos inatos do cérebro humano e das leis internas que os reagem. A aptidão para o pensamento lógico só pode ser o resultado da apropriação da lógica, produto objetivo da prática social da humanidade. No homem que sempre viveu isolado, sem contato com as formas objetivas que encarnam a lógica humana, sem o menor contato humano, não puderam formar-se os processos do pensamento lógico mesmo quando se encontrou um número incalculável de vezes em situações que põem problemas que exigem, precisamente para a elas se adaptar, a formação desta aptidão. Aliás a representação de um homem sozinho em face do mundo de objetos que o rodeia é, evidentemente, uma hipótese puramente artificial. Nas circunstâncias normais, as relações do homem ao mundo material que o cerca, são sempre mediatizadas pela relação a outros homens, à sociedade. Fias estão incluídas na comunicação, mesmo quando o homem está exteriormente sozinho, quando se entrega a uma tarefa científica, por exemplo .

1,7Cf. Manuscrits de 1844, ob. cit., p. I 37 e seguintes.

mssm

mÊÊÊm^Ê

182

O Desenvolvimento do Psiquismo

A comunicação, na sua forma exterior inicial, enquanto aspecto da atividade coletiva dos homens, isto ó, sob forma de “coletividade direta ou sob uma forma interior, interiorizada, constitui a segunda condição específica indispensável do processo de apropriação pelos indivíduos dos conhecimentos adquiridos no decurso do desenvolvimento histórico da humanidade. O papel desempenhado pela comunicação na antogênese do homem foi bastante bem analisado nas investigações psicológicas consagradas à infância 8. Do ponto de vista que nos interessa o saldo destas investigações pode assim ser formulado: Desde a primeira infância, as relações práticas da criança com os objetos humanos que a rodeiam estão necessariamente inseridos na sua comunicação com adultos — comunicação evidentemente inicialmente “prática”. O aparecimento destas primeiras comunicações tem como ponto de partida subjetivo, na criança, o despertar de uma reação específica, provocada pelo adulto, chamada “complexo de animação” por Figurine e Denissova9899. É a partir dela que se diferencia posteriormente a comunicação prática da criança com o seu meio circundante. Desde o princípio, esta comunicação tem a estrutura do processo mediatizado que caracteriza toda a atividade humana; mas nas suas formas primeiras e rudimentares não é mediatizada pela palavra mas pelo objeto. Ela aparece graças ao falo de que uma na aurora do desenvolvimento da criança as suas relações com os objetos circundantes se realizam necessariamente com a ajuda do adulto; este aproxima da criança o objeto que ela quer apanhar, alimenta-a à colher, agita o brinquedo que faz 98 Ct. F. i. Fradkina: A psicologia do jogo na primeira infância, Tese de doutoramento. Moscou, 1950. Do mesmo autor: "0 aparecimento da linguagem na criança”; Notas cientificas cio Instituto Pedagógico de Lcningrado, t. XII, 1955. T. E. Kannikova: /I etapa inicial do desenvolvimento da linguagem infantil, lese dc candidato, Lcningrado. 1947: R Ixkhtman-Abramovileh e F. I. Fradkina: As etapas do desenvolvimento dojogo e das a ç õ e s objectuais da primeira infância. Moscou 1949. CT. N. L. Figurine e M. P. Denissova: As etapas do desenvolvimento do comportamento i n f a n t i l , do nascimento à idade de um ano. Moscou, 1949.

O Desenvolvimento do Psiquismo

183

barulho etc. Por outras palavras, as relações da criança com o mundo dos objetos são sempre inicialmente mediatizadas pelas ações do adulto. A segunda característica destas relações consiste cm que as ações realizadas pela própria criança não se dirigem apenas ao objeto, mas igualmente ao adulto. Se ele manipula um objeto e o deixa por terra a criança age sobre o adulto presente; este fenômeno é por vezes descrito em psicologia como “um apelo da comunicação lançado ao adulto"10 . O aparecimento do motivo de comunicação no comportamento infantil traduz-se pelo fato dc que certas ações da criança começam a não ser agora reforçadas pelo seu efeito concreto apenas, mas pela relação do adulto a este efeito. Este fenômeno foi posto em evidência por S. Fajans, que estudou a manipulação dos objetos nas crianças da primeira idade; a criança interrompe a sua ação quando o adulto desaparece do seu campo de percepção, e retoma-a quando o adulto reaparece111 . Desde as primeiras etapas do desenvolvimento do indivíduo que a realidade concreta se lhe manifesta através da relação que ele tem com o meio; razão por que ele a percebe não apenas sob o ângulo das suas propriedades materiais e do seu sentido biológico, mas igualmente como um mundo de objetos que se descobrem progressivamente a ele na sua significação social, por intermédio da atividade humana. Isto constitui a base inicial sobre a qual se dá aquisição da linguagem, a apropriação da comunicação verbal. Sem querer tratar aqui do que a palavra trás ao desenvolvimento psíquico (estão consagradas a isto milhares de páginas), gostaria simplesmente de sublinhar uma vez mais que, se bem que desempenhe um papel enorme e verdadeiramente decisivo, a linguagem nem por isso é o demiurgo do humano no homem"’ .10*3 100E. k . Kavcrina:

O

d e s e n v o lv im e n t o d a lin g u a g e m

n a s c r ia n ç a s d u r a n te

o s d o is p r im e ir o s

anos, Moscou. 1950. 101 S. Fajans: “Importância do afastamento para o desenvolvimento do fenômeno “apelo à comunicação” no lactente.” P s i c h õ l o g i s c h e F o r s c / u w g e n (Investigações psicológicas), t. XIII, 1933. 103Cf. A. N. Leontiev: a Aprendizagem como problema de psicologia. Vaprossy psikhologuii, 1957, n° I. p. 12 (em língua russa).

184

O Desenvolvimento do Psiquismo

\ A linguagem é aquilo através do qual se generaliza e se transmite a experiência da prática socio-histórica da humanidade; por consequência, é igualmente um meio de comunicação, a condição da apropriação dos indivíduos desta experiência e a forma da sua existência na consciência. Por outras palavras, o processo ontogênico de formação do psiquismo humano não é criado pela ação dos excitantes verbais em si mesmos; é o resultado do processo específico de apropriação que se descreveu, o qual é determinado por todas as circunstâncias do desenvolvimento da vida dos indivíduos na sociedade. O processo de apropriação realiza a necessidade principal c o princípio fundamental do desenvolvimento ontogenético humano - a reprodução nas aptidões e propriedades historicamente formadas da espécie humana, inclusive a aptidão para compreender e utilizar a linguagem. Quando falamos do meio social em que vive o homem, introduzimos neste conceito um sentido diferente do que tem em biologia, o de condições às quais se adapta o organismo. Para o homem, o meio social imediato é o grupo social a que pertence e que constitui o domínio da sua comunicação direta, fie tem evidentemente uma influência sobre ele. . A despeito das leses que a psicologia burguês.-' sustenta a propósito do desenvolvimento ontogenético humano, que cia considera como “uma adaptação do homem ao seu meio’’, esta adaptação ao meio não constitui de modo algum o princípio do desenvolvimento do homem. Com efeito, o sucesso do seu desenvolvimento pode consistir, para um homem, não numa adaptação mas em sair dos limites do seu meio imediato que, no caso, constituiria simplesmente um obstáculo a uma expressão eventualmente mais completa da riqueza das suas propriedades e aptidões verdadeiramente humanas. O conceito de adaptação do homem ao seu meio social é. portanto, pelo menos, ambíguo tanto no plano social como no plano da ética. O desenvolvimento do homem, da sua vida, exige evidentemente uma interação constante do homem como meio natural, uma troca dc

O Desenvolvimento do Psiquismo

185

substâncias entre eles. Esta interação executa o processo de adaptação do homem à natureza circundante não é senão produzir os meios da sua própria existência. Graças a isto. o homem, diferentemente do animal, mediatiza, regula e controla este processo pela sua atividade; ele próprio desempenha, em face da natureza, o papel dc uma potência natural"" . O homem encontra na sociedade e no mundo transformado pelo processo socio-histórico os meios, aptidões e saber-fazer. necessários para realizar a atividade que mediatiza a sua ligação com a natureza. Para fazeios seus meios, as suas aptidões, o seu saber-fazer o homem deve entrar em relações com os outros homens e com a realidade humana material. E no decurso do desenvolvimento destas relações que se realiza o processo da ontogênese humana, tal como o desenvolvimento do animal no seu meio natural, o desenvolvimento do homem tem um caráter ecológico (quer dizer que depende das condições exteriores), mas não é um processo de adaptação em sentido próprio, biológico do termo, como é o caso para a evolução animal. Se, nas condições da sociedade de classes antagonistas, a maioria dos homens, que pertence às classes exploradas e aos povos oprimidos, é obrigada a efetuar quase exclusivamente os trabalhos físicos grosseiros, as dificuldades correlativas destes homens para desenvolver as suas aptidões intelectuais superiores não se explica pela “sua incapacidade para se adaptarem” às exigências superiores, mas pelo lugar que ocupam independentemente da sua vontade — no sistema das relações sociais. Determinando as possibilidades destes homens para assimilar a atividade humana, este fato determina, ao mesmo tempo, a sua possibilidade de “adaptação”, isto é, a possibilidade de desenvolver a sua natureza humana, as suas aptidões e propriedades humanas. Na sociedade de classes, a encarnação no desenvolvimento dos indivíduos dos resultados adquiridos pela humanidade na sequência do desenvolvimento da sua atividade global, e a de todas as aptidões humanas, permanecem sempre unilaterais e parciais. Só a supressão do reino da10

101 K. Marx: O Capital, ob. eit.. 1. 1. Livro 1. p. 180.

186

O Desenvolvimento do Psiquismo

propriedade privada e das relações antagonistas que ela engendra pode pôr fim à necessidade de um desenvolvimento parcial e unilateral dos indivíduos101. Só ela cria, com efeito, as condições cm que o princípio fundamental da ontogênese humana — a saber, a reprodução nas aptidões e propriedades múltiplas formadas durante o processo socio-histórico — se pode plenamente exercer. Isto significa que, nestas condições, o homem não está agora “alienado’' praticamente relativamente às realizações humanas e que, por consequência, o princípio da ontogênese não é agora limitado no seu exercício. O homem pode enfim realizar a sua vocação, levar a cabo a tarefa essencial para que está destinado, isto é, desenvolver as suas capacidades. O estudo das leis concretas do processo de realização desta vocação e deste destino-missão constitui a tarefa principal da psicologia científica moderna. Quais são as condições imediatas deste processo? Qual o seu conteúdo?

7. Os mecanismos fundamentais do comportamento na ontogênese animal e humana Conhecem-se nos animais, mecanismos de comportamento de duas ordens agindo conjuntamente: os mecanismos inatos, hereditários (reflexos incondicionais, instintos) e os mecanismos de adaptação individual. Uma importante particularidade do comportamento inato especi tico é que o seu desenvolvimento está intimamente ligado ao desenvolvi­ mento dos órgãos exossomáticos (órgãos que asseguram as relações com o meio exterior) e constitui de certo modo funcional da sua evolução. As modificações ~do comportamento de espécie operam-sc, como todas as modificações hereditárias, pela via de seleção e adição de 104K. Marx; Manuscrits de. 1844, ob. cit., p. 92.

O Desenvolvimento do Psiquismo

187

pequenas variações; é um processo muito lento correspondendo à lentidão das modificações do meio exterior: estas modificações têm ao mesmo tempo um alcance adaptativo fundamental10506. Os mecanismos do comportamento individual são diferentes. Distinguem-se principalmenle dos mecanismos de comportamento específico porque só fixam a aptidão ou comportamento que a adaptação individual realiza, enquanto os mecanismos de comportamento específico fixam o próprio comportamento. Se bem que respondam a variações rápidas do meio, a sua evolução está igualmente ligada às variações hereditárias muito lentas embora diretamente só às transformações do cérebro, órgão que possui o maior polimorfismo de funções. A questão essencial que se põe é saber qual é a correlação entre estes dois mecanismos no comportamento do indivíduo animal. As múltiplas investigações atuais sobre o comportamento animal revelam que não existe praticamente manifestação do comportamento específico totalmente independente da experiência individual. Mesmo os animais conhecidos pelo caráter fortemente mecânico dos seus instintos, como os insetos, contrariamente às velhas idéias de J. H. Fahre""' adaptam o seu comportamento aos elementos variáveis do meio exterior. O mesmo ocorre para os atos inatos, como os movimentos dc bicagcm nos pintainhos; as experiências de autores que utilizam especialmente o método da '‘espera” de aparição dos movimentos de bicagem mostraram que o pinto devia fazer a aprendizagem destes atos antes de se tomarem eficazes e coordenados107.

