Cultura Letrada e Cultura Oral no Rio de Janeiro dos vice-reis

Citation preview

CULTURA LETRADA E

CULTURA ORAL m- Í'/¡I/kv «Á-_ Í////r/'/'ff fÁ-›› ff/'W

/vr)

ã

I

_ !

'¡`.`.

.

W

__ 7¡.|7

_

'_ »_ .___ H-P __.” .~

J "

,'~*: f f 'I

Maria Beatriz Nizza da Silva

editora

“.§.'åìï1P

Nota do Editor

Com o objetivo de viabilizar a referência académica aos lívros no formato ePub, a Editora Unesp Digital registrará no texto a pagínação da edição ímpressa, que será dernarcada, no arquivo digital, pelo núrnero correspondente ídenüficado entre colchetes e em negrito [oo].

S581c Silva, Maria Beatriz Nizza da Cultura letrada e cultura oral no Rio de Ianeiro dos vice-reis / Maria Beatriz Nizza da Silva. - 1. ed. - São Paulo: Editora Unesp Digital, 2017. Fomiato: digital ISBN: 978-S5-9546-ooo-3 1. Brasil- Usos e costumes. 2. Brasil- Civilização. 3. Brasil- Aspectos culturaís. 4. Brasil- História - Impélio, 1822-1839. 5. Livros eletrônicos. I. Título. 17-39424

CDD: 981.o4 CDU: 94(S1)

Editora afiliada:

ala: IB!!

Ancnuúndnhdllnnbuürmunnuun

Aaøchçleflnsúel-rnde

nknmnnnlnn-uyeIC¡|-ln

Iifllflulhüvfiiflifln

[5] Sumario

[9]

mçätnl 1 Uma natureza pródiga [;7_]

%L¶M [17] Estudantes caiiocas na Universidade de Coimbra reformada e em Mont

11%@ A academia cientíiica do Rio de Ianeiro [¿5]

iml.33] As coleçöes da Coroa e dos particulares [¿¡_4_] Proposta de um Iardim Botânico [49]

Ag [54.]

A¿p [.59] Dois vice-reis ilustrados [62] [6] A política de D. Rodrigo de Sousa Coutinho [66]

[7§] 2 A saúde pública [81] A insalublidade do Rio de Ianeiro [81]

l.9.3]

Farrnacopeias e receítas populares [1oo] A vacinação contra a varíola e a proibição das sepulturas nas igrejas [109]

3 A cultura dos bacharéis [115] A carreira da magistratura [115] Um juiz de fora confiituosoz Baltazar da Silva Lisboa [120] Os desembargadores da Relação [128] Desembargadores da Relação naturais do Rio de Ianeiro [128]

1`í[132] C)=°¿ii\ff›g221f:1i[134.] 4 Regalismo e resistências [57] Um sermão ultrarnontano [138] Medidas da Coroa acerca dos regulares [149] Restrição à admissão de noviços [142]

%Ä [145l Rebeldia e relaxação de costumes [153] Os libertinos e os frades [163]

5 Professores régios e aulas [I67_] Novos métodos, novos textos [161] Ensino laico versus ensino religioso [171] [7] Um professor de graniática latina naturalista [180] O controle das Aulas Régias [184]

Outras aulas [Ä]

L9.3]

pfi[195] lL9.5] Noticias da França rev0lucioná1ia[2o7_]

[a5] Criticas à monarquía e ao governo [216]

l As duas facçöes: agressöes físicas e verbais [219] Os afresãos e seu círculo de relaçöes; as reuniöes em casa de Silva Alvarenga

[ml A Coroa e o vice-rei conde de Resende perante a puniçao dos presos [223] D. Rodrigo de Sousa Coutinho e a Franç¿[225]

7 Religião e libertinagem [22.9_] O edital de 13 de fevereiro de 17_92 [229]

r] O Tribunal do Santo Oficio e a libertinagem [238] Libertinos na Universidade de Coirnbra [¿4g]

0_sp [24å] 8 Leitura e censura [¿55] A centralização da censura [255]

Livros proibidos: a importação pelos livreiros de Lisboa [260] Mercadores de livros e lívreiros do Rio de Ianeiro [265] [8] Outras fonnas de comércio livreiro [27_9] As bibliotecas particulares [281] A divulgação de obras pela Coroa [291]

_9 O conceito de ilustração [303] Conhecimento e decisão [306]

[.3L4.] [317]

[3ë] 10 A maneira de conclusão [325] Fontes e referências bibliográficas [331]

[.331]

[email protected]=i[.33.9,1 Referências bibliográficas [345]

[9] Abreviaturas

ACL, Academia das Ciências de Lisboa AHU, Arquivo Histórico Ultramarino ANRI, Arquivo Nacional do Rio de Ianeiro ANTT, Arquivo Nacional Torre do Tornbo IL, Inquisiçao de Lisboa RMC, Real Mesa Censória BNL, Biblioteca Nacional de Lisboa BNRI, Biblioteca Nacional do Rio de Ianeiro BMP, Biblioteca Municipal do Porto IEB, Instituto de Estudos Brasileiros da Universidade de Sao Paulo IHGB, Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro ABNRI, Anaís da Biblioteca Nacional RIHC-B, Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro DH, Docurmmtos históricos (BNRI)

[11] lntrodução

[5] Na sociedade colonial brasileira, a cultura Ietrada sempre teve menos peso do que na metrópole, certamenbe devido à inerdstëncia de urna imprensa local e à dificuldade de circulação

de 1i\-'ros entre Portugal e o Brasil. Desde o século XVI, predominou uma cultura da oralìdade. No cotidiano, a expressão oral sobrepunha-se à palavra escrita, fosse no contato diario com os indios, apreciadores de longas arengas, fosse nu.ma sociabilidade que raramente reunja homens e mulheres, fosse ainda nas celebraçöes religiosas pontuadas por sermöes, autos e pregaçöes. Não só os jesuitas se queixavam da falta de livros para Lisboa, mas também os leigos dispunham de raras

obras, como se pode constatar na documentação da visita inquisitorial dos anos 1590 à Bahia e a Pemambuco, então as regiöes mais ricas e povoadas. Foram apenas referidas a Diana, de Iorge de Montemor, Eigfrosina e as Metamorƒoses de Ovidio. Curiosamente, um morado: de um engenho em Pemambuco possuía um li*-'ro de “sortes”, o qual desempen.ha\'a certamente [12] um papel aglutinador nos seröes, ajiudando a passar o tempo com jogos de adivinhas e brincadeiras viñas. A sociabilídade colonial, associada por vezes a jogos de cartas e de dados, ou a jantares e ceías de festa, corngregava principalmente os homens que discutiam seus negocios, contavam casos e, sobretudo, debatiam alguns puntos de religião. A reprodução parcial dessas conrersas pelas testemunhas interrogadas pelos comissários do Santo Oficio revela que, frequentemente, mesmo os

temas do cotidiano restalavam para a discussão de um dogma ou de uma prática religiosa. Assim, por exemplo, ao ser comentado, nu.m circulo masculino, que uma mulher fizera “mover”, ou seia, abortar, tendo, desse modo, matado a criança sem batísmo, logo os circunstantes passaram a debater a existencia, ou não, de um limbo que guardarla as almas desses inocentes não batìzados.

Do mesmo modo, ao ser mencionado o crime de um homem que matara os próprios pais, o assunto que interessou àqueles que participavam da conversa era saber se esse homem podia, ou não, salvar-se por meio da penitencia. A religião permeava constantemente as práticas dìscu.rsi\'as e constituía um tema central de debate. É sobretudo por meio dos interrogatorios inquisitoriais e das devassas do poder civil que nos

apercebemos do papel dos rumores, da voz pública e da rede de boatos na sociedade colonial. E a própria cultura letrada se tomava cultura oral quando os livros, parcialmente copiados em cadernos e mu.itas vezes traduzzidos, eram., depois, lidos e comentados nos circulos sociais. A de'-'assa ordenada, em 1794, pelo vice-rei conde de Resende, já muito estudada, será analisada apenas no que se refere à imbricação da cultura oral e da cultura letrada.

Devo deixar bem claro que a cultura oral não se identifica, neste estudo, com cultura popular, para que o leitor não si.nta a falta de alguns capítulos sobre as práticas culturais da população negra ou as formas de curandeirismo ou feitiçaria. O que entendo aqui por cultu.ra oral é a cultura

letrada verbalizada e, portanto, [13] simplificada. Sítuamo-nos ao nivel da incorporaçao, assirnilação e comunicação verbal de leituras feitas por alguns individuos e discujidas por um grupo mais amplo nos ci.rculos de conversa. A lnquisição, agora atenta principalmente aos liberlinos e aos pedreiros livres, revela, nos in-

terrogatorios das testemunhas, o quanto os temas religiosos se mantinham ainda nas conversas das boticas ou nos espaços particulares por causa da presença maciça entre a população de práticas como a pertença a irmandades, o respeito ao jeju.m, a compra de indulgëncias, a preseniça na míssa e no confessionärio, as reus defnonte dos numerosos oratótios de rua. O que se discutía

nesses espacos de socíabilidade decorria não de urna leitura de livros sobre religião natural, o tema filosófico por excelencia na segunda metade do século XVIII, mas sim de uma atmosfera de descrença em relação a dogmas e práticas de culto, consequência '-isi*-'el do regalismo pombalino em relação às ordens religiosas. A forte presenca da cultura oral manteve-se durante todo o periodo colonial, muito embora,

na segunda metade do século XVIII, os livros se tiuessem tomado menos raros, acompanhando os letrados que 'rinham ocupar seus cargos na administração, ou os médicos e cirurgiöes que procuravam clientela na capitania do Rio de Ianeiro. Os próprios negociantes começaram a importar livros para a venda, ao lado de outras mercaderias. Os espaços de sociabilidade díversificaram-se nas \ilas e cidades mais populosas, e as numerosas boticas e os botequins, lugares públicos, acres-

centaram-se aos locais privados anteriormente dominantes. Se hoje conhecemos parcialmente o teor dessas conversas, é graças às devassas ordenadas pelas autoridades coloniais ou ainda ã documentação inquisitorial, preciosas para a reconstítuição da cultu.ra oral. Mesmo nas áreas científicas, sobretudo na Medicina, urna parte do saber não era diflilgada

pelos livros, e sim pela comunifiação oral. Basta lembrar o conhecímento das plantas medicínais brasileiras transrnitido pelos indios aos brancos, ou entao pelos [14] sertanejos as populaçoes urbanas; a tecnologia do fabrico do açiícar ou da mineração, que só na segunda metade do século XVIII começou a ser invadida pelos saberes provenientes da Fisica ou da Quimica; ou as práticas agricolas passadas oralmente de geraçäo em geracão, dificilmente aceitando os lavradores a incor-

poração dos conhecimentos botánicos ou tecnológicos agora intensamente divulgados. S6 para os profissionais, formados pela Universidade de Coimbra reformada, ou no caso de alguns poucos pela de _\'Iontpellier, os livros se tomavam indispensáveis. Magistrados, médicos e cirurgiöes, padres, fimcíonänos carregavam consigo suas bibliotecas quando vinham ocupar car-

gos na colonia, ou quando regressavam à rnetrópole. Essa movimentação constante de lìvros de u.m para o outro lado do Atlántico passou a ser controlada, durante o ministerio p-ombalino, pela Real Mesa Censória e, em seguida, no reinado de D. Maria I, pela Real Comissão Geral para o Exame dos Livros. Analisando essa docurnentaçao, chegamos ã conclusao de que os Iivros erarn, na segunda metade do século XVIII, encarados mais como inst'm.mentos de trabalho do que como

meios de dìvertimento ou lazer, apesar do surto das novelas na Virada do século. Por outro lado, a existência de urna longa lista de livros proibidos produzidos pelos cbamados “filósofos” franceses, e também as gazetas europeias comentando a revolução na França, induziam ao contrabando de obras e elucidavarn os coloniais acerca das no\as ideias e práticas

politicas. Muitas vezes, contudo, tais textos eram apenas parcialmente traduzidos e copiados, circulando os manuscritos truncados com maior irequêncía do que os próprios li'-ros. Foram essas as traduçöes discutidas em locais públicos ou privados, e sobre elas exerdam os vice-reis do Rio de Ianeiro a maior vigilancia, como se pode constatar nos autos da devassa da Sociedade

Literaria. É preciso ressaltar desde já, embora a demonstração seja feita no decorrer deste estudo, que a libertinagem que permeava as con*-¬ersas nas boiius cariocas era de teor religioso, e não politico [15] ou sexual. Nessa época, lidamos com dois tipos de lfberlinos: um mais erudito, cuja irreligiosidade dependía de leituras que colocavam em dúvida dogmas da religião católica; outro mais

popular, visivel nos comportamentos e nas conversas, caracterizado por um violento anticlericalismo, restrito, contudo, às ordens religiosas, poderosas e ricas, sem atingir os párocos nem os bispos, fiincionários da Coroa. As medidas regalistas atingiram a colônía no último quartel do século XVIII, ao mesmo tempo que os estudantaes coloniais em Coimbra ficaram imbuidos do regalismo que permeara

toda a reforma da Universidade. Enquanto a Coroa pretendía fazer diminuir drasticamente o número de frades e le'-*ar as ordens religiosas a vender seus bens patrimoniais, fossem rusticos ou urbanos, uma parte da população aliava atitudes libertínas a posiçôes re-galistas, considerando os religiosos regulares como inúteis e ociosos, e satjrizarido-os em prosa ou em verso. Não ha dúvida

de que regalismo e hbertinagem se aliaram, ainda que os libertinos tenham avançado muito mais no descrédito da relìgião revelada. Embora o Rio de Ianeiro se tenha tornado sede do vice-reinado em 1763, só me ocuparei aqui do periodo de 1770 até à chegada da Corte, quando vice-reis ilustrados como o marqués de l_a\'radio e Luis de Vascormelos e Sousa souberam aliar as preocupaçöes bélicas em relação a América

espanhola a outros temas de teor cientifico ou tecnológico, cumprindo as ordens de secretarios de Estado como Marlinho de Melo e Castro e D. Rodrigo de Sousa Coutinho, dotados de uma mentalidade ilustrada. Esse periodo corresponde, sem dúvida, àquilo que se convencionou cliamar ilustração, termo que exige, no caso da cultura luso-brasileira, u.ma análise que acentue sua es-

pecificidade. É esse o tema do capitulo final. Creío ser necessário distinguir metodologicamente a ilustração dos govemantes, fossem eles Pombal ou D. Rodrigo de Sousa Coutinho, e aquela de individuos que cultivavam um saber adquirido em universidades mais modernas, como a Universidade [16] de Coimbra reformada ou a de Montpellier, que frequentavam as academias cientificas, ou que eram autodidatas

absorvendo conhecimentos por meio de livros e obsenaçöes, e que, depois, esperavarn, graças ao patrocinio régio, aplicar seu capital intelectual no estuido da natureza ou na prevenção das doenças. Procurei, neste volume, aprofiindar, em relação ao Rio de Ianeiro dos vice-reis, aquilo que j á tinha apontado em relacão as varias capitanias em meu livro Cultura luso-bmsiisim. Da røƒòmfia da

Unit-crsidade cì independéncia do Brasil, publicado em Portugal em 1999. Com uma cronologia mais restrita, pude apreender as varias facetas da vida cultural na sede do vice-reinado, na qual,

sem dúvida, a palavra oral assumiu ainda um papel tão relevante quanto a palavra escrita.

[1711 Uma natureza pródiga

Vencer a ignorância Depois de reformar os estudos menores, o marqués de Pombal concentrou-se na transforrnação da Universidade de Coimbra, então dominada pelos jesuitas e cientìficamente atrasada

em relaçäo àquilo que se estudava nas demais miiversidades europeias. A Carta de Lei de 23 de dezembro de 1770 criou a ]unta de Providencia Literaria, da qual faziam parte o prôprio marques, o reitor da universidade, Francisco de Lemos Pereira Coutinho, e seu irmão, o também flumínense Ioäo Pereira Ramos de Azeredo Coutinho, além de outros membros. Tinham eles como missão examinar as causas da decadencia e mina da universidade, “ponderando os remédios

mais próprios para elas cessarem, e apontando os cursos eientificos e os métodos [...] para a fundação dos bons e depurados estudos das artes e [IS] ciencias, que depoìs de mais de um século se acham infelizmenbe destruídosïl A mudança sigriificava para Pombal a passagem das trevas da ignorancia para as luzes do

oonhecimento: “É axioma em toda a república literária indubitavelmente certo e sem oontraditor, provado pela razão e pela experiència, que não pode haver peste que tantos estragos tenha arnontoado nos Reinos e Estados como a ígnorànc1a'°.Z- Nesta curta frase, e' claramente afixmado o poder destruidor da ignorancia reconhecido pela elite ilustrada. Depois de apresentado o programa de estudos universitarios pela Iunta de Providencia

Literaria, celebraram-se, durante um més (de 22 de setembre a 24 de outubro de 1772), as magníficas festas pela ñmdação (foi esta a palavra propositadamente esoolhida) da universidade, nas quais se podia notar a presença de naturais do Brasil nos festejos. Em 4 de outubro, um domingo, “de manhã assistiu o senhor marqués e a senhora marquesa a uma festa que, em ação de graças. fizeram os brasileiros na igreja de S. Ioão, na qual pregou, de manhã, D. Tomás da Encamaçäo e, de tarde, Iosé Alexandre de Sousa Gurgel do Amaral", este último certamente u.m colonialå

No decurso daquele més de celebraçöes, algu.rnas medidas académicas foram tomadas, como a nomeação dos novos lentes e dos compendios a serem utilizados e, logo a seguir, o estabelecimento de regras para a adaptação dos estudantes já matriculados na universidade aos novos eur riculos, sobrretudo na área de _\-'Iedici.na, mas também em leis e cânones.± [Ig] Na sede do vice-reinado, em 26 de março de I;-73, Laïradío anunciava a Pombal a chega-

da dos no*-¬os estatutos da universidade e comunicaia a repercussão deles no Rio de Ianeiro, tornando-se objeto das conversas locais. E comentou: “Tenho visto a muitas gentes forrnadas em out« ros estudos, e criadas por diferente método, e com ouüas doutrinas. e já com suficientes esta-

belecimentos, desejarem largar tudo e irem aprender de novo, e creio que alguns efetìvarnente irão por em prátìca estes seus louváveís desejos”.§ Seria essa provavelmente uma afirmação hiper bélica do \-'ice-rei, o qual apenas quís acprimír a Pombal o agrado com que a noticia da reforma da uriiversidade fora acolhida entre os habitantes letrados.

Estudantes cariocas na Universidade de Coimbra reformada e em Montpellier A reforma pombalina da instituição universitaria coimbrâ, em 1;-72, criou duas novas faculdades, a de Matematica e a de Filosofia, bem como instituiçöes anexas, corrio o Hospital, o Teatro

Anatömico e o Dispensatórío Farmacéutico, o Observatorio, o Gabinete de Físiai Experimental, o Teatro de História Natural, o Laboratorio Químico e o Iardim Botánico. O bispo reformador da un.i'.'ersidade, D. Francisco de Lemos Pereira Coutinho, nasceu no Brasil, e sua família possuía o morgado de Marapicu na capitania do Rio de Ianeiro. Ao analisar. em

o funcionamento da universidade durante os primeiros cinco anos de reforma, con-

statou que os novos cursos tinham atraído poucos estudantes: Matemática, apenas dez, e Filosofia ainda menos, quatro. Em contrapartida, os cursos tradìcionais de cánones e leis, que davam acesso à maior parte dos empregos públicos, tinham recebido, nesse paíodo, quinhentos estudantes.

Na Faculdade de Medicina reformada, na qual se passou a exigir oito [zo] anos de estudo, inscreveram-se unicamente sessenta alunos. Isso porque os estudantes eram obrigados a seguir o preparatorio dos cursos filosófico e matemático durante très anos, antes de se ìnscreverem para os cinco anos do curso médico, “pelo que acusam a legislação académica de rigorosa e incómoda aos estudantes".§ D. Francisco de Lemos pös o dedo na ferida ao apontar a relação entre o custo financeiro de

um colonial frequentar a universidade e as expectativas de ganho profissional que os estudantes e suas familias tinham perante as varias opçöes uni\*ersita'.rias. Ir do Brasil a Coimbra implicaiaï afastar os jovens de seus domicilios; ter despesas consìderáveis; ocupar varios anos da mocidade; despender grandes esforços de aplicação aos estudos. Apesar das dificuldades, uma forte motivação impelia, contudo, os coloniais aos estudos \1n.i1'ersitários: “uma certa esperança de serem

ocupados nos empregos, lugares e oficios das respectivas profissöes que abraçaram” era, segundo D. Francisco de Lemos, o que movía os jovens. Na opinião do reforrnador havia que procurar aumentar o número de médicos, de matemáticos e de naturalistas [uma vez que por Filosofia se entendía então, basicarnente, a Filosofia Nat-

ural). Em relação à Medicina, era preciso mostrar as vantagens da reforma, que abolia a tradicional separação entre médicos e cirurgiöes, cuja divisão deixava as elucubraçöes teóricas para os primeiros e a parte prãtica para os segundos. Na Medicina, as teorias pouco importaiam, o que interessava eram as “verdades de fato”, pro\adas “sem réplica por um suficiente número de experiencias”. Com a reforma, os médicos deixariam de teorizar e passariam a preocupar-se com a

prática de sua arte, tal como os cinirgiöes. A unix-ersidade d.ispu.nha de très estabelecìmentos complementares que proporcionavam aos estudantes a necessaria prática médica. Pela priineira vez, dispunham de uin hospital, instalado na parte meridional do colegio que foi dos jesuitas, onde podiam examinar os doentes das varias

enfermarias e das casas, para a [zr] convalescença de homens e mulheres. No mesmo edificio do hospital, encontrava-se o Teatro Anatômico, que, depois daquele, era “o estabelecimento mais necessario e essencial da faculdade". Embora, em 17;-7, esse teatro ainda não estivesse pronto, nem por isso os estudanbes

as liçöes de Anatomia, sendo as demonstraçöes proviso-

riamente realizadas no Rail Colegio das Artes. O hospital dispunha ainda de uma botica, na qual eram preparados os remedios para os doentes e onde os estudantes se exercita*-'am “nas operaçöes da Fannácia".Z Para incentivar os estudos matemáticos, deveriam ser reservados para os gaduados nessa

faculdade os cargos de cosmografo-mor, engenheiromor e, também, os de cosmogafos menores a serem criados em cada comarca. Uma concepção mais prática da Matemática, ligada à Geografia, à Marinha, à Arquitetura Naval, Civil e Militar, à construção de rnaquinismos, expandia seu campo de aplicaçâo no Brasil, com as medidas de latitudes e longitudes em territorios recémocupados, a feitura de mapas, a pilotagem flmial, a coristrução de fortalezas em pontos estratégi-

cos da Íronteira com a Arnérim espanhola, a criação de novas xilas e povoaçöes. Para aumentar o número de estudantes de Filosofia, a estes deveria ser dada a preferencia para as Aulas Régias de Filosofia Racional e Moral, assim como para todas as intendëncias e provedorias relacionadas com a agricultura, as manufaturas, o ouro e as casas da moeda. A reforma alterara a própria concepção de Filosofia, relegando para um lugar secundario a

a Metafísica e a Moral e enfatizando

então a Historia Natural, a Física Experimental e a Quimica Filosófica e Médica. Pombal ficou satisfeito com os primeiros resultados da reforma, relatando “o grande e avultado aproveitamento que dos referidos metódicos estudos se têm seguido a este Reino". Ao fim do primeiro quinquenio, tinham-se visto estudantes “que so com os estudos preparatorias se acham superiores aos professores antigos, e sujeitos formados que têm feito a admiraçâo de u.m [22] con-

gresso tão augusto como o da Mesa do Desernbargo do Paco”, numa alusão clara `a leitura dos bacharéiså No que se refere aos naturais do Rio de Ianeiro, Antonio Francisco Leal, Estácio Gularte Pereira e Francisco de Paiva Pereira e Melo matricularam-se nos estudos médicos logo em rjjz, o

ano da reforma. Depois se seguiram Ioaquim ]osé da Silva, em r;74; Mariano jose' do Amaral, em 173;", Domingos Dias Correia, em 1733; Manuel Bemardes Pereira da Veiga, em 1790; josé Ioaquim Durão, em rjgi; e Custodio Gonçalves Ledo, ein rjgz. A partir de 1786, podemos seguir parte da vida académica desses estudantes por meio das

atas das congregaçöes da Faculdade de Medicina. Por exemplo, Mariano Iosé do Amaral, aluno do 49 ano, foi um dos beneficiados pelo partido com 5050 oo réis, destinado pelos estatutos aos estu-

dantes médicos. Tratava-se de uma espécie de bolsa de estudo pelas ativìdades médicas que desempenhavam. Por outro lado, como a fiequência às aulas era controlada de perto, sabese que ele faltara sem justificativa na primeira aula de Prática e na de Cirurgia Terapéutica, e com

justificativa na segunda aula de Prática. Contudo, desde que as faltas não excedessem 6o por ano, não prejudìcavam o aluno. Assim, Mariano josé do Amaral continuou, no 39 ano, a receber os 3oSooo réis do pa.rtido.2 O rigor no controle das faltas também pode ser observado na propria maneira como deveriam

ser justificadas: as que fizerem por causa de molestia, não llies valerão as certidöes de médicos e cirurgiöes se nao forem juradas e reconhecidas, e passadas em termos que nao sejam vagos e equivocos, mas declararem a gra\idade da moléstia e asseverarem clara e expressamente que dela resultou 'justo e necessario [email protected]

[23] Desses nove matriculados em Medicina, so ha noticia do Dr. Antonio Francisco Leal, que era médico, em 1;-'g2, do Hospital Real do Rio de Ianeiro, e do Dr. Estácio Gularte Pereira, que, no mesmo ano, exercia a Medicina na cidade e que, por influencia do bispo, se tomou médico dos

carmelitanos durante a reforma pela qual passaram, como veremos em outro capítulo. Quanto aos demais, igrioro seu destino profis sional. Quando o curso de Medicina ficou mais longo, depois da reforma de 1772, alguns naturais do Rio de Ianeiro procuraram a Universidade de Montpellier. A primeira tese apresentada nela foi a

do carioca Iacinto José da Silva Quintão, em 1;-7;. Foi escrita em latim, pois so no século XIX se aceitou a lingua francesa para os trabalhos científicos daquela universidade. Outros mriocas se seguirarrr Iosé Ioaquim Maia Barbalho, em 1786; Iosé Mariano Leal da Cámara Rangel de Gusmâo, ern 1790,' Vicente Gomes da Silva, em 1791; e Iosé

de Carvalho, em rjgz. Quanto a

tais teses escritas em lat:i1r|., elas versavam sobre a epilepsia, o escorbuto, a elefantíase, a inocu-

lação pulmonar e, especialmente, a erisipela, uma vez que os habitantes do Rio de Ianeiro estavam familiarizados com essa doença em sua cidadeë Sabe-se que a independencia dos Estados Unidos atzaiu a atenção desses estudantes coloniais na França. Em outubro de 1786, Thomas Iefferson, emiado dos Estados Unidos para a capital francesa, recebeu um.a carta de um natural do Brasil, assinada com o pseudónimo Vendek.

Chegou a encontrar-se com ele no sul, em Nirnes, não muito longe de Montpálier, e relatou depois a ]ohn ]a§-' nos Estados Unidos: “Os brasileiros tencionam instigar uma sublevação e consideram a revolução norte-americana como um precedente para a sua. Se houver uma revolução bem-sucedida, será formado um governo republicano”. Esse '\-'endek era o estudante carioca Iosé Ioaquim Maia Barbalho, que, depois [24] de ter passado por Coimbra, onde estudara Matemática,

optara pela Medicina em Montpellier.E Embora já não residisse em Montpellier quando eclodiu a Revolução Francesa, Jacinto Iosé da Silva foi interrogado em 1795, durante a devassa ordenada pelo vice-rei conde de Resende,

acerca do tempo que permanecera na França. Respondeu que "havia frequentado a dita universidade por très anos, que é o tempo que, segu.n.do seus estatutos, se requer para nela ser grad-

uado, e o mais tempo que naquele reino se demorara fora o preciso para a sua \iagem".2 Depois do curso, fora aprovado em Portugal pela Iunta do Protomedicato para poder emercer a Medicina e,

no Rio de Ianeiro, em 1792, era delegado do Protomedicato, além de manter sua atiiidade médica. A desconfiança em relação aqueles que tinham frequentado uma u.niversidade no exterior transparece na devassa de r,¬-94, quando alguém opiriou: “os estudantes que iam estudar fora do

Remo, na sua opinião, não se deveräo aquí consentir". Ou seja, seriam perigosos para o Brasil aqueles que tinham estado em contato com estudantes estrangeiros e com livros menos censuradosfl Dentre os naturais do Rio de Ianeiro que, apesar da novidade e da dificuldade de emprego, optaram pelo curso de Filosofia, encontram-se os nornes de Francisco dos Santos Curiha, em

r;-72; Agostinho Correia da Silva Galvão, Antonio Sodré Pereira de Azevedo, Antonio da Rocha Barbosa, e Manuel ]osé Pinto de Castro, em 1775; Lourenço da Cruz Pinto e Francisco Iosé dos Santos, ein 1776; e Ioão Manuel de Figueiredo, em r;-83. Esses oito nomes surgem matriculados apenas em Filosofia, embora muitos outros fizessem essa matricula em conjunto com outras, o que não evidencia um gosto marcado pela Filosofia Natural, tampouco o desejo de se tornarem

naturalistas. [25] Como Baltamr da Silva Lisboa comentou em 1186, “distinguiram-se muitos estudantes que, suposto seguissem o objeto das outras ciencias, amavam contudo as íntimas relaçôes

desta”.§ Dentre os citados, encontravam-se os nomes de Manuel Ioaquim Henriques de Paiva, formado em Medicina, que por seus constantes estudos ficou trabalhando no Laboratorio Quimico de Coimbra; Estácio Gularte, médico no Rio de janeiro; e o doutor Ioaquim de Amorim e Castro, magistrado que, depois de ser juiz de fora da Cachoeira, acabou desembargador na Relação do Rio de janeiro.

A academia científica do Rio de Ianeiro Foi numa carta de marco de 1;-72 ao marqués de Angeja, grande colecionador de objetos de História Natural, que o vice-rei, marqués de Iavradio, comeritou o pouco caso que, na Amérim, se

fazia das preciosidades da natureza, excetuando-se o ouro e os diamantes. Ha\ia muitas coisas preciosas, das quais podia resultar grande utilidade, “remediando-se muitas moléstias e achaques por efeito das admiráveis plantas e rates, óleos, bálsamos e gomas de que é cheio este continente". Como alguns eram desconhecidos e outros, mal utilizados, resolveu-se criar uma academia cientifica, na qual se examinasse tudo o que pudesse ser encontrado naquele territorio

pertencente aos très reinos - vegetal, animal e mineral -, “fazendo-se-lhes todas as análises e mais observaçöes que couberem no possivel, para se ir dando ao público em todos os meses uma completa noticia dos descobertos que se forem fazend0".!¡ Estava, portanto, o vice-rei totalmente de acordo com o espirito da reforma da Universidade de Coimbra, implantada nesse mesmo ano, que dava ênfase ao estudo da naturem. Era [26] essa

assembleia ou academia constituida por médicos, cirurgiöes, boticários, farmacéuticos “e alguns curiosos”, não só da capital como dos sertöes da rnpitania. Lavradio elaborou seus estatutos e colocou- sob a proteçâo de Sebastião ]osé de Carvalho e Melo, o grande idealizador da reforma universitária.

Aquela assembleia cientifica encontrava-se então em pleno funcionamento, conforme o vicerei relatava ao marqués de Angej a: “lá se fizeram duas descobertas sobre alguns simples que aqui se acham e oostumam vir de fora, como é o cacto e o mechoacão”. O primeiro vinha da Asia, e o segundo, uma raiz medicinal cuja importação se tomava muito dispendiosa para os boticarios, podia ser substituido por “uma qualidade de batatas”.

Além de convidar o marqués de Angeja para fazer parte da academia, prometía-l.he o vice-rei emiar as dissertaçöes produzidas e também algumas plantas “com todas as suas explicaçöes e observaçöes que sobre elas se tiverem feito". Devese dizer que D. Pedro josé de Noronha manteve em Portugal estreitos contatos com Domingos Vandelli, que se encontrava em Lisboa desde

1764, tendo mesmo contratado o italiano para o traçado do seu Iardim Botánico, situado no Lumiar, nos arredores de Lisboa. Suas principais coleçöes de Historia Natural encontravam-se no seu museu, no Palacio da Iunqueira. Alias, o vicerei lavradio, nessa mesma carta em que llie comunica\a a criação da academia cientifica no Rio de Ianeiro, anunciava-llie a remessa de um caixotinlio de búzios e conchas para a sua coleção.L' Da

sessão, temos noticia pela Omção académica rccitada na sala pública do palácio do

iiustnšsímo e exceíentissimo senha? marqués do Lavradio, vice-rei do Estado do Bmsií, pelo doutar josé Henrique: Farrøiru, médico pela Universidade de Coimbra, presidente c dimtor da Am.a'.cmt`a Fiuvimse Medica,

Botánica, Fammcêutica, rwvamzntc erigido na Cidade do Rio de

à qual sc

deu principio [27] no dia 13 de_firL'rreiro de ijjz. Esse texto faz o elogio da Medicina e traça sua historia, seguindo-se algumas consideracöes sobre a insuficiente formação dos cirurgiöes e boticários. ]osé Henriques Ferreira era médico do \ice-rei, e seu

o boticário Antonio Ribeiro de

Paiva, proferiu, no dia da abertura da academia, um Discurso botánico, em que apresentou um

curto histórico da Botánica, lameritando a falta de compéndios e tratados nessa área que pudessem ser entendidos pelos boticãrios.

a seção de Botánica da academia, na qual colab-

oravam Antonio ]osé Castrioto, que, por ser agricultor, assumiu o papel de coletor; Ioão Francisco

Muzi, desenhador; e D. Miguel Blasco, que servia, no Rio de ]aneiro, como ajudante de infantaria com emercicio de engenheiro. A hierarquia perpassa os estatutos: o presidente, Iosé Henriques Ferreira, e os très diretores, de Cirurgia (Mauricio da Costa), de Botánica (Antonio Ribeiro de Paiva) e de Fannácia (Manuel Ioaquim Henriques de Paiva),

as sessöes e deterrniriavam os pontos a serem tratados.

Acerm do cirurgão Mauricio da Costa, escre\eu mais tarde Henriques de Paiva que ele se distinguira muito entre os socios: “além de meter no dia da abertura d\1as oraçöes sobre a Cirurgia e a Anatomia, leu em todas as sessöes dissertaçöes e apreseritou, na academia, muitos produtos, um

dos quais é o azougue achado naquele pais”.E Reuniam-se os acadérriicos todas as segundas-feiras das 16h às 13h, periodo em que erain

lidos os teirtos preparados. Algurnas regras sobre a apresentação foram elaboradas: “Nenhum académico fará crise ou insinuaçoes odiosas contra os que não assentirem às suas opiniöes. Todas as matiérias se escreverão por estilo claro". [23] E\itar polémicas agressivas e rediglr com clareza seriam, portanto, valores a ser adotados pelos membros da academia.

Passados alguns meses depois da primeira sessão, já o 'vice-rei se queixava ao marqués de Angeja do lento ritrno dos trabalhos académicos: “Continua a trabalhar-se nela, porém vai isto muito devagai; porque como estas gentes não tem o interesse que as anirne, esmorecem com grande facilidade, e se não fosse u.m tal ou qual respeito de um \ice-rei, já estaria de todo extinta”. Seria imprescindivel, para a continuidade e para o progresso da academia do Rio de Ianeiro, o apoio da corte e a colaboração de socios da metropole.Q lavradio ti.nha plena consciencia de que a

atividade científica carioca precisava de incentivos mais materiais para que as pesquisas prosseguissem. Em outras palavras, deveria ter como atração prêmios ou cargos. So o Estado, e não um simples \ice-rei, poderia levar a cabo a empresa de incentivar as descobertas em História

Natural ou em Medicina. 0 boticário Antonio Ribeiro de Paiva, no discurso botánico proferido no palacio do \ice-rei no dia da abertura, lamentou o pouco uso que se fazia das plantas medicinais brasíleiras: “Não posso deixar de falar na resina aqui chamada ietubá, que é a legitima goma anirnepocal que nos trazem os estrangeiros e vendem por bom preço, tendo nos tanta”. O mesmo se passava com outras

plantas: “a legitima artemisia, que aqui achei, não se usa [...:, o legítimo mechoacão, que aqui ha infinito, se manda \ir”.L' Outro membro da mesma familia colaborou na academia dirigindo a seção de Farmacia: Manuel Ioaquim Henriques de Paiva, fillio daquele boticario e irmão do presidente, o qual pro nunciou um Discursofizmwcêutiw no dia da abertura. E interessante notar que, nessa seção, colab-

oraram os botioãrios Antonio Bandeira de Gouveia e seu irmão, Manuel [oaquim Bandeira, que mais tarde vão ser citados por ocasião dos interrogatorios acerca das libertinagens [29] nas boticas; e Iosé Pereira Arnarante, cuja botica, segunda a devassa de 1194, se tornara local de conversa

sobre a Franca. Embora criada na sede do vice-reinado, a academia pretendía atrair colaboradores de outras regioes do Brasil, por exemplo, da Bahia, de Minas Gerais, de Santa Catarina, conforme lemos em seus estatutos acerca dos oorrespondentes:

Serão obrigados a comunicarem as noticias e observaçoes do pais, rernetendo plantas, animais, excrescencias, fungos, sementes e bodas coisas pertencentes aos très reinos, declarando os nomes, \irtudes, sitios, e descrevendo-as com todas as suas propriedades e, po dendo ser, remeterem algumas plantas em cascöes de terraå Um pormenor curioso das regas estatutárias era a exigencia de um academico que fosse “erudito nas linguas latina, castelliana, francesa, italiana e inglesa”. Convenhamos que seria difici.l encontrar, no Rio de Ianeiro, tal polìglota, encarregado de coligir notícias científicas, tanto em autores antigos como nos modernos, acerca dos temas discutidos pelos

ou seja, de

traduzir a bibliografia existente para uso dos demais colegas. Assurniu esse cargo de informante,

como era designado, o bacharel Tomé Ioaquim Gonzaga das Neves, natural do Rio de Janeiro. Os estatutos da academia preconizavam ainda a criação de um Horto Botánico, “para nele se tratarem e recolherem todas as plantas notáveis", com a esperança de que alguns académicos se desdobrassem em desenliadores de plantas, o que seria, talvez, inemequível no incipiente meio cientifico do Rio de ]aneiro. Contudo, esse Horto nunca chegou a ser, na verdade, o equivalente

de u.m Iardim Botánico, que so foi estabelecido com a chegada da Corte ao Brasil. Por outro lado, teremos de esperar pelo viajante naturalista frei Iosé .Vlariano da Conceição Veloso para se obter [30] os desenhos da flora fluminense. Em ambos os aspectos, a região amazónica foi pioneiraä Malgrado os comentarios pessimistas do \ice-rei quantio ao andamento dos traballios

académicos, a academia conseguiu reunir oito médicos, seis cirurgiöes, quatro botánicos e cinco boticários, rompendo assim com os padrôes académicos então vigentes, niais de caráter literario e erudito do que científico. A reforma da Universidade de Coimbra e a êniase na Filosofia Natural estavam apenas começando, e a Academia Real das Ciências de Lisboa ainda não existia. Portanto,

não se pode negar o pioneirismo dessa iniciativa de um vice-rei ilustado. Sua atuação foi, alias, reconliecida pelo autor anonimo, mas que colaborara na academia car-

ioca, da Descrição de um novo género de planta bmsfiica ahumado Larvm-dio, manuscrito que se conserva na Academia de Lisboaë Explicava o autort

Clharnei-lhe Lavradio em memoria do exmo. marqués do Lavradio, então general vice-rei no Rio de ]anei1o, criador de uma Academia de Ciências que tiu florescer debaixo do seu patrocinio, e fez dar em breve tempo passos agigantados, franqueando aos socios, em cujo número entava eu, um Iardim Botánico, gente para trabalhar nele, e instru.mentos, hon-

rando-nos e animando muito os nossos estudos, porque so com tais condiçöes é permitido a um botánico eternizar no nome de u.m género o de um varão iluste. E possivel que o autor dessa nova dassiiicaçao fosse Antonio Ribeiro de Paiva, pois alega ter viajado por diversas capitanias do Brasil e era, sem dúvida, o mais versado em Botânim ente os

académicos. B1] 0 presidente, o reinol Iosé Henriques Ferreira, intitulava-se filósofo e médico, correspondente da Academia Real das Ciências da Suécia e sôcio da Academia Real de Medicina de Madri, o que oertamente ll'ie dava algum conhecimento dos debates académicos na Europa. E, se-

gundo uma informação fomecida, em 1786, por Baltazar da Silva Lisboa, foi então que “a Amdemia de Estocolmo teve conhecirnento das plantas do Brasil, por um seleto hortário brasiliense que lhe en\i.aram”.2 Escreveu esse médico u.ma História do dcscobiirnønào da øochonflka no Brasil, da sua naturcza, grração, criação, coilicita c utíiização, texto que foi anotado e entegue na Academia Real das Cién-

cias de Lisboa por seu innão, Manuel Ioaquim Henriques de Paiva. Nessa instituição, encontra-se também o manuscrito que deu origem àquele outro: Dissertação sobre tz coctwnilha. História do scu desoobrimcnto na América portuguesa, escrita no Rio de Ianeiro em 17,722 Henriques Ferreira divulgou, juntamente com essa historia da cochonilha, uma carta de Antonio Ribeiro Sanches, remetida de Paris, em que este se congratulava com a criação da academia carioca e lembrava-lhe

de que os castelhanos tinham sabido “fazer dos produtos da Historia I\`atural da sua América negocio de muito rendimento”, pois, além da cochonilha, comerciavam a quina, a jalapa, a contaerva, os bálsamos, a

Restava aos portugueses

tal exemplo. A Academia de Lis-

boa nada publicou, e só mais tarde O Patriota, revista efémera publicada no Rio em 1813 e 1314, as Olvscnwzçöm sobre a cochoniilza deste autor:

0 proprio Henriques Ferreira relatou o esforço dos académicos no sentido de conhecer melhor a natureza brasileira: Eu mandei, no ano de 1372, para a Corte uma relação de varias produçöes naturais aqui

descobertas, úteis na Medicina e no comercio. [32] A jalapa, sobre a qual meu irmão Manuel Ioaquim Henriques de Paiva leu na academia uma dissertação e uma resposta apologética; o mechoacão legítimo, que em Portugal se compra e usa falsamente por ele, päa

da

maior parte dos botánicos; a raiz d.a norça negra, como na mesrn.a academia mosbrou meu

pai, Antonio Ribeiro de Paiva; a salsapanilha do .\-'Iaranhão [...]; a goma de mju, a raiz da China, os tamarindos, o azougue e, finalmente, vãrios purgantes benignos e drásticos de que há abundância, assim de muitos generos que compramos, tendo-os nós, e não iive resposta

nem determinação algurna sobre istoå Talvez o descaso do ministério em Lisboa tenha feito esmorecer o entusiasmo dos académicos no Rio de Ianeiro. Embora Henrìques Ferreira se refira à produção científioa de seu irmão, Manuel Ioaquim I-Ienriques de Paiva, este foi o que menos colaborou na academia do Río de Ianeíro, pois, logo após a reforma da Univerñdade de Coimbra, ali se matriculou em setembro de

1772, formandose em Medicina em rjår. Mais tarde, Iosé Henriques Ferreira teve publicada p-ela Academia Real das Ciencias de Lisboa a sua

sobre rz guarima. Este era o nome vulgar de um arbusto que crescia espon-

taneamente no Rio de Ianeiro e de cuja casca os homens do campo fazíarn cordas para varios usos. O autor, além de descrever cientificamente a

classificando-a de acordo com 0 sis-

tema de Lineu, pretendía substituir a técnica grosseira de fabricação de cordas na Capitanía do Rio de Ianeiro por outra mais aperfeiçoada, que ampliasse a utìlidade desse arbusto, cuia casca, sendo maeerada em agua e benefleiada como o |i.n.ho eânbamo, “poderia servir para os mesmos efeitos e

usos”.

