Dicionário brasileiro de nutrologia [1ª edição] 9788538800088

Dicionário é um conjunto de vocábulos de uma língua ou de termos próprios de uma ciência, dispostos alfabeticamente e co

1,889 34 67MB

Portuguese Pages 272 [294] Year 2009

Report DMCA / Copyright

DOWNLOAD FILE

Polecaj historie

Dicionário brasileiro de nutrologia [1ª edição]
 9788538800088

Table of contents :
Capa
Folha de rosto
Ficha catalográfica
Dedicatória
Homenagem
Revisores
Agradecimentos
Colaboradores
Prefácio
Apresentação
A
B
C
D
E
F
G
H
I
J
K
L
M
N
O
P
Q
R
S
T
U
V
W
X
Y
Z

Citation preview

Dicionário Brasileiro de •

4.646 Vocábulos com suas mais Atuais Definições eConceitos

Carlos Alberto Nogueira de Almeida Durval Ribas Filho

~

Associação BRAsileira de N utrologla

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

li.RI 1( (1 OI. \ll l lll\lf.110 IULU l1ll!

TEL.: 0800-267753 www.athcncu.com.br

Di~ionário Brasileiro de Nutrologia EDITORES

Carlos Alberto Nogueira de Almeida Mestre e Doutor em Pediatria pela Universidade de São Paulo (USP). Especialista em Nutrologia pela Associação Brasileira de Nutrologia (ABRAN). Professor do curso de Medicina da Universidade de Ribeirão Preto (UNAERP). Coordenador do Centro de Estudos em Saúde e Nutrição Infanto-juvenil da UNAERP (CESNI). Diretor do Departamento de Nutrologia Pediátrica da ABRAN. Membro Titular da Academia Latino-Americana de Nutrologia (ALAN).

Durval Ribas Filho Presidente da Associação Brasileira de Nutrologia (ABRAN). Professor da disciplina de Nutrologia da Faculdade de Medicina da Fundação Padre Albino (UNIFIPA), SP. Professor de Saúde Pública da Faculdade de Fisioterapia de Catanduva (FAFICA). Professor de Nosologia Médico-Cirúrgica do Instituto M unicipal de Ensino Superior de Catanduva (IMES-FAFICA). Vice-presidente da Academia Latino-Americana de Nutrologia (ALAN). Vice-presidente do Internacional College of Advanced Nutrition (ICAN-USA).

•\Atheneu

ABRAN A sso ciação BRAsilei ra de N utro log ia

EDITORA ATHENEU

São Paulo

Rua Jesuíno Pascoal, 30 Tels.: (11) 6858-8750 Fax: (11) 6858-8766 E-mail: [email protected]

Rio de Janeiro

Rua Bambina, 74 Te/.: (21) 3094-1295 Fax: (21) 3094-1284 E-mail: [email protected]

Ribeirão Preto

Rua Barão do Amazonas, 1.435 Te/.: (16) 3323-5400 Fax: (16) 3323-5402 E-mail: [email protected]

Belo Horizonte

Rua Domingos Vieira, 319 Conj. 1. 104

PRODUÇÃO EDITORIAL: Texto & Arte Serviços Editoriais Ltda.

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) Dicionário brasileiro de nutrologia / editores Carlos Alberto Nogueira de Almeida, Durval Ribas Filho. -- São Paulo : Atheneu Editora, 2009. Bibliografia ISBN 978-85-388-0008-8 i. Nutrologia - Dicionários 1. Almeida, Carlos Alberto Nogueira de. li. Ribas Filho, Durval.

08-i 0662

CDD-613.203

Índices para catálogo sistemático: i. Dicionários : Nutrologia : Nutrição aplicada 613.203

DE ALMEIDA, C.A.N.; RIBAS FILHO, D. Dicionário Brasileiro de Nutrologia ©Direitos reservados à EDITORA ATHENEU -

São Paulo, Rio de Janeiro, Ribeirão Preto, Belo Horizonte, 2009

À Carla e à Maria Eduarda, que me ensinam, a cada dia, o significado da palavra AMOR.

Carlos Alberto Nogueira de Almeida

A meus eternos amados país, que, mesmo na distante estrela, sempre estão abençoando o meu caminho nutrológico. À minha querida família, Marina, Durval Neto e Therezínha, pela compreensão do amor à Nutrologia. Aos meus irmãos, Medis, Rougérío e Marílena, minha gratidão eterna pelo amor e admiração crescentes. Aos membros da minha família ABRAN, sem os quais nada teria sido construído. Durval Ribas Filho

Homenagem

Os editores e colaboradores fazem questão de homenagear o Prof. Dr. José Evangelista de Souza - pioneiro da Nutrologia no Brasil e fun, dador da Associação Brasileira de Nutrologia (ABRAN) -, de quem partiu a idéia da criação de um dicionário b rasileiro de Nutrologia. Vários termos e definições deste dicionário tiveram sua origem nas anotações deixadas pelo D r.José Evangelista antes de seu falecimento e, mais do que uma grande honra, a ABRAN entende como um dever a realização desta obra que concretiza um dos muitos projetos de seu fun, dador na incessante busca pelo crescimento científico da Nutrologia.

Revisores

Revisores - Associação Brasileira de Nutrologia (ABRAN) Coordenação Carlos Alberto Nogueira de Almeida Durval Ribas Filho Equipe de trabalho Antonio Carlos Meretka Carlos Alberto Nogueira de Almeida Durval Ribas Filho Edson Velardi Credidio Eline Almeida Soriano José Alves Lara Neto Léria Araújo Zaslavsky Luiz Antonio D el Ciampo Maria Del Rosário Zariategui de Alonso Nelson l ucifJunior Osman Gióia Rubens Garcia Ricco

Revisores - Curso de Medicina da Universidade de Ribeirão Preto Coordenação Carlos Alberto Nogueira de Almeida Conrado Pedroso Balbo ]anice Fernanda de Souza Vitor Equipe de trabalho Conrado Pedroso Balbo ]anice Fernanda de Souza Vitor Leandro Brandão Guimarães Tito Macri Bogaz Vanessa dos Santos Vieira

Agradecimentos

Os editores agradecem aos amigos da ABRAN, relacionados a seguir, que, direta ou indiretamente, contribuíram para a execução deste dicionário. Antonio Carlos Meretka Carlos Alberto Werutsky Edson Velardi Credidio Eline de Almeida Soriano Fernando Bahdur Chueire José Alves Lara Neto José Eduardo Dutra-de-Oliveira Júlio Sérgio Marchini Léria Araújo Zaslavsky Luiz Antonio Del Ciampo Luiz Roberto Queroz Márcia de Castro Sebastião Maria Del Rosário Zariategui de Alonso Nelson IucifJunior Osman Gióia Paulo Giorellí Paulo Masano Rubens Garcia Rícco Socorro Gíorellí Valter Makoto Nakagawa

Colaboradores

Antonio Carlos Meretka Médico pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Nutrólogo pela Associação Brasileira de Nutrologia/Conselho Federal de Medicina/ Associação Médica Brasileira (ABRAN/CFM / AMB). Ex-diretor e ex-membro do Conselho Diretivo da ABRAN.

Carlos Alberto Nogueira de Almeida Mestre e Doutor em Pediatria pela Universidade de São Paulo (USP). Especialista em Nutrologia pela Associação Brasileira de Nutrologia (ABRAN). Professor do curso de Medicina da Universidade de Ribeirão Preto (UNAERP). Coordenador do Centro de Estudos em Saúde e Nutrição Infanto-juvenil (CESNI) da UNAERP. Diretor do Departamento de Nutrologia Pediátrica da ABRAN. Membro Titular da Academia Latino-Americana de Nutrologia (ALAN).

Conrado Pedroso Balbo Acadêmico do curso de Medicina da Universidade de Ribeirão Preto (UNAERP).

Durval Ribas Filho P residente da Associação Brasileira de Nutrologia (ABRAN). Professor da disciplina de Nutrologia da Faculdade de Medicina da Fundação Padre Albino (UNIFIPA), SP. Professor de Saúde Pública da Faculdade de Fisioterapia de Catanduva (FAFICA). Professor de Nosologia Médico-Cirúrgica do Instituto Municipal de Ensino Superior de Catanduva (IMES-FAFICA). Vice-presidente da Academia LatinoAmericana de Nutrologia (ALAN). Vice-presidente do International College of Advanced Nutrition (ICAN-USA).

Edson Velardi Credidio Médico Nutrólogo pela Associação Brasileira de Nutrologia (ABRAN). T ítulo de Especia, lista em Gestão da Qualidade e Segurança dos Alimentos pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Coordenador do Sistema Nutrosoft e do Selo ABR AN. Membro da International Colleges for the Advancemente of Nutrition,USA. Membro da American College of Nutrition (ACN,USA). Membro do Comitê Científico da Sociedade Brasileira de Alimentos Funcionais (SBAF). Membro Titular da Academia Latino,Americana de Nutrologia (ALAN).

Eline de Almeida Sariano Médica Nutróloga com Residência em Nutrologia na Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (FMRP,USP) e título de especialista em Nutrologia pela Associação Brasileira de Nutrologia (ABRAN). Docente da disciplina de Nutrologia da Faculdade de Medicina de Botucatu da Universidade Estadual de São Paulo (FMB,UNESP). Membro da Câmara Técnica de Nutrologia do Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (CREMESP). Diretora da ABRAN. Presidente da CMTN do Hospital Estadual de Bauru, SP.

Janice Fernanda de Souza Vitor Acadêmica do curso de Medicina da Universidade de Ribeirão Preto (UNAERP).

José Alves Lara Neto Vice,presidente da Associação Brasileira de Nutrologia (ABRAN). Especialista em Nutrolo, gia e Clínica Médica. Membro titular do Colégio Latino,Americano de Nutrologia. Membro titular do International College of Advanced Nutrition (ICAN,USA).

Leandro Brandão Guimarães Acadêmico do curso de Medicina da Universidade de Ribeirão Preto (UNAERP).

Lérida Araújo Zaslavsky Mestre em Clínica Médica e doutora em Endocrinologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Especialista em Nutrologia pela Associação Brasileira de Nutrolo, gia (ABRAN). Professora Adjunta do curso de Medicina da Universidade Luterana do Brasil (ULBRA).

Luiz Antonio Dei Ciampo Professor Doutor do Departamento de Puericultura e Pediatria da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (FMRP,USP).

Maria Dei Rosário Zariategui de Alonso Médica especialista em Nutrologia pela Universidad de Buenos Aires (UBA), pela Associação Brasileira de Nutrologia/Conselho Federal de Medicina/ Associação Médica Brasileira (ABRAN/CFM/ AMB). Especialista em Ciências dos Alimentos pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). P rofessora do curso de Atualização em Nutrologia da ABRAN. Diretora e membro do Conselho Deliberativo da ABRAN.

Nelson lucif Junior Professor da Faculdade de Medicina da Universidade de Ribeirão Preto (UNAERP). Diretor do Departamento de Nutrologia Geriátrica da Associação Brasileira de Nutrologia (ABRAN).

Osman Gióia Professor Titular de Nutrição do Instituto de Nutrição Annes Dias (INAD) e da Universidade Santa Úrsula (USA). Médico Nutrólogo. Especialista em Medicina Esportiva pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Rubens Garcia Ricco Professor Associado do Departamento de Puericultura e Pediatria da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (FMRP-USP).

Tito Macri Bogaz Acadêmico do curso de Medicina da Universidade de Ribeirão Preto (UNAERP).

Vanessa dos Santos Vieira Acadêmica do curso de Medicina da Universidade de Ribeirão Preto (UNAERP).

Prefácio

Dicionário é um conjunto de vocábulos de uma língua ou de termos próprios de uma ciência, dispostos alfabeticamente e com os respectivos significados ou a sua versão em outra língua. Nós só podemos dar boas vindas e parabenizar os drs. Carlos Alberto Nogueira de Almeida e Durval Ribas Filho que, em companhia de vários colegas nutrólogos, fo, ram capazes de levantar, definir e listar as palavras correntemente utiliza, das na nossa especialidade. É preciso que se diga que, com o nome de Nu, trologia, como área médica clínica, ela é uma especialidade em Medicina. Em língua inglesa não existe a palavra "Nutrology"; encontramos o termo "Clinicai Nutrition'; que não possui o significado médico da Nutrologia. A Nutrologia é a especialidade médica que estuda as funções dos nu, trientes dos alimentos no indivíduo normal, garantindo,lhe uma qua, lidade de vida saudável, traduzida pelo crescimento e desenvolvimento normais das crianças, pela capacidade de bem aprender, por boa aptidão física e mental, pela manutenção das funções orgânicas normais e pela prevenção de doenças. Considerando suas básicas e múltiplas funções necessárias à vida, a Nutrologia orienta as pessoas no consumo diário de uma alimentação nutricionalmente equilibrada e balanceada. A boa alimentação, constituída de vários alimentos que contêm múltiplos nu, trientes, desenvolvem e sustentam o organismo, precede a boa saúde e previne o aparecimento de doenças. Sabemos que entre elas, e atual, mente em crescente frequência, estão as cardiovasculares, a hiperten, são, o diabetes e até certos tipos de câncer. Não devemos nos esquecer, também, que outras nutropatias, como o sobrepeso e a obesidade - a preocupante epidemia do século - ligam,se direta ou indiretamente a distúrbios de nutrientes e estão cada vez mais presentes em toda a pa, tologia humana. O que tem faltado é procurá,las, estudá,las melhor, diagnosticá,las e tratá,las. Com certeza, as nutropatias, desnutrições primárias e secundárias, são muito mais frequentes do que se tem

exteriorizado e caracterizado em clínica. Os médicos nutrólogos devem estar cada vez mais p reparados para garantirem uma boa nutrição, para diagnosticarem e tratarem as doenças nutricionais e, ao mesmo tempo, prevenirem as desnutrições de um modo geral. As desnutrições têm como causa básica distúrbios orgânicos relacionados à falta, excessos e/ou de alterações metabólicas relacionados a um ou, em geral, como é mais comum, a vários nutrientes. É preciso que se diga que a clínica de doenças nutricionais que estava, em épocas passadas, concentrada nas tradicionais deficiências de vitaminas, ou seja, em casos esporádicos de beribéri, escorbuto, pelagra e atualmente, de fome, vai cada vez mais se dedicando às múltiplas consequências dos distúrbios de nutrientes em todas as fases e condições de vida. Não se pode esperar outra coisa a não ser uma multivariedade de manifestações de distúrbios nutricionais, uma vez que a vida depende da energia e dos nutrientes dos alimentos na saúde e na doença. Certamente os nutrientes, ao lado de fatores genéticos e ambientais, têm relação na prevenção de vários processos mórbidos, desde, por exemplo, a etiologia do câncer, como a prevenção e o tratamento da osteoporose; ou o diabetes e doenças de glândulas endócrinas, que são problemas endocrinológicos, mas envolvem distúrbios do metabolismo tanto de macro como de micronutrientes. O fato é que essa nova visão plurinutrimental da Nutrologia vem exigindo mais, melhor e maior especialização de médicos em Nutrologia, com amplos e mais aprofundados conhecimentos na área da fisiologia e fisiopatologia dos nutrientes, obrigando-os a um maior conhecimento das funções e disfunções relacionadas a nutrientes. É verdade que isto vem sendo impulsionado pelo ensino e treinamento da especialidade nas áreas médicas clínicas, como en1 algumas Faculdades de Medicina, que a oferecem nos cursos de graduação, residência médica e pós-graduação em Nutrologia, como o que iniciamos em Ribeirão Preto na Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Atualmente, treinamento também é oferecido em Belo Horizonte, Botucatu, Uberaba e algun1as outras faculdades de Medicina no Brasil. A Associação Brasileira de Nutrologia, ABR AN, também oferece, já há alguns anos, cursos de Nutrologia e confere ao profissional o título de nutrólogo, reconhecido pela Associação Médica Brasileira e pelo Conselho Federal de Medicina. Outros cursos e congressos também oferecem oportunidades para o treinamento de diferentes p rofissionais que trabalham em Nutrição, um aspecto importante no exercício profissional que necessariamente deve ter um caráter multi e interprofissional, trabalhando em equipe. O fato é que já podemos considerar que existe hoje no Brasil uma ponderável e ativa classe de médicos especializados em Nutrologia, que considero bem maior que a de outros países mais desenvolvidos. Estes nutrólogos ensinam, pesquisam e oferecem assistência médica especializada em Nutrologia. Vários cursos, reuniões e conferências na área médica são realizados em diversas partes do país, muitos deles contando com a participação de profissionais de áreas afins como enfermeiros, nutricionistas, biólogos, fisioterapeutas, educadores físicos e outros. Livros e artigos a respeito de Nutrologia têm sido publicados em números crescentes, atingindo um público especializado e atento a progressos técnicos e científicos na área. É neste amplo sentido dos especialistas em Nutrologia, mas também de outras pessoas envolvidas na área de alimentação e nutrição, que tenho a satisfação de apresentar o Dicionário Brasileiro de Nutrologia. Ele tem uma função e uma contribuição muito grande de chamar a

atenção e definir termos e palavras em Nutrologia. Como dissemos, este trabalho é p roduto do esforço e liderança de dois colegas médicos: o dr. Carlos Alberto Nogueira de Almeida, professor na Faculdade de Medicina da Universidade de Ribeirão Preto (Unaerp), que, ao lado do dr.Joel Lamounier, é considerado pioneiro da Nutropediatria no Brasil; e o dr. Durval Ribas Filho, presidente da Associação Brasileira de Nutrologia (ABRAN). É preciso lembrar aqui, como médico e dicionarista, a figura do dr. José Evangelista, um dos nossos pioneiros, médico nutrólogo e fundador da A BRAN. Por último, penso que alguns comentários poderiam ser tecidos a respeito da história e grafia de alguns termos característcos de uma especialidade, como a própria palavra"Nutrologiá'. Trata-se de um termo brasileiro, introduzido por nós na literatura mundial em 1962 defendendo o ensino de nutrição em escolas de medicina no American ]ournal of Clinicai Nutriton e propondo, no Journal of Nutriton Education, o termo de Nutrology para a especialidade médica. 1•2•3.4,5,6•7 Isto ajuda a nos familiarizar, caracterizar outros temos e definições na área e, certamente, acrescentar outras palavras nessa literatura. D e qualquer maneira, e no caso de uma área que abrange as ciências nutricionais, que é biológica e social nos seus fundamentos e aplicações, podemos imaginar os n1uitos milhares de palavras que fo ram incluídas em um dicionário. Pode-se imaginar o trabalho exaustivo, de grande responsabilidade e valor, que foi realizado pelos nossos colegas nutrólogos e de grande utilidade para todos nós. Eu me permito lembrar também que, nos idos de 1988, em parceria com os drs. José Felix Chaves, da Venezuela, e Sérgio Marchini, fiz uma pequena incursão no assunto, publicando um pequeno dicionário latino-americano chamado Nomenclatura de

Alimentos y Nutrición, que procurava, em ordem alfabética, dar a equivalência de termos em espanhol, português e inglês, o que, certamente, é prático e importante para quem trabalha na área. No entanto, é realmente fundamental que um dicionário específico de Nutrologia inclua definições, conceitos e/ ou significados precisos do ponto de vista da área específica e, no caso presente, em constante renovação/ atualização técnica e científica. Dentro dessa visão e perspectiva, e como um dos decanos da Nutrologia brasileira, quero aproveitar esta oportunidade para fazer referência a alguns outros termos que tivemos a oportunidade de sugerir. "Nutrição" é o termo geral tradicional que se refere a todos os processos pelos quais os organismos vivos recebem e utilizam os nutrientes dos alimentos. Nesse

1

2

3 4

5

6

Outra-de-OliveiraJE. Views on nutrition programs in Brazil. AmJ Clin Nutr 1962;2(11):172-3. Outra-de-Oliveira JE. Teaching nutrition in medical schools: some problems and proposed solutions. J Nutr Educ 1974;2(6):49-51. Outra-de-OliveiraJE. Nutriton as a medical subspecialty. AmJ Cin Nutr 1975;(28):674. JE Outra de Oliveira. Teaching nutrition in medicals schools: past, present and future. World Rev Nutr Oiet 1976;(25):142-63. Outra-de-OliveiraJE, Vannucchi H, Veneziano PR. Lenseignement de la nutrition dans les facultes de Medicine. Une experience pratique. Med et Nutr 1978;15:413. Outra-de-Oliveira JE. Ensino de Nutrição Clínica para médicos. ln: Ferreira FAG. Homenagem

281, 1995. 7

Outra-de-Oliveira JE, Marchini JS. Clinicai nutrition for MOS: reapraisal and identity. An1 J Clin Nucr 1995;2(62):1289-90.

sentido, temos nutrição humana (enteral e parenteral), vegetal, animal etc. Acontece que, em relação ao homem, a área de ciências nutricionais apresenta também características inter, transe multiprofissionais. O número de médicos nutrólogos trabalhando em Clínica Médica é ainda pequeno. Embora enfoquem a Nutrologia do ponto de vista clínico de diagnóstico e tratamento dos problemas médicos nutricionais, esses profissionais enfrentam dificuldade pelo fato de a terminologia médica específica da área ainda não ser muito grande. No meu caso específico, assinalando que desde 1952, quando foí implantada a Faculdade de Medícína de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo, já no Departamento de Clínica Médíca estava incluída a discíplína de Nutrição, mas com a importante característica de igualdade de condições com as outras díscíplínas tradícíonais como Cardiologia, Nefrologia, Endocrinologia, Gastroenterologia etc., éramos quase um estranho no ninho clínico, mas procurávan1os um lugar ao sol. Essa busca, que avançou por cerca de 10 anos, foí encerrada quando, em 1966, a disciplina de Nutrição passou a ser denominada Nutrologia. Esta terminologia foi sempre defendida por nós para a Nutrição em Clínica Médíca. Defendíamos e continuamos a defender que, para a sua caracterização e identidade clínica, seria e é necessário que se usasse em Medicina Clínica o termo "nutro-•: acrescentada de"-logiá: denominação semelhante à de outras especialidades médicas clínicas. Esta terminologia, que temos mantido em relação a outras sub-especialidades médicas, como Nutropediatria, Nutrodermatologia ou o de Nutrogenômica, foi introduzida e utilizada por nós na década de 1990, após uma reunião realizada em Ribeirão Preto a fim de discutir recentes pesquisas e avanços relacionados à Nutrição e Genética (neste caso,a literatura inglesa tem usado o termo "Nutrigenomics"). É importante também assinalar que, como temos dito, a literatura médica internacional de língua inglesa não incluí o termo "Nutrology': Não há uma identificação clara sobre o que é e o que faz o médico que trabalha em Nutrição, nem um ensino clínico diferenciado de Nutrologia nos Estados Unidos e Europa. Assim, espero que possamos exercer um papel importante na caracterização e difusão da terminologia nutrológica. Parabéns mais uma vez aos colegas que prepararam este Dicionário, que será de grande importância e utilidade para a caracterização terminológica de diferentes aspectos da Nutrologia e para a identificação funcional dos seus especialistas, os médicos nutrólogos.

Prof Dr. José Eduardo Dutra de Oliveira Professor Titular da Divisão de Nutrologia do Departamento de Clínica Médica da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Uníversídade de São Paulo (FMRP-USP)

Temos o prazer de entregar à família da Nutrologia brasileira este dicionário, fruto do sonho do Dr. José Evangelista e do trabalho de uma grande equipe que o concretizou. Esperamos que possa ser de utilidade para todos os leitores.

Os Editores

abdome Região inferior do tronco situada entre

abscesso palatal Concentração de pus no pala-

o tórax e a pelve. S1N barriga; ventre. abdome agudo Processo patológico agudo, localizado no abdome, cuja intervenção cirúrgica é de extrema importância. ablactação Fase final da lactação; desmame (geralmente no sexto mês). abscesso Coleção purulenta bem delimitada; aposten1a. abscesso alveolar Relacionado com o processo alveolar originário do ápice de um dente ou lateralmente à raiz de um dente. abscesso circuntonsilar Ao redor das tonsilas. abscesso da polpa Ocorre no tecido n1ole que se encontra na câmara pulpar do dente. abscesso dentário Circundado de inflamação, que ocorre en1 torno do ápice de um dente, devido à vastidão de uma pulpite e uma cárie dental. abscesso de Tornwaldt De localização tonsilar faríngea ou do conjunto das partes próximas, é gerado por uma infecção da bolsa faríngea. abscesso estercoral Conjunto de pus e fezes. abscesso fecal Compreendido por fezes e con1 comunicação com a luz intestinal. abscesso gengival Lesão inflamatória e purulenta que geralmente descende da abertura de um trato fisculoso derivado de um abscesso apical. abscesso lácteo Abscesso mamário ocorrido durante o período da lactação. abscesso migrante Sua localização é discante do local de origem, un1a vez que o pus n1igrou ao longo dos planos do tecido.

to, ocasionado freqüentemente por un1 dente incisivo lateral não-vital, pela raiz dupla do primeiro ou segundo pré-molar, ou pelas raízes palatais dos molares. abscesso pancreático Formado no pâncreas ou en1 suas radiações, geralmente em conseqüência de uma infecção do pâncreas. abscesso pericoronal Infecçção ao redor da coroa do dente que está surgindo, ocorrendo nos terceiros molares superiores e inferiores. abscesso perirretal Ocorre no tecido conjuntivo connguo ao reto ou ao anus. abscesso peritonsilar Se forn1a na inflan1ação aguda de uma ou ambas as tonsilas. abscesso pré-mamário Localizado na região do tecido subcutâneo que reveste a glândula , . mamana. absorção Transporte ou passagem de nutrientes, por diferentes n1ecanismos, por meio da mucosa gastrointestinal. absorção de nutrientes Processo mediante o qual os nutrientes são levados, en1 condições especiais, até o sangue ou à circulação linfática. absorção e trânsito da água Realizada, em pequena quantidade, no estôn1ago, e, em sua maioria, no intestino delgado, o trânsito de água ocorre por sua passagem ao sangue (incravascular) por n1eio de sua passagem ao líquido intersticial, e, desce, para o líquido intracelular, retornando novamente ao líquido intersticial e ao sangue, até a sua eliminação. ,

A

absorção gástrica

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

ácido

absorção gástrica Sua capacidade, comparada à que se realiza no intestino, é reduzida, pois se limita à água e à pequenas quantidades de nutrientes, como álcool, açúcares, minerais (solúveis em água) e vitaminas (hidrossolúveis, exceto a B12 e a vitamina C). absorção intestinal Os nutrientes desintegrados, monossacárides, aminoácidos e ácidos graxos, água, minerais e vitaminas são absorvidos por meio das vilosidades intestinais e levados pelo sangue, ou pelos linfáticos, a tecidos e órgãos. Nesse mecanismo, ocorrem processos de osmose, filtração, difusão e ação direta do sistema celular das vilosidades. Os nutrientes que são absorvidos pelos vasos linfáticos penetram no sistema homônimo e os que são absorvidos pelos capilares passam à veia porta, ingressando, em seguida, no fígado. As principais substâncias absorvidas no intestino delgado são: maior parte de água, açúcares, álcool, minerais evitaminas hidrossolúveis; e produtos de digestão: peptídios e aminoácidos, ácidos graxos: dissacarídios; vitaminas lipossolúveis, juntamente com ácidos graxos. A principal função do intestino grosso é a de absorver água dos resíduos que procedem do intestino delgado. abstinência Jejum; dieta; capacidade de absterse; privação voluntária. abulia Distúrbio mental que apresenta falta ou redução da vontade de tomar decisões ou ações voluntárias. ação calorigênica Aumento da produção de calor do corpo humano que ocorre devido à alteração do hormônio da tireóide e ao consumo de bebidas alcóolicas. ação de poupança É quando um ocorre apresença de um nutriente não essencial na dieta que assin1, din1inui a necessidade por um nutriente essencial, como ocorre com a presença da tirosina não essencial que poupa a fenilalanina essencial. ação dinâmica específica Aumento da produção de calor do corpo humano, acima do nível basal, após ingestão de alimentos que contenham glicídios e lipídios, cuja utilização eleva o calor do corpo em repouso em cerca de 5%; a ingestão e a degradação de proteínas aumentam a energia de 20 a 30%. Perduram questionamentos na interpretação sobre a ação dinâmica específica (ADE); a opinião tradicional justifica o fenômeno calorigênico como resultado da ener-

2

gia extra exigida pelo flgado, face à desaminação de aminoácidos e da produção uréica. Essa energia adicional teria a função de metabolizar os resíduos formados que contenhan1 carbono dos aminoácidos desaminados, não convertidos em glicose, glicogênio e lipídios. Outra hipótese sobre a elevação da ADE é atribuída ao custo energético da síntese protéica. ação específica T ratamento ou ação de un1a droga que age de maneira curativa direita e especial sobre uma enfermidade, como ocorre com a vitamina B12 na anemia perniciosa. acarbose Oligossacarídio bacteriano. Potente enzima inibidora da amilase pancreática, da sucrase e da maltase. acetilação Entrada de radical acetil na estrutura n1olecular de complexo orgânico, comumente por reação com o ácido acético. acetilcoenzima Produto da condensação do ácido acético e da coenzima A, tem importante ação metabólica, é agente cintilante em várias reações, provê energia para a respiração celular e desempenha outras funções químicas. acetilcolina Neurotransmissor (CH3CO-OCH2 CH 2N (CH3) 3OH) derivado da colina liberada em algumas tern1inações nervosas (colinérgicas ), para excitar o músculo.Julga-se que esteja relacionada com as etiologias das doenças de Parkinson e de Alzheimer. S1N hidróxido de acetiletanolcrimetilamônio. acetona Substância (CH3COCH 3) depositada no sangue e nas secreções, quando não há oxidação completa das gorduras (diabetes n1elito); o indivíduo adquire hálito com odor de frutas. Considerada um corpo cecônico, é eliminada pela urina, produzindo aceconúria. S1N dimetilcetona; propanona. acetonemia Presença de grande porcentagem de corpos cetônicos no sangue. acetonúria Presença de corpos cetônicos na urina. acidemia Baixa além do normal do pH sangüíneo. ácido 1 Substância que contém hidrogênio que pode ser substituído por um outro n1etal ou que em uma solução aquosa pode liberar íons hidrogênio (Teoria de Arrhenius) 2 Substância iônica ou molecular capaz de ceder um próton. Tal fato ao contrário da anterior (Arrhenius) também pode ocorrer em meios não aquosos (Brosted-Lowry) 3 Substância iônica ou molecular que aceita partilhar um par de elétrons

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

ácido acetoacético ácido clavulânico

fornecido por uma base, formando uma ligação coordenada covalente entre as determinadas substâncias (G. N. Lewis) (Tal definição é interessante por abranger substâncias que não contêm um próton (ionte de hidrogênio)]. ácido acetoacético Produto (CH3COCH2 COOH) obtido no mecabolisn10 das gorduras e que constitui um dos corpos cetônicos [Os outros são: acetona, ácido beta-hidroxibutírico e ácido diacético. Quando formados em excesso, os corpos cetônicos podem ocasionar cetonemia; cetonúria e cetose, aparecendo nos casos de desnutrição e diabetes.] SIN Ácido diacético. ácido adenílico Ligação do ácido fosfórico con1 um açúcar, a ribose, e uma base, a adenina, que desempenha função ativa no mecanismo muscular e seu processo metabólico • á. a. muscular Ácido adenosina-5-fosfórico • á. a. de leveduras Ácido adenosina-3-fosfórico. SIN adenosina monofosfato ou AMP. ácido alfa-cetoglutâmico Produto de desaminação oxidativa do ácido glutâmico e um dos produtos intermediários no ciclo do ácido tricarboxílico. ácido alfa-linolênico Ácido graxo poliinsaturado (CH 3(CH 2CH=CH\CH2(CH\COOH], com 18 átomos de carbono e três duplas ligações nos carbonos 9, 12 e 15, provavelmente (Considerado um ácido graxo essencial.] SIN ácido octadecacrienóico. ácido alla-lipóico Ácido 6,8-ditio-n-octanóico; antioxidante regenerador das vitaminas E e C, da glutacion-peroxidase, quando esses, neutralizando radicais livres, tornam-se elementos oxidados; tem também atuação no complexo da piruvato desidrogenase e em outras proteínas do complexo alfa-cetoácido desidrogenase do n1etabolismo de energia celular.

ácido araquidônico (ou eicosatetraenóico) Ácido 5,8,11,14-icosatecraenóico, ou seja, é um ácido graxo, com duplas ligações nos carbonos 5, 8, 11 e 14; tem grande valor sob o ponto de vista nutritivo. Em ratos com carência de ácidos graxos essenciais, ele é um dos ácidos graxos participantes da cura de cal síndrome provocada. Ponto de fusão: -49º C. Existe no óleo de amendoim e em outros vegetais, e também no leite de vaca, nas gorduras de tecidos e no cisco dermóide. ácido arsanílico 1 Ácido p-aminobenzeno-arsênico (C6 H 8AsNO 3) 2 Composto primário síntese de vários arsenicais utilizados em medicina.

ácido ascórbico Vide VITAMINA c. ácido ascórbico-oxidase Enzima vegetal que converte o ácido ascórbico em ácido deidroascórbico. No vegetal vivo, a enzima se mantém separada da vitamina; porém, no tecido murcho, en1 contato com o substrato, provoca imediara destruição da vitamina. Ao catalisar a oxidação do ácido ascórbico, essa enzima de natureza cúprica dá como produto final a água e não, o peróxido como acontece com as demais enzimas oxidativas. A catalisação da oxidação operada pela ácido ascórbico-oxidase é feita rapidamente e implica sempre a perda de poder da vitamina C contida no produto, especialmente quando se trata de sucos vegetais. Industrialmente, a ação inconveniente da ácido ascórbico-oxidase é evitada por sua inativação por meio da conservação dos alimentos sob baixa temperatura durante algum tempo; reduzindo seu conteúdo de oxigênio por desaeração; ou submetendo os produtos à pasteurização. ácido aspártico 1 Ácido aspargínico (HOOCCHNH2CH2COOH) 2 Aminoácido não essencial, dibásico, sintetizado facilmente no organismo. Tem ação precursora na produção de substâncias orgânicas e atividade intern1ediária na síntese de vários an1inoácidos e compostos. ácido beta-hid roxibutírico Composto de quatro carbonos; faz parte dos corpos cetônicos. ácido beta-piridinocarboxílico Vide NIACINA. ácido cetoglutárico Cetoácido dibásico (COOH(CH) 2CO.COOH) intermediário do metabolismo de lipídios e protídios. ácido cetoléico Pode ser oxidado diretamente pelo homem. ácido cevitamínico Vide vITAMINA e. ácido cítrico 1 Ácido 2-hidroxi-1,2,3-propanotricarboxílico; ácido tribásico (C6H 8 O 7 ) 2 Oxidado no organismo produzindo dióxido de carbono e água. É um dos compostos do ciclo de Krebs. Ele pode ser encontrado em tecidos animais e vegetais, e as frutas cítricas são uma grande fonte do mesmo. ácido clavulânico Antibiótico obtido de cultura de Streptomyces clavuligenus, com atividade em altas concentrações sobre os germes Gram-posicivos e negativos. Apresenta anel beta-lactâmico, destituído de cadeias lacerais, junto a um anel hexazelidina. Tem enérgica ação inibidora das beta-lactamases forn1adas pelos estafilococos e os bacilos Gram-negacivos. Por essa característica, seu emprego junco 3

A

ácido clorídrico

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

ácido fólico

com cefalosporinas e penicilinas é clinicamente vantajoso no combate a germes produtores de beca-laccamases. ácido clorídrico 1 HCL 2 Produto das células parietais ou oxíncicas das glândulas fúngicas; . . integra, como con1ponence 1mportance, a secreção gástrica. O teor de ácido clorídrico na solução das glândulas parietais atinge cerca de 150 mEq, con1 pH de 0,8. ácido cójico 1 5-hidroxi-2-[hidroximecil]-4 -pirona 2 Toxina produzida por Aspergillus flavus e parasiticus e outros. Sincon1acologia da infecção: salivação, vômitos e transtornos do sistema nervoso. ácido deidroascórbico Forma oxidada do ácido ascórbico, capaz de volver à forma originária, tornando-se ativa biologicamente. Sua inatividade resulta da eliminação de dois átomos de hidrogênio da vican1ina C, no mon1enco em que ela é oxidada pelo ar ou por outros agentes. ácido desoxirribonucléico (ADN) Grande n1olécula no núcleo da célula determinante dos caracteres hereditários. Vide ÁCIDO NUCLÉICO. ácido djencólico Substância tóxica [CH/ SCH2CH(NH2)-COOH)2] presente em certas legunlinosas, em uvas, con10 a Phitecolatrium labatum. Sua ingestão excessiva em alimentos produz lesões renais. Primeiramente cal ácido foi isolado na vagem do ripo djencol, originando assim o seu nome. ácido docosaexanóico Ácido graxo poliinsacurado com 22 átomos de carbono e seis duplas ligaduras. Encontrado principalmente no cérebro, tecido nervoso e retina. ácido elaídico Ácido graxo cransisômero do ácido oléico, de fórmula CH3(CH 2)7 CH= CH(CH) 7 COOH. ácido eritroascórbico Ácido isoascórbico. ácido titânico Ácido graxo formado do fi.col ou álcool ficílico ( álcool insaturado encontrado nas gorduras) e nos tecidos de pacientes com doença de Refsun, causada por incapacidade hereditária de oxidar o ácido ficânico que contém um grupo de CH3 no carbono beca, o que bloqueia a beca-oxidação. As pessoas normais podem impedir o bloqueio, pelo uso de uma alfa-oxidação inicial, mas os enfermos de Refsun são aparentemente desprovidos dessa capacidade. O ácido fitânico que se acumula na doença de Refsun pode ser retirada através de uma dieta que restringe a sua ingestão. Conseqüentemente a força do músculo e a função do

4

nervo periférico voltam ao normal, não ocorrendo perdas nas habilidades de ver e ouvir. ácido lítico 1 Ácido 1,2,3,4,5,6-ciclo-hexanahexol-fosfórico (C6 HiOPO(OH)z]6 ) 2 Encontrado em certos vegetais e cereais, chocolate etc.; é inibidor da absorção de ferro, zinco, cálcio e magnésio. ácido fólico O ácido fólico (pceroilglucâmico) é assim denominado por sua freqüente presença em folhas vegetais. O requerimento de ácido fólico necessário ao organismo é suprido por alimentos que contêm poliglutamaco e 5-mecil cecraidrofolaco e por processo de síntese realizado por bactérias intestinais. O poliglucamaco e o 5-mecil tetraidrofolaco são convertidos, pelo organisn10, em forn1as ativas biologican1ente, ou em formas enzimáticas da vitamina. Dessas formas ativas, destaca-se o ácido folínico (fator citrovorum). A síntese de ácido fólico pela flora intestinal, a não ser nos momentos biológicos (p. ex.: gestação, lactação, crescin1ento etc.), assegura ao organismo grande parte de suas exigências. ABSORÇÃO Absorvido pelo intestino delgado; o jejuno é a parte onde há absorção ativa. EXCREÇÃO Seu excesso é excretado pela urina e pelas fezes. Alguns folatos ( compostos sin1ilares quimicamente e nutricionalmence ao ácido fólico) são excretados pela bile. FUNÇÕES Participa de vários sistemas enzimáticos; na forma de enzima é essencial para reações, tais como: conversão de glicina em serina; metilação de homocisteína e mecionina; produção de creatinina por meio do ácido guanidoacético; formação de tin1ina desoxirribóside; formação de compostos porfirínicos e formação de ácidos nucléicos. Controla a hematopoiese (maturação normoblástica). Indispensável para a oxidação de aminoácidos (fenilalanina) e tirosina. Como tetraidrofolato toma parte na transferência de um só carbono para obter a síntese do DNA. Exerce ação defensiva orgânica contra a toxicidade de sulfas. É essencial para o crescimento do Lactobacillus casei. PRINCIPAIS FONTES Levedo de cerveja, salmão, embrião de trigo, espinafre, fígado, amendoim torrado, ostra, frango, couve, trigo integral, batata inglesa, aspargo, melão, vegetais folhosos, cogumelo. REQUERIMENTOS A determinação é feita em microgramas (mcg). Lactentes: até 5 meses: 25 mcg; de 6 a 11 meses: 35 mcg. Crianças: de 1 a 3 anos: 50 mcg; de 4 a 6 anos: 75 mcg; de 7 a 10 anos: 100 mcg.

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

ácido folínico ácido láurico

Homens: de 11 a 14 anos: 150 mcg; de 15 a 18 anos: 200 mcg; de 19 a 22 anos: 400 mcg; de 23 a 50 anos: 400 mcg; acima de 51 anos: 400 mcg. Mulheres: de 11 a 14 anos: 150 mcg de 15 a 18 anos: 180 mcg; de 19 a 22 anos: 400 mcg; de 23 a 50 anos: 400 mcg, acima de 50 anos: 400 mcg. Gestantes: os mesmos requerimentos da mulher normal + 400 mcg. Nutrizes: os mesmos requerimentos da mulher normal + 100 mcg. A RDA (quota diária recomendada) atual para adultos a partir de 19 anos é de 400 mcg, e para gestantes e nutrizes, 600 e 500 mcg, respectivamente. Para mulheres em idade fértil, durante o período periconcepcional, é recomendada un1a suplementação de 400 mcg ao dia, para prevenção de defeitos do tubo neural no feto. DEFICIÊNCIA Pode ocorrer por ingestão inadequada e falhas de absorção. Outras causas podem, ainda, contribuir para a deficiência de ácido fálico, como, por exemplo, incidência de determinadas enfermidades (sprue tropical), prejudicando a absorção de folatos; excreção urinária aumentada de ácido fálico; intervenção na ativação ou síntese de enzimas necessárias ao aproveitamento de folatos. A deficiência de ácido fálico ocasiona glossite, perturbações gastrointestinais e anemia megaloblástica (da gestante e do lactente). SIN ácido pteroilglutân1ico, PGA. ácido folínico 1 Ácido-5-formil-5, 6, 7, 8-tetraidrofólico 2 Tern10 que designa um grupo de fatores existentes em extrato de fígado, os quais podem ser obtidos artificialmente. É essencial para o crescimento do fator citrovorum e nas anemias perniciosas e megaloblásticas, o seu sal de cálcio pode ser empregado como opositor dos efeitos tóxicos antagonistas do ácido fálico. ácido fosfatídico De importância por ser intermediário na síntese dos triglicérides e fosfolipídios. ácido fumárico 1 Ácido trans-etilenodicarboxílico (COOH.CH:CH.CH.CO O H) 2 Existente na Fumaria officinalis e em tecidos de mamíferos como intermediário do metabolismo glicídico. ácido gentísico 1 Ácido 2,5-diidroxibenzóico (C7 H 6 O 4) 2 Presente na genciana, após a ingestão de salicilatos, a sua presença ocorre também na urina. ácido glicirrízico De fórmula C 42H 62O 16, seus sais são encontrados em plantas do gênero

Glycirrhiza; por meio da hidrólise, ele libera uma molécula de ácido glicirretínico e duas moléculas de ácido glicurônico. É provável que ele tenh a algumas ações fisiológicas da desoxicorticosterona. ácido glicocólico Ácido (C26H 43 NO6 ) presente na bile, resultante da combinação de ácido cólico e glicina. ácido glioxólico 1 Ácido forn1ilfórmico (CHO.COOH) 2 Componente de vários tecidos animais e vegetais, pode exercer fu nções como precursora da glicina e também pode ser obtido através de uma desaminação oxidativa da mesma. ácido glucoascórbico Forma homóloga do ácido ascórbico. ácido glutâmico 1 Ácido 2-amino-pentanodióico (C 5 H 9 NO 4) 2 Aminoácido dibásico, fartamente presente em protídios, que en1 forma livre, apresenta-se em fluidos e tecidos orgânicos (glutan1ina). Atua como precursor da ornitina, do ácido pteroilglutâmico; no cérebro, é precursor do ácido gama-amino-butírico. ácido glutárico 1 Ácido 1, 3-propanodicarboxílico (HOOCCH 2CH2CH2 COOH) 2 Encontrado na lã do carneiro e na beterraba, é un1 intermediário no metabolismo do triprofano. ácido hexurônico Vide vITAMINA e. ácido hipúrico 1 Ácido benzoila.minoacético (C9 H 9NO 3) 2 Produto metabólico do ácido benzóico. E encontrado em grande teor na urina de herbívoros e em pequena quantidade na urina humana. ácido isoascórbico Vide Ácioo AscóRsico. ácido láctico Ácido 2-hidroxipropanóico, que pode ser encontrado em três formas: produzido por fermentação bacteriana da lactose - ácido D(-)-láctico (CH 3.HCOH.COOH) levorrotatório - ; tambén1 é formado durante a contração muscular, por glicólise anaeróbica - ácido L( + )-láctico (CH 3 .HOCH.COOH) dextrorrotatório - . Em terceiro ocorre a mistura racêmica dos ácidos anteriores - ácido D L-láctico - , ocorrida devido a ação de bactérias sobre o leite azedado ou em outros alimentos e através de uma fern1entação sintética. É utilizado como constituinte de fórmulas alimentares infantis e como agente terapêutico. ácido láurico 1 Ácido dodecadienóico (CH/ CH2) 10COOH] 2 Ácido graxo presente no leite e nos olhos do louro, na palma, no coco e em outras gorduras. 5

A

ácido linoléico

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

ácido pantotên ico

ácido linoléico 1 Ácido octadecatrienóico

ácido olivânico Novo antibiótico complexo cons-

[S:Hi CH2 CH=CH\ CHz(CHJ6 COOH] 2 Acido graxo insaturado, essencial à nutrição, que está presente em glicérides de semente de linho e demais óleos. ácido málico 1 Ácido hidroxissucínico, que existe sob três forn1as, duas optican1ente ativas e uma mistura racêmica (HOOCCH 2CHOH COOH) 2 Presente na maçã e em uma variedade de outros frutos adstringentes 3 Intermediário no ciclo do ácido tricarboxílico. ácido mandélico 1 Ácido hidroxitoluico [C6 H 5 CH(OH)-COOH] 2 Atua como antisséptico urinário, tanto de modo bactericida como bacteriostático. ácido mevalônico 1 Ácido beta-delta-diidroxibeta-metilvalérico [HOCH 2-CH2 -C(CH 3) (OH)-CH 2-COOH] 2 Favorece o desenvolvimento do Lactobacillus acidophillus. ácido mirístico 1 Ác~do tetradecanóico [CH3 (CH 2) 12COOH] 2 Acido graxo que está presente nas glicérides de várias gorduras. ácido múcico 1 Ácido tetra-hidroxiadípico (C6 H 10O 8 ) 2 Ácido árico que se deriva da oxi9ação da D-galactose. áAcido nalidíxico 1 Ácido 1-etil-1,4-diidro7-metil-4-oxo- l,8-naftiridina-3-carboxílico (C 12H 12N 2O 3) 2 Agente antibacteriano, administrado por via oral, empregado no tratamento de infecções do trato genitourinário, seu efeito ocorre prinicipalmente contra a Escherichia coli e uma variedade de espécies de Proteus. ácido nicotínico Vide N1Ac1NA. ácido nucléico Ácido orgânico formado por quatro bases: adenina, guanina, citosina e timina. Em sua combinação com proteínas, formam-se nucleoproteínas. Há dois tipos principais de ácidos nucléicos: ribonucléico (RNA) e desoxirribonucléico (DNA). An1bos são importantes na sintese proteica e na transmissão de características hereditárias. Os ácidos nucléicos são sintetizados pelo organismo. ácido oléico Ácido graxo insaturado com un1a dupla ligação (carbono 9) [CH3(CH 2\CH: CH(CH 2\ COOH], com ponto de fusão de 13,4ºC. Encontrado abundantemente em óleos e gorduras, em maior proporção do que em outros ácidos graxos. A passagem do ácido oléico (eis para trans) possibilita a hidrogenação da gordura; na n1argarina, pode haver essa transformação.

tituído por cerca de sete componentes, ativo inibidor de beta-lactamases pelos germes Gramnegativos e estafilococos. Apresenta amplo espectro de ação sobre germes Gram-positivos e negativos. Sua associação com penicilinas sensíveis às beta-lactamases confere a esses antibióticos ação antibacteriana sobre os germes produtores de enzimas, fato que não ocorre quando aplicados sem o ácido olivânico. Esse ácido, misturado à an1picilina, aumenta a sua atividade, mesmo que em pequena concentração. ácido orótico Ácido que intervém na biossíntese de pirimidinas e fator de crescimento de microorganismos. Tido como ativo biocatalisador. SIN alfalipóico, ditioctácido. ácido oxálico De fórmula HOOC-COOH, é o membro mais baixo dos ácidos carboxílicos. Pode produzir, em doses fora dos limites, intoxicações com sintomatologia variada: vômitos; icterícia; anúria; perturbações hepáticas, renais e circulatórias. É formador de cálculos renais, por precipitação com cálcio. Presente en1 folhas de ruibarbo e de outros vegetais; nesses, em presença de cálcio, produz oxalato de cálcio, não absorvido por ser insolúvel. ácido oxaloacético 1 Ácido cetossuccínico [HOOC-COCH 2-COOH] 2 Intermediário no ciclo do ácido tricarboxílico. ácido palmítico 1 Ácido hexadecanóico [CH 3(CHJ 4 COOH] 2 Presente no óleo de palmeira e em uma variedadde de glicérides de gorduras e óleos. ácido pangânico Derivado do ácido glucurônico, relacionado com enzimas respiratórias celulares. É encontrado en1 sementes de damasco. S1N Vitamina B15. ácido pantotênico 1 Ácido N-(2,4-diidroxi3 ,3-dimetil-b uti ril )-3-aminopropiônico [HOCH 2-C(CH) -CHOH-CO-NH-CH 23 2 CH 2-COOH] 2 Vitamina que pertence ao complexo B. É vitamina resultante da betaalanina, em ligação peptídica com o ácido pantóico. Caracteriza-se por sua solubilidade em água e álcool e insolubilidade em clorofórmio e benzeno; de cor an1arelo-pálida, apresenta instabilidade ao calor, ácidos e bases. Por sua generosa distribuição em células e tecidos, não há deficiência dietética dessa vitamina. EXCREÇÃO Seu excesso é excretado por via urinária. FUNÇÕES Tem atividade preventiva contra a



6

,

I •



Dicionário Brasileiro de Nutrologia

ácido paraminobenzóico ácido tióctico

pelagra. Serve de transportadora do grupamento acila nas reações enzimáticas que atuan1 na oxidação e na síntese de ácidos graxos, nas acetilações biológicas e na oxidação do piruvato. Como constituinte da CoA, desempenha atividades metabólicas. Contribui para a síntese do triprofano. Favorece o crescimento. Fator favorável ao crescimento de leveduras e bactérias. Julga-se ter ação na elaboração de hormônios adrenocorticais, no metabolismo lipídico. PRINCIPAIS FONTES Levedo de cerveja, fígado de boi, embrião de trigo, amendoim, ovo, peixe, carne de boi, brócolis, cogumelo, aveia, legumes, ostras, couve-flor, leite, queijo, batata, farinha de trigo. REQUERIMENTOS Os valores indicados são: Lactentes: de Oa 0,5 ano - 2 mg; de 0,6 a 1,0 ano - 2 mg. Crianças e adolescentes: de 1 a 3 anos - 3 mg, de 4 a 6 anos - 3-4 mg, de 7 a 10 anos - 4-5 mg, de a partir de 11 anos - 4-7 mg. Adultos - 4 a 7 mg. DEFICIÊNCIA A deficiência de ácido pantotênico não ten1 sido verificada por meio da dieta comum, pois, nos alimentos, essa vitamina se encontra amplamente distribuída e, assim, suficiente para cobrir os requerimentos orgânicos exigidos. Em dietas deficientes de ácido pantotênico, o indivíduo apresenta fraqueza, náusea, vômitos, dor abdominal e, posteriormente, insônia e hipersensibilidade nos pés ( calcanhar). No consumo de dieta composta de alimentos de baixo valor de ácido pantotênico, juntamente com substância antagonista dessa vitamina, a deficiência tem sido demonstrada pela seguinte sintomatologia: fadiga; cefaléia; náusea; flatulência; espasmos abdominais; transtornos gastrointestinais; cãibras musculares e falta de coordenação motora. Entre os antagonistas do ácido pantotênico empregado, utiliza-se o ácido ômega-metilpantotênico. SIN vitamina B5. ácido paraminobenzóico 1 Ácido aminobenzóico (NH 2.C6 H 4 .COOH) 2 S1N PAB, PABA, Pabacidum, Vitamina H. Apesar de sua obscura classificação, o PABA é adn1itido con10 pertencente ao grupo vitamínico B. Somente a partir de 1940 o ácido paraminobenzóico foi considerado de interesse biológico, por seu papel no crescimento bacteriano. A importância de sua ação consiste em sua relação com os sulfamídicos, que apresentam estruturas similares; a atividade antibacteriana das sufonamidas é resultante da ligação con1petitiva nas bactérias, impedindo a ação do PABA. O ácido parami-

nobenzóico, como integrante da molécula do ácido pteroilglutâmico, pode ser imprescindível para a síntese do ácido fólico. FUNÇÕES O ácido paraminobenzóico é n1etabólito indispensável para o crescimento de vários microorganismos; desempenha atividade orgânica indireta favorável por proporcionar a síntese bacteriana do ácido fólico no intestino PRINCIPAIS FONTES O ácido paraminobenzóico é fartan1ente encontrado em alimentos vegetais e animais DEFICIÊNCIA Supõe-se que a deficiência dessa vitamina seja responsável pela acromotriquia ( embranquecimento de cabelo). ácido pirúvico 1 Ácido 2-oxopropanóico (CH3 • CO.COOH) 2 Produto intermediário dos metabolisn1os protídico e glicídico. Em carências tiamínicas, o ácido pirúvico se deposita, em alto nível, no sangue e em tecidos. É ácido cetônico com três carbonos. ácido pteroilglutâmico Vide Ãcioo FóLico. Ácido quinurênico Ácido gan1a-hidroxi-beraquinolina carboxílico; C 10H 7 NO 3• É o resultado do metabolismo do triprofano, que está presente na urina dos mamíferos. ácido renal Resultante da insuficiência da função renal. ácido retinóico De fórmula C 20 H 28O 2, é derivado do retinol (ácido da vitamina A). ácido ribonucléico (RNA ou ARN) Encontrado no citoplasma celular e no nucléolo. Contém en1 sua n1olécula: ácido fosfórico; D-ribose; adenina; guanidina; citosina e uracil. Vide ÁCIDO NUCLÉICO • á. ribonucléico de transferência. Tipo de ácido ribonucléico que se liga com aminoácidos específicos e, depois, com o ácido ribonucléico mensageiro. Isso torna possível a combinação de resíduos de aminoácidos, na síntese protéica. ácido sacárico Ácido dibásico (COOH. HCOH.HOCH.HCOH.HCOH.COOH), oriundo da oxidação da D-glicose com o ácido nítrico. ácido succínico 1 Ácido butanedióico (HOOCCH2CH2COOH) 2 Produto intermediário no ciclo do ácido tricarboxílico. ácido taurocólico Vide s1LE. ácido tetraenóico Ácido similar ao araquidônico e que apresenta quatro duplas ligações. ácido tióctico Con1posto sulfurado que atua como fator de crescimento em alguns microorganisn1os e como coenzima do grupo prostético nos tecidos dos mamíferos. SIN Ácido lipóico.

7

A

ácido úrico

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

acilaminopenicilinas

ácido úrico 1 Ácido 2,6,8-trioxipurina (C5H 4_ N 4O 3) 2 Constituinte nitrogenado, formado no metabolismo das purinas. Na gota, seu nível sangüíneo se eleva. ácido xanturênico Ácido 4,8-diidroxiquinádico (C 10H 7 NO 4 ), eliminado na urina de animais carentes de piridoxina, depois de ingerir triprofano. acidófilo Referente à célula, substância ou elemento suscetível de coloração por corantes ácidos. ácidos biliares Ácidos cólico e quenodesoxicólico, cuja sintetização ocorre no fígado, proveniente do colesterol e, depois, conjugado com os aminoácidos glicina ou taurina formam os ácidos biliares primários. ácidos biliares primários Constituídos pelos ácidos glicocólico, glicoquenodesoxicólico e tauroq uenoxicólico. ácidos biliares secundários Formados por ação de enzimas bacterianas intestinais, sobre os ácidos biliares primários, desconjugandoos e desoxigenando-os. O ácido desoxicólico provém dos ácidos glicocólico e taurocólico e o ácido litocólico dos ácidos quenodesoxicólico e tauroq uenodesoxicólico. ácidos graxos Ácidos resultantes da hidrólise de lipídios. ácidos graxos com duplas ligações Segundo seu número de duplas ligações, os ácidos graxos são: ld.1., monoenóicos ou monoetilenos; 2d.l., dienóicos ou dietilênicos; 3d.l., trienóicos ou trietilênicos; mais de 3d.1., polienóicos ou polietilênicos. ácidos graxos de cadeias médias Ácidos graxos que possuem de oito a dez carbonos. Dão origem a triglicérides de cadeia média, que não necessitan1 sofrer digetão normal das gorduras (formação de quilomícrons e penetração no sistema linfático). Os triglicerídios de cadeia média são absorvidos diretamente no intestino, do qual atingem o fígado por meio da veia porta. ácidos graxos essenciais Imprescindíveis à dieta por não serem sintetizados no organismo (ácido linoléico).

ácidos graxos essenciais como complementos Para a obtenção de alimentos com maior conteúdo de ácidos graxos essenciais, esses nutrientes são adicionados a produtos alimentícios. Com esse propósito, a indústria de alimentos acrescenta óleos vegetais ricos, principalmente 8

em ácido linoléico, a vários produtos (sorvetes, n1olhos, fórmulas infantis etc.). Detern1inadas margarinas são complementadas diretamente com ácidos graxos poliinsacurados. ácidos graxos insaturados Ácidos monocarboxílicos de cadeia hidrocarbonada, com uma ou mais duplas ligações, cujo ponto de fusão é mais baixo que o dos ácidos saturados por conterem duplas ligações (p. ex. ácidos etilênicos com duplas ligações: com duas duplas ligações: ácido linoléico; com crês duplas ligações: ácidos linolênico; com quatro duplas ligações: ácidos araquidônico. ácidos graxos livres Resultam da liberação por triglicerídios sujeitos à rancidez hidrolítica. ácidos graxos não-esterificados Ácidos livres no meio sangüíneo (10% dos ácidos totais do sangue).Além do glicogênio, combustível utilizado para atividades físicas intensas, os ácidos graxos livres não-esterificados são recrutados nos esforços contínuos como fonte de energia. ácidos graxos poliinsaturados Contên1 duas ou mais duplas ligações (p. ex. ácidos linoléico, linolênico e araquidônico ). Exercen1 relevante papel no transporte de gorduras, fazem parte dos ésteres de colesterol e de fosfolípides das lipoproteínas plasmáticas. Acredita-se na redução do colesterol sérico por meio dos ácidos linoléico e araquidônico que participan1 da formação das prostaglandinas. As melhores fontes de ácidos graxos poliinsarurados são óleos vegetais, peixes e amêndoas. ácidos graxos saturados Obedecem à fórmula geral CH 3(CH) COOH. Ác100s Butírico; capróico; caprílico; cáprico; láurico; mirístico; palmítico; esteárico; araquídico; beênico; lignocérico. Quanto maior for o tamanho da cadeia hidrocarbonada, maiores serão o peso molecular, a insolubilidade e o ponto de fusão do ácido graxo. acidose Processo caracterizado pelo aun1ento absoluto ou relativo de ácidos nos líquidos do organ1sn10. acidose diabética Acidose metabólica do diabetes melito, causada por excesso de corpos cetônicos, produzidos por exagerada queima de lipídios e considerável perda de bases. O indivíduo pode apresentar: fraqueza, sede, cefaléia, dispinéia e coma. acilaminopenicilinas Antibióticos derivados do ácido 6-aminopenicilâmico que, em sua estrutura, apresenta cadeias lacerais colocadas mais 0

acloridria

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

adenil pirofosfato

afastadas do núcleo central. Atuam contra germes Gram-negativos. acloridria Falta de ácido clorídrico livre no suco gástrico, n1esmo após a aplicação de histan1ina. Encontrada na anemia perniciosa por ausência de vitamina B12 e no câncer de estômago. acne Doença da pele, comum em adolescentes, em virtude da inflamação de glândulas sebáceas e folículos pilosos. acognosia Conhecimento e estudo dos processos terapêuticos. acolia Falta de secreção bilíar. acondroplasia Ausência de desenvolvimento normal da cartilagem. aconitina Alcalóide (C34 H 47NO 11) de grande potência tóxica, obtido de Aconitum napellus e de outras espécies. Em sua ação nociva, provoca a desaceleração do pulso e diminuição da pressão arterial; é mortal, mesmo en1 pequenas doses. SIN Acetilbenzoilacolina. aconurese Liberação involuntária de urina. acoprose Deficiência ou falta de matéria fecal . . no 1ntesnno. acoria Fome intensa, bulimia, insaciabilidade. acraturese Incontinência urinária devido a uma atonia da bexiga. ac rod inia Síndron1e que ocorre, especialmente, em lactentes e crianças maiores. SINTOMATOLOGIA Irritabilidade intensa, anorexia, apatia, sudorese, pruridos, descamação da pele, mãos e pés. acromegalia Estado crônico resultante da hiperfunção dos somatotrofos do lóbulo anterior da hipófise. A secreção prolongada e exagerada do hormônio de crescimento provoca o desenvolvimento excessivo dos ossos, o aumento de tamanho das extremidades do corpo ( mãos, pés, face, queixo e cabeça), hipertrofia das vísceras e do tecido conjuntivo, alterações degenerativas dos músculos e peso corporal superior ao da média normal. acromotriquia Distúrbio con1 perda de pigmento capilar. ACTH Abreviatura de hormônio adenocorticotrófico. actina Elemento protéico da fibrila muscular que, junto com a miosina, intervém no n1ecanismo de contração muscular. actinomiosina Formado por actina e miosina, é uma proteína contrátil do músculo, que parece ter ação idêntica à da enzima que catalisa a decomposição da adenosina trifosfato (ATPase), com conseqüente libertação de energia.

açúcar Substância derivada do metabolismo vegetal e animal, encontrada em abundância nas frutas, no mel e no sangue; qualquer carboidrato adocicado de fórmula geral C 0 H 20 0 0 OU

CH 0 0

20

_ 11

1



açúcar cerebral Vide o-GALACTOSE. açúcar de beterraba Sacarose extraída da raiz da beterraba.

açúcar de bordo Sacarose extraída da seiva do bordo, árvore da família das aceráceas nativa do continente norte americano. açúcar de cana Sacarose extraída da cana-de, açucar. açúcar de fruta Vide o-FRucTosE. açúcar de madeira de Haia Vide xYLosE. açúcar de malte Vide MALTOSE. açúcar de wa Vide GLucosE. açúcar do leite Vide LACTOSE. açúcar do sangue Vide GLucosE. açúcar dos diabéticos Vide sAcARINA. açúcares Substâncias que possuen1 fórmula geral (CH 2 O)n, como sacarídios, carboidratos, glicídios. Os açúcares, principaln1ente a glicose, formam a principal fonte de energia, por oxidação, para o organismo. açúcar gelatinoso Vide GLICINA. açúcar invertido Mistura de igual percentagem entre a glicose e a frutose. acupuntura Método terapêutico, da medicina tradicional chinesa, que consiste na introdução, em órgãos ou tecidos, de longas e finas agulh as, que neles se fixam por tempo variável. Indicado principalmente para o alívio de dores nevrálgicas. O local de penetração das agulhas obedece a uma sistematização coordenada com pontos anatômicos relacionados com as diversas regiões do corpo, exercendo ação anestésica. adefagia Apetite insaciável, voracidade. adenalgia D or em um gânglio ou glândula, adenodinia. adenase Enzima elaborada pelo fígado, pâncreas e baço, de ação desaminante, que converte adenina em hipoxantina. adenastenia Funcionamento deficiente glandular. adenectomia Retirada de uma glândula ou de um linfonodo. adenectopia Glândula em uma localização diferente da sua posição anatôn1ica normal. adenenfraxia Impedimento da saída da secreção da glândula. adenil pirofosfato Vide ADENOSINA TRIFOSFATO. 9

A

adenina

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

ADH adenina Con1ponente de ácidos nucléicos e de

adenosina nucleosidase Enzima responsável

coenzimas (C5 H 5 N 5 ) que, associada à ribose, constitui a adenosina, passagem para a produção de ATP e coidrases I e II. E ativadora de funções hepáticas; tem atividade protetora do fígado e interfere em processos mitóticos. Vide PURINA. S1N 6-aminopurina, vitamina B4. adenite Inflamação aguda ou crônica dos gânglios linfáticos. adenocelulite Inflamação de uma glândula e do tecido contíguo. adenodinia Vide ADENALGIA. adenofaringite Inflamação das adenóides e da faringe. adenofima Órgão glandular ou glândula que se apresenta aumentado devido a uma inflamação. adenóide Excrescência linfática desenvolvida na porção nasal da faringe. adenoidecto mia Operação de retirada das vegetações adenóides da porção nasal da faringe . adenoidismos Manifestações locais e gerais apresentadas por portadores de vegetações adenóides. adenoidite Inflamação das adenóides. adenoma Tumor glandular de etiologia benigna. adenomalacia Glândula de aspecto tenro anormal. adenoma maligno Tun1or epitelial que origina metástases locais e distantes. adenonco Glândula aumentada ou conjunto de glândulas aumentadas. adenopatia Denominação genérica para as afecções que ocorrem nas glândulas ou inflamações que ocorren1 nos gânglios linfáticos. adenosil cobalamina Forma de coenzima da vitamina B12. adenosina Produto (C10H 13N5 O 4) da junção da adenina com a D-ribose, é um dos quatro principais constituintes do ácido ribonucléico. S1N Adenina-ribosídio. adenosina deaminase Enzima capaz de catalizar a desaminação da adenosina formando desta maneira a inosina. Ela se encontra principalmente nos tecidos dos mamíferos. adenosina-difosfato (ADP) Mononucleotídio constituído de uma molécula de adenina, uma molécula de D -ribose e de duas moléculas de fosfato. Participa do mecanismo energético do metabolismo muscular. Atua nas oxidações celulares, na contração muscular e nas reações de síntese, usando a adenosina trifosfato.

pela quebra da adenosina em adenina e Dribose. adenosina quinase Enzin1a catalizadora responsável pela quebra do ATP, que transfere o grupo fosfato do AT P para a adenosina formando assim um ADP e um ácido adenílico. adenosina trifosfatase Enzima que catalisa a liberação do grupo fosfato terminal do trifosfato de adenosina. adenosina trifosfato (ATP) Mononucleotídio composto de uma molécula de adenina, de uma molécula de D-ribose e de rrês moléculas de fosfato. Atua no metabolismo celular, na contração muscular e na síntese dos hormônios adrenocorticais. Os dois últin1os fosfatos são unidos pela denominada ligação fosfato, rica em energia, que, na hidrólise, forma energia para a atividade muscular. A energia originada da oxidação de glicídios, lipídios e proódios é guardada na forma de ATP. adequação alimentar Prática muito importante para o êxito do regime normal e principaln1ente o dietoterápico. Consiste na adaptação dos alimentos e preparações às situações fisiológicas do indivíduo sadio e fisiopatológicas do paciente enfermo e das características de sua doença. O processo de adequação alimentar tem por finalidade: atender às necessidades nutritivas do indivíduo; curar ou melhorar as perturbações funcionais orgânicas; considerar a especificidade das enfermidades, de seus quadros evolutivos e de suas complicações. A adequação alimentar é realizada por meio de: seleção de alimentos; condições do indivíduo; identificação da enfermidade e de suas características; redução, adição e substituição de alin1entos ou de seus constituintes; modificações de alimentos e preparações por meio da culinária dietética; caracteres físico-químicos dos alimentos; atendimento dos gostos, hábitos alimentares e tendências do indivíduo. Além da adequação às características do indivíduo e de sua enfern1idade, deve ser feita a adequação ao seu aparelho digestório, levando em consideração a presença de lesões funcionais ou orgânica deste. Só assim, o o tratamento dietoterápico e o processo nutritivo do indivíduo poderão ser viabilizados. adermina Vide P1R1oox1NA. ADH Hormônio antidiurético.

10

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

adiaforese (ou adiapnestina) afta caquética

adiaforese (ou adiapnestia) Supressão da transpiração cutânea. adinamia D ebilidade geral, fraqueza, astenia. ádipe Gordura animal, toucinho. adipocelular Combinação de gordura e tecido COnJUntlVO.

adipócito Célula de estocagem de gordura. adipólise Digestão ou dissolução de gorduras. adipoma Lipoma, tumor de natureza gordurosa. adiponecrose Necrose do tecido graxo. adiponecrose neonatorum Necrose do tecido gorduroso em recém-nascidos bem nutridos, após parco difícil. Ele se evidencia com manchas azuladas no corpo após 2 a 20 dias do parto e desaparecem dentro de 4 meses. adiponectina Proteína expressa exclusivan1ente nos adipócitos diferenciados. Ao contrário dos outros fatores secretados pelo tecido adiposo, age como fator protetor para doenças cardiovasculares e aumenta a sensibilidade à insulina. Sua ação antiinflan1atória e anti-aterogência se dá pela diminuição da expressão da molécula de adesão- 1 (via redução da expressão de TNF-a e atividade da resistina), diminuição da quimiotaxia ao macrófago para forn1ação de células gordurosas e inibição da sinalização inflan1atória no tecido endotelial. S1N Acrp 30 (adipocyte complement related protein); adipQ. adipopexia Aptidão de fixar gorduras. adipose dolorosa Acúmulos de gorduras disseminado e doloroso, ocorrendo geralmente durante a menopausa. adiposite Processo inflamatório do tecido celular subcutâneo. adiposo Gorduroso; graxo; gordo; untuoso. adiposúria Presença de gordura na urina. adipsia Falta de sede. adipsina Protease de serina secretada pelas células de gordura em que sua expressão é controlada de concentração de insulina e glicocorticóide. adolescência Período compreendido entre os 13 e os 18 anos, ou seja, período da puberdade até a maturidade, caracterizado por maior grau de crescimento, aumento do metabolismo basal, redução e elevação do peso, respectivamente, nos homens e nas mulheres jovens; aparecimento dos caracteres sexuais. adolescente Indivíduo que está na adolescência. adorai Região adjacente à boca.

adrenal Glândula supra-renal. ad renalectomia Ablação da glândula supra-renal. adrenalina 1 Hormônio da medula supra-renal 2 Nome comercial da epinefrina. adrenalinemia Epinefrina no sangue. adstringente (alimento) Substâncias que atribuem contrações, apertos nos tecidos orgânicos moles (principalmente mucosas). São exemplos de alimentos que por seu conteúdo químico e outras propriedades exercem ação terapêutica sobre o organismo. adulto Indivíduo maduro, a partir dos 18 aos 21 anos, que atingiu a plena capacidade biológica. aerocolia 1 Modo de aerofagia em que o ar se localiza no cólon, especialmente, no ângulo esplênico (flexura esplênica) 2 Acúmulo de gases no cólon causando distensão. aerofagia Penetração de ar no esôfago e no estômago, por deglutição voluntária ou não. aerogastria Modo de aerofagia em que o ar se localiza no estômago, que se distende. aerogastrocolia Modo de aerofagia em que o ar se localiza no estôn1ago e nos cólons, os distendendo. aeroilia Modo de aerofagia em que o ar se localiza no intestino delgado. aerossialofagia Penetração de ar e saliva no esôfago e no estômago por meio de deglutição, voluntária ou não. afagia Incapacidade de deglutir, prejudican do a alin1entação. afecção Processo mórbido considerado em suas manifestações atuais, abstraindo-lhe as causas; moléstia, enfermidade, doença. aflatoxina Substância tóxica formada em legumes e grãos, principalmente, no amendoim, por cepas dos fungos Aspergillus Jlavus e Aspergillus parasiticus. Os n1alefícios da intoxicação que produz atingen1 principalmente o fígado (lesões necróticas e tumores de natureza cancerígena). afta Estomatite com formação de úlcera bucal dolorosa de cor vermelha com centro brancoamarelado. Surgem principalmente na língua, nos lábios e na parede interna das bochechas, e desaparecem naturalmente em aproximadamente uma semana. afta caquética Lesão ulcerosa situada nas bordas da língua, face interna da bochecha ou do palato; ocorre em pacientes subnutridos e em crianças com má higiene bucal.

11

A

afta de Bédnar

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

alcalose

afta de Bédnar Úlceras, geraln1ente duplas, lo-

agorafobia Aversão anormal por amplos espa-

calizadas no palato de crianças que apresentam caquex1a. agalactação Agalaxia. agalactasia Deficiência ou insuficiência do leite após o parto. agalactia Agalaxia. agaláctico Relativo à agalaxia; algo que suprime a secreção láctea. agalactose Agalaxia. agalaxia Falta de leite nas man1as no período de lactação. agastria Ausência de estômago. agente etiológico Responsável pela origem do processo mórbido. agente infeccioso Microorganismos, vermes, insetos e outros, capazes de produzir infecção, e que, em circunstâncias favoráveis de hospedeiro e do meio ambiente, podem causar enfermidades infecciosas. agente comunitária de saúde Indivíduo de uma comunidade que, após treinamento suficiente, torna-se integrante da equipe de saúde, sendo responsável pela vinculação desta comunidade com a Unidade Básica de Saúde. agentes carcinogênicos Agentes capazes de causar n1odificações genéticas em células resultando em um tun1or, benigno ou maligno. Podem ser produtos químicos (presentes, por exemplo, nos alimentos), físicos (radiação) ou biológicos (vírus), ou podem ser herdados geneticamente. agerasia Estado de vigor característico das pessoas idosas que não apresentam marcas acentuadas de seu envelhecimento. Velhice com vigor, com ausência dos achados con1uns da senilidade. ageusia central Perda ou transtorno do paladar, em conseqüência de lesão dos centros cerebrais do paladar. aglicemia Ausência, no sangue, de açúcares. aglicona Fração não-açúcar de glicoside. aglossia Malformação congênita caracterizada pela ausência da língua. aglutição Incapacidade de deglutir, de engolir. agnatia Ausência congênita do maxilar inferior. Agne Abreviação para ácido graxo não esterificado. agonio Pessoa que apresenta dentes não implantados. agonfose Ausência de dentes; estado em que os dentes estão frouxos.

ços abertos. Os portadores da agorafobia ficam impossibilitados de sair de casa. agratorese Micção prejudicada. água Substância líquida, incolor, inodora, insípida, de forn1a quínuca H 2 O, encontrada em abundância na natureza. Sua temperatura de fusão é 0°C e sua temperatura de ebulição é 100°C. É utilizada pelo organismo para formar as secreções glandulares; veicular substâncias tóxicas eliminadas pelos rins; efetuar as reações quínucas do organismo; manter a concentração sangüínea; equilibrar a temperatura corporal etc. agudo Que apresenta extremidade afiada; ponteagudo; termo empregado para definir sinton1as de grande intensidade. alanina Aminoácido não-essencial de origem natural. À exceção da glicina, teoricamente, todos os aminoácidos provêm da alanina. Tem papel-chave no processo de transaminação. Como beta-alanina, é constituinte da coenzima A e do ácido pantotênico. alantíase Vide aoTuL1sMo. alantoína Resultante da oxidação do ácido úrico; produto final do metabolismo purínico de n1amíferos, con1 exceção do homen1 e de macacos antropóides. albuminas Proteínas ricas en1 enxofre que se dividem em animais: seroalbumina (soroalbumina), lactoalbumina e ovoalbumina; vegetais: leucosina e legumelina. As albuminas encontram-se em tecidos e fluidos orgânicos; regulam a pressão osn1ótica no sangue. São sintetizadas no fígado. Atuam como transportadoras de bilirrubina, ácidos graxos, oligoelementos e vários medicamentos. alcalóides Compostos básicos, orgânicos e azotados encontrados, geraln1ente, em vegetais. Enquanto alguns deles têm emprego medicinal, outros, em doses fora dos limites permitidos, têm intensa ação venenosa (estricnina, atropina, codeína, quinina, nicotina etc.). alcalóides de pirrolicidina Presentes em folhas de arbustos silvestres (plantas dos gêneros crotolária, senécio e heliótropo); empregados em chás. Provocam doenças hepáticas, às vezes, de curso grave. alcalose Ruptura do equilíbrio ácido-básico do plasma, com aumento de alcalinidade (pH superior a 7,4); essa ruptura caracteriza-se pelo abaixamento da relação das concentrações plasmáticas do ácido carbônico /bicarbonatos.

12

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

alcaparras alimentacão •

alcaparras Produto à base de botões florais secos de Capparis spinosa L. conservados somente em vinagre, utilizado como condimento. alcaptonúria Defeito metabólico congênito, caracterizado pela oxidação incompleta da fenilalanina e tirosina, com excreção de ácido homogentísico pela urina, que se torna escura, negra. álcool Substância orgânica caracterizada pela substituição de um ou mais átomos de hidrogênio dos hidrocarbonetos por uma ou mais oxidrilas. É rapidamente absorvido pelo estômago e intestino, passando para o sangue, do qual é removido para o fígado em quantidade variável de indivíduo para indivíduo. alcoolismo Vício de ingestão contínua e exagerada de bebidas alcoólicas, que provoca n1anifestações clínicas, como distúrbios digestivos e nervosos, podendo levar ao coma. aldolase Enzima encontrada tanto no músculo esquelético, como no músculo cardíaco, e ainda no fígado, responsável pela quebra do 1.6 difosfato de frutose em fosfato de diidroxiacetona e aldeído fosfoglicérico. S1N Zimo-hexase. aldosterona Hormônio mineralocorticóide produzido no córtex da supra-renal, regulador do metabolismo do sódio e do potássio, retendo sódio e eliminando potássio. S1N 18-aldo-corncosterona. aleitação Amamentação. aleitamento Amamentar; criar com leite. alergênicos (alimentos alergênicos) Substâncias qualquer que em contato com o organismo geram alergia, também chamada de antígeno. Alguns alimentos possuem substâncias nutritivas (geralmente proteínas) produtoras de alergia, as quais geram produção principalmente de IgE. As vias de sensibilização aos alimentos são as seguintes: digestiva - é a principal via; o alérgeno penetra por ingestão. Respiratória: o alérgeno penetra por inalação (aromas intensos - do café, chocolate, certas frutas, camarão etc.); cutânea: o alérgeno penetra pelo contato com determinadas frutas e flores; hereditária: alérgeno alimentar é transmitida por meio dos cron1osson1os; congênita: por via intra-uterina, quando a mãe encontra-se sensibilizada por determinada substância e transmite a alergia por via placentária. Os alimentos mais comuns e que maior agressividade demonstram são: leite, peixes e frutos do mar, ovo, trigo, laranja, chocolate, milho, pepino, n1orango, ton1ate, batata,

alguns legumes e condimentos. É possível diminuir ou quase anular o poder alergizante de certos alimentos crus quando são submetidos à ação calórica ou à desidratação. Tratando-se de alergia alimentar e de alimentos, devem ser ressaltadas as atividades de substâncias usadas na indústria de alimentos (como artifícios para a melhoria dos produtos) cuja ingestão provoca o processo alérgico. alergia Resposta imunonógica resultante do ataque de um elemento estranho (antígeno ou alérgeno) ao organismo que reage produzindo anticorpos, que são constituídos de imunoglobulinas (Ig), principalmente de IgE. A alergia de qualquer etiologia, desde que grave, pode alterar o processo nutritivo por influência sobre o apetite e a saúde. Todavia, existe a alergia alimentar na qual o antígeno desencadeante é um alin1ento. Para a ocorrência dos fenômenos alérgicos, são fatores influentes: a idade, o tipo e o estado do indivíduo (saúde, condições endócrinas e equilíbrio neurovegetativo); a menstruação; o estado físico ou emocional, os fatores climáticos e ecológicos; a soma de sensibilização (o indivíduo mais facilmente adquire alergia alimentar quando já se encontra sensibilizado por outro tipo de alergia); ingestão exagerada e freqüente dos mesmos alimentos. De igual n1odo, os estados patológicos do tubo digestivo são fatores predisponentes de alergia: as perturbações funcionais secretoras que, diminuindo as secreções dos sucos digestivos, impedem sua ação sobre os alimentos que são absorvidos sem as devidas transformações; as alterações anatômicas que também ocasionam falhas de absorção. alergia insulinica Manifestada após injeção de insulina, geraln1ente com discreta n1anifestação de intensidade, mas que pode apresentar caráter grave. O quadro alérgico se caracteriza por reações da pele, localizadas ou generalizadas e reações gerais. -algia Dor de região do corpo ou de órgão, sem lesão evidente. Sufixo que indica dor, por exemplo, mialgia, gastralgia etc. alifáticos Produtos orgânicos de estrutura em cadeia aberta que não contém o grupo benzeno, o anel benzênico ou aromático. alimentação Ingresso adequado de alimentos, visando a eficiência do processo de nutrição. Con1preende desde a prescrição até a absorção

13

A

alimentação enteral

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

amicacina (ou antibiótico BB - K8)

de alimentos: sua finalidade é a de transformar alimentos en1 substâncias absorvíveis e utilizáveis, por meio da ingestão, digestão gástrica e intestinal e absorção. alimentação enteral Alimentação feita através de sonda especial, diretamente ao estômago ou duodeno, onde são introduzidos alimentos especialmente balanceados. alimentação parenteral Essa alimentação de exceção, extradigestiva, tem por objetivo introduzir no organismo nutrientes indispensáveis. A introdução de alin1entos, por via parenteral, é realizada por: 1. via incramedular aplicada especialmente em crianças, por n1eio de punção esternal ou da tíbia (no adulto, só é empregada quando não se consegue o acesso aos vasos, por exemplo, queimaduras extensas, estado de choque), cem contra-indicação en1 casos de septicemia e infecções; 2. via subcutânea - essa via constitui método simples, pelo qual são injetadas soluções isotônicas de eletrólitos, de aminoácidos e glicose; 3. via endovenosa - é a via de maior aplicação. alimentação suplementar Alimentação rica em um ou mais princípios nutritivos além da cota considerada normal, visando suprir falhas alimentares ocorridas em virtude de perdas orgâ. . . nicas ocas1ona1s. alimentício Que nutre, alimenta; produto utilizado para a alimentação. alimentos Veículos de nutrientes necessários à realização dos fenômenos biológicos indispensáveis à manutenção da saúde e da vida. As atividades orgânicas dependem do alimento em termos de quantidade e qualidade. Cada função do corpo humano cem estreita relação con1 os constituintes de alimentos, contendo nutrientes de desempenhos específicos: plásticos, energéticos e reguladores. A soma desses nutrientes assegura a totalidade dos processos biológicos ao participar nos processos metabólicos e nos mecanismos de imunidade orgânica, na síntese de materiais biológicos, na formação de enzimas, nas funções de conservação, na renovação e na proteção de órgãos e tecidos, no controle hormonal e do sistema nervoso; nas ações desfavoráveis, provocando por sua falta no organismo deficiências ou estados carenciais, por sobrecarga danosa à normalidade funcional e por gerar enfern1idades quando contêm agentes m1croorgânicos ou substâncias tóxicas.

14

alimentos protetores Pela qualidade e pela quantidade de seus nutrientes, ao serem incluídos no regime, protegem o organismo de algumas enfermidades, como as enfermidades carenciais, neoplasias, problemas odontológicos entre outros. alimentoterapia Terapêutica por meio dos alin1encos na tentativa de regular o equilíbrio das funções orgânicas, previnindo e tratando as doenças. alopecia Queda parcial ou cocal dos cabelos ou dos pêlos, podendo ser localizada ou generalizada. aloquezia Eliminação fecal por janela anormal ou evacuação de matéria não fecal dos . . 1ntest1nos. alotriolagia Perversão do apetite, com ingestões de alin1entos extravagantes ou prejudiciais. altura 1 Estatura; din1ensão vertical do corpo, de baixo para cima 2 Padrão admitido para diferenciar as idades, sexos, raças e estados biológicos 3 Elemento que entra na avaliação da superfície corporal. amamentação Alimentação através dos seios (alimentação materna) que é influenciado pela ingestão de quilocalorias ou por n1eio de n1amadeiras. amebíase Infecção adquirida após a ingestão de ciscos maduros do protozoário Entamoeba histolytica. Caracteriza-se pela presença de evacuações mucossanguinolentas, freqüentes e dolorosas ( disenteria amebiana). A ação da amebíase não se lin1ita ao meio intestinal, estendendo-se, também, a outros setores orgânicos e atingindo principalmente o fígado e os pulmões. amendoim Semente da legun1inosa Arachis hipogea, comercializada como grão inteiro ou partido, com ou sem película, cru ou torrado, salgado ou não e, às vezes, revestido de envoltório açucarado ou salgado, sendo encontrado as vitaminas Bl e B2. As sementes do amendoim fornecem o óleo de amendoim de fácil digestão sendo recomendado o seu uso para moléstias gastrointestinais, além de ter vitamina E. amicacina (ou antibiótico 88-KB) Aminoglicosídio semi-sintético derivado da canamicina. É menos sensível do que outros aminoglicosídios à inacivação de quase todas as enzin1as produzidas pelo bacilo piociânico e enterobactérias. A amicacina não absorvida oralmente é aplicada por via parenteral

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

amida do ácido nicotínico aminoácidos e seu metabolismo

nas infecções graves provocadas por germes Gram-negacivos e escafilococos; nesse último caso associada à cefalosporinas ( escafilacoccias resistentes à oxacilina). Sua indicação clínica é similar à da gentamicina. Para evitar interações químicas, não devem ser misturadas outras substâncias no frasco/ampola da amicacina. CONCENTRAÇÃO urina e bile. EFEITOS COLATERAIS nefro e ototóxico; apresenta ainda os mesmos efeitos provocados pelos outros aminoglicosídios. amida do ácido nicotínico Vide N1Ac1NA. amida niacínica Vide N1Ac1NA. amido Polissacarídio armazenado em plantas superiores É composto por an1ilose (15 a 20%) e amilopectina (80 a 85% ). É formado de uma cadeia alfa-glicosídica que por hidrólise fornece somente glicose. É a fonte alimentar mais importante de carboidratos sendo encontrados em cereais, batatas, legumes e outros vegetais. amilase pancreática Enzima encontrada no suco pancreático e que hidrolisa o amido em maltose. É capaz de realizar a digestão completa do amido. S1N Amilopsina. amilase salivar (tialina) Enzima existente na saliva, pH neutro ou leven1ente alcalino,hidrolisa o amido em maltose. É rapidamente inativada em pH 4,0 ou mais baixo. amilodispepsia Deficiência digestiva para o amido. amilopectina Un1 dos componentes do amido, sendo um polissacarídio ramificado. Constituída de cadeias ramificadas formadas de 2430 resíduos de glicose unidos por ligações 1 4 nas cadeias e por ligações 1 - 6 nos pontos de ramificação. Quando restado pelo Iodo exibe coloração vermelha. amilose Polissacarídio parcialn1ente solúvel não ramificado dos grânulos de amido. Estrutura helicoidal não ramificada. Quando testado com o iodo exibe coloração azul. amilo (1,2-1,6)-transglicosilase Enzima responsável pela conversão de amilase em glicogênio. amilúria Presença de amido na urina. amina Produzida por meio da descarboxilação de certos aminoácidos. Algumas delas, como a histamina e a gama-an1inobutírato (GABA), têm importantes funções biológicas. amina-oxidase Enzima monoan1ina oxidase, que catalisa a reação de desaminação oxidati-

va na mecabolização da seroconina em ácido 5-hidroxindolacécico. aminoacidemia Ocorrência de aumento da concentração de aminoácidos no sangue circulante. aminoácido Composto orgânico com fórmula geral R-CH.NH 2 -CO.OH, na qual R representa H ou outro radical orgânico. O aminoácido é a unidade estrutural de proteínas, após sua hidrólise por processos químicos ou enzimáticos. Constitui matéria-prima para o organismo sintetizar suas próprias proteínas, cujo valor biológico está condicionado ao conteúdo quantitativo, qualitativo e proporcional de aminoácidos. aminoácido alfa Aminoácido no qual o grupo an1Íno e um grupo carboxila ligados ao mesmo átomo de carbono, diferen1 uns dos outros pelas cadeias lacerais. aminoacidograma Verificação de aminoácidos componentes de uma proteína. aminoácido limitante Aminoácido essencial, mas deficiente numa proteína, comparativamente à composição de proteínas básicas do ovo e do leite, que são de alto valor biológico. A lisina e o triprofano são aminoácidos limitantes do n1ilho; a lisina, do trigo; os aminoácidos sulfurados, das carnes, dos vegetais e da soja. Duas proteínas com aminoácidos diferences, quando consun1idas simultaneamente, compensan1 tais deficiências. Essas proteínas complementares formam a base de dietas vegetarianas. aminoácidos acídicos An1inoácidos com uma cadeia lateral contendo grupo acídico (arginina, lisina e histidina). aminoácidos cetogênicos São aminoácidos que podem formar corpos cetônicos no flgado, pela conversão do acetoacetil-CoA em acetona e beca-hidróxido butirato. É evidente essa formação de corpos cetônicos em diabetes melito não-tratado. Aminoácidos glicogênicos são an1inoácidos que podem converter em piruvato, alfa-cetoglutarato,succinil-CoA. Apenas a leucina é exclusivamente cetogênica; outras, con10 a fenilalanina, a tirosina, isoleucina, leucina, lisina e triprofano são cetogênicas e glicogênicas. aminoácidos de cadeia ramificada Aminoácidos com uma cadeia lateral ramificada (valina, leucina, isoleucina). aminoácidos e seu metabolismo Os aminoácidos absorvidos são levados para o fígado através da circulação êntero-hepática. Esse órgão

15

A

aminoácidos essenciais

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

aminoglicosídios

exerce um papel regulador entre a quantidade de aminoácidos que recebe e a que ele fornece à circulação sistêmica. A circulação leva, a todo o organisn10, os an1inoácidos necessários à síntese protéica que pode ser limitada não só pela insuficiência dos aminoácidos essenciais ingeridos como, também, pela lentidão da síntese dos não essenciais. O equilíbrio nitrogenado só é possível quando, além dos aminoácidos essenciais, há nitrogênio suficiente para a síntese dos aminoácidos não essenciais. Os aminoácidos que sobram da síntese protéica são metabolizados; alguns originam intermediários comuns a outras reações ( conversão dos esqueletos carbonados); a síntese da uréia e formação de compostos fisiologicamente ativos con10 serotonina, neurotransmissor importante. O metabolismo dos aminoácidos está ligado a seus elementos constituintes: os grupos alfa-amínicos e os carboxílicos. As reações que se processam sobre eles são: a desaminação, a transaminação e a descarboxilação. Na desaminação, o grupo NH 2 é retirado por desaminases, ocorrendo a reação, de preferência, no fígado: forma-se um cetoácido, há liberação de amina e produz-se a an1ônia. No caso da transaminação, o nitrogênio é transferido de um alfa-aminoácido para um alfa-cetoácido por meio da transaminase. A cadeia carbônica proveniente da descarboxilação pode seguir uma via metabólica diferente da do nitrogênio; assim, após a retirada do nitrogênio do aminoácido por desaminação ou transaminação, a cadeia carbônica, por diversas reações, segue o destino do ciclo de Krebs. Os aminoácidos, alén1 de seren1 utilizados para a síntese das proteínas, podem sintetizar substâncias nitrogenadas não protéicas, como a creatinina, a purina, a porfirina, a carnosina e o glutatião. O nitrogênio proveniente dos aminoácidos desaminados é sintetizado em forma de uréia, no fígado, e excretado pela urina. Quando o organismo ten1 necessidade de elen1entos energéticos e os glicídios e lipídios não são suficientes, por uma série de motivos, os aminoácidos são requisitados para atender às exigências energéticas do organismo. Esse fenômeno é chamado gliconeogênese ou neoglicogênese. aminoácidos essenciais Não são sintetizados no organismo, ou o são em pequenas quantidades e, por isso, devem ser ministrados na dieta. São os seguintes: fenilalanina; isoleuci-

16

na; leucina; lisina; metionina; triprofano; treonina; valina, arginina e histidina. A histidina é essencial para o crescimento infantil e a arginina é essencial para jovens em crescimento. aminoácidos e suas origens 1 Exógenos: aminoácidos liberados no tubo digestivo pela digestão das proteínas da dieta (carne, pescado, ovo, leite etc.) 2 Endógenos: aminoácidos formados no organismo, a partir do "pool" de nitrogênio proveniente da degradação de proteínas orgânicas (teciduais ou plasmáticas). aminoácidos glicogenéticos Aminoácidos produtores de glicídios, por meio do ácido pirúvico; também podem originar lipídio, tais como: valina, lisina, isoleucina, treonina, metionina, triprofano. aminoácidos não essenciais Aminoácidos necessários à síntese protéica, que podem ser sintetizados no organismo, na quantidade exigida para os seus requerimentos. Por essa razão, não precisam ser fornecidos pela dieta. A tirosina (aminoácido essencial) pode ser sintetizada no corpo, por meio da fenilalanina. A cisteína (aminoácido essencial) pode ser sintetizada, no organismo, por intermédio da metionina. Os aminoácidos não essenciais são os seguintes: aspartato, glutamato; alanina; asparagina; cisteína; glutamina; glicina; prolina; serina; tirosina. aminoacidúria Presença de aminoácidos na urina em grandes quantidades, devido a anorn1alidades do transporte dos aminoácidos nas células. aminoglicosídios Trata-se de de antibióticos com características similares às da estreptomicina, n1as que abrangem a classe dos aminoclitóis que apresentam en1 sua estrutura um derivado de ciclitol. Nessa classe, está incluída a espectinomicina que, mesmo não sendo aminoglicosídíca, tem as mesmas propriedades dos outros componentes do grupo. Em sua composição quín1ica, esses antibióticos contêm o aminoaçúcar e a desoxiestreptamina. Sua atividade antibactericida decorre de sua ação que provoca a desordenação do código genético dos ribossomas de bactérias, produzindo proteínas anorn1ais e detenção de crescimento bacteriano; provocam lesões irreversíveis da célula bacteriana. O principal local intracelular de ação dos aminoglicosídios é a subunidade ribossômica 30S, que consiste de 21 proteínas e uma única molécula 16S de RNA. Atuam também no ciclo de Krebs, influindo

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

aminopeptidase anasarca

na respiração celular. Os aminoglicosídios não são absorvidos por via oral. Foram obádos por fermentação a partir da cultura de fungos (Streptomyces e Micromonospera) e de bactérias (Bacillus); são produzidos arualmente por processos químicos, pelos quais se tem conseguido derivados semi-sintéácos com diferentes capacidades antimicrobianas. Os aminoglicosídios agem especialn1ente sobre n1icroorganismos Gramnegativos e alguns Gram-positivos. Determinados bacilos Gram-negativos têm manifestado progressiva resistência a certos aminoglicosídios ( estreptomicina, canamicina e até gentamicina) pela produção de enzimas inativadoras. Os principais aminoglicosídios utilizados clinicamente são: an1icacina; especánomicina; estreptomicina; gentamicina; neomicina; tobramicina. EFEITOS COLATERAIS Apresentam nefrotxicidade reversível, ototoxicidade audiáva e vesábular irreversível e paralisia muscular. aminopeptidase Enzin1a pancreática, tambén1 presente em determinadas bactérias, em leveduras e na mucosa intesánal, que catalisa a hidrólise próximo ao aminoácido N-terminal de polipéptidios e oligopeptídios, com produção de aminoácidos livres e peptídios inferiores. aminopterina Antagonista do ácido fólico, pertence ao grupo dos antimetabólitos e produzem: anencefalia, meningocele, hidrocefalia e fendas palatina e labial. aminosúria Presença de aminas excretadas pela unna. amiotaxia Dificuldade de coordenar os movimentos voluntários. amixia Ausência da secreção mucosa. amnésia Perda parcial ou total da men1ória, que pode estar associada a detern1inadas doenças neurológicas, a distúrbios psicológicos, a problemas n1etabólicos e também a certas intoxicações. A falta de vitamina B1 ( áamina) e o alcoolisn10 levam a perda da n1emória para fatos recentes e com freqüência estão associados a problemas de marcha e de confusão mental. amoníaco O hidróxido de an1ônio (NH 4OH) é uma substância obtida a partir da reação entre amônia anidra (NH) e água, sob pressão e temperatura controladas, sendo o seu genérico amoníaco. O amoníaco, devido à liberação de amônia, pode ser sufocante e de extrema irritação aos olhos, garganta e trato respiratório. Exposições à altas concentrações - a partir de 2500 ppm por um período de 30 minutos.

Quando inalado pode causar dificuldades respiratórias, broncoespasmos, queimaduras na mucosa nasal, faringe e laringe, dor no peito, edema puln1onar, salivação e retenção da urina. Já quando ingere causa náusea, vômitos e inchação nos lábios, boca e laringe. O amoníaco concentrado produz em contato com a pele necrose dos tecidos e profundas queimaduras e o seu contato com os olhos resulta em lacrimejação, conjuntivices, irritação na córnea e cegueira temporária ou permanente. AMP Molécula con1 carga mais baixa de energia, necessitando de novos radicais de fosfato (P) para transformar-se em ATP. Atua como molécula sinalizadora de ativando a quinase A. Vide ADENOSINA MONOFOSFATO. anabiose Suspensão, por congelação ou dessecação, das funções vitais orgânicas. anabolismo 1 Metabolismo de síntese ou construtivo; é o processo de transformação de materiais nutritivos en1 tecidos vivos 2 Balanço posiávo de transformações sofridas por substâncias nutriávas no meio orgânico. A energia livre necessária para a realização deste processo vem do catabolismo na forma de fosfato de alta energia. anabolizante Promove o anabolismo; provoca a assimilação e a conversão de nutrientes (alimentos) em tecidos. anaeróbico Fenômeno ou metabolismo ocorrido quando da ausência do oxigênio. anafilaxia Aumento da sensibilidade orgânica à presença de substância estranha, sendo uma reação de hipersensibilidade imediata tipo 1, tendo as manifestações mais grave das reações alérgicas. analéptico Corresponde aos alimentos e medicamentos restauradores das forças e estimulantes dos centros bulhares, especialmente o respiratório e o vasomotor (p. ex. cenoura, abóbora, couve, abacaxi, maçã, mel, soja etc.). anamnese Método clínico para obter informações sobre a história clínica atual e pregressa do indivíduo. A namnese Alime ntar. Instrumento de diagnóstico utilizado na clínica de Nutrição. É a descrição detalhada da qualidade e da quantidade dos alimentos geralmente ingeridos pelo paciente até o momento de seu exame. Tem por objetivo estabelecer as relações entre a alimentação consumida pelo enfermo e o estado patológico que o levou à consulta. anasarca Edema generalizado.

17

A

anatoxina

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

anemia perniciosa da gestação

anatoxina Toxina que perdeu as propriedades

anemia fisiológica Resultante do aumento do

toxigênicas, conservando as antigênicas. Foi a primeira toxina de cianobactéria a ser quimicamente e funcionalmente definida, sendo uma amina secundária. A toxina tem como sinais de envenenamento: desequilíbrio, fasciculação muscular, respiração ofegante e convulsões. Pode levar a morte devido à parada respiratória e ocorre de poucos minutos a poucas horas, dependendo da dosagem e consumo prévio de alimento. ancilostomiase (ou ancilostomose) Doença causada por ancilóstomos que se fixam na mucosa do intestino delgado, provocando não só anemia por pequenas e contínuas hemorragias con10 alterações pela ação de suas toxinas hemolizantes. A infestação é produzida por: Ancylostomo duodenale; A. brasiliense e A. caninum, que podem penetrar pela pele ou ser adquirido por ingestão de água e/ ou alimentos contaminados. ancilóstomo Gênero de helmintos nematóides. androgênio Hormônio responsável pelas características sexuais masculinas (p. ex.: testosterona, androsterona etc.). anemia Diminuição de hemoglobina do sangue circulante, com ou sem redução de glóbulos vermelhos. Pode verificar-se por falha de qualquer dos formadores de hemácias: proteína; ferro; vitaminas C e B; ácido fólico; por hemorragia e por destruição da medula óssea. Anemia aguda ocorre após hemorragia ou hemólise. anemia gástrica Anemia geralmente hipocrômica, que ocorre em gastrectomizados. Anemia de esportes é observada em atletas saudáveis. A sua causa é o aumento do volume do plasn1a que dissolve a quantidade de ferro no sangue. Portanto, não é anemia de deficiência de ferro clínica. anemia de Lucy Wills Anemia nutricional que sucede no decurso de fome, guerras e carências múltiplas; é uma anen1ia macrocitária e megaloblástica, com o aparecimento de magreza, astenia, transtornos digestivos e edemas. anemia eritroplasmática Caracterizada por diminuição de hemácias e albuminas séricas. A anen1ia falciforme incidente na raça negra, é caracterizada pela forma de foice das hen1áceas. anemia ferropriva Anemia hipocrônüca, por falta de ferro, por não absorção desse e por hemorragia.

volume do sangue sem o aumento concomitantes de hemácias. Anemia microcítica hipercrômica relativa, presente em grande parte de lactentes ( terceiro mês), qualquer que seja o estado nutricional da gestante. Essa anen1ia representa a adaptação fisiológica normal à adequada oxigenação do sangue arterial. anemia hemolitica Conseqüente à destruição excessiva de glóbulos vermelhos. anemia hipercrômica O número de hemácias se encontra muito mais diminuído do que a taxa de hemoglobina; o valor globular está aumentado. anemia hipocrômica Apresenta redução do teor e da concentração de hemoglobina das hemácias, com diminuição ou não desses glóbulos. Resulta quase sempre de pequenas hemorragias repetidas (especialmente digestivas) e mais raramente de distúrbios nutricionais, da gestação, de sífilis e de tuberculose. anemia idiopática De etiologia ignorada, resultante de insuficiência ou distúrbio da atividade da medula óssea. anemia isocrômica Anen1ia com taxa de hemoglobina e número de glóbulos reduzidos nas n1esn1as proporções e valor globular normal. anemia microcitica Qualquer anemia em que os eritrócitos se apresentam menores do que normalmente. anemia microcítica hipocrômica 1 Anemia com eritrócitos de tamanho pequeno e teor de hemoglobina reduzido 2 Anemia por deficiência férrica. anemia normocitica Anemia em que os eritrócitos são de tamanho normal.

18

anemia (ou moléstia) do Mediterrâneo ou (anemia de Cooley) Anemia hemolítica, conseqüente a distúrbios hereditários da síntese hemoglobínica; sua característica é o defeito da síntese de cadeias polipeptídicas, provocando eritrócitos hipocrômicos e microcíticos. S1N Talassemia anemia perniciosa Anenüa megaloblástica norn1ocítica macrocítica, ligada à ausência de vitanuna B12, ácido fólico e também à degeneração das colunas lateral e posterior da medula. Anemia perniciosa ocorre pela falta de uma glicoproteína secretada no estômago que liga a vitanuna B12 auxiliando na sua absorção. Esse tipo de anemia pode levar a prejuízo neurológico. anemia perniciosa da gestação É de natureza megaloblástica, por falta de ácido fólico.

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

anemia por tênia antabuse

anemia por tênia Anemia megaloblástica que ocorre em portadores da tênia de peixes (Di-

phyllobothrium latum).

aneurina Vide VITAMINA Br. anlepramona Droga anorexígena catecolaminérgica, utilizada para o tratamento da obesidade, e que apresenta como efeitos colaterias a boca seca, insônia, nervosismo e constipação. SIN dietilpropiona; benzoiltrietilamina. anfetamina Droga diminuidora de apetite que se enquadra na categoria de aminas sin1patomiméticas de ação indireta e tem ação estimutória central. Excitante do SNC e das atividades físicas e psíquicas, seus efeitos são: euforia e excitação; estado de vigília e maior capacidade de atenção; perda do apetite; em grandes doses, síndrome semelhante a esquizofrênia com alucinações. angina Dor localizada centralmente no peito, descrita pelo paciente como uma dor em aperto, queimação ou pressão. Tern10 derivado do latim significa constrição, pois é o responsável pela redução - constrição - das artérias que conduzen1 sangue ao coração. angina pectoris Dor localizada no peito, que se irradia pelo braço esquerdo, ocasionada por espasmo ou estreitamento das artérias coronárias, causando isquemia do n1iocárdio. Sua etiologia está ligada à prática de exercícios intensos ou a estresse. Angina resultante do anel faringeano e de sua n1ucosa, secundária a infecção. Angina abdominal decorrentes de patologias gastrointestinais. angiocolite Inflamação dos canais biliares, que ocorre pela Fasciolose Hepática, que é causada por parasitas do filo Plathelminthes. angiotensina (1 e li) A angiotensina I é resultante da clivagem da renina com o angiotensinogênio, atuando sobre o sistema Renina-Angiotensina sendo pouco eficaz. Desta maneira ela deve ser convertida em angiotensina II por meio da enzima conversora de angiotensina (ECA) para potencializar sua ação. angiotensinogênio É uma alfa-2 globulina produzida no fígado e abundante no plasn1a que ao ser clivado pela renina produz angiotensina I. anidrase Toda enzima que catalisa reação com retirada e com reposição de água. anidrase carbônica Enzima presente em eritrócitos e tecidos, que catalisa a reação H 2 0 + C02 = 0, na qual o bicarbonato retorna ao plasma sangüíneo para ser erans-

portado ao pulmão. Nos pulmões o bicarbonato retorna ao eritrócito, sendo convertido em co2. anorético Agente n1edicamentoso, moderador do apetite, e que só deve ser utilizado sob prescrição médica. Alguns deles são fabricados à base de anfetamina; os anoréticos que estin1ulam os centros corticais superiores cerebrais poden1 causar efeitos colaterais (aumento da pressão sangüínea e do ritmo cardíaco, insônia etc.) e, por isso, seu uso sofre restrições. O seu efeito central, euforia e sensação de bem-estar, ajudam os pacientes a suportar o regime restrito de alimentos. SIN Anorexigênico. anorexia Diminuição da fon1e que pode ser parcial ou total. anorexia global Produzida por fenômenos gerais que deprimem os centros nervosos, as glândulas e o aparelho digestivo. Em intoxicados (como os fumantes, pela ação depressiva da nicotina sobre o apetite, por inibição do tono gástrico). Em certas disendocrinias ( caq uexia de Simmonds, doença de Addison e hipotireoidismo). Por causas psíquicas (emoções violentas e choques morais). Depressão do centro trófico da fome ou dos centros corticais (esquizofrenia, demência precoce, melancolia, depressão etc.). Causas locais (câncer gástrico, gastrite, aquilia com dilatação do estômago). Por menor consumo energético ( mudança de trabalho ativo por vida sedentária). anorexia nervosa Distúrbio de conduta alimentar caracterizado por uma restrição dietética progressiva com recusa a manter o peso corporal num nível igual ou acima do mínimo normal adequado à idade e altura, tendo uma perturbação significativa da percepção da forma ou tamanho do corpo. Os critérios diagnósticos e os dois tipos (Tipo Restritivo e Compulsão Periódico Purgativo) encontramse no Manual da Associação Psiquiátrica Americana (DSM-IV, 307.1,1994). anorexia parcial ou seletiva Falta de fome para determinados alimentos, causada por transtornos psíquicos; é freqüente em cancerosos e enfermos crônicos do aparelho digestivo (p. ex.: aversão a carnes, ovos etc.). anosmia Ausência de olfato. antabuse Utilizado no con1bate ao alcoolismo. Bissulfeto de tetraetiltiuram. Sua ação somente se faz sentir quando, após sua ingestão, se consome álcool. Os efeitos se manifestam pelo

19

A

antagonismo

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

anti-raquítico

aparecimento de náusea, vômitos, cefaléia e palpitação. S1N Bissulfeto de tetraetiltiuran1. antagonismo Ação competitiva, reciprocamente oposta ou resistente entre funções, microorganismos, medicamentos e enfermidades. antagonismo vitamínico Ação cumprida por substâncias similares às vitan1inas que, por competição, impedem sua atividade. antagonista Agente químico que se antagoniza com os efeitos de outro, ou seja, bloqueiam a liberação dos neurotransmissores para os receptores adrenérgicos. antiácidos Substâncias (bases ou tampões) neutralizantes de ácidos, empregadas geralmente para diminuir a acidez gástrica. Entre os agentes alcalinizantes, destacam-se: bicarbonato de sódio, hidróxido de magnésio, carbonato de magnésio etc. Igualmente o leite que cem o poder de neutralizar o meio ácido. Devem ser ingeridos com a recomendação médica. Se tiver problema com azia procurar alin1entar-se em horários regulares. antibiograma Resultado da verificação da presença e da sensibilidade dos microorganismos aos antibióticos, auxiliando o médico a escolher a droga mais adequada. anticetogênico Prevenção da formação de corpos cetônicos, como, por exemplo, por meio do consumo de glicídios em vez de ácidos graxos, e pelos protídios e pelo seu radical amina. anticoagulantes Substâncias que impedem ou retardam a coagulação, sendo uma delas a heparina, que atualmente, tem sido encontrada na cabeça do camarão da espécie Penaeus brasiliensis. Essa heparina combate a trombose. anticódon Local de crês bases do RNAc, que se recombina e se une ao códon, o RNA mensageiro, o anticódon é ligado a um aminoásido específico que é ligado ao RNAt por ligação covalente. anticonvulsionante Quando usado de forma crônica pode resultar em hiperplasia gengival e metabolismo de nutrientes e ósseo anormais. anticorpos Substâncias naturais ou sujeitas à exposição a antígeno, com a propriedade de reagir ( aglutininas, precipitinas, lisinas) com antígenos específicos ou relacionados. No soro sangüíneo, os anticorpos se achan1 estreitamente ligados a determinadas frações globulínicas. Anticorpo IgE é o fator imune relacionado ao alimento e outras alergias.

20

antidepressivo Substância capaz de reduzir os sintomas da síndrome Depressiva. Alguns dessas drogas também podem ter efeito ancipsicócico. As drogas podem ser de três classes: os tricíclicos, os inibidores seletivos da recaptação de serotonina (ISRS) e os inibidores da MAO (IMAO). antidiurético Agente que diminui a formação da secreção urinária. Regula o equilíbrio hídrico. antídoto Agente empregado para evitar ou neutralizar a ação de veneno (contraveneno). Quanto à prevenção de doenças, é encontrado em vegetais e frutas. antienzimas Substâncias que neutralizan1 especificamente a atividade diastásica de enzimas. antígeno Proteínas completas ou fragmentos das mesmas (peptídios) que quando injetados num organismo causam a produção de uma resposta in1une, freqüentemente com produção de anticorpos específicos contra tais proteínas. Antígenos ou alérgenos alimentares são as proteínas do alimento que causam resposta imunológica. anti-hipertensivo Agente empregado para baixar a pressão arterial e que pode apresentar as seguintes classes: diuréticos, bloqueadores alfa-adrenérgicos, bloqueadores beca-adrenérgicos, agonistas alfa dois adrenérgicos, agonistas imidazolínicos, bloqueadores dos canais de cálcio, inibidores da enzima conversora de angiotensina, antagonistas do receptor ATl, vasodilatadores diretos e nitratos. antinutrientes Substâncias existentes em alimentos que inibem a sua utilização apropriada como nutrientes, interferindo na sua digestão e/ ou absorção. Incluem enzimas inibidoras, fitatos, caninos, saponinas etc. antiocianina Encontrada no milho doce (sorghum vulgaris ), bloqueia a função da niacina (pelagra). antioxidantes Nutrientes ou constituintes químicos que reagem com certas substâncias e têm ação neutralizante sobre radicais livres. Exemplos: vitaminas - A, C e E, algumas do complexo B, betacaroteno; minerais - selênio da enzima glutationa-peroxidase, zinco, cobre e manganês da enzima superóxido dismutase; aminoácido - cisteína. antipirético Agente que combate a hipertern1Ía. anti-raquítico Agente que impede o raquitismo, prevenindo-o e pron1ovendo sua cura.

anti-se psi a

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

apoferritina

anti-sepsia Destruição de gern1es existentes en1

aorta Artéria que parte do ventrículo esquerdo,

região operatória ou ferida, assim como dos que se encontram em todo material em contato com ela. Evita septicemia ou intoxicação. anti-séptico Denominação de substância, aplicada em tecidos vivos, (p. ex.: pele) que age inibindo a proliferação de bactérias, sem necessariamente destruí-las. anti-siálico Substância que diminui a secreção salivar, prejudicando a degradação do amido. anti-sialogogos Agentes que impossibilitan1 o fluxo salivar, prejudicando a degradação do amido. antivitamina Substância que impossibilita o metabolismo normal das vitaminas. Entre as antivitaminas, encontram-se enzin1as que anulam a atividade vitamínica. antocianinas Material hidrossolúvel, extraído de muitas flores, frutos e folhas, constituído de glicose mais antocianinas. Podem alterar o ferro e o estanho, ocasionando em problemas en1 alimentos enlatados. antraz Processo infeccioso, flein1ão, tumor, produzido pela associação dos estafilococos e estreptococos, agudo e grave, que penetra pelo folículo piloso até a derme, onde se fixa e desenvolve. O mesmo agente patogênico pode causar intoxicação alimentar, pneumonite, síndrome do choque tóxico, faringite e endocardite. antropometria Mensuração das diversas partes do corpo e do esqueleto humano, por vários meios de identificação e de comparação. O instrumental para a obtenção das medidas varia segundo o que se quer avaliar. As medidas passíveis de mensuração são: peso; estatura; segn1entos corporais; dobras cutâneas; diâmetros articulares; perímetros. Com isto, é possível criar um esboço do estado nutricional do indivíduo. antropômetro Instrumento (compasso somatométrico), criado por Rudolf Martin, empregado para medir o comprimento do corpo humano. antroponose Doença específica do ser humano. anúria Supressão da excreção da urina, por causa secretória, ou por obstrução do trato urinário, que prejudica a eliminação de substancias, tóxicas ou inapropriadas para o organismo, provenientes dos alimentos. ânus Abertura do segmento terminal do tubo digestivo.

sendo a de maior calibre do organismo. Distribui, por meio de ramificações, sangue arterial rico em nutrientes para o organismo. apalcilina ou composto FC-904 Penicilina semi-sintética pertencente ao grupo das acilaminopenicilinas e que apresenta ação ativa contra as enterobactérias. Tem potência antimicrobiana cem vezes mais elevada do que a carbenicilina sobre certos germes (Pseudomonas e Klebsiella ). Pode combater possíveis afecções do trato gastrointestinal. aparelho digestivo Constituído por um tubo musculomembranoso, que atinge cerca de nove metros de comprimento, situado entre a boca e o ânus, é composto pelos seguintes segmentos: BOCA Na qual ocorrem os processos de mastigação e insalivação; FARINGE E ESÔFAGO Pelos quais os alimentos são levados ao estômago; ESTÔMAGO Em que o bolo é armazenado, durante a ação do suco gástrico; INTESTINO DELGADO (DUODENO,JEJUNO E ÍLEo) Segmento em que a digestão se con1pleta e a absorção se realiza; INTESTINO GROSSO (CECO, COLO, RETO E CANAL

Em que o bolo fecal é preparado para a sua excreção. A ação do aparelho digestivo é auxiliada por órgãos que favorecem a transformação mecânico-quín1ica dos alimentos e que são: dentes; glândulas parótidas; submandibular e sublingual; fígado e pâncreas. ÓRGÃOS ANEXOS Órgãos que lançam seus produtos no tubo digestivo, com a finalidade de digerir os alin1entos. São constituídos por: glândulas salivares; glândulas intestinais; pâncreas; fígado; parótidas; submaxilares; sublinguais. apastia Aceitação e recusa de alimento como expressão de uma desordem mental. apatia Estado no qual o indivíduo perde a vontade ou o interesse para o desempenho de qualquer esforço físico ou mental, o que pode evidenciar carência nutricional. apatita Sal complexo de fosfato de cálcio, que dá estrutura ao osso. apetência Apetite; desejo de comer. apetite Fome seletiva, isto é, desejo ou avidez por alimetos agradáveis ao paladar. Vide FOME. apoferritina Proteína produzida na mucosa intestinal; em sua passagem pela mucosa gástrica forma a ferricina, pela captação de ferro presente em alin1entos, ionizado e convertido em sal ferroso no estômago. ANAL)

21

A

apoplexia

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

arteriosclerose

apoplexia Cessação abrupta e quase completa das funções cerebrais, por extravasão de sangue no cérebro ou na medula; mesmo com a perda brusca de consciência e de motilidade, a circulação e a respiração mantêm-se persistentes. Pode compron1eter o trato gastrointestinal. apoproteínas Proteínas que, com os lípides, formam lipídios hipoprotídios. aporinose Intervalo de doença devido deficiência de um elemento na dieta. aporregama Substância tóxica ou ptomaína, resultante da decomposição de aminoácido, na decomposição protéica bacteriana. aporte Ingresso alimentar. aposia Adipsia; falta de sede. apositia Repulsa ou aversão à comida. apresuntado Produto à base de carne mista moída, de toucinho moído e condimentos. aptialismo Ausência ou insuficiência de saliva, prejudicando a degradação do amido. APUD 1 Células endócrinas difusas pelo tubo digestivo cuja igla está de acordo com suas características ultra-estruturais e bioquínücas: A aminoácido; P precursor; U uptake; D descarboxilação 2 Células capazes de captar precursores e descarboxilá-los, con1 o propósito de sintetizar polipéptides, liberados, então, como novos hormônios. aquilanemia Anemia hipocrômica microcítica, motivada por carência férrica acompanhada de acloridria. aquilia Estado caracterizado pela ausência congênita dos lábios, prejudicando a fala e a ingestão alimentar. aquilia constitucional Tipo de aquilia histamino-resistente, de caráter irreversível e caracterizada por sua procedência hereditária. aquilia gástrica Ausência de enzimas proteolíticas, de ácido clorídrico livre ou combinado na secreção gástrica, mesmo por estimulação histamínica; associada geralmente à atrofia gástrica. Da aquilia resultam perturbações gástricas e intestinais. PERTURBAÇÕES GÁSTRICAS o indivíduo aquílico, pela presença de acloridria, apresenta digestão diminuída de alimentos protéicos (principalmente carne) que no duodeno constitui sobrecarga. PERTURBAÇÕES INTESTINAIS o aceleramento da evacuação gástrica tem repercussão desfavorável sobre o duodeno, que se enche anorn1almente, expulsando porções do quimo ainda não formado. A função dos sucos digestivos ( duodenal, biliar e

22

pancreático), responsáveis pela digestão intestinal, é prejudicada pela ausência de quimo ácido. Outra inconveniência decorrente da aquilia é a perda da função anti-séptica do estômago. araquina Uma das proteínas protéicas do amendoim. araruta Fécula alimentar extraída do tubérculo da plant a Maranta arudinacea (amido de araruta). arginase Enzima hepática e de outros tecidos, catalisadora da hidrólise de 1-arginina em ornitina e uréia. arginina Aminoácido não essencial cuja sintetização ocorre no fígado, a partir da citrulina e da ornitina. Participa da espermatogênese e da síntese da creatina. arotiflo Presença de ar no ceco. arribollavinose Carência de riboflavina (vitan1ina B2); geralmente, encontra-se associada com quelose angular e estomatite, seborréia nasolabial, vascularização da córnea e dermatite gênito-retal. arroz Grão do Oriza sativa; cereal que abrange vários tipos, comercializados segundo suas características, tais como arroz integral e arroz parbolizado. arrozina Amido de milho com farinha de arroz, enriquecido com vitaminas e ferro. arseníase Intoxicação arsenical. arsênico Elemento que apresenta propriedades n1etálicas e não n1etálicas. Encontrado no solo e na água, con1umente sob forma de pentavalente. Em alimentos, está normalmente presente, sendo em níveis maiores em alguns deles (vísceras de bovinos, em carne de porco e em pescados). A contan1inação arsenical do indivíduo ocorre por inalação e ingestão acidental por meio de alimentos. A intoxicação pelo arsênico compromete vários setores orgânicos, com sintomatologia diversa: distúrbios gastrointestinais e neurológicos e desequilíbrios hidroeletrolíticos. artéria Vaso que conduz sangue oxigenado do coração a todo o organismo, com exceção das artérias pulmonares. arteriopatia Compron1etimento mórbido das artérias, podendo comprometer o suprimento nutricional celular. arteriosclerose Alterações proliferativas e degenerativas das artérias, não obrigatoriamente ligadas entre si, que produzem espessamento das paredes, perda de sua elasticidade e deposição

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

artrite ataxia

cálcica. Predisponente em indivíduos com dieta em níveis elevados de gordura. artrite Designação genérica de inflamações agudas ou crônicas das articulações. Anatonücamente, ocorrem lesões sinoviais, cargilaginosas e ósseas, o que pode comprometer a atividade física do individuo. artrite reumatóide Enfermidade siscêmica crônica, de etiologia obscura; sua sintomatologia se manifesta por dores e deformidades articulares. artrose Afecção crônica degenerativa não inflamatória das articulações que pode comprometer a atividade física do individuo. Caracterizase por lesões cartilaginosas com formação de osteófitos e condrófitos. Geralmente, aparece após os 50 anos, localizada nos joelhos, nas vértebras, no quadril e nas articulações dos dedos. ascaridíase (ou ascaridiose) Parasitose provocada pelo Ascaris lumbrícoides, parasita que pode ser transmitido por alimentos. A doença resultante é freqüente no Brasil; a ascaridíase atinge principalmente crianças residentes em zonas rurais, ou fora dos perímetros urbanos. A atividade patogênica do Ascaris lumbricoídes ocorre especialmente por suas ações: traumática, tóxica e espoliadora. Este verme é un1 nematódeo que habita o intestino humano, no qual pode permanecer desde um de seus exemplares até centenas deles, prejudicando a absorção dos nutrientes. A "lombriga'; nome popularn1ente conhecido do Ascaris lumbricoides, é o parasita de maior freqüência no homem, que é seu hospedeiro definitivo. A contaminação da espécie humana ocorre pela ingestão de ovos embrionários. ascite Acúmulo de líquido seroso na cavidade peritoneal, con1umente encontrado na insuficiência cardíaca e na hipertensão porca. Pode ocasionar retenção renal de sódio e água e aumento da perfusão dos capilares intestinais, alterando sua fisiologia. asco Enjôo; fastio; náusea. ascorbiol palmitato Forn1a solúvel da vitamina C, que apresenta ação antioxidante. ASP Proteína estimulante de acilação (ASP), também secretada no tecido adiposo, com importante efeito na lipogênese. Inibe a lipólise neste tecido por meio da inibição da lipase hormônio sensível (LHS) e estimula a lipogênese por meio do aumento da translocação de transportadores de glicose (GLUT-4) do citosol para membrana, aumento da produção

de glicerol-3-fosfato e aumento da atividade da diacilglicerol acilcransferase, enzin1a catalizadora na síntese de triglicerídio. Aminoácido não essencial. S1N Aspargina. asparaginase Enzima que ocorre no fígado, em tecidos animais, plantas, bactérias e leveduras. Catalisa a hidrólise da asparagina em ácido asparagínico e amônia e possui atividade antileucêmica. aspargo Produto en1 conserva, elaborado com curiões inteiros do Aspargus officinales não fibrosos. aspartase Enzima bacteriana que catalisa a conversão do ácido aspártico em ácido fumárico e amônia.

aspectos psicológicos da ingestão de alimentos Influência sobre os sentidos causada pelos caracteres organolécicos dos alin1entos, levando ao desejo de consumi-los ou rejeitá-los. assepsia Tratamento antimicroorgânico utilizado na prevenção de doenças sépticas ou infecciosas, impossibilitando a entrada de germes no organismo, ou por exclusão destes. assialorréia 1 Diminuição ou falta da secreção salivar 2 Literalmente, ausência de secreção salivar (Prejudica a degradação do amido). assimilação Processo pelo qual os alimentos, após digeridos e absorvidos sob forma de nutrientes, são utilizados pelos tecidos para produção de energia, crescimento e reposição. assintomático Que não apresenta sintoma clinico. assitia Abstinência; perda de apetite; anorexia. ástaco Camarão inglês de água doce. astaxantina Substância carotenóide responsável pela cor rósea do músculo do salmão. astenia Perda de força; depressão do estado geral, causando insuficiências funcionais múltiplas. S1N Adinamia. ataque 1 Designação de cada retorno de processo mórbido que surge bruscamente 2 Apresentação de manifestações agudas que, às vezes, podem deixar seqüelas graves (Tais seqüelas poden1 con1prometer a nutrição individual.) 3 Manifestação súbita e geralmente rápida de contrações musculares ou de perturbações nervosas 4 Manifestação resultante de patologia. atanásia Parte de uma planta (Tanacetum vulgare), raízes e folhas utilizado para aron1atizar alguns alimentos. ataxia Perda de coordenação muscular, encontrada em casos de esclerose múltipla, na deficiência de vitamina B 12 e em outras afecções.