105Cf. A. N. Séventsov: Evolução e psiquismo. Obras completas, t. Ill, Moscou, 1947 (em língua russa). I06E. Rabaud: A biologia dos insetos e J. H. Fabre: Journal de psychologic, 1924. n°2. A. Molitor: “Novas experiências e observações sobre as vespas'. liiologisches Zentralblatt (Jornal de biologia), t. i-X. 1931-1938. K. von Frisch : As abelhas, Cornell University Press, 1950. 107F. Shepard, F. Breed: “Maturação e hábito no desenvolvimento do instinto” Jounal of animal Behavior {Somal do comportamento animal) t. 1(1, 1913, W. W. Cruze: “Maturação c aprendizagem nos pintos”, Jounal of Comparative psychology (Jornal dc Psicologia

í

188

O

D e s e n v o lv im e n to d o

P s iq u is m o

Enfim, sabemos que a manifestação ontogênica da atividade “reflexa condicional” nos mamíferos superiores que não dependem apenas do momento em que chegam à maturidade os mecanismos nervosos correspondentes, mas iguaSmente das influências exercidas pelas condições exteriores, as quais fazem fmalmente aparecer bastante rapidamente, reflexos condicionais que se vêm enxertar nos mecanismos inatos do comportamento . Assim, o comportamento hereditário do animal adapta-se, acomoda-se, de certa maneira, aos elementos variáveis do meio exterior, no decurso da sua ontogênese. Na medida em que há sempre elementos variáveis do meio exterior, o comportamento específico do animal é sempre suscetível de modificações individuais109. Por outro lado, sabemos que o comportamento individual do animal depende do comportamento inato próprio da sua espécie. Quer se trate de um reflexo condicional qualquer, de um comportamento em cadeia estereotipado ou de um comportamento intelectual, é necessário no animal que haja uma base instintiva inata. Assim se queremos compreender 0 comportamento individual do animal e as modificações que ele pode soirer sob a influência das condições exteriores, é preciso sempre ter em conta o fundo do comportamento inato específico. A este respeito escreve 1. P. Pavlov: “Estabelecer a lista completa de todos estes reflexos (reflexos incondi­ cionais, instintos - A. L.), fazer uma descrição detalhada deles expor o seu sistema natural constitui uma das tarefas mais urgentes da fisiologia do sistema nervoso"0”. “Repito que é extremamente importante ter a lista completa destes reflexos e proceder à sua sistematização, pois todo o resto

comparada). 1935: V. M. Borovsky: C o m p o r t a m e n t o d o s p i n t o s , c r i a d o s e m c h o c a d e i r a . Réjleksy. instínkty i navyky (Reflexos instintos e hábitos) (em língua russa). lott Cf. A. D. Slonim: " O p r i n c i p i o e c o l ó g i c o e m f i s i o l o g i a e o e s t u d o d a a t i v i d a d e i n s t i n t i v a n o s a n i m a i s " Materiais da conferência sobre psicologia. Moscou, 1957 (em língua russa). IWCT. h P. Pavlov, Obras completas, t. IÍI, l ivro I. Moscou, Leningrado, 1951 (em língua r u s s a ).

1' klem. p. 362.

O Desenvolvimento do Psiquismo

189

da atividade nervosa se edifica, como veremos posteriormcnle, sobre o fundamento destes reflexos11112.” Os dados da zoopsicologia e da fisiologia comparada concordam para testemunhar que a formação do comportamento individual no animal depende diretamente dos seus instintos: um animal é capaz de levar a cabo tarefas difíceis se são dos domínios das possibilidades do próprio comportamento da espécie; em contrapartida, não chega ao fim das mais simples tarefas se são inadequadas, isto é, se são estranhas às condições naturais de vida de sua espécie“". Os animais podem, naturalmente, manifestar um comportamento que exteriormente parece não ter relação com os seus instintos. Se estudarmos o processo de formação de um tal comportamento, a sua relação com o fundo hereditário inato deixa de ter qualquer sombra de dúvida. Tomemos o exemplo dos animais adestrados e analisemos o seu comportamento. A foca que segura uma bola em equilíbrio, a raposa que desenrola uma passadeira, efetuam ações que parecem totalmente estranhas ao seu comportamento de espécie. Todavia estas ações formamse a partir de reações instintivas"3. Suscita-se primeiro, no animal, um comportamento instintivo, habitual para sua espécie, que compreende os movimentos necessários ao seu adestramento (fase da “estimulação’ direta ou indireta). Em seguida, estes movimentos sao lixados com a ajuda de um reforço incondicional, enquanto os movimentos inúteis para o adestrador são inibidos (fase do “reforço” e do "polimento ). O fato de estas duas fases serem obrigatórias mostra que o novo comportamento criado pelo adestrador é um derivado direto do comportamento específico do animal e que é o resultado da adaptação do animal às condições exteriores; a sua forma insólita explica-se muito simplesmente pelo caráter extremamente artificial das condições criadas pelo adestrador. O mesmo fenômeno se produz quando de certas experiências visando o efeito exterior, em que se 111 [dem. i, IV. Moseou-1 xningrado, p. 28 (em língua russa).

112F. .1. Bujtendijk: Psicologia dos animais, 1928. 111Cf. M. A. Herde: “Análise dos processos de adestramento.'' Materiais cia conferência de psicologia. Moscou. 1957.

190

O Desenvolvimento do Psiquismo

chega a criar um comportamento animal bastante complexo (cf. as experiências de J. B. Wolfe sobre os símios)114. Não é este o lugar para nos demorarmos sobre o estudo da aquisição da experiência individual no animal, nas condições mais normais. Sabe-se perfeitamente que as diferenças que o experimentador descobre dizem respeito aos mecanismos concretos e à estrutura dos próprios processos do comportamento e, por conseqiiência, ao reflexo do meio que se forma e que mediatiza a sua realização. Todavia, a complexidade crescente dos mecanismos do comportamento individual dos reflexos condicionais elementares às ações intelectuais complexas dos símios não traduz um progresso senão num só sentido, o do desenvolvimento, no animal, da aptidão para realizar o comportamento próprio da sua espécie em condições concretas cada ve/ mais afastadas das condições gerais de vida desta. Assim, o comporta­ mento individual do animal depende sempre dc uma dupla experiência: a experiência específica, fixada nos mecanismos do comportamento reflexo incondicional instintivo e a experiência individual, formada ontogeneticamente; a função fundamental que asseguram os mecanismos de formação da experiência individual consiste numa adaptação do comportamento específico aos elementos mutáveis do meio exterior. O problema é diferente no homem. Com efeito, existe nele um terceiro tipo de experiência, a experiência sócio-histórica de que o homem se apropria no decurso do seu desenvolvimento ontogênico. Esta experiência é específica no sentido em que não se forma na vida dos diferentes indivíduos, mas é produto do desenvolvimento dc numerosas gerações e transmite-se de uma geração a outra. Todavia não c fixada pela hereditariedade e é nisso que reside a sua diferença radical com a experiência especíilca dos animais. Sc bem que ela se adquira no decurso do desenvolvimento ontogênico do homem, não podemos identificá-la com a experiência individual propriamente dita. Ela distingue-se, por um Sado, pelo seu conteúdo, o que é evidente, e por outro, pelo princípio do seu mecanismo de aquisição e de apropriação. II4J. B. Wolfe: "Eficácia da recompensa simbólica para os chimpanzés. Comparaiivc Psychological Memographs (Monografias dc psicologia comparada), i. XIII. 1936.

O Desenvolvimento do Psiquismo

191

A apropriação da experiência sócio-histórica acarreta uma modificação da estrutura geral dos processos do comportamento e do reflexo, forma novos modos de comportamento e engendra formas e tipos de comportamento verdadeiramente novos. Razão por que os mecanismos do processo de apropriação têm a particularidade de ser mecanismos de formação dos mecanismos. O seu estudo apresenta sérias dificuldades, pois são mascarados pelos mecanismos gerais de formação e de experiência individual. Quando um adulto procura que uma criança beba pela primeira vez por um copo, o contato do líquido provoca nela movimentos reflexos incondicionais, estritamente conformes às condições naturais do ato de beber (a concha da mão forma um recipiente natural). Os lábios da criança esticam-se em forma dc tubo, a língua avança, as narinas contraem-se e provocam movimentos de sucção. O copo não é percebido ainda como objeto que determina o modo de realização do ato de beber, lodavia a criança aprende rapidamente a beber com correção pelo copo, ou seja, dizer que os movimentos se reorganizam e ela utiliza o copo de conformidade com a função deste. O bordo é pressionado contra o lábio inferior, a boca estende-se, a língua põe-sc em tal posição que a ponta toca a face interna da mandíbula inferior, as narinas dilatam-se e o líquido escorre do copo inclinado para a boca. Há portanto, verdadeiramente, o aparecimento de um sistema motor funcional absolutamente novo que realiza o ato de beber integrando novos elementos (observações do autor). A formação deste novo sistema funcional depende das propriedades objetivas do próprio objeto que o copo é, que se distingue de lodo o “recipiente natural” não só porque pode ser deslocado, mas também devido ao seu bordo fino; a utilização pela criança destas propriedades não é determinada pela sua própria existência, mas pelas ações do adulto que a obriga a beber: o adulto leva corretamente o copo aos lábios e inclina-o progressivamente; em seguida, depois de lhe ensinar a segurar sozinha o copo, dirige e retifica ativamente os movimentos da criança. Assim, o adulto constrói na criança um novo sistema motor funcional, em parte inculcando-lhe diretamente movimentos (segurar o copo entre os lábios e

MÊS

,]

j ;. jj "t

192

O Desenvolvimento do Psiquismo

incliná-lo progressivamente), em parte despertando neia com isso reflexos existentes, mas pertencentes a outros “conjuntos reflexos” naturais. O processo de apropriação pela criança de ações especificamente humanas, como o uso da colher, da pá etc., desenrola-se de maneira idêntica. No principio o objeto que a criança agarra entra no seu sistema de movimentos naturais; ela leva a colher à boca contendo alimento como se se tratasse de um objeto natural “não instrumental" qualquer, isto é, não leva em conta, por exemplo, a necessidade de manter a colher na horizon­ tal. Posteriormente, pela intervenção direta do adulto, os movimentos da mão reorganizam-se: começam a obedecer a lógica objetiva da utilização da colher. O caráter geral destes movimentos muda; estes últimos atingem um nível superior, nível “objetual”"5; forma-se na criança um sistema motor funcionai, o sistema de ações de tipo instrumental. À primeira vista, pode-se observar a reorganização análoga à dos movimentos em certos animais superiores; de fato, esta similitude não é senão exterior. Podemos, por exemplo, elaborar nós símios, ações que empreguem um pau para aproximar um engodo qualquer; as experiências inéditas de S. A. Novosselova mostram que sc produz aliás um deslo­ camento característico de motricidade. Todavia ações deste tipo são o produto de uma adaptação elaborada uma por uma, de uma acomodação dos movimentos naturais do animal às relações métricas c mecânicas exteriores e, como mostrou W. Köhler115116, não formam qualquer tipo particular de comportamento. Por outras palavras, se bem que o símio seja capaz de elaborar diversas ações com a ajuda de instrumentos muito simples, o próprio princípio da ação instrumental permanece-lhe inacessível, como. o testemunha nitidamente o caráter das faltas que ele comete quando utiliza “instrumentos”. Por outro, lado, as ações “instrumentais dos animais distinguem-se das ações verdadeiramente instrumentais pelo fato delas se formarem soh a influência das próprias condições materiais (obstáculo, pau no campo de visão do animal) e de as ações dos outros animais ou do homem não 115Cf. N. A. Bernesteín: D a f o r m a ç ã o d o s m o v i m e n t o s , Moscou. 1947 (cm língua russa). 116Cf. W. Köhler: Estudo do intelecto dos símios antròpôides, Moscou, 1930

O Desenvolvimento do Dsiquismo

193

desempenharem papel decisivo na sua formação. Hlas não sc constróem a partir de outras, não se plagiam, não podem ser executadas ‘"segundo um modelo”11' . Os animais são evidentemente capazes dc imitações mas não se formam neles ações de tipo novo. Devemos dizer que sc exagera muitas vezes e erradamente o papel da imitação no comportamento animal. Na realidade, numerosas reações que se atribuem à imitação, nada têm deste mecanismo. As reações vocais das aves, por exemplo, podem aparecer sem qualquer imitação do que quer que seja. Este fato tinha já sido mencionado na sua época por W. A. Wagner que se apoiava nas observações de Le Dantec relativas ao comportamento dc aves novas117118*120; posteriormente este fato foi estabelecido de maneira rigorosa com experiências praticadas com pintos criados no isolamento mais completo; estes últimos manifestaram reações vocais idênticas tanto no plano quanlitativo como no plano quantitativo às dos pintos “testemunhas"''”. O problema é sensivelmente diferente nas aves nidifugas, mas nestes casos, trata-se igualmente apenas de um reflexo inato de imitação. A imitação no símio é um problema mais complexo que tem sido objetos de numerosos debates . iodavia, a principal fonte de divergências dc opiniões não se deve às contradições dos fatos, mas aos diferentes conteúdos que os autores dão ao conceito de imitação1" . Podese todavia considerar como certo que mesmo os animais ditos “imitadores” 117 A possibilidade dc criar nos animais ligações temporárias segundo o método dos “movimentos passivos" não infirma de modo algum o que se disse: mesmo nos símios antropóides. a intervenção direta do experimentador apenas faz suscitar uma ligação entre o gesto do animal e o reforço alimentar ou reforço de orientação; assim, “a escrita dos símios rio quadro, obtida segundo este método, está em relação com o reforço pelos seus componentes quinestésicos e não pelo seu produto. Cf. Vatsouro. E s t u d o s o b r e a a t i v i d a d e n e r v o s a s u p e r i o r d o a n t r o p ó i d e , Moscou, 194S (em língua russa). 1,1 Cf. W. A. Wagner: A s b a s e s b i o l ó g i c a s d a p s i c o l o g i a c o n t e m p o r â n e a , t. II, Moscou. 1913 (em língua russa) " , D. Katz: O s a n i m a i s e o l l o m e m , Londres. 1953 (em língua inglesa). 120 f f ,

1.

1.

R o g u in s k i:

H á b ito s

e

Leningrado. 1948 (em língua russa). 131 Cf. N. I. Voitonis: A p r é h i s t ó r i a d o

e m b r iõ e s

in t e le c t o

de

ações

in t e le c t u a is

dos

c h im p a n z é s ,

, Moscou, 1949{cm língua russa).