Propusera ao vicerei Lavradio que se fizessem experiencias com a

O objetivo era

evitar, com o aproveitamento dessa planta, a dispendiosa importação do linho cánhamo, usado B3] na cordoaria da Marinha. Haría, portanto, que explora; de uma rnaneira racional, a guaxima, “planta sem cultura., colhida sem se saber a sua verdadeira razão, preparada 'as apalpadelas, e fabricada por curiosos sem arte, sem ciência e sem toda a necessáría experiencia”. Não se podia

ser mais explícito acerca da oposição entre a cultura científica letrada e o saber transmitido oralmente no meio rural sobre as qualidades de uma planta para determinados fins práticos. Na verdade, o interesse pela guaxima permanecen no governo de Luís de Vasconcelos e Sousa, que, em setembro de 1783, relatou para Lisboa o estado da pequena fábrica de linho guaxirna, o modo como era fabricado e beneficiado, mostrando a diferença entre as duas qualidades do

mesmo linho e as experiencias feitas com elas. Remetia, ao mesmo tempo, amostras de cabos prod\1zidos com esse novo material. Mas o projeto da guaxima não foi adiante, pois D. Rodrigo de Sousa Couti.n.ho, a partir de rjgã, insistiu na produção do linho eånhamo, não só nas capitanias do Rio Grande de São Pedro e São Paulo, mas também na do Rio de Ianeiro.

Naturalistas viaj antes Antes mesmo de saiïem da Faculdade de Filosofia os primeiros naturalistas, já em rjrj-'4 0 frances Iean François Ravin propunha à coroa viagens pelo territorio brasileiro numa Exposfçfia da conduta 2 da. utilidad: de um naturalista. peregrino no Brasilfi Quem era esse frances? Ele

próprio informou, na carta que acompanhava aquele texto, que. aos 2 5 anos, passara no Brasil depois de ter viaj ado pela Áfiica e por outras partes da América, onde sempre se aplicara ao estudo

da natureza. No Brasil, casou-se e teve quatro filhos, que moravam nos arredores do Rio de [34] Ianeiro. Enoontravase em Goias, pesquisando ha um ano sobre a causa dos diferentes climas e

recolhendo junto aos habitantes o que eles sabiam acerca das plantas uteis a Medicina, quando a rnulher morreu. Resolveu, então, partir para Portugal, a fim de obter o apoio da coroa para as suas viagens, e apresentou em seu abono Luís Diogo Lobo da Silva, que o conhecera em Vfla Rica. Era conhecido também do conde de Vila Flor e deu a entender ter›se encontrado com Pombal.

Sua carta, esc-rita num frances já aportuguesado, revela que o Brasil nao estava assim tao fechado aos estrangeiros como se poderia supor. A Exposíção esta escrita em portugues, e o

primeiro parágrafo afirma aquilo que \ice-reís e vassalos ilustrados sempre repetiram: Os habitadores do Brasil ignorarn as vantagens que o comercio pode tirar das preciosas e

raras produçöes dos seus terrenos. Não as apreciam porque não conhecem seu valor; não as cultivam porque as reputam inúteis; e não patenteiam a sua utilidade, quando as conheeem, por não saberem a quem, nem haver ocasião de as divulgarern. Esta última Frase revela, por um lado, que em rï,¬4 a coroa ainda não tinha se dedicado de uma maneira constante a apoíar naturalistas no Brasil e, por outro, que a falta de imprensa no

Brasil dificultava a divulgação das descobertas. Aconselhava Ravin o envio, àquela parte da América, de “urna pessoa instruída nas coisas naturais, que das conversaçöes familiares que tivesse com estes povos iirasse um conhecimento do uso que a necessidade os obriga a fazer das produçöes que acham próximas às suas

liabitaçöes”. 0 frances sublinhava, portanto, a importancia da transmissão oral dos conhecimentos de pessoas não letradas: era a conversa com os moradores que infonnava o naturalista \iajante acerca das propriedades de plantas que eles vi.n.ham experimentando ao longo dos anos. [55] O Brasil era muito vasto, e grandes eram as diferenças entre as regiöes segundo Ravin: “Aqui o vestido tingido de tal cor e com tal erva; la tingido da mesma cor com diferente madeiro.

Aqui a cobertura de algodão; la de um tecido de que se não conhece a produção”. Todas essas práticas se encontravam sepultadas “no conhecimento de poucos, sem ter ainda chegado a noticia a quem as aperfeiçoe pela arte, e as di\-'ulgue em pública utìlidade”. Os habitantes dos sertöes, “amigos do maravilhoso", eram incapazes de qualquer diligencia mais organímda e sistemática e

viviarn no meio de produçöes naturais, que, pelo costume, estavam habituados a utilizar e que para eles tinliam se tornado comuns. Mas Ravin acrescentava: Não dei:-ram, porém, de mover sua curiosidade para indagar as propriedades das coisas

que veem; por esta razão não lhes falta que narrar e que mostrar. Por não se ter recolhido as suas toscas e exagerada; notícias, tem-se perdido talvez as ocasiñes de conhecer produçöes que seriam lioje em paralelo com o urucu, a baunilha, a quina-quina, o cafe etc. Entre aquilo que as populaçöes relatavam, o naturalista podia escolher o que lhe convinlia,

“sempre com a ideia de se informar da propriedade das coisas", pois esse era o objetivo principal das viagens. Os natu.ralistas peregrinos teriam talvez formaçöes diferentes, mas todos tirariam proveito de suas peregrinaçôes. Se fosse medico, teria a oportu.nidade de. nos sertöes, “ver as enfermidades a nu, porque la não se acham medicos que perturbam e mudam a determinação da natureza pela

indiscreta aplimção de seus remedios, antes de serem informados e certos do genero de molestia que tem a tratar”. Se fosse químico, embora na viagem não pudesse carregar consigo um laboratório, recollieria amostras para serem analisadas em Portugal “pelo doutor Vandelli" - is so revela que Ra\in conliecia a fama desse naturalista. [36] Em sua exposição, o frances passa, em seguida, a apontar as qualidades exigidas de um

naturalista no Brasil. Em primeiro lugar, deveria conhecer os povos e suas inclinaçöes e saber agrada-los, curando enfermos, por exemplo. Corn essas qualidades, seria possivel achar socorro, guias e noticias. Em segundo lugar, ser livre de preconceitos, “sem sistema, observador das m.i'n~ imas coisas, relator exato". Seria conveniente ser capaz de dar consellios a quem lhos pedisse. Por

exemplo, “achara nas minas quem lhe peca um metodo de lavar o ouro sem tanta perda”, ou uma maneira de fazer chegar a agua a u.ma certa altura, “onde por falta dela não se tira o metal que ali se aclia”. Seria necessario carregar consigo obras de alguns autores: Lineu, Touinefort. Bomare. \"a› lerius, Brisson, Reaumur, Marcgrat, Piso etc. E levar um pintor, instrumentos e drogas para as

experiencias e preservação daquilo que iria remeter, microscopios diversos, bússolas, agulhas de marcar, relógios, termómetros, vasos de vidro bem acondicionados, caixöes e caìxas, papeis para os herbärios, escravos com diferentes oficios {n1arcenei.ro, ferrador; mineiro, cozinlieiro, nadador, arrieiro).

Ravin apresenta, por fim, um calculo das possíveis despesas com instrumentos, Livros, cavalos, negros, barracas e toldos, espingardas e “facö-es rombos para os negros”, selas e pistolas para quatro cavalos, cangalhas e arreios para outros dezesseis etc. Ha*-ia ainda que contar com as despesas de manutenção, incluindo ordenados anuais. Entretanto, sabe-se também da realmção

de \iagens no Brasil com muito menos: cinco cavalos, dois escravos, um moço, sem passar mal. Em seguida, ele cita exernplos de varios itinerarios, no caso de uma digressão para chegar até o Mato Grosso: “Esta viagem se pode fazer em 6 anos, a partir do Rio de Ianeiro”. Alguem na corte deve ter lido essa exposição de Iean François Ravin, o frances radicado e com

família no Rio de Ianeiro. Seu nome não aparece mais na documentaçao, e, depois da reforma da Universidade de Coimbra, a coroa passou a tomar a iniciativa das pesquisas a serem feitas nas varias áreas cientificas e a selecionar [37] os naturalistas que deveriam realiza-las. Por outro lado, procurava recompensar com mrgos mais rendosos aqueles que empreendiam tais estudos com a

finalidade de virem a fazer parte da eficiente máquina de coletar inforrnaçöes e experiencias montada pelo ministerio pombalino, depois continuada no govemo seguinte. 0 planejamento cientifico foi uma das principais características da ilustração lusobrasileira. Na recern-criada Faculdade de Filosofia, o lente de História Natural, Domingos Vandelli, encaminhou ao govemo, em 17;-3, um plano de

de naturalistas portugueses ao Brasil,

anexando “o rol dos instrumentos e outras coisas necessárias as viagens dos naturalistas para executarem as instruçöes que tiveram, e assim formarem com a maior diligencia possível urna exata História Natural de tão vasto continente". Esse rol era tão longo quanto a lista de Ra'-in. Incluía, além de livros e cartas geograficas, lentes, microscopios, óculos, tenazes para pegar cobras, armaçöes para borboletas [email protected]

Inforrnava Vandelli, em sua carta, que os naturalistas estavam prontos para partir, mas, numa folha anexa, indicava alguns baehareis em Filosofia que moravam no Brasil e outros que poderiam ser aproveitados nessas wiagens, entre os quais mencionava Estacio Gularte, no Rio de Ianeiro. Eram ia os primeiros formados em Coimbra e aprovados por Vandelli: “Estes são todos

bons e capazes de observar e recolher as produçöes naturais”. Indicava, ainda, o nome de Antonio da Rocha Barbosa, no Rio de Ianeiro, como um bom correspondente. Pouco se sabe acerca desses dois nomes indicados por Vanddli. Estácio Gularte formou-se em Medicina, e, portanto, a História Natural fazia parte dos primeiros anos do curso reformado. Quanto a Rocha Barbosa, matriculara-se em Filosofia em rfig. Teriam efetivamente colaborado nos [38] projetos da Coroa

na sede do vice-reinado? Não e possível ainda responder a essa pergunta. 0 principal viaiante naturalista foi fiz jose Mariano da Conceição Veloso. Não ñequentou a Universidade de Coimbra reformada, como tantos outros naturalistas nascidos no Brasil. Provavelmente adqu.iriu seu saber em História I\`atural lendo as obras existentes no convento dos

francismnos, no Rio de Ianeiro, ou, em São Paulo, na rica biblioteca do bispo daquela diocese, na qual se encontravam as principais obras daquela área. Aqui poderia ter lido: as Épocas da

naiureza, do conde de Buffon; a bfisoelârua de História Natural, de Dulac; a História vuztuml do giobo, do abade Saur§: o

de História Natiaal, de Valmont de Bomare; varias obras de

Lineu; e História dos peinar, de Antoine Gouan, que certamente o inspirou mais tarde na

expedição ordenada pelo [email protected] Encarregado primeiro pelo gcøvernador de São Paulo, Lobo de Saldanha, de procurar “variedades e plantas tirtuosas para a História Natural", foi, em seguida, chamado pelo Kice-rei Luis de Vasconcelos e Sousa, provavelmente em finais de 1732, para ajudar na recollia das plantas

fluminenses e em sua descrição, como se pode ver pelos oficios do vice-rei a Martinho de Melo e Castro. Em 24 de maio de 1733, ja aludia aos trabalhos de fi; Veloso: “Destas e das demais plantas, que se forem seguindo, se estão fazendo as descriçöes com suas estampas, cuja colegio hei de remeter a seu tempo”. Em rj de junho de 1783, completava a referencia ao frade naturalista: “ja

me tem apresentado algumas descriçöes principiadas, e figuras das plantas que tem notado, cuja coleção espero que possa ser ag"ada'vel a S. _\-'I. quando estiver completa”E

Essa ooleção de desenlios botånioos com suas descriçöes esta conservada na Biblioteca Nacional do Rio de Ianeiro e caracteriza-se pela anotação cuidadosa dos usos de cada planta e dos seus nomes indigenas ou europeus, além da classificação lineana. [39] Vejamos um exemplo: a

cássia, segundo Lineu, era chamada pelos indios de “paiornirioba” e pelos portugueses de “fedigoso”. Quanto aos usos, fr. Veloso tem o cuidado de indicar as partes da planta utilizadas e o modo de preparação para o tratamento das varias enfarnidades. Dificil é determinar a parte de cultura oral na descrição das \irtudes curativas das plantas. Quando o saber de fr. Veloso tinha origem em livros, ele próprio o refere. Por ememplo, acerca de

urna das pirnentas conhecidas, cita o celebre naturalista flamengo do século XVII: “O doutor Piso assegura que o cozimento das suas folhas e raízes e eficaz remedio contra as dores cólicas” e contra outros males. Muito provavelmente, o franciscano teve acesso, na biblioteca de seu convento no Rio de Ianeiro, ã obra do célebre naturalista dos Paises Baimos, bem como ã de Marcgrafl: tam-

bém por ele citado. Decidiu o vice-rei Vasconcelos e Sousa organizar urna “expedição botánica” com tres frades: fr. Veloso para a

fr. Francisco Solano para os desenhos e fr. Inacio de Santa Ines para escr-

ever as definiçöes cientificas. Alem dos 23 escravos necessarios à viagem, acompanhavam o naturalista tres militares, sendo tres deles também desenhadores, além de um desenhador paisano, ou

seja, não militar. Um oleiro, um pedreiro e urn semeiro taziam igualmente parte da comitiva. De acordo com o .Mapa da expediçào botánica que por ordem de Ilmo, e Exmo, senhor 1.'¿ce-rei se acham empregcdos em servipo de Sua [email protected],1'es2ade..., da Biblioteca Nacional do Rio, sabemos que parte dos escravos e os mantimentos (came, farinha, feijão, arroz) foram fomecidos péa Fazenda de Sarita

Cruz, pertencente a Coroa depois da expulsão dos jesuitas. Os viajantes utilimram seis canoas e 26 animais (cavalos inteiros, cavalos capados, machos e mulas). E interessante notar que a expedição não foi exclusivamente botánica, pois, enquanto os desenhadores produziram jr estampas, outros membros prepararam 24 peixes “para a coleção".2 [40] Os itinerarios foram percorridos por terra e por mar, e, ocasionalmente, alguns membros

da espedição afastavam-se por alguns dias para cumprir determinadas tarefas. Por exemplo, dois soldados e quatro escravos foram de canoa a Santos; um soldado gastou oito dias para ir duas vezes à ilha Grande; um outro permaneceu no mato por treze dias. As remessas botanicas eram encaminhadas ao \ice-rei no decofirrer da viagem, e este, por sua vez, as mandava para Lisboa.

Mais tarde, numa súplica dirigida ao principe regente D. Ioão, fr. Veloso se queixou do esforço fisico que representara para ele aquela expedição: durante anos, vagueara por terras inóspitas, já despenhado de uma serra por baimo de uma besta muar, ja afogado no mar por um tufao

de vento que emborcou a canoa em que [...: navegava, ja por molest:ì.as perigosas contraídas no mesmo trabalho, e particularmente uma quase cegueira de oito meses apan.hada na diligencia da conversão dos Ararizes, i.ndios bravos que infestavani as wizinhanças do Rio de

Ianeíro, nos rnatos da Parafbaš Embora o objetivo principal da expedição fosse botánico, tudo leva a crer que fr. Veloso se interessou igualrnente pelo reino animal. Vimos, anteriormente, a preparação dos peixes para a coleção. Mais tarde, ja em Portugal, fit Veloso fez imprimir, em råoo, uma espécie de prospeto, um folheto de doze paginas intitulado A1'|lán`.o bmsiiioo, ou galeria omitológica das aves

do

Brasil, d1`sposto e descrito sgndo o sistema de Carlos Lirme, copiado do natural s dos melhores autores.

Nesse impresso de divulgação de uma obra futura, esclarecia ter conseguido “urna grande quantidade de desenhos de pássaros do Brasil, copiados do natural”, o que deve ter ocorrido durante a expedição ordenada pelo vice-rei. Da corbe chegavam ordens especificas acerca daquilo que deria ser procurado, mas \inl'1am também elogios quanto ao modo [41] eficaz como eram preparadas as produçöes naturais. Mart-

inho de Melo e Castro, em 30 de iulho de r;'34, escreveu ao vice-rei Vasconcelos considerando desnecessarias as especificaçöes do Iardim Botanico de Lisboa quanto as remessas, dado que o naturalista em questão não precisava de tais eirplicaçöes. Fr. Veloso era “o mais exato, ou para melhor dizer, o único que remeteu para este Real Gabinete produtos tão bem acondicionados”.§

A atividade de fr. Veloso no Rio de Ianeiro não se restringiu à flora, como demonstram as relaçöes enviadas para o Reino em rj-'87 e USB referentes a animais, aves e mineraiså Em Lisboa, foram recebidos sete caimöes com uma coleção de conchas organimda pelo frade, “as quais não só wierarn bem ordenadas, mas muitas delas estimadissirnas por sua raridade".§

Pr. Veloso acompanhou o vice-rei Vasconcelos no seu regresso a Lisboa em rjgo e, nessa cidade, desempenhou atividades diversas, com alguns contatos com a Academia das Ciencias de Lisboa, que, em rj-'9r, decidiu pela compra de “todos os livros necessarios ã perfeição da obra do si: Iose Mariano da Conceição Veloso", ou seja, a flora fluminense. Pre'-ia-se também a

colaboração com Domingos Vandelli na área da Ictiologia, determinando a sessão, de 3r de março de rygz, que “se fizessem os gastos que se julgassem próprìos para os desenlios e estampas da Ictiologia do Reino do Dr. Vandelli e do Brasil do sr. ]osé .Vlariano da Conceição Veloso e algumas viagens se forem precisas”. Mas as relaçöes com a Academia não foram pacificas: aceite como

socio em 1791, foi excluido no inicio de r,¬9S, quando lhe lembraram o compromisso anteriormente assumido. Pretendiam os académicos saber em que estado se achava “a ooleção de peixes que se incumbiu de fazer para o Museu da Acaden'1ia”.3j [42] Se os académicos não o reconlieceram como um dos seus pares, talvez por falta de formação universitaria e por ser, afinal, um autodidata, D. Rodrigo de Sousa Coutinho, que ocupou a Secretaria de Estado dos Dominios Ultramarinos a partir de rjgfi, muito o apreciou e apoiou. Alias, o próprio principe regente exaltou o raro engenlio do frade naturalista, digno de ser comparado a Lineu, Tbimberg, Banks e Solander, ao aumentar para 3005000 réis anuais a pensão que recebia. Mais tarde, em rBc›r, foi elevada para 50080 00 réis.L7

Em consequencia do apreço regio, D. Rodrigo, em 1793, escreveu ao vice-rei conde de Resende com o propósito de obter a ajuda deste ao frade naturalista, cujos “superiores talentos”eram reconhecidos na corte, o qual então se achava “encarregado da tradução de muitas obras úteis para ampliar as culturas do Brasil”. Seria bom que o conde de Resende “insinuasse” `a Camara do Rio de Ianeiro ser muito apreciada pela Coroa a nomeação daquele religioso para seu procurador-

geral na corte, como ia tinha sido o então bispo de Pemambuco, rendendo, desse modo, a Cámara justiça aos talentos de fr. Veloso. E, na verdade, a Camara conespondeu ã “insinuação” e elegeu fr. Veloso para seu procurador na corte, tendo-o a Coroa confirmado nesse cargo, “dispensando-o

no caso de du*-ida por ele ser religiosoïë Foi fr. Veloso que elaborou uma lista de plantas a serem criadas nas hortas dos conventos dos capuchos, conforme ordem enviada ao provincial em outubro de r793, plantas essas que seriam postas em caixotes e enviadas para Lisboaë Mas, no período lisboeta, o frade ocupava-se principalmente oom traduçöes e publicaçöes. A primeira delas foi o Pal-ddio Português e Ciarim de Palas que anwwia periodimmmts os iwvos descobrimentos s meiiaoramzmtos na agricieitura, artes, manufiztums, comírcto, publicado, em r;'96, [43] pela Oficina Patriarcal. Depois procurou estabelecer

urna rede de tipografias disponíveis para dar a conliecer a “nova agricultura” decorrente dos saberes da Filosofia Natural. E, finalmente,

a tipografia do Arco do Cego, em que, entre

outras coisas, se preocupou com 0 modo de se remeterem produtos naturais das colönias sem que

se deteriorassem pelo caminho. 0 franciscano fez

em r800, na nova tipografia, o Naturaíista üistrtiído nos diueifsos

metodos antigos e modernos a øjuntmç preparar e mnsen-ar d produção dos três reinos da natureza. Em 1805, saiu pela Impressão Regia de Lisboa, também de sua autoría, urnas Instmçôes para o transporte por mar de ãrvores, plantas vi1.'a.s, semmtes, e de outras diversas cunlosidades naturais. Na

introdução dessa obra, aconselhava que, nas listas de remessa, fossem anotados o nome portugués da planta, o nome dado pelos habitantes selvagens e, finalmente, o verdadeìro nome, ou seja, o latino da classificação de Lineu. Insistia também para que fossem apontadas as qualidades das especies enviadas: “se o fruto, se as folhas ou raízes são comestíveís, ou úteis à Medicina e às

Arbes”. Tudo isso ele fez no estudo das plantas fluminenses. Em 1804, na qualidade de “botánico pensionado” pelo príncipe rgente D. joão, além de diretor literario da Impressão Régia de Lisboa, dava pareceres sobre plantas chegadas do Brasil. Examìnando com outros naturalistas as amostras de quinas vindas do Piauí “botanicarnente pelos

seus caracteres", chegou à conclusão de que se tratava de *verdadeiras quinaš', apesar de virem as flores estcagadas pela pouca ordem com que tìnham sido anumadas. “Brevemente farei um anúncio ao público na ooleção de quinas q\1e estou próximo a publicar”, acrescentou fr. Velosofl [44] A x-iagern de sete anos (1733-1790) pela Capitanía do Rio de Ianeiro teve como resultado 1.640 desenhos com descriçöes que compöem a Flom

Essa obra, contudo, só foi

publicada em 1823, em latim e sem as ilustraçöes botánicas que constìtuíam sua maior utilidade. Quando o naturalista morreu em 1311, Hipólito da Costa, que com ele convìvera no período da Casa Literaria do Arco do Cego para a qual também fizera tvaduçöes, escreveu no Corrsio Brazííiemc: Empregando tinta e tantos anos de estudos na vastíssima ciênc-ía da História Natural, este varão de excelente engenho compös, depois de imensas fadigas pelos sertöes da América, a flora do Rio de janeiro, obra de onze volumes em fol., onde se acham analisadas mais de très mil plantas e classificadas segundo o sistema de Lineu.

E ooncluía o obituário oom uma nota otimista quanto à futura publicaçao: “Esta obra se vai a publicar e ela fará com que o seu nome passe ã mais remota posteiidade com gloria dos nossos”.-\1

As coleçöes da Coroa e dos particulares Por determinafio do gcwerno metropolitano, as ernbarcaçôes que saíam do porto do Rio de Ianeiro transportavam sempre. durante o governo do marqués do Iavradío, mixöes com plantas,

ou então viveiros com animais exóticos e pássaros, "ha'-'endo o maior cuidado em que os viveiros em que se remeterem os ditos pássaros sejam grandes e com as acomodaçöes necessárias, assim para sua limpeza como para a preservação deles”. Em outubro de rjjg, pedjam-se de Lisboa es-

pecificamente “alguns dos que chamam pivaflof (devem ser os beiia-flores de ho]`e], os quais, “pela sua delicadeza”, deveriarn viajar em Viveiro separado e [45] “com recomeridação particular". Os granadzüm eram igualmente desejados. É curioso notar, nas recomendaçöes feítas, que os

saros “domésticos”, isto é, aqueles que andam “soltos por casa', deveriam ser acomodaclos separadamente dos outros. Não eram ap-enas as aves exóticas objeto de desejo, pois as ambas tamanduás foram igualmente requisitadas.L' As encomendas de Lisboa prosseguiram durante o govemo desse vice-rei e o seguinte. Em maio de I;-74, Martinluo de Melo e Castro pediu, em nome do rei, os pássaros do Rio Grande de São Pedro denominados mantas n-:mk e colhcireiras para as reais quintas, além daqueles já recomendadoså Luis de Vasconcelos e Sousa deu inicio, no sítio então denominado da Lampadosa, a uma casa destinada a recolher e preparar os pássaros que, por ordem da corte, seriam

destinados ao Gabinete de História Natural, mas sua partida para Portugal impediu o término da construção.^'_^ Certamente, seria mais fácil enviar pássaros empalhados em vez dos animais vivos, cujo transporte era muito sensivel, podendo as especies morrer durante a viagem. Por essa razão, em marco de U93, foram remetidos dois caimôes com 182 pássaros preparados por Francisco Iosé

Cardoso, que, por essa atividade de preparador, obteve un1a pensão vitalicia de 4ooSooo réis, de acordo com as ordens recebidas da metrópole. Em 1303, D. Fernando Iosé de Pomlgal enriquecen as reais quintas corrn mais urna anta, o que certamente não daria origem `a propagação da espécie em

servindo apenas como bicho exótico até morrer. No mesmo ano, ainda foram embar-

cadas duas caucas contendo pássaros preparados, ou seja, embalsarnados, e um urubu-rei \¬i'¬'o.§

Cuidavam também os vice-reis do envio de sementes de plantas bravas e, em troca, recebiam sementes de árvores da Índia, [46] como a teca e outras menos conhecidas, para se aclimatarem no Brasil. D. Fernando ]osé de Portugal chegou mesmo a remeter, a pedido do encarregado de negocios na corte de Berlim, três caixotes de plantas bravas colhidas nos Campos dos Goitacases,

em Inhomirim e em Macacu. Alem de contribuir para o enriquecimento do Museu de História Natural e do Iardim Botánico da Ajuda, o marqués do lavradio colaborou ativamaite rias coleçöes do marqués de Arigeja, quer em seu Museu de História Natural da Iunqueira, quer no Iardim Botánico no Lurniar. Na

dedicatória da historia do descobrimento da cochonilha no Brasil, escrita por seu irmão Iosé Henriques Ferreira, Manuel Ioaquim I-Ienriques de Paiva referiu-se ao marqués de Angeja como “o primeiro que neste reino acolheu benignarnente o estudo da História Natural, apliando-se a ele, não

mas fundamentalmente e como quem cuidava já então de receber todas as Vanta-

gens que os nossos nacionais podiam dele tirar”. Quanto ao seu museu, considerara-o um “precioso gabinete onde se acham não só as produçöes mais raras e preciosas, mas também e principalmente as mais úteis e interessantes da naturemïfi Em abril de 1772, o vice-rei lhe fez urna remessa de plantas, “com os seus nomes, as suas

classes e algumas das suas virtudes”. Ofereceu-lhe ainda algumas especies de borboletas, buzios e dois escaravelhos que certamente iriam causar grande prazer a Angeja e aos curiosos das coisas da natureza. E mais: “Vai um peime pequeno, a sua figura como rodovalho, a pele parece uma lixa, e a sua pintura é como de algumas borboletas que aqui se encontra.m. Semelhante a esse peixe ainda aqui se não encontrou ouu'o”.fi

Para satisfazer a curiosidade do marqués de Angeja e enriquecer seu Iardim Botánico, prometeu-lhe, em junho do mesmo ano, “uma boa porção de plantas” que mandara \ir do Espírito Santo. Mais tarde, em novembro, conseguiu para o museu do aristocrata [47] colecionador um peixe-boi e “urna árvore marinlia". Remeteu depois uma outra com a seguinte descrição: “Ela vai clieia na sua base de bastantes plantas, e no seu tronco principal de uma espécie de averica, que

parecem as plumas mais delicadas. Além disso tem pegadas muitas conchas de diferentes mariscos, que desta forma saiu do mar"å Seria essa árvore rnarinha um coral? Nem sempre o vice-rei prinia'-“a pela cientificidade na escollia dos produtos naturais a serem enviados ao marques de Angeja, sendo mais

pelo gosto do exótico: “Vai mais um inse-

tosinho que me parece extravagante e uma pedra que eu mesmo achei na praía". Não deixou de mandar também um pedaço de seda amarela tecido a partir dos fios de “uma qualidade de aranhas que aqui ha", desconhecida em Portugal; e também uns ouriços-do-mar, “que não deixam de ter sua ra.ridade”.2 De qualquer modo, curiosidades e exotismos à parte, tudo se conjugou para que Lavradio

incentivasse a coleta de produtos naturais e apoiasse a atividade científica, ao mesmo tempo em que se interessava por algumas coleçöes botànicas já existentes no Rio de Ianeiro, como se pode constatar por urna remessa a Angeja de flores do mato e plantas secas que se acliavam na casa de

um curioso ha'-'ia mais de cinco anos.52 0 próprio vice-rei Luis de Vasconcelos e Sousa enriqueceu, no Rio de Ianeiro, sua coleção particular de produçöes “naturais e artificiais”, entregue aos cuidados de Francisco Xavier Cardoso Caldeira, conhecido como o Xavier dos pássaros. Depois, ao partir para Portugal, le'-'ou tudo o que colecionara no Rio de Ianeiro, exibindo-0 no gabinete de História Natural do seu palacio, na calçada da Gloria, junto ao Passeio Público lisboetafl O envio de plantas e animais para as

cliarnadas quintas reais foi também feito [43] sistematicamente durante o governo desse vice-rei. Em setembro de 1786, foi a vez de “amostras de rnadeira e uma coleção de conchas e quatro viveiros contendo pássaros”, selecionados com a ajuda de fr. Veloso. Essa atividade praticamente cessou quando D. Rodrigo de Sousa Coutinho assumiu a Secre-

taria de Estado dos Dominios Ultramarinos. Äs vésperas de ser nomeado, o marqués mordomomor ainda enviou, em 22 de agosto de r,¬g6, ao vice-rei conde de Resende a ordem de que deveriam ser recolhidos e enviados para o Museu Real não só os produtos naturais da capitania, mas também os mesmos produtos artificiais que produzem a industria dos homens,

larmente a dos indios desse distrito, compreendendo-se, nos referidos produtos artificiais, as armas de que usam os mesmos indios, ou elas sejam de tiro, ou de bater de perto, os seus instrumentos musicais, tanto festivos como marciais, os seus vestidos e omatos, e ultimamente os seus môveis e utensilios domésticos.

Acompanhavarn o pedido as instruçöes que a Academia Real das Ciências publicara, em 1731, com o título Breves instmçôøs aos oorrespovadenics da Academia... sobre as remessas de produtos c notícias psrtmcmtas à História da Natureza, pamformar um Museu Nowionaië É de se ressaltar, nessa encomenda, a preocupação com os artefatos indigenas, ausente dos pedidos anteriores, a qual rev-

ela agora um desejo de conhecer também a Historia do Homem como parte integrante da História Natural. Alias, esse interesse surge precisamente nas instruçöes aos correspondentes da Academia que deveriam remeter não so' “as coisas mais notáveis e curiosas”, mas também descrever os costumes dos povos que habitavam aquele territórioä [49] Pouco depois de assurnir a Secretaria de Estado, D. Rodrigo ordenou ao conde de Re-

sende que, além de plantas vivas para o Real Iardim Botánico, mandasse também recolher, “nos matos e campinas desse distrito, todas as qualidades de sementes, com a declaração dos nomes próprios do pais, se o tiverern, ou sem ele, porém vindo todas bem acondicionadas, ou em frascos de boca larga e cheios de areia seca, ou em boiöes também cheios da mesma areia"¿* Essa encomenda revela que o novo secretario se preocupava rn.ais com a divulgação e o aproveitamento

das sementes da Colonia em Portugal do que com o enriquecimento do Real Iardim Botánico. Trata'-'a-se claramente de uma mudança de atitude perante a natureza: em vez da coleta de plantas exóticas, u.rn maior conhecimento da vegetação habitual nos matos e campinas. Não deixiou, contudo, de

também, em novembro de 1800, sementes de plantas “mui particularrnerite as que

produzirem belas e cheirosas flores” e, no més seguinte, todas as espécies e variedades de “aves indigenas" da capitania, a fim de povoarem os viveiros da Real Quinta de Belém. Mais tarde, o conde dos Arcos ainda satisfez, em 1306 e 180;', as exigências do .\-'Iuseu Real, remetendo “113 aves de diversas espécies deste país, preparadas por Francisco Xavier Caldeira” e, numa segunda

remessa, novamente caixas de pássaros empalhadosë

Proposta de um Iardìm Botánico A ideia de um Iardim Botánico surgiu logo nos estatutos da Academia Cientifica., os quais estabeleciam: “Tera a Academia um Horto Botánico para nele se tratarem e recollierem todas as

plantas notãveis, e terá cada académico obrigação de o ir ver para observar a diferença e crescimento delas”. Para o bom funcionamentao [50] do Horto, localimdo na antiga cerca do colégio dos

jesuitas, haveria coletores e académicos “desenhadores de plantasïä Muito naturalmente, quando a Academia perdeu o estimulo do vice-rei lavradio, o I-Iorto também entrou em decadencia e. na Sociedade Literaria que se seguiu, não se falou mais do assunto em seus estatutos.

Aliás, em 12 de abril de 1380, o 'rice-rei Luís de Vasconcelos e Sousa relatou para Lisboa a situação em que se encontrava o I-Iorto Botánico na antiga cerca jesuitica, situada num outeiro e dotada de uma fonte. Logo no inicio de seu governo, resolvera satìsfazer sua curiosidade e dirigiuse ao local, mas não pôde ver nada, pois a chave estava nas mãos de Antonio Iosé Castrioto. Re-

gressou uma segunda vez, mas não achou, na cerca, vestigio algum de um Horto Botánico: Tudo coberto de capim, e entre ele algumas ervas muito triviais, que pareciam nascidas e conservadas ao acaso, e próximas a serem de todo afogadas pelo mesmo capim. Nem cabía melhor sorte a uma quantidade de plantas em que se nutre a cochonilha, que achei para u.m

oanto em montão, sem beneficio algum. Procurou o vice-rei informar-se do que tinha ocorrido: “\"1m a saber que, em lugar das plantas úteis e necessárias, só se tinham plantado hortaliças, que se vendiam à porta da cerca juntamente com as frutas que produziam as suas antigas árvores em utilidade dos particulares”. O mencionado Antônio Iosé Castrioto é que se beneficiava com 0 negócio sem nerihurna despesa.

Não roçara o mato, nem fizera qualquer benfeitoria. Luís de Vasconcelos e Sousa criticou ainda o fato de a cerca se encontrar trancada, quando o I-Iorto podia beneficiar os doentes do hospital com a sua agua e suas plantasä [51] Em rj-'9§, o médico _\ianuel Ioaquim de Sousa Ferraz, formado na Universidade de Mont-

pellier e sócio-correspondente da Academia Real das Ciencias de Lisboa, propos ao rice-rei conde de Resende a criação de um Iardim Botánico. Iustificava sua proposta dizendo que o cuidado da saúde pública era “a primeira lei do Estado social” e que, portanto, não se podia admitir que, no Brasil, as pessoas continuassem a consumir, para o tïatamento de suas moléstias, as “drogas velhas, corruptas e adulteradas que por grande preço se mandam tir da Europa", quando podiam usar as “maravilhosas e mui virtuosas” plantas [email protected]

Lamentava a ignorância dos cariocas em Botánica e defendia sua ideia de criação de um jardim na cidade do Rio de Ianeiro, para onde seriam transplantadas as ãrvores e as plantas medicinais do Brasil inteiro. Nesse local, ministrar-se-ia uma aula de Botánica Médica, “sendo

todos os boticários e cirurgiöes futuros obrigados a Erequentarem assiduamente o dito curso”. Além disso, nas boticas, as drogas eu.ropeias, “inertes e oorruptas", seriam imediatamente substituidas pelas plantas medicinais indigenas. Como frequentemente ocorria nas propostas feitas ao govemo, Sousa Ferraz oferecia-se para

ministrar essa aula e indicava como garantia de seu saber dois naturalistas de renome na metropole: Félix Avelar Brotero, lente de Botánica e Agricultura na Universidade de Coimbra, com quem estivera em contato du.rar1te os quatro anos em que exercera a Medicina no Porto; e Domingos Vandelli, lente 'jubilado residente em Ijsboa. Também na Academia das Ciências de Lisboa,

apresentara recentemente uma memória sobre a necessidade de se aumentarem os conhecimentos de Botánica no Brasil, “onde a natureza se mostra quase pródiga nas suas produçöes”. Foi em marco de 1392 que ele leu, naquela Academia, a Memória sobre a Botánica e as vaniagens que dela. rssuítapara apraxc médica.2 [52] Nesse texto, criticava “cerros antibotânicos” que consideravam ser a Botánica “urna estéril

nomenclatura” e chamavam a seus cultores simplesmente “herboristas”. Aquela ciéncia era muito mais do que isso, incluindo a fisiologia vqetal e a química vegetal, ""e deste modo sabemos nos quais são as plantas que contém principios úteis e medicinais e aquelas que são nocivas”. Revela ter estado em contato, na França, com Antoine Gouan, botánico conhecido na

e

descreve como compòs seu lierbário, uma pequena coleção de plantas exóticas, que então ofereceu

à Academia em Lisboa. Passa, em seguida, à defesa da utilidade da Botánica para a Medicina: “quem ignora que o médico botánico tem a vantagem de saber o que ordena e de não poder ser enganado pelo herborista ou pelo boticårio". Alem disso, era capaz de preparar, de u.m momento para o outro, os remédios de que seus doentes necessitavam em regiöes onde não existissem

boticarios. Depois de apontar na memoria que só o Estado tinha forças suficientes para fazer propagar o amor pela Botánica, refere-se especificamente `a Hora brasileira: Que preciosas plantas nao contém o Brasil, que ainda nos sao desconhecidasf Quantos

remédios específicos não possuem hoj e os selvagens e os empíricos deste fértil e vasto paisl E por que razão não emperiharemos nós todos os esforços possíveis para virmos também a conhecé-los para nos senir com vantagem nas nossas enfermidades? Finaliza sua memória afirmando que a republica dos sabios da Europa esperava com irn-

paciéncia que esse “espesso véu da ignorancia" acera da flora brasileira fosse rasgado. Certamente por influencia de Brotero, frequentador assiduo, entre 1;-'73 e 179o, do jardin des Plantas de Paris e dos cursos abertos ao público que ali se ministravam gratuitamente, Sousa Ferraz sugeriu ao vice-rei a criaçâo simultánea de u.rn

Botânico e de uma Aula de Botánica

Médica, mas, apesar das credenciais apresentadas, o primeiro projeto não se concretizou, nessa época, [53] por inabilidade do conde de Resende, segundo Vamhagen. O rice-rei, em rr de dezembro de rjgj, apoiou, contudo, incondicionalmente, a criação da Aula de Botánica a ser ministrada pelo mineiro Sousa Ferraz, recém-chegado ao Rio de Ianeiro com sua familia e que se poderia

fixar nessa cidade, em vez de prosseguir sua viagem para Minas Gerais. Ele receberia um ordenado correspondente ao seu trabalho e a perda do que poderia ganhar na cidade com a sua profis são, pois sua atividade médica seria frequentemente interrompida pelas \iagens que teria de realizar.

Quanto ao Iardim Botánico, preferiu o conde de Resende a solução menos dispendiosa, aproveitando o Horto [a que ele chama horta) já existente, “sem outro dispendio que u.ma casa para aula de Botánica”. Essa horta, “charnada do colegio”, encontrava-se contigua ao Hospital Militar, e ali se cultivavam muitas ervas para uso da botica daquela instituição, diminuindo assim a despesa da Fazenda Real com a compra de ervas e raizes estrangeiras. Resta saber se o espaço dessa horta seria suiiciente para os objet:ivos mais arrrplos de u.m Iardim Botánicofi

Em novembro de rjgå, D. Rodrigo de Sousa Coutinho retomou a ideia, inspirado no exemplo do Botánico de Belém, e incentivou o \ice-rei a fazer o mesmo no Rio de ]aneiro: procure estabelecer nessa capitania, com a menor despesa que for possivel, um Iardim

Botánico semelhante ao do Para, em que se cultivem todas as plantas assim indigenas como exóticas, e em que particularmente se cuide em propagar de semente as árvores que dão madeiras de construção para depois se semearem nas matas reaisfi 0 pragmatismo de D. Rodrigo revela-se nessa recormendacão: ele se mostrava mais interessado num viveiro de mudas de Árvores [54] para a construçao naval do que num repositório de

espécies vegetais de varios pontos do Brasil e dos outros continentes.

Agricultura e comércio E preciso levar ern conta as diretrizes do govemo de Lisboa se quisermos entender a atividade dos vice-reis. Uma dessas diretivas incidia sobre o desenvolvimento agricola. Couno afirmava Van-

delli, “escrever de agricultura neste século é costume introduzido em quase todas as naçöes polidas”, mas os livros e as memórias contribuiam menos para o desenvoliimento agrícola do que os premios aos lavradores e uma legislação especifica sobre o tema.E As vantagens económicas de novas culturas no Brasil beneficiariarn a Coroa e também os habitantes da capitania do Rio de Ianeiro, que passariam a encontrar apoio do govemo para teritarem experiencias agricolas.

A primeira a ser desenvolvid.a foi a cultura do anil, tendo o tice-rei Lavradio convencido Manuel da Costa Cardoso a reabrir a fábrica que instalara em sua chãcara, depois de certas melhorias tecnicas aconselhadas por Ierônimo \fieira de Abreu. O marques pôde, já em março de I;-'j-'2, enviar a Martinho de Melo e Castro, secreta'rio da Marinha e dos Dominios Ultramarinos,

amostras do anil fabricado no Rio de Ianeiro, a fim de ser examinado por meio de experiencias feitas na corte. Estas determinariam se poderia, ou não, ser utilizado nas manufaturas do Reino. Alem da avaliação da qualidade do produto obtido, quis também o governo de Lisboa saber o custo de cada arrátel e a quantidade que poderia ser produzida [email protected] [55] Das experiencias feitas com as amostras remetidas, veriflcou-se que a qualidade era var-

iável, mas uma das amostras revelou um anil excelente, desde que fosse purificado para se retirar “as partes térreas” do produto. Recomendou Melo e Castro: “Se o sujeito que, com louvável curiosidade, tem traballiado na fábrica deste importante genero tiver mais cuidado na sua purificagão, como se pode fazer sem au.rnentar nem traballio nem despesa, virá ele certamente tão perfeito que não precise aqui de algum beneficio”.

Os objetivos da Coroa foram claramente explicitados. Em primeiro lugar, era preciso que, na Capitanía do Rio de Ianeiro, se fabricasse o máximo de anil, pois seria todo consumido nas fábricas do Reino. Ora, como o vicerei incentivara as plantaçöes numa terra “tão própria para o a.ni.l que dele ha matos que produzem infinitamente ainda sem cultura", se o marqués de Iavradio

também animasse o aperfeiçoamento de seu fabrico, produzir-se-iam as quantidades necessárias, “as quais depois de muitos anos se tem prometido, mas sempre inírutuosamente”. A produção do anil não falharia se os fabricantes tivessem certa, fácil e pronta a venda, oom pagamentos feitos em especie pela [unta da Real Fazenda. Os preços variariam entre Io e 7 tostöes o arratel, conforme a qualidade do produto, mas manter-se-iam fixos pelo prazo de dez

anos. Por outro lado, era preciso animar aquele individuo que já se lançara ao fabrico do anil, nomeando-o diretor-geral da mesma cultura e manufatura, com carta passada pelo rei e com um ordenado equivalente aos resultados obtidos. Para facilitar a preparação, em agosto de rfig, Melo

e Castro enviou a lavradio uma rninuta sobre o modo de fabricar o anilfi Em razão do seu saber

tecnologico, Ierönimo Vieira de Abreu foi nomeado diretor-geral da cultura e fabrico do a.nil, e não o fabricante, como fora anteriormente sugerido pelo secretario de Estado.