23

A

ateroma

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

avaliação do valor nutritivo e biológico

ateroma Processo crônico arterial que se manifesta pelo aparecimento na túnica interna de placa formada por depósitos de lipídios (colesterol). Em sua evolução, essa lesão, depois de ulcerada, pode desprender, na luz do vaso, substância com aspecto de pus grumoso, ou tornar-se calcificada, que é a característica inicial da acerosclerose. Predisponente em indivíduos com dieta em níveis elevados de gordura. aterosclerose Variedade de esclerose arterial, é o espessamento das paredes de artérias, pelo acúmulo de lipídios amorfos na túnica interna do vaso (aceroma). As lesões alcançam pricipalmente as coronárias, as artérias cereb rais e as dos membros, que podem ser obstruídas. A dieta prescrita na aterosclerose deverá conter baixo teor de gorduras saturadas e colesterol; os glicídios serão ministrados por meio de frutas e vegetais, evitando-se o açúcar e os doces concentrados. Em caso de hipertensão, impõe-se a restrição de sódio. Predisponente em indivíduos com dieta em níveis elevados de gordura. atiaminose Carência de tiamina. ativador Elemento essencial em todo metabolismo hun1ano que possui a capacidade de desenvolver plenamente as propriedades de substâncias ou de acelerar reações. atividade física Esforço muscular por ação de trabalho ou esportiva, medido em calorias ou Joules. O dispêndio calórico está sujeito a tipo de trabalho ou de esporte exercido, tempo de duração, idade, massa corporal, clima e temperatura. TIPOS leve; moderado; ativo; e excepcionalmente ativo. atleta Indivíduo que desempenha esforços físicos (esporte), tendo maiores gastos calóricos, portanto, deve ser coberto con1 cotas extras de alimentos em quantidade e qualidade relacionados com o tipo de esporte praticado. atonia Ausência de tono. atopia Estado predisposto a crises alérgicas como asma, eczema etc., que pode ser desencadeado pela ingestão de algum alimento especifico. atorvastatina Medicamento, indicado para pacientes con1 hipercolesterolen1ia, que atua com a propriedade de inibir a síntese de colesterol endocelular, impossibilitando a transformação da enzima HMG-CoA em ácido mevalônico, ou seja, atua inibindo a HMGCoA redutase. A dosagem de ALT, AST e CK cocal é obrigatória para a manutenção do

24

medicamento. É contra-indicada em casos de hipersensibilidade, doença hepática ativa, durante a gravidez e a lactação ou em mulheres na idade fértil que não estejam utilizando métodos contraceptivos. ATP Vide ADENOSINA TRIFOSFATO. atrofia 1 Diminuição local, adquirida, do tamanho de uma célula, de um tecido, de um órgão ou de uma região do organismo, que pode ser fisiológica ou patológica 2 Defeito de nutrição de órgãos e de tecidos, caracterizado por diminuição nótável de seu volume e peso. atum 1 Denominação popular do peixe gorduroso de água salgada da família dos T unídios 2 Produto de atum em conserva, em forma sólida ou ralada, com cobertura de óleo ou azeite de molho de tomate ou de água e sal. aurantiamarina glicosídio, parcialmente responsável pelo sabor, presente no albedo da laranja azeda. aureomicina Antibiótico da fan1ília das cecraciclinas, elaborado pelo Streptomyces aureofaciens, de grande atividade sobre: amebas, brucelas, escafilococos, estreptococos, gonococos, podendo ser utilizado para combater algumas patologias que interferen1 na fisiologia do trato gastrointestinal. autodigestão Destruição cecidual e sua mecan1orfose, sen1 participação estranha; autólise. autofagia 1 Prática de comer a própria carne, que se observa em algumas formas de alienação mental 2 BIOL Consumo das próprias reservas, ou tecidos, ou constituintes. autólise Destruição por autodigestão de órgão, tecido ou célula, por suas próprias enzimas, sen1 nenhuma participação externa. SIN autofagia; autoproteólise. autossoma Todo cromossomo não similar aos cromossomos sexuais. avaliação Apreciação; cômputo; estimação.

avaliação da normalidade e da higidez dos alimentos O estado normal e de sanidade dos alimentos é facilmente avaliado pelos seus caracteres organoléticos, conjunta ou separadamente. As mudanças de coloração, o odor repugnante, o mau sabor e a mudança de consistência são os principais sinais das condições anormais dos alimentos. avaliação do valor nutritivo e biológico Feita por meio da composição química, características físicas, flsico-quín1icas e digestibilidade dos alimentos. COMPOSIÇÃO QUÍMICA Prejulga o

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

avaliação nutricional azotemia

comportamento do alimento por meio de suas ações mantenedora e reguladora dos processos biológicos; avalia a variabilidade da composição química dos alimentos CARACTERÍSTICAS FÍSICAS Estabelecem o estudo dos vários estados de alimentos: sólido, líquido, sistemas dispersos, peso, volume e consistência CARACTERÍSTICAS FÍSICO-QUÍMICAS Identificam as modificações do estado do alimento por influência da digestão gástrica e saber o desempenho do alimento na formação do quimo DIGESTIBILIDADE Determina a facilidade ou a dificuldade de desintegração do alimento e sua absorção. avaliação nutricional Pesquisa sobre o estado nutritivo do indivíduo aparenten1ente sadio ou enfern10. O estado nutritivo precário deve ser reconhecido, para que lhe sejam conferidas as condições de defesa orgânica contra as agressões das enfermidades. Essa avaliação é realizada por anamnese alimentar, praticada por meio da identificação do paciente, de seu interrogatório inicial sobre a doença atual e de sua história alimentar. avaliação protídica Tan1bém conhecida pelo termo "protein rating'; refere-se à avaliação da qualidade da proteína do alimento. aveia Grãos da espécie Avena, utilizado como alimento; éico em ácido fitico, que impede a absorção do cálcio da dieta avenina Proteína gluteínica da aveia. avidina Presente na clara de ovo crua, inativa a biotina. Sua ação é impedida por aplicação de processo de cocção. avitaminose 1 Designação de quadros clínicos consecutivos à deficiência ou supressão de uma ou n1ais vitaminas no regime alimentar ( carên-

eia), sendo geralmente enumerada pela letra característica da vitamina em déficit 2 Literal. . mente: sem v1tam1na. azasserina Derivado diazoacetil da serina que se julga ter ação no metabolismo da serina; . , atua como anncancengeno. azeite Produto comestível extraído da oliva e comercializado em estado puro ou misturado com diferentes porcentagens com outros óleos vegetais. azeite de dendê Óleo do dendezeiro, utilizado como tempero de preparações típicas, especialmente baianas. azeitona Fruto da oliveira, curtido e conservado em salmoura ou azeite, que, segundo sua variedade, pode apresentar-se com diferentes formas, tamanhos e cores. azidocilina Antibiótico semi-sintético derivado da ampicilina e que se apresenta sob forn1a de sal sódico e potássico. (Tem ação antibacteriana contra germes e Gram-positivos e hen1ófilos.] CONCENTRAÇÃO Urina EFEITO COLATERAL Hipersensibilidade UTILIZAÇÃO Pode combater algumas patologias que interferem na fisiologia do trato gastrointestinal. azlocilina (ou composto Bay 6905) Penicilina semi-sintética do grupo das ureidopenicilinas e que apresenta ação ativa contra Pseudomonas sensíveis, sendo ben1 mais eficiente que a carbenicilina e a ticarcilina. (Pode ser utilizado para combater algumas patologias que interferem na fisiologia do trato gastrointestinal]. azotemia Presença excessiva, no sangue, de produtos azotados de excreção (uréia, uratos etc.) alterando as concentrações plasmáticas dos nutrientes.

25

A

bacalhau Peixe salgado e seco, com características especiais segundo os processos de elaboração utilizados em seus locais de origem (p. ex. bacalhau da Noruega, português etc.). bacampicilina Penicilina constituída por un1 éster (1-etoxi-carboniloxietil) de ampicilina e de rápida absorção por via oral; é hidrolisada em ampicilina no trato gastrointestinal no tecido digestivo, libertando a ampicilina. Sua absorção oral é de três a cinco vezes maior que a da ampicilina. Tem idênticas indicações e restrições apresentadas pela talampicina. Seu uso é opção ao uso oral da ampicilina. A concentrações sangüíneas são cerca de 50% maiores do que aquelas atingidas com a amoxicilina. Uso oral. Usado em microorganismos como

E.coli, Haemophilus infiuenzae e Prateusmirabilis (microorganismos Gram-negativo que podem comprometer o trato gastrointestinal e também alterar o apetite). bacilemia Presença de bacilos no sangue. bacilíase Bacilose; infecção por bacilos. bacilose Designação às vezes atribuída à tuberculose pulmonar por ser originada pelo bacilo de Koch. bacilúria Presença do bacilo (especialmente o de Koch) na urina, evidenciando a infecção geniturinária pelo bacilo em questão. bacitracina Antibiótico complexo formado por diversos constituintes, designados por letras alfabéticas. Atua sobre germes Gram-positivos (estafilococos, estreptococos e pneumococos);

é ativo sobre algumas espécies Gram-negarivas (gonococos e meningococos). Por apresentar alta toxicidade para uso sistêmico é utilizado por via tópica, sob forma de cremes e pomadas e pó para preparação de solução. A bacitracina é indicada nas piodermites, úlceras e feridas da pele, otite externa e conjuntivices. EFEITOS coLATERArs Irritação local, reações alérgicas, por via tópica; nefrotoxicidade, por via parenteral. Inibe a síntese da parede celular bacteriana. Raramente provoca hipersensibilidade. baço Víscera situada no abdome, do lado esquerdo, abaixo do diafragma. De importância fisiológica, constitui o maior órgão linfático do organismo. bacon Carne suína curada e defumada, cortada com gordura final do tecido subcutâneo. Comercializado em pedaços e fatias, é utilizado como agente aromatizante e/ou flavorizante de salgados feitos de trigo. bacteriose Designação genérica de enfermidades provocadas por bactérias. bacteriotropina Opsonina que favorece a atividade fagocitária de determinadas células, principalmente a de leucócitos. Pode atuar na defesa orgânica contra afecções que comprometem a fisiologia do trato gastrointestinal. bacteriúria Alto nível de bactérias na urina, geralmente em conseqüência de inflamação das vias urinárias. Pode prejudicar a eliminação de substancias tóxicas ou inapropriadas provenientes dos alin1entos.

bacteróides

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

banco de sangue

bacteróides Gênero de bacilos presentes norB

malmente no tubo gastrointestinal atuando na fisiologia deste, no aparelho respiratório e nas vias genitais, podendo exercer ação patogênica. São bacilos anaeróbicos estritos, Gram-negativos e não esporogênicos. bagaceira Tipo de aguardente popular português, cujo sabor e aroma dependem do vinho para destilação e das condições de envelhecimento em tonéis de carvalho. bagaço Resíduos de cana-de-açúcar, usado como combustível, alimento para gado, preparação de papel e fibras. bainha de mielina Substância de natureza graxa, de coloração branca, que envolve as células nervosas e favorece a transmissão do in1pulso nervoso. BAL 1 Abreviação de dimercaprol de British antilewisit (2,3dimercaptopropanol) 2 Quelador que apresenta dois grupos de sulfidrilas, que competem com os grupos sulfidrilas de enzimas e de proteínas dos tecidos na combinação de metais. Tem ação terapêutica nas intoxicações pelo mercúrio, arsênico e pelo ouro. Seus efeitos são inferiores aos do EDTA no sacurnisn10. O BAL pode produzir efeitos colaterais; é nefrotóxico, provocando, às vezes, necrose tubular e insuficiência renal. balanço Interação normal e harn1ônica entre partes e órgãos relacionados entre si. Em relação a calorias, vitaminas e minerais, significa o equilíbrio entre a ingestão e a excreção. balanço clínico Relação entre a ingestão e a excreção. balanço clínico de água Situação de equilíbrio entre a entrada e a saída de água do organismo. balanço de água Estado de equilíbrio hídrico orgânico entre a entrada e a saída de água. balanço de nitrogênio Exprime a relação entre as entradas e saídas de nitrogênio no organismo. O balanço pode ser: equilibrado, negativo e positivo. O balanço negativo ocorre no hipotireoidismo, na desnutrição, em infecções, febres, kwashiorkor e outros estados patológicos; o balanço positivo é encontrado na gestação, na lactância e no crescimento. balanço diário de água orgânica Relacionado com ingestão e perda de líquido. INGESTÃO como líquido: 1.500 cc por dia; como constituinte de alimentos sólidos: 1.000 cc por dia. Água resultante de reações químicas do meio orgânico

28

(metabolismo) - 300cc. Total: 2.800 cc/ dia. PERDAS por via urinária: 1.500 cc por dia; pela pele: 800 cc/dia; pelo pulmão: 400 cc/dia; pelas fezes: l00cc/dia. Total: 2.800 cc/dia. balanço do ferro Relação existente entre a quantidade de ferro ingerida e a excretada. balanço em equilíbrio Aquele em que os ingressos são iguais aos que se eliminam. balanço energético Equilíbrio entre o gasto e o armazenamento de energia no organismo que é regulado por um complexo sistema neuroendócrino composto por um sistema aferente, o qual fornece informações de fome ( através de cortisol, grelina e hipoglicemia) e de saciedade (através da distenção gastrointestinal, colescistocinina, insulina e peptídio YY); un1a unidade processadora localizada no hipotálamo ventromedial; e um sistema eferente é realizado pelo sistema nervoso autônon10, o qual fibras sin1páticas estimulam o gasto energético e fibras parassimpáticas estimulan1 o armazenan1ento ' . . energenco no organismo. balanço energético positivo Sit uação em que a ingestão de calorias sobrepõe o gasto energético basal, ocorrendo assim o armazenan1ento de energia no organismo na forma de tecido adiposo. Portanto, um balanço energético positivo mantido por um longo período leva à obesidade. balanço negativo Ocorre quando há maior elin1inação do que ingestão de alimentos. balanço normal É aquele que assegura a manutenção da saúde do indivíduo. Pode ser positivo ( na criança que forma tecidos para seu crescimento). balanço positivo Ocorre quando, dado um deternunado nutriente ao indivíduo, o organismo elimina menos do que ingere (p. ex.: balanço nitrogenado positivo, referindo-se a proteínas). balantidiose (ou balantidíase) D oença produzida pelo parasita Balantidium coli, que pode ocorrer na espécie humana por alimentos contaminados. A sintomatologia dessa parasitose apresenta: anorexia, meteorismo, dores abdominais, insônia, cefaléia, cansaço, náuseas, vômitos. Nos casos crônicos, surgem diarréias alternadas com constipação. Prevenção da doença é feita através do cozin1ento dos alimentos, higiene e ferver a água. banco de sangue Local de recepção e guarda sob refrigeração de sangue integral, colhido de

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

banha

beribéri

doadores previamente selecionados. Os bancos de sangue geralmente são privados e estão associados a hospitais beneficentes ou particulares banha Produto graxo de origem anin1al.

barreira sangüínea cerebral (barreia hematoencefálica) Faz a regulação da composição iônica e molecular extracelular para manter a homeostase cerebral, estando relacionada com a lentidão de transporte de algumas substâncias do sangue para o cérebro. A água, o dióxido de carbono e o oxigênio atravessam rapidamente; a glicose, os an1inoácidos, os ácidos graxos e os corpos cetônicos transpõem a barreira com menor rapidez. Outras substâncias como proteínas, catecolaminas, serotoninas etc. cruzam a barreira com dificuldade. A glicose, norn1almente, constitui a fonte de energia cerebral, mas durante a desnutrição grave há adaptação no sentido de obter acin1a de 50% de seus requerimentos energéticos pela oxidação de corpos cetônicos. A oxidação de ácidos graxos pelo cérebro é muito limitada. base Composto que, em presença de solução aquosa, libera íons de hidroxila (OH-) e que reage com ácidos, formando sal e água. bases pirimídicas Derivadas dos ácidos nucléicos e são constituídas de timina, uracila e C1COS1na.

bases purínicas Derivadas dos ácidos nucléicos e constituídas de adenina, guanina. basófilo Leucócito de envolvimento en1 reações alérgicas. Elen1ento que se cinge facilmente com corantes básicos. batata originária da Região Andina Levada à Europa pelos conquistadores e o seu uso se difundiu em todo o mundo, chegando até a ser chamada de batata inglesa ou batata holandesa. Na sua região de origem, existem mais de 300 variedades do tubérculo e a sua população costuma usar um tipo especial de batata para cada prato: encontramos a batata para purê, a batata amarela, própria para comer cozida, a batata para fritar, a que combina n1elhor con1 esta ou aquela carne. batida Bebida produzida à base de aguardente de cana, com a adição de vários sucos de frutas ou de outras substâncias, como amendoim, coco, gema de ovo, leite condensado e ' açucar a gosto. BCG 1 Referente à vacina contra a tuberculose: B - bacilo; C - Calmette; G - Guérin. 2 Balistocardiograma. 3 Criada em 1921, é pro-

duzida a partir de cepas do Mycobacterium bovis, sendo indicada, preferencialmente, para crianças de O a 4 anos de idade e adultos que não foram imunizados. Desde 1976, a vacina é obrigatória para os menores de 1 ano de idade, devendo ser aplicada nos recém-nascidos ainda na maternidade, que tenham peso igual ou superior a 2 kg. bebida aperitivo Bebida alcoólica à qual é atribuída a propriedade de estimular o apetite. Líquido que contém álcool, a maioria das bebidas são preparados por fern1entação e algumas passam por um processo de destilação. bebida láctea Produto lácteo resultante da mistura do leite ( in natura, pasteurizado, esterilizado, UHT, reconstituído, concentrado, em pó, integral, semidesnatado ou parcialmente desnatado e desnatado) e soro de leite (líquido, concentrado e en1 pó) adicionado ou não de produto(s) alimentício(s) ou substância alimentícia, gordura vegetal, leite( s) fermentado( s), fermentos lácteos selecionados e outros produtos lácteos; a base láctea representa pelo menos 51 % (cinqüenta e um por cento) massa/massa (mim) do total de ingredientes do produto. É composta por uma mistura de soro de leite, resultante da fabricação de queijos, e leite; em geral sem composição nutricional definida. Na sua composição, observa-se diminuição da gordura saturada e colesterol quando comparada ao leite integral, mas ainda acima do leite desnatado. Os carboidratos, representados pela lactose, apresentam-se em quantidades n1uito superiores às encontradas nos leites integrais e desnatados. A din1inuição da quantidade de proteínas e cálcio pode variar de 15 a 32%. Já o sódio apresenta aumento de até 30% em relação ao leite integral. becanamicina Antibiótico aminoglicosídico tambén1 conhecido por an1inodexicanan1icina ou canendomicina. Acua como estafilococo, coliforn1e, hemófilo, gonococo, salmonelas, shigelas, Klebsiella e Enterobacter. É absorvida somente por via parenteral. beribéri Enfermidade carencial por falta de vitamina Bl (tiamina), caracterizada, clinicamente, por con1plicações nervosas, circulatórias, sensitivas e secretoras. Apresenta-se sob duas formas: hidrópica ou úmida (edemas, derrames das serosas e distúrbios cardíacos) e seca, paralítica ou atrófica (paralisia de membros inferiores).

29

B

beriliose

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

biguanidas

B

Manifesta-se principalmente nos alcoólatras desnutridos e pessoas mal alimentadas. beriliose Intoxicação por inalações de vapores ou poeiras de sais de berílio, que se n1anifesca principalmente por distúrbios pulmonares. Ocorre a formação de granulomas pulmonares que sofrem fibrose. beta-0-galactosidase Enzima que hidrolisa a lactose em produtos láccicos. Sem ela, a lactose não é desdobrada em glicose e galactose e, continuando inteira, provoca no organismo processos diarréicos. É a diarréia provocada em muitos indivíduos que tomam leite. beta-oxidação Via metabólica dos ácidos graxos. A oxidação ocorre no carbono beta do grupo carboxila do ácido graxo; esse é o próxin10 menos um com produção de ácido-betacetônico. Há dissociação do ácido acético liberando ácido graxo con1 dois átomos de carbono a menos que o original. A oxidação dos ácidos graxos para a produção de energia é feita por todas as células orgânicas menos as do sistema nervoso central. Essas reações ocorrem por ação de diversas enz1n1as. betacaroteno Precursor lipossolúvel da vitamina A, encontrado em gorduras, folhas e vegetais amarelos e verdes. O betacaroteno é convertido em vitamina A no organismo. Uma pequena porção do caroteno é absorvida pelo intestino, contribuindo para a cor amarela do soro. Tem ação na visão, integridade da pele. betacitosterol (betasitosterol) Fitosterol pouco absorvido; por sua interferência com a absorção do colesterol tem sido usado para baixar seu nível no sangue O beta-sitoscerol é o principal fitosterol encontrado nos alimentos; é extraído dos óleos vegetais e sua esterificação melhorou sua solubilidade, possibilitando que fosse adicionado aos alimentos. A saturação do beta-sitosterol forma o sicostanol-éster e acredita-se que an1bos reduzam a colescerolemia. betaglobulina Soroglobulina que funciona nos transportes de lipídios, glicídios, ferro, hormônios e pequena fração de anticorpos (imunoglobulinas); está situada entre as alfa e gamaglobulinas. betaína Doador de mecila. betalactamase Enzima produzida por certas bactérias que atua na destruição do núcleo fundamental da penicilina e seus derivados, inativando-a.

30

betaterapia Processo terapêutico com de raios beta que utiliza radiação ionizante para prevenir formação do quelóide e das cicatrizes hipertróficas. beterrabúria Urina avermelhada que pode se apresentar em cercos indivíduos, provocada pela ingestão de beterraba (betaína). bexiga Orgão oco que atua como reservatório de urina.Tem a parede elástica com n1usculatura lisa. Bexiga espáscica é uma bexiga hipertônica. Bexiga neurogênica é uma bexiga em estado de disfunção, por causa de lesões do sistema nervoso central ou periférico. bezafibrato Derivado do ácido fíbrico que provoca redução acentuada nas VLDL circulantes, reduzindo, conseqüentemente, os níveis de triglicérides e, moderadamente, os níveis de LDL. Além disso, aumenta cerca de 10% os níveis de HDL. bezoar Formação constituída de alimento endurecido e pêlos, originada no estômago e intestinos de ruminantes, e que pode produzir obstrução intestinal. Pode ser encontrada em crianças e adultos neuróticos que ingerem os próprios cabelos e também através da ingestão de alguns alimentos con10 a manga. bicarbonatismo Distúrbio provocado pela ingestão exagerada de bicarbonato de sódio ou por consumo abusivo e constante de alimentos alcalinos, principalmente em indivíduos portadores de hipercloridria. bicarbonato Substância alcalina usada como antiácido. bicarbonato de potássio De fórmula KHCO 3, é empregado como fonte de potássio, alcalinizador de urina e antiácido gástrico. bicarbonato de sódio De fórmula NaHCO3, é prescrito como antiácido gástrico, para combater a acidose sistêmica e alcalinizar a urina. Por seu conteúdo de sódio, deve ser controlado em hipertensões e processos de retenção desse mineral. biguanidas Agentes hipoglicemiantes, independentes de células B funcionantes das ilhotas de Langerhans. Aumentam a captação de glicose nos músculos estriados, além de inibir o débito hepático e a absorção intestinal de glicose. Causam anorexia, ajudando, conseqüentemente, na perda de peso de pacientes obesos. Seu uso a longo prazo pode interferir na absorção da vitamina B12. Vide MeTFORMINA.

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

bile bioterapia

bile Líquido secretado pelo fígado e vertido no

bilirrubinúria Presença de bilirrubina na urina,

duodeno; constituído de sais biliares, colesterol, lecitina, gordura, pigmentos e mucina. Seu pH oscila entre 8,0 e 8,5. ÁCIDOS BILIARES Ácidos presentes normalmente na bile, formados pela conjugação da glicina ou taurina com um ácido cólico. Há quatro ácidos biliares: cólico, e quenodesoxicólico ( sintetizado no fígado, a partir do colesterol), litocólico e desoxicólico (produzido por bactérias intestinais). Da conjugação desses ácidos com a taurina e a glicina resultan1, respectívan1ente, os ácidos taurocólico e glicocólico ( este último de maior importância para o homem). Para a forn1ação dos sais biliares, tanto os ácidos livres quanto os conjugados se associam ao sódio e ao potássio. FUNÇÕES DIGESTIVAS As principais funções digestivas da bile são: a) emulsão de lipídios pela redução da tensão superficial por meio dos sais biliares, as partículas emulsionadas apresentam maior superfície de ataque às enzimas lipolíticas; b) ativação da lipase pancreática por ação dos ácidos biliares; c) dissolução dos ácidos graxos e sabões por sua ação hidrotrópica; d) absorção de substâncias, a absorção de lipídios, no intestino, do colesterol e das vitaminas lipossolúveis requer a presença da bile; e) neutralização do quimo-ácido, com outros sucos digestivos neutraliza o ácido proveniente do estômago. Ação anti-séptica e bacteriostática sobre a flora microbiana intestinal. Estimulação da motilidade intestinal, a bile em seu conjunto e os sais biliares em especial estimulam a motilidade intestinal que fica reduzida na obstrução dos condutos biliares. biligênese Processo de formação da bile. bilirrubina É o mais importante pigmento da bile, obtido pela redução da biliverdina. É resultante da quebra da hemoglobina e geralmente excretada pela bile. Na icterícia, sua concentração no sangue se eleva, causando coloração amarela na pele, na córnea e na urina. bilirrubina direta Hidrossolúvel, tem baixa afinidade por albumina, sua excreção ocorre pela urina. Bilirrubina indireta pode ser chamada também de bilirrubina não conjugada. É pouco hidrossolúvel, com grande afinidade por albumina e tecido nervoso, a sua excreção não ocorre pela urina. S1N Bilirrubina coajugada bilirrubinemia Bilirrubina no sangue (icterícia).

que ocorre intensamente na icterícia obstrutiva. biliverdina Pigmento biliar produzido no organismo, às expensas da hemoglobina que é reduzida no fígado para bilirrubina. A biliverdina também pode ser formada por oxidação da bilirrubina. Tem uma coloração esverdeada biofag ia Hábito de alimentar-se de matéria viva, ou seres vivos. bioflavonóides Substâncias de atividades derivadas das flavonas descritas como bioflavonóides. Diferenciada da vitamina C e da vitamina P, apresenta ação sobre a resistência capilar, diminuindo sua pern1eabilidade. S1N Citrina, complexo vitamínico C, compostos citroflavonóides, vitamina C2, vitan1ina P. biologia Ciência ou escudo da vida, considerando as relações existentes entre os meios orgânicos e o an1biente. biomecânica Ciência que escuda a interação física do homem com seu ecossisten1a, sob a perspectiva do movimento e do equilíbrio corporais no espaço, baseada nas concepções mecânicas da natureza e no desígnio de exponenciar sua aptidão psicossensitiva-motriz. biometria Ciência que tem por fim traduzir, numericamente, os fenômenos biológicos, estabelecendo, entre os dados obtidos, relações que visam determinar as leis que os originam (Sette Ramalho). A biometria humana é denominada antropometrican1ente. bioplasma Protoplasma e sua conexão com a matéria viva. biopsia Exame do tecido vivo destinado a diagnosticar processos patológicos. bioquímica Estudo da composição química dos seres vivos e das transformações que neles se realizam. bios I Vide INOSITOL. bios li Vide BIOTINA. bios IV Vide coL1NA. biosmose Osmose que se verifica através da men1brana viva. biossíntese Síntese de uma substância na matéria viva. biostática Estudo das condições de vitalídade de uma raça; pesquisa da média de duração da vida em diversos climas. biosterol Vitamina A. biotaxia Classificação dos seres vivos. bioterapia Terapêutica por meio de culturas vivas (p. ex.: iogurte, quefir, fermentos, levedura

31

B

biatina

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

bócio

B

etc.) e de produtos orgânicos (p. ex.: suco gástrico, bile etc.) provocando reação anticumoral através de sua ação na resposta imunológica. biotina A origen1 da denominação biotina vincula-se à existência de fatores de ação vital designados Bios. É componente do complexo B, existente em pequenas quantidades em tecidos animais e vegetais. Essa vitamina é derivado cíclico da uréia, que contém grupo de enxofre. Combinada à avidina (glicoprotídio de clara de ovo cru), forma complexo não atacável por digestão proteolítica, nesse estado, a biocina não é absorvida. Em tecidos e alimentos, apresenta-se comumence associada a proteínas. A biotina é sintetizada em vários animais por bactérias intestinais. A maioria das perdas da biotina ocorre durante a cocção de alimentos em água. A cocção doméstica de carnes, peixes e vegetais ocasiona perdas de 10 a 30% dessa vitamina. FUNÇÕES Integra o grupo prostético de certas enzin1as catalisadoras de C02 e beradescarboxilação.Tem papel no metabolismo dos carboidratos e lipídios. Age por meio de dois tipos gerais de descarboxilação: o que depende de energia e envolve a clivagem do ATP, ADP e fosfato inorgânico; e aquele que se relaciona com a troca de aceto-acetato, a partir da leucina. Quando de sua deficiência, é responsabilizada por dermatites infantis. É essencial para a integração de C02 na produção de purinas, que são compostos componentes imprescindíveis do ADN e ARN. A biotina tan1bém é requisitada no ciclo do ATC, para transformação do succinato em fumarato e do oxalsuccinato em cecoglucaraco. PRINCIPAIS FONTES 6gado de boi; lêvedo de cerveja; ovo; chocolate; amendoim torrado; cogumelo; feijão; ervilha seca; couve-flor; frango; ostra; bacalhau; leite; milho integral; trigo integral; geléia real, gema de ovo, 6gado. REQUERIMENTOS dose diária de 100 a 200 mcg. A maioria dos requerimentos é obtida da síntese bacteriana intestinal. DEFICIÊNCIA não há, no hon1en1, deficiência espontânea de biotina. Essa deficiência pode ocorrer pelo consumo de alimentos de baixo teor de biotina e produzida experimentalmente en1 animais (ratos, macacos e coelhos) pela ingestão de grande quantidade de clara crua de ovo (30% do requerimento calórico) que contém a avidina, substância antivitamínica que se combina à biotina. Os sinais e sintomas surgidos, e que variam segundo as espécies, consistem em: anore-

32

xia, dermatite, diminuição de crescimento, dor n1uscular, hiperestesia, lactação reduzida, ligeira anemia e diminuição do controle muscular. SIN coenzima R, vitamina H. biotipo 1 Conjunto de características comuns a cercos indivíduos, que possibilitam classificá-los em diferences grupos, mais ou menos padronizados 1.1 Biotipologia Escudo de indivíduos da n1esn1a espécie, de suas características n1orfológicas, psicológicas ou fisiológicas, pelas quais é possível classificá-los em tipos diversos e mais ou n1enos definidos. "Ciência das constituições morfológicas, temperamentos e caracteres do indivíduo" (Pende); "biologia da pessoá' (Brugsch) e"ciência individual" (Viola). biscoito Produto de n1assa de farinha de trigo, adicionada geralmente de açúcar, ovos e outras substâncias que, após sua cocção, apresenta-se relacivan1ente seco e duro. É elaborado com recheios ou não, com diversos sabores e em vários tipos, como, por exemplo: an1anteigados, cream cracker, de aveia e mel, de farinhas integrais, de glúten, de leite, doces, recheados, salgados e outros. bismutismo Intoxicação caracterizada por transtornos digestivos intensos e albuminúria com presença de cilindros, que ocorrem por emprego inadequado de bismuto. blastócito Célula embrionária sem grau de diferenciação. blastoma Tumor que apresenta células parenquimatosas de características en1brionárias (fibroblastoma ou condroma). blastômero Qualquer das células em que se reparte o ovo fecundado. blastomicose Todo processo provocado por determinados fungos, principalmente por espécies de Blastomyces, o Blastomyces dermatitidis. 1,2,3,4. É considerada uma doença piogranulomatosa sistêmica. boca Parte superior do sistema digestivo; em seu interior, aloja seus órgãos dependentes (dentes e língua), que participam dos processos de n1astigação e de digestão bucal. FuNÇÕES PRINCIPAIS Abriga e seleciona alin1entos; realiza mastigação e trituração; promove o estímulo de reflexos e a percepção dos diferentes sabores; executa mecanismos de preparação de alimentos, no sentido de sua digestão (glicídios) e deglutição. bócio Aumento anormal da cireóide, por deficiência de iodo (bócio endêmico), por hipertireoidismo; doença familiar na síntese dos

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

bócio endêmico botulismo

hormônios da tireóide; tumores benignos e malignos. Por deficiência de iodo o aumento ocorre do seguinte modo: estando o nível da tiroxina baixo, no sangue, a hipófise secreta mais hormônio estimulador da tireóide (TSH), o qual provoca a elevação do número e do tamanho das células epiteliais da glândula, para que ela adquira sua função. Com isso, há aumento da glândula e formação do bócio, que é denominado bócio endêmico. O bócio que aparece no hipertireoidismo é provocado pela hiperplasia difusa do epitélio tireoideano, acarretando uma secreção excessiva de hormônio tireoideano. Sua causa é desconhecida e aparece mais na mulher. SINTOMATOLOGIA aumento da glândula tireóide (bócio), taquicardia, tremor característico, exoftaln1ia bilateral, emagrecimento, aumento do metabolismo basal, sudorese e nervosisn10. No hipertiroidismo ocorre: fome excessiva; nervosismo; tremores; palpitações; emagrecimento; unhas quebradiças;cabelo seco e quebradiço e no hipotireoidismo ocorre: sonolência; constipação; diminuição do apetite; fraqueza muscular; depressão; queda dos cabelos. Esse tipo de bócio, proveniente do hipertireoidisn10, é encontrado na doença de Basedow: bócio ocasionado por substâncias denominadas bocígenas. O composto responsável pelo aparecimento do bócio é o L-5-viniltrioxaz alidon (goitrin) encontrado na soja, no repolho e nas brássicas (couves); nas mandiocas, acredita-se que seja um tiocianato. Entre as drogas causadoras do bócio podem ser citadas: propilciouracil, metimazole, além de tiocianato e perclorato. bócio endêmico Ocorre em zonas em que a alimentação é deficiente em iodo. bociógenos Fatores produtores do bócio: regime deficiente em iodo; uso indequado de sulfonamidas e drogas do grupo tiouréia; dietas de repolho e outras plantas do gênero brássico. Também, o uso exagerado de produtos à base de soja, pela preseça do radical cianogênico. boldo Fitoterápico muito utilizado na forma de chá, acredita-se que ele facilita a metabolização das gorduras pelo fígado. bolo Produto à base de farinhas, geralmente com a participação de açúcar, ovos, manteiga ou margarina, de fermento e outras substâncias (leite, frutas, mel etc.). Era utilizado pelos egípcios para comen1orar os aniversários dos governantes nos desfiles e nas festividades, e

pelos romanos para comemorar o aniversário dos deuses. Os primeiros bolos preparados foram os alemães. bolo alimentar Massa alimentar forn1ada no estômago (quimo). bolsa de Douglas Dispositivo inflável para a coleta de ar expirado; pela avaliação do oxigênio do dióxido de carbono poderão ser computados os gastos energéticos. bolsa de Pavlov Pequena parte gástrica, inteiramente isolada da porção principal do órgão, que conserva, entretanto, ramos do nervo vago. Utilizada para pesquisar, por longo tempo, o estado da secreção gástrica e, principalmente, avaliar os reflexos condicionados. Por esse processo é possível a obtenção direta de suco gástrico. bomba de sódio Bomba de sódio e potássio bombeia ativamente três íons sódio para fora (líquido extracelular), enquanto dois íons potássio é bombeado ativan1ente para dentro (líquido intracelular). Vide ABSORÇÃO OE SÓDIO. bombesina Hormônio formado por peptídios e o único agente conhecido que libera gastrina independente do pH. Suas ações se resumem a: estimular a secreção de ácido clorídrico; acuar como hipertensor e antidiurético; liberar gastrina e colecistoquinina-pancreozimina; inibir a motilidade intestinal; contrair os músculos lisos do útero; produzir sensação de saciedade, quando atua nos centros cerebrais do controle do apetite. bombom Guloseima de chocolate escuro ou branco, com ou sem recheio. Comercializado em unidades separadas ou reunidos com variedades, em caixas de papelão. borborigmo Som provocado pela presença da mistura de líquidos e gases que são impulsionados através do cubo intestinal. botulismo Intoxicação grave, produzida pela toxina do Clostridium botulinum, é um bacilo gram-posicivo, anaeróbio, esporulado e produz 8 tipos de toxinas (A, B, Cl, C2, D, E, F e G). As toxinas patogênicas para o homem são: A, B, E e F. A infecção se acompanha de quadro clínico grave e, quando aparecem os sinton1as (entre 12 e (36) 26 horas), a toxinajá desenvolveu sua ação nociva. Por sua afinidade com o sistema nervoso central, a toxina do Clostridium botulinum é denominada neurotoxina. Depois de pré-formada, a toxina é ingerida por meio de alimentos e absorvida pela mucosa do estômago e da porção

33

B

bradicardia

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

butirosina

B

intestinal superior, também ocorre pela ingestão de esporos, fazendo a produção e absorção da toxina pela luz intestinal. Os sintomas preliminares da doença são: sensação de fadiga; náusea; vômitos; diarréia seguida de prisão de ventre; dor de cabeça; dispnéia. Com a evolução da intoxicação ocorre a seguinte sintomatologia: distúrbios oculares; secura da garganta; má deglutição; transtornos da voz; falta de coordenação, üngua inchada etc. Como complicação final pode surgir a morte (entre três a seis dias), geralmente com falha respiratória ou cardíaca. bradicardia Lentidão dos batimentos cardíacos, geralmente com freqüência abaixo de 60 bacin1entos por n11nuto. bradilagia Comer devagar; ocorrência de lentidão para ingestão de alimentos. bradipnéia Lentidão anormal do ritmo respiratório. bradipragia Retardamento anormal da atividade, pricipalmence física, do indivíduo. braditrolia Lencificação da nutrição. brevilíneo Tipo constitucional de indivíduo baixo e com tórax mais largo que o normal. bromelina Enzima proteoücica proveniente do Ananas bracteatus, utilizada para amaciar carne, bebidas alcoólicas destiladas e cervejas. É eficaz nos seguintes problemas de saúde: angina, indigestão e problemas respiratórios. É obtida pela precipitação, por acetona, do látex extraído dos calos novos da fruta. Comercialn1ente, a bron1elina se apresenta em forma de pó esbranquiçado a marrom-claro. Bruce/la suinus Bactéria causadora da brucelose suína que pode contagiar o homem e os animais. En1 porcos, manifesta-se pelo conhecido aborto epizoótico. brucelose Infecção produzida por bactérias do gênero Brucella ( Brucelias melitensis, abortus bovis e suinus); comumence se apresenta em estado crônico, atingindo órgãos e várias de suas funções. A sua trasmissão ocorre através do contato con1 a pele, urina, sangue, derivados de animais contan1inados. A sintomatologia da brucelose é influenciada: pelo tipo de virulência da brucela responsável; pela evolução da enfermidade e sua repercussão orgânica; pelas condições de resistência do paciente e da forma clínica que atravessa a infecção. Segundo a marcha da doença, seus sintomas podem ser característicos ou mal definidos; com a sucessão de complicações graves, o enfermo poderá encon-

34

trar a morte. A sintomatologia da fase aguda consiste em: cefalalgias; febre incern1itente ou contínua; sudorese noturna; dores articulares e musculares difusas ou localizadas, mal-estar e perda de peso. Na fase crônica, os sintomas são semelhantes em parte aos da fase aguda, acrescidos de focos circunscritos, fenômenos de hipersensibilidade (irritação, insônia etc.) e comprometin1enco de vários órgãos (baço, fígado, coração e rins) e do aparelho digestivo. bucolaringe Porção da faringe relacionada com a boca. bulbogastrona Hormônio localizado no bulbo duodenal, que é liberado pela presença de ácido no duodeno e estimula a secreção de H no escôn1ago. bulimia Excessiva sensação de fon1e e necessidade de ingerir grande quantidade de alimentos, relacionados con1 transtornos metabólicos, cerebrais e funcionais. Apetite constante e insaciável, presente em estados psicócicos, mas na bulimia nervosa tem a preocupação excessiva com relação ao controle do peso corporal conduzindo a uma alternância de hiperfagia e vômitos ou uso de purgativos. Este transtorno partilha diversas características psicológicas com a anorexia nervosa, dentre as quais uma preocupação exagerada com a forma e peso corporal. Os vômitos repetidos podem provocar perturbações eletrolíticas e complicações somáticas. Pode ter un1 episódio de anorexia nervosa ocorrido de alguns meses a vários anos antes. bulimia nervosa Distúrbio de conduta alimentar caracterizado por episódios recorrentes de compulsão alimentar periódica (con10 mínimo duas vezes por semana durante três meses) com comportamento compensatório inadequado e recorrente com o fim de prevenir o aumento de peso. Os métodos compensatórios dividem a doença em dois tipos: o tipo purgativo, no qual o paciente realiza freqüentemente a auto-indução de vômito ou utiliza indevidan1ente laxantes, diuréticos ou enemas; e o tipo sem purgação, em que o paciente utiliza outros n1écodos compensatórios indevidos, cais como , . . JeJuns ou exerc1c1os excessivos. butirosina Antibiótico aminoglicosídico, inicialmente obtido de bactérias (Bacillus circulans), constituído por dois componentes: A e B. Tem ação contra estafilococos e menor atividade antimicrobiana que a tobramicina e a gentamicina.

cabimicina Antibiótico poliênico extraído do Streptomyces luchijoensis, com ação sobre leveduras (Candida albicans e Trichomonas vaginalis). Por sua elevada toxicidade, seu emprego sistêmico é contra-indicado. Já foi comercializado no Brasil. cação Designação geral dos peixes elasn1obrânquios de porte não muito grande. S1N Ictiol. cacau Fruto ovóide de cacaueiro, que contén1 amêndoas empregadas no fabrico de chocolate e do qual se extrai un1a substância gordurosa denominada n1anteiga de cacau. cacaueiro Árvore da família das Esterculiáceas, originária da parte tropical da América do Sul, cultivada pelo seu grande valor comercial de seu fruto, o cacau S1N Cacauzeiro. cachaça 1 Aguardente de cana-de-açúcar obtida da destilação da garapa 2 Espuma grossa, produzida pela primeira fervura da cana-de-açúcar SIN água-que-passarinho-não-bebe; aguardente; bagaceira; branquinha; cana; caninha; cobertor-de-pobre; mata-bicho; parati; pinga. cachorro-quente Sanduíche feito com pão e salsicha quente. cacofagia Perversão do apetite, na qual o indivíduo doente tende a comer coisas repugnantes. cacogeusia Mau sabor; presença de gosto desagradável na boca. cacositia Náusea; enjôo; aversão a alimentos. cacosmia Alteração do olfato na qual o paciente relata con10 sendo agradáveis odores n1uito desagradáveis ou, ao contrário, percebe como

muito desagradáveis odores neutros ou agradáveis. Pode ter causas fisiológicas ou por alucinação sensorial. cacostomia Mau hálito. cacotrofia Desnutrição calórico-protéica. cactáceas Família de plantas suculentas sem folhas e de caule n1uito grosso, mantendo grandes reservas de água. cactos Qualquer planta suculenta e com muitos espinhos da família Cactaceae, nativa de regiões áridas. Têm adaptações que as permitem armazenar grande quantidade de água, con10 os espinhos, que são folhas adaptadas. cadeia alimentar 1 Interação entre os que produzem e consomem e os que decon1põem os alimentos 2 Relação entre seres que se alimentam e servem de alimentos (p. ex.: vegetais clorofilados que produzem matéria e energia são consumidos por herbívoros que, por sua vez, são comidos por carnívoros; herbívoros e carnívoros são devorados pelo homem). cádmio Metal branco azulado, de peso atômico 112,41 e número atômico 48, empregado na elaboração de ligas e na laminação elétrica. As inforn1ações a respeito das funções orgânicas do cádmio, consideradas essenciais, ainda são bastante falhas . De sua participação no organismo, têm sido assinaladas a ação tóxica, quando de sua presença em níveis inadequados, e as interações que provoca por antagonismos funcionais, como com o zinco, o ferro e o cobre. O conteúdo de cádmio no corpo

café

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

cálcio

e

humano é calculado em cerca de 50 mg; desces, 10 mg se localizam nos rins e 40 mg no fígado. É praticamente nulo o teor de cádmio no indivíduo ao nascin1enco; com a idade, porém, vai acumulando-se no corpo. Vide INTOXICAÇÃO POR CÁDM I O. FUNÇÕES São ainda baseante obscuras as demonstrações sobre a essencialidade biológica do cádmio embora esse mineral cen1 sido determinado en1 tecidos de origem animal e vegetal. Sua presença nos rins, no fígado e no sangue humano sugere a existência de funções orgânicas exercidas pelo cádmio. Admite-se que a mecaloína, que contém cádn1io ( e outros minerais), existente em todo o organismo, pode diminuir a toxicidade do próprio cádmio, do mercúrio e de alguns metais bivalentes PRINCIPAIS FONTES Carnes; cereais; germe de trigo; legumes; ostras; vegetais folhosos. café 1 Produto resultante da moagem do grão de café seco e previan1ence torrado em presença de açúcares caramelizáveis 2 Bebida tônica e aromática feita por infusão do grão de café, torrado e moído [O hábito de tomar café foi desenvolvido na cultura árabe e chegou mais carde à Europa durante a expansão do Império Otomano.] 3 Bebida, conhecida por sua propriedade estimulante, cuja fruta, consumida fresca, era utilizada para alin1encar e estimular os rebanhos durante viagens 4 Produto comercializado na forma convencional, em pó; na de produto solúvel ou instantâneo; e na de café descafeinado. É comercializado na forma convencional em pó, na de produto solúvel ou instantâneo e na de café descafeinado. café de cevada Denonünação imprópria do produto sucedâneo do café torrado e moído. cafeeiro 1 Relativo ao café 2 Arbusto da família das Rubiáceas, que produz o café. cafeína Xancina solúvel em água e álcool, obtida do café, chocolate, coca-cola, chá e mace. A cafeína estimula o sistema nervoso central, cem efeito diurético nos rins; escin1ula o músculo estriado; e cem uma variedade de efeitos no sistema cardiovascular [Denomina-se cafeinismo o uso excessivo crônico ou agudo ( consumo diário de 500 mg ou mais) com evenrual toxicidade sendo os sintomas: inquietação, insônia, rubor facial, contração muscular, taquicardia, perturbações gascroincestinais, tensão, pensan1ento e fala acelerados e desorganizados e pode algumas vezes ter exacerbação de uma

36

ansiedade preexistente ou estados de pânico, depressão ou esquizofrenia]. cãibra 1 Espasmos de massas musculares 2 Contração involuntária e dolorosa de um n1úsculo de membros en1 indivíduos normais (nadadores) 3 Espasmos de origem ocupacional, por utilização excessiva ou causados por processo mórbido (tetania). cãibra dos mineiros Conseqüente à atividade física intensa, em que ocorre perda de sais, principalmente de cloreto de sódio, por suor excessivo. O quadro se agrava por influência de climas tropicais e de ambientes confinados de alta cemperarura. caipirinha Bebida feita com limão galego macerado, açúcar, pinga e gelo. cajá Fruto da cajazeira. caju 1 Fruto do cajueiro 2 Cajueiro. calasia Relaxamento esfincceriano. calcário 1 Relativo à cal ou carbonato de cálcio 2 Relativo a rochas que contêm carbonato de cálcio. Rocha formada pelo carbonato de cálcio. calcariúria Presença de sais de cálcio na urina. calcemia Presença de cálcio no sangue. calciferol Vide VITAMINA D. cálcio Metal branco, prateado, brilhante, de acentuada afinidade pelo oxigênio. De rodos os n1inerais orgânicos, o Ca é o de n1aior representação; seu teor no adulto gira em corno de 2% do peso corporal. Dos 1.200 g existentes no organismo do indivíduo adulto, 99% em forma de sais se encontram formando a rígida estrutura de ossos e dentes. Participa também da contração muscular e auxilia o controle do ritmo cardíaco. Relaciona-se também com a coagulação do sangue e com os impulsos nervosos. A sua falta obriga o organismo a retirálo dos ossos tornando-os mais fracos. Cerca de 10 a 12 g de Case acham nos fluidos corporais; o sangue contém 9 a 11 mg por 100 mL; todo ele no soro e em forma solúvel ionizada (ao redor de 60%); o Ca restante aparece ligado a proteínas. Esse mineral se deposita no osso, em forma de apatita, formada por fosfato de Ca e carbonato de cálcio. O esqueleto não exerce somente ação de sustentação do corpo, n1as também funciona como reservatório de Ca, de onde o mineral é requisitado para o resto do organismo, inclusive para a manutenção constante de sua concentração no plasma. O Ca orgânico mais freqüentemente mobilizável

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

localiza-se nas crabéculas ósseas; a velocidade de permutas de Ca é maior do que a de seu depósito; a dentina e o esmalte não transferem o 111ineral com a mesma rapidez. Na referência das características do Ca, é necessário abordar sua sinergia com o fósforo, ao qual se acha associado estreitamente, em várias de suas funções. Basta citar a correlação existente entre ambos, por influência especialmente de proporção entre o Ca (2%) e o P (1 %) existente no organismo e que deve ser respeitada. Essa disciplinação é feita pelo quociente cálcio-fósforo, que exprime a relação de ingestão do cálcio e do fósforo. ABSORÇÃO É absorvido pelo transporte ativo, quando a absorção é realizada no duodeno, e por transporte passivo, quando a absorção ocorre no jejuno e no íleo. Em indivíduo saudável, a absorção de Ca corresponde a 20 a 30% do valor ingerido. Durante o crescimento, a gestação e o aleitamento, a absorção de Ca é aumentada fisiologicamente. O homem apresenta absorção mais eficiente que a mulher não grávida. A absorção é controlada por vários n1ecanismos. En1 primeiro lugar, o parato rmônio (das glândulas paratireóides) e a vitamina D estin1ulam a absorção intestinal de Ca. Outro elemento é a acidez da reação em que se processa a absorção; assim, a presença do quimo ácido ajuda o processo, enquanto a formação do meio alcalino pelos sucos pancreáticos e a bile tende a dificultar a absorção. A lactose intensifica a absorção de cálcio, porque favorece o crescimento de microorganismos intestinais que aumentam a acidez intestinal. A vitamina C facilita a solubilidade do Ca e aun1enca sua absorção. Fatores que interferem na absorção: falta de vitamina D; falta de acidez no meio intestinal (velhice); aumento de motilídade intestinal (diarréia); presença de ácido oxálico e fítico (resultando sais insolúveis); dieta n1uito rica em fibra; quantidade excessiva de fósforo; excesso de gorduras na dieta (forn1ação de sabões). ExCREÇÃO Realizada pela urina e pelas fezes. O cálcio urinário é aumentado de acordo com o aumento da ingestão de proteínas. O cálcio fecal inclui o de origem endógena que foi absorvido e voltou ao lún1en intestinal e o Ca alimentar não absorvido. Dois terços da ingestão de cálcio pelo indivíduo normal são eliminados pelas fezes. Durante a imobilização por fratura, paralisia ou descanso prolongado na cama, há perda

cálcio

do mineral do osso, com aumento da excreção urinária. FUNÇÕES Associado ao fósforo, assegura a estrutura rígida de ossos e dentes. Na conversão de protron1bina em trombina (coagulação sangüínea), age como catalisador. Ativa diversas enzimas: lipase, adenosina, trifosfatase e enzimas proteolíticas. Reduzindo a permeabilidade da membrana celular, diminui a dispersão coloidal; por esse mecanismo procede como agente dissensibilizante. Atua na excitabilidade neuromuscular. Participando nas oxidações celulares, eleva o gasto de oxigênio tecidual. Colabora no metabolismo da água. Interfere na contração e na irritabilidade dos tecidos. Sua ação antifadiga o torna elemento fixador de substância cimentante intercelular. PRINCIPAIS FONTES Queijo maturado; leite; melado; peixe; mostarda verde; brócolo cozido; pão branco ou integral; couve; carne magra; ovo inteiro. REQUERIMENTOS Lactentes: até 5 meses - 360 n1g; de 6 a 11 n1eses - 540 mg. Crianças: de 1 a 3 anos - 800 mg; de 4 a 6 anos - 800 mg; de 7 a 10 anos - 800 mg. Homens: de 11 a 14 anos - 1.200 mg; de 15 a 18 anos - 1.200 mg; de 19 a 22 anos - 800 mg; de 23 a 50 anos - 800 n1g; 51 ou mais - 800 mg. Mulheres: de 11 a 14 anos - 1.200 mg; de 15 a 18 anos - 1.200 mg; de 19 a 22 anos - 800 mg; de 23 a 50- 800 n1g; 51 ou mais - 800 mg. Gestantes: os requerimentos são os mesmos da mulher normal + 400 n1g. Nutrizes: os requerin1entos são os mesmos da mulher norn1al + 400 mg. DEFICIÊNCIA Na atualidade, não se considera a deficiência pura de Ca a causa de diversas enfermidades, pois, pela maioria dos estudos a respeito, chegou-se à conclusão de que o número de deficiências é muito menor do que seria de esperar, en1 face da baixa ingestão de Ca pelos indivíduos. A falta de vitamina D reduz a absorção e a utilização do Ca, como no caso da osteon1alacia (amolecimento ósseo) verificada principalmente nas gestantes múltiplas, geralmente subnutridas. A presença de fitato nas farinhas integrais consumidas em grande escala pode levar as mulheres à osteomalacia, pela retirada do Ca, com a forn1ação de ficato de cálcio. A sua falta obriga o organismo a retirá-lo dos ossos tornando os mesmos mais fracos. A osteoporose (redução da massa óssea total) encontrada nos velhos é causada por deficiência cálcica, mas esta, além do baixo consumo, pode ser provocada por má absorção

37

e

calcificação

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

canal de Wirsung

e

(espru) e por insuficiência renal (em que é prejudicada a síntese da vitamina D3, n1etabolicamente ativa). Outras enfermidades também podem causar osteoporose: hiperparatireoidismo, artrite reumatóide e escorbuto. calcificação Deposição de cálcio, normal e patológica, en1 qualquer parte do organismo. calcificação metastática Calcificação patológica acon1panhada de altas taxas de cálcio no soro e que atinge, principalmente, os pulmões, os rins e o estômago. calcificação patológica N esse estado, o cálcio pode precipitar-se em tecidos fora dos ossos. A ocorrência resulta de alterações teciduais patológicas (inflamações crônicas, degeneração hialina etc.) e de processos arteriais (arteriosclerose), no sangue, o cálcio encontra-se em duas formas: difusível ou ionizado; não difusível ( con1binado às proteínas do soro). calcificar 1 Dar consistência e cor de cal a 2 Sofrer um processo de calcificação. calcipenia Deficiência de cálcio. calcitonina Hormônio polipeptídio produzido pelas células C da tireóide que, na hipocalcemia, reduz o cálcio sangüíneo, provocando a reabsorção óssea; aumenta também a excreção urinária de fosfato. calciúria Presença de cálcio na urina. cálculos Substâncias orgânicas recobertas de massas endurecidas formadas principalmente na vesícula, nos rins, na bexiga. cálculos biliares Formado pelo desiquilíbrio físico-químico dos três componentes da bile: bilirrubina, sais biliares e colesterol. Vide LITÍASE BILIAR.

cálculos renais As pedras começan1 bem pequenas e vão tornando-se maiores e o seu desenvolvimento,Íormato e a velocidade de crescimento depende da concentração das diferences substâncias químicas presentes na urina. Vide LITÍASE RENAL, que é uma desordem causada por uma estrutura cristalina que se forma nas várias partes do trato urinário. calculose Tendência ou facilidade de formar cálculo ou pedra. caldo 1 Produto saborizante concentrado, elaborado à base de carne bovina, de ave, de bacon e de legumes, con1ercializado na forma de tabletes 2 Alimento líquido preparado pela cocção de carnes ou outras substâncias nutritivas com temperos 3 Suco que se extrai de frutos ou de outras partes de cercas plantas.

38

calibre Diân1etro interno de un1 vaso, con10, por exemplo, o de uma artéria, de uma veia,arteríola ou vênula. cálice 1 Pequeno copo, sempre provido de pé,para licores ou bebidas fortes 2 Vaso sagrado, empregado na missa, para conter o vinho que será consagrado. calicreína Enzima proteolítica do suco gástrico, na urina, no plasma sangüíneo, na saliva e em üquidos do corpo; produz liberação de calidina da alfa-globulina. Enquanto da calicreína da urina libertam-se as calidinas 9 e 10, a calicreína do plasma libera somente a calidina 9. As calicreínas eram definidas como as proteases que separam os pepádios vasoativos (cininas) do cininogênio. Atualmente, inclui os produtos protéicos homólogos de mais dois genes incrustados na região de q13.2-q13.4, no cromossomo 19, o qual leva a cabo a codificação de informação para o PSA e para a calicreína glandular humana. caloria 1 Unidade de medida de calor 2 Quantidade de calor necessária para aumentar de 1ºC a temperatura de um quilograma de água (grande caloria) ou de um grama (pequena caloria), sob pressão atmosférica normal. caloria vazia Quantidade de energia fornecida por alin1entos pobres ou isentos de nutrientes plásticos e/ ou reguladores (p. ex.: açúcar, bebidas alcoólicas, óleos etc.). calórico Relativo a calor ou a caloria. calorífico 1 Referente a calor 2 Que produz calor. calorimetria 1 Medida de calor obtida por meio de calorímetros usados para avaliar o calor perdido ou ganho, durante trocas 6sicas e químicas, ocorridas em alimento ou organismo 2 Método utilizado para medir a produção de calor animal. calorimetria direta Medida da produção de calor no homen1, por n1eio de calorímetro respiratório. calorimetria indireta Medida de energia de saída, calculando-se o consumo de oxigênio e a produção de dióxido de carbono. câmera vítrea Parte do globo ocular, entre o cristalino e a retina, ocupada pelo humor vítreo. canal Dueto ou conduto tubular. canal alimentar ou gastrointestinal Compreende todo o trato digestivo, da boca ao ânus. canal anal Porção final do intestino grosso, estendida do reto ao ânus. canal de Wirsung Canal que percorre o pâncreas e que se abre no duodeno, na saliência denominada ampola de Vater.

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

canal gástrico cardite

canal gástrico Sulco longitudinal da men1brana

caracteres físicos dos alimentos Referentes

mucosa gástrica, acerca da curvatura menor. canal hepático comum Formado pela união do conduto hepático esquerdo (que drena os lobos esquerdo e caudado), com o conduto hepático direito que drena os lobos direito e quadrado do fígado. canal pilórico Constituído pela porção do estômago que fica entre o antro pilórico e a base do bulbo duodenal. canamicina Antibiótico do grupo dos an1inoglicosídios, constituído por três frações: canamicina A, B e C. Atua sobre germes Gram-negativos, estafilococos e contra o Mycobacterium tuberculosis; sua ação sobre esse é menos efetiva que a da estreptomicina. Age sinergicamente com a ampicilina contra as enterobactérias. câncer 1Tumor maligno formado por multiplicação anormal e encontro de células que invadem o destroem os tecidos circunvizinhos . É capaz de produzir metástases ou tumores secundários distantes dos tumores primitivos 2 Gênero de caranguejos comestíveis da Europa. cancerologia Tratado sobre tumores malignos. Cândida 1 Gênero de leveduras pertencente à fan1ília Cryptococcaceas, que contém espécies de relativa importância industrial e médica (monilíase) 2 Leveduras que alteram produtos salgados e muito ácidos 3 Levedura conhecida por monília e que provoca a candidíase; ataca os pulmões, pele e urina ESPÉCIES e. albicans; C. arborea; C. flarere; C. guilhermondia; C. krusei; C. lypolitica; C. tropicalis; C. mycoderma; C. utilis • Candida albicans levedura patogênica para homens e animais. candidíase Infecção produzida pelo fungo Candida albicans. canibalismo Ingestão de carne da mesma espécie, por animais e humanos (antropofagia). canjica 1 Grãos pilados de milho, arroz, trigo etc. 2 Milho pilado, que se come cozido em água e sal ou com leite e açúcar. canjiquinha Milho amarelo subdividido. capilares Vasos de calibre n1icroscópico, que liga entre si as pequenas artérias e veias. caprese Espécie de mussarela de búfala, com manjericão. caquexia Estado de miséria orgânica, com perda de peso, enfraquecimento; aparece especialmente no câncer, na tuberculose, na desnutrição e em outros estados patológicos.

ao estado e às condições físicas dos alimentos e preparações; estão relacionados com: consistência, resíduos, peso, volume e temperatura. caracteres químicos dos alimentos Derivados de componentes de alimentos ou posteriormente resultantes de seu processamento. carbenicilina 1 Penicilina ou penicilina BRL 2064 semi-sintética de amplo espectro 2 Sal dissódico da carboxiltienilmetilpenicilina. Con10 a ticarlinina, tem ação bactericida sobre bactérias Gram-positivas, maior do que a da penicilina G e ampicilina. Sua atividade sobre bactérias Gram-negativas depende de sua concentração e qualidade dos germes. Demonstra sinergia com a gentamicina e a colistina, no combate ao bacilo piociânico. Tem indicação especial em infecções graves provocadas por Pseudomonas aeruginosa e Proteus indol positivos. EFEITOS COLATERAIS Apesar de sua toxicidade ser pouco freqüente, poden1 surgir alterações na função plaquetária (hemorragia) e distúrbios alérgicos. carboxilase Enzima que contém tiamina e que catalisa a decarboxilação de vários alfacetoácidos (pirúvico e alfacetoglutárico). Presente em animais superiores e microorganismos. SIN D ecarboxilase. carboxipeptidase Enzima presente no intestino e no suco pancreático que atua no desdobramento de peptídios. carcinogênico Agente capaz de produzir células cancerosas. carcinoma Tumor maligno que cresce em tecido epitelial e pode originar metástase. SIN Câncer. cardiolipina Fosfolipídio formado a partir do fosfatidilglicerol, presente nas mitocôndrias. cardiomegalia Aumento patológico da área cardíaca por dilatação ou por hipertrofia. cardiopatia Q ualquer doença cardíaca. cardiopericardite Inflamação localizada no coração e no pericárdio. cardiopulmonar Região no tórax que corresponde ao coração e aos pulmões. cardiotônico Medican1ento atuante sobre o coração, aumentando a contratilídade do músculo cardíaco. cardiotóxico Agente de ação tóxica sobre o coração. cardiovascular Referente ao coração e aos vasos sangüíneos. cardite Inflamação do coração.

39

e

A



carenc1a

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

catchup

carência Falta ou deficiência de un1 ou mais

e

elementos imprescindíveis ao equilíbrio orgânico e à normalidade das funções biológicas. Esgotadas as reservas orgânicas, os tecidos utilizam seus elementos de constituição, disso resultando o aparecimento de lesões características da desnutrição. A carência pode ser de um só nutriente, mas geralmente de vários deles (pluricarencial). carência calórica protídica Conjunto de diversos estados de carência nutricional, que abrangem do simples emagrecimento infantil até síndromes graves como o kwashiorkor e o marasmo ou síndrome pluricarencial de infância. carência de piruvatoquinase Carência eritrocítica congênita, por deficiência da enzima que catalisa a transformação do fosfoenolpiruvato em piruvato; essa carência se apresenta acompanhada de anemia hemolítica. carência de sulfatase ACarência enzimática que pode ser causa de leucodistrofia metacromática. carência férrica Redução anormal do ferro orgânico, geralmente por ingestão inferior aos 10 mg diários recomendados. OuTRAS CAUSAS Absorção deficiente, parasitose intestinal e perdas sangüíneas pronunciadas e freqüentes. carência protidica Redução anormal de proteínas no organismo, causada geralmente por ingestão deficiente. carfecilina (ou composto BRL-3475) 1 Penicilina constituída pelo éster fenólico da carbenicilina 2 Penicilinapresentada sob forma de sal sódico que, após sua ingestão, é hidrolisado nos tecidos, liberando a carbenicilina 3 Substância prescrita em infecções urinárias pelo fato de a carbenicilina ser elin1inada por via renal; essas infecções são causadas por Escherichia coli,

Pseudomonas, Proteus e Enterobacter. cárie dentária Doença resultante da deterioração do esmalte dentário, produzida pela ação de bactérias, notadamente por Streptococcus mutans; os açúcares ingeridos como alimentos e bebidas são fermentados, resultando nos ácidos láctico e pirúvico, que dissolvem o fosfato de cálcio do esmalte dos dentes, quando a concentração ácida atinge um pH de 5 ou menos. A sacarose é o açúcar de maior ação cariogênica, seguido pela glicose, frutose, maltose e lactose e, por último, a galactose. Os chamados açúcares álcoois, como manitol, sorbitol e xilitol, são menos cariogênicos e os adoçantes

40

como a sacarina inibem a cárie e alguns podem até produzir a ren1ineralização (taun1atina). cariogênico Produtor da cárie dentária. carminativo Substância en1pregada na expulsão de gases intestinais e nas cólicas. carnívoro Que se alimenta quase totalmente de carne. carnosina Dipeptídio componente do tecido n1uscular. S1N Beta-alanil-histidina. carnosinemia Anomalia congênita caracterizada por alto nível de carnosina no soro e na urina, n1esn10 no caso de ausência desse dipeptídio na alimentação; também ocorrem altas taxas de homocarnosina no líquido cerebroespinhal. carotenemia Presença de caroteno no sangue, por excessiva ingestão de cenoura, tomate e outros vegetais contendo caroteno que causa uma coloração amarelada da pele. caroteno 1 Precursor da vitamina A; o processo de transformação se realiza no flgado 2 Pigmento tetraterpênico, lipolítico, de cor vermelho-alaranjada, do qual se originam as xantofilas 3 Originase das cenouras, laranjas, e outros vegetais. cartilagem 1 Substância branca ou cinzenta, elástica, unida às superfícies articulares ósseas e que forma algumas partes do esqueleto 2 Substância constituída especialmente de colágeno com dromucóide (proteína + condroitina, ácido sulfúrico) e condroalbumina (protídio similar à elastina). cascomia Odor imaginário, putrefativo, presente como "aura" de epilepsia uncinada. catabolismo Processo de decomposição, realizado no organismo, de substâncias complexas em mais simples, geralmente com produção de energia. catabólitos Produtos oriundos do catabolismo. catarata Opacidade do cristalino, que pode produzir redução da visão ou cegueira. Acredita-se que seja resultante de alteração das proteínas do cristalino. Julga-se, também, que fatores nutricionais participem, como a grave desidratação causada por diarréia, tipo cólera, e, tan1bém, pelo alto consumo de leite (presença de digestores da lactose). catártico 1 Medican1ento destinado a promover a adequação intestinal; purgativos 2 Causador de elin1inação fecal. catchup Produto utilizado como molho e constituído de suco e polpa de tomates maduros e sen1 sementes.

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

catecolaminas cefalotina

catecolaminas An1inas simpaticomiméticas, com núcleo aromático de catecola; grupo de substâncias fisiologicamente importantes (adrenalina, noradrenalina e dopamina), que desempenham diversas atividades, agindo como neurotransn1issores de ação simpática.

catecolaminas e insulina no tecido adiposo As catecolaminas são potentes ativadores da lipólise que agen1 via bl, 62 e 63 adrenorreceptores, estimulando atividade da lipase hormônio sensível (LHS) e inibindo a lipase lipoprotéica (LLP). A regulação da LHS é feita pela formação de adenil monofosfato ciclase (AMPC), que participa do processo de fosforilação da LHS e translocação do citosol para a superfície, além de aumentar a ação da perilipina, que permite o acesso da LH S ao triglicerídio intracelulal. Ao mesmo tempo, as catecolaminas agem como fator inibitório sobre os a 2-adrenorreceptores, que possuem ação anti-lipolítica. Ao contrário das catecolaminas, a insulina tem papel lipogênico sobre o tecido adiposo. Ela pron1ove o estoque de triglicerídio por vários mecanismos, incluindo a diferenciação de pré-adipócitos a adipócitos, a estimulação no transporte de glicose e ácidos graxos e a síntese de triglicerídio. O transporte de glicose é mediado pela ativação dos receptores insulina substrato (IRSs). A captação do triglicerídio sérico é medida pelo aumento da atividade da LLP, resultando em captação de ácidos graxos livres (AGL) das lipoproteínas séricas. A insulina tan1bén1 inibe a lipólise via ativação dos a 2-adrenorreceptores, da fosfodidil linositol 3-kinase (Pl3K) e das fosfodiesterases, incluindo a 3B (PDE3), que estimula a reesterificação de AGL pós-lipólise. catecolaminérgico Medicamento que produz efeito das catecolaminas, muito usados como auxiliares em dietas para perda de peso. catepsinas Enzimas proteolíticas teciduais que ' convertem prote1nas em proteoses e peptonas. Julga-se que, depois do óbito, com a acidez dos tecidos, a catepsina promove a autólise desses. cateter Tubo oco (sonda) de variados tipos de material (borracha, plástico, vidro, metal), flexível ou rígido, para ser introduzido em canal, vaso, conduto ou cavidade, com a finalidade de esvaziar líquidos cavitários, de assegurar a permeabilidade de canais e de injetar soluções. cateterismo Introdução de tubo longo e fino (sonda) de metal, plástico, borracha vidro etc.,

em um conduto, canal, vaso ou órgão oco (p. ex.: artéria, coração, esôfago, uretra etc.), com a finalidade de explorar, esvaziar ou injetar líquido em uma cavidade. catupiry T ipo de queijo cremoso. cavogralia Radiografia da veia cava inferior ou superior. CCK-PZ Colecistoquinina-pancreozimina. ceco Grande bolsa em fundo cego que marca o início do intestino grosso. celaclor Antibiótico semi-sintético do grupo das cefalosporinas com ação ativa contra germes Gram-positivos e negativos, notadamente contra os estafilococos produtores da penicilinase. celadroxila Antibiótico sen1i-sintético do grupo das cefalosporinas cuja ação antin1icrobiana é idêntica à da cefalexina. Atua sobre germes Gram-negativos e positivos, não tendo atividades, porém, sobre pseudomonas, Serraria, Proteus, Enterococcus e Listeria (inativação por cefalosporinases). cefaléia Dor originária de estruturas do crânio. celalexina Antibiótico pertencente ao grupo das cefalosporinas, de estrutura química idêntica à da cefaloglicina. Seu espectro de ação é semelhante ao da cefalotina. Sua principal via de absorção é a oral, pela qual é utilizada. celalina Fosfolípide do cérebro, dos nervos e da gema dos ovos, que por hidrólise pode formar : álcool beta-aminoetílico ( etanolamina); serina; ácido fosfórico; n1istura de ácidos graxos saturados e insaturados. Exerce grande atividade tromboplástica. celaloridina Antibiótico semi-sintético do grupo das cefalosporinas que apresenta a mesma atividade antin1icrobiana que a cefalotina, porém com menor poder de ação sobre germes G ram-positivos e negativos. A cefaloridina atua de modo idêntico ao da penicilina G. celalosporinas Antibióticos originados de determinadas espécies de Cephalosporum ( C. acrenomium) e também obtidos por processos semi-sintéticos. Como as penicilinas, são antibióticos pertencentes ao grupo das betalactaminas. Apresentam como núcleo central o 7-aminocefalosporânico, formado por dois anéis (beta-lactamino e diidrotiazina). As cefalosporinas clinicamente utilizadas são derivadas semi-sintéticas da cefalosporina C ou obtidas, como atualmente, a partir da penicilina. celalotina 1 Antibiótico do grupo das cefalosporinas que apresenta um grupamento acecoxil

41

e

cefamandole

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

células APUD (Amine Precursos Uptake Descarboxylation)

no carbono 3 da molécula 2 Sal sódico do ácido 7-( tiofeno-2-acetamide) cefalosporânico 3 Antibiótico de amplo espectro de ação sobre gern1es Gran1-positivos e negativos e sobre

e

Treponema e Actinomyces. cefamandole Cefalosporina de segunda geração, resistente à inativação por determinadas betalactamases produzidas por bacilos Gram-negativos e que hidrolisam cefalosporinas de primeira geração. Tem ação sobre germes Grampositivos e negativos. Apresenta. ação antimicrobiana mais reduzida sobre os nucroorganismos Gram-negativos; tem, porém, grande atividade sobre enterobactérias e Haemophillus. cefamicinas Grupo de antibióticos (cefaminas A, B e C) extraídos de culturas de várias espécies de Streptomyces (p. ex.: S. lactandurans, S. clavuligenus, S. griseus). cefanona Antibiótico da família das cefalosporinas que mantém características similares às da cefalotina. cefapirina (ou antibiótico BL-P 1322) Do grupo das cefalosporinas, apresentado sob a forma de sal sódico que contém 1,13 n1Eq de sódio e 500 mg de substância. Tem atividade sobre germes Gran1-positivos, negativos, Actinomyces e Treponema. cefatrizina Antibiótico semi-sintético do grupo das cefalosporinas. Apresenta. atividade similar à do cefaclor, antibiótico de seu grupo. cefazaflur Antibiótico sen1i-sintético do grupo das cefalosporinas com atividade semelhante à da cefalotina. cefazolina Antibiótico da família das cefalosporinas que não sofre desacetilação no organismo por não possuir grupan1ento acetocil. Apresenta um grupamento mercaptotiadizálico no carbono 3. Tem as mesmas atividades antimicrobianas e características demonstradas pela cefloridina. cef metazole Antibiótico semi-sintético pertencente ao grupo das cefamicinas. Sua atividade antinücrobiana é mais elevada do que a da cefoxilina. Apresenta resistência às beta-lactamases. cefotaxima Antibiótico semi-sintético do grupo das cefalosporinas, ministrado com sal sódico. Sua atividade antimicrobiana similar à das outras cefalosporinas, é n1ais elevada contra as enterobactérias. cefotiam (ou composto SCE-963) Antibiótico sen1i-sintético do grupo das cefalosporinas

42

com amplo espectro de ação e ativo especialn1ente contra os germes Gram-negativos. cefoxitina Antibiótico derivado da defamicina Cede estrutura química semelhante à da cefalotina. Apresenta amplo espectro de atividade, principalmente por causa de sua resistência às beta-lactamases de microorganismos Grampositivos e negativos. Tem ação sobre germes Gram-positivos e negativos. cefradina (ou Sq-11436) Antibiótico do grupo das cefalosporinas. Seu espectro de ação é sin1ilar ao da cefalotina. É bastante resistente à inativação pelas beta-lactamases dos mircoorganismos Gran1-negativos.

cefsulodina (ou antibiótico semi-sintético SCE-129) Integrante do grupo das cefalosporinas. Tem atividade sobre alguns germes Gram-positivos com ação mais efetiva sobre a

Pseudomonas aeruginosa. ceftezol Antibiótico semi-sintético do grupo das cefalosporinas; é derivado químico da cefazolina, a qual apresenta qualidades antimicrobianas similares. Atua contra germes Gram-positivos e negativos, não tendo ação sobre enterococos e germes Gram-negativos fornecedores de cefalosporinases. cef uroxima Cefalosporina da segunda geração caracterizada por sua resistência às beta-lactan1ases e pelo seu amplo espectro de ação. Sua ação é semelhante à das penicilinas; atua sobre estafilococos, pneumococos, meningococos, gonococos, enterobactérias e hemófilos. celobiose Dissacarídio similar à maltose, sendo, porém, a ligação glucosídica beta-1-4. É obtido pela hidrólise parcial da celulose. É a unidade básica da celulose. célula Unidades microscópicas, estruturais e funcionais do organismo da grande maioria dos seres vivos. célula beta Célula pancreática produtora de insulina. célula globuliforme Célula de aparência globular, secretora de muco. célula T Linfócito controlado pelo timo. célula T "helper" Linfócito que favorece a resposta imune. célula T supressora Linfócito controlado pelo timo e que detém a resposta imune.

células APUD (Amine Precursor Uptake Descarboxylation) Designação de células adiposas presentes en1 inúmeros órgãos que ( trato

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

células oxínticas

chá verde (ou preto)

digescório, glândulas endócrinas etc.), por determinadas características comuns, consciruen1 o sistema APUD (pela capacidade de atrair aminas e seus precursores, por terem em seu interior aminoácido descarboxilase e por sua procedência embriológica na crista neural). Essas células secretam hormônios, aminas ou polipéptides (glucagon, ACTH, calciconina, gascrina etc. e, provavelmente, cacecolaminas). As células APUD não pertencentes às glândulas endócrinas formam o sistema endócrino difuso (SED). células oxínticas Também denominadas parietais, são células secretoras do ácido clorídrico do suco gástrico. cérebro Maior porção do encéfalo, situada en1 toda a parte ântero-superior do crânio, constituída de dois hemisférios unidos na base pelo corpo caloso. cerebrosídio Lipídio cerebral e de outros tecidos, contendo esfingosina, galactose (às vezes, glicose) e ácido graxo. cerivastatina Droga retirada do mercado devido a complicações, como a rabdomiólise, serem muito mais freqüentes que nas demais drogas do grupo, levando a alguns casos de óbito relacionados diretamente ao uso dessa droga. Este efeito é próprio da cerivascacina não sendo relacionado às demais drogas da classe das "vascacinas". ceruloplasmina Proteína plasn1ácica (alfa-globulina) com oito átomos de cobre; apresentase diminuída na degeneração hepatolencicular. cerveja Bebida de baixo teor alcoólico, obtida por fermentação de cevada prensada (malte) e aromatizada com água de flores de lúpulo. Segundo o processo utilizado, a cerveja pode apresentar variações de sabor e cor. césio Pertencente à família de metais alcalinos, cem número atômico 55 e peso atômico 132, 91. Seus compostos possuem inúmeras características, inclusive emitem elétrons quando expostos à luz, propriedade esta aproveitada na construção de células fotoelétricas. Seu radioisótopo mais importante é o césio 137, utilizado em medicina e em cercos irradiadores de alimentos. Sua meia-vida é em torno de 30 anos. cestóide 1 Enteroparasita em forma de fita 2 Pertencente à subclasse dos Platelmintos, que reúne 25 tênias. cestoidíase Teníase.

ceto (CO) Radical que demonstra, quinlicamente, a presença de grupo cetônico. cetoacidose Acidose com aumento da taxa de corpos cetônicos no sangue. cetodiérese Capacidade renal de fixação e de destruição de corpos cetônicos. cetogênese Produção de acetona ou corpos cetônicos. A redução de atividade do ciclo de Krebs e elevação de acetil-CoA levam à produção de corpos cetônicos. São corpos cetônicos: ácido acetoacécico; ácido hidroxibutírico; acetona. Fisiologicamente, são usados para produzir energia. cetogênico Que produz corpos cetônicos. cetona Composto orgânico derivado por oxidação de álcool secundário e que contém o grupo CO. cetonemia Corpos cetônicos em concentração elevada no sangue circulante. cetonúria Eliminação excessiva de corpos cetô. . n1cos na unna. cetose Aumento excessivo de corpos cetônicos no organismo. cevada Grão de planta cereaüfera, da fan1ília das gramíneas, empregada como cereal. cevadinha Cevada limpa e picada, utilizada principaln1ente em sopas. chá Infusão concentrada ou não, elaborada com folhas ou frutos de várias espécies de plantas. Segundo suas características e procedência, o chá pode ser de vários tipos: verde ou preto, mate e natural. chá mate Produto derivado de folhas dessecadas, ligeiramente tostadas e esfareladas de Ilex Paraguayenses, Saint Hilaire, misturadas ou não com pequenos ramos, pecíolos e pedúnculos florais. champagne Vinho branco, cinco ou rosado, tornado espumante por uma segunda fermentação na garrafa ou recipiente especial, pela adição de sacarose e levedura selecionada. chá natural Produto natural à base de folhas e frutos aromáticos, de grande consumo caseiro. charlatanismo nutricional Modas, engodos e n1itos nutricionais pelos quais o indivíduo é induzido à prática de consun10 de determinados alimentos, com o objetivo de obter supostos benefícios, sob orientação cientificamente infundada. chá verde (ou preto) Produto constituído de gemas sadias e limpas do gênero, de coloração verde ou preta, segundo sua preparação e origem, e que apresenta diversos e agradáveis sabores. Vulgarmente conhecido entre nós como

43

e

chocolate

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

ciclo de Meyerhof

e

chá da Índia, é produzido com características próprias em vários países: chá da Índia, chá do Ceilão, chá de Java, chá da China, chá do Brasil, chá da Argentina etc. Esse chá apresenta-se em folhas, em pó ou moído, concentrado, em saquinhos, solúvel, instantâneo, descafeinado ou adicionado de vários aromas. chocolate Alimento que contém cacau, açúcar e substância aromática. Integrante de vários produtos industrializados: bombons, biscoitos, bolos, sorvetes, tortas etc. chocolate em pó Produto obtido com a eliminação de água do ch ocolate, preparado com leite integral. chope T ipo de cerveja clara e escura, comercializada bem gelada em garrafa e em barris providos de bomba especial. chop suey Mistura de alimentos finamente picados. choque Quadro clínico que se apresenta quando o aporte sangüíneo não é suficiente para um adequado enchimento das artérias nem para o suprimento de órgãos e tecidos. choque analilático Reação imunológica aguda que ocorre quando um indivíduo recebe um antígeno para o qual está previan1ente sensibilizado. choque cardiogênico Ocasionado por repentina insuficiência cardíaca, que não mantém débito sangüíneo suficiente e no decorrer do qual a pressão venosa central se apresenta norn1al ou alta. Ocorre durante infarto, insuficiência cardíaca terminal, embolia pulmonar maciça, crises intensas e taquicardia etc. choque hipovolêmico Provocado por diminuição do volume de sangue, que pode ocorrer por queimaduras graves, perda sangüínea, perfurações intestinais, esmagamento etc. choque insulínico Conseqüente à hipoglicemia e ao coma, provocado por dose excessiva de insulina. choque neurogênico Verificado por vasodilatação que ocasiona hipotensão e grave diminuição do débito cardíaco e retorno venoso. Esse estado é originado por lesão do sistema nervoso central, raquianestesia ou reflexo. choque vasogênico Insuficiência da circulação periférica, causada por dilatação arterial e capilar. cianocobalamina Vide VITAMINA B12. cianose Coloração roxo-azulada dos tegumentos, por elevação de hemoglobina reduzida no

44

sangue capilar, ou com menor freqüência devida à presença de meta-hen1oglobina. ciática Dor no trajeto do nervo ciático por inflamação ou lesão na direção do nervo ou de suas raízes, ou proveniente de hérnia de disco da coluna lombar inferior ou sacra superior. Podem ocorrer sintomas de dormência, formigamento e sensibilidade no trajeto do nervo, assin1 con10 atrofia muscular na região do nervo atingido. cibernética Ciência relativa ao controle da máquina e do animal. Estudo das funções de controle e comunicação. cibolobia Aversão n1órbida a alimentos. cicatriz Tecido conjuntivo fibroso de neoforn1ação forn1ado para fechar feridas cutâneas e recomposição de tecidos lesados. ciclacilina (ou WY-4508) Como a epicilina, é un1a aminopenicilina sen1elhante à an1picilina que oferece pouca ou nenhuma vantagem em relação ao con1posto original. Possui atividade microbiana similar à da amoxicilina; sua ação com os germes Gram-negativos, porén1 é menor. É utilizada entre nós somente por via oral, proporcionando níveis sangüíneos mais elevados do que os determinados pela ampicilina. ciclamato Adoçante não nutritivo, 30 vezes n1ais doce do que o açúcar, tambén1 utilizado como sal de cálcio. ciclitóis Condição em que o indivíduo não gosta de comida. ciclo Sucessão de ocorrências ou sintomas que surgem em períodos regulares. Período de tempo em que os fenômenos se repetem. ciclo da uréia Seqüência dos fenômenos que levam à formação de uréia a partir da amônia derivada dos resíduos nitrogenados, especialmente dos aminoácidos. Os componentes do ciclo incluem a ornitina, a citrulina e a arginina SIN ciclo da uréia de Krebs. ciclo de Cori Série de reações enzimáticas, ocorridas durante a conversão do ácido láctico (provenienete do glicogênio, na atividade n1uscular), em glicose, no fígado e, posteriormente, na passagen1 a glicogênio, no tecido muscular. As rotas metabólicas emrpegadas são a glicólise e a gluconeogênese. ciclo de Krebs Ciclo do ácido cítrico ou do ácido tricarboxílico. ciclo de Meyerhol Série de reações enzimáticas, processadas em tecidos animais, vegetais e

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

ciclo do ácido cítrico (ciclo de Krebs) cirrose atrófica

microbianos, em que a glicose ou o glicogênio ou o amido se transformam em ácido pirúvico. ciclo do ácido cítrico (ciclo de Krebs) Ciclo que constitui via comum para a transformação de nutrientes em energia. Por meio da série cíclica de reações catalisadas por ação enzimática, o acetato resultante do metabolismo lipídico, protídico e glicídico, é oxidado para dióxido de carbono e água, com formação de energia. Esse acetato, introduzindo-se no ciclo, por meio de acetil-coenzima A, durante sua oxidação, produz progressivamente ácido cítrico e outros ácidos tricarboxílicos. ciclo hexil sullamato de sódio Vide c1c1AMAT0. ciclo menstrual Conjunto de n1odificações que ocorre na n1ulher, caracterizado pela elin1inação de un1a célula germinativa; esse fenômeno é presidido por ações hormonais hipofisárias e ovananas. ciclo vital Seqüência de períodos biologicamente significativos no tempo de vida do indivíduo. ciclooxigenase 1 Enzima que catalisa a conversão de ácidos graxos poliinsaturados de 20 carbonos a prostanóides (prostaglandina) 2 Primeira enzima de um complexo ubíquo de enzimas microssomais para a síntese de prostaglandinas S1N Sintase do endoperoxido da prostaglandina. Existem as formas 1 e 2. ciclosepatologia Alteração da circulação sangüínea, em qualquer sentido. Pode prejudicar a nutrição celular. ciclotimia Tipo de psicose maníaco-depressiva discreta. Constituição psicomenta que oscila entre manifestações de atividade e inação, ale. . gna e tristeza. cidra 1 Fruta cítrica de casca muito espessa e polpa sólida, doce e livre de ácido, quase sem suco, usada para a preparação de casca em calda; é muito sensível ao frio e só pode ser cultivada em regiões quentes 2 Bebida alcoólica feita pela fermentação da maçã; contén1 5-6% de álcool e 0,7-2% de açúcar. cientista de alimentação Aquele que estuda as bases quín1icas e físicas, as propriedades biofísicas e bioquímicas dos alimentos e seus const1tu1ntes. ciese Gravidez; prenhez. cilose Curvatura angular anorn1al da coluna vertebral (geralmente situada na região dorsal) e que pode resultar de processos mórbidos (osteoartrite ou artrite reumatóide, tuberculose) ou de hábitos inadequados de postura.

ciguatera Nome genérico de distúrbios nervosos surgidos após a ingestão de peixes comestíveis da região de coral do mar do Caribe e no oceano Índico e Pacifico. Os peixes que provocam intoxicação ciguatera são barracuda (Sphiraena barracuda), peixe-gatilho ( trigger fish), loba marinha (sea bass), peixe-papagaio (Scarus microrrhinus) e robalo. cilindrúria Eliminação, pela urina, de cilindros de origem renal. cimento Camada de tecido ósseo que reveste a raiz do dente. A má higiene bucal altera tal camada. cimento lenólico Adesivo constituído de compostos fenólicos. cinolagia 1 Prática de con1er carne canina (kino = cão;fagos = comer) 2 Hábito comum em alguns países como a Coréia do Sul. cintilogralia Visualização de determinados órgãos (cérebro, fígado, tireóide) para auxiliar en1 diagnósticos de tumores, com utilização de substância radioativa. cinza Resíduo restante da queima de matéria orgânica. Serve como média de sais orgânicos , . presentes nesta matena. ciotrolia Nutrição fetal. circulação Movimento de curso regular, ato de circular. circulação êntero-hepática Por essa circulação, há uma verdadeira reciclagem de substâncias entre o intestino e o fígado, como a formação dos sais biliares, procedentes do fígado e originados do colesterol, chegan1 por n1eio da bile ao duodeno, no qual promovem a emulsificação das gorduras e formam as micelas gordurosas. Esse ciclo é repetido de seis a dez vezes por dia. circulação letal Con1preende a circulação não só do feto, como também a circulação por meio da placenta e do cordão umbilical. circulação pulmonar Circulação nas artérias e veias pulmonares, com a função de oxigenar e purificar o sangue. cirrose Fibrose difusa que destrói a arquitetura lobular normal do fígado, con1 destruição e regeneração das células hepáticas parenquimatosas, a arquitetura vascular é regenerada, promovendo o endurecimento e coloração amarelada. cirrose alcoólica Cirrose portal, provocada por alcoolismo. cirrose atrólica Cirrose porca!.

45

e

cirrose biliar

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

citrato de sódio

cirrose biliar Provocada por obstrução extra-

e

hepática dos condutos biliares, ou por processo inflamatório crônico intra-hepático, associado à obstrução dos canais biliares. cirrose cardiaca Produzida por fibrose progressiva de estruturas hepáticas centrolobulares ou de espaços portais, resultante de insuficiência cardíaca congestiva. cirrose colestática Resultante da obstrução biliar extra-hepática. cirrose gordurosa Cirrose de origem portal, caracterizada pela alteração graxa de células hepáticas. cirrose portal Tipo de cirrose en1 que a estrutura hepática é substituída por glóbulos anormais de células hepáticas (geraln1ente hiperplásticas ), intercalados por tecido fibroso; essa formação confere o aspecto macrosópico de superfície levemente nodular. Geralmente associada à desnutrição e ao alcoolismo. cirrose pós-necrótica Geralmente produzida por substâncias tóxicas ou hepatites. cirrose sililitica Processo fibrótico, por destruição do parênquima hepático, de origem sifilítica. cirrose xantomatosa Tipo de cirrose biliar intra-hepática, agravada por elevada presença de glicídios sangüíneos e deposição xantomatosa en1 órgãos e tecidos. cistalgia Dor localizada na bexiga. cistationina-sintetase Enzima que catalisa a conversão de n1etionina em cisteína. cisteina 1 Ácido 2-amino-3-mercatopropiônico 2 Aminoácido não essencial, que atua no organismo como desintoxicante de determinadas substâncias (bromo benzeno etc.), com as quais se elimina, após se ter com elas combinado. cisticerco Forma larvar de tênias (saginata, solium). Quando no homen1, pode promoverdesnutrição por utilizar os nutrientes ingeridos. cisticercose Infestação humana por tênias, no estado larvar; as larvas se instalam nos músculos estriados, no cérebro e em outros tecidos. cistina Aminoácido não essencial, componente de várias proteínas; contém enxofre. Quando reduzida, converte-se em cisteína. A cistina-cisteína participa da constinlição das queratinas. Age como economizadora de metionina. Com a cisteína, a cistina é precursora do glutatião. cistinúria Erro inato do metabolisn10 do aminoácido cistina, que acarreta em seu acúmulo no sangue, nos rins e no sisten1a linfático. O

46

excesso de excreção de cistina pela urina favorece a formação de cálculos renais. Cistite Inflamação da bexiga. eisto 1 Bexiga, saco ou vesícula 2 Vesícula fechada que se desenvolve em uma cavidade natural do corpo em uma estrutura anormal e contém n1atéria mórbida, fluida ou semifluida; cisco. cistograma Escudo radiológico da bexiga com a injeção de contraste, radiografia de bexiga. cistolitíase Formação de cálculo na bexiga. cissa Desejo não natural por alimentos. cistina Um dos três aminoácidos que contém enxofre (cisteína, metionina e cistina). Consiste em duas moléculas de cisteína ligadas por n1eio de uma ligação S - S. citalopram Potente inibidor da recaptação da serotonina indicado para o tratamento e prevenção de recaída ou recorrência de depressão, transtornos do pânico com ou sem agorafobia e no transtorno obsessivo-compulsivo. citocromo Enzima respiratória, distribuído nos tecidos animais e vegetais composta de vários hemocromogênios; funciona como agente de transformação de elétrons nas oxidações e reduções. citocromo C oxidase Enzin1a cuproprotéica responsável pela maioria do oxigênio consumido pelos seres vivos. citoplasma Protoplasn1a da célula, com exclusão do plasma nuclear. citosina Base pirimídica (C 4 H 5N 30) con1ponente dos ácidos nucléicos e desoxirribonucléicos. SIN oxiaminopirimidina citozima Substância ativadora da trombina. citral Importante constituinte de muitos óleos essenciais, especialmente o limão. Usado como matéria prima para a síntese de ionona, um estágio da síntese do retino!. citrato Sal ou éster do ácido cítrico. citrato de potássio Utilizado na terapêutica de deficiências potássicas e também empregado como diurético, expectorante e alcalinizado . . s1sten11co. citrato de sódio 1 Utilizado na acidose, para recompor a reserva de bicarbonato de sódio, visando combater o excesso de acidez urinária. Empregado ainda como: expectorante suave, anticoagulante para o sangue colhido para laboratório e diurético 2 Sal do ácido cítrico utilizado: para assegurar a reserva de bicarbonato na acidose; para prevenir a acidez urinária;

.

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

citrato férrico de amônio cloro

como expectorante; como agente diurético 3 Utilizado como aditivo estabilizante em doce de leite e leite desidratado. citrato férrico de amônio Forma em que, em certos casos, o ferro é acrescentado a alimentos. citrato-sintase Enzima de células vegetais, animais e microbianas, catalisadora da condensação da acetil-coenzima A com oxaloacetato, para produzir citrato. citreoviridina Micotoxina do Penicilium citreo-

viride.

citrina Mistura de 2 glicosídios das flavonas (hisperidina e eriotctiol), associado a vitamina C; extraída do suco de limão; combate o escorbuto, impedindo o aumento da permeabilidade capilar. citrinina Toxina elaborada pelo Penicillium citrinum, pelo Aspergillus candidus, pelo A. clavatus, pelo A. viridicatum e pelo A. palitans. Em regiões temperadas, o principal produtor de citrinina em cereais é o Penicillium viridicatum. Ativo contra bactérias Gram-negativas e Gram-positivas, incluindo micobactérias. citrogenase Enzima citrato-sintase. citronina Glicosídio flavonona da casca do limão Ponderosa imaturo. citroxantina Pigmento amarelo carotenóide da casca da laranja, tem atividade de vitamina A. citrulina Aminoácido não essencial (2-amino-5 -ureidovalerico), que, juntamente com a ornitina, tem ação intern1edíária na produção da uréia. Não é de importância nutricional. citrulinemia Excesso de citrulina no sangue. Erro inato do n1etabolismo ácido em que há falta de sintetização do ácido arginínico suecínico no fígado, teor intenso de citrulina no sangue, no líquido cerebroespinhal e na urina. Há, ainda, outras manifestações clínicas, tais como irritabilidade, vômitos, distúrbios hepáticos, retardamento mental, atrofia cortical, ataques e transtornos do desenvolvin1ento. climatério Terminação do ciclo reprodutor da mulher; período de vida caracterizado por alterações endócrinas, somáticas e psíquicas, culminando na menopausa. clindamicina Antibiótico congênere da lincomicina derivado do aminoácido trans-L-4-npropiligrínico, ligado a um derivado contendo enxofre de uma ectose. Se liga exclusivamente à subunidade 50 S dos ribossomos bacterianos . , ,. e suprime a s1ntese proteica.

cloasma Manchas pigmentares da pele, an1arelada ou pardacenta, mais ou menos pigmentadas, com contornos irregulares, de forma e tamanho variáveis, localizadas geralmente na face. É resultante de certos acometimentos mórbidos: anemia grave; afecções uterinas. Aparece como sinal predominante na gestação (máscara gravídica), podendo persistir indefinidamente. clolibrato Derivado do ácido fíbrico que, assim como os outros fibratos, altera os níveis relativos de diferentes lipoproteínas ao diminuir a produção de VLDL, aumentar a atividade da lipoproteína lípase e intensificar a depuração das LDL pelo fígado. Esse medicamento predispõe à cálculos biliares, ficando seu uso restrito a pacientes previamente submetidos à colecistectomia. cloranlenicol Antibiótico obtido e derivado do propanodiol. Inibe a síntese protéica em bactérias e em menor grau, en1 células eucarióticas, atuando fundamentalmente por ligação reversível com a subunidade ribossômica 50 S. penetra rapidamente nas células bacterianas provavelmente por difusão facilitada. É basicamente bacteriostático, en1bora possa ser bactericida. Tem ação marcada sobre estreptococos, estafilococos, pneumococos, gonococos, clostrídios, alguns bacilos Gram-negativos, bedsônias e riquétsias. Cloreto Qualquer sal derivado do ácido clorídrico. cloro Elemento não metálico, de símbolo CI, numero atômico 17, massa atômica 35.46. Dos íons de carga negativa, é o 9ue em maior teor é encontrado no organismo. E o íon de maior freqüência associado ao sódio no líquido extracelular; nas células, acha-se combinado ao potássio. Esse n1ineral é participante, ainda, do suco gástrico, do plasma e de líquidos intracelulares. ExCREÇÃO Realizada pela urina, pelo suor e pelo cubo digestivo; na maioria das vezes, juntan1ente com o sódio. Pode, também, ser eliminado pela urina, associado à amônia, e pelo vônuto, sob a forma de ácido clorídrico. PRINCIPAIS FUNÇÕES Age na regulação da pressão osmótica e do equilíbrio acidobásico; participa na digestão gástrica, como integrante do ácido clorídrico. PRINCIPAIS FONTES As mais importantes fontes de cloro são representadas por alimentos contendo combinações de sódio ( sal de cozinha - NaCl) e de potássio. REQUERIMENTOS

47

e

clorofila

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

cobre

e

A ingestão de cloro se dá através do ânion cloreto presente no sal de cozinha (NaCl) que tem os valores de ingestão adequada de 2,3 g/ dia de cloreto para adultos jovens que equivale a 3,8 g/ dia de NaCl; 2,0 g/dia (3,2 g/dia de NaCl) para adultos velhos; e 1,8 g/dia (2,9 g/dia de NaCl) para idosos DEFICIÊNCIA Pode surgir em crianças por ingestão de fórmulas alimentares isentas de sal. Também pode ocorrer en1 conseqüência de vômitos, enfermidades renais e utilização de diuréticos. clorofila Substância corante verde das plantas, essencial para realização da fotossíntese. clorofilida Cor verde encontrada na água após o cozimento de certos vegetais. clorose Anenlia hipocrôn1ica microcítica com acentuada redução de hemoglobina no sangue, perversão do apetite, dispepsia, dismenorreia e perturbações nervosas. Tipo de anemia crônica que ocorre, principalmente, em mulheres, púberes ou pré-puberes. clorpropamida Hipoglicemiante oral que tem sua principal ação sobre as células B das Ilhotas de Langerhans, estimulando a secreção de insulina, reduzindo assim, a concentração plasmática de glicose. Estimula o apetite, causando, com freqüência, aumento de peso. É possível ocorrer hipoglicemia grave. clostridio Gênero de bactéria da família Bacillaceae; formador de esporos. "cloudberry" (Rumus chamaemorus) Fruta de baga dourada que cresce no norte, usada de modo semelhante às uvas-precas. cloxacilina Penicilina resitente às penicilinases, do grupo das hisoxazolilpenicilinas que contêm dois átomos de cloro na n1olécula da oxacilina. Tem atividade antimicrobiana menos potente contra microrganismos sensíveis a penicilina G, mas é eficaz contra Staph. aureus produtor de penicilinase. clupeatoxismo Intoxicação por peixes da família Clupeídios, entre os quais se assinalam anchovita, esturjão e determinadas variedades de arenques. SINTOMATOLOGIA Secura labial, fraqueza e transtornos gastrintestinais. CMC Carboximetilcelulose. coagulação do sangue Condensação do sangue. Realizada pelo seguinte mecanismo: conversão da protrombina em trombina, por meio da tromboplastina; a trombina reage com o fibrinogênio, produzindo o coágulo de fibrina. A tromboplastina é derivada das plaquetas

48

sangüíneas e do tecido danificado. Algumas doenças e desnutrições podem prejudicar tal processo. coagulase Enzima que se julga existir no leite e que favorece a capacidade de coagulá-lo em solução de fibrinogênio. coaguleno Extrato de lipídios leucocitários, empregado como profilático e como agente terapêutico no tratan1ento de hemorragias. coalhada Leite coalhado pela ação de fermentos lácticos. A coalhada apresenta digestibilidade n1ais rápida que a do leite, em virtude de suas proteínas se acharem parcialmente desdobradas em proteoses e peptonas que são substâncias de fácil digestibilidade. coalhar Coagular. coalho ou quimosina 1 Coalhadura 2 Flor de cerco cardo 3 Substância com que se coagula o leite na fabricação do queijo. cobalamina Complexo do grupo de vitamina B12que contém cobalto. cobalto Símbolo Co, presente em maiores concentrações nos ossos, no fígado e nos rins. O valor funcional orgânico do cobalto está avaliado mais claramente em relação ao papel que exerce a vitan1ina B12, da qual participa; em separado. A absorção do cobalto, con10 elemento, ocorre prontamente no intestino, onde, com o ferro, participa do n1ecanismo de transporte. A eliminação do cobalto alimentar é feita, p rincipaln1ente, por meio da urina. Intervém indiretan1ente na formação hemática. A carência provoca emaciação e enfraquecimento até a morte. As principais fontes de cobalto são: espinafre, alface, tomate, cebola, feijão, pêra, figo, repolho, batata inglesa, batata doce, cenoura, ervilha verde, frutas, legun1es, vegetais folhosos. Aplicado no tratamento de câncer (isótopo radioativo Co60). cobre Elemento metálico, castanho-avermelhado, de símbolo Cu, número atômico 29, massa atômica 63,54. Tem sua maior difusão orgânica no fígado e no cérebro; é encontrado, ainda, em níveis elevados nos rins, no coração e nos cabelos. Em quantidades médias, no pâncreas, no baço, nos ossos e nos músculos; en1 teor baixo, o cobre está presente na cireóide, no cimo e na próstata. No feto e na criança, após o nascimento, a quantidade de cobre é alta. Os lactentes e os indivíduos jovens, por unidade de peso corporal, apresentam maior índice de cobre do que os adultos; esse nível vai diminuindo

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

coca coenzimaQ

com o decorrer do crescimento. O cérebro, excepcionalmente, é o único órgão em que o teor de cobre se eleva durante toda a infância. É absorvido no estôn1ago e na porção superior do intestino. Molibdênio, zinco e cádmio são antagonistas do cobre e o aumento deles exige maior teor de cobre; a vitan1ina C também reduz a absorção de cobre. É excretado pela bile e uma pequena parte pela urina. Exerce papel relevante na produção férrica, na síntese da hemoglobina. Componente de eritrócitos e de células hepáticas. Elemento de proteínas transportadoras de oxigênio. Coopera na conservação da mielina. Participa da formação de catalase, monoan1ina oxidase, oxidase do ácido ascórbico, citocromo oxidase, peroxidase, uricase, lactase e tirosinase (polifenol oxidase). Em sua união com a alfa-globulina, produz a ceruloplasmina; esta é indispensável na oxidação do ferro plasmático, para a obtenção do ferro que se une à cransferrina. Catalisa a dismutação de radicais ânions livres de superóxidos. Nos eritrócitos, integra a eritrocupreína. Mantendo envolvimento nas etapas iniciais da formação de melanina, tem ação direta sobre a pign1entação da pele. Transferidor de elétrons. Desempenha função na formação dos ossos. Essencial para a integridade de tecidos vasculares. PRINCIPAIS FONTES Ostras, fígado, legumes secos, cereais, abacate, ameixa dessecada, banana, ovo, espinafre, batata, fígado, leguminosas, passas, vegetais folhosos (segundo o solo). REQUERIMENTOS A recomendação dietética adequada de cobre para adultos é 900 p.g/ dia, sendo que a ingestão máxima tolerável é de 10 n1g/ dia tanto para homens quanto para mulheres. DEFICIÊNCIA D ificilmente ocorrem casos de deficiência de cobre no homem. A dieta humana norn1al consegue manter o equilíbrio cúprico. Só em casos de baixa taxa de cobre, surgida secundarian1ente ao excesso de perda de proteína de cobre do plasma (ceruloplasmina), con10 no caso de enteropatias, que eliminam proteínas (k:washiorkor e espru), ou expoliação na urina de proteínas plasmáticas en1 doenças renais (síndrome nefrótica), juntamente com a falta de ferro, nos casos de anenüa. A doença de Wilson, provocada por deficiência de cobre, está ligada a distúrbios do metabolismo desse mineral. Nessa doença, a maior parte do cobre está ligada frouxamente à albumina do soro e é levada facilmente para

o cérebro e para o fígado, onde se acumula em quantidades elevadas, além de ser excretada em excesso pela urina. coca Arbusto frondoso, cujas folhas encerran1 vários alcalóides, sendo o principal a cocaína. cocaína Alcalóide cristalino amargo obtido das folhas da coca e muito empregado como anestésico local e como narcotizante. cocarboxilase Coenzima que ajuda a enzima carboxilase a remover o dióxido de carbono. É o diofosfato da vitamina B1 conhecida também como tiamina pirofosfato ou difosfotiamina. Catalisa a oxidação de certos alfacetoácidos (ácido pirúvico e alfa-cetoglutárico). COCO 1 Coqueiro 2 O fruto do coqueiro. coco ralado Pó da polpa dessecada e triturada do coco. codeína Alcalóide do ópio. Codex Alimentarius Coleção de normas alimentares para aceitação internacional, discutidas e apresentadas pela comissão do Codex Alimentarius, um programa FAO/OMS que se reúne em Roma. código genético Código molecular da hereditariedade. Concepção do conjunto das informações que possibilitam a tradução de conhecimentos veiculados por moléculas de DNA (genes) e de RNA mensageiro em seqüências específicas de an1inoácidos de proteínas determinadas. O código é tríplice e se degenera; cada aminoácido das proteínas é codificado por n1ais de un1a tríade. O código é universal para todas as espécies. codoforase Enzima ligada às mitocôndrias, catalisadora de oxidações, fosforilação oxidativa e várias reações de síntese. coeficiente da digestibilidade protidica Porcentagem de nitrogênio absorvido relativamente ao ingerido. coentro Planta umbelífera, aromática utilizada como tempero. coenzima Composto orgânico não-protéico indispensável para a reação enzin1ática; é o grupo prostético da enzima. Não toma parte na ativação do substrato. coenzima A Nucleotídio complexo, contendo ácido pantotênico, ácido adenílico, ácido fosfórico e 2-mercaptoeltilamina; participa do ciclo de Krebs, da síntese e da oxidação dos ácidos graxos e da síntese do colesterol. coenzima Q Participa da transferência de elétrons na cadeia do citocromo.

49

e

coenzima R

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

cólon irritável

coenzima R Vide cotINA. cogumelo Nome comum a vários fungos car-

e

nudos, de crescimento rápido, alguns comestíveis, outros venenosos, pertencente a fan1ília das Agaricáceas. colagenase Enzima proteolítica que catalisa a hidrólise do colágeno. Constitui exotoxina do Clostridium perfringens (Welchi), que pode favorecer a propagação da gangrena por sua ação agressora do colágeno sobre músculos e tecidos subcutâneos. colágeno Substância albuminóide das fibras brancas do tecido conjuntivo, das cartilagens e dos ossos. Composto essencialn1ente de ácidos, mucopolissacarides, acido hialurônico, sulfato de condroitina A, B e C, ceratossulfato de condroitina e proteínas. colagogo Substância estimulante da contração da vesícula biliar; favorece a evacuação da bile contida nas vias extra-hepáticas e na vesícula. Favorece o fluxo biliar. colchicina 1 Alcalóide isolado do açafrão ou Autumn crocus 2 Ren1édio antigo para gota. Inibe a divisão celular. colecistoptose D eslocamento da vesícula biliar. colecistoquinina-pancreozimina Hormônio secretado pelo duodeno, estimulante do funcionamento exócrino do pâncreas (produção de enzimas), da motricidade da vesícula e a evacuação de sais biliares para a vesícula. colectasia Dilatação do cólon. colectomia Ressecção total ou parcial do cólon. colédoco Canal que conduz a bile para o duodeno. colelitíase Formação de cálculos biliares. colêmese Vômito de bile. colerético Composto que favorece a produção de bile. colesterol Substância existente nas células do corpo e nas animais responsável pela aterosclerose. colibacilose Quadro infeccioso caracterizado por diarréia parecida com a das crises disentéricas e provocado pela ação da Escherichia coli. Os colibacilos penetram, por via oral, no organismo adulto ou infantil, alcançando o íleo terminal e o intestino grosso; do processo inflamatório da n1ucosa, resulta grave disenteria. cólica Dor abdominal aguda no homem e animais, causada por espasmos, obstrução ou torção de tubos ocos, como o cólon.

50

colina Tida como vitamina, apesar de ser controvertida como tal; procede mais como elemento estrutural orgânico do que como agente catalisador. Pode ser sintetizada no organismo, a partir da metionina, auxiliada pela vitamina B12 (cianocobalamina). P ron1ove a mobilização de lipídios e foslolipídios. Integrante importante de fosfolipídios. Indispensável para a constituição de lecitina e de esfingon1ielina. Precursora da acetilcolina. Como parte da acetilcolina, atua na pressão sangüínea e no sistema de transmissão de impulsos nervosos. Tem ação sobre processos biológicos relacionados aos seus grupos metílicos. Interfere na lactação. Sua deficiência, ou de outro fator lipotrófico na alin1encação, pode produzir depósitos de gordura hepática e outros distúrbios funcionais. PRINCIPAIS FONTES Gema de ovo, embrião de trigo, 6gado de boi, lêvedo de cerveja, espinafre, feijão, aveia em flocos, carne de carneiro, aspargo, leite dessecado, amendoim, cenoura, batata-doce. D EFICIÊNCIA Não tem sido reconhecida no hon1em a deficiência de colina. colinesterase Enzima catalisadora da hidrólise da acecilcolina no sangue e nos tecidos, tornando-a inativa. Produzido pelas células, particularn1ente no choque anafilático (propriedade chamada antiacetilcolinolicica). colite inflamação do cólon. colite amebiana Processo ulceroso do cólon, por ação da Entamoeba histolytica. colite espástica Cólon irritável. colite granulomatosa Inflamação do cólon, caracterizada por granulomas e que se diferencia da colice ulcerosa pela localização mais dispersa das lesões. colite serosa Inflamação da serosa do cólon. colite ulcerosa Inflamação idiopática da mucosa e da submucosa do cólon, que se n1anifesta por dor abdominal, diarréia e hemorragia retal. colo Cólon. cólon Porção do intestino grosso, entre e ceco e o reco. cólon ascendente Parte do cólon, a partir do ceco até o ângulo hepático. cólon descendente Parte do cólon limitada entre o ângulo esplênico e o cólon sigmóide. cólon irritável Síndrome que engloba diversos distúrbios funcionais do cólon, associada a tensões emocionais, que é parte dos fatores gerais que levam o indivíduo a estresse inespecífico.