194

O Desenvolvimento do Psiquismo

possuem certas faculdades de imitação bastante limitadas, cuja incidência sobre o comportamento geral é muito fraco. Para disso nos persuadirmos basta referir os estudos consagrados à limitação dos símios inferiores122* c nos símios superiores antropóides12'’ . Os fenômenos de imitação observados no jovem chimpanzé por TM. N. Ladyguina-Kots são a este respeito ricos de ensinamentos: Johnny imitava muitas vezes as ações do homem, em particular as ações instrumentais como pregar um prego com um martelo. Todavia, não aprendia a lógica objetiva da ação; ora não aplicava força suficiente, ora não mantinha o prego na posição vertical, ora batia ao lado do prego. “Assim escreve o autor, mau grado a sua longa prática Johnny jamais pregou um só prego” l2'! . Na criança a imitação tem um caráter fundamentalmente diferente. Se bem que se observam, nela também, fenômenos de imitação reflexa como a ecoquinésia, a econímica e a ecolalia, estas manifestações perdem totalmente a sua importância quando a criança alinge os dois anos; a criança manifesta simultaneamente reações de imitação especificamente humanas; esta imitação é dita “intelectual” ou imitação “segundo o modelo apresentado”. As formas de imitação superiores que se estabelecem no decurso da vida da criança foram estudadas por P. Guillaume1"5 e Jean Piagct126. As experiências de A. V. Zaporojets, A. G. Poliakova e S. A. Kirillova mostraram que, na formação das ações de imitação segundo o “modelo apresentado”, o papel do reforçador é desempenhado, não por um 122.1, Watson: " A imitação nos símios: P s y c h o l o g i c a l B u l l e t i n (Boletim de psicologia). 1908, n®5; N. N. Ladyguina Kotz: Os h á b i t o s m o t r i z e s da a d a p t a ç ã o n o m a c a c o , Moscou. 1929; G. Aranovitchi, I. Klotín: "A imitação nos símios." E l e m e n t o s n o v o s c m r e f l e x o l o g f a e e m f i s i o l o g i a d o s i s t e m a n e r v o s o , 1929, n“ 3. 122 R. Yerkes, A. Yerkes: O s g r a n d e s s í m i o s , 1929; N. N. Laddyguina kots: A c r i a n ç a d o c h i m p a n z é e a c r i a n ç a d o h o m e m , Moscou, 1935 (em língua russa). 1“4N. N. Laddyguina kots: A c r i a n ç a d o c h i m p a n z é e a c r i a n ç a d o h o m e m . Moscou. 1935 (em língua russa). ^ P. Guillaume, Limitation chez i'enfant. Paris 1925. 1 11.1. Piaget: La formation dti symbolc chez I’enfant. Neuehâtel-Paris. 1945.

O Desenvolvimento do Psiquismo

195

estímulo qualquer que age como resultado da sua realizaçao, mas pela coincidência da ação com a representação do modelo oferecido Por este fato, a imitação reveste uma função nova: enquanto no animal permanece limitada às possibilidades de comportamento existentes, na criança ela pode superar este quadro, criar novas possibilidades e formar tipos de ações absolutamente novas. Assim, a imitação na criança aproxima-se da aprendizagem nas suas formas específicas a qual se distingue qualitativamente do “learning” animal.

8. As particularidades da formação das ações intelectuais A apropriação pela criança de ações especificamente humanas, manifesta logo de origem a sua propriedade principal, a de sc fazer na comunicação. Nas primeiras etapas do desenvolvimento, a comunicação é comunicação prática, o que limita a sua função e as suas possibilidades. Esta limitação deve-se ao fato do conteúdo da experiência humana, formada historicamente, ser generalizado e lixado sob forma verbal; para que a criança a assimile, ele tem de ser transmitido no sistema das significações verbais, o que implica a participação dos mecanismos verbais de segunda sinalização. A sua formação na criança deve necessariamente preceder a aprendizagem em sentido restrito, isto é, o processo que produz a apropriação do saber acumulado socialmente sob a forma do seu reflexo consciente. Nas primeiras etapas da aquisição da linguagem, a palavra é para a criança apenas um sinal que comanda a sua atividade de orientação em relação aos objetos que ela percebe pelos sentidos e que lhe permite apanhá-los, compará-los e distingui-los de outros objetos exteriormente semelhantes. Por outras palavras, ela generaliza-os e analisa-os a um nível já superior, isto é, sob a sua forma retratada através do prisma da experiência social, fixada na significação da palavra. 117Gf. A. V. Zaporojets: O desenvolvimento dos movimentos voluntários. Moscou, 1958.

196

O Desenvolvimento do Psiquismo

Nos estágios ulteriores do desenvolvimento da palavra, quando a criança já adquiriu a faculdade de compreender e de utilizar a linguagem seguida, os processos de aprendizagem revestem uma forma muito mais evoluída e a sua função complica-se, “eleva-se” de certa maneira. A aquisição de conhecimentos torna-se um processo que provoca igualmente a formação na criança de ações interiores cognitivas, isto é, de ações e de operações intelectuais. Isso serve de ponto dc partida para a aquisição dos conceitos, nas suas ligações e no seu movimento. O estudo deste processo de tão extrema complexidade revela o mecanismo específico, isto é, o mecanismo de interiorização das ações exteriores. Numerosos psicólogos descreveram o fenômeno da interiorização. L. S. Vygotski sublinhou em particular a sua importância fundamental para o desenvolvimento. Tem sido sistematicamente estudado entre nós nestes últimos tempos por P. i. Galperini121*, V. V. Davydovl~í, N. S. Pantina1' . N. F. Talyzina128*131132. D. B. Elkonine'32 e outros; entre os trabalhos estrangeiros devemos distinguir as numerosas investigações de J. Piaget e dos seus colaboradores. Não tendo por finalidade expor aqui o conteúdo destas investigações ou tratar das divergências de concepção do processo de interiorização, limitar-me-ei a estudar o problema da necessidade deste processo. 128Cf. P. I. Galperini: “Experiências sobre o estudo da formação das ações intelectuais .

Relações para a conferência sobre a psicologia. Moscou. 1954; Do mesmo autor: A ação intelectual, base pata a formação do pensamento e da imagem". Voprossy psikhologuii. 1957. n° 6 (em língua russa). IJCf. V. V. Davydov: “Formação na criança da primeira noção cie quantidade". Voprossy psikhologuii. 1957, n° 2 (em língua russa). 110Cf. N. S. Pantina: “A formação do hábito motor da escrita em lunção do tipo de orientação no trabalho". Voprossy psikhologuii. 1957. n° 4. 131 Cf. N. E. Talyzina: “Da aquisição dos conceitos geométricos de base . Materiais da conferência sobre a psicologia. Moscou. 1957. 132Cf. D. B. Elkonine: “Certas questões de psicologia respeitantes à escrita . Voprossy psikhologuii. 1957, n° 5 (em língua russa).

O Desenvolvimento do Psiquismo

19

A interiorização das ações, isto é a transformação gradual das ações exteriores em ações interiores, intelectuais, realiza-se necessaria­ mente na ontogênese humana. A sua necessidade decorre dc que o conteúdo central do desenvolvimento da criança consiste na apropriação por ela das aquisições do desenvolvimento histórico da humanidade, em particular das do pensamento e do conhecimento humanos. Listas aquisições manifestam-se-lhe sob a forma de fenômenos exteriores objetos, conceitos verbais, saberes. A sua ação suscita reações na criança e aparece, nela, um reflexo destes fenômenos; todavia, as reações primárias da criança à ação destes fenômenos só correspondem ao seu aspecto material e não às suas qualidades específicas; consecutivamente, o seu reflexo, no cérebro da criança, permanece um reflexo de primeira sinalização, não refratado nas significações, isto é, não refratado através do prisma da experiência generalizada da prática social. Para que a criança reflita os fenômenos na sua qualidade específica — na sua significação deve efetuar em relação a ela tinta atividade conforme à atividade humana, que eles concretizam, que eles “objetivam’ . Em relação aos fenômenos espirituais, a um conceito, por exemplo, que ela encontra pela primeira vez, a criança deve manifestar uma atividade intelectual, uma atividade do pensamento que lhe corresponda. Como c que esta forma de atividade se constitui na criança pela primeira vez? Em primeiro lugar devemos rejeitar a convicção ingênua e desprovida de qualquer fundamento que caracteriza a velha psicologia idealista, segundo a qual a criança possuiria por natureza a faculdade de efetuar processos mentais interiores, que os fenômenos que agem sobre a criança apenas fariam provocar estes processos e enriquecê-los com um conteúdo cada vez mais complexo, e que o seu desenvolvimento se reduziria a isso. A outra solução possível do problema do desenvolvimento da atividade mental interior na criança parte justamente de que esta atividade não é inata. Admite-se, por outro lado que os processos de pensamento e os processos lógicos, são, na criança, produto da sua experiência pessoal, que cies sc formam, portanto, da mesma maneira como se constituem no

198

O Desenvolvimento do Psiquismo

animal os processos que permitem abrir as “caixas experimentais’1 ou encontrar o mais curto caminho num labirinto. A única diferença entre este dois processos deve-se ao fato de que eles se formam na criança em relação com a ação que exercem sobre cia os fenômenos de natureza sociohistórica, os fenômenos verbais especialmente. Durante os processos de aprendizagem, a criança é confrontada com estes fenômenos que lhe são apresentados em ligações adequadas e selecionadas de maneira sistemática: à força de repetir e de reforçar estas ligações, formam-se progressivamente na criança associações e uniões em cadeias complexas entrecruzadas cuja atualização não é mais do que o desenrolar do processo menta 1co rrespon dente. Esta concepção do desenvolvimento do pensamento na criança, que se impõe pela sua simplicidade, choca todavia com sérias dificuldades. Está em contradição com o ritmo real da aquisição das ações intelectuais pela criança. Com efeito, a formação dos processos mentais por via de acumulação progressiva das ligações suscitadas pela ação do material educativo, por natureza, só poderia ser muito lento, pois devia apoiar-se num material quantitativamente considerável. Mas, na realidade, os processos mentais formam-se rapidamente a partir de um material relativamente pouco importante; muito mais limitado que o mínimo requerido para a formação, pela criança, das ligações adequadas para sua diferenciação e generalização. Basta mencionar para este respeito o fato, estabelecido por A. G. Rouzskaía, de mesmo uma criança em idade préescolar ser capaz, na prática, de aprender, “imediatamente1' e literalmente a partir de alguns exemplos isolados, a analisar e a generalizar corretamente figuras geométricas, por pouco que nela se crie o processo de orientação em relação às suas formas, graças aos sinais que o experimentador coloca de certa maneira diretamente entre as suas mãos1'’’ . A segunda dificuldade, muito maior c fundamental que primeira, com que choca esta concepção do desenvolvimento dos processos mentais,13 133 Cf. A. G. Rouzskaía: “A atividade fie pesquisa-orientaçào na formação das generalizações elementares nas crianças.” Recolha P r o b l e m a s d o r e f l e x o d e o r i e n t a ç ã o e d a a tiv id a d e d e o r ie n ta ç ã o

, M o sc o u , 1958.

O Desenvolvimento do Psiquismo

199

deve-se a que o processo de atualização das associações não é dc modo algum idêntico ao processo de atividade intelectual que não é senão uma das condições c um dos mecanismos da sua realização. E lacil dc ver através de fatos muito simples e bem conhecidos. Não é dilícil, por exemplo, criar numa criança as ligações associativas estáveis do tipo 2+3=5; 3+4=7; 4+5=9 etc. Se bem que estas ligações possam lacilmente ser atualizadas, a criança pode todavia não saber adicionar as grandezas correspondentes, independentemente do fato dos elementos destas ligações estarem associados ou não nela às quantidades discretas visíveis correspondentes. A ação aritmética da adição não c criada por estas ligações, ela precede a sua formação. Razão por que, para aprender a contar, nunca se começa a tabuada da adição de cor. Antes de dar a tabuada à criança, ensina-se-lhe obrigatoriamente como efetuar a ação de adição com a ajuda de objetos concretos; em seguida, transforma-se progres­ sivamente esta ação da criança reduzindo-a à sua forma contrata, sob a qual é fixada nas expressões aritméticas do tipo 2+3=5 ctc. Apenas neste momento a criança adquire a possibilidade de utilizar uma tabuada da adição para contar; isso significa que as associações de que estamos falando lbe permitem doravante efetuar o processo de adição Ale cabeça . As ingênuas concepções associativistas da aprendizagem manifestam uma falta total de fundamento nos planos teórico e prático, na medida em que omitem o encadeamento principal c a condição essencial dos processos de apropriação, a saber a formação na criança das ações que constituem a base real destes processos. Estas ações devem ser sempre construídas ativamente pelo meio circundante da criança, pois esta última é incapaz de sozinha as elaborar. Vimos já isto a propósito das. ações exteriores materiais mais simples. No começo, a criança realiza-as sempre quer com a ajuda direta do adulto (aprendizagem do uso da collier, do copo etc.), quer quando o adulto mostra como fazer ("ação segundo um modelo”), quer enfim por intermédio de uma instrução verbal. Posteriormente, à força de se repetir, elas elaboram-se na criança e adquirem a propriedade de se adaptar às modificações mesmo profundas

200

O Desenvolvimento do Psiquismo

das condições concretas. Este processo, dc adaptação das ações realiza-se já segundo mecanismos gerais dc formação da experiência individual, mas agora estes mecanismos asseguram a adaptação à variação tias condições concretas de ações historicamente elaboradas assimiladas pela criança, c não as variações das condições concretas do comportamento hereditário específico, como é o. caso no animal. Quando se trata da formação de ações interiores intelectuais ações que se relacionam com fenômenos ideais — este processo c muito mais complexo. Tal como a influência dos objetos humanos, a influência dos conceitos, dos conhecimentos em si não é suscetível de provocar na criança reações adequadas; com efeito, a criança deve antes apropriar-se delas. Para o fazer, o adulto tem de construir ativamente estas ações na criança; mas, contrariamente às ações exteriores, as ações interiores não podem ser criadas diretamente do exterior. Quando se constrói uma ação exterior, pode-se mostrá-la à criança, pode-se assim intervir mecanicamente na sua execução, por exemplo, mantendo a mão da criança na posição correta, retificando a trajetória do seu gesto etc. Para a ação interior, a ação “de cabeça”, é diferente. Não podemos nem mostrá-la, nem vê-lá. nem intervir diretamente na sua realização. Assim, se se quer construir na criança uma nova ação intelectual, como a ação da adição, é preciso apresentar-lha inicialmente como uma ação exterior, é preciso exteriorizá-la. A ação interior, constitui-se, portanto, primeiro, sob a forma de uma ação exterior desenvolvida. Posteriormente, após uma transfor­ mação progressiva — generalização, redução específica dos seus encadea­ mentos, modificação do nível em que se efetua — cia interioriza-se, isto é transforma-se em ação interior, desenrolando-se inteiramente no espírito da criança. Assim, a aquisição das ações mentais, que estão na base da apropriação pelo indivíduo da “herança” dos conhecimentos e conceitos elaborados pelo homem, supõe necessariamente que o sujeito passe das ações realizadas no exterior às ações situadas no plano verbal, depois a uma interiorização progressiva destas últimas; o resultados é que estas ações adquirem o caráter de ações intelectuais estreitas de atos intelectuais.