[56] O an.il continuou a ocupar a correspondencia entre Melo e Castro e o marques do Larradio. Em nouembro de 1774, comunicou o vice-rei que as 19 arrobas e 18 arrateis por ele enviadas

ainda não estavam perfeitamente fabricadas: “para poder ser-ir nas tinturarias, mandei fazer um engenho em que todo ele se purifica”. Ou seja, o vice-rei procurara uma solução para o problema das impurezas. Por seu lado, o secretario avisava: “a nenhurn

fará conta a compra do

dito genero eriquanto as fábricas dele se não aperfeiçoarem no Rio de Ianeiro, ao ponto que possa no mercado concorrer com o de Castela em preço e qualidade”.§

Finalmente, quando Lavradio já estava para deixar o govemo, Melo e Castro lhe deu uma noticia, em 4 de novembro de 1773, que certamente o recompensou por todos os seus esforços: “O importante artigo do anil já faz um ramo do nosso comercio nacional”. E, nas fábricas do Reino, não se gastava senão o anil brasileiro. O progresso na cultura e no fabrico deveu-se em parte a

duas medidas da Coroa: a fixacão de um preço para as diferentes qualidades de anil [1Soc>o, goo e 7oo réis o arrátel), e seu pronto pagamento pela Fazenda Real em 1773; e, mais tarde, a possibilidade de os fabricantes remeteran livremente, por sua conta, para o Reino o anil que fabri-

cassem em 1777. Entretanto, o grande responsãvel pelo sucesso do fabrico do anil foi Ierônimo Vieira de

Abreu, que, ao longo dos anos, depois de ter sido nomeado diretor-geral, visitou todas as fábricas na capitania, as quais, até 1735, eram em número elevado: 232, localizadas sobretudo da Ilha dos Porcos até o carnin.ho de Mirias (36), de Santa Luzia até a Pedra da Maracanã (29), do Engenho

Novo até Mataporcos (23), e de Iacarepaguá até Lamaram (27}.§ A cochonilha foi outra produção natural recomendada pela Coroa, dado também seu valor na Logo em 1774, Melo

e Castro comentou com Lavradio a propósito daquele produto:

“Como é um genero que começa a se oonbecer entre nos, e a se preparar para tintas, não pode deixar de vir com muitos defeitos á praça de Lisboa., onde não poderá ter concorrëncia alguma com a cochonilha de Castela”. Tornava-se, portanto, necessario aperfeiçoar o seu preparo, tal como acontecera com o anil.fl

Logo, Lavradio se pos em campo para distribuir os arbustos onde se criava aquele inseto e que cresciam um pouco por toda a parte. Rdatou ele a seu sucessot “conservei do mesmo arbusto bastantes pes em um Horto Botánico que aqui estabeleci e de que se acha encarregado e com a in-

speção dele Joaquim José Henriques de Paiva, para dali se poderem ir tirando plantas e se darem a diferentes pessoas”. Na chãcara do botimfrio Antonio Ribeiro de Paiva, membro da Academia Cientifica, também era mantido um Viveiro daqueles arbustos para serem distribuidos. Depois, seria preciso distribuir o inseto, bem como uma instrução escrita, “para poderern colher e beneficiar” o produto, a qual Iavradio entrgou também a seu sucessor.

Como era prátioa habitual, foram emiadas para a corte amostras da cochonilha e, em resposta, foi ordenado que se fixasse u.m preço pelo qual a Fazenda Real iria pagar a producão. Foi arbitrado o preço de 6 patacas o arrátel, mas lavradio acreditava que se poderia pagar até 3 patacas, deixando os produtores “na mesma liberdade de a poderem vender aos comerciantes, ou carregá-la por sua conta, do mesmo modo que se pratica com o anil”.§

Em iulho de 1733, o vice-rei Lu.is de Vasconcelos e Sousa já remeteu para Lisboa 31o arrobas e 16 arráteis de cochonilha. Melo e Castro comeritou sobre essa remessa no ano se-guinte, elogiarido a eficácia do \ice-rei em fazer aumentar a produção. E acrescentou: “será desgraça se, depois de tão bons principios, se [53] deixar perder todo este trabalho e as futuras utilidades que dele hão de resultar”.Q

Esse vice-rei também prosseguiu com o incentivo ao anil, que, em 1731, foi isentado por cinco anos do pagamento de direitos e emolurnentos nas alfåndegas e que, no mesmo ano, teve seus preços aumentados para r$2oo, ¡Socio e goo réis. Em 1737, a isenção de direitos foi prorrogada por mais cinco [email protected] Foi durante esse governo que Ierônimo Vieira de Abreu procurou divulgar por escrito o modo de fabricar aquela tinta, redigindo a Brciríssinia instmção para uso råosfaiiri-

cantes de aníi.,., que se encontra ainda [email protected] Começou seu texto afirmando: “E bem conhecida em todo o distrito do Rio de janeiro a utilissima planta do anil". Portanto, tornava-se desnecessário descreve~la, enumerando apenas as tres espécies conhecidas, sendo as duas primeiras designadas pelo nome de bastardo e a terceira por

Mari. Embora as espécies bastardo fossem consideradas as melhores, ele advertiu: “não é tão constante esta superioridade que não varie à proporrcão do tenerlo que as produz”. Desse modo, a experiencia dos tintureiros é que deveria regular a preferencia por urna ou outra espécie.

Tratou, em seguida, do modo de proceder a sementeira, mas, ao falar da maneira de descobrir o momento da maturação da planta, que era também o do seu corte, acautelou: “não é tão fácil de explicar-se, como de conhecer-se com o uso e a experiencia”, que certamente guiariam os lavradores. A tinta resultante do primeiro corte costumava ser inferior à dos segundo e terceiro cortes da mesma sementeira, a qual chegava a durar seis anos ou mais. Deueria ser extraída na es-

tação quente, que era quando rendia mais e mostrava boa cor, pois, na estação fria, só se conseguia extrair urna pequena quantidade. Depois dessa indicação, passou [59] a descrever os tanques usados no fabrico do anil e, para ajudar na compreensão das varias operacöes, desen.hou u.ma estampa ilustrativa das peças e dos instrumentos utilizados no processo.

Quando Luis de Vasconcelos e Sousa deixou o governo em 1790, numa prestação de contas em que as despesas ultrapassavam em muito as receítas, sua maior preocupação era com a necessidade do “pronto pagamento do anil, cochonilha e das mais produçöes naturais que pela Fazenda Real se bem procurado animar em beneficio e utilidade dos vassalos de Sua Majestade, particularmente americanos”. Propunlia então que, para esse rápido pagamento, se utilizasse o

rendimento dos direitos reais de Angola, que poderiam ascender a 40 contos de réis. No entanto, sua proposta não foi aceita pelo secretario de Estado: “as circunstancias presentes exigem que se pare com estas compras de anil e cochonilha por conta da Real Fazenda, deixando os ditos dois artigos inteiramente livres à convenção das partes como melhor conta lhes fi1er”.E

As preciosas madeiras Outro produto natural relevante para Portu.ga.l eram as madeiras destinadas à constução naval. Lavradio remeteu para Lisboa paus de louro, que logo foram entregues no Arsenal Real

para serem usados na mastreação. Entretanto, Melo e Castro p-ediu mais: queria também, em junho de r,¬-,¬-4, uma ouüa madeíra, charnada óleo, para o mesmo firn, como se pode ver pela Rc-

Iação dc pau: de louro, ou de áleo, do Brasil para mastreaçao de umaƒhzguta de 32 pcs de bom. Não deixou de recomendar:

Devo prevenir a V. Exa. que o corte das sobreditas madeiras se faça nos minguantes de luas, pondo-se o maior cuidado de a suster, [60] e amparar com cordas, de sorte que quando vier ao chão não lasque no corte, nem dé grande pancada, porque qualquer destes incidentes é muito prejudicial ã referida madeira.

Alguns meses mais tarde, o secretario de Estado requisitava outras amostras de madeìras para a construção de embarcaçöes, a saber: a massaranduba, o óleo vermelho e o louro pardo. Contudo, as madeiras do Brasil não eram destinadas apenas ã construção naval. Algumas poderiam ser usadas igualmente na

Corn os paus e as cascas enviados por I_a\'rad.io, flzeram›se

mas experiencias no Laboratorio Químico, de que resultararn mais de setenta cores diferentes, algumas delas excelentesfi Lavradio informou a seu sucessor ter mandado vi: de varios distritos

madeiras, óleos, bálsamos, gomas e arbustos, remetidos a Lisboa para serem examinadas as suas utilidades e poder prornover seu comércio, mas a corte não tomou quaisquer providencias a esse respeito, e, pouco depois, o vice-rei foi substituido.7¿ O grande interesse suscitado em Portugal pelas madeiras brasileiras é que levou Vandelli a

reclamar contra o método de cultura utilizado pelos lavradores, por ele considerado muito preiu“porque consiste em queimar antiquíssìmos bosques, cujas rnadeiras pela facilidade do transporte pelos nos seriam muito úteis, ou para a construção de navíos, ou para

ou

para os marceneiros".§ Esse tema será abordado também por ilustrados como Diogo de Toledo

Lara Ordonhes. Os pedidos de madeiras de construção continuaram nos govemos seguintes. Em 9 de março de Ijgo, Melo e Castro advertiu a Luís de Vasconcelos e Sousa ser a peroba a madeira mais necessária para o Real Arsenal, pois se torna.ra muito cara e “quase impratícável de se conseguir", sendo obtida apenas “a custo de [61] nos de dinheiro, e com tanta dificuldade como a dos dia-

mantes em Il-Iìnas". Por isso, ordenara que um engenheiro e mais dois “práticos” fossem localizala, descobxindo também o caminho mais fäcil e menos dispendioso para seu [email protected] No final do gorerno do conde de Resende, Diogo de Toledo Lara Ordonhes - que tocara São Paulo pelo Rio de Ianeiro, onde ocupara os cargos de i.ntendente›gera1 do Ouro e de presidente da

mesa de inspeção - fez uma digressão com o intendente da §~/larinha, em 1300, a fim de estudar os principais cortes de madeiras, que se faziam nos distritos de Tapacorá e Macacú. Em seu relatório a D. Rodrigo, em ar de agosto daquele ano, mostrou-se chocado com a destruição florestal nurna atitude típicamente ilustrada; “O que nesta jornada me fez maior impressão e rnágoa foi o

ver algumas p-orçöes de matos virgens incendiadas recentemente, e já estava bem informado que em toda esta capitania se praticam anualmente os mesmos destrutivos e bárbaros meios para se fazerem plaritaçöes”. As queirnadas sign.i.fioa\'a.m a ignorancia e a irracionalidade dos lavradores, e a conservação das matas dependia principalmente de uma rigorosa proibição das dernibadas e

queimas, “proibição que reputam prejudicial algumas pessoas que se dízem instruídas, mas que no meu conceito são ignorantes”. Em sua digressão pelo territorio fluminense, preocupou-se, como era ordenado de Lisboa, com as perobas e outras árvores de esümação e inquiriu junto aos lavradores se elas davam fiutos ou sementes que se pudessem plantar. Apesar da resposta negativa, quando andava pelas matas

da Posse, conseguiu descobrir algumas vagens e logo recomendou o cuidado em as recolher quando estivessem maduras para serem plantadas, dada sua escassez. Seu relatório ao vice-rei continha a mesma rerolta e indignação com a barbaridade da derrubada e queimada de matas virgens: era, na verdade, “coisa lamentárel, muito repreensivel, con› trária ao bom senso e prejudicialíssima ao bem público" sepultar para [62] sernprre um tão pre-

cioso tesouro que a Naturem levou séculos a formar. Em toda a Capitanía do Rio de Ianeiro, a exceção dos lugares mais remotos e rnontanhosos, tornavam-se raras as madeiras de construção, indispensáveis para as Marinhas Real e Mercante, para os engenhos de açúcar e para outros fins. Como escrevia o intendente da Marinha Iose' Caetano de Lima, em 1302, era problemático aten-

der aos pedidos de vlnhático e peroba. O primeiro só existia perto do rio de S. Ioao, e a peroba, nos Campos de Goytacases, longe de rios, o que dificultava seu transportefl

Dois vice-reis ilustrados Na instruçao que Melo e Castro preparou para o vice-rei Luis de Vasconcelos e Sousa, em 2;' de janeiro de rjjg, resurniu 0 que ja havia sido realizado no governo anterior. Lembrou que o

anil era um ramo de comércio iniciado havia apenas uns quatro ou cinco anos graças a umas pequenas amostras que o marqués de La'-'radio lhe remetera. A diligencia desse vicerei fizera crescer de tal modo as plantaçöes que as fábricas de Portalegre e da Cmilhã só usavam o anil brasileiro. De algumas madeiras emharcadas para Lisboa, também se tìnham extraído excelentes tintas. Emiara ainda aquele vice-rei uma arnostra de cochonilha, assegurando ao ministro haver,

no Rio de Ianeiro e em Santa Catarina, gande quantidade daquela produção natural. Melo e Castro rematava escrevendo: "Todos estes artigos são tão importantes que V. Exa. não os deve perder de vista por um só momentoïfi Mais tarde, quando Jacinto Iosé da Silva Quintão publicou sua Memória sobre a øochoniíha e o 1-nâodo de a propagar, Qƒèrecido aos Ínzvmdores lrrasileiros por um patriota zeíoso e amante da púlilica, prestou homenagem, em sua dedicatória, ao marqués de [63] La'-“radio e a Luís de Vas-

concelos e Sousa, que, enquanto vice-reis, tudo tìnliam feito para introduzir a cultura e o úiil comércio da cochonjllla. Em seguida, na introduçâo, relacionou a criação da academia com o desejo de Iavradio de “promover a felicídade pública por meio da agricultura" e ao mesmo tempo

“desenvoluer ideias profícuas adormecidas em cabeças que pareciam obtusas e pouco cientificas”.§ A ideia que o vice-rei Lavradio partilhava com o go*-'emo de Lisboa era a de que o estudo da História Natural no Brasil levava ao desenvolvimento de novas culturas e de novos ramos de comércio. Um pragrnatisrno cientifico dominava então a administração colonial: "Nas adniirãveis

plantas que temos, encontramos excelentes bálsamos, gomas, óleos, raizes e, finalmente, mil outras coisas maravilhosas que podem aumentar infinitamente o comércío”.E Lavradio, porém, estava mais aberto a experiencias do que o governo de Lisboa. Enquanto este insistía na plantação de cårihamo, 0 vice-rei apontava a possibílidade de substituir essa planta

por outra nativa, a guaxìma, que teria a mesma utilidade. Por essa razão, interessou-se pelas tentativas do holandés radicado ha muito no Rio de Ianeiro, Ioão Hopman, para fabricar cordas com aquela fibra. Em rfi3, amostras de cordas foram experimentadas no Rio de janeiro com bons resultados, e Lavradio, ao envia-las para Lisboa, defendía a ideia de que, se fossem aprovadas, se deveria conceder a Hopman o privilegio dessa rnanufatura por oito ou dez anos. Mas a corte não

se interessou pela substituição de um produto j á tradicional na cordoaria, embora caro, por outro ainda em fase experimentalfl

[G4] 0 desinteresse do ministério em Lisboa por aquilo que desconhecia, quando se tratava de suprir necessídades imediatas, não correspondía à curiosidade europeia por tudo o que era

novo no estudo da flora americana. Por essa razão é que os navegadores estrangeiros que aporta\am ao Río de Ianeiro nessa época, ou para fazer aguada ou para consertar as embarcaçöes, se interessavam tanto pelas plantas locais. O capitão Arthur Phillip, que fafia parte da expedição inglesa destinada a colonizar a Australia e que perrnaneceu no porto durante uni mes, teve o cuida-

do de recolher mudas de café, de jalapa, de tabaco, de coco, de goiaba etc. e, quando era difícil transportar mudas, mandava comprar sementes para levar.E Embora nesse momento da ilustração luso-brasileira a agricultura se encontrasse em alta e a mineração do ouro e dos diamantes em baixa, S/Ielo e Castro tarnbem pedíu a Vasconcelos e Sousa

amostras mineralógicas do sertão de Macacu, as quais nos remetem para um novo interesse em inventariar espécies mineralógicas, e não em simplesmente explorar a riqueza aurífera. Pedia que lhe enviassem tudo o que acbassem de “cristais grandes, ou com algurna raridade, amatitas, ou outras sernelhantes pedras, matrizes de ouro, ou de outros metais", juntamente com o que descobrissem pertencente `a Mineralogia.§

É de se notar nesse período as medidas tomadas em relação às minas de ouro de Macacu. Luís de Vasconcelos e Sousa conta, em seu relatório ao sucessor, que a Coroa ordenara a evacuação, pela tropa de Minas Gerais, daquele vasto sertão ocupado por um grande número de conttabandístas, “que se tinham aproveitado das suas riquezas, formando nos sitios que lhes pareceram mais comodos as suas habitaçöes e lavras para poderem melhor continuar as suas escandalosas usurpaçöesïš

[65] A capitania do Rio de ]aneiro enviou então tropas para a região, tendo aprisionado Manuel I-lenriques, conhecida como o Mão de Luva., chefe dos contrabandistas, e seus comparsas. Foram todos presos e sentenciados no Iuizo da Intendencia do Ouro do Rio de Ianeiro. Como

havia a intenção de povoar aquele sertão com “vassalos úteis e industiosos" e, ao mesmo tempo, reprimir os extravios e o contrabando do ouro, foram tomadas providencias para a distribuição das terras. Foram enviados destacamentos militares em número suficiente para coibir os descaminhos do ouro; abri.ram›se estradas para o novo arraial do Cantagalo, “que era o sitio que se achava de-

scoberto e frequentado pelos ditos contrabandistas'°; estabeleceu-se um registro do ouro com os funcionarios necessários sob a direção do desembargador intendente-geral do ouro Manuel Pinto da Cunha e Sousa. Esse superintendente chegou ao local, que iria ser a sua residencia, em 2 de junho de 1737.

A fama das riquezas atrairam muitos individuos que pedíram datas e sesmarias, mas, “igio rando o modo de se fazerem os árduos serviços da mineração”, julgaram que podiam colher o ouro “`as mãos lavadas”. Desanìmaram em virtude da dificuldade em minerar e também da falta de mantimentos. Diante dísso, o vice-rei mandou fazer novas buscas nas terras minerais daqueles sertöes, “a fim de se tirar um desengano a respeito das suas riqueras, ou uma noticia mais arnpla

e segura”. Ou seja, baña que estudar convenientemente as riquezas minerais, a firn de corrigir u.m rumor desmedido a seu respeito. De qualquer modo, o ouro de Macacu representa uma exceção nurna época em que a agricultura ocupava o lugar de relevo na corte e, consequentemente, na sede do vice-reinado. Como

não havia noticia de produçoes minerais úteis na Capitanía do Rio de Ianeiro, como o salitre ou o ferro, a organização daquele sertão representou mais o desejo de coibir o contrabando do que o de explorar a riqueza aurífera.

[55] A política de D. Rodrigo de Sousa Coutinlio Martinho de Melo e Castro morreu em 1795, sendo substituído interinamente por Luis Pinto

de Sousa na Secretaria dos Negócios da Marinha e Dominios Ultramarinos. Mas, em 14 de setembro de r;'96, D. Rodrigo de Sousa Coutinho tomou posse daquela secretaria, enxiando suas primeiras ordens ao vice-rei conde de Resendeë No que se refere às produçöes minerais, mostrou-se especialmente interessado na descoberta das minas de nitro e na prrodução do salitre; quis receber em Portugal todas as qualidades de sementes, e não apenas algumas espécies sele-

cionadas; demonstrou também interesse por madeiras de construção, como o tapinlioã, a peroba e o vinhático; incentivou a descoberta da quina; insistiu na produção do linho cånhamo; pretendeu maiores progressos na produição da cochonilha; deu ordens sobre a canela; preocupou-se com a adaptação no Brasil de plantas da Índia (como a teca, o sândalo etc.) e também da Europa. É inter-

essante notar um menor interesse pelo exótico e pelo enriquecimento do jardím Botánico da Ajuda, embora o vice-rei conde de Resende remetesse, em 1800, pés de laranjeiras de diversas qualidades e varios tipos de capim para ali serem plantados. D. Rodrigo vísava sobretudo àquelas produçöes mais necessárias ao Reino e mais rentáveis. Em dezembro de 1797, D. Rodrigo comunicou ao vice-rei que, afinal, não enviara as anun-

ciadas plantas da caneleira de Ceilão, pois aquelas escolhidas “não estavam bastantemente vigorosas" e, como era pleno invemo em Lisboa, “poderiam sofrer na viagem algum detrimento”. Por essa rafio, D. Rodrigo deddira esperar pela primavera para fazer tal envio, mas não deixou de

remeter alguns exernplares da Memória sobre nz mneleim, pam aoompanhar a remessa das plantas, que o prL'nc1`pe nosso senhor manda traumortar pam o Brasil, publicada nesse mesmo ano na Regia Oficina Tipográficai

Seu objetivo era “propagar o conhecimento desta uiilissirna planta" e

também “facilitar os meios de nos aproveitarmos do que já existir deste genero, ou de preparar o carninho para procurar o que nos falta". Alguns dias depois, incitava o vice-rei a animar a cultura da canela, a fim de remeter quantidades avultadas para a corte: “esta empresa parece tanto mais

fácil quanto e constante dar-se nesse clima muito bem a caneleira e ser a sua qualidade excelente”. Aliás, essa cultura poderia ser desenvolvida na fazenda de Santa Cruz, pertencente à Coroa. As instruçöes de D. Rodrigo a esse respeito foram muito minuciosas: "No caso de haver já nessa capitania algumas caneleiras, queira V. Exa. fazer exüair delas, em diferentes estaçôes, a casca fina e remeter varias porcöes, a firn de que se Veja aqui qual é a melhor”, pois esse novo produto iria sem dúvida aumentar o número daqueles que o Brasil enviava para Portu.gal.§ O que significa

que o secretário de Estado não fechava a porta à canela nativa, embora incentivasse a plantação da canela oriental. O vice-rei contou nessa questão com a colaboração do Senado da Cãmara, que lhe comunicou,

em 17 de novembro de 1:79 S: “Pelo que diz respeito à canela, assentamos em remeter novamente a mesma memória que, em 9 de maio, t:ín.han1os remetido com uma caixinha de amostras da canela do Rio, depois de muito mais acrescentada com observaçöes posteriores do mesmo autor”. Não e' dito o nome deste, mas sabemos, pela posterior publicação, que se tratava de Bernardino

Antônio Gomes, médico da Armada. Foram enviados também “oito frasquinhos de águas, óleos e cànfora extraídos da canela, e u.m de cravo”. Decidiram então os vereadores lançar posturas sobre sua plantação e divulgar aquela memória para “instruir os povos das suas ut:ilidades".E Só mais tarde, quando a corte estava já sediada no Rio de ]anei.ro e eicistia uma imprensa local, foi publicada, em 1809, a

Memór1`.a sobre a canela do Rio dejaneiro oƒerorida ao prím.'ipe

do Bmsil nosso smlwr polo Senado da Câmam da mesma cidade no mw de 1,193. Nurna segunda

folha de rosto, surge outro titulo: Obseruaçôes sobre a canela do Rio dejaneim esmïas sz rogo do Senado da Cámara da mesma cidade em 8 de maio de ijgå, e uiterionnente mtïjicadas, adicionadas e oƒereoídas ao mesmo Senado por Bernardino Antònia Gomes, mádico da Armada

e oapitão defmgaia

graduado. Nesse texto, Gomes afirma ter visto caneleiras nas chácaras de Rademacker, em An-

darai, de D. Emerenciana, no Campo de Santana, do escrivão da Cámara, em Caraí, e da viúva de Ioão Hopman, em Mataporcos. “Passa seguramente de cem o número das que havia tres léguas em torno desta cidade, antes das novissimas e sábias providencias que 0 conde vice-rei tem dado para promover a cultura desta inapreciável á.rvore”.E

Mas Gomes também afirmava que, no Rio de Ianeiro, só as folhas da caneleira eram utilizadas na preparação de “uma água aromática, de que se não serviam senão para jogar o entrudo". Ora, além da canela, era possível tirar da raiz o alcanfor, parecido com açúcar em muito branco quando seco e puro - e que, nesse estado, não diferia em cheiro e sabor do alcanfor

das boticas. As experiencias com a casca da árvore ünham fomecido água e óleo alcanforados, pro dutos que tornavam a cultura da caneleira “muito precíosa".E

O vice-rei garantia, em abril de låoo, a D. Rodrigo não se ter descuidado em animar a cultura das caneleiras, mas 0 progresso não era tão rápido como desej ado: “A dificuldade e vagar com que vgetam não só as plantas de estaca, mas também as de semente, de maneira que é quase imperceptivel a diferença de

crescimento

de um ano para o outro, é o maior obstáculo que se

opöe à propagação destas árvoresífi O conde de Resende atuava de acordo com as ordens recebidas em relação ao cânhamo. Em 1;-"gg, mandou proceder à disttfbuição de sementes e, em novembro de 179 G, remeteu 24. pacotes

desse linho, pesando 175 arrobas. Dois anos mais tarde, cornunicava as medidas tomadas a respeito dessa cultura. Em maio de 1799, informou ter distribuido as sementes do oànhamo colhidas na fäzenda de Santa Cruz e no Horto Botánico. E, em dezembro do mesmo ano, voltou a falar no assunto, anunciando, no ano seguinte, a abundante colheita de sementes de cänhamo. E preciso acentuar, entretanto, que essa cultura era própria sobretudo das capitanias do sul e, em

menor escala, de São Paulo, embora o Horto Botánico do Rio de Ianeiro continuasse a produzir uma pequena quantidade, remetida também para Lisl›oa.2 A insistëncia de D. Rodrigo na produção do linho cãnhamo foi mantida ao longo dos anos em que permanecen na Secretaria de Estado. Ele cuidava d.a Marinha ao mesmo tempo que dos

dominios ultramarinos, e tal produto era fundamental para a cordoaria das embarcaçöes. Em 16 de fevereìro de 1798, insistía junto ao vice-rei: “procure animar por todos os meios que lhe forem possiveis a cultura do linho cânharno nessa capitania, onde ha terrenos os mais próprios para este

genero de produção, de que a nossa Bfïarinha real e mercante deve tirar as maìores util.idades”.E A Relação das pcssoas que ƒomm øncarrzgudas de piantar 0 iinho cánhamo nas suas chámms de Andamí mostrou que a plantação de rjgg não fora brilhante: um disse que o seu terreno, por ser

muito seco, não era próprio para aquela cultura; outro anunciou que muitos pés tinharn perecido com a seca, só se salvando onze; outro culpou o feitor por não ter cuidado da plantação, tendo escapado [7o] apenas seis pés. Um quarto se desculpou: “Não tendo feitor, nern escravo que me

entendesse, não confiei as sementes”. Um único teve sucesso com “mais de roo pés de linho”, oolhendo uma boa porção de sementes. Mesrno assim, o conde de Resende afirmou, em dezembro daquele ano, a D. Rodrigo que a capitania do Rio de Ianeiro era por sua natureza própria para a cu.ltura do cinhamo, considerando “o pouco ou nenhurn fi.1.nda.rnento com que pretendiain os moradores dos distritos capacitar-me d.a oposição do clima à mesma cultura". Finalizava seu oficio

com u.ma nota otimista: “espero que se entre a generalizar a desejada cultura, ainda mais facilitada presentemente pela maior abundancia de sementes que se reser\¬a.m para o ano futuro com a circimstancia de serem produzidas neste mesmo terreno”, e não imp-ort'adas.E Quanto à busca de minas de ferro e de outros metais úteis, o vice-rei corrlunicou, em juriho

de 1797, que a procura, na capitania do Rio de Ianeiro, resultara infrutífera em razão da falta de quem fizesse as averiguaçöes necessárias na ausencia de Ioão Nìanso Pereira, que acompanhara o governador de São Paulo. Dois anos depois, o vice-rei, ao remeter algumas amostras de ferro, voltava a insistir na necessidade de pessoas habeis e inteligentes para a descoberta daquelas minas. Quanto ao salitre, não era o Rio de Ianeiro a capitania na qual ele se encontrava, mas sim a

Bahia, e nessa área as diligencias do vice-rei não obtiveram qualquer resultado. Mas D. Rodrigo reiterou o desejo de que as pesquisas prosseguissem em .\ïinas Gerais e Goiás, onde deveria ser mais fácil encontra-lo, sobretudo “com o auxilio de noçöes rnais amplas” sobre a preparação do salitre e dos sais de potassa e de soda, transmitidas por Livros que ele, em breve, enviaria ao Río de Ianeiroå [jr] Um oolaborador seu, Manuel Iacinto Nogueira da Gama, tenente~coronel do Real Corpo

de Engenheiros, mais tarde nomeado inspctor gsml das nitreims efiibrim de po"n.-om da Capitanía de Minas Gomis, antes de partir para ocupar esse e outros cargos, apresentou, em janeiro de 1802, na Sociedade Real Maritima, Militar e Geográfica, a criação de D. Rodrigo, uma Mcmória sobre a

absoluta nøcessidadc que lui de nitrriras nurionais para zz índqmdênria e dcflsa dos Estados, na qual mostrava a conveniencia de as naçöes terem o seu próprio salitre em seu próprio territorio, ou nos dominios u1t:ra.marinos. Outro metal útil, o chumbo, foi descoberto em Minas Gerais, e uma amostra, ernbarcada para

Lisboa; mas o vice-rei continuara a lamentar a falta de peritos para tais descobertas. Ou seja, o Rio de Ianeiro não dispunlia de mineralogistas em número suficiente para a pesquisa reoomendada pelo govemo de I.isboa.§ Em r7gS, o conde de Resende relatou os esforrços empregados na descoberta da quina e en-

viou a casca de uma an-ore conhecida como casca-de~ant*a ou pau-para-tudo, de grande utilidade nas febres intermitentes, ou seja, o equivalente ã quina-quina da América espanhola que se usara nas boticas. Do mesmo modo, ernbarcou uma caixinha com amostras da canela do Rio de Ianeiro, um born substitutivo para as caneleiras orientais que D. Rodrigo procurara implantar no Brasil. Em maio de rjgg, apresentou um mapa demonstrando o progresso na plantação das caneleiras e, em abril de 1300, um outroë

No ano seguinte, em 1'ulho, D. Rodrigo interessou-se também pelo aumento da produção da ipecacuanha, que rendera, em 1795, r6:Gc›c>Sooo réis. E amfescentou; “se diz que já se não acha senão nas matas virgens e remotas, segurando-se ser facflimo të-la perto e com abundancia". O secretario de Estado não poupava nem os frades capuchos quando a questão era a remessa de plantas. Em [72] agosto de 1799, comunicou ao provincial que aquelas por ele enviadas tinham

chegado mortas e pedíu maior cuidado no emiofl 0 interesse da Coroa pela cochonilha, como vimos, já vinha de longe. Em finais de 1798, D. Rodrigo enmrregou Hipólito da Costa de uma viagem científica aos Estados Unidos, e uma parte

das instruçöes entregues dizia respeito aquele produto. Quer no diario de sua viagem, quer na memória apresentada ao ministro no regresso a Portugal, Hipólito descreveu as peripecias para conseguir, no México, as plantas de que se alimentava o inseto. Como não obti*-'era autorização da Espanha para viajar para aquela região, embarcou clandestinamente num navio americano que se a Vera Cruz. E contou que, durante os dias em que o navío ali permanecera, fora ao inte-

rior visitar urnas plantaçöes destinadas à cochonilha “para tirar a informação que a breiidade do tempo me permitisse”. E opinou que, no Rio de Ianeiro, em Santa Catarina ou no Rio Grande do Sul, se poderia obter tão boa tinta como no México. Conseguiu transportar, no re-gresso aos Estados Unidos, tïês caixöes com as plantas “e pegadas a algumas delas muitos insetos que cobri com

vidros para os abrigar”. Mas toda essa aventura foi inútil, pois, na Eiladélfia, as plantas e os insetos morreramä

Por seu lado, no Rio de Ianeíro, o vice-rei não teve outro remédìo senão tornar medidas para o desenvoliimento da cultura da cochonilha, mas, em maio de 1799, ao mencionar a fraca produção, apontou como causa a baixa do preco no mercado europeu. Em setembre do mesmo ano,

remetera amostras preparadas por diferentes processos e, em abril de 1800, afirmou não deíxar esmorecer aquéa c'ultu.ra, pagando prontamente aos lavradores que tìnham beneficiado a coclionillia, depois de feitos os exames necessários. Terrninava seu oficio, de 20 de abril de 1800, para D. Rodrigo com otimismo: [75] persuado-me que se irá aumentando cada vez mais a cultura deste género, pois havendo terrenos tão próprios para a sua produção, e sendo perceptíveis os lucros corm que fique bem compensado todo o trabalho dos mesmos lavradores, não posso entrar na menor dúvida de que todos se apliquem a ter parte nas vantagens deste ramo de comércioå

A Coroa sugeriu igualmente a descoberta de plantas e árvores que pudessern ser\i.r para o fabrico do papel. Em 5 de abril de I799, D. Rodrigo abordou este assunto: Os naturalistas empregados por S. M. para os grandes fins de conhecerem as produçôes

da nossa América podem mandar amostras daqueles vegetais que lhes parecerem próprios para o objeto de que se trata, para ca fazerem as experiencias e tentativas necessárias, tendo como regra certa que destes só podem convir os que se acharem nas \-'izinhanças dos nossos portos, e por preços tão módicos que se hajam de considerar no mesmo valor do trapo.

Um conhecedor do Brasil sugerira quaximos, embiras brancas e o embiroca, as cascas do castanlieíro, do jatibá, da embaiba, o coravatá, o fio da palmeira-jumem, as pitas e o fio ou algodão das paineiras. Em resumo, todas as plantas fibrosas, cujas fibras se pudessem [email protected] Em vista dessa ordem, mandou o Rice-rei proceder a averiguaçöes sobre plantas prôprias para o fabrico do

papel e, depois, remeteu uma relação dessas plantas, algumas coincidentes com os nomes sugeridos, outras diferentes. Eram varios linhos (de piteira, de paineira ou embira branca, de gravatáde-gancho, [74] de palmeira) e estopas (de aroeira, de embaíba, de jequitibá, de sapucaia ou “estopa da terra”).¶ Em rjgj, D. Rodrigo colocava, a par do projeto de animar as culturas existentes, um outro: “natu.raliza.r, no Brasil, todos os produtos que se extraem de outros paisesïfi Foi em r';99 que se

acentuou a preocupação com a adaptação de espécies vegetais da Europa no Brasil, com a remessa de um caixão com sete plantas de Mon/as papjƒèra que tinham acabado de chegar de Inglaterra; de u.rna porcão de semerites de pinheiros da variedade escocesa, pois essa madeira era excelente

“para toda a qualidade de obras e para a construção de navios”; e ainda de várias pinlias de cedro do Líbano para se semearem. Assim, paralelamente ao desejo de um melhor conhecimento das plantas e ár'-'ores da colônia, nota-se a vontade de operar a transplantação de espécies vegetais próprias de outras regiöes do [email protected] Essa ideia foi também defendida numa memoria publicada pela Academia Real das Ciencias de Lisboa, Memoria sobre a transplantação das ánxnres mais

úteis de paises remotos, na qual se afirrnava ser possível produzir sândalo no Brasil, o qual seria, de-

pois, exportado para a China, que pagava por ele um preço elevadofl D. Rodrigo recomendara a introdução de bois e do arado na cu1tu.ra das terras e preteridia também que se introduzisse, nos engerihos, o método de queimar as canas já morídasfi Nessas

áreas, o conde de Resende teve igualmente de atuar e, em 12 de novembro de 1798, comunicou o fraco resultado de seus esforços. Escreria ele que o meio de incentivar os agricultores nesses dois pontos seria a atribuição de prêrnios pelas Cámaras a quem introduzisse aqueias praticas, e, para

tal, o vice-rei entrara em [75] contato com elas. Mas as rwstas de algumas fizeram-lhe ver as razöes pelas quais aquelas inovaçöes não seriam adotadas. A primeira era a escollia de terrenos montuosos para a plantação das mandiocas pelos lavradores; e a segunda, a necessidade de procederem anualmente a derrubadas de matos virgens onde restavam grandes madeiras, cepos e raizes que embaraçavam a passagem do arado. Os que trabalhavam nos engenlios de açúcar garantiam que o fogo das mnas moidas, ou do bagaço, não tinha a intensidade suficiente para a

depuração do açúcar, segundo sua experiència. O conde de Resende pensava, contudo, que bas tata dar outra forma às fomalhas para o fogo do bagaço ter mais força. Por outro lado, quando os lavradores não pudessem a\-'ançar com suas derrubadas e fossem obrigados a cultivar terras velhas e já cansadas, e tarnbérn quando o preço dos escravos fosse excessivo, então a necessidade os obrigaría a usar tais recursos (bois e arado), que, naquele momento, se lhes afiguravam impraticáveisfi

As inovaçöes tecnológicas encontravarn-se entre as prioridades do secretario de Estado. Ele se mantinha em contato epistolar com ]erônimo Vieira de Abreu, que lhe comunicou., em janeiro de 1,¬-98, seus inventos de máquinas, ctrjos modelos foram enviados para Portugal., a fim de D. Ro-

drigo os mandar examinar E este o incentivou, não só procurando ajuda-lo com um melhor emprgo, mas também elogiando seus trabalhos. “Bem sabia eu já - escreve - que vossa mercê era o autor de uma emcelente máquina de descascar o arroz, e que foi o primeiro que propos as fornalhas para os engen.hos como um meio mui poderoso de economizar lenhas”. A ecornomia de lenhas t:i.nha se tornado um objetivo importante, como se verificara já nas

e, por isso,

Abreu não deveria poupar esforços para facilitar a construção das fomalhas. Deveria também colaborar na feitura de uma copia da máquina de descaroçar algodao a ser enviada para o Brasil, muito mais perfeita do que aquela que era usada: “procure logo fazê-la [76] copiar para que mais se generalìze o seu uso em proveito de quem a comprarïfi Por essa razão, o vice-rei Resende ordenou à 3/lesa de Inspegão uma descrição das máquinas que serviam para limpar e descascar o algodão e o café e mmbém de tudo o que dissesse respeito aos engenhos de açúcar, mas, em novembre de rpg S, ainda não tinlia recebido tal documento da [email protected] A politica de D. Rodrigo caracterizou-se pela crença de que a cultu.ra tecnocientifica, disseminada na colôriia por meio de ii'-'ros e folhetos, contribuiria para o desenvolvimento de suas

produçöes naturais. E, a partir de 1793, iniciou o envio de impressos e memorias que deveriam ser distribuidos pelas camaras da capitania e pelos comandantes dos distritos. No ano se-gujnte, com a criação da Tipografia do Arco do Cego, o envio desses textos cientificos e técnicos foi acelerado, não só para o Río de Ianeiro, mas também para as demais capitanias, como veremos em

outro capítulo.

Os últimos vice-reis As instruçôes para D. Fernando Iosé de Portugal, redigidas em nome do prüicipe regente D. Ioão por D. Rodrigo de Sousa Coutinho, em 8 de julho de 1300, pouco tempo antes de deixar a

Secretaria de Estado, dão continuidade a sua política de desenvolvimento da agricultura: “Procurareis aperfeiçoar e ampliar as culturas ja existentes nessa capitania, e animar as novas”, ou seja, a pimenta, a canela, a arvore-do-pão, o cravo-da-india e outras especiarias, o lin.ho cânharno, o cacto da coclionilha, “para cujo efeito muito pode contribuir a ereção de um económico Iardim Botánico". Esperava-se que a ilustração chegasse mesmo ã cultura mais tradicional, a da mandioca, que deveria ser cultivada

“debaixo de principios e com inteligencia, como os ingleses e franceses

praticam nas Antilhas”, acabando com o preconceito de que aquela planta só podia cultivar-se em capoeiras “e depois de cruéis derribadas de arvores preciosas a que se da fogo”. Recomendava a conservação das matas e das madeiras de construgão. Continuava a insistir no uso de bois e do

arado na agricultura, a querer aperfeiçoar as fomalhas nos engenlios e as maquinas de “alimpar e descascar o algodão e o café”. Pretendia que se adiantasse o descobrimento e o exame de minas de [email protected] Contudo, nessas instruçöes a D. Fernando, as preocupaçöes financeiras se intensificam, aconselliando que se evitassem os graves inconvenientes do sistema de arrecadação, contrato e administração dos dízimos reais e falando no “sistema de novos impostos por causa das graves

despesas que a guerra atual tem obrigado a fazer”. Com a saída de D. Rodrigo da Secretaria de Estado da Vlarinha e dos Dominios Ultramarinos, a politica desenvolvimentista para a colôriia sofreu uma quebra, até porque a situacão europeia se tornara mais grave com a ameaçadora presença militar de Napoleão. As preocupaçöes com o desenvolvimento económico do Brasil abrandaram perante um periclitante equilibrio politico eu-

ropeu. No inicio do século XIX, a busca pelas producöes minerais úteis prosseguiu, mas principalmente na Bahia., embora D. Rodrigo tivesse recomendado a D. Fernando ]osé de Portugal noias diligencias para descobrir nítreiras, por ser essa uma questão da maior importancia, e tam«

bém minas de ferro. No Rio de Janeiro, colocou-se, em 1806, a questão da pouca rentabilidade das minas de Cantagalo, que, como vimos anteriormente, em 1736, haviam começado a ser organizadas, com expediçöes militares a urna região situada a 12 léguas a nordeste do Rio de Ianeiro e com a evacuação das fazendas estabelecidas naquele sertão. Em 1137, chegara o tendente-geral do ouro, com a sua equipe de [78] funcionarios, entre os quais un-1 inspetor das ter-

ras minerais. Para la viajaram também ferreiros, carpinteiros de obra branca e de engenhos de rninerar oleiros e um correeiro para fazer as borrachas para transporte do ouro, “todos vencendo avultados salarios e jornais, trabalhassem ou não", segundo o relato de um conhecedor daqueias

rninas, Francisco Duarte Malhafl

Tinham se estabelecido registros e passagens, e alguns particulares ali se fixaram, como um ]osé Rodrigues da Cruz, com urna tropa de quinze bestas e muitos escravos, o qual era sócio e caixa de “uma grande sociedade dos principais comerciantes desta cidade”. Como custava caro à Fazenda Real da capitania manter guardas que não conseguiam vigiar toda a extensão dos rios,

Luis de Vasconcelos e Sousa os mandara sair da região e distribuíra sesmarias, e o conde de Resende mantivera a mesma politica, concedendo também terras. Mallia não deirnou de apontar, nos seus comentarios ao conde dos Arcos em 1306, que aquele sertão era de uma fertilidade muito grande, serido mais importante para a lavoura, em vez de

terra mineral. Por seu lado, a Iunta da Fazenda apresentou, em dezembro de 1805, a relação das despesas feitas com aquelas minas desde 1736 até o fim de r3o3, incluindo os mantimentos gastos com os seus primeiros exploradores e com os destacamentos para ali enviados: 79:4r9$79;-' réis. Ora, a producão de ouro daquelas minas não era suficiente para pagar os ordenados da superintendëncia, e, portanto, havia que tomar algumas providencias quanto a sua organimção sem

superintendente. Além disso, era preciso que a população aumentasse e que a lavoura crescesse, “sempre mais pingue do que as especulaçöes minerais”. A junta da Fazenda, dirigindo-se ao príncipe regente D. Ioão, “convencida pelos mais certos principios de economia de que as despesas de exploração absorveriam grande parte do produto de novvas minas”, aconsáhava as lavouras de café, a produção de açúcar e a crlação [79] de gado nas sesmarias dos sertöes de Macacu, ainda em gande parte incultos, em vez das grandes lavras de Cantagalo.,H

A questão das madeiras continuava crucial. Assim, em 21 de setembro de 1306, o conde dos Arcos comentou um projeto apresentado com as providencias que o autor considerava convenientes “para se tirar vantagens consideráveis das preciosas madeiras do Brasil". Concordou o

vice-rei com a necessidade apontada de uma legislação específica sobre as madeiras, mas discordou de que o dizimo prop-osto fosse um remédio admissível: “reservando S. A. R. o dominio das madeiras que se tém julgado úteis para a construção naval, como até se declara muito expressamente nas cartas de sesmaria, não sei conceber a ideia de diìimo de uma quantidade que pertence inteiramente toda ao real patzimóriioïfl

Perante uma situação política europeia altamente explosiva, o iisconde de Anadia, nomeado para a Secretaria de Estado dos Dominios Ultramarinos, em substituição de D. Rodrigo de Sousa Cout:ì.n.l1o, ateritou mais nos navios que aportavarn ao Rio de Ianeiro e nas embarcaçöes francesas que circulavam pelo Atlantico sul do que em quaisquer medidas tendentes ao desenvolvimento da

colonia. As vistorias aos na\ios estrangeiros substituíram as providencias anteriormente tomadas para o aumento e a variedade das produçöes agricolas e para o descobrimento de minerais úteis, como o ferro e o salitre. Por essa razão, os govemos de D. Fernando Iosé de Portugal e do conde dos Arcos se apresentam tão incaracteristicos. 1 BNL, Códice 691, Coleçäo Pombalina, n.28, “Oitava inspeção sobre a Universidade noiamente

fundada em Coimbra”, fls.74-SS. 2 BICI., Códice 691, Coíoçfia Poml›al1`›1.a,n.r. 3 BNL Códice Ggr, Colegio Pomlmlína, fis.r14. 4, BNL, Códice 691, Coleção Pombaiina, fls.15rv-r53v, “Edital de providencia para os estudantes

médicos”, passado pelo marqués de Pombal a j' de novembro de 1772. 5 IEB, Catálogo dos manuscritos. fi Lemos, Reiaçao gemí do estado da Universidade. 7; Ibid., p.121-5. S, BNL, Códice 691, Coìepão Pomimiina, n.28, “Oitava inspeção sobre a Universidade novamente

fundada em Coimbra”, fls.74-SS. _9 Aras, t.1, p.2or; e t.2, p.r2. ¡Q Aras, t.2, p.9. 11 Dulieu, Íàpperçu sur les relations entre l'An1érique et 1'École de Medicine de Montpellier”,

p.223-42. 12 Maxnell, “Gondicionalismos da independencia do Brasil", p.342-3. 13 Autos da deur¡ssa,,,, p.262. 31 Ibid., p.;-7. 15 Lisboa, Discurso

p.14.