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

cólon sigmóide congelados

cólon sigmóide Parte do cólon entre o cólon

comer Mastigar e engolir um alimento sólido

descendente e o reto. cólon transverso Parte do cólon entre o ângulo hepático e o ângulo esplênico. colorifico Produto corante de alimentos, composto de fubá de milho, semente de urucum, de sal refinado e óleo de soja. colorréia Abundante secreção biliar. colostomia Abertura de ânus artificial na parede abdominal ou na virilha. A situação da lesão estabelece o local da abertura do cólon. Permite a excreção de alimentos digeridos. colostro O primeiro líquido segregado pelas glândulas lactíferas logo e depois do parto. Alimento do recém-nascido. O colostro se diferencia do leite materno definitivo por ser mais rico em proteínas e minerais, mais pobre em gordura, mais alcalino e de ligeira ação laxativa. coluna vertebral Conjunto de ossos, sustentador flexível do corpo, constituído por vértebras separadas por discos e, entre si, por ligamentos. Apresenta cerca de 75 cm de comprimento no adulto e divide-se em quatro regiões: cervical (sete vértebras), dorsal (doze vértebras), lombar (cinco vértebras) e sacrococcígea ( nove vértebras). Destas últimas, as cinco superiores se soldam, forn1ando o sacro, e as quatro inferiores, também soldando-se, constituem o cóccix. colúria 1 Presença de bile na urina 2 Coloração da urina por pigmento biliar. coma Perda total ou parcial da consciência, sensibilidade e motilidade, com conservação das funções respiratória e circulatória. coma diabético Síndrome que pode ocorrer no diabetes melito, manifestada por distúrbios di' . ' gest1vos, emagrec1n1ento e torpor com postenor coma profundo, com respiração de Kussmaul. coma hepático Associação de manifestações neuropsíquicas, verificadas no decorrer de icterícias graves e de processos cirróticos. coma hipoglicêmico Resultante da redução, abaixo da taxa normal, de glicose sangüínea; presença de contraturas generalizadas. combustão 1 Ato de queimar 2 Estado de um corpo que arde produzindo calor e luz. combustível Que tem a propriedade de se consumir pela combustão. comensal 1 Cada um daqueles que comen1 juntos 2 Organismo que vive em estado de comensalismo.

ou pastoso para se nutrir. comida 1 Alimento, refeição 2 Aquilo que se come. comível 1 Que se pode comer 2 Comestível. compartimento 1 Cada uma das divisões de uma casa, de uma gaveta etc. 2 Quarto; cômodo; divisão 3 Escaninho. compartimento extracelular Espaço extracelular, lacunar e circulante, que corresponde ao meio interno. Esse compartimento é de grande heterogeneidade e complexidade, onde a água se encontra dividida em plasmática e intersticial. compartimento intersticial Limitado pelas paredes dos capilares sangüíneos e as membranas celulares, nas quais se encontra o líquido intersticial. compartimento intracelular Limitado por membranas celulares. compartimento intravascular Onde circula a água do plasma, encerrada entre as paredes dos vasos sangüíneos. complexo BGrupo de vitaminas hidrossolúveis: tiamina (vitamina Bl); riboflavina (vitamina B2); niacina (ácido nicotínico); ácido pantotênico (vitamina B5), piridoxina (vitamina B6); inositol; ácido paraminobenzóico (PABA); biotina; ácido adenílico; ácido fólico; cianocobalamina (vitamina B12). compota Produto industrializado com frutas inteiras ou em pedaços, envasadas com calda rala. compressa Chumaço de gaze, algodão ou outro material aplicado e mantido na pele sob pressão, que pode conter medicamento, estar úmida, seca, quente ou fria. conalbumina Uma das proteínas da clara do ovo. concentração hidrogeniônica Medida de acides ou alcalinidade de uma solução, pela concentração de íons hidrogênio presentes. condensação 1 Ato de tornar mais denso 2 Reação quín1ica em que a água elinúnada de dois compostos forma um novo composto; os ésceres peptídicos e amídios são exemplos de condensação. condimento Temperos adicionais para dar sabor aos alin1entos, con10 sal curry, mostarda, pimenta. condroitina Polissacarídio contendo galactosamina e ácido glucurônico. Existente na substância fundamental do tecido conjuntivo quando sob forma de sulfatos distintos em A, B e C. congelados Pratos variados comercializados após seu preparo e congelamento.

51

e

congênito

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

correção para regulação da temperatura

e

congênito Que nasceu com o indivíduo, gerado

coprêmese Vômito de máteria fecal, fecalóide

simultaneamente, gerado. congies Água do cozimento do arroz, rica em tiamina e ácido nicotínico; utilizada como bebida. conhaque Aguardente tradicional de Cognac, sul da França, do destilado de vinho branco, de uva cultivada em solo ún1ido. conicina Alcalóide de cicuta, conina. conidendrina Substância antioxidante isolada de um número de árvores coníferas cujos derivados são norconidendrina e alfa e beta. conidrina Alcalóide de semente de cicuta. coniferina Glicosídio (C16H :nO 8 ); laricina; obtido de coníferas. conjugados 1 Ato de reunir, ligação, junção 2 Ligação de compostos químicos para formar outro composto diferente 3 União de organismo para reprodução [p. ex.: hemoglogina, que é um conjugado de proteína (globina) com um grupo tetrapirrólico contendo ferro (hem)). conjugase (ou desconjugase) fólica Enzima produzida no duodeno e no jejuno, que rompe o ácido fólico poliglutâmico natural, convertendo-o em ácido fólico monoglutâmico. conjuntivite Inflamação da conjuntiva que revestem o globo ocular. Pode ser causada por organismos infecciosos como bactérias e vírus; e agentes lesivos como raios solares intensos e diretos. conserva Líquido ou calda em que são conservadas substâncias alimentícias, envasadas em recipientes hermeticamente fechados. consommé Caldo limpo ou sopa feita de carne ou extrato de carne. constipação Síndrome do retardamento da evacuação fecal de qualquer etiologia; os intestinos são exonerados en1 intervalos espaçados e com dificuldade (prisão de ventre). contágio Transmissão de doenças por contato direto ou indireto por agente infeccioso, químico ou de qualquer natureza, prejudicial a quem é contaminado. contagioso Estado em que o indivíduo, objeto ou substância transmite a outros o estado patogênico en1 que se encontra. convulsão Contração involuntária, violenta, de inicio discreto, em músculos voluntários. copa Lombo de porco defumado e seco e também cozido e defumado a quente. Utilizado en1 saladas, sanduíches, canapés etc. copra Espécie de nozes secas, utilizadas para a produção de óleo para margarina e sabão.

ou estercoráceo. coprofagia 1 Hábito de doentes meneais de ingerir fezes 2 Costume encontrado em animais como coelhos, que, com essa prática, ingerem vitaminas do complexo B, sintetizadas pelas bactérias do cólon. coprólito Massa endurecida de matéria fecal no intestino, concreção fecal. coprologia Escudo de matérias fecais, com exan1es parasitológico, bacteriológico e quín1ico. coprostase (ou coprostasia) Acúmulo de matéria fecal principalmente no intestino grosso, de que resulta a constipação rebelde. coprosterol (ou coprostano) Resultado da redução do colesterol, encontrado nas fezes. coração Órgão musculoso, oco, centro da circulação sangüínea, pesa cerca de 250-300g. corantes Utilizados para corar os alimentos, dividem-se em três grupos: pigmentos naturais derivados de plantas, pigmentos inorgânicos e lacas e tinturas sintéticas de alcatrão mineral. cordeiro Carne de carneiro com menos de 12 a 14 meses de idade. coriander Fruta de polpa seca do Coriandrum sativum ( da fan1ília da salsa) cório A mais externa das membranas fetais, serve para proteção e nutrição. córnea Tecido transparente que reveste a câmara anterior do olho. A carência nutricional de vitamina A pode levar a um espessamento, queratinização e aparecimento de áreas de an1olecimento nesta. coroa Parte do dente que emerge das gengivas e que é recoberta pelo esmalte. A superfície da coroa determina a função do dente (superiores - cortar; molares - mastigar). corpos cetônicos Constituídos pelos ácidos beta-hidroxibutírico e aceto-acético e pela acetona que são obtidos após a oxidação de ácidos graxos seguida de uma conversão realizada pelo fígado. Geralmente, são encontrados em baixa quantidade no sangue, n1as aun1entan1 se o indivíduo permanecer em jejum prolongado além da acidose diabética. correção do regime Mudança na ingestão calórica diária para seguir novas necessidades energéticas do indivíduo (valor calórico total - VCT) devido a uma doença, gravidez, lactação, ou envelhecimento.

52

correção para regulação da temperatura Correção do cálculo do valor calórico total

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

correção pela ação dinâmico-específica crescimento linfóide

(VCT) do regime quando o indivíduo vive em regiões extremamente frias. Ao regime deverão ser adicionados mais 10% de calorias, visando à compensação do equilíbrio calórico. Nas zonas muito quentes ocorre o inverso; as calorias do VCT deverão ser diminuídas tambén1 em 10%. correção pela ação dinâmico-específica Ação dinân1ico-específica (ADE) é a energia orgânica extra, causada pela absorção de nutrientes. A transformação dos nutrientes, em função do metabolisn10, provoca maior e não permanente atividade do metabolismo basal. Essa ação deve ser compensada pelo aumento de calorias, que variam segundo os nutrientes. A correção calórica pela ADE corresponde a 8% do cálculo de calorias obtidas, até o indeterminado. correção pelo "indeterminado" Corresponde ao nún1ero de calorias (250) incorporadas ao valor calórico inicial (VCI) referente a½ do dia em que o indivíduo não dorn1e nen1 trabalha. correção por não-absorção Correção do cálculo do valor calórico total (VCT) do regime, relacionada com a composição de calorias perdidas: pela não-absorção de alimentos ingeridos, não totalmente aproveitados no intestino; durante a elaboração de preparações e distribuições da comida. Pelas perdas calóricas "por não-absorção': acrescentadas ao VCT n1ais 10% de suas calorias. corticosteróides Hormônios sintetizados a partir do esteróide colesterol e secretados pelo córtex da glândula adrenal (supra-renal). Dividem-se em três categorias: n1ineralocorticóides, glicocorticóides e androgênios. corticosterona (cortisol) Hormônio esteróide da categoria glicocorticóide produzido no córtex da supra-renal em n1eio a uma situação de estresse ( estresse físico, dor, infecções, sofrimento entre outros). Exerce um papel importante no equilíbrio eletrolítico, no metabolismo de carboidratos, proteínas e lipídios e possui potente efeito antiinflan1atório. cortisona 1 Corticosteróides 2 Medicamento anti-inflamtório comumente administrado para tratamento da asma brônquica e febre , . reumauca. cota ótima Ingestão da quantidade de nutrientes recomendada pela DRI - Ingestão Dietética de Referência. craniotabes Amolecimento e adelgamento dos ossos cranianos, ocorrido na infância em fun-

ção do raquitismo; acomete principalmente os ossos occipital, parietal e temporal. Tende a desaparecer até o primeiro ano de vida apesar da persistência do raquitisn10. creatina 1 Ácido metil-guanidinacético 2 Composto nitrogenado de origem animal, mas que pode ser produzido pelo fígado, pâncreas e rins a partir dos aminoácidos arginina, glicina e metionina. É armazenada, quase que integralmente, nas fibras musculares. Combina-se reversivelmente com fosfato, formando fosfocreatina que é importante na fase anaeróbica da contração muscular por fornecer energia. creatinina Produto nitrogenado, resultante do metabolismo da creatina que, em taxa constante, é excretado pela urina, assim, serve de referência para avaliação da função renal e, esporadicamente, como índice da massa corporal magra (músculos). creme de arroz 1 Amido de arroz moído finamente 2 Farinha de arroz. creme de leite Produto obtido da parte rica em gordura, que se separa do leite, por repouso ou procedimento orgânico. creofagia Hábito de alimentar-se principalmente de carnes. creófilo Indivíduo que pratica creofagia, ou seja, quem se alimenta preferencialmente de carne. crescimento Processo biológico de aumento do organismo, ou de seus segmentos resultante da divisão celular e do aumento do tamanho das células, com conseqüente aumento de massa corpórea. Os fatores que podem interferir no crescimento se dividem em intrínseco (herança genética, sexo, etnia, fatores hormonais) e extrínsecos (nutricional, socioeconômico, psicossocial, presença de patologias). Deve ser avaliado através de métodos clínicos (anamnese e o exame físico), físicos (radiologia), bioquímicos ( dosagens de ferro, proteínas, cálcio, fósforo, etc.) e antropon1étricos (peso, comprimento ou altura, relação peso/ altura, perímetros cefálico, torácico, braquial, envergadura, segn1ento superior e inferior). crescimento genital Crescimento dos testículos, ovários, epidídimo, vesículas seminais, próstata, útero e anexos. Acelera-se durante a adolescência no período conhecido como puberdade. crescimento linfóide Evolução dos órgãos linfóides ( timo, gânglios linfáticos, amígdalas, adenóides e folículos linfóides intestinais). É o único tipo de crescimento que apresenta um processo

53

e

crescimento neural

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

cromo

e

de involução enquanto as demais estruturas ainda estão em fase de crescin1ento franco. crescimento neural Crescimento do cérebro, cerebelo, tronco encefálico e outras estruturas do sistema nervoso, sendo representado pelo perímetro cefálico (PC). O PC aumenta cerca de 20 cm do nascimento aos 18 anos. Para a avaliação desse crescimento dispõe-se ainda de curvas de referência, sendo que podemos considerar como normal uma curva de crescimento situada entre os percentis 10 e 90. crescimento somático Crescimento representado pelas curvas de peso e estatura que não é um processo biológico uniforn1e por unidade de tempo, apresentando períodos de aceleração e outros de desaceleração nos quais ocorre o desenvolvimento do corpo como um todo: dimensões externas (com exceção da cabeça e pescoço), tecidos n1uscular e ósseo, volun1e sangüíneo, órgãos dos aparelhos respiratórios, circulatório e digestivo, rim e baço. cretinismo Estado resultante de deficiência congênita de hormônio da glândula tireóide (tiroxina) resultante da falta de iodo durante a gestação e até os três primeiros anos de vida con1 subdesenvolvimento n1ental e físico, conferindo ao indivíduo aparência característica (estatura baixa, extremidades deformadas, feições grosseiras e pêlo escasso e áspero). criança Para efeitos legais, criança são pessoas até doze anos de idade incompletos. PERÍODOS ETÁRIOS Recém-nascido: O a 28 dias; lactente: 29 dias a 1 ano e 11 meses; pré-escolar:2 anos a 6 anos; escolar - 7 a 9 anos; adolescente: 10 a 19 anos crioglubulina Proteína sérica anorn1al (predon1inantemente IgM), com temperatura de 4,4 a 21,11 °C, precipita-se no plasma. Sua presença no sangue ( crioglobulinemia) é usualmente associada com doença imunológica. crioterapia Terapêutica por aplicação de frio comumente aplicada intensamente na medicina do esporte. Abrange uma grande quantidade de técnicas específicas que utilizam o frio nas formas, líquido (água), sólido (gelo) e gasosa (gases) com o objetivo terapêutico de retirar calor do corpo o que leva os tecidos a um estado de hipotermia, favorecendo un1a redução da taxa metabólica local, assim, diminui o espasmo muscular, alivia a dor, previne o edema e diminui as reações inflamatórias nos trauma-

54

tismos. É contra-indicado nos casos de artrite porque aumenta a rigidez articular. criptoxantina Pigmento carotenóide amarelo, precursor da vitan1ina A. cromo Elemento químico conhecido como um metal pesado que se encontra em quase todos os setores orgânicos, porém em índices reduzidos. Sua presença no corpo humano ocorre ao nascimento. O lactente tem n1aior quantidade de Cr do que o adulto; essa taxa, alta nos primeiros tempos de vida, é diminuída com a idade. O conteúdo de Cr no indivíduo adulto normal atinge menos de 5 mg. O único órgão em que a concentração de Cr aumenta com o decorrer do tempo é o pulmão. No coração e na veia porta, a taxa de Cr decresce nos primeiros 10 anos; no fígado, o declínio se inicia na segunda década. O teor de Cr no organismo varia, por infl.uênica de características regionais, da composição da água (presença de Cr) e dos hábitos alimentares do indivíduo. Por evidências obtidas em estudos experimentais, julgam-se válidas as conclusões de que o Cr exerce funções essenciais, ligadas especialn1ente ao metabolismo de glicídios e de lipídios. ABSORÇÃO Existe no organismo um composto contendo glicina, ácido glutâmico, cistina e niacina, designado por fator de tolerância à glicose (GTF), que constitui un1a forn1a utilizável de cromo. A absorção do cromo trivalente em GTF é de cerca de 25%. O cromo sob a forma inorgânica é absorvido somente em 1%. O GTF é indispensável ao uso eficiente da insulina; ele aumena a retirada da glicose do sangue para diversos pontos do organismo. ExcREÇÃO A eliminação do cromo é feita pela urina e apresenta os seguintes valores, adultos jovens normais: 0,22 µg/L ou 0,2 µg/ dia. A eliminação de cromo pela urina nos indivíduos diabéticos é maior que nos normais. FUNÇÕES Admite-se ser sua ação indispensável para a normalidade do metabolismo glicídico; julga-se que sua presença em pacientes diabéticos favorece a tolerância natural de glicose REQUERIMENTOS A ingestão adequada (AI) de cromo correspondente aos grupos etários é: lactente: 0,2 a 5,5 µg/ dia; crianças: 11 a 15 µg/ dia; adulto jovem do sexo masculino e feminino: 35 e 25 µg/ dia, respectivan1ente; idosos: 30 e 20 µg/ dia para os homens e mulheres, respectivamente. As mais altas concentrações de cromo encontram-se em cabelos, baço, rins e testículos.

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

cromoproteínas curva de crescimento

DEFICIÊNCIA A deficiência mais comum, atribuída à pequena ingestão de cromo, relacionase com a redução da tolerância à glicose. Em deficientes de cromo, quando injetada a insulina, a reação é diversa daqueles que apresentam taxas normais de cromo; verifica-se que a inclusão de glicose no glicogênio hepático e cardíaco se reduz a 50%. A incorporação de alguns aminoácidos ao organisn10 também é lin1itada en1 relação à baixa cota de cromo orgânico. O colesterol sangüíneo também sofre influência da presença do cromo no organisn10, elevando-se sua taxa nos casos de deficiência desse metal e diminuindo o HDL-colesterol. Sua deficiência pode causar também a diminuição do número de espermatozóides e da fertilidade no homem, além de neuropatia periférica e encefalopatia quando esta deficiência se dá de forma severa. Levedo de cerveja, cogun1elo, aspargo, vinho, cerveja, ameixa e nozes são alimentos ricos em cron10 que poden1 ser adicionados a dieta diária para aumentar a ingestão deste metal àqueles que necessitam. cromoproteínas Proteínas conjugadas, que apresentam metais em seus grupos prostéticos (p. ex.: hemoglobina-ferro, ferrocianina-cobre etc.). cromossomos Bastonetes que aparecem no núcleo da célula, em via de divisão; seu número é fixo para cada espécie animal ocorrendo sem-

pre em pares (um proveniente da mãe e outro do pai). T ransportam os fatores hereditários (informações genéticas), sendo que cada um , . , contem 1numeros genes. crônico 1 Processo de longo desenvolvimento, e com freqüência, crises de recidivas 2 Termo en1pregado para definir condição, estado ou sofrimento prolongado. curva de crescimento Curvas de referência que expressam o padrão de normalidade do crescimento do indivíduo. São construídas a partir de estudos em populações cujo crescimento físico se dê livre de impedimentos ambientais, com indivíduos bem nutridos e de acordo con1 as recomendações técnicas, podem ser utilizadas como aproximações válidas do que seria a normalidade. As n1ais utilizadas são a de Marcondes e a do Nacional Center for Health Statistics (NCHS). Mais comumente utilizadas para a análise da progressão de estatura e peso, são dispostas en1 percentis (porcentagem de indivíduos da população padrão quem se encontram naquela situação) de O a 100, sendo que, de modo geral, valores situados entre os percentis 2,5 e 10 ou 90 e 97,5 para peso e estatura, constituem canais de vigilância e valores abaixo do percentil 2,5 ou acima de 97,5 apresentam pouca probabilidade de serem norn1ais.

55

e

débil mental Pessoa de padrões intelectuais reduzidos em nível leve, moderado, severo e profundo que apresenta limitações associadas a duas ou mais áreas de habilidades adaptativas, tais como: comunicação, cuidados pessoais, habilidades sociais etc. débito cardíaco Quanádade de sangue que o coração bombeia em um minuto, dependendo da frequência cardíaca e volun1e sistólico, sendo a equação: D C=FC X VS. deficiente Pessoa que apresenta em caráter permanente perdas ou reduções de sua estrutura ou função anatômica, fisiológica, psicológica ou mental, que geram limitações para certas atividades, dentro do padrão considerado normal para a sociedade. definhar Emagrecer; desnutrir; atrofiar; enfraquecer; debilitar; consumir-se. defumação (alimentos defumados) Processo de conservação empregado com o objetivo de segurança e, principalmente, para a obtenção do produto defumado, caracterísáco por suas qualidades organoléácas sui generis, de excelente palatabilidade. Os produtos defumados a quente caracterizam-se por sua perda de água, ressecamento de sua superfície, coloração típica e sabor e aroma especiais. Do ponto de vista de sua resistência à ação microbiana, os produtos defun1ados destacam-se pela camada protetora física e química que adquirem e que consátui potente barreira à penetração de germes; essa camada de proteção surge da desidratação da

superfície do alimento, pela coagulação protéica e pela capa resinosa resultante da condensação da fumaça. O processo de defumação realiza-se por dois métodos: pela fumaça produzida pela con1bustão de madeiras, serragem, turfa, carvão etc., e pelo emprego de fumaça líquida (smoke fiavor), aplicada no produto por injeção, pulverização ou adição de substâncias desánadas à cura. As madeiras utilizadas para a obtenção de fumaça devem possuir qualidades empireumáticas ou pirolenhosas e ter conteúdo aproxin1ado de hemicelulose de 20 a 30%, celulose de 40 a 60% e lignina de 20 a 30%; as madeiras resinosas e molhadas são rejeitadas pelo fato de, durante a combustão, produzirem substâncias voláteis que provocam a in1pregnação de sabores e odores desagradáveis no alimento. Constituintes da fumaça. Acetaldeído e outros aldeídos; ácidos alifáácos ( de fórmico a capróico); álcoois primários e secundários, cetona, cresóis, fenóis, formaldeído; resinas; outros componentes. A eficiência dos sabores determinados pela fumaça líquida pode ser aumentada pela adição de fenóis. Os alin1entos defun1ados mais comuns são os elaborados à base de carnes bovina, de aves e de pescados, presunto, língua, en1butidos etc. Os defumados sujeitos à cocção ou resfriados em água, como salsichas e lingüiças, poden1 perder parte de sua coloração. degeneração 1 Processo de alteração regressiva reversível das células devido a lesões não-

deglutição

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

dentição decidual (de leite, primária)

letais, com deterioração citoplasmática inicial e, às vezes, morre nuclear, manifestando, assim, alterações funcionais destas 2 Degradação parcial ou cocal do organismo; piora progressiva do estado físico ou mental. deglutição Ação de deglutir; ato neuromuscular com objetivo de remessar o bolo alimentar da boca ao estômago por meio do esôfago e do mecanisn10 constituído pelos músculos voluntários que promovem o peristaltismo esofagiano. O processo está dividido em: bucal, faríngeo e esofágico. 7-deidrocolesterol Derivado do colesterol que se encontra na pele e se converte em vitamina D pelos raios solares (irradiação ultravioleta). dejeção Expulsão de matéria fecal. dejetos 1 Excrementos, matéria fecal 2 Lixo. delírio Distúrbio de origem mental, manifestado por confusão, medo, excitação e sensações anômalas. Alteração do juízo de realidade (capacidade de distinguir o falso do verdadeiro) que leva uma pessoa a ouvir, enxergar e pensar que está vivenciando uma situação inexistente podendo levar o paciente a um quadro de agitação e/ou agressividade. Esta alteração tern1ina por comprometer a interação com outras pessoas. demência Redução irreversível das faculdades intelectuais. Síndrome clínica que provoca perda de memória (de curta e de longa duração), alteração de comportamento (agitação, insônia, choro fácil, comportamentos inadequados) e perda das habilidades para atividades de vida cotidiana (dirigir, vestir a roupa, gerenciar vida financeira, cozinhar, perder-se na rua). São mais prevalentes em idosos, incidindo de forma crescente com o aun1ento da idade, podendo ocorrer antes ou após os 65 anos ( demência pré-senil e senil, respectivamente). demulcente Substância protetora que suaviza irritações da mucosa (p.ex.: inflamação no tubo digestivo). dentes Estruturas calcificadas, de consistência pétrea, brancas, lisas, implantadas nos alvéolos e maxilares, que participam do processo de mastigação (trituração e divisão de alimentos), da formação morfológica facial (estética) e da fonética. Dividem-se em: incisivos (situados na parte da frente, que têm un1 rebordo fino destinado a cortar os alimentos), caninos (logo após os incisivos e com a função de dilacerar os alimentos demasiado duros para serem corta-

58

dos), pré-molares e os molares cuja função é de triturar os alin1encos. dentes mosqueados Manchas calcáreas opacas em dentes de indivíduos que habitan1 regiões onde a água de bebida contém grande teor de flúor (mais de 2 ppm).

dentes natais e neonatais (ou Dentia Praecox) Dentes que surgem pouco antes ou pouco depois do parto, respectivan1ente; são sem consistência e caem logo. Caso perturbem o ato da mamada, devem ser tirados, pois saem facilmente. En1 geral, são "suplementares'; não participando da dentição normal. dentição Formação e nascimento dos dentes que pode gerar sinais comuns como desconforto, irritabilidade, perda de apetite, acordar várias vezes à noite, ficar mordendo em brinquedos e na mãe também faz parte, algumas vezes engasgo devido a um aumento na produção de saliva, a gengiva pode ficar inchada e algumas vezes pode-se ver que está azulada ou bem escura no local em que o dente vai nascer. INFLUÊNCIAS SOBRE A DENTIÇÃO além do fator materno, muitas outras causas podem determinar a má-formação da dentição primária (de leite) e da secundária ( definitiva). A falta de cálcio, uma alimentação pobre em vitaminas A, D e C durante a primeira dentição, pode, tan1bém, acarretar seus efeitos maléficos na dentição definitiva. As deficiências de vitamina A produzem transtornos no esmalte do dente. As deficiências de vitan1ina D, além de prejudicarem a boa consistência do esmalte, causam transtornos à fixação do cálcio; a carência das vitaminas C e B favorecem, respectivamente, a freqüência de hemorragias nas gengivas e o desenvolvimento de infecções dentárias. Há certas doenças, como o raquitismo, que podem causar a queda prematura dos dentes. dentição decidual (de leite, primária) É a prin1eira dentição que ao completar-se, por volta dos dois ou dois anos e meio, é composta de 20 dentes (10 superiores e 10 inferiores) sendo que aos cinco anos estes começam a cair. De maneira geral, os primeiros dentes nascem entre o quarto e o quinto mês, porén1, nas meninas, o seu aparecimento costuma ser precoce. A ordem do nascin1enco dos dentes na dentição decidual é: incisivos - centrais inferiores (por volta do sexto mês); centrais superiores (por volta do oitavo mês); laterais superiores (por volta do nono mês); lacerais inferiores

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

dentição permanente (secundária) desidratação

(por volta do 122 mês). Primeiros molares: inferiores (por volta do 212 mês); superiores (por volta do 182 mês). Caninos: inferiores (por volta do 212 mês); superiores (por volta do 2~ mês). Segundos molares: inferiores (por volta do 27Q mês); superiores (por volta do 302 mês). Há casos raríssimos de falta total dos dentes ou de alguns deles (anadontia). Somente uma radiografia poderá afirmar, pois pode existir o dente "encruado'; aquele que não rompe. O não aparecimento ou anomalias dos molares inferiores, mesmo na segunda dentição, não ten1 importância, pois eles são considerados rudimentares. Já a falta dos den1ais pode causar até mesmo deforn1ações da arcada dentária. dentição permanente (secundária) É a segunda dentição, composta por um total de 32 dentes. Esta inicia-se por volta dos seis anos de idade, obedecendo rigorosan1ente a tabela cronológica: primeiros molares superiores e inferiores por volta de seis a sete anos; incisivos centrais inferiores - por volta de seis a sete anos; incisivos laterais inferiores - por volta de sete a oito anos; incisivos centrais superiores - por volta de sete a oito anos; incisivos laterais superiores - por volta de oito a nove anos; caninos inferiores - por volta de nove a 10 anos; primeiros pré-molares inferiores - por volta de 10 a 11 anos; primeiros pré-molares superiores - por volta de 10 a 12 anos; segundos pré-molares inferiores - por volta de 11 a 12 anos; caninos superiores 11 a 12 anos; segundos molares superiores - por volta de 12 a 13 anos; segundos molares inferiores - por volta de 11 a 13 anos; terceiros molares inferiores e superiores - por volta de 12 a 21 anos. dentina Principal tecido do dente constituído de substância semelhante ao osso; envolve a polpa dentária e é coberta pelo esmalte e pelo cin1ento. dentoma Tumor benigno constituídos pelos tecidos do dente adulto resultando em perturbação no desenvolvimento deste. depleção Redução da quantidade de substâncias. depósito metabólico Grupo de nutrientes disponíveis no meio orgânico, a todo o momento, para atender às necessidades metabólicas (p. ex.: depósitos de proteínas, de cálcio etc.). depressão 1 Queda ou declínio, por exemplo, de função 2 Estado mental caracterizado pela diminuição do tônus neuropsíquico que tem como sintomas: n1elancolia, às vezes, sem motivo aparente, perda de energia ou interesse,

humor deprimido, dificuldade de concentração, alterações do apetite e do sono, lentificação das atividades físicas e mentais e sentimento de pesar ou fracasso. dermatite Inflamação cutânea, às vezes provocada por causas alérgicas. A pelagra, doença causada pela falta de vitan1ina B3, ten1 a dermatite como um dos sintomas. dermatite herpetilorme Doença de pele crônica e benigna que se caracteriza por uma sensação de queimadura intensa e coceira, comumente encontrada em pacientes com doença celíaca. dermatose Qualquer doença de pele. desaminação Processo de retirada do grupo an1ínico (NH 2) de um composto orgânico. Ocorre no fígado e é in1portante no metabolismo dos aminoácidos, especialmente na sua degradação e subseqüente oxidação. O grupo an1Ína é ren1ovido como an1ônia e excretado, como uréia ou ácido úrico. desaminase Enzima que, no organisn10, promove a desaminação. descalcificação Redução do conteúdo de cálcio tecidual do organisn10 (p. ex.: por falta de vitamina D). Pode ocorrer nos ossos, nos dentes e en1 outros tecidos que tem o cálcio participando da sua constituição. descarboxilação Retirada de uma ou várias moléculas de C02 de ácidos orgânicos, inclusive de aminoácidos. descarboxilase Enzin1a que catalisa a subtração, sem oxidação, do C02 de certos ácidos carboxílicos. desenvolvimento Evolução e aumento da capacidade funcional do indivíduo resultante da interação de fatores genéticos, neuroendócrino, gênero, saúde, alimentação e meio ambiente sobre este. desfibrilação Uso terapêutico do choque elétrico aplicado no tórax ou diretamente sobre o miocárdio para parada da fibrilação das aurículas ou ventrículos cardíacos. Durante uma atividade elétrica cardíaca irregular, a desfibrilação despolariza todas as células cardíacas, permitindo o reinício do ciclo cardíaco normal. deslibrinação Falta de fibrina no sangue, tornando-o incoagulável, favorecendo, assim, hemorragias disseminadas. desidrase Vide 0Es10RoGENAsE. desidratação Perda de água e sais minerais do corpo ou de alin1entos CAUSAS abstenção de líquidos, aspiração gástrica e intestinal, aumento

59

D

desidratação hipertônica

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

desnutrição

das perdas sensíveis, diarréia, queimaduras, vômitos e febre. desidratação hipertônica Resultante da depleção pura de água; pode ocorrer por incensa perda de água pelas vias normais orgânicas de eliminação. Essas perdas rompem o equilíbrio entre a pressão osmótica extra e intracelular. Com a perda de água, a pressão osmótica do compartimento excracelular torna-se maior que a do meio intracelular; com isso, a água se desloca da zona de osmolaridade menor para a de maior osmolaridade, provocando a redução de sua pressão osmótica e a elevação de seu volume. À maior concentração no meio extracelular (em razão da perda de água), a pressão osn1ótica intracelular fica menor que a extracelular; esse fato detern1ina o estímulo para a produção do hormônio antidiurético (ADH), que atua como mecanismo compensador da perda de água por sua ação na reabsorção tubular renal de água. Ainda con1 a perda de água provocando redução do volume extracelular, é estimulada a secreção de aldosterona, com retenção de sódio e elevação da pressão osmótica do compartimento extracelular. desidratação hipotônica Ocorre com maior perda de sais que de água. Provocada especialmente por desnutrição, por nefrite perdedora de sal, diarréia intensa e por mucoviscidose. desidratação isotônica Comum em crianças e causada especialmente por diarréias. Ocorrem perdas iguais de água e de eletrólitos e, por isso, não ocorre variação de osmolaridade. desidrogenase Enzima catalisadora da oxidação de substratos específicos, por retirada de O, ( remove átomos de hidrogênio). des1d rogenase láctica 1 Ácido láctico desidrogenase 2 Enzima catalisadora da oxidação do lactato; encontrada no meio interno de hemácias e células do miocárdio, rim fígado e músculos. Seu valor sérico encontra-se elevado em situações em que ocorre grande destruição celular. desintoxicação 1 Ação pela qual o organismo torna-se livre ou é libertado de substâncias tóxicas ( álcool, drogas ilícitas e medicamentos) 2 Dieta apoiada no consumo de água mineral, suco de frutas, frutas cruas, farelo, ervas e chás; utilizada para lin1peza intestinal antes de cirurgias e como terapia nutricional para a ingestão exagerada de alimentos. desmame Processo de adaptação nutricional no qual outros alimentos são introduzidos

60

gradualmente na dieta do bebê, primeiro para complementar o leite materno e progressivamente para substituí-lo. O desmame ou ablactação, en1 condições normais, deve ser iniciado no segundo semestre do primeiro ano de vida, quando o lactente tiver logrado suficiente quantidade digestiva para tolerar alimentos diferentes do leite materno. O desmame é útil para a mãe e de interesse alimentar da criança, pois mesmo que o leite tenha ótima composição química, não é suficiente para satisfazer os requerin1entos normais do lactente em seus últimos meses do primeiro ano de vida. desmame precoce Em casos especiais, o desn1ame pode ocorrer mais precocemente, por dificuldades de aman1entação, por enfermidade ou trabalho, por razões fisiológicas relacionadas com a mãe e o filho e principalmente quando houver cessação da secreção láctica na nutriz, nestes casos a introdução de novos alimentos em condições adequadas na alimentação do lactente (educação nutricional) pode ser iniciada do terceiro mês em diante. desmineralização Resultante de eliminação excessiva de minerais dos tecidos (principalmente de ossos), que ocorre en1 estados caquéticos (p. ex.: o provocado pela falta de vitamina D) e na tuberculose. desmolases Enzimas que catalisam reações que supõem a adição ou separação de compostos; promovem a síntese ou a degradação das ligações carbono-carbono; catalisam as reações de óxido-redução. DESMOLASES IMPORTANTES Descarboxilases e aldolase. desnutrição Desequilíbrio que ocorre entre a ingestão e o consumo de nutrientes, provocando alterações da estrutura e das funções de células e tecidos; estado caracterizado pelo predomínio da desassimilação sobre a assimilação. "Estado patológico originado do consumo deficiente de alimentos e de ingestão calórica inferior aos requerimentos, durante período prolongado" (FAO/OMS). CARACTERÍSTICAS Alterações físicas, bioquímicas e psicológicas, cuja gravidade pode variar desde perda de peso ou retardo no crescin1ento até síndromes clínicas. Pode ser diagnosticada por métodos clínicos ( quando já há sinais e sintomas), bioquímicos, antropométricos, topográficos, ou fisiológicos. A desnutrição pode ser: primária - por insuficiência de nutrientes; secundária, por excessiva demanda de nutrientes (meta-

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

desnutrição do alcoólico dextrose

bolismo aumentado), por excreção anormal de nutrientes (nefrose e outras elin1inações, sem a reposição dos nutrientes perdidos). desnutrição do alcoólico Desencadeada e agravada por vários fatores: pela ingestão irregular de alimentos: os etilistas trocam os alimentos pelo álcool, que lhes confere, pelo seu alto poder calórico, uma sensação de saciedade pela falsa impressão de que estão alimentados; pelo processo inflamatório de órgãos ligados ao processo digestivo: a inflamação gástrica, intestinal e do pâncreas interfere na absorção de nutrientes (vitaminas B1 e B12, ácido fólico e vitamina C). EFEITO HEPATOTÓXICO O álcool e o seu produto acetilaldeído atuam diretan1ente como hepatotóxicos. Com isso, prejudicam o n1etabolismo e a ação do ácido fólico e das vitaminas A, D e B, nas células hepáticas. EFEITO DO METABOLISMO DO ÁLCOOL Esse metabolismo exige o aumento de determinados nutrientes, como as vitaminas do complexo B e do magnésio. A falta de vitan1inas desse complexo é a responsável, especialmente, por sintomas ligados ao sistema nervoso (neurices etc.). A existência simultânea do alcoolismo e da desnutrição complica o quadro clínico, pois a desnutrição provocada pelo álcool aumenta sua ação hepatotóxica. desnutrição protéica De todos os estados de desnutrição, é a síndrome mais grave. Ocorre depois de exauridas rodas as reservas orgânicas de proteínas, conseqüente à sua ingestão limitada ou deficiente, abaixo do nível mínimo exigido pelo organismo. ETIOLOGIA A desnutrição protéica é originada por causas primárias e secundárias. CAUSAS PRIMÁRIAS Por valor calórico insuficiente; por ingestão insuficiente de proteínas. CAUSAS SECUNDÁRIAS Distúrbios digestivos; requerin1entos aumentados por: atividade física fora do normal, temperatura exageradamente alta, gestação e lactância, febre, hipertireoidismo, perturbações da absorção, aceleração do trânsito intestinal, distúrbios orgânicos da mucosa intestinal, obstrução dos canais biliares, carências vicamínicas, perturbações do aproveitamente de nutrientes, disfunções hepáticas ou pacreáticas, tumores malignos, hipotireoidismo, transtornos da excreção, sudorese excessiva, nefrose, diabetes. FINALIDADE DIETOTERÁPICA O tratamento dietoterápico consiste em: reparar os protídios teciduais; re-

por o material protéico de reserva; promover a absorção maior de aminoácidos por meio de regime hiperprotídico ou complementação. desidrorretinol Vide VITAMINA A. desordens psiquiátricas Alterações psíquicas que poden1 ser ligadas a deficiências de vitamina B12 e niacina (vitamina B3). O êxito da medicina ortomolecular pela megadosagem de niacina, para o tratamento da esquizofrenia, é discutido. desoxicorticosterona Hormônio mineralocorticóide produzido no córtex adrenal onde é convertido em corticosterona, no homem, provoca aumento de retenção do íon sódio e da água e elevação da eliminação do íon potássio. Empregado freqüentemente sob forn1a de acetato, na insuficiência supra-renal. desoxipiridoxina Complexo de estrutura semelhante à da piridoxina (vitamina B6) que se . a' sua açao. antagoniza desoxirribonuclease Enzima endonuclease que, atuando em presença de íons de magnésio, provoca despolimerização de ácidos desoxirribonucléicos. Segregada pelo pâncreas acua sobre o DNA produzindo polinucleoádios. desoxirribonucleoproteína (DNP) Constituída de ácido desoxirribonudéico e de proteína; é encontrada no núcleo celular formando a cromatina. desoxirribose Pentose monossacarídea em que o grupo hidroxila (-OH) é substituído pelo hidrogênio. A desoxirribose é o açúcar do ácido desoxirribonucléico (DNA), portador do código genético do organismo. despolimerase Enzima que despolimeriza substâncias vegetais e animais de alto peso molecular, como ácidos nucléicos. dessensibilização T ratan1ento con1 a finalidade de cessar a sensibilidade anormal ou intolerância de pacientes a substâncias (alérgeno, neurocransn1issore) de pouca ou nenhuma nocividade para a maioria dos indivíduos. dextrinose Acúmulo anormal de polissacarídios no interior orgânico. dextrinose limite Glicogênese por deficiência de amilo-1,6 glicosidase e conseqüente acúmulo de glicogênio no fígado, músculo e coração. O comprometimento de ericrócicos provoca excesso do glicogênio sangüíneo. dextrose Monossacarídio dextrógiro obtido por hidrólise do amido. É importante intermediário no metabolismo glicídico. SIN Glicose.

61

D

diabetes

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

diagnóstico

diabetes Síndron1e caracterizada pela elevação do nível sangüíneo de glicose (hiperglicemia) devido a uma desordem hormonal global decorrente da deficiência, grande diminuição ou inadequação na utilização da insulina, o hormônio pancreático. Geralmente, o non1e de diabetes sem epíteto refere-se à sua forma mais freqüente, o diabetes melico. Designação de espécies mórbidas distintas que apresentam caracteres comuns: polifagia, polidipsia e poliúria. diabetes gestacional Durante a gravidez, a glicemia materna se eleva em resposta aos hormônios liberados durante a gestação e a mãe não consegue produzir insulina suficiente para dar conta dos altos níveis de glicose que circulan1 no sangue. diabetes insípido Transtorno do metabolismo da água, por falta de hormônio ancidiurético (vasopressina) posterior a comprometimento por traumatismo, tumor ou infecção do diencéfalo-hipofisário ou dos condutos pelos quais esse hormônio passa- central; ou por bloqueio da ação deste horn1ônio nos cúbulos renais nefrogênica. A afecção caracteriza-se por polidipsia e poliúria incensa, sem nenhuma alteração da glicenüa nem da urina, a não ser sua baixa densidade. A prescrição de hormônio antidiurético elimina o quadro n1órbido no caso da modalidade central. diabetes melito Distúrbio hormonal crônico ( o organisn10 não produz insulina ou não consegue utilizá-la adequadamente) mais comum, caracterizado por glicosúria constante, hiperglicemia resultante de perturbação grave do metabolismo glicídico com conseqüente acúmulo de glicose nos tecidos. Afeta o n1etabolismo dos lipídios e dos protídios também. A glicose pode passar para a urina (glicosúria), levando à poliúria e à perda de peso. A cetoacidose aguda é complicação perigosa. Não é doença contagiosa, mas a hereditariedade representa papel muito importante; acredita-se que a "tendência" para desenvolver diabetes seja transnütida de geração a geração, pelos genes. Há dois dipos de diabetes: insulino-dependente e não dependente. O insulino-dependente aparece geralmente antes dos 20 anos de idade (tipo I ou tipo juvenil). Não tem preferência por sexo. Nem sempre surge nos gordos; é controlado por dieta e insulina. O início é súbito; os sintomas são muitos; há propensão à cetose, ou cetoacidose, que pode ser fatal se não for aplicada

62

insulina. O diabetes não insulino-dependence (tipo II) aparece depois dos 40 anos de idade, freqüentemente nos obesos. É controlado son1ente pela dieta ou por dieta e medicação oral. O início da doença é lento, com mínimos sintomas, e a cetose não é freqüente. A hiperglicen1ia pode surgir: pela omissão ou redução de insulina ou medicação oral; por transgressão da dieta; por estresse psicológico; por aparecimento de enfermidades (gripe, febre, infecção ou estresse emocional). A sintomatologia da hiperglicemia consiste em: sede exagerada, urina freqüente e cansaço; visão turva, náusea, vômitos, dores abdominais, perda de peso, infecções constantes, respiração acelerada e profunda; hálito com cheiro de fruta (maçã), pela presença de acetona, e finaln1ente coma. A sintomatologia da hipoglicemia ( reação insulínica) é a seguinte: suores frios, pegajosos; tremores, vertigens, irritabilidade, batimentos cardíacos rápidos, fome, dor de cabeça, visão dupla, torpor, inconsciência, confusão mental, convulsões e formigamento nas pontas dos dedos e nos lábios. Complicações a longo prazo incluem o risco de aterosclerose e doenças cardiovasculares, neuropatias, modificações no globo ocular (retinopatia diabética, principal causa médica de cegueira). Doenças periodoncais são freqüentes, assim como enfermidades renais. A higiene pessoal deve ser encarada serian1ence, por meio de cuidades com a pele e os pés (evitar ferin1entos que podem evoluir rapidamente para infecções). diabetes renal Afecção que apresenta glicosúria persistente, juncamente com glicemia normal. Resulta de anomalia de origem hereditária da porção proximal do cubo renal, impedindo a reabsorção de glicose. diabetogênico Que determina o diabetes, como é o caso de algumas drogas que causam aun1ento da glicemia, resultando em diabetes, por exemplo os glicocorticóides. diabetologia Escudo do diabetes. diacetemia Presença de ácido acético no sangue. diacetúria Presença de ácido acético na urina. diagnóstico 1 Arte ou aco de determinar a natureza de doenças, reunindo os sintomas mórbidos que o doente apresenta; investigação clínica por meio da história atual e pregressa do paciente 2 Rótulo que um profissional dá a um quadro clínico e que permite a outro profissional entendê-lo.

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

diagnóstico diferencial diarréia crônica

diagnóstico diferencial Feito através da distinção entre doenças semelhantes pela comparação de seus sintomas de modo que sejam afastados outros estados mórbidos capazes de serem confundidos. diagnóstico laboratorial Escudo microscópico e/ ou químico de sangue e outras secreções do paciente, além de biópsia dos tecidos atingidos. diagnóstico físico Complemento da anamnese e dos exames de laboratório, utilizando: inspeção, palpação, percussão, ausculta e outros. diagnóstico topográfico Determina o local exato lesionado por um certa doença. diagrama Esboço; disposição gráfica de qualquer coisa ou fenômeno. diálise Processo que, por meio de aparelho específico, remove impurezas do sangue e o excesso de líquido corporal no tratamento da insuficiência renal. diálise peritoneal Processo de depuração do sangue através do peritônio, que atua como membrana semipermeável seletiva. diarréia Emissão freqüente de fezes fluidas, de menor consistência e de grande volume ( ultrapassa a 200 mL dia). FISIOPATOLOGIA De modo geral, em maior ou n1enor grau, as diarréias podem provocar: intensidade peristáltica do intestino; redução do processo de absorção da mucosa; aumento da atividade secretora (maior teor protéico); distúrbio da digestão intestinal, de acordo com a deficiência enzimática; alterações da flora intestinal; aumento da fração aquosa das fezes. COMPLICAÇÕES Desidratação; emagrecimento; desnutrição. A desnutrição é resultante do desequilíbrio de ingestão e de falta de aproveitamento de nutrientes; com a diarréia, o indivíduo é prejudicado pela perda de nutrientes não absorvidos e pela redução da entrada de alimentos por inapetência. O paciente perde água e eletrólitos pelas fezes, com produção de alterações do equilíbrio osmótico e acido-básico. Em diarréias intensas, as perdas de sódio provocan1 modificações do equilíbrio acido-básico e conseqüente acidose. ETIOLOGIA A diarréia pode ser: infecciosa, resultante da ação de microorganismo vivo (vírus, bactéria ou parasita); não-infecciosa, ocorrida sem a presença microorgânica, como, por exemplo: enfermidade celíaca glúten-induzida, endocrinopatia (insuficiência supra-renal), reação medican1entosa (antibióticos, ferro, laxativos e medicamentos contendo mercúrio,

arsênico), alergia (intolerância ao leite, a dissacarídios, neuroblastoma) ou pode ser produzida por alimentos - por excesso quantitativo e qualitativo; inespecíf,ca, originada por causa não determinada. diarréia aguda Diarréia de início súbito e duração menor que três semanas, a maioria resolvendo-se em menos de três a cinco dias. Esse tipo de diarréia é conseqüente a enteropatias agudas. Os principais agentes enteropatogênicos responsáveis por diarréias são ancilóstoma, Entamoeba coli enteropatogênica, fungos, parasitas, vírus, Yersinia enterocolitica, Entamoeba

histolytica, Escherichia coli, Giardia lamblia e Shigella, entre outras. Geralmente, as enterites ou enterocolites produtoras de diarréias agudas são provenientes de processos tóxicos de origem microorgânica ou de ação de agentes químicos. Os microorganismos participantes e que exercem atividade tóxica pertencem ao grupo disentérico e entre os que causam infecções encontram-se os estafilococos e as saln10nelas. Entre os agentes químicos, destacam-se os inseticidas e as substâncias tóxicas adicionadas voluntariamente ou não aos alimentos. Outras forn1as de diarréias agudas ocorrem: de natureza alérgica, por estresse emocional e posteriores à gastrite defensiva. diarréia-cólera Diarréia grave que aparece subitamente, abundante, com perda excessiva de líquidos que, em poucas horas, leva ao choque por hipovolemia, podendo levar à morte. Há, concomitantemente, perda de eletrólitos. Produzida pelo vibrião do cólera (Vibrio cholerae) que penetra no organismo humano por ingestão de água ou de alimentos contaminados. diarréia crônica 1 Diarréia que ocorre por um período n1aior que 3 a 4 semanas. Pode ser originada por diversas causas: mastigação deficiente; ingestão inadequada de alimentos; aquilia (falta de ácido clorídrico); transtorno hepatopancreático; síndrome de má absorção; higiene alin1entar precária; alterações de flora intestinal 2 Diarréias orgânicas, por: enfermidades infecciosas; intoxicações; infestações parasitárias 3 Diarréias de origem geral, por: hipercireoidismo, mau funcionamento da vesícula biliar, insuficiência supra-renal etc. 4 A diarréia crônica, por suas características, deve ser diferenciada de pseudodiarréias que ocorrem, por exemplo, no câncer de cólon e en1 indivíduos com prisão de ventre, com hipersecre-

63

D

diarréia da doença de Crohn

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

diarréia por fermentação ácida e pútrida

ção secundária do cólon e com prisão de venere de natureza espáscica. diarréia da doença de Crohn Diarréia crônica associada à obstrução parcial do intestino, dores, febre e má absorção em conseqüência de um processo inflamatório crônico no t ubo digestivo (mais freqüente no intetino delgado). diarréia de desmame Diarréia relacionada com a din1inuição ou supressão do leite materno com a introdução de novos alimentos. diarréia dos viajantes Diarréia causada por uma bactéria chamada E. Coli que ocorre em certos indivíduos que viajam por estarem submetidos a fatores sanitários não adequados e que adquirem diarréia aguda. Parece ser causada por alteração da flora intestinal, que adquire características de flora patogênica, ou pela entrada de bactérias nocivas. A prevenção desse tipo de diarréia é feita, principalmente, pela abstenção de verduras e vegetais crus, de comidas fora dos hábitos, de excessos alimentares e de água não submetida à fervura. diarréia epidêmica do recém-nascido Contagiosa e fulminante, encontrada em berçários de hospitais, com alta mortalidade (provocada geraln1ente por E. coli ou Staphylococcus). diarréia estival ou de verão Produzida por bactérias e vírus enteropacogênicos, com incidência principaln1ente no verão. diarréia gastrógena Ocorre devido ao excesso de suco gástrico podendo ocorrer, inclusive, aquilia gástrica. diarréia gordurosa Acomete pacientes que sofren1 de má-absorção, no sprue, e na doença pancreauca cronica. diarréia infantil Tipo agudo que atinge crianças por infecções bacterianas agravadas por fatores alimentares e alérgicos. As crianças são mais sensíveis à diarréia e apresentam um risco maior de desidratação quando comparadas aos adultos, visco que nesta fase a perda excessiva de líquidos e eletrólitos podem ser fatais. diarréia lientérica Caracterizada por fezes n1isturadas con1 material alimentício não digerido. diarréia pancreatógena É aquela em que as fezes encontram-se volumosas, pálida, pútrida e oleosa. diarréia por fermentação ácida e pútrida Ocorre pela chegada ao intestino grosso de material proídico putrescível, que, tornando o meio alcalino, favorece o desenvolvimento de bactérias proteolíticas. Produtos resultantes da fermenI

64



1\



cação pútrida como, por exemplo, o amoníaco excitam a secreção da mucosa, principalmente a do cólon, elevando a quantidade de substâncias putrescíveis, pela presença de albunünas oriundas das secreções. Esse fato faz aumentar o peristaltisn10 intestinal, ocasionando diarréia. Na diarréia por fermentação pútrida, o órgão comprometido é o cólon; o material fecal se origina do intestino grosso (colite catarral). Na diarréia por fermentação ácida, o órgão prejudicado é o intestino delgado ( enterite). Diarréia com associação de fermentações ácida e pútrida, que podem ocorrer consecutiva ou simultaneamente. O processo de diarréia por fermentação pútrida tem dupla origem: alimentar (pelada ingestão excessiva de protídios) e intestinal (proteínas de secreções). Sobre sua incidência influem os seguintes fatores: aliment ar - intenso consumo protéico; digestivo - preparação indequada do material ingerido (mastigação ruim); enzimático - presença de aquilia gástrica. A mastigação insuficiente proporciona menor subdivisão de alimentos e, com isso, seu menor ataque pelo suco digestivo; a menor exposição do tecido conjuntivo de carnes e sua conseqüente má digestão implicam maior trabalho intestinal e maior sobrecarga protéica, por falta de separação das fibras musculares. A existência de aquilia gástrica impede a ação enzimática sobre o tecido conjunt ivo cru, que, nessa condição, não sofre ataque da tripsina; isso permite o acún1ulo de substância protéica no intestino delgado, de onde chega ao cólon, sem estar suficientemente digerida. A aquilia gástrica é, ainda, responsável por contaminação intestinal, ocasionada pela falta da ação bacteriana do ácido clorídrico. Já os fatores desencadeantes de diarréia ácida são: Fatores alimentares ingestão imoderada de glicídios envoltos por estrutura de difícil digestão, que, chegando ao íleo, são atacados por bactérias; ingestão de vegetais crus mal divididos ou formadores de gases (nabo, repolho, couve-flor, cebola etc.). Em an1bos os casos, ocorrem fern1entações ácidas. Fatores digestivos mastigação ruim e salivação deficiente, influindo na etapa bucal de digestão. Fatores enzimáticos preseça de aquilia, originando: menor ataque de vegetais que passam do estômago ao intestino, provocando aumento de peristaltismo e estímulo químico por atividade bacteriana. Na aquilia, há evacuação gástrica acelerada e, com isso, chegada de glicídios (celulose) ao intestino sem

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

diarréia pós-prandial dietas especiais

sofrer modificação pelo ácido clorídrico. A deficiência deste e conseqüente ausência bactericida favorecem a entrada de microorganismos no intestino, ocasionando enteropatias. Aquilia p ancreática: aumento de amido no intestino delgado, por falta de digestão pancreática. Esses fatores proporcionam o transporte, ao íleo, de substâncias fermentescíveis, principalmente celulose e lactose. diarréia pós-prandial Surge imediatamente após a ingestão de alimentos, em indivíduos com perturbações da vesícula biliar. diarréia tropical ou da cochinchina D iarréia de origen1 desconhecida produzida por alterações no revestimento do intestino delgado, presente no sprue tropical, com grande perda de nutrientes. Comumente encontrada no Sul da Índia, Sudeste da Ásia e Antilhas. diástase 1 Enzima do n1alte contendo amilase; catalisa a hidrólise do amido 2 É toda separação ou afastamento de partes que estão en1 contato (p. ex.: separação da epífise do corpo ósseo) 3 Período da etapa final da diástole, que compreende um período de lento enchimento ventricular. diástole Instante de relaxamento, ocorrendo à dilatação das cavidades cardíacas, enchendo-as de sangue. A diástole atrial antecede a ventricular, alternando-se sucessivamente com a sístole; ou seja, o período de contração das cavidades cardíacas. diastólico 1 Referente à diástole 2 Movimento de dilatação do coração, após a fase de contração. diátese Situação em que o indivíduo reage de modo especial a determinados estímulos externos que o torna mais susceptível a determinadas n1oléstias do que o normal. diátese hemorrágica Tendência a hemorragias, como na hemofilia, escorbuto, púrpura ou avitaminose K. diatrizoato de sódio Composto hidrossolúvel (C 11H 8I 3N 2NaO 4l usado como meio de contraste radiológico na urografia excretora intravenosa. dibásico Ácido que possui dois átomos de un1 elemento ou dois átomos substituíveis de hidrogênio, podendo dessa forma produzir duas séries de sais. dicrótico Onda secundária de pressão no ramo descendente de uma onda primária, ou seja, duas ondas esfigmográficas a cada batimento de pulso.

dicumarina Anticoagulante ( anti protrombina). A dicumarina provém do dicumarol, o qual está presente nos vegetais do gênero Mellilotus. Sua transformação ocorre devido à ação dos fungos do gênero Aspergillus, Mucor e Penicillium sobre o feno de Mellilotus. A dicumarina con1pete com a vitamina K a nível hepático provocando principalmente hipoprotrombinemia, mas também diminuição dos fatores Vil, lX e X da cascata de coagulação, diminuição da capacidade aglutinante das plaquetas, dilatação e aumento da permeabilidade capilar. Tais ações provocam uma anemia intensa com mucosas descoradas, hen1atomas em regiões mais expostas a choques, geralmente membros e claudicação. dienestrol Escrógeno não esteróide (C 18H 18O 2), em forma de pó branco e cristalino, insolúvel em água. dieta Alimentação prescrita com finalidade terapêutica ou outra e é regulada qualitativa e quantitativamente; emprego racional da alimentação. Freqüentemente confunde-se aspalavras diet e light. Diet refere-se aos alin1entos apenas de baixas calorias, independentemente da fonte em que ela foi reduzida. Ocasionalmente os alimentos lights podem ser diets (dietéticos), pois eles poderão ser prescritos para um paciente que necessite de baixas calorias. Já os alin1entos diets, são destinados aos pacientes que receberam prescrição médica para a sua utilização devido a enfermidades. dietas especiais Desde os primórdios existe uma cultura em relação às dietas, tanto n1édicas quanto populares. D entre elas, encontramos: Dieta absoluta Privação cocal de alimentos sólidos e líquidos. Dieta ajustada Para sua adequação ao paciente, deve sofrer modificações, como, por exemplo: ao valor protéico de glicídios e de lipídios; à restrição de constituintes alimentares (lactose, sódio etc.); aos valores calóricos; à consistência dos alimentos; à adequação quantitativa de proteínas de lipídios etc.; à supressão de alin1entos específicos (alergênicos etc.); ao en1prego de vias alimentares de exceção; ao número e à freqüência adequados. Dieta balanceada Dieta racional, equilibrada etc. É aquela que fornece calorias, procídios, glicídios, lipídios, vitaminas, minerais, fibras, elementos traços, aminoácidos e ácidos graxos essenciais, em quantidades e formas para assegurar e n1anter boa saúde. D ieta branda Reduz o tempo e o

65

D

dietas especiais

tratamento digestivo do alimento consumido. Proporciona calorias e nutrientes em quantidades semelhantes às da dieta normal, porém em características específicas: alin1entos de fácil desagregação, subdivididos, abrandados por cocção e não condimentados, são desprovidos de substâncias estimulantes ou irritantes. Alimentos indicados: bolachas d'água; doces; carnes subdivididas, cozidas ou assadas: de galinha, de peixe, de vaca, de vitela, fígado, presunto; cereais com leite: arroz-doce; frutas: assadas, em compota; massas: pão (fresco); queijos: de Minas (fresco), "petit-suissé'; vegetais cozidos e subdivididos: ensopados de abóbora, abobrinha, batata e cenoura. Dieta branda gástrica Favorece a formação de um quimo bem elaborado, fácil de ser evacuado e capaz de favorecer o trabalho intestinal. Dieta branda intestinal Favorece a absorção, com o mínimo de trabalho motor e secretório. Dieta cetogênica Pobre em glicídios e em proteínas, e de alto teor lipídico; favorece a forn1ação de corpos cetônicos. Indicada nos casos de epilepsia, infecções urinárias e principalmente para crianças com crises de mioclonia e acnéticas, bem como crises de ausência, resistentes às drogas antiepilépticas convencionais. Geralmente, o quociente cetoanticetogênico deve estar em torno de 0,25. Dieta com muitos resíduos (fibras) Indicada na estase acentuada do cólon, por falta de tono da musculatura do trato digestório. Deve conter alimentos con1 abundância de indigeríveis (fibra e tecido conjuntivo). Indicados: alimentos ricos em fibra; cereais preparados com os componentes dos grãos; frutas secas; hortaliças cruas e frutas, de preferência sem cascas; vegetais folhosos crus (agrião, alface, chicória etc.). Dieta com poucos resíduos Constituída de alimentos empregados em diarréias graves, em fases iniciais de colite ulcerosa, na oclusão intestinal parcial e após intervenções cirúrgicas do cólon e do reto. São alimentos considerados sem resíduos sólidos, com predomínio de hemicelulose. Indicados: arroz, bolachas, bolos, caldos (de carne, de cereais, de frutas, de vegetais), carne (com colágeno abrandado, cozida e subdividida de frango e de pescado), doces (em pasta, gelatina, geléia), farinha e féculas finas; leite (coagulado (quefir ), em infusão, com farinhas finas, com ovos e açúcar, creme de leite, evaporado), n1assas (pão torrado), pudins e cremes (de abóbora, de batata, de chuchu, de fíga-

66

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

do, de galinha, de presunto), purês (de batata, de frutas inteiras cozidas, de maçã, de peixe), queijos (não maturados e de massa branda), sorvetes (de cren1e, de frutas, de leite, de ovos), suflês e similares (à base de verduras brandas e cozidas), sucos coados (de carne, de fruas, de vegetais). Dieta de Atkins Elaborada pelo médico cardiologista Robert Atkins, que se baseia em uma alimentação pobre em carboidratos (20%) e rica em proteína (25-30%) e gordura (55-65%). Dieta de Binswanger Regime de sobrealimentação em neurasténicos, no qual o paciente se alimenta sete vezes ao dia; forma parte da cura de Weir-Mitchell. Dieta de Cantani Regime restrito de carnes, peixes e gorduras, para indivíduos diabéticos. dieta de Chittenden dieta a base de 47 a 55 g de proteínas. Dieta de Colenian Criada por Coleman, de alta caloria e prescrita na dietoterapia da febre tifóide. Dieta de consistência macia ( pastosa) Soft diet; dieta mecanicamente abrandada, cujo objetivo é ser de fácil mastigação (pode conter condimentos). É indicada para pacientes com problemas dentários (cárie ou próteses imperfeitas), inclusive falta de dentes. Dieta de conteúdo graxo modificado Constituída por óleos vegetais ricos em ácidos graxos poliinsaturados em substituição às gorduras animais saturadas. Prescrita freqüentemente na aterosclerose. Dieta de eliminação Destinada a retirar do regime os alimentos alergênicos. Dieta de Feingold Dieta preventiva para crianças hiperativas, excluindo alimentos corantes, flavorizantes e outros aditivos não recomendáveis, que se acredita produzirem reações adversas ao comportamento orgânico da criança. Exclui também salicitatos comuns (compostos semelhantes à aspirina). Dieta de Giordano Dieta de restrição protéica, idealizada por Giordano, em 1963, para tratamento da insuficiência renal crônica. Emprega como única fonte de proteínas uma n1istura de aminoácidos essenciais, com calorias suficientes e suplemento de vitaminas n1inerais. Para indivíduos urêmicos dá 2 g de nitrogênio de aminoácidos, mais ou menos 12,5 de proteínas, com balanço positivo de nitrogênio. Dieta de Giovanetti Essa dieta veio após a indicada por Giordano, en1 1964. Foi feita em colaboração com Maggiore e com redução protídica com indicação para uremia. Consistia em lipídios vegetais e animais, espaguete e outros produtos feitos de um preparado especial de amido

dietas especiais

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

de trigo, doces, vegetais e frutas selecionadas. Não obtendo equilíbrio nitrogênico, adicionaram procídios de alto valor biológico (proteína do ovo) à dieta inicial, conseguindo o equilíbrio desejado. Dieta de Giovanetti modificada Essa dieta, modificada por Shaw e outros, em 1965, utiliza aminoácidos essenciais ( metionina). Consiste em 18g diárias de protídios e reúne 45 g de manteiga, 1 ovo, 200 mL de leite, arroz, frutas, vegetais e produtos especiais feitos de amido de trigo e de outra farinha de baixo teor protéico. Dieta de Horst-Bull Indicada nos casos de rescrição total de proteína ( uremia). É composta de manteiga e açúcar em partes iguais: manteiga: 250 g; açúcar: 250 g. Administrada durante o dia, sob a forma de bolinhas de n1anteiga gelada, envoltas em açúcar. Dieta de Karell Fornecida ao paciente hospitalizado depois de sofrer infarto do miocárdio, quando o leite é tolerado sem distensão abdominal. Consiste en1 200 n1L de leite, distribuídos en1 quatro porções ao dia, além de outros líquidos que perfazem 1.000 a 1.500 mL. Dieta de K empner Prescrita em cardiopatias en1 1950; compõe-se de arroz cozido, frutas e açucarados, sendo un1a dieta hipocalórica, hipossódica, hipoprotéica, sem sabor e de difícil tolerância. Dieta de proteção D ieta com a supressão de algun1 componente da alimentação habitual do paciente afim de protegê-lo contra a ação nociva desse em função de sua patologia. Dieta de Meulengracht Prescrita no tratamento de úlcera péptica hemorrágica, hipercalórica e rica em vitaminas. Dieta de prova Tem finalidade exclusivamente diagnóstica, por meio de alimentos ou preparações, ou destes con1binados con1 diferentes métodos. Entre as dietas de prova mais utilizadas estão a de Schmidt-Strasbürger, para atestar casos de aquilia gástrica, e a de Snapper, para balanço de cálcio. Dieta de resíduo ácido Prescrita com o objetivo de abaixar o p H da urina. Assim, os resíduos possuem um pH inferior a 7,0. Dieta de r esíduo alcalino Prescrita com o objetivo de elevar o pH da urina. Dieta de Salisbury Regime antigotoso que consiste na ingestão de carne crua e água quente. Dieta de Schmidt-Strasbürger É uma dieta de prova, empregada no caso de suspeita de aquilia e hipoquilia. O colágeno da carne é transformado em gelatina, a partir de 60°C; abaixo dessa temperatura, o colágeno cru, somente é digerido, isco é, transformado em gela-

tina, no estômago, pela pepsina, em meio ácido. Nesse caso, as fibras de carne, unidas entre si pelo colágeno, agora transformado, dissociamse e podem ser atacadas pelos sucos digestivos. Nos casos de aquilia, em que há ausência de HCl (ácido clorídrico), a pepsina não acua sobre o colágeno cru; o colágeno não se transforma em gelatina e as fibras musculares não se separam e não são digeridas, passando inteiras para o intestino, que elin1ina grande parte de tecido conj untivo indigerido. Esse fato tem grande valor para o diagnóstico de aquilia gástrica, na qual o tecido conjuntivo (colágeno) cru, não se digere. Schmidt-Strasbürger idealizou uma prova, utilizando un1a alimentação contendo carne sen1icrua e examinando, posteriormente, as fezes do indivíduo, nas quais apareceram os feixes musculares íntegros. Dieta de Sippy Indicada nas gastrorragias e para portadores de úlcera péptica em sua fase aguda. Con1posta de leite e creme de leite; dar ao paciente 90 a 100 mL de mistura de leite e creme de leite, de hora em hora. No intervalo das refeições, também de hora em hora, fornecer medicações alcalinas. Essa dieta não é mais utilizada. Dieta de Snapper Indicada para a verificação do balanço do cálcio orgânico. Dieta de Fam is Dieta absoluta; privação completa de alimentos. Dieta do tip o sangüíneo Elaborada por Peter J. D:.;.damo de maneira que a alimentação é diferenciada de acordo com o tipo sangüíneo. Sua teoria relata que o tipo sangüíneo influencia as funções digestivas e imunológicas além de determinados alin1entos terem a capacidade de gerar o acréscimo ou a queda do peso do indivíduo. Dieta especifica Prescrita em enfern1idades resultantes da incapacidade genética de absorver determinados componentes da dieta (galactosemia, enfermidade celíaca, fenilcetonúria etc.). Dieta hepatoprotetora Tem por finalidade a regeneração dos elementos nobres (h epatócitos) que compensam os elementos destruídos, evitam a esteatose e in1pedem a desnutrição e os desequilíbrios do meio interno. Dieta hídrica Método terapêutico para transtornos gastrointestinais em lactentes. Emprega-se exclusivamente água fervida durante um ou dois dias. Dieta hipercalórica Vide REDieta hipocolesterínica Vide REGIME HIPOCOLESTERÍNICO. Dieta hipoglicídica Vide REGIME HIPOGL1cío1co. Dieta hipolipídica Vide R EGIME HIPOLIPÍDICO. GIME HI P ERCALÓRICO.

67

D

dietas especiais

Dieta hipopurínica Vide REGIME HIPOPURÍNIco. Dieta hipossódica Vide REGIME HIPOSSÓDico. Dieta hospitalar A alimentação do enfermo tem exigências individuais; como não é possível preparar a comida de forma isolada para cada enfermo, originaram-se as dietas hospitalares, para atender, dentro de suas variantes, à maioria dos pacientes internados. Essas dietas são padronizadas no sentido de sua adequação às exigências do enfermo, quanto à sua consistência. Dividem-se em: dieta líquida; dieta branda (con1 pouco ou sem resíduo); dieta macia ou pastosa, dieta normal. Esta última poderá ser dada a todos os enfern1os que não tenham indicação de ação dietoterápica. Dieta láctea Constituída por leite. Dieta lacto-ovo-vegetariana Caracterizada pelo consumo exclusivo de leite, vegetais (frutas e verduras) e ovos. Dieta líquida Constituída por alimentos ou preparações fluidas ou de escassa viscosidade, à temperatura ambiente ou do corpo, que possuam glicídios, proteínas e lipídios de fácil digestibilidade, sem resíduos e que, em razão do alto conteúdo de água, possua grande volume, o que obriga a ministrá-la em forma fracionada; tudo isso con1 a finalidade de que possa ser absorvida com o mínimo de trabalho digestivo. Devem ser considerados: viscosidade, homogeneidade, fluidez, grau e tipo de solubilidade e capacidade de escorrimento. Não possui resíduo e, por ser de grande volun1e, exige-se cerco fracionamento. Quanto ao tempo de sua utilização, dividese em dieta rescrita e cocal. Restrita: tempo de emprego= 48 horas. Total: tempo de emprego relativamente longo. Alimentos indicados. Água: fervida - pura, açucarada; mineral: com gás e sem gás. Caldos: de carnes; de cereais; de frutas (com açúcar); de vegetais. Chás. Gelatinas. Lei' . te: com açucar; com case1nato; com cren1e; com féculas; com gema. Manteiga ou margarina: liquefeitas. Óleo. Sorvetes: de creme; de fruta; de leite. Sucos coados: de carnes com gema; de frutas con1 açúcar; de vegetais com gen1a. Ovo: gen1ada. Bases. Água: comum; fervida ou aerada; mineral natural ou artificial; gasosa. Sucos: carne; verduras; frutas. Caldos ou cozimentos: carne; cereais; frutas; verduras. Alimentos líquidos no estado natural: creme de leite; leite; ovos. Dieta macrobiótica Elaborada por George Oshawa (1893-1966), no Japão, e popularizada por Michio Kushi nos Estados Unidos. Ela é baseada na busca do equilíbrio físico e

68

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

emocional através da dieta, na qual os alimentos são classificados em Yin e Yang. Os alin1encos Yin, são os alimentos considerados energéticos e tonificantes con10 os cereais, legumes, peixes, carnes etc. E os alimentos Yang são os considerados de energia fria, dispersantes e debilitantes, como o açúcar, os derivados lácteos, as frutas e as verduras. Dieta mista Dieta livre, composta por alin1entos de todas as classes. Dieta normal Contém valor calórico correspondente às exigências orgânicas normal do indivíduo, com quantidades de nutrientes determinadas por percentuais considerados imprescindíveis. Essa dieta pode ser consumida por enfermos, desde que alguns de seus alimentos não provoquem incompatibilidades ou intolerâncias e seja adaptada ao seu estado. Dieta ocidental Dieta ou regime característico das sociedades ocidentais, generosa em glicídios refinados, gorduras e produtos industrializados. A dieta é bastante rescrita em fibra dietética. Dieta oligantigênica Dieta de eliminação. Dieta para enfermidades febris Durante os períodos febris, há um aun1ento do metabolisn10 básico e, conseqüentemente, o regime alimentar deve estar adaptado para atender ao aun1ento de calorias exigido. Detern1inado o metabolismo básico do enfermo, serão acrescentados 13% a cada grau de ten1peratura, alén1 dos 37°C. Em face da anorexia do doente, aconselha-se que a dieta seja semilíquida (febris agudos e crônicos, com grande falta de apetite). Nos casos de doentes agudos, com temperatura moderada, e nos casos crônicos, com ten1peraturas intermitentes, a consistência dos alimentos deve ser branda e semilíquida. Os alin1entos devem ser agradáveis à vista, com sabor aceitável ao paciente e conter substâncias excitantes e não irritantes. Os líquidos frios são n1ais aceitos. Dieta para enf ermos destinada a acender às condições orgânicas do indivíduo e às características próprias da doença. A escolha dos alimentos e preparações visando favorecer o curso da enfermidade deve, antes de mais nada, ser adequada ao estado gascroincestinal do paciente. Dieta pastosa Dieta incern1ediária entre a líquida e a branda, em que se apresentam alimentos moídos, em pasta, purês e pudins. Os alimentos e preparações aconselhados são: purês e suflês de legumes; gelatinas; arroz bem cozido (papa); n1ingaus; ovos quentes ou pochês; carne moída; peixe bem cozido; sopas cremes; cremes de frutas;

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

dietazina dietoterapia como tratamento coadjuvante

sorvetes. Dieta/ regime Alimentos substitutos; correspondem aos que apresentan1 em sua composição química, pelo menos em quantidade aproxin1ada, as calorias e os nutrientes básicos necessários para o regime. Dieta south-beach Elaborada pelo médico cardiologista Arthur Agatston. A dieta se divide em três partes. Inicialmente ocorre um período de"purificação" de duas semanas necessárias para a eliminação de carboidratos simples e açúcares. Na segunda parte ocorre uma gratificação, diminuindo o desejo de comer carboidratos, acrescentando o mesmo em poucas quantidades na alimentação. Na terceira parte ocorre um processo de adaptação permanente dos hábitos alimentares do indivíduo. D ieta terapêutica Prescrita con1 modificações qualitativas e quantitativas em relação ao regime normal, com o objetivo de considerar a situação orgânica do enfern10 e não só a sua enfermidade. Dieta terapêutica qualitativa Dieta adequada em relação ao tipo ou qualidade dos alin1entos permitidos. Por exemplo: os regimes prescritos para o atendimento de doenças gastrointestinais. Dieta terapêutica quantitativa Dieta adequada em relação à quantidade maior ou n1enor dos alimentos pern1itidos e de seus nutrientes. Por exemplo: os regimes utilizados para as doenças renais e diabetes. Vide REGIME APROTÍ01co. Dieta vegetariana Aquela que não contém carnes e seus derivados e que, segundo sua variedade, se divide em três grupos: lacto-ovo-vegetariana - constituída de leite, ovos e vegetais. Lactovegetariana - igual à citada antes, com exclusão do ovo. Vegetariana pura ou total - que não contém nenh um alimento de origen1 anin1al; como subvariedade dessa dieta, está a que se compõe exclusivamente de frutas. Dieta zero Aquela em que há abolição completa de qualquer alimento; sua duração ocorre segundo a causa da restrição. dietazina Fárn1aco de efeito sen1elhante aos da atropina. Utilizado no tratamento do Parkinson. dietéticos Alin1entos dietoterápicos e produtos dietéticos. En1 medicina, a indicação terapêutica pode ser feita com aprescrição fo rmulada na receita especialmente indicada para o indivíduo ou, ainda, por intermédio de determinados produtos farmacêuticos. A prescrição formulada representa terapêutica diretamente dirigida ao enfermo, com sentido então individual, ao passo que o produto farmacêutico

tem aplicação genérica, pois dele se podem beneficiar vários indivíduos. A receita é como se fora um traje exclusivo feito sob medida e o medicamento farn1acêutico esse mesmo traje, porém confeccionado para uso coletivo. Com essa figuração,procuramos estabelecer a diferença existente entre alimentos dietoterápicos e alimentos e produtos dietéticos. O alimento dietoterápico representa a indicação por meio da prescrição alimentar, isto é, da formulação de ingredientes contidos nos alimentos, capazes de minimizar, neutralizar ou curar os transtornos decorrentes de enfermidades ligadas à alimentação e à nutrição. Os alimentos e os produtos dietéticos são como o produto farmacêutico; prescindem de orientação clínica particular, pois, como geralmente acontece, são consumidos por iniciativa própria, ou sugeridos por terceiros ou, mais con1umente, por influência de propagandas comerciais. dietilpirocarbonato (DEPC) Con1posto utilizado na esterilização de certos alimentos ( esterilização ou pasteurização a frio). Têm extensa faixa de ação antimicroorgânica, com grande eficiência sobre leveduras. Segundo o grau de concentração, tem ação fungística ou fungicida. dietilpropiona Derivada das fenetilaminas, a dietilpropiona é uma droga anoréxica, que atua no SNC, por mecanisn10 catecolan1inérgico, aumentando a liberação de cacecolaminas nos tern1inais neurais e/ou inibindo a sua recaptação. É uma das drogas mais utilizadas no tratamento da obesidade no Brasil e sua ação tem um efeito psicoestimulante, suprimindo o apetite por reduzir voluntariamente a ingestão de alimentos. dietoterapia Terapêutica por meio da alimentação, com os seguintes objetivos: tratar e curar a enfermidade, prevenir as alterações orgânicas ligadas aos processos nutritivos, recuperar a nutrição ao estado norn1al, quando ela estiver modificada.

dietoterapia como tratamento coadjuvante Empregada em doenças de etiologias não ligadas à nutrição, como tratamento coadjuvan te, com a finalidade de melhorar sintomatologias presentes e manter o equilíbrio nutricional do paciente. A normalidade confere ao paciente maior resistência aos impactos da enfermidade e melhores condições para o êxito do tratamento medicamentoso.

69

D

dietoterápicos

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

digestão gástrica

dietoterápicos Alimentos dietoterápicos são os que, por suas peculiaridades, composição química, caracteres organoléticos e funções que exercem no organismo, são prescritos com finalidade dietoterápica, isto é, con1 objetivo terapêutico. As necessidades e os estados orgânicos dos indivíduos não podem ser apreciados de modo generalizado, pois cada um deles mostra propriedades especiais e reações próprias, de duração transitória ou permanente. Desta maneira, fica evidente que os alimentos dietoterápicos, sem interromper ou prejudicar a nutrição do indivíduo, devem cumprir sua função terapêutica, removendo as situações orgânicas conflitantes, sem criar novos antagonismos por incompatibilidade de sua prescrição incorreta. Os alimentos dietoterápicos asseguram sua participação por meio de suas seguintes características: contêm elevado ou reduzido teor de nutrientes; possuem caracteres organoléticos variados; sofrem modificações por métodos de preparações, tornando-se adequados aos diferentes estados orgânicos do indivíduo; seu manuseio pern1Íte sua indicação nos regimes de balanço. Pelo conteúdo químico dos alimentos dietoterápicos, são elaboradas dietas especiais de acordo com as suas características. Segundo o conteúdo de nutrientes: com elevado teor - hiperprotéica, hiperglicídica, hiperlipídica, hiperférrica; com reduzido teor - hipoprotéica, hipoglicídica, hipolipídica. Segundo as características químicas: em relação ao sabor e ao aroma - excitante, não excitante, irritante, não irritante; em relação ao conteúdo de purina - hipopurínica, apurínica; em relação ao conteúdo de colesterol - hipocolesterínica; em relação ao conteúdo de sódio - hipossódica, hiperpotássica, hipopotássica; en1 relação à consistência - líquida, semilíquida, branda, de característica dura; em relação à quantidade de resíduos - sem resíduos, com poucos resíduos, com muitos resíduos. Segundo as características físicas: en1 relação ao peso e ao volume segundo o quociente grama - caloria = reduzida ou excessiva; em reação à temperatura - n1orna, quente; segundo o valor calórico - normocalórica, hipocalórica, hipercalórica. difteria Intoxicação produzida pelo Corynebacterium diphteriae, de caráter agudo, de incidência em declínio pela aplicação de vacina e tratan1ento com o auxílio de soro antidiftérico. A toxina é absorvida, geralmente, pela mucosa

70

orofaringeana, provocando inflamação e destruição do epitélio de camadas superficiais. O quadro diftérico caracteriza-se pelo aparecin1ento de falsa membrana, localizada comumente nas tonsilas palatinas, pilares anteriores, véu do paladar e úvula; posteriormente, alastra-se para a laringe, a traquéia e os brônquios. Nesse caso, a pseudomembrana pode provocar asfixia, com desfecho fatal. difteria cirúrgica Constituição de uma membrana diftérica na superfície da ferida. difteria cutânea Infecção cutânea devido ao Corynebacterium diphteriae, provocando uma ulceração semelhante ao do impertigo, ou seja, com borda enrolada, base suja e possível forn1ação de bolhas na periferia. digenea Subclasse dos Trematódeos, que abrange todas as classes de platelmintos que parasitam o homem. Apresenta un1 ciclo de vida com alternância de gerações e de hospedeiros. digestão Processo realizado en1 vários segmentos do tubo digestivo, no qual os alimentos, desintegrados por fenômenos mecânicos, por agentes químicos e enzimáticos, adquirem forma assimilável. Os fenômenos mecânicos da digestão são mastigação, deglutição e movimentos peristálticos. Os fenômenos químicos e enzimáticos da digestão são constituídos por insalivação, quimificação e quilificação. digestão bucal Referente à digestão do amido, pela ação da ptialina e alfa-an1ilase, que atuam no curto tempo en1 que o alimento permanece na boca. A digestão, entretanto, continua no estômago, no n1eio do bolo alimentar embebido pela saliva, até que seja impregnado pelo suco gástrico. digestão gástrica Após sua passagen1 pelo esôfago, os alimentos, com diferentes consistências e composições, vão se depositando em camadas no interior gástrico. O estômago, com essa presença, inicia sua distensão, aun1entando seu volume por meio de estímulos específicos e dos provocados pelo contato do alin1ento com a parede do órgão. A secreção gástrica dos sucos digestivos é orientada por impulsos nervosos, por horn1ônios como a gastrina, e pela presença do próprio alimento. O suco gástrico, contendo ácido (ácido clorídrico), impede a continuação do papel da amilase salivar sobre os glicídios, mas permite que a pepsina exerça sua ação sobre os protídios, iniciando sua degradação. O muco secretado pelas camadas su-

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

d igestão intestinal digestibilidade dos lipídios

perficiais do estômago impede a ação prejudicial que o ácido poderia exercer sobre sua mucosa. Quando a acidez é exagerada, a produção de gastrina é interrompida. O bolo alimentar resultante da digestão gástrica é espesso e cremoso, recebendo o nome de quimo. digestão intestinal Iniciada quando o quimo chega ao duodeno e nele intervêm o suco pancreático, a bile e a secreção das glândulas do intestino delgado ( especialmente do duodeno e do jejuno), denominada suco intestinal. digestibilidade Referente à maior ou n1enor facilidade com que os alimentos chegam ao seu grau final de desintegração, para que sejam absorvidos através das vilosidades intestinais. A digestibilidade aparente é a diferença entre o que é ingerido e o que é eliminado pelas fezes. AçÃo oo CALOR A aplicação de calor em detern1inados alimentos aun1enta sua capacidade digestiva. O calor por meio de vários processos de cocção, produz as seguintes modificações, que são benéficas para a digestibilidade do alimento: a) frutas e vegetais: peccina e celulose são dissolvidas por cocção, tornando o alimento mais fácil de ser atacado por enzimas amiloüticas; b) amido: gelificado pro calor ún1ido e convertido em dextrina por calor seco; o alimento cem sua digestibilidade aumentada; c) carnes: colágeno abrandado pelo calor é transformado em gelatina, tornando a carne menos consistente; d) proteínas n1usculares, por sua coagulação, são passíveis de maior ataque enzimático e conseqüente melhor condição digestiva da carne; e) gorduras hidrolisadas são emulsionadas pelo calor, favorecendo assim, sua capacidade digestiva. digestibilidade dos carboidratos As principais fontes de carboidratos na dieta hun1ana são a sacarose (dissacarídio da cana de açúcar), a lactose (dissacarídio do leite) e o amido, um polissacarídio presente em quase todos os alimentos. Outros tipos de carboidratos são o glicogênio, ácido láctico, ácido pirúvico etc. O início da digestão dos carboidratos se inicia na boca com a mastigação, onde os mesmos são misturados a saliva que contêm a enzima ptialina a qual hidrolisa o amido em maltose. Desta maneira, o alin1ento segue para o estômago continuando a ação da enzima ptialina. Ao penetrar no estômago o alimento se mistura com as secreções e a atividade da amilase salivar é bloqueada, inativando a enzima em um pH

aproxidamente de 4. O ácido do suco gástrico age hidrolisando o amido e os dissacarídios, mas por ser em pequena quantidade, ele é desconsiderado. Após o quimo sair do estôn1ago para o duodeno, ele se mistura com o suco pancreático, fazendo com que o amido que não tinha sido hidrolisado sofra a ação da amilase, convertendo quase totalmente a maltose em isomalcose. No intestino delgado, onde são encontradas as enzimas lactase, sucrase e isomaltase, são capazes de transformar os dissacarídios lactose, sucrose, maltose e isomalcose em seus respectivos monossacarídios. Em conseqüência, esses monossacarídios são imediatamente absorvidos na mucosa intestinal pela circulação em forn1a de monossacarídios (lactose = galactose + glicose, sacarose = frutose + glicose, maltose= glicose+ glicose). digestibilidade dos lipídios Os lipídios mais comuns na dieta humana são os triglicerídios encontrados en1 alin1entos de origem animal e vegetal. A digestão inicia-se com a lípase lingual, liberada na base da língua pela glândula de Elber's e no estômago ocorre à liberação da lípase gástrica, que devido à acidez incensa torna a sua ação diminuída. A importância do estômago está em seus movimentos peristálticos, emulsificando os lipídios, homogeneizando-os no bolo alimentar. O bolo alimentar acidificado ao chegar no duodeno, induz a liberação da colecistocinina que provoca a contração da vesícula biliar e estimula o pâncreas, liberando a bile, o suco pancreático e a secrecina no duodeno. Dentre as várias enzimas do suco pancreático, está a lípase pancreática, responsável pela hidrólise das ligações ésteres dos lipídios liberando grande quantidades de colesterol, ácidos graxos, glicerol e algumas moléculas de mono-acil-gliceróis. Deste modo, os lípídios emulsificados pelos sais biliares em micelas são absorvidos pela n1ucosa intestinal. A absorção intestinal das gorduras, que é elevada, está condicionada ao seu ponto de fusão. Quanto menor é o ponto de fusão da gordura, mais alto é o seu coeficiente de digestibilidade. Com ponto de fusão igual ou perto da temperatura do corpo, os lipídios se liquefazem no trato digestivo; por isso, são mais velozmente evacuados no estômago, são emulsionados mais rapidamente e quase totalmente absorvidos. Os lipídios com ponto de fusão superior à ten1peratura do corpo apresentam menor coeficiente de

71

D

digestibilidade das proteínas

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

dinitrofenil-hidrazina

digestibilidade. Por serem emulsionados, os lipídios do leite e da gen1a de ovo são as que maior capacidade de digestibilidade denotam. digestibilidade das proteínas As proteínas da dieta humana são quase inteiramente derivadas da carne e de vegetais, formadas de longas cadeias de aminoácidos unidos por ligações pepádicas. A digestão das proteínas se inicia no estômago sob a ação da enzima pepsina a qual tem um p H ótimo entre 1,6 e 3,2. A sua ação ocorre hidrolisando as proteínas transformando-as en1 proteoses, peptonas e polipepádios. Sua atividade é terminada quando o conteúdo gástrico é misturado com o sulco pancreático no duodeno e jejuno, adquirindo um pH entre 2,0 e 4.0 e no restante do duodeno un1 pH de 6,5. A absorção de aminoácidos é rápida no duodeno e jejuno mas lenta no Heo. No intestino delgado, o conteúdo é atacado pela tripsina, quimiotripsina, carboxipolipeptidase e elastase, enzimas pancreáticas que hidrolisam todos os produtos da digestão parcial das proteínas, tendo como produto dipepádios ou pequenos polipepádios e an1inoácidos. Os epitélios do intestino delgado contêm várias enzimas como a aminopolipeptidase e a dipeptidase que atuam para hidrolisar as ligações pepádicas dos diferentes dipeptídios ou polipeptídios, à medida que são absorvidos através do epitélio para a circulação. digestibilidade gástrica Relacionada com a velocidade en1 que o alimento é transformado em quimo. digestibilidade intestinal Avaliada pelo grau de absorção dos diversos nutrientes. Esse aproveitamento é medido por meio do balanço entre o ingerido e o excretado. digestor Designação alternativa para autoclave ou panela de pressão. digital Folhas secas de Digita/is purpúrea, um poderoso cardiotônico estimulante da contratilidade do miocárdio, empregado nas cardiopatias descompensadas. digitalose Um dos açúcares (C 7H 14O 5) advindos da hidrólise de certas glicósides digitálicas. digito nina De fórmula C 56H 920 29, sem a ação típica da digitálica sendo notoriamente irritante. diglicéride Lipídio que apresenta duas moléculas de ácido graxo. digoxina D erivado da Digita/is !anata (C4 1H 64 Ü 14). Sua hidrólise gera a aglicona digoxigenina e três moléculas de digitoxose. Ela

72

se assemelha à digital em seu modo de ação e indicação. diidrocoenzima I Dinucleotídio de nicotinamida-adenina, NADH. diidrocoenzima li Fosfato do dinucleotídio de nicotinamida-adenina (NAD PH). diidroergotamina Empregado por via parenteral na forma de metanossulfonato no tratamento ~a enxaqueca 3_., H 37N 50 5 ). d11droestreptom1c1na Possui ação antibactericida e é clinicamente semelhante à estreptomicina. Apresenta-se na forma de sulfato (C21H 41 _ N 7 0 12) e é empregado para pacientes que não toleram a estreptomicina mas gerando un1a reação tóxica no oitavo par craniano. diidrolenilalanina Aminoácido produzido por oxidação da tirosina. Sob a ação da dopa-oxidase, após várias transformações bioquímicas, transforn1a-se en1 melanina. diidrotaquisterol Esteróide sintético derivado do colesterol; apresenta certas propriedades biológicas do horn1ônio paratireóide e da vitamina D. Produz hipercalemia e aumento do fósforo na excreção urinária. dilatação Aumento do volume ou de calibre. dilatação do esôfago Aun1ento do calibre do esôfago ou formação de bolsa lateral, onde comumente se alojam alimentos. dilatação do estômago Resultante do aumento da capacidade gástrica por relaxamento da musculatura gástrica, estenose do piloro, fermentações e processos de auto-intoxicação. Na dilatação gástrica podem ocorrer estase de alimentos, processos fermentativos e auto-intoxicação. dimenidrato Pó branco e cristalino pouco solúvel em água utilizado como anti-histamínico e antiemético. dimercaprol Solúvel em água em com odor semelhante ao da mercaptana (CH 2SH.CHSH. CH 20H), é o anádoto da intoxicação causada pelo arsênio, pelo ouro e pelo mercúrio. dimetilsullóxido Abreviado por D MSO, é líquido, incolor, inodoro (puro) e tem a capacidade de se n1isrurar com a água (CH3'SO.CH3). Em contato com a pele ele é absorvido rapidan1ente tendo uma ação analgésica e antiinflamatória local. dinitrolenil-hidrazina Pó cristalino vermelho, de fórmula C 6 H 3(N0 2) 2 .N H.NH 2, solúvel em ácidos diluídos, sendo assim utilizado para a identificação através de um estudo pormenorizado dos aldeídos e das cetonas.

( 18 anos

Carboidratos

45a 65%

45 a65%

55 a65%

Proteínas

5a20%

10 a 30%

10 a 12%

Gorduras

30a 40%

25 a35%

23 a35%

74

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

disúria doença

tipo marasmática, principalmente nos casos de anorexia nervosa. disúria Micção difícil ou dolorosa. diurese Elin1inação urinária aumentada. diurético Agente que aumenta a diurese. Os grupos fármacos atuam no rim aumentando a quantidade e o grau de diluição da urina excretada. Eles atuam diminuindo os níveis de água e cloreto de sódio sangüíneos. Dividen1-se en1 grupos de acordo com a sua atuação, tais como os diuréticos de alça (agem na porção ascendente da Alça de Henle), tiazidas ( agem no túbulo distal), diuréticos poupadores de Potássio (agem nos receptores de aldosterona nos túbulos distais) e inibidores da anidríase carbônica (agem inibindo a enzima cnidríase carbônica nas células do túbulo distal). São utilizados para o tratamento de cirrose hepática, hipertensão arterial, insuficiência renal e insuficiência cardíaca. diverticulectomia Extirpação de divertículo; extirpação cirúrgica de divertículo do tubo digestivo ( esôfago ou cólon). diverticulite Processo inflamatório de um divertículo, que apresenta sintomatologia semelhante à da apendicite. A inflamação de divertículo do cólon pode provocar abscesso ou penton1te. divertículo Bolsa ou extrusão de órgão ou estrutura ocos, de origem congênita ou adquirida. Nessa forn1a, a lesão consiste em hérnia da mucosa, através da parede muscular do órgão. Essa hérnia da mucosa, terminada em fundo de saco e con1unicada com conduto natural, apresenta-se sob a forma de saliência arredondada, de tamanho variável entre uma ervilha e uma avelã. divertículo calícíneo Entupimento no infundíbulo gerando um alargamento do cálice renal. divertículo congênito Presente ao nascimento, se caracteriza pela expulsão de um órgão ou víscera ocos. divertículo de Merckel Divertículo do íleo. divertículo de pulsão Por meio de uma pressão interna da túnica muscular de órgãos como a faringe e o esôfago gera-se un1a hérnia da n1ucosa. divertículo de tração Tração exercida pela união dos órgãos vizinhos, que gera um arqueamento de toda a espessura da parede, formando uma saculação circunscrita, mais presente no esôfago. divertículo de Zenker Hivertículo de pulsão do esôfago.

divertículo esolagiano Hérnia na parede posterior do esôfago, mais comum no lado esquerdo sendo do tipo pulsão. divertículo vesical Proeminência da parede vesical. diverticulose Presença de divertículos saculares em qualquer ponto do tubo digestivo (esôfago, duodeno ou cólon); essas lesões provocam complicações segundo sua sede e extensão. A prevalência da diverticulose do intestino grosso, por exen1plo, aun1enta proporcionalmente com a idade, sendo achado relativamente comum na população geriátrica. Complicações infecciosas da diverticulose - diverticulite - , entretanto, são incomuns. DLM Sigla de dose letal mínima. DMAE 1 Di-metilamino etanol 2 Vitamina B pouco divulgada, a qual se julga favorecer a produção de acetilcolina. DNA Abreviação de ácido desoxirribonucléico. Con1ponente essencial do núcleo celular e que transporta a informação genética. Suas moléculas são compostas por nucleotídios em forma de cadeia. DNAS EAbreviação de desoxirribonuclease. doador Que doa sangue, tecidos e órgãos a outras pessoas. doador de hidrogênio Con1posto capaz de ceder átomos de hidrogênio para outra substância. doador universal Designação de indivíduo que possui grupo sangüíneo O, cujas hemácias não contêm aglutinogênio e, por isso, não são aglutináveis por qualquer soro. Esse doador universal, exceto em casos especialíssimos, pode fornecer sangue para transfusão a todos os indivíduos. doadores metílicos Compreendem substâncias con1 grupos n1etílicos lábeis, isco é, que podem ser transferidos com facilidade. Esses grupos metílicos (CH 3) estão presentes na metionina, colina e betaína, denominados fatores lipocrópicos (evitam o desenvolvimento do fígado gorduroso). doce Alimento com o sabor agradável como o do n1el ou o do açúcar. doce de leite Produto elaborado com leite integral, adicionado ou não de saborizante. doce em massa Produzido principalmente à base de frutas, leite ou outras substâncias, isoladamente ou misturadas entre si. doença Designação de estado n1órbido que inclui os sintomas desde o início, sua evolução

75

D

doença adenocística

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

doença de Crohn

e todas as conseqüências ocorridas. Evolução. As formas de terminação das doenças são: morte; cura coral ( anatômica); cura parcial (clínica); cronificação. doença adenocística Variedade de displasia mamária. doença aguda De grande intensidade e rápida gravidade. doença brônzea Doença de Addison.

doença brônzea hematúrica do recém-nascido Doença de Winkel, icterícia infecciosa e negra dos recén1-nascidos. doença carencial Que ocorre por deficiência de um ou mais nutrientes básicos. doença celíaca Vide ENFERMIDADE cELíAcA. doença celíaca infantil Síndrome celíaca de bebês e crianças jovens, con1 intolerância à gliadina do glúcen, do trigo, do centeio e da aveia. SINTOMATOLOGIA Distensão do abdome, fezes abundantes de odor insuportável e gordurosas, desenvolvimento retardado e desnutrição. doença cifoescoliótica do coração Falha cardiorrespiracória, ocasionada por desvios funcionais gerados pela presença de cifoescoliose. doença congênita De caráter hereditário; adquirida durante os primeiros três meses de vida intra-uterina. Doença não transmissível a outrem; doença com a qual a criança nasce. doença constitucional Com presença de genótipos herdados pelos indivíduos que abrangem todo o organismo. doença coronariana Causada pela redução de sangue e de oxigênio levados ao coração, em conseqüência de aterosclerose. doença crônica De lentos períodos e de forma recidivante. doença de adaptação Perturbações bioquímicas ou metabólicas originadas pelo estresse físico ou emocional. A doença é reversível de forma espontânea, acidental ou medicamentosa. doença de Addison Deficiência primária do córtex supra-renal. SINTOMATOLOGIA Cansaço, bronzeamento da epiderme e n1ucosas, alterações gastrointestinais e hipotensão. ETIOLOGIA Metástase cancerosa, amiloidose, tuberculose ou de causa idiopática. doença de Alexander De rara incidência, de degeneração evolutiva do sisten1a nervoso central e que atinge a primeira infância. Apresenta deficiência de desenvolvimento físico e mental, rigidez progressiva, megalocefalia e ataques. Também estão presentes concentrações de

76

grânulos, eosinófilos na pia-máter, no tecido perivascular e graus variados de leucodistrofia. doença de Alzheimer Doença degenerativa cerebral, que produz uma dificuldade de raciocínio e memória. Seu início é mais freqüente na fase pré-senil - após os 65 anos-, provocando un1a atrofia cortical difusa, atingindo os lobos temporais e frontais, além da degeneração neurofibrilar. O cérebro de um indivíduo com Alzheimer, caracterizado através de autopsia, é constituído por um número menor de neurônios, un1a confusão neurofibrilar e um depósito extracelular da proteína beta-amilóide. doença de aurícula Alteração do ritmo auricular.

doença de Basedow (ou bócio exoftálmico) Sua origem é ainda discutida; para uns há hiperfuncionamento da tireóide con1 hipersecreção de hormônio; para outros, é devida à desregulação dos centros diencefálicos-hipofisários; ainda uma terceira hipótese faz referência à presença de un1a proteína sangüínea, o fator produtor de exoftalmia. S1NTOMATOLOGIA Com o aumento difuso do epitélio tireoideano, há hipersecreção de hormônio e formação de bócio; exoftalmia bilateral, tremor característico, nervosisn10, ansiedade, sudorese excessiva e aumento do metabolismo basal. doença de casca de bordo Processo pneun1ônico intersticial granulomatoso provocado pelo fungo Cryostroma corticale. Seus esporos localizam-se sob a casca do bordo. doença de Chagas Designação da tripasono. m1ase americana. doença de colódio Síndrome do recém-nascido que apresenta uma membrana envernizada que recobre toda a superfície corporal do recém nascido, ectrópico, eclábio, dificuldade nos movimentos devido à compressão realizada pela membrana. Tal enfermidade requer cuidados, pois a infecção cutânea é freqüente, seguida de septicen1ia. doença de Crohn Descrita em 1932 por Burril B. Crohn na cidade de Nova York. É caracterizada como uma inflamação crônica do intestino delgado com o seu início na porção vizinha à válvula ileocecal compron1etendo o intestino em segmentos intercalados de partes sadias do órgão. Nas áreas lesadas, a luz intestinal fica reduzida, dificultando o trânsito, sofrem fibrose e microperfurações. SINTOMATOLOGIA Diarréias aquosas, às vezes sanguinolentas. O processo pode tornar-se

.

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

doença de cuidado doença do coração tireóideo

crônico, revelado por febre, hemorragia e obstrução intestinais. SIN Enterite granulomatosa, enterite regional e ileite terminal. doença de cuidado De caráter perigoso. doença de descompressão Resultante da formação de bolhas de nitrogênio no sangue ou trazidos por rápida descon1pressão atmosférica. O fenômeno é desencadeado durante as velozes ascensões a grandes alturas, em conduções abertas. O mesmo ocorre quando de volta rápida das câmaras de ar comprimido para a pressão atmosférica normal. SINTOMATOLOGIA Dor aguda no tórax e nas articulações, coceira epidérmica, urticária, paralisia, convulsões, edema puln1onar e coma. doença de Farber Linfogranulomatose. doença de Gaucher Hereditária de transmissão autossômica recessiva. É um distúrbio do metabolisn10 das gorduras ocasionado pela falta da enzima glucocerebrosidase. Com isso, surge lipoidose hepatoesplênica, caracterizada por depósito no baço do ceramidoglicose, um cerebrosídio. SINTOMATOLOGIA Exagerada esplenomegalia, leucopenia, gânglios linfáticos enfartados, aumentos dos linfáticos do fígado; tegumentos com pigmentação escura (marrom-ocre) e hemorragias. doença de Gee-Herter Doença celíaca infantil. doença de Graves Hipertireoidismo. doença de Hall Doença conseqüente à ingestão de deternünados peixes que contêm a antivitamina antitian1ina. SINTOMATOLOGIA Rigidez muscular severa (paralisia), febre, esplenomegalia, hepatomegalia e apresentam freqüentemente urina com a coloração semelhante à do café. doença de Hansen Lepra. doença de Hirschsprung Foi descrita por Hirschsprung em 1886. É uma doença congênita mais freqüente no sexo masculino que se caracteriza por uma falta de neurônios intramuraís dos plexos nervosos parassimpáticos, ocorrendo desta forma uma importante obstrução intestinal no período neonatal. SINTOMATOLOGIA distensão abdominal neonatal, vômitos e a não saída do mecônio após 48 horas sem a presença de nenhum fator obstrutivo. doença de inclusão citomegálica Abreviada por DIC, é um processo infeccioso provocado pelo vírus citomegálico do homem, dos símios e de outros animais. Nessa doença, aparece grande aumento de células epiteliais das glândulas salivares e de outros órgãos. Também

surgem corpúsculos de inclusão intranucleares no período neonatal, con1 hepatomegalia, púrpura, trombocitopênica, hepatite, icterícia, retardamento mental e n1icrocefalia. No período pós-natal, caracteriza-se por ser assintomática, podendo ocorrer hepatite ou pneumonia. doença de Kashin-Beck Provocada por deficiência de selênio. doença de Menke Originada pela incapacidade hereditária de absorver o cobre. doença de Minamata Intoxicação pela ingestão de mercúrio, principalmente através de peixes e mariscos contaminados. SINTOMATOLOGIA ataxia, disartria, constrição dos campos visuais, tremores, sudorese, salivação, transtornos mentais e sinais de disfunção extrapiramidal. doença de Picke Tipo precoce de demência senil, originada por atrofia maciça cerebral principalmente dos lobos ten1porais e frontais. A destruição neuronal máxima ocorre principalmente no hipocampo, an1igdala e córtex límbico. doença de precipitinas Referente a complexos imunes, que desenvolvem importante papel en1 patologia. Normalmente, esses complexos imunes são captados e digeridos pelos fagócitos e, se n1uito abundantes, depositam-se nas paredes vasculares, principalmente nas membranas renais. doença de Santo Amâncio Pelagra doença de Santo Avelino Epilepsia. doença de Santo Erasmo Cólica. doença de São Braz An1igdalite. doença de São Fiacre Hemorróida. doença de São Gervásio Reumatismo. doença de São Gil Hanseníase. doença de São Gotardo Ancilostomíase. doença de São Martinho Dipsomania. doença de São Roque Peste bubônica. doença de São Sebastião Peste. doença de São Valentim Epilepsia. doença de São Zacarias Mudez. doença de Still dos adultos Síndrome de Felcy. doença do ar Congestão cerebral, apoplexia. doença do colágeno Grupo de doenças aparentemente dessemelhantes (lúpus eritematoso agudo disseminado, esclerodermia, periarterite nodosa etc.), todas elas apresentando acometimento difuso do colágeno. doença do coração tireóideo Transtorno cardiopático ou sintomatologia cardíaca ligada a alterações das glândulas tireóideas (hipotireoidismo ou mixedema).

77

D

doença do leite

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

doença iatrogênica

doença do leite Tambén1 conhecida con10 tre-

doença funcional Na qual não se constata nenhu-

medeira, se refere a variadas infecções produzidas pela ingestão de leite e seus derivados, contaminados por microorganismos patogênicos. É uma doença aguda que apresenta os sintomas de fraqueza, anorexia, constipação e vômitos. doença do peito Tuberbulose pulmonar, tísica. doença dos caixões Formação de bolhas gasosas de nitrogênio no sangue e os tecidos devido a um retorno rápido da pressão atmosférica elevada para normal. Atinge os indivíduos que trabalham em alta pressão, como os trabalhadores em caixões e túneis e os mergulhadores. SINTOMATOLOGIA Alterações motoras, sensoriais e sensitivas, inconsciência, vertigem e colapso. doença dos mineiros de carvão Antracossilicose. doença do sono Sono mortal produzido pelo protozoário Tripanosoma, desenvolvido no líquido cefalorraquidiano. doença dos papagaios Psitacose, caracterizada por pneun1onia e infecção generalizada. É uma doença infecciosa causada por bactérias que infectam principalmente os psitacídios (p. ex.: papagaios, periquitos, patos, pombos, etc). A via respiratória humana é a porta de entrada da bactéria, que é inspirada juntamente con1 a poeira oriunda de gaiolas ou de locais contaminados por dejetos de animais portadores ou enfermos. doença dos soldadores Siderose; deposição de ferro nos tecidos. doença edematosa do desmame Surgida geralmente no verão e no outono logo após o desmame. SINTOMATOLOGIA Emagrecimento intenso, eden1a, lesões cutâneas, impotência funcional e rápida evolução mortal. Julga-se que sua etiologia esteja ligada à carência protéica. doença enzimática Enzimopatia. doença espontânea De causa não definida. doença esporádica De atuação endêmica ou epidêmica, que atinge o indivíduo temporariamente, isolada ou acidentalmente. doença estacionária De menor ou maior tempo de permanência do que outras, durando um ou mais anos. doença estival Que surge durante o verão. doença exótica Que procede de países ou meios estranhos. doença familiar Que é comum surgir temporária ou permanentemente em membros da mesma família da mesma geração.

n1a causa orgânica definida ou lesão patológica. doença genética Enfermidade hereditária ligada a defeitos metabólicos. doença glicogênica Grupo de doenças hereditárias provocadas pela ausência de uma das enzimas participantes do metabolismo de glicogênio. Devido ao transtorno desse metabolismo, o glicogênio, normal ou não, deposita-se ' em excesso em certos orgaos.

78

-

doença granulomatosa séptica da criança Distúrbio hereditário recessivo relacionado especialmente com o sexo masculino, ocorrendo un1 defeito nos glóbulos brancos que os incapacita de matar certos fungos e bactérias. Sua incidência ocorre no primeiro ano de vida juntamente com infecções, supurações cutâneas, viscerais e ganglionares. Os gânglios linfáticos tendem a intumescer e até a rebentar, o fígado e o baço se hipertrofiam e a criança possiveln1ente terá o seu crescin1ento con1prometido. doença hemolitica auto-imune Variedade de anemia hemoütica adquirida, na qual o processo hen1olítico tem início por meio do anticorpo formado pelo enfermo, que atua contra as próprias hemácias. doença hemorrágica do recém-nascido De fácil sangramento que aparece no período neonatal por falta de vitamina K. doença hereditária Originada desde o princípio da vida intra-uterina; que provém do óvulo ou do espermatozóide. As alterações dos genes podem ser dominantes, recessivas ou ligadas ao sexo. doença homóloga Doença do enxerto contra o hospedeiro (DECH) ou síndrome secundária. Caracterizada pela presença de distúrbios con1un1ente n1ortais ocasionados pela penetração no indivíduo, tornado imunologicamente tolerante ao transplante rico em células competentes (transplante de medula óssea). As manifestações ocorridas são devidas às reações de transplante contra o hospedeiro. As células dos antígenos de histocompatibilidade dos tecidos serão atacadas pelos linfócitos do transplante, que são indefensáveis. S1NTOMATOLOGIA Emagrecimento por infecções, diarréia, hipertrofia do fígado e do baço e atrofia dos órgãos linfóides. doença iatrogênica De origen1 medican1entosa, embora, etimologicamente, signifique causada pelo médico.

doença imunitária

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

doenca sacroilíaca •

doença imunitária En1 que existe desequilíbrio

doença orgânica Que contêm de forma asso-

dos meios naturais de defesa orgânica em razão da deficiência do sistema imunitário ou por sua reação desregulada. doença imunodef icitária Caracterizada por deficiência da imunidade hun1oral ou celular. doença imunogranulomatosa Em que há granulomas em diferentes órgãos (sarcoidose), de etiologia que se julga estar relacionada com desequilíbrios do mecanismo imunitário. doença infecciosa Propagada por agentes e de fácil transmissão e disseminação. doença intercorrente Tida como complicação no decorrer de outra enfermidade. doença interna Localizada no interior de órgão ou tecido.

ciada, perturbações estruturais diagnosticáveis nos órgãos e tecidos. doença (ou febre) Tsutsugamushi Que apresenta dores de cabeça, exanten1a e alta temperatura. Doença que ocorre nas ilhas do Pacífico-sul, Formosa e Japão; causada por Rickettsia Tstustuganushi, que contamina o indivíduo por picada de larvas de acarinos do gênero trombícula. doença (ou síndrome) de Gaisbock Policitemia e hipertensão com ausência de esplenomegalia. doença (ou Síndrome) do Beijo Mononucleose infecciosa. doença periódica De sintomatologia manifestada e agravada em períodos determinados. doença periodontal Enfermidade responsável pela separação dos dentes da gengiva, formando entre eles verdadeiras bolsas, nas quais se localizam as bactérias que provocam inflamação das gengivas (gengivice) e destruição dos tecidos inferiores provocando periodontite. En1 casos avançados, quando não há tratamento, pode sobrevir a piorréia alveolar com posterior queda dos dentes. A dieta não pode ser n1uito branda e rica em glicídios, pois nesse caso o ambiente será favorável à proliferação das bactérias; a utilização de alimentos ricos em fibras é a indicada para evitar o aparecimento de doença periodontal. Alimentos com fibra exercem massagem sobre os dentes e gengivas e evitam o estabelecimento de germes nocivos. As doenças periodontais são as maiores causadoras da queda dos dentes nos indivíduos n1aiores de 45 anos, podendo ocorrer independentemente de cáries dentárias, embora essas possam ajudar no seu aparecimento. A doença periodontal está presente nos casos de escorbuto. doença pestilencial Enfermidade quarentenária como: febre amarela, varíola, cólera, tifo, exantemático, peste e febre recorrente. Todas essas, por serem contagiosas, são passíveis de comun1caçao san1tana. doença profissional Conseqüente à profissão do indivíduo, por influências físicas ou químicas, por intoxicações, contaminações por germes patogênicos etc. doença reumatóide Poliartrice crônica evolutiva. doença ruim De cura difícil (p. ex.: gangrena, tuberculose, câncer etc.). doença sacroilíaca 1 Caracterizada por processo inflan1atório da articulação sacroilíaca 2 Tuberculose crônica da articulação.

doença, intoxicação ou síndrome de radiação 1 Referente aos efeitos da radiação terapêutica 2 Conseqüente à exposição de energia radiante (bomba atômica). Os efeitos da radiação variam. doença latente De diagnóstico obscuro e sen1 sintomatologia definida. doença lisossômica De caráter hereditário, produzida por falta enzimática nos lisossomas. Pela ausência enzimática, a não degradação de certas substâncias favorece seu acúmulo en1 determinados órgãos. doença maligna Moléstia que culmina em morte rapidamente. doença metabólica Ligada à patologia funcional e orgânica relacionada com as atividades do metabolismo. Essas doenças, que podem ser hereditárias ou adquiridas, resultam de falhas enzin1áticas e de anomalias endócrinas ou alimentares. Essas doenças também podem afetar: o equilíbrio glicídico (diabetes); nucleotídico (gota); protéico (amnoacidopatias); lipídico (obesidade) e também o equilíbrio acidobásico, dos minerais, das vitaminas, dos líquidos, iônico etc. doença molecular Conseqüente a defeitos constitucional e hereditário, impossibilitando a síntese de grupamento molecular não enzimático - hemoglobinoses em que fica impedida a forn1ação de hemoglobina normal, mas não a uma molécula patológica en1 seu lugar (hemoglobina S, C). doença nutricional Resultante de processos fisiopatológicos ligados à nutrição do indivíduo. doença operatória Que tem origem durante , ' , . ' , ou apos o ato c1rurg1co por 1nun1eras causas (longas intervenções), com perdas sangüíneas, desequilíbrio humoral e sérias lesões.



,..



I



79

D

doença secundária

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

dupla ligação

doença secundária Doença homóloga. doença simulada Forjada para fugir às obrigações legais.

doença sintomática Dependente de outra doença, com sintomas idênticos. doença sistêmica Que atinge elementos do mesmo tecido ou sistema ( retículo endotelial, conjuntivo e linfóide). soença torporosa Com sintomatologia marcada por profunda sonolência ou estado comatoso. doença tropical Que surge preferentemente em regiões quentes (malária, beribéri, febre reumática, doença do sono etc.). doença urinária do xarope do bordo Doença hereditária metabólica em que ocorre a falta da dedaboxilase dos cecoácidos de cadeia ramificada gerando um acúmulo de proteínas - valina, leucina etc. - na urina. Ela se caracteriza pelo aroma do xarope do bordo na urina da criança logo após o nascimento. Em crianças os sintomas são de vôn1ico, hipertonicidade ressaltada e se ocorrer à falta de tratamento dietético, um recardo mental, ataques e morte. É indispensável o tratamento dietético. dopa Abreviação de 3,4-diidroxifenilalanina, um aminoácido. dopagem Emprego ilícito e nocivo, de motu próprio ou instigado, no indivíduo, de estimulantes ou estupefacientes, para modificar em limitado espaço de tempo, cinética ou potencialmente, a aptidão psicossomática de praticar atividade física. dopamina Aminoácido que, durante a síntese das catecolan1inas, é formado a partir da descarboxilação da dopa. É um produto intermediário na síntese de noradrenalina. dopaoxidase Enzima da pele de importância na pign1encação cutânea; catalisa a oxidação da 3,4-diidroxifenilalanina em n1elanina. dose 1 Quantidade prescrita de medicamento, substância ou de radiação 2 porção de bebida alcoólica tragada de vez (p. ex.: dose de aguardente, de uísque, de gin1 etc.). DPT Difosfociamina. drenagem T racamenco para o escoamento constante de líquidos assépticos ou sépticos formados em cavidades do organismo, ou abscessos, conservando aberta a entrada do dreno ou mecha. droga Sinônimo de fármaco, medicamento; atualmente é usada como sinônimo de substância tóxica. 80

droga anorexígena Medicamentos que reduzem o apetite. São en1pregados nos regimes de emagrecimento, preferencialmente em casos de insucesso na reeducação alimentar e nos exercícios físicos. drogas corticosteróides Linha de n1edicamencos semelhantes aos hormônios corticosteróides naturais, empregados no tratamento de processos inflan1atórios. drops Balas duras, com diversos sabores, envolvidas em papel e acondicionadas em pequenos pacotes. dueto Canal ou tubo destinado a transportar líquidos ou secreções. duloxetina Inibidor potente e balanceado da recaptação da seroconina e da noradrenalina. É um antidepressivo para administração oral indicado para o tratamento do transtorno de depressão maior. duocrinina Hormônio da mucosa intestinal; aun1enta a secreção das glândulas de Brünner. duodenite Inflamação do duodeno. duodeno Primeira parte do intestino delgado, que se inicia no piloro e se estende até o jejuno. Tem essa denominação devido à sua extensão de aproxin1adamence 12 dedos transversos; local onde se abrem os duetos colédoco e pancreático. Muito in1portance nos processos de absorção de nutrientes. Recebe a bile e os sucos pancreáticos que, por sua ação alcalina, neutralizam a acidez do quin10 proveniente do estômago. As glândulas de Brünner, em suas paredes, secretam sucos digesci. . . vos 1ntest1na1s. duodenoenterostomia Aro cirúrgico para a forn1ação de passagem entre o duodeno e outra parte intestinal. duodenoileostomia União cirúrgica entre o duodeno e o íleo. duodenojejunostomia Anascomose entre o duodeno e o jejuno. duodenopancreatectomia Retirada parcial do duodeno,juncan1ence com a cabeça do pâncreas. duodenoscopia inspeção visual direta do duodeno, por meio de endoscopia. duodenostomia Abertura por meio cirúrgico de orifício no duodeno, quando a gascrenterecton1ia é impossível (estenose pilórica). duodenotomia Incisão cirúrgica no duodeno. dupla-ligação Espécie de ligação quín1ica na qual os átomos ligados compartilham dois pares de elétrons.