O Desenvolvimento do Psiquismo

201

Naturalmente que este processo não passa sempre obrigatoria­ mente por todas estas etapas e não engloba necessariamente todos os encadeamentos da ação intelectual novamente adquirida. f evidente que as ações intelectuais já formadas se manifestam quando da aquisição de uma nova ação, como faculdades mentais já formadas que são simplesmente “postas em ação”. A este propósito, é importante notar que este fato cria por vezes a ilusão de que a interiorização das ações exteriores não c senão um caso particular, que se observa principalmente nas primeiras etapas do desenvolvimento intelectual. De fato, este processo é obrigatório na ontogênese do homem. É de uma importância capital se se quer compreender a formação do psiquismo humano, na medida em que a característica principal deste último é precisamente desenvolver-se não a título de aptidões inatas, não a título de adaptação de comportamento específico aos elementos variáveis do meio, mas ser o produto da transmissão e da apropriação pelos indivíduos do desenvolvimento sócio-histórico e da experiência das gerações anteriores. Toda a progressão criadora ulterior do pensamento que o homem faz, só é possível na base da assimilação desta experiência. Por este fato, a teoria do desenvolvimento intelectual e a psicologia da aprendizagem não podem negligenciar a profunda originalidade deste processo; elas não devem limitar-se apenas à concepção dos mecanismos gerais de formação da experiência individual que, se bem que estando na base deste processo, não pode explicar-lhe as particularidades especílicas.9

9. O cérebro e a atividade psíquica do homem A análise precedente apoiava-se em duas teses: primeiramente, no decurso do desenvolvimento sócio-histórico, novas funções psíquicas se formam no homem; segundo, na era da predominância das leis sociais, o cérebro humano não sofre, filogeneticamenle falando, modificações morfológicas essenciais; as aquisições do desenvolvimento histórico fixam-se nos produtos objetivos — materiais e ideais da atividade

202

O Desenvolvimento do Psiquismo

humanai e transmitem-se de uma geração a outra sob esta forma; por conseqüência, as neoformações psicológicas aparecidas no decurso do processo histórico são reproduzidas pelos indivíduos não em virtude da ação da hereditariedade biológica, mas em virtude das aquisições feitas no decurso da vida. A confrontação destas duas tese.s põe um problema muito importante, o dos mecanismo cerebrais, das aptidões e funções psíquicas que se formaram historicamente no homem. Este problema constitui o ponto crílico diante do qual a investigação da maioria dos psicólogos de orientação sociológica se detém. Ainda por cima, tem uma importância fundamental. E com efeito por ela se desviar da sua solução que a psicologia se cinde em psicologia social (histórica) e psicologia experimental (subsidiária das ciências da natureza). A dificuldade deste problema reside no fato do reconhecimento da natureza sócio-histórica das aptidões psíquicas humanas conduzir a uma afirmação paradoxal à primeira vista; elas são relativamente indepen­ dentes das particularidades morfológicas do cérebro. Por outras palavras, isto põe o problema da existência possível de aptidões ou de funções psíquicas sem órgãos especiais, no sentido próprio, morfológico do termo. Esta questão não é absolutamente nova para a psicologia. Há já muito que ela se pôs aos psicólogos científicos, sob a seguinte forma: o que é que engendra tal ou tal processo psíquico? Quando, por analogia com o conceito de função biológica de um órgão, se introduziu cm psicologia o conceito de função, o problema tornou uma forma muito nítida. Foi preciso encontrar os órgãos correspondentes às diversas funções psíquicas concretas. Como a simples referência ao cérebro como órgão do psiquismo se verificava insuficiente, os esforços dos investigadores tenderam para ligar o mais precisamente possível as diferentes funções às diferentes estruturas cerebrais. Sabc-se todavia que estas tentativas para localizar diretamente as funções psicológicas superiores, num espírito de psicomorfologia ingênuo, se revelaram falsas, no plano dos fatos. Tentativas ulteriores, visando ligar diretamente as funções psíquicas a tal processo fisiológico do córtex dos grandes hemisférios não

i H H H iia

O Desenvolvimento do Psiquismo

203

foram mais satisfatórios; deve-se dizer que essas tentativas são o resultado de uma compreensão funcynnalmente errada do princípio pavloviano da “aplicação do bordado psicológico na talagarça fisiológica’'. Com efeito, é bem evidente que não existem e que não podem existir processos psíquicos em que uns seriam, digamos, a função especial da inibição c os outros da excitação; em que uns seriam o produto de uma irradiação geral, os outros o produto dc uma irradiação “efetiva”. Mesmo um conceito fisiológico como o conceito dc processo no segundo sistema de sinalização não se relaciona com a única função da linguagem mas com todas as funções psicológicas ao nível da consciência, isto é, tanto do pensamento como da memorização lógica, da percepção consciente, da atenção voluntária etc. Nesta época as descobertas da psicologia experimental e, em particular, os resultados do desenvolvimento da teoria da atividade nervosa superior constituíam uma excelente preparação para a única solução positiva possível deste problema tão complexo. No princípio do século XX acumulavam-se numerosas experiê­ ncias e observações clínicas que testemunham que mesmo as funções psíquicas sensoriais relativamente simples são o produto da atividade conjunta de diferentes aparelhos receptores e efectores. Isto permitiu avançar a idéia geral segundo a qual “onde as funções fisiológicas adquirem uma significação específica que se exprime psicologicamente por uma qualidade original das sensações... o caráter especifico de uma atividade assenta na união dos elementos c não nos próprios elementos E sublinha-se que esta união dos elementos fisiológicos cria uma qualidade nova, não inerente aos próprios elementos. Além disto, múltiplos dados permitiram chegar à conclusão geral, não menos importante, dc que a união dos elementos fisiológicos elementares, união que está na base das funções psíquicas, se constitui no decurso da vida, e que, por consequência, “a formação destas 1unções134

134 Cf. W. Wundt: Os princípios da psicologia fisiológica. I. I. 1906, p. 458 (cm língua russa).

ãÉ S É áâ



1

J. j

-*

204

O Desenvolvimento do Psiquismo

(psíquicas) deve ser inteiramente atribuída às condições imediatas de vida, que agem durante o desenvolvimento individual” (W. Wundt)'3?. Como se sabe, I. M. Setchcnov foi o primeiro a desenvolver, a partir de uma concepção materialista reflexa do trabalho do cérebro, a idéia segundo a qual as ligações complexas em que o funcionamento realiza as funções cognitivas se formam e se fortificam no decurso da vida. A este propósito, avançou a tese fundamental de que estas ligações sejam formadas principalmente pelos encadeamentos motores dos reflexos, isto é, não pelas sensações e imagens, mas pelas suas conseqücncias motrizes”1"6. Todavia, a explicação fisiológica concreta da formação das ligações entre os diversos elementos do sistema reflexo só foi encontrada muito mais tarde. Penso nas descobertas de I. 1. Pavlov respeitantes ao mecanismo de formação dos sistemas funcionais cerebrais. No seu artigo intitulado “Análise dc certos reflexos no cão’ (1916). Pavlov escrevia já que não bastava ter uma noção da atividade dos diférentes centros nervosos para compreender a base fisiológica do comportamento complexo e que era preciso para isso supor a existência de uma “união funcional das diferentes partes do sistema nervoso central, realizada por uma “traçagem” particular (Bahnung) dc associações, quando da realização de um ato reflexo determinado1'” . Posteriormente, a experimentação deste princípio de formação de uniões funcionais fez-se essencialmente com investigações sobre a dinâmica dos processos de formação e de extinção dos sistemas de ligações, a partir de conjuntos de excitantes artificiais suscessivos. Apenas em algumas investigações sobre o homem é que se partiu desta idéia para estudar a estrutura das funções que comprimem aptidões psíquicas gerais simples e neste sentido universais, como a aptidão para a percepção visual dos objetos ou aptidão para a localização espacial de excitantes*136

1,5 W. Wundt: ob. d l , p. 1. p.460. 136 í. M. Setchenov: Ohms escolhidas de filosofia e de psicologia. Moscou, 1947 (cm língua russa). 1,7I. P. Pavlov: Obras completas, t. III. livro I, Moscou-Lcningrado. 1951

O Desenvolvimento do Psiquismo

205

acústicos138139*. Estas pesquisas mostraram que tais formações são inegavelmente de natureza reflexa condicional e permitiram compreender um leque de fatos muito maior, cuja análise evidencia uma outra particularidade importante destas formações, a saber: a sua estabilidade, a sua solidez, é bem conhecido, por exemplo, que as ligações óptico motrizes, formadas na ontogênese, não se extinguem mesmo quando não sofrem durante muito tempo qualquer reforço; para ilustrar este lato basta mencionar que as imagens visuais associadas às sensações táteis subsistem várias dezenas de anos seja em quem for que cegue tótalmènte Uma outra particularidade específica destas formações é que, uma vez constituídas, continuam a funcionar como um todo sem manifestar em nada a sua natureza “composta”; por este fato os processos psíquicos corre­ spondentes apresentam sempre o caráter de atosJsimples e imediatos, como os atos de percepção da distância dos objetos, de avaliação de peso (fenô­ meno de Charpentier), de intuição (insight) das relações concretas etc. Estas particularidades permitem considerar as formações que se constituíram no decurso da vida como órgãos originais, cujas funções elementares específicas se manifestam sob a forma de aptidões ou de funções psíquicas . Devo sublinhar que o emprego aqui feito do conceito de órgão se justifica totalmente. Há mais de trinta anos que A. A. Ouktomski avançou a idéia de existência de “órgãos fisiológicos do sistema nervoso”. A este propósito, escrevia; “Habitualmente o nosso pensamento liga à noção dc “órgão” a qualquer coisa dc morfologicamente distinto e estável possuindo caracteres estatísticos constantes. Parece-me que isto não é de modo algum

1,8Cf. E. N. Sokolov: Percepção e reflexo condicional, Moscou, 1958: 1. N. Kulaguinc: 'Tentativa de estudo experimenta! da percepção da direção dc um objeto sonoro ", í oprossv psikhologuii, 1956, n°6 139M. S. Zemtsova: Os meios utilizados para compensar a cegueira ná atividade de trabalho e de cognição, Moscou, 1956, p, 203-204 (cm língua russa). 1,10Cf. A. Leonticv: ■‘Natureza c o modo dc transformação dás aptidões e processos psíquicos no homem ” I 'oprossy psikhologuii, leses dos relatórios da faculdade de filosofia de Moscou, 1955.

.106

O Desenvolvimento do Psiquismo

obrigatório e que a ciência moderna, cm particular, não deveria ver nisso qualquer coisa dc obrigatório141 Os órgãos funcionais, de que estamos falando, distinguem-se nitidamente das formações, como por exemplo, os reflexos condicionais em cadeia que estão na base dos hábitos ditos mecânicos. Distinguem-se tanto pela sua formação c a sua dinâmica como pelo caráter das suas funções elementares. Eles não se formam na ordem de aparecimento das associações que “decalcam” pura e simplesmente a ordem dos excitantes exteriores, mas são antes o produto da ligação dos reflexos num sistema global possuidor de uma função altamente generalizada, qualitativamente original. Os reflexos que entram numa nova ligação mútua representam inicialmente reações relativamente autônomas. Quando se efetua a sua união, os encadeamentos são inibidos, reduzem-se e os reflexos tomam aspecto de processos cerebrais interiores intracentrais. Se bem que os efeitos estritamente periféricos não desapareçam totalmente no decurso deste processo (um estudo suficientemente profundo pode sempre descobri-los), eles perdem todavia o seu efeito adaptador autônomo e, por consequência, a possibilidade de um reforço direto, pois apresentam-se doravante sob uma forma reduzida. O reforço ou o não-reforço só podem agora relacio­ nar-se diretamente com o encadeamento terminal do sistema formado; assim, uma vez constituídos, estes sistemas regulam-se como um lodo. O ouvido tonal é um bom exemplo destes sistemas globais que estão na base das funções que têm o aspecto de aptidões psíquicas elementares. O ouvido tonal é uma faculdade própria do homem, na medida em que é condição necessária para uma percepção adequada da música, que ê como a linguagem sonora, produto do desenvolvimento da sociedade humana. O que diferencia do ouvido no sentido genérico do termo e que lhe permite perceber as nuances mais tênues entre os fonemas das línguas 141 A. A. Oulhotomski: Obras completas, t. 1„ Lcningrado, 1950, p. 299 (em língua russa).