¡Q lavradio, Cartas do Rio dsjaneiro, carta de 6 de marco de 1712.

¡ji Ver Brigola, “Museología e História Natural em finais de Setecentos”. ¡S Apud Carvalho, p.13. Foi impossível localizar na BNI. o manusuito da “Oração sobre a utilidade das duas artes, Cirurgia e Anatomia, que recitou, na abertura da nova academia do Río

de Ianeiro, Mauricio da Costa, diretor das duas artes, em o dia IS de fevereiro de 17,¬2”, citada por Carvalho. 1,9 I.avradio, Cartas do Río dcjmuíro, carta de 5 de outubro de rjjz. ¡Q Carvalho, op. cit., p.6. 2; Ibid., p.8. 22 Ver, sobre esse assunto, Faria, “Da facilitação e da ornamentação: a

nas ediçôes do

Arco do Cqo”. 33 ACI., Mss. Azul, 3j4-6. 24 Lisboa, Discurso l1.isto'n`.oo..., p.39. 25 ACI., op. cit., 514-30 e 574-25. 25, Carvalho, op. cit., p.2r.

2; IEB, Coleção Lamego, 16.23. gfi Ver ACI., Mrs. Í-ìemwího, 4o5, “Viagens filosóficas, ou dissertação sobre as importantes regras que o filôsofo naturalista, nas suas peregrinaçöes, deve principalmente observar”.

gg Ver meu 11110 Cultura Iuso-1›msi1eim._., p.134.

39 Veloso, Piantasflumínenses descritas porƒì: Veloso, p.132. 3; BNR], Mss., I - 32,12,13. 3; Carvalho, A História Nutumï em Portugaï no sämlo XVIII, p.9o. 33 Veloso, op. cit., p.123.

34, Nunes; Bxigola, “Iosé Mariano da Conceição Veloso (1142-1Sn]”, 12.59. 35 BNRI, Mss., 4,4,g, carta de Marlinho de Melo e Castro, 4 jan. 1787. gfi Nunes; Brígola, op. cit., p.6r-2. 3'; Ibid., 13.62 e 69. 3§ AHU, Cod.5j4, fl.Ir\: Río de Ianeiro, Caixa 169, docxzjfi.

39 AHU, Cod.5;'4¬ fL51. 49 Uma rziestaçào deƒreí Veloso, Mensário do Arquivo Nrzci-anal, 6. Não sei que obra seria essa por ele anunciada, mas já em 1799 tinha coligìdo os textos para

portuguesa, ou coíeçåo

de 1.-áråas memófllas sobre 22 espécies de quil-:as tendentes ao seu descobrimenào nos vastos dominios do Bmfif.

4; Correío Bmziìiense, n.9, 1812, p.392-3. 4; AHU, Cad.563, fls.}'5-76. 45 AHU, Cod.5;*1. 44 Araújo, _M'emór¿as históricas do Rio dejaneíro, t.§, p.220.

.45 Qƒïciosdos 1.-icemzis, p.136, 252 e 254. ¿Q Carvalho, “íšs academias científicas do Brasil no século XVIII", p.17. 4;: Lavradio, Cartas do Rio de janeiro. ¿B Ibíd. 49 Ibíd.

59 Fbíd. 5; Nunes; Brigola, op. cit., p.Gc>. 5; AHU, Cod.5;_;, fl.2c\4. 53 Academia de Ciências de Lisboa, Breves

aos mrYe$onder|.tes da Academia das Ciências

de Lisboa..., 13.38. 54, AHU, Cod.573, fl.2o6. 55 Al-IU, Cøvij;-'5, fls.¡46 e 153; e IHGB, Mss., Arq. 1.4.33. 5fi Carvalho, “As academias científicas do Brasil no século XVIII”, p.5 e S. 5; BNRI, op. cit., 4,4,2, fl.I0.

53 IHGB, Lata zo8, pasta I4. 59 ACI., Mss. Azui, 375-11. fiq Documentos hranscrítos nas notas de Rodolfo Gracia a Varnhagen, 1975, L3, p.34-7.

§_¡; AHU, Cod.574, fl.6g\'.

fig Vandelli, ”Men1öria sobre a agricultura deste reino e suas conquistas”, p.164. fig AHU, Co¿.§É3, fl.46\'. Q4 Al-IU, Coa_568, fls.66-70 e jr-4. Q5 AHU, Codjjz.

QE Pesavento; Melo, “O API. anileiro na Capitanía do Río de janeiro”, p.224. fig AHU, Co-ijjvz. fifi Carnaxíde, 0 Brasil na admínistraçãopombalína, p.262-3. fig AHU, Cod_5;*3, fls.rv-2. 73 Abrantes, Qual a orìgem da cult|.1Ia..., 13.56-7.

7; BNRJ, Mss., 5,15. 73, Al-IU, Cod.5,13, “lnslrução para o conde de Resende”, fls.1:}', 13, zrv-22. j-3 Al-IU, Cod.5;f2. 74, Carnaiúde, op. cit., p.263.

75 Vandelli, op. cit., p.170. 7_fi AHU, Codjyj, fl.33. AHU, Río de Ianeiro, Caixa 134, doc.1338I; Brown, 1992, p.167. j-'Ã AHU, Rio de Ianeiro, Caixa 119, doc. 15, catalogaçäo amiga. j-19 O Patriota, tr, 1813.

,S9 Lavradio, Cartas ao Rio deƒaneíro, carta a Angeja, 5 de outubro de I;-72. §¡ Alden, Royal Government in Colonial Bra.z1'í..., p.370 et seq.; Camaidde, op. cit., p.259-G2. fig França, \-'isåes do Rio dejaneìro |:oloniai..., p.237-8. S3 Raminellí, Baltazar da Silva Lisboa: a honra e os apuros do naturalista, p.189. fig RIHGB, 23, p.159.

,S5 AHU, Cod,5¡3, fls.143 e r86v-137. fifi AHU, Cod.573, fls.264, zG5v e 260-2Gov. $1 Veloso, Floraflwninerlsis, p.271-2. åfi Gomes, Mamória sobre a canela do Rio dejaneiro, p.8 e 22.

$9 Ibid., p.41›2. Moraìs Silva, em seu dicíonário, define o alcanfor como um “suco re-sìnoso branco, trarlsparente, sólido, seco, frìâvel, mui volátil e de um cheiro perletrantíssímo”.

99 AI-IU, Rio de janeiro, Caixa 131, do, emitiu

um decreto segundo o qual os regulares que ser-iam de pãrocos não podiam mais exercer as funçöes paroquiais sem a aprovação dos bispos. Alem disso, encontravam-se sujeitos à sua visita, sendo inquiridos sobre sua vi.da e costurries. O bispo podia castiga-los por culpas cometidas sem que os prelados das ordens se lhe pudessem opor, ou julgá-los pelos mesmos delitos punidos pelo

bispo. Os frades só podiam pregar e confessar, com licença episcopal expressa, nas ig-rejas d.a ordem a que pertenciam e aos seculares, “seus comensais, que são só os que vivern no mesmo convento, se sustentam e tem nele emercicio contínuo”. Iã em suas granjas, quintas e fãzendas, os moradores tinham de cumprir o preceito da desobriga nas paróquias, “fazer os casamentos na presença do pároco, receber por sua autoridade o viático e a extrema-unção, sem que nelas se pos-

sam arrogar os regulares alguma jurisdicão eclesiástica". Determinava, ainda, o decreto que o bispo averiguasse as culpas dos regulares que vivíam fora dos conventos com licenças de seus prelados “muito dilatadas e em partes distantes”.§ Temos aqui [142] bem explicita a consolidação da autoridade episcopal e a defesa dos direitos paroquiais dos curas.

Alem da submissão dos regulares ao bispo e da defesa dos direitos dos párocos, por parte da Coroa foram tomadas outras medidas no sentido de restringir a entrada de noviços, de avaliar as propriedades e bens das ordens e de combater a relaxagão dos costumes dos religiosos. É o que vamos analisar em seguida.

Restrição à admissão de noviços Enquanto, no reinado de D. Iosé, foi terminantemente proibida a entrada de ncrviços nas ordens religiosas do Rio de Ianeiro, logo depois da morte do rei e da saida de Pombal do ministerio,

algumas ordens aproveitaram para pedir permissão para receberem jovvens no noviciado. O provincial dos religiosos de Santo Antônio da província da Conceição foi o primeiro a representar ã rainha a necessidade de os admitir, “não so para louvarem Deus no coro, mas para conservarem as Belas Letras nas suas aulas franqueadas aos seculares aplicados", sublinhando, assi.m, sua utilidade em relação aos leigos. Em resposta a representagão, D. Maria I comunicou ao provincial, em

3o de julho de r7;';, a permissão para a entrada de cinquenta noviços, mas quis receber relaçöes de cada um dos treze conventos da ordem, 'declarando nelas o número de religiosos que tem; os incapazes; e os que ainda se acham em estado de poderem servir, como também os de que mais precisa cada um dos referidos conventos”. Cerca de um ano depois, foi a vez dos carmelitas solic-

itarern mais nmiços, alegando as aldeias de indios que estavam ao seu cuidado, e a rainha concedeu-lhes a permissão para admissão de vinte.f

Mas nem sempre foram boas as relaçöes entre a rainha e os frades. Em 27 de agosto de rj-79, D. Maria I recriminou o [143] provincial dos religiosos da provincia da Conceição por não ter obedeciclo à bula da alternativa do papa Inocencio XIII, que determinava aceitar para o novviciado

igual número de reinóis e de naturais do Brasil. Ele tinha acolhido “zz sujeitos americanos para noviços, além dos mais que se acharam no tempo presente, e somente 3 filhos deste Reino, o que se tem feito muito estranho”.§ O procurador-geral da provincia da Conceição aproveitou esse incidente e, em 1785, usou de uma nova argumentação para conseguir mais noviços. Argumentou que ficava dificil obedecer à

bula da alternativa, como a rainha ordenara em tj-79, em razão das mortes oconidas, sobretudo entre os frades europeus, tornandose, assim, irnpossível de manter o equilibrio entre os dois grupos. Tinl'1a.m sido 2;' os frades “do partido de Portugal" que tjnham falecido entre 1;-77 e 1;†S4. Pretendía a ordem, no fundo, regressar ao elevado número de quatrocentos frades que lhes fora

concedido no reinado de D. joão V, e, para isso, o procurador afirmava não serem suficientes os 223 que se achavam capazes de servir a ordem, “não fazendo mencão de jr; inválidos que por idade e moléstias se reputam como mortos”.§ Para melhor convencer a rainha, foi elaborado um Mapa da. província da Coneeiçao do Rio de janeiro com asgradaapôes e estado de cada um dos religiosos das

de que a dita província

se compöe, além de um Mapa dos 13 conventos, aldeias e ordens terceiras eretasfiira dos conventos, que constituern a provfrlria da Iinaculada Conceipão da Senhora no Rio de ]aneiro. Lembrava o procurador que sete frades estavam ocupados no Real Serviço, oito encontrava.m-se em dois bispados, dois eram capelães da agonía na Misericórdia e quatro andavam no serviço da Terra Santa. E

ínsistia que, para desempenhar todas as fiinçoes de que estavam encarregados, era necessário “conser-ar constantemente os 4oc> frades", anteriormente [144] permitidos. Mas essa pretensão não foi satisfeita nem mesmo no reinado de D. Maria I. Tentaou o procurador-geral da ordem em Lisboa, em rjgfi, já no governo do príncipe D. Ioão,

a suspensão da obrigatoriedade de igual número de reinóis e de coloniais no noviciado: que se suspenda inteiramente a observancia do breve da alternativa a respeito da aceitação de noviços, sendo esta livre para todos os vassalos de Vossa Alteza Real que tiverem voração para o estado, e também a respeito dos estudos, nos quais deverão entrar os melhores estudantes.

E, numa outra representação ao secretario de Estado, ercplicava as razöes para tal pedido: “V. Exa. sabe muito bem que nenl'iun1 europeu que tem um pedaço de pão para comer quer ir ser frade no Brasil". Assim, só os miseráveis, sem educação sequer “latinidade”, viajavam à custa da provincia e, depois, quando chegavam no Rio de Ianeiro, alguns mudavam de opinião e procu-

ravam outro modo de vida, apesar de todas as despesas feitas pela ordem. Outros reinóis recebiam o hábito, mesmo tendo apenas “uns leves principios da lingua latina”, não podendo, portanto, fazer progressos nos estudos. Em contrapartida, havia muito bons estudantes entre os naturais do Brasil.

Reconhecia o procurador: “I-Ioje não ha verdadeiras voaçöes para o estado religioso, quase todos o procuram por modo de vida”. Sendo assim, era justo que se recebessem os brasileiros, escrevia ainda, “quando seus pais são os que sustentam e vestem todos os religiosos daquele continente, e reparam seus conventos”. Entretanto, apesar dessa argumentação, o breve da alternativa foi mantido.Z

As restriçöes à entrada de noviços foram mais vigorosamente implementadas quando, em n de julho de rj-'g8, D. Rodrigo de [145] Sousa Coufinho recomendou novamente ao rice-rei conde de Resende a observancia da proibição de ingresso nas ordens religiosas: “assim o intime ao bispo dessa diocese e aos prelados das mesmas ordens”.§ Ordem esta que provocou mais uma representação ao principe regente, em rjgg, escrita pelo procurador dos franciscanos em Lisboa que,

saudoso do tempo em que a provincia tinha quatrocentos frades, defendeu que os 216 existentes em 1;-'96 se reduziarn, na verdade, a rzo, “tirados os vellios e doentes incurãveis”. Número esse insuficiente para tudo o que a ordem tinha a seu cargo. Ademais, era grande a decadencia intelec-

mal; Vão-se acabando os estudos, em que tanto floresceram as letras a ponto de se criar neles um naturalista, que no tempo do vice-rei Luis de Vasconcelos e Sousa mandou muitos caixöes de plantas e raridades da natureza para o Real Iardim Botánico, compôs a Flora flnmínense, e ainda hoje se ocupa nesta Corte no real servíço de Vossa Alteza Real.

Esse argumento teve sua eficácia, pois foi concedido, “por graça especial e por esta vez somente”, o ingresso de Irinta noviços oriundos do Brasil, sem ficar a província ligada à altemafiva. Novamente, em 1804, o vìsconde de Anadia transmitìu a D. Fernando [usé de Portugal A permissão de se aceitarem, nessa província, dez novriços cada ano, durante dois triëníos, 0 que perfazía o número de sessenta no\'1ços.2

Bens patrimoniais No que se refere às propriedades das ordens religiosas, é preciso nao esquecer que Sebastiao Iosé de Carvalho e Melo redígiu [146] um longo texto, que ofereceu a D.

intitulado Tratado

em que se mostra que os reíigíosas, pasto que em particular ou em comum, não podem possuír bens de raiz, que herdassem, ou possuíssem por mais tempo, que ano e dia", No qual também se mostra outros abusos em que indevidamente estão íntroduzidos os ditos eciesiástioos e religíasosä Mais tarde, ao abandonar o govemo, depois da morte de D. Iosé, redigiu uma apología Sobre a oalúnia da rzversão ao estado monástrlco e aos religiosos nele dedicados a Deus, negando ter perseguido as ordens reiígiosasë Mas o tato é que, a partir do ministerio pombalino, divulgouse a ideia de que as or-

dens religiosas não deveriarn possuir bens de raiz. Sabemos que os beneditinos elaboraram uma Reiaçào das terms e fzzendas possuídas pelo mom de São Benin do Rio de janeiro, na mesma capitania, no ¡mo de 1772 e que, quatro anos mais tarde, enca.rr1i.n.ha.ra.m para Lisboa a

das propriedades que 0 mmteiro de São Bento do

Rio deƒaneiro passuía na mesma cidade em 20 de dezembro de 1736, apresenmda a Secretaría de Estad-opelo então abadeƒì: Framisoo de São_¡Tøse'Brm1dão e Cas±m.E Além de tres engenhos de açúcar, em Campos de

Iguaçu e Ilha do Go\'emado1; outras fazendas produziam manti-

mentos para os religiosos e também para vender, e, nelas, igualmente se encontIa\¬an1 currais de

gado. Na fazenda de Maricá havia “um grande engenho para se fazer a fan`nha”, produzindo 3o alqueires mensalmente. Com quarenta escravos, em 1737, “não foi pouco o que recebeu este mosteiro de legumes e gado”.E Em 21 de novembro de I;-'9G, D. Rodrigo de Sousa Coutinho ordenou ao vice-rei conde de Resende que, além de proceder ao “mais escrupuloso e circimstanciado exame do número de :eiigiosos”, perlencessem esses a ordens monásticas ou mendícantes, [147] o informasse sobre as

rendas e bens tenitoriaís ou juros de que essas ordens usufmíam na capìtaníaä Essa ordem foi cumplida por um desembargador da Relação. Quanto aos benedìtinos, foi lavrado u.m Auto de e exame do número de reiigiosos da Ordem de São Bento, suas nmdas e bens territoriais na Capitanía do Rio dejaneíro. Ano de 1791.2

Mostrou-se o secretãrìo de Estado muito insistente na

de informaçñes seguras sobre

os bens das ordens religiosas e, constantemente, 1embra\-'a ao vice-rei que enviasse dados atualmdos. Isso porque, como escrevera em 24 de setembro de 1793, a Coroa tinha determinado “taxar em todas as capitania: do Brasil as ordens religiosas, do mesmo modo que o fez às do Rein0”.§

No ano seguinte, em maio, a proposta era outra, uma vez que as despesas da guerra na Europa au.menta\'an1., e a Coroa prrecisava arrecadar dinheiro rapidamente. D. Rodrigo i.nst'míu o vice-rei para que insinuasse às ordens religiosas, e também às Misericórdìas, confrarias, e mais

“corpos de mão moria”, que alienassem seus predios rústicos e urbanos e fizessem, com o produto dessas vendas, u.m empréstimo à Coroa a um juro de 4% ao ano, “no que as mesmas corporaçöes cornseguem uma conhecida vantagem, simplificando daquele modo a dificultosa arrecadação das suas rendas”.§

A esse respeito o vice-rei conde de Resende emiou ao abade do mosteiro de São Bento uma carta, em 27 de agosto de 1799, comunicando-lhe a ordem régia para a venda dos prédios rústicos do convento. Na sequência dessa ordem, sabemos da existencia de u.m Edüal pelo qual se ammcía a venda daƒazenda de São Bento de Campos, datado de 14 de novembro de r}'99.§ [148] No mesmo més de agosto de 1799, D. Rodrigo voltou ã questão, mas aconselhando

prudencia ao vice-rei. Aprovou as resoluçöes tomadas por esse no sentido de uma exata averiguação dos rendimentos pertencentes às corporaçöes religiosas, “com o fim de pagarem décima à maneira das religiôes existentes neste Reino”. Tudo o que o conde de Resende descobrisse seria enviado primeiro a Lisboa: “de nenhum modo passe à efetiva cobrança daquele subsidio”,

sem ser expedida uma carta régía a esse respeito. Em marco de råoo, insistiu que, embora fosse intenção da Coroa que os monges beneditinos “voluntariamente vendessem os seus bens territoriais, se achassem preços suficientes ou vantajosos”, esse dinlieiro deveria entrar por empréstirno nos cofres da capitania. De nenhu.m modo pretendía 'ïiolentar as mesmas comunidades a que façam venda de seus bens territoriais, e muito menos que uma tal venda deles se Íàça por preços diminutos"'.2

0 mosteiro de São Bento, além de engenhos e outras propriedades rurais como currais e rocas, possuia 183 casas térreas e de sobrado que tìnharri proporcionado um rendimento trienal, entre 1785 e 1337, de 23:G28$94§ réis. Na sequëncia da ordem régia determinando que os bens do

mosteiro fossem ax-aliados e vendidos em praça pública, sendo o produto da venda emprestado à Coroa ao juro de 4% ao ano, apenas vinte casas foram vendidas em 1300, talvez porque tivessem encontrado melhores preç[email protected] Os beneditinos, portanto, alienaram uma parcela ínfima de seus predios urbanos. A verdade é que as ordens religiosas resístiam a vender suas propriedades, embora os benedi-

tinos declarassem, em 17 de março de 1300, a melhor boa vontade no cumprimento das determinaçöes régias. O prmincial comunicou ao xice-rei: “Eu, [149] sem demora alguma, fiz logo público por editais nesta cidade, na de Cabo Frio e nas 'Pilas de S. Salvador e S. ]oão dos Campos de Gofiacases, o desejo que tinha de vender os prédios urbanos e rústicos deste mosteíro por assim

ser do agrado de S. A. R.". Iustificou o atraso nas vendas por aquelas propriedades rústicas estarem situadas no termo de iilas distantes do Rio de Ianeiro mais de jo leguas e ser preciso tempo para inforrnaçöes, avaliaçöes e mediçöes. Mas, logo no inicio daquele ano, mandara afixar segundos editais e preparou a arremataçâo no mosteiro, sem que os compradores quisessem pagar 0 preço delas. Porr isso, mandara entregar no cofre do empréstimo real a quantia de 2 mil

doblas de vendas já feitas. Como cada dobla (ou dobra] valia r2$300 réis, foi o valor de 2515005000 réis anotado na relação das quantias entregues pelas corporaçöes de mão morta. É de salientar que os beneditinos ficaram muito atrás da Santa Casa, como se pode ver no Quadro 4.1, referente aos meses de fevereiro e marco de 1300.

Quadro 4.1 - Entradas no cofre do real empréstimo Mesa da Santa Casa da Misericordia

66100050 00

Adrninistraçâo do recolllimento da Santa Casa

rr:76GS400

Admìnistração dos expostos da Santa Casa

17109050 00

Irrnandade de S. Crispime 5. Crispiniano

313925000

Religiosos de S. Bento

25260050 oo

Ordem terceira de Nossa Senhora do Monte do Carmo Totai

5295050 oo 14214185400

Ponte: AHU, Rio de ]aneiro, Caixa 181, doc.r3238. Num oficio ao bispo de 2 de abri.l de rS00, sobre a lentidão na venda das propriedades das corporaçöes

0 conde de Resende referiu os carrnelitas que só recentemente tjnharn

[150] mandado avaliar as fazendas de Pitanga e Campinho: “se deve presumir ser o principal in-

tento que nunca se vendam os bens do convento, pois sendo constante que ele possui 35 propriedades de casas nesta cidade, no espaço de seis meses nem uma se tem vendidoïfl A mesma opinião tinha o desembargador geral do crime e intendente da Policia, que escreveu a D. Rodrigo sobre o assunto: “muitos dos possuidores, aferrados às suas possessöes e instados

pela execução da ordem, sim, mandaram avaliar mas em preços tão excessivos que não fizessem conta de modo algum aos compradores, querendo com esta fraude e*-itar que se verifiquem as vendas”. Ele, alias, era contra a existencia de ordens monacais nurna colönia carecida de populaçâo, que podia muito bem passar sem “estes parasitas que se nutrem da substância dos outros”. S6 adrnitia as ordens mendicantes, menos pesadas ao Estado e que dependiam para a sua subsistencia de “servir e agradar aos povos”.H

Logo no inicio de janeiro de 1301, D. Rodrigo mandou o vice-rei já nomeado, D. Fernando Iosé de Portugal., suspender imediatamente a venda das propriedades dos beneditìnos porque se tinha chegado a um acordo corn a ordem: “considereis a soma de G4 mil cruzados com que a referida congregação entrou no cofre do emprésfimo dessa capitania, e a de 36 mil que agora ha

de entregar no mesmo cofre (o que tudo faz o total de 100 mil cruzados] como um dom gratuito, ou donativo”, e, portanto, não receberia juro nenhum por ela. Continuaria a ordem a pagar os

dizimos anuais, mesmo os atrasados, e passaria recibo de quitação de 70 mil cruzados que a Fazenda Real estava devendo ao convento. Com esse arranjo financeiro, os beneditìnos não pre-

cisavarn vender mais nada.1_1 [151] De urna maneira geral, a política de D. Rodrigo em rdação às ordens religiosas era, por

um lado, leva-las a vender suas propriedades territoriais para poder emprestar dinheiro à Coroa, e, por outro, tornar os frades úteis numa sociedade que já os considerava inúteis e ociosos. Por essa razão, insistía com capuchos e carmelitas para que se dedicassem às missöes de indios.§ Em relação aos frades do Carrno, acedeu a que recebessem mais dez noriços, “não obstante reconhecer

a riecessidade que há de braços não só para a cultura, mas também para a tropa”, mas sugeriu ao bispo, em agosto de 1799: “veja se pode destinar alguns dos seus religiosos para a missão e conversão dos indios”. Com esse objetivo, D. Rodrigo enviou quarenta exernplares das Artes e Dicionarios da lingua “brasiliana" e, acusando a recepção dessas obras em janeiro de 1800, o bispo comunicou ter pe-

dido ao provincial dos franciscanos para que ele designasse quatro religiosos capazes de aprender aquela lingua, o que ele fizera. Contudo, quanto ao modo de eles começarem esse aprendízado, o bispo, depois de ouvir o provincial, decidiu dar inicio ã instrução daqueles firades no convento do Rio de Ianeiro, pois aquela provincia não dispunha de nenhum hospicio nos Campos. Alem disso, aprenderiam melhor com um mestre do que com os religiosos barbadinlios da missão de S.

Fìdélis, “que nem a nossa lingua, e menos a brasiliana, pronunciam de sorte que possam fazer-se bem entender”. No fiindo, o que o provincial não queria era enviar para longe os seus religiososë A preocupação com a missionação surge tarnbém, em agosto de 1300, nas instruçöes a D. Femando Iose' de Portugal, pois isso perrnitiria a “civilização” de povos “bárbaros”, que, assim, se

tomariam “vassalos úteis", dedicandose à agricultura e aumentando as produçöes da capitania. Essa atividade civilizatória seria obra de n'1ission.á.rios que falassem a lingua indígena, por [152]

essa razão D. Rodrigo tinha enriado as Artes e os Dicionários da lingua publicados em Lisboa. Procurar-se-ia ganhar a afeição dos indios com ofertas de “instrumentos úteis”, reservando apenas “os meios da força” para aqueles que não quisessem ser domesticados e se coaiservassem entregues às “horrorosas práticas dos antropófagos”, vivendo “no seio da mais torpe ignorãncia”.§

Talvez devido ã longa reforma por que passou, a ordem do Carmo, só por volta de 1305, elaborou o Rol dos rendimentos dos bens que possuí a província de Nessa Senlwra do Carmo, em cada convento, anualmente, no qual, como veremos, as inforrnaçöes nem sempre são muito completas.H 0 engenho de Guaretiba tinha cerca de 130 escravos e rendia doze caixas de açúcar de 40 arrobas, “não entrando em conta o açiícar de seis até oito partidos, cuja meação pertence ao dito engenho”. Esse engenho possuía ainda cerca de urna légua de costa maritima, “que se arrenda para as pescarias dos seus moradores". Um outro engenho, clf1a.mad.o Irirj', rendia menos: ncøve até dez caixas se açúcar, também de 40 arrobas cada urna, “além da meação de seus lavradores

partidistas”, mas sem que seja calculada essa produção dos partidos de canas. Produzia também legurnes e, como tinha doze foreiros, certamente cobrava seus foros, mas esse rendimento não era

indicado. As fazendas eram cinco. A fazenda do Desterro era de gado vacum e cavalar, com escravos

que trabalhavam na produção de farinhas e legumes. E anotada vagamente a eristencia de “bastantes foreiros”. Uma outra, nos Campos de Goytacases, fornecía entre zoo e 250 bois para sustento dos religiosos, além de se fazerem algumas lavouras nela. A do Guapi tinha escravatura para

as lavouras e fábricas de madeiras “pelas muitas e boas que tem”. [153] Na de Monserrate, em Macacu, encontravam-se cerca de :zo escravos, e produzia mensalmente 30 alqueires de farinha, além de outras produçöes para o convento. Na fazenda da Piedade, havia menos escravos (sessenta}, produzindo por isso menos farinha [40 alqueires mensais), mas dava muita fruta e legurnes. Além do que rendiam os dois engenhos e as cinco fazendas, havia que contar ainda com o

rendimento de cínquenta moradas de casas na cidade, “todas boas”, não se informando, contudo, o walor desses aluguéis. Os frades recebia.m ainda, com "hábitos, enterros, recomendaçöes, festas e missas", entre 7 e 8 mil cruzados; o Senado da Cârnara da'-¬a-lhes (não sabemos a que titulo] 405000 réis anuais, e igual quantia era concedida péa Coroa.

Rebeldia e relaxação de costurnes O primeiro choque entre 0 bispo D. ]osé Ioaquim Justiniano Mascarenhas Castelo Branco e as ordens religiosas ocorreu na sequência da pastoral de 11 de março de 1;-75, pela qual chamava o

clero secular e o clero regular a exame de Teologia Moral. Mais tarde, em 3x de maio de 1979, o bispo do Rio de Ianeiro relatou ao ministro Martinho de Melo e Castro as reaçöes negativas dos regulares ã s\1a primeira pastoral e explicou que sua exigencia do exame de Teologia Moral resultara da noticia que tivera de que “muitos praticavam no confessionário uma moral corrupta”, referindo~se, certamente, ã firequencia do crime de solicitação por parte dos frades. Mas “os regu-

lares se obstinaram” e insistiram em requerer ao bispo que “os houvesse por prixilegiados e dispensados dos exarnes, ou, aliás, os rnandasse examinar pelos seus religiosos dentro das celas e claustros das suas religiöesïš Confimiaram Pizarro e Araújo a rebelião: “Surdas e rebeldes as [154] corporaçöes religiosas ã voz do pastor, pretenderarn subtrair-se ao exame, pretextando a sua renitencia com os arnplissimos privilegios concedidos pelos SS. PP. às suas ordens"¬§

Os monges de São Bento não participaram dessa rebelião, talvez por serem mais instruidos, explicata o bispo ao ministro. Os franciscanos foram os mais rebeldes em varios aspectos, não se abstendo de celebrar rnissa, corifessar e pregar ern suas igrejas “sem aprovação e licença do ordinario”, parecendo-lhes suficiente a de seus prelados. Perante tal rebeldia, a pastoral de 3 de

dezembro de 1775 proibira-lhes o uso da prédica em todo o bispado, “ainda dentro de suas próprias igrejas”, sob pena de exoomunhão. Só então se submeterarn. Em rfiå, apresentaram-se ao exame seis religiosos capuchos de Santo Antönio com “muito boa inst:r'u1 e 203. § AHU, Cod._;;'4, fl.24. 9 Rovver, op. cit., p.141-2.

Q BNI., Coleção Pombalina, Cod.6jS, fls.234-396. g BNL, Coioçflo Pomliaiina, Cod.G95, fls.89-90. Q Rocha, O mostciro de São Bento do Rio dejamim, p.263-4. 5 Ibid., p.67. Ver também Araújo, Mcmórias

L4 AHU, Cod__;73, fl.2oov. 5 Rod1a,op.cit, p.365. É AHU, Cod.574, fl.39. 1; Al-IL', CocÍ.5;.'4, fl.12o.

13 Rocha. OP- sit, P-362-1 rg AHU, Cod_574, fls.134v-155. Q Rocha, op. cit., p.77. g Al-IU, Rio de janeiro, Caim 181, doc.13233.

do Rio dejruuiro, tj, p.306-7, nota 191.

22 AHU, Rio de Ianeíro, Caixa 131, doc.I326',¬.

¡3 AHU, Cod,5;.'5, fls.196-3. 24 AHU, Cod5;'4, fls.I5r-1511' e Igzv-153. gg AHU, Rio de ]a.nei.ro, Caixa 1;'g, doc.r3c>83. ¡Q AHU, Codjyj, fls.g5 et seq. Temas aqui uma anbevisão da guerra aos Botocudofs em ¡SOS

quando D. Rodrigo ocupava um ministerio no Rio de ]aneiro. 2; BNRI, .Mts II- 31,2,23, n.2c>. ¡E RIHGB, “Capitanía do Río de ]aneiro. Correspondênda de váxias autoridades (1755-1799)”, n.63, 12.88-9. ¡Q Araújo, op. cít., L5, p.183.

3g RIHGB, op. dt., p.S9-go. 31 Araújo, op. dt., L5, p.133-9 e 323, nota 162. 32 B.\IR], Mss. 4,4,2, fls.17v-18. 35 Araújo, op. dt., t.;', p.189.

34, Lisboa, Anais do Rio dejaneim, L7, p.Io2«5. 35 Ibid., p.106-12. gfi 1'br¡d.,p.137 et seq. 3; AHU, Río de Ianeìro, Caixa 147, doc.n333. 32 Lisboa, op. dt., t.;', p.151 et seq.

39 Lisboa, op. cit., 1:7, p.n3 et seq. 49 ACL, Mrs. T›*'ermeího, p.157. 4; Lisboa, op. dt., t.7, p.126-52. 42 Araújo, op. cit., p.139 e 308, nota 196. 43 ANTT, IL, Promotor, 1i\-'ro 322, 17974302.

4,4 Lisboa, op. dt., L7, p.r32. 45 IHGB, Mis., Lata 2:6, pasta g. 4§ AHU, CGCL574, fls.152\'-153. 4;: Araújo, op. cit., t.§, p.193, e t.;-', p.309, nota 199.

42 Autos da devassm., p.148. 49 Ibid., p.194. ¿Q fbrid., p.236. 51, Ibid., p.241. 5; Higgs, “Unbeliefand Politics in Río de ]a.1'1ei.ro

the 17905”, 1.1.16.

[1671 3 Professores régíos e aulas

Novos métodos, novos textos Logo depois da expulsão dos jesuitas, foram enviadas instruçôes ao chanceler da Relação do Rio de Ianeiro “para a nova criação e estabeledmerito dos estudos e total destruição dos antigos

métodos". Mas, como o diretor-geral dos estudos em Lisboa confessava ao chanceler em novembro de 1759, não haveria tão logo material dídatico adequado aos novos estudos. Explícava: “da Sø›

Iecta Laiini Semumds, de Chompre, se irnprimiram só 3 mil e destes se tem já espalhado pelo Reino tanta quantidade que não podem ir para o Estado do Brasil todos aqueles que eu queria, e julgo seran precisos, e, por esse motivo, vão só zoo para essa cidade”..1

O necessário exame aos mestres de gramática latina da capitania foi realizado em maio de 1760, levando-se em conta a [168] composição latina, versão portuguesa e epigrama latino. Foram aprm-'ados dentro de u.ma escala que ia dos rnelhores aos piores. Mas eram ainda, an sua maioria, clérigos e mesmo alguns padres er-:«jesu1'tas. De qualquer modo. os dados nurnerícos sao os

seguintes {Quadro 5.1). Quadro 5.1 - Dados do exarne aos mestres de gramática Latina da capitania Local

Mestres

Estudantes

Comarca do Rio de Ianeiro

12

309

Seminarios da ddade

3

93

Vila de Paraty'

r

30

Cabo Frio

Padres capuchos

ro

Vila de S. Salvador

r

15

Fonte: Andrade, 198:, p.329-3o. Esse era o material humano ligado ao ensino da gramática latina, e o chariceler teve o cuidado de salientar: “Não ha orrdiriária alguma da Fazenda Real ou legado aplicado para os mestres e en›

sino da mocidade”, embora os 1'esuítas do colegio da ddade tivessem cobrado um conto de réis da Provedoria da Fazenda Real para tal firn. Em outras palavras, ainda não havia dinheiro para pagar os prrofessores. Em novembro de 1761, o díretor dos estudos em Lisboa não comentou sobre esse ponto. Preferiu acentuar apenas que os mestres dos tres serninários do Rio de Ianeiro também tì.n]:1am

de ser examinados quanto à sua competencia, uma vez que não ensinavam somente os seminaristas, mas também alunos de fora. Aproveitou a ocasião para u.ma profissão de fé regalista: é indubitavel que o ensino nao é alguma espiritualidade ou sacramento que nao possa per› tenoer aos soberanos, aos quais compete muito propriamente examinar com muita vigilårida

a casta de mestres [¡69] que ensinam a mocidade, porque da má doutzina que estes podem

dar se seguem os Eatais erros que tanto perturbam a monarquia.§ ainda que, no seminario de Nossa Senhora da Lapa, não deveria continuar a ensinar

o j esuíta que lá ledonava. 56 na carta de agosto de 1,"-65 o diretor dos estudos apresentou uma solução para as cadeiras de Gramática Latina, enquanto o rei não criasse as Aulas Régias: os professores examinados e aprovados ensinanam “pelos emolumentos que os pais dos estudantes pudessem pagar, cornforme o estilo do país, de forma que a moddade tivesse ao menos esse socorro para a sua educação"'.§ Ou seja, o governo de Lisboa ainda não tinha providendado nen.l:n1ma forma de paga-

mento dos rnestres régios, e, portanto, eles seriam provìsonarnente pagos pelos alunos, tal como os professores particulares. E, no ano seguinte, perante as criticas vindas do Rio de Ianeiro, desculpou-se pda “larnentåvel falta que ha na providênda dos estudos”, acrescentando: “não tenho a minha culpa em nenhuma dessas desordens que V. M. lamenta".¿

A implanmção do novo sistema de ensino, depois da expulsão dos j esuítas, foi lenta e, sobretudo, prejudicada pelo atraso no envio de livros didáticos e pela inicial falta de verbas destinadas ao pagamento dos professores re-gios. Até a criaçâo do subsidio literáno, em 1772, as Aulas Reglas pouco progrediram na capitania do Rio de Ianeiro, principalmente as aulas de primeiras letras, as

mais necessárias. A ddade ficou mais bem aquinhoada e conseguiu ter mestres de gramática latina, de retórica, de filosofia e mesmo de grego, o que só ocorna nos grandes centros urbanos do litoral. A reforma pombalina dos estudos elaborou instruçôes precisas quanto aos métodos a serem seguidos e quanto às obras a serem estudadas. Assim, para a gramática latina, o método deveria [170] ser “breve, claro e fádl, para não atorrnentar os estudantes". Por essa razão, os mestres

segui.ria.m o método abreviado feito para as escolas da Congregação do Oratorio, ou a arte da gramática latina reformada por Antônio Félix Mendes. O livro indicado para os mestres era a

M1`›wr|.'a, de Francisco Sanehes; para os estudantes, a Selecta Iatini smmmls csmnpíaria, organizada por Chompré e publicada em 1751. As instruçöes oolocavam igualmente algumas restriçöes: “Não consentirão que os estudantes usem da Prosódia de Bento Pereira, pelo perigo que ha de se lhes

logo nos primeiros anos, a multidão de palavras bãrbaras de que está cheia”. Também não se deveria Íalar sempre em latìm nas classes, “pelo perigo que liá de cair em in.fi.n_itos bar› barismos". Seria também proscrita a prática de obrigar os estudantes a saber versos de cor. O es«

tudo dos poetas latinos seria deixado para o firn, quando os estudantes já tivessem “alguma luz da 1íngua”.§ Era preciso, de certo modo, justificar o estudo da lingua grega além da latina, quando se podiam encontrar excelentes traduçôes dos classicos: “Ern grgo escreveram Hipócrates e Galeno. A

filosofia, a eloquënda, a poesia e a historia nascerarn na Grecia”. Ora, essa lingua não era tão dificil de aprender como se supunha. Bastava ensinar a gramática *pelo eprítome do método de Port« Royal, traduzido em portugués, onde tem as regras mais breves, mais claras e mais sólidas que em outro qualquer”. O metodo jansenista era, portanto, adotado na reforma pombalina. As

leituras de Hero-doto, Xenofonte. Teofrasto ou Luciano podiam ser feitas pela coletànea utilizada na Academia Real de Nápoles, e, quando os alunos estivessern mais adiantados, podiam ler Homero, “o melhor modelo de urn grande poeta”.§ As instruçôes destinadas aos professores de retórica começam por afirmar a utilidade desse

estudo: “ordena os pensamentos, a sua dishibuição e ornato” e, com isso, “ensina todos os meios e [171] artificios para persuadir os ánimos e atrair as vontades”. Por essa raåo era a retórica a arte

mais necessária no comércio dos homens, e não apenas no púlpito ou na ad'-ocaeia: "Nos dis cursos familiares, nos negocios públicos, nas disputas, em toda a ocasião em que se trata com os homens, é preciso concíliarlhes a vontade e fazer não só que entendam o que se lhes diz, mas

que se persuadam do que se lhes diz e o aprovem”. Uma arte tão necessária não se podia reduzir, como no método antigo, ao estudo dos tropos e das figuras. Embora os professores se servissem da Retórica de Aristóteles, e das obras retóricas de Cicero e de Longino entre os antigos, e entre os modernos de Vossio, Rollin e fr. Luis de Granada, a obra principal para os estudantes seriam as Institidçãcs de Quintiliano. O objetivo principal era “compreenderem os discípulos o que é retóri-

ca, para a entenderem e dela se servirem”, e não para copiar aqueles autores. Fazia ainda parte dos estudos retórìcos a elocução, ou seja, a explicação dos diversos estilos: “das cartas, dos diálogos, da història, das obras didáticas, panegíricos, declamaçöes etc.”, e, nessa área, o autor a seguir era Heinécío. Os alunos seriam tarnbém treinados na arte de debater: “Darã

assuntos para sobre eles discorrerem os discípulos na classe, fäzendo que contendarn entre si, defendendo um uma parte, e outro a contrária".Z Os alunos seriam, assim, treinados para falar em público, para persuadir os que os escutavam, para defender u.rna ideia contra outra ideia antagônica.

Ensino laico versus ensino religioso O professor nomeado para a aula de retórim, em 1782, o mineiro Manuel Inácio da Silva Alvarenga, já tinha alguns créditos como poeta. Versejara, em seus ternpos de estudante de Leís em [172] Coimbra, cormpondo O descrtor. Poema lfleroi-cómico, publicado pela Real Oficina da Universidade, em 1775, e uma Epístola dedicada ao dia em que fora

a estatua equestre de D. ]osé.