ECG Abreviação de eletrocardiograma. eclâmpsia Enfermidade que se verifica na segunda metade da gestação, caracterizada por manifestações clínicas que consistem de: hipertensão aguda; eden1a; proteinúria; retenção de sódio e coma. ecologia Escudo das relações recíprocas entre os organismos e o meio físico, químico e biológico em que se desenvolvem. ectoparasita Parasita que vive na parte externa do corpo do hospedeiro. eczema Doença inflamatória da pele, geralmente com causas tóxicas, irritativas ou metab ólicas, caracterizada por vários tipos de lesões, como rubefação, vesículas, formação de crostas, exsudação e descamação. edema Excesso de líquido nos espaços dos tecidos, por transudação dos capilares. Tem como fatores interferentes a pressão osmótica por ação de proteínas (plasmáticas e intersticiais), a pressão dos fluidos dos sistemas veno-arterial e linfático, a permeabilidade do sistema vascular, hormônios, e mecanismos de reabsorção renal de água e de eletrólitos. Esses fatores poden1 ter influência isolada ou conjunta. Em qualquer edema, a maior porção de líquido procede do meio intracelular. Entre os vários tipos de edema estão os seguintes: carencial; da cirrose hepática; da gravidez; da insuficiência cardíaca; das anemias; idiopáticos; mixedemas; por distúrbio do fluxo venoso regional; por per-

meabilidade vascular aumentada; outros tipos ( trófico-neurológico, pré-menstrual etc.). edema angioneurótico Edema de Quincke de causa hereditária ou motivada por infecções, medicamentos ou alergia alimentar e localizado na face, mãos ou vísceras, tem origem neurovegecativa e aparecin1ento súbito. edema cardíaco Provocado por elevação da pressão capilar, venosa ou deficiência cardíaca. edema carencial Produzido por hipoproteinemia, o edema ocorre por falta de proteínas plasn1áticas, cuja presença promove a retenção de líquidos nos vasos ou reabsorção de líquidos extravasados (pressão coloidosmótica). Suas principais causas são: ingestão protéica insuficiente e catabolismo intenso (hipertireoidismo, neoplasias, cortisona); perdas de proteínas pelos rins ou tudo digestivo e síntese inadequada. Outros fatores podem participar da formação de edema. edema da anemia Ocorre quando o hematócrito fica abaixo de 20%; com isso, há vasoconstrição arteriolar e diminuição do fluxo plasmático renal, com conseqüente redução da filtração glomerular. Essa redução favorece o aumento da reabsorção renal de sódio e de água e o surgin1ento do edema. Comumente, a hipoproteinemia e a insuficiência cardíaca são fatores participantes na formação do edema. edema da toxemia gravídica Resultante de endoteliose glomerular que provoca diminuição

edema de fome

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

embrião

E

acentuada da filtração glomerular com elevação da reabsorção de água e de sódio. Aparece nessa toxemia uma vasoconstrição arterial capilar que diminui ainda n1ais a filtração glomerular. edema de fome Surge em pacientes desnutridos ou caquéticos. edema de sal Conseqüência de dieta h ipercloretada. edema gravídico Resultante do aumento de substâncias hormonais da gestante (placentárias e fetais) e que são retentaras de sódio. O aumento da pressão intra-abdominal, em razão do crescimento uterino, determina hipertensão da veia cava inferior e estase venosa nos membros inferiores. edema pulmonar Ocorre, especialmente, na insuficiência cardíaca; os espaços aéreos e o tecido intersticial dos puln1ões são invadidos por grande quantidade de líquido. EDTA Sigla do ácido etilenodian1inotetraacético. EFA Essential fatty acid, ou ácidos graxos essenc1a1s. eicosanóides Hormônios contendo 20 carbonos e resultantes da ação de enzimas sobre ácidos graxos poliinsacurados de 20 carbonos. Compreendem os prostanóides ( ciclooxigenase) e os leucotrienos (lipoxigenase), que são derivados do ácido dihomogama-linolénico e dos ácidos araquidônico e eicosapentanóico. São responsáveis por controlar a liberação de insulina, glucagon, entre outros hormônios, além estar relacionado com a queima de gorduras corporais armazenadas. ejeção Expulsão de excreções de eliminação. elastase Enzima isolada do pâncreas que age sobre a elastina, tornando-a solúvel. elasticidade Qualidade de reaver sua forma ou tamanho original, depois de haver sido estirado, comprimido ou deformado em alguma outra forma. elastina Proteína amarela do tecido conjuntivo, que constitui juntan1ente con1 o colágeno, o indigerível animal. elastinase Enzima que at ua sobre a elastina. elemento Qualquer substância impossível de ser decomposta quimicamente. Só, ou em combinação, faz parte de toda a matéria. elementos traços Minerais de importante ação no organismo onde são encontrados em quantidades diminutas: cádmio, cobalto cobre,

82

cromo, estanho, ferro, flúor, iodo, manganês, n1olibdênio, selênio, silício, vanádio, zinco. eletrocardiógrafo Aparelho que registra, grafican1ente, os impulsos elétricos do ciclo cardíaco. eletrocardiograma Registro gráfico das forças elétricas produzidas pelas contrações das fibras musculares cardíacas. eletroencefalografia Registra a atividade das variações de potencial elétrico que se produzem continuamente no cérebro e as modificações produzidas pelas sensações sensoriais, a atividade mental e/ou algumas situações patológicas, tais como epilepsia, traumatismos, rumores, distúrbios circulatórios etc. eletroencefalograma Traçado gráfico proporcionado pela eletroencefalografia. eletroforese Referente a partículas coloidais, eletricamente carregadas, quando uma corrente passa por solução. Utilizada para a separação analítica de proteínas, em exames de proteínas plasmáticas e para fins de diagnóstico. eletrólise Decomposição de composto químico, por meio de corrente elétrica direta. eletrólitos Todas as substâncias (ácidos, bases ou sais) que, postas em solução aquosa, dissociamse em partículas que conduzen1 eletricidade. Formas ionizadas de uma substância. Principais eletrólitos: sódio; potássio; cloretos. eletronegativo Elemento carregado de eletricidade negativa e com função de atrair elétrons. eletropositivo Elemento con1 carga positiva que libera elétrons. eletrossíntese Síntese química p rovocada por eletricidade. eletrostático Relacionado com a eletricidade estática. eletroterapia Utilização de eletricidade no tratamento de enfermidades. eliminação Processo fisiológico pelo qual o organismo lança para o exterior substâncias que lhe são nocivas ou inúteis. emaciação Emagrecimento; desgaste do corpo. emagrecimento Perda de peso produzida pelo consumo das reservas orgânicas, em conseqüência de uma alimentação insuficiente. No decorrer de convalescenças, por enfermidades crônicas e infecciosas, por perda constitucional de peso, por regime alimentar. embrião Produto de concepção desde o momento da fecundação até o final da 8ª semana depois dela.

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

embriologia enfermidades de nutricão •

embriologia Estudo do desenvolvimento dos se-

endopeptidase Enzin1a hidrolisante de peptídio

res vivos, desde o ovo até sua forma individual. empiema Coleção purulenta, contida em cavidade natural. empírico Conclusão não científica, baseada somente na experiência e nas observações práticas. emulsificar Forn1a de repartir grandes glóbulos em partículas, que se distribuem de maneira uniforme (p. ex.: glóbulos de gordura). emunctório Órgão que elimina dejetos de nutrição. encefalina H ormônio que, ligado a um grupo de pepcídios, imita o efeito dos opiáceos, sendo considerado um opiáceo endógeno assim como a endorfina. Encontra-se no intestino, concentra-se, especialmente, no antro, podendo ser reconhecida também na porção proximal do delgado. FUNÇÕES INTESTINAIS Inibe a motilidade do estômago; inibe a secreção do ácido clorídrico; inibe a bile e a secreção pancreática; inibe a secreção de água; inibe o peristaltismo da vesícula biliar; estimula e tônus do esfíncter de Oddie; estimula a contração do esfíncter pilórico. FUNÇÕES CEREBRAIS Estímulo da analgesia sensitiva pelo naloxone conforme sua localização no cérebro; formação reticular; sistema vagal; substância gelatinosa do tálamo; área pré-cecal; sistema límbico; acua sobre a consciência; influi na tosse e no vômito; atua sobre a dor; age na constrição pupilar; influi no padrão de comportamento. encefalite Inflamação encefálica. encefalopatia Processo patológico cerebral. endaortite Inflamação da íntima aórtica, geralmente ligada à sífilis ou ao reumatismo. endemia Incidência, em certa região, de doença particular, aparecendo constantemente, ou reaparecendo em épocas detern1inadas. endêmico Relativo à endemia. endergônico Reação química que somente ocorre com a adição de energia (calor). endócrino Que secreta substâncias para a corrente sangüínea, sob controle n1etabólico. endocrinologia Especialidade médica dedicada ao estudo e ao tratamento das perturbações glandulares e de seus hormônios. endoenzima Enzima intracelular, retida na célula e não excretada. endógeno Originado dentro do organismo, nas células ou nos tecidos do corpo. endométrio Membrana mucosa formadora de camada íntima do útero.

ligado a aminoácido específico dentro da seqüência e de maneira oposta à da hexopepcidase. endorfina Opiáceo endógeno como a encefalina que se distribui difusamente no céreb ro e na hipófise, com distribuição semelhante à dos receptores para opiáceos. endotélio Epitélio de estrut ura escamosa simples, que reveste vasos sangüíneos, linfáticos e outras cavidades internas. endotérmico Reação quín1ica que ocorre com absorção de calor. endotoxicose Intoxicação p rovocada por endotoxina. endotoxina Toxina endocelular de microorganismo, especialn1ente, de origen1 bacteriana. enema Clister; introdução de líquidos no reto, com finalidade terapêutica, diagnóstica ou nutritiva. energia Capacidade do indivíduo para produzir trabalho. São diversas as formas de energia: química, cinética, calórica, luminosa, nuclear etc. As unidades mais difundidas para definir a energia são: caloria e joule. energia metabólica Referente aos constituintes da dieta, oxidados como fonte energética metabólica: proteínas, glicídios e álcool. enfarte Inchaço, ingurgitamento; erroneamente utilizado como sinônin10 de infarto, processo resultante de necrose isquêmica, de território vascular, em que a irrigação sangüínea se torna deficiente SrN Enfarto. enfermagem Arte de assistir o ser humano atendendo suas exigências básicas de recuperação, por meio da educação e da prevenção de estados mórbidos. enfermeiro Profissional, portador de conhecimentos técnicos relacionados à área de saúde; responsável, sob supervisão médica, pela proteção, reabilitação e manutenção das condições fisiopatológicas do paciente. enfermidade Doença, física ou psíquica. enfermidade celíaca Caracterizada por esteatorréia, por intolerância ao glúten ( semelhante ao espru não tropical). enfermidade de carência Especificamente originada e condicionada, em sua evolução, pela falta de nutrientes. enfermidades de nutrição São aquelas que ocorren1 por n1á realização de qualquer tempo da nutrição (alimentação, metabolismo e excreção).

83

E

enfermidade diverticular do cólon

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

enteropatia

enfermidade diverticular do cólon Corres-

E

ponde a pequenas hérnias da mucosa do cólon, sob forma de saliências arredondadas, de tamanho entre o grão de ervilha e o de avelã. Os divertículos, freqüentes no homem depois dos 35 anos, constituem estados patológicos, cujo conhecimento é imprescindível para que a prescrição dietoterápica possa obter êxito. Na formação diverticular interferem três fatores principais: a segmentação colo; a contração do músculo da parede dos segmentos; a elevação da pressão intracolônica nos segmentos. Segundo a sintomatologia, essa enfermidade diverticular pode ser dividida en1 três síndromes: diverciculose colônica; divercitulite aguda; diverticulite crônica. enfermidade transmissível Qualquer enfermidade devida a agente infeccioso específico ou a seus produtos tóxicos, que se manifesta pela transmissão desse agente ou seus produtos do reservatório ao hóspede anin1al, ou indiretamente, por planta ou animal hospedeiro intermediário, de um vetor ou do ambiente inanimado. enfisema Distensão gasosa por infiltração ou desenvolvin1ento de ar en1 tecidos. enfisema pulmonar Doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) caracterizada por infiltração gasosa do tecido celular pulmonar, associada a alterações destrutivas das paredes dos alvéolos. engasgo Obstrução da entrada do ar, geralmente pela própria língua, por alimentos, ou outros corpos estranhos. engolir Deglutir; passar algo da boca ao estômago. enguia Peixe fisóstomo do grupo das moréias, que apresenta pele coberta por substância viscosa e escorregadia; tem forma parecida com a da serpente e apresenta cor escura. enjôo Náusea, cuja etiologia pode ser aérea, de automóvel (cinetose), de mar (naupatia), de viagem, matutino (gravidez) entre outros. enolase Enzima presente em tecidos musculares que converte o 2-fosfoglicerato a fosfoenolpiruvato. enolismo 1 Enomania 2 Forma de alcoolismo caracterizada pela ingestão exclusiva de vinhos, caracterizado por distúrbios digestivos, hepáticos e nervosos. ensaio biológico Estudo levado a efeito para determinar o valor nutritivo ou a quantidade de

84

um ou mais constituintes de alimento ou dieta, por meio do crescimento ou de outro parâmetro em an1ma1s. enterite Processo inflamatório do trato intestinal, especialmente da mucosa, que pode ser provocado por: excesso de ingestão de alimentos, que ocasiona perturbações motoras do estômago com retenção de alimentos não digeridos completamente no delgado, provocando ação bacteriana e conseqüente irritação da mucosa intestinal com aumento da secreção e da motilidade e formação de diarréia; aquilia gástrica ou pancreática, ou seja, pela incompleta digestão gástrica e intestinal, o mecanismo mencionado se repete; perturbações da absorção intestinal. Pela deficiência de absorção de gordura, por seu acún1ulo, ocorre exagerada acidez do meio na última porção do delgado; com isso, há modificação da flora e con1 maior estímulo da mucosa, a secreção é aumentada. Como a secreção contén1 muitas albun1inas solúveis, elas são facilmente atacadas pela flora. Com esse quadro e com o aumento do peristaltismo intestinal, produz-se a diarréia. enterocinase 1 Enteroquinase 2 Enzima do , . . . ... . suco gastnco que converte o tnsps1nogen10 em tnps1na. enteróclise Lavagem intestinal por meio de clíster. enterocolite Processo inflamatório das mucosas do intestino delgado e, sobretudo no cólon. enterocolostomia Abertura cirúrgica de con1unicação entre o intestino delgado e o cólon (anastomose enterocólica). enteroglucagon Horn1ônio encontrado no íleo e no cólon e que apresenta similaridade, por seus efeitos, ao glucagon, de origem pancreática. Sua secreção é estimulada pela presença de glicose, de triglicérides de cadeia longa, presentes em refeições, de cálcio e inibida por íons de hidrogênio. Em mecanismo competitivo com a secretina, inibe a secreção de água e enzimas pelo pâncreas. Provoca hipomotilidade do intestino e anormal crescimento da mucosa intestinal, favorecendo a absorção. entero-oxintina 1 Hormônio mediador da fase intestinal da secreção de ácidos gástricos, encontrado na mucosa do intestino delgado 2 Liberado pela presença de proteína no intestino, estimula, no estômago, a secreção de HCI. enteropatia Designação genérica de processos intestinais patológicos, dentre os quais destacam-se as enterites e as encerocolites,

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

enterostase eosinofilia

conseqüentes a alterações primárias da digestão gástrica ou intestinal. São produzidas por : superalimentação, transtornos de absorção; influência enzin1ática e aquilia gástrica ou pancreática. Vide ENTERITE. enterostase Estas e intestinal. enterostomia Abertura cirúrgica no intestino, pela parede abdominal. enterotoxina Toxina formada no intestino, específica para as células intestinais da mucosa. enurese Incontinência urinária, sem etiologia orgânica demonstrável, em idade na qual é normal o controle do esfíncter uretral. enxaqueca 1 Migrânea 2 Síndrome manifestada por cefaléia intensa, pulsátil, geraln1ente unilateral, localizada nas regiões orbitária e temporal, associada a náuseas, vômitos, fonofotofobia e, em 10% dos pacientes, a presença de auras. enxofre 1 Elen1ento químico, n1etalóide, sólido, em forma de massa amarelada e quebradiça ou de cristais; seu peso atômico é de 32,06 e o número atômico, 6; pertence ao grupo dos calcogênios (grupo 16) da tabela periódica 2 Está presente em compostos orgânicos específicos e em todas as células do corpo, especialmente na proteína celular, integrando aminoácidos sulfurados (metionina, cisteína e cistina). O homem adulto apresenta 175g de enxofre; pele, unhas, cabelo e tecido conjuntivo contêm elevado teor de enxofre. No organismo, o enxofre ainda se acha integrado: às glicoproteínas (tendões, cartilagens etc.), ao ácido taurocólico (bíle); à insulina, cocarboxilase con1 sulfolípides; à saliva ( sulfocianeto); à mucina e ao glutatião. ABSORÇÃO Os íons sulfatos são absorvidos lentamente no intestino. Essa razão justifica a propriedade purgativa do sulfato de magnésio. ExcREÇÃO O enxofre orgânico é especialmente oxidado a sulfato e eliminado como sulfatos etéreo e inorgânico. Sua eliminação se faz pela urina, em porcentagem de 80 a 90% sob forma orgânica (metabolismo de an1inoácidos sulfurados) e de 5 a 10% como ésteres orgânicos. Pelas fezes, a excreção aproxima-se da quantidade de enxofre inorgânico da dieta. FUNÇÕES Desempenha função p lástica. Por sulfoconjugação, intervén1 na desintoxicação orgânica. É componente dos compostos orgânicos: biotina; tiamina; cistina; cisteína; metionina; ácido lipóico; insulina; heparina; queratina. Tem ação nas oxidações celulares

como constituinte do glutatião. Como sulfatos resultantes so metabolismo de aminoácidos sulfurados, toma parte na desintoxicação de fenóis, indoxilas e outras substâncias eliminadas pela urina. PRINCIPAIS FONTES Alimentos protéicos. DEFICIÊNCIA Em seres humanos, essa deficiência não tem sido convenientemente registrada. enzima Molécula de proteína produzida por células vivas, que aumenta a velocidade de uma reação bioquímica específica, atuando como um catalisador orgânico. São enzin1as con1umente encontradas no trato digestivo: a tripsina, a pepsina, peptidases, lipases e amilases. enzimas atuantes na digestão de glicidios Na boca, intervén1 a alfa-amilase salivar ou ptialina, que é un1a alfal-4 glucosidase; apresenta um pH ótimo de ação de 6, 9 e sua ação é moderada, pela pouca permanência do bolo alimentar na boca. No estômago, praticamente não há digestão de glicídios. A etapa fundamental dessa digestão ocorre no duodeno, por meio da amilase pancreática, isomerase salival, que transforma os polissacarídios en1 glicose, maltose e dextrinas limites. As dissacaridases que atacan1 os diversos dissacarídios (maltase, sacarase, lactase, isomalcose ou oligo 1-6 glucosidase, que digere as dextrinas limites) encontram-se no intestino.

enzimas e processo de reabsorção tubular As enzimas envolvidas neste processo são: adenosina trifosfato; anidrase carbônica; colinesterase; desidrogenase-succínica; fosfa tase ácida; fosfatase alcalina; glicuronidase; leucina-aminop eptidase. enzimas pancreáticas Enzimas liberadas pelo pâncreas que digerem proteínas, carboidratos e gorduras. São elas: aminopeptidase; carboxipeptidase; colagenase; desoxirribonuclease; elastase; nuclease; quimiotripsina; tripsina. enzimólise Alteração de natureza quín1ica, causada por ação enzimática. enzimopatia Estado mórbido en1 que há deficiência ou ausência de enzimas necessárias ao metabolismo normal. enzimopenia Insuficiência ou ausência de enzima sangüínea. eosinofilia Formação e acún1ulo de células eosinofílicas no sangue; aumento, além do normal, do número de eosinófilos por unidade de volume do sangue periférico. Estado de célular que se coram facilmente com a eosina.

85

E

epicilina

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

equivalência

epicilina Penicilina semi-sintética de ação seme-

E

lhante à da amoxicilina. É inativada pelas betalactamases, apresenta atividade sobre germes Gram-positivos e alguns Gram-negativos, e é utilizada por via oral e parenteral. epidemia D esenvolvin1ento, numa coletividade ou região, de doença ou fenômeno patológico que acomete simultaneamente inúmeros indivíduos numa proporção que sobrepassa a incidência considerada normal. epidemiologia Ran10 da n1edicina que estuda os diferentes fatores etiológicos e evolutivos das doenças epidêmicas, com o objetivo de obter meios para o controle e a prevenção. epidemiologista Especialista que cuida das epidenüas grassadas entre as populações. epidural Localizado acima ou fora da dura-máter. epiglote Estrutura fibrocartilaginosa responsável pelo fechamento da glote durante a deglutição. epiglotite Inflamação da epiglote. epilepsia Distúrbio cerebral provocado por intensa descarga neuronal; produz disfunções motora, sensorial ou psíquica, associadas à perda de consciência e convulsões. epilepsia alcoólica Forma epiléptica de etiologia alcoólica. epilepsia insular T ipo de epilepsia caracterizada por mastigação e deglutição associadas a aumento de salivação, de dores na região epigástrica etc. É originada por lesão do córtex da ínsula. epilepsia metabólica Forma de epilepsia freqüente em crianças pequenas e produzida por deficiência no metabolisn10. epinefrina 1 Arenalina 2 Principal hormônio da medula supra-renal; exerce ação simpaticomimética, estin1ulante do metabolismo energético. episisomicina antibiótico aminoglicosídico obtido a partir da sisomicina. Ten1 ação sobre germes Gram-negativos resistentes à gentamicina. episódios de compulsão alimentar Episódios de ingestão de quantidade excessiva de alimentos num curto intervalo de tempo, seguido de sensação de perda de controle sobre o comportamento alimentar. epitélio Tecido forn1ado por células epiteliais, que reveste a pele e as mucosas. Presente na epiderme e revestindo os órgãos ocos e as vias dos sistemas respiratório, geniturinário e digestório. No aparelho digestório, os epitélios são os seguintes: na boca, escamoso estratifi-

86

cado; na faringe, pavimentoso estratificado; no estômago, no delgado e no cólon, cilíndrico simples; no ânus, pavimentoso estratificado. epitelioma Tumor maligno resultante de desordenada proliferação epitelial ( câncer cutâneo ou de mucosa). equilíbrio Igualdade entre forças opostas. equilíbrio ácidobásico Condição de equilíbrio orgânico entre os ácidos e as bases, assegurada por mecanismos fisiológicos como, por exemplo a ação de tampões mantendo constante o pH orgânico. equilíbrio dinâmico Composição, praticamente permanente, da estrutura corporal, embora o organismo sofra transformações de degradação e síntese, ininterruptamente. O organisn10, por meio do equilíbrio dinân1ico, tem possibilidades de reagir aos ataques externos e de recuperar-se com certa facilidade. Nesse equilíbrio dinâmico, as proteínas representam papel de destaque, pois são as que reparam os tecidos gastos, além de construir os tecidos dos seres em crescimento e desenvolvimento ( crianças até o início da idade adulta, gestantes). Os lipídios e glicídios, essencialmente energéticos, também concorrem para esse equilíbrio dinâmico, proporcionando a energia necessária para manutenção do organismo. As proteínas ainda atuam con10 produtoras de energia, nos casos de desnutrição, quando se transformam em glicose (gliconeogênese) para fornecer energia ao organismo sen1 reservas de outra natureza que não sejam os músculos e órgãos. equilíbrio hídrico Ocorre quando há equilíbrio entre a ingestão e a excreção de água. equimose Resultante da contusão superficial que traz rupturas vasculares, mais ou menos intensas. A equimose subcutânea caracterizase por sua cor vermelho-azulada, a seguir esverdeada e, por último, amarelada. equipe de saúde Grupo de profissionais que trabalham unidos visando assegurar ao indivíduo e à coletividade melhores condições de saúde. equipe multiprofissional Equipe de profissionais com diferentes níveis de conhecimentos especializados que, de forma integrada e com objetivos comuns, prestam a assistência de saúde necessária à população. equivalência Relação entre termos ou valores que podem ser substituídos por outros.

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

equivalente eructação

equivalente 1 Peso atômico dividido pela valência 2 Aquilo que tem o mesmo valor, que pode ser substituído. equivalente de niacina Referente à niacina total disponível na dieta, constituída da niacina pré-forn1ada e a produzida metabolicamente do triprofano; 60 mg de triptofano a 1mg de niacina. erepsina Conjunto de enzimas formadas na mucosa intestinal, constituído de peptidases que transformam peptonas e proteoses en1 aminoácidos. eretismo Aumento patológico da irritabilidade nervosa. ergastenia Diminuição de forças, provocada por trabalho excessivo. ergocalcilerol Vitamina D2 proveniente doergosterol. ergocomina Micotoxina originada do Claviceps purpurea. ergógralo Instrumento en1 que se registra o esforço de um músculo, ou de um grupo muscular permitindo, assin1, avaliar as alterações de fadiga ou doença. ergômetro Instrumento que mede o esforço (trabalho) exercido por un1 músculo ou un1 grupo de músculos. ergosterol Esterol presente no centeio espigado, na levedura e na membrana plasmática de certos fungos. É a pró-vitamina D; por irradiação ultravioleta ou ativação por elétrons, pode ser transformada em vitamina D2 (ergocalciferol) . ergotismo Intoxicação aguda ou crônica, por ingestão de farinha contaminada com ergotoxina do fungo do esporão (ergot) de centeio (Claviceps purpurea). Dependendo do tipo e da quantidade de ergotoxinas ingeridas o paciente apresentará desde sintomas n1ais fracos (náuseas e vômitos) à gangrena (devido ao efeito vasoconstritor da toxina) ou convulsão, porém, os últimos episódios desta intoxicação foram relatados a mais de 30 anos. ergotoxina Metabólico produzido por fungos (micotoxina) do gênero Claviceps. eritema D esignação genérica de afecções cutâneas que apresentam como caráter comum rubor em placas, de várias formas e tamanhos devido à vasodilatação, comumente, desaparece a' pressao. eritrócito Célula sangüínea, anucleada, bicôncava, que contem hemoglobina (responsável pelo

transporte de 0 2 e CO2). Também chamada de hemácias e glóbulos vermelhos. eritrocitopoiese (ou eritropoiese) Processo de formação de glóbulos vern1elhos (eritrócitos, hemácias) realizado na medula óssea. eritrocitose Aumento do volume total dos glóbulos vermelhos no sangue devido a um aumento na massa de hemácias (Eritrocitose absoluta) ou a uma diminuição no volume plasmático (Eritrocitose relativa). eritrocupreína (ou citocupreína) Enzima superóxido dismutase, proteína específica de cobre, encontrada em h emácias (eritrócitos) nos hun1anos. eritrolagia Fagocitose dos góbulos vermelhos. eritromicina Antibiótico do grupo dos macrolídios encontrado nos produtos metabólicos de uma cepa de Stretomyces erythreus cujo mecanismo de ação é a inibição da síntese protéica bacteriana. Constituído por três componentes: as eritromicinas A, B e C, sendo A a mais ativa. A partir do conjunto eritron1icina, denominado base, foram obtidos vários ésteres (etilsuccinato, estearato, lactobionato e propionato). Por sua maior solubilidade en1 água, o etilsuccinato e o actobionato são utilizados para injeções: endovenosas e intramusculares, respectivamente. A eritromicina, por ser sensível ao meio ácido gástrico, deve ser protegida por envoltórios solúveis no intestino ou por substâncias tampões, ou pela preparação de sais pouco solúveis. Esse antibiótico atua sobre germes Gram-positivos, cocos Gram-negativos, espiroquetas, actinomicetos, riquétsias e bacilo da coqueluche. A eritronlicina é indicada em infecções em que se aplica a penicilina G, susbtituindo-a por seu fácil uso oral e por não provocar hipersensibilidade, ademais é eficaz nas infecções estafilocócicas resistentes à penicilina G . eritrosina B Tetraiodofluoresceína, corante orgânico, ácido, artificial, vermelho, empregado isoladan1ente ou associado à tartazina e ao Ponceau 4R, en1 doce de goiaba em pasta, destinado a regimes dietéticos. Usado ainda em: proteína de soja texturizada; recheios de biscoitos e similares; pó para mingaus artificiais. eritrúria En1issão de urina vermelha devido a presença de eritrócitos. eructação Expulsão de ar de origem gástrica pela boca, tem como causa principal a aerofagia.

87

E

ervilha

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

esôfago

ervilha Legun1inosa originária da Europa rica

E

em vitan1inas A e C e complexo B, industrializada em forma de conserva ("petit pois"), com frutos colhidos antes de seu amadurecimento e de sementes secas. escatofagia (ou ripofagia) Perversão alimentar de ingerir fezes, especialmente observada em doentes mentais. escatologia (ou cropologia) 1 Estudo científico de análise das fezes, com finalidade diagnóstica 2 Estudo relativo aos aspectos psiquiátrico do excremento e de sua função. escitalopram Inibidor seletivo da recaptação de serotonina (5-HT ), é indicado no tratamento e prevenção da recaída ou recorrência da depressão e no tratamento do transtorno do pânico, com ou sem agorafobia. escleroproteína Proteína simples semelhante à albumina (albuminóide), insolúvel em solventes neutros, componente estrutural dos tecidos córneos e cartilaginosos, presente no cristalino do olho (p. ex.: colágeno e ceratina ou queratina). esclerose Endurecimento patológico de um órgão ou tecido por hipertrofia do tecido conjuntivo estrutural; espessan1ento das túnicas arteriais por proliferação do tecido conjuntivo fibroso e de depósitos de lipídios e de cálcio. esclerose múltipla disseminada Enfermidade inflamatória, progressiva e crônica do sistema nervoso central, no qual ocorrem n1odificações degenerativas (desmielinização) nos nervos atingidos pela esclerose. Os sintomas aparecem habitualmente em jovens adultos, sob a forma de fraqueza, parestesia, ataxia e perda de coordenação motora. Enfern1idade de etiologia desconhecida, mas que pode ser atribuída a anon1alias imunológicas, infecção produzida por un1 vírus latente e mielinólise por enzimas. Alguns estudos indicam que a ingestão de ácidos graxos poliinsaturados reduz o número e a duração dos sintomas. esclerose lateral amiotróf ica Enfermidade de neurônios motor de etiologia desconhecida, sendo caracterizada por fraqueza muscular e atrofia por denervação.Seu quadro progride lentamente, comprometendo finalmente os membros superiores e inferiores juntamente com a musculatura do pescoço e da língua, em alguns casos. O paciente pode manifestar dificuldade para deglutir, engolir a saliva e os alimentos (disfa-

88

gia), apresentar perda de peso, e dificuldade na articulação das palavras (disartria). escoliose Curvatura lateral da coluna vertebral causada por posturas viciosas, insuficiência dos músculos perivertebrais, as malformações vertebrais, ou a desigualdade de comprimento dos membros inferiores. escorbuto Enfermidade carencial por ausência ou deficiência na alimentação de vitan1ina C (ácido ascórbico). S1NTOMATOLOGIA Anemia; estado subfebril; hemorragias múltiplas, especialmente nas gengivas; caquexia progressiva e transtornos gastrointestinais. Nas crianças, afeta o crescin1ento dos ossos, sendo que quando ocorre entre os seis meses e o primeiro ano de idade os sintomas são irritabilidade, diminuição do apetite, incapacidade para aumentar de peso e dor ao realizar movimentos. FONTE: o ácido ascórbico encontra-se em alimentos como citrinos, tomate, morango, espinafres, brócolos, batatas, rim e repolho. escore protéico Processo químico para avaliar e determinar o valor nutricional protéico. esfíncter Músculo (voluntário ou involuntário) que regula o fechamento e a abertura de orifícios do corpo. esf ingolipidose Doença de origem genérica devido a um defeito enzimático que gera uma perturbação no metabolismo dos esfingolipídios que se acumulam em diversos órgãos e tecidos. As principais doenças são: de Gaucher; de Fabry; de Tay-Sachs; de Niemann-Pick; leucodistrofia metacromática. esfingomielinas Fosfolipídios pertencentes aos esfingolipídios resultantes do metabolismo das gorduras, que contêm esfingosina básica, ácidos graxos, ácido fosfórico e colina, porém sen1 glicerol. Encontradas no cérebro, no sistema nervoso, no rim, no fígado e na gema de ovo. Seu acúmulo no organismo caracteriza a doença de Niemann-Pick. esmalte Substância branca e dura ( a mais dura do organismo) que reveste e protege o dente. Se este for lascado, partido, gasto pela erosão ou atacado pela cárie, ele não se reconstitui e expõe a camada subjacente (dentina) que é mais macia e solúvel ficando o dente com mais sensibilidade. esôfago Conduto músculo-membranoso, constituinte do trato-digestivo, limitado entre a faringe e o estômago; situa-se posterior à traquéia e anterior à coluna vertebral, tendo con10

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

esofagite estado de nutrição (ou nutricional)

função transportar o alimento da boca para o estômago através de movimentos de contração ou peristaltismo esolagite Inflan1ação da n1ucosa esofagiana causada, comumente, por refluxo de conteúdo gástrico (esofagite de refluxo) que pode estar associado à obesidade, tabagismo, alcoolismo, além de serem freqüentes em pacientes acamados (favorecido pela posição ao alimentarem-se). esolagostenose Diminuição do calibre do esôfago. espasmo 1 Contração brusca, involuntária e transitória de um músculo, grupo muscular ou até de um feixe isolado; convulsão ou ataque 2 Diminuição súbita e transitória do calibre de um canal ou de un1 orifício. especiarias Substâncias aromáticas comercializadas em pedaços, trituradas ou em pó e destinadas à incrementação do aroma e sabor dos alimentos. espectinomicina 1 Antibiótico aminiciclitol, anteriormente denominado actinospectacina 2 Tem atividade sobre pneumococo, gonococo, Klebsiella, Salmonella e Escherichia coli (em concentrações entre 8 e 64f,Lg/mL), e estafilococo e enterococo ( concentrações entre 125 e 250 f,lg/mL). É apresentada sob forma de diidrocloridrato pentaidratado de espectinomicina, de melhor absorção por via parenteral. espiramicina Antibiótico do grupo macrolídio, produzido por Streptomyces ambofaciens e integrado por três frações: espiran1icina I, II e III que inibem a síntese proteica. Apresenta características e propriedades similares às da ericromicina, porém com menor poder ativo antimicrobiano. Indicada para infecções provocadas por estafilococo, gonococo e pneumococo; também empregada na toxoplasn1ose (associada ou não a sulfas). É absorvida por via oral e eliminada lentamente pela bile e em pequena porção pela urina. espirômetro Instrumento para medir a capacidade respiratória dos puln1ões, consiste de uma peça bucal e de un1 tubo conectado a un1 instrumento de registro que verifica a quantidade de ar que o pulmão consegue reter e quão rapidamente o ar pode ser expirado. esplenomegalia Aumento do tamanho e volume do baço. Muitas doenças podem levar a este aumento (desde cânceres do sangue até infecções crônicas).

espondilartrite Artrite (processo reumático inflamatório) nas articulações da coluna vertebral. espondilartrite anquilosante Artrite evolutiva crônica, de etiologia obscura, que se manifesta em jovens. Há maior comprometimento das articulações sacroilíacas e da coluna vertebral, com fusão e processos de deforn1ação. espondilartrose Artrose (processo reumático crônico não inflamatório) das articulações vertebrais. espondilite Inflamação vertebral causada, geralmente, por um processo infeccioso. esprue Afecção intestinal crônica devido à máabsorção que pode ser de dois tipos: tropical - caracterizada por diarréia com fezes ricas en1 gordura (esteatorréia), abundantes e n1uito persistentes, de origem desconhecida, com alta incidência em populações de zonas tropicais e subtropicais, complicada por sinais de desnutrição e de carência vitamínica, por anemia macrocítica, por atrofia de vilosidades intestinais e inflamação da língua; não-tropical - síndrome de n1á-absorção induzida pelo glúten também chamada de doença celíaca. esputo Substância expulsa pela boca proveniente das vias aéreas quando há algun1a doença destas, pode ser cuspida ou deglutida. Tambén1 conhecida como escarro ou expectoração. esquizofrenia Coajunto de distúrbios mentais psicóticos, despertado depois da adolescência ou início da fase adulta, manifestado repentinamente, caracterizado por: distúrbios do pensamento (dissociação e discordância de funções psíquicas, perda do contato com a realidade, propensão ao alheamento de seu mundo interior, alterações das formações de conceitos), do comportamento (perdas de personalidade), do humor (perturbações afetivas) e de percepção ( delírios, alucinações constantes e demência). essência Ó leo fino e aromático produzido sinteticamente ou extraído de certos vegetais, nos quais se encontra invariável. Como solução alcoólica de un1 óleo essencial, transn1ite seu caráter ou qualidade peculiar. estado de nutrição (ou nutricional) Estado orgânico resultante do funcionamento de cada um dos tempos da nutrição ( utilização dos nutrientes disponíveis), avaliado pelo estudo dos indicadores nutricionais, importante para determinação das condições de saúde, nutrição e de vida de populações.

89

E

estafi lococos

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

esteróides anabólicos

E

estalilococos Gênero de bactérias Gram-posi-

estase Estancamento, parada ou lentidão exces-

tivas, piogênicas por excelência, com forma de cocos, agrupados em massas irregulares ou em cachos de uva, con1 tamanho que varia entre 0,5 a 1 micrômetros de diâmetro. Causam patologias en1 seres hun1anos ( um dos patógenos mais comum do homem) através da produção de toxinas. estaliloquinase Enzima bacteriana, ativadora do plasminogênio. Tem efeito fibrinolítico (dissolve os coágulos de fibrina, que é util, pois se forem grandes podem impedir a multiplicação e invasão pelo Staphylococcus aureus). estanho De símbolo Sn, é também chamado de metal branco, prateado. As informações sobre atividades biológicas do estanho não são inteiramente convincentes e sim aceitáveis, em grande parte, como indícios; sob esse critério, sua intervenção em fenômenos de oxi-redução orgânica, por exemplo, é julgada procedente. O n1áximo permitido nos alin1entos é cerca de 300 mg/kg apesar de concentrações mais elevadas não serem, em geral, prejudiciais. Pode considerar-se o estanho como um elemento não tóxico. No entanto, o composto trialquilo tem propriedades tóxicas devendo o seu n1anuseamento ser feito com bastante cuidado. Acredita-se que a presença de estanho é considerada essencial ao feto. Julga-se exercer atividade em fenômenos biológicos, como por exemplo, em processos de oxi-redução. Alimentos enlatados ou embalados em papéis metalizados com falhas nas embalagens são as principais fontes, no entanto, apenas uma pequena percentagem de estanho passa para os alimentos nos recipientes feitos con1 este elemento. estaquiase Enzima hidrolisante do tetrassacarídio estaquise, presente em secreções digestivas de moluscos e crustáceos con1 produção de frutose e monossacarídio (glicose e duas moléculas de galactose). estaquiose O ligossacarídio (açúcar) não digerível por enzimas digestivas, constituído de uma unidade de frutose, duas de galactose e uma de glicose. É um tetracarbonado, extraído do Stachys tuberífero e de sementes de leguminosas (p. ex.: feijões, soja, tremoços e tubérculos) que quando ingerido é absorvido no intestino grosso após ser metabolizado por bactérias locais produzindo gases (responsáveis por flatulência).

siva do escoamento de líquido (p. ex.: sangue, leite etc.) ou matéria orgânica. estase biliar Estancamento, parada ou lentidão excessiva do fluxo da bile nos capilares e canais biliares, podendo ser devido a litíase, a un1a neoplasia ou qualquer outra enfermidade que comprometa o canal biliar obstruindo-o. estatura Distância medida entre a planta dos pés e o topo da cabeça com o paciente na posição erétil. Juntamente com o peso e a idade é utilizada para avaliar o estado nutricional do paciente (principalmente crianças), pois indicam deficiências que refletem os efeitos cumulativos da desnutrição e infecções desde o nascimento ou até mesmo antes dele. esteapsina Triacilglicerol lípase, enzima hidrolisante de gordura no suco pancreático. esteatorréia Presença abundante de gordura nas fezes em conseqüência de uma má-absorção em decorrência de uma patologia pancreática, por exemplo. estenose Estreitamento patológico de un1 tubo, orifício ou canal (p. ex.: estenose do esôfago). éster Composto de fórmula R'COOR, no qual o R' pode ser um hidrogênio, un1 grupo alquila ou arila e R é um grupo alquila ou arila, mas não hidrogênio. Estão presentes na natureza nas gorduras e óleos vegetais (és teres de glicerol e de ácidos gordos), e artificialmente nos flavorizantes para a produção de balas, pastilhas, doces, refrescos, xaropes, entre outros. estercobilina Pigmento n1arrom, responsável pela coloração das fezes, resultante da degradação da bilirrubina ( oxidação de urobilinogênio ou estercobilinogênio), por bactérias, durante a digestão intestinal. esternutação Ato de espirrar. esteróides Compostos naturais ou artificiais que apresentam núcleo do ciclopentanofenantreno e exercen1 funções bioquímicas importantes no organismo. (p.ex.: colesterol; ácidos biliares; horn1ônios sexuais; adrenocorticais; pró-vitamina D 3; [7-deidrocolesterol), vitan1ina D3; [ergosterol] e vitan1ina D2). esteróides anabólicos Hormônios sintéticos que mimetizam a testosterona (hormônio sexual n1asculino ), estimulantes do crescimento ósseo e muscular, além de produzir efeitos n1asculinizantes (aparecimento das características sexuais secundárias como pêlos no corpo,

90

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

esteróis estomatite angular

barba e voz grossa) no organismo e diminuição de gordura corporal. esteróis Álcoois cristalinos que apresentam de 26 a 30 átomos de carbono, encontrados en1 pequenas porções, na maior parte, de gorduras naturais. São classificados em: zoosteróis (agnosterol, colesterol, prosterol e lanosterol); fitosteróis (brasicasterol, escigmasterol, sitoscerol); micosteróis (produzidos por fungos, leveduras e húmus). estertor Som anormal de origem pulmonar ou das vias aéreas, captado pela ausculta torácica. estigma Marca ou sinal revelador de processo ocorrido, evidência visível de uma doença, marca de vergonha ou descrédito. estímulo Agente físico, biológico ou químico, de origen1 orgânica ou externa, que provoca uma resposta ou uma forma particular de atividade, numa célula, tecido ou outra estutura sensível a este agente, podendo ser capaz de provocar, no organismo, reações nervosas, musculares e humorais, por exen1plo. Há alimentos que, pelo seu conteúdo químico e outras propriedades, exercem atividade estimulante (p. ex.: café) e podem aumentar a secreção e a evacuação gástrica como conseqüência à sua ingestão. estômago 1 Segmento mais dilatado do trato digestivo que liga o esôfago ao intestino delgado (duodeno), localizado no hipocôndrio esquerdo abaixo do diafragma, na região epigáscrica e en1 parte do hipocôndrio direito 2 Órgão dividido em três regiões: uma superior, cárdia; uma média, fundíca; e outra que se estende até a abertura do intestino delgado, piloro 3 Órgão essencialmente digestivo, com função de absorção limitada a determinados nutrientes; exerce importantes ações: motora e secretora. FUNÇÕES Anti-séptica (ação destruidora do ácido clorídrico sobre os microorganismos provenientes de alimentos ingeridos ou da mucosidade nasal); de absorção (função limitada; está circunscrita apenas a algumas substâncias - água, álcool, certos medicamentos e glicose, em quantidades relativan1ente baixas); de reservatório (capaz de conter grandes volumes até dois litros de alimentos); digestiva (consistem em processos mecânicos - trituração, movin1entação e mistura de alin1encos, transporte do bolo alimentar e processos químicos - embebição da massa alimentar, abrandamento da estrutura e de hidrólise dos alimentos, atuação das secreções gástricas contendo enzimas ne-

cessárias para alise dos alimentos); ericropoiética (a mucosa gástrica segrega o fator de Casde - intrínseco, que, juntando-se à vitamina B12 - fator extrínseco, origina o fator antianêmico que estimula, na medula óssea, a formação e a maturação de ericrócicos); excretora (são elin1inados pelo estômago poucos elementos circulantes no sangue, resultantes de ação metabólica, e substâncias com umbral - cloreto de sódio/25% do total orgânico, além de determinados medicamentos); mecânica (por seus movin1entos, o estômago proporciona a mistura dos alimentos entre si e desses com o suco gástrico, favorecendo o transporte do bolo alin1entar para o intestino); motora (o estômago se divide em três setores: região do corpo ou digestória apresenta movimentos fracos e lentos, os alimentos são lentamente impregnados pelo suco gástrico; região do antro ou motriz por meio de contrações, impele o bolo alimentar para o piloro, com a chegada de alimentos, há produção de movimentos peristálcicos, até a evacuação gástrica; região pilórica controla o transporte do quin10 para o duodeno, no período máximo da digestão, acentua o peristaltismo e as variações rítmicas do tônus gástrico); no equilíbrio ácido-básico (ao elaborar suco gástrico, o organismo perde ácidos, assim, en1 casos de vôn1itos intensos, ocorre grande perda de ácidos, ocasionando desequilíbrio do meio interno e conseqüente alcalose); secretora (ocorre graças às glândulas difundidas por toda a extensão da mucosa gástrica que, condicionada a vários estímulos, complementa os demais mecanismos da digestão com a liberação de constituintes químicos e de enzimas, além do mecanismo de autodefesa que se n1anifesta pelo fato de a mucosa não se digerir por si própria, apesar de digerir cercos tipos de mucosas); crófica (relacionada ao fator gástrico protetor dos demais setores do sistema digestivo, como na anemia perniciosa, a mucosa bucal se altera - glossite; essa sintomatologia decorre justamente do referido fator). estomalgia Dor bucal. estomatite Qualquer inflamação de tecidos moles (mucosa) da boca, popularmente conhecida como afta. estomatite angular Fissura localizada superficialmente nos cantos da boca decorrente, em geral, da deficiência de vitamina B 12 (riboflavina).

91

E

estomatologia

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

evolução

E

estomatologia Estudo da anatomia, fisiopatolo-

estrogênio ou estrógeno Horn1ônio sexual se-

gia, higiene e terapêutica dos constituintes da cavidade bucal e sua interação com os processos nutnnvos. estradiol Hormônio estrogênico de origem ovariana, em sua maior parte, atua sobre a função reprodutiva (estimulando os folículos ovarianos a liberar os óvulos, estimula o aumento das contrações musculares das tubas uterinas que empurram o óvulo fertilizado até o útero, leva o útero à reagir à progesterona preparando o órgão para receber o óvulo fertilizado revestindo-o com um endométrico mais espesso), é responsável pela manutenção dos tecidos do organismo, garantindo a elastidade da pele e dos vasos sangüíneos, a reconstituição dos ossos, a proteção de funções cerebrais como a memória, entre outras. estreptococo hemolítico Estreptococos produtores de estreptolisinas que provocam hemólise. São comumente responsáveis por infecções como escarlatina, erisipela, reumatismo articular agudo, endocardite, entre outras. estreptomicina Antibiótico aminoglicosídico, isolado a partir de culturas de Streptomyces griseus, atuante contra vários microorganismos patogênicos como bacilos Gram-negativos (Escherichia colí, Enterobacter, Klebsiella e outros), alguns cocos Gram-positivos (Streptococcus viridans, foecallis e pyogens). Tem indicação nas septicemias e endocardites bacterianas provocadas pelo Streptococcus viridans e enterococo. Sua mais eficiente prescrição é no combate à tuberculose em suas várias formas clínicas. A estreptomicina também é empregada na brucelose e na peste. estreptoquinase Enzima proteolítica, elaborada por estreptococos hen1olíticos ( estreptolisina). Empregada na liquefação de empiemas (pus na cavidade pleural) e na remoção de coágulos de fibrina. estresse Estado reacional de organismo submetido a esámulos adversos capazes de romper a homeostase do organismo, con1 diferentes impactos físicos, psíquicos e nutricionais. Culminando, assim, no disparo de um processo de adaptação caracterizado pelo aumento de adrenalina no organismo gerando uma série de alterações sistêmicas. estriol Hormônio estrogênico produzido pela placenta, cristalino, encontrado na urina de gestantes.

cretado pelo ovário (principalmente), placenta, glândula adrenal e pelas células intersticiais do testículo. É responsável pelas características femininas (crescimento dos órgãos genitais femininos, estratificação da n1ucosa vaginal, menstruação, desenvolvimento dos seios e distribuição do tecido adiposo no organismo) . estrona Hormônio estrogênico, mais atenuado que o estradiol, produzido pela placenta e pelas células adiposas.

92

estrongiloidose, estrongilose ou estrongiloidíase Infecção intestinal, originada pela contan1inação do Strongyloides stercoralis. estudo cego T ipo de estudo em que somente o paciente não tem a informação se está utilizando o agente ativo pesquisado ou placebo. estudo duplo-cego Tipo de pesquisa clínica comparativa que permite a avaliação dos desvios experimentais quando se utiliza a parte ativa ou o placebo, ou duas qualidades diferentes de substâncias, evitando que o pesquisador e o paciente saibam quando isso está sendo feito. etiologia Parte da medicina que visa ao estudo das causas da enfermidade. etofibrato Medican1ento derivado, assim como os outros fibratos, do ácido fíbrico, que provoca redução acentuada nas VLDL circulantes, reduzindo, conseqüentemente, os níveis de triglicérides e, moderadamente, os níveis de LDL. Além disso, aumenta cerca de 10% os níveis de HDL. eugenia Ciência que visa ao estudo e ao aperfeiçoamento (físico e moral) da espécie humana. Tornou-se uma forma de segregação e racismo ao discriminar con10 inferiores os portadores de deficiências. Esta ciência serviu e serve de embasamento para ideologias político-sociais que pregam a esterilização e a castração de pessoas portadoras de quaisquer anomalias, anorn1alidades, diferenças físicas, étnicas, culturais e/ ou lingüísticas. eutrofia Nutrição normal; estado nutricional adequado. evacuação gástrica Eliminação do conteúdo gástrico, normalmente, para o duodeno, mas pode ocorrer a evacuação gástrica para o esôfago (vômito) . A quantidade e a qualidade dos alimentos influem sobre a evacuação gástrica. evolução Progressão de acontecin1entos, esta.do, condição ou forn1a. Desenvolvimento de órgão, ser ou grupo de seres organizados.

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

exacerbação exsudato

exacerbação Recrudescimento (agravan1ento)

exoenzimas Enzimas liberadas pela célula e que

das manifestações de uma doença ou dos seus . . . s1na1s e sintomas. exame Clínico Conjunto de procedin1entos de investigação ou pesquisa com objetivo de diagnóstico; composto pela anamnese, exame físico e exames complementares (laboratoriais, radiológico, entre outros). exame clínico nutricional Exame direto dopaciente cujo objetivo final é determinar o balanço total do seu estado nutricional. exame de urina Exame laboratorial em que se faz a pesquisa da urina e seus sedimentos para verificar a presença de elementos anormais. exame físico Parte do exame clínico realizado através dos métodos físicos como a inspeção, a palpação, a percussão e a auscultação. excipientes Substância inerte utilizada como diluente, veículo ou para dar forma de pílula a princípios ativos utilizados na elaboração de produtos farmacêuticos, visando à sua melhor administração e absorção. excreção Elin1inação dos p rodutos finais do metabolismo dos elementos de origem exógena ( nutrientes, fármacos) e dos elementos endógenos (resíduos orgânicos) pelos canais excretores. Alguns órgãos excretores e suas excreções são os seguintes: tubo digestivo - fezes; pulmões - dióxido de carbono e vapor de água; figado bile; rins - urina; glândulas sudoríparas - suor; glândulas sebáceas - secreção sebácea. excreção de água Eliminação de água do organisn10 cujas principais vias são as seguintes: pulmões - vapor de água pelo ar expirado; pele - sudorese e perspiração; rins - urina; intestinos - fezes. excreção renal Principal mecanismo de excreção hun1ano, que inclui as seguintes etapas: filtração glomerular, difusão tubular simples e secreção tubular ativa. exergônico Reação química em que há perda calórica (liberação de energia). exócrino Referente à secreção de uma glândula (p. ex.: glândula salivar, pâncreas) que a elimina por n1eio de canal excretor que se abren1 internamente ( exceto na corrente sangüínea) ou externamente.

catalisam reações no meio extracelular (p. ex.: enzimas digestivas). exoftalmia Saliência ou propulsão dos globos oculares de modo a exteriorizá-los. Sintoma característico em hipertireoidisn10, em tumores no olho e em tumores na órbita ocular. exógeno Que foi produzido ou desenvolvido externo ao organisn10. exonuclease Enzima removedora do nucleotídio terminal (da extremidade) de um polinucleotídio (DNA e RNA, principalmente). exopeptidase Enzima removedora do aminoácido terminal (rompe pontes peptídicas no fim de suas cadeias) de um polipeptídio. exostose Saliência de natureza benigna, formada na superfície de ossos longos, geralmente resultante de processos inflamatórios crônicos (oesteoartrite), traumatisn10 ou malformação congênita. exotérmico Reação quínüca efetuada com perda de calor (que desprende calor). exotoxina Toxina (proteínas solúveis) elaborada por bactérias para dentro de outro meio onde vive (meio de cultura ou hospedeiro), provocando muitas vezes doença (funciona como agente inflamatório). expectoração Expulsão pela boca de secreções acumuladas nas vias respiratórias por meio de tosse. Os tipos de expectoração são os seguintes: serosa que é espumosa e aerada (asma bronquial); mucosa que é constituída de muco, aderente e apresenta cor amarelada; purulenta que tem cor amarelo-esverdeada e odor fétido; mucopurulenta que é a combinação de muco e secreção purulenta; sanguinolenta que é a expectoração acompanhada de sangue. Para diagnóstico e tratamento é necessário fazer: exame físico (quantidade, cor, odor, aspecto) da secreção; exame bacteriológico, para a identificação de germes; e exame citológico que permite observar células neoplásicas. exsudato Material líquido ou semilíquido constituído por alto teor protéico e restos celulares (pus) que, na inflan1ação, passa do sangue (através da parede dos vasos) para os tecidos, espaços adjacentes ou qualquer cavidade.

93

E

fácies 1 Expressão característica geral do rosto do paciente, onde se espelhan1 sinais sugestivos de determinadas doenças ou situações clínicas 2 Designa a face em sua estrutura anatômica e/ ou indica a superfície de detern1inadas partes do corpo, como ossos e vísceras. FAD Vide FLAVINA ADENOSINA DINUCLEÓTIDE. fadiga 1 Cansaço gerado como reação normal ao exercício, porém en1 situações patológicas pode ser extremo, acompanhado de falta de energia e com redução de funcionamento do organismo (sensação lassitude, sonolência ou irritabilidade) mesmo quando resultante de esforços menores. A patológica pode ser constante ou episódica, dependendo da causa ( doenças emocionais e psicológicas, doenças malignas, infecções crônicas síndron1e de fadiga pósviral, hipóxia tecidual, doenças do tecido conjuntivo, distúrbios endócrinos e metabólicos, desnutrição e subnutrição, dor crônica, fraqueza muscular, intoxicação crônica por drogas e síndron1e de abstinência a drogas) 2 Redução funcional conseqüente de longa e intensa atividade de um órgão ou aparelho. fadismo Grande consumo de fígado de mamíferos levando ao aumento dos níveis de vitamina A no organismo. fagócito Célula capaz de englobar, no seu protoplasma, partículas sólidas, principalmente microorganismos. Tais células pertencem ao sistema reticulo endotelial (fixas) e aos leucócitos do sangue circulante (móveis).

fagocitólise Dissolução ou destruição de fagóCitos.

fagocitose Ação de englobar partículas ou outras substâncias estranhas no protoplasma pelos fagócitos, com auxílio de pseudópodes. fagofobia ou sitofobia Aversão e medo mórbido, irracional, desproporcional e persistente de engolir, de se alimentar, de alimento ou de ser comido (antropofagia). fagomania Transtorno da conduta alimentar, caracterizada por fome insaciável (mania mórbida por alimento) e preocupação excessiva por questões gastronômicas. Ver BULIMIA. fagoterapia tratan1ento de doenças pela alimentação ou superalin1entação. FAO 1 Food and Agriculture Organizacion of United Nations (Organização da Agricultura e Alimentos das Nações Unidas) 2 Organização que desenvolve un1 trabalho com o propósito de auxiliar os países em desenvolvimento na produção de alimentos en1 quantidade e qualidade adequadas para suas respectivas populações, assim, trabalha para erradicar a fome no mundo atuando como fórum neutro onde nações se encontram como iguais e negociam políticas e acordos; é também fonte de conhecin1ento e informação. faringe Canal músculo-membranoso comum aos sistemas digestivo e respiratório e se comunica, superiormente, com a boca e as fossas nasais. Estende-se da base do crânio à altura da borda inferior da cartilagem cricóide,

farinha

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

fator Atwater

F

continuando pelo esôfago (para onde se dirige os alimentos ingeridos), posteriormente, e pela laringe (para onde se dirige o ar inspirado), mais anteriorn1ente. Divide-se em três partes: superior (nasofaringe ou rinofaringe); média (orofaringe ou faringe bucal); inferior (hipofaringe, laringofaringe ou faringe esofagiana). Atua como vestíbulo por onde passam o ar, o alin1ento e a voz. farinha 1 Pó resultante da trituração de cereais moídos 2 Matéria-prima mais importante para a produção de massas alimentícias. farinha de aveia Produto obtido da moagem da aveia, livre de sua envoltura. farinha de batata Produto resultante da moagen1 fina de batata dessecada. farinha de mandioca Produto à base de mandioca, lavada, ralada e ligeiramente torrada. farinha de milho Produto flocado de n1ilho. farinha de rosca Produto obtido pela pulverização de pão torrado (farinha fina ou grossa). farinha de trigo Produto resultante da moagem do grão de trigo. A produção dos diversos tipos dessa farinha e a especificidade de seu emprego decorrem da variedade do grão utilizado, da presença ou ausência e quantidade de alguns de seus componentes. farinha láctea Farinha mista à base de leite desidratado enriquecida com cereais, vitaminas e ferro. farinha muHimistura Mistura de alimentos típicos de cada região criada pela Pastoral da Criança para conter a desnutrição em crianças. Os nutrientes dos alimentos mais comuns usados para fazer a mulcimistura são: farinha de trigo, de aveia, de milho (fubá) e de outros cereais - rica em amido, gordura e proteína; sementes - ricas em gordura, proteína, vitaminas e minerais; farelos de trigo e de arroz - rícos em vitaminas, ferro, cálcio, zinco e fibras; folhas verde-escuras - ricas em vican1ina A, ferro, cálcio, e outros nutrientes; casca de ovo - rica em cálcio. farmacocinética Relação entre a administração de um fármaco, o tempo de sua distribuição e a magnitude da concentração alcançada em diferences partes do corpo. farmacologia Ciência que estuda os medicamentos sob todos os aspectos (estrutura química, utilização, efeitos benéficos e adversos, entre outros). farofa Produto à base de farinha misturada com outros alimentos.

96

fascíola hepática Parasita filiado à fan1ília Fasciolidae, sendo bastante comum em áreas de criação de ovelhas. Pode contaminar o homem, pela ingestão de água ou de vegetais crus, portadores de sua forma larval. fasciolopsíase Enterite causa por Fasciolopsis buski causando diarréia, dor abdominal, edema generalizado e eosinofilia. fasciolose Apesar de rara no homem, a fasciolose tem sido detectada em inúmeros países. Mesn10 sendo hospedeiro acidental da fascíola hepática, o homem pode sofrer diversas lesões localizadas no parênquima do fígado e nas vias biliares. fase aguda 1 Período após a infecção, no qual se evidencian1 os sintomas ou não de um estado mórbido 2 Início ou fase rápida de um estágio, desenvolvimento ou alteração. fase crônica 1 Período que se segue à fase aguda, caracterizado pela atenuação dos sintomas clínicos e certa adaptação do enfern10 à doença 2 Fase estável ou lenta de um estágio, desenvolvin1ento ou alteração. fator 1 Substância, fato, condição, elemento que influi no desencadeamento ou desenvolvimento de reação, de enfermidade ou de qualquer fenôn1eno 2 Vitamina ou outro elemento essencial. fator antidermatite de ratos Vide P1R1oox1NA. fator antiescorbútico Substância que protege contra o escorbuto (doença decorrente da carência de vican1ina C) . fator antiesterilidade Substância que induz n1aior fertilidade e, portanto, é desfavorável à esterilidade. Vide VITAMINA E. fator antipernicioso Substância que influi na produção e correto funcionan1ento dos glóbulos vermelhos (hemácias) (p. ex.: piridoxina, a vitan1ina B12 e ácido fólico ). fator anti-raquítico Substância que influi na ocorrência do raquitismo protegendo o organismo. Vide VITAMINA D. fator Atwater 1 Representa a quantidade de energia transformada no organisn10 pela quantidade de proteínas, lipídios ou carboidratos absorvidos e oxidados 2 Fator obtido por meio do calorímetro de bomba de Atwacer, o qual fornece os seguintes valores: 4 kcal para carboidratos, 9 kcal para lipídios e 4 kcal para proteínas 3 Utilizado para determinar, em calorias, o valor energético total n1édio de alimentos, após eliminação de nitrogênio, na digestão e na urina.

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

fator bifidus fator de correção dos alimentos

fator hifidus Fator encontrado no leite (lactulose) e que produz, no intesino, o crescimento de Lactobacilos bifidus que protege o trato gastrointestinal contra bactérias patogênicas evitando, assim, diarréias. fator citrovorum 1 Forma ativada do ácido fólico 2 Designação do fator de crescimento da espécie bacteriana Leuconostoc citrovorum 3 Integrante do complexo B estreitamente relacionado ou similar ao ácido folínico 4 Presente no fígado e em vegetais verdes. fator de coagulação Todo fator sangüíneo ou plasmático que favorece a coagulação do sangue acuando, em algum momento, en1 sua complexa cascata. De acordo com a nomenclatura oficial, reconhecem-se 12 fatores designados pela numeração romana de I a XII. fator de conversão de nitrogênio Fator que corresponde a 6,25, o qual, multiplicado pelo conteúdo em nitrogênio ( teor de nitrogênio), fornecerá o valor das proteínas de um alimento ( teor protéico de alimentos) avaliado pelo método de Kjedahl. Esse valor ( 6,25) leva em consideração que as proteínas contenhan1 16% de nitrogênio em média, assim, quando o conteúdo de nitrogênio de un1 alimento for diferente de 16% é necessário calcular o fator de conversão específico para aquele alimento, obtido por uma regra de três simples: x g N - 100 g proteínas n g N - y g proteínas (fator de conversão de N) fator de correção dos alimentos 1 Corresponde à quantidade de resíduos (partes nãocomestíveis) retirados dos alimentos de origem vegetal ou anin1al. Os resíduos podem ser : 1.1 de separação obrigatória Porções impróprias para consumo con10 alin1ento que se encontram deterioradas, com seus valores organoléticos prejudicados; com excessiva consistência (não abrandadas pelos meios de cocção); 1.2 de separação facultativa Porções que, embora possam ser aproveitáveis na alimentação, são eliminadas por conveniência culinária, visando aos melhores aspectos e sabor da preparação. As manobras de limpeza de alimentos poderão operar modificações de sua composição química e perdas parciais de seu valor econômico; 1.3 modificações químicas Ocorrem quando da supressão de pedaços (cascas, por exen1plo) de frutas e outros vegetais, em que, de preferência, localizam-se vitaminas e minerais. Os

cereais também perdem minerais e vitaminas, principaln1ente do complexo B, quando ingeridos sem a película envoltória situada embaixo da casca celulósica. No caso de vegetais, por exemplo, as perdas podem tornar-se menores, quando eles são cozidos com casca e descascados somente após a cocção; 1.4 perdas econômicas Relacionam-se com o valor da compra do alin1ento, que corresponde ao seu peso bruto diminuído pela eliminação de suas partes inaprovetáveis. O "peso bruto" corresponde ao "preço de compra"; enquanto o "peso bruto" representa o "custo aparenté' (pela retirada de resíduos), o "peso líquido" é o seu "custo real" [Por exemplo: 1 kg de alimento (peso bruto), custando 10 reais (custo aparente), com aretirada de 20% de resíduos, pesará 800 g, que equivalerão a 1 quilo, que custará 10 reais (custo real). Pelo exposto, vê-se que um quilo de alimento diminuído de 20% de resíduos representa 800 g, con1 custo real de 10 reais (preço de 1 quilo).] Para a operação de compra, devem ser considerados o peso bruto e o custo aparente. No cálculo, para a realização da alimentação, devem ser considerados o peso líquido e o custo real. A observação desse detalhe é de grande importância, principalmente no caso da alimentação em colégios etc., pois só assin1 garante-se que cada comensal receba dos diversos alimentos componentes da refeição as quantidades exatas nela prevista 2 determinação do fator de correção (FC ) O FC vem a ser o quociente da divisão do "peso bruto" (PB) pelo "peso líquido" (PL), representado pela fórmula PB/ PL. (Por exemplo: uma coletividade de 1.000 comensais, para os quais estejam previstos 200 g de carne. Adquirindo-se a carne somente na quantidade totalizada na prescrição (200 g x 1.000 pessoas = 200 quilos), ela não será suficiente para todos os comensais, porque nos 200 quilos de carne adquirida haverá partes não aproveitáveis, constituídas de ossos, tendões, sebo etc., o que diminuirá consideravelmente a quantidade disponível para o consumo. Por isso, calcula-se o fator de correção correspondente a cada un1 dos alimentos, dividindo os respectivos pesos brutos pelos valores dos pesos líquidos. Suponha que, no caso da carne, depois de limpa e subdividida, ela acusou um desperdício de 40 quilos, ficando, pois, reduzida a 160 quilos de porção aproveitável; assim, seu fator de correção será de 200:

97

F

fator de crescimento

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

fatores que interferem no regime alimentar

F

160 = 1,25. Logo, para cumprir a prescrição de 200 g de carne por comensal, deve-se comprar não mais 200 g x 1.000 = 200 kg, e sim, 200 g x 1.000 x 1,25 = 250 kg]. Registre-se que o fator de correção não é uma constante para cada alimento; ele sofre variações; porque os alimentos, ainda que dos mesmos tipo e espécie, também passam por modificações quanto ao peso, volun1e, proporções de componentes etc. De acordo com a matemática, o quociente de uma divisão será sempre variável quando um dos elementos particípantes da operação também o for; no caso do estabelecimento do fator de correção (quociente), se o numerador é fixo e conhecido (peso bruto), o denominador (peso líquido) não o é. Por isso, para cada alimento, o FC deve ser calculado sempre que se utiliza o alimento e somente no final de uma série considerável de verificações tomase como FC normal, embora não definitivo, a média aritn1ética de todas as verificações efetuadas. Praticamente em todos os países existem quadros indicativos dos fatores de correção relativos aos diferentes alimentos neles consumidos, calculados exatamente segundo as considerações expostas. fator de crescimento Substância, geralmente polipeptídio, que ao se ligar com receptores na superfície celular induzem a proliferação desta. fator de fertilidade Conjunto de genes de DNA extracromossomal identificado em Escherichia coli que confere à bactéria a habilidade de funcionar como célula doadora na conjugação (tranferêncía de D NA intercelular). fator de lactobacillus casei Fator importante no desenvolvimento do Lactobacillus Casei. Vide ÁCIDO FÓLICO. fator de maturação eritrocitário Substância de origem hepática, que favorece a maturação de hemácias. Se aceita que seja a vitamina B12 ou a associação desta con1 fator intrínseco. fator de necrose tumoral Citocina pró-inflamatória mulcifuncional, com efeitos no n1etabolismo lipídico, na coagulação, na resistência insulínica, e na função endotelial. Está relacionado in vitro e in vivo com a morte de células tumorais. fator de proteína animal Vitamina B12. fator de risco Condição biológica, psicossocial ou biopsicossocial que influi na probabilidade de ocorrência de uma enfermidade dependendo da sua presença ou ausência em um paciente.

98

fatores de desencadeamento Substâncias polipeptídicas forn1adas no hipotálamo, estimulantes da secreção de hormônios hipofisários. fatores de influência dos alimentos São aqueles que podem interferir no valor nutritivo do alin1ento e, conseqüentemente, em seu aproveitamento orgânico: cultivo e criação; colheita e n1atança; escolha; compra; preparo; distribuição.

fatores de influência sobre o gasto calórico

e

O VCT 1.1 individuais Sexo, idade, altura, peso atual, peso teórico, n1omentos biológicos e raça. 1.2 do meio ambiente Ar livre ou confinado, diferentes latitudes e períodos estacionais. 1.3 climáticos Interferem no estado do indivíduo exigindo maior ou menor número de calorias diante de itempéries e umidade. 1.4 temperatura Com temperaturas extremas (frio ou calor), o gasto calórico se eleva; com excessivo calor, as perdas salinas e de água ocorrem acentuadamente, principalmente com o aumento de esforço físico. 1.5 sociais T ipos de trabalho e outras atividades. fatores de Rubner Empregados para determinar, em calorias, o teor de energia em alimentos, depois da dedução de perdas de nitrogênio por urina, n1as não a absorção incompleta. Protídios e glicídios: 4,1; lipídios: 9,3. fatores que inteferem na absorção Acloridria; doenças biliares (icterícia obstrutiva); aceleração do trânsito intestinal e redução da superfície de absorção (ressecções); tratamento com vaselina líquida, absorventes coloidais; interações; deficiências vitan1ínicas. fatores que interferem na ingestão Baixo poder econômico; falta de alimentos por ocorrências ocasionais (p. ex.: catástrofes, secas, guerras, enchentes etc.); causas persistentes (p. ex.: terras não aptas etc.); anorexia; enfern1Ídades (p. ex.: infecciosas, mulcicarenciais vitamínicas, insuficiência cardíaca congestiva etc.); transtornos gastrointestinais (p. ex.: gastroenterites, gastroenterites agudas, diarréias, úlcera péptica, lesões obstrutivas do tubo digestivo, afecções vesiculares etc.); gestação; perturbações prin1árias da absorção; dietas carenciais; alergia alimentar; problen1as mastigatórios.

fatores que interferem no regime alimentar Em várias circunstâncias, os regimes alimentares podem sofrer influências de maior ou n1enor grau de in1portância, capazes de prejudicar a alimentação do indivíduo. Essas in-

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

fator extrínseco (ou antianêmico) fator W

terferências são resultantes da inobservância de normas ligadas à ministração de alin1entos, marcada pelo não atendimento das características desses, critérios incorretos de sua utilização, de seu comportamento no meio orgânico e especialmente da participação incorreta do indivíduo, mantendo-se alheio, por ignorância, desinteresse ou má informação, das regras exigidas para o êxito do processo alimentar. Os principais fatores que podem interferir no regime alimentar do indivíduo sadio ou enfermo dizen1 respeito: aos hábitos alin1entares; à educação nutricional; à inadequação alin1entar; à indicação e ao preparo dos alimentos; aos erros alimentares; às condições econômicas; ao estado nutricional. fator extrínseco (ou antianêmico) Vide v1TAMINA B12.

fator fator fator fator

I Fibrinogênio. li Protrombina. Ili Tron1boplastina tecidual.

intrínseco (ou de Castle) Mucoproteína

secretada pelo estômago (células fúndicas) junto com o suco gástrico que pern1ite a absorção da vitamina B12 (fator extrínseco) e ligada à esta forma o fator antianêmico ( anemia perniciosa). fator IV Cálcio enquanto elemento necessário à coagulação. fator IX Fator de coagulação, anti-hemofílico B, encontrado no plasma normal, porém deficiente em indivíduos com hemofilia B. fator liberador de corticotropina É o maior estimulador da secreção hipofisária de Hormônio Adrenocorcicotrófico (ACTH) em humanos. O fator liberador de corcicocropina é um importante neurotransmissor e mediador da resposta neuroendócrina, cardiovascular, autonômica e imunológica, desempenhando assim um papel fundamental na resposta adaptativa e comportan1ental que ocorre durante períodos de estresse. O fator liberador de corticotropina e seus receptores ( tipos 1 e 2) estão difusamente distribuídos em todo o sistema nervoso central (SNC) e, em menor proporção, em tecidos periféricos. fator limitante protéico As proteínas, de acordo con1 seu teor em aminoácidos essenciais, são classificadas em completas e incompletas. As completas, de maneira geral, integram os alin1entos de origem anin1al, e as incomple-

tas, com algumas exceções, fazem parte dos alimentos de origem vegetal. Essa deficiência em aminoácidos essenciais das proteínas representa o fator lin1itante, e o anlinoácido ausente é chamado de aminoácido limitante. A proteína completa, tomada como referência, é a do ovo que contém aminoácidos essenciais suficientes e apresenta muito boa digestibilidade e alto valor biológico. A lisina, aminoácido essencial, é o fator limitante dos cereais em geral. Assim, no arroz, no milho e no trigo a lisina é fator limitante primário e são fatores secundários, no arroz, a treonina e, no milho, o triprofano. O fator limitante primário nas leguminosas é a n1etionina. Há proteínas anin1ais como a carne e o leite que apresentam como fator lin1itante os seguintes aminoácidos: na carne, a valina como primário e o triprofano con10 secundário e no leite, os sulfurados como primários e a treonina como secundário. A ingestão simultânea de duas proteínas, cada uma com um aminoácido limitante diference, completa a deficiência que existe separadamente em cada uma delas. fator lipossolúvel EVide vITAMINA E. fator lipossolúvel D Vide v1TAM1NA D. fator lipotrópico Substância que diminui a concentração de gordura no fígado, ou reduz a área do fígado gorduroso. Esse fator é representado pelo aminoácido colina, compostos capazes de produzir colina, metionina e inosicol. fator PP Vide NrACINA. fator RH Antígeno constituinte do sangue, por conta do qual ocorrem acidentes hemolíticos, quando de transfusões de sangue e da eritroplascose fecal. fator V Fator de coagulação existente no plasma também conhecido como proacelerina. A deficiência desta leva a uma rara tendência hemorrágica hereditária chamada de para-hemofilia ou hipoproacelerinemia. fator VII Fator de coagulação, proconvertina, existente no plasn1a normal que acelera a conversão de protrombina em tron1bina na presença de fator III, IV e V. Encontra-se deficiente no sangue dos portadores de enfermidade hemorrágica hereditária. fator VIII Fator de coagulação, anti-hemoôlico A, encontrado no plasma normal, porém deficiente no sangue de indivíduos com hemofilia A. fator W Biotina.

99

F

fator X

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

febre tifóide

fator X Fator de coagulação conhecido como pro-

F

trombase ou protrombinase encontrado no plasma normal, porém deficiente no sangue de indivíduos portadores de distúrbios hemorrágicos. fator XI Fator de coagulação existente no plasma norn1al, porém deficiente em indivíduos com distúrbios hemorrágicos hereditários. fator XII Fator de coagulação existente no plasma normal, o qual a deficiência hereditária leva ao prolongamento do tempo de coagulação e não à tendência hemorrágica. fator XIII Fator de coagulação existente no plasma sangüíneo e que, sob ação cálcica, provoca formação de coágulo de fibrina de elevada insolubilidade (estabilizador de trombina). fator Y Piridoxina. fava Semente de certas leguminosas. favismo Anemia hemolítica aguda causada por alto consumo de favas (Vicia faba ), n1uito utilizadas em papas para crianças do sul da Itália, ou pela inalação de seu pólen. FDA 1 Food and Drugs Administration (Administração de Alimentos e Fárn1acos dos EUA) 2 Responsável en1 proteger a saúde pública garantindo que medicamentos, produtos biológicos, equipamentos médicos, cosméticos e produtos que emitem radiação de uso humano e veterinário sejam seguros e eficazes. O FDA é responsável pelo desenvolvimento de novas tecnologias, tornar medicamentos e alimentos mais eficientes, seguros e disponíveis. Também é responsável em disponibilizar informações cientificamente comprovadas à população em geral. febre 1 Síndrome em que ocorre aumento acima de 36,5°C da temperatura corporal, associado à aceleração do pulso e da respiração, secura lingual, oligúria e, às vezes, delírio, quando a temperatura ultrapassa 39°C 2 Causada por pirogênicos que são secretados por bactérias ou liberados no tecido em degeneração. Então, pode ser resultado de infecções, lesões teciduais, processos inflamatórios, neoplasias malignas. TIPOS contínua: temperatura permanente, acima de 37°C, com oscilações diárias, menores de 1°C; intermitente: hipertermia cíclica interrompida por um período de temperatura normal; pode ser uma febre que aparece de manhã e não aparece à tarde ou un1 dia com febre e o outro não; remitente: temperatura mantida sempre acima de 37°C; alterações diárias maiores de 1°C; recorrente: alternância 100

de temperatura, que aumenta durante dois dias ou mais, baixando, depois, a cerca de 37°C. febre alimentar Provocada pela ingestão e absorção de certos alin1entos. febre de Malta Vide BRUCELOSE. febre de sal Provocada em lactente, por ingestão inadequada e retenção de cloreto de sódio. Essa presença salina mobiliza certa quantidade de água que é desviada de sua função de regulação térmica. febre de sede Elevação térmica intensa e transitória em recén1-nascidos (geralmente em época de calor), de três a quatro dias, que está ligada à absorção insuficiente de água. febre do feno Produzida por antígenos existentes no pólen e difundidos pelo ar, ocorre sen1pre na prin1avera, quando ocorre a polinização. SINTOMATOLOGIA Espirros, coriza, lacrin1ejamento e prurido ocular e ligeiros aumentos de temperatura. febre dos pântanos Ocorre en1 casos de leptospirose. febre intermitente Surtos febris intercalados por temperatura normal; malária. febre ondulante Vide BRucELosE. febre paratifóide Infecção produzida pela Salmonella paratyphii. É de menor benignidade do que o tifo, mas o tempo de incubação dessa infecção é mais longo que o da febre tifóide. O quadro clínico e as lesões paraóficas são bastante semelhantes aos produzidos pela febre tifóide. febre puerperal Infecção endon1etrial e septicemia, depois do parto. febre Q Infecção aguda provocada pela Coxiella burnetii, pelo contato com material contaminado, por inalação e por consumo de leite infectado. febre recorrente Ocasionada por espiroquetas do gênero Borre/ia, que contaminam o indivíduo por meio de insetos. febre remitente Febre de tipo paroxística, com crises de remissões e exacerbações, sem interrupções. febre reumática Elevação térmica que representa seqüela de infecções por estreptococos beta-hemolíticos (grupo A). SINTOMATOLOGIA Processos inflamatórios focais no tecido conjuntivo (principalmente no sisten1a cardiovascular), exantema cutâneo e artrites. febre tifóide Infecção causada pela ação da Salmonella typhii. O tifo, como essa febre é comumente denominada, é uma infecção aguda; o microorganismo, após sua penetração no organismo e, depois de seu tempo de incubação, multiplica-se

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

febrícula fermentacão •

na mucosa intestinal. Essa salmonela, depois de atingir a circulação sangüínea, atinge o fígado, o baço e a medula. Clinicamente, a sintomatologia da febre cifóide abrange: cefaléia, febre alta e contínua, transtornos nervosos, tosse, toxemia, anomalia do pulso, distúrbios intestinais e, também, a erupção de manchas rosadas lenticulares. A contaminação humana pela Salmonella typhii pode ser verificada pelo consumo de água, de leite e de vegetais crus. febrícula Febre pouco elevada e é passageira. febrífugo Agente que diminui a febre; antipirético (antitérmico). fecalito Coprólito, formação endurecida, originada da mistura de fezes e de sais de cálcio levando a concentração de fezes nos intestinos. fecaloma Acúmulo de matérias fecais ressecadas formadas no intestino, em caso de retenção fecal prolongada. fecalúria Presença de matéria fecal na urina. fécula Farinha de cereais; geraln1ente recebe o nome do cereal. feijão 1 Leguminosa de várias espécies 2 Fruto do Phaseolus vulgaris 3 Amplamente integrada na alimentação e comercializada após sua secagem. femproporex Droga da família das anfetaminas que agem no centro da fome inibindo-o, é um potente anorexígeno utilizado no tratamento psicofarmacológico da obesidade. fenilalanina Aminoácido essencial e cetogenético. Faz parte da maioria dos protídios, menos das protaminas. Como elemento básico dos anéis benzênicos para a biossíntese, é indispensável aos processos biológicos. Sua administração en1 doses generosas pode con1pensar déficits de tirosina. Produzindo tirosina através da reação catalisada pela fenilalaninahidroxilase, participa da síntese da tiroxina, da adrenalina e da melanina. fenilcetonúria Doença hereditária, causada pela incapacidade de metabolização da fenilalanina. PREPARADOS POBRES A fenilalanina deve ser evitada na enfermidade denonunada fenilcetonúria, que é provocada por erro inato do mecabolisn10. Essa doença é herdada pela criança cujos pais são portadores do gene e transmitida como caráter autossômico recessivo provocando um dismetabolismo na fenilalanina. O defeito é devido à falta da enzima fenilalanina-hidroxilase, que inicia o metabolismo da fenilalanina convertendo-a em tirosina. A cirosina é aprovei-

cada em parte para a síntese protéica e o restante converte-se em n1elanina (pigmento dos cabelos e da pele) por ação da enzima cirosinase. Na ausência da fenilalanina-hidroxilase, a fenilalanina não inicia seu metabolismo e continua circulando no sangue, no qual aumenta muito sua concentração. Seu mecabolisn10 torna-se anormal e os produtos resultantes (ácido fenilacético ), ácidofenilpirúvico, ácido fenilático, ácido 0hidroxifenilacético provavelmente vão provocar perturbações no cérebro, na biossíntese dos lipídios. A falta de tirosina, que origina a melanina, provoca o albinismo (pele muito branca e fina, cabelos despigmentados e olhos azuis) por falta de pigmentação. A fenilalanina acun1ulada no sangue e o ácido fenilacético ou fenilpirúvico são eliminados pela urina provocando a fenilceconúria. O odor de rato encontrado no suor é devido a presença de ácido fenilacético, isso ocorre quando o paciente não é tratado A restrição de fenilalanina é in1posta nessa enfermidade, mas não pode ser muito grave, pois ela é necessária à síntese protéica e sua deficiência provoca retardo de crescimento, QI abaixo de 70 na infância, sonolência, desleixo completo pode culminar com a n1orte. A dieta na fenilcetonúria é feita quase que à custa de vegetais e frutas que contêm pouca fenilalanina, cereais e derivados, manteiga, óleos, de acordo com tabelas especiais. Há preparados feitos especialmente para esse tipo de dieta. Entre eles, o mais conhecido é o Lofenac obtido do hidrolisado de caseína, que se torna praticamente isento de fenilalanina, adicionado de glicídios, gorduras, alguns minerais e vitaminas. Para cobrir a quantidade essencial de fenilalanina necessária à criança lactente, são adicionadas pequenas quantidades de proteínas. A dieta sem a fenilalanina e com tirosina faz os níveis sangüíneos ficarem próximos do normal, evitando o retardamento mental. fenol ibrato Medicamento derivado do ácido fíbrico, utilizado, após fracasso da terapêutica com dieta, para reduzir os níveis altos de colesterol cocal, LDL, criglicérides cocais e criglicérides ricos em lipoproteína, que podem estar aumentados em indivíduos obesos. fenolúria Presença de fenóis na urina. fermentação Decomposição enzimática de hidratos de carbono resultando em aldeídos e ácidos. Essa fern1entação pode ser alcoólica, ácida, amonical, butírica, láctea.

101

F

fermento

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

ferro

fermento 1 Massa ou farinha sem sal, deixada

F

a azedar e que, posta em contato com massa de pão, provoca sua fermentação 2 Q ualquer agente que determina a fern1entação de uma substância (levedura), que se alimenta de açúcar, produzindo álcool e CO 2 (g) 3 Agente catalítico; agente orgânico que determina a fermentação de uma substância. 4 Utilizado para o preparo de n1assas fermentadas (p. ex.: pães, pizzas, bolos, croissant etc.). férrico 1 Ferro sob forma bivalente 2 Íon do ferro oxidado 3 Contém o íon férrico ou o ferro com valência 3 ( Fe3+ ). ferritina 1 Complexo ferro-proteína; uma das formas em que o ferro é armazenado nos tecidos; em certos aspectos, sen1elhante à hen1ossiderina 2 Proteína da maior importância no armazenamento de ferro, normalmente aparece em pequenas quantidades no soro. [Em adultos sadios, os níveis séricos de ferritina são diretamente relacionados à quantidade de ferro disponível armazenado no corpo e pode ser medida com precisão por radioin1unoensaio ]. ferro 1 Metal de cor cinza ou branco-prateada, flexível, maleável, de peso atômico 55,84 e número atômico 26 2 Metal de n1aior difusào na natureza, não superado apenas pelo alumínio 3 Apesar de sua reduzida presença no organismo, desempenha nele função de alta relevância biológica. A proporção de ferro orgânico é de 35 a 60 mg por quilo de peso corporal; que se localiza na hemoglobina (3,5%), nos citocromos e em diversas enzimas (0,02% do ferro total). Os eritrócitos (principalmente os maduros) contêm grande concentração férrica por se encontraren1 no sangue, em número de 20 mil bilhões e serem constit uídos de hemoglobina que, pela soma do Fe que apresentam, elevam bastante o nível desse mineral. O Fe plasmático circula unido à betaproteína. No fígado, o Fe se deposita em forma de ferritina (15%), em certos tecidos, como hemossiderina e, no sistema transportador sangüíneo, como transferrina. O organismo mobiliza o Fede suas formas de reserva, como, por exemplo, a ferritina. O maior volume orgânico de ferro disponível origina-se da destruição de hemácias, material utilizado para a produção de novos eritrócitos. ABSORÇÃO: na n1aior parte dos alimentos, o ferro se apresenta sob forma férrica (hidróxido férrico ou composto orgânico férrico), isto é, de ferro trivalente. Em meio ácido, os com-

102

postos férricos são desdobrados em íons férricos livres. Tanto o ácido clorídrico quanto os ácidos dos alimentos participam dessa reação. As substâncias redutoras dos alin1entos, grupo sulfidril das proteínas e o ácido ascórbico transformam o íon férrico em ferroso que, sob essa forma, é solúvel e facilmente absorvido. Sendo absorvido como ferroso, converte-se novamente em férrico, quando penetra na célula da mucosa e se une à apoferritina (proteína) que lhe serve de transporte. Em geral, o ferro de origem animal é absorvido n1ais facilmente e em maior extensão que o de vegetais. O ferro da circulação é originado, em sua maior parte, da degradação da hemoglobina e em un1a pequena parte do ferro absorvido. Na dieta norn1al, são ingeridos de 10 a 20 mg, diarian1ente e, dessa cota, apenas 10% são absorvidos. A absorção de ferro dos alimentos é feita em maior quantidade pelos lactentes e crianças do que pelos adultos. Quando se trata de crianças com deficiência férrica, a retirada de ferro dos alimentos se faz em dobro, comparativamente com as crianças normais. A absorção de ferro também aumenta nos casos de anemia perniciosa e na hipoplásica. ExCREÇÃO No homen1, a excreção de ferro é de cerca de 1 mg e, na mulher, de 1 a 2 mg pela urina, perspiração e fluxo n1enstrual. A eliminação por fezes corresponde ao ferro não absorvido da dieta. A excreção de ferro tambén1 pode ocorrer por outras vias (urina, suor, fluxo menstrual e secreção láctea). FUNÇÕES Exerce importante ação como componente da hemoglobina, mioglobina e de células teciduais. Constituinte de certas enzimas como a citocromo oxidase e catalases. Integra o sistema enzimático do citocromo intracelular, que opera na produção de energia. Parece ser, na vida materno-fetal, elen1ento de defesa contra infecções (Widmer). PRINCIPAIS FONTES Melaço espesso, melado, melaço diluído, passas, açúcar mascavo, mexilhão cozido, cacau em pó, an1eixa seca, carnes, peixes, aves, ovos, n1iúdos, cereais, leguminosas e tubérculos. REQUERIMENTOS Determinados em miligramas. Lactentes (até 12 meses): lmg/kg/dia; crianças (de 1 a 8 anos) : 10 mg/dia; homens (de 9 a 13 anos) : 5,9 n1g/dia; (de 14 a 18 anos): 7,7 mg/ dia; (de 19 anos para mais): 6 mg/dia; mulheres (de 9 a 13 anos): 5,7 mg/dia; (de 14 a 18 anos) : 7,9 mg/dia; (de 19 a 50 anos): 8,1 mg/ dia; (com mais de 51 anos): 6 mg/dia; gestantes:

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

ferropexia fibra natural

como, normalmente, a coca de ferro da gestante não pode ser obtida pelo conteúdo de ferro das dietas comuns, recomenda-se dose suplementar; (gestantes de 14 a 18 anos): 23 mg/ dia; (gestantes de 19 a 50 anos): 22 mg/dia; nutrizes: os requerimentos geralmente são os mesmos da mulher normal, mas aconselha-se a mesma suplementação da gestante nos dois a três meses após o parto, para restabelecimento dos estoques n1aternos de ferro]. DEFICIÊNCIA Caracterizada por anemia freqüente em crianças, pré-escolares, adolescentes e gestantes; a anemia é do tipo hipocrômica microcícica. A deficiência pode ser resultante de ingestão inadequada de ferro, por falta de absorção, como nos distúrbios gastrointestinais (diarréia, acloridria, esteatorréia) e perda excessiva de sangue. FERRO NO ORGANISMO Esse nutriente é encontrado no organismo como ferro hemínico citocromo (p. ex.: hemoglobina, mioglobulina, peroxidase, cacalase); e não hemínico (p. ex.: hemossiderina, ferritina; ou hen1ossiderina, enzimas flavínicas da respiração, formas de depósito, formas de transporte). ferropexia Fixação do ferro no organismo. ferroprivo 1 Do latim ferrum ( = ferro) + privere ( = privar) 2 Provocado por falta de ferro. ferro reduzido Ferro metálico, finamente dividido e obtido pela redução do óxido de ferro. Nessa forma, o ferro é misturado a alimentos, como, por exemplo, o pão. ferroso 1 Ferro em forma divalente 2 Íon do ferro reduzido 3 Contém o íon ferroso ou o ferro com valência 2 ( Fe2+ ). feto Produto de concepção depois do terceiro mês de vida intra-uterina, até o nascimento. fetologia Ciência que escuda o feto. fezes Conteúdo intestinal constituído, basicamente, de resíduos de alimentos não absorvidos principalmente bactérias mortas e de secreções do aparelho gastrointestinal e seus anexos. Nas doenças pode ter alterações na forma e aspecto das fezes. Poden1 ser sanguinolentas, mucosas, líquidas. fezes alcatronosas Fezes de cor e consistência de alcatrão, resultantes de hen1orragia intestinal, de presença de ferro, bismuto e determinados n1edicamentos. fibra 1 Indigerível vegetal 2 As solúveis diminuem o colesterol sangüíneo, o da dieta e os ácidos biliares, além de esvaziaren1 o estômago lentamente, atenuando o aumento de glicse e

a diminuição da secreção de insulina; as fibras insolúveis são benéficas na função do cólon. Os alimentos com as fibras solúveis são: feijão, aveia, ervilha, maçã e morango; já os alin1entos com fibras insolúveis são: cereais, pão integral, couve, cenoura. fibra dietética Referente ao material filamentoso dos alimentos, corresponde às estruturas celulares das paredes vegetais comestíveis, resistentes à hidrólise enzimática no intestino e atacada parcialmente pelos sucos digestivos. As fibras dietéticas são polímeros complexos de alto peso molecular, constituído de dois grupos químicos: com estrutura de polissacarídios vegetais (celulose, hemicelulose e pectina); sem essa estrutura (ligninas, gomas e n1ucílagos). As gomas e mucílagos são parte da fibra dietética, porém não se encontram na membrana celular e sim dentro das células e dos espaços intracelulares. Por sua qualidade higroscópica, são empregadas como laxantes intestinais (por sua ação mecânica por aun1ento de volun1e da massa intestinal). Também são incluídas entre as fibras dietéticas cercas substâncias indigerí. . . . veis como as ceras, cunnas, caninos, saponinas, esceróis vegetais, ácido fítico etc. O principal desempenho da fibra dietética é devido às suas propriedades de: reter água; absorsão de substâncias orgânicas; pron1over intercâmbio caciônico, possibilitando a uniãoda fibra com metais. O tratamento diecocerápico por meio da fibra dietética é aplicado nas seguintes enfermidades: câncer de cólon, diverticulites, litíase biliar, apendicite, hérnia de hiato, hemorróidas, acerosclerose, doença isquêmica cardíaca e diabetes. fibra natural Produto à base de farelo de trigo, de grande importância na dieta, por participar na formação do bolo fecal, facilitando a sua eliminação. A redução da fibra na alimentação poderá originar constipação, câncer intestinal, doenças diverticulares ou diverticulice, apendicite, coledocolitíase, hemorróidas, obesidade etc. Quimican1ente, as fibras são classificadas como polissacarídios de plantas, não contendo amido (substâncias celulósicas e hemicelulósicas), mas contendo lignina (material lenhoso não pertencente aos carboidratos). Esses elementos diferem em suas propriedades físicas e químicas e abrangem: celulose, hemicelulose, gomas, alginatos e mucilagens (de estrutura fibrosa) e pectina (não

103

F

fibrina

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

fígado

F

fibrosa). A celulose, a hemicelulose e a lignina retêm água, mas não se dissolvem nela; as outras substâncias solúveis na água formam géis viscosos. Há alin1encos, con10 os cereais (p. ex.: farelo de trigo), que apresentam grande teor de lignina e de outras fibras insolúveis; as leguminosas, entretanto, têm alta taxa de gomas. As fibras insolúveis favorecem as funções do cólon, e as solúveis e viscosas beneficiam a absorção intestinal. Os efeitos da dieta de fibra são vantajosos na prevenção da constipação, principal causa de hemorróidas. Essa dieta também reduz a concentração de substâncias tóxicas, muitas vezes carcinogênicas, quando em contato com as paredes intestinais. Previne, ainda, a doença divercicular do cólon, pela redução da pressão no interior do intestino. Normaliza o tempo do trânsito intestinal; as fibras mais viscosas recardam o trânsito no intestino delgado. As fibras reduzem a taxa de colesterol e de criglicérides sangüíneos, pela sua união com ácidos biliares; as fibras mais ativas são a peccina e algumas gomas de cercas leguminosas. fibrina Proteína fibrosa e insolúvel, resultante da con1binação do fibrinogênio por meio da ação da crombina convertendo-o a monômeros de fibrina. Esses monômeros agregam-se esponcanean1ente formando procofibrilas. Como o fator XIII agrega as fibrilas para solidificar o coágulo, pode-se afirn1ar que a fibrina é a base do coágulo sangüíneo. fibrina-polimerase Vide FATOR x1n. fibrinase Vide FATOR x1u. fibrinogênio 1 Globulina encontrada no plasma e en1 cransudações serosas; (fator I) origina-se no fígado e é convertido em fibrina durante a coagulação; portanto é o precursor solúvel da fibrina. Em razão de a fibrina ser necessária para a formação de coágulos, a deficiência de fibrinogênio pode ser traduzir desordens de sangramenco de caráter leve a grave. A deficiência de fibrinogênio pode prolongar o tempo de cromboplastina parcial ativado (TTPA), tempo de protrombina (TP) e tempo de crombina 2 Um dos principais mediadores da agregação plaquetária. fibrinólise Fibrina ou coágulo sangüíneo dissolvido por enzimas e que transforma a fibrina em partículas solúveis. Portanto, são os fatores anticoagulantes do sangue que surgem alguns dias após o coágulo ter sido formado.

104

fibrinolisina Enzima que digere fibrina. Age de forma seletiva nos tecidos desvitalizados fibróides Excrescências não cancerosas do útero, constituídas de tecidos muscular e fibroso. fibroma Tumor de caráter benigno constituído de tecido conjuntivo e de tecido muscular liso. Ten1 incidência de 25% ao redor dos 35 anos. fibrose Aumento de tecido conjuntivo fibroso, de forma desorganizada. fibrose cística Distúrbio metabólico congênito, en1 que ocorren1 transtornos de glândulas exócrinas; e deficiência de enzimas pancreáticas que prejudica a digestão e a absorção de alimentos. fibrose hepática O aumento, em nível hepático, do tecido conjuntivo fibroso. ficina Enzima proceolícica obtida a partir do látex do Ficus sp. fígado É a maior glândula do corpo humano, pesando 1600g no adulto, situada abaixo do diafragma, à direita do estômago, que a recobre em parte. Apresenta un1a face superior lisa e outra face inferior e côncava; esta possui três sulcos que dividen1 a parte hepática inferior em quatro lobos: direito, esquerdo, quadrado e lobo caudado. Na parte mediana da face inferior do órgão encontra-se o hilo, pelo qual penetram as artérias hepáticas e saem as veias e o canal hepático. Na superfície inferior do fígado, acha-se a fossa cística, na qual se aloja a vesícula biliar. A grande importância dessa glândula consiste nas nun1erosas funções orgânicas que desempenha, principaln1ente as que se referem a processos de natureza metabólica. Como alimento, constitui excelente fonte de nutrientes, principalmente de ferro e de vitaminas A e D. De todas as vísceras animais, é a mais consumida sob várias preparações culinárias. FuNÇÕES metabólicas: metabolismo dos glicídios, dos lipídios, dos procídios, das substâncias nitrogenadas não protéicas, vitamínico; de armazenamento: exerce atividades de armazenamento de nutrientes (protídios, lipídios, glicogênio, vitaminas e minerais), liberando-os para o sangue, segundo as necessidades; exócrina: bile e seus conjugados; conjugação: exerce atividades importantes de transformações de substâncias ( transforma a bilirrubina, hormônios esteróides etc.); destoxificação: cumpre fundan1ental papel na eliminação ou neutralização de substâncias tóxicas ocorridas no organismo, por mecanismos de redução, oxidação e

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

filária fitase

conjugação; endócrina: função de formação de hormônios ou precursores destes; sistema reticuloendotelial: células de Von Kupffer. Função de fagocitar microorganismos e substâncias estranhas, interferir no metabolismo da bilirrubina, capt ar hemácias etc. INFILTRAÇÃO GORDUROSA: o flgado gorduroso é conseqüência da ação de substâncias hepatotóxicas e da falta de grupos n1etil en1 alimentos da dieta. O quadro mórbido é agravado por alimentação rica em lipídios. filá ria Nematódeo cilíndrico e alongado pertencente à família Filariodea e produtor da filariose. Tem uma capacidade de colocar n1ilhares de ovos de uma só vez. Suas formas adultas são encontradas na corrente sangüínea, nos linfáticos, nas cavidades serosas e nos tecidos conjuntivos do hospedeiro. As larvas, que transitam pelo sangue e espaços linfáticos, após várias metamorfoses emigram para o probóscis como formas infestantes. finalidade do regime dietoterápico A mais importante finalidade desse regime é a de curar ou minorar as sinton1atologias das enfermidades da nutrição; restaurar as funções orgânicas alteradas e restabelecer a norn1alidade nutritiva quando modificada; regularizar os balanços (retenção de substâncias); corrigir os dismetabolismos (diabetes, xantomatose etc.); recuperar os desvios de excreção (insuficiencia renal); reparar os depósitos anormais (edemas, obesidade); atender com prioridade, na existência de síndromes concomitantes, aos quadros clínicos e síndron1es de maior importância. finalidade do regime normal As principais finalidades do regime normal são: assegurar os requerimentos orgânicos do indivíduo, segundo a sua idade, sexo, atividade física e os seus momentos biológicos; conservar a composição química dos humores e tecidos da economia e com isso o normal funcionamento dos órgãos e aparelhos; garantir, ao longo das gerações, as características biológicas dos indivíduos e da espécie; manter a normalidade das funções fisiológicas da gestação, da lactância e do crescimento; permitir ao indivíduo a sensação de bem-estar que o estimula à atividade; estabelecer a viabilidade de execução do regime, diante das restrições de ordem econômica e dos hábitos alimentares. fisiatria Especialidade médica com finalidade diagnóstica, terapêutica e preventiva, por meio

de agentes físicos ( água, calor, eletricidade, luz) e aparelhos n1ecânicos. Ten1 como principal objetivo o tratamento global do paciente portador de coagulopatia atuando tanto na prevenção quanto na reabilitação especifica com a aj uda da fisioterapia e ortopedia. fisiologia 1 Estudo das atividades dos seres vivos e de suas partes 2 Parte da biologia que tem con10 objetivo o estudo das funções normais dos diferentes órgãos e aparelhos e das transformações que ocorrem por todo o corpo durante as suas atividades. fisiopatologia Estudo das funções do organismo, dos órgãos e de suas alterações por enfermidades. fisiopatologia da nutrição Informa sobre o funcionamento normal das funções orgânicas ligadas à alimentação e à nutrição e suas alterações pelas enfermidades. fisiopatológico Referente às funções alteradas por doenças. fisiose Distensão abdominal por gases no aparelho digestivo; flatulência, ou seja, excesso de gases e meteorismos no aparelho gastrointestinal. fisioterapia Processo terapêutico desenvolvido por meios físicos ( calor, massagens, eletricidade etc.). fisostigmina Droga bloqueadora do colapso da acetilcolina. É então um anticolinesterásico. fístula Comunicação congênita ou acidental com duas superfícies, ou de uma víscera ou outra estrutura oca, e o exterior, podendo dar passagem a líquido fisiológico ou patológico. fístula anal Conduto localizado entre a parte anorretal e o tecido conjuntivo em volta do reto ou que se abre para o exterior. fístula esofagiana Comunicação anormal congênita entre o esôfago e a parte da pele, por meio de abertura externa ou interna, situada entre o esôfago e um órgão ou víscera. fístula fecal Abertura comumente no íleo ou no cólon, ligando o intestino, por meio da parede abdon1inal, com a pele. fitase Enzima fosfatase que converte fitato em inositol e ácido fosfórico, encontrada no fígado, sangue, malte, fern1ento e sementes. O fitato é um poderoso fator anti-nutricional que diminui significamente a disponibilidade de nutrientes para os monogástricos. A enzima fitase pode ser adicionada nas dietas para liberar os nutrientes ligados ao fitato, aumentando a disponibilidade de fósforo para o animal. A

105

F

fitoestrogênio

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

fluorose

F

adição de fitase nas dietas das aves e suínos reduz a excreção de fósforo nas fezes em 20 a 30% e aumenta a disponibilidade de outros nutrientes, tais con10 n1inerais (cálcio, zinco e cobre), proteínas, aminoácidos e energia, reduzindo as excreções e, consequentemente, a contaminação an1biental com estes resíduos. fitoestrogênio Complexo vegetal com função similar à do estrogênio, porém con1 função n1ais fraca. São encontrados em alguns alimentos como ervilha, frutas, feijão e grãos integrais. fitófago Que ingere vegetais; vegetariano. flatulência Formação de gases, em excesso, no estômago e intestinos. Pode ser voluntário ou não. Flavina Adenina Dinucleótide (FAD) Constituída de riboflavinas, unidas por duas moléculas de fosfato, e ribose e adenina. É coenzima na oxidação celular. É sintetizado através de reação que transfere AMP para FMN. Flavina Mononucleótide (FMN) Derivada da riboflavina. Grupo prostético na cadeia respiratória e em outras enzin1as de oxidação. É formado por fosforilação ATP-dependente. flavonóide Substância proveniente da flavona. Seus derivados ( citrina, hesperidina, rucina, hesperitina, quercitrina e quercitina), em derivados casos, reduzem a fragilidade capilar. Os flavonóides são antioxidantes, antiinflamatórios, anticancerígenos. flavoproteínas Grupo de enzimas que acuam no metabolisn10 dos glicídios, lipídios e proteínas. Pertencem a esse grupo as riboflavina que são metabolicamente ativas a FMN e FDA. São indispensáveis para o crescimento normal e manutenção dos tecidos.Encontrase nos seguintes alimentos: leite,vegetais verdes e vísceras. flebite 1 Inflan1ação das veias 2 Inflamação da parede venosa com formação de trombose ou tromboflebice. flegmão (ou Fleimão) Inflamação purulenta do tecido conjuntivo subcutâneo que conduz à ulceração e ao abscesso. flúor Metalóide gasoso, halogênico, de peso atômico 19 e número atômico 9. Seus sais e fluoretos previnem a cárie dentária, por seu efeito protetor sobre o esmalte. O flúor é microelemento essencial, que apresenta correlações com o zinco e o iodo. É componente normal de ossos e dentes; cerca de 96% de fluoreto se acha nos ossos; o esmalte tem elevado teor do mineral. O conteúdo de flúor nos tecidos é ge-

106

ralmence reduzido, e permanece sem aumento com o decorrer da idade. No sangue, a taxa é de 0,2 ppm; o plasma apresenta 0,1 a 0,2 ppm, taxa que se eleva após sua n1aior ingestão. Tem sido assinalada relação biológica entre o flúor e o magnésio, sem que esteja, contudo, esclarecido o seu mecanismo. O flúor é generosamente distribuído na natureza, porém, não uniformen1ente. Na água, geralmente está presente, e maior elevação de seu teor ocorre quando o líquido atravessa rochas e solos ricos em flúor. A ingestão contínua de alimentos com níveis de flúor provoca, no indivíduo, processos de intoxicação; 2 a 7 ppn1 de fluoreto são suficientes para produzir fluorose dentária. ABSORÇÃO o flúor é absorvido rapidamente pelo trato gastrointestinal. É sob a forma de fluoretos solúveis que o flúor é absorvido em maior quantidade; esse processo, porém, pode ser diminuído quando houver taxas excessivas de cálcio e lipídios. Os fluoretos substituen1 os grupos hidroxílicos nos sais de cálcio e fósforo dos ossos e dentes, para formar a fluoroapacita. Os cristais de fluoreto são reabsorvidos mais lentamente que os de hidroxiapatita. ExcREÇÃO A excreção do flúor ingerido realiza-se pela urina na quantidade diária de 3 mg. FUNÇÕES Agente anticárie, parece estimular a atividade osteoblástica, Indispensável no crescin1ento animal. Julga-se que, como fluoreto, favorece o tracan1ento da osteoporose. PRINCIPAIS FONTES Água fluoretada, leite fresco, biscoitos, pasta de dente. REQUERIMENTOS Lactentes: até 0,5 ano: 0,01 mg/ dia; 7 meses a 1 ano: 0,5 mg/ dia; crianças e adolescentes: 1 a 3 anos: 0,7 mg/ dia; 4 a 8 anos: 1,0 n1g/ dia; 9 a 13 anos: 2,0 mg/ dia; de 14 a 18 anos: 3 mg/ dia; adulto: mulheres de 19 anos para mais: 3 mg/dia; homens de 19 anos para mais: 4 mg/ dia; gestantes: 3 mg/ dia. DEFICIÊNCIA Ocorre quando as populações não ingerem água fluoretada e sua cota em alimentos é menor que a recomendada. Nessa deficiência, há aumento de cáries e prejuízo do esmalte dentário. Os casos de osteoporose são mais freqüentes quando da deficiência de flúor, assin1 como distúrbios de ossos e dentes. fluoração Adição de fluoretos à água potável, visando à proteção anticárie e doenças periodontal que acometem a cavidade bucal. fluorose Intoxicação por ingestão excessiva de flúor durante a formação dos dentes, sendo caracterizada pela presença de manchas es-

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

fluxo forca de reserva •

branquiçada no esmalte dentário, já nos casos mais graves assun1e um coloração acastanhada ou marrom. fluxo 1 Escoan1ento de líquido 2 Corrente excessiva de líquido ou secreção; corrimento. fluoxetina Antidepressivo da classe dos inibidores seletivos da recaptação de serotonina utilizado em pacientes obesos quando esta patologia relacionada de alguma forma con1 sintomas depressivos. fluvastatina Medicamento sintético da família das vastatinas, derivados de alguns fungos, que são inibidores da síntese de colesterol. FMN Flavina mononucleótide. foco região n1ais importante de enfermidade ou infecção; sede de irradiação da doença. folacina Vide Ác1Do Fó11co. folato Vide Ác1Do Fó11co. fome Instinto cuja finalidade é a conservação do indivíduo; aparece quando os humores e tecidos estão empobrecidos de nutrientes ou não podem ser utilizados e se exteriorizam por sintomas gerais e locais, entre os quais se destaca a necessidade de comer. fome dolorosa Dor epigástrica (dor de fome) ocorrida quando o estômago se conserva vazio; sintoma característico de úlcera duodenal. FATORES REGULADORES A fome traduz o desequilíbrio entre as entradas e as saídas e as reservas. Na regulação da fome, intervêm os seguintes fatores: fundamentalmente o sistema nervoso; as glândulas endócrinas, que presidem o metabolismo dos princípios alimentícios; as reservas do indivíduo, já que um magro acusa fome mais rapidamente que um bem nutrido. T1POS Quanto à forma (Múgulis), há três espécies: fisiológica, patológica e experimental; quanto à época, a fome pode ser temporária ou periódica; quanto à extensão da falta de alimentos: total ou parcial; quanto à quantidade de alimentos (Falck), inanição por causa voluntária ou patológica, fome por falta de alimentos ( acidentes, catástrofes etc.); quanto à etiologia psicogenética (Rojas), fome involuntária, fome imposta; quanto à incidência, fome coletiva. fome oculta (desnutrição oculta) Termo utilizado para designar a deficiência de vitaminas e n1inerais, resultado de un1a alimentação desequilibrada em quantidade e qualidade. Pode levar a carências nutricionais como ane-

mia por falta de ferro ou hipovitaminoses, por exemplo. foniatria 1 Escudo e tratamento da voz 2 Arte da n1edicina ( otorrinolaringologia) que abrange o diagnóstico e o tratamento dos defeitos da palavra ou da fala. fontanário Local destinado ao uso público, onde é dada ao consumo água mineral natural ou água natural da fonte, tal con10 emerge da fonte respectiva. fontes de energia O teor de glicídios, lipídios e protídios é considerado fonte de energia orgânica ou conteúdo energético de uma ração alin1entícia. Para que seja feita a avaliação das quantidades dos nutrientes que deve compor a ração de indivíduo, foi determinado o valor calórico de cada grama dos citados nutrientes: lg de glicídios = 4 calorias, lg de lipídios = 9 calorias, lg de protídios = 4 calorias. Os glicídios ou hidratos de carbono constituem a fonte principal de energia pelo fato de serem elementos encontrados com facilidade na natureza ( amido, açúcares), mais baratos e aceitos com facilidade pelos indivíduos. Os lipídios ou gorduras são de alto valor energético, mas não poden1 ser consumidos em altas doses, pois, além de apresentarem fácil saciedade, resultam como produtos finais elementos prejudiciais ao organisn10, como os corpos cetônicos. As proteínas são empregadas como fone de energia quando os glicídios e lipídios encontram-se em déficit (dietas insuficientes) e quando o organismo se encontra em desnutrição (desnutrição simples e graves, como marasmo e kwashiorkor). fontes de infecção Qualquer pessoa, objeto ou substância da qual o agente infeccioso passa diretamente ao hospedeiro. fontes de nutrientes energéticos As principais fontes desses nutrientes correspondem aos alimentos ricos en1 glicídios. fontes de nutrientes plásticos As principais fontes de nutrientes plásticos são os alin1entos ricos em protídios, minerais (alguns), água e lipídios. fontes de nutrientes reguladores Constituídas por alimentos ricos em minerais (alguns), vitaminas e fibras; quanto ao oxigênio, ele é retirado normalmente do ar atmosférico. força de reserva Energia orgânica latente, maior que a exigida para as funções normais.

107

F

fórmula

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

fósforo

fórmula Prescrição; composição medican1entosa; receita.

fórmula de Dubois Fórmula por meio da qual, relacionando-se peso e altura, obtém-se a superfície corporal: = Peso 0,425 kg x Altura 0,725 cm x 0,007184. fórmula desenvolvida Também denominada lista de alimentos, é parte da realização do regime alimentar prescrito. É a enumeração das quantidades absolutas dos elementos simples e das quantidades químicas que con1põen1 os alimentos que integram o regime alimentar. O emprego da fórmula desenvolvida tem por objetivo: continuar o desenvolvimento da prescrição após a fórmula sintética; analisar o regime e conhecer a quantidade de seus constituintes, tendo em conta, quando necessário, sua modificação para menor ou para maior valor. Os valores da dieta relacionados con1 a fórn1ula desenvolvida são registrados num mapa diário específico (mapa de análise dos alimentos), com as características que possibilitam os cálculos calóricos e, por conseguinte, a exatidão do regime. Nesse mapa são fixados: o tipo e a quantidade dos alimentos a serem ingeridos en1 24 horas; os valores determinados pela fórmula sintética: absolutos (glicídios, protídios, lipídios, água, celulose, ácidos graxos e colesterol); relativos (ququocientes); as porcentagens providas pelo leite e alimentos protetores; a distribuição calórica. fosfatase Enzima que libera fosfatos inorgânicos insolúveis por hidrólise de fosfatos orgânicos; existe sobretudo no osso e é importante na mineralização do alimento. fosfatase alcalina 1 Fosfacase ativa em meios alcalinos 2 Hidrolase fosfato monoéster inespecífica, exercendo função no transporte de fosfato celular e na mineralização do osso. fosfatúria Alto teor de fosfato na urina, que, precipitado, pode produzir cálculo na bexiga, na presença de urina alcalina. fosfocreatina Fosfato de creatina oriundo do ácido fosfórico de creatina que possui ligação de fosfato. É encontrada em músculos e outros tecidos. Na fase aeróbica da contração muscular, a fosfocreatina cinde-se em creatina e fosfato, concedendo energia para o mecanismo de contratilidade. Fornece ácido fosfórico para a fosforilação das hexoses derivadas do glicogênio. fosfofrutocinase Enzima catalisadora da transformação da frutose 6-fosfato em frutose 1,6-

se

F

108

difosfato. É uma enzima alostérica. Tem papel in1portante na regulação da velocidade da glicólise. Permite que a frutose entre nas vias do fígado, aumentando os ácidos graxos. fosfogalactose-uridiltransferase Enzima que catalisa a conversão de galactose-1-fosfato em glicose-1-fosfato. A falta congênita dessa enzima produz galactosemia. fosfolipase A Enzima do pâncreas que atua em fosfolipídios, com produção de ácidos graxos e lisofosfolipídios. fosfolípide Lípide fosforado que, quando degradado origina ácidos graxos, glicerina e compostos nitrogenados. fosfolipídio Composto lipídico constituído de éster do ácido fosfórico e que apresenta un1a ou duas moléculas de ácido graxo, álcool e base nitrogenada: abrange as substâncias: lecitina, cefalina e esfingon1ielina. Os fosfolipídios são constituintes de todos os tecidos e órgãos, principalmente do cérebro (lecitinas, cefalina). Participam da formação de micelas no intestino e são absorvidos por difusão passiva. fosfoproteína Proteína conjugada, constituída de composto protéico com substância fosforada (lecitina, ácido nucléico). fosfoquinases Enzimas capazes de transferir o radical fosfato, com sua energia de ou para adenosina di ou trifosfato. fosforilação Transformação no organismo de glicose en1 glicogênio por n1eio da energia fornecida pelo ácido adenosinotrifosfórico, e ação da hexoquinase. fosforilases Enzimas que provocam a ruptura de substâncias similares às que atuam sobre as hidrólises, porén1 pela adição de ácido fosfórico em vez de água, na ligação anidra,catalisando a troca de glicogênio em glicose-1-fosfato. fosforismo Intoxicação crônica provocada pelo fósforo. fósforo Elemento químico, não metálico, que se apresenta sob duas formas: P branco ou amarelo (densidade 1,82) e an1orfo ou vermelho (densidade acerca de 2,19); seu peso atôn1ico é 31,02 e o número atômico é 15. O P está presente no corpo humano sob forma inorgânica e fosfatada; é constituinte importante de células, de tecidos (ao redor de 85%), de fluidos orgânicos (20%) e de sistemas enzimáticos. Representa, no corpo humano, 1 % de seu peso corporal, sendo que de 70 a 90% correspondem a ossos e dentes, 9% aos músculos e 1 % ao

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

fosforúria furúnculo

sistema nervoso; nos músculos estriados, o Pé contido em nível dez vezes n1aior que o do Ca. No organismo, 10% do P existente se acham em forn1a combinada com protídios, glicídios e lipídios. Biologicamente, é muito importante a interação funcional existente entre P e Ca. ABSORÇÃO Realizada no intestino, na proporção de 70%; essa absorção depende do meio ácido para ser levada a efeito. Pode ser prejudicada quando há excesso de magnésio, ferro e alumínio, contribuindo para a formação de fosfatos insolúveis. Para a perfeita absorção do fósforo, é preciso que sua quantidade na dieta promova um ququociente Ca/P dentro da normalidade. Outros fatores, como a vitamina D e as enzin1as, são indispensáveis para a absorção do fósforo. O papel das enzimas é in1portante por liberarem o fósforo que se encontra sob a forma de compostos orgânicos. ExcREÇÃO Pelas fezes e urina, em torno de 40 a 60%. O excretado pelas fezes é constituído pelo fósforo não absorvido; o urinário, pelo fósforo inorgânico. No jejum, o metabolismo dos tecidos libera fósforo na urina. FUNÇÕES Com o cálcio, promove a rigidez estrutural do esqueleto e dos dentes. Por formar ligações ricas em energia (ácido creatinofosfórico e ácido adeniltrifosfórico, que por hidrólise liberam energia), compartilha do mecanisn10 de contração muscular. Tem relevante papel no metabolismo de glicídios no fígado e nos músculos, com produção de glicose a partir do glicogênio e desse, por meio da glicose. Constitui, como fosfatos, sistemas de tampões de ação sobre o mecanismo acidobásico. No plasma: < 198Eroman (P O sub 4 H sub 2 N sub2) over (PO sub 4 Hna sup2); nas hemácias: < 198 Eroman (PO sub 4 H sub 2 K) over (PO sub 4 H sub 2 K sub 2). Apresenta-se no organisn10 integrado adiversos compostos: ácido adenílico; coenzimas; fosfocreatina; fosfolipídios; lipoproteínas; glicerol (formando compostos solúveis); ácido fosfoglicérico. PRINCIPAIS FONTES Germe de trigo, pão preto (com levedura comprimida), gema de ovo, leite em pó, queijo parmesão, farinha de soja (baixo teor graxo), queijo maturado, castanha do Pará, castanha de caju, ovos de lagosta, amendoin1 torrado, tremoço amarelo, feijão preto, farinha de aveia. REQUERIMENTOS Recomendações feitas em miligramas (mg). Lactentes: até 6 meses: 100 mg/dia;

de 7 meses a 1 ano: 275 mg/ dia. Crianças: de 1 a 3 anos: 380 mg/dia; 4 a 8 anos: 405 mg/ dia; de 9 a 18 anos: 1055 mg/ dia; de 19 a 7 0 anos: 580 mg/ dia. Gestantes: os requerin1entos são os mesmos da mulher normal + 400 mg. Nutrizes: os requerimentos são os mesmos da mulher normal+ 400 mg. DEFICIÊNCIA a deficiência de fósforo prejudica a absorção de cálcio, provocando descalcificações que influem, principalmente, no crescimento do indivíduo. fosforúria Presença de fósforo na urina. fragilidade capilar Relacionada com a perda da resistência de parede vascular, provocando derrame de hen1ácias para tecidos. frugivoro Aquele que se alimenta de frutas. Alguns apresentam a dieta somente de frutos e outros apresentam un1a dieta mista, os frutos compõem uma parte da refeição. frutas Tem glicídios que se apresentan1 na forma de glicose e frutose, além dos glicídios apresentam amido, gorduras e fibras dietéticas. Cada fruta tem a sua proporção. O teor de açúcar pode ser de 6 a 20%. fruta seca Fruta desidratada. Tem o teor de açúcar mais alto que a fruta fresca, perto dos 70%. Pode ser cristalizada e glaçada. frutocinase (ou frutoquinase) Enzima encontrada no figado e no músculo e que realiza a transferência do fosfato do ATP para a frutose formando frutose-1-fosfato. A atividade dessa enzima não é afetada pela insulina, fato que pode explicar o desaparecimento da frutose do sangue dos diabéticos a uma velocidade normal frutonúria Presença de frutose na urina. frutose Formada por meio da redução de glicose en1 sorbitol que se oxida a frutose. frutosúria Resulta da falta de frutoquinase hepática. fubá Produto de milho reduzido a farinha, com farelo e germe conservados. função Atividade norn1al ou especial de um órgão. função dos nutrientes Os nutrientes desempenhan1 no organisn10 as seguintes funções: energética: glicídios, protídios, lipídios; plástica: p rotídios; minerais; vitaminas; água; reguladora: protídios; minerais; vitaminas; celulose; oxigênio. fundo Parte de um órgão oco que fica mais afastada da sua entrada. furúnculo Infecção produzida por estafilococos a partir do folículo piloso, em sua base pode

109

F

fusafungina

verificar-se verdadeiro abscesso. De início, apresenta-se como uma n1assa circunscrita de consistência dura e bastante sensível; posteriorn1ente, aparece uma coleção purulenta que, ao ser evacuada, deixa dentro do furúnculo uma parte necrosada.