O Desenvolvimento do Psiquismo

207

humanas é que ele distingue, nestes conjuntos cie sons, o -parâmetro da altura, isto é, precisamente' aquilo que na maioria das línguas modernas (não tonais) não desempenha o pape! de elemento pertinente; por outro lado, ele permite inversamente abstrair dos componentes de timbres que determinam certas qualidades específicas dos sons verbais. Os estudos experimentais do autor e dos seus colaboradores Guipenreiter e Ovtchinnikova sobre a natureza do ouvido tonal mostraram que esta função se formava ontogenicameníe. Ele pode encontrar-se cm vários estágios variáveis segundo as pessoas; pode mesmo não se desenvolver de todo; neste caso; é compensado pelo ouvido timbrai. As investigações mostraram igualmente que o encadeamento decisivo da estrutura do ouvido tonal era constituído pela reação de resposta, adequada ao parâmetro percebido do som, isto é, pela reação de entonação (vocalização) da altura do som. Inicialmente, este encadeamento apresenta-se como uma vocalização exterior que se igualiza à altura do som percebido. Em seguida, reduzindo-se, transforma-se numa vocalização interior, não intervindo na análise da altura a não ser pelas suas quinestesias. Finalmente, a análise das relações entre alturas de sons íáz-se por intermédio de um mecanismo formado especialmente, o da “comparação” ativa e de igualização que se desenrola no campo interior. Este mecanismo, formado no decurso da vida, que só um estudo objetivo pode revelar, e cuja ação escapa totalmente à introspecção, representa, propriamente falando o órgão do ouvido tonal. Se bem que se crie na ontogênese e que se possa ativamente dirigir a sua formação, como mostram as investigações, a sua função não se distingue em nada, à primeira vista, da manifestação das aptidões inatas elementares. Mas é apenas à primeira vista. Uma análise mais detalhada põe facilmente em evidência as particularidades deste tipo de funções. À particularidade mais fácil de estabelecer destas funções psíquicas sistemáticas é que a sua antiga estrutura inteiramente reflexa pode ser sempre remanifestada e os seus encadeamentos motores reduzidos podem ser sempre postos em evidência. Com eleito, em certos casos pelo

208

menos, a sua estrutura pode ser reordenada, especialmente pela substituição de um elo por outro. Tudo isto, evidentemente, está totalmente excluído se se trata de funções, na base das quais se encontram estruturas inatas, fixadas morfolo­ gicamente. As funções psíquicas sistemáticas tem igualmente uma dinâmica particular, que se traduz por uma ação de reforço especial: enquanto o reforço positivo do efeito terminal conduz de certo modo a um sistema funcional mais apertado, isto é, à inibição de um número sempre maior de elementos, a ausência de reforço provoca, pelo contrário, paradoxalmente a sua manifestação, a sua desinibição. Esta dinâmica é particularmente manifesta na palavra, quando de uma conversação telefônica, por exemplo. Quando a audibilidade se deteriora e por este lato o interlocutor não confirma a recepção da informação ou dá uma resposta inadequada à informação transmitida, o locutor põe-se imediatamente a articular melhor; quando a audição se torna normal, ele retoma um ritmo de locução normal, isto é. reduzido para um certo número de elementos articulatórios. Esta dinâmica foi demonstrada experimentalmente sobre o modelo de formação das reações em cadeias múltiplas por A. V. Napalkov c M. 1 Bobneva. Evidentemente que esta dinâmica se explica pelo fato da inibição do último elo de execução do sistema provocar, por indução a excitação dos encadeamentos previamente inibidos, segundo o princípio da generalização reflexa (L. G. Voronine). Poder-se-ia pensar que esta dinâ­ mica está igualmente na base da formação dos sistemas funcionais em questão: os elos cuja inibição não modifica o efeito final reduzem-se e o sistema contrai-se; todavia desde que a inibição respeite a um elo cuja redução modifique o efeito final a ponto deste não ser mais reforçado, o elo que acaba de ser inibido restabelece-se. Assim o processo autônomo (“espontâneo”) de formação destes sistemas funcionais é dirigido pela ação de uma “seleção natural” original dos elementos minimos necessários. Os fatos estabelecidos pela análise sistemática das atividades, funções e aptidões psíquicas do homem formadas ontogenicamente,. tal como os fatos que caracterizam o seu processo dc formação, concordam

O Desenvolvimento do Psiquismo

209

perfeitamente com os dados atuais obtidos a partir de um material patológico. Estou pensando nos numerosos dados que testemunham de fato que a perturbação destes processos, provocada por uma lesão numa parte determinada do cérebro, deve ser compreendida não como a perda dc uma função, mas como a destruição, a desintegração do sistema funcional correspondente, de que é destruído um dos elos1" . O problema da localização das funções psíquicas encontra-se assim resolvido no sentido de que não é a função de um grupo isolado de células corticais que está na sua base, mas um sistema cerebral complexo, cujos elementos, dispostos em diversas zonas do cérebro, muitas vezes bastante afastados uns dos outros, formam todavia uma constelação única. Os fatos que colocam em evidência o princípio genético da localização dos sistemas funcionais, isto é, a dependência entre o eleito patológico e a idade da criança, na qual apareceu a lesão, são extremamente importantes de um ponto de vista ontogênico. Este princípio genético de localização, cuja importância psicológica L. S. Vygotski142143 sublinhou, é mais um argumento em favor da tese que considera estes sistemas funcionais couro formações que aparecem no decurso da vida, possuindo estrutura interna diferente segundo os estágios de desenvolvimento. A análise psicológica sistemática das funções afetadas pelo aparecimento de zonas lesadas no cérebro não tem apenas importância teórica; com efeito, no plano prático, eia oferece um método eticaz de restauração destas funções. Este método consiste em substituir o elo destruído por outro elo indene, após se ter previamente “feito abrir a estrutura da função atingida; em seguida “fecha-se" esta estrutura 142Cf. P. K. Anokhine: “Os princípios gerais da compensação das funções lesadas e a sua base fisiológica." Relatório à cessão do Instituto de Defectologia da Academia das Ciências Pedagógicas da R.S.F.R. Moscou, 1953; N. 1. Gratchtchcnkov, A. R Lourja. Da localização sistemática das funções do c ó r te x cerebral." ,N e u r o l o g i a e P s i q u i a t r i a . 1945. n° 1 (em língua russa). 143 Cf. L. S . Vygotsky: P s i c o l o g i a e t e o r i a d a l o c u l i é a ç ã o , 'leses do primeiro congresso uevaniano dc neuropsicologia. Kharkov, 1934.

210

O Desenvolvimento do Psiquismo

automatizando progressivamente o processo correspondente. Tomemos um exemplo: a lesão das partes anteriores do lobo occipital do córtex pode deixar indenes as funções visuais elementares, mas provocar uma total incapacidade para ler: neste caso, simples exercícios não conseguem eliminar sensivelmente esta perturbação. Este defeito pode durar vários anos se não empregarem meios apropriados. E todavia possível restabelecer rapidamente a faculdade perdida da leitura, Para tal, substituise o elo óptico-motor do sistema considerado por um elo motor-manual: ensina-se a leitura ao doente obrigando-o a contornar as letras com a ponta de um lápis; depois, pratica-se o “contorno visual”; após algum tempo, o sistema está interiorizado com o seu elo restabelecido e a sua função toma o aspecto da leitura ordinária automatizada144. Mau grado tudo o que distingue o restabelecimento das funções do seu desenvolvimento, os dois processos traduzem, tanto um como o outro, a sua estrutura em sistema. É esta que torna possível a compensação, assente sobre um elemento da função diretamente lesada (compensação dita intra-sistematizante extenso) e a adaptação das funções e tarefas novas; não é, portanto, por acaso que atualmente se dá um sentido lato ao conceito de compensação, pois o estudo dos seus mecanismos mostrou que não existia qualquer diferença fundamental entre a reorganização nas funções nas condições patológicas e nas condições normais145. As grandes diferenças nada têm com as condições normais ou patológicas da reorganização, mas antes com o nível em que se situam as funções. Se se pode falar de um processo instantâneo a propósito das funções vegetativas ou das funções animais mais elementares, fazendo-se a sua reorganização automaticamente à custa das “reservas” do organismo, sob a ação de uma impulsão periférica, a coisa já é diferente para a 144 Cf. A. R. Louria: O r e s t a b e l e c i m e n t o d a s f u n ç õ e s c e r e b r a i s a p ó s u m t r a u m a t i s m o de Moscou, 1948; do mesmo autor: Psicologia e problemas da reorganização das funções cerebrais." í z v e s k i a d a A c a d e m i a d a s C i ê n c i a s d a R e p ú b l i c a d e B i e l o r n i s s i a , 1950,

g u e rra .

n° 2.

145 Cf. P. K. Anokhine: “Os princípios gerais da compensação das funções lesadas e a sua base fisiológica" Relatório à cessão do Instituto de Dcfectologia da Academia das Ciências Pedagógicas da R.S.P.R. Moscou. 1953.

1

O Desenvolvimento do Psiquismo

2 1 1

reorganização das funções psíquicas que se formam no decurso da vida. Neste caso, o processo é lento e faz-se por etapas; inclui uma exteriorização e uma “abertura" das funções, depois a fabricação especial de um novo elo que se insere em seguida na estrutura e em fim a interiorização do dito elo. Por outras palavras, este processo realiza-se por aprendizagem; constitui o resultado especial, “formal", pela sua oposição ao seu resultado dito material, que se traduz pela apropriação do material de aprendizagem sob a forma de conhecimentos ou de hábitos determinados. Regressemos ao problema mais geral que se nos põe. Assim, vimos que o desenvolvimento psíquico do homem, no decurso da sua história social não acarretava modificações morfológicas. As neoformações psicológicas têm por órgãos cerebrais novas “uniões nervosas” funcionalmente formadas por uma “traçagem” particular c estas uniões reproduzem-se todas as vezes em cada nova geração, na sequência de um processo específico de apropriação pelo indivíduo da realidade e da existência humanas. Assim se produziram as modificações da expressão superior da natureza do homem, as suas aptidões e as suas forças intelectuais. “A nossa natureza é moldávei”; isto relaciona-se antes dc mais nada com a natureza espiritual do homem, com a natureza do seu psiquismo. O progresso principal do desenvolvimento cerebral, ocorrido durante o período em que o homem adquiriu o seu tipo atual, consistiu evidentemente numa corticaiização progressiva da função de fixação das estruturas dinâmicas em formação, isto é, na transmissão ao córtex — órgão de experiência ontogênica — do papei desempenhado pelos centros subcorticais em face da acumulação da experiência biológica da espécie. Isto traduz fisiologicamente o que atrás descrevi como a faculdade própria ao homem de adquirir no decurso da sua vida a experiência da espécie, das gerações humanas. O progresso de que falamos foi preparado por toda a pré-história do cérebro humano, período durante o qual as funções das suas estruturas

212

O Desenvolvimento do Psiquismo

fixadas morfologicamente e das suas estruturas funcionais se aproximavam cada vez mais. 1. P. Pavlov falava deste lato como de um ponto de vista '"bastante pouco espalhado5' mas que ele tinha “todavia em mente5'. “Para mim, prosseguia Pavlov, a construção c a dinâmica não se opõem como se pensa habitualmente. Eu junto-as, identitico-as; para mim não há quase qualquer diferença... Razão por que penso que o que primeiro era dinâmico se torna em seguida construtivo, porque é a mesma coisa, lenho esta opinião e considero que a distinção entre matéria e função c convencional c relativa. Uma análise mais pesquisada destrói a diferença entre cias e acho estranho que se possa opor estritamente a dinâmica e a ~ 146 >5 construção Se ao nível anima! se deve tratar sobretudo da formação de construções fixadas pala hereditariedade, a nível do homem estas manifestações não se reproduzem por hereditariedade biológica mas pelo processo de apropriação atrás descrito c que constitui o mecanismo da “hereditariedade” social. Resta uma ultima questão a tratar, a da relação fundamental existente entre a dinâmica fisiológica do cérebro e o desenvolvimento dos processos psíquicos. Se prescindirmos das particularidades individuais que existem na dinâmica da atividade nervosa superior pode-se considerar que esta última não conhece mudanças essenciais, em todo caso no decurso da história do desenvolvimento do homem. As leis gerais que regem a atividade cerebral não mudam, quaisquer que sejam os pontos do córtex que se religuem entre si e quaisquer que sejam os "bordados dinâmicos que então se formem. Estes “bordados5 dependem do conteúdo da atividade do sujeito que realiza a relação deste último com a realidade, obedecendo às suas propriedades objetivas. O desenvolvimento, a variação e a diversidade desta atividade criam o desenvolvimento, a variação e a diversidade dos “bordados”. Se bem que eles representem sistemas constituídos de elementos fisiológicos entrando em relação uns com os

' 1,1Pavlov; As quartas-feiras clinicas de Pavlov, 1. I, Muscou-Leningrado. 1954. p.619 (em língua russa).

O Desenvolvimento cio Psiquismo

2/ 3

outros e sc bem que sejam o produto do trabalho cerebral, as particularidades qualitativas da sua função não podem todavia ser traduzidas em conceitos fisiológicos. O que elas refletem não se reproduz.' na sua representação grática no papel. Na sua qualidade especíiica, isto é, enquanto sistemas que realizam o reflexo, elas só sc manifestam atualizando-se, quer dizer, reproduzindo-se sob uma outra forma a atividade do sujeito relativamente à realidade refletida, pois é precisamente a atividade que é o processo real, no decurso do qual o refletido passa ( é transferido”) para o ideal, no reflexo. ■* Assim o psiquismo do homem é a função daquelas das suas estruturas cerebrais superiores que se formam na ontogenese durante o processo de apropriação das formas historicamente constituídas da sua atividade relativamente ao mundo humano que o rodeia; este aspecto do desenvolvimento dos homens, que se traduz psicologicamente pela reprodução, modificação c complexidade destas estruturas nas gerações sucessivas, representa o processo do desenvolvimento histórico do psiquismo. O estudo experimental da gênese e da estrutura das aptidões e funções psíquicas do homem que se formaram no processo de apropriação das aquisições do desenvolvimento soei o-histórico da humanidade, associado ao estudo da gênese e da estrutura dos mecanismos cerebrais correspondentes, representa uma extensão da démarche histórica ao domínio limítrofe das investigações psicológicas. Este estudo está hoje apenas nos seus começos. Mas já a experiência da análise da estrutura sistêmica de aptidões como as do ouvido, suscitada pela existência objetiva da realidade — da criação humana - - dos sons musicais e da realidade da linguagem sonora ou a aptidão para a percepção especificamente humana das cores — é uma nova prova experimental dc que as propriedades psíquicas do homem, tanto gerais como especializadas, não representam a manifestação de algumas propriedades particulares postas biologicamente nele, dc que se não poderia constatar senão a presença ou a ausência, mas que elas se formam durante o processo de desenvolvimento e dc educação.