Iá depois de fomrado, em ryjã, compós O tan-galo de Netuno, com o nome de Aldndo Palmireno, “arcade ultramarino", que saiu de Lisboa em 17;?, tendo por assunto a aclamação de D. Maria I. Depois de regressado ao Brasil, foram ainda irnpressos pela Regia Ofidna Tipogrãfim de Lisboa, em 1730, O canto dos pastores e, em r,¬-35, uma Apotwse

dedicada ao vice-rei Luis de Vas-

concelos e Sousa. Quando particípava da Sociedade Literaria durante esse governo, saiu pela Tipografia Morazziana, em 1733, o poema As artes, consagrado por aquela agremiação ao aniversário de D. Maria I.

Sua escolha para a aula de retórica estava, portanto_ plenamente justificada. Em 23 de marco de 1793, Manuel Inácio da Silva Alvarenga e joão Marques Pinto, professor regio de grego, encaniinharam uma representação `a Coroa queixandose da decadencia dos estudos de Humanidades e apontando as causas de tal situação. Lembraram que, no reinado de D. jose, pela Lei de G de novembro de 17,12, tinham sido criadas aulas de retórica, filosofia e lingua grega em todas

as cabeças de comarca, tanto do Reino como das colônias. 3/las, na cidade do Rio de jandro, aquelas aulas encontravam-se “quase desertas de estudantes”. Isso aconteda, em primeiro lugar, porque o bispo, em seu seminario diocesano, rnantinha também classes de retórica e de filosofia, além da gramática latina. Quem ensinava aquelas matérias era um religioso de Santo Antonio, não aos serninaristas da cidade, “porque não os tem”,

mas sim aos ordinandos de fora, que o bispo obrigava a entrar para o seminario na qualidade de porcionistas, isto é, como alunos pagantes, ou então “em algum de outros dois colegios que aqui hã também sujeitos `a sua adrninistração”, para estudarern alguns tratados de Moral quando estão próximos da ordenação. Os mestres aludiam aqui aos serninários de S. jose (diocesano], de S.

Ioaquim e de Nossa Senhora da Lapa. [ryj] Na opinião dos professores régios, o pragmatismo domirrava esses ordinandos que pre-

tendiam receber as ordens o mais breve possivel para saírern logo do seminario, evitando assim a despesa, e começarem a ganhar a \ida. Aquele estudo não ocupava sequer o espaço de um ano e não se seguiam os “bons livros” recomendados pela Coroa, sendo, portanto, “perliintório e sem

proveito”. O clero do bispado encontrava-se “nas trevas da ignorancia” por não frequentar as Aulas Reglas criadas pelo govemo. O desejo dos professores regos era de que os ordinandos fossem “obrigados por ordem regia a versa-las”, em vez de frequentarern os tres seminarios da cidade - quantidade certamente excessiva quando se pensa que não existia nenhum na sede do

arcebispado, em Salvador Em segundo lugar, apontavam o fato de aqueles que pretendiam se dedicar à cirurgia e ã farmacia serem isentos de frequentar aquelas aulas. Ora, essas áreas estavam ligadas à _\-“Iedidna e, em Coimbra, não se admitia, nesse curso, quem não tivesse frequentado as aulas de Hu-

manidades. Também não eram obrigados a esses estudos os que assentaram praça de cadetes e que iriam, mais tarde, ocupar os postos da oficialidade, quando na Antiguìdade, e mesmo recentemente, os generais eram tarnbem filósofos e oradores, alern de guerreiros. Uma última causa reladonava-se com os religiosos da cidade. Estes, quando abriam seus

estudos, praticamente arrancavam os estudantes das Aulas Regias para as suas, “ingerindo-se no ensino público da moddade contra a Lei de 23 de junho de 1759, #11, e a sobredita de G de novernbro de rfia, #8”. `[in.l'1a sido esse o comportamento dos beneditinos e dos religiosos de Santo António, a fim de ensinarem aos alunos a "sua filosofia peripatetica há tanto tempo proscrita” como prejudidal à república. Continuando os frades a rivalimr com os mestres regios,

sería ìmpossivel espalhar a sólida filosofia que a Coroa mandava ensinar, e também implantar “a uniformidade de doutrina nem a de pensar”. O laidsmo perpassa as palavras dos dois mestres: era indubitável “o [174] não poderem ser educados e fomrados nos claustros, por aqueles que professam o desprezo dos objetos temporais, ddadãos aptos para viverem na sociedade civil, rnanejarem negocios políticos, e promoverem a feliddade pública”.

Tambern os vice-reis eram em parte culpados, uma vez que afìzgeritavam os estudantes das Aulas Regias para os seminarios quando faziam o recrutamento para a Tropa de Linha ou para os Terços Auxiliares. Ali eles continuavam a estudar “livres do receio de serem recrutados", pois os vice-reis não os procuravam naquelas instituiçöes por consideração para com o bispo que as

administrava. Os alunos das Aulas Regias não gozamm da mesma isenção e privilegio. Por outro lado, os eclesiásticos, tanto os regulares quanto os seculares, procuravam afastar os jovens das Humanidades

grega, retórica e filosofia], desacreditando-as como inúteis, de

nada senindo para quem pretendía ordenar-se sacerdote. Lembravam os professores rgios que os estatutos da Universidade de Coimbra as consideravam indispensáveis para se saber perfeita-

mente a Teologia e para preencher os deveres do sacerdódo. Não contentes em desacreditar as Humanidades, os eclesiásticos infamavam os mestres regios de “libertinos e hereges", a fi.m de que os estudantes não fossem com eles “iluminar o seu entendimento". Eram animados pelo rancor ao verem que uma sabia politica entregava o ensino

público da moddade a professores sec-ulares, ficando eles assim privados de “um dos grandes meios de ganhar influencia e poder sobre os povos". Os profes sores regios se consideravam "ilustrados", reprovando a “frivola filosofia peripatetica” dos eclesiásticos, as “erróneas opiniöes e doutrinas ultramontanas e o fanatismo por eles sustentados e feitos crer ao povo néscío como dogmas de fé”. Não podia haver formulagão mais clara do regalismo defendido pelos mestres.

A virulencia dos mestres regios contra os frades sobe ainda mais de tom no final da repre sentação à Coroa, nurna atitude profirndarnente regalista: “se abalançarn a abater e profanar [175] impunemente o sagrado da autoridade real dos soberanos, e negar a obediencia e sujeição devida às suas leis com grave ofensa da sua soberanía, escandalo dos bons e obedientes vassalos e mina

do sossego público". Os professores recordam ainda os extintos e banidos jesuitas e suas estrategias na Universidade de Coimbra: “encarregados do ensino dos estudos do Colegio das Artes daquela Universidade, observando que alguns dos seus doutos professorres conheciam pelas suas luzes e criminavam o seu danoso sistema, os infamaram de herges e fizeram perder com falsas acusaçöes pelo Santo Oficio como nos diz a imortal Dsdução cronológica c analítica”. O mesmo es-

tava ocorrendo no Rio de Ianeiro, onde os mestres regios de Humanidades, impedidos de difundir as luzes e de ensinar a “nurnerosissìnia moddade”, recebiam o “opröbrio e infamia de hereges no meio de u.m povo supersticioso". Alem das denuncias feitas contra o ensino

preterrdiam obter um aumento dos orde-

nados, “visto ter o subsidio literario desta capitania um rendirnento que excede muito ã despesa que se faz com os professores delas”, ponto que, mais tarde, em 1799, irá ser examinado por ordem regia. Argumentavam os professores régios com a carestia “de tudo o necessário para a conservação e uso da \ida, de casas, de servos e artefatos, livros e víveres ainda do pais”. Nesse ponto, eles insistem na necessidade de comprar livros “para se instruírem cada vez mais" e poder, assim, melhor ensinar os jovens.§

Quando, em 4 de jandro de 1793, foi passada urna atestação de religião e bons costumes de Ioão Marques Pinto por quatro clérigos seculares, não deixaram estes de lembrar que “os claustros dos religiosos desta cidade” eram contra as Aulas Reglas e sua “oposiçao e rancor” tinlrarn levado a “espalhar urna voz vaga de que ele e herege e libertino”.2 Fora o rumor de libertinagem [UG] que o tomara objeto de denuncia a Inquisição, como veremos em outro capítulo. Quando o wice-rei conde de Resende mandou prender os individuos suspeitos de apoiarem a revolução da França e o novo governo republicano, um discípulo de Manuel Inácio da Silva Alvarenga, josé Antonio de Almeida, foi também preso por ber sido encontrada, entre os papéis de seu mestre, uma oração feita e recitada por ele na aula de retórica de outubro de 1194.2 0 estir-

dante era natural de Santa Catarina, tinha 21 anos e frequentara também a aula de gramática latina, de Ioão Manso Pereira, a de retórica com Manuel Inácio da Silva Alvarenga e a de filosofla com Agostinlio Correia Goulão, porque pretendía ordenar-se.

Ao ser interrogado em agosto de 1795, Almeida contou que redigira, naquela aula, duas oraçöes, urna em louvor de João Femandes Vieira e a outra “mostrando que era valor o matar-se um homem a si mesmo”. Essa última oração fora recitada sem ser mostrada previamente ao mestre, porque fora apresentada apenas entre os alunos, e nao numa conferencia ou ses sao pública. As proposiçö-es que as autoridades consideravarn “inteirarrientae contrarias às leis e ao governo

debaixo do qual vivia" foram escolhidas, segundo o depoimento do estudante, apenas “para provar a parte que sustentava", sem recorrer a nenhum livro e sem se inspirar em ninguém. Afirmou que “foram só ditadas pelo seu discurso para a prova da tese que seguia, segundo o costume das retó1icas".H

0 governo de Lisboa não deu qualquer resposta ao requerìmento de rpg; dos professores regios de grego e de retórica. Depois de sairem da prisão, os dois encaminharam u.ma representação em 23 de março de 1199. Mais uma vez se queixararn do “desprezo e decadencia” em que se

encontravam aqueles estudos, [177] bem como o de filosofia. Contavam com a Coroa, empenlrada em “promover as dencias a fim de fazer felizes os povos”, para que algumas providêndas fossem tomadas. Causas para tal situação são novarnente apontadas. Em primeiro lugar, “por terem sempre os eclesiásticos, principalmente os regulares, espalliado por esse povo sem luzes que a filosofia, a retórica e o grego de nada servem a quem pretende ordenar-se”. Depois, “excogitando e

maquinando contra eles todas as calúnias possiveis, já de Estado, já de religião, para os perder”. Por não ser proïbido passar ao sacerdócio a “inumerável moddade que se aplica ao estudo da lingua latina" sem primeiro terem frequentado aquelas Aulas Reglas, encontravam-se essas “quase abandonadas” e eram só frequentadas por estudantes que pretendiam ir estudar para a Universidade.

Criticavam os estudos ministrados no seminario diocesano por um religioso de Santo Antönio, o qual ensinava filosofia, mas dava poucas liçöes de retórica e nenhuma de grego. Mais uma vez, insistem que aquele ensino era aparente e perfurrtório, pois os ordinandos só pensavam em receber as ordens sacras “para irem tratar da sua vida e evitar as despesas que fazem no dito

seminário”. As liçöes não eram ali dadas “pelo tempo, metodo e livros prescritos”, não se explicando a Arte poética de Horácio nem se traduzindo e analisando as oraçöes de Cicero ou os poetas. Esses úteis exercícios faziam que a mocidade, “vendo praticados os preceitos da retórica e poética”, os percebes se completamente e os dorninasse para os pór em prática com maior facilidade. Os regulares do Rio de janeiro continuavam a ensinar a sua “Filosofia peripatetica” já pro-

scrita por leí por ser prejudidal e “diametralmente oposta às verdadeiras dêndas”, ao mesmo tempo que apelidavam de “frívola” a sólida filosofia. Alem disso, os religiosos de Santo Antönio e de São Bento arrancavam daquelas Aulas Régias os poucos alunos que as frequentavarn, escolhendo os de grande talento para professarem em suas ordens e deixando para servir a república

os destituidos de aptidão. [178] Voltam ainda os mestres régios a mencionar a necessidade de seus alunos serem isen-

tados do recrutamento, pelo menos os melhores, tal como ocorria com os estudantes dos seminarios: “tanto que se procede a fazer recruta logo os estudarrtes que são capazes de serem recrutados uns desertam das aulas e se ocultam para escapar dela", o que, sem dúvida, perturbava a

organimção das liçñes, enquanto outros iam para as

dependentes do bispo, em que

“acham a tranquilidade e asilo ao seu estudo que não acham nas Aulas Regias”. Uma consequencia de tal situação era “o olhar o povo por esta causa com todo o respeito e veneração para os estabelecirnentos eclesiásticos e com indiferença e desprezo para os régios”.

Perante essa representação, o conde de Resende, em ao de abril de råoo, negou tudo o que os mestres tinharn exposto, dernorando-se, sobretudo, na acusação de os regulares ensinarem a filosofia peripatética. Quer no convento de Santo Antônio, quer no de São Bento, ela fora substituida pela lógica e pela metafísica de Genuense, aproveitando o vice-rei a ocasião para informar

que, no primeiro, já não se admitiam seculares, e que, no segundo, a mudança fora feita por um frade formado na Universidade de Coimbra, que viera ensínar os seus confrades “pelo metodo e gosto da mesma Universidade”. Más mesmo que a acusação fosse verdadeira, não competia aos dois professores re-gios fazê-la, e sim ao professor daquela Aula, que não subscrevera a reprresentaçao, “talvez por nao ser tao orgulhoso como os outros”.

Para o vice-rei, a explicação da ausênda de estudantes naquelas Aulas Régias era outra: Estes homens, consumindo grande parte do tempo letivo em discursos alheios da materia que devíarrr tratar, declamando incessantemente contra os frades, pretendendo talvez pelos vicios de alguns individuos fazer odiosas as corporaçöes, e divulgando obras satiricas e

infamatórias, fizeram que muitas pessoas timoratas se desviassem dessa comunicaçao e quisessem antes que seus iillios fossem aprender a outras aulas. [179] Alias, os pais sabíam que, “pelas práticas arriscadas e criminosas sobre objetos politicos, estiveram em prisöes, onde seriam mais severamente punidos se fossem julgados segundo o

rigor das leis". Apesar dessa diatribe contra os mestres, o vice-rei termina seu ofido a D. Rodrigo de Sousa Coutinho com urna nota apaziguadora: “Como finalmente eles se portem com mais moderação e satisfaçam os deveres do seu magisterio, não deixarei quanto esteja da minha parte de auxiliar e proteger os estudos que tanto se recomendam”.E D. Rodrigo, em outubro do mesmo ano, embora aconselhasse o conde de Resende a “propa-

gar o gosto do estudo do latim, grego e belas letras”, reconheda que era necessário não só que os professores cumprissem os deveres do cargo, mas também que não disseminassem “máximas perigosas”, o que faz supor que o sedfetário de Estado incorporara em parte as acusaçöes de libertinagem e de conversas politicas contra os mestres régiosë

Naquele mesmo ano, o bispo se justificou perante D. Rodrigo das acusaçöes que os dois professores lhe tinham feito. Ele letara a serio sua obrlgação de ter um serni.n.a'rio diocesano que preparasse bem os futuros padres, e, por essa razao, no de S. ]ose se ensinavam a filosofia racional e a retórim, além da teología moral. E explicitava que só frequentavam aquelas classes os

seminaristas, e ele jamais procurara desviar das Aulas Régías a mocidade que as quisesse frequentar: “a.ntes, pelo contrario, algumas vezes mesmo tenho mandado colegiais dos referidos seminarios ouvir as liçöes destes professores, quando as circunstancias 0 tëm permitido". E até um sobrinho seu, colegial no seminário de S. Iose', fitequentara a aula do mestre de retórica.

Se os trës seminários eram mais frequentados do que as Aulas Régìas, era porque, sendo os estudantes filhos de pais que moravam em todo o vasto bispado, quando estes os mandavam [180] educar ã cidade, queriarn “antes té-los dentro dos seminarios debaixo de sujeíção do que expostos fora deles às consequèncias que a liberdade pode traza' à moddade”.

Quanto à acusação de o bispo manter frades nesses estudos, só o professor de filosofia racional era um franciscano, acresoentmdo o bispo: “mas este ensìna pelo Genuense, que é o que se acha adotado na Universidade, e o mesmo por que ensìnam os professores régios". Iustifï ícando a escolha desse frade, alegava seu merecimento e “1uzes”, bem como o fato de não cobrar estipèndío a um semiuárío “que o não podia estabelecer pela sua pobreza a outro qualquer”. E

finalìmva a respeito do texto dos mestres régios com palavras idénticas às do vice-rei: “não é o amor das letras, é o spírito de vertigem contra os claustros que tem dirigido este requerìmento”.L*

Um profes sor de gramática latina naturalista ]oao Manso Pereira era prëtigìado na corte, tendo o vice-rei conde de Resende recebido u.ma carta escrita, em 20 de dezembro de 1793, sobre as úteis especulaçöes daquele naturalista,

provadas por

das quais resultarlam inúmeras vantagens não só ao progresso das

artes e das rnanufaturas, mas também ao comércíoä Curnprindo ordens desse vice-rei, Ioão Manso Pereira, que era professor régio de gramática latina no Rio de ]aneiro. procedeu. em 1795. a averiguaçöes acerca de uma mina descoberta pelo coronel Manuel Martins. Primeiro, por meio da torrefação, verificou que não confinha enxofre

nem arsénico. Em seguida, passou a fundir a mina, “para vir no conhecimento da sua naturem”. Não dando [181] resultado tal procedimento, empregou meios mais modernos, reoentemente inventados por químicos como Chaptal ou Fou.rcro}-', “nunca por isso despremndo 0 velho Cramer e o experiente Beaurné". Mesmo assim não chegou a qualquer resultado, então suspeitou

“que os cadinhos de que usara eram a causa do mau sucesso". Finalmente, com um processo de sua invenção, obteve uma pequena porção de ferro. Comparou-a com pedaços de outras amostras provenientes de São Paulo, da Illia do Go'-'ernador (RI), de Minas Gerais, e uma obtida gtaças ao incentivo do vice-rei na Serra do Palrnital. Mas propunhase ainda fazer outras “muitas e repetidas" experiencias até que, escrevia modestamente, “uma mio mais hábil do que a minha e mais acostumada a este género de trabalho" chegue a conclusôes mais segu.ras.§

Seus seniços continuaram a ser requisítados, e, em n de março de 1797, D. Rodrigo de Sousa Coutinlio ordenou ao conde de Resende que liberasse Ioão Manso Pereira da eadeira de gra.rna't1ca laïjna por ele ministrada. para que, depois de acabar o trabalho das salitreiras de que estava in« cumbido, se dírigisse a Minas Gerais a fim de trabalhar na nova mina de prata descoberta no

Abaieté. Para compensar o professor régio da perda do ordenado da sua aula, ser-lhe-ia concedida uma pensão de 4oc›So oo réis anuais, a fim de que se pudesse empregar nesse servìço da Coroa.E Dias mais tarde, D. Rodrigo acrescentou à missão do naturalista a ida a São Paulo, antes de seguir para Minas. Pre-ocupando-se com o efe1i\'o pagamento da pensão concedida., que seria paga

pelo subsidio literario da capitania em que se encontrasse, o secretário de Estado ordenou ao vice rei que comunicasse essa decisão aos respect`L\-'os govemadores. Estes devíam ainda conceder facilidades a Manso Pereira para a realìzação dos exames químicos de que era encarregadoë [182] Na insirução remetìda ao naturalista, D. Rodrigo determinava a procura, nas barreiras da Capitanía de São Paulo, das nitreiras acera das quais havia noticia na corte, devendo também

visitar as minas de ferro de Arassoiaba e de Brussuiaba, junto à vila de Sorocaba, e também umas outras minas em Piracicaba. Seriam coletadas as observaçöes feitas nessas viagens rnineralógicas, e também indicados os no'-'os descobrirnentos realfldos. Passaria, em seguida, ao rio São Francisco e ao Abaieté e visitaria o territorio entre Goiás e Minas Gerais. “marcando o valor das

descobertas de ouro e prata que se têm feito naqueles sertöes". Observaria ainda as Casas de Fundiçäo e a qualidade do traballio nelas realmdo, verificando, principalmente, se essas

fiindiçöes eram tratadas com a devida economia.1_9 Como dito anteriormente, Ioão Manso Pereira era já bem conhecido na corte. No mesmo ano

em que foi encarregado das viagens rnineralógicas, publicou em Lisboa, na Oficina Patriarcal de Ioão Procópio Gorreia da Silva, a Memoria sobre a rqfon-ria dos aíambiques ou de um práprio para a desiíiação das águas ardenics, oferecida ao principe rgente D. Ioão, na qual se intitulava proƒèssor régio emírito no Rio de janeiro e atualmente mcarregudo por Sua Majestad: em mames dz História Natural. E, em 1793, saiu dos prelos de Simão Tadeu Correia a Mcmória sobre o vnétodo económico de tmnsportar para Portugal a rzguardcntz do Brasil, comg_'mna'.cpro1\eito dos c comertiantes.

Como resultado de sua peregrinação por São Paulo, elaborou, em 1303, urna Mcmóriø. sobre o mxoƒre, baseada nas experiencias que fizera com as pirites de Taubaté e também na leitura dos mais célebres mineralogistas da é[email protected]

Mais tarde, em Ugg, quando já estaxam localizadas as minas de ferro, o principe regente D. ]oão encarregou Ioão Manso Pereira da inspeção dos trabalhos de ferro nas très capitanias (São Paulo, .\-'Iinas Gerais e Rio de ]aneiro}. Logo que estivesse [183] desembaraçado do exame nas duas primeiras, deveria examinar as minas descobertas no Rio de Ianeiro, “as quais poderão vir a ser de muito grande utilidade, tendo perto lenhas em abundancia, de que se possa fazer bom canio”.

Dai o cuidado na preservação dos arvoredos da vizinhança das minas, a fim de se poder estabelecer as grandes carvoarias. Nada seria, no entanto, iniciado pelo \-'ice-rei enquanto o mineralogista não regressasse ao Rio de Ianeiroë A carta regia de 19 de agosto de 1799 definiu mais clarainente o que a Coroa determinara a

esse respeito. O vice-rei deveria ir, “em companhia e debaíxo da direção” de Ioão Manso Pereira, proceder ao exame do local mais conveniente para o estabelecimento da fábrica, “com Pornos para fundir e coar o ferro” e também para o preparar e reduzir a aço, sem esquecer a clemarcação das matas necessárias ao fomnecimento de lenha para a carvoaria. O ferro ali produzido seria vendido “só com o lucro de 10%”, além da despesa do fabrico. Nessa fase do processo da instalação das

fábricas de ferro, o ordenado do naturalista duplicou: 8ooSooo réis anuais, além das ajudas de custo para as viagens de inspeção. Em março de 1800, o conde de Resende responden a tais deterrninaçöes do secretario de Estado, aludindo aos “grandes resultados" que o naturalista tinha sabido retirar das minas de ferro

da capitania de São Paulo e dizendo que, enquanto este não regressasse daquela capitania e da de Minas Gerais, tudo estava suspenso no Rio de Janeiro: pareceu-me acertado esperar pela sua rinda a fim de se estabelecerem as carvoarias nos lugares mais prôprios, e não ficarem desde já os moradores privados do uso daquelas matas

que, sendo indispensáveis para o custeio de suas fazendas, não serão de utilidade alguma pela distancia em que ficarão das fábricas de ferro.-2 [184] Como vemos, a an`\-'idade de professor régio de gramática latina nao passara de uma

forma de ganhar a vida para Ioão Manso Pereira, que, com as incumbências da Coroa, pode finalmente libertar-se das aulas e fazer aqu.ilo de que gesta'-*a. E seu ordenado como naturalista era bem mais elevado do que como professor régio.

O controle das Aulas Régias D. Rodrigo de Sousa Coutinho, talvez na sequência do requerìmento de Alvarenga e Marques, que tinliam afirmado já em 1793 ser 0 subsidio literario muito mais substancial do que

aquilo que era gasto com os mestres régios, quis informar-se sobre o rendimento daquele imposto destinado ao pagamento dos professores e também sobre o número dos mestres e seus ordenados. Sabemos por uma Relação do rmdimimto do subsidio Iiterdnlo da capitania do Rio de janeiro dos anos de 1793 ata' 179;', remetida pelo chanceler deputado da Iunta da Fazenda a D. Rodrigo, os montantes anuais daquele imposto (Quadro 5.2)@

Quadro 5.2 - Montante anual do imposto destinado ao pagamento dos professores Ano

Subsidio literario

1793

3323.3 07

IT94

1795

Is-335-918 IS-043-316

r796

16.163.190

r797

12.461.469

[x85] Como vemos, esse imposto destinado ao pagamento dos professores régios atingiu seu máximo em 1796, tendo depois baixaclo, embora sem descer ao baixo valor de 1793. Ele era arrernatado em hasta pública, e ninguém se interessava se a arrematação fosse feita não para a totalidade mas por "ramos, freguesías ou julgados”.

Em agosto de 1799, foi elaborada a carta régia que se propunha combater “o triste e deplorável estado” em que se encontravam as Aulas Reglas pela “falta de sistema” com que se criavam as cadeiras, com que se escolliia o local para elas e com que se nomeavam os professores. E também pela “falta de proporção” entre o número de cadeiras e as rendas do subsidio literärio, ponto polémico que tomava visível a não atuação do governo do Rio de Ianeiro no aumento das

Aulas Régias. A carta régia ordenava ao vice-rei que fornecesse informaçöes, em primeiro lugar, “sobre o quantitativo atual e sobre o aumento” que poderia ter o subsidio literário, “quando bem ad.ministrado, ou arrendado em pequenas porçöes". Em seguida, sobre o número de aulas e sua qual-

idade para saber quais se deveriam suprimir. Determinava também que, na capital, fosse estabelecida uma cadeira de aritnética, geometria e trigonometria. Caberia ao vice-rei e ao bispo nomear os professores, mas, se não se pusessem de acordo sobre a escolha, a questão seria resolvida em Lisboa, ouvidas as razöes de cada um. Mas apenas ao vice-rei competia a inspeção das

aulas, com autoridade para “censu.ra.r, castigar e vigiar" o procedimento dos mestres, sem, contudo, poder aplicar a pena da perda da cadeira. Só o govemo metropolitano o podia fazer, depois de ouvir as justificaçöes do professor. Finalmente, o vice-rei deveria apresentar um plano de estudos à Secretaria de Estado e assegurar aos professores “o exato pagamento dos seus honorarios”, cuidando ainda para que se aplicasse um fundo para a sua jubilação, ou seja, aposentadorria¬¡_^

[136] Em 3 de setembro de 1799 D. Rodrigo comunicou ao conde de Resende essa carta régia de 19 de agosto daquele ano, em beneficio da instrução pública, a qual implementava “a necessária inspeção de todas as escolas régias” da capitania. Um lente ou professor conhecido por

sua "literatura, a1:i\'idade e zelo” seria nomeado para visitar as Aulas Régias, examinando a assiduidade e diligencia dos mestres, o método utilizado nas liçöes e explicaçöes dos autores, a escolha do livro pelo qual ensinavam, o horario, o aproveitamento dos alunos e também sua morigeração. Tais visitas deveriam ser realizadas “sempre em tempo e horas incertas”, para apanhar professores e alunos de surpresa. 0 vice-rei encarninliaria, então, anual ou semestralmente, um

relatório a Secretaria de Estado dos Negócios da Ii-Iarinha e Dominios Ultramarinos, acompanhado das listas de alunos e das observaçöes feitas pelo visitador. Dias depois, D. Rodrigo de Sousa Coutinho escreveu também ao bispo do Rio de Ianeiro nos mesmos termos: acerca do “deploråvel estado” em que se encontravam as escolas menores, em virtude da ausencia de sistema no estabelecirnento das cadeiras necessarias à instrução pública,

da falta de uma norma fixa na escolha dos professores e também de uma inspeção sobre suas atiiidades, e, finalmente, da falta de proporção entre as aulas estabelecidas e as rendas do subsidio literario destinado a pagar os honorarios dos mestres. Em relação a esse últìrno ponto, D. Rodrigo queria ser informado sobre o quantitativo daquele imposto e sobre o aumento que pode-

ria ter quando bem administrado, e recomendava que se assegurasse aos professores o exato pagamento de seus ordenados e se aplimsse algum fundo para a sua jubilação. Uma parte do subsidio literário deveria ser gasta em medalhas para recompensar os estudantes que redigissem “alguma composição de distinto merecimento”, ou que publicassem alguma obra que devesse passar à posteridadeë [187] Em 16 de abril de 1800, o conde de Resende comunicou ter mandado averiguar o rendi-

mento do subsidio literárío durante vìnte anos, a fim de desoobrlr o verdadeiro rendimento de cada uma das cámaras. Remeteu também ao secretario de Estado dois planos: urn para o exame dos opositores as cadeiras vagas e outro para a melhor instrução dos alunos. No primeiro, o

examinador seria o professor “de maior conceito" na área da cadeira posta a concurso, e os candidatos teriam de apresentar documento atestando serem “de boa vida e costumes” para serem admitidos a exame. Seria escolhido aquele que revelasse maior saber na materia em questão, “porque corrn os professores que tiverem esta qualidade farao os discípulos maiores progressos”. Um hábil mestre de latinidade era capaz de mostrar e explicar “as belezas que se encontram nos

clássioos". No segundo plano enviado, certamente por influencia das reelamaçöes dos professores régios de retórica e grego, o vice-rei gostaría de acrescentar ao estipulado na carta regia a utilidade de se determinar ao bispo que não admitisse nenhum individuo às ordens sacras sem ter o curso de

Humanidades nas Aulas Régias, apresentando aprovação de cada um dos professores sobre seu aproveitamento. Mesmo que não as tivessem frequentado, deveriam prestar provvas perante eles e apresentar certidöes desses exanies. E acrescentava: “Desta providencia sem dúvida se consegue a instiugão do clero". Essa seria, sem dúxida., uma medida que agradaria aos mestres régios, e estes

também ficariam contentes se lessem as palavras finais do oficio do vice-rei: “Seria ultimamente conveniente, para animar os professores, graduá-los em honra e aumento de ordenados de tantos em tantos anos, tendo mostrado que foram sempre exatos nas suas obrigaçöes”. Nesse mesmo més, transmitiu as razoes apresentadas pelos professores régios para justificar o abandono de suas aulasë [188] Pela primeira vez, procurava-se

os defeitos da tardía e desconexa implantação

das Aulas Régias do periodo pombalino por meio de regras definidas para a nomeação dos professores e a inspeção das aulas. Todas as capitanias receberam iguais instruçöes, pois D. Rodrigo pensava em todo o Brasil, e não apenas na sede do vice-reinado.

Outras aulas Vimos ariterionnente a queixa dos professores régios de retórica e de grego em razão da corncorréncía dos seminarios da cidade no que se referia ao número de alunos, tomando-os escassos

em suas aulas. Efetìvamente, uma aula de moral fora criada no seminario de S. Iosé, em janeiro de 1780, sob a direção do padre mestre fr. Capistrano de S. Bento, da provincia da Conceição, e a pastoral do bispo D. josé

Iustiniano, de 24 de março de 1781, deberminou que nenlium

seminarista fosse admitido a exame para confessor sem apresentar certidñes da frequéncia a essa aula.§

Mais tarde, em r788 e em 1791, o bispo criou aulas públicas (retórica, filosofia, geografia, cosmología e historia natural), ministradas por outro capucho, fr. Antonio de Santa Úrsula Rodovalho, e foi essa expansão do ensino no seminario de S. josé que provocou certamente a representação dos professores régios em 1793. Aquele franciscano, paulista de Taubaté, gozava de prestigio na cidade, tendo feito a Oraçäofiìnøbre à memória do marqués de I_av1adio, recitada na

catedral e publicada em Lisboa em 1791. Ha de se notar também que o bispo recorreu a regulares para as aulas aos seminaristas e aos demais estudantes, o que prova serem agora mais pacíficas as relaçôes entre D. [osé Ioaquim Iustjniano e os franciscanos da cidade. [189] Mas, verdade seja dita, nenhum dos três seminarios manteve mestres especificos para

aquelas disciplinas. Vejamos o Quadro 5.3, referente ao ano de 1797. Quadro 5.3 Seminarios

Reitor

Vice-reitaor

Mestre de

Seminaristas

gramática latina

Episcopal de S. Iosé r

r

1

27

Nossa Senliora da

1

-

1

58

1

A1:

1

97

Lapa S. Ioaquim

Fonte: IEB, Catálogo dos manuscritos. [Coleção Lamego). Nos seminarios da cidade, ensinava-se também o cantochão, “para que os rnancebos desti-

nados ao serviço eclesiástico se habilitassem competentemente a entrar nos coros”, obrigando, ainda, o bispo a que estudassem cerimônias eclesiá[email protected] E curioso que, enquanto a sede do arcebispado, Salvador, não possuia nenl'1u.m seminario, no Rio de Ianeiro havia nada menos que très, embora só um fosse diocesano. Assim se explica a reação dos professores régios do Rio de

Ianeiro contra o excesso de seminaristas e a falta de alunos laicos em suas aulas. O emperiho do conde de Resende na criação de urna Academia Militar provavelmente marcou

seu govemo. Iria essa instituição substituir a aniiga Aula de Fortificação e Artilharia, criada em 5-35 e que atingíra seu apogeu quando Ioão Fernandes Pinto Alpoim se tomou seu diretor, em I;-'3S. Depois entrara em decadencia. Os Emutos da Real Academia de Artilharia, Fortficaçålo a Dcsonho têm a data de I; de dezem-

bro de rjgz e foram remetidos a Martinho de Melo e Castro no dia 21 do mesmo mes. Determinavam que o curso matemático teria duração de seis anos e, nos primeiros anos, ensinar-se-ía o curso de belidon No terceiro [19 o] ano, ocupara-se o lente oom a teórica de artilliaria, das minas e coniraminas, e sua aplicação ao ataque e à defesa das praças de guerra, seguindo-se a doutrina

de Saint-Remy, ou a equivalente Artilharia de Le Bland. No quarto ano, fortificação regular ataque e defesa e os principios fundarneniais de qualquer fortificação. Seguiarn-se, no quinto ano, a fortificação irregular, a efeiiva e a de campanlia pelo curso de Antoni. Todas essas matérias ficaríam a cargo do lente do Regimento de Artilharia do Rio de ]aneiro. 0 currículo do sexto e último ano irr1p]i.f21¬a um outro lente que ensinasse a arquitetura civil,

“o corte das pedras e madeiras”, o orçamento dos edificios e tudo que se relaeionasse com o conhecimento dos rnateriais usados na construção. Explicaria ainda os melhores métodos de construir carninlios e calçadas. A hidráulica fazia parte do currículo desse ano, bem como a arquitetura de pontes, canais, partos, diques e comportas. É esclarecido nesses estatutos que os estudos \'aria\¬am conforme a ocupação futura dos

alunos. Assim, os militares de Infantaria e Cavalaria só cursavam até o terceiro ano; os de Artilharia precisawam estudar até o quinto; e o sexto ano destinava-se apenas aos engenheiros militares. Observa-se que o número desses últimos era lirnitado: no Rio de Ianeiro, havia apenas seis “partidos” nessas aulas, o que restringia a elite do Exército.

A parte prática ocupara um lugar muito importante nessa Academia, devendo os lentes sair com os discípulos a campo para lhes ensinar o uso dos instrumentos utilizados na geometria prática. Aprenderiarn a medir distancias i.nacessí\-'eís, a nivelar terrenos e fazer plantas, a manejar as “bocas de fogo”, a construir baterias, a delinear no solo qualquer fortificaçâo regular e também a fortificaçåo de campanha.

Para serem admitidos na Academia, os candidatos seriam examinados sobre “as quatro espécies de aritmética ordinaria” e tinham de entender suficientemente a lingua francesa. Aqueles que se deslinassem a ser engenheiros deveríam apresentar urna eonstituição robusta, “sem defeito algum na vista ou tremura de mãos”. Esses, quando terminassem o sexto ano, seriam pro› postos [191] pelo lente como ajudantes engeriheiros para serem encarninhados, depois, pelo vicerei ao [email protected] Era de se esperar que a criação dessa Academia fizesse aumentar o número de

engenheiros militares, tão necessáríos no Brasil, não só para a abertura de estradas, construção de pontes etc., mas para o próprio planejamento de Vilas e cidades. Em 21 de fevereiro de 179 6, o vicerei comunicou à secretaria de Estado a instituiçäo da nova

Academia .\ïìlitar e, em 20 de junho de 179;-', pediu a aprovação daquele estabelecimento, ao mesmo tempo que propunha algumas medidas a seu respeito, sobretudo acerca do programa de ensino e dos exames. Os alunos dessa Academia tanto podiam ser militares como filhos de familias conhecidas e importantes.

Eram quatro os oficiais que ocupavam o cargo de lentes. Mais tarde, em 3o de dezembro de 1793, transmitiu o aproveitamento dos alunos daquela aula por ele criada e remeteu as relaçöes enviadas pelo diretonfi Pizarro e Araújo referem ainda, durante o governo do conde de Resende, a promoção do es«

tudo d.a tatica elementar de Infantaria, do método de construir e delinear “toda a qualidade de redutos, fortes de campanlia, e outras manobras de natureza semelhante, sem auxilio de engenheiros, nem dependencia de instrumentos, principalmente matemáticos".§ Tais palavras parecem indicar que, além da Academia Militar com u.m curso mais formal, haveiia uma formaçâo mais simplificada para aqueles que pertenciam à Infantaria.

Quando Teodoro Ferreira de Aguiar, doutor em Medicina pela Universidade de Leïden, foi nomeado cirurgião-mor do Hospital Militar do Río de janeiro, em 1300, foi igualmente nomeado professor régio de cirurgia com o ordenado máximo dos professores [192] régios, que era o de filosofia. Mas, como ele ainda iria permanecer em Lisboa por uns dois anos, dando líçöes de ci.n.irgia no novo Hospital da Marinha, só mais tarde as aulas no Rio de Ianeiro iriam ter inicio e só então ele receberia o soldo de cirurgião-mor e o ordenado de mestre ré[email protected]

O chanceler da Relação, Luis Beltrão de Gouveia de Almeida, que tinha enviado para Lisboa a tabela anual do rendimento do subsidio literario de r;¬'93 a ljgj, não pensou no aumento de ordenado dos meslres régios, nem na nomeagão de mais professores para a capitania. Representou a

D. Rodrigo, em julho de rSoo, que, como só se gasta*-a com eles 6 contos de réis, podia-se ap-oiar Manuel Dias de Oliveira, que fora pensionário do principe rqente em Roma durante oito anos, mas que tivera de sair da cidade quando esta fora ocupada pelos franceses. Encontrara-se então no Rio de Ianeiro, “aonde vive misera\'el.mente da sua arte para sustentar ofs pobríssimos pais que acliou vivos”. [email protected] dos “grandes conhecimentos" do artista e de sua moral podiam informar

seus condiscípulos em Roma e o intendente geral da Policia em Lisboa. Argumentou ainda junto do secretario de Estado: “E suposto que esta arte seja de luxo, V. Exa. não ignora a grande riqum que ela deiioou na Ita'lia, e quanto Rafael e outros a ilustraram”. Dias de Oliveira poderia receber 3005000 reis anuais com a obrigação de abrir e manter uma Academia. D. Rodrigo deve ter con-

oordado com o beneficio de uma Aula Regia de desenho e figura, e esta foi efetivamente criada por carta regia de zo de novembro do mesmo ano, sendo nomeado para rege-la Manuel Días de Oliveira. Seu ordenado seria igual ao do professor de Filosofiaë Quem seria a clientela dessa aula? Os artesãos do Rio de Ianeiro, incluindo pintores de paisagem e miniaturistas? Não foi encontrada nenhuma documentação a esse respeito, nem sobre a manutençäo dessa aula até a

chegada da corte.

[1931 Bolsas de estudo D. Rodrigo de Sousa Ooutjnho era prócligo em ideias acerca do deserivolvimento do Brasil e,

verdade seja dita, esforçava-se para polas em prática. Algumas se efetitaram, outras ficaram no papel. No entanto, mesmo estas se tomam relevantes para a compreensão do que era u.rna política colonial ilustrada. Pretenden ele, em finais de rj,'9S, fazer treinar em Portugal jovens que iriam aprender a traçar os mapas gerais das comarcas e também, em mapas mais especificos, a representar a exten-

são das sesmarias de maneira a evitar os constantes litigios acerca de territorios dados “ou \1surpados com medidas arbitrarias e iricertas”. Também se fazia sentir a falta no Brasil de “hidráulicos para a condução de aguas para o estabelecimento de canais e de máquinas tão úteis ã cultura e às artes”. Faltavam igualmente médicos e cirurgiöes. Por essas razôes, propunha ele às cârnaras que,

proporcionalmente a suas rendas, estabelecessem “pensöes” para os jovens poderem ir estudar na Universidade de Coimbra ou na Academia da §~'Ia.rinlia de Lisboa. Quando estivessem formados e regressassem ao Brasil, outros tomariarn o seu lugar em Portugal. Como sabia perfeitamente que as cårnaras não dispunham de rendas suficientes para pagar essas pensöes, ou bolsas de estudo, aconselhava o vice-rei a permitir que elas lançassem fintas, as

“mais convenientes e menos onerosas”, para por em prática tal projeto. Nas instruçöes a D. Fernando Iosé de Portugal, em 1800, recomendou um exame das rendas das cámaras, a fim de que tivessem u.ma aplicação útil aos moradores, “mandando ao Reino alguns alunos que venham instruir-se para depois voltarern a exercer, nessa capitania, os empregos de médicos, contadores, hidráulicos etc.".§ Não ha noticia de que esse projeto tenlia se concretizado. 1 Andrade, A rqƒiimm pornlmiina dos cstudos secwidários, p.176-7.

g Ibid., p.443. 3 Ibid., p.§c>o. 4 Ibid., p.534. 5 Ibid., p.S4-g. Q Ibid., p.g0-2.

1 Ibid., p.92-5. § AHU, Rio de Ianeiro, Caixa 14;', doc.rr565. 9 Higgs, “Inirnigos de Deus e amigos de Sua Majestade no Brasil nos anos 1790”, Rwista da SBPH (Curitiba), p.rj-'. Q Ver Autos da dri'assa..., p.315-9.

g Ibid., p.229-35. g AI-IU, Rio de Ianeiro, Caixa 131, doc.r324;'.

¡3 AHU, Cod.5j'4¬ fls.r34v-185.

¡4 AHI, Rio de Ianeiro, Caixa 180, doc.r3r4;. 15 RII-IGB, “Correspondencia da Corte de Portugal com o Brasil, rjgo-1794”, 11.37, p.27-31. rfi Veloso, Flora documentos, p.207-S. ¡j-_ Al-IL', Codjjj, fl.zr6v.

¡E AHU, Cofi573, fls.223-223\†. ¡9 AHU, Cod.573, fls.266v-267. gg Ver Silva, História de São Paulo |:o1c|nta.i,p.216. 2; AHU, Cod_574, fl.r55v. 22 AHU, Rio de Ianeiro, Caixa 130, doc.r3r9g.

gg AHU, Rio de Ianeiro, Caixa 133, doc.r3364. 24 AHU, Rio de Ianeiro, Cod.574, fls.rG5v-167. gg IHGB, _M%s., Lata 5, pasta 4. gfi Arquivo Nacional, Oficios dos vice-reis do Brasil, p.212-3; AHU, Rio de Ianeiro, Caixa 181

doc.r5239. 2; Araújo, Mmiórias históricas do Rio dsjaneíro, t.5, p.r9o-1. ¡E Ibid., p.r9r-2. gg BNRI, Mss., 22,133. 39 Arquivo Nacional,

dos vias-reis do Brasil, p.rj4, I;-'3 e rgå.