F

110

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

lusalungina Antibiótico procedente de Fusarium lateritium e que tem atividade bactericida contra germes Gram-negativos. É utilizada por sua ação vasoconstritora e antiinfl.an1atória sob a forma de cremes, soluções (uso local) e aerossol (infecções das vias respiratórias superiores).

gaba 1

Abreviação de ácido gama-aminobuárico 2 Neurotransmissor produzido no cérebro a partir do ácido glutâmico, numa reação em que a piridoxina é a coenzima. Os níveis cerebrais de Gaba encontram-se diminuídos na deficiência de piridoxina ( vitamina B6). Os medicamentos que auxiliam a ação do Gaba têm especial atividade como: relaxante muscular, sedativo e ansiolítico. Função inibitória por meio dos canais de cloro. galactagogo Agente que estimula a secreção ou aumenta o fluxo do leite. galactase Enzima que converte a galactose em glicose. galactina Hormônio galactogenico da hipófise anterior; prolactina. galact1ol Alcool-açúcar de seis carbonos, formado pela redução da galactose. galactisquia Supressão da secreção de leite. galactocrasia Deficiência ou anorn1alidade do leite materno. galactólago Que se alimenta de leite. galactolorite Processo infeccioso dos condutos galactóforos. galactóloro Conduto que transporta a secreção láctea, na glândula mamaria. galactoloromastite Inflamação n1amária após uma galactoforite. galactógeno Que favorece a secreção láctea. galactólise Perda de peso por longa lactação. galactômetro Instrumento destinado a medir a densidade do leite.

galactopexia Fixação de galactose nos tecidos. galactopoiese Formação de leite. galactoposia Alimentação láctea. galactorréia Secreção excessiva de leite. galactosano Polissacarídio da galactose (ágar, goma ceragena). galactoscópio Instrumento com o qual se avalia a quantidade de gordura no leite. galactose Monossacarídio (CH2O H (CHOH\ C H O] que constitui, com a glicose, a molécula da lactose, queresulca de sua hidrólise, ou fervura. galactosemia Distúrbio hereditário do metabolismo glicídico, caracterizado pela incapacidade hepática de transformar a galactose1-fosfato em glicose-1-fosfato, por falca da enzima galactose-1-fosfato uridiltransferase. Com a ausência dessa enzima, acumula-se no sangue a galactose- l fosfato (produto intermediário do n1etabolismo da galactose) considerada responsável pela sintomatologia do dismetabolismo. A não exclusão da galactose ( e, conseqüentemente, lactose e produtos lácticos) da dieta provoca cataratas, cegueira e, às vezes, retardamentos mental e físico. galactosquese Retenção ou supressão da secreção láctea. galactosúria Presença de galactose na urina. galactoterapia T ratamento à base de leite. galactotísica Consunção em conseqüência da intensa perda de leite. galactotoxia Intoxicação por leite.

galactotóxico

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

gastrite aguda

galactotóxico Intoxicação pelo leite por meio de . .

G

m1croorgan1smos. galactozimase Enzima encontrada no leite, capaz de hidrolisar o amido. galacturânico Ácido monobásico resultante da oxidação da d-galactose à carboxila. Constitui pectinas, gomas e mucilagens. galactúria Grande quandidade de gordura emulsionada na urina, que fica com aspecto leitoso. galacturonato Forma ácida da lactose encontrada em gomas e mucilagens das dietas de fibras. galeonicose Virose transmitida pela arranhadura do gato. galopante Forma acelerada da evolução de enfermidade. gamaglobulina 1 Imunoglobina, encontrada no soro rica em anticorpos; pode, ainda, ser encontrada na saliva, na lágrima e no colostro 2 Fração de proteínas séricas e de diferentes pesos moleculares, que na eletroforese se deslocan1 n1ais vagarosamente em direção ao anodo que as demais 3 Mais elevado no nascimento, baixando rapidamente nas prin1eiras semanas de vida, sua carência torna o individuo propicio às infecções bacterianas. gameta Célula sexual madura, n1asculina ou feminina, com par de genes. Responsável pela herança dos caracteres. gânglio 1 Grupo de corpos celulares de neurônios geralmente localizados fora do cérebro e da medula espinhal; nele os neurônios fazem sinapse ou não, depende da função deste neurônio 2 Corpo no trajeto dos vasos linfáticos com células de defesa. ganglioma Tumor ganglionar, principalmente gânglios linfáticos. gangrena Morte local de tecidos por cessação de suprimento sangüíneo, provocada por doenças, ferimentos, ateroma em grandes vasos, queimaduras extensas. Apresenta dois tipos: gangrena seca e ún1ida. gangrena gasosa Pode ser produzida especialmente nas feridas contusas sujas com terra. Presença de bolhas de gás nos tecidos. gangrena seca Morte local de un1a parte por obstrução arterial, sem obstrução venosa ou infecção. gangrena úmida Apresenta tumefação dos tecidos mortificados, cor violácea ou enegrecida e, sobretudo, putrefação intensa que transmite odor repugnante, devido aos ácidos graxos voláteis presentes, desprendidos pela prolife-

112

ração de microorganismos anaeróbicos invasores dos tecidos. gasto energético Gasto calórico calculado pelo calorímetro gastradenite Processo inflamatório das glândulas do estômago. gastralgia Dor no estômago. gastralgoquenose Dor paroxística conseqüente à vacuidade gástrica, que é atenuada pela ingestão de alimentos. gastraste nia Debilidade nas funções gástricas. gastratrolia Atrofia do estômago. gastrectomia Ressecção parcial ou total do estômago. gastrenterite Inflamação das mucosas gástrica e duodenal. Gastroenterite. gastre nte rosto mia Con1unicação entre o estômago (face posterior do antro, perto da grande curvatura) e o intestino delgado, geralmente o jejuno. gastria Transtorno nas funções gástricas. gastrícola Referente a larvas ou microorganisn1os que habitam o estômago. gastrina Hormônio da mucosa gástrica, que estin1ula a secreção ácida do suco gástrico. As células que secretam gastrina são denominadas células G e se localizam nas glândulas do antro pilórico, na porção média da mucosa e no duodeno (parte inicial). Sua formação e liberação na corrente sangüínea ocorre quando há distensão fisica do estômago ou presença de pepcídios ou aminoácidos no antro gástrico. Certos alin1entos, como extrato de carne, álcool e alcalinos estimulam a formação de gastrina que provoca a produção de pepsina e de ácido clorídrico, além de enzimas pancreáticas. A liberação de gastrina também pode ocorrer por intermédio do sistema nervoso ou por agentes químicos sobre as células G. A secreção de gastrina é inibida por aumento da acidez gástrica e pela somatostatina. A gastrina é um polipepcídio de 17 aminoácidos. gastrinoma Tumor localizado nas ilhotas de Langerhans do pâncreas (secretantes de insulina). gastrismo Perturbações nas funções gástricas; gastricismo. gastrite Inflamação da mucosa do estômago; pode ser aguda ( causada por alin1entos irritantes, como o álcool o corrosivos) ou crônica (fumo, alcoolisn10 crônico e refluxo biliar). gastrite aguda Processo inflamatório gástrico, sem comprometimento da secreção. O comportamento dietoterápico atenderá à gravidade da sintomatologia presente, com alimentos de

gastrite aguda superficial

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

gastrostomia

fácil desagregação e digestibilidade visando à proteção da mucosa. Abolidas as causas desencadeantes de gastrites, entre as quais incluemse: aspirina, bebidas alcoólicas, fun10 lavado, lavagens gástricas por intoxicações, substâncias excitantes e irritantes da mucosa etc. gastrite aguda superficial 1 Caracterizada por alterações anatômicas exclusivamente da camada superficial da mucosa 2 Originada por transgressões alimentares, tais como excesso de alimentos, ingestão de alimentos indigestos e irritantes, uso abusivo de bebidas alcoólicas e mastigação insuficiente. gastrite atrófica Inflamação gástrica difusa evariadas lesões atróficas da mucosa. gastrite corrosiva Apresenta quadro clínico agudo, determinado pela presença de lesões profundas da mucosa gástrica, com necrose, escaras e, em certos casos hemorragias. Às vezes, as lesões se estendem à mucosa esofagiana constituindo a esofagite corrosiva. Os agentes cáusticos, produtores dessas lesões gástricas esofagianas, são ingeridos acidentalmente e abrangem ácidos (acético, clorídrico, nítrico sulfúrico etc.) e alcalinos (soda cáustica, óxido de cálcio, hidróxido de an1ônia etc.). Em sua ação, os cáusticos alcalinos liquefazem os tecidos e os ácidos produzem coagulação de albuminas. gastrite crônica Originada por: transgressões relacionadas com a quantidade e qualidade de alin1entos; alterações hipersecretoras; estresse emocional. gastrite hipertrófica Gastrite de forma crônica, com espessamento da mucosa, presença exagerada de granulações e pregas de grande tamanho e de maior número. gastroatonia Atonia gástrica; gastrotonia. gastrobrosia Perfuração gástrica por processos ulcerativos. gastrocele Protrusão do estômago formando hérnia gástrica. gastrocolite Processo inflamatório do estômago e do cólon. gastrodinia Dor no estômago; gastralgia. gastroduodenectomia Ablação da primeira porção do intestino e dos dois terços inferiores do estômago. gastroduodenite Inflamação do estômago e do duodeno. gastroduodenostomia Anastomose entre o estômago e o duodeno, seccionando-se o piloro.

gastroelcose Ulceração gástrica. gastroenteralgia Dores gástrica e intestinal; gastreralgia.

gastroenterite Inflamação gastrointestinal; gastrentente.

gastroenterocolite Inflamação do estôn1ago, intestino e cólon; gastrenterocolite. gastroenterologia Estudo da fisiopatologia do estômago e do intestino; gastrenterologia. gastroenteroptose Peptoses; queda gástrica e intestinal; gastrenteroptose. gastroenterostomia Ligação cirúrgica entre o estômago (no nível da face posterior do antro, acerca da grande curvatura) e uma alça intestinal. gastrogastrostomia Cirurgicamente, anastomose, de parte do estômago à outra ( estôn1ago bilocular por estenose mediogástrica). gastrojejunostomia Ligação cirúrgica entre o estômago e o duodeno. gastrólise Operação com a finalidade de romper as aderências capazes de unir o estôn1ago aos órgãos vizinhos. gastromalácia Abrandamento patológico das paredes gástricas. gastromegalia Aumento exagerado do estômago. gastromixorréia Hipersecreção do n1uco gástrico. gastropasmo Contração tônica dos músculos gástricos. gastropatia Designação das afecções gástricas. gastropilorospasmo Enfermidade dos vômitos habituais, comum en1 lactentes, conseqüente a contraturas espasmódicas do piloro. gastroptose Queda do estômago. gastrorragia Hemorragia gástrica. gastrorréia Excesso de secreção de suco gástrico, ou regurgitan1ento do líquido gástrico. gastroscopia Exame visual da mucosa gástrica com a utilização do gastroscópio, conduto rígido com foco luminoso na extremidade e com dispositivo ocular, pelo qual o médico examina diretamente o estômago. Pode ser realizado por meio de mini câmeras inserida em cápsulas semelhantes às cápsulas medican1entosas. gastroscópio Endocópio utilizado para examinar o interior gástrico. gastrospasmo Espasmo estomacal. gastrostaxe Sangramento difuso da mucosa do estômago. gastrostomia Abern1ra cirúrgica (fístula gástrica) que permite a comunicação entre o estôn1ago e o exterior pela parede abdominal. Por essa liga-

113

gastrotaxe

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

geusimetria

G

ção e através de sonda, os alimentos são introduzidos. Essa sonda pode, nos casos previstos, ser introduzida pelo do piloro até o duodeno. gastrotaxe Vazan1ento sangüíneo pela n1ucosa gástrica. gastrotimpanismo Estômago dilatado por gases. gastroxia Secreção aumentada de acido clorídrico pela mucosa do estômago; hipercloridria, geralmente de origem nervosa. gatrectasia Dilatação gástrica. gavagem Alimentação realizada em crianças, por sonda nasogástrica, em casos de falta ou fraqueza de sucção, de má deglutição e para impossibilitar a aspiração de leite ou de outros líquidos. gelatina Substância protéica solúvel em água, resultante de degradação do colágeno em n1eio ácido ou por ebulição em água, con1 aspecto de geléia quando úmida e lâminas transparentes quando seca. gelatina em folha 1 Forma de substância albuminóide extraída de ossos e tecidos fibrosos de animais e que tem o aspecto de geléia 2 Produto comercializado em folhas de gelatina incolor e vermelha. gelatina em pó Gelatina pulverizada de origem bovina. gel de hidróxido de alumínio Suspensão viscosa esb ranquiçada, empregada como agente antiácido em úlceras peptídicas. geléia Produto resultante da cocção de frutas e da presença combinada de seu conteúdo de ácido, pectina e açúcar; tambén1 elaborada com outras substâncias, como no caso da geléia de mocotó. gema Porção central do ovo contendo substancias nutritivas e vesículas germinatinas. genética Ciência que escuda os fenômenos da hereditariedade, explicando as causas das semelhanças e diferenças entre pais e filhos e, entre todos os organismos que possuem parentesco entre si. A genética bioquín1ica trata dos fenômenos químicos ligados ao mecanismo de informação pelos cron1ossomos. A n1endeliana refere-se à transmissão dos caracteres hereditários. A metabólica ou fisiológica diz respeito à formação dos genes e sua n1aneira de agir. gengivite Inflamação da gengiva. gen (ou gene) Unidade de transmissão de hereditariedade, que ocupa lugar particular no cromossomo; peça do D NA e do RNA. gentamicina Antibiótico do grupo dos an1inoglicosídios; é um complexo constituído por frações

114

denominadas gencamicina, com as mesmas propriedades farmacológicas e tóxicas. Apresenta amplo espectro de ação contra germes Gramposicivos e negativos. Sua principal atividade porém é sobre os bacilos Gram-negativos, especialmente sobre as enterobactérias e o bacilo piociânico. A gentamicina não é absorvida oralmente e por isso é utilizada por via parenteral; é aplicada copicamente sob a forma de cremes e pomadas. Efeitos colaterais: pode causar alergia e superinfecções, porém raramente. Bem tolerada por via intramuscular. Sob a forma de pomadas ou cremes, não aplicá-la em grandes áreas lesadas pelos perigos de absorção em massa e de provocar fenômenos de toxicidade. O principal efeito colateral é a ococoxicidade. geofagia Perversão do paladar caracterizada por vontade e/ou hábito de ingerir cerra ou argila geriatria Escudo da velhice, suas necessidades, enfermidades e alterações fisiológicas. gericultura Educação do idoso, incluindo regras higiênicas, visando a n1elhores condições de saúde em seu processo de envelhecimento. gerocomia Vigilância médica e higiênica para idosos. gerodermia Processo discrófico da pele de idosos, tornando-a seca e rugosa. gerontologia Escudo da velhice e dos fenômenos que nela ocorrem, inclui os problemas relacionados com as características especiais, anacôn1icas e funcionais do indivíduo que envelhece, aspectos psicológico e sociológico do idoso. gestação Período que estende da fecundação do óvulo ao parto. gestação ectópica Processo de gravidez excraucenna. gestação intersticial Localizada na porção uterina da trompa. gestageno Esteróide com atividade semelhante a da progescerona, efeito anticoncepcional. gestatose Transtornos fisiopacológicos no decorrer da gestação, toxemia gravídica. gesto se Estado grave surgido nos últimos meses de gestação, conhecido como pré-eclâmpsia. SINTOMATOLOGIA Retenção de uréia, perda urinária de albumina (proteinúria), retenção de líquidos e de sódio (eclâmpsia), h ipertensão arterial, com crise hipertensiva grave. geusia Unidade de medida do gosto pela sensação gustativa produzida por un1a gota de água doretada a lx milhão. geusimetria Medida do gosto.

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

ghrelina glândulas sublinguais

ghrelina Hormônio secretado pelo estôn1ago e que sinaliza a presença de jejum.

Giardia lamblia (ou Giardia intestina/is) parasita do gênero Giárdia (protozoário flagelado), constituinte de várias espécies (p. ex.: bovis, canis, caprae, muris etc.), cuja ação patogênica desse flagelo é bastante intensa no intestino. A contaminação com Giardia lamblia é verificada no indivíduo por alimentos líquidos e sólidos, con1 a presença de ciscos maduros tetranucleados. giardíase (ou giardose) Produzida pelo parasita Giardia lamblia, sua sintomatologia geralmente é manifestada pelo aparecimento de duodenice e de colecistite; também pode ocorrer de modo localizado no tubo gastrointestinal e, de maneira geral, con1 sintomas bastante diversificados. gigantismo Desenvolvimento corporal excessivo, resultado da hiperfunção do lóbulo anterior da hipófise. O indivíduo acometido de gigantismo hipofisário apresenta pouco peso em relação à altura, idade e sexo; pode haver coexistência de diabetes e hipertireoidismo. gin Bebida de tradição escocesa, à base de aguardente obtido da destilação especial de mosto de cereal da fermentado e destilado em presença de bagos de zimbro, con1 adição ou não de substâncias aromáticas. ginástica Exercício físico con10 intuito de melhorar a saúde e a imagem corporal. ginecologia Ramo da medicina que escuda o organismo da mulher, da morfologia e fisiopatologia de seu aparelho genital. Ginkgo biloba 1 Extrato da Ginkgo biloba, tradicional árvore chinesa, com ativa indicação na insuficiência cardiovascular (perda de memória, vertigem, zumbido etc.) 2 Estudo da velhice e dos fenômenos que nela ocorrem 3 Favorece o fluxo sangüíneo, o metabolisn10 de glicose e a produção de ATP nas células 4 Amplamente utilizado por sua ação antioxidante. gip Peptídio inibidor gástrico, semelhante à secretina e ao glucagon, cuja estimulação no nível de duodeno, jejuno e íleo ocorre por ação de glicose e de produtos resultantes da digestão de gorduras. glândula Célula ou conjunto de células produtoras de secreções contidas em seu interior ou expelidas para fora delas. As glândulas varian1 principalmente quanto à forma, à organização e às funções que exercem. Estas secreções podem ser n1uco, hormônios, substâncias nutritivas e outros.

glândulas apócrinas São aquelas cujo produto da secreção é expulso com uma parte da célula na qual ele se acumulou, permanecendo o núcleo e a maior parte do citoplasma destinados à repetição do processo e à sua recuperação. Elaboram suor com odor típido e encontramse situadas em plano mais profundo do que as glândulas sudoríparas normais e se dispõem nas regiões mamária, axilar, genital e anal. glândulas de Brünner Produzem nas paredes do duodeno sucos digestivos intestinais. glândulas de Liberkühn Situadas na parede jejunal, produzem suco intestinal.

glândulas de secreção externa (ou glândulas exócrinas) Lançam seus produtos diretamente na cavidade de un1 órgão (glândulas salivares, lacrimais, do estômago, do intestino etc.).

glândulas de secreção interna (ou glândulas endócinas) Por não possuírem canal excretor, lançam seus produtos (hormônios) diretamente no sangue.-As principais glândulas de secreção interna são hipófise, ovário, pâncreas, paratireóide, supra-renal, testículo, timo e tireóide. glândulas lacrimais Glândulas tubuloalveolares compostas, situadas na órbita, em depressão do osso frontal e que secretam lágrin1as. glândulas mamárias Secretoras de leite. glândulas mistas Glândulas, como o pâncreas, que têm função endócrina e exócrina ao n1esmo tempo (lança o suco pancreático no duodeno e a insulina no sangue). glândulas parótidas Localizadas abaixo e adiante da apófise mastóide (cavidade parotídea), constituem as maiores glândulas salivares. As células dos ácidos dessas glândulas secretam líquido isento de n1ucina. Nas glândulas parótidas, submandibulares e sublinguais, a secreção salivar é constituída de água, cloreto de sódio e de potássio, mucina e enzimas. As enzimas presentes são: ptialina, n1altase, beta-glicuronidase, colagenase, sulfatase e neuraminidase. A saliva é formada pelas secreções dessas glândulas. glândulas salivares Originadas do epitélio bucal; participam do mecanisn10 digestivo por meio da saliva e de seus componentes específicos. glândulas serosas Secretoras de líquido aquoso e albuminoso. glândulas sublinguais Situadas, em grande número, lateralmente abaixo da n1ucosa bucal. A secreção mucoprotídea é transportada por meio do conduto de Rivinus e de mais outros

115

glândulas submandibulares

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

glicídios

G

quatro acessórios que desembocam nos lados do freio lingual. glândulas submandibulares Situadas abaixo do maxilar inferior, a secreção mucoprotéica é vertida na boca pelo conduto de Warcon, que se abre em cada lado do freio lingual. glândulas sudoríferas (ou sudoríparas) Glândulas tubulosas enrodilhadas da pele, secretoras de suor. glândulas supra-renais Glândulas cadócrinas localizadas logo acima dos rins, e que estão constituídas de un1a parte interna (medula), que produz adrenalina, e noradrenalina de uma porção extra (córtex) que é fonte de inún1eros horn1ônios esteróides que mantêm ligações con1 o equilíbrio e hidroelecrolítico ou com os mecabolisn1os protéico e glicídico. glaucoma estado de alta pressão ocular, responsável por sérias perturbações da vista e cegueira. gliadina (ou prolamina) Proteína das sementes de cereais, r rica en1 prolina e ácido glutânlico e pobre em arginina e histidina; não contém lisina, ou quase nenhuma. As principais gliadinas são: do trigo e centeio; hordeína da cevada, zeína do milho e avenina da aveia. A gliadina con1 duas gluteninas forma o glúten. A gliadina dá ao glúcen a plasticidade e a elasticidade apresentadas pela massa do pão. Pode causar a Doença Celíaca em pessoal com hipersensibilidade, prejudicando a absorção intestinal. glicemia Presença normal de glicose sangüínea; revela as condições metabólicas dos glicídios; a manutenção de seu nível está condicionada às entradas e às saídas de glicose no sangue. Quando a glicemia aumenta além de seu nível, a n1obilização de glicose do fígado fica reduzida, elevando a síntese do glicogênio; quando da baixa do nível glicêmico, o fenômeno se inverte. O termo mais apropriado seria dexcrosemia. gliceridemia Presença de glicérides no sangue. glicerina 1 Tri-hidrixipropano (C3H/OH\] abrido pela hidrólise de óleos e gorduras 2 Líquido xaroposo, miscível em água e álcool, usado como conservante em preparações farmacêuticas e meio de cultivo bacteriano. gliceroloslatase Enzima pancreática existente também em células, que libera ácido fosfórico do ácido glicerofosfórico e de derivados seus. glicerol ! Álcool trihídrico, glicerose 2 Gorduras neutras ou simples são ésteres do glicerol com 3 moleculas de ácidos graxos 3 Líquido claro, incolor, inodoro, viscoso com gosto

116

doce, feito de gorduras por hidrólise alcalina, usado como solvente para fiavorizante, como emectante para manter alimentos, e em bolos batidos para n1elhorar textura e para ratardar envelhecimento. glicídios Compostos ternários que contêm C, H e O, sintetizados por plantas clorofiladas por meio do anidrido carbônico atmosférico e de água, por ação da luz solar, compreendem carboidratos e glicosídios. Por esse processo de fotossíntese, os vegetais adquirem sua energia potencial, da qual o indivíduo e os animais obtêm, com a ingestão do alimento, parte de sua energia calórica. Dividem-se em quatro grupos: monossacarídios, dissacarídios, oligossacarídios e polissacarídios. Quimicamente, são classificados como derivados aldeídicos ou cetônicos de álcoois poliídricos ( contêm mais de un1 grupo OH) superiores. Dentro do percentual de nutrientes indispensáveis ao organismo, cabe aos glicídios, na forma calórica, participação de 50 a 60%. ABSORÇÃO Os glicídios só são absorvidos sob a forma de monossacarídios. Realizada no intestino delgado, no duodeno e no jejuno. A glicose e a galactose são absorvidas ativamente, e a frutose, por absorção passiva. A absorção se processa na borda estriada das microvilosidades intestinais, que é formada por lipoproteínas nas quais existem elementos denominados portadores ou transportadores. Nessas células intestinais, as grande moléculas, como as dos glicídios (monossacarídios) só podem atravessá-las se se unirem aos portadores que as tornam lipossolúveis temporariamente. A glicose e a galactose são absorvidas dessa forma. Quando houver necessidade de un1a absorção contínua, será necessário que o n1onossacarídio seja "bombeado" para dentro da célula pela chamada bomba de sódio. Para serem absorvidos, os glicídios precisam sofrer processo de fosforilação, que ten1 lugar dentro das células da mucosa intestinal. Do intestino, os monossacarídios passam para os capilares e daí para vasos maiores e veia porta que os leva ao fígado, no qual a galactose e a frutose são transforn1adas em glicose. Do fígado, a glicose é levada aos tecidos que dela necessitam ou transforn1ada en1 glicogênio para seu armazenamento. Diversas glândulas, como a hipófise, tireóide e supra-renal, têm ação no fenômeno de absorção; desse n1odo, aparecen1 reduções na absorção de glicídios quando de distúrbios

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

glicídios não d igeríveis g licólise

das citadas glândulas. Alcerações na mucosa intestinal também provocam diminuição da absorção glicídica. CLASSIFICAÇÃO São classificados em não hidrolisáveis (oses: n1onossacarídios que compreendem glicose, frucose, galactose, ribose, manose) e hidrolisáveis ( ósides: polissacarídios que abrangem sacarose, lactose, malcose, hidromalcose, amido). EXCREÇÃO Resultam como produtos residuais: o dióxido de carbono (CO) e a água que se eliminam do organismo. As fibras ( elementos celulósicos) são eliminadas pelas fezes. FUNÇÕES 1. fornecer energia ao organismo por meio da glicose, etapa final da digestão dos glicídios; 2. a glicose transforma-se em glicogênio que se deposita no fígado e nos músculos e acua como combustível quando necessário; 3. a parte excedente dos glicídios é armazenada sob a forma de gordura, constituindo o tecido adiposo; 4. acuan1 na regeneração dos hepatócitos; 5. a celulose auxilia a eliminação do conteúdo intestinal; a lactose facilita a absorção do cálcio e a ribose é integrante do DNA e RNA; 6. os glicídios são elementos ancicecogênicos; 7. são economizadores de proteínas. DEFICIÊNCIA A deficiência de glicídios apresenta-se inicialmente como hipoglicemia. ORIGENS Os glicídios são provenientes de fontes vegetais: glicose, levulose, manose etc. (são solúveis en1 água); amido e celulose (insolúveis) e animais: lactose, glicogênio, glicose e levulose do mel. PRODUTOS FINAIS Dióxido de carbono, água e energia. VIAS METABÓLICAS Os glicídios são mecabolizados no organismo humano pelas seguintes vias: glicogenólise; glicogênese; glicólise (vide VIA DAS PENTOSES); ciclo de Krebs; gliconeogênese; via das pentoses. glicídios não digeríveis Designação alternativa para fibra. glicídios não utilizáveis São aqueles não digeridos por enzimas do próprio homem. Abrangem todos os polissacarídios vegetais ( com exclusão do amido). glicídios utilizáveis São os que podem ser digeridos por enzimas próprias do homem. Compreendem açúcares mono e dissacarídios, dextrinas, amidos de fontes vegetais e glicogênio animal. glicina 1 An1inoácido não essencial 2 Ácido aminoacético 3 Precursor de várias substâncias orgânicas utilizadas pelo organismo 4 Participa de processos de desintoxicação de ácidos orgânicos (benzóico, salicílico, p-aminobenzóico

etc.), com os quais se combina, formando os ácidos hipúrico, salicilúrico e p-amino-hipúrico, que posteriormente são excretados. glicinina Globulina da proteína da soja. gliciriza 1 Licoriose, Cheyeyrrzhiza glabra 2 Extraído de raízes longas, é usado na flavoriração de medicamentos devido seu gosto adocicado. glicirizina 1 Glicosídio triterpenóide de raízes licorícicas 2 É 50 a 100 vezes mais docedoque a sacarose, com desagradável gosto final. glicirricina Substância tóxica, presente na raiz da leguminosa Cheyeyrrzhiza glabra. glicoamilase (ou amiloglicosidase) Enzima an1ilolícica que catalisa a hidrólise do an1ido, produzindo glicose por meio dos tern1inais redutores do an1ido. Exerce ação sobre as cadeias longas do an1ido. Em pH 4,6, sua atividade é incensa. Possui pequena fração de alfa-amilase, que com ela acua sinergicamence. glicocálix Camada glicídica que reveste a superfície das microvilosidades no lume intestinal. glicocorticóide Hormônio adrenocortical que intervém no metabolismo da glicose. glicogenase Enzin1a que hidrolisa o glicogênio em malcose e dextrina; é encontrada no fígado. glicogênese Processo bioquín1ico que ocorre principalmente no fígado e no músculo, pelo qual a glicose se transforma em glicogênio. glicogênico Que forma glicose. glicogênio De fórmula C 6 H 10O 5, é a principal forma en1 que os glicídios se armazenam no organismo (mais proprian1ente no fígado), e, quando é necessário, são convertidos em glicose. O glicogênio é um polissacarídio similar à amilopectina, porém com mais cadeias ramificadas e peso molecular mais elevado. Enquanto o glicogênio muscular é primariamente utilizado como con1bustível muscular, o glicogênio hepático atende prontamente às necessidades de reposição do açúcar sangüíneo. glicogenólise Desdobramento do glicogênio: no fígado, a glicose é o produto final; nos músculos, o piruvato e o lactaco são os principais produtos. O desdobran1ento do glicogênio é iniciado pela enzima fosforilase. glicoleucina Nome obsoleto para a norleucina glicolipídio Cerebrosídio ou lipídio similar. glicólise Processo metabólico que converte a glicose em ácido pirúvico ( uma molécula de glicose gera duas moléculas de ácido pirúvico). Representa a fase anaeróbica da produção de energia; tem lugar no citoplasma excramico-

117

gliconeogênese

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

glitazonas

G

condrial. A glicólise começa com a glicose que se converte en1 glicose-6-fosfato que se isomeriza em frutose-6-fosfato.- Inúmeras enzimas estão envolvidas na glicólise. gliconeogênese Formação de glicose, por parte do fígado, a partir de substâncias não glicídicas, com proteínas e gorduras. glicopenia Hipoglicemia. glicoproteínas Proteínas conjugadas que por decomposição resultam em uma proteína e um glicídio. glicoquinase Enzima que, no fígado, catalisa a fosforilação da glicose à glicose-6-fosfato. glicosan Complexo de n1oléculas de glicose; amido, celulose e glicogênio. glicose Açúcar (C6H 2O 6) bastante difundido, especialmente, em frutas. No organismo animal, origina-se do glicogênio. A glicose líquida é utilizada en1 diversos processos operacionais industriais por seu valor alimentar, por seu efeito diurético e por sua ação desidratante local. Faz parte da estrutura de n1uitos oligo e polissacarídios ( amido, celulose etc.). Resulta da hidrólise do amido, por ácido forte diluído e por aquecimento. Por desviar a luz polarizada para a direita ( +52,5°C), é chamada dextrose. FUNÇÕES: tem intensa ação energética; acua no fenômeno de detoxicação hepática; é elen1ento decisivo na regeneração hepática; exerce importante papel como anticetogênico. PRINCIPAIS FONTES açúcar; melado; maisena; n1el; arroz; n1andioca; farinha de trigo; farinha de milho; doces; macarrão; xarope; geléia; frutas frescas; frutas dessecadas; vegetais. METABOLISMO absorvidos, os glicídios, sob a forma de monossacarídios, seguem para o fígado, no qual a galactose e a frutose se transformam em glicose e com o restante da glicose que lá se transformam em glicogênio. À medida que o organismo vai necessitando, a glicose vai deixando o fígado e, pelo sangue, vai atendendo às exigências de cada célula. A glicose sangüínea é controlada pela insulina, hormônio das células beta do pâncreas, que, além de baixar o nível da glicemia, favorece a síntese do glicogênio no fígado e ajuda a levar a glicose para músculos e células adiposas. A glicose pode vir a ser formada de aminoácidos chamados glicogênicos; de lipídios, por meio do glicerol e dos ácidos pirúvico e láctico resultantes da contração muscular, por n1eio do glicogênio lá existente. Esse processo, englobando os aminoácidos, gordu-

118

ras e ácidos láctico e pirúvico, recebe o nome de gliconeogênese. A transformação da glicose em glicogênio, no fígado, chama-se glicogênese e a passagen1 do glicogênio hepático a glicose é denominada glicogenólise. Há, além da insulina, outros hormônios que têm papel de importância no metabolismo da glicose: o glucagon, das células alfa das ilhotas pancreáticas, transforma o glicogênio hepático em glicose; a adrenalina e a tiroxina agem da mesma forma. glicose oxidase Enzima que catalisa a oxidação de glicose a ácido glicônico, com formação de peróxido de hidrogênio, com a presença de catalase. Os produtos finais resultantes são o ácido glicônico, a água e o hidrogênio. É de origem microorgânica: do Aspergillus niger e dos

Penicillium notatus, vitale e amagasakiense. Geralmente, essa enzima é de aplicação conjunta com a catalase. Sua aplicação en1 alimentos visa eliminar traços de glicose e de oxigênio, capazes de prejudicar suas qualidades organoléticas. Associada à catalase, é usada na dessecação do ovo integral ou da clara, para eliminar a glicose que apresencan1, provocando reações de cor e sabor. glicosídios Compostos resultantes de uma hidrólise, constituídos por um açúcar unido à outra molécula; quando esse açúcar é a glicose; o composto se denomina glicóside. glicosidase (ou glucosidase) Enzima catalisadora da hidrólise de glicosídios. glicosúria Presença de glicose na urina. glicuronidase (ou glucuronidase) Enzima que catalisa a hidrólise de glicurônides. glicurônide Composto resultante da união do ácido glicurônico com um álcool, um fenol ou un1 ácido que contenha uma carboxila. Também é conhecido como glicuronídio, glucoronídio e glucurônide. glicuronúria Presença na urina de ácido glicurônico. glioma Tumor cerebral derivado das células da neuroglia. gliotoxina Micotoxina (C 13H 14O 4N 2S 2) procedente dos fungos Aspergillus chevaliere e fumigatus e do Penicillium escurum. É produtora de intoxicação e, por isso, sua atividade antibiótica não é utilizada. glioxalase Enzin1a que existe nos tecidos e que catalisa a conversão de metilglioxal em ácido láctico. glitazonas Hipoglicemiante oral que diminui a resistência insuünica nas células do tecido

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

globina glucosamina

músculos, hepático e adiposo, indicado para pacientes com diabetes melito tipo II em que a dieta não esteja sendo eficaz isoladamente. globina Classe de proteína (histona) que se combina com ferro, para formar hemoglobina e mioglobina. globulicida Destruidor das células sangüíneas. globulinas Holoprocídios verdadeiros de grande importância biológica e que constimen1 o mais difundido grupo de proteínas. Estreitamente ligadas às albuminas, das quais possuem as n1esmas propriedades. As globulinas mais importantes são: a) nos animais - fibrinogênio, sangue; lactoglobulina, leite; miosina, músculo; ovoglobulina, ovo; soroglobulina, tireóide; e b) nos vegetais - amandina, amêndoa; araquina, amendoim; corilina, avelã; edestina, cânhamo; excelsina, castanha do pará; conglutina, tremoço; faseolina, feijão; glicinina, soja; legumina, lentilha, ervilha etc.; vicilina, lentilha, ervilha etc. Algun1as globulinas têm importância como anticorpos (imunoglobulina) e outras são responsáveis pelo transporte de lipídios, ferro e cobre no sangue. globulina anti-hemofílica Fator VII da cascata de coagulação; GAH. globulina antilinfocítica Tal globulina sangüínea se evidencia em indivíduos imunossuprimidos contra seus próprios linfócitos (globulina antilinfocítica homóloga) ou contra linfócitos de outras espécies (globulina antilinfocítica heteróloga). globulinúria Presença na urina de globulina. glomerulite Inflamação dos glomérulos renais. glomerulonefrite Enfermidade renal sem ser resultante de infecção, com lesões nos glon1érulos; processo inflamatório agudo ou crônico ( edema, proteinúria, cilindrúria, hen1acúria e outros). glomerulopatia Doença glomerular. glomerulosclerose Fibrose dos glomérulos renais. glossalgia Dor na üngua. glossectromia Resseção da üngua. glossite Inflamação na üngua, comumente causada por deficiência nutricional. A falta exagerada de niacina, de riboflavina, vitamina B12, ácido fólico ou ferro origina a forma aguda do processo, com resultante língua avermelhada, lisa, inflamada e dolorosa. Essa sintomatologia é característica de pelagra, anemias nutricionais e espru. A forma crônica atrófica de glossite (língua reduzida, descorada, brilhante

e limpa), de longa duração, indica insuficiência parcial das vitaminas citadas. glossite de Hunter Glossite atrófica, devido à perda das papilas filiformes, a língua se encontra dolorida, edemaciada e eritematosa. glossite migratória benigna Glossite crônica, que apresenta atrofia das papilas filiformes e inflamações locais. glossite romboidal mediana Provocado por uma infecção da Candida Albicans, resultando em uma atrofia papilar no dorso da üngua apresentando assim, uma anomalia en1 forma oval ou rombóide. glossocele Língua mantida fora da boca ( rumor, inflamação, hipertrofia). glossocinestésico Sensação dos movin1entos da üngua. glossodinia 1 Glossalgia; glossopirose 2 Dor ou queimação na língua. glossolalia Linguagem confusa e ininteligível. glossólise Perda da função motora da üngua. glossopatia Doença da língua. glosso pleg ia Glossólise; paralisia da üngua. glossoptose Deslocamento da língua para baixo ou queda para trás. glossotriquia Língua pilosa, cabeluda. Devido ao crescimento anormal das papilas filiformes a mesma apresenta um aspecto peludo. glucagon Polipeptídio (hormônio) secretado pelas células alfa das ilhotas de Langerhans, que causa aumento do nível do açúcar sangüíneo e que tem efeito oposto ao da insulina. A secreção é estimulada por queda dos níveis da glicose sangüínea (no jejum) e por elevação dos índices de aminoácidos sangüíneos ( após as refeições ricas em proteínas e pobres em glicídios). glucase Enzima que converte amido em glicose. gluconato Composto quelante do ácido glicônico, formado pela oxidação fermentativa da glicose. gluconeogênese Produção de glicose ou glicogênio por substâncias não glicídicas. Na gluconeogênese, são participantes a glicólise e o ciclo do ácido cítrico. Os an1Ínoácidos glucogênicos, o glicerol e o lactato são os mais importantes substratos para a gluconeogênese. gluconoquinase Enzima que catalisa a fosforilação do ácido D-glucônico, pelo trisfosfato de adenosina, a ácido-6-fosfo-D-glucônico. Encontrada no músculo, no fígado e em microorganismos. glucosamina Amina (C6 H 13N05 )constituinte de inúmeros complexos polissacarídicos e que deriva da glicose.

11 9

glutamato monossódico

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

gordura trans

glutamato monossódico 1 Sal sódico do ácido

G

glutâmico (HOOC.CHNH 2 .CH2 .CH2 .COONa) 2 Realça o sabor de carnes e vegetais 3 Usado em preparações chinesas, podendo provocar a "doença dos restaurantes chineses': que é intoxicação por dose abusiva do glutamato monossódico. glutamicacidemia Doença congênita do metabolismo, ocorrendo um aumento do ácido glucâmico plasmático e do nitrogênio em forma de amido excretado na urina. glutamina Monoamida (C5H 10N 20 3 ) do ácido glutâmico. glutaminase Enzima que catalisa a conversão da glucamina em ácido glucâmico e amônia. glutatião 1 Glutationa 2 Tripeptídio que contém glicina, cisteína e ácido glutâmico; funciona como enzima em diversas reações de oxidorredução. glutatião peroxidase Enzima catalisadora da destruição do peróxido de hidrogênio e dos nocivos peróxidos de ácidos graxos oriundos de men1branas lipídicas atacadas por radicais livres. Por esse mecanismo, as membranas lipídicas e possivelmente também as proteínas e os ácidos nucléicos são protegidos de danos oxidacivos posteriores, por meio de radicais livres. glutationa peroxidase Enzin1a contendo enxofre e que apresenta quatro selênios em sua molécula. glutelinas Grupo de proteínas constituído pela gliadina e pela glucenina existentes em cercos grãos con10 o trigo. glúten Proteína da mistura de gliadina e glutenina, encontrada em cereais e que confere consistência aos pães. glutonice Indivíduo que se alimenta excessivamente, gula. gnatodinamômetro Aparelho aplicado para medir a força do movimento da mordida, ou seja, a pressão exercida pela boca no aparelho. goma de mascar Caramelo produzido à base de goma chicle (Achras Sapata/) e de gon1a pruche (resina do abeto negro), devidamente purificadas, com a adição, sob pressão, de sacarose, glucose, parafina, cera branca, substâncias aromáticas permitidas, bálsamo de colu ou de peru e corantes autorizados. gonliase Dentes bambos em seus alvéolos. gordura Composto orgânico neutro que compõem o tecido adiposo. Os nutrientes prove-

120

niences da alimentação que não são utilizados arn1azenam-se na forma de gordura. É um importante fornecedor de energia. gordura de coco Produto hidrogenado de coco. gordura hidrogenada Ó leos submetidos a processos de hidrogenação industrial em presença de catalisadores apropriados, resultando em uma gordura erans. gordura humana Con1posca de triglicérides; contém, além do ácido oléico em quantidade predominante, os ácidos linoléico e araquidônico, todos eles ácidos graxos insaturados. Além desses, encontram-se também os ácidos graxos saturados: palmícico e esteárico. As gorduras distribuídas no organismo apresentam características próprias. As celulares, por exemplo, estão en1 forma de fina emulsão. Outras se diferenciam pela manutenção qualitativa constante de seus componentes; essas gorduras, denominadas de constituição e que equivalem a 2% do peso cocal do organismo, diferem das gorduras de reserva, passíveis de variações de suas quantidades. As gorduras de reserva ou de depósito constituem a grande reserva energética orgânica (cerca de 6 a 10 kg). gordura intramuscular Tecido adiposo localizado entre as fibras do tecido muscular. O acúmulo excessivo de gordura intramuscular tem sido associado à presença de resistência insulínica em obesos diabéticos e não diabéticos, hiperinsulinêmicos e sedentários, assim, esta gordura vem sendo considerada predicor de co-morbidades associados à obesidade. gordura marrom Tecido adiposo multilocular caracterizado por sua coloração parda conseqüente da presença aumentada de mitocôndrias e vasos sangüíneos que conferem a este tecido a função de termoregulação do organismo humano através da produção de calor. Quantidade aumentada desce tecido vem sendo associada à explicação de pessoas que ingerem grandes quantidades de alimentos calóricos não ganharen1 peso excessivamente. gordura saturada Caracterizada pela presença de átomos de carbono, unidos ao número máximo de átomos de hidrogênio. Presente em carnes, no leite e derivados e no ovo. gordura trans Gordura que sofre un1 processo de hidrogenação natural (somente em animais ruminantes) ou artificial ( em produtos industrializados), con1 a finalidade de aumentar a

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

gordura vegetal grupos sangüíneos

data de validade e melhorar a consistência de alimentos industrializados como sorvete, biscoito, batatas-fritas, salgadinhos, bolos, margarinas. A ingesta excessiva desta gordura eleva os níveis séricos de colesterol total e LDL, além de diminuir o HDL. gordura proveniente de vegetais Gordura vegetal hidrogenada. gota Enfermidade muitas vezes hereditária, conseqüente a erro congênito do metabolismo purínico. De evolução crônica, no decorrer da doença aparecem depósitos teciduais de ácido úrico ( tofos), hperuricemia e episódios agudos de artrites. A gota geralmente se inicia entre os 40 e os 50 anos, principalmente en1 homens. Seu tratan1ento dietoterápico consiste na prescrição de regime de restrição de alimentos purínicos e ricos em ácido nucléico. FATORES DE AGRAVAMENTO: a gota pode ser precipitada pelos seguintes fatores: lesões locais; emoções violentas; alimentação excessiva; ingestão inadequada de purinas; consumo abusivo de álcool; exposição ao frio. gota a gota 1 Gotejamento 2 Administração gota a gota de líquido, através da pele, do reto ou de vaso sangüíneo. gota a gota alimentar Alimentação por meio de sonda fina introduzida pelo nariz até o estômago ou duodeno. Vide ALIMENTAÇÃO ou NUTRIÇÃO ENTERAL.

GPT Transaminase glutân1ica pirúvica. grande caloria Kilocaloria; kcal. grande mal Crises convulsivas generalizadas. grão-de-bico Semente comestível da família das leguminosas papilonaceas. Comercializado a granel e en1 pequenas embalagens. gravidez Estado de gestação que se inicia com a fecundação e termina com o parto; período de complexas transforn1ações morfológicas e biológicas, da mãe e do feto, condicionadas principalmente ao atendimeto nutrológico mantido pelo regime alimentar adequado. gravidez de alto risco Gestação irregular, influenciada por fatores endógenos e exógenos, com grave repercussão sobre o estado orgânico materno, às norn1alidades do parto e do recém-nascido. grelina Hormônio produzido no estômago em situações de jejum estimulando o centro da fome no hipotálamo, portanto possui curta relação com o balanço energético, sendo que aumento patológico deste hormônio pode gerar ganho de peso excessivo.

griseofulvina Antibiótico específico para a terapêutica das dermatofitoses. Acumulandose nas células queratinizadas de unhas, pele e cabelos, a gris eofulvina exerce sua atividade fungiscácica sobre os dermacófitos que parasitam esses locais. É indicada com sucesso no tratamento de tinhas (Trichophyton, Microsporum e Epydermophyton). Seu emprego ocorre por via oral. Concentração: fígado e eliminação pelas fezes e urina. Efeitos colaterais: náusea, vômitos, cefaléias e manifestações alérgicas. grupo Objetos análogos ou relacionados. grupo amina Grupo característico dos aminoácidos e de compostos que contêm nitrogênio e hidrogênio (NH2). grupo bicarbonato Grupo químico (HCO) que apresenta um átomo de carbono, um de hidrogênio e três de oxigênio; possui carga negativa. grupo carboxílico Grupo ácido dos ácidos orgânicos (COOH). grupo metílico ativo Grupo representado por: -CH3 ligado à un1 íon an1ônio quaternário ou a um íon sulfônico terciário; exerce papel muito importante no metabolismo e se encontra na colina, na n1etiolina, na mecilcobalamina e em outras substâncias. grupo protético Grupo constituído por substâncias químicas, protéicas ou não, ligadas a uma proteína simples para formar uma proteína composta. grupo sang üineo MNS Conjunto de antígenos eritrocitários, inicialmente realizados em reações aos soros imunes do coelho (anti-M e anci-N). Posteriormente acrescentaram-se reações a outros soros, tais con10 o anti-S e anti-s. grupo sangüíneo Rh Conjunto de antígenos eritrocitários, que foi elaborado através da reação do soro de coelhos imunizados com os eritrócicos de macacos rhesus. Posteriormente realizouse o experimento com o antissoro humano. grupos sangüíneos Tipos de eritrócitos diferenciados imunológica e geneticamente definidos. Em número de quatro, os grupos sangüíneos são os seguintes: AB - as hemácias contên1 o aglutinogênio A e o B, e o soro não possui aglutinina (receptores universais); A - as hemácias contêm o aglutinogênio A e o soro aglutinina beta; B - as hemácias contêm aglutinogênio B e o soro aglutinina-alfa; O - (doador universal) as hemácias não contêm aglutinogênio e, no soro, existem aglucininas alfa e beca. Da

121

grupos vulneráveis

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

guaran1na

G

mistura de sangues incompatíveis ocorre aglutinação, da qual poderá surgir hen1ólise. Os quatro grupos sangüíneos formam o sistema ABO, que se divide em quatro subgrupos: Al, A2, A3, Ax e Am (de acordo com a variedade de aglutinogênio ). grupos vulneráveis Grupos de populações que, sob condições críticas, podem perder sua normalidade nutritiva. Essas condições referem-se aos desníveis de requerin1entos alimentares em relação às exigências orgânicas, em diversas situações. Sem o atendimento dessa relação, poderão constituir grupos vulneráveis: crianças; gestantes e nutrizes; executores de esforço físico excessivo; idosos; pessoas de pouca capacidade econômica. GTP 5'-trifosfato de guanosina. guanase Enzima desaminadora hepática que catalisa a conversão da guanina em xantina, liberando amônia.

122

guanina 1 Amino-hipoxantina, base do grupo das purinas 2 Faz parte dos ácidos ribonucléicos e desoxirribonucléicos. guanosina 1 9-~-D-ribosilguanina 2 Nucleotídio formado por guanina e D-ribose 3 Um dos quatro constituintes do ácido ribonucléico. guaraná Massa comestível elaborada com o pó da semente de Paulinia Cupana Kunt e que constitui matéria-prima para o preparo de diferentes formas de produtos. É utilizada para o tratamento da cefaléia aliviando a sua dor. Entre os seus constituintes estão a guaranina (cafeína), ácido paulinitânico, saponina e um determinado óleo volátil. gua ranina Cafeína, obtida por meio das sementes secas, torradas e moídas da Coffea (café). Ele tem um efeito no organismo de diurese e ativador da circulação e do aparelho circulatória, sendo assim, também utilizado para o tratamento de cefaléias S1N 1,3,7-trimetilxantina.

habitat Órgão ou locais onde espécies, microorganisn1os ou populações vivem. hábito Padrão de comportamento ditado pela repetição; adequação às ações perturbadoras. hábito alimentar Hábito ou costume adquirido por tradição individual, familiar, regional ou racial, que consiste na ingestão freqüente de alimentos ou de preparações culinárias de acentuada preferência. En1 muitos casos, esse hábito não corresponde às normas que regem o consumo alimentar, criando, pelas distorções que provoca, efeitos desfavoráveis à nutrição do indivíduo. Os hábitos alimentares podem ser influenciados por fatores culturais, sociais, econômicos e psicológicos. hálito Ar expirado, cheiro que provém da boca. halitose Estado em que ocorre hálito desagradável e, às vezes, de odor fétido. hartnup Doença genética caracterizada por aminoacidúria maciça produzida por alceração do transporte tubular renal e intestinal com posterior degradação bacteriana de an1inoácidos, que provoca a perda de triprofano e conseqüente redução de nicotinamida e o aparecimento do quadro de pelagra. A falta de absorção de criptofano pelo delgado impede sua transformação em nicotinamida. Podem ocorrer alterações meneais pela formação e absorção de substâncias nocivas ao sisten1a nervoso central. Tratada com suplementos de niacina.

HDL Vide LIPOPROTEÍNAS ALFA. helioterapia Método terapêutico por raios solares. hem Derivado ferroso da hemoporfirina, que constitui o grupamento prostécico (parte não protéica e ferrosa de uma proteína conjugada) de certas proteínas como a hemoglobina, a mioglobina, cercos cicocromos, a catalase e as peroxidases S1N Heme. hemartrose Derrame serossangüíneo em cavidade articular. hematêmese Vômito sangüíneo que pode ser originado do estômago, do esôfago, de sangue deglutido etc. hematina (ou hemo) 1 C 34 H 32 N 4 O 4 - FeOH 2 Originado da hemina tratada com álcali, é a parte não protéica da hemoglobina, aumentando a proporção desta no sangue 3 Combinação da protoporfirina da hemoglobina com um átomo de ferro em estado férrico, e não com o íon ferroso, como é normal. hematócrito 1 Quantidade em porcentagen1 após uma centrifugação de volume sangüíneo ocupado pelos glóbulos vermelhos 2 Aparelho destinado à medição do volun1e dos glóbulos em relação ao do sangue. O volume normal dos glóbulos vermelhos nos adultos é de 43 a 49% no homem e de 35 a 45% na mulher. hematofagia 1 Fagocitose hemática 2 Procedimento de nutrir-se com o sangue de outra ' . espec1e.

hematógeno

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

hemofilia

H

hematógeno Destina-se à produção de sangue

hemimandibulectomia Extração conjunta da

ou de seus componentes, que em seqüência são difundidos na corrente sangüínea. hematologia Parte da medicina que se ocupa das doenças do sangue e dos órgãos hematopoiéticos. hematoma Derran1e sangüíneo bem limitado, superficial ou profundo, conseqüente à ruptura de vasos importantes formando uma matéria sólida resultante da coagulação sangüínea. Sua localização pode ser variada e assim, ela foi classificada em: hematoma epidural, hematoma ou hemorragia espinhal epidural e hematoma subdural. hematonefrose Derrame sangüíneo no bacinete e nos nns. hematopoese (ou hematopoiese) Diz-se dos órgãos onde se forn1am e maturam os glóbulos do sangue. [A medula óssea, os gânglios linfáticos e o baço são os principais órgãos hematopoiéticos humanos]. hematoporia Caquexia por falta de sangue. hematoquilúria Eliminação de sangue e quilo na unna. hematorréia Hemorragia intensa. hematose Transformação do sangue venoso em arterial nos pulmões, pela fixação de oxigênio e eliminação de CO2• hematúria Eliminação de sangue pela urina. heme Derivado ferroso da protoporfirina (C 34 H 32N 40 4 Fe), um dos elementos constitutivos da hemoglobina: grupo prostético. hemeralopia Din1inuição de adaptação visual no escuro, por carência de vitamina A ( ambliopia crepuscupar - cegueira noturna). hemiageusia Abolição do paladar en1 metade da língua. hemialbunose Resultante da digestão de determinadas proteínas e é também um dos componentes da medula óssea. Nos pacientes com osteomalácia o seu conteúdo é encontrado no üquido excretado. hemicelulose Carboidratos complexos incluídos com fibra dietética composta por ácidos polyurônicos combinando con1 xilose, glicose, manose e arabinose. Encontrados juntos com celulose e lignina nas paredes das células das plantas. hemicrania Dor num lado da cabeça; enxaqueca. hemiglossoplegia Paralisia unilateral da língua. hemignatia Falta unilateral parcial ou completa do maxilar inferior.

n1etade da mandíbula e da língua. hemina 1 Cloreto de heme no qual o ferro está em estado ferroso; é responsável pela coloração vermelha da hemoglobina, e por extensão do sangue 2 Substância obtida quando se aquece uma solução de hemoglobina com ácido acético e cloreto de sódio (C34H 32 N 4 0 4 FeCl). heminefrectomia Retirada de parte do rim; nefrectomia parcial. hemipalatectomia Ressecção da metade dopalato. hemipalatolaringoplegia Perda da função motora unilateral dos n1úsculos do palato mole e da laringe. hemiplegia Perda da mobilidade voluntária de uma metade do corpo, consecutiva a uma lesão da via ou sistema piramidal. hemobilirrubina 1 Bilirrubina sérica, cuja taxa eleva-se na icterícia hemoütica 2 Bilirrubina sérica anterior à passagem das células hepáticas. he mocromatose Doença crônica que se caracteriza por depósitos de ferro no organismo, principalmente na pele e em alguns órgãos internos - em especial no fígado e no pâncreas - que por isso acaban1 por tornarem-se fibrosos. hemocultura Semeadura de um meio de cultura com sangue, para investigar a presença de micróbios patogênicos. hemodiálise Processo de depuração extra-renal que age eliminando resíduos tóxicos do sangue, ou nele acrescenta substâncias difusíveis, através de men1brana senüpern1eável. A hemodiálise ocorre: por diálise ou perfusão intestinal utilizando a mucosa; por diálise peritoneal através do peritônio; por membranas artificiais (celofane) no rim artificial. hemodinâmica Parte da fisiologia que estuda as leis do deslocamento, pressão e fluxo da massa sangüínea no interior dos vasos, em função do débito cardíaco. hemofagia 1 Ingestão de sangue 2 Fagocitose de hemácias. hemofilia Afecção hereditária de influência sobre a coagulação sangüínea, transmitida por mulheres (pelo cromossomo sexual X) exclusivamente ao homem, manifestada por quadros hemorrágicos graves, internos ou externos. O retardamento da coagulação é conseqüente à falta de um dos fatores da coagulação VIII, IX ou XI que originam os diferentes tipos de hemofilas A, B e C.

124

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

hemofiltração arteriovenosa contínua hemostasia

hemofittração arteriovenosa contínua Méto-

hemólise D estruição dos glóbulos vermelhos

do de tratamento da insuficiência renal aguda pela qual uma membrana de ultra-filtração, ativada pelo próprio sangue do paciente gera um filtrado que logo é substituído por líquidos ou nutrição parenteral. hemoglobina 1 Pigmento respiratório responsável pela cor dos glóbulos vermelhos, dotado de propriedade de incorporar oxigênio ( oxiemoglobina) ou de liberá-lo e receber CO2 com formação de carboxien1oglobina. A taxa norn1al em sangue oscila nos 15g°/4 2 Corante orgânico natural, empregado em produtos de salsicharia. hemoglobina glicada Vide HEMOGLos1NA GLICOSI LADA. hemoglobina glicolisada Tan1bén1 denominada hemoglobina glicada ou glucohemoglobina. Prova sangüínea determina os níveis de glicemia de um indivíduo com medição da hemoglobina e p roteínas do soro que interpreta melhor a concentração de glicose plasmática a longo prazo. É usada como indicador do controle diabético nos dois ou três meses precedentes. Quando a hemoglobina e outras proteínas entram em contato com a glicose, ela se adere à proteína numa reação em forma lenta, não enzin1ática e aumenta quando a concentração de glicose é persistenten1ente maior que o norn1al. A hemoglobina glicolisada é obtida por vários métodos que determinam diferentes componentes do produto glicado. Em pessoas não diabéticas os valores da HB (GHb) são de 5 a 8%, porém, os valores de HbAlc são de 4 a 6%. Essas cifras correspondem a níveis medidos de glicemia de 90 mg/ dL. Os resultados variam dependendo do método a ser utilizado, incluindo os intervalos normais, desta maneira não se deve comparar os resultados de laboratórios diferentes. hemoglobinemia H en1oglobina presente no plasma sangüíneo por dissolução de hemácias. hemoglobinômetro Instrumento para medir o nível sangüíneo de hemoglobina. hemoglobinúria Presença de hen1oglobina. na unna. hemograma Resultado do estudo quantitativo e qualitativo das células do sangue; número de hemácias, leucócitos e plaquetas, a taxa dos diferentes leucócitos, o aspecto das diversas células observadas. hemohistioblasto Célula mãe da qual todas as células sangüíneas se derivariam e diferenciariam.

com saída da hemoglobina pela ruptura de membrana. hemolisina Substância de ação destrutiva sobre a membrana dos glóbulos sangüíneos. hemoptise 1 Expulsão de sangue proveniente das vias respiratórias (pulmões, traquéia ou brônquios), descarregada pela glote e acompanhada de tosse 2 Expectoração que contêm sangue proveniente do pulmão ou dos brônquios. hemoquezia 1 Passagem de sangue nas fezes 2 Termo utilizado para distinguir o sangue escuro característico da melena. hemorragia 1 Derramamento de sangue para fora dos vasos que o deviam conter 2 Externa quando o sangue se derrama para fora do corpo e interna quando se acumula no interior dos tecidos ou entre os órgãos. TIPOS Os principais tipos de hemorragia são: hemoptise, de origem respiratória; hematêmese, vômito sangüíneo parcialmente digerido; melena, de origen1 intestinal; epistaxe, de origem nasal; hen1atoma, de origem traumática. hemorróida (ou hemorróide) Formação varicosa produzida por dilatação de veias do reco ou do ânus. Segundo sua localização, abaixo ou acima do esfíncter anal, pode ser hemorróida interna ou externa. hemossedimentação Processo de produzir o depósito dos elementos sangüíneos (hemácias) dentro de tubo vertical estreito e comprido. A velocidade de sedimentação globular é medida pela altura, em milín1etros, da coluna de plasma que sobrenada a das hemácias sedimentadas; esta altura é anotada no fim de uma hora. Os valores normais são, de 3 a 10 mm na primeira hora. Essa velocidade está aumentada en1 várias doenças agudas ou crônicas. hemossiderina Pigmento de nat ureza glicoprotéica que contém ferro encontrado no fígado e em outros tecidos; é produzido no caso de falhas do metabolismo do ferro. hemossiderinúria Hemossiderina na urina. hemossiderose Depósito tecidual de hemossiderina sem lesão por elevação da reserva de ferro orgânica, que pode ser: localizado, generalizado, idiopático ou pós-transfusional. hemostasia Detenção de hemorragia, espontânea (coagulação do sangue), artificial ou provocada por diferentes meios n1edicamentosos . ' . ou c1rurg1cos.

125

H

hemostático

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

heteroi nfecção

H

hemostático Agente mecânico (compressa, pin-

hepatopatia alcoólica doença resultante de in-

ça, tampão), físico (cautério) ou medicamentoso (produto coagulante ou vasoconstritor) empregado para impedir ou sustar hemorragias. hemoterapia Tratamento pelo emprego de sangue ou de seus componentes (plasma) como meio terapêutico. heparina Mucopolissacarídio que prolonga o tempo de coagulação. hepatalgia Dor na região hepática. hepático Relacionado ao fígado. hepatite Nome genérico dado às afecções inflamatórias do fígado. hepatite A Ocasionada pelo vírus da hepatite A que é transmitida via pela via fecal-oral. A recuperação é completa e as conseqüências a longo prazo são raras. hepatite amebiana Inflamação hepática difusa provocada por Entamoeba histolytica. hepatite BCausada pelo vírus da hepatite B que é transmitida principalmente através do sangue e dos líquidos corporais. Ocasiona hepatite crônica e cirrose. hepatite C Causada por vírus hematógeno; as fontes de transmissão compreendem agulhas infectadas, produtos sangüíneos contaminados, contato sexual ou saliva. Freqüentemente complica-se com hepatite crônica e cirrose. hepatite colestática Ocasionada por uma obstrução devido a uma bilede viscosidade alterada nos canais biliares. hepatite D Transmitida por via intravenosa ou sexual, geraln1ente faz-se crônica. D epende do vírus da hepatite B para sua persistência e propagação. hepatite do soro Hepatite viral (SH), que é transmitida por meio de uma injeção parenteral de sangue humano ou de seus produtos contaminados. O vírus tem um período de incubação de 2 a 6 meses. hepatite E Hepatite de transmissão fecal-oral; geralmente é mais aguda que crônica. hepatite tóxica Processo inflamatório do fígado provocado por substâncias tóxicas. hepatite virai Inflamação difusa do fígado de origem virai. hepatócito Célula hepática. hepatolitíase Calculose hepática. hepatologia Estudo anatomo-fisiopatológico do fígado. hepatomegalia Fígado anomalmente aun1entado.

gestão excessiva do álcool e caracterizada por fígado graxo (esteatose hepática), hepatite ou cirrose. hepatopatia fulminante Ausência de doença hepática preexistente con1 desenvolvimento de encefalopatia hepática no transcurso de dois n1eses de iniciada a doença. herança Trasn1issão, ao ser procriado, dos caracteres, atributos e propriedades do ser ou dos seres criadores. hereditariedade Propriedade nata do organismo de adquirir, de seus antecessores, características familiares. Essa capacidade depende da organização da célula ou células para que seja possível a repetição de novos indivíduos com as características de seus antecessores. hérnia Projeção de órgão ou parte dele, por um orifício natural ou acidental realizado sobre a cavidade a que pertence. hérnia diafragmática Hérnia que, atravessando o diafragma, passa para o tórax. Pode conter parte do estôn1ago e do intestino ( delgado e grosso); é de origem traumática, adquirida ou congênita. hérnia encarcerada Também conhecida como hérnia irredutível, é uma hérnia que não pode ser reduzida sem a atuação cirúrgica. hérnia epigástrica H érnia localizada na linha alba. hérnia estrangulada Hérnia intestinal que retém a circulação sangüínea e também o conteúdo fecal. hérnia femoral H érnia envolvendo o canal femural; sendo muito freqüente em mulheres. hérnia hiatal Protrusão através do diafragma de parte do estômago pela abertura esofágica. O paciente sente dores epigástricas e pirose (sensação de ardência subesternal, acompanhada de eructação de líquido ciático). Aparece em n1ulheres obesas con1 certa freqüência. he rniorrafia Operação de sutura para a correção da hérnia. herniotomia Extração da hérnia irredutível, cortando através do saco herniário. hesperidina Glicosídio, antigamente chamado de vitamina P, extraído das frutas cítricas, quin1icamente é um complexo de glicose e raminose com o flavonóide hesperin. heteroinfecção Infecção por penetração de nlicroorganismos do meio externo no organismo.

126

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

heteroquilia hidroxiprolina

heteroquilia Variação repentina na secreção

hidrogenação 1 Fixação de hidrogênio em un1a

gástrica, passando de grande reação ácida para neutra ou alcalina. hexoquinase Enzima que catalisa a transferência de fosfato de adenosina trifosfato para glicose ou frutose, formando glicose-fosfato ou frutose-6-fosfato e adenosina difosfato. hexosanas 1 Fórmula geral C 6 H 10O 5 2 p. Polissacarídios de hexose (glucosana e frutosana) . hexoses 1 Nome genérico dos monossacarídios contendo na n1olécula seis átomos de carbono (C6 H 12O 6 ) 2 H exoses de importância fisiológica a D -glicose, a D-manose. hiato Orifício ou fenda do corpo hun1ano. hiato esofágico Orifício do diafragma pelo qual o esôfago passa do tórax para o abdon1e e os dois nervos vagos. hidatidose (ou equinococose humana) D oença consecutiva à ação do parasita Echinococcus granulosus cuja sintomatologia depende das características clínicas da doença e do hospedeiro. Os sintomas se pronunciam segundo a distribuição dos ciscos no organismo; evoluen1 rapidamente, quando a fixação hidática se faz no cérebro, coração e fígado. Entre outros mecanismos de contan1inação, pode ocorrer o da ingestão de alimentos sujeitos à exposição de poeiras contendo ovos de Echinococcus granulosus. hidrargirismo 1 Intoxicação lenta por mercúrio 2 Faz parte das moléculas ditas profissionais 3 Afeta aqueles que fazem uso de medicamentos mercurial ou os que trabalham com mercúrio ou con1 seus sais. hidrartrose D errame seroso em cavidade articular. hidrase Enzima que catalisam a reação hidratação-desidratação de um substrato sem hidrolizá-lo. hidratação Introdução de água em um organismo ou parte dele. hidremia Aumento excessivo de água no sangue, anemia de diluição. hidrocarboneto Composto, constituído por carbono e hidrogênio, quepresenta estrutura linear, ramificada ou cíclica; podem ser saturados ou insaturados. hidrocultura Sistema de cultura sem solo para a produção intensiva de hortaliças, em que a nova planta desenvolve o sistema radicular mergulhado en1 água, con1 nutrientes n1inerais em suspensão S1N H idropônico.

substância simples ou composta 2 Hidrogenação dos óleos, endurecimento artificial do óleo anin1al ou vegetal sob a ação do hidrogênio. hidrogenação de gordura insaturada Acontece durante a fern1entação anaeróbica do rún1en das vacas e carneiros ou mediante métodos químicos que incorporam hidrogênio aos líquidos para formar uma graxa estável e sólida. hidrófilo 1 Que absorve bem a água 2 Propriedade que os colóides têm para a combinação ou a ligação com a água. hidrofobia 1 Horror à água e a quaisquer líquidos 2 Raiva. hidrófobo 1 Que tem horror à água e a quaisquer líquidos 2 Que evita a água [As moléculas hidrófobas típicas são cadeias orgânicas saturadas ou aromáticas). hidrólise 1 Ruptura de uma ligação quínlica pela água; reação durante a qual se produz este fenôn1eno 2 Fixação da água em um éster de mono-álcool ou de poli-álcool (glicérido) para regenerar o álcool e o ácido graxo iniciais. hidrolisado Produto resultante de hidrólise (hidrolisado protéico) . hidromel 1 Bebida obtida pela fermentação alcoólica de n1el diluído em água potável; uma das mais antigas bebidas alcoólicas 2 Líquido xaroposo e laxativo. hidronefrose D ilatação do rim, principalmente de sua pelve e dos cálices, com atrofia do parênquima renal, por acúmulo de urina, cuja elin1inação está entravada por un1 obstáculo (cálculo, tumor) ou, menos comumente, por uma anomalia congênita das vias urinárias. hidropisia 1 Acúmulo de líquido seroso em cavidade do organismo 2 Anasarca. hidropônico Vide H10Rocu1TuRA. hidroxiapatita Estrutura cristalina (3Ca3(PO 4 \ . Ca(OH) 2) que consta de fosfato de cálcio e carbonato de cálcio numa matriz de colágeno orgânico que confere força e rigidez aos ossos e dentes. hidroxicobalamina Vide vrTAMINA B12. hidroxilase Enzima responsável por introdução ou liberação de hidroxila em substrato. hidroxiprolina 1 Ácido 4-hidroxi-2 pirrolidinocarboxílico (C5 H 9 NO 3) 2 Aminoácido não essencial, derivado da prolina, de sintetização orgânica bastante fácil. Encontra-se en1 grande proporção no colágeno e na gelatina;

127

H

hidroxiprolinemia

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

hiperglicemia

H

está presente também em membranas celulares de vegetais. hidroxiprolinemia Erro inato metabólico, caracterizado por deficiência de hidroxiprolina oxidase e aumento da hidroxiprolina no sangue. Sua principal manifestação é o retardo mental. hidroxiprolinúria 1 Presença de hidroxiprolina na urina 2 Ocorre em doenças ósseas com importante remanejo orgânico: hiperparacireoidismo primário, doença de Paget e metástases ósseas por neoplasia. hidrúria 1 Presença de água em excesso na urina 2 Eliminação de urina límpida, de pouca densidade e composição próxima à da água, como acontece na doença diabetes insípido (poliúria). higiene Ciência que, por métodos de preservação, ensina a defender e conservar a saúde. higroscópico Que cem tendência para absorver a umidade do ar. hiperaldosteronismo Excesso de aldosterona produzida pelo córtex supra-renal, provocando abundante excreção de potássio, retenção de sódio e alcalose metabólica. hiperalgesia 1 Intensa sensibilidade à dor 2 Dor muito force S1N Hiperalgia. hiperazotemia Aumento da taxa de nitrogênio não protéico no sangue particularmente da uréia (acima de 0,50 g/L) observada em geral na insuficiência renal S1N Uren1ia. hipercalcinúria Eliminação excessiva de cálcio pela urina. hipercalemia Elevação dos níveis sangüíneos de potássio, que aparece na insuficiência renal, nas desidratações graves, doença de Addison e quando a ministração por via venosa é feita rapidamente. SINTOMATOLOGIA depressão cardíaca (bradicardia, colapso vascular periférico e parada cardíaca). hipercarotenemia Elevação do caroteno no soro, que é freqüente em pacientes com transtornos de alimentação; é muito provável que seja um defeito adquirido do metabolismo do caroteno, secundário ao jejum parcial. hipercarotenodermia Acun1ulação de carotenóides na pele com pigmentação amarela consecutiva. A hipercarotenodermia distingue-se da icterícia em que a primeira afeta só a pele deixando esclerótica (branca) do olho clara. Prurido e perda de peso pode ser causada por ingesta excessiva de alimentos ou de vitaminas ricas en1 caroteno, sendo geraln1ente tratada com mudanças na dieta.

128

hiperceratose 1 Hipertrofia de capa córnea da pele 2 Hipertrofia da córnea SIN Hiperqueratose. hipercloremia Aumento do teor sangüíneo de cloreto de sódio (cloro). hipercloridria aumento da secreção de ácido clorídrico no estômago hipercloruria Aumento da quantidade de cloro na unna. hipercolemia Elevação da taxa norn1al de pigmentos biliares no soro sangüíneo. hipercolesterolemia Aun1ento do colesterol sangüíneo, acima de 2,8 g/litro. hipercolesterolemia familiar Doença hereditária com defeito genético na capacidade para metabolizar o colesterol da lipoproteína de baixa densidade (LDL); caracteriza-se por hipercolesterolemia (> 300 mg/dL), xantomas, aterosclerose e morte prematura.

hipercolesterolemia familiar poligênica Resultado de múltiplos defeitos genéticos, com níveis de LDL por cima do percentil 90º e ausência de xantomas tendinosos em dois ou n1ais fan1iliares; apresenta alto risco para doença prematura. hipercolia Excesso de secreção biliar. hiperemese gravídica Vôn1ito pernicioso que ocorre na gestação. hiperestesia Excessiva sensibilidade, notadan1ente da pele. hiperestrogenia Presença excessiva de hormônios estrógenos no organismo, provocada por disfunção ovariana intensa. hiperfagia ingestão abundante de alin1entos. hiperfenilalanina Aumento do aminoácido fenilalanina. hiperfenilalaninemia T ranstorno do metabolismo dos aminoácidos herdado como características autossômicas recessivas. A fenilcetonúria é a mais comum das hiperfenilalaninemias. Neste transtorno a fenilalanina (Phe) não é n1etabolizada a tirosina (Tyr) devido a un1a deficiência ou inatividade de hidroxilase de fenilalanina. O tratamento nutricional implica restringir o substrato (Phe) e suplementar o produto (Tyr). hiperglicemia Elevação da taxa sangüínea de glicose acima de 1 ou 1,2 g/L (variação decorrente da técnica de dosagem do composto). Distinguem-se as hiperglicemias fisiológicas (pós-prandiais por exemplo) e as hiperglicen1ias patológicas, cuja causa mais freqüente é a diabetes mellitus.

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

hiperglicemia alimentar hiperoxalúria

hiperglicemia alimentar Teste de tolerância à glicose.

hiperglicemia hiperosmolar não cetótica Síndrome formada por hiperglicemia e desidratação intensa, assim como ausência (ou pequenas quantidades) de cetonas que se apresenta como complicação aguda do diabetes melito. hiperglicemiante Agente que promove elevação da glicose sangüínea. hiperhomocisteinemia Concentração elevada do aminoácido hon1ocisteína, que contém sulfuro, provocado pela deficiência de vitamina B12 ou de ácido fólico. Os altos níveis de homocisteína são tóxicos podendo produzir ataques cardíacos, crise cérebro vasculares por coagulação e oclusões das veias periféricas. O tratamento é realizado com ácido fólico nas mulheres férteis e com vitamina B12 oral nos anciões (a vitamina B12 da alimentação torna-se gradualmente não absorvível devido à atrofia gástrica). hiperidrose gustatória Sudorese localizada en1 volta da boca e do nariz (que se mostran1 enrubescidos), provocada por odor ou ingestão de alimentos ácidos ou condimentados. hiperinsulinemia Aumento da insulina no sangue. A Síndrome X descrita por Reaven em 1955, é um transtorno clínico que inclui transtornos n1etabólicos (diabetes n1elito tipo II - NIDDM, hipertensão, dislipidemia e com freqüência obesidade). Apresenta-se um defeito no metabolismo da glicemia denominado resistência à insulina para tentar regular a glicemia (hipersulinemia). hiperinsulinismo Aumento da secreção pancreática de insulina que leva a problemas hipoglicên1icos e provoca desmaios, coma etc. O hiperinsulinismo pode ser orgânico ou derivar de um tumor geral benigno (adenoma) ou maligno de pâncreas. hiperinsulinismo alimentário Aumento da insulina após alimentação. É o tipo mais comum de hipoglicemia pós-prandial. Acontece nos pacientes submetidos à gastrecton1ia ou outro tipo de cirurgia gástrica nos quais se observa uma descarga rápida do alimento para o intestino delgado, com absorção rápida de glucose e uma resposta excessiva de insulina. hiperlactação Excessiva secreção láctea. hiperleucocitose Elevação excessiva do número de leucócitos por unidade de volume sangüíneo. hiperlipemia Excesso de substâncias lipídicas no sangue.

hiperlipidemia Aumento da quantidade global de qualquer fração lipídica predominante: lipoproteínas ( colesterol, fosfolipídios, triglicérides) ou ácidos graxos livres. hiperlipidemia familiar combinada Transtorno de lipídios comum caracterizada por uma elevação do colesterol de lipoproteína de baixa densidade (LDL) em plasma ou um nível de triglicerideos por cima do percentil 90º pelo menos em dois familiares; resultado da produção de lipoproteínas pelo fígado. Existem várias formas desta hiperlipidemia, mas todas elas levam a doença prematura. hiperlipoproteinemia familiar Distúrbio hereditário do metabolismo lipoprotéico, que abrange cinco tipos. hiperlipoproteinemia tipo Ili Transtorno genético do metabolismo lipoprotéico relativamente raro, na atualidade chan1ado Disbetalipoproteina familiar. Apresenta anormalidade na estrutura da apolipoproteína E, e outros fatores de risco associados como obesidade, diabetes, hipertireoidismo e outras dislipidemias. Existe maior risco de cardiopatia coronariana prematura e vascular periférica. hiperlisinemia Aumento do aminoácido lisina no sangue e excreção excessiva de ornitina, gama-aminobutírico e etalonan1ina na urina. Manifestações: retardo mental, hipotonia, convulçoes durante a infância e desenvolvimento fetal imperfeito. hiperlisinuria É um raro transtorno do metabolismo do an1inoácido lisina. O defeito é enzimático (redutase do cetoglutarato de lisina, oxidorredutase de sacaropina, dehidro genase de sacaropina). Aparece aumento do aminoácido lisina na urina. Não requer tratamento alimentício. hipermastia 1 Crescimento anormal da glândula mamária 2 Hipertrofia da glândula mamária. hipermetabolismo Qualquer estado em que há aumento do metabolismo basal. hipernatremia Elevação do nível de sódio sangüíneo. hipernefroma 1 Designação genérica de tumores das cápsulas supra-renais e de epiteliomas renais das células claras 2 Tumor de Grawitz. hiperosmia Aumento patológico da sensibilidade olfativa; congênito ou adquirido. hiperoxalúria Aumento de oxalato na urina. A hiperoxaluria primária é um transtorno metabólico hereditário raro que provoca recorrentes

129

H

hiperoxalúria entérica

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

hipertensão porta

H

cálculos de oxalato de cálcio e depósito final do composto no parênquin1a renal, insuficiência renal progressiva e morte do paciente antes do terceiro decênio de vida. O tratamento, feito após o diagnóstico temprano, é com doses altas de piridoxina e farmacoterapia (orcofosfato oral). hiperoxalúria entérica É devida à absorção excessiva de oxalato observado em doenças do intestino delgado ( doença de Crohn, esprue celíaco e cirurgia de derivação intestinal e insuficiência pancreática). Também é possível que o consumo excessivo de vitamina C ( mais de 1000 n1g/ dia) aumente o oxalato urinário. O tratamento requer 800 a 1200 mg/ dia de cálcio oral (que fixa o oxalato), assim como um consumo reduzido de oxalato, diminuindo os alimentos que elevam a excreção urinária de oxalato ( espinafre, chocolate, nozes, fibra de trigo, chá ruibarbo, framboesas). hiperparatireoidismo Estado conseqüente à hiperatividade funcional das glândulas paratireóides. hiperperistaltismo Aceleração da intensidade e velocidade das ondas periscálcicas. hiperpirexia Febre intensamente aumentada SIN hipertermia. hiperpituitarismo Síndrome por hiperfunção da glândula pituitária, que leva a diversos problemas, entre eles a acromegalia e a síndrome de Cushing, provocando gigantismo ou acromegalia. hiperplasia Proliferação excessiva ou aumento de células normais de um órgão ou tecido; dispostas também normalmente nessa estrutura. hiperprolinemia Dismecabolismo hereditário n1anifestado por alto nível sangüíneo de prolina e retardamento mental. Julga-se que o distúrbio seja enzin1ático de origem genética. hiperproteinemia Teor elevado anormal de proteína sangüínea. hiperq ueratose Hiperceratose. hiperqueratose folicular Espessan1enco da camada externa da pele, ao redor do orifício do folículo piloso. As lesões se localizam nas faces lacerais das pernas e dos braços, especialmente nas partes glúteas. hiperquilia Produção excessiva de quilo. hiperq uilomic ro nem ia Hiperlipoproteinemia tipo I é uma forma rara de hipercrigliceridemia familiar que se manifesta en1 crianças ou adultos jovens na forma de pancreatite, xantomas

130

eruptivos, hepacoesplenomegalia e não predispõe a aterosclerose vascular. hipersecreção Aumento da secreção de uma glândula. hipersensibilidade ao alimento É uma reação adversa ao alimento e apresenta-se quando o sistema imunológico reage a uma substância (alimento) que geralmente é inócua. Deve-se a que o sistema imunológico assume em forn1a errônea o que é daninho. A hipersensibilidade ao alimento inclui reações da imunoglobulina E (Ig E) e tipo não Ig E. hipersódico Referente a regime alimentar contendo muito sódio. hipertensão Aumento anormal da pressão no interior de uma cavidade ou de um vaso. hipertensão arterial 1 Aumento anormal da pressão sangüínea no setor arterial do sistema circulatório 2 Pressão arterial persistentemente alta, definida como uma pressão sistólica n1aior ou igual a 130 mmHg ou uma pressão diastólica maior ou igual de 85 mmHg. A pressão arterial ótima com respeito ao risco cardiovascular é de 120/80 mmHg. hipertensão convergente Resultante da elevação da tensão diastólica proporcionalmente bem mais alta do que a tensão máxima. hipertensão divergente Hipertensão em que a tensão máxima se apresenta elevada e a mínima se conserva normal ou mais baixa. hipertensão equilibrada. Hipertensão em que a pressão mínin1a e a n1áxima elevam-se paralelamente. hipertensão essencial Forma de hipertensão de ocorrência familiar ( e talvez genética), de causa desconhecida. Pode provocar lesões anatôn1icas e distúrbios funcionais do coração, dos vasos sangüíneos, do sistema nervoso e renal. hipertensão intracraniana Resultante de hipertensão em vasos cerebrais, de edema cerebral ou de retenção de líquido cefalorraquidiano. É produzida especialmente pela presença de tumor, hemacon1a ou abscessos, por acidentes vasculares, por hidrocefalia e infecções. hipertensão maligna Exacerbação do quadro clínico e evolução acelerada da hipertensão essencial. hipertensão porta Quadro sindrônüco, conseqüente de obstáculo ou oclusão de tronco porta ou de um de seus ramos, fora ou dentro do fígado. Ocorre quando a pressão venosa portal atinge mais de 20 mmHg. Quando da obstrução,

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

hipertensão renal hipocalci pexia

os vasos colaterais se desenvolvem (veias varicosas), visando drenar o sangue portal para o sistema cava. Entre as complicações, podem verificar-se esplenomegalia e ascite. hipertensão renal Aumento da tensão arterial siscêmica, causado por nefropatias. hipertensão secundária Hipertensão que aparece consecutiva a outra doença. hipemia Anemia. hipertermia Aumento acima do normal da temperatura do corpo (36,5 a 37,5°C) ou de parte dele. hipertermia fisiológica Febre transitória, que pode ocorrer em recém nascido. hipertireoidismo Excesso de hormônio tireoideano no sangue, por hiperfunção da glândula ou exagerada ministração desse horn1ônio. Sua sintomatologia registra aumento da tireóide, taquicardia, sudorese, tremor, exoftalmia, agitação e elevação do metabolismo basal. hipertonia 1 Condição de líquido ou solução que, em confronto com outro líquido ou solução, apresenta tensão osmótica mais elevada 2 Aun1ento exagerado da conicidade n1uscular. hipertônico 1 Que apresenta hiperconia (excesso de tonicidade n1uscular) 2 Que contén1 pressão osmótica superior à da solução salina fisiológica ou de outra solução considerada padrão. hipertricose Crescimento anormal de cabelos ou pêlos; mais abundantes, mais volumosos, mais pign1entados. hipertrigliceridemia Forma de hiperlipidemia caracterizada por elevação dos triglicerídios. hipertrofia Desenvolvimento excessivo de um órgão, com aumento de peso ou volume. hiperurese Eliminação abundante de urina, ou poliúria. hiperuricemia Aumento da caxa de ácido úrico no sangue e sua conseqüente manifestação mórbida. É a causa dos acessos de gota e da litíase renal úrica. hiperventilação Respiração anormal, veloz e profunda, por aun1ento da quantidade de ar inspirado e que penetrando rapidan1ente nos alvéolos se torna excessiva em relação ao consumo de oxigênio do indivíduo. hipervitaminose Transtornos devidos à ministração excessiva de vitan1ina, principaln1ente a A. problemas com grandes níveis de vitamina, principalmente de vitamina A, D, B6 e niacina normalmente provêem de suplementos poren1

hipervitaminose A e D podem resultar de alimentos enriquecidos. hipervolemia Aumento do volume cocal da massa sangüínea. hipidrose Sudação deficiente ou diminuída. hipinose Redução de fibrina no sangue, levando a uma menor capacidade de coagulação do sangue. hipnalgia Dor que ocorre durante o sono. hipniatria Método de cura durante o sono hipnótico ou por meio do sono. hipnocatarse Emprego de drogas a fin1 de provocar sono. hipnofrenose Sonolência patológica. hipnogênico Que produz sono. hipnose Sono ou transe induzido artificialmente en1 un1 indivíduo, por intern1édio de palavras, sugestão ou olhar do hipnotizador. O grau de estado hipnótico depende da força do hipnotizador e da receptividade do hipnotizado; varia desde modesta sugestibilidade até sono profundo, similar ao da anestesia cirúrgica. hipnotoxina Desenvolvimento de propriedades tóxicas de humores na insônia prolongada; levando a necessidade imperiosa de dormir e lesões celulares no córtex cerebral. hipoacidez Deficiência em ácidos, ou de acidez normal. hipoadrenalismo Atividade deficiente da adrenal. hipoadrenocorticismo Diminuição da secreção das células do córtex da adrenal. hipoaldosteronismo Baixa taxa de aldosterona. hipoalimentação Ingestão alimentar com valores plásticos, energéticos e reguladores abaixo dos requerimentos do organismo. hipoalonemia Deficiência de sais no sangue. hipoandrogenia Deficiência de andrógeno. hipoazotúria Redução de substâncias nitrogenosas urinárias. hipobaropatia Perturbações em indivíduos que voam em grandes alruras; com alterações vasomotoras, cefaléia, sonolência, hipertensão. Provocado pela queda da pressão atn1osférica. hipobilirrubinemia Din1inuição da bilirrubina no sangue. hipocalcemia Din1inuição de íons cálcio no sangue. hipocalcia Relacionada com distúrbios referentes à insuficiência geral do cálcio orgânico. hipocalcipexia Diminuição da fixação de íons cálcio nos tecidos.

131

H

hipocalciúria

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

hipoplasia

hipocalciúria Diminuição da excreção urinária de cálcio.

hipocalemia Redução do teor de potássio san-

H

güíneo, resultante de perdas desse mineral por via digestiva ( diarréias e vômitos profusos) ou por alteração de sua reabsorção ( tubular, de origem renal ou córtico-supra-renal). hipocapnia Diminuição de dióxido de carbono no sangue. hipocloremia Redução do cloro plasmático, geralmente por sua perda em casos de insuficiência renal em vômitos e diarréias abundantes. hipocloridria Diminuição da acidez normal do suco gástrico (baixa quantidade de HCl). hipocolesterolemia Diminuição da taxa de colesterol no sangue. hipocolia Redução da secreção biliar. hipocondria Referente ao indivíduo com mania de ser portador de doenças e que se julga principalmente acometido de males sediados nos hipocôndrios. Síndrome em que o individuo é acometido de preocupações exageradas, sem embasamento, relativo a sua saúde; pode haver associação com doença simulada. Acreditava-se que o hipocôndrio ou o baço eram a origen1 do distúrbio. hipocrômico 1 Diminuição da pigmentação cutânea 2 Condição hen1atológica característica das anemias hipocrômicas. hipoestesia Redução dos diversos tipos de sensibilidade. hipofagia Período de menor consumo de alimentos. hipófise Glândula neuroendócrina pequena e arredondada situada na sela túrcica do osso esfenóide e ligada, por pedúnculo ou haste, ao soalho do terceiro ventrículo cerebral. Dividese em lobos anterior e posterior e desempenha um papel crucial em numerosos fenômenos fisiológicos S1N Glândula pituitária. hipof isectomia Remoção cirúrgica da hipófise. hipogalactia Deficiência da secreção láctea. hipogástrio Região média e inferior do abdome. hipogeusia Redução de sensações gustativas. hipoglicemia Diminuição do nível normal da taxa de glicose sangüínea (geralmente < 70 mg/100 mL) que conduz a um síndrome clínico com diversas causas nas quais os baixos níveis de glicose em sangue levam a neuroglicopenia. hipoglicemia artificial Acontece pela autoadministração de insulina ou fulfonilureais em pessoas que não apresentam diabetes. Os sin-

132

tomas são muito graves com perda da agudeza n1ental, convulsões e perda do conhecimento. hipoglicemia em jejum acontece pela falta de alimento após oito horas ou mais. É resultado de outros transtornos médicos subjacentes (deficiência hormônio hipopituitário, insuficiência suprarrenal, deficiência de catecolaminas ou de glucagon, hepatopatia, nefropatia, medicamentos con10 álcool, propanolol e salicilatos, insulinoma e outros tumores pancreáticos). hipoglicemia posprandial Também chamada de hipoglicemia reativa, acontece quando os valores da glicose em sangue descem por debaixo dos limites normais duas a cinco horas após ingestão de alimentos. Acontece por hiperinsulinismo alimentári e hipoglicen1ia rativa idiopática; assim como por síndromes raros como intolerância hereditária à frutose, galactosemia ou sensibilidade à leucina. A ingestão de álcool depois de jejum prolongado ou de grandes quantidades de bebidas alcoólicas e carboidratos de estômago vazio (síndrome de gim-tônica) também ocasiona hipoglicemia após três a quatro horas em algumas pessoas sãs. hipoglicina Componente tóxico na forma de hipoglicina A e B; encontra-se no fruto e na semente do arbusto Blighia sapida. O fruto dessa planta, comido cozido ou assado, não maduro e en1 grande quantidade, provoca vômitos, cãibras, coma e morte. hipoglosso 1 Que está debaixo da língua 2 Músculo lingual que se origina no osso hióide 3 XII par de nervos cranianos, cujo papel único é movimentar os músculos da língua. hipoglossite Inflamação da parte inferior da língua (freio). hipolactasia Diminuição da quantidade da enzima intestinal lactase. A hipolactasia de tipo adulto é a variante mais comum nas deficiências em lactase. hipolipidemia Redução de lipídios totais sangüíneos (lipoproteínas). Ocorre em cirroses con1 insuficiência hepática; são formas congênitas à abetalipoproteinemia e à enfermidade de Tanger. hiponatremia Redução do nível de sódio sangüíneo. hipopnéia Redução da ventilação pulmonar. hipopituitarismo Insuficiência hipofisária. hipoplasia 1 Redução da capacidade formadora de tecidos ou órgãos 2 Redução moderada do desenvolvimento de uma víscera, um membro etc.

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

hipoplástico histidina

hipoplástico Desenvolvimento incon1pleto e falho.

hipoproteinemia Redução do nível de proteínas no sangue.

hipoprotidemia Redução do nível proádico do soro sangüíneo, que pode ocorrer por diminuição de proteínas círculantes (ligada à deficiência de ingestão, má absorção e transtornos de proteção protéica) por perdas digestivas e renais e por hemo-diluição. hipopsia Diminuição da capacidade forn1adora dos tecidos. hiposmia Diminuição do sentido do olfato. A hiposmia é comum nos anciões devido ao envelhecimento normal ou a doenças como Alzheimer, n1edicamentos, intervenções cirúrgicas, radioterapia e exposição ambiental. A menor entimulação sensorial altera processos metabólicos (secreção salivar, ácídos gástricos, pancreático e secreção de insulina). hipossialia Deficiência da secreção salivar. hipossódico Referente a regime alimentar com teor de sódio reduzido. hipossonia Sono insuficiente. hipostestólise São desdobramentos das gorduras ingeridas pela deficiência do suco pancreático. hipotálamo Região do diencéfalo sitiada na frente do tálan10 e acima da hipófise. Abrange o assoalho do terceiro ventrículo, inclusive os núcleos vizinhos associados. É considerado o centro do controle do sisten1a nervoso autônomo e de várias funções importantes do organismo ( ação sobre o apetite, sede temperatura e função das glândulas hormonais). hipotensão Redução abaixo do normal da pressão arterial. hipotensão dirigida Provocada e regulada farmacológicamente durante certas intervenções cirúrgicas com fins homeostáticos. hipotensão ortostática Diminuição da pressão arterial ao adotar uma posição vertical associada ou não com vértigo e lipocímia. hipotermia Din1inuição abaixo do normal da temperatura do corpo ou de parte dele. Observa-se hipotermia nas exposições prolongadas ao frio, em certas intoxicações e em certas doenças infecciosas. hipotermia provocada Abaixamento da temperatura central do corpo; realizada para a feitura de uma cirurgia. hipotireoidismo Estado de disfunção tireoideana em decorrência de insuficíência de hormônios

tireoideanos. O quadro cünico evolui com o estágio e o grau de deficiência da função glandular. Observa-se no adulto o quadro de mixeden1a e na criança o de cretinismo. hipotonia 1 Condição de líquido ou solução que, em confronto com outro líquido ou solução, apresenta menor tensão osmótica 2 Redução da tonicidade muscular ou da excitabilidade nervosa. hipotônico Solução com menor tensão osn1ótica que a isotônica. hipotrofia 1 Distúrbio de nutrição de um órgão, provocando sua ruína 2 Desenvolvimento de todo ou parte do corpo. hipoventilação Redução da ventilação alveolar. hipovolemia Redução do volun1e total do sangue. hipoxantina Produto intermediário dos tecído animais e vegetais e da urina produzida na decomposição dos ácidos nucléicos. hipoxia 1 Estado em que é deficiente a quantidade de oxigênio necessária ao organisn10 2 Anoxia moderada. hirudina Anticoagulante sangüíneo encontrado en1 glândulas bucais de sanguessugas. Funções relacionadas à interferência com a trombina. histamina Amina depressora encontrada no esporão do centeio e no tecido do organismo animal em quantidade variável. Neste último é produzida por descarboxilação da histidina. Contribui a regular o tônus da musculatura lisa. Atua no desencadeamento de processos alérgicos e provoca secreção de suco gástrico. histaminase Enzima que, no sangue, destrói a histamina. histaminose Estado de choque produzido por um excesso de histamina. histanoxia Diminuição do oxigênio tecidual causada por redução da oferta sangüínea. histerectomia Retirada círúrgica do útero. A histerectomia pode ser parcial ou total. histerômetro Uterômetro; instrumento destinado a medir as dimensões do útero. histidase Enzima encontrada no fígado, atuante sobre a L-histidina, abrindo o anel imidazólico, resultando nos ácidos glutâmico e fórmico e na amônia. histidina Aminoácido essencial. Com a eliminação de m_olécula de C02, converte-se em histamina. E precursora do ácido glutâmico, da histamina, da carnosina e da anserina. Interfere no metabolismo protídico e participa na formação do sangue (hemoglobina).

133

H

histidinemia

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

homogeneização

histidinemia Aun1ento dos níveis de histidina

H

em sangue. É um transtorno metabólico produzido pelo defeito na enzima histidinase. Há acun1ulo deste aminoácido tan1bém na urina. Não requer tratamento alimentar. histoenzimologia Escudo das enzimas celulares, quando de sua pesquisa microscópica nos tecidos. histólise Destruição não patológica de certos tecidos durante a vida de um animal ou planta. histologia 1 Ran10 da anatomia microscópica que aborda os tecidos formadores dos seres vivos 2 Escudo da formação, evolução e da composição dos tecidos dos seres vivos. histonas Por suas características, constituem verdadeiro grupo de transição entre as protaminas e as albuminas. Proteínas simples (holoproteínas) que, no interior do núcleo celular, estão ligadas ao ácido desoxirribonucléico (ADN) nos cromossomos, na transmissão de mensagem genética. A globina da hen1oglobina é uma histona. histopatologia Estudo n1icroscópico dos órgãos e tecidos doentes. história dietética Registro pormenorizado dos alin1entos que se ingere e da relação entre sua ingestão e o aparecimento de manifestações orgânicas desfavoráveis. HMG, Coa Hidriximetil glutaril Coenzima A, enzima que sintetiza colesterol. HMG, Coa redutase, inibidores de Fármacos redutores do colesterol que inibem a enzima reguladora da síntese do colesterol ( redutase da CoA,H MG). holoenzima Estrutura completa da enzima, em que se encontram a apoenzima (parte exclusivamente protéica) e a coenzima. holosídios Nome do complexo de açúcares que rendem apenas açúcares na hidrólise. holotranscobalamina li Vitamina B12 aderida a B-globulína que é a principal proteína da circulação que descarrega vitamina B12. Desempenha um papel ativo na fixação e transporte da vitamina B12. homeopatia Especialidade médica que utiliza em seus tratamentos agentes medicamentosos não similares aos da medicina alopática. homeostase Equilíbrio do meio interno do indivíduo, assegurado por processos fisiológicos coordenados. homocisteína Aminoácido de importância bioquímica como intermediária em reações celu-

134

lares. É resultante da demetilação intracelular da metionina, que a seguir é transportada para o plasma. Em sua forma oxidada, a homocisteína é ligada a proteínas. Metabolizada en1 sua maior parte, a homocisteína é transformada em cisteína ou metionina. Para ser catalisada em cisceína, a homocisteína passa por um processo de transulfuração, com a participação da vican1ina B6. A metionina, por sua vez, é obtida pela remetilação, que é realizada em presença da enzima metionina sintase; sua atuação depende do folato e da cobalan1ina. Desse modo, ocorre correlação negativa dos níveis de homocisceína e dos níveis séricos das vitaminas B12, B6 e ácido fólico. A homocisteína tida con10 aterogênica, quando de seu aumento no plasn1a e na urina, é considerada como indicador de risco para a acerosclerose. Em pequisas recentes, a hiper-hon1ocisteína tem sido correlacionada de modo positivo com a incidência de doença coronariana. O n1ecanismo da ação hecerogênica ainda não está bem esclarecido, porén1 é consenso geral que a hiper-homocisteína participa da oxidação do LDL. Níveis plasmáticos elevados de homocisteína são encontrados nos casos de erros inatos do metabolismo, resultantes de desvios genéticos, provocadores de deficiência enzimática com transtornos do metabolismo de homocisteína. Em casos de anemia com astenia ou somente de astenia, em doentes renais, podem ser encontrados altos níveis de homocisceína plasn1ática. A deficiência de vitan1inas, associada ao metabolismo da homocisteína, pode aumentar os índices de homocisteína sérica. A reposição dessas vitaminas no organismo, conseguindo-se a normalização da hon1ocisteína, evita a aterosclerose. homocistinuria Uma doença genética que afeta o metabolismo do aminoácido metionina e sua conversão em cisceína. Caracterizada pela excreção de homocisteína e seus derivados. Pode resultar em retardo mental e morte prematura por aterosclerose e trombose coronariana sem tratamento, assim como fratura dos ossos e deslocação das lentes dos olhos. O tratamento que deve continuar a vida toda é dando un1a dieta baixa em metionina e suplementando com cisteína ou em alguns casos por administração de grandes quantidades de vitamina B6. homogeneização 1 Ação de submeter determinados líquidos a un1 tratamento que impede a decantação de seus elementos constitutivos

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

homopoiético hospitalizado

2 Processo mecânico que visa reduzir o tamanho de glóbulos de gordura, com a finalidade de proporcionar sua melhor dispersão no leite onde se encontran1 ( a homogeneização traduzse por maior rendimento na fabricação do leite em pó e no processan1ento de mistura para a fabricação de sorvete). homopoiético Referente à formação de sangue, especialmente os elementos celulares SIN he.' . matopo1et1co. hormona, lipase sensível Enzima do adipócito que intervêm na hidrólise de triglicerídios a ácidos graxos e glicerol, que logo sai da célula adiposa para entrar na circulação sangüínea. hormônio Substância secretada por uma glândula endócrina ou elaborada por um tecido, vertida diretan1ente no sangue e que exerce uma função fisiológica específica sobre o funcionamentode um órgão. O hormônio catalisa e controla vários processos metabólicos. Sua atividade, sob certos aspectos, é bastante parecida con1 a das enzimas, principalmente no que diz respeito à sua mínima quantidade para poder agir. hormônio adrenocorticotrópico (ACTH) Provém da porção anterior da hipófise, estimulante do córtex supra-renal para a elaboração de toda a sua gama de hormônios. hormônio antidiabético Insulina. hormônio andiurético (ADH) Vasopressina. hormônio co rticoste ró ide Grupo de hormônios provenientes das glândulas supra-renais que regulam a utilização de nutrientes orgânicos e a eliminação de água e sais. hormônios de atividade sobre o sódio Os hormônios de atividade na reabsorção do sódio dividen1-se entre os que: aumentam a reabsorção - aldosterona (principal), estrogênios, mineralocorticóides e glicocorticóides; diminuen1 a reabsorção - progesterona, androgênios.

hormônio estimulante da melanocortina (a-MSH) Horn1ônio, também chamado de melanocortina, produzido através de estímulos advindos da ingesta alimentar e dos níveis circulantes de leptina, a qual ativa o processamento hipotalâmico das pro-opiomelanocortinas (POMC) em a-melanocortina (MSH). Esta última liga-se aos seus receptores e induzem a saciedade ao inibir o centro da fome no hipotálamo lateral. hormônio estimulante da tireóide (TSH) Hormônio tireotrópico; da adeno-hipófise que controla as condições tireoidianas.

hormônio foliculoestimulante (FSH) Horn1ônio adeno-hipofisário; estimulante do crescimento dos folículos, do ovário e da espermatogênese. hormônio gonadotrópico Todo horn1ônio gonadoestimulante. hormônio lactogênico Prolactina. hormônio luteinizante (LH) Hormônio adenohipofisário estimulante das células intersticiais e epiteliais ovarianas que, associado ao horn1ônio foliculoestimulante, favorece a maturação folicular e a produção de corpos lúteos. Esse hormônio atua, no homem, sobre as células intersticiais testiculares. hormônio paratireóideo (PTH) Hormônio secretado pela glândula paratireóide, controlador do balanço do metabolisn10 cálcico do organismo. hormônio progestacional Vide PROGESTERONA. hormônios retro-hipofisários Hormônios neuro-hipofisários. hormônio sexual Qualquer hormônio gonádico: masculino ou andrógeno ( testosterona e androsterona); feminino ou estrógeno ( estradiol, estrona e progesterona). Esses hormônios são secretados pelos testículos e ovários, respectivamente, mas são encontrados em outros tecidos. hormônio somatotrópico (STH) Horn1ônio de crescimento. hormônio tireóideo Vide T1Rox1NA. hormonioterapia Terapêutica hormonal. hormonógeno Referente a substâncias elaboradas por glândulas endócrinas, de ação pouco esclarecida e que são transformadas em hormônios ou exercem seu papel. hormonopoiese Produção de hormônios. hospitalização Internação de pacientes em hospitais com as finalidades de diagnóstico e tratamento clínico ou cirúrgico. hospitalizado Paciente internado em nosocômio, que está subordinado a inúmeros fatores que influem em seu tratamento, principalmente os que estão ligados ao tipo e às características de sua enfermidade, às suas condições orgânicas e de resistência, à sua situação socioeconômica e à qualidade de prestação de serviços n1inistrados pelo hospital por meio de recursos técnicos e financeiros suficientes. Em relação ao indivíduo hospitalizado, deve ser levada em conta não somente a especificidade de sua doença, como também a normalidade de seu estado nutritivo, condição decisiva para que possa reagir favoravelmente ao tratamento, abreviando o restabelecimento. A maioria

135

H

HTST

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

humoral, imunidade

H

dos pacientes hospitalizados por tempo relativan1ente grande acaba se desnutrindo, quando, por insuficiente conhecimento dietoterápico, o médico considera a terapêutica a única responsável pelo tratamento e pela cura do enfermo. Essa desnutrição é agravada, ainda, pela redução do apetite, pela ingestão de determinadas drogas, pela presença de comidas não atraentes (fria, con1 excesso de gordura, malpreparada etc.) e en1 razão da própria natureza da doença. No tratamento de enfermos, é imprescindível a conscientização da importância da nutrição por toda a equipe de saúde do hospital (médicos, nutricionistas, enfern1eiros, assistentes sociais e pessoal da cozinha e da distribuição das refeições); só assin1 será alcançado o objetivo de proporcionar ao paciente condições para que ele possa reagir contra a enfermidade que apresenta, contra as infecções que possam sobrevir durante a internação e para que seja aun1entada sua capacidade orgânica para a cicatrização normal de lesões operatórias ou de outras origens; para o aumento ainda de elementos sangüíneos, evitando anemias; para

136

impedir degeneração muscular por falta de ingestão suficiente de proteínas; e também o aparecimento de avitaminoses; descalcificação e outras deficiências capazes de surgir por falho atendimento nutricional do hospitalizado. HTST 1 High Temperature Short Time Pasteurization 2 Pasteurização a altas temperaturas em pouco tempo. humoral Imunidade mediada por anticorpos produzidos por linfócitos B. Inclui os anticorpos (imunoglobulinas) e desempenha uma in1portante função na alergia alimentar. Os linfócitos ( células B) são produzidos por anticorpos específicos em resposta ao antígeno apresentado. A união de um antígeno e seu anticorpo leva a produção de mediadores químicos ou dano celular direto, produzindo sintomas. Os anticorpos IgG, IgM e IgD protegen1 o organismo. Os anticorpos IgA presentes na saliva e secreções intestinais, bloqueiam a absorção de antígeno. Os anticorpos IgE ajudam a eliminar os parasitas do organismo e também intervêm nas reações alérgicas clássicas.

iatrogênico Relativo à iatrogenia. Descreve uma

ictiotoxismo Intoxicação procedente da ingestão

condição ou doença resultante de tratamento. Induzido pelo médico (p. ex.: efeitos colaterais de um medicamento). iatrologia Escudos médicos, tratado de medicina ou dos remédios. ibogaína Alcalóide tóxico (C52H 66N 60 2) da planta Tabernanthe iboga. Eleva a diurese, a pressão sangüínea e a temperatura corpórea. Provoca alucinações e paralisias em doses elevadas. icterícia Revelada por coloração amarela da pele e mucosas, de intensidade variável, que indica impregnação de bilirrubina (hiperbilirrubinemia). Pode estar acompanhado de anemia, bradicardia, adinamia. icterícia dos recém-nascidos Observada nas crianças nos primeiros dias após o parto. icterícia familiar Congênita, caracterizada por fragilidade globular. icterícia nuclear Pigmentaçaõs biliar no sistema nervoso central, com degeneração de células nervosas. icterícia por soro homólogo Icterícia após transfusão de soro humano, aparentemente causada por vírus. ictiofobia Aversão mórbida a peixes. ictiossarcotoxina Substância tóxica de pescado comestível. ictiotoxicose Intoxicação produzida por peixe contaminado com bactérias. A toxina se dispõe nos órgãos vísceras e fígado.

de peixes contan1inado con1 bactérias contendo substâncias tóxicas. íctus Pancada ou choque. ictus apopleticus Derrame sangüíneo cerebral. ictus cordis Choque precordial. ictus epi/epticus Ataque epilético. ictus sanguinis Apoplexia cerebral. ictus so/is Internação ou insolação. idade Número de anos, tempo de vida extra uterina. Duração ordinária da vida. idade fetal Idade do ser vivo desde a concepção a qualquer época antes do nascimento. idade fisiológica Analisada sob o aspecto de desenvolvimento funcional. idade gestacional Relacionada com o tempo de gestação. Pode ser avaliada por cálculos, investigação clínica pediátrica, dados clínicos obstétricos, exames laboratoriais, ultra-sonografia, averiguações do recém-nascido. idade mental 1 Expressão do nível intelectual da criança normal média 2 Período de vida em que o indivíduo adulto, em plena maturidade, sente-se no apogeu de suas faculdades n1entais, sobressaindo-se essas com maior realce sobre as suas demais funções e qualidades. idiopático Sem etiologia definida, de causa desconhecida, independente de outro estado mórbido. idiossincrasia Intolerância primitiva e congênita de individuo a determinado medicamento

idiossincrasia hemorrágica

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

índice de iodo

ou alimento. Disposição individual com sensibilidade contrária. idiossincrasia hemorrágica Hemofilia. idiotia Redução grande ou ausência de inteligência e das faculdades afetivas, sensitivas e motoras. idiotia amaurótica familiar Grupo de idiocias hereditárias, nas quais un1a cegueira por lesões do fundo de olho se encontra com o estado de atraso n1encal. idiotia cretina Cretinismo. idiotia epiléptica Associada à epilepsia. idiotia sensorial Deficiência intelectual por anormalidade nos órgãos dos sentidos. idiotia tóxica ou medicamentosa Conseqüência do abuso de substancias tóxicas. ilectomia Remoção cirúrgica do íleo. íleo Última porção de intestino delgado, após o jejuno e antes da junção íleocecal. íleo adinâmico Interrupção dos movin1entos por algum obstáculo, que pode ser por obstrução do interior intestinal. íleo dinâmico Íleo espasmódico. íleo mecânico Obstrução intestinal de variada etiologia, por pressão interna ou externa. íleo proctostomia Anascomose ileorrecal. ileostomia Ânus artificial na altura da última parte do intestino delgado ( íleo ). ilhotas de Langerhans Pequenos grupos de células espalhadas dentro do pâncreas, que segregam os hormônios insulina (células beca) e glucagon (células alfa). ilíaco Relativo aos flancos ou a bacia. iloticina Eritromicina. imaturo Que ainda não atingiu seu completo desenvolvimento. imunidade Capacidade de con1bater e vencer agressões infecciosas, que possuem certos indivíduos, quando submetidos à ação de causa patológica, podendo ser natural e adquirida. Algumas doenças deprimem cal capacidade. imunidade adquirida Adquirida após o nascimento. imunidade antiinlecciosa Proteção contra infecção. imunidade antitóxica Proteção contra toxinas. imunidade cruzada Por inoculação de germe do mesmo grupe. imunidade inata Herdada. imunidade inespecílica Proteção contra qualquer doença infecciosa. imunidade passiva Feita por introdução de um soro imune.

138

imunoglobulina 1 Proteína anin1al que atua como anticorpo 2 Designação de várias globulinas do grupo gamaglobulinas, presentes no soro sangüíneo e em certos humores. imunologia Ciência que estuda a imunidade, com suas leis e processos. imunoterapia Terapia ou terapêutica que se utiliza de anticorpos introduzidos no organismo para protegê-lo do ataque de substância estranha, tratamento preventivo com soros específicos. inacidez Deficiência ou falta de acidez, principalmente do suco gástrico. inanição Completa falta de exaustão e enfraquecin1enco, conseqüente à falta de alimento e água. INCAP Instituto de Nucrición de Centro America y Panan1á. incaparina Produto enriquecido para suplementação alimentar de coletividades, rica em vitaminas, minerais e proteínas; utilizado para tratamento, em alguns países, de desnutrição infantil. intituído pelo INCAP. incidência Freqüência com que se sucede um evento ou doença, em um deternunado período de tempo. incontinência Incapacidade de reter produtos de excreção. Pode ser de origem patológica ou de fundo psicológico. incretina Substância encontrada no duodeno, similar à duodenina, que parece estimular a secreção de insulina, produzindo redução da glicemia. incubação 1 Tempo decorrido entre o momento da infecção e o aparecimento dos sintomas da doença 2 Fase de desenvolvimento do feto ou culcura nucrobiana 3 Manutenção de crianças prematuras em temperatura adequada. indicação do regime É a indicação dos rumos do regin1e norn1al ou dietoterápico, com a fixação dos objetivos que eles deven1 cumprir. A indicação do regime deve considerar as condições do indivíduo sadio ou enfern10, no que diz respeito ao seu estado nutritivo, às suas exigências corporais, à natureza e evolução das doenças presentes à repercussão desses sobre o paciente. índice Catálogo, lista, relação de termos de livro ou capítulos. Relação entre duas quantidades. índice de acidez Número de miligramas de hidróxido de potássio (KOH) necessário para neutralizar os ácidos livres de um grama de gordura. índice de iodo Método utilizado para medir o grau de insacuração dos ácidos graxos. É

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

índice de mortalidade infeccão mista •

o número de gramas de halogênios (bromo, cloro, flúor e iodo) expresso em iodo absorvido por 100g de gordura. Quanto maior for a insaturação do ácido graxo, maior será a sua absorção de iodo e maior também será o índice. As gorduras sólidas ( toucinho e gordura de vaca) contêm baixos índices de iodo. Os óleos vegetais e os de peixes têm índices de iodo elevados. índice de mortalidade Número proporcional de óbitos em determinado ano, em comparação com o total de habitantes da região considerada. índice de refração Relação existente entre a velocidade da luz no ar e no meio constituído pela substância em exame. índice de Reichert-Meiss Determinação de ácidos graxos voláteis nas gorduras. É a quantidade, em mL, de solução N/10 de NaOH, necessária para neutralizar o destilado de 5g de gordura. índice de saponificação Indica a natureza (peso molecular) dos ácidos existentes. É o número em miligramas de hidróxido de potássio necessário para saponificar um grama de gordura. índice dos membros Referente à anrropomerria. Resultado da soma do comprin1ento do membro superior (determinado da ponta acromial à interlinha do punho) com o do membro inferior ( medido da borda superior da sínfise púbica à interlinha tibiotarsiana). Integra, com o índice do tronco, o valor somático. indice do tronco Referente à anrropomerria. Resultado da soma dos valores volumétricos do tórax, e das regiões superior e inferior do abdome. Integra com o índice dos membros o valor somático. índice ponderai Referente a tecido adiposo; é obtido dividindo-se a altura pela raiz cúbica do peso corporal. Esse índice apresenta-se baixo em pessoas acima do peso e alto em indivíduos abaixo do peso. indigerível Que não se pode digerir. indigestão Transtornos de funções digestivas que ocorrem subitamente, originados por causas ex. , . . ternas ou internas, ps1qu1cas, emot1vas etc. indigesto Que não é digestível; que dificilmente é digerido, que perturba a digestão. indol Composto sulfoconjugado, encontrado nas fezes e em algumas plantas. É obtido in vitro por bactérias, do índigo e, da decomposição do triprofano.

indoxil Marabólito derivado do aminoácido triprofano encontrado na urina. infância 1 Meninice, primeiro período da vida. 1.1 1° infância De Oa 2 anos 1.2 2° infância. De 2 a 6 anos 1.3 3° infância. De 7 a 12 anos. infantilismo Existência de caracteres da infância em indivíduos na adolescência ou na vida adulta, caracterizado por atraso mental, baixa estatura e desenvolvimento deficiente doas órgãos genitais. infantilismo caquético Infantilismo provocado por desnutrição crônica grave. infantilismo celíaco Decorrente da doença celíaca. infantilismo de Brissaud Mixedema infantil. infantilismo pancreático Crescimento recardado por doença celíaca ou desnutrição crônica. infantilismo pituitário Deficiência gonadotrópica. Infarto do miocárdio. Angina precordial, decorrente de isquemia total ou parcial do miocádio. Os riscos mais importantes estão relacionados aos níveis de colesterol sangüíneo, à pressão arterial alta e ao fumo, nessa orden1. Outros fatores de risco incluem idade, impotência, histórico familiar da doença, falta de exercício, diabetes, gota, outras anormalidades dos lipídios do soro, uso de alguns tipos de pílulas anticoncepcionais, estresse etc. infarto Diz-se de uma área necrosada de tecido na qual a irrigação sangüínea não se faz perfeitamente ou está abolida totalmente em conseqüência de obstrução ou estenose. infecção Invasão do organismo por microorganismos patogênicos como bactérias, fungos, ' ' . v1rus, protozoanos e outros. infecção cruzada Infecção que o paciente adquire de outro paciente. infecção endógena Produzida por bactérias da flora normal que se tornam patogênicas. infecção exógena Provocada por microorganismos existentes no meio an1biente. infecção focal Infecção rescrita a área delimitada: an1ígdalas, dentes, próstata, seios da. face etc. infecção inaparente Tan1bém denominada infecção latente ou subclínica, refere-se a pessoa ou animal em que o agente infeccioso afeta de modo tão leve, que ainda quando a infecção se encontra presente, não é identificada clinicamente e sim somente por exames laboratoriais. infecção mista Quando provocada por mais de um tipo de microorganismo.

139

infecção por Campylobacter

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

insulina zinco globina (NPH)

infecção por Campylobacter Caracterizada

ingestão recomendada 1 Constituída de nu-

por quadros clínicos manifestados por diarréia aquosa e profusa e, posteriormente, por complicações decorrentes da ação extra-intestinal do microorganismo. Os pontos vulneráveis da ação microorgânica são o jejuno e a zona inicial do íleo. Como complicações decorrentes, podem surgir, no homem, febre prolongada e até septicemia; na mulher, ocorrem também febre de longa duração, diarréia e, em caso de gestação, aborto e parto prematuro. Em crianças normais e preman1ras, a infecção pode provocar diarréia profusa, icterícia e meningite, com possibilidade de morte. O período de incubação da doença é de dois a cinco dias. infecção por perdigotos Provocada por inalação de partículas de saliva ou escarro. infecção por Streptococcus taecalis Sob o ponto de vista clínico, é muito semelhante à salmonelose; sua sintomatologia também mantém estreita relação com a que se verifica nos casos em que atuam o Clostridium perfringens e o Bacillus cereus. O tempo de incubação do Streptococcus faecalis é de duas a 18 horas (média de 10 horas). SINTOMATOLOGIA náuseas, dores abdominais, vômitos e raran1ente diarréia; esses sintomas têm curta duração (às vezes cerca de um dia). A intensidade do quadro tóxico depende do número de microorganismos ingeridos com o alimento e da maior reprodução da bactéria. infecção subclínica Aquela que não provoca sintomas evidentes. infectobesity Obesidade causada por infecção viral. infectoterapia Enfermidade infectuosa ou infecciosa. infestação Invasão do organismo, ato de infestar. É norn1almente usado para indicar presença de parasitos em um organismo. inflamação Reação tecidual defensiva contra agente nocivo. Sintomas característicos: rubor, tun1or, calor e dor. infusão Injeção de solução na veia ou em algum tecido do qual, posteriormente, passa para o sangue. Extração dos princípios ativos de uma substância com o emprego da água. ingesta Alimentos e bebidas que são levados ao cubo digestivo pela boca. ingestão Ato de ingerir alimentos envolvendo os processos de mastigação e deglutição.

trientes básicos em condições qualitativas, quantitativas e adequadas para garantir a saúde do indivíduo pela realização norn1al de suas atividades biológicas 2 Manobra de apreensão de sólidos pelas células fagocitárias. inosita Vide 1Nos1Tot. inositol De fórmula C 6H 12O 6, é o fator Bios de Wildiers, do grupo das vitaminas, existente nos lêvedos, frutos, folhas, tecidos animais e vegetais. Utilizado no n1etabolismo de gorduras, hepatopatias e em provas de fermentação bacteriana. instinto Fenômeno psíquico inconsciente, impulso, para executar atos de repulsa ou desejo, podendo acarretar conseqüências n1ás ou boas (instintos sexuais, biológicos etc.). insuficiência Impossibilidade ou incapacidade de ben1 exercer função normal. insuficiência cardíaca Quando o coração não consegue realizar plenamente suas funções. insuficiência coronária Disparidade entre o fluxo sangüíneo coronariano e as necessidades do miocárdio ( desconforto precordial). insuficiência hepática Incapacidade de o fígado atender todas as suas funções; acarretando sinais clínicos diversos: icterícia, perturbações n1enta1s. insuficiência supra-renal Hipofunção as glândulas supra-renais que se manifesta por: astenia muscular em certos casos pronunciada, distúrbios nervosos e, principalmente, hipotensão arterial produtora de sintomatologia variada: arritmia, taquicardia, distúrbios digestivos, convulsões e transtornos circulatórios. insulina Hormônio proveniente da secreção das células beta das ilhotas de Langerhans do pâncreas que possibilita a entrada da glicose sangüínea na maioria das células. insulina NPH Insulina acrescida de protamina e zinco e que apresenta ação retardada. insulinase Enzima hepática que pode inativar a insulina. insulina zinco globina (NPH) Insulina adicionada de globina e cloreto de zinco, de efeito de duração intermediária. Integra o hormônio tireoideano e atua no desenvolvimento e tan1anho da tireóide. Agente profilático do bócio endêmico. Regulador decisivo do metabolismo básico por seu papel na formação do hormônio tireoideano.