214

O Desenvolvimento do Psiquismo

Esta experiência mostra que o conhecimento das leis c do seu processo de formação permite orientar conscientemente este processo e caminhar com maior segurança em direção ao fim cm vista: o desenvolvimento mais completo possível das aptidões dc todos os homens.

« MECANISMO DO R E F LEXO SENSORIAL

O Desenvolvimento do Psiquismo

217

I. A evolução das concepções científicas acerca dos mecanismos concretos da cognição sensível imediata tem uma dupla implicação: psicológica e fisiológica. Esta última confere importância particular ao problema posto e impõe uma análise atenta do estado da questão, tanto do ponto de vista científico concreto como do ponto de vista gnosiológico. No século XIX, a fisiologia clássica dos órgãos dos sentidos revelou um grande número de fatos e de regras científicas fundamentais. Ao mesmo tempo, desenvolveu no estudo da sensação uma concepção teórica que é por vezes qualificada entre nós de receptivisla, por opção à concepção rejlexológica das sensações, assente nos trabalhos de I. M. Setcheriov e de I. P. Pavlov. Sabe-se que esta concepção “receptivista” correspondia à filosofia do idealismo subjetivo. Esta última, por sua vez, utilizava largamente esta concepção para defender as suas posições. A concepção “receptivista” defende que a qualidade específica de uma sensação é determinada pelas propriedades do receptor e das vias nervosas condutoras. Esta posição foi formulada por J. Miiller que dela faz o princípio da “energia especifica dos órgãos dos sentidos”. Este princípio, sob o seu aspecto geral, é por vezes apresentado como a simples expressão dos fatos mais evidentes e mais banais: que o olho, por exemplo, pela sua estrutura, só pode dar sensações visuais, e a orelha sensações auditivas; não é de todo inútil, portanto, reproduzir aqui as teses pelas quais J. Miiller traduz este princípio no seu Curso de fisiologia do homem.

2 IX

O Desenvolvimento do Psiquismo

“Causas exteriores não podem provocar qualquer sensação que não possa ser provocada igualmente sem essas causas, pelo estado dos nossos 147„ nervos sensitivos “Uma única c mesma causa exterior provoca sensações diferentes nos diferentes órgãos dos sentidos, em função da sua natureza”. “As sensações próprias de cada nervo sensitivo podem ser provocadas por diferentes excitações, internas ou externas”. “A sensação transmite à consciência não as propriedades ou o estado dos corpos exteriores, mas as propriedades ou o estado do nervo, sensitivo, determinadas pela causa externa, e estas qualidades são diferentes para os diferentes nervos sensitivos’ . Destas teses, Mii 1ter tirava uma conclusão gnosiológica muito precisa: as sensações não nos fornecem o conhecimento das qualidades das coisas que agem sobre nós, pois elas respondem em função da qualidade do órgão sensitivo (da sua energia específica). Esta conclusão idealista subjetiva foi largamente sustentada posteriormente, pela boa razão de que não era possível refutá-la apoiando-se no conhecimento concreto dos processos da sensação. E é verdade que não se poderia fazê-lo a partir das possibilidades da teoria receptivista, pois não se pode negar a realidade dos fatos com a ajuda dos quais se procura provar que a especificidade de uma sensação depende da estrutura dos órgãos dos sentidos. Não é verdade, por exemplo, que um só e mesmo excitante, digamos mecânico, provoca efetivamente sensações diferentes em função do órgão do sentido sobre que age (olho, orelha, superfície da pele) ou que excitantes diferentes (corrente elétrica, pressão, luz) agindo sobre um único e mesmo órgão, o olho, por exemplo, produzem sensações da mesma qualidade, luminosas neste caso? As conclusões idealistas subjetivas decorrem diretamente do princípio das energias específicas; elas tem todavia um fundamento mais profundo, a saber: a posição de partida geral que caracteriza a concepção 117J. Müller: Handbuch für die Physiologie des Menschen für Vorlesungen. I II. 1840,. p

O Desenvolvimento do Psiquismo

219

considerada como receptivista. Esta posição é a seguinte: para que nasça uma sensação, basta que a excitação provocada no receptor por tal ou tal causa exterior atinja o cérebro onde ela se transforma imediatamente cm fenômeno subjetivo. Sobre estas bases, a análise dos processos que criam as sensações propriamente ditas iimita-se ao cio inicial, aferente, da reação; todos os outros processos provocados no cérebro pela excitação proveniente da periferia são considerados como realizando apenas a transformação ulterior das sensações (“raciocínios inconscientes", “síntese associativa” etc.), mas não participando no nascimento da própria sensação. Isto aplica-se com mais forte razão aos processos motores de resposta que permanecem totalmente fora do campo da concepção receptivista. Vê-se, portanto, que uma tai explicação da sensação apenas reproduz a de Ioda a velha psicologia subjetiva-empírica, que via nisto o resultado de um processo puramente passivo e atribuía a origem ativa a uma substância particular: a alma, a percepção ativa, a consciência. É esta concepção da sensação (e mais geralmente do conhecimento sensível), pretensamente passiva, puramente contemplativa, considerada como separada da atividade, da prática, c é o acento posto, pelo contrário, na atividade puramente espiritual, a atividade da consciência, que ligam a concepção receptivista da sensação ao idealismo subjetivo. E esta mesma posição que acarreta a escolha unilateral dos fatos que devia constituir o fundamento empírico do princípio de Míiller e das suas conclusões gnosiológicas. Esta parcialidade na escolha dos fatos fornecidos pela concepção receptivista teve por consequência estarem longe de esgotar todos os dados essenciais do processo da sensação: mais ainda: eles estavam mesmo em contradição com certos fatos bem conhecidos na época. Trata-se sobretudo dos fatos que testemunham a participação de processos motores no nascimento da sensação , ou ainda de fenômenos tais como as interações entre os órgãos dos sentidos. 148 Sabe-se que Webcr, Helmholz e outros descreveram fatos que testemunham a participação dos movimentos da rnào no aparecimento das sensações táteis. Mas só tiravam

220

O Desenvolvimento elo Psiquismo

Esta é a razão por que, embora a concepção periférica continuasse ainda dominante, se começaram a emitir outras hipóteses científicas sobre a natureza da sensação, na sequência da acumulação de um conjunto sempre mais vasto de dados científicos, em particular graças ao desenvolvimento de uma abordagem anatômica comparativa, evolucionista, dos órgãos dos sentidos. Foi sobretudo o desenvolvimento do ponto dc vista evolucionista que subverteu as idéias sobre a natureza da especificidade dos órgãos dos sentidos. Os dados fornecidos pelo estudo da evolução confirmavam com efeito a tese muito importante segundo a qual todos os órgãos dos -scuíkJo.s são produto de uma adaptação às influências do meio exterior e estão, portanto, pela sua estrutura e propriedades, adequados a estas influências'49. Por outro lado, apercebeu-se que, servindo os processos de adaptação do organismo ao meio, os órgãos dos sentidos apenas podiam realizar as suas funções com a condição de que refletissem helmente as propriedades objetivas do meio. Assim, o princípio da "‘energia especííica dos órgãos dos sentidos” transformava-se pouco a pouco no princípio dos “órgãos das energias especificas”, segundo o qual e inversamente as propriedades dos órgãos dos sentidos dependem de particularidades especíliças das energias das fontes exteriores que agem sobre o organismo. Notemos que esta posição desempenhou um papel eminente na crítica das conclusões gnosioiógicas tiradas da concepção periférica da sensação. No que toca ao desenvolvimento da abordagem genética, evolu­ cionista, devemos igualmente assinalar o papel do estudo da evolução funcional das sensações. Quero falar dos trabalhos consagrados ao estudo do deslocamento dos limiares de sensibilidade sob a influência de diversos disto conclusões negativas. Foi assim que Frey julgou por bem. para obter medidas mais puras dos limiares dc sensibilidade táctil imobilizar a mão do paciente dentro de gesso a fim de excluir toda a possibilidade de movimento da mão; détivamenlc, Shílder mostrou que nos limiares de sensibilidade da pele se reduzem de cinco a sete vcz.es pelo movimento da mão. N'JCr. S. 1. Vavilov: O olho e o sol. Moscou. 1950, S. V. Kravkov, Ensaio de psicofisiologiageral dos órgãos dos sentidos. Moscou. 1956.

O Desenvolvimento do Psiquismo

221

fatores exteriores em particular das condições da atividade profissional ou de exercícios especiais organizados para fins experimentais ' . Entre estes trabalhos, apresentam inlercs.se particular as investigações efetuadas sobre os processos de reorganização das sensações em experiências que criam condições artificiais, falseando o funciona­ mento dos órgãos dos sentidos. Estas experiências (Straiten e, muito recentemente, !. Köhler) mostraram que a reorganização que se produz nestas condições vai sempre no sentido de uma normalização das sensações, isto é, no sentido dc um restabelecimento da sua adequação à experiência dos contatos práticos com os objetos do mundo circundante Lugar um poueo singular ocupam as pesquisas particularmente desenvolvidas, nos anos trinta, por S. V. Kravkov e a sua escola " sobre a interação das sensações. A sua principal contribuição para a superação da velha teoria da sensação foi mostrar experimentalmente a existência de uma interação constante dos órgãos dos sentidos, manifestando-se em particular nos níveis neurológicos inferiores; foi assim destruída a tese segundo a qual as sensações seriam elementos autônomos e a sua associação uma função exclusiva do pensamento, da consciência. ^ R E G .: J S J 'SSêõ Finalmente, contribuição extremamente importante para a concepção materialista da natureza da sensação veio das investigações consagradas ao estudo da participação dos processos efectores no nascimento da sensação. No princípio, estas investigações respeitavam quase exclusivamente ao domínio das sensações ligadas à atividade dos receptores “práxicos” de contato; depois, com a descoberta das libras efectoras nos nervos sensitivos dos receptores visual, auditivo e outros, elas foram extensivas à análise dos mecanismos das sensações ligadas a150* 150 B. G. Ananiev: "O trabalho como condição essencial do desenvolvimento da sensibilidade". V o p r o s s y p s i k h o l o g i i , 1955. 1. 151 ]. Köhler: D i e M e t h o d e d e B r i i l e i i v é r s u c h e s i n d e r W a h r n e h m u n g s p s y c h o l o g i e m i t D e rn e t k ttg e tr. d u r v o n d e r . A d a p t a t io n , 1955; 1. Köhler, "Experiments with Prolonged Optical Distorsions.” Preceding of lhe XIV International ( ongress ol Psychology. 1955. l5~Cf. S. V. Kravkov: A a ç ã o r e c í p r o c a d o s o r g ã o s d o s s e n t i d o s . Moscou-Leningrado. 1948.

222

O Desenvolvimento do Psiquismo

receptores à distância, a receptores “contempladores”. Estas investigações, hoje muito numerosas e variadas, conduziram a uma conclusão de conjunto que pode traduzir-se por esta forma lapidar: a sensação enquanto fenômeno psíquico é impossível na ausência de uma reação de resposta ou no caso dc reação inadequada; um olho imóvel c tão cego como uma mão imóvel c astcreognóstica , Estas investigações desferiram, portanto, um golpe fatal ao fundamento da teoria receptivista. que fazia da sensação uma reação passiva resultante de um processo exclusivamente centrípeto. Elas fundamentaram solidamente a ideia de que o nascimento de uma sensação exige igualmente a existência de ligações de retorno do centro à periferia. O desenvolvimento destas investigações, de que só citei as que versavam sobre pontos essenciais, permitiu, portanto, reduzir a nada o fundamento empírico da concepção receptivista da sensação, pelo menos taí como fora formulada por Müller e Hclmholz e pelos psicofísicos. Todavia a principal contribuição positiva para a elaboração de uma teoria da sensação a partir de posições novas, fundamentalmente diferentes, seguiu um outro curso — o das idéias de Setchenov e de Favlov. 2. As concepções psicológicas e gnosiológicas de Setchenov são bem conhecidas e foram expostas em numerosas publicações1'4; razão por que não é necessário fazer aqui a sua exposição completa. Deter-nos-emos apenas nas teses propostas por Setchenov sobre a natureza da sensação e da percepção. Sabe-se que a démarche geral seguida por Setchenov no estudo da sensação é fundamentalmente diferente da antiga baseada na*154 lx'CT. P. I. Zintchenko: V o p r o s s y p s i k h o l ó g u i i . I ‘>58, 5; L, G. Tçhenov. A, Sutovskaía: "A patologia do tato". Arquivo das ciências biológicas (cm russo), 40,1, Moscou. 1936; P. Deiattrc: "Os índices acústicos da palavra"' P h o n e t i c a , Basilcia-Nova Iorque, v. 2. 1958. n"

1-2. 154Cf. E. A Budilova: A t e o r i a d e I . M S e t c h e n o v s o b r e a s e n s a ç ã o e o p e n s a m e n t o . Moscou, 1954; G. S. kosliuk: "O papel dos trabalhes dc Setchenov para o desenvolvimento de uma psicologia materialista”. Trabalhos da Universidade de Odcssa. t. CXLV1I, 1957; S L. Rubintein: V o p r o s s y p s i k h o l o g u i i . 1955, n° 5; Setchenov e a psicologia materialista. Recolha sob a direção de S. L. Rubinstein. Moscou, 1957,

O Desenvolvimento tio Psufuisino

223

comparação direta das propriedades do excitante e do eleito subjetivo que ele provoca sob a forma de sensação, üs efeitos de Setchenov visavam sobretudo explicar a produção da sensação como fenômeno psíquico determinado pela realidade material. Uma vez que. segundo a principal tese de Sctchenov, todas as atividades procedem do reflexo e conservamlhe a estrutura fundamental, a sensação devia ser portanto igualmente considerada como um fenômeno que só pode surgir na composição de um ato reflexo com as suas “consequências motrizes", quer manifestadas exteriormente, quer escondidas, inibidas. Considerava aqui como primeiros atos pelos quais um encadeamento motor externo realiza um contato direto com os objetos circundantes, uma adaptação prática à realidade. Surgindo no seio de um ato reflexo de adaptação, a sensação participa ao mesmo tempo na sua realização e mediatiza-o. A sensação pode realizar esta função porque c material. refletindo as propriedades da realidade material. Ela é com efeito determinada pelo fato de que ela própria se forma a partir de processos que, no fim de contas, são sempre processos motores externos, estabelecendo o contato com o próprio objeto. Para compreender todo o alcance desta posição devemos ver que a idéia, essencial do ponto dc vista do princípio, ela se liga, a saber: à realidade — cria a sensação enquanto fenómeno psíquico. Esta ideia de Setchenov põe o problema de uma maneira inteiramente nova: em vez de começar por perguntar o que pode esconder-se por detrás da sensação no mundo exterior (isto c, ir da sensação às coisas concretas), deve partir do modo como a realidade material engendra o fenômeno das sensação, ou seja. proceder, na análise cientifica da realidade, das coisas reais, a sensação. Se a primeira démarche, como mostrava Lcnine, e a do idealismo, a segunda, pelo contrário, traduz uma atitude materialista15 155"Sc quereis verdadeira meme 'resguardai' nos’ du subjetivismo c do solipsisme*, deveis antes ce mais abster-vos dos principais idealista? da vossa losolia: deve-se substitui: tendência idealista da vossa filosofia (que consiste em ir cas sensações ao universo exterior) pela tendência materialista (que consiste cm :r do universo exterior as sensações.) (Lcnine. Materialismo e empirocriíicistno, Obras. Moscou, Paris, t. XIV, p. 56). I .xistem traduções portuguesas.