3; Araújo, op. cit., L5, p.228. 3; AHU, Cod.5,r5, fl.r5o. 33, Al-IU, Rio de Ianeiro, Caixa 183, doc.r33G4; AHU, Cod.575, fl.r59. 34, AHU, Cor/1.514, fls.6ov-61 e Gzv-G3.

[1951 6 Novos tempos

A Sociedade Literária Poder-se-ia pensar que a nova agremiaçao cultural, estabelecida em 1736, durante o vicereinado de Luis de Vasconcelos e Sousa, se destinava apenas a oongregar aqueles que “pelas suas luzes" pudessem contribuir para o avanço das ciencias, como estabeleciam os estatutos.1 Mas o

próprio nome por que ficou conhecida, Sociedade Literaria, indica ter sido essa associação mais ampla do que a que existira no tempo do vice-rei Lavradio. Ao lado das Matemáticas, da Medicina, da Cirurgia, da História Natural, da Física e da Química surgiam agora a História, a Geografia e as Belas Letras, pois se considerava “muito conveniente” a eidsténcia de debates sobre “assuntos gerais”, além das questöes próprias [196] das ciencias especificas.E Foi precisamente o caráter

“literario” e não exclusivamente “cientifico” da nova sociedade que, mais tarde, tomou-a suspeita aos ollios das autoridades. A criação da Sociedade Literaria suscitou o entusiasmo de Vicente Coelho de Seabra da Silva

Teles, um natural de Minas Gerais, formado em Filosofia na Universidade de Coimbra, onde foi, depois, nomeado lente substituto. Dedicou-lhe sua obra publicada em 1738, Einflentos de Qaímica

qflererridos a Sociedade Literaria do Rio de janeiro para uso do seu curso de Química. Leem-se as seguintes palavras em sua dedicatória: “A quem poderia eu melhor dedicar este meu compendio de Quimica do que a um.a corporação de patriotas iluminados, que se desiinam, unindo em um

só corpo as suas forças dispersas, servir ao seu rei instruindo a sua pátriaì”. E, mais adiante, salientou a utilidade de sua obra para os membros da Sociedade Literaria: Eu espero que rós, ilustres compatriotas, pretendendo cultivar esta dencia e efnsina-la `a mocidade, me agradecereis esta mostra de zelo e de amour do meu país; e que tanto menos de-

sprezareis o meu pequeno trabalho, quanto talvez sejam nenhum os bons compendios de Quimica que até hoj e tenham saido à luz por toda a Europa literata. Os estatutos da Sociedade foram escritos por Manuel Inácio da Silva Alvarenga e encadernados “com capa azul de pano ou nião", e alguns sócios tirararn cópias deles. Intitulavam-se Es-

tatutos do Sociedade Literaria do Rio dejanciro, cstabelecida no ano do gm-emo do flustríssinw e ExceIentfssimo Smhor I.:-us de Vasooiwcios c Sousa, vice-mi do Estado - 1786, Os membros deveriam reunir-se. em casa própría, todas as quintas-feiras à noite, das zoh às 22h, e procurariam formar um museu, um gabinete de máquinas e urna biblioteca para o uso de [197] todos. Durante as sessoes, competia ao presidente “irrrpor decentemente o silencio às controvérsias” que ocorressem em detrimento da “instrução dos sócios”.§

Embora todos gozassem de uma “discreta liberdade no seu modo de pensar e escrever", dois temas estavam proscritos das sessöes: religião e política. Determinava o #30 dos estatutos:

Deve a Sociedade ímpor-se e observar o mais escrupuloso silencio sobre todos os assuntos, assim por lição como por escritos, sobre matérias pertencentes à réligião cristã, direta ou indiretamente. Quando, porém, alguin argumento filosófico se complique, de modo que se veja indispensavelmente obrigado a falar daquelas, o fará com todo o respeito devido a tao

relevante objeto, senindo-se da linguagern de um filósofo cristão. O parágrafo seguinte proibia qualquer disputa sobre a constituição políti.ca da nação, “por serem as matérias de governo inteiramente alheias do nosso plano". Os estatutos da Sociedade Literaria procuravam, assirn, garantir perante o vice-rei e o govemo de Lisboa o caráter inócuo de

suas sessöes. No Discurso em que se mostra o ƒim para que fiai estaäelecida a Sociedad: Literaria do Rio de ]aneiro, reconhece-se que do seio das academias tinliam “saido os maiores progressos e resultado o maior adiantamento das ciencias". Quando essas palavras foram escritas, em 1787, eram já con-

hecidos, no Brasil, os trabalhos da Academia Real das Ciências de Lisboa, à qual é feita menção no discurso, bem como à “perfeita reforma dos estudos", numa clara alusão à Universidade de Coimbra refonnadad Talvez seja bom lembrar aqui que a Academia da Corte também incluía urna classe de Belas Letras, o que poderia significar a importação no [198] Rio de ]aneiro de um novo modelo academico ao mesmo tempo literario e científico.

Nesse discurso de 1737, é apresentado um sumario do que fora realizado pela Sociedade Literaria no curto período de um ano, desde a sua criação, sendo ainda mencionados os principais projetos em cu.rso, entre os quais se incluía u.rn relacionado com a saúde pública: “se projetou tratar das epidemias e moléstias endémicas do país como objeto da primeira necessídade". Mas, em vez de se dedicarem ao estudo local com observaçöes sobre o Rio de ]aneiro, resolverarn os só-

cios traduzìr do inglés um texto com as observaçöes de Caligome sobre as moléstias da ilha Minorca, que pouco teriam em comum com as enfermidades dos cariocas. Um segundo projeto relacionava-se com “a descrição fisica e econòmica., ou a història natural e politica do nosso pais , à semelliança do que se fazia em Lisboa na Academia Real das Ciências. I-lá de se notar o sentido restrito que tinha, no século XVIII, a palavra paú', que significava apenas

regiäo. Os propósitos dos socios eram ambiciosos, uma vez que a descrição fisim incluía: situacão geográfica do clima, demarcação e limites do terreno cuja història se empreende, aguas, mar, rios, diversidade de fontes, descrição astronómica de meteoros, temperatura da

atmosfera, variedade de estacöes, observaçöes médicas reguladas pela meteorologia pelo que respeita às agudas pelo menos as estacionárías, descriçao dos trés reinos da natureza etc. A segunda parte do projeto não era menos abrangente, uma vez que a chamada descrição económica englobara a història da população, a série dos govemadores, as instituiçôes, a

agricultura, o oomércio, as letras, as anrias. Entre os projetos e as realmçöes, a distancia foi grande, talvez porque a Sociedade Literaria, ao contrario da anterior Academia Científica, não cotngregava homens de ciencia em número suficiente para se obterern resultados concretos. Sabemos [199] apenas que, depois de ter sido lida,

em 30 de novembro de r736, uma memoria sobre o eclipse total da lua, foi apresentada uma outra memoria sobre o eclipse que efetivarnente ocorreu em 3 de fevereiro de 1737, com as observaçöes realmdas no decorrer do fenomeno, o que nunca fora feito, ou, como dizia o presidente, “se as houve, jazem sepultadas no esquecimento". Alem dessa atividade, foi possivel determinar “a ver-

dadeíra longitude do Rio de ]aneiro”, dado que era “defeituosa” aquela que o abade La Caille medira em 1751. Nessa área científica, foi excepcionalmente prolifico Bento Sanches de Orta, que iiu seus textos publicados pela Academia Real das Ciencias de Lisboa, da qual era socio correspondente: Olsscrvaçôes

na cidade do Rio de janeiro [1781-1785); Olssmaaçöes astronómicas

feitas (1731-1783) junto ao Castelo da cidade do Rio dejarieiro para determinar a latitude e imrgitude da dita cidade; Olisenugoes astronómicas e 1me¢[email protected]

na mesma cidade em 1784 e 1785,

repetidas depois em 1736 e 1787. Francisco de Oliveira Barbosa também atuou com observaçöes realimdas de 1732 a 1737, “corn um oculo acromatioo de 3% pés", continuadas de 1788 a rjgo, com a noticia do eclipse da lua de 1790, também publicadas pela mesma Academia.

Do eclipse da lua e da medíção da longitude, passaram os socios à area médica, com o estudo das frìcçöes, tão em voga na Antiguidade e tão esqueciclas na prática da §~'Iedicina no século XVIII. A memória consagrada a esse terria, além de mostrar em que circunstancias eram indica.das as fricçöes, salientava “o fiuto que do seu uso podia resultar aos habitantes desta cidade”. Antonio de

Morais Silva definía fricção como “esfregação, untura, por exemplo, com unguento de azougue, com escova”. Em 22 de marco de 1787, foram apresentadas mais duas memorias, urna sobre “o :alor da terra fisicamente considerado”, e outra sobre “o fogo central”. A primeira, escrita depois de observaçoes feitas durante 0 mes de fevereiro, \1m dos meses mais quentes no Río de ]aneiro, rematava com reflemoes sobre os efeitos [zoo] do calor nos corpos humanos; a segunda discordava da teoria

de Buffon sobre a forrnação do Universo, embora reconhecesse ser esse um ponto “ainda indeciso em Fisica”. Em suas preocupaçöes com a saúde pública, pretendiarn os socios analisar as aguas do aque-

duto da Caríoca para conhecer “sua salubridade e os danos que podiam resultar do seu uso aos habitantes desta cidade". Como tal anãlise implicava o uso de um instrumento específico, foi consagrada u.rna memoria ao “areômetro ou pesa-licor”, acompanhada de uma estampa do mesmo, que foi lida na sessão de 15 de março de 1787, sendo assinada pelo “matematico ingenuo”. Esse texto foi enviado `a Academia Real das Ciencias de Lisboa, mas não foi publicado por ela, talvez

porque nenhuma contribuíção desse à Física, a nao ser alertar aqueles que se entrega'-'am a experiencias fisicas da necessidade de verificar seus instrumentos. Esses eram, em geral, muito mal construidos, porque os artesãos, “ou por ignorancia ou por ambição”, não os fabricavam com a devida atenção. Foi o que ocorreu com o areômetro de que o autor se servira em suas experiencias

com diversos fluidos (agua destilada, da fonte e da cistema; '-inho, vinagre; azeite; aguardente de varias qualidades etc.}, que se revelara mal construído. Finaliza dizendo que areômetros “perfeitissimos" se encontravain ã venda em Paris, em casa de Beaurné, socio da Academia das Cien-

cias de Paris e da Academia de Medicina de .\ïad.ri.§ Ocuparam-se ainda os membros da Sociedade Literaria com as aguas minerais, a extração da tinta do urucu e os danos ou proveitos resultantes do uso da aguardente e de licores espirituosos. Ao descrever os traballios da Soniedade Literaria durante o seu primeiro ano de funcionamento, seu presidente tinha plena consciencia do carater desconaio de tal conjunto de memorias, mas concluía com urna nota otimista: “tempo vira em que estes fragmentos, que agora se acham divididos, se ajuntem e unam [201] em um corpo regular”. E não deixava de salientar que o espririto

que reinava naquela Sociedade era de “um amor sincero pela verdade”. Nessa linha de pensamento, ela estava aberta a todo bom patriota que quisesse ser útil a hunianidade “por meio da cultura das ciencias e das artes”. Inserida nos manuscritos da Coleção Pombalina da Bfbliotem Nacional de Lisboa, encontra-se a Memoria sobre aprodução

artificial. Lida nas sessöes de 5 e 19 dejulho de 1737 na Sociedade

.Literaria do Rio d-:]aneiro pelo seu socio Bento Sand-ies de OrLa.§ Dirigindo-se aos demais membros que o escutavani, estudiosos da Fisica, da Quimica e da Historia Natural, o autor pedia s\1a colaboração para ava.liarem seu trabalho e deterrninarem se ele realizara suas experiencias com aquela

cautela necessaria para serem validas. Além disso, pretendía mostrar a utilidade de seu estudo: O meu primeiro projeto foi de combinar e determinar as quantidades e as qualidades dos sais para cbegar a conseguir o fim de produzir o maior grau de fiio artificial que fosse pos-

sível e proprio, tanto na comodidade como na facilidade de resfriar os licores que quisermos beber, visto estarmos em um país onde é impossível haver neve natural. Numa cidade quente como o Rio de ]aneiro, ninguém duvidava de que as conclusôes de seu estudo fossem úteis.

Esclarecía que tal pesquisa lhe fora encomendada, mas sem dizer por quem. Talvez pelo proprio \ice-rei Vasconcelos: “Não foi curiosidade nem lembrança minha, fui maridado fazer estas indagaçoes em janeiro de 1734”. E, quase no fim da memoria, escreveu acerca dos projetos futuros: “Eu tenlio tenção de entrar nestas indagaçöes, conservando-me 0 céu a vida quieta e

sossegada que agora gozo”. [zoz] Dividiu sua apresentação em duas partes. Na primeira, mostrava o fiio artificial pro› duzido pela dissolução de sais; na segunda, 0 frio produzido pela evaporação de liquidos. Por suas leituras de alguns físicos e quimicos como Boyle, Baurné e outros, e não apenas por suas ex'per~

iencias, sabia ser o sal amoniaco o que produzia o maior grau de frio, mas ele experimentou outros sais também. Usou como dissolvente água da fonte da Carioca e um termómetro Fahrenheit para medir as temperaturas que ia alcançando. “A dose de agua sempre foi a mesma em todas as experiencias. Os sais sempre foram bem moidos, pois como 0 maior ou menor grau de frio de-

pende da l:|re\-idade da dissolução dos sais, é bem certo que estes devem-se pulverizar ímpalpavelmente”. Foram 24 as experiencias feitas, com os resultados apresentadas numa tabela. Chegou à conclusão de que a mistura do sal amoniaco com o nitro é que produzia o frio maior e, portanto, era dela que se devia usar. Mas advertiu acerca da necessidade de baratear os custos da operação: “custando muito os sais nesta cidade, quase que vinha a ficar l:›a.ld.ado o meu

trabalho para a maior parte dos seus habitantes, que pelos grandes calores desejassem refiescar-se por este meio”. Ensínou, em seguida, a maneira de se reutilizarem os sais usados, reduzindo, assim., o custo do processo a urna “bem módica despesa”. Na segunda parte da memoria, tratou da produção do frio pela evaporação. “A propriedade que os fluidos tem de produzir gande grau de frio quando chegarn a vaporar-se é conhecida ha

muito tempo dos povos orientais.” E talvez os marinheiros holandeses tìvessem aprendido com os asiáticos “a pendurarem entre as velas dos navíos garrafas cheías de \-'lnho ernbrulhadas em panos molhados, para com este ar|:ìficio poderem sempre ter vìnho muito fifesco, como pratícam atualmente”. Mas os fisicos europeus finharn desprezado durante muito tempo essa pnodução de

frio pela evaporação de fluidos. “Parece que só é bem oonhecido entre eles ha menos de tinta anos.” [2.o3] Realizou 2;' experiencias com diversos fluidos e concluiu ser mais apropriado o éter vitriólico. Nesse ponto, Sanches de Orta resolveu dissertar um pouco sobre o papel da experiència no oonhecimento.

Eis aqui um dos casos que o fisico encontra fiequentemente. Os fenómenos, sim, lhe são conhecidos, porém a explicação é urn misterio. E o único remédio que podemos her é recorrer às experiencias e multiplicando-lhe 0 número. A observação é fiel condutora e seguríssima guia, que não larga todo aquele que se lhe confia sem preocupação, e o sustenta pelo braço

para que não vá precipítar-se em o abismo de probabilidades. Sanches de Orta nao deixou de, no'-¬arnente, acentuar a utilidade de suas pesquisas: É bastante agradável o poder, pelos grandes calores que aq_ui sofiemofs, refrescar as

bebidas com bem pouco trabalho e muita economia, usando a vaporacão da agua da Carioca destilada para este efeito, pois já vos disse que ela me deu 8°C de fi'io, molhando nela um pano de lã e nele embrulbando a garrafa que contém a bebida, e expo-la neste estado à corrente do ar.

Quando esse não circulasse, usar-se-ia urn fole para o mesmo efeito. A essa Sociedade pertenceu também Iacinto Iosé da Silva, registrado em rfiå, na Faculdade de Medicina de Montpellier, como Iacinto Iosé da Silva Quintão. Formou-se em janeiro de I;-'73 com uma tese sobre a tisica pulmonar. Também era membro dela o professor de gramática latina

]oão Manso Pereira, naturalista encarregado, mais tarde, de varios estudos mineralógicos por D. Rodrigo de Sousa Coutinho. Contudo, a presença desses homens de ciencia não bastou para garantir fama científica à Sociedade Literaria. Quando foi suprimida pelo conde de Resende, [zo4] ela se lhe afigurava certamente como m\1ito mais literaria do que científica.

0 médico Iacinto [osé da Silva, preso na fortalem da Gonceiçåo, ao ser interrogado pelo desembargador Cruz e Silva, infonnou que também fizera parte da sociedade que fora criada no tempo do vice-rei I.a\'radio, a quem se devera a cultura do anil e a propagação da cochonilha. Depois da partida daquele vice-rei, a sociedade esmorecera e fora renovada, depuis, pelo vice-rei Vasconcelos: “então se descobrira, pelos trabalhos da mesma sociedade, o alcali tirado dos engastes

das bananas, a extração da aguardente da raiz do sapé, o álcali do mangue e outros descobrimentos úteis ã sociedade e ao comércio”. Novamente, decaíra quando Luis de Vasconcelos e Sousa deixara o governo, e renascafa no tempo do vice-rei Resende. Mas durara pouco tempo:

quatro meses apenasl Desse modo, o médico via uma continuidade entre a Academia Cientifica (embora nunca use o termo academia] e a Sociedade que lhe sucedera., esforçando-se para pör em

evidencia seu mráter científico. Preso igualmente na fortaleza da Conceição, Manuel Inácio da Silva Alvarenga, quando interrogado em r;'95, fez igualmente um retrospeto da Sociedade Literaria. Quando governava o 'ricerei Luis de Vasconcelos e Sousa, “debaimo da sua proteção” principiara uma sociedade de gentes

de letras, composta principalmente por professores de Medicina, “na qual se tratava sobre varios objetos cientifioos". Com a partida do vice-rei, “esmorecera e acabara botalrnente” aquela sociedade. O vice-rei conde de Resende falara com ele no sentido de a restabelecer, e ele convocara os sócios, “fazendo-se em s\1a casa algumas conferencias”. Mas, devido a “uma desordem entre dois dos seus sócios”, o vice-rei determinara a sua extinçãoå Em momento alguin esclareceu o que fora essa desordem, nem revelou quais tinharn sido os sócios envolvidos. [205] Alias, con›

hecem-se muito menos nomes dos que frequentavam essa sociedade do que daqueles que participavarn da Academia Científica do tempo do marques do Iavradio. Foi›lhe perguntado qual era a finalidade daquela sociedade, se era só a avanço do

conhecimento, ou se também se preocupava com “a felicídade pública”. Em outras palavras, se era predominantemente cient|'.fica ou se discutía questöes políticas. Habilmente, Silva Alvareriga trocou a expressão “felicidade pública” por “interesse público”, para afirmar que, “sendo a maior parte dos seus sócios médicos", as conferencias se destinavam a urn melhor tratamento dos enfermos e a um maior conhecimento da n.atureza.2

Segundo Silva Alvarenga, o objetivo da Sociedade Literaria era “não esquecerem os seus sócios as matérias que em outros países haviam aprendido” e regulava-se por estatutos aprovados pelo vice-rei, sendo, portanto, perfeitamente legal. No interrogatorio seguinte, contudo, confessou

que a aprovação para seu funcionarnento fora dada apenas verbalmente, não havendo, portanto, nenhum documento que a comprovasse. Entre os papéis apreendidos de Sil\a Alvarenga, foram encontrados uns apontamentos referentes a uma Sociedade, cujo objeto principal seria a filosofia “em toda a sua extensão", ou seja, não se trataría apenas de filosofia natural e seria discutido tudo quanto pudesse ser interessante.

Visava, logo, a Lun amplo campo de interesses, e a eiúgencia de segredo muito perturbou as autoridades, pois o segredo aparecia sempre ligado às sociedades maçônicas. Por outro lado, deve ter intrigado o desembargador Antönio Diniz da Cruz e Silva o fato de as memorias apresentadas por aqueles sócios deverem ser guardadas num cofre e também a deterrninação de seus autores não poderem revelar seu conteúdo, “exceto quando a mesma Sociedade julgue que se deve por em [206] prática por utilidade pública”, exigencia que era totalmente contraria ao preconizado por

urna sociedade cientifica. Também chamou a atenção nos ap-ontamentos o termo democrático na seguinte passagem: “Não deve haver superioridade alguma nesta Sociedade, e será

igualmente por modo

democrático”. Da democracia entre os socios à defesa de um gooemo democrático, foi um simples passo dado sem hesitar pelo desembargador encarregado da devassa. Defendeu-se Silva Alvarenga afirmando que aquele rascunho era muito anügo e que, nessa época, o termo democrático “não causava o horror que hoje deve causar”. É provável que esses apontamentos se destinassem a elaborar uns novos estatutos quando o conde de Resende parecia interessado em renovar a So-

ciedade Literaria. Pretendia-se, nesse projeto, a abolição do presidente, que existia na anüga sociedade. Mas Silva Alvarenga negou que, no momento da renovação da Sociedade Literaria, se tivesse cogitado em reformar os estatutos ou formar outros no\-'os.¶ Afirrnou ainda Silva Alvarenga que, extinta a sociedade, nunca mais se realizararn em sua

casa conferencias, mas que alguns amigos (Ioão Marques Pinto, professor regio de grego, o co Iacinto Iosé da Silva e Mariano Jose Pereira da Fonseca] se reuniam ali “para passar o tempo em conversação agradável”. O tema dessas conversas não era previamente definido e só se clava preferencia à conversa "jo\'ial". Negou que tratassem de assuntos de religiao ou que discutissem o estado politico da Europa.H

Mais jovem e mais inocente, com apenas 22 anos, Mariano Iose Pereira da Fonseca, deu a entender que a Sociedade Literaria renascera e fiincionara. Como a dita sociedade não era “coisa criminosa”, ele próprio e outros individuos pretenderam faze-la surgir de novo, “concorrendo para as despesas necessãrias”. Assim, com efeito, se restabelecera a Sociedade Literaria, “sendo os [207] membros dela alguns professores de Medicina e outras pessoas instruidas, como erarn Iosé

Caetano de Araújo e os professores de grarnãtica latina, de grego e de retórica". Mu.ito naturalmente, o desembargador Cruz e Silva perguntou se a Sociedade renascida fora aprovada pelo vice-rei e se tinha estatutos. Quanto a esse últi.mo ponto, foi fácil responder: tínharn

sido apresentados os estatutos antigos ao conde de Resende, que “os tornara a entregar, vindo por esta forma a não os aprovar nem desaprovar”. Quanto ao restabelecimento da Sociedade Literaria, o socio [osé Caetano de Araújo encarregara-se de o comunicar ao vice-rei, o qual lhe respondera: “ainda que a Sociedade não quisera ter a sua proteçâo, ele, pela sua parte, se não queria opor aos seus progressos".

Foi o jovern Mariano, contudo, o mais hábil ao acentuar a faceta cientifica da Sociedade Literaria renovada: a principal área era a Medicina e cultivavam-se também alguns ramos da Filosofia como a fisica, a història natu.ral e a química. Mas, apesar disso, confirmou que ela só durara cerca de cinco semanas (o médico Iacinto díssera quatro meses] e tinha sido mandada encerrar pelo vice-rei, “dando por motivo urna disputa que tinha havido entre dois dos sôcios sobre um objeto de Medicina”.2

Noticias da França revolucionaria Em dezembro de 1791, o governo ern Lisboa era alertado para o fato de o clube denominado Cercle Social ter proposto urna subscrição para enviar um na\io em busca de La Perouse. A

Assembleia Nacional parecia autorizar essa expedição, que provavelmente não passava de um pretexto “para introduzir nas colônias estrangeiras o mesmo espirito de liberdade que reina neste país [França] e dividir as forças dos soberanos do 1\'ovo Mundo, abusando do [208] asilo que se costurna dar em semelhantes ocasiöes”. Uma outra inforrnação relevante era passada: “E certo que este navío deve tocar o Rio de ]aneiro e a Bahia; que a Constituição está traduzida em por-

tugues e espanhol; e que varias pessoas que embarcam como naturalistas se aplicam ao estudo dessas linguas, tendo comprado para o efeito os livros necessários”.E Logo, em zr de fevereiro de 1792, Martinho de Melo e Castro preveniu o conde de Resende acerca das uiutelas a tomar com os navios franceses que, por alguma razão, aportassem ao Rio de

]aneiro. Embora o secretario de Estado não tivesse a certeza de que os clubes franceses procurassem “propagar os abomináveis e destrutivos principios de liberdade e de igualdade”, o certo era que eles tinham reduzido a França a “urna horrorosa anarquia” elevado, no curto espaço de tres anos, "uma nação tão opulenta e poderosa ao últìrno estado de decadencia e ruina”. Com a propagação dos principios revolucionarios, tinharn os clubes ateado, nas colönias

francesas, “o fogo da revolta e da insurreição, fazendo levantar os escravos contra os seus senhores e excitando, na parte francesa da ilha de S. Domingos, u.ma guerra civil entre uns e outros, em que se cometerarn as mais atrozes crueldades que jarnais se praticaram., nem ainda entre as naçôes mais bárbaras e ferozes". Tinharn também os clubes procurado propagar esse incendio pelos Estados da Europa,

servindo-se para isso “já de emissários pagos pelos mesmos clubes, já de escritos sediciosos e revolucionarios”. Por essa razão, era importante qu.e o '-ice-rei '-igiasse cuidadosamente para prevenir “todos os meios de sedução" que se pudessem tentar “para introduzir e propagar nessa colônia as perniciosas maxirnas e abominável doutrina que tem causado os larnentáveis estragos”. Era, por-

tanto, de recear que os navios franceses que aportassern ao Rio de ]aneiro lemssem emissários para [209] a propagação dos principios revolucionarios, e, assim, o vice-rei deveria evitar “qual-

quer oomunicação entre os habitantes desse governo, e os passageiros, equipagens e todas as mais pessoas em geral” que \iajassem a bordo desses navíos. Só nurna “forçosa arribada” lhes seria permitido entrar no porto, e mesmo assim por pouco tempo. Também era preciso desconfiar

de qualquer frances que chegasse ao Rio de ]aneiro, mesmo que tivesse viajado em navío português. Mal desembarcasse, seria preso e enviado para Lisboa. Recomendava ainda todas as precauçöes no caso de o nawio La Dzligent, capitaneado por Du Petit Thouars, pretender entrar em qualquer porto da capitaniaä

Com essas recomendaçöes de Lisboa, não deixou o vice-rei de desconfiar das assembleias particulares e reuniöes de amigos e de literatos em que se discutiam os mais variados temas, que podiam também incluir a situação da Franca. josé Bernardo da Silveira Frade denunciou, em 1794, que, naqueles “conventiculos”, se liam vários textos, mas que ele não sabia se eram tirados de

gazetas: eram escritos “em folha de papel e na lingua francesa, aonde se falava da revolução da França, e havia varios discursos sobre a liberdade".§ Na docu.mentação inquisitorial desse periodo, e muito raro encontrar, nas denuncias e nos interrogatorios, menção ao que se passava na França revolucionaria. Só um escrevente da Camara

Eclesiástica desaconselhara o jovem estudante Luis Gonçalves dos Santos de frequentar as palestras na botica de Jose Luís Mendes por lhe constar que ali “conversavam a respeito das guerras da França", comentando as gazetas que vinham de Lisboa.§ E na devassa de rjg4 que transparecem as reaçôes às notícias trazidas pelas gazetas acerca da guerra na Europa e da situação na França. [210] Em Portugal, já tivera inicio a publicação de obras sobre o assunto como Rzvolupão e csiado atual da França., que saiu em Lisboa em rjrgg, na oficina de Simão Tadeu Ferreira. Não traz nome de autor nem de tradutor. No prólogo, é dito que o objetivo da obra era “dar uma ideia da revolução da França e dos seus principais acontecimentos recopilados e traduzidos de diferentes papéis”. Esse trabalho destinava-se sobretudo aqueles que não dominavam as línguas es-

trangeiras, mas também aos demais, “por lhes poupar o enfado de urna imensa leitura, dandolhes aqui como em compendio e seguidamente a història de uma revolução, cujo conhecimento interessa todos os povvos da terra, para poderem precaver-se de outras semelhantes desgraças". Termina com a morte de Luis XVI e apresenta muitos documentos em torno dos principais even-

tos. Em 29 de dezembro de r}'94, o vice-rei comunicava para Lisboa: “Cuidei eficazmente em um exame escrupulosissimo, ainda que oculto, sobre os juizos que se formassem do sistema atual da França, não só quanto à liberdade, mas também do desprezo com que os mesmos franceses tem tratado a verdadeira religião".2

0 conde de Resende mandara efetivamente inquirir sobre as pessoas que, por ocasião da revolução dos franceses, se atre\iam pública e particulannente a louvar a mesma rebelião e a espalhar doutrinas suscetiveis de perverter o povo do Rio de ]aneiro. Se as pessoas falavarn é porque as noticias, de uma maneira ou de outra, chegavam por via escrita e também por conversas com a

marinhagem das numerosas embarcaçöes estrangeiras que, para fazer aguada ou reparos, aportavam na cidade. Mais tarde, Baltazar da Silva Lisboa criticou o conde de Resende, seu especial desafeto, por ter considerado como traidores homens de letras, “classificando por crime de alta traição a lição dos correios da Europa, e até das gazetas”.§ [zu] Que gazetas eram vendidas ou emprestadas no Rio de ]aneiro? Seria apenas a Gazeta de

Lisboa. ou seriam lidos outros periódicos europeus, sobretudo os ingleses, trazidos pelos oficiais das embarcaçöes que recebiam autorização do vice-rei para desembarcarem? Pelo depoimento de Silveira Frade, liam-se mesmo “gazetas vindas de França” e ele sabia, melhor do que pois também as lera: “suposto eram proibidas, sempre passavam”. Manuel Inácio da Silva Alvarenga foi acusado de ter em casa alguns Mercure publicados na França, mas respondeu que os

obtìvera de um ingles que passara pelo Rio de ]aneiro a caminho da Baia Botánica (Botany Bay] no ano de 1194. Os Cm/míos dc Londrcs eram fiequentemente citados como fonte de informação não proibida, apesar de estarem em frances, ao contrario do Corroio da Europa, escrito em inglês e “clandestino e proibido”.§

Havia quem afirmasse que o médico Iacinto Iosé da Silva recebia de Portugal cartas que lhe contavarn as novidades de França melhor do que as gazetas, isto é, os números da Gazeta de Lisboa. Uma carta escrita de Lisboa, em maio de I;-'92, pelo médico Manuel josé Novais de Almeida foi anexada aos autos da devassa e revelava a preocupação do amigo lisboeta pelo amigo do Rio

de ]aneiro: “'Vede se vos podeis conservar neutro, que é o melhor”. Isso porque o que se passava no continente europeu certamente teria repercussöes na América: “L-X fermentação é geral em toda a Europa, e a concussão se sentirá certamente em um e outro hemisferio”. As noticias sobre a guerra eram, contudo, escassas: “A França, já desesperada, dedarou a guerra ao imperio austriaco. Suposto que ela tem 400 mil homens nas fronteiras e 25 milhöes de habitantes, contudo tem contra si toda ou quase toda a Eu.ropa".E

Segundo o \ice-rei, alguns moradores do Rio de ]aneiro, perante as “atuais alteraçöes da Europa", atreviam-se a discutir [na] sobre o govemo dos Estados. As proposiçöes perigosas proferidas por essas pessoas seriam:

que os reis não são necessários; que os homens são livres e podem em todo o tempo reclamar sua liberdade; que as leis por que se governa a nação francesa são justas e que o mesmo que aquela nação praticou se devia praticar neste continente; que os franceses devíam vir conquistar esta cidade; que a sagrada escritura, assim como dá poder aos reis para castigar os vassalos, o dá aos vassalos para castigar os reisfl

Não ha dúvida de que as notícias dos acontecimentos na Europa, certamente mais escassas no Rio de ]aneiro do que em Lisboa, susm`tava.m comentarios e discussöes, distinguindo-se nitidamente na cidade dois blocos: os partidarios dos franceses, e aqueles que os criticavam. Conforme

o próprio desembargador encarregado da devassa reconhecia, era impossivel permanecer alheio ao que se passava na França. A revolução naquele pais era “um dos sucessos mais extraordinarios, não só da História modema, mas também da antiga”. E, portanto, “não haverá individuo algum que, pela sobredita razão, se não interesse a saber o que a respeito da mesma se passa”.H

A morte de Luís XVI, em 1793, foi certamente o evento mais comentado nas rodas de conversa nos espaços públicos e em casas particulares. Um ourives opinou que “a morte do rei de Franca fora justa porque foi falso ao juramento que dera à assembleia e que se lhe acharam varios papéis para generais para entregar o reino”. Em outras palavras, Luis XVI morrera por sua

própria culpa, pois faltara à palavra dada e preferira entregar a França às tropas europeias. Os comentarios à mesma noticia iam variando de pessoa para pessoa. Um outro ourives, ao anunciar que estava [213] morto o rei de França, acrescentou: “Foi bem feitol”, explicando em seguida o porque: “O rei havia pedido uma assembleia e, depois, se arrependera de a haver pedido”, pois

lhe exigiram o juramento de observar as novas leis. O rei cometera perjúrio, por isso fora morto. Um entalhador também se rnanifestou sobre o assunto: “matar reis não era pecado, pois que eles recebiam o poder dos povvos”. E mais: “o rei que era tirano devra padecer na forca, assim como qualquer out:ro malfeitor, porque enquanto príncipes, o que desejavam era pör as carapuças na cabeça e, depois de reis, flagelavam e atropelavam o povo”.E Menos comentada foi a morte de

Maria Antonieta, embora alguns achassem que sua morte também fora justa, sem, contudo, serem apresentadas razöes para essa afimiação. A guerra contra a França era outro tema de conversa e foi atribuida a _\-'Ianuel Inácio da Silva Alvarenga a seguinte frase: “Ao meu parecer, os inimigjos ficam mal porque, se as potencias não desistirern, precisarn que eles rnorram de um em \1m para levarern a sua avante, pois eles pelejam

de sua casa”. O que significa que os franceses seriam dificilmente vencidos, urna vez que todo o povo estava em guerra, e não apenas os soldados. Por seu lado, Ioão da Silva Antunes afirrnara: “As guerras que os pri.r1cipes da Europa lhe tem posto não é por zelo da religião e só por dois interesses: o primeiro é livrarem-se que lhes não suceda o mesmo, e o segundo é como faz o

tesoureiro dos Ausentes e o escrivão, quando vão a casa de algum defunto, que cada um faz por furtar o que pode”. Evitar a propagação da revolução e pilhar os restos da França era, portanto, o que motivava as potencias europeias na guerra contra os revolucionarios. Havia no Rio de ]aneiro

quem se alegrasse “com açôes que os franceses conseguiam a seu favor” na luta contra as tropas europeias. E algumas pessoas chegavam a dizer que, “se as naçöes que se acbavam em guerra com os firanceses não conseguissem ex:t:ir1gui-los, dentro de 50 anos não haveria uma [214] testa coroada na Europa".1¿* Grandes disputas e brigas eclodiam entre os cariocas quando se comentavam os últimos episodios das lutas na Europa: uns ressaltava.m as vitórias dos aliados e outros

negawam essas noticias, afirmando que a gazeta [Gazeta de Lisboa) mentia e que as noticias particulares é que falavam a verdade. 0 comportamento violento da Assembleia francesa, que merecia criticas por parte de alguns, segundo outros não podia ser condenado por seus excessos oom a guilhotina: “aqueles a quem a Assembleia mandava justiçar era por serem traidores e não quererem observar as novas leis”. Ou seja, por serem “realistas” e não quererern “seguir aos republicanos”.§

Se é verdade que se comentavam os acontecimentos ocorridos na França, também é certo que, nas conversas, era muito rara a enunciacão de principios políticos. O máximo que se aventava era a exportação do modelo frances para outros paises. Antönio Gonçalves dos Santos, “por antonornãsia, o passageiro bonito”, discorria “com grande soltura de lingua e extraordinaria

paixão sobre a Revolução Francesa, louvando-a muito e dizendo que o mesmo se de\ia praticar nos demais reinos”. Foi o desembargador Cruz e Silva que, no decorrer da devassa, formulou de maneira mais coerente os motivos dos revolucionarios franceses: “o despotismo dos que governavam, a pretendida e quirnérica igualdade entre os hormens, o ódio da nobrem e do estado monacal”.§

E interessante observar que, em 1798, o conde de Resende pedíu para Lisboa exemplares da obra que, em Londres, fora traduzida para o portugues sobre a Revolução Francesa, o que demonstra como a alta adrninistração colonial queria estar informada sobre os acontecimentos da França para além das informacöes que as gazetas transrnitiam.¶ Pela correspondencia com D. Rodrigo, [215] sabemos tratar-se de Memirio británico, ou vwtícias históricas e críticas sobre os negócios atuais, por Mollet du Pan, traduádo em portugues, publicado em Londres em rjgg.

Locaìs de conversa Como escreiia o conde de Resende em junho de 1794, alguns habitantes do Rio de ]aneiro ousavam “não só em casas particulares, mas ainda nos lugares públicos dela, com a ocasião das

atuais alteraçöes da Europa, a altercar questöes sobre o govemo público dos Estados". Os locais de conversa eram variados, uns públicos, outros privados. Em relação aos primeiros, deparamos com “as escadas da igreja do hospicio”, o largo do Carmo, a praia de D. Manuel, onde se falava dos franceses “com pai:-zão”, o cais junto às bancas de peiioe, o chaiåriz do palacio, a botica do Agostinho na ma dos Ourives, a botica de “um Vitorino de tal, assistente na rua do Cano”.

A botica do Amarante era “casa de assembleia todas as noites. aonde se falava em toda a qualidade de governos e na religião”, e ali a conversa durava até a meia noite e, muitas vezes, até a uma da madrugada, embora a botica cerrasse suas portas ãs 22h. La dentro, a discussão continuava e conversava-se com toda liberdade sobre religião e governo e também “se decidiam todos os casos e

dúvidas". Â botica de ]osé Luis Mendes, defronte da capela do Carmo, dirigía-se o bacharel Mariano Iosé Pereira da Fonseca quando chegavam navios da Europa, lendo em voz alta o correio recebido. A loja de Manuel Iosé Bessa, relojoeiro, era igualmente local de conversa sobre a França. E foi junto da esquina “chamada dos Meirinhos” que um soldado afirmara, conversando com outro, que “os direitos de uma nação eram superiores aos de qualquer rei, porque a nação é que sustentava os direitos do rei, e não o rei, os direitos da nação"ë [216] Embora quase todas as conversas transcorressem em locais centrais do Rio de ]aneiro, encontramos, na devassa, o padre Francisco de Sousa Pinto, residente nas Cachoeiras de Macacu, sempre ansioso por saber no\idades de França e que defendía ser o novo gjoveino frances melhor do que o de Portugal, pois, de acordo com as suas leis, “os clérigos podiam casar" e, além disso,

“tinham estabelecido uma certa renda para os pobres”. Como teria o padre Sousa Pinto adquirido essas ideias acerca das novas leis francesas? Por leituras ou por conversas? E mais provável que, em tal lugar, fosse a comunicação oral a fazer circular algurnas ideias soltas acerca da novva legis-

lação da Françaë

Críticas à monarquía e ao govemo Considerava-se o governo de urn, como era na monarquía, inferior ao “govverno de muitos”, porque “sabiam mais urnas poucas de cabeças de que uma só”. Em geral, aqueles que, como o

ourives Antonio Gonçalves dos Santos, defendiarn ser o govemo das repúblicas melhor do que o rnonarquico não sabiam explicar o porqué. O sapateiro reinol Manuel de Araújo Lemos, conversando com Francisco Coelho Solano da Silva (preso posterion'nente], eontrapôs o direito divino dos reis a afirrnação deste que a causa da França era justa, porque não podiam tantos rnilhöes estarem sujeitos ao despotismo de um só: os monarcas “foram dados aos homens por Deus”, e

por estes lho terem pedido. Ele gostava de dissertar sobre as diferentes formas de govemo, mas, quando chegava ao democrático, interrompiarnlhe a falaë Nas reuniöes, ou assembleias, em casa de _\ïanuel Inácio da Silva Alvarenga, segundo Silveira

Frade, os participantes “faziam [217] odiosas as monarquías” e mostra\am “inelinação às repúblicas”. O professor régfo de grego Ioão Marques Pinto teria dito: “um rei fazia o que queria sem ninguém lhe ir à rnão, o que não devia ser, pois, logo que fizesse uma ìnjustiça, o devíam enforoar". A crítica à monarquía transformava-se por vezes em crítica ã nobreza, como se pode ver pelas palavras de u.m entalhadort “os fidalgos de Portugal todos eram ladröes e 0 rei também”, e nada mudaria “enquanto não chegassem as novas leis da França, pois que estas eram santas e

justas, fazendo os bens comuns e não admitindo fidalgos”. Iá outros reconheciarn que a rainha D. Maria I tinha feito um bom governo, mas que “quem a deitava a perder eram os fidalgos e os secretarios de Estadoïë Quando se tomou pública a prisão de Manuel Inácio da Silva Alvarenga, de Ioão Marques Pinto, do médico Iacinto Iosé da Silva e de Mariano Iosé Pereira da Fonseca, a explicação que cir›

culava na cidade era a de que os presos diziam publicamente que “os maus govemos se devíam sacudir e repelir”. E também que, se viesse ao Rio de ]aneiro uma armada francesa e arrasasse a terra., isso não constituía nen.l'1u.rnainju.s†jça, “pelo mau governo dela”. Surge, na devassa, a ideia de que, dentro em breve, “não havia de haver mais testas coroadas,

porque os povos iá tìnham aberto os olhos e conhecíam os seus direitos”. I-Iavia quem aventasse a hipótese de mudanças no Brasil: “vindo os mesmos franceses a esta cidade, as coisas se poriam mais direitas”. Isto porque “as leis dos franceses eram boas pela igualdade que íntroduziram entre os homens". Um marceneiro depôs: joão da Silva Antunes, que “se mostrava muito apaixonado pelos franceses", dizia a seus escravos que, “se a esta terra viessem os fianceses, eles

lhes haviam de dar alguma coisa”, o que o maroeneiro interpreftara como dando os franceses a liberdade à escravariaå

[218]

Saber francés IÁ o denunciante dos libertinos que conversavarn nas boticas desconfiara de u.m individuo

“depois de lhe ver andar aprendendo a lingua francesa”, dado que pensava mal de quem lia litros franceses ou aprendia aquela lingua na presente ocasião, ou seja, no contexto revo1uc'ionário.§ É certo que ao Rio de ]aneiro chegavam noticias da França através de gazetas ou escritos francesa, mas a maior parte da população carioca não dominava o idioma frances, e, portanto, tais textos eram comentados por quem fosse capaz de os ler, e alguns erarn mesmo traduzidos,

chegando a circular manuscritos. Mariano Iosé Pereira da Fonseca, “filho do defunto Biscoito”, um nqociante da cidade, era dos poucos que corriheciarn bem a lingua francesa, estando nesse idioma a maior parte das obras de sua biblioteca. Ele possuia "um livro das leis da Assembleia”, que emprestava a quem o

soubesse ler. Que este bacharel lia e falava bem francés consta do depoimento de Jacob Munier, natural de Lyon e morador do Rio de ]aneiro. Quando este entrara na botica defronte da capela dos terceiros do Carmo, onde conversavam um grupo de clérigos e outras pessoas, entre as quais o bacharel Mariano, logo este começara a falar com ele em francés e lhe perguntara se tinha visto u.m livro que acabara de chegar de Lisboa, Rzioiupão s estado atual da

5-'Iunier respondera

que aquele livro nada continha de diferente daquilo que se lia nas gazetas. E, então, Mariano lhe mostrara um li\'rinl'1o pequeno, escrito em francés e publicado em Genebra. Intitulava-se Im

stmçao da nwcidadejìunoesa. Aliás, Mariano ]osé Pereira da Fonseca parecía ser o mais informado sobre a situação europeia, pois levava para a botica de Iosé Luís Mendes “os correíos da Europa, dos quais lia alguns artigos”.§ Traduzindo-os, claro. [219] Mas não só a elite letrada dominava aquele idioma. Temos noticia de que um pardo es-

crevente, de nome Antônio Ioaquim, assistia às conversas na botica e era admitido em casa do Dr. Iosé de França “por saber bem francés"-E 0 conhecimento desse idioma tomara-se, portanto, a cliave de acesso às notícias diretamente vindas de França, mas não há menção, na devassa, aos

periódicos e folhetos ingleses comentando os acontecimentos, ou porque ainda menos pessoas liam o inglês, ou porque se tomavam menos interessantes por combaterem os republicanos franceses.