140

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

interleucina-6 (IL-6) intolerância por alimentos

interleucina-6 (IL-6) É uma citocina com efeito pró-inflamatório em respostas agudas e ação no metabolismo de carboidratos e lipídios. A infusão de IL-6 em doses próximas à fisiológica em humanos saudáveis aumenta a lipólise, independente da modulação de catecolan1Ínas, glucagon e insulina. intermitência Interrupção, intermissão. Desaparecimento completo dos sintomas, periodicamente, em cercas doenças, de tal modo que a doença parece ter sido curada. Exemplos: impaludismo e epilepsia. intestino Segmento do tubo digestivo situado entre o piloro e o ânus. ALTERAÇÕES DA ABSORÇÃO: as principais causas são: causas específicas ou alheias à mucosa; din1inuição da superfície intestinal por ação cirúrgica; obstrução de gânglios mesentéricos, com alterações linfáticas e dos gânglios que chegam ao córion; superfície intestinal prejudicada por processos inflan1atórios, por colagenopatias, câncer, parasitas, radiações etc.; má absorção associada a transtornos metabólicos, endócrinos etc. intestino cego Ceco. intestino delgado Porção intestinal que se estende do piloro até a junção com o intestino grosso, no nível do ceco. Apresenta três divisões: duodeno, jejuno e íleo. intestino grosso Segmento terminal do tubo digestivo, medindo 1,83m de comprimento, que se projeta da válvula ileocecal até o ânus. É formado pelo ceco (relativamente curto), o cólon (pouco dilatado) e o reto. Sua principal função é a de absorção de água. A motilidade intestinal facilita a absorção e a propulsão para a elin1inação da matéria fecal. A chegada da primeira porção de matéria fecal ao reto produz o desejo de defecar. intolerância Incapacidade de tolerar, ou seja, suportar algo. intolerância por alimentos Na medida do possível, o indivíduo procura ingerir os alimentos de sua predileção, fazendo da ação de comer um ato de prazer. Ao contrário, essa sensação agradável deixa de existir pela presença de alimentos intolerados por qualquer aversão ou problemas de saúde do indivíduo. As intolerâncias por alimentos são de dois tipos: a) Intolerância pessoal: é de exclusiva dependência do indivíduo que repele o alimento, por vontade própria, baseada em supostas e variadas suposições. b) Intolerância do organismo: é a

rejeição orgânica contra o alimento inadequado que provoca reações características. A repulsa pelo alimento é iniciativa puramente do organismo e dela não participa a deliberação do indivíduo. 1 .1 Graus de intensidade da intolerância por alimentos: pequenas intolerâncias: não se revestem de importância clínica, sendo mais de caráter funcional; os sintomas desaparecem após a ingestão e eliminação do alin1ento; não deixam seqüelas; às vezes, podem ser graves; são de caráter funcional e orgânico; grandes intolerâncias: os sintomas são intensos e podem subsistir por mais tempo enquanto durarem as conseqüências das reações orgânicas provocadas. Podem deixar seqüelas às vezes irreversíveis. 1.2 Intolerância do organismo São intolerâncias que independem da vontade do indivíduo e que constit uem a reação do organismo contra a ingestão de determinados alimentos; dividem-se em pequenas e grandes intolerâncias: a) as pequenas intolerâncias são relativamente passageiras, sem conseqüências importantes; as reações são de cunho mais funcional, desprovidas de gravidade e, por isso, sem constituir problemas de saúde; são exemplos dessas pequenas intolerâncias aquelas demonstradas por algumas pessoas que não suportam: pepino, pimentão ou melância, por produzirem eructações e retardamento da digestão; leite, por provocar diarréia; as pequenas intolerâncias do organismo, na maioria dos casos, podem ser neutralizadas por mudança do estado do alimento (por exemplo, leite em forma de mingau ou de coalhada), dos processos de cocção e de subdivisão e da aplicação de recursos dietéticos; b) as grandes intolerâncias do organismo podem gerar distúrbios funcionais e orgânicos, ou agravar o estado mórbido já existente; os sintomas dessas intolerâncias produzem-se com maior veemência e duração que nos demais tipos; as conseqüências da ação do alimento podem perdurar por algum tempo e, en1 casos especiais, ser irreversíveis. Intolerância à lactose ocorrendo nos organismos incapazes de aproveitar a lactose pela deficiência de lactase na mucosa do intestino delgado,provocando alterações abdon1inais,como a diarréia. 1.3 Intolerância Pessoal As intolerâncias incluídas nesse tipo e relacionadas com o desejo do indivíduo compreenden1 as intolerâncias propriamente ditas e outras mais sofisticadas, representadas

141

intoxicação

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

intoxicação por álcool

pelos tabus alimentares e a repugnância por alimentos. As intolerâncias de caráter pessoal têm sentido quase subjetivo e apóiam-se nos mais despropositados pretextos. Entre essas intolerâncias, em que prevalece a vontade do indivíduo, podemos citar ainda outro tipo representado pela repulsa ou repugnância que é devotada a determinados alimentos. intoxicação Enfermidade resultante da presença, no organismo, de agentes tóxicos, geralmente representados por microorganismos e suas toxinas e por substâncias de origen1 exógena ou endógena. intoxicação alimentar Enfermidade provocada por vários agentes e com variada sintomatologia. Principais veículos de intoxicação alimentar: alimentos inadequados ou portadores de microorganismos (toxinas) e de agentes tóxi. . . cos vegetais e an1ma1s. intoxicação ciguatera Produzida pela ingestão de peixes comestíveis, entre os quais a barracuda (Sphiraena barracuda ), o peixe-gatilho (trigger fish ), a loba marinha (sea bass ), o peixepapagaio (Scarus microorhinus) e o robalo. A toxicidade desses peixes não é permanente e varia em intensidade, segundo as diferentes espécies, épocas e outros fatores. O nome genérico ciguatera está relacionado com distúrbios provocados pelo consumo do caracol cígua (Livona pica), originário do Caribe. Sintomatologia da intoxicação: ocorre entre quatro a cinco horas depois da ingestão e se n1anifesta por: vômitos, formigamento dos lábios, boca e garganta, transtornos gastrointestinais; com o agravamento da doença, surgem perturbações neurológicas, bradicardia e n1iose. intoxicação hidrica Conseqüente à ingestão exagerada de água ou de líquidos hipotônicos ou por retenção de água (hemodiluição ). Podem surgir cãibras, cefaléias, vômitos, convulsões e coma. intoxicação por ácido djencólico Causa enfermidades renais con10: dificuldade na excreção urinária insuficiência renal hematúría. intoxicação por ácido cianidrico Ocorre através do bloqueio da citrooxidasa, diminuindo a respiração celular, que pode levar a pessoa à morte a por a anoxia. O ácido cianídrico está presente nos seguintes alimentos: feijão, mandioca, ervilhas, broto de bambu, sementes de pêssego e melão.

142

intoxicação por agentes químicos Vários tipos de intoxicações podem ocorrer, com características ligadas a cada espécie de agente como: aditivos, n1etais, agrotóxicos, álcool, substâncias plásticas, agentes químicos diversos. Vários agentes químicos ingeridos ou misturados a alimentos acidentalmente podem produzir formas variadas de intoxicação, com sintomatologia diversa, ligada à ingestão, à digestão e à absorção de alimentos. Tais agentes originamse de: álcoois e glicóis; aldeídos, cetonas, ésteres e éteres; cáusticos; detergentes e sabões; hidrocarbonetos aromáticos e halogenados; produtos de uso doméstico; produtos derivados de petróleo; produtos nitrogenados. intoxicação por agrotóxicos A gravidade das intoxicações depende dos tipos de agrotóxicos, da sua composição, dos efeitos biológicos que causam e de sua incidência em crianças e adultos. Enquanto nos adultos as intoxicações são de origem profissional, nas crianças são de natureza acidental. Segundo a espécie do agrotóxico (inseticida, fungicida, herbicida, n1oluscicida, acaricida, nematicida e rodenticida), de seu poder de toxicidade e das lesões orgânicas por ele produzidas, ocorren1 os sintomas que variam de intensidade. De modo geral, de acordo com o tipo de contaminação (por contato, inalação ou ingestão) do agrotóxico, as intoxicações provocam estados mórbidos característicos, com sintomatologia em que podem predominar distúrbios gastrointestinais e nervosos, cefaléias intensas, anúria, eden1a pulmonar e, em casos graves, a morte. As intoxicações por via digestiva podem determinar quadros clínicos agudos e crônicos.

intoxicações por alcalóides de pirrolicidina Alcalóides presentes em folhas de arbustos silvestres en1pregadas para o preparo de chá. A intoxicação é caracterizada por enfermidades hepáticas, às vezes com evolução grave. intoxicação por álcool A ingestão de álcool, por n1eio de bebidas, provoca intoxicações agudas e crônicas. Vários tipos de álcool produzem intoxicações como sucede con1 os álcoois etílico, metílico (metanol) e alguns álcoois superiores. Quando ingerido, o álcool difunde-se velozn1ente através das paredes do estômago e do intestino, chegando ao fígado e, em seguida, ao sangue. O álcool etílico é oxidado a etanal e depois a ácido acético,através da ação das enzimas

intoxicação por Amanita gemmata

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

intoxicação por cafeína

desidrogenase alcoólica e catalase e a tiamina age como enzima.O álcool metílico encontrado no vinho procede do ataque da pectina, por ocasião da fermentação alcoólica,não é metabolizado no organismo como o etanol e o seu metabolismo é 4 vezes mais lento. O álcool isoamílico é cerca de nove vezes mais tóxico que o etílico. Os álcoois superiores aparecen1 em várias bebidas n1al elaboradas, como, por exemplo, na aguardente fabricada sem os cuidados necessários. exerce efeitos hipnóticos,hipotensor e alucinatório. A intoxicação provocada pelo uso abusivo de bebidas alcoólicas constitui quadro mórbido, que pode evoluir con1 dano acentuado. A intoxicação crônica caracteriza-se por graves distúrbios dos sistema digestório e nervoso. intoxicação por Amanita gemmata Intoxicação causada pela ingestão desse cogun1elo venenoso, que provoca crises graves e hipertrofia do fígado. processos gastroentéricos graves. intoxicação por Amanita phalloides Produzida pelo consumo desse cogumelo. A ingestão de pequena parte do corpo frutífero é suficiente para gerar grave intoxicação. Esse cogumelo produz cinco toxinas identificaas: faloína, faloidina ou hidroxifaloína, alfa, beta e gama-amanitinas. Sintomatologia: degenerações gástrica e renal; paralisação evolutiva do sistema nervoso central. É o mais tóxicos dos cogumelos. intoxicação por aminas biogênicas São as putrescina, cadaverina, triptamina, fenilalanina e tiramina. Estão presentes nos queijos maduros e alguns vinhos a putrescina e a cadaverina são hipotensoras, já a tiramina é hipertensora. intoxicação por antimônio Pode ser provocada por deglutição de poeira desse metal ou por sua inalação. Na intoxicação por ingestão, ocorre irritação da n1ucosa gastrointestinal, acompanhada de outros sintomas de natureza digestiva, neurológica, hepática, renal, cardiotóxica e de desidratação. Na intoxicação crônica, o quadro n1órbido pode revelar: alterações hepáticas, dermatites, diarréias, distúrbios sangüíneos e das vias aéreas, transtornos cardíacos, pneumonia etc. A silicose, por exposição, ao pó de antimônio, é freqüente em mineração desse metal. intoxicação por arsênico A intoxicação aguda é decorrente geralmente de arsênico inorgânico; apresenta sintomas gastrointestinais e neurológicos. Em certos casos, pode haver desequi-

líbrios hidroeletrolíticos e complicações sérias por lesões hepáticas, renais e nervosas. intoxicação por Bacil/us cereus Ocorre pela presença maciça do bacilo em alimentos. A intoxicação adquire gravidade quando a ingestão do germe ultrapassa 10%. Os sintomas da intoxicação aparecem de 12 a 13 horas após a ingestão do alimento contaminado (geralmente de seis a oito horas). SINTOMATOLOGIA náuseas, vômitos raros, dores abdominais, febre freqüente, deposições aquosas e, às vezes, tenesmo e contrações recais sem defecações. intoxicação por bário Ocorre por doses excessivas de bário, com produção de distúrbios neurológicos (convulsões), gastrointestinais, cardíacos e eletrolíticos. alguns casos lesões renais hipotensão arterial e ativa excitação muscular. Em zonas de mineração de bário, pode surgir barilose em trabalhadores, por inalação prolongada de sulfeto ou carbonato de bário. intoxicação por bromo A utilização de bromo, além das porcentagens regulamentadas, produz quadros tóxicos com a seguinte sintomatologia: diarréias; dores abdominais e retroesternais; vômitos; perturbações renais e sangüíneas; anemia hemofílica. A acumulação de bromo no aparelho digestivo, renal e principalmente no sistema nervoso ocorre quando do emprego ilegal do bromato de sódio no pão, visando seu crescimento. A intoxicação infantil pode ser causada apenas com a ingestão de duas colheres das de chá de solução de bromo a 2%. intoxicação por cádmio Ocorre por inalação de vapores desse metal e por sua ingestão por meio de alimentos contan1Ínados. A intoxicação pode ser aguda ou crônica. Na intoxicação aguda, os sintomas surgem logo após a ingestão de altos níveis do metal e, principalmente, por alimentos ácidos enlatados em recipientes capeados de cádmio Intoxicação por cádmio que se tornou célebre é a doença ''irai-irai': surgida no Japão, em indivíduos que ingeriram água contaminada por detritos oriundos de mina de cádmio. A intoxicação crônica provoca distúrbios pulmonares, lesões renais, hepáticas, nervosas, perdas de peso, raquitisn10 e transtornos sangüíneos. intoxicação por cafeína Ocorre quando faz ingestão excessiva de café, provocando excitações nervosas,falca de ar, insônia, aumenta a secre' . çao gastnca.

-

143

intoxicação por chumbo

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

intoxicação por ferro

intoxicação por chumbo A intoxicação ocor-

intoxicação por cromo Por ação do ácido crômi-

re pela ingestão desse metal por alimentos e pela água contaminada e pode ser aguda e crônica. Na intoxicação aguda,ocorre a manifestação dos estados nauseosos e vômitos e na intoxicação crônica,ocorre manifestações gastrointestinais,quadros de distúrbios neurológicos e quebra da normalidade hematológica. A toxicidade do chumbo é grande, pois ele é um veneno cumulativo. O depósito de chumbo na criança se localiza nas epífises e nos adultos nos ossos chatos, mais do que nos longos. O chumbo, depois de absorvido, pela corrente sangüínea, é depositado ainda en1 vários órgãos (fígado, rins, baço e pulmões), no cérebro e na medula. A intoxicação, crônica mais comum que.aguda,apresenta sintomatologia variada, ligada ao aparelho digestório, ao sistema nervoso e ao sangue. intoxicação por cicasina Tem ação tóxica provocando vários distúrbios. intoxicação por C/ostridium perfringens Tem seu ciclo rápido, que dura de un1 a dois dias, depois dos quais o indivíduo se recupera. A sintomatologia da intoxicação é de natureza explosiva, como acontece na ação bacteriana. Os sintomas surgen1 entre oito e 12 horas depois da ingestão do alimento contan1inado: dores abdominais agudas, náuseas, diarréias com ou sem muco e sangue e, às vezes, vômitos e cefaléia. Em casos de extrema gravidade, por desidratação e transtornos circulatórios, o óbito poderá ser verificado.A intoxicação pode ter duração de 6 a 24 horas. intoxicação por cobalto Pode ser ocasionada quando da ingestão ou prescrição terapêutica inadequada de cobalto. Segundo o composto e a forma de sua contaminação, o efeito toxicológico do cobalto se manifesta por: diarréias e vômitos; policitemia; hiperlipemia; através da inalação, o cobalto pode produzir transtornos respiratórios; ingestão de cloreto de cobalto, cianose das unhas e dos lábios; exposição ao acetato de cobalto, hematúria, sangue oculto fecal e dores epigástricas e por contato, dermatoses intoxicação por cobre Essa intoxicação pode verificar-se especialmente por sulfato de cobre. Sua sintomatologia consiste em vômitos esverdeados com leve toque azulado,hipertensão, hematên1ese, melena, icterícia e coma.

co e seus compostos, ocorrem intoxicações com presença de: ptialismo, vômitos, disfagias, dores abdominais e lesões da mucosa gastrointestinal; em seguida, perturbações do sistema nervoso, renais e hepáticas. Estado crônico pode aparecer em conseqüência de exposição às formas tri e hexavalentes do cromo. O longo contato com o tóxico pode gerar lesões gástricas (gastrite e úlceras) e intestinais ( úlcera e colite ulcerosa). intoxicação por cumarina Ocorre quando tem uso constante de alimentos que contém a cumarina. Esses alimentos são: amora, morango, damasco, tâmara. Seu efeito é principalmente anticoagulante.

144

intoxicação por eliminação de monômeros Essa intoxicação ocorre por eliminação de monômeros tóxicos no interior de cercas embalagens plásticas, capazes de contaminar os alimentos nelas contidos. Enquanto os monôn1eros de polietileno não tên1 toxicidade, os de poliestireno são tóxicos. intoxicação por enxofre Além das doses permitidas, o enxofre ocasiona intoxicações por inalação e ingestão. A intoxicação aguda por ingestão de agentes dos sulfurados (principalmente sulfetos) é caracterizada por distúrbios gascrointestinais, neurológicos e respiratórios, podendo ocorrer, ainda, hipertensão e óbito. A intoxicação crônica é produzida no indivíduo por exposição prolongada a gás sulfídrico (naúseas, falta de apetite, marcha desordenada etc.). intoxicação por ervilhas Doces Vicias. Pode provocar paralisias dos membros inferiores, do reco e da bexiga, lesões cerebrais, fraqueza n1uscular. Vide LATIRISMO. intoxicação por estanho Pode ocorrer em conseqüência do consumo de produtos como aspargos, arenques e outros pescados, por sua contaminação por estanho por meio de latas deficientemente tratadas. Alimentos ácidos e outros agentes agressivos podem precipitar o desprendimento do estanho no interior da lata. Compostos de estanho de enérgico poder toxicológico podem produzir intoxicações: trietilestanho ( transtornos visuais); tributilescanho (queimaduras); hidreto de estanho (perturbações nervosas). intoxicação por ferro Presente principalmente em crianças anêmicas, por prescrição abusiva de sulfato ferroso. A intoxicação pode ocorrer

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

intoxicação por flúor intoxicação por óleos essenciais

em indivíduos que utilizam alimentos guardados em recipientes de ferro. Por inalação de óxido de ferro, trabalhadores em mineração podem ser acometidos de siderose e pneumocose. A aguda se manifesta em três etapas: 1 ª· Há predomínio de distúrbios gastrointestinais; desequilíbrios eletrolíticos, acidose e choque. 2ª. Dura até dois dias com melhora e piora dos sintomas. 3ª. O estado mórbido torna-se grave em conseqüência das ações metabólicas do ferro absorvido e de complicações hepáticas. A intoxicação crônica se caracteriza pelo aumento do ferro no organismo (principalmente no fígado e no sistema retículo endotelial) e do aparecimento de hemocromatose. intoxicação por flúor Por ingestão de flúor a intoxicação aguda manifesta-se por náuseas, vômitos, ptialismo, disfagia e hematêmese. A absorção do tóxico provoca hiperexcitabilidade, espasmos musculares e outros fenômenos ligados à redução do nível cálcio. Outros distúrbios podem surgir: crises hipotensivas e choque, depressão do centro respiratório e morte. O flúor estabelece quein1adura quando cem contato e pneumonia e edema agudo quando inalado. intoxicação por glicirrina A sintomatologia dessa intoxicação consiste em: hipertensão, redução da potassemia e retenção de água e de sódio. Vide GLICIRRINA. intoxicação por gossipol Provoca sinton1atologia dependente do tipo de lesão. É encontrado nas sementes de algodão. intoxicação por Helvella escu/enta Produzida pela toxina desse cogumelo venenoso pela toxina (ácido helvélico ). Supõe-se a existência de outra toxina: a amanitotoxina. A intoxicação provoca distúrbios renais e hepáticos, vômitos e diarréias; afeta os eritrócitos e ocasiona hemólise sangüínea. intoxicação por hemoaglutinina As hemoaglutininas são encontradas em: Phaseolus coccineus, Phasecolus vulgaris e semestes de leguminosas. A hen1aglutinina mais tóxica é a do Phaseolus coccineus que provoca graves distúrbios levando à morte. intoxicação por hipog lic ina Provoca cãibras, vômitos, estado comatoso e n1orte. Vide HIPOGLICINA.

intoxicação por manganês Por ingestão, a intoxicação poderá provocar: irritação gascrointestinal, dores abdominais, enjôo e disfagia. A

intoxicação crônica por exposição do indivíduo a produtos tóxicos de manganês pode produzir várias alterações neurológicas e pneumonites. intoxicação por mercúrio Essa intoxicação ocorre por exposição a vapores, inalações e ingestão de mercúrio. O quadro mórbido apresenta sintomatologia característica de acordo com a dose, o tipo de substância tóxica, sua constância e o grau de comprometimento orgânico. A intoxicação pode ter caráter agudo ( de maior incidência) e crônico. A forma aguda é caracterizada pelo aparecimento de estomatites e de lesões com coloração pardo-acinzentadas na boca, faringe e estômago. Constam da sintomatologia: vôn1itos precoces, que geram desiquilibrio hidroeletrolítico irritação da mucosa intestinal, diarréias e distúrbios renais, gastrointestinais, neurológicos, que podem levar o indivíduo ao coma e à morte. A intoxicação crônica através da ingestão de alimentos contendo n1ercúrio provocam: ataxia, letargia, pertubações mentais, auditivas e visuais. Em gestantes, a ação mercurial pode ocasionar danos à normalidade do feto. intoxicação por miristicina A miristicina é substância tóxica de noz-moscada, de folhas e frutos da salsa, do aipo e, em pequena porção de condimentos, do óleo de limão e do anis. Esse tóxico, ingerido em excesso, pode provocar a morte do indivíduo por degeneração gordurosa do fígado e lesões renais. intoxicação por moluscos Ostras, mexilhões, amêijoas etc. podem causar intoxicações. Os mexilhões e ostras filtram diariamente até 40 litros de água; em caso de contaminação, em um litro de água poderão ser encontrados de 20 a 40 milhões de seres unicelulares. O mexilhão, por viver de filtração de matéria orgânica, pode provocar intoxicações; por essa razão, antes de ser consumido, deve permanecer durante 24 horas em tanques clorados para sua autodepuração. A intoxicação ocorre pela ingestão de algas nocivas contendo dinoflagelados. intoxicação por nitrato Ocorre em lactentes decorrentes da transformação nitrato em nitrito no intestino. A reabsorção do nitrito faz ter mais metaemoglobina e isso interfere na respiração dos eritrócitos. intoxicação por óleos essenciais Pode ocorrer não só pela ingestão de alimentos naturais (frutas, por exemplo), como pelo consumo constante de produtos adicionados desses

145

intoxicação por peixes escombrídios

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

inulase

óleos saborizantes. Os óleos essenc1a1s que, em maior ou menor proporção, podem ocasionar intoxicações são: de limão, de laranja, de açafrão e de cálamo. Na sinton1atologia da intoxicação, variável segundo o tipo de óleo, geralmente têm predominância as perturbações gastrointestinais e renais, irritação do epitélio das vias urinárias; certos óleos apresentam, entretanto, sinton1as específicos. intoxicação por peixes escombrídios A intoxicação por esses peixes (atum, barracuda e cavala) apresenta sintomatologia semelhante à da intoxicação histamínica, constituída por urticária, náuseas, vômitos e cefalgias. intoxicação por Peixe Mujol Produzida por toxina ainda indefinida do peixe mujol (Mujil cephalus) e de alguns outros: Upenues arge, Paranpeneus shrydserydres e Neomyces chaptelli. Essa intoxicação não oferece perigo mortal. Causa transtornos digestivos, pesadelos, crises de alucinação.

intoxicação por peixes produtores de clupeatoxismo Essa intoxicação difere da que ocorre com a ciguatera. Sua sintomatologia consta de secura dos lábios, astenia e transtornos gas. . . tro1ntest1na1s. intoxicação por Samhucus nigra Provocada por substâncias tóxicas do sabugo negro. Sinton1atologia: gastralgias, diarréia e vômitos. intoxicação por selecistacionina Provocada pela ingestão excessiva de sementes da Lecythis ollaria. Entre outros sintomas, a intoxicação pela selecistacionina provoca a alopecia. intoxicação por selênio A intoxicação aguda por selênio apresenta sintomatologia de caráter neurológico, com predon1inância de perturbações nervosas, insônia e estados convulsivos. A intoxicação crônica, produzida por ingestão constante de alin1entos contendo alto teor de selênio (zonas seleníferas), caracteriza-se por: astenia, fadiga, lesões dentárias, erupções, fragilidade das unhas, alopecia etc. intoxicação por solanina Provoca vômitos, diarréias, cefaléias, dores abdominais e as graves provocam cãibras, edema cerebral e morte. Vide SOLANINA.

intoxicação por substância de ação atropínica Resultante da ingestão de mel extraído de certas variedades de acaléas e de sementes de estramônio. As sementes de Datura estramonium, que apresentam alto conteúdo de atro-

146

pina, podem produzir intoxicações quando se trata de crianças.

intoxicação por Staphy/ococcus aureus Intoxicação freqüente, contendo enterotoxina formada pelo Staphylococcys aureus. A doença manifesta-se no período de uma a oito horas, comumente durante duas a três horas. A toxina, que atua após sua absorção no tubo digestivo, provoca sinton1atologia dramática; sua ação inicial limita-se às vísceras e depois sobre o sistema nervoso central. É variável o grau de sensibilidade do indivíduo à presença da enterotoxina estafilocócica. SINTOMATOLOGIA náuseas, vômitos, salivação intensa, dores e espasmos abdominais, sudorações, cefalalgias, calafrios, cãibras musculares e diarréia, prostração e falta de febre. São raros os casos fatais e estes, geralmente, são de.doentes com cardiopatias, com tratan1ento n1édico insuficiente e com idades extremas (crianças e velhos). intoxicação por teolilina Provoca transtornos gástricos. Vide TEOFILINA. intoxicação por tetraodontoxina A intoxicação por essa neurotoxina, pelo consumo de cercos peixes espinhosos, apresenta de 30 a 50% de mortalidade. Clinican1ente, a intoxicação por tetraodontoxina apresenta estreita afinidade com a que se observa na de moluscos. A sinton1atologia inicial consiste de adormecimento da língua e dos lábios, perturbações gástricas e perda de apetite. Com o agravamento da intoxicação, surgem transtornos nervosos; nos casos graves, ocorrem distúrbios neurológicos, bradicardia, hipotensão, paralisia dos músculos respiratórios e miose. Vide TETRAODONTOXINA. intoxicações prolissionais As intoxicações profissionais que constituem parte in1portante da Medicina do Trabalho são: arsenicismo, arsênico; benzolismo, benzol; fosforismo, fósforo; hidrargirisn10, mercúrio; mefitismo, hidrogênio sulfurado; oxidocarbonismo, óxido de carbono e CO2; saturnismo, chun1bo; sulfocarbonismo, ácido sulfúrico. intubação Procedimento que consiste em introduzir tubo en1 órgão oco, para conservá-lo aberto, como acontece na laringe, visando a passagem de ar. inulase Enzima existente no Aspergillus niger e no Penicillium glaucum, que transforma a inulina em levulose.

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

inulina isomalte

inulina Forma de armazenamento de glicídio encontrado em tubérculos, raízes, alcachofra, dália e dente-de-leão. Polissacarídio (amido) que sendo.hidrolisado fornece frutose. Não é digerido pelo homem e por alguns mamíferos. inversão de fase Mudança de un1a fase para outra (p. ex.: leite que é emulsão de gordura em água pode transformar-se em emulsão de água em gordura ao converter-se em manteiga). invertases (ou sacarases) Enzimas que desdobran1 a sacarose em açúcares invertidos, glicose e frutose; são constituídos por dois tipos: alfa -fruto furanosidase e alfa-glicosidase, que hidrolisam as ligações glicosídicas da sacarose em posições distintas. São produzidas a partir de fontes vegetais e microorgânicas (leveduras e mofos); estas são mais utilizadas industrialmente. A inverase fúngica é glicosidase que ataca a glicose final da sacarose; a de levedura é frutofuranosidase, que hidrolisa o resíduo da frutose. As invertases são utilizadas industrialmente em: fabricação de açúcar invertido; elaboração de caramelos, biscoitos e chocolates; mel de sacarose; xarope de sacarose; recheio de bombons; produtos de confeitaria; processos para deter a cristalização de açúcar (sorvetes); sobremesas geladas; licores. in vitro Mantido artificialn1ente, isolado do or. . gan1smo vivo. iodo Elemento importante, sendo um componente essencial da glândula tireóide,para sintetizar os hormônios tireoxina (T4) e triiodotireonina (T3); é encontrado em elementos n1arinhos e vegetais, nas regiões em que o solo contém iodo sob a forma de iodatos. Nas áreas onde o iodo é deficiente no solo e na água, ocorre o bócio endêmico. ABSORÇÃO O iodo é de absorção fácil e rápida pelo intestino delgado; proveniente de alimentos e água, é convertido em iodeto para ser absorvido. ExcREÇÃO A fração do iodo não absorvida e armazenada pela glândula tireóide é excretada pela urina. O nível de iodo na urina está em relação com seu nível como iodeto no sangue. Pelas fezes, a excreção do iodo ingerido com a dieta é mínima. O suor tambén1 elimina iodo; por isso, em certas regiões bocígenas de climas quentes, deve-se ter atenção para evitar sua carência. FUNÇÕES Integra o hormônio tireoideano e atua no desenvolvimento e no tamanho da tireóide. Agente profilático do bócio endêmico. Decisivo regulador do metabolismo básico, por seu papel na formação do hormô-

nio tireoideano. Indispensável à normalidade morfológica. PRINCIPAIS FONTES Sal iodado; produtos do mar; vegetais de faixas litorâneas; leite; ovo. REQUERIMENTOS Expressos en1 n1icrogramas (mcg). Lactentes: até 5 meses: 40 f,lgi de 6 a 11 meses: 50 J,lg, Crianças: de 1 a 3 anos: 70 f,lgi de 4 a 6 anos: 90 f,lgi de 7 a 10 anos: 120 J,lg, Homens: de 11 a 14 anos: 150 f,lgi de 15 a 18 anos: 150 f,lgi de 19 a 22 anos: 150 f,lgi de 23 a 50: 150 f,lgi + de 51 anos: 150 J,lg, Mulheres: de 11 a 14 anos: 150 f,lgi de 15 a 18 anos: 150 f,lgi de 19 a 22 anos: 150 f,lgi de 23 a 50 aos: 150 f,lgi + de 51 anos: 150 J,lg, Gestantes: os mesmos requerin1entos da mulher normal + 25 f,lg por dia. Nutrizes: 200 µg. DEFICIÊNCIA O sinal mais evidente da insuficiência de iodo é o bócio ou aumento da glândula tireóide. O aparecimento de bócio ocorre com freqüência na adolescência, sendo as n1eninas mais vulneráveis que os meninos. Quando a deficiência surge durante a gestação e nos primeiros tempos da vida uterina, o cretinismo manifesta-se nas crianças, é caracterizado por retardamento mental, atraso do crescimento, face flácida e inexpressiva, pele fina, seca e enrugada, cabelos secos e ralos e abdon1e proeminente, mutismo e verdadeira apatia, anormalidades neurológicas e hipotireoidismo. isocalórico Que contén1 idêntico nún1ero de calorias. isoenzimas Enzimas de estruturas diferentes, mas que apresentam idênticas funções. isolamento Separação de pessoas infectadas durante o período de transmissibilidade, em lugares e sob condições que evitem a transmissão direta ou indireta do agente infeccioso, das pessoas infectadas a outras que sejam suscetí. .. veis, ou que por sua vez possam transmitir a enfermidade. isoleucina Aminoácido essencial, cetogenético e glicogenético. Pode ser substituída pelo ácido beta-ceto-beta-metilvalérico, que por transaminação produz isoleucina. É aminoácido impossível de ser sintetizado pelo homem, por sua incapacidade de sintetizar cadeia de carbono correspondente ao aminoácido. isomaltase (ou 1:6 glicosidase) Enzima do intestino delgado, de atividade sobre 1:6 glicosideos, com produção de glicose. isomalte Substância adoçante. É uma substância con1 baixo valor calórico e apresenta baixo poder cariogênico.

147

isomaltose

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

isquemia coronária

isomaltose Glicídio derivado do amido que, por hidrólise, se converte em glicose. isomaltulose É um açúcar alternativo com baixo poder cariogênico,sendo um isôn1ero da sacarose e encontrado naturalmente no caldo de cana e mel. Acualmence,ucilizado na produção de doces. isomerase Enzima que produz isômeros. Catalisa um rearranjan1ento intramolecular, como a incerconversão de aldoses e cecoses (isômeros de açúcares). isomeria Relação existente entre dois isômeros. Fenômeno em que substâncias de iguais formas moleculares apresentam propriedades diferentes. isomeria cis-trans Referente a compostos que apresentam idêntica molécula e fórn1ula estrutural, que pode existir em diferentes formas geométricas, duas geometrias eis-erans. A forma é "eis" quando os grupos químicos

148

da molécula encontram-se emparelhados do n1esmo lado; quando esses grupos situam-se em lados opostos, a forma é "erans". isomerismo Compostos de iguais con1posições porcentuais e peso molecular, porém com diference arranjo espacial atômico na molécula. Nas ligações duplas C == C, os isômeros são identificados pelos prefixos "eis" e "erans'; segundo o lado que ocupam, ou átomos no grupo, no plano de ligação dupla. isquemia Inadequação de fluxo de sangue em qualquer parte do corpo, causada pela constrição ou bloqueio de vasos sangüíneos, impedindo a nutrição dos tecidos. isquemia coronária Constitui grupo de sincon1as que vão desde a falha coronária, para suprir a quantidade suficiente de sangue, até a lesão miocárdica. Muitas vezes, está associada com a aterosclerose das artérias coronárias.

jactação Inquietude e hiperatividade presente em casos de febre alta e doenças agudas,quando ocorre pern1rbação do sistema nervoso central. jejum Abstenção total ou parcial da alimentação por via oral CONSEQÜÊNCIAS ORGÂNICAS As conseqüências orgânicas do jejum prolongado, entre outros fatores, dependen1: do estado de nutrição do indivíduo; do hábito de jejuar; das condições endócrino-vegetativas ( o vagotônico suporta melhor o jejum) DIFERENTES TIPOS experimental: realizado por jejuadores com o objetivo de escudar aspectos da nutrição; involuntário: por causas alheias à vontade do indivíduo; voluntário: por finalidade religiosa, política ou sentimental; terapêutica: por motivos dietoterápicos. INTENSIDADE DA PERDA DE PESO A intensidade e a velocidade da perda de peso pelo jejum estão condicionadas: à quantidade das reservas individuais de glicídios e de protídios; à situação ou ao estado biológico do indivíduo, por exemplo, quem está en1 crescimento, suporta menos o jejum e perde peso rapidamente; à idade, a perda de peso é maior na cnança e e tanto mais grave quanto menor é a sua idade; à temperatura ambiente; à atividade n1uscular desenvolvida; ao estado psíquico do indivíduo (influência sobre as glândulas catabólicas). En1 média a perda de peso está entre 0,5 kg e 1,5 kg por dia MODIFICAÇÕES DO ORGANISMO As n1odificações orgânicas que ocorrem em conseqüência de •



I



longo jejum são: alterações funcionais; fenômenos de compensação; con1plicações irreversíveis. De todos os fenômenos, o n1ais marcante é a diminuição do peso; o jejuador apresenta verdadeira curva típica de perda de peso. Nos primeiros três dias, essa perda é brusca, principalmente pela desidratação verificada, logo depois, há um período em que a queda é n1ais lenta ( nos hipertireoideanos a perda é n1ais acelerada), na última fase, há outra brusca caída de peso, que constitui o período pré-n1ortal. A perda de peso abrange a diminuição de todos os materiais plásticos do organisn10; órgãos e tecidos perden1 peso em diferentes graus, segundo a capacidade de suas reservas. Pela ordem, perdem maior porcentagen1 de peso: tecido celular subcutâneo e celuloadiposo; baço; fígado; músculos; sangue; pele. O intestino atrofia-se, por falta de função. Os últimos órgãos a sofrerem atrofia são os genitais; os únicos tecidos que não são apreciavelmnte reduzidos são o miocárdico e o tecido nervoso. Além da perda de peso, o jejum continuado produz modificações nos aparelhos e órgãos MODIFICAÇÕES Do aparelho digestório: alterações do apetite e da fon1e; diminuição das secreções digestivas; exaltação da atividade motriz; constipação fisiológica agravada pela falta de resíduos. Do aparelho circulatório: redução da atividade cardíaca (bradicardia, redução da tensão arterial, diminuição do pulso), na etapa final,

jejum terapêutico

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

jejunoileíte

sucede o contrário, pois ocorrem inst abilidade tensional, irritabilidade, extra-sístoles etc. (devido à má distribuição da massa sangüínea). Do aparelho respiratório: din1inuição do volume respiratório por minuto de freqüência respiratória e da quantidade de ar corrente; redução da capacidade vital; na etapa final, há modificação do ritmo por acidose. Do aparelho urinário: oligúria por economia orgânica de água; modificações da urina. Do sistema nervoso: hiperexcitabilidade com excitação neuromuscular; 15 dias após desaparece a irritabilidade e surgem fenômenos de déficit psíquico con1 depressão profunda e, lentan1ente, coma e morte. (Do sangue: alterações da fórmula leucocitária por redução de linfócitos; aun1ento moderado de polimorfonucleares e eosinofilia; anemias do tipo hipocrônüco. Da temperatura: depois dos primeiros dias, quando o indivíduo perde 30% de peso, a temperatura encontra-se entre 35 e 35,5 graus (hipotermia)). Do metabolismo basal: sofre baixa, à medida que vai din1inuindo a massa total; em 24 a 48 horas de jejum, o ququociente respiratório eleva-se em indivíduos que têm grande reserva de glicídios; o ququociente baixo quando começa o consumo de gordura e, mais ainda, quando essa utilização aumenta; o ququociente não será tão baixo se existirem abu ndantes reservas protídicas (58% dessas transformam-se em glicídios). Do metabolismo glicídico: é o primeiro metabolismo que se modifica com intensidade dependente da reserva glicídica; as modificações atingem os depósitos muscular, hepático, da pele etc.; para que haja glicídios suficientes para a queima de gordura e para o funcionan1ento do fígado, ocorre intensa neoglicogênese à custa de mobilização de glicogênio muscular (ciclo de Cori), consumo de proteínas de reserva e destruição de músculos pela mobilização de lipídios. Do metabolismo lipídico: para a queima de gordura é necessária a presença de glicídios; eles não estando presentes, as gorduras transformam-se em corpos cetônicos, com produção de cetonúria, amoniúria e baixa de reserva alcalina; com os depósitos já exauridos, a gordura não pode ser mobilizada, havendo hipolipemia terminal e morte. Do metabolismo protídico: sem suprimento exógeno, o organismo lança mão de seus pro-

150

tídios de reserva, de protídios circulantes e, em seguida, do N proveniente da destruição das células (período pré-mortal). Do metabolismo da água: de início, o balanço negativo é compensado quando começa a combustão de gorduras e a formação de água de combustão, em seguida, por alteração do metabolismo de água, h á produção de edema. Do metabolismo mineral: de início, há eliminação de minerais; as modificações mais importantes giram em torno do Na e do K; também há modificações por jejum do C l, P, S e Ca. A quantidade de N1S2Mg eliminado por urina revela destruição de tecidos, principaln1ente muscular; a de Ca e de P, a do tecido ósseo. PERÍODOS DAS n10DIFICAÇÕES ORGÂNICAS As modificações orgânicas ocasionadas pelo jejum, sob o ponto de vista clínico e metabólico, incluem-se em três períodos característicos. PERÍODO DE SURPRESA O organismo, surpreendido pela brusca supressão de alimentos, atravessa fase de desequilíbrio caracterizado pela fon1e (entre 48 e 72 horas); período em que há consumo de reservas de glicídios . PERÍODO DE ADAPTAÇÃO Nele, destaca-se a ação dos n1ecanismos orgânicos de con1pensação e defesa e a poupança de materiais e energia; período particularizado pelo consumo de lipídios e protídios, perda de peso, modificações metabólicas, balanço negativo de nitrogênio, din1inuição do metabolisn10 basal, início de acidose PERÍODO DE MODIFICAÇÕES CELULARES Marcado pelo esgotamento das reservas. H á destruição do protoplasma celular e desequilíbrio metabólico tot al com: acidose; aniperazoen1ia; hiperglicemia; hipolipemia; desidratação; alterações h istológicas, reversíveis quando o jejun1 é suprimido; morte. ieium terapêutico É aquele que tem por finalidade pôr no máximo repouso algum dos três tempos da nutrição. Tem sen1pre caráter dietoterápico e duração limitada. ieiunectomia Excisão total ou parcial do jejuno. ieiunite Inflamação do jejuno. ieiuno Porção do intestino delgado compreendida entre o duodeno e o íleo. ieiunocecostomia Anastomose cirúrgica entre o JeJuno e o ceco. ieiunocolostomia Operação cirúrgica criando anastomose entre o jejuno e o cólon. ieiunoileíte Processo inflamatório do jejuno e do íleo.

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

jejunojejunostomia joule

jejunojejunostomia Formação de anaston1ose entre duas partes do jejuno. jejunoplastia Intervenção cirúrgica destinada a modificar a forma e o funcionamento jejunal. jejunostomia 1 Abertura artificial (fístulajejunal) comunicando o lúmen do jejuno con1 a superfície externa do abdome 2 Incisão do jejuno. "jerked beef" Carne bovina salgada, curada e seca,tem o contato entre a carne e as

substâncias químicas,aumentando o tempo de validade. joule Unidade de energia definida como a quantidade de energia gasta para deslocar un1 quilo à distância de um metro com a força de um Newton (força necessária para deslocar a massa de um quilo a uma aceleração de um metro por segundo). 1 cal é 4.186 Joules. 1 kJ = 0,239 cal.

151

kalium Potássio (K). kilocaloria Quantidade de calor necessário para elevar de 1°C (de 15 a 16°C) a temperatura de um litro de água. kilograma Mil gramas (kg). kilojoule Quilojoule; unidade calórica equivalente a 0,239 calorias. kwashiorkor Doença comum em crianças com idade entre um e três anos que não se alin1entam suficientemente e cuja ingestão de proteínas é deficiente qualitativa e quantitativamente en1 relação à ingestão calórica. Surge sempre após o desmame prolongado quando o lactente deixa de receber leite materno e

passa a ingerir outros alimentos, à base exclusivamente de glicídios. Ocorre alterações metabólicas, com perdas de eletrólitos e de água para o meio extracelular. Sintomatologia: edema, falta de apetite, diarréia, apatia e modificações no cabelo (faixas avermelhadas), retardan1ento do crescimento, necrose hepática. É muito vulnerável às infecções bacterianas viróticas. kwashiorkor marasmático Tipo de kwashiorkor em que, além da falta protéica, existe valor calórico muito baixo ( desnutrição protéicocalórica). Também torna muito vulnerável às infecções bacterianas viróticas.

lab Enzima encontrada no suco gástrico e que

lactulose 1 Denominada fator bífidus 2 Cetose

coagula rapidamente a caseína do leite. Ten1 presença abundante no estômago de animais jovens. Essa enzima é produzida pelas glândulas fúndicas e sua concentração é paralela à pepsina. Sua ação é em pH 6,0 a 6,5,já em pH ácido torna-se pouca ativa. lábio leporino Fenda ou fendas sin1adas na parte labial superior. lactação 1 Formação da secreção láctea 2 Período em que o lactente é alimentado ao seio. lactância Alimentação da criança por meio de leite. lactante Que an1amenta. lactário Entidade na qual o leite é produzido e distribuído. Segue as normas do Ministério da Saúde. lactase Enzima hidrolisante de dissacarídios. Produz hidrólise da lactose dividindo-a en1 glicose e galactose. Sua maior atividade ocorre em pH 4,7, presente no suco pancreático. lactente Criança que é alimentada ao seio, geralmente por um período de até 12 meses. lacticemia Ácido láctico presente no sangue; a taxa normal é de 10 a 15 mg°/4. O excesso é encontrado no diabetes e em outras doenças. láctico desidrogenase Enzima que catalisa a reação de conversão do ácido pirúvico em ácido láctico. lactosemia Lactose no sangue. lactosúria Presença de lactose na urina.

dissacarídea presente no leite humano e que favorece o desenvolvimento do Lactobacillus bifidus, no intestino de lactentes alimentados com leite n1aterno. lâmina própria Estrutura conjuntiva que sustenta as células epiteliais da mucosa intestinal. laparotomia 1 Abertura cirúrgica da parede abdominal e do peritônio 2 Celioton1ia. laringe Órgão da voz localizado entre a traquéia e a base da língua. laringectomia Retirada cirúrgica, total ou parcial, da laringe. laringite Designação genérica de processos inflan1atórios da laringe. larva migrans Denominação de "larvas de determinados parasitas específicos de animais, que, como parasitas acidentais, migram para a pele ou para as vísceras do sangue". Os agentes etiológicos da forn1a cutânea são espécies de ancilóstomos, Uncinaria stenocephala e Brunostomum phlebotomum; os da forma visceral são os helmintos Toxocara canis e Toxocari cati e o Strongyloides stercoralis. Esses parasitas são os produtores da síndrome de larva migrans visceral. lassidão 1 Debilidade, esgotamento, cansaço 2 Lassitude. latirismo Afecção produzida pela ingestão de ervilhas doces vicias, como as das espécies Lathyrus, Lathyrus sativus e outras. Entre as

laxativo

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

leis da alimentação (Escudero)

L

formas clínicas do latirismo encontram-se: neurolatirismo ( que afeta o sistema nervoso central) e o osteolatirismo (que atinge o esqueleto e o tecido conjuntivo). O osteolatirismo ocorre apenas em animais de laboratório. laxativo Agente acelerador do trânsito do alimento pelo intestino, por diferentes efeitos. Por irritação. Óleo de rícino hidrolisado pela lipase, que o converte em ácido ricinoléico (irritante da mucosa intestinal); drogas como mana, sene, aloés, ruibarbo, cáscara sagrada e fenolftaleína. Por pressão osmótica. Sais de Epsom etc. Por ação mecânica e química. Fibras tais como a celulose (retentora de água e forn1adora por ação enzimática de ácidos orgânicos, aldeídos e gases), com isso, aumentando o volume da massa intestinal. LDL Vide LIPOPROTEÍNAS BETA. lecitinas Glicérides em que foi substituído um ácido graxo de uma das posições alfa por radical de fosforilcolina. Representantes do grupo fosfátides e importantes constituintes de membranas celulares, tecido nervoso e gema de ovo. Utilizadas industrialmente como agente emulsificante; empregadas como anti-respingante durante frituras e con10 economizadoras de manteiga de cacau. Usadas, ainda, como aditivo estabilizante: em balas moles (tipo "toffee"), leite, açúcar, manteiga, como base de xarope de glicose, em gorduras e outros ingredientes comestíveis; no preparo de caran1elo. lecitinase Enzima do intestino delgado que decompõe a lecitina em seus componentes: glicerol, ácidos graxos, ácido ortofosfórico e colina. leis da alimentação (Escudero) São em número de quatro. 1 Lei da quantidade "A quantidade de alimentação deve ser suficiente para cobrir as exigências calóricas do organismo em manter o equilíbrio de seu balanço': Abrange dois conceitos: a) calórico: do requerimento calórico do organismo (VCT) que será a quantidade de calorias para repor o calor perdido pelo organismo, por meio da ingestão de alimentos, com respeito ao conceito calórico teremos: regimes - suficiente, insuficiente, generoso e excessivo; b) conceito de balanço: referente à relação entre as entradas de alimentos no organismo e as saídas de seus resíduos, o balanço poderá ser positivo, quando o organismo eliminar menos do que digerir; será negativo, quando a eliminação for maior do que a ingestão, o balanço estará em equilíbrio

156

quando os ingressos forem iguais aos resíduos eliminados, o balanço normal será aquele que levará o indivíduo à sua normalidade, podendo ser positivo ou negativo; na obesidade, o balanço negativo levará o indivíduo à sua normalidade anterior; na criança e no adolescente, o balanço será positivo, visando a finalidade de seu desenvolvimento e crescimento. 2 Lei da qualidade "O regime alimentar deve ser completo em sua composição para oferecer ao organismo, que é uma unidade indivisível, todas as substâncias que o integram". Abrange dois conceitos: a) conceito de unidade orgânica - o organismo é unidade formada pela son1a de diversos nutrientes; é supervisionado por un1a série de funções solidárias e harmônicas entre si, não podendo modificar-se sem que se perturbem, por conseguinte, é indivisível; b) conceito de que toda substância que integra o organismo provém da alimentação; daí a necessidade de os alimentos conterem todos os nutrientes que constituem o organismo, do não cumprimento dessa lei, surgem os regimes - carente, ausência ou redução dos nutrientes; incompleto, falca de mais de um nutriente, por exemplo, lipídios e vitan1inas. 3 Lei da harmonia "As quantidades dos diversos princípios que integram a alimentação devem guardar relação de proporções entre si''. a) Conceito de proporção dos integrantes do regime: não basta que o organismo receba os nutrientes indispensáveis, mas que eles sejam recebidos nas proporções em que necessitam ser utilizados. Essa relação de proporção é assegurada pelos diversos ququocientes: protídico animal e vegetal; grama caloria; cálcio-fósforo; acidobásico; ceto-anticetogênico; potássio-sódio; ferro animal; ferro vegetal. 4 Lei da adequação "A finalidade da alin1entação está sujeita à sua adequação ao indivíduo". Abrange dois conceitos: a) conceito de cumprin1ento da finalidade da alimentação: na prescrição do regime a sadios ou enfermos, deve ser conhecida sua finalidade, que varia segundo o sexo, a idade e o mon1ento biológico; b) conceito da adequação dos caracteres dos alimentos ao indivíduo e à evolução do estado mórbido: a adaptação do regime ao indivíduo deve considerar o estado de seu aparelho digestivo, hábitos alimentares, sintomas e síndromes concomitantes, órgão ou órgãos enfermos, ten1po de duração da enfermidade (fase aguda ou crônica) e muitos outros.

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

leis de alimentação leucocitose

leis de alimentação Preceitos objetivando orientar a alimentação e nutrição do indivíduo, sistematizando, em termos biológicos, a ingestão de alimentos básicos e adequados. leite Líquido esb ranquiçado produzido nas glândulas mamárias de fêmeas de anin1ais mamíferos con1 o intuito de alimentarem sua prole. Sua composição varia de acordo com a espécie do animal, mas basicamente é composto por carboidratos, proteínas, gorduras, sais minerais, vitan1inas, e anticorpos. leite aromatizado Leite adicionado de substância aromática. leite condensado Produto resultante de evaporação parcial de leite integral e adicionado de açúcar. leite de COCO Suco leitoso da polpa do coco. leite de magnésio Suspensão de hidróxido de magnésio, utilizado como laxante. Antigamente era utilizado como antiácido. leite desnatado Leite processado industrialmente de modo a diminuir a percentagem lipídica e, consequentemente, o seu valor calórico. leite evaporado Produto obtido pela evaporação parcial da água do leite, envasado hermetican1ente e esterilizado. leite fermentado Produto constituído de leite integral ou parcialn1ente desnatado, fern1entado por mistura de bactérias e leveduras, que transformam a lactose em ácido láctico. leite instantâneo Leite em pó, de rápida solubilidade. leite modificado Produto lácteo, com variações qualitativas e quantitativas de seus componentes e, às vezes, com a adição de outros nutrientes (p. ex.: ômega 3). leite pasteurizado Produto submetido a processo térmico que visa à destruição de microorganismos patogênicos. Apresentado geralmente em sacos p lásticos, com as designações A, B e C, referentes aos seus valores nutntrvos e teor graxo. leite UHT Leite processado pelo sisten1a UHT (Ultra High Temperature), que consiste em um tratamento en1 altas ten1peraturas por poucos segundos. lentilha Semente seca de Leus esculante Mao e suas variedades. leptina H ormônio produzido por células adiposas que ten1 como ação a regulação dos sistemas imune, respiratório e de reprodução, alén1 de importante regulador do balanço energé-

tico. Para a regulação do balanço energético, a leptina estimula o núcleo hipotalân1ico arqueado (NHA) que ativa o sistema nervoso autonôn1ico simpático a inibir a ingestão alimentar e aumentar do gasto energético total, comomitantemente, inibe a secreção de neuropeptídio Y (PYY) e proteína agouti, os quais são responsáveis pela fome e redução do gasto energético. Assim este hormônio ten1 como principal função inibir o apetite e aumentar o gasto energético diminuindo o ganho de peso. A infuncionalidade da leptina está intimamente ligada a fisiopatogenia da obesidade, no entanto de forma paradoxal indivíduos obesos possuem níveis altos de leptina, o que leva à hipótese de que esta infuncionalidade na verdade é devido a uma resistência à leptida provavelmente localizada na barreira hematocefálica, local em que a leptina ganha o tecido nervoso para estimular o hipotálamo. leptospirose Infecção bacteriana por espiroquetas do gênero Leptospira, que gera uma vasculite infecciosa, danificando, assim, as células endoteliais dos capilares. lesão Modificações nos caracteres anatômicos e histológicos de órgãos e tecidos. letalidade Designa o número de óbitos relacionados com enfermidades ou fatos ligados à coletividade. letargia Estado caracterizado por sonolência patológica ou estupor e que inclui torpor. leucemia D oença do sistema hematopoético caracterizada pela proliferação exagerada de leucócitos. É classificada em aguda, subaguda, ou crônica. O tipo agudo se manifesta por anemia grave. leucina Aminoácido essencial, indispensável ao crescimento do ser humano. É precursora de ácidos graxos e corpos cetônicos. Em estado livre, é encontrada em glândulas salivares, no fígado, no pâncreas, no rim, na tireóide, no timo etc. A leucina tem presença muito difundida nos protídios orgânicos. leucócitos Glóbulos brancos do sangue, que são classificados, quan to à reação de coloração em: granulócitos, como os neutrófilos, os eosinófilos e os basófilos, e agranulócitos, como os linfócitos e os n1onócitos. São especializados nas defesas celulares e imunocelulares do organismo. leucocitose Situação em que a taxa de leucócitos sangüíneos encontra-se elevada, bastante acima do normal.

157

L

leucopenia

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

língua

leucopenia Redução do número de leucócitos no sangue.

leucoplasia Lesão pré-cancerosa caracterizada

L

por placa quase branca sempre localizada na boca. leucoprotease Enzin1a que desdobra as proteínas e se encontra nos leucócitos. Produz liquefação dos tecidos necróticos em inflamações. leucosina Proteína hidrossolúvel, contida no . . tngo e em outros cereais. leucotrienos Substâncias inflan1atórias que aparecem quando da interação de oxigênio sobre ácidos graxos poliinsaturados. lêvedo de cerveja Produto constituído de microorganismos, com predomínio de Saccharomyces cerevisae. En1pregada nutricionalmente por ser fonte de proteínas e complexo vitamínico B. levedura Células de muitas espécies de Saccharomyces. Algumas delas são empregadas como fonte de proteínas e algun1as vitaminas do complexo B. levotiroxina Isômero ativo da tiroxina, existente na glândula tireóide. levulose O mesmo que frutose Encontrada no mel e em várias frutas, principalmente no figo. Faz parte da sacarose e é importante na dieta de diabéticos, pois seu n1etabolismo não depende da insulina. libido Sensação de desejo sexual. licor Bebida alcoólica pronunciadamente doce e aromatizada, à base de infusões extraídas de substâncias diversas. lienteria Diarréia que apresenta fezes contendo alimentos mal digeridos. ligação peptídica Consiste na ligação CO-NH de dois aminoácidos, por condensação do grupo amina de un1 an1inoácido, com o grupo carboxílico de outro an1inoácido. ligamento Tecido conjuntivo fibroso que liga as extremidades articulares ósseas. Algumas pregas e processos do peritônio. ligase Enzima catalisadora da ligação de duas moléculas, envolvendo a participação de nucleosídio trifosfato, con1 a adenosina trifosfato que é transformada em nucleotídio difosfato ou monofosfato. limiar renal Nível no sangue de determinada substância que é eliminada pelos rins. Esse limiar pode ser n1odificado por meio de várias drogas. limonina Substância amarga do albedo de laranja de Valência não completamente madura.

158

lincomicina Antibiótico heterosídio con1 características e propriedades próximas das que apresentam os macrolídios. Tem atividade sobre microorganismos Gram-positivos e é especialmente enérgica contra germes anaeróbios (Clostridium, Fusobacterium, cocos anaeróbios e bacteróides). É absorvida por via oral, sofrendo porém interferência de alimentos; por isso é aconselhada sua administração fora das refeições. É eliminada por via urinária e fecal. Em pacientes com insuficiência renal, as doses devem obedecer aos intervalos necessários ( oito em oito horas ou de 12 em 12 horas). Concentração: elevada no leite materno e, atravessando a placenta, no feto; por sua concentração nos ossos, é indicada nas osteomielites. linfa Líquido encontrado dentro de vasos linfáticos, tem composição similar à do plasma, mas contém menos proteína e algumas células, principalmente linfócitos. É coletada do líquido intersticial. linfangite Inflamação de um ou vários vasos linfáticos. linfócito Família de células esféricas forn1adas primariamente em tecidos linfáticos. Essas células têm um diâmetro que varia entre 6 e 8 f-U11, porém uma pequena porcentagem pode atingir até 18 f-U11· Apesar de morfologicamente semelhantes, podem ser separados, devido a moléculas de superfície, em dois principais tipos: linfócitos B e T, com diversos subtipos. Dependendo do tipo e subtipo, secretam anticorpos, reconhecem antígenos, destroen1 células transplantadas, cancerosas ou invadidas , por v1rus, entre outros. linfocitose Presença de quantidade anormal de linfócitos em líquido orgânico. língua Massa n1uscular alongada, fixada na parte inferior da cavidade bucal. Acessório da boca, que integra o mecanismo da mastigação, da deglutição, do paladar e da articulação da palavra. É o órgão do gosto, porque se alojam em sua mucosa os bulbos, botões ou corpúsculos gustativos. Divide-se em duas partes (bucal e faríngea), duas faces (superior e inferior) e duas bordas (base e ponta). Cada zona lingual contém folículos linfáticos, diminutas e inún1eras glândulas salivares e grandes quantidades de papilas de várias formas. A inervação n1otora da língua é feita pelo nervo hipoglosso; a sensibilidade provém do nervo trigên1eo. Os responsáveis pelo sentido do paladar são os

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

lingüiça lipofucsinas

nervos intermédio e o glossofaríngeo. A língua apresenta zonas de percepção e zonas insensíveis ao gosto. lingüiça Embutido elaborado com diversos tipos de carne moída ou em pequenos pedaços (de vaca, de porco, de frango e de peru), com toucinho e ten1pero. Seus variados tipos (calabresa, portuguesa, do padre etc.) apresentam características especiais, principalmente de sabor. A lingüiça mista é produzida com mistura de carne suína e bovina. lioenzima Enzima excracelular. liotironina Designação alternativa para a Ltriiodotironina, hormônio de maior potencialidade da tireóide. Como estimulante do metabolismo, é prescrita para reduzir o peso. lipases Enzimas que hidrolisam as gorduras em ácidos graxos e glicerol. Está presente no suco pancreático e no plasn1a sangüíneo. Abundantemente presentes em vegetais, animais e n1Ícroorganismos, as lipases mantên1 especificidade sobre os ácidos graxos, do tamanho da cadeia de carbono e o grau de saturação. Por sua ação hidrolítica sobre triglicérides, provocam em alimentos perdas de suas qualidades de sabor. No leite, encontram-se dois tipos de lipase: uma, permanentemente ativa, junco aos glóbulos graxos, e outra, que se ativa quando o produto é agitado mecanicamente, como no processo de homogeneização. Industrialn1ente, as lipases animais são empregadas en1 queijos. As de origen1 microorgânica são usadas: em ovos para hidrolisar partículas graxas da gema, capazes de gerar características indesejáveis; para controlar o flavor em queijos; para aromatização de produtos contendo manteiga, como agente favorecedor do chocolate com leite; para produzir com esporos de mofo o sabor do queijo azul; no preparo de produtos de panificação. lipemia Presença de triglicérides no sangue. Normalmente, a taxa é inferior a 1,5 g/licro. lipidemia Presença e taxa dos lipídios totais no sangue ( 5 a 8 g/litro). São eles: colesterol, triglicérides, fosfolipídios e ácidos graxos livres. No sangue, os lipídios não se achan1 livres; formam grupos protéicos com as proteínas plasmáticas (lipoproteínas). Estas constituen1 o veículo de transporte de parte da gordura absorvida pelo intestino até o fígado ou diretamente para os tecidos adiposos.

lipídios Termo geral que engloba os óleos, as ceras, e as gorduras e todos os outros compostos naturais de ácidos graxos. Produzem energia no organisn10, são veículos de vitaminas e possuem ácido graxo essencial. Representam a maior fonte de energia armazenada no tecido adiposo; fornecem nove calorias por grama. A absorção dos lipídios é realizada pela mucosa intestinal, de preferência no jejuno. Por seu elevado poder energético, ocupam lugar de destaque na forn1a calórica. Constituem veículo para a absorção de vitan1inas lipossolúveis. Fonte exclusiva de ácido graxo essencial (linoléico ). Provocam apetite pelo favorecimento do sabor e odor em alimentos. Possuem elevado valor de saciedade. Apresentam 90% de possibilidade de se transformarem em cetogênicos. Suas fontes principais são: Óleos; nozes; creme de leite; gorduras anin1ais; toucinho, abacate; presunto cozido; sardinha; rins; margarina; azeites; leite integral; requeijão; queijo parmesão; manteiga; miolos; castanha do pará; an1endoim, castanha de caju. lipidograma Fórmula ou gráfico representando os níveis de diferentes frações de lipoprocídios existentes em líquido orgânico; estes são fixados por eletroforese em papel, por meio de corantes específicos. lipidose Infiltração de gorduras em tecidos, órgãos e células do sistema reticuloendocelial. lipocaico Hormônio originado das células A das ilhotas de Langerhans do pâncreas, que transforma a gordura en1 açúcar, in1pedindo a deposição de gorduras no fígado. lipócito Célula em que é depositada a gordura no organismo, especializada para arn1azenar gordura. lipocromo Grupo de pigmentos hidrocarbonados, como luteína, caroteno, xantofila etc. lipodistrof ia Distúrbio provocado por alteração de células gordurosas no tecido subcutâneo. lipofucsinas Pigmentos acumulados nos tecidos com a idade. Acredita-se que sejam produtos de reações entre o monoaldeído (formado pela peroxidação de todos os lipídios) e grupos amina das proteínas, aminoácidos ou ácidos nucléicos. Essa pigmentação ocorre em células musculares lisas, em fibras do músculo cardíaco, em células parenquimatosas e em macrófagos. Têm afinidade pelo azul do Nilo e pelo corante sudão.

159

L

lipogênese

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

lombo

lipogênese Produção de gordura à custa de nu-

L

trientes não graxos, por exen1plo, glicídios. lipogênico Produtor de gordura. lipólise Hidrólise produzida no decorrer da digestão intestinal, por influência de bile e do suco pancreático. As gorduras alimentares são hidrolisadas em ácidos graxos livres e glicerol, que passam ao sangue para serem transportadas pelas lipoproteínas. lipomatose Presença de grande quantidade de gorduras nos tecidos; obesidade. lipoproteina Lipídio sangüíneo ligado a proteínas (complexo lipoprotéico). Abrange três tipos, relacionados com sua migração eletroforética e densidade: lipoproteínas alfa, beta e pré-beta. lipoproteina lipase É enzima que tem ação catalítica sobre a reação de decomposição dos trigliceróis das lipoproteínas do plasma, em ácidos graxos livres e glicerol. Há correlação significativa entre a capacidade de um tecido para incorporar ácidos graxos dos triacilgliceróis e a atividade da enzima lipoproteína lipase. A reação con1 a lipoproteína-lipase resulta na perda de, aproximadamente, 90% do triacilglicerol dos quilomícrons. A ação a enzima tambén1 se faz sentir na VLDL ("very low density lipoprotein"), ou lipoproteína de densidade muito baixa. lipoproteinas alfa HDL 1 High density lipoproteins 2 Lipoproteínas de alta densidade. Sua porcentagem em triglicérides é muito baixa (ao redor de 6% ); contém os restantes 25% do colesterol do soro. Em sua con1posição, prevalecem proteínas (50%) completadas com fosfolipídios (19%). lipoproteinas beta HDL 1 Low density lipoproteins 2 Lipoproteínas de baixa densidade. Sua constituição abrange colesterol (45%), fosfolipídios (22%), protídios (21%), triglicérides (11%) e ácidos graxos não especificados. Essas lipoproteínas são sintetizadas no fígado e carreiam 75% do colesterol existente. lipoproteínas pré-beta VLDL 1 Very low density lipoproteins 2 Lipoproteínas de densidade muito baixa, que transportam os glicérides endógenos. Essas lipoproteínas compõem-se principalmente de triglicérides de origem hepática, de fosfolipídios (22%), de colesterol (13%) e de protídios (10%). São hidrolisadas pela lipase lipoprotéica. Pode ocorrer hiperpré-betalipoproteinemia, por dietas ricas em açúcares

160

ou liberação exagerada de ácidos graxos livres dos tecidos adiposos, que aumentam a síntese hepática de triglicérides. lipotimia Distúrbio caracterizado por sensação vertiginosa e angustiante de desfalecimento acompanhado de palidez, suores frios e visão escura, provocado geralmente por influência de transtornos vasomocores. lipotrópica Substância que impede a degeneração gordurosa do fígado ( colina, metionina, inosicol, hormônio lipocaico) pela intensificação do trânsito dos lipídios na glândula. lisina Aminoácidos essencial e glicogenético. A falta de lisina na dieta provoca redução de crescimento, balanço negativo de nitrogênio e elevação da excreção de sulfatos. Somente a forn1a levógira da lisina tem aproveitamento orgânico. lisossomas Estruturas subcelulares em função de depósitos no interior das células. Visando ao seu trabalho digestivo, os lisossomas contêm enzin1as específicas. Por ação dos radicais livres, as membranas dos lisossomas podem romper-se, dando passagem a enzimas lisosson1iais, que podem prejudicar os con1ponentes internos das células. lisozima Enzima de ação destruidora de algumas bactérias (estafilococos, meningococos, estreptococos etc.). Sua atividade antibacteriana decorre de poder mucolítico que apresenta e, graças ao qual, pode dissolver polissacarídios que forn1am a cápsula bacteriana. Enzima encontrada nas lágrimas e no ovo. litíase Formação de cálculos em vários órgãos e glândulas (litíase renal, salivar, biliar, mamária, intestinal etc.). litíase biliar Presença de cálculos formados por sedimentação de sais biliares. litíase renal Presença de cálculos formados no interior dos rins, por sedimentação de ácido úrico, uratos, oxalatos e fosfatos. litonefrite Inflamação renal n1otivada pela presença de cálculos. lividomicina Antibiótico aminoglicosídico constituído pelos con1ponentes A e B. Tem ação antimicrobiana sobre os bacilos Gram-negativos. Em diferentes graus de concentração, acua contra o Mycobacterium tuberculosis, Proteus indo/ positivos e Serratia. A lividomicina é comercializada na França. lombo Parte carnosa do final da região lombar dos suínos, submetida a processo industrial.

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

longilíneo luteotrofina (LTH)

longilíneo Indivíduo que apresenta membros

luteína Hormônio da hipófise anterior e que esti-

compridos e tronco curto. lordose Curvatura da parte lombar da coluna vertebral direcionada para a frente. lovastatina Medicamento proveninente de culturas fúngicas de Aspergillus terreus com inibe a síntese de colesterol e estimula a produção de recepdores de LDL. lúmen Espaço entre as paredes de células devasos ou de outros condutos.

mula o desenvolvimento da estrutura ovariana. luteoscyrina Micotoxina elaborada pelo Penicillium islandicum. Sua ação tóxica repercute sobre os rins e o fígado; a evolução da intoxicação pode gerar cirrose hepática. luteotrolina (LTH) Hormônio oriundo do lobo anterior da hipófise, responsável pelo funcionamento do corpo lúteo. Julga-se que tenha atividade similar à da prolactina.

L

161

má absorção Deficiência de absorção de nu-

macronutrientes Elementos essenciais exigidos

trientes no cubo digestivo. macarrão Produto resultante da mistura de farinha de trigo e água (100:50), esticada, com variados tipos e apresentações, segundo as características de sua elaboração. macrocisto Cisto grande, visível a olho nu. macrócito Designação de hemácia cujo diâmetro é de 9 a 12 n1ícrons, em lugar de 7 n1ícrons, que é seu tamanho normal. macrocitose Presença de macrócicos ou eritrócicos anormalmente grandes no sangue em valores anormalmente elevados. macrófago Fagócito de grande dimensão, pertencente ao retículo endocelial. Os macrófagos abrangem as seguintes células: do tecido conjuntivo, do endotélio dos vasos, da medula óssea, do baço e algumas do sangue. macroglobulina Qualquer gamaglobulina que apresenta elevado peso molecular, com constante de sedimentação de 19 Swedberg. É encontrada en1 pequeno teor no plasma norn1al e bastante aumentada em várias enfermidades. macroglossia Aumento do tamanho da üngua. macroglossite Processo flegmonoso e inchaço da üngua. macrolídios Grupo de antibióticos compostos quimicamente por heterosídios caracterizados por conterem um anel lacto na macrocíclico. Os macrolídios utilizados clinicamente são carbomicina, espiramicina, eritromicina, megalomicina, oleandomicina e quitasamicina.

en1 teores relativamente altos pelos seres vivos. macrosplâncnico Tipo morfológico no qual as dimensões transversais predominam sobre as longitudinais. magnésio Metal branco-azulado, de peso atômico 24, 82 e de nún1ero atôn1ico 12. Esse núneral é fartamente distribuído na nan1reza em formas inorgânica e orgânica. É essencial para a vida. Depois do cálcio, é o cátion mais importante das células vivas; sua quantidade no organismo é bem menor do que a do Ca e do P. O magnésio está presente em distintos setores do corpo adulto, na quantidade de 20 a 35g; desta cifra, 60% encontram-se nos tecidos sob a forma de fosfatos e carbonatos e o restante, nos üquidos incra e extracelulares. Processa-se no intestino delgado e é proporcional à quantidade ingerida. Com uma dieta média (20 mEq/ d), a absorção é de 44,3%; em un1a dieta pobre (1,9 mEq/d) são absorvidos 75,8% e, nas dietas con1 alta taxa de Mg (47 mEq/ d), a absorção é de 23,7%. Sua absorção é prejudicada por altos níveis de cálcio, de fosfato e de proteínas na dieta. A vitamina D parece favorecer a absorção pelo trato digestivo. Sua excreção processa-se pela urina e pelas fezes. O eliminado pelas fezes é resultante da diferença entre o ingerido e o não absorvido. Já os rins regulam a concentração extracelular desse mineral, da mesma forma que faz com o potássio. A conservação do magnésio orgânico pelos rins é muito boa. O magnésio é ativador

magreza

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

• manganes

M

de sistemas enzimáticos, com repercussão sobre protídios, glicídios e lipídios; em sistemas enzimáticos, é ativo sobre a oxidase pirúvica no cérebro e tambén1 sobre a hexoquinase. Associado ao cálcio, ao sódio e ao potássio, atua no equilíbrio hídrico e eletrolítico. É necessário à síntese protídica, de ácidos nucléicos e de lipídios. Com o íon manganês, age como coenzima de fosfatases alcalinas. Atua na dinâmica da contração muscular, por sua influência na ativação do ATP. Elemento cuja ausência pode prejudicar a homeostae do cálcio e potássio. É componente do osso. Suas Principais fontes são: cacau; nozes; soja; legumes secos; cereais; carnes; castanha do Pará; folhas verdes; feijão; mandioca; pescado; vagem; chocolate. A síndrome clínica caracterizada pela deficiência de magnésio ( alcoolismo crônico, pacientes recém-operados, diarréias e em portadores de obstrução pilórica) apresenta-se com tremores musculares, convulsões, apatia, fraqueza muscular. A insuficiência de magnésio pode não aparecer com freqüência, pois ele faz parte da clorofila presente na n1aioria dos alimentos vegetais. magreza Pode ser constitucional ou conseqüente à falha na ingestão de alimentos. A constitucional é aquela em que o indivíduo, embora receba a quota alimentar correta, não consegue modificar sua constituição física, mantendo sempre o mesmo corpo e o mesmo peso. No que diz respeito à ingestão de alin1entos, a magreza pode ser por causas diversas: por razões nervosas ou doenças nervosas, em que o indivíduo deixa de ingerir alin1entos; quando, por desconhecimento do valor alimentar dos alimentos, a ingestão se faça erroneamente, com deficiência de calorias e de nutrientes necessários; por ingestão equilibrada correspondente a seu biotipo, porém insuficiente em virtude de excesso de exercícios físicos, trabalho exagerado e pouco repouso. maionese Molho constituído pela emulsão de gen1a de ovo em azeite ou óleo, adicionada de vinagre ou suco de limão, sal e outros condimentos, pode ser caseiro ou industrializado. mal Moléstia, doença. mal de Basedow Hipertireoidismo. mal de Pott Cifose provocada por osteíte tuberculosa da coluna. maligno Denominação atribuída a determinada situação con1 tendência a agravar-se sensivelmente, com a previsão de breve óbito.

164

maltase Enzima encontrada na saliva e no suco pancreático; transforma a maltose em dextrose. maltose Glicídio constituído pela ligação de duas n1oléculas de glucose (ligação glucosídica 2-1-4). É açúcar redutor, por conter grupo aldeídico livre; é a unidade básica do amido. maltotriose Um trissacarídio de três moléculas de glicose resulcante da ação da enzima amilase sobre o amido e sobre o glicogênio. mama Parte do corpo provida de glândulas man1árias. mancha de Bitot Mancha encontrada na xeroftalmia (avitaminose A); mancha nacarada localizada na conjuntivite bulhar. mancha de pimenta de Caiena Dilatação do vaso arterial, linfático ou venoso culminando em um trajeto tortuoso nas papilas. Varizes papilares. mandíbula Osso de sustentação dentária (maxilar inferior). mandioca Planta da família das euforbiásseas (Manihot utilíssima), cujos tubérculos são ricos em amido (polvilho) e são utilizados na alin1entação. As espécies venenosas são utilizadas como farinha de mesa S1N Aipim; macachera; cassava. manganês Metal branco-acinzentado, duro, quebradiço, de peso atômico 54,93 e número atômico 25; apresenta propriedades similares às do ferro. O manganês, mesmo em pequenos índices, encontra-se difundido em todo o organismo, em todos os tecidos e fluidos. Seu maior teor é verificado nas mitocôndrias, nos rins e no fígado, locais de armazenan1ento de manganês. Esse mineral está distribuído ainda nos ossos, sangue, soro, íleo, pulmão, mucosa duodenal e demais tecidos. O manganês é encontrado amplamente em alimentos animais e vegetais. As dimensões exatas das exigências orgânicas de manganês não estão ainda devidamente esclarecidas. ABSORÇÃO Faz-se no intestino delgado e é transportado pela corrente sangüínea, ligado a uma proteína. ExcREÇÃO Processa-se por via biliar e intestino. A quantidade não absorvida elimina-se pela urina. FUNÇÕES Desempenha importante ação em processos nutritivos de plantas e de animais. Favorece a função de reprodução. Elemento relevante em vários sistemas enzimáticos, principalmente de n1etaloenzimas. Atua como catalisador na síntese de mucopolissacarídios da cartilagen1. Age indiretamente no metabolismo de tiamina. É co-fator em diversos sistemas enzimáti-

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

mangarnsmo medicamento

cos. Ativa enzimas participantes de reações do ciclo de Krebs. Integra a estrutura da arginase, enzima envolvida na formação da uréia. Catalisa a síntese de n1ucopolissacarídios. PRINCIPAIS FONTES Trigo; aveia; leguminosas secas; alface; espinafre; batata doce; frutas dessecadas; fígado de boi; grãos integrais; infusão de chá preto; frutas e vegetais (segundo o tipo de solo). REQUERIMENTOS Lactentes: até 6 n1eses: 0,003 mg/ dia; de 7 a 12 meses: 0,6 n1g/ dia. Crianças e adolescentes: de 1 a 3 anos: 1,22 mg/ dia; de 4 a 8 anos: 1,48 mg/ dia; de 9 a 13 anos: 1,57 a 1,91 mg. Adolescente: 1,55 a 2,17 mg/ dia. Adultos: 1,8 a 2,3 mg/ dia. DEFICIÊNCIA No homen1, ainda não se conhecen1 as conseqüências da deficiência o manganês. Extrapolando da sintomatologia provocada pela insuficiência desse mineral em animais (galináceos) para a raça humana, a não ingestão satisfatória de manganês afeta a perfeita reprodução, a estrutura normal dos ossos e o funcionamento adequado do sistema nervoso. manganismo Intoxicação por manganês. manteiga 1 Substância gordurosa, produto resultante do processamento da nata do leite, resfriado e pasteurizado 2 Óleo de origem animal ou vegetal. manteiga de açaí Pasta oleosa acumulada na água onde é triturado e escaldado o açaí para o cansumo. manteiga de cacau 1 Substância sólida advinda da sen1ente do cacaueiro de cor brancoamarelado 2 Elemento utilizado em farmácias e confeitaria. manteiga de garrafa Creme produzido do leite que ao ser aquecido se transforn1a em un1 líquido amarelo e transparente. É típico da região nordestina do Brasil e acon1panha pratos como a carne de sol. manteiga de tartaruga Substância viscosa proveniente da gema do ovo da tartaruga. má nutrição Oferta de princípios nutritivos inferior aos requerin1entos orgânicos. São fatores predisponentes da má nutrição: ingestão inadequada de nutrientes; distorção de hábitos alimentares contínuos; anorexia, lin1itando a ingestão de alimentos; transtornos que dificultam o aproveitamento de nutrientes. marasmo Desnutrição grave por falta de proteínas, em que o peso da criança pode ficar 75% abaixo do normal; tendo definhamento gradativo dos tecidos do organismo, a criança

tem aparência envelhecida e se mostra apática, pálida e letárgica. margarina Produto alimentício sucedâneo da manteiga, elaborada a partir de gorduras vegetais e animais purificadas e hidrogenadas, adicionado ou não de leite desnatado. Comercializada com ou sem sal e para consumo dietético, com redução de calorias. margarina líquida Margarina no estado líquido, contendo cerca de 70% de lipídios e sendo conservada na temperatura de 16º C. marron-glacé Produto elaborado com castanhas portuguesas, glaçadas, confeitadas com calda de baunilha. mastigação Manobra voluntária, que, por sua rotina, torna-se subconsciente. De sua complexa função, tomam parte os seguintes órgãos: dentes, mandíbula inferior, língua, músculos mastigadores, paredes da cavidade bucal, véu do paladar e lábios. Pela mastigação, os alimentos, depois de triturados, transformam-se em mistura pastosa, pela participação da saliva (secreções salivares e outros elementos), ficando aptos para ser deglutidos (bolo alin1enrar ou quin10). mate Chá feito a partir das folhas secas das plantas das famílias das Aquifoliaceae. É composto por substâncias como a cafeína e o tanino e são empregados com ação diurética, diaforética e para o alívio da cefaléia. É comum na região Sul do Brasil e no Paraguai. mateína Substância excitante do sistema nervoso, existente no mate. mazindol Droga anorexígea da fan1ília das anfetaminas utilizada para o tratamento psicofarmacológico da obesidade. mecanismo glicostático Capacidade da hipófise de sustentar reservas de glicogênio no fígado, na n1usculatura dentre outros. O hormônio do crescimento (GH ) exerce efeito no músculo esquelético deste modo. mecônio Substância viscosa castanha ou esverdeada, constituída de muco, células epiteliais descamadas, pêlos, bile etc., excretada pelo feto, após o nascimento. mediastino 1 Divisão que separa partes vizinhas. 2 Espaço situado entre as pleuras, na linha mediana da caixa torácica. Dividido em mediastino anterior, médio, posterior e superior. medicamento Agente químico destinado à cura ou alívio de enfermidades, podendo ser tópico ou para uso interno. Os medican1entos são introduzidos no organismo por vias di-

165

M

medicina ortomolecular

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

menaqu1nona

M

versas: oral; respiratória (inalação); injetável (muscular, venosa, hipodérmica); retal. SIN Fármaco, Remédio. medicina ortomolecular É a correção das carências orgânicas tendo como objetivo prevenir ou curar doenças, empregando megadoses de nutrientes essenciais, como vitan1inas, para atingir concentrações ótimas dessas substâncias que se encontram presentes normalmente no organismo e que são imprescindíveis à saúde. Exemplos: tratamentos de câncer com megadoses de vitan1ina C, de esquizofrenia, pela niacina, da tuberculose cutânea pela vitamina D. Contra essa terapia, surge a ação tóxica de n1egadoses de vitaminas e sua eficiência não provada convenientemente. medidas calóricas O consumo calórico é expresso por medidas de energia representadas por calorias (kilocalorias) e joules. megaceco Região da luz do ceco com considerável estiran1ento. megacólon Dilatação de parte do intestino grosso, com espessamento da muscular, acompanhada de constipação e distensão do abdome.Têm maior prevalência durante a infância. megacólon aganglionar Doença de Hirschsprung. megacólon idiopático Constipação devida à hipertrofia e dilatação do cólon, podendo ser congênita, psicogênica ou devido a hábitos intestma1s. megadonte Dentes excessivamente grandes, anormais. megadose Representa uma quantidade de minerais e vitaminas 10 ou mais vezes mais do que as doses recomendadas normalmente. São utilizadas nos casos em que se deseja obter um requerimento extra de um nutriente; para corrigir uma deficiência; para obter efeitos farmacológicos e na medicina ortomolecular. megaduodeno Dilatação do duodeno de origem desconhecida. megaesôlago Dilatação esofagiana provocada por espasmo da cárdia ou de origen1 congênita. megaloblasto Glóbulo vermelho primitivo, forma anormal de grande tan1anho, con1 grande núcleo, imatura. Encontrado quando há deficiência de B12 ou ácido fólico. mel Produto natural elaborado por abelhas, com o néctar de flores e posteriormente armazenado em favos; é líquido espesso e rico em

166

glicose. Comercializado em estado natural e composto, sob distintas marcas. melado Produto denso, resultante do aquecin1ento do caldo de cana e de coloração escura, por caramelização de sacarose. melanina Pigmento de cor escura (do marromavermelhado ao negro) encontrada no cabelo, na pele, na íris e na coróide. melanocortina Vide HORMÔNIO ESTIMULANTE DA MELANOC0RTINA (MSH). melatonina Considerado mais potente antioxidante endógeno cerebral, é sintetizada durante a noite, na glândula pineal, por ação da acetiltcansferase. O con1ando do ritmo de secreção da melatonina ocorre no núcleo supraquiasn1ático. A produção de melatonina é influenciada pela idade; o maior índice verifica-se antes da puberdade; após os 40 anos começa o seu declínio. mel de pau Mel armazenado pelas abelhas no oco de paus de árvores. mel de toicinho Mel produzido com rapadura e toicinho, sendo posteriormente acrescentado farinha de mandioca. melena Fezes escurecidas devido à presença de sangue. melitúria Presença de açúcar na urina. mel virgem Primeiro mel extraído do favo. membrana Can1ada tecidual fina que reveste uma parte, liga estruturas adjacentes ou limita cavidades. Apresenta uma permeabilidade dependente de sua estrutura e das características físico -químicas da molécula. membranas celulares São soluções viscosas que separam o conteúdo celular de outras células. Sua composição é, preferentemente, de elementos lipídicos, como fosfolipídios, glicolipídios e este róis ( nos mamíferos, o colesterol), elementos protéicos e alguns glicídios. São importantes no processo de absorção, em que alguns nutrientes tên1 passagem livre e outros precisam de substâncias "transportadoras" para efetuar a travessia. No caso dos vegetais, as membranas são constituídas por elementos celulósicos. menadiona Composto sintético com ação da vitamina K. Usado em diáteses hemorrágicas devido à baixa concentração de protrombina no sangue. menaquinona 2-metil-1,4-naftoquinona; Vitan1ina K3.

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

meningite metemoglobina

meningite Desiganção genérica das inflan1ações agudas ou crônicas das meninges que revestem o cérebro ou medula espinhal. meningococo Diplococo responsável pela meningite cerebroespinhal. mercaptans Provenientes da ação da flora intestinal sobre aminoácidos sulfurados. A cisteína sofre várias transformações para produzir mercaptans. O metilmercaptan resulta como produtos finais: o metano e o sulfeto de hidrogênio. mercurialismo Vide H10RARG1R1sMo. mercúrio Metal líquido e volátil (Hg), de peso atômico 200,61, número atômico 50, brancoprateado. Constituído de dois tipos de compostos: mercurioso (dois átomos de H g combinados con1 radical bivalente) e mercúrico (um átomo de H gcombinado com radical bivalente); os sais mercúricos são mais tóxicos do que os mercuriosos. O mercúrio é de extrema toxicidade, quando ingerido em doses fora dos limites de tolerância. Vide INTOXICAÇÃO POR MERCÚRIO. mesentério Prega ou dobra peritoneal, unindo o intestino à parede abdominal posterior. metabiose Sin1biose em que só um dos organismos é favorecido, por encontrar ambiente propício, preparado por outro organisn10, que pode ser prejudicado ou não. metabolimetria Medida do metabolisn10. Metabolismo Soma de todas as modificações físicas e químicas ocorridas no organismo, incluindo síntese e decomposição de matéria para dar energia, continuar o crescimento e o funcionan1ento orgânico. Referente a todos os processos físico-químicos realizados na intimidade tecidual, dos quais dependem o crescimento orgânico e a energia geradora do corpo que gera calor e assegura a atividade muscular. No estudo metabólico, são apreciados dois ciclos. CrcLo MATERIAL Correspondente às trocas orgânicas durante a curva vital (do crescimento à involução), em que aparecem duas etapas: anabólica - fase de construção ou assimilação; catabólica - fase de desassimilação ou de desintegração. CrcLo ENERGÉTICO Os alimentos convertidos em energia formam calor, aproveitado para trabalho. metabolismo anaeróbico Metabolismo que ocorre sem presença de oxigênio. metabolismo basal Quantidade de energia requerida pelo indivíduo quando en1 repouso muscular e mental, suficiente apenas para a atividade de órgãos internos, para manter a

temperatura corpórea; em jejum de 12 a 14 horas, sem ingerir protídios durante 24 horas e em local com temperatura acerca de 20ºC. É expresso por calorias expendidas por m2 de superfície e por hora, calculado correlacionando o peso e a altura do indivíduo. Sobre esse aspecto, é maior nos hon1ens que nas mulheres; porém, expresso por k/p, cal diferença desaparece. O MB é alto em crianças, declina rapidamente até os 12 anos e, depois disso, suavemente pelo resto da vida. metabolismo da glicose Vide GLicosE (METAsoLisMo). metabolismo energético Processo pelo qual a energia quín1ica transforma-se em outros tipos de energia, de in1portância para o funcionamento orgânico. Ocorrem nas seguintes formas: elétrica: atividade nervosa, cerebral; mecânica: contração muscular; térmica: regulação da temperatura do corpo; outros tipos de energia química: síntese de novos compostos orgânicos. metabolismo protéico Referente aos processos da digestão, absorção e utilização protéica. metabólito Substância de transformação produzida durante o metabolismo. metagênese Fenômeno de alternância de reprodução sexuada e assexuada, que se verifica em cercos grupos de plantas e animais. metaloproteínas Proteínas unidas a metais: hemoglobina, ferritina, citocromo (ferro) e clorocruonina (cobre). metampicilina Antibiótico do grupo da ampicilina cuja ação antimicrobiana sobre os germes Gram-positivos e negativos é idêntica à da ampicilina. Sua sensibilidade contra a penicilinase estafilocócica é n1aior do que a da ampicilina. Por via parenteral, a metampicilina produz alta concentração biliar. EFEITOS COLATERAIS: hipersensibilidade. CONCENTRAÇÃO: urina e bile. metatrófico Referente ao processo terapêutico que modifica a alin1entação e a nutrição, juntamente com a prescrição de medicamentos (p. ex.: dieta hipossódica ( em epilépticos] e ingestão de brometo [substituição de sal alcalino por outros]) . metemalbumina Formação sangüínea da combinação do grupo heme com a albumina do soro. É utilizada para diferenciar a pancreatite grave da branda e está presente em pacientes com febre biliosa hemoglobinúria. metemoglobina 1 MetHb 2 Pigmento n1arrom derivado da hemoglobina em que o ferro

167

M

meteorismo

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

milequivalente

M

encontra-se em estado trivalente (forma oxidada da hemoglobina, diferente da oxiemoglobina). meteorismo Insuflação abdominal, provocada . . . . . por gases 1ntest1na1S;t1mpan1smo. metformina Promove a diminuição da glicemia através da diminuição da produção hepática de glicose e da melhora da resistência insulínica. Tem relação com perda de peso. metilcobalamina Forma de coenzin1a da vitamina B12. metilpurina Composto ao qual foi adicionado, em seu núcleo purínico, um ou mais radicais meólicos ( cafeína, teofilina, teobromina). metilxantinas Derivados metílicos de uma purina, a xantina, que apresentam propriedades farn1acológicas. Entre esses, encontramos a cafeína ( café), a teofilina ( chá) e a teobromina (cacau). A ação da cafeína se exerce sobre o sistema nervoso, sendo estimulante circulatório e renal; em excesso provoca insônia. A teofilina é empregada como diurético, vasodilatador e no tratamento de espasmos brônquicos. A teobromina exerce ação estimulante sobre o miocárdio e atua como diurético. A cafeína é uma trimetilxantina e a teofilina e a teobromina são dimetilxantinas. metionina Aminoácido (CH3S(CH2) 2 CHNH2 COOH) essencial que contém enxofre; apresenta grupos metílicos lábeis; encontrado nos ovos, caseína, leite etc. Esse aminoácido fornece grupos n1etilos lábeis e enxofre orgânico; é substância mãe da colina, da cistina e da creatina. Participa da hematopoiese e mantém a estabilidade das funções hepática e renal. É precursora na síntese da espermidina e da espermina do sêmen. Tambén1 se ten1 julgado que é elemento precursor de metilcarptan, composto presente na putrefação intestinal. Tem propriedades antioxidantes. métodos para determinação do VCT O valor calórico total é determinado pelos seguintes métodos: utilização dos índices preestabelecidos; consun10 calórico de cada momento e cada tipo de atividade; valor calórico inicial (Escudero ); nomograma de Boothby e Berkeson. Por sua maior viabiliade, somente os métodos de Escudero e do nomograma são empregados na prescrição dos regin1es. mezlocilina (ou composto BAY1353) Penicilina semi-sintética pertencente ao grupo das ureidopenicilinas. Tem maior atividade antimicrobiana contra os bacilos Gram-negativos

168

que a azlocilina. Apresenta ação contra as Pseudomonas sensíveis. Tem atividade mais enérgica contra as Pseudomonas que a carbenicilina e ticarcilina. mialgia Dor muscular. miastenia Estado caracterizado por excessiva tendência de fadiga muscular progressiva. miatonia Falta ou destruição da capacidade do tono muscular. micotoxicose Intoxicação originada por toxina fúngica ou bacteriana. micotoxinas São toxinas produzidas por fungos e que podem contaminar os alimentos. As toxinas do fungo do esporão do centeio (ergot), Claviceps purpurea, são alcalóides de ação tóxica como, por exemplo, a ergotan1ina que provoca o ergotismo. Essa intoxicação é caracterizada por vômitos, cólicas, convulsões e gangrena isquêmica. Outra micotoxina é a aflatoxina produzida pelo fungo Aspergillus fiavus, que contan1ina amendoins, castanhas e grãos armazenados em locais quentes e úmidos; a aflatoxina B1 produz câncer no figado. As micotoxinas são potencialmente perigosas e se acham amplamente espalhadas, muito n1ais do que se supõe. Micrococcus varians Bactéria que tolera temperaturas de pasteurização comercial. microflora intestinal Relacionada com bactérias colônicas, produtoras de fermentação de resíduos não digeridos. micronutrientes Vitaminas e oligoelementos, indispensáveis aos processos fisiológicos e que são necessárias em quantidades ínfimas. microsplâncnico Tipo morfológico pelo tamanho diminuído das vísceras do abdome. microsplenia Tipo morfológico, apresentando um baço de tan1anho reduzido, anormal. microssomo Corpúsculo presente no protoplasma celular, constituído de fragmentos de retículo endoplasn1ático e ribossomos associados. midríase Dilatação pupilar. mielina Substância gordurosa, branca, formadora de bainha protetora de fibras nervosas centrais e periféricas. migração Mudança de hábitat de ser vivo, por ocasião de uma mudança geográfica. É realizada por diversos animais e podem ser periódicas ou irregulares. milequivalente Milésin1a parte do equivalente; unidade que corresponde à concentração iô-

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

milho molestia de Bourneville

nica de uma solução. O mEq de uma solução iônica conhecido con10 peso é determinado dividindo-se o número de miligramas por litro pelo peso atômico do íon e n1ulciplicando-se o resultado pela valência desse íon. Por meio do milequivalente, pode ser avaliado o equilíbrio entre íons ácidos e básicos dos líquidos orgânicos. milho Erva da família das gramíneas, que produz seus grãos dispostos em uma espiga. Planta originária da América do Sul. milho de pipoca Grão do milho que ao sofrer aquecimento arrebenta formando assim a pipoca. minerais Apesar de sua insignificante participação percentual nos organismos animais e vegetais, os n1inerais, pelas funções que desenvolven1, são nutrientes indispensáveis. Pela importância hierárquica de suas funções, alguns minerais (Ca, P, Na, K e Fe) são considerados essenciais; os minerais dividem-se em macro e micronutrientes. Eles atuan1 no organismo individualmente, em forma conjugada, ou associados a outros nutrientes. FUNÇÕES Entre as funções de minerais se destacam: exercen1 atividade plástica e reguladora; participam dos tecidos ósseos e dentários (Ca e P); regulan1 o equilíbrio osmótico (Na e K); executam funções conjuntas de equilíbrio; têm ação catalítica ( cobalto; cobre; iodo; zinco; manganês etc.); intervêm na coagulação sangüínea; mantêm o equilíbrio acido-básico. PRINCIPAIS FONTES Constituídos pelos seguintes elementos: cálcio, cloro, cobre, enxofre, ferro, flúor, fósforo, iodo, magnésio, manganês, molibdênio, potássio, selênio, sódio e zinco. mínimo protéico É a quantidade mínima de proteínas que o indivíduo deve ingerir diariamente, en1 regime suficiente para manter normal o balanço de nitrogênio. mínimo protéico fisiológico Quantidade de proteínas que n1antém o equilíbrio nitrogenado ( de proteínas). mínimo protéico higiênico É a quantidade de proteína que assegura ótimo estado de saúde, prevenindo processos intercorrentes, como jejum, perdas na absorção, enfermidades etc. mioblogina Complexo protéico muscular semelhante à hemoglobina do sangue; a proteína é a globina e o pigmento contendo ferro, heme. miocárdio Músculo cardíaco. miocardite Processo inflamatório do n1iocárdio.

miógeno Proteína n1uscular presente no sarcoplasma no qual as miofibrilas encontram-se embebidas. miógrafo Instrumento que registra as contrações musculares, ampliando-as, com o objetivo de seu escudo. miopatia Todo processo muscular patológico. miosina Proteína de peso molecular muito elevado que se encontra no tecido muscular e pertence ao grupo das globulinas. Forma, com a actina, a actoniosina, responsável pelas propriedades contrátil e elástica do músculo. Mantém íntima associação com a adenosinatrifosfatase (ATPase). A causa da rigidez cadavérica é a sua coagulação após a morte. miristicina Substância tóxica presente na nozmoscada, nas folhas e nos frutos de salsa, no aipo e, em pequeno teor, em condimentos e óleos de limão e aniz. A n1iristicina pode provocar lesões renais, degeneração gordurosa do fígado e alterações do sistema nervoso central. Utilizada contínua e excessivamente, a miristicina pode levar o indivíduo à morte. mitocôndrias Organelas citoplasmáticas em forma de grânulos, de filamentos ou de curtos bastonetes encontrados nas células. mixedema Forma de edema ocasionado por hipofunção tireoideana. Caracterizada por secura e perda de cabelo, secura e aspereza da pele, anemia, espessamento e fraqueza muscular e consequentemente, lentidão dos reflexos. mixoxantina Pigmento carotenóide obtido de algas e que tem ação de vitamina A. mol Referente a molécula-grama. É o peso de um composto químico em unidade massa (grama). Numericamente, o mol é igual ao seu peso molecular. molar Refere-se aos n1oles de um soluto en1 um detern1inado volume de solução, tendo a designação da concentração do composto expresso en1 mol pela letra L, às vezes abreviado para M. molécula A menor porção de matéria, capaz de existir em liberdade, conservando suas propriedades características. moléstia Doença, n1al, enfermidade. moléstia de Albers-Schonberg Osteoporose. moléstia de Andersen 1 Amilopectinose. 2 Processo fibroso cístico do pâncreas. moléstia de Babinski-Froelich Distrofia adiposogenital. moléstia de Bourneville Esclerose cuberosa.

169

M

moléstia de Bright

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

moléstia de Simmonds

moléstia de Bright Nefrite crônica. moléstia de Brill Tifo exantemático causada por

M

Rickettsia prowazekii, tendo um reaparecimento constante devido à transn1issão pelo piolho. Caracteriza-se por: febre, mal-estar, cefaléia e exantema. moléstia de Brill-Symmers Linfon1a nodular. moléstia de Buerger Trombangeíte obliterante. moléstia de Carrió Bartonelose. moléstia de Castellani Broncospiroquetose. moléstia de Cazenave Pênfigo foliáceo. moléstia de Charcot-Marie-Tooth Atrofia muscular peroneira. moléstia de Coats Ritinite exsudativa. moléstia de Concato Polisserosite. moléstia de Crohn Enterite regional. moléstia de Crohn do cólon Colite granulomatosa. moléstia de Degos Infartos múltiplos do trato gastrointestinal, associados a pápulas cutâneas indolores e acompanhados de tron1bangeíte obliterante. moléstia de Ebstein Con1preende dois tipos de enfermidades: 1. nefropatia de ArmanniEbstein: formação de vacúolos na porção reta tern1inal dos túbulos contorcidos proximais (diabetes); e 2. anomalia de Ebstein: malformação congênita da válvula tricúspide. moléstia de Menetrier Gastrite hipertrófica gigante, difusa, de etiologia desconhecida, benigna. SINTOMATOLOGIA perda de peso, vômitos, diarréia, hipoproteinemia e secreção excessiva de muco. moléstia de Mikulicz Também conhecida como síndrome de Mikulicz, apresenta aumento das glândulas salivares ou das lacrimais e é provocada por tuberculose, sarcoidose, linfoma maligno leucemia e outras.

moléstia de Morqui (ou síndrome de Morquio) É a mucopolissacaridose IV. Quimicamente, apresenta-se com excesso de ceratossulfato na urina. Clinicamente: alterações ósseas graves, encurtamento da espinha provocando nanismo; fácies característica com mandíbula saliente, nariz chato, boca larga con1 dentes muito separados. Sinton1as neurológicos por compressão da medula espinhal. Transmite-se como caráter autossômico recessivo. moléstia de Niemann-Pick Esfingolipidose. Há insuficiência (hereditária) de un1a enzima cujo papel é o de catalisar a hidrólise da fosforilcolina da esfingomielina, levando a um

170

acúmulo dessa substância. Sintomatologia: anemia precoce, gânglios linfáticos do fígado e do baço enfartados, retardamento mental, degeneração da retina. moléstia de Ohara Tularemia. moléstia de Ollier Encondromatose. moléstia de Paget Ataca a estrutura óssea do organismo, acarretando uma série de malforn1ações de acordo com o local afetado devido a um aumento na reabsorção óssea mediada pelos osteoclastos. Origem desconhecida. As tíbias e os fêmures podem-se apresentar com curvaturas; tórax achatado lateralmente, cifose, parietais aun1entados e bacia alargada, dando ao indivíduo uma semelhança de símio ou n1acaco. Há partes do esqueleto que não são atingidas, mantendo sua estrutura normal. No sangue, as fosfatases alcalinas encontramse elevadas. Dores e artroses também surgem nessa enfermidade. Há processos de osteólise ao lado de osteogênese anárquica, con1 vascularização intensa do osso. moléstia de Parry Hipertireoidismo. moléstia de Pompe Erro inato do metabolismo do glicogênio provocando uma glicogenose difusa. Sua origem é provocada pela insuficiência alfa 1,4-glicosidase, acarretando depósitos anormais de glicogênio nos músculos do esqueleto, fígado, coração, dentre outros órgãos. SINTOMATOLOGIA astenia profunda, insuficiência cardíaca por cardiomegalia e n1acroglossia. moléstia de Poncet Tuberculose generalizada anormal, caracterizada pelo comprometin1ento de diversas vísceras reunidas e alterações articulares, não evidenciando os sinais tradicionais da tuberculose.

moléstia de Refsun (ou síndrome de Refsun) É causada por uma incapacidade hereditária do organismo de oxidar o ácido fitânico, formado no fitol ou álcool fitílico, que se acumula no sangue. SINTOMATOLOGIA transtornos visuais, alterações dos nervos, ataxia e lesão cardíaca. moléstia de Riedel Também chan1ada de "estruma de Riedel'' (struma = bócio), é um tipo de tireoidite crônica, com zonas de fibrose pétrea. Em casos graves, há aderências da glândula aos tecidos vizinhos. moléstia de Riggs Periodontite. moléstia de Simmonds Caquexia provocada por insuficiência da glândula pituitária (hipófise), com repercussão em todas as glândulas

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

moléstia de Tangier molho béarnaise

que estão sob sua ação: cireóide, gônadas, córtex supra-renal etc. moléstia de Tangier Redução acentuada, no soro, de alfa-lipoproceína (lipoproteína de alta densidade). Esse distúrbio leva ao acúmulo de ésceres do colesterol no sistema reciculoendotelial. Sintomatologia: gânglios linfáticos e amígdalas infartadas adquirindo coloração cinza-amarelada. Há aun1enco do baço e distúrbios neurológicos e vasculares. moléstia de Tarui Erro inato do metabolismo do glícogênio, com retenção do n1esmo nos músculos por insuficiência de uma enzima: a fosfofrutocinase. moléstia de Trousseau Hemocromatose. moléstia de Vaquez Erutremia, Polycihtemia vera. moléstia de Von Gierke Erro inato do metabolismo, com redução pronunciada ou falta da enzima glicose-6-fosfatase no fígado, provocando a glicogenose hepática, hipoglicemia e acidose. moléstia de Von Recklinghausen 1 Hen1ocromatose 2 Neurofibromatose, geraln1ente hereditária, caracterizado por tumores cutâneos difundidos por todo o corpo, sendo de tamanhos variáveis e sem pedículos 3 Osceíce fibrosa cística, generalizada. moléstia de Von Willebrand Hemofilia vascular. Tendência à hemorragia apresentando sangramenco principalmente pelas mucosas. Apesar de ter uma contagem plaquetária e retração do coágulo normal, tal fato ocorre devido a uma falta do fator VIII da cascata de coagulação. moléstia de Weil Leptospirose grave, quando já apresenta características ictero-hen1orrágica, oligúria e finalmente, colapso circulatório. moléstia de Werlhof Púrpura trombocitopênica idiopática. moléstia de Whipple Grande infiltração de macrófagos cheios de glicoproteína nas paredes do intestino e dos vasos linfáticos. SINTOMATOLOGIA aumento dos gânglios linfáticos, esteatorréia, granulomatose intestinal lipofágica, . . artrite e emagrec1n1ento. moléstia de Wilson Degeneração hepacolenticular. Tremor ao realizar movimentos intencionais, dificuldade em articular as palavras e ao deglutir. Têm grande incidência em adolescentes, ocorrendo devido a uma degeneração simétrica e bilateral do corpo estriado. moléstia de Wolman Erro inato do metabolismo devido a uma herança autossôn1ica reces-

siva. É de baixa incidência e caracterizado por excessivos depósitos de criglicérides e de ésceres de colesterol no fígado e em outros órgãos. moléstia do colágeno Colagenose, inclui uma série de alterações difusas do tecido conjuntivo, como inflamação e degeneração fibrinóide que vêm a constituir entidades clínicas como a artrite reumatóide, poliartrice, lúpus ericematoso sistên1ico, escleroderma generalizado e febre reumática. moléstia do soro Síndrome conseqüente à aplicação de soro contendo substâncias estranhas, evidenciando a sintomatologia após oito a 10 dias. S1NTOMATOLOG1A exantema urticariano, edema, gânglios linfáticos infartados, febre e dores articulares. Está relacionada, imunologicamence, com o aparecimento de complexos de antígenoanticorpo que ficam circulando pelo organismo quase sen1pre com excesso de antígeno. moléstia profissional Provocada pelos elementos que rodeiam o indivíduo en1 seu trabalho. São moléstias profisisonais as intoxicações de trabalhadores de fábricas, de indústrias poluitivas, de certos laboratórios etc. A repetição mecânica de determinadas operações em indústrias e fábricas pode causar n1oléscias orgânicas ou funcionais. Trabalhadores de minas adquirem uma série de doenças, de acordo com a natureza do produto retirado: carvão (antracose), sílica (silicose ou pneumoconiose), enfermidades que atacam o puln1ão pela inalação de poeiras. moléstias mieloproliferativas Síndromes caracterizadas pelo aumento de componentes da medula óssea, com a presença de células imaturas no sangue periférico e hematopoiese extramedular, leucemia granulocítica crônica, policitemia. molho Preparação líquida, geralmente espessada, à base de iguarias refogadas, condimentos ácidos aromáticos e picantes, com a finalidade de transmitir melhor sabor à saladas, sopas, assados e outros pratos culinários. molho agridoce Combinação de abacaxi com vegetais crocantes (pimentão, cenoura e tomate). Aplicado em carnes de ave e de porco. mo lho alio li Combinação de gemas de ovo, água, sumo de limão alho azeite e sal. Muito apreciada no consumo de costeletas grelhadas e bifes. molho béarnaise Constituído por: cebola, vinagre branco, margarina, ovos, pimenta branca,

171

M

molho béchamel

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

molibdênio

M

vinho branco, louro em pó, estragão, tomilho seco, pimenta-de-caiena e limão. molho béchamel Combinação de manteiga, farinha de trigo, leite, sal, pimenta, noz-moscada. Eo molho base para muitos outros molhos, caldos, recheios etc. molho bolonhês Constituído por cebolas (fatiadas em meia lua), manjericão, carne de porco e vaca moídas, aipo picado, cenoura, vinho branco seco, caldo de carne, sal e pimenta. molho brasileiro Sabor de feijão caseiro (carne seca, louro e feijão). Consumido con1 carne de porco. molho chinês missô Constituído por broto de bambu, feijão, cenoura, molho de soja e especiarias. Empregado con1 carnes porcina e bovina. molho Cumberland Combinação de bebolinha, limão, laranja, vinho do porto, geléia de groselha, mostarda, sal e gengibre ralado. Acompanha presunto ou caça. molho de ameixas Con1binação de vinho tinto, ameixas secas e descaroçadas, açúcar e sumo de laranja. Servida com lombo de porco assado, costeletas etc. molho de amêndoas Combinação de caldo de carne, manteiga, cebola, farinha, sal, pimenta moída, noz-moscada e n1iolo de amêndoa. Acompanha carnes panadas, carnes grelhadas e peixes fritos. molho de azeite picante Composto por anchovas, alcaparras, salsa, piripiri, azeite, pimenta preta moída e sumo de lin1ão. Acon1panhamenco de peixe frito ou grelhado, lagosta grelhada ou ovos cozidos. molho de caril Composto por aipo, maionese, nata, caril, sal e pimenta moída. Acompanha camarões cozidos. molho de cogumelos Con1posto por cogumelos, manteiga, vinho branco, aguardente, farinha de trigo, sumo de limão, nata, pimenta e sal. Acompanha carnes frias. molho de piripiri Combinação de vinagre, sal, azeite e malaguetas. molho cru Composto por cebola, alho, sal, azeite, água, colorau doce, vinagre branco,sal pimenta e louro. Servido com carapaus grelhados e peixe frito. molho diabrete Composto por leite, pimenta, sal, noz-n1oscada, nata, manteiga, salsa, farinha de trigo e cebola. Utilizado para refogar batatas cozidas.

172

molho estrogonoff Elaborado com creme de leite, "champignon" e especiarias. Para carnes de ave e bovina. molho francês Preparado con1 cebola,pepino em conserva, estragão, alhos secos, salsa, ovos, vinagre água, sal, pimenta em pó, molho inglês, molho de soja e mostarda. molho holandês Preparado com gemas, água, sumo de limão, sal, pin1enta e manteiga. Acompanha peixes e legumes cozidos e ovos escaldados. molho indiano ao curry Molho internacional elaborado com coco, amendoim, creme de leite e gengibre e aromatizado com curry. Usado com carnes de ave, de porco e pescado. molho madeira Preparação clássica para acompanhar carne bovina, feito com vinho madeira, manteiga, chá de mostarda, molho inglês e pimenta. molho mostarda De sabor característico utilizado em frangos e peixes. molho oriental Teriyaki Preparado com broto de bambu, gergelim e molho de soja. Servido com carne bovina e porcina. molho tártaro Preparado com gemas de ovos cozidos, vinagre, alcaparra, pepino de conserva, sal, azeite e gema de ovo cru. Acompanha filetes de peixe frito, carnes e peixes grelhados. molho verde Preparado com alcaparra, salsa, gema de ovo cozido, alchovas, vinagre, pinhões, alho, azeite, pimenta n1oída. Para acompanhamento de peixes e carnes cozidas. molho vinagrete de Dijon Ervas finas, mostarda, óleo de oliva virgem. molibdênio Elemento metálico, branco-praceado, de consistência dura, com peso atômico 95,95, número atômico 42 e com densidade aproximada de 10,2. O teor de molibdênio em tecidos é bastante reduzido, porém é achado em n1aior proporção no figado e nos rins; em alimentos, sua quantidade ainda não é bem definida. A importância da atividade nutricional do molibdênio mantém-se obscura em relação a muitos processos vitais; contudo, a possibilidade de ser o mineral essencial ao organismo resulta de sua integração à xantina-oxidase e à aldeído oxidase. E conhecido o antagonismo funcional entre o n1olibdênio e o cobre. Por essa razão, em zonas poluídas por molibdênio, é necessária a devida vigilância para que não ocorra deficiência de cobre, resultante do antagonismo entre os

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

momento biológico mortalidade perinatal

dois minerais. ABSORÇÃO É absorvido em sua forma solúvel hexavalente. ExcREÇÃO É feita preferencialmente pela urina e essa eliminação poderá ser de n1etade da ingestão diária de molibdênio. FUNÇÕES Intervém como catalisador na oxidação de tecidos graxos. Constituinte de várias enzimas; aldeído-oxidase, sulfato-oxidase e xantina-oxidase. Como componente da xantina-oxidase, o molibdênio influi na redução da ferritina celular férrica e ferrosa. Admite-se que tenha ação catalítica na oxidação de ácidos graxos. PRINCIPAIS FONTES Leguminsas e certos cereais; rim; vegatais (segundo o solo). REQUERIMENTOS São as seguintes as doses recomendadas (em µg/ dia): lactentes: até 6 meses: 2 µg/ dia (0,3 µg/kg/ dia); de 7 a 12 meses: 3 µg/ dia (0,3 µg/kg/ dia). Crianças e adolescentes: l a 3 anos: 13 a 17 µg/ dia; 4 a 8 anos: 17 a 22 µg/ dia; 9 a 13 anos: 26 a 34 µg/dia; 14 a 18 anos: 33 a 43 µg/dia. Adultos: 34 a 45 µg/ dia.Lactentes: 14 a 18 anos: 35 a 50 µg/ dia, 19 a 30 anos: 36 a 50 µg/ dia, 31 a 50 anos: 36 a 50 µg/ dia. DEFICIÊNCIA Não se tem conhecimento de deficiência pura de n1olibdênio, porém foi reconhecida uma deficiência genética de xantina oxidase, metaloenzima que contén1 n1olibdênio. momento biológico Situações diferentes das que são consideradas normais e que não são patológicas, pois mantêm seu caráter fisiológico; por exemplo: gestação, lactação, infância, adolescência e velhice. momento calórico Nome dado ao valor calórico requerido por uma situação biológica invariável. mongolismo Idiotia congênita resulcante de aberração cromossômica (presença de um cromosson10 supranumerário do par de cromossomos somáticos), caracterizada por deforn1ação das pálpebras (lembrando o tipo normal da raça amarela da Mongólia), bradicefalia e prognatismo S1N Doença de Down. mongolóide Indivíduo portador de mongolismo. monoamina Amina que apresenta um só grupo ' . amtntco. monoamino oxidase MAO, enzima tais como a noradrenalina e a serotonina que converten1 monoam1nas. monocitose Aumento sangüíneo do número de monócitos. monofagia Desejo por um só alimento. monoglicéride Lipídio resultante da esterificação do glicerol por ácidos graxos.

monoinsaturado Composto orgânico que apresenta uma só dupla ligação; ácido graxo n10noinsaturado: oléico. monoiodotirosina Composto da tireóide que contém iodo. monômero Composto químico sin1ples, com capacidade de se transformar em polímeros, resinas sintéticas, plásticos ou elastômeros por combinação entre si próprios ou con1 outros constituintes (p. ex.: estireno como monômero de resinas de poliestireno). mononucleotídio Con1posto resultante da ação hidrolítica do ácido nucléico e que contém ácido fosfórico, pentose ( ribose ou desoxirribose) e base púrica ou piramídica. monossacarídio Glicídios simples constituídos por três a seis átomos de carbono em cada molécula, com exceção das pentoses que possuen1 cinco átomos de carbono. Denominados açúcares simples, não podem ser hidrolisados em açúcares mais sin1ples. Exemplos: deidroxiacetona, dextrose, frutose, galactose, glicose, manose. monovalente Regerente a soro ou vacina constituídos de uma só raça microorgânica e que tem ação exclusivan1ente contra enfernlidades provocadas pela mesma (p. ex.: vacina antimeningocócica C). morbidade Registra o número de pessoas enfermas, em relação com a população. morfotipo Classe em que o indivíduo é qualificado segundo sua forma. mortadela Salame grande tipo italiano, elaborada à base de carnes de porco e bovina, adicionadas ou não de toucinho, açúcar, leite em pó, especiarias, salitre e produtos anliláceos. mortalidade Designa o número total de óbitos en1 un1a população em um certo período de tempo. mortalidade fetal Relacionada com o número de crianças natimortas por mil nascimentos totais. mortalidade neonatal precoce É o número das mortes neonatais precoces verificadas antes de sete dias de nascin1ento, por mil nascimentos vivos de crianças com peso maior de um quilograma. mortalidade perinatal É o número de crianças natimortas (pesando 500 g ou mais), mais o número de mortes neonatais precoces ( de crianças com peso em seu nascin1ento de 500 g ou n1ais), por mil nascimentos totais (natimortos e nascimentos vivos).

173

M

mortandade

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

mutante

M

mortandade Coajunto de mortes originadas

mucopolissacarídio Con1posto proteína-polis-

por epidemias, cataclismos e guerras. morte Cessação da vida, das funções dos tecidos e órgãos. Se caracteriza por parada do batimento cardíaco, ausência da respiração espontânea e morte cerebral. morte cerebral Cessação das funções neurológicas. morte fetal Morte de feto no útero, que apresenta em seu nascimento 500 g ou mais, sem levar em conta a idade gestacional. morte neonatal precoce Morte de criança nascida viva, verificada antes de sete dias do nascimento. morte neonatal tardia Morte de criança nascida viva, depois de sete dias de vida e antes de chegar aos 28 dias. mortinatalidade Relação entre os nascimentos e o número de mortos entre recén1-nascidos. mostarda Produto condimentado obtido da semente de mostardeira. motilina Hormônio com 22 aminoácidos formado na mucosa do duodeno e do jejuno; o estímulo para sua liberação depende de pH alcalino 8,2 e de gordura no duodeno. AçÃo estimula a motilidade gástrica e intestinal; inibe a evacuação gástrica; aumenta a secreção de pepsina; inibe a secreção de insulina. mucina Substância protéica (mucoproteína) transparente, hialina, semi-líquida, não coagulável pelo calor. Conferem grande viscosidade à saliva. As glândulas subn1axilar e sublingual são especialmente ricas em mucina, que cun1pre especial função de lubrificação de alimentos. São encontradas ainda em tecidos coajuntivos, na mucosa do trato gastrointestinal e nas vias genitais. muco Líquido claro e viscoso secretado por glândulas mucosas e por células glandulares. Consiste em mucina, sais inorgânicos, leucócitos, células epiteliais, água em suspensão. Tem a função de proteger as superfícies no organismo contra a desidratação (pulmão), ataque químico (mucosa do estômago), bacteriologico (mucosa respiratória) ou simplesmente como lubrificante (esôfago, cólon). mucocutâneo 1 Relacionado à mucosa e à pele 2 Linha de junção entre a pele e a mucosa nos orifícios anal, vaginal, oral e nasal.

sacarídio bastante difundido em tecido conjuntivo e nos grupos sangüíneos; contém hexoseamina N-acetilada (proteína) e polissacarídio em cada molécula, sendo que o polissacarídio é a parte n1ais in1portante do con1posto. mucopolissacaridose Erro inato do metabolisn10 dos mucopolissacarídios que provoca defeitos dos ossos, cartilagens e do tecido conjuntivo. Abrange sete tipos: MPS I - síndrome de Hurler; MPS II - síndrome de Hunter; MPS III síndrome de Sanfilipo; MPS IV - síndrome de Morquio; MPS V - síndrome de Scheie; MPS VI - síndrome de Maroteaux - Lamy; MPS VII - variedade de leucodistrofia metacromática. mucoproteína Proteína conjugada contendo glicídio (polissacarídio complexo) como grupo prostético, sendo o grupo protéico o mais importante do composto. mucosa Nome dado à membrana úmida que reveste estruturas tubulares e cavidades; trato gastroincestinal e biliar, trato respiratório e geniturinário. mucosa gástrica É a mais importante das camadas gástricas, por sua função secretora (HCI, enzimas digestivas, fator intrínseco). Esta em contato indireto com a luz do estômago já que é protegida por uma camada de n1uco Apresenta pregas quando a cavidade se esvazia. muscarina (ou muscaridina) Alcalóide tóxico colinérgico originado de cogumelos não comestíveis e venenosos (Amanita muscaria). Seus efeitos no organismo são semelhantes aos da acetilcolina e da estimulação do sistema nervoso autonômico parassimpático (estimulação gastrointestinal). músculo Tecido composto de fibras ou de células contráteis, responsável pelos n1ovimentos do organismo. Segundo seu aspecto microscópico, classifica-se em liso e estriado; de acordo com sua localização, em visceral, cardíaco e esquelético; conforme sua função divide-se em voluntário e involuntário. mutação É uma modificação, casual ou induzida, na inforn1ação genética que leva a un1a alteração dos caracteres hereditários transmissíveis à descendência. mutante Qualquer indivíduo, gene, tipo ou caráter que sofreu alceração em conseqüência de mutação.