224

O Desenvolvimento do Psiquismo

Antes de “ser dada” na sensação, a realidade concreta manifesta-se como condição de existência própria, como objeto de adaptação do organismo, que se realiza nos seus contatos reais com ela. Daqui resulta o reconhecimento do papel decisivo dos movimentos musculares na origem das sensações. Sem a participação do movimento, as nossas sensações e as nossas percepções não teriam a qualidade de objetividade, isto é, de relação com os objetos do mundo exterior ' 1. É este o ponto mais importante das teses dc Setchcnov sobre a natureza do conhecimento sensível. “Todas as nossas idéias sobre o mundo circundante, tão complexas e tão ricas, assentam, em última instância, sobre os elementos que nos são fornecidos com os músculos’ — assim resumia A. S. Samoilov este ponto fundamental das teses de Setchenov no seu discurso “I. M. Setchcnov e as suas ideias sobre o papel dos músculos no nosso conhecimento da . ,0 57 natureza Como se deve representar a participação dos movimentos no nasci­ mento das sensações e da percepção? Setchcnov exprime-o da maneira mais clara na sua análise das sensações táteis. 0 movimento que proporciona o contato tátil, o "encontro real da mão com um objeto exterior, acomoda-se inevitavelmente às suas proprie­ dades: tateando o objeto, seguindo os seus contornos, a mão reproduz as suas dimensões c a sua forma e por intermédio de sinais que partem do seu aparelho motor forma a sua “moldagem ’ no cérebro. Setchenov concebia de maneira análoga o funcionamento do aparelho visual. Sabe-se que ele considerava o processo de exploração como “absolutamente análogo pelo seu sentido” ao processo de apalpação do objeto pelas mãos. Aqui, todavia, Setchenov introduziu um novo elemento; o da associação da experiência visual em formação à experiência motriz tátil. “A retina do olho educado” e, propriamente falando, a retina de um olho inicialmente instruído pela mão. A introdução deste elemento » » C f . 1 M. Setchenov: O b r a s e s c o l h i d a s , em dois tomos (em russo), t. S. Moscou, 1952. do mesmo autor: F i s i o l o g i a d o s c e n t r o s n e r v o s o s , Moscou, 1952. 157A. F. Samoilov: E s c o l h a d e a r t i g o s e d i s c u r s o s . Moscou-Leningrado, 1946, p. 64.65

O Desenvolvimento do Psiquismo

I

225

novo era indispensável porque, diicfentemente do processo de recepção por contato da forma, da dimensão e da distância de um objeto que se realiza por movimentos por assim dizer impostos pelo objeto, o processo da sua recepção à distância não é estritamente determinado e controlado diretamente peio objeto: este não oferece a mesma resistência tísica ao movimento do olhar que à mão que o percorre. No seu princípio, Setchenov escondeu a sua representação do papel dos movimentos materiais às outras sensações exteroceptivas. Todavia, devemos sublinhar que foi obrigado a admitir para estas sensações um elo já muito mais longínquo e indireto com a experiência motriz. Isto introduziu nas suas teses sobre a natureza do conhecimento sensível uma certa inconsequência devida em grande parte a que fossem então desconhecidos numerosos fatos relativos às reações propriomotrizes dos receptores à distância. O passo decisivo fora no entanto franqueado: a base teórica geral da concepção reflexiológiea estava posta. Mau grado o alcance científico considerável que têm ainda o.s trabalhos de Setchenov para a compreensão da natureza da sensação, eles deixaram muitas questões sem solução. Trata-se. sobretudo, primeiramente, dos mecanismos nervosos centrais concretos, dos processos sensoriais e, segundo, da questão de saber porque se exprime e como se realiza a participação dos nós eferentes às sensações que não estão diretamente ligadas aos movimentos que tocam os objetos ou aos seus análogos (movimentos do olhar, por exemplo). O desenvolvimento da concepção reflexiológiea da sensação toi obra de Pavlov e da sua escola. A contribuição de Pavlov para a explicação da natureza e dos mecanismos da sensação não poderia reduzir-se, bem entendido, ao estudo dos analisadores, como por vezes se pretende, .lá a distinção inicial estabelecida por ele entre reflexos condicionais e incondicionais, que de ligava à distinção biológica capital entre dois tipos de elos do organismo com o meio — ligações diretas e ligações de sinalização — tinha uma importância considerável para a teoria geral da sensação. Tia permitiu

226

O Desenvolvimento do Psiquismo

introduzir na psicologia a idéia de uma função dc sinalização, de .' , , - 158 onentaçao, de sensaçao O aspecto psicológico desta tese foi apresentado sob a forma de uma hipótese sobre a gênese da sensação, enunciada na psicologia soviética nos fins dos anos 30 (Leontiev, Zaporojets). Esta hipótese é a seguinte: Para os seres vivos mais primitivos, os processos de interação com o meio são determinados pela sua irritabilidade relativamente às propriedades do meio que asseguram diretamente a assimilação e provocam diretamente reações de defesa, isto é, que nos dois casos determinam diretamente e por sí próprias a manutenção ou o desenvol­ vimento da vida do corpo proteico. É dc excluir a idéia de organismos primitivos reagindo assim a propriedades do meio não vitais para eles, pela simples razão de que reações deste tipo provocariam uma decomposição da sua substância que nada viria compensar (pois elas traduzir-se-iam por uma despesa de energia sem a qual não pode haver reação do organismo). Pelo contrário, nos animais relativamente mais organizados observavam-se igualmente reações nitidamente marcadas por estímulos que todavia não têm por sí mesmos, segundo a expressão de Pavlov, qualquer relação de "conveniência" com o organismo. Por outras palavras, eles são igualmente dotados de irritabilidade relativamente às propriedades neutras do meio. Todavia, a manifestação deste tipo de irritabilidade, nos animais que a possuem biologicamente, atige um fim, pois as reações destes animais aos estímulos neutros do meio circundante, mediatizando as suas funções vitais fundamentais, orientam-nos em relação às propriedades bióticas do meio, quer isto dizer que desempenham um papel biológico direto para eles. A idéia fundamenta! da hipótese considerada era que a função realizada pela irritabilidade dos estímulos que são diretamente neutros e desempenham apenas um papel de orientação no meio, é uma função de sensibilidade, uma adaptação à sensação, consequentemente, os orgãos que158

158Cl', Pavlov: Obras completas, T edição, t. 111. livro 1. Moscou-Leningrado. 1951.

O Desenvolvimento do Psiquismo

227

efetuam a transformação destes estímulos diretamente neutros são os orgãos dos sentidos, os receptores; por fim os fenômenos específicos aparecidos na seqiiência da manifestação deste tipo de irritabilidade são fenômenos que, sob a sua forma desenvolvida, se manifestam como fenômenos de sensação. Por outro lado, a principal condição do apareci­ mento da sensibilidade devia ser a passagem dos organismos de vida num meio mutável, mas homogêneo, a uma vida num meio de objetos. Foi este ultimo que criou a necessidade do nascimento, nos organismos, de relações mediatizadas, de relações de sinalização. Com efeito, um corpo age sobre o organismo não apenas em virtude, por exemplo, das suas propriedades nutritivas, mas sobretudo por um volume, uma forma etc., que estão apenas ligadas de maneira estável à aptidão do corpo considerado para servir de alimento. Assim, numa dada etapa da evolução biológica, pode-se dizer que os processos de interação que realizam a vida se desdobram: a influência das propriedades do meio que determinam diretamente a existência do organismo provoca reações que constituem os processos vitais fundamentais, as funções vitais fundamentais, por outro lado, em resposta à ação das propriedades neutras, desenvolvem-se processos que tnediatizam apenas exteriormente a possibilidade de realização destas íunçõcs fundamentais do organismo; os processos do comportamento. Como os laços objetivos entre as propriedades bióticas e as propriedades neutras das coisas não são senão relativamente estáveis e suscetíveis de mudar, as formas correspondentes de atividade vital mantêm relações dinâmicas entre si, se bem que possa surgir uma não-coincidência, uma contradição entre elas. Esta contradição nova é uma das contradições características do desenvolvimento do comportamento dos animais e das formas que neles pode tomar o reflexo das propriedades do meio circundante. De um ponto de vista filosófico-psicológico, esta hipótese constituía uma tentativa para excluir toda a possibilidade de concepção subjetivista da natureza da sensação pela maneira como o problema era posto no próprio limiar da investigação.

228

O Desenvolvimento do Psiquismo

Com efeito, não se pode compreender os fenômenos da sensação, subjetivos por natureza, como refletindo necessariamente as propriedades objetivas — a não ser que se admita que a sensação é. o produto do desenvolvimento de relações mediatizadas do organismo com o meio. Uma propriedade não pode receber a sua característica objetiva a não ser pela sua relação com uma outra propriedade objetiva e não diretamente do sujeito. Por consequência, para que se forme o reflexo subjetivo desta propriedade como propriedade objetiva, é necessário que estas duas relações — ao outro objeto e ao sujeito —se manifestem em unidade. Não se encontra a unidade destas relações a não sei' nas formas superiores da vida, as quais se realizam numa atividade mediatizada pelas relações objetivas das propriedades do meto 5 . Foi igualmente anunciada em fisiologia da atividade nervosa superior, cm particular por K. M. Bykov e A. T. Pchonik, a hipótese que aproximava o nascimento de ligações de sinalização do aperecimento da sensação. “O momento da formação do reflexo condicional como ligação temporária do tipo cortical superior — escreviam estes autores — é ao mesmo tempo o do aparecimento do ato psíquico elementar que é a _ ,.1 6 0 sensaçao*160

159Cf. A. N. Lconliev: O desenvolvimento cio psiquismo (to.se). 1940,; do mesmo autor: "Sobre a gênese da sensibilidade". Antologia Psicologia, consagrada ao 35° aniversário da atividade científica de D. N. Ouznadzé. Tbilissi, 1945. 160K- M. Bykov. A. T. Pchonik: "Sobre a natureza do reflexo condicionado Psisiologuitcheski Journal - S.S.S.R.. L. XXXV, 1949, n° 5: K. M. Byrov. "A sinalização dos receptores internos e externos fio córtex cerebral". Obras escolhidas, t. 1. Moscou, 1953: A. A. Guiurdjiam "Modificação da sensibilidade do analisador a um excitante quando este se torna um reflexo condicional,"A. L, Kniazeva "A formação de ligações temporárias aos excitanles não sentidos agindo sobre os orgãos dos sentidos. Trabalhos do instituto de fisiologia I. P. Pavlov. t. VI. 1949; A. 1.. Kniazeva, 1. E. Barbei: “Aformaçào cios reflexos condicionais com intensidade minimais dc excitantes luminosos"; Problemas de ótica fisiológicas, í.X. 1952; I. 1. Korotkine: "Correlação entre o subjetivo e o objetivo na formação do universo condicional do homem.” Trabalhos dos laboratórios de fisiologia I P. Pavlov. 1. XVI. 1949; A. T. Pchonik. R. A. Gelborbaum: "Dados sobre a lei da força relativa dos excitantes condicionais," Phisiologuitcheski Journal S S. .5. R.. 1955. n 4, I.