As duas facçöes: agressöes físicas e verbais No ardor das discussöes entre os partidarios dos franceses e aqueles que defendiam o status quo, ocorriam por vezes atos de violència fisica. Um certo joão de Almeida, revoltado com as

palavras de Antonio Gonçalves dos Santos, “deprirníndo e abatendo a nação portuguesa” ao mesmo tempo que apoiava a revolução da França, chegara ao extremo de “vir às mãos” com este. Quando o próprio Ioão de Alrneida testemunhou na devassa, reconheceu que, "`escandalizado, cliegara a dar-lhe com urna bengala que Irazia na mão”. Também o tomeiro Antonio Lopes “havia chegado aos narizes” de Ioão da Silva Antunes “por este ser contra a própria nação portuguesa”.

Um aprendiz de marceneiro contou que seu mestre, ao ouvir no adro da igreja alguns homens falarem da guerra de França de u.m modo que não l.he agradara, “estivera para lhes dar com um pau". Nurna troca de opiniöes, a favor dos franceses e contra eles, urn dos participantes se enfure-

ceu e descompös o partidario da França, e “estivera para o lançar ao rnarïë Outras vezes, a violencia era puramente verbal. Quando o pardo Veloso, que queria ir à França gour a sua liberdade, e o [220] pardo Iosé, criado do secretario do governo, discuüram,

este lhe disse que o caminho estava livre, mas o primeiro o descompós, "chamandolhe tolo e outros mais nomes".-"_7 Era impossível, no Rio de ]aneiro da década de 1790, urn discurso neutro e desapaixonado

sobre a França revolucionaria, como também era impossível a discussão de principios politicos, pois raros tinham feito quaisquer leituras sobre esses temas. A paixão domínava os partidarios dos franceses, bem como os defensores da monarquía, mas seu discurso era agressivo e Iruncado, caracteriïado por algumas ideias soltas mal alinhavadas.

Os artesãos e seu círculo de relaçöes; as reuniöes em casa de Silva Alvarenga O desembargador Cruz e Silva preocupou-se não só com as conversas em lugares públicos, mas também com aquilo que as pessoas conversavam no interior das habitaçöes ou das lojas e

oficinas. Ao interrogar o entalhador Francisco Antônio Lisboa, que se encontrava preso, quis saber que casas ele frequentava. 0 circulo de relaçöes do entalhador incluía um carpinteiro de seges, urn marceneiro e um torneiro, os quais visitava com frequëncia. Mas também comparecia à botica “de urn fulano

na rua do Sucusarara, e outra de um Vitorino na rua do Cano”.

Não hesitou em revelar, no interrogatorio, que, nas conversas mantidas naqueles locais, se

tratava algumas vezes do estado da Europa e da revolução dos franceses, mas negou que, nessas conversas, surgissem disputas ou partidos: “só dizia cada um as novidades que haviarn”. Ou seja, os eventos sobrepu.n.harn-se à sua interpretação. Como era próprio do ambiente artesanal, as piadas e as brincadeiras corriam soltas. Assim, ao se encontrar com o marceneiro _\-'Ianuel Pereira Landim, com quem tinha contas [221] a ajustar, pois ele era mau pagador, o entalhador, ao ouvi-lo

dizer que os franceses haviam de se matar uns aos outros na guilhotina, brincou: “que se ca se praticasse o mesmo não baveria tantos \¬el.hacos”. Como constava ao desembargador da devassa que o entalhador era um “acérrimo defensor dos franceses", foi inquirido sobre o que díssera a esse respeito. 5/las ele apenas respondeu que, se por vezes dizia bem dos fi^anceses, “era só por serem uns homens insignes nas ciencias e nas artes".E

Ao ser novamente interrogado, voltou a afirmar que, naquelas conversas com outros artesãos, só se expunham “os fatos que haviam acontecido”, sem que expressassem qualquer opinião sobre eles. Nunca se discutira o mau governo dos Estados da Europa, nem ele tinha “bastantes conhecirnentos para tratar destas matérias”, usando, assim, os limites de sua formação artesanal para se

defender da acusação. Na acareação com José de Oliveira, que afinnara ter tido com ele uma disputa na botica do Vitorino, afirmou que aquele individuo era sempre “tratado com riso e desprezo" e que muitas vezes saira da botím “com assobios e risadasïå Se em varios locais da cidade se comentava publicamente a situagão na França, se nas boticas

e em outras lojas e casas particulares se falava tanto sobre os franceses e a sua revolução, por que razão as reuniöes em casa do professor régio de retórica se tornaram mais susp-eitas do que as outras? É que, segundo o desembargador Cruz e Silva, ele era u.m “homem de letras e que pensa”, e também que vivia “na classe dos homens literatos, e que com eles tratava”. Eslava-se, portanto, em outro nivel de discussão, em que as piadas e as troças poderiam ser subsfituidas por argu-

mentos assentes em principios. Em seu depoimento, Manuel Ferreira de Almeida, professor de primeiras letras, disse frequentar algumas vezes, com outras [222] pessoas, a casa de Silva Alvarenga: “no que comumente se discorria nos sobreditos ajuntamentos era sobre matérias de Literatura”, mas admitiu que

algumas vezes se falaia da guerra na Europa. Ia o preso Francisoo Coelho Solano da Silia preferiu dizer que, naquelas reuniöes, "cornversavam ern matérias de Medicina”, quando, na verdade, os médicos constituiam urna minorria entre os presentes. Quando interrogado na prisão, Silva Alvarenga só citou os nomes de Ioão Marques Pinto, professor de grego, do Dr. Iacinto Iosé da Silva

e de Mariano Iosé Pereira da Fonseca. Quando insistirarn que mais gente tomava parte nessas reuniöes, disse que isso podia acontecer “por estar a sua porta aberta e não se fazerem as ditas conversaçöes com cautelaïfl Num terceiro interrogatorio, resolveu alargar seu circulo de relaçöes. Tinha “muito trato e

amizade” com ]oão Manso Pereira, professor de gramática latina, e com o médico Vicente Gomes. Sua convivencia com Manuel Ferreira de Almeida, mestre de meninos, era esporádica, quando este ia à sua usa. Quanto a Francisco Coelho Solano e Ioão Pedro, tinha deles um conliecimento superficial, e Iosé Bernardo da Silveira Frade, que \i\ia “de fazer alguns papéis de Direito”, ia por vezes à su.a casa, a fim de, como advogado, lhe assinar uns papéis. Quanto a este último, sua

opinião era negativa e considerava-o seu inimigo por se ter recusado a assinar uns documentos em que maltratava alguns advogados da cidade. Ao ser interrogado, Mariano Iosé Pereira da Fonseca, bacharel formado em Filosofia por Coimbra, um dos assíduos à casa de Silva Alvarenga, depös que, recém-chegado de Portugal, vendo que, no Rio de ]aneiro, “não havia um corpo literario nem outros divertirneritos em que se

pudesse entreter urn homem de letras”, entrara em contato com o professor régio de retórica, que lhe falara da antiga Sociedade Literaria. Essa poderia ser reativada porque, “se fora suspensa, nao fora, contudo, extinta”. Confirmou [223] que o médico Iacinto e ]oão Marques Pinto eram os mais assiduos, embora outros professores se reunissem ali algumas vezes. Quanto aos temas da con-

versa, respondeu que eram “matérias de pouca ponderação” e não deimou de referir também algumas questöes científicas. De religião não se falava, e acerca da Europa só se conversava sobre os acontecimentos da guerra.2

A Coroa e o vice-rei conde de Resende permite a punição dos presos Em 3o de ncøvernbro de rjgj, o secretario de Estado interino Luis Pinto de Sousa remeteu ao Xice-rei a súplica de Manuel Martins da Costa Passos, tio do bacbarel Mariano Iosé Pereira da

Fonseca, a favor do sobrinho. Nessa altura, já o príncipe D. ]oão era regente em substituição de D. Maria I, e o secretario de Estado fez ver ao conde de Resende a posição do príncipe no caso em questão: “Não é a sua real intenção que este e outros quaisquer ré\1s de

delito sejam perpet-

uados em segredo sem que se sentenciem as suas culpas”. Portanto, o vice-rei os devia fazer processar e sentenciar sem demora, “conforme 0 merecimento das suas causas”. Da perspectiva da

Coroa, se eles fossem declarados livres, a sentença deveria ser logo executada sem ser necessario remeté-la primeiro à Secretaria de Estado. Entretanto, se os réus fossem considerados culpados e condenados ã pena capital, a sentença não seria emecutada sern conhecimento da Coroa, que, de-

pois, suas ordensfl Em março de rjgã, o conde de Resende desculpou-se perante o secretario de Estado pela demora no julgamento: “se os preditos réus se não acham sentenciados, é pela falta do competente número de ministros que ha nesta Relação para se haverem de [224] formalmente se sentenciar”. E, em novembro do mesmo ano, dava a mesma desculpaå Quando ja era secretario de Estado D. Rodrigo de Sousa Coulinho, a posição da Coroa foi

formulada de urna forma ainda mais clara e direta, na sequência de varias queixas apresentadas contra “a longa prisão” de Mariano Iosé Pereira da Fonsein. Tal como anteriormente, foi dito que os réus não deveriam permanecer na cadeia muito tempo antes de serem processados e sentenciados. Mas é acrescentada urna ordem diferente: “no caso que o dito Mariano e os seus companheiros se achem ainda presos, e que V. Exa. entenda que se não devem soltar V. Exa. os rerneta

para esta Corte com os papéis ou autos por onde conste do seu crime”. Caso o iice-rei fosse de opinião, como seria de esperar, de que eles estavam suficientemente castigados com a prisão sofrida, “então os deveria por imediatamente em liberdadeïfl Ou seja, a Coroa queria ver a questão logo resolvida, ao mesmo tempo que procurava respeitar a autoridade do \icerei. Final-

mente, em 21 de julho de 179;, o conde de Resende comunican ter posto em liberdade Mariano Iosé Pereira da Fonseca e os demais presos, remetendo o parecer do desembargador chanceler e juiz da devassafi É digno de nota o fato de Mariano Iosé Pereira da Fonseca, apesar de ser o mais jovem do grupo, ser sempre mencionado em primeiro lugar, certamente em raåo dos bens de fortuna her-

dados de seu pai, Domingos Pereira da Fonseca, negociante conhecido pelo apelido de Biscoito. Vimos que urn tio apelara diretamente à Corte em seu favor e que os demais presos se beneficiaram dessa pressão exercida em Portugal. Depois de sair da prisão e ja no governo de D. Fernando ]osé de Portugal, em 1802, foi nomeado para o lugar de deputado da Mesa de Inspeção,

vago pelo falecimento de Ierônimo Vieira de Abreufi

[2251 D. Rodrigo de Sousa Coutinho e a França D. Rodrigo era um critico contundente da Revolução Francesa e não deixou de enviar ao vice-

rei, em agosto de ¡;-'98, vanos exemplares de urna obra sobre o govemo da França. Ai se traçava “um quadro verdadeiro e fiel, não só dos motivos que arrojaram a nação francesa a urn pélago de calamidades, mas dos efeitos necessarios dos mesmos motivos e dos excessos, absurdos e atentados a que dissolutamente se tem abandonado”. Essa obra tinha sido traduzida em português, em Londres, e finham sido encomendados pela Coroa varios ememplares, alguns dos quais foram

enviados ao vice-rei para que ele os divulgasse na capitania, a fim de que a todos os seus habitantes seja constante e notório que tao odiosos e tao horrendos são os crimes que tem caracterizado a atroz revolução francesa e manchado aquela nação, que até mesmo os americanos detestam e aborrecem com indignação a péssim.a doutrina e as máximas mais depravadas ainda daquele govemo pérfido e ferozfl

A adjetivação utilizada por D. Rodrigo é suficiente para veicular sua reprovação dos acontecirnentos na França. Mas, em dezembro de 1798, ainda o conde de Resende esperava por exemplares daquela obra traduzida em Londres para os divulgar entre os habitantesfi Como vimos anteriormente, tratava-se do Mrmírio Británico, ou notícias

c críticas

sobre os nøgócios atuais porj. Maíìzt du Pan. Traducido em pomiguês, cujo primeiro tomo saiu em agosto de 1798, tendo sido mais outros très publicados no ano seguinte. Ao todo sairam 32 numeros, sendo o último de ro de janeiro de 1300. Não é indicado o nome do tradutor, que escreveu nas [226]

introdutôrias: “A revolução francesa não tem inficionado senão aqueles

povos que ignoram o que ela é”. Assim, resolvera oferecer aos leitores portugueses “uma pintura bem fiel dos horrorosos estragos que tem feito, e ainda quer fazer a malvada seita dos jacobinos”. Mallet du Pan era um suíço exilado em Londres que dera inicio ao Mercúnïa Británico exatamente com a descrição do que a Suiça sofrera com os franceses. D. Rodrigo incentivou de forma insistente a dívulgação do Mercúrio Británico, remetendo,

finalmente, ao vice-rei rzo exemplares da tradução feita em Londres, os quais seriam vendidos a 3oo réis cada follieto. E acrescentava: “Convérn fazer mais avultadas expediçöes dos mesmos folhetos para que a todos possa chega.r a doutrina purissima que prega o autor contra os principios revolucionarios dos franceses". Pretendia D. Rodrigo enviar para o Río de ]aneiro os números que fossem saindo, calculando serem 24 em cada ano.2

A desconfiança em relação aos franceses rnanteve-se. Em agosto de räoo, D. Rodrigo comunicou ao vice-rei que o pn'nc'ipe regente tinha concedido licença a dois na\ios, urn chamado Gšographz, e o outro, Natumiistz, comandados pelo capitão Bauclin, para entrarem no porto do Rio

de ]aneiro. 0 govemo fiancês ordenara uma viagern ao redor do mundo, indo nessas embarcaçöes alguns sabios e naturalistas, destinando-se a expedição a aumentar os corihecimentos de Geografia e Ciências Naturais. Mesmo assim recomendava “toda a cautela em evitar quanto for possível que estes viajantes Franceses se comuniquem com os habítantesïfl

Segundo o testemunho do oficial 'británico Iames Kingston Tuckey, em 1803, a França não desìstia de conquistar o apoio da América: “A república francesa, que parece não poupar esforços para levar o espíritu revolucionario a todos os cantos do mundo - não se privando nem do uso da

força nem da intriga -, não [227] esqueceu do Brasil, onde seus ernissanos têrn trabalhado atívamente pela causa da anarquía e da desordem”.5¿ Só que agora não se estava mais no tempo de

Robespierre, e sim no de Napoleão. Alias, em março de 1301, D. Rodrigo de Sousa Coutiriho alertara novamente o vice-rei, recomendando que examinasse “com a maior severidade” a conduta dos individuos que chegavam do Reino e que procurasse saber “suas opiniöes religiosas e políticas”. Se desconfiasse de que al-

guns eram “propensos aos falsos principios” que desolavam a França, ou que mostravam disposiçöes para desunir os moradores, deveria proceder imediatamente contra eles e remetê-los presos para Lisboa. Anunciava, ainda, no mesmo oficio, a saída para o Río do presbítero Antônio Pereira de Sousa Caldas. “Este sujeito foi aqui considerado altemadamente como santo e como jacobino,

deixando uma reputação muito equivoca do seu caráten” Recomendava tanto maior úgilância a seu respeito quanto dizia que ele era muito eloquente como pregador, “fazerido-se por isso ternível quando tenha más disposiçö-es”.E Ao redigir, em nome do príncipe regente D. Ioão, as instmçöes para o futuro vice›rei, D. Fer-

nando Iosé de Portugal, em 1800, D. Rodrigo recomendou o curnprimento de ordens já transmitidas, em I;-¬97, a respeito daqueles individuos que, “ou por palavras, ou por conciliábulos particulares, e especialmente pela manifestação dos falsos e desastrosos principios que têrn infestado toda a Europa”, pudessem inquietar 0 govemo, “sendo evidente que é muito mais acertado pre« venir tão graves ruinas, afastando da sociedade aqueles que as podem produzir, do que, toleran-

do-os ao principio, expo:-se depois e proceder contra eles com os mais rigorosos e severos castigosíå g ABNRI, 11.61, p.317-23. g Estatutos da RMI Academia de

#14.

3 Ibid., #6. ¿4 RIHGB, “Discurso em que se mostra o fim para que fo\i...”, n.4;, p.6g-,¬-6.

5 ACI., Mss. Azul, 377-5, fls.43-9. Q B1\`I., Coioção Pomlmlina, Cod.68G, fls.G74-33. j-1 Autos da ¢1'.wassa..., p.257-B.

fi Ibid., p.194.

9 Ibid., p.195. ¡Q Ibid., p.212. 11 Ibid., p.1:gÉ. 12 Ibid., p.236«;-'.

13 Dias, Osprimórdios daMaçom1ria cm Portugal, v.r, t.1, p.358-9, nota 4. ¡4 AHU, Co-5.53, fls.r2o-122:. 15 Amos da da|.'r¡ssa..., 12.84. gfi Higgs, "'Iní.m.igos de Deu.s e amigos de Sua Majestade no Brasil nos anos 1790", Revista da SBPH, p.296.

¡ji RIHGB, “Correspondencia oficial do vice-rei conde de Resende...", n.32, p.291-4. ¡E Lisboa, Anais do Rio dcjmwiro, LI, Prólogo, p.XXI. 19 Autos da d:mssa.._, p.134, 2o2, 215 e 227. ¡Q Ibid., p.74, 82 e 132.

2; Ibid., p.71. 22 Ibid., p.226. ¡3 Ibid., p.fi e 92. 24 Ibid., p.jg e 106. 25 Ibid., p.7g e Sr.

gfi Ibid., p.ro4 e 273. 2; Arquivo Nacional, Cjïcios dos vio:-reis do Brasil, p.197. ¡É Autos da demssa..., p.103. 29 Ibid., p.113. 39 Ibid., p.111, 114, 116 e 130.

31, Ibid., p.S4, 92 e 132. 3; Ibid., p.75, ¡oz e Izo. 33 Higgs, “O Santo Oficio da Inquisição e a 'iuciferina assembleia' do Río de ]aneiro na década de

I;-go”, RIHGB, 4:2, p.266. 34, Autos da

p.97, 14;' e 149.

35 Ibid., p.75. 3fi 1'brid.,p.1o4, roS, 1:33, 145 e 154. 3; Ibid., p.132. 3fi Ibid., p.292«4.

:ss Paid-. P-295-1 49 Ibid., p.153, 193, 281. 41 l'bid, p.258.

42 AHU, Cod.573, fl.¡77.

43 ANRI, Cod,68, 1:13, fls.I9 e 2o. 4,4 l'bid., fl.2r3. 45 Arquívo Nacional, op. cit., p.182. ¿G AHU, Codjyj, fl.3o2.

,.41 AHU, Cod.3;'4, fL3o\-'. ,.43 IHGB, Mss., Lata no, pasta 2;, doc.2. 49 AI-IU, Coij74, fls.7I-j.-rv. 5Q AHU, Cod._;;.'5, fl.;=r. 51 França, \-'ïsöøs do Río de colonial, p.235

52 IHGB, Mss., Lata B, doc.4o. 53 Al-IU, Co-ijj-'5, fls.95 et seq.

[229] 7 Religião e iibertinagem

O edital de 13 de fevereiro de 1792. O Tribunal do Santo Oficio teve de se adaptar aos novvos tempos, e o edital de 1;-'92 é prova disso ao apontar a necessidade de ser denunciada a pessoa que “nega, ou escarneça com palavras,

ou açöes, a verdadeira religião, ou cubra a sua impiedade com o nome de filosofia, ou de espirito forte, ou com outro qualquer, desprezando toda a revelação, e pretendendo governar-se só pelos ditames da razão natural".1 Essa era, sem dúvida, a definição de liberüno (também, por vezes, chamado espíritu forte na França, e livre pmsador na Inglaterra): o desprezo pela revelação e a aceitação apenas da religião natural.

Iá antes a Real Mesa Censória tinha proibido a leitura dos deistas como Charles Blount, Tindal, Toland, Shafiesburï; de filósofos [230] como Spinoza, Bay-le; de livres pensadores como Anthony Collins, autor de The Disøowsc ofFi'ee±¡1i1¢R7Eng Oacasioned by the Rise and Growth cƒa Swt (failed Free Thinkørs [O discurso do livre pensar proporcionado pelo ad'-'entio e crescimento de urna seita chamada de lívres pensadores] e de Essay Conceming the Use qfReasm1 [Ensaio sobre o uso da

razãoï. Durante séculos, o cristianismo assentara na revelação; agora, tinha como base a razão. Os chamados lfbertinos negavarn, por ememplo, o paraiso e o inferno, e também o purgatorio; du\ida\¬am da pureza da Virgem Maria; negavarn que o corpo de Cristo estivesse na eucaristía; que fosse obrigatório confessarem-se a sacerdotes; que o papa Iivesse a primazia sobre os bispos;

que a Igreja defiuesse o poder de conceder indulgencias; que o jejum fosse obrigatôrio quando determinado pela igreja. Recusavam, ainda, a veneração das imagens ou das reliquias de santos. Além dos filósofos, espi.ritos fortes ou libertinos, o edital de 1792 coridenava a Maçonaria. Deveriam ser denimciadas as pessoas que fizessem ajuntamentos ou converiticulos *intitulados De Lilian' Maraton', ou firancs-maçons, vulgo pedreiros livres”. Objeto de denuncia seriam ainda

aqueles que possuissem ou vendessem “lìvros ou escritos que claramente contenham qualquer dos sobreditos erros, ou sejam proíbidos, ou ernbaraçados para correrern pelo Tribunal competente". Esse edital foi o ponto de partida para as denuncias daqueles que se encaixavam em tais de-

nominaçöes e só então ganharam visfoilidade os líbertinos e os maçons, tanto no Rio de ]aneiro como em Portugal. Em 1796, o denunciante das libertinagens nas boticas não deixou de acentuar a rio\-'idade do fenómeno, ao observar que os pregadores não se cansa\'a.n'1 de falar em seus sermöes contra os liberlinos, “e dantes não era isto”.E

[231] Libertinos nas boticas Em 1792, eram 31 as boticas do Río de ]aneiro, cujo número aumentara, em r,¬94, para 33. Os

boticários eram, sem dúvida, individuos que não se limita'-¬am a consultar as varias farmacopeias para a elaboração de suas drogas, como se pode constatar pelos bens inventariados, em 1793, do boticário Antônio Pereira Ferreira, corm botica na rua Direita. Alem das valiosas drogas e de seus instrumentos profissionais, possuía uma biblioteca de quarenta obras na qual se viam, lado a lado, obras relacionadas com sua profissão e outras de caráter

como o Culto no Santo

Comgìa de Mm'1`.a, a Vida dz S. ƒoão Nepomuceno, Mami evangélica dc Pmafiel, além de um livro de

sermöeså Enquanto alguns boücários teriam, como Antonio Pereira Ferreira, gosto por leituras de vidas de santos e de obras espirituais, outros partil.haria.m as atitudes antimornásticas e antidogmáticas dos chamados libertinos, permitindo discussöes acesas sobre temas de religião em suas

boticas. Um processo inquisitorial transcrito e estu.dado por David Higgs mostra um grupo de individuos ser acusado de libertinagem deiido às conversas rnantidas na botica de Iosé Luis .\/Iendes, à rua Direita, e também na do boticário Antônio Bandeira de Gouveia, na rua do Omidor, ambas situadas na zona central da cidade.§ A denuncia foi feita em 1794, e constatamos que, dessas

rodas de conversa, participavam, além dos dois boticários, um mercader, um alfaiate, um esa-ivão dos órfãos, um mestre de primeiras letras e outro de gramática latina, urn cabo de esquadra, u.m marceneiro, u.m seringueiro, u.m alferes, um dono de botequim, um estudante e um lawrador. Ou seja, tratara-se de um grupo variado, incluindo elementos dos oficios e do comércio. [232] O denunciante, reinol que tivera loja de sapateiro e, na época, vivia de seus nqócios, de-

pois de enumerar aquilo que considerava libertinagens, afirmava não ter esgotado o tema, mas, “para tudo dizer, precisa'-'a de mernória de anjo". De qualquer modo, reconhecia que não ha\ia ponto alguin da religião que não fosse ali discutido “e profanado". Ou seja, o conceito de libertinagem, na concepção do denunciante, ligava-se fundamentalmente ao de irrelìgiosidade,

diferindo, contudo, do antigo conceito de heresia. As proposiçöes ditas libertinas podem ser agrupadas em duas grandes classes: as referentes a práticas religiosas muito comuns e frequentes no Rio de ]aneiro de então; e aquelas que diziam respeito a crenças e a dogmas. \'eja.mos as prirneiras.

1 - A leitura de livros espirituais versando sobre “oração mental e vidas de santos” constituía urna prova de fanatismo, e 'mis obras só serviam “para se lançarem ao fogo e para embrulhar unguentos e outras coisas indecentes”. 2 - A venda de indulgências era uma prática “vergonhosa” num “século tão iluminado",

sendo a bula da Santa Cruzada a mais criticada. Mas também era objeto de ironia a “bula dos defuntos”, gracas à qual, por meio tostão, se tirava uma alma do purgatorio. Tudo isso, bulas,

e graças do papa em geral, não passava de fraude: “são petas e falsi-

dades e modos de ir dinheiro para Roma".

3 -A

da confissão pela Quaresma era mal vista pelos libertinos, que cumpriam

aquela obrigação apenas “para o recibo, que era o escrito da desobriga”, a fim de não serem excomungados pelos pârocos por não curnprirem o preceito quaresmal. 4 - Os religiosos esmoleres eram considerados “ladröes e impostores”, e o boticario Mendes

tinha tal raíva dos frades que os tratava por “corsários de corso” e não os podia ver à sua frente. [233] 5 - As numerosas missas pela alma eram outro sinal de fanatismo. 6 - As irmandades tinham perdido seu prestigio. Um dos frequentadores da botica, ao ser comidado para entrar na irmandade de Nossa Senhora da Boa Morte, respondera: “antes

ser innão do Diabo”, pois não era tolo para entrar em ìrmandades. Quando morrera o cavalo de um desses libertinos, logo seu dono díssera que “fizera mal não ter assentado o seu cavalo por irmão de algurna irmandade para ter missas agora na sua morte”. _? - As imagens dos santos era.m consideradas

“não era mau havê-las”, mas podia-

se passar sem elas. Um dos conversadores afirrnara que a

de prata de S. Bras

nada mais era do que urn pedaço desse metal. 3 - O viático era desrespeitado: “tocandose ao Senhor fora para ir a u.m enfermo, um certo sujeito díssera `ora, aquele pobre lá vai ter uma visita i.n.femal”'. 9 - As reliquias não passavam de “petas de frades", ou seja., de mentiras.

ro - Os terços e outras oraçöes pelas mas “de nada serviam", e os libertinos censuravam “que, nas grandes calamidades, se fizessem preces e rogativas a Deus Iiosso Senhor, por serem escusadas, porque ha de suceder e seguir a ordem da natureza”. 11 - Os rosários significavam apenas um certo núrnero de padres nossos e de aves marias, e mesmo as irmandades estavam dístribuíndo menos rosários “porque os homens já iam

abrindo os olhos". 12 - Dar graças pela manhã e por ocasião das refeiçöes era algo que os libertinos não faziam. 13 - Escarneciam das beatas e dos penitentes: “todos do converitículo eram uma espada desembainliada que cortava todas as pessoas devotas que frequentavam oraçöes mentais,

confissöes e outras devoçöes". [234] Como vemos, os libertinos que se reuniam nas boticas para conversar ridicularizavarn e cr1t1ca\'a.m as prráticas religiosas mais comuns no Rio de ]aneiro colonial. E, por outro lado, punham em questão a l1ierarquia eclesiástica, as instituíçöes e os dogmas da religião católica, a saber:

1 - A Teologia era “uma peta". 2 - As leis eram dos papas, e não de Deus. 3 - O papa não era superior aos bispos. 4 - Os bispos não precisavam de “letras” papais para se sagrarem.

3 - Os concüios não passavam de “subomos”. 6 - O Tribunal do Santo Oficio era “injusto” e “sa.nguinolento". 7 - Não havia Dia do ]u.izo, “senão quando cada um morria”. S - Não havia 0 fim do mundo, “porque Deus não o criara para o acabar”.

9 - Não existia purgatorio, e essa mentira constituía “o morgado dos sacerdotes”. ro - Não havia milagres. rr - Não havia demonios. 12 - Os chamados santos era.m apenas “uns homens bons que não fimrarn mal a ninguem”. 13 - Negavam a virgindade de Maria, e um estudante “assazmente agudo” atrevera-se a negar

a pureza de Maria “com palavras escandalosas” na botica do Bandeira. Diminuir a importancia do papado e dos concilios, renegar crenças como a do fim do mundo e do Iuizo Final, a existencia do purgatorio, de santos e milagres, de demonios, negar o dogrna da virgindade de Maria e criticar a Inquisição eram atitudes chamadas, agora., libertinas, por depen-

derem, como um todo, da negação da revelação. Antes, quando oconiarri separadamente, eram classificadas simplesmente como heresias. Ha de se notar também posiçöes regalistas entre os libertinos, como a frase do [235] boticãrio Antonio Bandeira de Gouveia ao afimiar que os frades “usurpavarn e se intrometiam ria jurisdição real”.§ Enquanto para o denunciante aqueles conventiculos não passavam, na verdade, de “lucíferi-

nas asserribleias” marcadas pela leitura de Voltaire, algumas pessoas interrogadas apresentaram urna versão diferente das conversas ali travadas. O padre Luis Gonçalves dos Santos, presbítero secular, mestre de gramática latina no seminario de Nossa Senhora da Lapa, e que frequentara aquelas todas enquanto estudante, encarava-as apenas como provocaçöes ao meirinho geral da

Igreja, um certo ]ose' Teixeira. Todos os participantes “por brincadeira” argumentavam sobre “jurisdiçö-es eclesiásticas". Ele próprio citara algumas passagens da História eclesiástica de Racine

sobre a '-ida dos papas, a fim de provar ao meirinho “que os papas não eram irifaliveis e irrepreensíveis nas suas açôes e que todo o tempo houve, na

homens que procuravam en-

riquecer-se simoniacamente”. Mas tudo isso era dito “por modo de graça e sem intento de ofend-

er a religião”. Pretendiam só fazer mngar o meirinho, e, por isso, quando passava um frade, exclamavarn: “Ali vai um ocioso e inútil ao Estado”. Isso no meio de risadas e piadas, sem, no entanto, ofender os santos iristituidores daquelas ordens religiosas. Um capitão de Ordenanças testemunliou no mesmo sentido que o padre Luis C-onçalves dos

Santos. Por conhecer o gënio de ]osé Teixeira, que reagia mal a qualquer "pala\'rinl'1a graciosa" acerca do papa, é que o grupo da botica falava dos dinheiros rernetidos para Roma para se obterern “algumas disperisas”, e também das “grandes somas pecuniárias” dispendidas por D. [oão V para alcançar os privilegios da patriarcal. Teixeira, “de tal sorte se agoniava e se afligia" com tais

palavras, que chegou ao ponto de “querer desembainhar o espadim para defender os direitos pontificios”. Depois de interrogar 24 testemunhas, o comissärio do Santo Oficio, baseando-se tarnbém em

inforrnaçöes que mandara recolher, [236] chegou ã conclusão de que o boticário Iosé Luis Mendes era de “genio jmial e desabusado” e que aqueles que se reuniam na botica para “conversarern e lerem gazetas” muitis vezes caiam em “conversas obscenas e jocosas”. Quanto ao denunciante, era homem “algum tanto crédulo” e “metido a sabio”, por essa razão contifadiziam de brincadeira tudo o que ele retirava dos livros espirituais e místicos que lia. Chegavam mesmo a dirigir-llie “versos iocosérios e satíricos”.

Em relação aos 21 denunciados, o comissãrio procurou saber se cumpriam as obrigaçöes de católicos, ou por outras palavras, se externamente obedeciam aos rituais da igreja. 0 botimfrio Mendes ouvia missa nos dias de preceito e confessava-se na Quaresrna; um outro frequentaxa as igrej as “ouiíndo a pregação evangélica": um terceiro chegara a pedir ao próprio comissärio “que lhe dissesse urna missa em louvor de S. Ioão Nepomuceno” e mandara acender velas ao santo; o

boticário Gouveia era “homem instruido, de bons costumes e que curnpria com os deveres de crístão e esrrioler”. Um único denunciado mereceu mau

do comissãrio: [oão Marques Pinto, professor

régio de grego, alias ia preso por inconfidente na devassa do vice-rei. Ele se opunha aos regulares,

era desabusado e bastantemente loquaz, costurnado a proferir criticas proposicöes malsoantes aos católicos, “pervertendo a moralidade dos seus discípulos com doutrinas péssimas contra a plina da Igreja”, e, por essa razão, vários pais não queriam que seus filhos aprendessem com ele, o que confirma a queixa dos professores régios de que era.m apelídados de libertinos na cidade. Para mais, comia carne nos dias proibidos.

Emiado o processo para a Inquisição de Lisboa, os inquisidores, embora estivessem convencidos de que aquele ajuntarnento nas boticas era “muito prejudicial” à religião, não o ]`ulgara.m suficieritemente libertino para justificar a prisão dos denunciados, tanto mais que as justiças seculares já tinham prendido alguns por outros motivos. Bastava uma repreensão ao boticário

Mendes, para que não voltasse a permitir semelhantes conversas em seu estabelecimento. Resta saber se as boticas - ponto de sociabilidade [237] por excelencia na vida carioca - deixaram, na ver-

dade, de ser um lugar de encontro privilegiado para a discussão de temas ligados ã religião, além de outros relacionados com o cotidiano da cidade. As discussöes travadas nas boticas tinham, sem dúvida, uma base livresca: atacavam-se livros,

argumentava-se com livros. Assim, nos interrogatorios ordenados pelos inquisidores de Lisboa, uma das perguntas questionava se alguém qualificava como fanático quem possuisse ou lesse livros espirituais; e outra inqujria se alguém possuia, ou lia, “livros proibidos como as obras de Voltaire” e também se os espalliaxa e div-u]_g¿xa.

As obras mais criticadas pelos frequentadores das boticas eram aquelas classificadas como espirituais, por exemplo, as do padre Manuel Bemardes sobre os quatro riovissimos do homem. O boticäno ]osé Luís Mendes desaconselliara os livros desse autor, bem como o Mestre da vida, pecador oonwrtido, e, em geral, todos os livros que falavam da reforma de \ida e costumes, do temor da morte, do purgatório e do infemo, do juizo particular e universal e da eternidade. O gupo dessa botica dizia mal da obra Gritos dos almas e troçava dela mostrando não acreditar no

purgtório. Por seu lado, o denunciante tinha especial aversão aos livros “de heresia francesa ou libertinagem de Voltaire”, mas criticava de urna maneira geral as preferencias literárias dos libertinos:

“só lhes servem livros e autores que abatam o papa e o seu poder, livros fianceses, razöes de herqes, novas opiniöes”. As proposiçöes proferidas pelo estudante ]oão Pedro, e que “escandalmvarn os ou\idos dos católicos”, pro\inl'ian1., segundo uma testemunha no inquérito, de “muitas liçöes dos livrinhos franceses proibidos e do padre Antönío Pereira”. Ou seja, o padre Antônio Pereira de Figueiredo, colaborador de Pombal na politica regalista. Mas o boticário Antonio Ban-

deira de Gouveia contrariava o meirinlio da Igreja, ]osé Teixeira, “autorizando os seus ditos com os livros que apresentaia, dizendo serem passados e aprovados pela Real .\'Iesa Censória”, sem precisar, portanto, recorrer a obras proibidas.§

[2331 O Tribunal do Santo Oficio e a libertinagem Vimos anteriormente que o volumoso processo referente às conversas nas boticas terminou

apenas com uma repreensão, sem que os denunciados fossem presos ou sofressern alguma punição maior. Nota-se, na documentação inquisitorial, principalmente naquela emitida pelo Consellio Geral, uma certa contenção perante as denuncias que chegavam do Rio de ]aneiro. O cirurgião Antônio de Melo Lobo fora denunciado por ter proferido varias proposiçöes heréticas e escandalosas, mas, em Lisboa, receou-se que os sete denunciantes se tivessem mancomunado

“para, por este modo, oprimirem e vexarem o delato”. Parecía “moralmente impossivel” que sete pessoas resolvessem, num mesmo dia, denunciar culpas cometidas perante elas hada dois ou tës anos “sem o terem delatado até agora como eram obrigadas”. Causava desconfiança que quatro delas fossem parentes muito próitirnos e “pessoas de baixa ešera e inímigas declaradas do delato

por motivo de litigios e execucöes porfiadas”. O cirurgião Manuel Luis Gonçalves Chaves também era seu inimigo, em razão do oficio. Portanto, o mais provável era que os denunciantes tivessem “ajustado ente si adotarem este meio para se vínga.rem". A desconfiança dos inquisidores em relação ao

Chaves era grande, suspeitando que tivesse sido ele a inspirar a denuncia. Re-

comendavam que se examinasse, no Rio de ]aneiro, a credibilidade daqueles denunciantes por meio de pessoas de reconhecida probidade.Z

Outas vezes, a Mesa do Santo Oficio mostava-se mais crédula em relação às denúncias. Em 26 de maio de 1792, um religioso do convento do Carmo denunciou o professor régio de grego ]oão Marques Pinto e ta.mbém Antonio Iustino de Brito Lima, escrivão dos ausentes e residuos, ambos moradores no Rio de ]aneiro. A Inquisição de Lisboa mandou o comissårio informar-se acerca daquilo que constara: o mestre de grego afirrnava “ser [239] supérfluo o mandar celebrar

muitas missas, que somente uma era bastante, e que o multipliaarem-se as missas era negociação dos sacerdotes”, tanto dos seculares como dos regulares. O professor e Antonio Iustino de Brito e Lima eram tidos por “sujeitos libertinos de péssima conduta e faladores desmedidos conta a nossa santa religião".§ Ou seja, a fama, a voz pública convenciam os inquisidores da libertinagem.

David Higgs, em seus estudos sobre a Inquisição, mencionou o interrogatorio de testemunhas referentes a Ioão Marques Pinto e a Antônio ]ustino de Brito Lima no Rio de ]aneiro, em 1796, quato anos depois da denuncia de 1792, e quando o professor de grgo se encontrava preso por ordem do vice-rei.2 Uma dessas testemunlias tinlia sido aluno do professor de grego

durante cinco anos e declarou que o mestre falava conta os frades como sendo inúteis e ociosos e dizia ainda que o Santo Oficio era “sanguinolento, desnecessãrio e procedente da ignorancia". Por causa desses excessos verbais, “se abstinliam os pais que seus fillios na sua aula estudassem", confirmando, assim, as quei:-ras dos professores em 1;-'93, como vimos anteriormente. Quanto a

Lima, filho natural de Antonio Aniceto, segundo urna testernunlia, quando urna pessoa morresse, bastava uma só missa para se salvar. Considerava também o Santo Oficio u.m tribunal iniquo que pretendía apenas meter medo. Dissera ainda que a hostia “se reduzia a porcaria”, palavra que o promotor em Lisboa substituiu por “irnundicia”.

Nem sempre os inquisidores recebiam informação muito especifica. Por exemplo, constavalhes que “um sujeito, filho de Antonio Aniceto, escrivão dos órfãos” do Rio de ]aneiro duvidava da “presença real e verdadeira de Nosso Senlior ]esus Cristo no santissimo sacramento da Eucaristía". Ou seja, a denuncia chegara a Lisboa sem o nome do denunciado, que sabemos ser Antonio [240] Iustino de Brito Lima. Curnpria ao comissa'rio no Rio de ]aneiro informar-se a seu re-

speito, sobretudo junto de ii: Félix de Santa Teresa Nascentes e de fis. Fernando de Oliveira Pinto, ambos religiosos do convento do Carmo.H A atitu.de do Tribunal da Inquisição era agora menos rigurosa do que se poderia esperar. Em relação ao escrivão dos ausentes e residuos, Antonio justino de Brito e Lima, determinou que o

comissário o charnasse a sua presença e, perante dois familiares do Santo Oficio de maior graduação, o repreendesse aspera.mente por negar o corpo de Cristo na eucaristia, “falando impiamente conta o estado eclesiástico e religioso, e ainda conta o reto proceder deste Tribunal". Além da

repreensão. deveria Brito e Lima assinar termo de não falar “tão libertinamente”. O

mesmo procedimento deveria ser adotado em relaçao ao professor régio de grego, Ioao Marques Pinto.H E, na verdade, em 11 de dezembro de rjgj, Antonio Iustino de Brito Lima foi repreendido

com aspereza pelas proposiçöes impias que proferira. Isso não o impediu de, passados dois anos, intitulando-se cavaleiro fidalgo, ter requerido a serventia vitalicia do oficio de guarda-mor da Relaçao do Rio de ]aneiro, que vagara, alegando seus conhecimentos e os oficios que servira, tendo mesmo sido escolliìdo pelo vice-rei para u.rna espinhosa diligencia em Santa Catarinafi O Tri-

bunal do Santo Oficio não so deinara de assustar, como também não prejudicava a carreira de ninguém. A libertinagem manifestava-se de varias formas. Nurna roda de conversa em janeiro de 1793, em casa de Antonio ]osé de Pai\a e Sousa, um certo Manuel Francisco duvidou da existencia do

infemo dizendo que, para acreditar nísso, “havia de ir la primeiro”. A descrença no infemo, bem como no Diabo, levou um [241] caixeiro que participava da reunião a denunciar o descrenteë Em 2 de maio de 1799, foi denunciado ]osé ]oaquim Sirnpliciano, morador na freguesia da Sé, por ter dito, perante um quadro representando Sarita Maria Madalena, “que ela tinha fornicado muito com o tal ]esus Cristo", e também por nunca ser visto “em atos alguns de religião”.2 Esse indi-

viduo já fora mencionado por uma testemunha que frequentara a botica de Antonio Bandeira Gouveia no canto da rua do Ouvidor. Natural do bispado do Río de ]aneiro, era contador de alguns cartórios de juizes seculares e não hesitava em proferir “varias libertinagens”. Embora a libertinagem florescesse em ambientes públicos dos quais as mulheres não

panicípavam, nas conversas mais fàmiliares elas tinham voz atïva e podiam mostrar-se tão lib ertinas quanto os homens. Em 1;-'95, o professor régio substituto de prímeiras letras Francisco Luís Saturnino Veiga acha\'a«se urna noite em casa de um conhecida no arraial do Divino Espírito Santo, mlgo Mataporcos, quando uma visita, D. Ana, mulher do capitão Antonio Gomes Barroso,

um dos gandes negociantes do Río de ]aneiro, ao disoorrer sobre religião, pronuncíou as seguintes proposíçöes: Isto de inferno é història. Deus não nos manda jejuar. É logro passar a vida em absIinèn« cias e oraçöes. Deus não se ha de ocupar, no ]u1'zo Final, em perguntar a cada um de nos o

que fizemos [dando a entender que não ha*-erá Iuízo Universa1]. As confissöes foram inventadas pela curiosidade dos sacerdotes, por quererem saber da vida alheia. Ao ouvir tais palavras, o mestre régio díssera a D. Aria que não era outro “o pensar de Inglaterra”, ao que ela retorquíu que ele era um fariáüco “e estava pela antiga”, ou seja, pelo anti go [242] modo de pensar, ao passo que ela, “bem longe desse fanatismo, educava por ouira forma

a sua famflía”. Estamos aquí perante um caso rarissimo de libertinagem feminina, expressa no ambiente de cornversa famj1ìa.r, com críticas a prrátìcas religiosas como o jejurn e a confissão, e a crenças como as do ìnferno e do Finalfi A própría expressão libertinos heréticos se erlcarrga de dar mais força ainda ao sentido de lib-

erfinagem como uma nova forma de heresia ou de desrespeito não só a certas estruturas da Igreja (papa, frades), como também aos dogmas [vìrgindade de §~'Laria} e às prátíoas religiosas [compra de indulgências, missas nurnerosas, culto das ìrnagens de santos). Os cerisorres literarios em Lisboa usavam sempre o terrno libertíno nesse sentido, como se pode ver na seguinte frase a respeito

de Voltaire: “umas vezes se mostra católico romano e outras, inteiramente libertìno, ìmpugnando toda a relìgião revelada".§ A descrença na revelação e a defesa da religlão natural eram a marca do libertirio na segunda metade do século XVIII.

Libertinos na Universidade de Coimbra I-[avia quem pensasse, em finaís do século XVIII, que a reforma da uníversidade fizera “mar› char a juventude pelos camirihos da oorrupção", uma vez que professores e estudantes liam obras

contra a religião. Seria grande o prazer dos membros da universidade com a leitura de “uma aluvião de escritos libertinos e escandalosos e igualmente contrarios à religião e aos costumes, corno os Ba',-"les, os Frérets, os Helvetlus e os Rousseausïfl Nessa crítica aos libertinos universitarios, usam-se os dois sentidos de lfbertirio, [243] o religioso e o mais modemo, como escrevia Antônio de Morais Silva em seu Dicionârio, relacionado com práticas sexuais libidinosas.

Não quer isso dizer que a universidade permitisse ou incentlvasse a leitura de obras explicitamente proibidas pela Real Mesa Censória, mas o ambiente universitario e a vida em comum de estudantes de várias regiöes nas residencias estudantis facilítavam o intercambio de livros e de ideias. Prova disso é a denuncia que o estu.dante Francisco Cándido Chaves encamírihou aos in-

quisidores de Coimbra, em 1; de maio de 1719, acerca de seus companheiros de moradia e de outros estudantes, entre eles o carioca Antônio de Morais Silva, estudante do qu.into ano de Leisë

Chaves delatou que, nas conversas que frequentemente tinharrl, “falavam e argumentavarn muitas vezes em pontos de relìgião”. Todos os seis estudantes, em seus argumentos, citavam frequentemerite Voltaire e Rousseau, “a quem chamavam profuridíssimo filósofo", e também

Helvétius. O denunciante ignora*-'a se eles possuíam os livros desses autores, mas ünham alguns em francés, “de que se lembra ser urn Locke e outro as Cartas Cabalísticas”. Esta última obra era do marqués d`Argens e estava proibida desde 1770; e An Essuy Concaming Human Understanding [Erisaio sobre o entendimento humano], de Locke também, desde 1763. Como nenhum estudante dominava o inglés nessa época, era uma das nove versöes francesas do fllôsofo inglês que con«

sumiarn. Deve ser dito, contudo, que acerca da obra de Locke houvera discordància entre os censores. Fr. Francisco de São Bento fora de parecer que essa obra se podia permitir, “por serem as matérias muito abstratas que poucos percebiam e só os homeris doutos as lìarn, e assim cessava o

perigo de sedução”. Mas os demais censores prefeñram jogar pelo seguro-2 [244] Em sua denuncia, Chaves enumerou todas as proposiçôes libertinas que tin.ha ouvído

nas conversas daquele grupo de estudantes. Que era fábula tudo quanto se dizia do inferno e dos seus castigos, porque era impossível que, sendo Deus tão benigno, houvesse tantos tormentos no infemo.

Que não havia purgatorio pelos mesmos motivos, do que eles estavam certíssimos, pois isso era impos sível e repugnava com a razão. Que a alma era mortal, porquanto, estando no corpo, havia ocupar lugar, qualquer que ele fosse; que ocupando lugar era corpórea e que por consequencia era mortal, o que

corroboraram com outros argumentos de que agora não se lembra. Os estudantes escameciam também do pecado original, e, nu.rna ocasiao, Antônio de Morais Silva, vendo uma gata com dores de parto, díssera: “Eis ai' o pecado original de Adão, tudo são

efeitos naturais e não ha tal pecado”. Alem disso, negavam muitos fatos da Sagrada Escritura, embora reconhecessem que a sua doutrina era muito necessária “para conter os homens na sodedade". Afirmavam que “em muitas partes, é fábula, e, em outras, contém fatos pecarninosos e menos licitos”. Não aceitavam o jejiun nem a abstinencia de carrie nos dias proibidos. Quanto as missas, “eram Luna historia para gan-

har dinheiro”, havendo sacerdotes que diziam très ou quairo missas diarias com esse objetivo. Escarneciam das indulgências e também da autoridade pontifícia. Critica'-'am u.m padre que quisera provar a pureza de Nossa Senhora “pela razão natural”, o que era impossível. Aos frades chamavam

jacobeus, fanaticos, ignorantes e simoníacos, e outros mais nomes semel-

hanbes”. Terminou sua denuncia indicando os nomes de outros naturais do Brasil que eram “acérñmos propugnadores dos ditos erros", além de Anbönio de Moraís Silva. Eram eles Antonio Silva, [245] “natural da América”, mas não sabia em que faculdade estudava; Ioaquirn Cavalcanti, natural de Pernarnbuco, estudante de Direito Canónico do quinto ano, companheiro de Morais Silva;

Francisco de Melo Franco, “natural da América”, estudante de .\-Iedicina; e Antonio Pereira de Sousa Caldas, também “natural da América” (era carioca como Morais Silva), do segundo ano de Direito Civil. Vimos no Capitulo I que Manuel

I-Ienriques de Paiva participou das reuniôes da

Amdemia Cieritífica instalada pelo vice-rei marqués de Iavradio até viajar para Portugal, a fim de

se insuever na Universidade de Coimbra. Em U79, era demonstrador de Quimica nessa instituição quando foi denunciado como “um dos maiores libertinos”. Sua libertinagem consistía em discorrer contra os dogmas e em cozinhar presuntos em seu laboratório por ocasião da Quaresma. Não hesitava em expressar seu desejo de se instalar na Inglaterra ou na I-Iolanda, “onde viveria em liberdade”.L0 Liberdade religiosa, entenda-se.

A Inquisição de Coimbra esteve sempre atenta ao que se passava na universidade e seus autos de fé incluiarn alguns estudantes naturais do Brasil. Na Lista das pessoas que saímm, :uipas que comctzmm, s condcnapães que tivsmm no auto ptílilíco de que sz ceielirou na sala do Santo da ridad: de Coimbm em 26 de agosto de $81, deparamos com o nome de Antonio Pereira de Sousa

Caldas, estudante, natural do Rio de ]aneiro, classificado como “herege, naturalista, deista e blasfemo” e cuja sentença condenatoria foi assim formulada: “Para Rilhafoles a arbitrio Sambenito e confiscação de bensïë É sintomático o sentido pejorativo de “naturalista”, como se os que estudavam a natureza fossem inclinados Ía libertinagem.

[246] Infelizrnente, na Torre do Tombo em Lisboa, nao se encontra o processo do carioca Antonio Pereira de Sousa Caldas, talvez porque muitos processos da Inquisição de Coimbra se perdera.m. Dois anos depois de ter saido no auto de fé coimbrão, esse carioca publicou, na cidade onde estudou, a rousseauniana Ode ao homem selvagcm, na qual se rememoram os “doces anos da

vida primitiva dos humanos” e se contrapöe a simples lei natural à complexa lei positiva. Irnitação clara de Rousseau é a sexta estrofe, em que fala do “impio tirano” que primeiro “do meu e teu o grito desumanoƒ fez soar em seu dano”. Essa ode foi, sem dúvida, o resultado de uma leitura clandestina do autor maldito para os censores. Mais tarde, numa imitação de Moritesquieu em Lettres persanes [Cartas persas], Sousa Caldas fala de religião nas Cartas de Abdir a Irzmmw. Ai de-

fende que a religião verdadeira “deve ser para todos os povos e todas as naçöes”, devendo, por isso mesmo, ser tolerante.2 Apesar de seus problemas com a Inquisição, não deixou Sousa Caldas de ser bem recebido na sociedade lisboeta, certamente por causa de seus talentos poéticos. William Beclcford, de viagem a Portugal, convidou-o para sua mesa: “tão logo a sobremesa foi servida, jor-

rou uma torrente de tersos extemporâneos e prosseguiu durante meia hora lamentando a minha partida em peças muito harrnoniosas".§ É vasta a documentação inquisitorial contra Antonio Isidoro dos Santos, bedel de Filosofia na Universidade de Coimbra, função que implicava a

sobre a frequència dos estudantes às

aulas e a anotação das faltas. Ora, esse bedel era cunhado do carioca Estácio Gularte, estudante de

Medicina. Em 1775, já fora denunciado por um estudante de Leis, que assistira com ele ao préstito de Santa Teresa. Ou\i.ra-o então dizer “que as instituiçoes das ordens de regulares, ou as suas retodas, ou a maior parte, tinham sido inventadas por homens fanáticos e ociosos que que-

riam isentar-se da jurisdição real". Não podia haver forrnulação [247] mais clara do regalismo que imperava na universidade. Depois, em rj-79, Antonio Isidoro dos Santos foi novamente denunciado: “proferiu varias proposiçöes heréticas, defendendo-as com pertinãcia contra a pureza de Maria Santissima, contra a

do inferno". Além disso, “seguia o erro de Pitágoras a re-

speito da transmigração das almas". E repetìra o que dissera acerca das ordens religiosas e da jurisdição real.2 Estácio Gularte, que mais tarde su.rge na documentação como amigo do bispo do

Rio de ]aneiro, certamente partilhava as aütudes regalistas do cunhado e atuou de bom grado como médico da ordem do Carmo durante sua reforma, sendo, por isso mesmo, muito atacado por aqueles religiosos. Mesmo um padre mestre, em conversa com um colegial teólogo no colégo de São Bernardo

de Coimbra no ano de rjgg, oonfessava ler, muitas vezes, livros heréticos, alegando ter licença para isso, e negava “a real existencia e distinção das divinas pessoas”. E mais: “chamou fantasmas de velhos a etemidade das penas do infemo e a existencia da bem-aventurançaïë Um doutor canonista referiu as conversas em casa de Antonio Bemardes, estu.dante do quinto ano de Leis, em que este afirrnara: “as

não eram da fé divina, mas, sim, patranhas

dos pontifices, referindo-se a Arlálíse do padre Antonio Pereira". O denunciante também outira a u.m companheiro de Bemardes, charnado Mariano ]osé, defender a mesma opinião, pois parecia que também tinha lido essa obra. Referia-se prrovavelmente ao carioca Mariano ]osé Pereira da Fonsem, igualmente estudante de I_eis.7¿5

Convém esclarecer aquì que o padre oratoriano Antonio Pereira de Figueiredo, extrernarnente atuante na Real Mesa Censória na qualidade de deputado, já nesse período, vira urna obra sua ser vetada por seus colegas censores. Tratava-se, então, de u.ma dissertação “acerca de se refomiar o

Breviário de Braga”, a [248] qual, a publicar-se, “era capaz de fazer uma grande sedição neste Rei.no”.¶ Mais tarde, em rygr, quando atuava a Real Mesa da Cornissão Geral sobre o Exame e Censura de Livros (1787-1794], a proibição recaiu sobre sua Anáiise da prqfissào de ƒš' do Santo

Padre Pio I\=', publicada no mesmo ano e cuja reimpressão não foi pennifida. Mariano ]osé Pereira da Fonseca possuia essa obra em sua biblioteca, sequestrada no Rio de ]aneiro em 1794.

Os pedreiros livres A libertinagem constituiu um fenomeno intelectual muito mais disseminado no Rio de ]aneiro dos vice-reis do q\1e a maçonaria. Mas, antes de se matricular na Universidade de Coim-

bra, já Antonio de Morais Silva ou\ira seu mestre de Filosofia no Rio de ]aneiro, fr. Anaståcio Furtado de Mendonca, religioso da ordem do Carmo calçado e doutor pela Sorbonne, falar do gredo que envolvia os maçons. Era comum, no seu grupo de Coimbra, falar-se nos pedreiros livres, “no segredo desta seita, seu instituto e coisas semelhantes”. E corifessou., em 1579, perante os inquísidores de Coimbra, que, naquele tempo, ignorava que aquela sociedade fosse condenada,

“como depois soube, vendo em Berti que o papa Clemente XII, segundo a sua lembrança, proibira a dita seitaïë E, na verdade, aquele papa oondenou a maçonaria em r';33. O edital da Inquisição de rj, de fevereiro de 1792 exigiu também que fossem denunciados os “ajuntamentos, agregaçöes ou conventiculos" dos maçons, “tulgo pedreiros livres". Isso porque,

segundo os inquisidores, a maçonaria defendía uma doutrina errónea, suspeita e perigosa, não só do ponto de iista politico, mas também religioso. Políticamente. o perigo provinha da defesa da desobediencia civik para a religião, era condenável o “indiferentismo [249] religioso” das so ciedades maçônicas, que admitiam homens de todas as seitas “e até mesmo sem a.lgu.ma”, cuja tolerancia era contraria ao catolicismo, “que não admite mais do que uma fé, uma verdade e uma religião'“.§ Mais tarde, em 1802, D. Rodrigo de Sousa Coutiriho não aceitava a interferencia do

Santo Oficio na questão da maçonaria e exprimiu sua opinião ao principe rqente D. Ioão: “todo o procedimento da parte da Inquisição em tal materia vai fazer ao governo de V. A. R. um grande

descrédito em toda a Europaïï O ambiente Lmiversitario coimbrão era propicio à divulgação das práticas e do discurso

rnaçonico. e, portanto, os estudantes cariocas cermmente sabiam que, em Coimbra, existia um grande número de pedreiros li*-res que se reuniam ã noite, provavelmente no Choupal em frente à cidade e, durante o dia, na loja do chapeleiro Rosa. As cerimônias de iniciação eram bem conhecidas, bem como os preceitos que caracterizavam a maconaria: a obrigação “de socorrer uns aos

outros, de guardar segredo e de não pedir dinheiro com ánimo de o não pagar”, segundo uma denúncia de r,¬-94.2 Ioão ]osé da Veiga, estudante do terceiro ano de Leís da Universidade de Coimbra, encontrando-se no Rio de ]aneiro, travou conhecimento cum ]oão Mendes Sanches e, nurn síbado, foi oonvidado por ele passear na cidade. E ia conversando sobre varios tem.as, por exemplo, como se

poderia compreender o misterio da Santíssima Trindade, uma vez que “ser um e tres ao mesmo tempo eram coisas repugnantes". E disse ser “uma felioidade o ter logo, desde moço, quem lhe abrisse os olhos, o que ele devia a seus mestres". Ao chegarern ao Passeio Público, Iirou u.m livro

do bolso e disse: “eis aqui a religião dos sãbios e [250] aqui verá um discurso de u.m rei, de um

sãbio, de u.m politico e soldado”. Abrindo o livro, leu um tredio de um tratado contra a religião cristã e disse a Veiga que fosse lendo enquanto passeava. O estudante \iu então que se tratava das obras de Frederico, rei da Prússia, “no qual com picantes mas ridiculos argurnentos atacava a verdade da religião cristã e mostrava que se devia seguir a religião natural". Seriam as Oeuvres posthumcs de Fr¿d¿ric le Grand [Obras pósturnas de Frederico, 0 Grande], prorfbidas pela censura.

Veiga encontrou varias vezes Sanches com esse e outros volumes, os quais lhe foram emprestados para que os lesse. Ao que parece, as obras de Frederico II da Prússia pertenciam ao provedor da Casa da Moeda do Rio de ]aneiro, o que significava a circulação dos textos macônicos

pelos letrados da cidade. O estudante, nos últimos tempos da sua convivencia no Rio de ]aneiro com Ioão Mendes Sanches, “conheceu nele desejos de ser franc-maçon”. Regressaram os dois a Portugal, e nada mais sabemos desse natural do Ribatejo. Também ignoramos o que fazia no Rio de ]aneiro, nias não ha dúvida de que se tratava de u.m hofmem que lia livros proibidos, pois, segundo Veiga, carregou para Lisboa os romances de Voltaire, a Pucclia d'Ori¿m1s e as Cartas de I-Ieloísrz s Abelardo, obras classificadas como obscenas e licenciosas, cuja leitura ficara irripedida pelo edital de rjjo da Real Mesa Censoriaë Há noticia de u.m maçom preso e deportado de Lisboa, que, de passagem pela cidade, tentou em rjgg contatar alguns habitantes, entre eles o chanceler da Relação, Luis Beltrão de Gouveia e Almeida. Este achou mais prudente encarriirihar uma representação ao conde de Resende acerca

de um “maniaco" e “lunático perigoso” capaz de seduzir quem o ouvisse “pela facilidade que lhe deram de falar e escrever”, certamente na ilha das Cobras, cujo govemador lhe concedera urna certa liberdade de movvimentos. O vicerei i.rnediata.mente mandou fazer uma busca entre os pre-

sos do navío, sendo encontrados alguns catecismos maçônicos e livros [251] que, segundo ele, contìnham “os errados principios dos novos republicanos”, e que, por isso mesmo, foram apreendidos. Eram obras de Voltaire, Rousseau e I-Ielvétius, entre outros.H Segundo Oliveira Marques, o grande especialista da maçonaria, só em råoo ha noticia da loja

Unido na Praia Grande, logo extinta no ano seguinte. Em rSor, surgiu uma segunda loja no Rio de ]aneiro, de nome

filiada, dois anos mais tarde, no Grande Oriente da ilha Mauricia,

pertencente então a França, a qual teve um rápido crescimento até 1806.,-L*

Embora as lojas maçonicas tenham sido criadas no Rio de ]aneiro apenas no inicio do século XIX, já anteriormente alguns naturais da cidade tinham sido denunciados à Inquisição. Antonio Bandeira de Gouveia, cirurgião de uma embarcação e filho do boticärio com o mesmo nome,

sofreu uma denuncia em 1399, segundo a qual iria procurar, em Lisboa, al.gu.mas pessoas para o admitirem na sociedade dos pedreiros livres da corteë Sabemos também, pelas irrvestigacôes da

Intendencia da Policia de Lisboa, que ]osé Iulião Martins da Costa Passos, morador no Rio de ]aneiro, também era maçom.j Um oficial da Marinha inglesa, que esteve no Rio de ]aneiro em 1803, Iames Kingston Tucliey, comentou que a sociedade maçônica não pudera ser controlada na

cidade nem pelas autoridades civis, nem pela Inquisição: “Em 1803, essa sociedade contava com somente 25 irrnãos; em 1804, esse número saltou para rc>o".2 Data de ig de dezembro de 1304 uma denuncia contra alguns individuos que tinham fama de maçons. Tudo partira de uma conversa que “por casualidade” tivera Venancio ]osé Lisboa, vivendo de seu negocio e morador na rua da

freguesia da [252] Candelaria. Falando à

porta com um sujeito, este lhe contara uma historia acerca de uma casa onde se reuniam os pedreiros livres num local chamado os Inválidos. E dera alguns nomes daqueles que pertenciam aquela “ir'rnandade": Manuel Gomes da Cunha, morador na travessa da Alfåndega; Francisco Fer-

nandes Barbosa, mixeiro do negociante Antonio Luis Fernandes, que arregimentara para o grupo ]osé da Estrela, morador na Prainha e mestre de uma embarcação que navegava para o Rio Grande. Este último usava nas correntes do relogio “um sinete com as armas da dita irmandade”, o que provvocara a censura de alguns amigos seus. Ao receber essa e outras denuncias, o comissário, o carrnelita fiz Félix de Santa Teresa

Nascentes, tirou informacöes acerca dos denunciados e chegou à conclusão de que ]osé da Estrela era “um famoso pedreiro livre e dos mais acénirnos desta seita”. Quanto aos demais, não os conhecia, mas afirmou aos inquisidores em Lisboa que acerca deles não havia dú\ida, “pela fama que corre”. Dos nomes citados, só ]osé da Estrela teve um processo iriquisitorial. Em relação aos denunciados por um moco sisudo que vivia “corn bom procedimento”, con-

hecido do cornissãrio, este não obtivera nenhuma informação: “so ouço dizer, são pedreiros livres e por tais são conhecidos”. Tratava-se, nesse caso, de alguns negociantes moradores na rua dos Pescadores e também de seus caixeiros. Essa informacão aos inquisidores, datada de 7 de janeiro de rSo5,

pela vaguidão, pelo ouvir dizer, pela opinião de individuos a quem fiz Félix dava

cré[email protected]

De acordo com uma denúncia de zo de jul.ho de rSo5, parece ter havido vários maçons no convento de S. Francisco. Manuel Dias de Lima tinha ouvido, muitas vezes, dizer que o padre mestre fr. Francisco de Sampaio, religioso franciscano, era pedreiro livre. Esse rumor fora-lhe transmitido por um negociante, e ele procurara confirrná-lo junto de um membro daquela ordem religiosa. Soubera não ser apenas o padre mestre, mas também outros seisl Também [255] outira

dizer que um cirurgião, preso na cadeia da Relação do Rio de ]aneiro por crime de morte, era pedreiro livre, mas ignorava seu nome. Corria o rumor de que tal crirninoso dos Campos de cases escapara da forca "por ter um livrinho de capa encamada, do qual fizera desistencia 2 ou 3 horas antes de comungar". Não é dito que livro era esse que estava nas mãos do maçonä

Quando o comissário, dois dias depois da denuncia, comentou sobre o caso à Lisboa, procurou não atacar demasiado o padre mestre. Confinnou que ele era conhecida na sua corporaçao por pedreiro livre, mas, ao mesmo tempo, era u.m religioso que servia bem ã sua ordem. Quanto à historia do livro vermellio, iriformou que o nome do preso era Francisco Antonio

Rodrigues, mas não conseguira averiguar a quem ele entregara tal volume, embora pudesse ter sido a fr. Francisco de Sampaio, que visitava a cadeia como diretor espiritual. Mas acabou por considerar “fabulosa” a noticia da entrega do tal livro. Ouvira dizer que Rodrigues era pedreiro livre e boticário. “Não duvido - escrevia o comissário - usasse da Cirurgia na vila dos Campos dos Govtacases”. Ele escapara da forca e fora degredado por toda a vida para Benguelafl

Apesar de pouco conhecida, a maçonaria era bem vista no Rio de ]aneiro. Acerca de ]osé de Faria Magalhães, que fora escrivão dos órrfãos no Rio de ]aneiro e que, em 1196, por ocasião do interrogatorio das testemunhas acerca das libertínagens proferidas nas boticas, já se tinha retirado

para Lisboa, o denunciante afirmou que ele “louvara os pedreiros livres da França, que eram a melhor gente que haria, e que eram bons homens”. Ele díssera “que os pedreiros livres eram uns homens que tinham descobeito a melhor praxe de viver, porque, quando algum empobrecia, os iguais o socorriam e que sempre vinham a river ricos". A ideia que circulava na cidade, portanto, era a da ajuda prestada pelos maçons aqueles que, naquela sociedade, mais necessitavam. Tratava-se de [254] urna nova forma de apoio aos necessitados que nada tinha a ver com as antigas práticas católicas. Essa

da maçonaria era também a de Luis Carlos da Costa, Qpitão do IQ

Regimento do Rio de ]aneiro: “os pedreiros livres eram boas gentes, e não más como nos o supúnhamos, pois vendo-se algum em necesšdade os companheiros o socorriam, e por certo sinal que taziam se conheciam uns aos outos'“.^_1

E interessante que, num oficio de Diogo de Pina Manique, intendente-geral da Policia em Lisboa, a D. Rodrigo de Sousa Coutinho, datado de 2 de maio de r3or, se acentuava que os pedreiros li\res juravam “guardarem ente si u.ma fraternidade e união” e que “nesta infame seita”

entra'-'am pessoas “de todas as j erarquias e grandes eclesiásticos".E Por outro lado, nu.m oficio ao intendente, de 23 de julho de 1803, em que é apresentado um cálculo aproximado dos maçons em Lisboa (ente 4 e 5 mil], é dito também que eles se empenliavam muito “em espalhar a seita no Brasil”. O que era de se esperan “O dogma da liberdade dos maçons parece-me mais considerável e atendivel nos oriundos das colonias”, escrevia o oficial da Secretaria da Policia de Lisboa. Dai a imediata ligação da maçonaria à ideia de independencia, afirmando esse funcionario: “eiúste um projeto de rebelar o Brasìl".2

Procurou-se igualmente estabelecer urna conexão entre maçonaria e republicanismo. Iá em 1799, por ocasião da passagem pelo Rio de ]aneiro de u.m maçom que pennaneceu preso na ilha das Cobras arites de seguir viagem, o conde de Resende conftmdia, por ignorancia ou má fé, o ser

maçom e o ser republicano ao afirrnar que aquele pedreiro livre “não só deseja mas efetivamente espera ver sua pátria envolta na mesma confusão, desordem e ruina em que se ve submergida a França pelo transtomo da sua monarquiaïfi r Ver o ediml completo em Marques, zooo, p.64. g I-Iiggs, “O Santo Oficio da Inquisição e a 'Iuciferina assembleia' do Rio de ]aneiro na década de

r,¬-go”, RIHGB, 4r2, p.259. 3 Cavalcanti, O Ria dejanøiro setecmtista, p.419-zo. 4, I-Iiggs, "Inirnigos de Deus e amigos de Sua Majestade no Brasil nos anos rjgo”, Rsirista da

SBPH, 9. 5 Ibid., p.5c›o.

Q I`bid., p.268, 313 e31S. ji AINTT, IL, Conselho Geral, livro 24, fis.zr2-3. E Ibid., fls.22¡5-7, e também o processo 12950. 9 I-Iiggs, “lnirriigos de Deus e amigos de Sua Majestade no Brasil nos anos 1790”, Rwísta da

SBPH, 9. ¡Q ANTI, IL, Conselho Geral, livro 24, fls.226-7. ,tr ANTI", IL, Conselho Geral, livro 24, fls.297-zgjv. 12 ANTT, IL, Promotor, livro 322; AHU, Rio de ]aneiro, Caixa 169, doc.r25Sr. 13 ANTT, IL, Promotor, livro 520.

14 ANTI', IL, Promotor, livro 322. ¡5 ANT1",IL,15oo8. ¡Q Abreu, “Em busca do leitor: estudo dos registros de leitura dos censores", p.197. ,tj-1 Dias, Osprimârdios da Maçonaria sm

v.r, L1, p.581.

¿É ANTI', Inquisição de Coimlmz, 3094..

19 Martins, A cenmra literaria em Portugal nos simios XVII e XVIII, p.4o 6. gg Apud Barata, Maçonaria, sociabüidade ilustrada, p.42. 2; ANTI", IL, Conselho Geral, livro 433, fl.4r7. Nesse auto de fé, saiu também o estudante médico Francisco de Melo Franco, natural de Paracatu, considerado "herege, naturalista, dogmático, negava o sacramento do matrimonio". 22 Ver Rrvista do Livra, n.25, rg64. ¡3 Becl%.E [266] Por meio de uma carta de Antönio Luis Fernandes, negociante da rua dos Pescadores,

ao livreiro frances Rolland, em Lisboa, datada de 1795, constatamos venderem-se bem na cidade “livros fora do comum", além dos habituais "rnissais, brevia'.rios e horas latinas”. Eemandes já comercializara obras no valor de 156553;-' reis, mas devolvia para Lisboa algumas que não conseguira vender. A lista das devoluçöes, com os titulos simplificados, era a seguinte: Adágios da língwa portuguesa; Amigo do

Boa lavnzdom; Cartas sobre as modas; Diârios do mlvtão; Discurso

sobre fi›me1-utar a iradúsiria do povo; Diálogo dos mortos; Homem escrupuloso; Laura dänflizo; tido de jesus Cristo; Obras de Sá de Miranda; Reflexôes sobre a. miserieórdia de Deus; Pråtica da. devoção do Comção de jesus Ciênella. dos costumes; Biblioteca Lusítana; Menina e mapa; Obras de Pinbeiro; Instmçôes sobre a lingua, de Manuel Álvares; Tratado dos escnípulos; Regras para os devotos do Santíssinw; Regms da vida 1.'1`.rtuosa; Instruçöes de Focion; Maleta conqzdstada; Remissöes das leis

noi-ísrhflas; História do bomjesus de Bouças; Reuoiuçoes romanas; Regms do clero; Dissertaçöes sobre o estado religìosoå Se compulsarmos as listas de livros enviados de Lisboa e também do Porto para o Rio de

]aneiro, para ai serem vendidos por negociantes de outras mercadorias, constatamos que nem sempre é fácil identificar quem era efetivamente mercador de livros na corte. Graças a urna ampla pesquisa sobre os livreiros de Lisboa feita recentemente, essa identificação tomou-se possívelë Por outro lado, também se torna por vezes dificil saber se uma determinada lista se destinava a

urna biblioteca particular ou a urn negociante carioca para venda. So as quantidades de cada título enviado refleten-1, na verdade, o comércio livreiro entre a metrôpole e a colônia, e é graças ao cont-

role exercído pelas autoridades cerisórias sobre esse comércio que podemos hoje [267] avaliar não só a quantidade, mas também a qualidade dos 1i\-':os comercializados.

Níreu Cavalcanti escreveu sobre aquilo que chama a “lìvraria” de ]osé de Sousa Teixeira, estudada a partir de um ì.nventá.rio localizado no Arquivo Nacional do Rio de ]aneiro. Este Teixeira seria um negociante com loja ria rua Direìta, mas seu nome não consta dos dois a].ma.na.ques de Ij-92 e 1794, talxez porque se tratasse de um simples mercador, e não de um negociante de grosso

trato. Na loja, foi feina a avaliação, em 1794, de livros, mapas, gravuras, papel, ìmpressos cornerciaís e artigos de pap-elaria, óculos, tecìdos e a*-iamentos, sendo só os livros avaliados em ¡:3S9S4So re'ís.E HÁ de se notar que o maior número de exemplares correspondía a obras de devoção, como as folhirihas de Santa Bárbara, 4.968; os Pmsammtos cristüos, 234; E as oraçöes mentais, 24,8. Embora ali se vendessan também obras de poesia, a célebre novela de Fénelon Aumtums de Tclémaco, em portugués e em francés, e outras novelas corno as A1'e11.1uras de Robinson Crusoe', de Swift, e a Viqgem de Ciro, alguns cornfildios de botánica e a F

lusitana, o

fato é que eram os livros de de'-'oção que mais rendiarn ao mercador. Quando o negociante Antôriio Luís Fernandes refenu a procura por “livros fora do comum” não estaria ele aludindo a obras proibidasP Era voz pública no Rio de ]aneiro que os textos de

Voltaire circulavam na cidade graças a “certo homem de negocio” que os contrabandeara e espalhara. Por exemplo, o reinol ]osé Antonio de Mira, guarda-livros do contrato das baleias, não escondía ser possuidor das obras de Voltaìre.E 0 denunciante do botícáno ]osé Luís Mendes estava convencido de que esse reinol lera o

autor proibida: [263] Eu, por ter visto na mão do reverendo padre ]osé Antonio, hoj e vigário nos Campos em Capivarí, a falsa doutlina de Voltaire, escrita francesa que ele me leu, contradita por autor muito católico e boa e santa Teologia, achava de vez em quando muitas proposiçoes do irnpio

Voltaire na boca deste tal ]osé Luís Mendes. 0 boticário, embora nao confessasse possuir as obras do filósofo, conhecia, certamente por transmissão oral, suas principais doutdnas e, como não gostava de frades, atacava os carmelitas, denunciando que fi; Tomé também tinha os livros de Voltaireå

É preciso lembrar que, nessa época, no Rio de ]aneiro como na Bahia, as obras francesas circulavam muitas vezes em traduçoes manuscritas, feitas nos chamados cadernos. O denunciante das conversas libertinas na botica revelou essa prátíca: Nas mãos de ]osé Luís Mendes, vi um volume grande manuscrito, o qual ele dito me leu

parte, do que fiquei horrorimdo e, com terrivel espanto, vi que o dito cademo tratara contra reliquias de todos os santos, petas dos sacerdotes, contra todos os religiosos e dizia que, enquanto entre nós houvesse frades, teriam os herges com que nos lavar a cara. O tal cademo anulava o santo escapulãrio de Nossa Senhora do Monte do Carmo e a visão da Senhora a São

Simão Estoque, que era peta de frades, e muitas coisas horrorosas que fazern assombraig que me não lembram. E perguntando eu ao tal ]osé Luís Mendes de onde houvera tal livro, mo encobriu, mas é certo que quem lhe deu é outro tal como ele, e este tal \'olu.me presunio que

anda entre estes libertinoså Nem todos os leitores cariocas sabiam francés. Aliás, nessa época, aprender frances tomara-se uma atividade suspeita. Copias [269] manuscritas de obras francesas traduzidas circulavam pela cidade, compensando assim a dificuldade na ímportação dos oríginais proibidos. Por outro lado, o empréstimo de livros era pratica comum. ]osé Luís Mendes reconheceu ter lido obras em-

prestadas com coisas que “se não podiam falar em Espanha e Portugal porque queimavam um pobre diabo”. Embora exagerasse a punição inquisitorial por leitura de livros considerados libertinos, o fato é que tinha plena consciencia de ler obras proibidas e, por essa razão, fora se confessar, tendo-lhe o confessor dito que não lesse tais livros, “que lesse histórìas do mundo”. Ou seja, o confessor aconselhara leituras alternati\¬as, 0 que era, na verdade, uma atitude conciliatória, sem a violencia de uma excomunhão pela leitura proibidaë

O denunciante dos libertinos sabia que Manuel Ferreira, mestre régio de primeiras letras, “tinha mandado vir seis livros da França” corm estampas de Voltaire e do rei da Prussia, certamente Frederico, cujas obras póstumas receberam licença de leitura só em 1305 e que, portanto, era tão proscrito quanto o filósofo francés. Por esse motivo, acrescentou em sua denuncia ter ficado desconfiado de que tais livros fossem de jacobinosë Como fin.l'1a.m entrado na cidade é algo

não esclarecido no interrogatorio. Luis Gonçalves dos Santos, presbítero secular, professor de gramática latina no seminario da Lapa, testemunhotr perante o comissáno, que o reinol Ioão Mendes, por volta de I;-92, lhe ofer› ecera as obras de Voltaire para as corrlp'ra.r.H Por que meios as obras proibídas chegavam ao Rio

de ]aneiro é algo que ignoramos, embora seja de supor que urn liwo ou outro facilmente era escondido entre as roupas e os objetos pessoais de marinheiros que, depois, os comercia1iza\'a.m com lucro grande, como ocorria [270] ern Lisboa, onde era, alias, mais fácil o contrabando dessas obras. As listas de livros embarcados que passavam pela censura eram, contudo, perfeitamente

legais. Tardou urn pouco a trarisforrnação do Rio de ]aneiro em importante centro consumidor de livros. Vejamos o quadro dos livreiros estrangeiros e de suas remessas para a sede do vicereinado.

Quadro 3.1 - Livreiros estrangeiros que remetiarn livros para o Rio de ]aneiro Data

Livreiros estrangeiros

1784

Borel, Borel 3:. Cia.

1795

Viúva Bertrand; ]. B. Reycend

1796

Viúva Bertrand; ]. B. Reycend; Paulo Martin

1799

Borel, Borel 3:. Cia.; Viúva Bertrand; F. Rolland Paulo Mal-hn

¡Boo

Borel, Borel En Cia.; Viúva Bertrand; F. Rolland J B Rewcend, Paulo

ivimin; P. 1. Rey ¡Sor

Borel, Borel En Cia.; Viúva Bertrand; F. Rolland Paulo Martin, P I

1802

Viúva Bertrand; F. Rolland; Paulo S-'Ia.rt|n P ] Rev

Rey

ISQ5

Paulo Marfin 3: Fillios

1306

Borel, Borel 3: Cia.; Paulo Martin 3: Filhos P I Rey

¡Soy

Viúva Bertrand; F. Rolland; Paulo Marian

Fonte: Curto et al., _»-'ts gentes do livro. Como podemos constatar pelos dados anteriormente apresentados em 1300 seis dos mais

importantes livreiros franceses de Lisboa remeberam livros para o Rio de ]aneiro e, como veremos no Quadro 8.2, as remessas anuais tornaram-se cada vez mais numerosas, sendo ate mesmo mensais . [271] Quadro 8.2 - Número de remessas anuais Livrreiro

Ano

Remessa(s)

Viúva Bertrand

Irsa

I

r,¬-96

6

U99

9

¡Soc

5

1301

4

¡S07

I

r;gG

I

1799

2

¡Soc

2

Paulo Martin

1801

jr

1802 Paulo Martin 3: Filhos

1 1805

Borel, Borel 3:. Cia.

Francisco Rolland

Ioão Batista Reycend

Pedro ]osé Rey

r

r8o6

4

1784

1

1799

1

1800

1

¡Sor

2

1806

1

ir;-'99

-3

1800

4

¡Sor

1

:S02

1

1806

1

:S07

1

1795

2

r79G

2

1800

1

r8oo

3

1801

2

:S06

3

Fonte: Curto et al., As gentes do livro.

[272] Chama-se a abenção para o fato de, em finais do século XVIII e inicios do XIX, ser o Rio de ]aneiro o único mercado com interesse para os livreiros franceses de Lisboa. A Bahía não atraía e as demais uapítanias muito menos. '\f'ejamos agora

os livreiros reinóis que negociavam com a sede do vice-reinado. Poucos

procuraram vender no Rio de ]aneiro, e aqueles que bomaram a iniciativa o fizeram esporadicamente, e não de forma sistemática como os estrangeiros. Quadro 8.3 - Livreiros francaes de Lisboa que vendiani no Rio de ]aneiro Li\«'rei.ro

Anos

Antonio Manuel Policarpo da Silva

1795, 1799, 1303

Ioão Procópio Correia da Silva

1796

]osé Antonio da Silva

1806

]osé Gomes Claro

r7-99

]osé Luís de Carvalho

1799, 1300

Simão Tadeu Ferreira

1796, 1799, 1801, 1303, 1804, 1806

Tirnóteo ]osé da Paz

1799

Fonte: Curto et al., As gentes do livro. Se excetuarmos o livreiro impressor Simão Tadeu Ferreira, poucos a.rr'iscara.m a venda no Rio de ]aneiro, o que nos faz crer que eram individuos particulares, quando muito negociantes e

membros das ordens religiosas, que se encarregavam de satisfazer as encomendas cariocas. Policarpo da Silva, que era também administrador da loja da Gazeta em Lisboa, iniciou sua atividade no mesmo ano em que mandou livros para o Rio de ]aneiro, e o mesmo ocorreu com Ioão Procópio. Na única remessa deste último em 1796, sobressaem 30 Artes da lingua gzrui do Brasil, 25

Paládios do més de abril e outros tantos do més de maio (publicaçöes periódicas tão dificeis de encontar hoje quanto os Msrciírios), 25 Devoçöes do Santíssimo Sacramento, zo \-'isítas ao Santíssimo Sac-ramanto e zo Escola: nouas. Dos catorrze [273] titulos, só oferece ncøvidade uma História dos filósofos, em dois volumes em [email protected]

]osé Antônio da Silva seguiu uma outra orientação em 1806: poucos exemplares de cada obra e uma maior variedade de titulos, de maneira a satisfazer um leque maior de leitores. Atendia os devotos com um Missal e u.m Has Sanctorwn, in fiolium; os profissionais com um Tratado dos Bcarcício vnzroantii, a Parmaoopeia quíniica, .Eimmiàos de Botánica, Exama de sangadores, Eiornmtos de

os amantes de poesia com as Obras

de Belchior, os Lusíaáas de

Camöes, as Rimas de Bocage; os apreciadores de pecas dramáticas com as tragedias Efigênia, Elan-› tm e Horménia e com comedias e entrerneses enviados em grande quantidade (trinta exemplares). Contudo, o forte dessa remessa le=\'a\¬a em conta o gosto pelas novelas em português recentemente publicadas. Embora os títulos se enconirem simplificados na lista apresentada ã censura, é pos›

sível identificar a maior parte. 1 - O løacharel de Salamanca, ou as aimaiuras de Dom Quemlxím de la Ronda. Traduzido do francés por Carlos ]osé da Cunha. Lisboa, 1802-1803. 2 - Carolina de

ou. 0 triurgìi da ifírtucic, publicado pelo tradutor de Werther. Traduzi-

do do francés para o português. Lisboa, 1790.

3 -As mii e uma noiàes. Contos aníbioos. Traduzidos do fiancês. Lisboa, 18014303.

4 - O novo Guiii.-er, ou viagem de joão GuZiver,_fi1ho do capitão Guiíiver. 5-O

ou aƒìlioidade no último Lance. História inglesa. Lisboa, 1302.

6 - Memorias do oavaikeiro de Kilpar, o homern raro. Escritas em inglês por Fielding, e na lin-

gua portuguesa por NI. Lisboa, 1805. 7 - Vida e aventuras de Sancho de Gravena, ou o iiomem dos sete q†`íc¡o-5.2 [274] S - A ilha incógnita, ou memórias do cauaiiieiro de Castines. Escritas em frances e publicadas por monsieur Grivel, traduzidas em português. Lisboa, 1302. Claro que as sempre presentes Aventuras de Teiímaco tarnbém constam dessa lista. Outras

novelas foram enviadas, mas ainda não foi possivel ideritificá-las em razão da simplificação dos títulos: Amigos nlvais, Denoncour, História de Afonso e Daíinda, Sonkos de um homem acordado, Viagens de Henrique Wanton, Lanoes de 1.'en.tum [de Monroy e Ros}, Os dois Robinsons, Aventuras de Estêvão Gonçalues, Bertoldo e Bertoidínlw.

Esse livreiro, talvez porque em Lisboa os saraus recreativos se tinharn tornado mais frequentes, pensou que, no Rio de ]aneiro, também encontraría compradores para obras como Passatempo, Tardes divertidas, jogos de prendas, Arcanos dajòrtima, ou livro de sortes. Em resumo, ]osé Antonio da Silva diversificou e aumentou seus títulos de exportagão para o Rio de ]aneiro: 4 inƒoiium; 23 em 42; 97 em 39; e 11 em 129, num total de 135, com clara predominância do forrnato

mais portátil. Ia Simão Tadeu Ferreira foi mais restrito em sua remessa de 1806: apenas dezenove títulos, mas incluindo tambémum Novojogo de sortes, publicado em 1300, e duas novelas, Cartas pemvianas e o Solitário de Termssonïl Os livreiros franceses de Lisboa, Francisco Rolland, Borel Borel 3:. Cia., Viúva Bertrand e

Paulo Martin, comercializavam uma grande variedade de livros, procurando atender a todos os gostos. As listas deste último são as mais numerosas e cuicladas, pois indicam o formato, na maior parte das vezes em S9, o número de tomos de cada obra, o local e a data da edição. Dado o elevado núrnero de obras enviadas e corno, mais tarde, um filho de Paulo Martin se vai instalar no

Rio de ]aneiro, são suas estrategias de venda aqui analisadas em mais pormenor. Na primeira remessa, constam 69 títulos. [275] Convencido de que a elite carioca lia francés, escolhia sempre algumas obras [talvez o encalbe da sua loja lisboeta] nessa lingua, além dos livros publicados sobretudo em Lisboa, mas também no Porto e em Coimbra. Vejamos suas escolhas na produção em firancés.

Quadro 3.4 - Obras em frances expedidas para o Rio ]aneiro pelo livreiro Paulo Martin Autor

Obra

Cidade de publicação

Ano

Richardson

Histoire de Ci.eueia›1.d

Paris

1738

Rollin

Histoire ancienne

1736

Baj,-'en

Opuscules mbimiques

1793

Neuville

Sermons

Geoffroi

Sermons

1734

Banutet

Sermons

1786

Dugay Trouin

Vie de

1783

Gibrat

G¿