174

NAD Vide

NICOTINAMIDA ADENINA DINU-

CLEOTÍDIO.

NADP Nicotinamida Adenina Dinucleotídio Fosfato.

nanismo Anormalidade do crescimento corpóreo, com estatura inferior comando-se como padrão indivíduos com a mesma idade e raça; anão. nanismo nutricional Nanismo devido à rescrição nutricional crônica. narcose Est upor (sono provocado, com redução ou anulação da atividade reflexa e resolução muscular) devido à depressão reversível e geral do sisten1a nervoso produzida por agentes físicos e químicos. nateglinida D erivado do aminoácido fenilalanina que tem função de restabelecer a secreção precoce de insulina, resultando numa redução da glicen1ia pós-prandial. natremia Taxa de sódio sangüíneo no indivíduo normal ( taxa de sódio sangüíneo considerada normal 138 mEq/litro 142mEq/ litro) . A concentração de sódio corporal depende diretamente do volume corpóreo de água, assim se houver uma desidratação ou uma hiper-hidratação a natremia aumenta ou diminui, respectivamente. náusea Sensação de mal-estar na região doestômago, com aversão pela comida e vontade de vomitar. É o reconhecimento consciente da excitação subconsciente em área do bulbo n1uito próxima ao centro do vômito.

NDpCAL Vide TAXA LÍQUIDA DE ENERGIA PROTÉICA DIETÉTICA.

nebulização Tipo especial de pulverização (vaporização), no qual as partículas são diminutas, com diâmetro médio de 50 n1ícrons. Necator americanus Espécie de nematelminto produtor de ancilostomíase ( as larvas penetram o organismo através da derme e da tela subcutânea, é levada pela circulação até o coração e por este até o pulmão, dirige-se então às vias aéreas superiores onde pode ser deglutido e alcançar o trato gastrointestinal onde se desenvolvem e causam diarréia, cólica, anorexia, anemia e perda de peso). necessidades Carência, precisão, pobreza. necessidades energéticas Necessidades calóricas totais do indivíduo adulto. Dependem do metabolismo basal desce; de sua atividade física e da ação dinâmica específica do alimento. necessidades energéticas e plásticas Cotas de nutrientes energéticos e plásticos necessários para as atividades biológicas do indivíduo. Podem ser de três tipos: de manutenção; de crescimento; extras. necessidades nutricionais Quantidade de alimentos de natureza energética, plástica e reguladora, exigida para que o indivíduo leve a termo a realização normal de seus fenômenos biológicos. necessidades vitaminicas Requerimentos vitamínicos para o ideal funcionamento das funções orgânicas de um indivíduo. Podem ser maiores

necrofagia

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

netilmicina

N

nos seguintes casos: aumento do metabolismo por n1aior consumo de energia; excesso cacabólico; enfermidades crônicas; estados biológicos: crescin1enco e gestação; e convalescença. necrofagia Hábito de doentes mentais de comer cadáveres ou substâncias em decomposição. necropsia Autópsia. necrose Morte de uma célula, um tecido ou de um órgão quando ainda participam de um organismo vivo, resultante de uma lesão irreversível. nefrectasia Dilatação da pelve (bacinete) e dos cálices renais. nefrectomia Extirpação cirúrgica parcial ou total do rim. nefrite Nome que se dá ao processo inflamatório renal, que pode ser agudo ou crônico. nefroangiosc lerose Esclerose das arteríolas renais que se manifesta por insuficiência renal, uma causa comun1 é a hipertensão arterial siscêmica. nefrolitiase Formação de cálculo (litíase) renal. nefrologia Especialidade médica empenhada no estudo anatomofisiopatológico dos rins. nefropatia Designação genérica de qualquer afecção renal. nefropatia osmótica Doença renal resultante de perfusões de soluções hipertônicas em pacientes portadores de diabetes, insuficiência hepática ou renal e infecção urinária. Em conseqüência, ocorrem lesões ( tun1efação celular dos cubos contorcidos proximais com inúmeros vacúolos) e anúria grave, às vezes mortal, pela insuficiência renal. nefroptose Queda ou deslocamento e mobilidade anormal do rim, por relaxamento de seus ligamentos de fixação. Segundo o grau da prose, o rim é designado móvel, quando o deslocan1ento é pequeno e flutuante, quando o órgão se acomoda na cavidade abdominal. nefrose Processo degenerativo do epitélio tubular dos rins, com proceinúria (albumina) e eden1a, sem hipertensão, retenção uréica e sem nefrite, isto é, sem inflamação. nefrotoxina Cicocoxina capaz de lesar células do rim. nematelmintos Vermes cilíndricos da classe Nematoda, de vida livre (n1aioria) ou parasitária. Os parasicos do organismo humano são encontrados freqüentemente em dois sistemas - digetório (Ascaris, Ancylostoma, Necator, Enterobius) e vascular (Wuchereria). neohesperidina dihidrochalcona Substância resultante da hidrogenação do flavonóide na-

176

rural neo-hesperidina. Seu poder adoçante é n1il vezes maior que o da sacarose. neoglicogênese (ou gliconeogênese) Obtenção de glicose no organismo a partir de proteínas e gorduras. neomicina Antibiótico aminoglicosídico, constituído pelas neomicinas A, B e C. Obtido de culturas de Streptomyces fradiae. Tem ação contra n1icroorganismos Gram-posicivos e negativos e micobactérias. neonatal Período relativo ao primeiro mês de vida do recém-nascido. neonato Criança do nascimento ao final de sua primeira semana de vida; recém-nascido. neonatologia Estudo do recém-nascido, normal e patológico. neoplasia Denon1inação médica designando uma formação tumoral (neoplasma), com o aumento anorn1al e progressivo de células. neoplasma Tecido mórbido resultante de processo neoplásico ( crescin1ento devido a proliferação celular mais acelerada que o normal e continua mesmo sem estímulo inicial); tumor. Pode ser maligno ou benigno, mas an1bos não apresentam organização estrutural e funcional (tecido anormal). neopterina Precursora na síntese de biopterina. Apresenta os seguintes isômeros: D - ericro; L - ericro; D - treo; L - creo. É produzida por macrófagos quando estes são estimulados por incérferon - y e vem sendo utilizada como n1arcador da ativação do sistema in1unológico em reações mediadas por células. neostomia Desembocadura de outro canal em cavidade natural, ou em outra cavidade ou, ainda, no exterior feita por métodos cirúrgicos. nervo Feixe de fibras nervosas, extracerebral e excramedular. As fibras do nervo unem-se entre si, dentro do feixe, pelo endoneuro ( tecido conjuntivo) e pelo perineuro, na parte referente à bainha de revestimento, além do epineuro ao redor de toda a extensão do nervo. Tem a função de transmitir in1pulsos (estín1ulos) nervosos do sistema nervoso central para a periferia e vice-versa. netilmicina Antibiótico an1inoglicosídico semi-sintético, obtido a partir da sisomicina. Ten1 atividade comparada à da gentamicina, com ação especial sobre Pseudomonas e encero bactérias (aeróbicos gram-posicivos ). Apresenta toxicidade similar à dos outros aminoglocisídios.

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

neunna

neurina Amina tóxica (CH2 =CH-N+(CH3) 3 OH-) resultante da decomposição da lecitina

niacina Vitamina constituinte do con1plexo B, específica para a terapêutica da pelagra. É

por bactérias, no intestino. Nesse processo de decon1posição origina-se tambén1 a colina. É encontrada no cérebro, na bile e na gen1a do ovo. neurite Lesões inflamatórias ou degenerativas de nervos, con1 n1anifestações dolorosas, anestesia ou parestesia, paralisia, atrofia muscular, hipersensibilidade e perda de reflexos. neurogênico Sob o ponto de vista fisiológico, refere-se a tudo o que é de origen1 nervosa ou é causado por impulsos nervosos. neurônio Célula nervosa constituída por uma massa protoplásmica que rodeia o núcleo ( corpo celular ou pericário), inúmeras arborizações protoplásmicas (dendritos) e eixo ciündrico (axônio). É a unidade morfológica e funcional do sistema nervoso. neuropatia Designação genérica de qualquer afecção nervosa tanto do sistema nervoso central quanto do periférico. neuropeptideo Cadeia de dois ou mais aminoácidos unidos por pontes peptídeas que se diferenciam de outras proteínas só pelo comprimeto da cadeia de aminoácidos. neuropeptideo Y Neuropeptídio orexígeno presente no Hipotálamo, que apresenta um efeito estin1ulatório sobre a ingestão alimentar. neurotensina Hormônio e neurotransmissor tripeptídio que estimula as contrações do trato gastrointestinal, sendo encontrado no intestino e no cérebro. A maior parte está localizada no íleo, vindo a seguir o jejuno; no estôn1ago, duodeno e cólon sua presença é mínima. Ações inibe a secreção gástrica ácida que se origina da gastrina; inibe a liberação da insulina; estimula a glicogenólise com conseqüente hiperglicemia; estin1ula a liberação do glucagon. neurotoxina e ácido ciclopiazônico Micotoxina do Penicillium cyclobium que ao atingir 6gado, rins, cérebro, músculos e sistema nervoso ( órgãos mais afetados), pode causar tremores, convulsões e lesões renais (sintomas mais freqüentes). neurotransmissor Substância quín1ica que transmite impulsos nervosos, isto é, permite a passagem de in1pulsos de um neurônio a outro (por meio da sinapse) ou a uma fibra muscular (por meio de uma terminação nervosa). São exemplos: as catecolaminas, acetilcolina, histamina, substância P (peptídio encontrado nas paredes intestinais), serotonina e Gaba (ácido gama-amino butírico ).

constituída pelo ácido piridino-3-carboxílico. Apresenta-se em forn1a de cristais brancos, semelhantes a agulhas e de sabor picante. Nos tecidos, a niacina encontra-se em forma amídica, modo em que toma parte em combinações fisiológicas ativas. As formas enzimáticas dessa vitan1ina são os nucleotídios de piridina: coenzimas NAD e NADP. ABSORÇÃO Faz-se com facilidade pelo intestino e é transforn1ada em NAD (nicotinamida adenina dinucleoádio) e NADP (nicotinamida adenina nucleotídio fosfato), substâncias encontradas nas mitocôndrias das células hepáticas e no citoplasma extran1itocondrial en1 porcentagens diferentes. ExcREÇÃO Faz-se pela urina sob a forma de derivados metilados: N-metilnicotinamida, 6-piridona da N-metilnicotinan1ida e ácido N-metilnicotínico. Em menor teor, a eliminação é feita con10 niacinamida ou con10 ácido nicotinúrico. FUNÇÕES Como componente enzin1ático, cun1pre in1portante papel na oxidação celular. Preserva a normalidade do tecido epitelial (pele e mucosa). Por meio das suprarenais ou maior utilização da cistina, interfere no metabolismo do enxofre. Atua metabolicamente como constituinte das coenzimas NAD e NADP, que recebem elétrons de substratos biológicos. Apresenta ação desintoxicante associada a sulfas e a alguns agentes quimioterápicos. Exerce relevante papel na utilização energética. Tem ação na estabilidade do sistema nervoso. Provável intervenção na formação do grupo heme (hemina) que, quando ausente, produz redução do ferro e porfirinúria elevada. Favorece o aproveitamento normal protéico do organisn10. Sua ação está ligada ao metabolismo do triptofano em presença da piridoxina. É facilmente convertida no composto ativo à nicotinamida, também de ação antipelagrosa. PRINCIPAIS FONTES As mais importantes fontes de niacina ocorrem nos seguintes alimentos: amendoim, castanha do Pará, bacalhau salgado, carnes, cogumelo, coração de boi, fígado, galinha, germe de trigo, leite, legumes, lêvedo de cerveja, lombo de porco, ovo, pescado, presunto fresco, produtos enriquecidos, rins, vísceras. Como, durante a cocção, há perdas de niacina, o alimento deve ser ingerido com o caldo. REQ.UERIMENTOS 1 Equivalente Niacina (EN) é igual a 1mg de niacina ou 60 mg de

177

N

niacinamida

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

nitrogênio metabólico

N

triprofano da dieta. Lactentes: até 5 meses: 6; de 6 a 11 meses: 8. Crianças: de 1 a 3 anos: 9; de 4 a 6 anos: 11; de 7 a 10 anos: 16. Homens: de 11 a 14 anos: 18; de 15 a 18: 18; de 19 a 22: 19; de 23 a 50: 18; 51+: 16. Mulheres: de 11 a 14 anos: 15; de 15 a 18 anos: 14; de 19 a 22 anos: 14; de 23 a 50 anos: 13; 51+: 13. Gestantes: os mesmos requerimentos da mulher normal +2 mg. Nutrizes: os n1esmos requerin1entos da mulher normal + 5 mg. DEFICIÊNCIA A extensa falta de niacina conduz à pelagra, manifestada por pele áspera (eritema), descan1ação epitelial e pigmentação da face, do pescoço e de membros superiores e inferiores. No aparelho digestivo, podem ocorrer inflamação da mucosa gascroincestinal e acloridria. Posteriormente a esses quadros, poderão surgir outros sintomas: inapetência, vômitos, náuseas, dores no abdome, diarréias e constipação alteranadamente. SINTOMATOLOGIA NERVOSA Irritabilidade, cefaléia, parestesia, tremores, confusão, vertigens, melancolia, insônia, alucinação, depressão. As lesões localizadas no segmento gastrointestinal podem abranger glossite e estomatite. A ingestão de bebidas alcoólicas agrava o estado n1ental. SIN ácido nicotínico, amida do ácido piridino-betacarboxílico, amida niacínica, niacinamida, vitamina antipelagrosa, vitamina B5, vitamina PP. niacinamida Vide 1AcINA. nicho Imagem obtida nas radiografias contrastadas (bário no duodeno e estôn1ago) que indica úlcera duodenal e gástrica. nicotina Alcalóide tóxico, responsável por efeitos nocivos do fumo. nicotinamida Niacinamida, ou forma ativa da niacina. Vide NIACINA.

nicotinamida adenina dinucleotídio fosfato {NADP) Complexo de nicotinamida contendo duas moléculas de ribose, adenina e crês moléculas de fosfato. nictalopia Faculdade de enxergar melhor com luz fraca ou à noite que com luz mediana. De nictalos ( que gosta da noite) e ops (olho). nictotiflose Cegueira noturna (de nix, noite, e tifiose, cegueira). nictúria Excreção urinária, com maior freqüência e intensidade noturna. É um sinal de insuficiência renal. níquel Metal de brilho praceado, símbolo Ni, que apresenta propriedades parecidas com as do

178

ferro. A semelhança de sua ação química com a do cobalto sugere a participação do níquel também em enzimas presentes em tecidos animais. Em contato con1 o ácido fítico, o níquel forn1a composto não absorvível. Apesar de não estar devidamente avaliada a necessidade ideal do requerimento orgânico de níquel, julga-se que este seja convenientemente suprido pelo regime normal. FUNÇÕES Como o cobalto, participa de função externa do pâncreas. Con1 o cobre e o zinco, intervém no efeito hipoglicemiante da insulina. Pela similaridade de suas ações químicas com as demonstradas pelo cobalto, julga-se possível a existência de níquel em enzimas teciduais de animais. PRINCIPAIS FONTES Margarina hidrogenada; grãos de leguminosas. DEFICIÊNCIA Até o presente momento, não se tem conhecimento de que a deficiência de níquel tenha acarretado perturbações no homem. Os estudos têm sido feitos com animais (ratos, pintos e suínos) e várias alterações foram notadas, principalmente afetando a reprodução. Contudo, certas observações permitem supor que, no ambiente artificial dos veículos cósmicos, poderá produzir-se no homem carência de níquel. nistatina (ou fungicidina) Antibiótico poliênico derivado de Streptomyces noursei. Empregado no tratamento da monilíase superficial (pele e n1ucosas) e intestinal. Pode ser tóxico quando usado para ação sistêmica. É ministrada por via oral ou tópica para ter efeito superficial; sob forma de óvulos na monilíase vaginal. Efeitos colaterais: por via incramuscular, pode causar necrose e abscessos frios nos locais da injeção. nitrogênio Elemento químico gasoso, incolor, de símbolo N, inodoro, existente na atmosfera em estado livre, incapaz de manter a vida. Faz parte de todos os tecidos animais e vegetais. É elemento primordial na composição das proteínas. nitrogênio da uréia Nitrogênio presente na uréia. nitrogênio da uréia sangüínea Nitrogênio em forma de uréia presente no sangue integral ou no soro. Por seu teor (taxa norn1al de 10 a 15 mg por 100 mL de sangue), pode ser avaliada a função renal. nitrogênio metabólico Nitrogênio fecal procedente de fonte endógena; é constituído de sucos digestivos não absorvidos e de bactérias intestinais. Esse nitrogênio é excretado pelas fezes, independentemente de regime sem proteína.

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

nitrogênio não protéico nucleosidades

nitrogênio não protéico Fração de nitrogênio

normotipo Indivíduo norn1al conforme suas

sangüíneo, de tecidos, de urina e de excreta, que não se precipita devido às proteínas. São constituintes da uréia (principal fonte deste nitrogênio), do ácido úrico, da creatinina, entre outros. nível de atividade física D ispêndio energético médio durante 24 horas e expresso pela taxa de metabolismo basal. É a soma do esforço físico multiplicado pelo tempo gasto para cada atividade durante o dia. nocardicinas Grupo de antibióticos beta-lactâmicos, com características distintas das penicilinas e cefalosporinas. Seu principal integrante é a Nocardicina A, de razoável ação contra germes Gram-negativos. nocardiose D oença provocada por nocárdias (bactérias aeróbicas). nocebo O posto do "placebo". Aplicado quando uma pessoa espera que um tratamento lhe cause experiências negativas ( dor, por exemplo) e passa a senti-las embora seja completamente indolor e simulado. nomograma Método gráfico (série de escalas) para cálculos, utilizado por Boothby e Berkson para determinar o valor calórico cocal, considerando o indivíduo e o esforço físico despendido. nootrópicos Linha de drogas derivadas do metabolismo do ácido gama amino butírico, de ação benéfica no tratamento de patologias envolvendo a memória. Ao contrário dos medicamentos psicoativos, as drogas noocrópicas não provocam efeitos colaterais em sua ativa função recuperadora da n1emória e de estimulante cerebral. noradrenalina Hormônio e neurotransmissor catecolamínico encontrado em neurônios pósganglionares adrenérgicos e na medula supraadrenal. Estimula a elaboração de adrenalina. Mesmo possuindo grupo meti! a menos, a noradrenalina apresenta efeitos idênticos aos da adrenalina, porém com menor intensidade no músculo liso brônquico, processos metabólicos e débito cardíaco. noradrenérgicos Os medicamentos noradrenérgicos são de ação central utilizados no tratamento da obesidade. norepinefrina Noradrenalina. norleucina Aminoácido não essencial isômero da leucina e da isoleucina resultante da desaminação da lisina. normocitose Quantidade normal de glóbulos brancos (leucócitos) sangüíneos.

características morfológicas corporais; mediolíneo. nosogenia Mecanismo de origem das enfermidades e sua etiologia; patogenia. nosologia Estudo das enfermidades, suas classificações e etiologia. nosometria Cálculo dos índices de morbidade (enfermidades) em condições sociais e/ou profissionais. novobiocina Antibiótico que ten1 recebido várias designações: albamicina ou estreptonivicina, catomicina e cardelmicina. É hecerosídio não macrolídio, com ação especialmente bacteriostática. Tem atividade sobre germes Grampositivos e cocos Gram-negativos. Os germes mais sensíveis são o Staphylococcus e Proteus resistentes à penicilina. Produz efeito sinérgico com a eritromicina.

NPU (Net Protein Utilization, ou Utilização Protéica Líquida) É a porcentagem da proteína ingerida que foi aproveitada pelo organismo. Para realizar essa prova, emprega-se un1a dieta com 10% de proteína (NPU 10), durante 10 dias. Após esse tempo, os animais são sacrificados, secos e desengordurados. A fórmula para se obter o nitrogênio (N) aproveitado é a seguinte: NPU = N da carcaça (grupo de teste) - N da carcaça (grupo aprotéico). N ingerido pelo grupo de reste. O NPU de uma boa dieta é de cerca de 75. Exemplos de NPU (determinados em ratos): ovos - 94; leite humano - 87; leite de vaca - 82; feijão soja - 65; arroz - 59; milho - 52; trigo - 48. NPV Taxa de valor protídico. nucleases Enzin1as que catalisam as reações que convertem os ácidos nucléicos em nucleotídios. núcleo 1 Protoplasma central diferenciado da célula ( centro tópico); é organela subcelular, responsável pelas informações genéticas (DNA) distribuídas nos cromossomos 2 Parte central do átomo, contendo próton, nêutron e várias partículas subatómicas. nucleoproteína Proteína complexa (heteroproteína) resultante da combinação de uma proteína com um ácido nucléico. Integrante da cromatina do núcleo celular (cromossomos) e dos vírus. nuc leosidase Enzima secretada pela mucosa intestinal, que decon1põe o nucleosídio em pencose e base purínica ou pirimídica.

179

N

nucleosídio

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

nutrientes

N

nucleosídio Composto constituído por base

nutrição enteral Vide ALIMENTAÇÃO PAREN-

purínica ou pirimídica com um açúcar ribose ou dexorribose (p. ex.: adenina + ribose = adenosina). nucleotidio São ésteres fosfatos formados pela união de base purínica ou pirimídica com açúcar pen toses ( riboses - ribonucleotídios ou desoxirribose - desoxirribonucleotídios) e ácido fosfórico. Constitui a unidade básica do ácido nucléico. nuclídio É uma configuração nuclear específica. É caracterizada por sua massa, estado energético e carga nuclear ( número atômico). nutraceutico É um alimento funcional que além de suas propriedades nutritivas, possuem ação fisiológica na prevenção de doenças ou na reversão de desequilíbrios no metabolismo. nutrição 1 Resultante de um conjunto de funções harmônicas e solidárias entre si, que têm por objetivo manter a integridade normal da matéria e assegurar a vida (Escudero) 2 Combinação de processos pelos quais o organismo vivo recebe e utiliza os materiais ( alin1entos) necessários à manutenção de suas funções e ao crescimento e renvação de seus constituintes (Krause) 3 Ciência dos alimentos, dos nutrientes e de outras substâncias nele contidas, sua ação, inter-relação e balanço, em relação à saúde e à doença e aos processos pelos quais o organismo ingere, absorve, transporta, utiliza e excreta as substâncias alin1entares (King). ALTERAÇÕES As alterações do processo nutritivo podem ocorrer por: a) inadequação da ingestão de nutrientes; b) maus hábitos alimentares constantes; c) perturbação da digestão, da absorção, da utilização ou da excreção de alimentos; d) carências; e) perdas de peso e din1inuição de reservas. CLASSIFICAÇÃO É dividida em etapas, fases e subfases que especificam diferentes estágios do processo nutritivo. O estado normal de nutrição é resultante do correto funcionamento de cada um dos tempos da nutrição. nutrição clinica Significado de atividade exclusivamente médica relacionada com a fisiopatologia e avaliação nutricional do indivíduo, com o diagnóstico, prescrição e o regime do enfermo e seu tratan1ento dietoterápico. A denominação "nutrição clínicá' é usual para definir a prática médica ligada às doenças da alimentação e nutrição e à terapêutica coacljuvante de outras enfermidades; nutrologia.

TERAL. Oferece, pela via digestiva, os nutrientes necessários para atender as demandas desses pacientes através de sondas ou via oral. São utilizadas fórmulas industrializada ou não, conforme suas necessidades nutricionais em regime hospitalar, ambulatorial ou domiciliar, visando à síntese ou manutenção dos tecidos, órgãos ou sistemas. As principais indicações são: desnutrição, risco de desnutrição, TGI total ou parcialmente funcionante. nutrição parenteral Vide ALIMENTAÇÃO ENTERAL. Define-se pela administração endovenosa de macro e micronutrientes através da via periférica ou central. As principais indicações são: depleção das proteínas plasmáticas, perda significativa ou incapacidade de manutenção do peso corpóreo, traumas e cirurgias. É utilizada para pacientes que possuem a via oral e/ou gastrointestinal impossibilitadas de serem usadas. nutricionista Profissional de ensino superior, ligado à equipe de saúde, que aplica a ciência de Nutrição em indivíduos sadios e em enfermos, sob supervisão médica; exerce sua atividade em entidades coletivas, hospitalares e em programas de saúde pública. nutriente funcional Tem propriedade de reduzir o percentual de gordura corporal pelo aumento da sensibilidade à insulina, promovendo um n1elhor aproveitamento dos ácidos graxos e da glicose pelas células musculares. Isso resulta en1 uma melhora muscular. Atua como coadjuvante em dietas de emagrecimento e também protege contra doenças. nutrientes Elementos contidos em alimentos, com a finalidade de nutrir e fornecer energia ao organismo. Substâncias cuja ausência no regime ou sua diminuição abaixo do limite mínimo produzem, no fim de certo tempo, enfermidade carencial. Exemplos: protídios, glicídios, lipídios, minerais, vitaminas, água, fibra e oxigênio. FUNÇÕES Os nutrientes desen1penham no organismo seguintes funções: energéticas - glicídios, lipídios e protídios (58% ); plásticas - protídios, minerais e água; reguladoras: minerais, oxigênio e vitaminas. A função energética refere-se ao provimento das exigências calóricas do indivíduo. A função plástica corresponde à produção e à renovação dos tecidos. A função reguladora garante e estimula os processos biológicos, nos quais

180

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

nutrificação nutrólogo

participam nutrientes energéticos e plásticos. A celulose, ou fibra, não é nutriente típico, porém é aceita como cal, devido à sua ação reguladora orgânica na excreção intestinal. nutrilicação Adição de nutrientes a alimentos, objetivando seu maior valor nutritivo. Por exemplo: cálcio na farinha de trigo branca, iodo no sal de cozinha.

nutritivo Alin1ento capaz de nutrir. nutrologia Especialidade médica que tem como objetivo diagnóstico, prevenção e tratamento de enfermidades nutricionais, além da orientação sobre a alimentação para melhora energética, correção do peso e aumento da longevidade; nutrição clínica. nutrólogo Médico especialista em Nucrologia.

N

181

ob Gene que codifica a leptina. obesidade Aumento do peso corporal devido a acúmulo de gordura que ultrapasse os limites indicados para o indivíduo normal, de acordo con1 a sua idade e altura. Para os adultos, há vários graus de obesidade, de acordo com o IMC - peso/(altura) 2 - leve (IMC entre 30e 35), moderada (IMC entre 35 e 40) grave (IMC acima de 40). Para as crianças, utilizase como ponto de corte o percentil de IMC, sendo que se considera sobrepeso valores entre os percentis 85 e 95 e obesidade acima do percentil 95. O excesso de peso é provocado pelo consun10 exagerado de alimentos ( exógena) ou devido a perturbações metabólicas ou endócrinas (endógena) como o hipocereoidismo. A obesidade é considerada como fator de risco para um grande número de enfermidades, principalmente as cardíacas; está ligada con1 doenças pulmonares, renais, gota, oesteoartrite, vesiculares, diabetes, redução da tolerência à glicose e resistência à insulina. obesidade metabólica Quadro caracterizado por obesidade in1portante em que o componente principal não é a ingestão alimentar excessiva mas sim o distúrbio metabólico de base (restistência periferia à insulina), que atua na gênese e/ou na manutenção do quadro. Observa-se história pessoal de obesidade de longa data, contínua e crescente. Dificuldade para emagrecer e ingestão alimentar geralmente inferior ao esperado levando-se em conta o peso

atual. Presença de antecedentes familiares de diabetes melito tipo 2, doença coronariana, hipertensão arterial e acidente vascular cerebral. O exame físico mostra fácies "obesa': presença de acantose nigricans, estrias freqüentes, sinais de precocidade puberal, pressão arterial elevada e obesidade importante, generalizada, mais pronunciada no abdome. Nas meninas, deve-se sempre considerar a possibilidade de síndrome dos ovários micro-policísticos (SOMP), em que podem ser encontrados também distúrbios menstruais, acne, alopecia e hirsutismo. A estatura é geralmente elevada durante a infância, tendendo a apresentar desaceleração precoce con1 estatura final baixa ou no canal familiar. O perfil lipídico está quase sempre alterado, sendo a hipertrigliceridemia o distúrbio mais freqüente. Também são muito comuns os aun1entos de colesterol total e LO L e os valores reduzidos de HDL. Observa-se também hiperinsulinismo e, mais raramente, intolerância à glicose. A resposta à dietoterapia é geralmente insatisfatória, sendo que pequenas perdas, quando obtidas, são raramente n1antidas ao longo do tempo. Os pacientes referem grande dificuldade em restringir a ingestão calórica, sendo comum a queixa de sinton1as sugestivos de hipoglicemia durante o tratamento. Além do tratan1ento clássico, descrito no verbete "obesidade alimentar'; em alguns casos mais resistentes, pode-se indicar a farmacoterapia, como estratégia para n1elhorar a sensibilidade

obesidade alimentar somática

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

obesidade induzida neurológica

o

à insulina. A atividade física é fundamental para a obtenção do sucesso, especialmente porque, independentemente do aumento no gasto energético, a redução da resistência periférica à insulina é evidente quando se obtém maior atividade da massa magra. obesidade alimentar somática Quadro eminentemente alimentar em que o excesso de tecido adiposo deve-se ao excesso de consumo de calorias frente aos gastos de energia. N a anamnese encontra-se história de consumo alimentar excessivo e de sedentarismo. Observam-se sem dificuldade os maus hábitos alimentares como abusos de óleo, açúcar e sal no preparo dos alin1entos, ausência de horários para as refeições e simultaneidade de alin1entação com outras atividades con10 assistir à televisão, passeios e reuniões sociais. O inquérito alimentar quase sempre revela consumo calórico excessivo. Ocorre a partir de um momento bem determinado, sendo con1un1 observar-se fator desencadeante. Ao exame físico, a criança apresenta fácies de boa saúde, não se encontrando outros sinais alem do panículo adiposo aumentado. O tecido adiposo está em geral bem distribuído ou n1ais concentrado no abdon1e. Raramente estão presentes estrias. A pressão arterial tende a ser normal ou pouco elevada. A estatura é pouco elevada ou seguindo o canal fan1iliar. O perfil lipídico está quase sempre dentro da norn1alidade, podendo-se observar, nos casos n1ais graves, pequenos aumentos nos valores de colesterol ou triglicerídios, que rapidamente respondem à dietoterapia. A insluninemia de jejum é, em geral, baixa. Naqueles casos em que há grande excesso de tecido adiposo, encontran1-se valores maiores, que rapidamente decrescem quando se inicia a dietoterapia. Ocorre boa resposta à dietoterapia e, quando ocorre boa aderência, observa-se sempre redução no IMC. O tratamento é clássico, com associação de dieta hipocalórica, re-educação alin1entar e aumento da atividade física. Naqueles casos mais graves, com co-morbidades presentes, especialmente para os adolescentes acima de 16 anos, pode ser necessário o uso de medicações anti-obesidade. Para que os resultados sejam ótimos, o apoio psicológico é sempre indicado, especialmente naqueles casos em que os distúrbios mais comuns nessa área tenham sido detectados. Eventualmente, nos

184

'

I

I



casos mais graves, e necessano o tratamento simultâneo das co-morbidades. obesidade alimentar psicossomática Quadro alimentar em que o excesso de tecido adiposo deve-se ao excesso de consumo de calorias frente aos gastos de energia, sendo que este consumo aumentado está associado a questões emocionais diversas. Na anamnese, é relevante a história de vida da criança, incluindo questões relativas a: gestação da mãe, parto, desenvolvimento neuro-psicomotor, relacionamento familiar e social, bem como aspectos relativos à alimentação da criança desde o seu nascimento. Importante can1bém é a avaliação dos aspectos ligados ao vínculo estabelecido entre a criança, a mãe e a família. O exan1e físico revela-se sen1elhante à obesidade alimentar somática, podendo haver, entretanto, sinais de ansiedade e depressão, bem como prejuízos importantes na percepção da auto-imagem. A estatura é pouco elevada ou seguindo o canal fan1iliar. O perfil lipídico está quase sempre dentro da normalidade, podendo-se observar, nos casos n1ais severos, pequenos aumentos nos valores de colesterol ou triglicerídios que rapidamente respondem ao tratamento quando esse é bem sucedido. A resposta à dietoterapia é insatisfatória, sendo que, diante de estados emocionais diversos, tendem a buscar a comida com un1a forma de alívio ao estado de tensão. Além do tratan1ento clássico p roposto no verbete "obesidade alimentar somática': deve-se associar tratamento psicocerápico, não somente para o paciente, mas para toda a sua família, buscando fortalecer o vínculo criança-família. A farmacoterapia não deve ser descartada, desde que prescrita e monitorada por profissional especializado. obesidade induzida neurológica Quadro resultante de lesões do núcleo venero-medial do hipotálamo podendo ocorrer perda da regulação fisiológica do sistema fome-saciedade com hiperfagia, queda na taxa metabólica, descontrole autonômico e deficiência de hormônio de crescimento. A anamnese revela a presença de doença neurológica adquirida, con10 hemorragias intra-cranianas neo-natais, acidentes, cirurgias, neoplasias, radioterapia, etc, que levaram à lesão do sistema nervoso central. As alterações no exame físico dependem da extensão da lesão neurológica que pode afetar

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

obesidade induzida endocrinológica obesidade induzida sindrômica

simultaneamente diferences áreas do sistema nervoso central. En1 relação à obesidade, o n1ais comum é a presença de IMC bastante elevado, resultado da ingestão de grandes quantidades de alimento, sendo o comer compulsivo, devido à falta da saciedade, a principal característica desse tipo de obesidade. A estatura pode seguir o padrão da obesidade alimentar ( no canal familiar ou pouco elevada) quando a lesão é de instalação tardia ou da obesidade metabólica ( elevada durante a infância, tendendo a apresentar desaceleração precoce con1 estatura final baixa ou no canal familiar) quando é de instalação precoce. Perfil lipídico e insulina de jejum habitualn1ente normais ou discretamente alterados, podendo modificar-se paulatinamente con1 o agravar da obesidade. A resposta à dietoterapia em geral é baseante insatisfatória, devido à dificuldade de se obter melhora no quadro neurológico e, conseqüentemente, no padrão alimentar. Além do tratamento clássico, é sempre bastante difícil a abordagem específica do distúrbio neurológico. Em alguns casos, o comportamento compulsivo pode ser diminuído através de farmacocerapia ou, se houver deficiência de hormônio de crescin1enco, é possível fazer a reposição. obesidade induzida endocrinológica Devido a doenças endocrinológicas como o hipotireoidismo, hipercorcisolismo, hipoparatireoidismo e deficiência de hormônio de crescimento. O quadro clínico depende da doença de base, mas um dos principais dados é a presença de baixa estatura, comum à maior parte das doenças endocrinológicas que cursam com obesidade. Se já existir o diagnóstico da doença endocrinológica, a associação com a obesidade deve ser feita. O mais comum, entretanto, é que a própria obesidade apareça como o primeiro sintoma a levar a família a procurar ajuda. Nesses casos, é de extrema importância que o clínico esteja atento à história, levando em conta uma série de sintomas que poden1 revelar o distúrbio de base. Nos casos de hipotireoidisn10, pode-se encontrar mixedema, atraso da idade óssea, letargia, pele seca, bradicardia e bradipnéia. O hipercorcisolismo leva a hirsutismo, fácies cushingóide, distribuição centrípeta da adiposidade, estrias, acne, pletora, osteoporose e masculinização. O hipoparatireoidismo cursa com anormalidades dentárias, pele seca, unhas quebradiças e cecanias. A deficiência de

hormônio de crescimento cursa basicamente com baixa estatura muito evidente e redução na velocidade de crescimento. A síndrome dos ovário n1icropolicísticos, por estar n1ais ligada à resistência periférica à insulina que a distúrbios primariamente hormonais, é doença exclusiva de meninas e cursa com hirsutismo, distúrbios menstruais, acne e alopecia, sendo que a ocorrência de hiperinsulinismo. A estatura está geralmente abaixo do canal familiar. O perfil lipídico depende em parte da doença de base. Quando a obesidade é muito grave, entretanto, aumentos do colesterol e triglicerídios são encontrados. A insulinemia de jejum é em geral baixa, podendo elevar-se quando a obesidade torna-se mais grave. A resposta à dietoterapia é satisfatória quando a doença de base é tratada simultaneamente. A etapa primordial é o tratamento da doença de base, como a reposição hormonal nos casos de hipotireoidismo e deficiência de horn1ônio de crescimento. O controle do hipercortisolismo depende da etilogia, podendo ser cirúrgico nos casos dos tumores. obesidade induzida farmacológica Quadro desencadeada e/ ou mantida pela utilização de fármacos que podem aruar aumentando a fome, agravando a resistência insulínica, aumentando a deposição de gordura ou reduzindo o metabolismo basal. A anamnese revela a relação entre o uso do fármaco e o surgin1ento ou o agravamento da obesidade. São fármacos habitualmente envolvidos: anti-histamínicos, corticóides, antipsicóticos (valproato de sódio, olanzapina, risperidona, quetiapina, clorpromazina), anti-depressivos (amitripitilina, tricíclicos e inibidores da mono amino oxidase), estabilizadores do humor ( carbonato de lítio, ácido valpróico e carbamazepina), sulfoniluréia, alguns anti-neoplásicos e escrógenos . No exame físico podem-se evenrualmente observar sinais relativos à doença que levou à utilização do fármaco. Em geral, obedece ao padrão da obesidade alimentar. A estatura encontra-se no canal familiar. Perfil lipídico e insulinemia habirualmente são normais. A resposta à dietoterapia é boa quando o fármaco é suspenso ou substituído. O tratamento é baseado na combinação entre a retirada do efeito causador e as medidas clássicas. obesidade induzida sindrômica Podem-se considerar dois grupos. Um grupo onde a obesi-

185

o

obnubilação

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

oligocolia

o

dade é parte do quadro clínico principal do paciente, con10 nas síndromes de Prader-Willi, Cohen, Alstrom, Bardet-Biedl, Borjeson-Forssman-Lchmann, Beckwith-Wiedemann, entre outras. Um outro grupo é o das síndromes onde a obesidade é uma complicação comum, tendo como exemplo clássico, a síndrome de Down. Observa-se associação com malformações congênitas (graves ou leves), disn1orfias faciais, distúrbios de crescimento (hiper ou hipocrescimento), atraso de desenvolvimento neuropsicomotor, deficiência mental, história familiar positiva para problemas semelhantes (ausência de casos familiares não afasta a possibilidade de ser genético) e consangüinidade. A história do excesso de peso pode ser neonatal ( onde devem ser avaliadas as síndromes de hipercrescimento) ou aparecer com o avançar da idade. No exame flsico, encontram-se n1alformações graves e/ ou leves, dismorfias faciais, baixa ou alta estatura e alterações neurológicas. No caso específico da síndrome de Prader-Willi, que pode ser considerado o principal modelo de obesidade sindrôn1ica, encontra-se hipotonia e dificuldades de alimentação no primeiro ano de vida e, posteriorn1ente, aparecen1 hipogonadisn10, retardo mental, redução na velocidade de crescimento e hiperfagia intensa. A estatura pode ser normal, alta ou baixa. Perfil lipídico e insulinen1ia de jejum podem ser normais ou se alterarem à medida que a obesidade se agrava. Especifican1ente em relação à síndrome de Bardet-Biedl, ocorre quase sempre associação com resistência periférica à insulina grave, que se reflete em valores sangüíneos elevados de insula, triglicérides e LDL e valores baixos de HDL. O controle pode ser difícil, quando da presença de hiperfagia de causa central ( con10 na síndrome de Prader-Willi) e hipotonia (no caso da síndrome de Down), que pode atuar reduzindo o gasto calórico em repouso. A deficiência n1ental pode agir como um fator que interfere no controle da dieta. Na n1aioria das vezes, a doença de base não pode ser curada. A abordagem da obesidade deve ser feita por educação do paciente e da família, restrição dietética, exercícios físicos e, eventualmente, medicamentos que, em geral, tem pouca efetividade. obnubilação Obscurecimento da consciência; estado de apatia; lentidão do pensamento. obstipação Prisão de ventre (constipação) rebelde; obstrução intestinal grave. 186

obstrução Obstáculo ou dificuldade (estenose, oclusão) à circulação de substâncias sólidas ou líquidas em condutos do organismo (vasos dutos ou vísceras ocas). oclusão Obliteração ou fechamento de um conduto ou orifício. ocratoxina Toxina oriunda do Aspergillus ochraceus, fungo que se desenvolve em trigo armazenado, contendo umidade superior a 16%; também é encontrada em pescado fermentado. Essa micotoxina tem ação hepática; provoca lesões edematosas das mitocôndrias e diminuição da síntese de fosfolipídios. odinolagia Deglutição dolorosa; disfagia. odontite Inflamação de um dente, da polpa dentária ou de sua raiz. odor Cheiro, aroma, fragrância, substâncias que estimulam o sentido do olfato (interage com as células olfatórias). odorimetria Medida do efeito dos odores sobre os órgãos sensoriais do nariz, realizada através da capacidade comparativa. oltalmia Grave inflan1ação dos olhos. oltalmotísica Emurchecimento (amolecimento) anormal do globo ocular. óleo Produto de consistência gordurosa, insolúvel em água, inflamável, comestível, proveniente de sementes ou frutos oleaginosos que apresenta características segundo sua fonte de extração. Segundo sua origem, os óleos varian1 especialmente em seu conteúdo de ácidos graxos, o que determina a conveniência de sua utilização. óleo de oliva Óleo extraído do fruto da Olea europae. Pode ser usado como estimulante da contração biliar ( colagogo) e como laxante. ollação Ato de cheirar. olfato Sentido pelo qual se reconhecem os odores. Estes são percebidos pelos receptáculos da mucosa olfativa (células olfatórias), resultante do estímulo adequado, comumente de moléculas químicas. ollatômetro Instrumento destinado a avaliar a capacidade olfativa. oligo- Prefixo que significa pouco, escasso, deficiente, alguns. oligoanúria Redução excessiva da diurese; oligúria. oligocitemia Diminuição de glóbulos vermelhos ( eritrócitos) no sangue. oligocolia Deficiência de bile por alteração da secreção.

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

oligocromemia ornitina

oligocromemia Deficiência, nas hen1ácias (eri-

ontogenia Origem e desenvolvin1ento do indiví-

trócitos) sangüíneas, de hemoglobina. oligodipsia Redução anormal da sensação de sede. oligoelemento Designação genérica de determinados metais e metalóides (p. ex.: alumínio, cobre, ferro, flúor, iodo, n1agnésio, zinco, cromo, silício, manganês, cobalto, potássio, enxofre, fósforo, níquel, selênio, n1olibdênio, vanádio etc.), adquiridos através dos alimentos e que são indispensáveis ao organismo. oligoemia Redução da quantidade total do sangue no organismo. oligolrenia Estado de deficiência ou atraso mental. oligogalactia Deficiência da secreção láctea. oligoidrúria Excreção de pequenas quantidades de urina concentrada por redução de água. Ocorre, freqüentemente, na desidratação. oligopepsia Deficiência de pepsina que leva a uma dificuldade digestiva, principalmente de proteínas. oligopnéia Redução respiratória en1 profundidade e freqüência. oligoposia Ausência de sede que leva o indivíduo a ingerir menor quantidade de água. oligoptialismo Deficiência da secreção salivar. oligoquilia Deficiência de suco gástrico oligoquimia Deficiência de quimo. oligospermia Diminuição de espermatozóides no sên1en. oligossacaridios São glicídios que dão, por hidrólise, de três a dez unidades de monossacarídios; formados durante a digestão de polissacarídios (p. ex.: dextrina). oligossialia Deficiência salivar. oligossideremia Anemia hipocrômica que aparece em crianças a partir do sexto n1ês, por falta de ferro; o número de glóbulos vermelhos é normal, porém a taxa de hemoglobina é muito baixa. oligotrolia Nutrição deficiente. oligúria Din1inuição da quantidade de urina eliminada. orna Sufixo que indica tun1or ou neoplasia. omolagia Hábito de alimentar-se de alimentos crus, principalmente carnes cruas. oncologia Estudo dos aspectos físicos, químicos e biológicos (patogenia) dos tumores ou neoplasias. onicolagia Hábito de roer unhas.

duo, desde o ovo até o estado adulto. opsomania Avidez intensa por alimentos condimentados (gulodices) ou por dietas especiais. orexigênico Tudo que estimula o apetite. organela Estrutura especializada da célula dotada de propriedades funcionais características, como mitocôndrias, lisossomos, complexo de Golgi, ribossomos, retículo endoplasn1ático rugoso e liso, entre outras. Organização Mundial de Saúde (OMS) Entidade especializada em saúde da Organização das Nações Unidas (ONU). Suas atividades principais se relacionam com a orientação aos governos no campo da saúde; o fornecimento de informações, patrocínio de pesquisas e estímulo aos grupos científicos e profissionais; o incentivo de ação no campo das saúdes materna e infantil; a divulgação de técnicas administrativas e sociais sobre medicina preventiva. Por seu objetivo e alto caráter médico-social, tem autoridade de ditar normas sanitárias e de quarentena, criar e modificar nomenclaturas sobre n1orbidade e mortalidade e determinar padrões de pureza e potência de produtos biológicos e terapêuticos. organogralia Descrição dos órgãos. organoléptico Expressão usada para indicar a propriedade das substâncias que atuam sobre os sentidos: odor, sabor e cor entre outros. organologia Ciência que se dedica ao estudo dos órgãos (anatomia e fisiologia). organoterapia Terapêutica por administração de órgãos animais ou de seus extratos. organotropismo Preferência nítida, apresentada por certos vírus ou cepas microbianas, medicamentos ou outros agentes, por determinados órgãos. orizalina Vide VITAMINA B1. orizenina Proteína do arroz. orlistat Atua no intestino delgado bloqueando a ação das lipases de triacilglicerol diminuindo a absorção de gordura da alin1entação. É utilizada no tratamento de emagrecimento. ornitina Aminoácido não essencial (NH 2(CHz)3 CHNH2COOH), formado no organismo pelo ácido glutâmico, da prolina e quando a arginina é hidrolisada pela arginase. É considerada precursora da putrescina e da citrulina. Os tecidos de n1aior concentração de ornitina são os do cérebro e o renal.

187

o

oro-

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

oxalato de cálcio

oro- Prefixo relativo à boca ou oral. orofaringe Parte da faringe localizada abaixo do

o

nível da borda inferior do palato mole e acima da laringe (faringe bucal). ortorexia nervosa Termo utilizado para descrever um quadro de recente aparição, caracterizado por uma obscessão para comer saudável (ortho: correto; orexis: apetice).As pessoas com este quadro apresentan1 uma preocupação excessiva com a qualidade da alimentação limitando a variedade e acaban1 excluindo certos grupos como carnes, laticínios, gorduras, carboidratos sem fazer a substituição adequada podendo levar a quadros de carências nutricionais ou a um quadro completo de distúrbio da conduta alimentar. Não é classificada como uma doença autônoma, considera-se variante sintomático dos transtornos alimentares. osmol Peso molecular de um soluto (em gramas) dividido pelo número de partículas de uma solução. osseina Substância orgânica, protéica, branca constituinte do tecido cartilaginoso e conjuntivo, que forma gelatina e que recobre os ossos; colágeno. OSSO ilíaco Par de ossos que, com o sacro, constituem a bacia. osteoartrite Doença provocada pela degeneração da cartilagem das articulações e aparecimento de espículas ósseas nas bordas destas. Podem aparecer secundariamente modificadas nos ossos subjacentes com sintomas dolorosos e redução de funções nas articulações atingidas (joelhos, pulsos, polegar e articulação coxofemoral). Há aumento exagerado nas articulações de pessoas idosas. As medidas preventivas e corretivas da obesidade são indicadas, pois o peso do corpo sobre as articulações é prejudicial. osteóf ito Excrescência óssea desenvolvida à custa do periósteo na proximidade da articulação afetada por lesões inflamatórias ou por lesões degenerativas (mais freqüente). osteólise 1 Processo de reabsorção óssea 2 Degeneração do osso. osteoma Tumor ósseo de natureza benigna. osteomalacia Desmineralização generalizada do esqueleto, por deficiente fixação de cálcio e de fósforo na trama protéica do osso ou do tecido osteóide por insuficiência destes sais no suprimento alimentar, má assimilação (diarréia crônica) ou eliminação excessiva desces pela 188

urina (afecção renal). Sua incidência ocorre em pessoas adultas. osteoporose Processo de desmineralização generalizada do esqueleto, por rarefação da trama protéica óssea. O decréscimo ósseo provoca dilatação medular e dos canais haversianos, redução da espessura do córtex e das trabéculas Nos jovens, a osteoporose ocorre em situações de in1obilização por doença ou incapacidade. A imobilização acelera a osteoporose nos mais idosos; por esse motivo, é aconselhada a atividade física moderada a partir da meia-idade, para evitar osteoporoses graves. osteoporose senil Acomete o indivíduo após os 65 anos devido a deficiente forn1ação da matriz óssea, a falta de ingestão de cálcio e por influência da não presença de hormônios gonádicos. No caso de mulheres com insuficiência de cálcio após a menopausa, a oesteoporose instala-se freqüentemente. ovário Glândulas sexuais fen1ininas (gônadas) situadas de cada lado do útero e que produzem ovos e hormônios sexuais (estrogênio, progesterona e pequena porção de androgênio). overbite Ocorrência em que os dentes superiores superpõen1-se aos da arcada inferior. overdose Ministração de doses excessivas de drogas, presente geralmente em viciados em tóxicos. OVO Célula germinativa feminina que contém aminoácidos essenciais. Na sua composição, 13% corresponden1 a proteínas as quais são encontradas na clara, e as gorduras na gema. O ovo tem 70 mg de sódio e é utilizado como emulsificante e alimento. ovoalbumina Albumina do ovo, presente na clara. Tem 11% de proteína e 89% de água. ovoflavina Substância encontrada nos OVOS SIN riboflavina. oxacilina Penicilina do grupo dos isoxazolilpenicilinas, resultante da ligação do ácido metilfenil-isoxazolilcarboxílico ao 6-APA. Tem ação ativa sobre Staphilococcus aureus, pneun1ococos e estreptococos que apresentam bastante resistência à penicilinase. Concentração: urina e bile. Efeitos colaterais: manifestações irritativas, alergias e superinfecções. oxalato Sal ou éster de ácido oxálico. oxalato de cálcio 1 Forma na qual o cálcio em estados patológicos se precipita, como, por exemplo, na litíase renal 2 Encontrado em alimentos vegetais ( ácido oxálico + cálcio), con-

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

oxalemia ozostomia

dição que torna o cálcio insolúvel e por isso pouco absorvível pelo organisn10. A maioria do oxalato orgânico é formada por via endógena. Esse sal é excretado em sua n1aioria pelas fezes, mas, quando há distúrbios metabólicos, há formação de cálculos de oxalato de cálcio que são eliminados pela urina. A dieta nesses casos é feita com a redução ou supressão de alimentos ricos em oxalato, evitando-se tambén1 megadoses de vitamina C que é metabolizada a ácido oxálico. oxalemia Presença de oxalato no sangue, quando em excesso. oxalismo Intoxicação por ácido oxálico ou oxalato. oxalose Faz depositar oxalato de cálcio no cérebro e rins. oxalúria Presença, na urina, de ácido oxálico, sob a forma de oxalato de cálcio. oxicalorimetro Instrumento que mede o oxigênio consun1ido e o dióxido de carbono forn1ado, quando o alimento é queimado. oxiemoglobina Constituída pela combinação entre o oxigênio e a hemoglobina; forma en1 que o oxigênio é levado dos pulmões aos tecidos.

oxigênio Gás incolor, insípido e inodoro, que abrange 21 % do ar atmosférico, 8,9 de água e cerca da metade da crosta terrestre. É elemento constante e imprescindível para a vida animal e, na escala hierárquica de necessidade de nutrientes, ocupa o primeiro lugar; sua ausência por poucos minutos (3 a 4) é inconciliável com a vida. No organismo, participa de todos os processos de combustão; chega aos tecidos por meio das hemácias do sangue arterial, através da oxien1oglobina. oxigenioterapia Aplicação terapêutica de oxigênio para aumentar a P02• oxigeusia Agudeza do sentido do gosto. oximioglobina Mioglobina ligada ao oxigênio, que dá coloração vermelho-brilhante à superfície da carne. Faz o armazenamento de O 2 ,que será utilizado para sintetizar ATP quando faltar O 2 no organismo. oxintico Secretor de ácido. oxiosmia Alta sensibilidade do olfato (fisiológica), em certos indivíduos e raças. oxipurinas Purinas que contêm oxigênio (p. ex.: ácido úrico, xantina, hipoxantina). ozostomia Mau cheiro na boca.

o

189

paba Vide Ác100 PARAM1NoBENzó1co. pagolagia Ato de comer gelo em abundância, associado à ausência de ferro, com ou sem anemia. Variedade de pica. PAl-1 O inibidor de plasminogênio ativado-! (PAI-1) promove formação de trombos e ruptura de placas aterogênicas instáveis, alén1 de alterar o balanço fibrinolítico por meio da inibição da produção de plasmina, contribuindo na remodelação da arquitetura vascular e processo aterosclerótico. Existe relação entre elevados níveis de PAI-1 e a presença da síndrome de resistência insulínica. paio Variedade de lingüiça, elaborada con1 lombo de porco, embutido em tripa larga. paladar É o sentido do gosto. palato Abóbada palatina; céu da boca. palmito Produto em conserva, à base de gomos terminais de várias espécies de palmeiras. palpitação Ritmo cardíaco rápido ou irregular. panageusia É quando ocorre a abolição completa da sensibilidade da gustação. pâncreas Glândula na qual são formados sucos digestivos (liberados no duodeno) e hormônios (lançados na corrente sangüínea). SECREÇÕES Apresenta duas importantes secreções. A externa, constituída de líquido espesso, transparente, inodoro e que contém enzimas, água e eletrólitos. A secreção de bicarbonato pelo pâncreas é a mais elevada do organismo, porque o suco pancreático tem cloreto de sódio e de potássio e fosfato de cálcio. As enzimas

presentes são de atividades amilolíticas, lipolíticas e proteoüticas. Essa secreção externa chega ao duodeno pelo canal pancreático. A secreção interna contém elementos relevantes para o metabolismo: as ilhotas de Langerhans produzem insulina, polipeptídio pancreático, o glucagon e a somatostatina. Esses hormônios chegam a veia porta. pancreatina Substância que contém enzimas (lipase, amilase, tripsina) extraídas do pâncreas. É utilizado na degradação de proteínas. pancreatite Processo inflan1atório agudo ou crônico do pâncreas, que pode apresentar-se associado com bloqueio do canal biliar, impedindo o fluxo do suco pancreático para o duodeno. Encontrada comumente em alcoólatras. Sua forn1a aguda apresenta como sinton1atologia o abdome agudo; a pancreatite pode ser: hen1orrágica, supurativa e gangrenosa. Tem como manifestações dor abdominal, esteatorreia, nauseas e vom1tos. pancreatite crônica Inflamação pancreática, caracterizada por astenia, rápido emagrecimento, dor no ponto pancreático, transtornos digestivos por insuficiência do órgão e icterícia com distensão vesicular. Está relacionado com anomalias no esfíncter de Oddi, alcoolisn10 crônico. pancreolitíase Produção de cálculos no pâncreas. pancreozimina Hormônio encontrado na n1ucosa duodenal que atua na estimulação da secreção pancreática. Vide C0LECIST0QUININAPANCRE0ZIMINA. ,



,

A



paniculite

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

patognomônico

paniculite Inflamação do panículo adiposo. panículo adiposo Camada de gordura subcutânea.

pantotenol 1 Vitamina B6 2 Exerce função de

p

nutrição, fator antidermacítico. Vide ÁCIDO PANTOTÊNICO. pantrópico Vírus que tem afinidade por todos os tecidos. pão Produto obtido pela cocção en1 forno, com temperatura adequada, de massa fermentada ou não à base de farinha e água, adicionada ou não de levedura e de outras substâncias características dessa classe de alimento. Elaborado con1 farinhas panificáveis, sob diversas formas e tipos, como por exemplo o pão francês, alemão, sírio, sueco e inglês e segundo a sua constituição e apresentação (pão integral, doce, de forma, sovado etc.). papaína Enzima proteolítica, retirada do suco de mamão e utilizada no amaciamento da carne. Atua principalmente na hidrólise de proteínas e peptonas. Como a bromelina e a ficina, acua sobre o colágeno e a elascina, constituintes do tecido conjuntivo; tem pequena ação sobre as fibras musculares. É comercializada em pó (de cor de canela) e em líquido (incolor e amarelo claro). papila Pequena saliência mamilar. papilas gustativas Constituídas pelas papilas filiformes, caliciformes e fungiformes que são responsáveis pelos sabores amargo, doce, salgado e ácido. papilite Inflamação que ocorre na papila. pápula Lesão elementar da pele, que apresenta uma elevação sólida e de diferences formas, de diversos tamanhos, que varia de um grão de milho ao de lentilha e que desaparece ao final de algum tempo, sem deixar nenhuma marca. paquidermia Espessamento anormal da pele. paracaseína Caseinogênio; resultado da caseína. paracentese Punção em cavidade, para esvaziar o líquido que contém. parageusia Ocorrência da perversão do paladar. paralisia Perda de função ou sensação do músculo resultante da lesão de nervos ou destruição de neurônios. Tem etiologia variada; quando parcial, a paralisia é denominada paresia. paraplegia Paralisia dos membros inferiores. parasita É un1 organismo que existe à custa do hospedeiro. Não é nocivo en1 todos os hospedeiros. parasite mia Presença de parasitas no sangue.

192

parasitologia Escudo dos seres que se nucren1 do hospedeiro sobre o qual, ou no qual, habitam. parasitose Infecção parasitária. paratireóides Glândulas endócrinas (geralmente quatro), pequenas, localizadas posteriorn1ente à cápsula da cireóide ou situadas nessa glândula em torno das artérias tireóides inferiores e superiores. Secretam o paracormônio. parênquima Parte nobre, especializada de um órgão, diferente do tecido conjuntivo estrutural. parenteral Fora da área intestinal; outra via que não a digestiva (intran1uscular, intravenosa, subcutânea ou incra-esternal). parepitimia Sensação de apetite anormal. paresia Paralisia moderada; enfraquecimento da contratilidade muscular. parestesia Sensação de formigamento, de queimação e agulhada na pele, ocorre diminuição da sensibilidade, características de neuropatias. parorexia Distúrbio do apetite. Desejo de substâncias não adequadas para alimentação. parosmia Perversão do olfato, presente em alguns pacientes com tumores cerebrais, histeria e enfermidades mentais. parotidite Inflamação da glândula parótida (p. ex.: caxun1ba). parotidite nutricional Inflamação das parótidas (glândulas salivares), localizada abaixo das orelhas, encontrada com freqüência na África e na Ásia, associada com deficiência protéica. paroxetina Inibidor seletivo da recaptação seletiva de serotonina. pausterização 1 Processo que faz a redução da quantidade de bactérias de duas maneiras: pasteurização lenta e pauscerização de alta temperatura - curto tempo 2 Método utilizado no leite, vinhos, cerveja. patê Denominação genérica de pasta elaborada com várias substâncias (p. ex.: fígado, carnes, presunto, bacon etc.) adicionada de gordura. patogênese Que dá origem e acelera a enfermidade, especialmente os processos celulares e fisiológicos. patogenia (ou patogênese) Etiologia e evolução de uma enfern1idade. patogenicidade Capacidade que os microorganismos apresentam de produzir enfermidades ou sintomas mórbidos em pacientes susceptíveis. patogênico Agente produtor de doenças. patognomônico Característica de doença, suficiente para identificar um estado mórbido de uma moléstia.

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

patologia pepsina

patologia É a parte da ciência que faz o conhecimento das doenças.

patologia da nutrição Estuda as alterações da alimentação, da absorção, do metabolisn10 e da excreção, com a finalidade de praticar dietoterapia, por n1eio da adequação de dietas. A patologia da nutrição compreende as seguintes patologias: alimentação - enfoca as doenças produzidas pelos alimentos; digestão - relacionada com os transtornos digestivos, gastrointestinais, hepáticos, vesicular e do pâncreas; absorção - ab range a etiologia e os efeitos das alterações gástricas, intestinais, dos sistemas portal e linfático, prejudiciais ao aproveitamento de nutrientes pelo meio interno, capazes de produzir estados carenciais; metabolismo - objetiva reconhecer as enfermidades resultantes de perturbações anabólicas ou catabólicas de nutrientes, por ação das glândulas de secreção interna, e põe em evidência as características orgânicas produzidas pelos disn1etabolismos; excreção - estuda os desarranjos ligados aos processos de excreção intestinal e renal. patologia geral 1 Ciência concreta e de aplicação, que trata das desordens sobrevindas nas partes materiais que constituem o organismo, bem como nos atos que estas partes realizan1 (Lictré) 1.1 orgânica Escuda as lesões materiais 1.2 funcional Estuda as perturbações dos atos que essas partes realizam 2 Ciência que escuda as leis gerais dos fenômenos vitais no organismo doente (Veratti). patulina Toxina isolada produzida por fungos sendo as principais as toxinas produzidas por Penicillium patulum e Penicillium expansum. Sua presença tem sido identificada em sucos de maçã. Essa micotoxina pode provocar intoxicações. É uma toxina nefrotóxica e hepatotóxica. PGR A proteína C-reativa é um marcador inflamatório e independente preditor de risco para doenças cardiovasculares. O tecido adiposo abdominal tem sido considerado predicor de elevadas concentrações PCR devido à significativa expressão desta proteína nos depósitos de gordura abdominal, visceral e subcutâneo em populações brancas, negras e hispânicas. peçonha Substância produzida por glândulas especiais de animais peçonhentos (ferrão, espícula, boca ou secreção da pele), capaz de ocasionar lesões nos sistemas nervoso e circulatório. A toxidez da peçonha assen1elha-se ao veneno de serpentes, por seus efeitos neurotó-

xicos. A peçonha pode provocar baixa de temperatura e falta de ar. pediatria Ciência médica que trata das doenças de crianças. pelagra Doença nutricional devida à deficiência de ácido nicotínico e triprofano, comum nas populações pobres que se alimentam especialmente de milho. Apresentam dermatite escamosa pign1entar se ficarem expostas ao sol. SINTOMATOLOGIA diarréia, dern1atite e demência. penia Deficiência. penicilina Antibiótico que se caracteriza, como a cefalosporina, pela presença de um anel beta-lactâmico responsável pela atividade antimicrobiana de ambos. Apresenta um anel tiazolidínico unido ao anel betalactâmico, produzindo como seu núcleo central o ácido 6-aminopenicilânico ( 6-APA) . As diferentes penicilinas com variadas características físico-químicas, farmacodinâmicas, atividade antinücrobiana e resistência enzimática são obtidas pela introdução de uma função acilamina (NHCO-R) na cadeia de 6-APA em que o radical R pode ser variável. Vários tipos de penicilina são originados segundo sua procedência. NATURAIS: produzidos por fermentação a partir do Penicillium chrysogenum e do Penicillium notatum. SEMI-SINTÉTICAS: obtidas pela fermentação do Penicillium chrysogenum e pela introdução de radicais sobre o núcleo do 6-APA. São subdivididas en1 três grupos: a) de pequeno espectro (sensíveis à ação da penicilinase) e absorvíveis por via oral, como feneticilina e propicilina (não comercializadas no Brasil); b) de pequeno espectro e resistentes à penicilinase; exemplos: cloxacilina, dicloxacilina e flucoxacilina; c) de an1plo espectro; exemplos: ampicilina, amoxicilina, carbenicilina, epicilina e outras. penicilinose Enzima bacteriana antagônica, da ação antibacteriana da penicilina. pentases Classe de glicídios que contêm cinco átomos de carbono. As pentoses abrangem a D-ribose e a D-2-desoxirribose. São constituintes fundamentais das nucleoproteínas e do AT P. pepsina Enzima gástrica proteolítica, secretada pelas células principais da mucosa, que inicia a digestão das proteínas, separando-as em peptonas; seu precursor é o pepsinogênio, que sob a ação do ácido clorídrico transforma-se em pepsina.

193

pepsinogênio

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

peritonite

pepsinogênio Precursor ou zin1ógeno da pepsina.

peptidase Enzima que desdobra peptídios em

p

aminoácidos. peptidio Composto resultante da união de aminoácidos pela ligação -CO-NH-. Quando o peptídio apresenta mais de dois aminoácidos ele é denominado polipeptídio. Inúmeros hormônios e rodas as proteínas simples são polipeptídios. peptídio inibidor gástrico (GIP) A presença desse hormônio foi detectada no jejuno, no duodeno e no íleo superior. No sangue, aparece em alta concentração, depois de uma refeição rica em glicídios, aminoácidos e lipídios. Quando esses nutrientes chegam ao intestino delgado, há inibição da produção de ácido no estômago, em decorrência da ação do GIP. A ação dos aminoácidos no aparecin1ento do GIP é pequena. Ações principais: inibição da produção de ácido no estômago; estín1ulo à liberação de insulina. peptídio intestinal vasoativo (VIP) Esse hormônio inclui-se no grupo da secretina, glucagon e GIP. Ações: inibe a produção de HCL no estômago; estimula a liberação da insulina; estimula a secreção alcalina (bicarbonato de sódio) do pâncreas; causa hiperglicemia; estimula a secreção intestinal; estimula a lipólise. A célula que secreta o VIP na mucosa gasrrointesrinal estende-se do esôfago ao reto. Colecistoquinina (CCK) Encontrada no intestino delgado. O estímulo ocorre pela chegada de aminoácidos e lipídios no duodeno. As ações principais são: liberação de bile e estímulo a secreção pancreática. Gastrina é encontrada na região antropilórica. Sendo estimulada pela presença de aminoácidos no estômago. As ações principais são: estímulo a secreção de pepsina e ácido clorídrico. peptogênico Agente que eleva a produção de pepsina no suco gástrico. peptonas Polipeptídios originados da desintegração de protídios e proreoses no estômago, por ação da pepsina e, no duodeno, pela rripsina. Empregadas como excitantes da bile e como agente dessensibilizante. peptonemia É quando tem peprona no sangue. peptonúria Presença de peprona na urina. perfusão Derran1an1enro de líquidos; passagem para os tecidos, quando da injeção em vasos .. , sanguineos.

194

pericardite Inflamação aguda ou crônica do n1iocárdio, com ou sen1 derrame. Tem etiologia variada. perinatal Relativo aos períodos anterior, duran. . te e posterior ao nascimento. período É o tempo entre dois faros. período de gestação Tempo somado em semanas completas de gestação, a contar do primeiro dia do último período de menstruação até a dara do nascimento. período de incubação É o intervalo que transcorre entre a infecção de uma pessoa ou animal suscetível e o aparecimento, neles, de sinais ou sintomas da enfermidade em questão. periodôntio São os tecidos situados ao redor dos dentes, auxiliando na sua fixação. períodos de vida A vida é caracterizada por seqüência de processos anabólicos e carabólicos, que se desenvolvem em três etapas. ANABÓLICA Predominância do crescimento e desenvolvimento. DE EQUILÍBRIO Estabilidade dos processos da nutrição (estabilidade dinâmica). CATABÓLICA Involução orgânica. Segundo Escudero, os períodos da vida classificam-se em: Idade Adulta. 22 a 60 anos, subdividida em dois períodos. Características: plenitude sexual (22 a 40 anos); plenitude cerebral (41 a 60 anos). Senescência. Vida plena (61 a 75 anos); ancianidade (75 anos em diante). periósteo Membrana fibrosa que envolve os ossos, com exceção dos locais em que se inserem os tendões e os ligamentos e nas regiões articulares, en1 que o revesrin1enro é a cartilagem. periostite Designação genérica de qualquer processo inflamatório, agudo ou crônico, do periósteo, comumente associado com osteíte. peristaltismo (ou peristalse) Movimentação progressiva de contração, en1 forma de onda, que ocorre em condutos providos de fibras musculares, transversais e longitudinais. O mecanismo peristáltico consiste em estreitan1ento e encurtamento de um segmento do conduto que, em seguida, relaxa-se, enquanto a seguir o segmento in1ediato encurta-se e estreita-se. Por meio desses movimentos que se repetem, a massa alimentar é conduzida até sua expulsão. peritônio Serosa de revetimento da cavidade abdominal que cobre as vísceras que ela encerra. peritonite Processo inflamatório, agudo ou crônico, do peritônio. Provocada por agentes internos ou externos. Podendo causar: dor abdominal, vômitos, febre.

permeabilidade

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

pimenta vermelha

permeabilidade Propriedade da membrana en1 deixar passar moléculas e íons. Per os Por via oral. perspiração Ação de transpirar insensivelmente em toda a superfície corporal. perversão Desvio de qualquer estado normal ou correto (p. ex.: do comportamento sexual). peso Força de empuxo em direção ao centro da Terra exercida sobre um corpo devido à força da gravidade. peso atual Peso que o indivíduo apresenta, de acordo ou não com os índices determinados para o peso normal. peso corporal teórico Peso corporal atribuído ao indivíduo, segundo sua idade, seu sexo e sua estatura, não o peso real e atual que ele apresenta, mas o que seria ideal. peso excessivo É aquele que está acima do peso ideal, n1as sem atingir o grau de obesidade. Portanto, considerado superior ao dos índices estabelecidos para a determinação do peso normal do indivíduo. peso ideal Peso de acordo com índices determinados para o indivíduo normal, relacionando altura e peso e que confere sensação de bemestar e aptidão para suas atividades físicas. peste Designação outrora conferida a todas as grandes epiden1ias. petéquia Pequenas manchas arredondadas, de cor vermelho-violácea, que atestam sufusões hemorrágicas (p. ex.: pele, mucosa etc.), do tamanho da cabeça de alfinete até o da lentilha. Constitui un1 dos sinton1as do escorbuto. pH Medida da alcalinidade ou acidez de uma solução. Indicando a concentração de ions de hidrogênio (p. ex.: solução neutra (pH 7); nos valores abaixo, a solução é ácida e acima, a solução é alcalina ou básica. pica Perversão do paladar, que consiste em comer substâncias estranhas como barro, caliça, areia e cabelo. Esses tipos de substâncias são consumidas por gestantes e crianças de 1,5 a 2 anos de idade. picles Frutos ou hortaliças curadas em salmoura e depois conservadas en1 vidros hermeticamente fechados. pielite Processo inflamatório, agudo ou crônico, da n1ucosa que envolve o bacinete e os cálices renais. pielograf ia Exan1e radiológico do bacinete e das cavidades renais, por introdução de substância

opaca aos raios X, por meio de sonda uretral ou de injeção intravenosa. pielonefrite Processo inflamatório do bacinete e do parênquima renal, resultante de infecção bacteriana. pielonefrose Resultante de hidronefrose parcial, em que apenas o bacinete apresenta-se dilatado. Tem origem não infecciosa. pielotomia Corte cirúrgico no bacinete, para a extração de cálculo ou drenar líquido. PIG Pequeno para a idade gestacional. piloro Abertura do estômago, no duodeno, circundada pelo músculo esfíncter do piloro, que controla a passagem dos conteúdos do estômago para o duodeno. pilorospasmo Espasmo pilórico que ocorre principaln1ente em lactentes, provocando vômitos e conseqüente caquexia. pílula Corpo sólido, geralmente globular, ovóide, ou ainda lenticular. Contém uma ou mais substâncias medicamentosas, de administração por via oral. pílula anticoncepcional Agente hormonal destinado a inibir a ovulação, evitando assin1 a concepção. Seu uso aumenta o consumo de vitan1ina B6. Os níveis sangüíneos da vitan1ina A elevam-se nas usuárias. pimelose Obesidade. pimenta Produto em conserva, de frutos de várias plantas da família das Piperaceas e das Solanaceas, utilizado como tempero de preparações culinárias. Elaborado com soluções à base de vinagre e/ ou emulsões oleosas. pimenta branca ou negra Fruto da trepadeira Piper nigrum, que cresce em climas tropicais úmidos. A pimenta negra é preparada a partir de grãos imaturos secos ao sol, o que modifica a cor da casca de vermelha para preta. A pimenta branca é produzida através do embebimento dos grãos maduros sem a casca. Seu sabor picante é devido aos alcalóides chavicina, piperina e piperdina. pimenta doce Fruto da planta Capsicum annum, que pode ser marrom, amarelo ou vermelho e, geralmente, ingerido cru em saladas. Possui tamanho e formas diversas. Pode ser picante, mas a maioria nao e 1rntante. pimenta vermelha 1 Chi/li 2 Pequeno fruto da planta perene Capsicum frutescens, que é rep leta de arbustos. Normalmente é seco ao sol, ficando assim, enrugado. É extremamente •



,.,

I



'

195

pinocitose

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

pitressina

p

picante, sendo utilizado como ingrediente do pó de curry e do molho de cabasco. pinocitose Absorção celular em que a membrana se invagina, adquirindo estrutura saculiforme, que, depois de englobar o líquido extracelular, obstrui-se na membrana, formando uma vesícula ou vacúolo intracelular. piolagia Deglutição de pus, originado de dentes (piorréia), de gengivas, do nariz, da laringe, da traquéia e dos pulmões, por portadores de focos infecciosos. pioglitazona Aumenta a sensibilidade à ação da insulina no tecido muscular, hepático e adiposo. Tambén1 aumenta o consumo de glicose pelos tecidos muscular e adiposo e diminue a produção hepática de glicose. pionelrite Processo inflan1atório do parênquima renal, provocado por microorganismo piogênico. pionelrose Infecção renal grave, manifestada: por acumulação purulenta no bacinete distendido; por inflamação e destruição do parênquima (pionefrice); por reação inflamatória do tecido circundante (perinefrice). A pionefrose representa a substituição de grande parte ou total do rim por abscessos. piorréia 1 Peiodontite 2 Escoamento alveolar purulento que ocorre quando a gengivice se estende até as estruturas de suporte dos dentes. É uma das principais causas de perda de dentes en1 adultos e a principal em pessoas idosas. pirético 1 Febril 2 Que apresenta quadro de hiperterm1a. pirexia Aumento de temperatura corpórea além do normal. piridoxina 1 Vitamina B6, pertencente ao complexo B 2 Composto hidrossolúvel, com acentuada estabilidade ao calor e sensibilidade aos raios ultravioleta e à oxidação. A designação de piridoxina abrange os derivados piridínicos naturais, capazes de exercer funções vitamínicas B6. Esses derivados químicos são a piridoxina, o piridoxal e a piridoxamina; o piridoxal é a forma ativa biologicamente. Estão representados nos tecidos e em alimentos, em forma livre ou em combinação con1 fosfato ou fosfato e proteína. Tem papel importante no metabolismo celular. Por catalisação enzimática, atua no metabolismo de aminoácidos e de ácidos graxos. Indispensável ao mecanismo de oxirredução orgânica. Integra processos de descatboxilação, transaminação e dissulfurização. Forma o gru-

196

po prostético da co-carboxilase. Auxilia a transformação do triprofano em niacina. Tem como principais fontes: fígado de boi; rim de boi; levedo de cerveja; carne, ovo; alface; embrião de trigo; cereais integrais; banana; batata-inglesa; amendoim; repolho; farinha amarela de milho; n1açã; geléia real. REQUERIMENTOS Lactentes: 0-6 meses: 0,1 mg/dia; 7-12 meses: 0,3 mg/ dia; Crianças: 1-3 anos: 0,5 mg/ dia; 4-8 anos: 0,6 n1g/ dia; Homens: 9-13 anos: 1,0 mg/ dia; 14-50 anos: 1,3 mg/ dia; acima de 51 anos: 1,7 mg/ dia; Mulheres: 9-13 anos: 1,0 mg/dia; 14-18 anos: 1,2 mg/ dia; 19-50 anos: 1,3 mg/ dia; acima de 51 anos: 1,5 mg/ dia; Gestantes: 1,9 mg/ dia; Lactantes: 2,0 mg/ dia. Talvez a abundante distribuição de piridoxina en1 alimentos seja a razão da rara ocorrência de deficiência dessa vitamina. Entretanto inúmeras manifestações mórbidas respondem favoravelmente ao tratamento pela piridoxina, como, por exemplo, acontece em anen1ias hipocrôn1icas refratárias ao ferro, em crises convulsivas de recém-nascidos e queilose não sensível à riboflavina. Na oferta insuficiente de piridoxina, o triprofano converte-se no n1etabólito anormal: ácido xanturônico. A deficiência de piridoxina foi verificada en1 adulto, com o emprego de alimentos com baixo valor desta vitamina e seu antagonista 4-desoxipiridoxina. São antagonistas de piridoxina as seguintes drogas: isoniazida; hidralazida; peicilamina; 4-desoxip iridoxina. pirilorme Em forma de pêra. pirogênico Agente produtor de febre. pirose Sensação de ardência ou queimação retroesternal que pode se estender para o epigástrio, o esôfago, até a garganta, com a presença de eruccação e regurgitação de líquido ácido e irritante (azia). pirulito Tipo de bala dura, de diversos sabores e cores, de formato característico e sustentado por haste. piruvato-carboxilase Enzima envolvida na gliconeogenese e que contem manganes. piruvicemia Presença, no sangue, de ácido pirúvico, produto de degradação do metabolismo glicídico. pitressina Hormônio do lobo anterior da hipófise que atua: contraindo as artérias e os capilares elevando a pressão arterial e aumentando a reabsorção de água pelo túbulo renal. Esse hormônio faz cessar a poliúria causada pela ressecção da hipófise e a do diabetes. A

,

A

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

pituitária plexo gástrico posterior

pituitária 1 Mucosa que forra as narinas 2 Hipófise.

pituitrina Hormônio produzido pela parte intermédia e pelo lobo posterior da hipófise. Eleva a pressão arterial e produz contração de artérias, de capilares, do útero e intestino, alén1 de reduzir a diurese. piúria Presença de secreção purulenta na urina. placa 1 Denominação utilizada para inún1eras formas patológicas ou elementos empregados em Medicina. As mais comuns são as placas dentárias ou dentais que aderem aos dentes e são formadas por polímeros da frucose e da glicose (Ievans e dextrans) elaboradas pelas enzimas do Streptococcus mutans. Essa bactéria origina a cárie dentária 2 Dá-se o nome de placa, também, às formações originadas nas paredes das artérias, por efeito da acerosclerose (placa de ateroma) 3 Placa ou recipiente para cultura microbiológica 4 Dispositivo metálico para fixação de ossos, usado em ortopedia. 5 Mancha em qualquer superfície interna ou externa do organismo. placar químico Processo químico de avaliação nutricional de proteínas. Numericamente, o placar químico é semelhante ao valor biológico. placebo Substância inerte, sen1 qualquer efeito farmacológico, utilizada em testes para avaliação de ação terapêutica de determinado medicamento. Geralmente, o paciente não é informado se a pílula ingerida tem ou não efeito farmacológico. É comum dar-se a um grupo de indivíduos o placebo e, a outros, o medicamento, sem que os integrantes do primeiro grupo saibam que, na preparação que estão ingerindo, nada mais há do que uma substância inerte; os placebos, nesse caso, têm a mesma aparência do verdadeiro medicamento. É tan1bém empregado em pacientes para estudo da ação terapêutica psicológica; nesse caso, o paciente sente os bene6cios da "drogá' pela produção, pelo cérebro, de substâncias como, por exemplo, endorfinas, que alivian1 a dor, sem, contudo, ingerir nenhun1 analgésico ou qualquer outro medicamento. placenta Órgão mole e esponjoso, formado dentro do útero durante a gestação, ficando suficientemente madura em torno da 12ª sen1ana. Através da placenta, ocorre intercâmbio nutritivo entre o organismo materno e o do feto, que se liga a ela pelo cordão un1bilical. Produz hormônios importantes para a gestação.

placenta prévia In1plantação viciosa da placenta na parte inferior do útero, obstruindo, total ou parcialmente, o orifício interno do útero. plano de dieta A execução de um plano nutricional para o êxito da prescrição e realização do regime diecocerápico é imprescindível. As características do paciente na anamnese alimentar e a avaliação nutricional devem ser conhecidas e levadas em conta, para que a dieta, além de correta, seja aceita pelo paciente. Nesse sentido, as dificuldades crescem no caso de pacientes hospitalizados, por motivos de hábitos alimentares, de problemas psicológicos, a falta de colaboração e resistências do doente em função de seu próprio estado, são barreiras que devem ser identificadas e ultrapassadas. plaqueta Fragmento discóide anucleado do citoplasma do megacariócito. Participa da rede de fibrina durante a coagulação; desencadeia e inicia a hemostasia. Nos indivíduos normais, sua quantidade gira em corno de 180.000 a 250.000 por mm 3• A plaqueta também é denominada tron1bócito. plasma Porção líquida do sangue, que compõe o soro e o fibrinogênio. É o sangue, do qual foram retiradas as células (eritrócitos, leucócitos e plaquetas sangüíneas). Apresenta um volume de 3,5 L en1 um indivíduo de 70 kg. Contén1 um grande número de íons, moléculas orgânicas e inorgânicas em trânsito para todo o organismo e favorece o transporte de outras substâncias. Plasmodium Gênero de protozoários produtores de n1alária no homen1 e em animais. pleuris Inflamação aguda da pleura, com ou sem derrame. De acordo com a natureza do líquido, o pleuris pode ser serofribinoso, hemorrágico e purulento. plexo Rede de nervos, de vasos sangüíneos ou de linfáticos anastomosados. plexo gástrico Plexo nervoso associado ao estômago. plexo gástrico anterior Situado ao longo da superfície anterior da curvatura menor do estômago. Suas fibras procedem, principaln1ente, do vago esquerdo, do vago direito e do sin1pático. plexo gástrico inferior Situado ao lado da artéria gastromental esquerda. Suas fibras são oriundas do plexo esplênico. plexo gástrico posterior Situado ao longo da superfície posterior da pequena curvatura. Suas fibras derivam, principaln1ente, do vago direito.

197

plexo gástrico superior

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

pol ipeptídio pancreático

p

plexo gástrico superior Segue a artéria gástrica es-

poliênicos Grupo de antibióticos de ação eletiva

querda. Suas fibras originan1-se no plexo celíaco. plexo mioentérico Plexo nervoso visceral, ladeado pelas túnicas musculares circular e longitudinal do trato gastrointestinal. plexo submucoso Situado na mucosa do tubo digestivo. plutônio Elemento transurânico, radioativo, metálico, prateado e denso que pertence aos actinídios. De símbolo é Pu, é derivado do Neptúnio, e, por fissão, libera grande quantidade de energia. Seu peso atômico é 94 e número atômico é 238. pneumatometria Processo destinado a medir a pressão de ar inspirado e expirado. pneumonia Inflamação puln1ona1; causada por vírus, fungos, protozoários e, principalmente, bactérias, com presença de substâncias exsudativas nos alvéolos. Acomete principal.m ente crianças, idosos e pessoas com baixa imunidade. pneumonia por aspiração Pneumonia causada por aspiração de conteúdo gástrico, corpos estranhos, ou de materiais contaminados provindos das vias aéreas superiores. Ocorre geralmente em indivíduos com a consciência rebaixada. pneumonite Inflan1ação do interstício pulmonar que pode ser causada por un1a infecção ou pelo lúpus. polaciúria Emissão de urina anormalmente freqüente. poliamida Polímero de tipo tern1oplástico, no qual as unidades estruturais se ligam aos grupos amida ou tioan1ida. Várias poliamidas são obtidas em forma de fibras (náilon). poliartrite Processo inflamatório, agudo ou crônico, que envolve várias articulações. poliartrose Tipo de reumatismo crônico, degenerativo, que afeta progressivamente diversas articulações. Seu início insidioso geralmente atinge indivíduos de 40 anos, evoluindo ao longo do tempo, sem apresentar processos inflamatórios. A poliartrose, nos quadris e nos joelhos, por exemplo, é de prognóstico grave. policitemia Aumento do número de células vermelhas no sangue, em conseqüência de excessivo esforço físico, de elevadas altitudes, de determinadas enfermidades e da ingestão de drogas ou cobalto. polidipsia Sede insaciável, exagerada. poliembrionia Fenômeno biológico de forn1ação de mais de um en1brião, na mesma época, por um mesmo ser.

sobre fungos e protozoários. Por sua toxicidade no organismo humano, a maior parte dessas substâncias não deve ser empregada por via sistêmica. Desse grupo, somente a anfotericina B e a nistatina têm aplicação na prática clínica. polifagia Ingestão compulsiva de alimentos com ausência do sentido de saciedade. po ligalactia Hipersecreção láctea. poliglobulia Aumento do volume total de hen1ácias no organisn10. poliinsaturados Ácidos graxos caracterizados pela presença de duas ou mais duplas ligações de carbono em sua n1olécula, separadas por um grupamento metil (CH 2). polineurite Comprometimento sin1ultâneo de diversos nervos periféricos mistos, de origem interna, ocorrendo transtornos sensitivos, motores, e autônomos. Pode afetar fibras com perda axonal do neurônio que geralmente é de causa isquêmica ou por distúrbios nutricionais. polineuropatia Enfermidade que atinge geraln1ente os nervos dos membros inferiores; os n1embros superiores são pouco con1prometidos. Os distúrbios são das esferas sensitiva e motora, afetando as fibras nervosas; provoca o aparecin1ento de fortes dores semelhantes a picadas de alfinetes e agulhas, além de dificuldades na articulação dos joelhos e tornozelos, esgotamento muscular etc. Essa enfermidade pode surgir tendo como causa doenças resultantes de insuficiência de vitaminas do complexo B, como beribéri, pelagra, neuropatia alcoólica, síndrome dos pés queimando; em doenças metabólicas con10 uremia, diabetes, envenenamento por metais, como mercúrio, chumbo e arsênico; infecções como difteria, lepra. polinucleotidase Enzima secretada pela n1ucosa intestinal, que converte os ácidos nucléicos em nucleotides. Vide NUCLEASES. polipeptidase Enzima secretada pela mucosa intestinal, hidrolisante de proteínas e de frações moleculares protéicas que leva os polipeptídios a dipeptídios. polipeptídio Resultante da desintegração de proteínas e que constitui estágio intermediário entre peptonas e aminoácidos. polipeptídio pancreático É encontrado no pâncreas, por excelência, em traços que aparecem no estômago e no início do intestino delgado. Há algumas controvérsias sobre o seu papel no homem. Contudo, atribui-se a ele: inibição da

198

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

polissacarídios

PPAR-g

contração da vesícula biliar; aumento do tono do colédoco; inibição do débito de enzin1as pancreáticas; estímulo das secreções de ácido clorídrico e de bicarbonato pancreático. polissacarídios Glicídios que, por hidrólise, produzem mais de seis moléculas de monossacarídios. Alguns polissacarídios são insolúveis e constituem parte dos tabiques e paredes celulares. Os polissacarídios estão constituídos pelo amido, glicogênio, insulina, dextrinas, celulose e quitina. poliúria Aumento fora do normal da secreção . , . unnana. polivalente Algo válido para diversos casos ou situações diferentes. Relacionado com vacinas, constituídas de combinações de vários n1icroorganismos e con1 o anti-soro n1isto resultante, sendo aplicável em várias patogenias. polvilho Produto ralado de mandioca fermentada, adicionado de água e posteriormente coado, antes de sua secagen1. Pode ser doce ou azedo. ponte de hidrogênio Atração entre a carga parcial positiva, sobre um átomo de hidrogênio, ligado a um áton10 eletropositivo e uma carga parcial negativa associada a um átomo eletronegativo em outra n1olécula ou em regiões da mesma macromolécula. ponte peptídica Referente à união entre um aminoácido e uma proteína. Conseqüente da condensação do grupamento carboxílico de um aminoácido com o grupamento amino de outro aminoácido. Isso permite a ligação CONH entre os aminoácidos. Poo/ Reservatório. porfiria Erro metabólico inato, em que ocorre aumento de porfirina no sangue, em tecidos, fezes e urina. porfirinas Substâncias de importância biológica porque os con1plexos metálicos que formam com o ferro dão origem aos núcleos prostéticos das hemoglobinas, citocromos, as catalases e as peroxidases. Quando se unem ao magnésio, constituen1 as clorofilas. Existen1 ainda outras porfirinas livres, não com metais ( uroporfirinas e coproporfirinas), encontradas normalmente no sangue, na urina e nas fezes. porfirinemia Presença de porfirina no sangue. porfirinúria Presença de porfirina na urina, dando a ela coloração vermelha que escurece quando exposta ao ar. porta Hilo de um órgão, por onde penetran1 seus vasos.

portador Indivíduo infectado que, sem den1onstrar sintomas, abriga o agente infeccioso e o transmite para outro indivíduo (portador assintomático). posologia Ramo da ciência médica que estuda, regulamenta e controla a dosagem de n1edicamentos, segundo a idade, o sexo e o estado do paciente. pós-operatório Período que se segue imediata. , . mente ao ato c1rurg1co. pós-prandial Período após a refeição. potassemia Nível elevado de potássio na circulação sangüínea. potássio Elemento metálico de símbolo K. O potássio encontra-se em quase todo o organismo, na proporção de 0,11 a 0,35%. As principais fontes são: Cremor de tártaro; extrato de carne de boi; fermento inglês, tipo tartarato; páprica; levedo de cerveja; pasta de enchova; dan1asco dessecado cru; chá ( tipo Índia, Ceilão etc.); azeitona; melado de cana; farinha de soja (baixo teor graxo); castanha do Pará; melaço espesso; grão de bico. A deficiência de potássio não tem sua origem ligada ao suprimento dietético do mineral, com exceção da que é provocada por desnutrição grave, alcoolismo e anorexia nervosa, processos que interferem na normalidade do apetite. Também pode haver deficiência de potássio em: diarréias profusas; vômitos prolongados; lesões cirúrgicas de tecidos; febres demoradas. SINTOMATOLOGIA Desmaios; arritmia; hipotensão; vômitos; parada cardíaca; íleo paralítico; náuseas; taquicardia; fraqueza muscular. REQUERIMENTOS Lactentes: 0-6 meses: 0,4g/ dia; 7-12 meses: O, 7 g/dia; Crianças: l-3 anos: 3,0 g/dia; 4-8 anos: 3,8 g/dia; Homens e mulheres: 9-13 anos: 4,5 g/dia; acima de 14 anos: 4,7 g/dia; Gestantes: 4,7 g/dia; Lactantes: 5,1 g/dia.

PPRA-g [recptore (nuclear) ativado por proliferador do peroxissomo] Fator de transcrição ativado por ligantes (PPAR-g) que se encontra expresso en1 altos níveis no tecido adiposo, exercendo importante papel na adipogênese. Pron1ove importante papel na sensibilização periférica à insulina através da redução na expressão da resistina e TNF-a e aumento da expressão adiponectina. PPAR-g O fator de transcrição ativado por ligantes (PPAR-g), da fan1ília gan1a, é o único men1bro de uma família de receptores nucleares que se encontra expresso em altos níveis, 199

prandial

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

primidina

p

especificamente no tecido adiposo com importante papel na adipogênese. Apresenta can1bém importante papel na sensibilização periférica à insulina por n1eio de vários mecanismos, a saber: (a) redução na expressão da resistina e T NF-a; (b) aumento da expressão adiponeccina; (c) aumento da atividade da LLP, proteína transportadora de ácidos graxos e acecil CoA sincecase; ( d) redistribuição da gordura muscular e tecido adiposo abdominal para tecido adiposo glúceo -femural. Afeta a transcrição de genes importantes no metabolismo lipídico, na homeoscase da glicose, na sensibilidade à insulina, na obesidade, no diabetes, na forn1ação de células espumosas e na aterogênese. prandial Referente à refeição. pravastatina Reduzem a biossíntese de colesterol. Inibe a produção hepática de VLDL e LDL. Tem efeito de reduzir a progressão de aterosclerose. pré-agônico Período que precede in1ediacamente a morte. prebiótico Grupo de alimentos que não são digeridos pelas enzimas digestivas normais, porém estimulam seletivamente o crescimento e/ ou a atividade de bactérias benéficas no intestino que melhoraram a saúde do hospedeiro. precipitina Anticorpo que, no soro, produz precipitação após a administração de um antígeno solúvel específico. pré-coma Etapa inicial do coma, en1 que a consciência está, em parte, conservada. precursor Aquele que precede; algo que antecede un1a fase posterior ou definitiva. Por exemplo: caroteno, vitamina A; pepsinogênio, . ' . "' . . . pepsina; cnps1nogen10, cnps1na. pré-digestão Digestão parcial do alimento, antes de sua ingestão. prematuro Criança nascida antes do termo; que ocorre antes da época adequada; pré-termo. pré-medicação Terapêutica levada a efeito antes de intervenção cirúrgica e destinada a: acalmar a angústia do enfermo; reduzir secreções e necessidades de 0 2; diminuir reflexos neurovegetativos; preparar a atividade de anestésicos. pré-narcose Ligeira anestesia, preparatória da anestesia geral; pré-medicação. pré-natal Período que precede o parco. prenhez cornual Gestação que se verifica em um dos cornos de útero bicorno. prenhez ectópica Gestação extra-uterina. A prenhez cubária é o exemplo mais comum.

200

prenhez intramural Gestação intersticial. prescrição Instrução por escrito, ordenando, tecnicamente, a preparação e o emprego de substâncias que devem ser misturadas ou adn1iniscradas. prescrição do regime alimentar Essa prescrição é feita por receita diecocerápica, para a qual é necessário conhecer o valor dos alimentos, , . seus componentes qwm1cos, as operaçoes a que devem ser submetidos, para que a sua transformação em refeições adequadas ao estado do paciente e características das enfermidades. Para o êxito de prescrição alimentar, também devem ser conhecidos o diagnóstico da doença, a síndrome predominante e as concomitantes e o estado do aparelho digestivo do indivíduo. pré-sistólico Período que precede imediatamente a contração ventricular do coração. pressão Tensão, peso ou força, 6sicos ou meneais. pressão arterial Força elástica das paredes arteriais sobre o conteúdo sangüíneo. Pressão hidrostática do sangue no interior da luz arterial. pressão arterial retiniana Pressão arterial ofcáln1ica; pressão sangüínea nas artérias da retina. pressão coloidosmótica Pressão oncócica. pressão do pulso Diferença ocorrida entre a pressão sangüínea sistólica e a diascólica. pressão hidrostática Pressão ocorrida em sistema üquido. pressão oncótica Pressão osmótica exercida por colóides e, principalmente, por proteínas. pressão sangüínea Pressão originada pelo sangue, de encontro às paredes dos vasos ou do coração. pressão sangüínea diastólica Pressão míninlia no decorrer da diástole ventricular. pressão sangüínea sistólica Pressão máxima no decorrer da sístole ventricular. pressão venosa Pressão do sangue sobre asparedes venosas. presuntada Vide APREsuNTAoo. presunto 1 Perna ou espádua de porco 2 Produto industrializado sob várias formas: cru, cozido, defumado, com ou sem osso, com ou sen1 capa de gordura. pré-termo Corresponde à criança nascida viva, com menos de 37 semanas con1pletas (36 semanas e 6 dias). primeira infância Criança de mais de um ano até dois anos de idade. primidina Composto cíclico de seis elementos e que apresenta quatro átomos de carbono e dois de nitrogênio, separados por um áton10 de carbono.

-

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

prisão de ventre protamina

prisão de ventre Vide coNsT1PAÇÃo. procinase Enzima proteolítica presente em extratos do pâncreas que está presente também na secreção pancreática. procto Expressão que significa ânus e reto. proctologia Ciência da anatomia, das funções e doenças retais e do ânus. proctologista Médico especialista em enfermidades anorretais. prolibrinolisina Substância que é ativada à fibrinolisina (plasmina), enzima proteolítica que lisa o coágulo. profilaxia Conjunto de normas ou medidas de caráter preventivo, visando impedir a ocorrência de enfermidades. prolilático Agente ou técnica que previne a enfermidade. progesterona Hormônio de fórmula C 21H 300 2, excretado pelo corpo lúteo do ovário, essencial para a nidação do ovo e seu desenvolvimento. progestogênio Forma sintética do hormônio progesterona, capaz de provocar sangramento menstrual. proglote Segmento de tênia. prognóstico Ato pelo qual o médico prevê o desenvolvimento e o desfecho da doença. prolactina H ormônio da adeno-hipófise, con1 atividade sobre a lactação e o corpo lúteo. protaminas São holoprotídios incompletos ouprotídio simples ( classificação de Cantarow e Shoparta). Apresentam alto teor de prolina; como os principais aminoácidos não fazem parte de sua molécula, as prolaminas não tên1 grande valor nutritivo. Encontram-se em vegetais (grãos de cereais). As principais prolaminas são: binina ( malte); gliadina ( trigo e arroz); hordenina (cevada); zeína (milho). pro lapso Queda anorn1al de órgão ou estrutura orgânica (vagina, útero e bexiga), por relaxamento de seus meios de fixação. prolina Aminoácido não essencial, facilmente sintetizado nos organismos animal e vegetal. É precursora do ácido glutân1ico, da hidroxiprolina e da ornitina. É aminoácido glicogenético. pró-oxidantes São pró-oxidantes en1 óleos os seguintes agentes: T EMPERATURA O óleo deve ser conservado em temperatura baixa, para evitar sua oxidação. LUZ Têm grande importância os raios ultravioleta. Ox1GÊNIO A penetração é reduzida, pois só a superfície do óleo é atingida. METAIS Cobre, manganês, ferro e alumínio.

propianatos Sais do ácido propiônico (CH3CH2

COOH ), utilizados como inibidores de bolores, como por exemplo, na superfície do queijo. prostaglandinas Também conhecidas por prostanóides, são substâncias semelhantes a hormônios, produzidas pela ação da enzima ciclooxigenase sobre o carbono 20 dos ácidos graxos poliinsaturados. Embora elas sejam sintetizadas a partir dos ácidos graxos essenciais, seu emprego não melhora os sintomas de deficiência desses ácidos. As prostaglandinas apresentam atividade hormonal e colocam-se entre as substâncias de maior atividade biológica já descobertas. A maior a maior concentração de prostaglandina tem sido encontrada no espern1a do homem normal. De acordo com sua origem (ácido linoléico, ácido araquidônico e ácido eicosapentanóico ou timinodônico ), teremos várias séries de prostaglandinas. A Série 1 (ácido linoléico) reúne as prostaglandinas e tromboxanos. As séries 2 e 3 (ácido araquidônico e eicosapentanóico) con1preendem prostaglandinas, prostaciclinas e tromboxanos. Nutricionaln1ente, as prostaglandinas interessam na coagulação sangüínea. Entretanto devemos observar que a coagulação sangüínea é um processo natural e que o excesso da ingestão de linolênico (W-3), cicosapentaenóico (EPA W-3) e docosa hexaenóico (DHA - w3) não acompanhada da ingestão do Ac. Araquidônico (US-G), Linoléico (W-3). Poderia diminuir a capacidade da coagulação a níveis tão baixos que exporia o individuo a risco de hemorragia (p. ex.: ferimentos). A necessidade diária de W-3 e WG são de aproximadamente 1 a 2% do total de calorias da dieta; o que em uma dieta de 2. 500 kcal corresponde a 1 colher de sopa de óleo vegetal por dia. FONTES grão integrais, vegetais e peixes de água fria e salgada ( sardinha, atum, saln1ão). protamina É um protídio simples (classificação de Cantarow e Shoparta). Proteína de grande conteúdo de aminoácidos básicos, predominando a arginina. Constitui o n1ais simples grupo dos protídios. Geralmente, as protaminas encontram-se combinadas com o ácido nucleínico, nas cabeças dos espermatozóides de peixe, em tecidos embrionários vegetais, esporos de licopódio, pólen de paln1eira etc. As principais protaminas são: ciprinina (carpa); cupleína (arenque); escombrina (cavala);

201

protam inase

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

proteína

p

esturina ( esturj ão); salmina (salmão); to nina (atum). A combinação insulina-protamina é utilizada na terapêutica do diabetes. protaminase Enzin1a proceolítica do pâncreas, que destaca a arginina das protaminas. protamina zinco insulina Insulina acrescida de cloreto de zinco e protamina, com a finalidade de obter duração de seu efeito. proteans Proteínas levemente alteradas. Representam um estágio precoce da desnaturação. protease Enzima similar à tripsina, que digere proteínas. É secretada por leucócitos mielóides. proteína Nutriente de grande importância biológica. Substância con1posta de carbono, oxigênio, nitrogênio e, às vezes, outros elementos, tais como o enxofre, hidrogênio, fósforo, ferro, sódio, cobre e zinco. Presente em diferentes combinações, em organismos animais e vegetais. Exerce atividades orgânicas vitais e tem mesma função de reparação e manutenção de tecidos (função plástica). As proteínas são constituídas de unidades menos complexas os aminoácidos -, que, segundo sua presença qualitativa e quantitativa nas proteínas, dão a elas o seu valor biológico e as características imprescindíveis à normalidade da matéria viva. ABSORÇÃO Essa absorção ocorre sob a forma de aminoácidos, por via intestinal. O processo desenvolve-se nas bordas em escova das células epiteliais intestinais, por meio do sistema ativo de carreadores. O transporte de aminoácidos só é possível na presença simultânea do transporte de sódio. O carreador promove a ligação do íon sódio e da molécula do aminoácido: levando para o interior da célula o aminoácido que, conforme sua concentração celular, será levado ao sangue e finalmente ao sistema portal. Pode verificar-se con1petição entre aminoácidos para o mesmo carreador; dessa forma, há alguns aminoácidos que inibem a absorção de outros, como é o caso do triprofano, que inibe a absorção da histidina; a leucina inibe o triprofano, provocando, às vezes, enfermidades, pela restrição de aminoácidos. O fornecimento de aminoácidos sob a forma de pequenos peptídios pode impedir essas doenças,já que a absorção de aminoácidos como di e tripeptídios é mais rápida do que os aminoácidos livres e se faz por sistemas separados de transporte. Pode acontecer que pequenas quantidades de proteínas intactas sejam absorvidas, e sua . presença no sangue acarretara resposta 1mu-

.

202

nológica, provocando futuramente casos de alergia (asma, manifestações cutâneas) quando de nova ingestão daquela proteína. CAUSAS DE DEFICIÊNCIA Por consumo inadequado ingestão deficiente na dieta comum; ingestão insuficiente nos estados biológicos especiais: crescimento, gestação e lactação. Por perdas excessivas - hemorragia; queimadura; nefrite; eliminação brusca de derrames. Por má absorção - diarréia; perturbações gastrointestinais. Por destruição - queimadura; elevação do metabolismo basal; febre; cirurgia. ExcREÇÃO Os aminoácidos, após sua absorção, são levados, em sua maioria, para o fígado, pela veia porta. Parte deles fica retida naquele órgão, para suas funções específicas, e o restante vai para a circulação, para exercer suas funções no organismo. Os aminoácidos devem ser metabolizados e esse processo de n1etabolismo inclui duas vias: o anabolismo e o catabolismo. Pelo primeiro, vai haver síntese de proteínas e pelo segundo, os an1inoácidos vão se degradar e produzir resíduos que deverão ser excretados. Os aminoácidos são metabolizados pelos processos de desaminação, transaminação e descarboxilação, nos quais se processam inúmeras reações com desdobran1ento de aminoácidos, síntese de novos e formação de outros corpos diferentes de aminoácidos. A excreção dos resíduos protídicos do organismo é feita, em sua n1aioria, pela uréia; sintetizada no fígado, por ação de várias enzimas e eliminada pela urina. A amônia resultante da desaminação, principalmente do ácido glutâmico, pode ser excretada como cal, mas geralmente é eliminada por n1eio da uréia. Há uma porcentagen1 pequena que é excretada sob a forma de nitrogênio. Um homem de atividade moderada, con1 un1a dieta composta de 300g de glicídios, 100g de lipídios e 1 0üg de protídios deve excretar, mais ou n1enos, 16,5g de nitrogênio por dia, sendo que, desse total, 90 a 95% são eliminados na forma de uréia, pelos rins, e 5% como nitrogênio, pelas fezes. A creatina sintetizada no fígado é eliminada pela urina, sob a forma de creatinina. O ácido úrico, resultante de vários desdobramentos dos ácidos nucléicos, pode ser excretado pela urina. FUNÇÕES As proteínas estão presentes no mecanismo de formação, crescimento e reposição tecidual. Desempenham função energética (58% ). Participam da regulação da pressão coloidosmótica entre

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

proteína Agouti (AGRP, Agouti Re!ated Protein) proteínas - perdas excessivas

as células e o líquido intracelular, e entre este e o líquido plasmático. Colaboram na produção de enzimas anticorpos, hormônios e secreções. São agentes transportadores de Ca sangüíneo não difusível; oxigênio no sangue ( oxiemoglobina); lipídios, glicídios e vitaminas; anticorpos. Intervêm na contração muscular (alfa-actinomiosina). Atuam na coagulação sangüínea. PRINCIPAIS FONTES Entre as melhores fontes de proteínas, destacam-se: de origem animal: carnes, fígado de boi, língua, miúdos, ricota, ovo, miolos, leite e derivados; de origem vegetal: lentilha, feijão, soja, castanha de caju, castanha do Pará, nozes, an1endoim. REQUERIMENTOS Determinados em gran1as (g). Lactentes: até 5 n1eses: kg de peso x 2,2; de 6 a 11 meses: kg de peso x 2,0. Crianças: de 1 a 3 anos: 23 g; de 4 a 6 anos: 30; de 7 a 10: 34. Homens: de 11 a 14 anos: 45; de 15 a 18 anos: 56; de 23 a 50 anos: 56; 51 + : 56. Mulh eres: de 11 a 14 anos: 46; de 15 a 18 anos: 46; de 19 a 22 anos: 44; de 23 a 50 anos: 44; 5+: 44. Gestantes: os mesmos requerimentos da mulher normal + 30g. Nutrizes: os mesmos requerimentos da mulher normal + 20 g.

proteína Agouti (AGRP, Agouti Related Protein) Proteína orexigênica potente e de ação prolongada cuja ação é inibir a ligação da a-melanocortina (MSH) com seus receptores do tipo 4 (MC4R, melanocortin receptor 4) gerando hiperfagia. Especula-se que o gene desta p roteína desempenhe importante papel na etiologia da obesidade. proteína concentrada Vide SOJA (proteína concentrada). proteína de soja Vide SOJA (proteína). proteína hidrolisada vegetal Produto proveniente de fontes protídicas vegetais (amendoim, milho, soja, trigo) isoladas ou combinadas, por hidrólise, total ou parcial, com ácido clorídrico e subseqüente neutralização com hidróxido de sódio ou carbonato de sódio. Empregada como ingrediente de alimentos, com o objetivo de conferir-lhes sabor, é constituído de aminoácidos indispensáveis ao indivíduo, en1 suas exigências nutritivas normais e de exceção (momentos biológicos, gastos energéticos excessivos, carência protídica, enfermidades consuntivas, queimaduras, hemorragias etc.). proteína referência Idéia de proteína perfeita, empregada no regime, com 100% de rendimen-

to biológico. Como proteínas referência são consideradas a do leite humano e a do ovo. proteínas animais e vegetais 1 Proteínas animais nos tecidos: exercem funções de sustentação, de proteção e de contração: no tecido conjuntivo - colágeno e elastina; no músculo - miosina; no plasma - fibrinogênio; no cabelo e nos pêlos - queratina. Desempenham funções nos fluidos extracelulares: proteína do leite - caseína; proteína do plasma sangüíneo e da clara - albumina; proteína do plasma sangüíneo - globulina 2 Proteínas vegetais Gluteninas: no trigo - glutenina; na cevada hordeína; no arroz - orizenina. Prolaminas: no trigo e no arroz - gliadina; no milho - zeína. Glúten: no grão e na farinha de trigo - mistura de gliadina e gluteína; no centeio - menor quantidade de glúten do que no trigo. proteínas (avaliação de qualidade) Os principais métodos para a avaliação nutricional das proteínas são: M étodos in vitro: escore; digestibilidade. Métodos in vivo: métodos com base na variação do peso corporal: PER - relação da eficiência protídica; NPR - relação protídica líquida; RPV - valor protídico relativo. Métodos com base na retenção nitrogenada: balanço nitrogenado; VG - valor biológico; NPU - utilização protídica líquida; NdpCal - calorias de origem protídica utilizáveis. Método microbiológico: desenvolvido por microorganisn1os, principalmente dos Tetrahymana pyriformis, Streptococcus faecalis e Leuconostoc mesenteroides. proteínas conjugadas Proteínas que, em sua molécula, contêm grupo prostético não protéico (p. ex.: glicoproteínas; nucleoproteínas; lipoproteínas; fosfoproteínas; cromoproteínas). proteinase Enzima pertencente às proteases, proteolíticas, de ação sobre proteínas nativas, na fase primária de sua transformação em substâncias mais simples. proteínas (perdas excessivas) Ocorridas quando o organismo necessita de grandes reposições de substâncias protídicas, devido às excessivas destruições de tecidos. São os casos de grandes cirurgias, traumatismos, lesões extensas, queimaduras de grandes proporções, hen1orragias etc. Além desses casos, a simples condição de pern1anência no leito de três a quatro semanas acarreta um gasto de proteínas avaliado em 300 g. As cirurgias podem acarretar perdas exageradas; na fratura do fêmur,

203

proteínas plasmáticas

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

pró-vitaminas

p

calculam-se perdas de 800 a 1.000 g; nas grandes queimaduras, de 600 a 800 g. As perdas são devidas não somente às próprias lesões, con10 ao aun1ento de catabolisn10 protéico que ocorre nessas ocasiões e que se julga ser comandado por ação hormonal. A recuperação dos tecidos exige uma grande n1inistração de proteínas, por vias de rápida absorção (nutrição parenteral e encerai feita con1 aminoácidos), e, posteriormente, pelas vias normais, com alimentos ricos em proteínas, de fácil absorção e alto valor biológico: leite e derivados (queijos, coalhadas); ovos; carnes. proteínas plasmáticas Presentes em solução no plasma sangüíneo: fibrinogênio, albumina e globulinas. proteína Z Chamada proteína ligadora de ácidos graxos. Protein Efficiency Raüo (PER) Coeficiente de eficiência de proteína, pelo aumento do peso corporal por gran1a de proteína consumida. Índice de qualidade de proteína, quando avaliado por meios precisos: a ingestão calórica deve ser suficiente e a proteína consumida em quotas adequadas, durante o período de prova. proteinúria Ocorrência na urina de proteínas originadas do soro sangüíneo, de vias excretoras urinárias e de tecidos. proteoclase Decomposição de proteínas. proteoglicanos Também chamados glicosaminoglicanos, constituem um grupo de substâncias relacionadas entre si e bastante específicas. Outra denominação desse grupo é a de mucopolissacarídios, que engloba o condoitrin-4sulfatos, da cartilagem; os queratossulfatos da córnea e do esqueleto o dermatansulfato, das células de superfície e o heparansulfato, da heparina. proteólise Fragmentação de proteínas em corpos mais simples. A proteólise pode ocorrer por catalisação enzimática, ou por ação de ácidos minerais ou de bases ou calor. proteolítico Elemento que fragmenta a molécula protídica. proteoses Produtos solúveis em água, resultantes da prin1eira degradação parcial de proteínas. Proteus Gênero bacteriano, da família Enterobacteriaceae; suas espécies são móveis, aeróbicas, Gram-negativas e apresentam pleomorfismo. Essas bactérias provêm de matérias em putrefação e fecais; provocam odor nauseabundo em alimentos como pescado, carnes e ovos.

204

Produzem a partir da glicose, ácidos, gases, ate. Espécie: P. vulgaris. protídios - classificação Entre as várias classificações de protídios, a mais difundida é a de Cantarow e Schoparta. PROTÍDIOS SIMPLES Albuminas, globulinas, glutelinas, prolaminas, escleroprotídios, histonas, protan1inas. PRoTÍDIOS CONJUGADOS Nucleoprotídios, fosfoprotídios, porfirinoprotídios (hemoprotídios, clorofiloprotídios), glicoprotídios, lipoprotídios, fl.avoprotídios, mecaloprotídios diversos. PROTÍDIOS DERIVADOS Produtos de desdobramento de protídios conjugados (protaminas, histonas), protídios desnaturados, produtos de hidrólise (proteoses, peptonas, peptídios e aminoácidos). próton Partícula subatôn1ica carregada positivamente, situada nos núcleos dos átomos. O número de prótons nos núcleos é indicativo do número atômico do elen1ento. O ionte hidrogênio (H6) é um próton. protoplasma Substância viva, encontrada no interior de células animais e vegetais, livre ou envolta em membrana, da qual dependem funções vitais. Compõe-se de lipídios, proteínas, carboidratos e sais inorgânicos. protoporlirina Porfirina combinada com ferro e globina, formando hemoglobina. protozoários Animais unicelulares que abrangem rizopodos, flagelados, esporozoários e infusórios; admite-se, também, que espiroquecas pertencem a esse grupo. protrombina Proteína existente no plasma, que, sob a ação da protrombinase, e em presença de ionte cálcio, transforma-se em trombina; esta, combinada com o fibrinogênio, forma a fibrina. protrombinase Tromboplastina ativada por sua associação com a proconvertina, depois com a acelerina, o que torna possível a conversão da protrombina em trombina, em alguns segundos. protrombinemia Quantidade excessiva de protrombina no plasma sangüíneo. prova da D-xilose Possibilita verificar a absorção intestinal glicídica. prova de tolerância à glicose Método para avaliar a capacidade orgânica para empregar a glicose; o indivíduo ingere grande quantidade de açúcar, medindo-se, depois, periodicamente, as n1udanças na concentração da glicose sangüínea. pró-vitaminas Substâncias que, por si mesmas, não possuem qualquer ação e que, ao transforn1ar-se em vitaminas, passam a ter importantes funções.

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

P/S

pyy

P/S Indica a relação entre as quantidades de ácidos graxos poliinsaturados e saturados contidos em uma dieta. Exprime o grau de insaturação das gorduras empregadas na dieta, que é obtido pelo uso de gorduras ou óleos vegetais ( elementos ricos em ácidos graxos poliinsaturados ). As gorduras animais são ricas em ácidos graxos saturados. Normalmente, as dietas devem conter un1 P IS, ou seja, um quociente obtido da quantidade de ácidos graxos poliinsaturados, dividido pelo total dos ácidos graxos saturados, igual a 0,24 a 0,32. pseudoglobulina Globulina hidrossolúvel que não se precipita em soluções salinas através de diálise contra água destilada. psicanálise Investigação psicológica que objetiva detectar a existência de len1branças, desejos e imagens cuja presença subconsciente origina distúrbios psíquicos ou físicos. Método de Freud, utilizado no tratamento de neuroses. psicopatia Enfermidade mental, perda do juízo, insanidade. psicossomático Expressa a relação entre a n1ente e o corpo. Termo usado para caracterizar as perturbações fisiológicas provocadas parcial ou totalmente por causas psicológicas. psicotrópico Denominação sobre o que atua sobre a atividade n1ental (p. ex.: drogas). psyl/ium Preparação de mucilagem vegetal. É usado com a finalidade de aumentar o volume do conteúdo intestinal. ptialina Enzima diastática, presente na saliva, que hidrolisa o an1ido em dextrina, maltose e glicose e a sacarose em glicose e frutose. ptomaínas Bases nitrogenadas, algumas tóxicas, formadas por bactérias putrefativas sobre proteínas. São, geralmente, aminas tóxicas, resultantes da perda de dióxido de carbono, dos aminoácidos que sofreram ação de bactérias intestinais. Citam-se a tiramina que provém da tirosina; a putrescina, da ornitina; a cadaverina, da lisina; entre outras. puericultura Conjunto de providências destinadas a possibilitar o desenvolvimento fisiológico de crianças sadias, antes e depois de seu nascimento, para que não se enfern1em. A puericultura divide-se em: pré-concepcional ou anteconcepcional; pré-natal, pós-concep-

cional, feticultura ou intra-uterina; pós-natal ou infanticultura. puerperal Relacionado com o período pós-parto. pulso Pulsação de artéria superficial, con1primida pelo dedo, que corresponde ao sangue ejetado, ou a cada contração cardíaca. pulso venoso Batimento percebido no nível dos troncos venosos volumosos. punção Referente à abertura estreita en1 órgão ou no abdome (ascite) visando à saída de líquido normal ou patológico. purgativo (ou purgante) Agente que promove a aceleração do trânsito intestinal, provocando a evacuação das fezes. purinas As purinas, bastante disseminadas na natureza, principalmente nos ácidos nucléicos, são estruturas que contêm nitrogênio; são constituintes essenciais do DNA e do RNA. Essas substâncias incluem a adenina, a guanina, a hipoxantina e a xantina. As purinas derivan1 do ácido ribonucléico, originado da degradação tecidual e dos nucleotídios, de alimentos ricos em núcleos celulares (p. ex.: fígado, rins, pâncreas e levedura etc.). As purinas, em seres humanos, são excretadas por via renal, sob a forma de ácido úrico (0,14 g/ dia). Nas litíases renais (ácido úrico e uratos), os alimentos contendo maior teor purínico sofren1 restrições dietoterápicas ( carnes de animais novos, pela elevada presença de ácidos nucléicos). As purinas são responsáveis pelo sabor característico da carne. púrpura Hemorragia cutânea, por lesão elementar da pele. Pode ser de causa alérgica, anginoneurótica ou desconhecida. púrpura visual (ou rodopsina) Pigmento fotossensível que se encontra nos bastões da retina. pus Exsudato líquido, viscoso, patológico, que contém, em suspensão, glóbulos de pus (leucócitos polinucleares), células provenientes de outros tecidos, leucócitos de outras variedades e microrganismos. Apresenta coloração an1arelo-pálida ou verde-amarelada, segundo os tipos de infecção. putrefação Deterioração de origem protéica (p. ex.: diarréia putrefativa). PYY Hormônio secretado pelo intestino após a refeição e que produz sensação de saciedade.