O D e s e n v o lv im e n to d o I ’s iq u is tu o

229

Notemos todavia que, mau grado certa semelhança exterior entre a hipótese e a exposta mais acima, há entre elas uma dilerença importante. Pois a identificação direta do momento do aparecimento da sensação com a formação do reflexo condicional negligencia o aspecto genético do problema; por este fato, ao problema do aparecimento que pode ser caracterizado objetivamente, substitui-se o problema das condições de transformação de excitações exteroeceptivas adequadas, mas sub-limiares, em excitações limiares. Os fatos em que assenta este ponto de vista testemunham-no com bastante evidência. A experiência de base consiste cm tomar um excitante que não produz, para uma dada intensidade, a impressão subjetiva de sensação (ou a impressão de uma diferença nas sensações). Este excitante provoca todavia reações objetivas determinadas, uma construção de vasos, por exemplo (o que é aliás um componente característico do reflexo de orientação); depois a ação do primeiro excitante é conjugada com a de um outro excitante, o que tem por resultado que o primeiro começa a ser distinguido subjetivamente pelo sujeito, isto é, a ser concientizado. Assim, este tipo de experiências apresenta na verdade um grande interesse, mas a outro nível: o da possibilidade de conscientização de estímulos na sequência da formação de associações ao nível cortical superior, evidentemente o do segundo sistema de sinalização A hipótese acima exposta sobre a gênese da sensibilidade põe o problema deferentemente, Não se trata, na espécie, da transformação de excitantes subliminares em excitantes limiares, mas na aquisição pelos excitantes de uma função de sinalização, de orientação. Razão por que ela deu lugar a experiências de natureza diferente (A. N. Eeontiev, com a colaboração de N. B. PoznankaYa, V. i. Asnine, V. I. Drobantseva e S. L.16 A. Tchistovich: "O deslocamento do limiar tie discriminação do excitante sonoro quando, da mudança do seu papel de sinalização”, ibidem, 1955, n°4. 161 Cf. F. 1’. Maiorov: ”0 problema das relações recíprocas do subjetivo e do objetivo no estudo da atividade nervosa superior.” Phisiobguitchexki Journal S. S. S. R.,, I. XXXVIl. 1951, n°2; V. G. Samsonova: “Algumas particularidades da interação do primeiro e do segundo sistema de sinalização quando da formação de reações condicionais a excitantes luminosas dc fraca intensidade”. Jornal da atividade nervosa superior, 5. 1953.

230

t" f i!' lí í '

O Desenvolvimento do Psiquismo

Rubinstein). Elas utilizavam excitantes luminosos intensos agindo sobre a pele da mão. Partia-se de um raciocínio simples: sabe-se que a pele reage aos raios do espectro visível, quer dizer isto que a ação da luz sobre a pele dos animais e dos homens produz certos efeitos fisiológicos diretos. Todavia a pele não é um orgão sensível à luz: mesmo para uma grande intensidade, a ação sobre a pele de excitantes luminosos não suscita reação de orientação. Neste sentido, a luz é um excitante inadequado no que toca á pele, isto é, ela não apenas permanece num registro “subsensoriai” ou “présensoriat”, mas é mesmo inapta para cumprir uma função de sinalização e entrar em ligação condicional com outros agentes. Esta tese foi de imediato objeto de uma verificação experimental. Um feixe luminoso cuidadosamente filtrado para lhe eliminar os raios infra-vermelhos era dirigido sobre a palma da mão do paciente (que o ignorava ‘ao longo de toda a experiência), depois apresentava-se uma excitação elétrica à pele, o que provocava um reflexo de elevação de “contração” da mão da superfície da instalação concebida para os fins da experiência. As experiências desta série desenrolavam-se, portanto, segundo o esquema habitual do método dito motriz de formação de um reflexo condicional com esta diferença: que a ação do agente neutro era muito mais prolongada que habitualmente e os intervalos entre as suas aplicações proporcionalmente maiores. Estas experiências deram resultados negativos. Mesmo após 350 a 400 combinações “luz-corrente” em qualquer dos quatro sujeitos não se formou reflexo condicional algum. As séries seguintes distinguiram-se da primeira antes de tudo, pelo fato do sujeito receber a indicação de retirar a mão para evitar os desagradáveis choques elétricos orientando-se sobre uma ação de “aviso ’ que ele próprio devia descobrir. Por outro lado, a experiência complicou-se um pouco: no caso cm que o sujeito retirasse a mão antes da ação do “aviso” (isto é, em caso de reação “falsa”), um sinal óptico indicava-lhe o erro, e ele devia aplicar de novo a palma da mão à superfície do aparelho, após o que era imediatamente dado um “aviso” seguido de choque elétrico. Por fim, as experiências desta série utilizavam uma instalação mais

**

m

O Desenvolvimento do Psit/uLinio

231

aperfeiçoada, excluindo praticamente toda a pos s i b i l i da de de reação a um fenômeno parasita (térmico, acústico etc.) acompanhando de uma maneira ou de outra o ligar da luz. Este método fez nascer no paciente uma intensa atividade de busca e de orientação visando à descoberta do “aviso”, lai como da primeira série ele ignorava a natureza do agente que preenchia esta função e a existência da luz caindo sobre a palma da mão. O resultado destas experiências foi que os pacientes (em número de dezesseis contando todas as séries deste tipo) manifestaram a aptidão para evitar a ação da corrente retirando a mão alguns segundos após o início da ação da luz. Indicaram que se orientavam sobre a manifestação de fracos fenômenos subjetivos, desprovidos de qualidade específica, que precediam o choque elétrico. Fato ainda mais interessante, apareceram fases na formação desta faculdade. Tanto dos dados objetivos como das relações dos sujeitos sobressaía que, num primeiro período, a “boa” contração da mão só se produzia no caso de procura ativa. No princípio, as reações ajustadas eram visivelmente fortuitas, depois o número de erros caiu a 10% e mesmo a 4% em certos casos, mas sem que jamais desaparecessem totalmente. A partir do momento em que a percentagem de reações falsas se estabilizava, a contração da mão podia tornar-se “maquinal”. Então, a evolução do processo estudado entrava na sua segunda fase caracterizada pela possibilidade de formar reflexos condicionais ordinários iluminando a palma da mão. A nossa tese foi igualmente verificada e confirmada por uma série de experiências comportando o emprego paralelo de dois métodos: o da “procura ativa”, que punha ao sujeito a tarefa de descobrir o agente ativo, e o da formação de um reílexo condicional propriamente dito. Esta investigação mostrou, portanto, primeiramente, que um agente cuja ação sobre um órgão não específico não provoca habitualmente processos de orientação em relação a outras ações, pode transformar-se num agente provocador dos processos deste tipo.

O Desenvolvimento do Psiquismo

Em seguida, ela chamou a atenção para a necessidade de, realmente, distinguir, por um lado, o processo, na sequência do qual um agente que não provoca gerahnente reação de orientação adquire esta função, e, por outro, o processo dc transformação deste agente em excitante condicional, isto c, o processo de elaboração de um reflexo condicional. Daqui resulta uma conclusão sobre a natureza particular de uma reação propriamente sensorial, que pode parecer primeiro um pouco inesperada, até mesmo em contradição com a teoria da atividade nervosa superior de Pavlov. Mas em última análise ela está plenamente conforme com as idéias de Pavlov sobre o mecanismo do reflexo condicional. A fisiologia da atividade nervosa superior parte como de um dado da aptidão do organismo para constatar as modificações do meio exterior c a elas reagir com reflexos de orientação. Sabe-se que a existência de uma reação de orientação incondicional a um agente exterior é a condição prévia obrigatória da formação de uma ligação temporária com possibilidade de uma diferenciação ulterior do agente ao curso do retorço de certas reações c do não-reforço dc outras. A uma atividade essencial “entre a simples constatação pelo sistema nervoso de uma diferença entre os agentes exteriores e a discriminação destes mesmos agentes com a ajuda de reflexos condicionados. A primeira aparece por um processo de excitação, sob a forma de uma reação dc orientação... ”. A natureza deste “processo de excitação sob forma de uma reação de orientação” constitui, portanto, uma questão particular que não coincide diretamente com a da formação dos reflexos condicionais. Por outras palavras, a primeira questão é a da natureza da sensibilidade (esta ultima designando uma função específica objetiva de orientação e não se limitando de modo algum à sua manifestação superior, sob forma de sensações conscientes). Se bem que Pavlov tenha muitas vezes sublinhado a nãocoincidência dos processos de diferenciação dos excitantes e da sua162

162 Pavlov: Obras completas, 2‘ edição, t. IV, Moscou-Leningrado, 1951, p. 142.

O

D e s e n v o lv im e n to iln

l* s i( } n is m o

233

discriminação peia formação de reflexos condicionais, está-se longe de o ter sempre em conta na exposição das suas teses sobre o funcionamento dos analisadores. Sabe-se que um analisador, segundo Pavlov, representa um sistema complexo estrutural constituído por um órgão periférico, por um aparelho condutor e por centros nervosos. A função deste sistema consiste sobretudo isolar de um meio complexo o seus diversos elementos agentes, lista distinção ou análise passa-se a dois níveis. No primeiro nível, é efetuada pelos receptores. O segundo nível ou nível superior da análise é assegurado pela atividade do córtex; ele efetua-se num processo de discriminação dos excitantes, resultante ele próprio da inibição condicional e da indução que nascem da oposição entre excitantes reforçados e não reforçados, h assim que sobre toda a massa cios excitantes homogêneos apenas alguns tomam uma significação de sinalização, ou seja, são sintetizados. Como o estudo do funcionamento dos analisadores se fizera sobretudo sobre o processo de formação das diferenciações, isto é, sobre a sua atividade de análise, teve-se tendência para identificar o processo de recepção das excitações ao da sua diferenciação que faz aparecer o seu papel de sinalização e para considerar o estudo da discriminação pelos reflexos condicionais como praticamente o método único e universal para o estudo objetivo da função receptiva16’ . Todavia Pavlov não era de todo desta opinião. Notando que a diferenciação pode nem sempre “chegar à plena utilização... do resultado da análise efetiva dos agentes exteriores’ , indicava mesmo que, neste caso, o estudo da atividade da análise pelos reflexos condicionais “teria os seu defeitos"1634

163 Cl'. L- A. andrcev: “Características gerais e particulares da atividade analítica dos grandes hemisférios segundo o exemplo analisador auditivo.’’ A r q u i v o s d a s c i ê n c i a s b i o l ó g i c a s , t. XLIX, 3a edição, 1938; do mesmo autor: F i s i o l o g i a d o s o r g ã o s c i o s s e n t i d o s . Moscou. 1941 164Pavlov: "Curso sobre o funcionamento dos grandes hemisférios cerebrais p. 142-143. O b r a s e s c o l h i d a s . T edição. I. IV

234

O Desenvolvimento do Psiquismo

3. O estudo gera! da atividade de análise e de síntese do córtex grandes hemisférios cerebrais trouxe uma contribuição capital ao desenvolvimento de concepções materialistas cientílicas concretas, fez aparecer o trabalho do cérebro, este órgão do psiquismo, como estritamente determinado pelas relações objetivas das propriedades agentes do mundo exterior c refletindo de maneira adequada estas relações. Todavia, se nos limitarmos às únicas concepções dos mecanismos concretos que foram estabelecidos nas experiências clássicas com elaboração de diferenciações e nos esforçarmos por fazer entrar totalmente o processo do reilexo sensível na atividade destes mecanismos, chocamos inevitavelmente com uma dificuldade teórica séria, a qual provém do fato do papel do fator decisivo, determinando a atividade de análise e de síntese, regressar ao reforço ou ao não-reforço de reações que apenas trazem à luz o papel de sinalização dos excitantes c não a sua natureza. Suponhamos, por exemplo, que um excitante sonoro ou luminoso na sequência da ação de um reforço alimentar começe a provocar no animal uma salivação condicionada. Isto signitica que o reflexo condicional que se formou reflete de maneira adequada a relação objetiva “som-alimento” ou “luz-alimento”; naturalmente produz-se igualmente um reflexo do excitante correspondente, mas precisamente na relação dada, isto é, enquanto sinal do alimento. Quando da elaboração de um só e mesmo reflexo condicional, nutritivo por exemplo, ao som e à luz, produzir-se-á portanto uma aproximação destes dois agentes heterogêneos, assente no seu papel de sinalização comum; inversamente, se dois excitantes similares tiverem funções opostas — um de reforço outro de não-reforço — eles serão diferenciados pelo animal, mas desta vez ainda segundo o papel de sinalização diferente que eles adquiriram. Assim, as investigações sobre a elaboração da diferenciação não abordam diretamente e deixam no fundo aberta a questão da adequação do reflexo da qualidade específica, isto é, da natureza dos próprios agentes, convém insistir especialmente neste ponto pois alargar consideravelmente o sentido da teoria dos processos da análise e da síntese cortical conduziria a identificar o reilexo do papel de sinalização, condicional, dos agentes,

O Desenvolvimento do Psiquismo

235

com o reflexo da sua natureza, isto c, a uma interpretação grosseiramente errada, puramente pragmática da cognição sensorial. Assinalando um lugar particular à questão dos mecanismos de recepção dos excitantes, pode-se, apesar de tudo, supor que o princípio da análise da formação e diferenciação dos reflexos condicionais conserva também o seu valor para este processo, mas apenas enquanto fundamento genético. Por outras palavras, é permitido supor que as propriedades específicas dos receptores que se traduzem pela sua irritabilidade seletiva se formaram no decurso de uma diferenciação constantemente reiterada e sempre mais afinada, de ações opostas segundo estavam ou não associadas a outras condições agentes do meio. Vê-se bem, todavia, que uma tal suposição não resolve a questão. Com efeito, a distinção dos excitantes pela inibição de diferenciação que se produz no córtex efetua-se segundo o esquema geral da análise “filtrante” que resulta de um encurtamento progressivo da “banda dc admissão” das excitações sobre as vias efectoras. Ora, os esquemas desta tipo não têm função dc “detecção”, quer dizer que não dão a reprodução dos parâmetros da ação inicial. Mas o que é em princípio impossível funcionalmente não poderia evidentemente ser admitido geneticamente. Razão por que a referência perfeitamente justa em princípio à filogênese no decurso da qual se constitui a seletividade especifica dos receptores não fornece quaiquer solução à questão da natureza da recepção propriamente dita. Esta questão resolve-se muito mais diretamente com investigações sobre os mecanismos especiais do reflexo de orientação; elas tomaram entre nós uma extensão particular nestes últimos anos 5 e permitiram obter um grande número de dados experimentais que caracterizam o processo de recepção do excitante como um sistema complexo dc componentes múltiplos c de.senrolando-se em diferentes níveis neurológicos. Este sistema compreende as ligações tanto diretas como de retorno, regendo não apenas os fenômenos que têm lugar nos receptores lft