205

quarentena Termo de uso antigo, para indicar segregação do indivíduo ou animal suspeito de ser portador de enfermidade contagiosa. Esse período tem, hoje, sua duração reduzida. queijo Produto fresco ou maturado, obtido pela precipitação do coágulo do leite, pela renina ou pelos ácidos orgânicos, adicionado ou não de outras substâncias alimentícias, especiarias ou condimentos e corantes permitidos. A variedade dos queijos decorre de seus diferentes processos de elaboração, consistência, conteúdo graxo, forma, tradição de fabricação etc. queijo fatiado Queijo comercializado cortado em fatias finas. queijo ralado Produto reduzido a pó, mais ou menos fino, por desintegração mecânica de queijos de massa dura. queilite Inflamação nos lábios. queilodierese Lábio leporino. queilose Lesões encontradas na polpa dos lábios e fissuras no ângulo da boca, características da deficiência de riboflavina ou vitan1ina B2. queimadura Destruição de tecidos, a partir da pele ou mucosa, por ação de calor, de cáusticos, de eletricidade e outros; conforme a intensidade das lesões, a queimadura será de primeiro, segundo ou terceiro grau. CARACTERÍSTICAS Primeiro grau ou eritema, as lesões caracterizam-se pela coloração avermelhada da pele como, por exemplo, na queimadura de sol (eritema solar); segundo grau ou flictena,

as lesões são mais profi.1ndas e mais intensas, há tumefação e presença de vesículas contendo líquido claro que procede da exsudação da derme; terceiro grau ou escara, os tecidos encontram-se carbonizados, o tecido mortificado ou necrosado pela queimadura apresenta-se como uma crosta negra. Dupuytren divide as queimaduras em seis grupos segundo a sua profundidade, acrescenta os três grupos citados mais: quarto grau, a queimadura chega ao tecido celular subcutâneo; quinto grau, a queimadura lesa os músculos; sexto grau, a queimadura atinge os ossos. A queimadura não depende somente do grau e sim, de sua extensão. A queimadura extensa é sen1pre mais grave que aquela localizada e profunda. Uma queimadura de primeiro grau que cobre ½ do corpo de adulto e ½ do corpo da criança é de prognóstico grave. O óbito pode ocorrer não en1 conseqüência da própria queimadura, mas em razão das complicações. queimadura de primeiro grau Lesão caracterizada pela presença de dor e vermelhidão da pele. queimadura de segundo grau Quein1adura em que ocorre formação por edema e destruição tecidual. queimadura de terceiro grau Tipo n1ais grave de queimadura, com destruição da pele e formação de lesões teciduais profundas. As complicações gerais das queimaduras são: choque, imediato choque neurogênico, tardio, por

queimaduras - mecanismo de produção

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

quimosina

Q

perda de plasma de natureza tóxica por infecção, infecção de outras origens, processos tromboembólicos, cicatrizes viciosas. queimaduras (mecanismos de produção) As queimaduras ocorrem por meio dos seguintes mecanismos: irradiação e mecanismos de produção por contato com corpos aquecidos, tais como sólidos aquecidos e incandescentes, gases ou líquidos. queladores Substâncias formadoras de complexos com determinados metais, tornando-os incapazes de cun1prir seus efeitos habituais. Competem com enzimas e proteínas dos tecidos, na con1binação com certos metais. São agentes terapêuticos no tratamento de intoxicações agudas e crônicas. quelante Agente que forn1a complexos solúveis com metais polivalentes, como por exemplo, o cálcio, o ferro e o cobre. O quelance contém (apreende) os ionces metálicos de tal modo que se torna quimican1ente inerte; o agente quelante forma com o metal, de que o organismo quer livrar-se, um composto solúvel, não ionizado, não nocivo, estável e de fácil excreção renal. O quelante EDTA (derivado do ácido ecilenodiamino-tetra-acético) tem sido empregado em certas intoxicações por chumbo, cromo, mercúrio ou cobalto, em estados de hemossiderose, de hipercalcemia etc. querasina Cerebroside do encéfalo, constituído de esfingosina, galactose e ácido graxo. queratinas Proteínas protetoras de tecidos; encontradas na pele, unhas, chifre, casco; são componentes do tecido cartilaginoso (p. ex.: colágeno, elastina, queratina propriamente dita). Apresentam pouca importância sob o ponto de vista alimentar. Cozidas em água, produzem gelatina. queratomalacia Doença progressiva do olho por deficiência de vitamina A, que se caracteriza por xerose ou sequidão da córnea e posterior ulceração com infiltração, amolecimento e perfuração, con1 inevitável cegueira. queratose Doença da pele em que há excessivo crescimento de epitélio cornificado. Ocorre em carência de vican1ina A. Em casos graves, há produção de hiperqueratose folicular. quercetina Flavona encontrada na castanha da Índia, em chás, lúpulos e na casca da cebola. O derivado dissacarídio rutina contém ramnose e glicose.

208

quiabo Fruto do Hibiscus aesculentus originária da África, planta da fan1ília das Malváceas. Usada como alimento, principalmente contra constipação devido sua riqueza de mucina vegetal. quilectasia Dilatação do vaso quilífero. quilemia Substância do quilo presente no sangue. quilíferos Vasos linfáticos intestinais que transportam o quilo ao canal torácico. quiliforme Referente a líquido leitoso e inodoro, parecido com o quilo e que constitui determinados derrames. quilo Líquido lactescente resultante da digestão de alimentos, que vai ao sangue por meio dos quilíferos. quilocaloria Vide cALoR1A. quilomíc rons Partículas lipídicas extren1an1ente pequenas que aparecem no sangue após a ingestão de gorduras constituídas de triglicérides. quilopoiese Produção do quilo. quilo rré ia Diarréia aquosa. quilose Transformação do alin1ento em quilo. Vide ARRIBOFLAVINOSE. quiloso Que é formado de quilo ou que cen1 o seu aspecto. quilotórax Derrame de quilo na pleura, por ruptura do canal torácico. quilúria Quilo ou linfa presente na urina (Filanose). quimase Enzima catalisadora da transferência de fosfato de adenosina trifosfato para um aceptor. quimificação Consiste na ação do suco gástrico formado pelas glândulas gástricas sobre os alimentos (formação do quimo). quimioterapia Terapêutica por meio de agentes químicos que atuam especificamente sobre cercos microorganismos, sem afetar os tecidos. quimismo estomacal Referente ao estado do suco gástrico em relação à sua composição químtca. quimo Massa alimentar gástrica, líquida e viscosa, parcialmente digerida antes de sua evacuação para o duodeno. quimodenina Êntero-hormônio formado nas n1ucosas duodenal e jejuno-íleo e que, con10 a secretina e a CCK- P 2, atua sobre suas células efetoras. Sua liberação ocorre por ação de gordura no intestino. É importante estimulador da secreção de quimotripsinogênio. quimosina Designação alternativa para renina ou labfermento.

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

quimotripsina quociente respiratório

quimotripsina Arua con10 pepsina. Tem atividade sobre polipeptídios, transformando-os em polipeptídios de cadeias menores. quinase mevalônica Enzima que contém manganês e participa da síntese do colesterol a partir da acetilcoenzima A. quinase (ou cinase) Enzima catalisadora da formação de outra enzima, a partir de seu precursor. quininismo Intoxicação por quinino. quiotomia Secção da úvula.

quiroespasmo Cãibras na mão. quiropodalgia Dor nos pés e nas mãos. quitina Porção orgânica dura de crustáceos, insetos e também presente en1 pequenas quantidades no cogumelo. quociente Relação entre dois valores numéricos. quociente respiratório Exprime a relação entre a quantidade de dióxido de carbono eliminado pelas células ou tecidos que respiram e o volume de oxigênio consumido no mesmo espaço de ten1po.

Q

209

rabanete Raiz do gênero Raphanus, utilizada

ROi Sigla de recomendação de nutrientes na die-

como alimento. raça Grupo de indivíduos ( ascendentes e descendentes), de uma família ou de um povo, marcados por características hereditárias, de ordem biológica e psicológica. ração Porção fixa de alimento prescrita, por dia, ao indivíduo ou animal. rânula Cisco encontrado sob a língua, forn1ado pela obstrução de glândula ou mucosa. raquitígeno Agente que determina ou favorece o raquitismo. raquitismo Resulca de transtorno do metabolismo fosfocálcico devido à carência de vitamina D, às vezes ligada à insuficiência de exposição solar. É enfermidade que geralmente ocorre no período de crescimento e que se caracteriza por deformações esqueléticas, tumefação epifisária, inflexão das diáfises, modificações cranianas e do tórax; cais alterações são acompanhadas de anemia e de transtornos gastrointestinais. raquitismo resistente Resistente à vitamina D. raquitogênico Que produz raquitismo. rarefação Adelgaçamento do tecido ósseo, suficiente para causar redução da densidade do osso mediante raios X. Diminuição da densidade o do peso. ratafia Essência aromatizante feita de amêndoas an1argas. ROA Quantidade admitida de nutrientes na dieta ou regime diário.

ta diária. ROW Índice obtido quando, após a contagem, as hemácias são agrupadas por tamanho e distribuídas em uma curva, que fornece um índice de dispersão da anisocitose, denominado tambén1 de coeficiente de distribuição do volume dos glóbulos ou, em inglês, red cell distribution width. Este índice se constitui nun1 parâmetro importante para avaliar o grau de variação do "tamanho" do eritrócito. Assim, valores de RDW na faixa da normalidade, indicam uma homogeneidade do "tamanho" das hemácias, e valores elevados sinalizam eritrócitos heterogêneos quanto ao seu "tamanho". reabsorção Desaparecimento parcial ou total de um órgão, de processo, de tecido ou produto patológico líquido, sólido ou gasoso, por meio de reações bioquímicas e que, paulatinamente, são retomados pela circulação sangüínea linfática. reação Resposta conseqüente a um estímulo, movin1ento ou solicitação. reação alérgica Reação ocasionada por alérgeno, após a instalação de quadro alérgico. realização do regime Parte final do regime alimentar, realizada pelo nutricionista, a quem cabe pôr em prática as indicações da receita médica ou dietoterápica prescrita pelo médico. A realização do regime compreende as seguintes etapas: escolha dos alimentos; organização da lista diária de alimentos; indicação das

reativação

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

refluxo

R

formas de preparação; serviço e distribuição diária das refeições. reativação Ação que favorece a volta de fenômenos desaparecidos. recaida Volta da doença, na fase de convalescença. recalcificação 1 Restauração do material calcáreo na matriz do osso 2 Emprego de solução cálcica no sangue ou plasma descalcificados. receita Prescrição facultativa, nota escrita dessa prescrição. Nota que abrange aquilo que deve compor uma coisa e a maneira de fazê-la. recém-nascido Designação de criança com poucos dias de vida, com idade entre o nascin1ento e 28 dias de vida, desde o nascimento até a queda do cordão umbilical. recém-nascido a termo Nascido depois de 37 semanas completas de gravidez, até 42 semanas incompletas. recém-nascido de baixo peso Nascido com peso abaixo de dois quilos e meio. recém-nascido de peso completo Nascido com peso de dois quilos e meio ou mais. recém-nascido pós-termo Nascido com duração de gravidez além de 42 semanas completas. recém-nascido prematuro Nascido com duração de gestação abaixo de 37 semanas completas. receptor 1 Estrutura especial das terminações de nervos sensitivos na pele, nos tecidos profundos, vísceras e órgãos especiais do sentido, que, excitada por estímulos adequados, responde gerando impulsos nervosos 2 Pela teoria de Ehrlich da imunologia, são cadeias laterais da célula que se interagem com outras substâncias estranhas, podendo assim serem de três ordens. receptor de primeira ordem Liga-se às toxinas ou a moléculas de alimentos pela presença do grupo heptóforo, não oferecendo entretanto a fern1entação para a digestão do alimento. receptor de segunda ordem Composto pelos grupos haptóforo e zimóforo, responsáveis respectivamente pela captação de substâncias estranhas e pela sua digestão. receptor de terceira ordem Combinação dos grupos haptóforo e complementóforo, sendo o primeiro responsável pela captação de substâncias estranhas e o segundo, o responsável pela digestão, esta opcional (princípio zimotóxico) ao ser requisitada pelo grupo complementóforo. Desta maneira, ele se diferencia do dos receptores de segunda ordem.

212

receptor de transferrina Receptor celular para transferrina que se solubliza no plasma podendo ser usado cmo indicador de deficiência funcional de ferro. receptor universal Indivíduo pertencente ao grupo sangüíneo AB, que pode receber sangue de todos os doadores, (no sistema ABO). por não conter aglutinina (seu soro não aglutina qualquer hemácia; essa é a razão por que pode receber sangue de qualquer grupo sangüíneo) devendo apenas ser o sangue do mesmo grupo Rh que seu doador. recidiva Volta da doença em indivíduo que já há adquirira algum tempo atrás. redução Ato de recolocar um osso ou órgão em seu correto lugar (osso luxado ou fraturado, rim flutuante, hérnia). refeição Ato de refazer, restaurar as forças. refeição de bário À base de sulfato de bário, que, por sua opacidade aos raios X, possibilita o diagnóstico anatomofisiopatológico do trato gastrointestinal. refeição de prova Preparo alimentar específico para se avaliar a função do estômago. refeição de prova de Rehfuss Refeição elaborada com torradas e chá, feitas para avaliar a composição do suco gástrico. O exame é feito com uma sonda gástrica, a qual colhe material gástrico de maneira freqüente para estudo. reflexo Reação secretora ou motora provocada pelo sistema nervoso, após o estímulo de terminações nervosas sens1nvas. reflexo da deglutição Conjunto de reflexos presentes no mecanismo da deglutição, desencadeados por estímulos do palato ou da faringe. reflexo da tosse Ação de defesa provocada por irritação da mucosa da laringe, da traquéia ou dos brônquios. reflexo gastrocólico Movimento peristáltico do cólon, estimulado pela chegada de alimento no estômago. reflexo gastroilíaco Afrouxamento fisiológico da válvula ileocecal, conseqüente à penetração do alimento no estômago. reflexo gastro-salivar Produzido pela chegada do alimento ao estômago. reflexo retal Mecanismo de contração peristáltica da musculatura retal e relaxan1ento dos esfíncteres anais, com o objetivo de expulsar as fezes retidas no reto. refluxo Fluxo de retorno.

refratômetro

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

regime excessivo

reiratômetro Instrumento ótico destinado a ava-

regime aprotídico Sem proteína. É aquele uti-

liar a refração ocular; o índice refrativo de uma substância (refratômecro de Abbé e de imersão). refrigerante Produto elaborado à base de sucos, extrato e substâncias artificiais com diversos sabores, non1es de fantasias, não alcoólico, envasados em garrafas de vidro, plástico e em lacas com dispositivos especiais de fechamento. refrigerante diet Bebida artificial com edulcorance, não alcoólico, dietético. refrigerante light Bebida artificial, com edulcorantes, não alcoólico, em que os componentes como gordura e açúcares são reduzidos a níveis mais baixos. região Diz-se de uma parte do corpo definida com linütes naturais ou arbitrários. região da sela Região que abrange parte das nádegas, envolvendo o ânus e o períneo região hipocôndrica Parte esquerda ou direita, lácero-superior do abdome, logo abaixo das falsas costelas. região inguinal Correspondente à depressão esquerda ou direita entre o abdon1e e a coxa. A zona inguinal esquerda abrange a superfície do abdome relacionada com a flexão sigmóide do cólon, o ureter e os vasos espern1áticos esquerdos. A região inguinal direita compreende a superfície abdon1inal referente ao ceco e o processo vermiforme, ao ureter e vasos espermáticos direitos. região olfativa Situada acima e sobre os cornetos superiores e o septo nasal adjacente; nessa região encontran1-se o epitélio e as glândulas olfativas na mucosa. região oral Região facial que abrange abrande doa lábios à boca. regime Vide DIETA. regime alimentar É aquele que possibilita fazer chegar ao organismo o material plástico, energético e regulador necessário à nutrição do indivíduo, para que ele mantenha íntegras suas funções de crescimento, desenvolvimento e manutenção. regime alimentar normal É aquele que, cumprindo as quatro leis de alimentação, permite ao indivíduo perpetuar por várias gerações os seus caracteres biológicos e os de sua espécie. Tem por finalidade planejar e disciplinar a função e a ação dos alimentos ingeridos, digeridos e metabolizados pelo indivíduo sadio. A prescrição é realizada pela receita dietética (fórmula sintética ou prescrição dietética).

lizado excepcionalmente e por curtos períodos como nas insuficiências agudas renais ou hepáticas. regime brando Vide DIETA BRANDA. regime brando intestinal Vide DIETA BRANDA INTESTINAL.

regime brando gástrico Vide

DIETA BRANDA

GÁSTRICA.

regime carente Regime em que há falta ouredução considerável de um ou n1ais nutrientes (proteína, ferro, vitamina) e que pode levar o indivíduo a estado carencial. regime carente e insuficiente É aquele que produz balanços energético e plástico negativos. regime com máxima excitação intestinal Os alimentos indicados são de alto valor excitante: alimentos contendo lactose; alto teor de celulose com muito pouca modificação; ácidos orgânicos (frutas cruas); óleo.

regime de forte excitação sobre o estômago Destinado a pacientes portadores de aquilia funcional de hipossecreção gástrica. Características do regime: aromático; hipograxo; purínico; salgado, sápido, hipoprotéico. Os alimentos utilizados deverão ser os de ação excitante da secreção gástrica; essa estimulação provoca maior produção de gastrina. Alimentos empregados: sucos, extratos e caldos de carne e de vegetais; infusões de café, mace e de chá; produtos de tostação (carne e pão) e purínicos; sucos de frutas; bebidas alcoólicas condimentadas e de elevado saboroma.

regime de fraca excitação sobre o estômago Prescrito para indivíduos com síndromes de hipersecreção. Características: apurínico; com pouco sal; pouco volume e líquido; sem aromáticos; sem condimentos. regime desarmônico É o que não cumpre a "lei de harmonia': isto é, não respeita a relação de proporções de nutrientes entre si (p. ex.: distrofia farinácea na criança, por ingestão excessiva de glicídios, como farinhas). regime dietoterápico É aquele prescrito que se afasta de uma ou mais das leis da alimentação. Caracterizado por constituir, conjuntamente com medicamentos, eficiente recurso para o tratamento específico das doenças da nutrição e tramento coacljuvante das enfermidades de outras etiologias. Vide DIETA PARA ENFERMOS. regime excessivo É o que provoca enfern1idade por acúmulo de gordura ( obesidade).

213

R

regime excitante do apetite

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

regime não excitante intestinal

regime excitante do apetite Tem por finalidade

R

despertar o apetite e impedir o aparecimento de sensação de saciedade. Os alimentos indicados são aqueles dotados de intenso saboroma, para excitar, ao máximo, os sentidos do gosto e do olfato. As preparações deverão ser condimentadas, para que agucem o apetite, e apresentar características de atração suficientes para estimular o interesse do paciente. Deverão ser ainda variadas, para evitar a monotonia. regime excitante gástrico Segundo a ação excitante de alimentos e preparações sobre o estômago, podem ser prescritos dois tipos de regime, diferenciados pelo seu grau de estimulação: regime muito e pouco excitante. REGIME MUITO EXCITANTE Indicado nos estados de hipossecreção gástrica e de aquilia funcional. A ação estimulante ocorre por maior produção de gastrina e pelo estado de distensão do estômago. Os alimentos e as preparações de maior efeito estimulante sobre o estômago são: preparações sápidas e condimentadas de alto saboroma; produtos tostados ( carne e pão); produtos contendo substâncias estimulantes, como café (cafeína), chá (ceína), mace (teína), bebidas e alcoólicas e gaseificadas e sucos de frutas. REGIME POUCO EXCITANTE Prescrito nos casos de hipersecreção. Os alimentos e preparações deverão conter substâncias que produzam o menor efeito possível de excitação sobre o estômago. Esses alimentos deverão ter as seguintes características: pouco saboroma; apurínico; sen1 condimentos; sem produtos de tostação; sal reduzido; hipergraxo; semilíquido; pequeno volume; temperatura moderada. regime excitante intestinal De acordo com a capacidade de excitação intestinal, esse regime poderá ser muito, medianamente ou pouco excitante. REGIME MUITO EXCITANTE Os alimentos utilizados nesse regime deverão ter: grande teor de celulose (fibra) com reduzidas modificações; ácidos orgânicos (frutas), lactose (leite) e gordura. REGIME MEDIANAMENTE EXCITANTE Constituído principalmente de vegetais: com menor teor de celulose; sen1 subdivisão mecânica e abrandada por cocção; com 50% da celulose, crua e subdividida. As preparações conterão óleo em porção satisfatória; a lactose não é permitida. REGIME POUCO EXCITANTE Os alimentos presentes nesse regin1e deverão conter: celulose com maior parte de hemicelulose abrandada por calor e subdividi-

214

da; colágeno cozido e não subdividido; frutas cozidas; purinas em pequeno teor; óleo em porção reduzida. regime generoso É o que expressa o pleno estado de saúde, por permitir o aumento moderado de peso corporal sobre o acúmulo de reservas. regime harmônico É o que atende a "lei de harn1oniá: que determina guardar a relação de proporções de nutrientes entre si. regime hepatoprotetor Vide DIETA HEPAToPROTETORA. regime hipercalórico É aquele que cumpre as quatro leis de alimentação, com ênfase na prin1eira. Tem por finalidade aumentar o peso corporal nos pacientes que tên1 peso abaixo do peso teórico. regime hipocolesterínico É aquele em que se restringem os alimentos ricos en1 colesterol provocando o balanço n~ativo dessa substância. regime hipoglicídico E aquele que tem por finalidade equilibrar os dismetabolismos provocados pelo diabetes. regime hipolipídico É aquele em que a porcentagem de lipídios encontra-se abaixo do valor estabelecido no regime normal. regime hipopurínico É aquele cuja quantidade de purinas do regime é baixa, sendo recomendado a ingestão de queijo, leite, carnes brancas e verduras. regime hipossódico É aquele em que se restringem ou exduen1 os alimentos ricos em sódio, provocando o balanço negativo desse elemento. regime incompleto É aquele em que há carência de um ou mais nutrientes. regime insuficiente 1 Produz balanço energético negativo 2 Reduz ou modifica as manifestações da vida, como crescer, praticar atividades e reproduzir. regime não excitante do apetite Constará de alimentos e preparações destituídas de qualidades sápidas e com qualidades negativas para estimular o apetite. Ao contrário do regin1e excitante, as preparações devem apresentar pouco saboroma e não conter substâncias condin1entantes. Para provocar saciedade precoce, a ração deve ser de grande volume e fracionada em três refeições. regime não excitante intestinal Indicado em perturbações intestinais de origem funcional ou orgânica. A principal característica desse regime está relacionada à fibra e ao tecido

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

regime normal requerimentos diários recomendáveis

conjuntivo, cuja presença não deve ser admitida. Esses indigeríveis, em casos especiais e en1 quantidades mínimas (modificadas por subdivisão e cocção), poderão ser tolerados. Vários alimentos também devem ser excluídos do regime quando portadores de: lactose (leite); purinas (carnes etc.); ácidos orgânicos (frutas). Visando a não excitação intestinal, a ração será fracionada em seis refeições. regime normal Não é o regime habitual, mas aquele destinado ao indivíduo sadio, com a finalidade de manter o seu organismo com o material plástico e energético suficiente para a realização de suas funções biológicas e a reparação de seus gastos corporais. regime pouco excitante intestinal Contendo alimentos de origens animal, com colágeno cozido e subdividido, e vegetal, com teor de celulose e preponderância de hemicelulose cozida e subdividida; substâncias graxas em pequena porção e conteúdo purínico normal. Haverá prescrição de leite (lactose). regimes de exceção São aqueles que não cumprem totalmente as etapas digestivas ocorridas no tudo digestivo. Esses regimes correspondem à alimentação e nutrição enteral e parenteral, que segundo o local de penetração do alimento, podem suprimir importantes funções desempenhadas na boca, no estômago e intestino do paciente. A utilização dessas vias de exceção não tem caráter permanente, pois apenas constinli uma forma de ministração de alimentos e de nutrientes. Essa prática, por suas características, é um tratamento dietoterápico emergencial, realizado com prazo limitado. regime suficiente É o que n1antén1 a saúde e normalidade da vida, assegurando ao organismo suas exigências calóricas e o equilíbrio de seu balanço. regulação do metabolismo da água A água em excesso é perdida lentan1ente; a reparação fisiológica é feita pela ingestão provocada pela sede. Em sua absorção, trânsito e eliminação, o sistema nervoso e os neuromas hun1orais desempenham importantes funções. Os órgãos reguladores são os rins, o intestino e o fígado e como fatores importantes, o equilíbrio acidobásico e íons. Os órgãos eliminadores são: rins, pele, pulmões e intestino. Também as glândulas endócrinas são importantes na regulação da água; a neuro-hipófise pelo HAD; pela suprarenal; pelos mineralocorticóides.

regurgitação 1 Retorno de alimentos do estômago ou do duodeno à boca, independentemente de vômito ou esforço 2 Comum em crianças pequenas. Consiste na expulsão pela boca de uma pequena quantidade de leite, como se transbordasse. reinfecção Repetição de uma infecção provocada pelo mesmo microorganismo, ou agente contaminante.

relação atividade tísica x gasto de energia Referente à energia gasta por atividade física, expressada pelo metabolismo basal. relação sódio-potássio Relação que corresponde à quantidade de sódio e potássio existente no organismo que contém, normalmente, cerca de três vezes mais potássio que sódio. remissão Abrandamento dos sintomas de enfermidade. remitência Ocorre quando, na evolução de uma doença, periodicamente, os sintomas reduzem de intensidade, sem desaparecer, e retornam en1 sua maior plenitude. renal Referente aos rins. repaglinida Usada no período pré-prandial para controle glicêmico. É um derivado do ácido benzóico que estimula a secreção de insulina na presença de glicose. repleção Sensação de plenitude gástrica, de "estar cheio''. requerimento Necessidade fisiológica do organismo em relação a determinado composto durante um período de 24 horas. requerimento alimentar Quantidades diárias dos princípios nutritivos exigidos pelo organismo nas diversas faixas e mon1entos biológicos. requerimento energético Expressa o número de calorias exigidas para repor a energia consumida (calor) pelo organismo vivo em 24 horas e que são cobertas pelos glicídios, lipídios e proteínas. Para cada tipo de nutriente, os valores energéticos produzidos são: glicídios e proteínas - 4 calorias por grama; lipídios - 9 calorias por grama. requerimento protéico Norn1almente, as proteínas são desassinliladas para que sejan1 repostas, e para o crescimento é necessária oferta diária desse nutriente. No caso, podem ser referidos dois tipos de requerimentos: mínimo protéico higiênico; mínimo protéico fisiológico. requerimentos diários recomendáveis São as quantidades médias de nutrientes (protídios, minerais, vitaminas etc.) que deverão

215

R

reserva alcalina

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

retinóides

R

ser indicadas, por indivíduo, em um grupo de pessoas com as mesmas características físicas e que apresentam praticamente necessidades idênticas. As calorias também estão incluídas nas recomendações. Essas recomendações podem variar de país para país, de acordo com as condições étnicas, situação econôn1ica das populações, tipo de vida, clima etc. reserva alcalina Diz-se de substâncias encontradas no sangue (bicarbonato de sódio, fosfato dipotássico) que impedem a invasão de ácidos pela liberação e eliminação de CO2• reservas orgânicas A integridade protoplasmática é assegurada por suas reservas depositadas ou circulantes de água, de glicídios, de protídios, de lipídios, de minerais e de vitaminas. Essas reservas tên1 duas origens: fisiológica e patológica. FISIOLÓGICA Constituída de depósitos orgânicos de nutrientes essenciais. Tipos de reservas: de glicídios - em forma de glicogênio hepático e muscular; de protídios - no fígado, nos rins, no pâncreas, no baço, nos músculos e no sangue; de lipídios - no tecido celular subcutâneo, no mesentério e outros. PATOLÓGICA De difícil mobilização e de lento aproveitan1ento; essa reserva é formada por nutrientes acumulados, por excederem os limites fisiológicos, como, por exemplo, na obesidade constitucional. O consumo dessas reservas não prejudica a realização dos fenôn1enos biológicos n em a normalidade da estrut ura tecidual. Ao lado da perda de peso que diminui as reservas, o organismo lança mão de um n1ecanismo de defesa para sua adaptação ao novo estado, por meio da poupança de energia (redução do metabolismo dos tecidos) e dos gastos energéticos com movin1entações norn1ais do indivíduo ou supérfluas.

resistência insulínica ou resitência periférica à insulina Estado metabólico caracterizado quando são necessárias quantidades anormalmente elevadas de insulina a fim de n1an ter a glicemia dentro de valores normais. resistência bacteriana aos antibióticos Propriedade bacteriana de resistir à concentração de antibióticos maior do que se pode obter no organismo. resistina É uma proteína com propriedades pró-inflamatórias como TNF-a e IL-6, secretada por monócitos e adipócitos. Ela promove resistência insulínica por meio de aumento da

216

glicogênese hepática, tendo rápido efeito sobre este tecido. respiração Intercâmbio de dois gases (oxigênio e gás carbônico) entre o organismo e o meio onde esse organismo vive. respirador Instrumento ou aparelho para a produção de respiração artificial. ressecção Retirada cirúrgica de qualquer parte de órgãos ou tecidos. restrição de sódio Vide sóoro (restrição). retardina Substância pancreática tida como reguladora do n1etabolismo lipídico, eliminando a ação tóxica da tiroxina. retenção Permanência de substâncias diversas no organismo por tempo além do normal. retenção de nitrogênio Azotemia. retenção de urina Urina que, secretada, fica retida na bexiga (casos de obstrução urinária e atonia vesical). retenção gástrica Produzida por obstrução mecânica localizada no antro, no piloro, no bulbo duodenal ou na área pós-bulbar, ou também por existência de atonia gástrica. A obstrução n1ecânica geralmente é conseqüência de estreitamentos produzidos por processos ulcerosos e por câncer. A retenção por atonia resulta de transtorno motor gástrico e de deficiência do antro em funcionar como "bombá'. Tais situações concorrem para que o conteúdo gástrico não seja eliminado totalmente, havendo sempre resíduos (conteúdo residual) que, aumentados gradativamente, provocam distensões e posterior dilatação do estômago. retenção intestinal Permanência de fezes, por compressão ou astenia intestinal. retículo Conjunto de fibras ou filamentos em forma de rede. reticulócito Forma jovem, imatura das hemácias, em que os restos nucleares são vistos formando um retículo. É encontrado em pequeno nún1ero no sangue normal, pois fica retido na medula até sua maturação. retina Membrana sensível do olho que continua no nervo ótico até o cérebro e que capta a imagem formada pelo cristalino. retinal Forma aldeídica do retino! que participa da produção do pigmento visual. retinóides Designação genérica para substâncias que apresentam atividade de vitamina A. O ácido retinóico, por exemplo, não entra na formação da púrpura visual, assim con10 não , . mantem o crescimento.

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

retino! riboflavina

retinol 1 Equivalente retinol; unidade en1pregada para exprimir a atividade da vitamina A. 1 ER - 1 mcg de retinol ou 6 mcg de betacaroceno ou 12 mcg de carotenóides biologicamente ativos. 2 Vide VITAMINA A. reto Segmento inferior do intestino grosso, situado na flexura sigmóidea do canal anal. Ten1 início na terceira vértebra sacra e termina no ânus. reto colite Inflamação da mucosa do reto e do cólon descendente. reumatismo Decorre de diversas afecções, agudas ou crônicas, caracterizadas por dor e rigidez, situadas principalmente em articulações e nas partes moles que as envolvem. reumatismo articular agudo Moléstia associada ao estreptococos, sendo caracterizada pelos sintomas de febre, suores, dores e ataques cardíacos SIN febre Reumática ou Reumatismo Febril. reumatismo de Poncet Reumatismo tuberculoso. reumatismo gotoso Reumatismo crônico, associado a estado humoral uricêmico (gota). reumatismo muscular Processo reumático caracterizado pela existência de fibrosice e lumbago. SINTOMATOLOGIA enrijecin1ento muscular por inflamação de bainhas musculares e dores. revestimento entérico Prática de proteger un1 tablete ou cápsula, para que não dissolva en1 sua passagem pelo estômago e chegue ao intestino nas condições requeridas. Rh Grupo sangüíneo presente entre os humanos, descoberto na superfície dos glóbulos vermelhos do macaco da espécie rhesus. Rh negativo Referente à ausência de antígeno Rh O (D) nos eritrócicos. Rh positivo Referente à presença do antígeno RhO (D) nos eritrócitos. ribollavina Dimetil-9(D-l'-ribitil)isoaloxazina (C 11 H 20 N 4 0 6 , 6,7). Vitamina integrada ao complexo B, que, em soluções aquosas, apresenta fluorescência amarelo-esverdeada; é sensível a álcalis e destruída pela luz, quando dissolvida em água. Associada a diversas proteínas origina um grupo de coenzimas (flavoproteínas), que funcionam como transportadoras intermediárias de hidrogênio e também comam parte de processos metabólicos protídicos, glicídicos e lipídicos. Entre as flavinas, destacam-se a flavina mononucleotídio, a flavina adenosina dinucleotídio, o citocromo, a redutase etc. Essa vitamina, em estado livre, por ação da flavoquinase e

do ATP, forma o TMN que (flavina mononucleotídio), por participação da nucleótidefosforilase mais ATP, produz o FAD. Em alimentos, a riboflavina encontra-se livre ou en1 forma de ésteres fosfóricos; não é armazenada grandemente no organismo e qualquer excesso dela é eliminado. Pode ser sintetizada no organismo por fungos, bactérias e leveduras. No homem, apesar da contribuição microorgânica, a quantidade de riboflavina absorvida não satisfaz as necessidades orgânicas e, por isso, deve ser reforçada pela vitamina proveniente de alimentos. ABSORÇÃO Essa vitamina, para ser absorvida na n1ucosa intestinal, necessita sofrer uma fosforilação, para depois ser arn1azenada no fígado, no músculo cardíaco, no baço e nos rins, incorporada em enzimas celulares, como coenzimas. ExcREÇÃO É feita pela urina; os níveis urinários dessa vitamina são utilizados para a verificação de seu teor no organismo. FUNÇÕES Integrando enzimas, atua no mecanismo de oxidações celulares. Exerce especial papel na utilização de energia e de proteínas. Como éster fosfórico, origina nos tecidos as coenzimas flavinamononucleotídio (FMN) e flavina-adeninadinucleotídio (FAD); estas formam os músculos proscécicos de vários sistemas enzimáticos. Indispensável para o crescimento. Tem importante ação na defesa do tecido epitelial. É necessária à normalidade funcional do trato gastrointestinal. Preserva o apetite. Como flavina-adenina-dinucleotídio, participa dos fermentos amarelos de Warburg Christian. PRINCIPAIS FONTES Lêvedo de cerveja dessecado; fígado; pirarucu salgado ou cozido; rim de boi; clara de ovo; extrato de carne; leite em pó integral; queijo de Minas curado ou fresco; cacau em pó; ovo inteiro desidratado; lêvedo de cerveja fresco; grão de bico cru; queijo Camembert; couve-flor; lombo de porco. REQUERIMENTOS Crianças: 0,3 mg/ dia; homem adulto: 1,3 mg/ dia; mulher adulta: 1, 1 mg/ dia; gestantes: acréscin10 de 0,3 n1g/ dia e 0,4 mg/ dia durante a lactação. DEFICIÊNCIA A deficiência de riboflavina pode ocorrer frustramence, acompanhando a pelagra e como síndrome característica, pelos sinton1as típicos que apresenta e que se manifestam na pele, na boca e nos olhos. SINTOMATOLOGIA na pele: seborréia (nas asas nasais, no nariz e na cesta), rachaduras (nas comissuras labiais),

217

R

ribonuclease

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

rosuvastati na

R

queratose folicular, sensação de queimadura nos pés, dern1atite anogenital, queratose folicular; na boca: estomatite, glossite, inflamação, coloração vern1elho-púrpura brilhante da língua (língua magenta, com dermatite anogenital); nos olhos: lacrimejamento, pruridos, alterações com sensação de aspereza, fotofobia. SIN Hepatoflavina, lactoflavina, ovoflavina, vitamina B2, vitamina G. ribonuclease Enzima que produz despolimerização do ácido ribonucléico. ribonucleoproteína Nucleoproteína com metade de ácido nucléico. ribose 1 D-ribose. Pentase (CHO.-HCOH. HCOH.HCOH.CH 2 0H) (açúcar com um átomo de carbono livre) que é componente do RNA e de diversas coenzin1as. Participa do metabolismo celular. ribóside Glicóside que apresenta ribose como constituinte açucarado. ribossomo Partícula formada de proteína e RNA, que existe nas células e que é sede da , ,. sintese proteica. Rickettsia Coxiel/a Elemento baciliforn1e que apresenta quase todas as características bacterianas e que é agente patogênico de rickettsiose. Rickettsiaceae Família de microorganismos, parasitas intracelulares obrigatórios que agem em artrópodos, provocando moléstias nos mesmos e no homem. Rickettsiose Grupo de enfermidades provocadas por riquétsias ( tifo exantemático, tifo benigno, febre botonosa, febre purpúrea das Montanhas Rochosas, febre Q tifos tropicais da Malásia, febres por carrapatdos de Queensland e siberianos, febre das trincheiras) inoculadas por artrópodes. SrNTOMATOLOGIA Febre, estupor, geraln1ente exantema, reações sorológicas comuns. rigidez cadavérica 1 Fenômeno cadavérico iniciado de un1 quarto de hora a sete horas depois da morte (conforme o tamanho do organismo) e que se caracteriza por endurecin1ento dos n1úsculos e perda de sua elasticidade por coagulação do composto miosina-actina 2 Rigor mortis. rim Vide R1Ns. rim artificial Aparelho utilizado para fazer hemodialise extracorpórea, retirando do organismo substâncias indesejáveis. Rimonabant Bloqueador do tipo I dos endocanabinóides. Promove reduções significativas do peso, bem como da medida da cintura.

218

rim policístico Rim contendo vários ciscos. rinite Inflamação da mucosa do nariz. rins Órgãos retroperitoneais que se localizam na cavidade abdominal, em cada lado da coluna vertebral. A borda interna renal apresenta, em sua parte média, uma abertura denominada hilo renal, do qual se projetam vasos sangüíneos, nervos e canais urinários. Sua parte superior é recoberta pela cápsula supra-renal, cujo funcionamento ocorre independente dos rins. Pela atividade de filtração e de excreção de suas unidades constituintes, os néfrons elaboram a urina. FUNÇÕES PRINCIPAIS Filtração, reabsorção,secreção,excreção. rins e infecções urinárias Os microorganismos produtores de infecção urinária e de pielonefrite crônica que mais comumente ocorrem são: Escherichia coli, Proteus, Klebsiella-Enterobacter, Pseudomonas, Enterococcus, Staphylococcus etc. RNA Abreviação de ácido ribonucléico. RNA mensageiro (mRNA) Produzido no núcleo, sobre um modelo constituído de uma das duas hélices do DNA; estruturalmente, é complementar a essa hélice. É um dos participantes da síntese protéica. RNA ribossômico Cun1pre função não específica na conexão com os ribossomos, que se encontram abundantemente nas células que ton1am , ,. parte na s1ntese proteica. RNase Abreviação de ribonuclease. RNA transferidor Sua função é enviar os aminoácidos do citoplasma para seu lugar específico na cadeia polipeptídica, auxiliando no processo da síntese protéica. rodenticina Material químico utilizado para o extermínio de roedores. rodopsina Pigmento vermelho escuro, presente em bastonetes externos da retina, protegido pela escuridão, mas que empalidece à luz do dia. Esse pigmento é responsável pela formação das células fotorreceptoras e se sensibiliza nos primeiros eventos de percepção da luz. rosário raquítico Saliência encontrada na união das costelas e cartilagens esternais em crianças raquíticas. rosiglitazona Fármaco que age aumentando a ação da insulina nos tecidos periféricos pela estimulação do metabolisn10 oxidarivo da glicose e suprimindo a gliconeogenese no fígado. Não tem efeito na secreção de insulina. rosuvastatina Mais novo n1edicamento da classe das estatinas, conhecidas também como

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

rubéola rutina

"redutores de colesterol''. Reduz de forma significaávamente superior o LDL-colesterol en1 comparação a qualquer outra estatina disponível no mercado. A droga traz tan1bém con10 benefício adicional o aumento do HDL-colesterol e redução dos triglicérides. rubéola Causada por um vírus RNA, tendo como sintomas o aparecimento de exantemas vermelho-pálido, intumescimento dos gânglios linfáticos. Sua grande importância se deve na contaminação do paciente que se encontra na

fase gestacional, podendo a criança ter um desenvolvimento anorn1al. rum Espécie de aguardente obádo da desálação do n1elaço fermentado. rutênio Elemento químico metálico, duro, quebradiço, de número atômico 44 e símbolo Ru. rutina Dissacarídio (C12H 220 10) constituído por ramnose e glicose, derivado da quercetina, extraída do trigo-sarraceno. Sua ação determina um aumento da resistência capilar agindo semelhantemente à vitamina P.

R

219

saciedade Estado de satisfação fisiológica entre o necessário e o desejado, ocorrendo assin1 uma repleção alimentar. safena D enominação das duas veias superficiais situadas nas partes externas dos men1bros inferiores (safenas magna e parva). sagu Substância com amido extraída do cerne das hastes do salgueiro. sake Tipo de aguardente japonês, resultante da fermentação do arroz. sal Substância formada por cloreto de sódio, em estado sólido é cristalino e branco. Condimento de sabor salgado, de maior uàlização culinária e na elaboração de produtos alimentícios. Em sua forma comercial, é acrescida de uma pequena percentagem de iodo. salame Nome genérico de embutido seco, produzido à base de carne de porco ou misturada com carne de vaca, adicionado de toucinho, sal, salitre, especiarias, vinho branco e açúcar. sal dietético Produto con1 baixo teor de cloreto de sódio, con1 adição de cloreto de potássio. sal dietético pobre em sódio Como substitutos do ClNa, podem ser utilizados os seguintes sais: sulfato de potássio; sais potássicos, cálcicos e amônicos dos ácidos: acético, adípico, carbônico, cítrico, clorídrico, glutâmico, láctico, succínico, ortofosfórico, tartárico. Para alguns desses sais, há limitação de doses ( n1agnésio, amônio, fosfatos) . COMPOSTOS SALINOS Com o objetivo de conseguir substitutos do sal, con1 gosto mais aproximado do ClNa, existem vá-

rias combinações de sais pobres em sódio. Por exen1plo: mistura de cloreto de potássio, glutamato monopotássico e fosfato tricálcico. Mistura de 40g de glutamato monocálcico, 120 de glicose, 20 de ácido tartárico e 40 de cloreto de cálcio; essa combinação, por umedecimento, forma n1assa, que depois de pasar por um tamiz, é adicionada de 400 g de cloreto de potássio, 120 g de sacarose e 5 g de estearato. Mistura não higroscópica, sin1ilar em sabor ao sal; composta de 100 g de cloreto de potássio, 70 g de succinato dipotássico misturado com 0,2 g de açúcar. O uso de sais dietéticos deve ter orientação médica, pois a maioria deles ten1 potássio en1 sua composição; assim sendo, sua utilização exagerada pode provocar hipercalcemia. salgadinho Petisco de sabor salgado, geralmente consumido nos intervalos entre as refeições e acompanhados de bebidas aperitivas. saliva Constituída pela secreção das glândulas salivares. Normaln1ente, a quantidade de saliva é de 1.200 mL a 2.000 mL ( saliva serosa, mista, mucosa e seron1ucosa). A quanàdade de saliva pode variar: de acordo com os estín1ulos ocorridos; com o volume, número e qualidade dos alimentos ingeridos; influência de estados patológicos. Os estímulos salivares são originados por fatores locais, sensoriais e distantes. FUNÇÕES Digestiva, lubrificante, favorecedora da fonação, dissolvente de substâncias sápidas, reguladora do mecanismo regulador de água,

salivação

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

sangue arterial

via de excreção de agentes químicos. CoMPOSIÇÃO QUÍMICA Principais substâncias presentes: água 98,5 a 99%; resíduo sólido 1 a 1,5%, é levemente ácido apresentando um pH por volta de 6,8. Substâncias inorgânicas: cloredo de Na e K, fosfatos, carbonatos de Na, K e Ca; sulfocianeto de K. SussTÂNCIAS ORGÂNICAS Ptialina; lisozima; mucina; soroalbumina e soroglobulina; uréia, ácido úrico, creatinina, aminoácidos etc. FUNÇÕES As principais funções da saliva são: umedecimento e lubrificação de alimentos; lubrificação da n1ucosa bucal; atividade digestiva (ptialina); ação sobre a gustação; participação no mecanisn10 da sede. salivação Aumento da secreção salivar por diversas causas: presença de alimentos na boca; mastigação; sabor; odor; visão e pensamento sobre alimentos. salivolitíase Presença de cálculo en1 glândula salivar. salmão Peixe da família dos salmonídios, industrializado como carne fresca, defumada e de ovas. Sa/mone/Ja Gênero de bactérias da fan1ília Enterobacteriaceae, em forma de bastões pequenos e curtos, anaeróbicas e mesófilas. Por fermentação de glicose e de outros açúcares provocam a formação de ácido e gás. São bactérias patogênicas, causadoras de toxiinfecções no homem (salmonelose). Espécies: S. typhii, S. paratyphi, S. typhi-

murium, S. enteritides, S. pyllorum, S. gallinarum.

s

A salmonela é responsável pela saln1onelose. A contaminação por esse microoganismo faz-se por via aérea, cutânea e digestiva. Por via digestiva, a contaminação pode ocorrer por alimentos, antes, durante e depois de seu preparo. Dos alimentos, o ovo, o leite e a carne são os mais sujeitos à contaminação; no ovo, a penetração de salmonela pode ocorrer no próprio oviducto da ave ou no ninho, pela penetração do germe pelos poros da casca. Sa/monel/a enteritides Bactéria causadora de gastrentente. Sa/monella paratyphi Bactéria produtora da febre entérica. Sa/monel/a pul/orum/gal/inarum Bactéria fracamente patogênica, encontrada em ovos de palmípedes, especialn1ente no de pata. Pode contanúnar o hon1em, ocasionando processos entéricos. Sa/monel/a typhii Bactéria responsável pela febre conhecida como tifo. O contágio ocorre por contato direto e, especialmente, por meio

222

de água contaminada, por ingestão de moluscos e de outros produtos do mar capturados em águas poluídas. Sa/monel/a typhimurium Bactéria que, con10 a Salmonella enteritides, é encontrada com freqüência em ovos de palmípides e é uma causadora de gastrenterite humana, sendo um tipo de intoxicação alimentar muito freqüente na Europa. salmonelose Infecção produzida por salmonelas, caracterizada pela ocorrência de gastrenterites. O período de incubação do processo infeccioso ocorre entre 12 e 14 horas após a ingestão do alimento contaminado. Em certos casos porém, a eclosão da doença pode ser abreviada não passando de três horas ou prolongada em até 72 horas. A evolução da doença pode ser benigna (o indivíduo recupera-se sem complicações) ou grave, quando a infecção pode culminar com a morte do indivíduo. Os sintomas da gast renterite são atribuídos à endotoxina celular, libertada das bactérias destruídas cuja presença produz irritação da mucosa intestinal. A sintomatologia da infecção é constituída de: náuseas; vômitos; febre de 39 a 40°C); dores abdominais e diarréias aquosas. salpingite 1 Inflamação aguda ou crônica de trompas uterinas ou de Falópio, geralmente após metrices 2 Inflamação da t rompa de Eustáquio, antes ou durante a otite média. salpingocele Hérnia da trompa de Falópio. salpingociese Prenhez tubária. salsicha Embutido cozido elaborado com carne de porco, de boi, frango ou peru, adicionado de toucinho, sal, salitre e especiarias. salsichão Embutido de porco, sendo maior e grossa. salsicha vegetal Elaborada à base de proteínas vegetais. sangria Evacuação sangüínea provinda dos vasos. Quando local é originada de capilares e quando profunda, é originada de veias e artérias. sangue Fluido viscoso vermelho, encontrado no coração e nos vasos sangüíneos. Consiste em porção líquida (soro) e outra sólida (plasma e células de três tipos: vermelha, branca e plaquetas). A função sangüínea é a de transportar nutrientes e oxigênio para os tecidos e levar n1aterial residual para os rins, pulmões, fígado e pele, para sua excreção. sangue arterial Sangue existente nas artérias e geralmente nas veias pulmonares que circula desde seu local de origem nas vênulas pulmo-

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

sangue e coagulação secreção gástrica

nares até os capilares teciduais, locais, em que o oxigênio é elin1inado e o dióxido de carbono é recolhido. Formação. Os materiais considerados estruturais são as proteínas e o ferro, pois a hemoglobina que concorre com 90 a 97% da massa dos eritrócitos é formada por proteína (globina) ligada à fração heme constituída de grupos pirrólicos que contêm um átomo de ferro. As vitaminas que atuan1 como agentes catalíticos são as seguintes: vitamina B12 e ácido fólico, que entram na sintetização dos ácidos nucléicos integrantes dos glóbulos vermelhos imaturos; vitamina C, que colabora na formação do sangue por diferentes mecanismos: faz parte do metabolismo do ácido fólico, participa da absorção da dieta e representa papel de importância na anemia do escorbuto; vitamina B6, que coma parte no tratamento de anemia em que há redução de hemoglobina; cobalto, importante constituinte da vitamina B12, influi diretamente na formação do eritrócito; o cobre é integrante das hemácias. sangue e coagulação Os elementos que influen1 sobre a coagulação sangüínea são oxigênio de circulação, cromboquinase das plaquetas, protrombina, tron1bina, fibrinogênio e fibrina. O coágulo sangüíneo é formado por fibrina, que encerra em suas malhas glóbulos vern1elhos e brancos. sangue oculto Sangue que escapa à observação macroscópica, principalmente de fezes e que somente é identificado por exames laboratoriais. sangue periférico Sangue da circulação sistêmica, com exceção do sangue da medula óssea. sangue venoso Sangue de coloração vermelhoescura, devido à baixa oxigenação, existente nas veias em geral e nas artérias pulmonares, que circula desde as pequenas vênulas teciduais, exceto dos puln1ões, até os capilares pulmonares, onde ocorre a troca dos gases, óxido de carbono por oxigênio. sápido Que tem sabor; estímulo para o sentido da gustação; saporífero. sarcoma Tumor maligno, com parênquima constituído de células anaplásticas similares às que se encontram em tecidos conjuntivos, de sustentação do organismo. Há diversas variedades que são denominadas segundo o tecido do qual proliferam: osteossarcoma (células ósseas), condrossarcoma (células cartilagíneas), miossarcoma (fibras musculares).

sarcomatose Ocorrência de tun1ores sarcomatosos em várias partes do corpo. sardinha Peixe de nome científico Sardinella brasiliensis, industrializado em forma de conserva, adicionado de vários tipos de cobertura. Apesar de ser um produto industrializado é un1 alimento in1portante na nutrição do indivíduo, visto que possui altas quantidades de ômega 3. saturnismo Intoxicação provocada pelo chumbo ou por seus sais. Os principais sinais e sintomas são: cefaléias, orla escura das gengivas, cólicas abdon1inais, obstipação, nefrite, anemia. saúde Estado de completo bem-estar físico, mental e social pelo indivíduo devido ao equilíbrio que deve ser mantido entre as características orgânicas e funcionais normais e não apenas a ausência de afecção ou doença. saúde mental Normal funcionamento das faculdades mentais devido ao pleno equilíbrio das sensações do indivíduo, sua adaptação ao meio en1 que vive, respeitando seu sen1elhante. sauríase Ressecamento e descamação da pele, que fica sen1elhante às escamas de peixe ou ao tegun1ento dos crocodilos, devido a um distúrbio congênito na ceracinização, determinado geneticamente. Ictiose grave. Schistosoma Gênero de vermes de trematódeos que parasitan1 o sangue humano. Os hospedeiros intermediários são moluscos de água doce. seborréia Secreção excessiva das glândulas sebáceas ou alteração qualitativa do sebo que cobre a epiderme como camada oleosa, escamas ou crostas. A complicação n1ais freqüente é acne. secreção Formada de substâncias provenientes do sangue, por atividade fisiológica de células glandulares que separam, elaboram e excretam o material recebido. As secreções exercem funções especializadas no organismo hun1ano. secreção gástrica Constituída por substâncias (água, muco, ácido clorídrico e enzimas digestivas - pepsina, lípase gástrica e renina) secretadas por glândulas epiteliais e ainda por outros componentes produzidos por outros mecanismos. Sua produção é favorecida por estímulos óticos, olfatórios ou gustativos, por manobras de mastigação e deglutição por ação de substâncias químicas e por agentes nervosos (vagai) e hormonais (gastrina). En1 repouso gástrico, a secreção apresenta-se diminuída (secreção basal), ao contrário do que acontece quando o estômago se enche. A quantidade de

223

secretagogo

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

selênio

s

secreção em relação ao estímulo ocorrido pode variar segundo as fases: cefálica; gástrica; intestinal. O volume de secreção, sob a influência de vários fatores, pode ser ativado ou reduzido. Os principais estimulantes da secreção gástrica são: parassimpaticomiméticos - acetilcolina, mecolil, muscarina; simpaticolíticos - diidroergotamina, ergotamina; outras substâncias - álcool, cafeína, corticóides, histamina, polipeptídios; substâncias de origem protéica. Os principais inibidores da secreção gástrica são: parassin1paticolíticos - atropina, paratropina; simpaticomiméticos - adrenalina, efedrina, noradrenalina; outras substâncias - anti-histamínicos; inibidores da anidrase carbônica. secretagogo Agente que propicia ou aun1enta a secreção de uma glândula. secretina Hormônio produzido pelas células epiteliais (células S) do duodeno. Sua constituição química é similar à do GIP e glucagon; contén1 27 aminoácidos. O n1aior estín1ulo de sua secreção decorre da presença de íon hidrogênio (ácido clorídrico no estômago) e, em menor grau, da ação de aminoácidos e ácidos graxos. Também por influência do vago (acidificação duodenal) a secretina pode ser liberada. FUNÇÕES No pâncreas: Controla o pâncreas exócrino, especialmente em relação à secreção de bicarbonato; estimula a liberação de insulina e inibe a formação de glucagon; enérgico estin1ulante da secreção eletrolítica e débil estin1ulante da secreção enzimática; sua atividade neste órgão é reforçada pela CCK-PZ. No estômago: Inibe a secreção de gastrina estimulada pela ação de alimentos e de contrações gástricas; inibe a secreção ácida unida ao glucagon e à motilidade; favorece a secreção de pepsina pelo estômago. No intestino delgado: Produz inibição da n1otilidade duodenal. No esfíncter fisiológico gastroesofágico (ZAP): Inibe a contração do esfíncter, estimulada pela gastrina; inibe a motilidade do esfíncter em repouso. secretinase Enzima do soro sangüíneo que inativa a secretina. secundinas Placenta e membranas expulsas do útero depois do parto. sedação Estado de atividade funcional diminuída, sob ação de medican1ento sedativo. sedativo Agente medicamentoso, tranqüilizante, calmante da dor de atividade funcional. sede Sensação trófica que adverte ao indivíduo o empobrecimento tem água dos tecidos

224

e dos humores. Pode manifestar-se por graus progressivos: sede ligeira e intensa. O avanço da sede promove sensação de constrição dos n1úsculos esofágicos, espasmos esofágicos e gástricos e movimentos de deglutição; por último, e de acordo com a persistência e intensidade da sede, ocorrerá sucessão de fenômenos patológicos, com destruição tecidual pelo esgotamento da água dos espaços intercelulares e de órgãos e conseqüente uso de água intracelular. MODIFICAÇÕES As modificações da sede podem ocorrer por causas fisiológicas e patológicas. Fisiológicas: idade; temperatura; exercício físico; aumento da ventilação pulmonar; aun1ento por forn1ação de tecidos; fenôn1enos de ressecação do segmento superior do tubo digestivo; influência da ingestão de comidas; consumo de substâncias de alta concentração osn1ótica. Patológicas: grandes perdas de água, líquidos e humores; febre; diarréias intensas; hen1orragias graves; quein1aduras extensas e feridas de grande superfície; fístulas de órgãos do aparelho digestivo; formação de edemas; poliúria intensa; sudorese. sedimento Substância que se deposita sob ação da gravidade em um recipiente com líquido. sedimento urinário Sedimentação de componentes da urina ( células descama tivas, cilindros, hen1ácias, leucócitos, microorganismos etc.) por centrifugação. selênio Elen1ento metálico, de peso atômico 78,96, número atômico 34, sen1elhance ao enxofre, que pode apresentar diversas formas alotrópicas. O Se se distribui em todas as células e tecidos, segundo o tecido e a ingestão do n1icronutriente. Em conteúdo maior, encontra-se nas glândulas, no córtex supra-renal, na hipófise, no pâncreas; em menor porção, nos músculos, nos ossos, no sangue e no fígado. Os níveis orgânicos de Se são influenciados diretan1ente pelos alin1entos do regin1e; quando são normais índices de Se, os alimentos do regime diário são suficientes para suprir o requerimento orgânico desse mineral. Os alimentos cultivados em áreas seleníferas apresentam alta presença de Se que, por ingestão elevada, pode tornar-se tóxico ao indivíduo. A refinação de produtos e a aplicação de outros processos de industrialização de alimentos diminuem seu teor selênico. Embora ainda não se tenha conceito exato sobre a ação essencial do Se nos fenômenos biológicos, não resta dúvida de seu

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

semiologia senna

papel imprescindível nas reações vitais de animais. ABSORÇÃO É realizada principalmente no duodeno. Cerca de 80% do selênio encontrado nos alimentos e do selênio orgânico levado ao organismo sob a forma de suplementos de selenometionina são absorvidos. Da mesma forma, o selênio inorgânico, como na selenita sódica, é absorvido, mas em menor proporção. O selênio dos alimentos e o selenometionina são utilizados de maneira mais eficiente e per. . manecem no organismo mais tempo que a selenita sódica. EXCREÇÃO O selênio é excretado pela urina ou pela respiração por meio do dimetil selenídio, que tem um odor sen1elhante ao do alho. FUNÇÕES PRINCIPAIS Julga-se possível sua ação preventiva ou redutora de efeitos da deficiênciade vitamina E (necrose hepática, distrofa muscular etc.). Admite-se sua influência no metabolismo de grupos sulfidrilas. É componente essencial da enzima glutatiãoperoxidase. Tem participação em mecanismos imunes, biossíntese mitocondrial do ATP e biossíntese da ubiquinona. Favorece o crescimento normal e previne inúmeras doenças induzidas em animais experimentais, por dietas adequadas. PRINCIPAIS FONTES Alin1entos comuns utilizados no regime normal, de origem animal e vegetal. Os vegetais cultivados em solos seleníferos (Venezuela) apresentan1 elevado conteúdo desse mineral. REQUERIMENTOS Lactentes: até 0,5 ano: 0,01 a 0,04 mg; 0,6 a 1,0 ano: 0,02 a 0,06 mg. Crianças e adolescentes: l a 3 anos: 0,02 a 0,08 mg; 4 a 6 anos: 0,03 a 0,12 mg; 7 a 10 anos: 0,05 a O, mg; 11 anos: 0,05 a 0,2 mg; Adultos: 0,05 a 0,2 mg. DEFICIÊNCIA A deficiência do selênio tem sido associada con1 um n1aior aparecimento de câncer e doenças cardiovasculares, podendo influir na imunidade. Em pacientes alimentados endovenosamente, sua deficiência acarreta dores musculares e sensibilidade muscular. Em certas áreas da China, onde os níveis de selênio são baixos, têm aparecido a doeça de Keshan do n1úsculo cardíaco e a doença de Kaschin-Beck, que atinge as articulações de homens e animais. semiologia Ramo n1édico que estuda os sintomas e os sinais das doenças e as indicações que estes fornecem. sêmola Produto resultante da n1oagem de grãos de trigo duro (Triticum durum), gerando uma farinha de trigo especial, con1 teor n1áximo de cinzas de 0,65% na base seca.

senescê nc ia Envelhecimento; enfraquecimento conseqüente à velhice. É o coajunto de deficiências físicas e mentais, com sinais francos de arteriosclerose; corresponde ao período final de vida, que pode ser prolongado desde que não incidam enfermidades que abrevien1 o processo involutivo no paciente. Período de vida que se inicia aos 65 anos e que é caracterizado por diminuição progressiva das funções e do requerimento calórico. senil Relacionado com a velhice e seus estados mórbidos. senilidade Involução progressiva das funções orgânicas, debilidade física e mental ligadas ao envelhecimento patológico ou secundário a uma enfermidade. sensibilidade Capacidade de certas partes do sistema nervoso central de colher e transmitir sensações; tornar conscientes estímulos sensíveis. sensibilização Ato de tornar um ser vivo, órgão ou tecido capaz de reagir de modo particular (reação alérgica) ao contato com agente físico ou quín1Íco (antígeno). sensorial Relativo às sensações, à consciência e ao sensório (cérebro). sensório Centro especialmente na região cerebral, en1 que são registradas e combinadas as impressões levadas aos centros individuais. Órgão dos sentidos; consciência; funções intelectuais; percepção. sentido É o ponto pelo qual os estímulos vindos do mundo exterior ou interior são recebidos e transformados em sensações. sepse (ou sépsis) Destruição putrefativa de tecidos por doenças causadas por microorganismos patogênicos, como as bactérias, ou suas toxinas; geralmente acompanhadas de febre. septicemia Infecção grave do organismo, por invasão da corrente sangüínea por germes patogênicos, provenientes de um ou vários focos nos tecidos, na qual o enfermo apresenta febre elevada, calafrios e outros sintomas. É o tipo mais comum de sepse. séptico Que causa sepse ou relativo a ela. seqüela Permanência de sinais ou sintomas, ou aparição de disfunções após a cura de uma enfermidade. seqüestrantes Substâncias que se combinadas a íon metálico, ou radical ácido, tornam-no 1nat1vo. serina Aminoácido não essencial, de fórmula química C 3 H 7 N03, sintetizado no homem por

225

seropurulento

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

sífilis

meio da glicina. É precursora de bases (colina e eranolamina) que participam da formação da lecitina, cefalina e esfingomielina; produz esfingosina, por condensação com o aldeído palmítico. seropurulento Combinação de soro e pus ( exsudato seropurulento); pus aquoso. serosa Membrana constituída de mesotélio e tecido conjuntivo subjacente, localizada na superfície externa de diversas vísceras (pericárdio, peritonônio, pleura, túnica vaginal e do testículo, entre outros). serotonina Amina presente en1 quase todo o organismo, especialmente no sangue e no tecido nervoso. Deriva do triprofano, de início degradado nas células cromafins do intestino e depois no fígado e rins, é veiculada por plaquetas sangüíneas. Parece ter ação sobre processos nervosos e vasculares; estimula a contração de vários n1úsculos lisos (influencia a motilidade intestinal). Aparece na urina em taxa elevada no carcinóide do delgado. serotoninérgico Sistema modulado pela 5-hidróxicriptamina (5-HT, serotonina) como neurotransmissor no sistema nervoso central. Regula atividades do sistema cardiovascular, gastrointestinal, função plaquetaria, função da n1usculatura lisa, ciclo sono-vigília, entre outros. sertralina Antidepressivo da classe dos inibidores seletivos da recaptaçao da serotonina. Como a fluoxetina, ele potencializa a ação da serotonina liberada por atividade neuronal por inibir a reacun1ulção pré-sinaptica deste neurotransmissor. Tem como efeito colateral, náuseas, vômitos e anorexia.

s

Serviço de Saúde Pública dos Estados Unidos (USPHS) 1 United States Publick Health Service 2 Órgão federal do governo norte-americano semelhante ao Ministério da Saúde no Brasil, que se relaciona com o programa nacional de Saúde Pública. Shigel/a dysenteriae Bactéria entérica, gramnegaciva, mais virulenta de todas as espécies do gênero. A disenteria que provoca ( disenteria bacilar), geralmente, ocorre por meio do leite contaminado com fezes de enfermos. shigelose ou disenteria bacilar É estado mórbido caracterizado por diarréia e outras manifestações produzidas pela exotoxina da shigela. A shigelose pode ocorrer em adultos e crianças; sua sintomatologia é quase idêntica à da saln1onelose, a ponto de serem ambas capazes, clinicamente, de provocar confusões. SINTO-

226

MAT0L0GIA Deposições com muco e sanguinolentas; grande prostração; dores abdominais; vômitos, febre. Em casos graves, além dos sintomas citados, poden1 surgir: toxemia; septicemia com leucopenia; pneumonia, peritonite; artrite; colapso, como complicação final. Os indivíduos acometidos de shigelose podem tornar-se portadores assintomáticos, eliminando shigelas em suas fezes durante tempo mais curto que o de salmonelas. sialagogo Agente (medicamento) que estimula a produção salivar. sialoadenite Inflamação da glândula salivar. sialolagia Pern1anente deglutição de saliva, associada ou não con1 aerofagia; presente em gastropanas. sialolitíase Produção de cálculo no canal salivar. sialorréia Excesso de secreção salivar; salivação; ptialismo. sibutramina Fármaco da classe das anfetaminas que age no centro da fome no hipotálamo induzindo a saciedade. Usado principalmente no transtorno do Comer Compulsivo. No Brasil apenas é pernütido para pacientes com mais de 16 anos. sideremia Presença aumentada do nível de ferro no soro sangüíneo. siderolilia Afinidade pelo ferro. siderolilina (ou Translerrina) Globulina do soro sangüíneo (beta-1-globulina) que fixa e transporta ferro aos diferentes órgãos. sideropenia Redução férrica, principalmente do ferro do soro sangüíneo. siderose 1 Presença ou acúmulo de hemossiderina no fígado, baço e medula óssea, quando ocorre intensa destruição sangüínea e nos regimes ricos em ferro (hemossiderose) 2 Pneumoconiose devido ao acúmulo de poeira de ferro comum em profissões como soldador, esmerilador e afiador. siderossilicose Infiltração pulmonar por poeira de sais de ferro e sílica. sideroterapia Aplicação terapêutica do ferro e seus derivados. sidra Bebida resultante da fermentação alcoólica do suco de maçãs frescas, adicionado ou não de suco de pêras. sífilis Infecção contagiosa e inoculável, cujo agente patogênico é o Treponema pallidum; é contraída, geralmente, por contato sexual. As lesões podem ocorrer em tecidos e órgãos vasculares do corpo. A doença apresenta diferences qua-

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

sigmóide síndrome de depleção de sal

dros clínicos, segundo a sua evolução (sífilis primária, secundária, terciária e quaternária). sigmóide Parte terminal do intestino grosso que ten1 a forn1a de um S, é a continuação do colo descendente e desemboca no reto. sigmoidite Inflamação do colo sigmóide (cólon ileopélvico ou alça sigmóide). silício Elemento não metálico de número atômico 14, do grupo de carbono, ocorre sob diversas modificações alotrópicas. O silício em certos tecidos está presente em teor bem alto; encontra-se na epiderme (calosidade da pele), no cabelo (epicutila), no tecido conjuntivo em diversas espécies de animais. Participa do complexo proteína-sulfato condroitin, da substância fundan1ental e fibrilar e da formação de colágeno. Em tecidos humanos, o silício aparece na quantidadede 5 a 1.000 ppm no adulto e 40 a 400 ppm no feto. Aceita-se que, em produtos de orgiem animal, é maior a taxa de silício do que a verificada em alin1entos vegetais. Não há suficiente esclarecimento sobre as disponibilidades de alimentos contendo silício e sua relação com as necessidades orgânicas desse mineral. FUNÇÕES Tem influência sobre a textura e a arquitetura do tecido conjuntivo. Estimula, por via indireta, a formação de colágeno. Como componente de glicosaminoglicanos e poliurônides, mantém relação com o processo metabólico de polissacarídios. Apresentam conexões com o silício: carnes, cereais, leite, ovo, pescado. DEFICIÊNCIA Em seres humano, não tem sido convenientemente detectado. Em frangos alimentados com rações carentes de silício, foram registrados atrasos no desenvolvin1ento e deforn1idades ósseas. O enriquecimento da ração com silício (100 mg/kg) impede a presença dos transtornos citados. silicose Afecção pulmonar por inalação de poeira de dióxido de silício (sílica). Estado mórbido que favorece a dissen1inação puln1onar do bacilo de Koch. É a pneumoconiose mais incidente en1 pedreiros, furadores de poço, e todas as outras profissões que manejam quartzo. sinal de Russell Cicatriz no dorso da mão utilizada para provocar o vômito nos pacientes com bulimia nervosa. sinapse Ponte de conexão de dois neurônios acljacentes, permitindo a transmissão de um impulso nervoso por meio de uma sustância químnica (neurotransmissor).

síncope Cessação temporária da consciência por anoxia cerebral súbita. É causada por parada cardíaca, taquicardia intensa ou bradicardia, ou rápida hipotensão arterial. Tambén1 conhecida como desmaio ou desfalecimento. sincronia Fenôn1enos que ocorrem simulcanean1ente. síndrome Conjunto de sintomas e sinais que se repetem, ao mesmo tempo, um certo número de doenças. síndrome aguda da radiação Conjunto de sintomas causados pela exposição à radiação em tratamentos, acidentes ou armas radioativas. Inicialmente, caracteriza por vômito, astenia, febre e diarréia. Em seguida, surgem púrpuras e petéquias. E culmina com o agravamento da astenia, diarréia sanguinolenta, desidratação, hipotensão, taquicardia e n1orte. síndrome anorretal Conjunto de sintoma que após o efeito tóxico de alguns antibióticos administrados por via oral se caracterizam por inflamação, dor em quein1ação, prurido retal e anal, acompanhado de diarréia. síndrome da alça aferente Sensação de plenitude gástrica após as refeições que se abranda com o vômito bilioso devido a un1 esvaziamento malfeito secundário a presença da alça proximal de uma gastrojejunostomia. síndrome da alça cega Caracterizada por porções do intestino atingidas por diveráculos ou alças cegas, de origem congênita ou cirúrgica. Esta porção estagna conteúdo intestinal culminando na presença de flora bacteriana não habitual, carências múltiplas, anemia megaloblástica. síndrome da anquiloglossia superior Condição que limita anatomican1ente a nutrição do neonato, visto que este nasce com a língua aderida ao palato duro. sindrome da depleção de sal Quando as dietas de redução exagerada de sal, ou mesmo restrição, permanecem durante muito tempo. Pode surgir tanto com o funcionamento normal dos rins quanto nos casos de insuficiência cardíaca congestiva quando se faz uso de diuréticos potentes e, nos cirróticos, conseqüente a grandes perdas de líquidos pelas paracenteses repetidas e uso de diuréticos. Surge, também, quando a retirada de sal ( con1 redução do sódio) é feita em pacientes com capacidade de reabsorção renal prejudicada. Caracteriza-se por astenia progressiva, náuseas, perda de apetite, vôn1itos,

227

síndrome de Alstrõm

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

síndrome de Felty

s

confusão mental, cólicas, dores musculares e abdominais, convulsões, n1orte por uremia. síndrome de Alstrüm Nistagmo, degeneração da retina, cegueira central, surdez nervosa que ocorrem, freqüentemente, após os dez anos, associada à obsidade e diabetes melito infantil. síndrome de Boerhaave Deglutição dolorosa e penetração das substâncias contidas no estômago na região cervical, n1ediastínica e torácica, ocasionada pela ruptura completa do esôfago. síndrome de carência múltipla Aparece em criança de pouca idade, geraln1ente depois do desmame, em famílias de baixa renda e em regiões tropicais e subtropicais. A alimentação dessas crianças é insuficiente em proteínas qualitativa e quantitativamente. SINTOMATOLOGIA Edema, déficit de crescimento, tristeza, apatia grave, fraqueza, alterações cutâneas, cabelos ralos de cor avermelhada (os cabelos são caraterística dessa enfermidade, pois há faixas de despigmentação alternadas com faixas coloridas em vermelho, à semelhança de uma bandeira). Vide KWASHIORKOR. síndrome de Cohn Hiperaldosceronismo. síndrome de Crigler-Naiiar Defeito de herança genética auconômica recessiva na capacidade de conjugação da bilirrubina, gerando icterícia devido ao acúmulo de bilirrubina não-conjugada (indireta) e,nas forn1as mais graves, lesão cerebral (kernicterus). síndrome de Cushing Obesidade centrípeta, face arredondada, acne, estrias abdominais, intolerância a glicose, cacabolismo protéico, amenorréia, hirsutisn10 feminino resultante do aumento da secreção de cortisol pelo córtex adrenal. síndrome de Down Síndrome relacionada com a anomalia congênita trissomia 21 ( aparecimento de três cromossomos 21 em lugar dos dois normais, sendo um aberrante) em algumas ou em todas as células o que determina os diferences graus de gravidade. Caracteriza-se por retardamento mental e do crescimento, fácies típica (face achatada, nariz curto, epicanto, protrusão do lábio inferior, orelhas pequenas com antihélice proeminentes, língua fissurada), defeitos congênitos. síndrome de dumping Síndrome que ocorre após a gascreccon1ia subtotal, caracterizada pelo pequeno tempo de permanência do alimento no estômago, que passa velozmente para o duodeno (gastroenteroanastomose cerminocerminal) ou para o jejuno (gascroenteroanascomose ter-

228

minolateral), sem sua completa digestão. Com a redução da capacidade gástrica, os alimentos são evacuados com maior velocidade e quantidade para o intestino, gerando sintomatologia pós-prandial entre 10 e 15 minutos após uma refeição e caracterizada por dores abdominais, náuseas e vômitos, sensação de plenitude, sudação, palpitações, astenia, palidez, lipotimia tremores, mal-estar epigástrico, diarréias etc. Com veloz evacuação da massa gástrica (n1istura hipertônica) para o delgado, a água plasn1ática desloca-se para o intestino, visando ao equilíbrio da pressão osmótica intraluminar e da água orgânica. Essa perda de água pode ocasionar hipovolemia pela dinünuição do volume sangüíneo e da pressão arterial. A falta de acidez gástrica pelas alterações anatômicas verificadas influi negativamente sobre a digestão gástrica e as funções do intestino delgado. O tratamento dos enfermos gastrectomizados é realizado por regimes diecocerápicos. De n1odo geral, entre outras medidas dietoterápicas, é importante: favorecer o trabalho gástrico e rejeitar refeições volun1osas; ministrar alimentação reduzida e freqüente; limitar a ingestão de glicídios para impedir a produção de soluções hipertônicas; retardar a evacuação gástrica; diminuir o estímulo intestinal. síndrome de esforço Tan1bém conhecida con10 astenia neurocirculacória; caracterizada por n1aior suscetibilidade à dispnéia, fadiga, dor precordial, palpitação, pulso rápido e ansiedade devido a uma irregularidade nervosa funcional e circulatória. síndrome de Fanconi Perturbação hereditária de herança recessiva dos túbulos renais que se caracteriza por apresentando resistência à vitan1ina D, nas doses comuns, surge o raquitismo e a osteomalacia, aminoacidúria generalizada, glicosúria renal, proceinúria, hiperfosfatúria, hipofosfatemia, acidose, hipocalcemia crônicas, retardo de crescimento, pode aparecer ainda cistinose ( excesso de ciscina na urina e em órgãos internos e olhos). Encontrada principalmente em crianças, mas pode acontecer no adulto, con1 maior raridade, sendo devido à herança recessiva, como na criança, ou por lesão do epitélio tubular resultante de mielon1a . . - , . ou 1ntox1caçao qu1m1ca. síndrome de Felty Artrite reumacóide, anemia, esplenomegalia, granulocicopenia, linfadenopatia que atinge os adultos.

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

síndrome de Frõhlich síndrome de Plummer-Vinson

síndrome de Frõhlich Síndrome adiposo-genital ou distrofia adiposo-genital causada por t umor adeno-hipofisário. síndrome de Hutchinson-Gilford Condição en1 que uma criança apresenta características físicas de senilidade, principalmente na face. síndrome de Korsakoff Síndrome caracterizada por perturbações da memória; confabulação (forma de confusão mental en1 que o paciente dá respostas e se recorda de fatos que não corresponden1 à verdade e à realidade), que pode evoluir para o torpor e coma. Ocorre devido à falta de tiamina, sendo que a lesão do sistema nervoso pode ser estrutural e não bioquímica, surgindo pequenas hemorragias e degeneração de neurônios. Essa síndrome está associada, intimamente, com a síndrome de Wernicke e a combinação das duas recebe o nome de Wernicke-Korsakoff. síndrome de larva migrans visceral Síndrome causada pela infestação do organismo por larvas de vermes que têm o homem como hospedeiro intermediário, sendo as parasitoses provocadas pelos parasites Toxocara canis e Toxocara cati as mais comuns. Estas larvas migram por diferentes órgãos gerando inflamação, granuloma e necrose. O predon1ínio da ação patogênica ocorre no fígado, porén1 pode haver comprometimento de outros órgãos (pulmões, coração, rins), do sistema nervoso, do globo ocular e de n1úsculos estriados. A sintomatologia da doença varia de acordo com as condições parasito-hospedeiro. A leucocitose e a eosinofilia são sinais seguros da incidência da doença . Em crianças, a síndrome pode determinar conseqüências graves quando a infestação é incensa. síndrome de leite e alcalinos Processo de dismecabolisn10 do cálcio e do fósforo, insuficiência renal com azotemia, em conseqüência de excesso de leite e alcalinos ingeridos. síndrome de má absorção Diarréia, má absorção de gorduras, fezes volumosas e fétidas, ricas em ácidos graxos, astenia, edema, lassidão, inapetência, perda de peso, palidez, parestesias, cãibras musculares • de origem intestinal Relativa à mucosa: redução da capacidade digestiva ou de absorção, ou ambas; por aumento do peristaltismo; por redução da área intestinal de digestão e absorção ( ressecção) • de origem extra-intestinal Por falta de co-fatores destinados ao preparo e absorção

de substâncias (fator intrínseco etc.). As causas mais freqüentes são: adenoma pancreático, alterações por medicamentos, divertículo jejunal, enfermidades hepatobiliares, enteropatias, insuficiência cardíaca congestiva, insuficiênca pancreática, insuficiência supra-renal, obstruções intestinais, espru, doença celíaca, fibrose císcica, gastroileoscomia. síndrome de má absorção de metionina D istúrbio metabólico hereditário, com n1odificação do transporte de mecionina feito pelos intestinos e túbulos renais. Essa perturbação provoca uma excreção exagerada de metionina e de ácido alfa-hidroxibutíric pela urina. Caracteriza-se por cheiro ativo da urina, retardan1enco mental, edema, ausência de pigmentação dos pêlos, febre episódica, hiperpnéia. síndrome de Mallory-Weiss Secundária a lesões existentes na mucosa e submucosa do esôfago (parte discai) e na união esôfago-estômago, surge um processo de hematên1ese, vômitos intensos, soluços, tosse. síndrome de Marfan Perturbação do tecido conjuntivo, hereditária ( aucossômica dominante), caracterizada por alterações esqueléticas, principalmente das extremidades ( tornam-se longas e finas, com dedos em forma de aranha), do tórax e da coluna. Nos olhos: aumento de córnea, catarata, cransiluminação da íris (falta de pigmento no epitélio posterior), estrabisn10 e outras. Cardiopatia congênita. Sob o ponto de vista químico: redução das mucoprotreínas do soro, modificações da relação entre sulfato de condroitina e o cerato sulfato na cartilagem costal. síndrome de Mendelson Processo pneun1ônico químico pós-operatório, em conseqüência da aspiração silenciosa de material contido no estômago. síndrome de Méniêre Constituída por um conjunto de sintomas que abrange perturbações gastrointescinais, enjôo, com alcerações auditivas e do equilíbrio. Essa síndrome está relacionada con1 a tumefação do vestíbulo do ouvido, provocada por resposta alérgica ou espasmo dos vasos que irrigan1 o aparelho auditivo. síndrome de Plummer-Vinson Conhecida como disfagia sideropênica. Caracterizada pela ocorrência de disfagia ( degeneração muscular do esôfago), glossite, atrofia das papilas linguais, acloridria e anemia hipocrômica microcícica resultante de deficiência férrica.

229

síndrome de Prader-Wili

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

síndrome do odor de pés suados

síndrome de Prader-Willi Síndrome que ocorre em lactentes, caracterizada por deficiência mental, baixa estatura, obesidade, infantilismo sexual, disfagia, hipotonia muscular. síndrome de pseudogota Síndrome caracterizada por depósito de cristais de sais de cálcio nos tecidos e cartilagens articulares e líquido sinovial em quantidades superiores àquelas produzidas pelos cristais de uratos. Assemelha-se à gota e existe em vários membros de uma mesma fan1ília. Caracterizada por dores articulares agudas. síndrome de senilidade precoce Síndrome denominada, no adulto, de síndrome de Werner e, na criança, de síndrome de Hutchinson-Gilford. síndrome de Sidbury Alteração metabólica de ácidos graxos em que há deficiência da acildeidrogenase que, produzindo a oxidação dos ácidos graxos de carbono 4 e 6 provocam redução na oxidação dos ácidos n-buárico e n-hexanóico. Caracterizada por ser similar à que se registra na acidemia isovalérica con1: acidose, vômitos, suor de odor desagradável, letargia, coma. síndrome de Simpson Síndrome de obesidade endócrina pré-puberal, com retardo no desenvolvimento orgânico e sexual, com feminilização dos meninos e exagero dos traços fen1ininos. síndrome de Werner Perturbação multissistêmica, considerada de hereditariedade recessiva autossômica que ocorre em adultos. Caracterizada por velhice prematura, nanismo, osteoporose, transtornos de várias glândulas em ênfase nas gônadas, catarata, problemas cutâneos.

s

síndrome de Wernicke (ou encelalopatia de Wernicke) Aparece por insuficiência de riamina ligada freqüentemente ao beribéri, ao alcoolisn10 crônico e perturbações metabólicas. Além da falta de tiamina, pode haver associação de deficiência de outras vitaminas. É caracterizada por anorexia, vômitos, ataxia, ptose palpebral, nistagmo, perturbação da motilidade ocular, alterações pupilares, perda de memória, confusão mental, alucinações. síndrome de Zolliger-Ellison Úlcera péptica atípica, sem possibilidade de tratamento e fulminante que se caracteriza por secreçao gastnca aumentada com excesso de acidez e hiperplasia das ilhotas do pâncreas. síndrome diarréica Conjunto de sinton1as com predominância de diarréia; é caracterizado por aumento do número de deposições, diminui•

230

-

I



ção da consistência e modificação da composição da matéria fecal. síndrome diencelálica Originada por tumor no diencéfalo que aparece na primeira infância e se caracteriza por emagrecimento evolutivo (apesar de receber o indivíduo grande oferta calórica), hiperatividade locomotora, euforia, palidez cutânea, hipotensão e hipoglicemia. síndrome do bloqueio do mecônio Não eliminação de mecônio devido à obstrução intestinal baixa no recém-nascido. síndrome do cólon irritável Distingue-se por alterações relacionadas com o intestino grosso, no que diz respeito à sua atividade desidratante, motora (contrações anormais exageradas) e n1uco-secretora. A etiologia dessa síndrome pode estar ligada às seguintes causas: maus hábitos alimentares ( influindo na ingestão e excreção de alimentos); estímulo psicogênico em pacientes tensos, ansiosos e descontrolados; estímulo de defecação contrariado constantemente; utilização freqüente de laxativos e de enemas; alergia alimentar; uso desordenado de laxativos e de enemas. Caracteriza-se por desconforto abdominal ou dor, constipação, tenesmo, presença, ás vezes, de diarréia e outros transtornos intestinais. Vide CÓLON IRRITÁVEL.

síndrome do comer noturno (transtorno alimentar noturno) Síndrome que apresentam alguns pacientes obesos e se caracteriza por episódios de compulsão alimentar que aparecem à noite e coexistem com insônia e anorexia n1atinal. Recentemente esta sendo considerado como um novo distúrbio da conduta alimentar, com características neuro-endócrinas (melatonina, leptina e cortisol), comportamentais e psicológicas próprias. síndrome do esmagamento Conseqüente à lesão grave, por esmagamento, principalmente de grandes massas musculares, caracterizada por grande perda de líquidos e sangue pela zona afetada; hematúria; choque hipovolêmico; necrose tubular; insuficiência renal. síndrome do odor de pés suados Erro inato do n1etabolismo de ácidos graxos de cadeia curta. O quadro clínico apresenta aparente normalidade ao nascimento, mas, posteriormente, na primeira semana de vida, aparecem quadros de debilidade geral, anorexia e exaltação desagradável de odor "de pés suados" acompanhados de acidose. Os ácidos butírico e hexanóico

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

síndrome do restaurante chinês síndrome urêmica

estão presentes no sangue, na urina e no ar expirado do paciente. síndrome do restaurante chinês Produzida pela ingestão constante de preparações contendo L-glutamato de monossódio, empregado especialmente em restaurantes chineses, com a finalidade de exaltar o sabor de alimentos. Caracterizada por sensação de queimação esofagiana e gástrica; cefaléias; pressão facial e torácica. síndrome gastrocardíaca Falhas funcional no sistema digescório, principalmente do estômago, levando a alterações na atividade cardíaca. síndrome metabólica A síndrome metabólica é uma constelação de anormalidades metabólicas vinculadas à obesidade abdominal, tendo como via comuma a resitência periférica à insulina, que inclui glicose elevada em jejum, cintura com circunferência grande, dislipidemia aterogênica (baixo colesterol-HDL ou altos índices de triglicérides) e pressão sangüínea elevada, todos elas associadas com um alto risco de doença cardiovascular. síndrome nelrótica Síndrome conseqüente de lesão da membrana basal do glomérulo renal, caracterizada por proceinúria, hipoalbuminemia, albuminúria, corpos duplamente refrateis na urina, hiperlipemia e anasarca, associadas à pressão sangüínea normal. As causas mais freqüentes são glomerulonefrite, glomerulosclerose diabética, miloidose, lupo ericematoso, toxicidade a drogas entre outros. síndrome (ou moléstia) de Banti Originada por obstrução das veias porca, esplênica, ou das intra-hepáticas. Caracterizada por hipertensão porca, ascice, icterícia, leucopenia, trombocitopenia, esplenon1egalia congestiva, hiperesplenismo. síndrome (ou moléstia) de Milkman Processo resultante da reabsorção tubular de fosfato que se apresenta diminuída. Caracterizado por osteomalacia com pseudofracuras múltiplas comprovadas em radiografias, pelo aspecto característico dos ossos. síndrome (ou sintomas) de privação Síndrome que ocorre em viciados em drogas depois que se vêen1 privados delas e em que o grau de gravidade sintomatológica varia segundo o tipo de substância, a dose e o tempo de consumo da droga. Sintomatologia. Perturbações físicas e psicológicas surgidas após a supressão da droga. síndrome pós-prandial Vide síNDROME DE DUMPING.

síndromes metabólicas Alguns dismetabolismos caracterizam-se por defeitos de eliminação de determinados elementos que ficam retidos no organismo, provocando enfermidades. Tais elementos também estão presentes em certos alimentos e sua ingestão, con10 é lógico, será sobrecarga para o mecanismo orgânico de elin1inação. EXEMPLOS DE ALIMENTOS DE EMPREGO LIMITADO Purinas: carnes, extrato de carne, fígado de boi, sardinha em azeite, caldo de vitela. Conseqüência de seu emprego: litíase úrica. Ácido oxálico (oxalato): chá preto, acelga, espinafre, cacau, tomate, figo dessecado. Conseqüências de seu emprego: litíase renal. Fenilcetonúria: essa doença hereditária é caracterizada pela deficiência de fenilidroxilase, responsável pela conversão de fenilalanina em tirosina (fonte de serotonina, adrenalina e noradrenalina). Por essa razão, a fenilalanina acumulase no sangue e, por efeito de seus catabólitos alternativos, produz perturbações cerebrais e inibição da tirosinase em transformar a tirosina em melanina. Visando ao não agravan1ento da enfermidade, será sen1pre controlado no indivíduo o equilíbrio de seu nível sangüíneo de fenilalanina. O tratamento dietoterápico da fenilcetonúria realiza-se pela ingestão limitada de alin1entos "restritos•: no caso, de alto conteúdo de fenilalanina. OuTROS DISMETABOLISMOS Podemos citar alimentos restritos que correspondem aos seguintes metabólicos: alimentos contendo lactose (galactosemia); alin1entos graxos (fibrose cística); alimentos ricos em leucina, isoleucina e valina ( enfermidade da urina do xarope de bordo); alimentos com maior teor de glicose e galactose (intolerância a dissacarídios); alimentos contendo glúcen ( enfermidade celíaca); alimentos hiperglicídicos ( diabetes). síndrome urêmica Resultante de perda das funções renais, por retenção de uréia, acumulada em grande quantidade no sangue e nos tecidos. Além da uréia, há também: retenção de creatinina e de outros produtos metabólicos protéicos (ácido úrico, fenóis, guanidina, sulfatos); transtornos eletrolíticos; acidose progressiva; insuficiência de excreção de sobrecarga de água; alterações da excreção de potássio e conseqüente hiperpotassemia. A elevada presença de fosfato e baixo teor de cálcio no sangue provocam hiperparatireoidismo secundário, com resultante desmineralizaçao óssea e, não raramente, acú-

231

sinéquia

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

sistema renina angiotensina

s

mulo de cálcio nos tecidos moles (osteodistrofia urêmica). O baixo teor de cálcio no soro, que ocorre na uremia, é devido à atividade normal da vitamina D. No início do estado urêmico, instala-se anemia provocada por: ação tóxica, parada da formação de eritrócitos na medula óssea; redução do ciclo dos glóbulos vermelhos; transtornos na elaboração do hormônio estimulante da medula (eritropoietina). Como manifestações tardias da síndrome urêmica, destacam-se: gastrite, enterite, percardite urêmica. A síndrome urêmica instala-se após o progressivo comprometimento dos rins, quando da perda de 90% de suas funções. SINTOMATOLOGIA Dispnéia de esforço; perturbações cardiovasculares; eructação; náuseas; vôn1itos e diarréias; transtornos sensoriais; dores ósseas. sinéquia Aderência; ligação anormal de certas partes (p. ex.: aderência do septo nasal com o corneto inferior; aderência da íris à parte vizinha do olho). sinergia Cooperação de órgãos, de vários músculos, para o melhor êxito de funções ou movimentos. sinergismo Reforço ou potencialização de dois agentes ou substâncias, cuja soma de suas funções associadas é maior do que a de seus efeitos isolados. síntese Reunião de dois elementos para formar composto complexo. sintoma 1 Fenômeno provocado no organismo por ação da doença 2 Sintomas objetivos, também conhecidos como sinais, aqueles detectados pelo médico; subjetivos os que são revelados pelo paciente. Ambos os tipos de sintomas são importantes para se chegar ao diagnóstico. sintomático Referente aos sintomas de enfermidades. Que intervém nos sinton1as ( tratamento sintomático). sintomatologia Ciência ou estudo dos sintomas de uma doença. sintonina Metaproteína existente no tecido muscular; obtida por ação de ácido diluído sobre proteínas con1plexas. sinvastatina Fármaco usado no tratamento das hiperlipoproteínas. Age diminuindo os níveis de LO L inibindo a 3-hidróxi-3-mecilglutaril coenzin1a A (HMG Coa) bloqueando a síntese hepática do colesterol. sistema Conjunto de partes coordenadas entre si, como órgãos e tecidos que exercem funções análogas.

232

sistema digestório Longo tubo n1usculoso, ao qual se associam glândulas e órgãos com a finalidade de participarem da digestão dos alimentos ingeridos. São regiões desse sistema: boca, faringe, esôfago, estômago, duodeno, jejuno, íleo, intestino grosso e ânus. sistema hematopoiético Referente à origem de células do sangue, incluindo a medula óssea e os órgãos linfáticos. sistema nervoso Sistema constituído pelos órgãos e tecidos que realizan1 as funções nervosas no organismo. Fazem parte desse sistema: o cérebro; o tronco espinhal; a medula espinhal; os nervos periféricos e cranianos; e os gânglios. sistema nervoso autônomo Tem como principal função regular o ambiente interno do corpo. Consiste em dois sistemas: parassimpático e simpático. O sistema nervoso autônomo é um conjunto de gânglios, nervos e plexos pelos quais o coração, vasos sangüíneos, vísceras, glândulas e n1úsculos lisos obtêm sua inervação motora. sistema nervoso central Sistema que recebe, analisa e integra informações, realiza a tomada de decisões e o envio de ordens Constituído pelo encéfalo e n1edula espinhal, abrangendo ainda os gânglios das raízes dorsais. sistema porta A circulação portal é um tipo de circulação particular, na qual uma veia se interpõe entre duas redes capilares. Existem dois sistemas desse tipo no corpo hun1ano: o sistema portal hepático e o sistema porta hipofisário. sistema renina angiotensina Modelos patogênicos têm sido propostos para explicar a associação entre a adiposidade e o sistema renina angiotensina (36). Este parece estar relacionado ao acúmulo de gordura no tecido adiposo, ben1 como ao seu envolvimento no processo inflamatório e aterogênico. Em humanos, o tecido adiposo é capaz de secretar angiotensinogênio, receptor angiotensina I, enzin1a conversora de angiotensina e receptor angiotensina II. Em obesos, os mesn1os apresentam-se em níveis séricos elevados, sendo que o TAV parece secretar en1 maior quantidade angiotensinogênio, angiotensina I e receptores angiotensina I que TASA e TAS, enquanto o TAS tem maior expressão de angiotensina II que o TAA (13,27). O receptor angiotensina I é indutor de secreção de prostaglandina série 2 que participa da diferenciação celular de pré-adipócitos e a angiotensina II estimula

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

sistema respiratório sódio

a diferenciação de adipócitos e lipogênese no momento da conversão de angiotensina I en1 II, indicando a participação dos mesmos no processo de acúmulo de gordura corporal. Além disso, a angiotensina II possui forte papel aterogênico, pois estimula diretamente a produção de molécula de adesão-1 e fator estimulador de colônia de macrófagos na parede endotelial, aumenta o metabolismo de óxido nítrico em radicais livres, a atividade plaquetária e a expressão de PAI-1. Sua elevada concentração em indivíduos obesos pode ser mais um elo entre a obesidade, hipertensão e doenças cardiovasculares. sistema respiratório Sistema responsável pelas trocas gasosas constituído por un1 par de pulmões e os órgãos que conduzen1 o ar até eles: fossas nasais, a boca, a faringe, a laringe, a traquéia, os brônquios, os bronquíolos e os alvéolos, os três últimos localizados nos pulmões. sistema reticuloendotelial Reúne as células fagocitárias orgânicas, com exclusão dos leucócitos granulocíticos. Do conjunto de células macrófagas fazem parte: histiócitos; macrófagos do tecido conjuntivo frouxo; células litorâneas endotelóides; células de Kupffer; células reticulares de tecidos linfáticos e mielóides; macrófagos pulmonares alveolares; células da n1icroglia do sisten1a nervoso central; monócitos do sangue. sistema urinário Constituído pelos rins, ureteres, bexiga e uretra, com função de elaborar e eliminar urina. sistema urogenital Composto dos sistemas urinário e genital, que se caracterizam por sua interação embriológica e anatômica. sistêmico Relativo a sisten1a; distúrbios que atingem elementos do mesmo tecido. Que pertence ou afeta o organismo de maneira global. sístole Fase de contração do músculo cardíaco. sitapólase Rejeição de alimentos por influência de doença mental. sitiologia Tratado de alimentos. sitiomania Vontade de ingerir grande quantidade de alimentos, permanente ou em forma de acessos, que ocorre em doentes mentais. sitolobia Horror, medo, aversão anormal por comida. sitologia Dietética. sitomania O mesmo que s1noman1a. Mania, atração anorn1al por alimentos.

sitosterol Esterol que, por irradiação, é convertido em forma ativa de vitamina D. S-metilmetionina Vide v1TAM1NA U. soda Água carregada de gás carbônico, consumida gelada como refrigerante ou acompanhante de bebidas alcoólicas, principalmente vinho. sódio Elemento metálico, de símbolo químico Na, monovalente, branco-prateado luzidio, quando recentemente partido; de peso atômico 22,987 e número atômico 11, e pertencente ao grupo de metais alcalinos, é velozmente oxidado quando exposto ao ar. Produz hidróxido de Na e hidrogênio, por decomposição violenta da água. O Na desenvolve no organismo importantes atividades biológicas, várias das quais ligadas à ação do potássio. É o principal cátion do líquido extracelular. No indivíduo com 70 kg, existen1 2:700-3.000 mEq de Na. Cerca de ½ do total de Na orgânico distribuise na fração inorgânica dos ossos. A maior parte, porém, desse mineral está situada no líquido extracelular (50%). O Na está contido ainda nos ossos ( 40%), no plasma sangüíneo (14 vezes mais do que nos fluidos intracelulares), no sangue, secreção gastrointestinal, transudados serosos, nos n1úsculos, no líquido cefalorraquidiano e outros. Os íons de Na abrangem 93% dos íons básicos sangüíneos. ABSORÇÃO A absorção do sódio pode ocorrer por difusão passiva, quando o gradiente eletroquímico está na direção do lún1en para o sangue. Sua absorção é feita no intestino delgado (principalmente no jejuno) e resulta da diferença entre dois fluxos opostos, em uma só direção: do lúmen para o sangue e do sangue para o lúmen. O fluxo do sangue para o lúmen independe da concentração do lúmen, mas o fluxo deste para o sangue aumenta paralelamente com a concentração do lúmen. A absorção do sódio no jejuno é estimulada pela adição de glicose e galactose (absorvidas ativamente) e pela frucose que é absorvida passivamente. A absorção desses açúcares causa grande afluxo de água do lúmen para o sangue, facilitando a absorção de maior quantidade de sódio. Os nutrientes, em geral, são formados por grandes moléculas e as moléculas de maior tamanho, ao contrário da água e de n1oléculas menores de alguns eletrólitos (que passam diretamente pelas células das microvilosidades intestinais), necessitam de substâncias transportadoras

233

sódio-restrição

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

solanina

s

para penetrarem nas células. Esses transportadores que existem na n1embrana lipoprotéica das células unem-se aos compostos hidrossolúveis (no caso, açúcares, aminoácidos, sódio e, provavelmente, cálcio e ferro), fazendo-os, temporariamente, lipossolúveis e introduzindo-os na célula. O número de transportadores é limitado e só penetrará o nutriente na célula quando for estabelecido o equilíbrio entre os solutos intracelulares e extracelulares. Para que haja absorção permanente, desde o momento em que a concentração intracelular no sangue é maior em relação à concentração extracelular, é necessário que o nutriente tenha um transporte ativo, isto é, seja bombeado pela barreira da men1brana. As "bombas" utilizadas no processo den1andam energia para desen1penhar seu papel, permitindo uma introdução maior e mais rápida de nutrientes, con10 os já citados: açúcares, sódio etc. O sódio desempenha tarefa muito in1portante na absorção de glicídios, ligando-se ao transportador. É bombeado previamente, de dentro para fora da célula, de modo a diminuir a concentração desse íon no interior do enterócico. O monossacarídio, juntamente com o transportador e o sódio, passa do lúmen intestinal para o interior da célula, devido, principalmente, à diferença de concentração do sódio. Esse papel do sódio é peculiar a todas as células e depende do córtex supra-renal. É chamado de "bomba de sódio". ExcREÇÃO A excreção de sódio é realizada especialmente pela urina. Os rins podem reter sódio, conservando-o no organismo quando necessário, por meio de um mecanismo regulador por meio do horn1ônio aldosterona. Pelas fezes (com exceção de diarréia), o sódio é excretado em pequena quantidade; o eliminado por sucos digestivos é reabsorvido. Exceto em sudoreses incensas, o sódio eliminado pelo suor é de menor teor. FUNÇÕES O sódio interfere na concentração muscular. Como cloreto e bicarbonato, participa do controle da pressão osmótica e do equilíbrio acidobásico. Compartilha de atividade enzimática ( amilase pancreática). É necessário para a absorção de glicose e para a mobilização de nutrientes, por meio de membranas celulares. Suas principais fontes são: Sal de cozinha, bicarbonato de sódio, carne-seca, toucinho frito em fatias, presunto cru, azeitona, bacon, can1arão seco, queijo Roqueforc, caviar fresco, bacalhau, embutidos,

234

manteiga com sal, margarina com sal. REQUERIMENTOS As recomendações da ingestão de sódio diária são: O a 6 meses: 0,12 g (5 mmol/ dia); 7 a 12 meses: 0,37 g (16 mmol/dia); 1 a 3 anos: 1,0 g (42 mmol/dia); 4 a 8 anos: 1,2 g (53 mmol/ dia). Para meninos de: 9 a 13 anos: 1,5 g (65 mmol/dia); 14 a 18 anos 1,5 g (65 mmol/ dia). Para meninas de: 9 a 13 anos: 1,5 g (65 n1n1ol/dia); 14 a 18 anos: 1,5 g (65 mmol/dia). Para Homens de: 19 a 30 anos: 1,5 g ( 65 mmol/ dia); 31 a 50 anos: 1,5 g (65 mmol/ dia); 51 a 70 anos: 1,3 g (55 mmol/dia); > 70 anos: 1,2 g (50 mmol/ dia); Para mulheres de: 19 a 30 anos: 1,5 g(65 mmol/dia); 31 a 50 anos: 1,5 g (65 mmol/ dia); 51 a 70 anos: 1,3 g (55 mmol/ dia); > 70 anos: 1,2 g (50 mmol/dia). Para n1ulheres grávidas: 1,5 g (65 mmol/ dia). Para lactantes: 1,5 g (65 mmol/dia). A deficiência de sódio é rara, podendo ocorrer quando de excessiva transpiração e por ingestão de pequeno teor de sódio na dieta. SINTOMATOLOGIA Sua sinton1atologia inclui: náusea, diarréia, cãibras abdominais, musculares, anorexia, fraqueza, apatia mental, contrações musculares, convulsões e até coma. Um lactente prematuro ingerindo dieta hipossódica durante um mês e n1eio apresenta perda de peso, embora a ingestão calórica seja suficiente. Também a deficiência de sódio pode surgir por ocasião de vômitos e diarréias abundantes e sudoreses profundas. sódio-restrição Em casos de enfermidades cardíacas graves na retenção de sódio e água, a rescrição de sal é benéfica; também se aconselha a redução de sódio na cirrose hepática (hidropsia), na hipertensão, na toxemia gravídica, nos distúrbios renais e en1 outras enfermidades. Alterando o funcionamento renal por n1á circulação, o teor sódico do organisn10 sofre alterações pela maior ou menor eliminação desse elemento. Em casos de excesso de sódio, tornase necessária a ministração de diuréticos, além da dieta hipossódica. Como a concentração n1aior ou menor de sódio se faz por meio da água, quando da eliminação pela urina, o papel do hormônio antidiurécico (aldosterona) representa fator importante nesse equilíbrio. solanina Substância tóxica (glucoalcalóide) existente na casca e na parte brocada da batata. A solanina é constituída de um aglucon (solanidina) e de um açúcar, a solanosa. A batata torna-se imprópria con10 alin1ento quando seu conteúdo de solanina atinge teor acima de 100 mg%. As

soluço

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

sorologia

intoxicações ligeiras apresentam: vômitos, diarréias, cefalalgia, dores abdominais. As graves provocam cãibras, edema cerebral, morte. soluço Contração espasmódica do abdome, que provoca abalo brusco do abdome e do tórax, determinando ruído especial, motivado pela constrição da glote e pela vibração das pregas vocais. somático Pertencente ao corpo. somatostatina Também conhecida por inibidor da liberação de somatotrofina (hormônio do crescimento); inibe também o hormônio estimulador da tireóide. Outras ações desse hormônio: inibe por completo a secreção de glucagon e da insulina; inibe a gastrina; inibe a produção de enzimas pancreáticas e a contração da vesícula biliar; inibe a liberação da motilina; inibe as secreções do estômago. Local de forn1ação de son1atostatina: sistema nervoso central (hipotálamo); nervos das paredes do intestino grosso e delgado; células delta do pâncreas. O estímulo de sua secreção ocorre pela presença de ácidos graxos, de glicídios e de cálcio. somatotipologia Doutrina biotipológica em que os indivíduos são classificados em três tipos. EcTOMORFOS Preponderância da retidão e fragilidade; reduzida massa muscular; em relação à estarura, pouco tecido subcutâneo. Predileção alimentar: massas, verduras e frutas, pouco líquido, comem norn1almente, são taquifágicos. Características: sonolência pósprandial, mal-estar em jejum. MESOMORFOS Preponderância muscular, óssea e de tecidos conjugados, físico, compacto e pesado. Predileção alimentar: carnes, às vezes verduras, bastante líquido, bebidas alcoólicas. Características comen1 rapidan1ente, são predispostos a distúrbios cardiovasculares pós-prandiais. END0M0 RF0S Predominância de tecido frouxo em volta do corpo. Vísceras aumentadas e gordura acumulada. Tórax largo. Coxas e extremidades afiladas. Estrurura con1pacta. Predileção alimentar: frutas, verduras, massas, muito líquido ( água, vinho e cerveja). Características: comem vagarosamente, apesar de polifágicos; ocorre narcolepsia pós-prandial. somatotropina Hormônio de crescimento. Secretado pela hipófise anterior, atua estimulando a diferenciação de precursores celulares em células mais n1aduras e promove o crescimento

por estimular a secreção de IGF-I no fígado, o qual atua como um agente endócrino causando o crescimento de tecidos periféricos. sonda Instrumento cilíndrico, duro ou flexível, para explorar canais ou cavidades naturais ou acidentais, ou praticar cateterismo; objetiva determinar a existência de estreitamentos e sua dilatação, localizar objetos estranhos ou outras condições anormais. sonoterapia Processo terapêutico que, por pequenas doses de hipnóticos, provoca sono prolongado durante semanas e que só é interrompido para que o paciente se alimente. soporativo Substância que provoca sono. sopro anêmico Sopro cardíaco funcional presente comumente em indivíduo anêmico. sorbitol É o álcool do açúcar absorvido lentamente pelo intestino e transformado em glicose. Os diabéticos toleram melhor pequenas porções de sorbitol que de sacarose; sua utilização, porém, deve ser dosada, pois grandes quantidades elevam o nível de glicose sangüínea, que, por sua vez, provoca diarréia. Para ser metabolizado, o sorbitol não necessita de insulina. Solúvel em água, o sorbitol é encontrado en1 cereJaS, an1e1xas, peras, nesperas e maças. Industrialmente, o sorbitol é empregado como adoçante de produtos alimentícios. soro Parte aquosa que se separa do leite ou do sangue depois de coagulados. soroalbumina Proteína sangüínea, abundante no plasma e no soro. Não constirui substância química definida, e sim uma mistura. soro antitóxico Soro de poder imunizante originado de animal ao qual foram aplicadas doses crescentes de toxinas n1icrobianas. soro fisiológico Solução isotônica de variável composição, que geraln1ente contém cloreto de sódio e, em certos casos, bicarbonato de sódio e glicose. soroglobulina Proteína encontrada no plasma e no soro sangüíneo, nos glóbulos e em várias serosidades. Abrange as globulinas alfa-1, alfa- 2, beta e gama; as alfa 1 e 2 e a beta-proteína que se combinam com pigmentos, metais, lipídios e glicídios têm função de transporte, a gamaglobulina é importante por ser suporte de anticorpos. sorologia Estudo dos soros, de suas características e propriedades de suas atividades e reações imunológicas. •

'

A

A



235

.. ,

soro sangu1neo

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

superfície corporal

s

soro sangüíneo Parte que permanece líquida,

SUCO

de coloração amarela, após a coagulação sangüínea. Esse soro tem a mesma composição do plasma sangüíneo, diferindo, porém, por não conter fibrinogênio. soroterapia Emprego do soro humano ou de animais, que contên1 anticorpos, no tratamento de várias enfermidades. sorvete Produto refrescante congelado, à base de frutas, leite, chocolate, açúcar e outras substâncias. subalimentação É aquela em que a quantidade e a qualidade dos nutrientes apresentam-se em valores abaixo da alimentação normal. sobe utâneo Debaixo da pele. subglossite Processo inflamatório dos tecidos abaixo da língua. subjetivo Que está relacionado com o indivíduo e com os sintomas só por ele percebidos (p. ex.: dor). submucosa Tecido situado abaixo da membrana mucosa. subnarcose Semi-sono provocado por anestésicos fracos; sono leve e incompleto. substância cimentante Substância semifluida ou gelatinosa, de união celular. substância de reação lenta de analilaxia Poderoso mediador alérgico, formado e liberado pelos mastócitos. substância essencial Que apresenta consistência sen1elhante à do gel, em que as células, fibras e capilares sangüíneos das cartilagens, osso e tecido conjuntivo se depositam. substância P Hormônio presente no Sistema Nervoso Central e nos nervos periféricos, e que ten1 sido obtido de tecidos renais, do pâncreas, da tireóide e de glândulas salivares. D esempenha as seguintes atividades: estimula a secreção salivar e o peristaltismo intestinal; favorece a secreção de glucagon e a vasodilatação; inibe a liberação da insulina. A substância P é um peptídio encontrado nas paredes intestinais. SUCO Líquido obtido através do processamento de diversas variedades de frutas. SUCO gástrico Substância líquida viscosa secretada pelas glândulas do estômago, contendo ácido clorídrico, pepsina e mucina. É líquido incolor de reação ácida, peso específico ao redor de 1,006 e que apresenta cerca de 0,5% de substâncias sólidas.

nais e contendo variedade de enzimas digestivas. É líquido fluido, alcalino, opalescente; sua gravida.de específica é de 1,011. SUCO pancreático Líquido espesso, transparente, inodoro, incolor e bastante alcalino. Possui enzimas de propriedades proteolíticas, lipolítica.s e amilolíticas. sudação Produção de suor fisiológica ou patológica. sudorese Excesso de suor. sufocação Asfixia, dificuldade respiratória. suitas Drogas sintéticas derivadas da sulfanilan1ida, empregadas contra infecções produzidas por bactérias. Abrangem sulfadiazina, su!fatiazol, sulfapiridina etc. sullatase Enzima que produz hidrólise de um etéreo (sulfato de éster). sulfato Sal de ácido sulfúrico. sulfato de bário Sal empregado como contraste para exames radiológicos. sulfato de sódio (sal de Glauber) Agente purgativo; diurético e laxativo, utilizado em doses reduzidas. sullidrila Radical representado por SH, geraln1ente ligado à cadeia de carbono. Sua presença é importante para a ação de várias enzimas. sullidrismo Intoxicação profissional por inalação de ácido sulfídrico comumente associado avapores amoniacais, ácidos nitroso e carbônico. sulloácidos Constituídos pelos ácidos picladospórico e fagicladospórico. sulloniluréias hipoglicemiante oral que estimulam a produção de insulina pelas células do pâncreas, indicado para pacientes com diabetes melito tipo II em que a dieta não esteja sendo eficaz isoladamente. As principais sulfolinuréias são: clorpropran1ida glibenca.n1ida, glicazida, glimepirida, glipizida. suor Produto de secreção das glândulas sudoríparas, possuindo substâncias em solução, principalmente sais de sódio e potássio. superalimentação Alimentação com excesso quantitativo e qualitativo de valores principalmente energéticos, que superam as necessidades para cobrir os gastos de manutenção do organismo. superfície corporal Superfície que recobre a pele do indivíduo, calculada em metros quadrados, pela fórmula deAub-D ubois. SC=0,007184 X (Altura em cm0•725 ) X (Peso en1 kg) 0A25 em que

236

intestinal Secretado por glândulas intesti-

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

supergelação suporte nutricional parental

SC = superfície corporal em m 2; e 0,007184 é uma constante. A superfície corporal pode ser determinada por vários tipos de cálculos, inclusive o do nomograma. supergelação Congelação rápida, diferenciada da congelação convencional por nela se manterem fixos temperatura e tempo aplicados durante o processo e o grau de temperatura em que posteriormente deve ser conservado o produto. Na supergelação, pela rapidez do processo, na passagem pela faixa crítica de O a 24°C, os cristais formados são diminutos e numerosos e não afetam a estrutura do alimento; com isso, no descongelamento, o alimento não perde parte de seu suco e, conseqüentemente, substâncias nutritivas e qualidades organoléticas. A supergelação caracteriza-se como processo de congelação rápida, aplicado em temperatura de impacto (entre 40 e -50°C) durante 30 minutos e depois mantido em temperatura de -18°C. superóxido-dismutase Enzima cuproproteínica do citossol. Desdobra catalíticamente o ra-

dical livre, tóxico, íon superóxido (Oz) gerado durante o metabolismo aeróbico. superoxigenação Elevação excessiva da proporção de oxigênio na n1istura inalada quando da oxigenioterapia. Nesse caso, estima-se em 60% o teor máximo de oxigênio tolerável. suporte nutricional Suporte ao paciente, paralelo ao tratamento, que direciona a atenção para as condições nutricionais do paciente; seja ela via oral, enteral ou parenteral. Tem como objetivo evitar a desnutrição em certas patologias, ben1 como suas complicações. suporte nutricional enteral Suporte ao paciente, paralelo ao tratamento, que direciona a atenção para as condições nutricionais do paciente. A via de administração é por meio de sonda naso-entérica, que se estende até a poeçao proximal do duodeno. suporte nutricional parenteral Suporte ao paciente, paralelo ao tratamento, que direciona a atenção para as condições nutricionais do paciente. A via de administração é por meio de infusão endovenosa.

237

tabelas de composição química de alimentos Um dos n1ais importantes atos para a prescrição e realização dos regimes normal e principalmente o dietoterápico é o conhecimento da composição e da proporção dos nutrientes integrantes dos alimentos prescritos. Essas informações encontradas nas tabelas de composição química de alimentos são editadas por organizações de vários países e reproduzem os dados referentes à média dos valores químicos dos alimentos de suas respectivas regiões. O manuseio dessas tabelas, apesar de elas nem sempre representarem a realidade desejada quanto à exatidão de seus números, é tão importante para a prática dietética quanto a farmacologia para a receita farmacêutica. Entre nós, por ausência de um plano geral de análises de nossos alimentos, são utilizadas várias tabelas de composição química de alimentos, cujos dados, mesmo compilados, aproximam-se do aceitável. A tabela de composição quín1ica de alimentos n1ais popular em nosso meio é a do nutrólogo Guilherme Franco. tabes Marasmo, consumpção; en1 geral, a designação refere-se a cabes dorsal. tabes dorsa/is Síndrome medular; forma de neurossífilis em que ocorre desmielização e processo esclerótico das colunas posteriores da medula. tabus alimentares Conceitos deturpados e arraigados na crença popular de que determinados alin1entos exercem efeitos n1aléficos na saúde de indivíduos. Crenças que impõem fal-

sas restrições baseadas em supostas conclusões de ordem pessoal e religiosa. tahine Pasta de gergelim com molho. tálamo Núcleo cinzento em cada lado do terceiro ventrículo. O tálamo recebe fibras do córtex, do cegumento e do trato óptico; manda fib ras de projeção às áreas sensitivas primárias do córtex. talassemia Anemia hemolítica conseqüente a defeitos hereditários da síntese da hemoglobina em que, havendo transtorno de suas cadeias oligopepcídicas, ocorre produção de eritrócitos hipocrômicos e microcíticos. tampão Substância capaz de manter constante o pH de uma solução. Quando adicionada de ácido ou base, ela neutraliza, tampona, esse ácido ou base. O principal tampão orgânico é constituído pelos sais alcalinos (bicarbonato de sódio do plasma), cuja massa representa a reserva alcalina. tanase Enzima que transforma o ácido cânico em ácido gálico. Provém de microorganismo dos gêneros Penicillium e Aspergillus. tapioca Fécula de raiz de mandioca, industrializada com várias marcas; papa ou bolo de mandioca. TPN Trifosfopiridina nucleoádio. Vide NICOTINAMIDA ADENINA DINUCLEOTÍDIO FOSFATO

(NADP). TPP Pirofosfato de ciamina. É un1a coenzin1a derivada da vitamina B1. taquicardia Ritmo acelerado dos batimentos cardíacos.

taqu ifagia

Dicionário Brasileiro de Nutrologia

tecido conjuntivo

taquifagia Ingestão rápida, prejudicando a n1astigação.

taquifilaxia Efeito diminuído de injeções repeti-

T

das de uma substância. taquisterol Precursor do calciferol na irradiação do ergosterol. taquiúria Excreção renal rápida, de líquidos absorvidos. tara Propensão hereditária para determinadas doenças ou desvios. tartazina Cor an1arelada permitida nos alimentos na maioria dos paízes; sal trissódico. tartronato Sal de ácido tartrônico (ou hodroximalônico). taurina Ácido d-amino etanassulfônico; encontrado na bile associado con1 ácidos eólicos. taurocolato de sódio Sal sódico do ácido taurocólico, contendo gliconato de sódio e que integra a bile de carnívoros. Empregado como colagogo e colerético. taxa Nún1ero indicativo da porcentagem; proporção em geral. taxa de eficiência protéica Medida de avaliação protéica, realizada em animais em crescimento. É como "ganho de peso por grama de proteína ingeridá'. taxa de energia protéica Conteúdo de proteína de alimento ou dieta expresso como a taxa de energia gerada pela proteína em relação à energia total. Taxa outrora mencionada como calorias protéicas por cento e expressa como a porcentagem do cocal de calorias obtidas das proteínas. taxa de morbidade Registro do número de casos de enfermidade, em determinado grupo da população em certo período de tempo. taxa de mortalidade Porcentagem da mortalidade de determinada doença, referente à totalidade de óbitos, ou ao total da população da região. taxa de sedimentação Velocidade de sedimentação ericrocitária no sangue preparado com substância anticoagulante.

taxa de utilização protéica (UPL ou NPU) Valor da qualidade protéica relacionada com a quantidade de proteína dietética retida no organismo em condições experimentais. Essa taxa, também conhecida por net protein utilization, ou utilização protéica líquida, estabelece a proporção do nitrogênio retido e o consumido pelo indivíduo, com o alimento: