A Mente Bem Treinada - Um Guia Para Educacao Classica Em Casa (Em Portugues do Brasil) 9788569049043

Após quarenta anos de experiência em educação, Jessie e Susan Wise chegaram a uma simples conclusão: se você deseja que

138 62 9MB

Portuguese Pages [868] Year 2019

Report DMCA / Copyright

DOWNLOAD FILE

Polecaj historie

A Mente Bem Treinada - Um Guia Para Educacao Classica Em Casa (Em Portugues do Brasil)
 9788569049043

Table of contents :
capas - 0001
capas - 0002
capas - 0003
capas - 0004
miolo - 0005
miolo - 0006
miolo - 0007
miolo - 0008
miolo - 0009
miolo - 0010
miolo - 0011
miolo - 0012
miolo - 0013
miolo - 0014
miolo - 0015
miolo - 0016
miolo - 0017
miolo - 0018
miolo - 0019
miolo - 0020
miolo - 0021
miolo - 0022
miolo - 0023
miolo - 0024
miolo - 0025
miolo - 0026
miolo - 0027
miolo - 0028
miolo - 0029
miolo - 0030
miolo - 0031
miolo - 0032
miolo - 0033
miolo - 0034
miolo - 0035
miolo - 0036
miolo - 0038
miolo - 0039
miolo - 0040
miolo - 0041
miolo - 0042
miolo - 0043
miolo - 0044
miolo - 0045
miolo - 0046
miolo - 0047
miolo - 0048
miolo - 0049
miolo - 0050
miolo - 0051
miolo - 0052
miolo - 0053
miolo - 0054
miolo - 0055
miolo - 0056
miolo - 0057
miolo - 0058
miolo - 0059
miolo - 0060
miolo - 0061
miolo - 0062
miolo - 0063
miolo - 0064
miolo - 0065
miolo - 0066
miolo - 0067
miolo - 0068
miolo - 0069
miolo - 0070
miolo - 0071
miolo - 0072
miolo - 0073
miolo - 0074
miolo - 0075
miolo - 0076
miolo - 0077
miolo - 0078
miolo - 0079
miolo - 0080
miolo - 0081
miolo - 0082
miolo - 0083
miolo - 0084
miolo - 0085
miolo - 0086
miolo - 0087
miolo - 0088
miolo - 0089
miolo - 0090
miolo - 0091
miolo - 0092
miolo - 0093
miolo - 0094
miolo - 0095
miolo - 0096
miolo - 0097
miolo - 0098
miolo - 0099
miolo - 0100
miolo - 0101
miolo - 0102
miolo - 0103
miolo - 0104
miolo - 0105
miolo - 0106
miolo - 0107
miolo - 0108
miolo - 0109
miolo - 0110
miolo - 0111
miolo - 0112
miolo - 0113
miolo - 0114
miolo - 0115
miolo - 0116
miolo - 0117
miolo - 0118
miolo - 0119
miolo - 0120
miolo - 0121
miolo - 0122
miolo - 0123
miolo - 0124
miolo - 0125
miolo - 0126
miolo - 0127
miolo - 0128
miolo - 0129
miolo - 0130
miolo - 0131
miolo - 0132
miolo - 0133
miolo - 0134
miolo - 0135
miolo - 0136
miolo - 0137
miolo - 0138
miolo - 0139
miolo - 0140
miolo - 0141
miolo - 0142
miolo - 0143
miolo - 0144
miolo - 0145
miolo - 0146
miolo - 0147
miolo - 0148
miolo - 0149
miolo - 0150
miolo - 0151
miolo - 0152
miolo - 0153
miolo - 0154
miolo - 0155
miolo - 0156
miolo - 0157
miolo - 0158
miolo - 0159
miolo - 0160
miolo - 0161
miolo - 0162
miolo - 0163
miolo - 0164
miolo - 0165
miolo - 0166
miolo - 0167
miolo - 0168
miolo - 0169
miolo - 0170
miolo - 0171
miolo - 0172
miolo - 0173
miolo - 0174
miolo - 0175
miolo - 0176
miolo - 0177
miolo - 0178
miolo - 0179
miolo - 0180
miolo - 0181
miolo - 0182
miolo - 0183
miolo - 0184
miolo - 0185
miolo - 0186
miolo - 0187
miolo - 0188
miolo - 0189
miolo - 0190
miolo - 0191
miolo - 0192
miolo - 0193
miolo - 0194
miolo - 0195
miolo - 0196
miolo - 0197
miolo - 0198
miolo - 0199
miolo - 0200
miolo - 0201
miolo - 0202
miolo - 0203
miolo - 0204
miolo - 0205
miolo - 0206
miolo - 0207
miolo - 0208
miolo - 0209
miolo - 0210
miolo - 0211
miolo - 0212
miolo - 0213
miolo - 0214
miolo - 0215
miolo - 0216
miolo - 0217
miolo - 0218
miolo - 0219
miolo - 0220
miolo - 0221
miolo - 0222
miolo - 0223
miolo - 0224
miolo - 0225
miolo - 0226
miolo - 0227
miolo - 0228
miolo - 0229
miolo - 0230
miolo - 0231
miolo - 0232
miolo - 0233
miolo - 0234
miolo - 0235
miolo - 0236
miolo - 0237
miolo - 0238
miolo - 0239
miolo - 0240
miolo - 0241
miolo - 0242
miolo - 0243
miolo - 0244
miolo - 0245
miolo - 0246
miolo - 0247
miolo - 0249
miolo - 0250
miolo - 0251
miolo - 0252
miolo - 0253
miolo - 0254
miolo - 0255
miolo - 0256
miolo - 0257
miolo - 0258
miolo - 0259
miolo - 0260
miolo - 0261
miolo - 0262
miolo - 0263
miolo - 0264
miolo - 0265
miolo - 0266
miolo - 0267
miolo - 0268
miolo - 0269
miolo - 0270
miolo - 0271
miolo - 0272
miolo - 0273
miolo - 0274
miolo - 0275
miolo - 0276
miolo - 0277
miolo - 0278
miolo - 0279
miolo - 0280
miolo - 0281
miolo - 0282
miolo - 0283
miolo - 0284
miolo - 0285
miolo - 0286
miolo - 0287
miolo - 0288
miolo - 0289
miolo - 0290
miolo - 0291
miolo - 0292
miolo - 0293
miolo - 0294
miolo - 0295
miolo - 0296
miolo - 0297
miolo - 0298
miolo - 0299
miolo - 0300
miolo - 0301
miolo - 0302
miolo - 0303
miolo - 0304
miolo - 0305
miolo - 0306
miolo - 0307
miolo - 0308
miolo - 0309
miolo - 0310
miolo - 0311
miolo - 0312
miolo - 0313
miolo - 0314
miolo - 0315
miolo - 0316
miolo - 0317
miolo - 0318
miolo - 0319
miolo - 0320
miolo - 0321
miolo - 0322
miolo - 0323
miolo - 0324
miolo - 0325
miolo - 0326
miolo - 0327
miolo - 0328
miolo - 0329
miolo - 0330
miolo - 0331
miolo - 0332
miolo - 0333
miolo - 0334
miolo - 0335
miolo - 0336
miolo - 0337
miolo - 0338
miolo - 0339
miolo - 0340
miolo - 0341
miolo - 0342
miolo - 0343
miolo - 0344
miolo - 0345
miolo - 0346
miolo - 0347
miolo - 0348
miolo - 0349
miolo - 0350
miolo - 0351
miolo - 0352
miolo - 0353
miolo - 0354
miolo - 0355
miolo - 0356
miolo - 0357
miolo - 0358
miolo - 0359
miolo - 0360
miolo - 0361
miolo - 0362
miolo - 0363
miolo - 0364
miolo - 0365
miolo - 0366
miolo - 0367
miolo - 0368
miolo - 0369
miolo - 0370
miolo - 0371
miolo - 0372
miolo - 0373
miolo - 0374
miolo - 0375
miolo - 0376
miolo - 0377
miolo - 0378
miolo - 0379
miolo - 0380
miolo - 0381
miolo - 0382
miolo - 0383
miolo - 0384
miolo - 0385
miolo - 0386
miolo - 0387
miolo - 0388
miolo - 0389
miolo - 0390
miolo - 0391
miolo - 0392
miolo - 0393
miolo - 0394
miolo - 0395
miolo - 0396
miolo - 0397
miolo - 0398
miolo - 0399
miolo - 0400
miolo - 0401
miolo - 0402
miolo - 0403
miolo - 0404
miolo - 0405
miolo - 0406
miolo - 0407
miolo - 0408
miolo - 0409
miolo - 0410
miolo - 0411
miolo - 0412
miolo - 0413
miolo - 0414
miolo - 0415
miolo - 0416
miolo - 0417
miolo - 0418
miolo - 0419
miolo - 0420
miolo - 0421
miolo - 0422
miolo - 0423
miolo - 0424
miolo - 0425
miolo - 0426
miolo - 0427
miolo - 0428
miolo - 0429
miolo - 0430
miolo - 0431
miolo - 0432
miolo - 0433
miolo - 0434
miolo - 0435
miolo - 0436
miolo - 0437
miolo - 0438
miolo - 0439
miolo - 0440
miolo - 0441
miolo - 0442
miolo - 0443
miolo - 0444
miolo - 0445
miolo - 0446
miolo - 0447
miolo - 0448
miolo - 0449
miolo - 0450
miolo - 0451
miolo - 0452
miolo - 0453
miolo - 0454
miolo - 0455
miolo - 0456
miolo - 0457
miolo - 0458
miolo - 0459
miolo - 0460
miolo - 0461
miolo - 0462
miolo - 0463
miolo - 0464
miolo - 0465
miolo - 0466
miolo - 0467
miolo - 0468
miolo - 0469
miolo - 0470
miolo - 0471
miolo - 0472
miolo - 0473
miolo - 0474
miolo - 0475
miolo - 0476
miolo - 0477
miolo - 0478
miolo - 0479
miolo - 0480
miolo - 0481
miolo - 0482
miolo - 0483
miolo - 0484
miolo - 0485
miolo - 0486
miolo - 0487
miolo - 0488
miolo - 0489
miolo - 0490
miolo - 0491
miolo - 0492
miolo - 0493
miolo - 0494
miolo - 0495
miolo - 0496
miolo - 0497
miolo - 0498
miolo - 0499
miolo - 0500
miolo - 0501
miolo - 0502
miolo - 0503
miolo - 0504
miolo - 0505
miolo - 0506
miolo - 0507
miolo - 0508
miolo - 0509
miolo - 0510
miolo - 0511
miolo - 0512
miolo - 0513
miolo - 0514
miolo - 0515
miolo - 0516
miolo - 0517
miolo - 0518
miolo - 0519
miolo - 0520
miolo - 0521
miolo - 0522
miolo - 0523
miolo - 0524
miolo - 0525
miolo - 0526
miolo - 0527
miolo - 0528
miolo - 0529
miolo - 0530
miolo - 0531
miolo - 0532
miolo - 0533
miolo - 0534
miolo - 0535
miolo - 0536
miolo - 0537
miolo - 0538
miolo - 0539
miolo - 0540
miolo - 0541
miolo - 0542
miolo - 0543
miolo - 0544
miolo - 0545
miolo - 0546
miolo - 0547
miolo - 0548
miolo - 0549
miolo - 0550
miolo - 0551
miolo - 0552
miolo - 0553
miolo - 0554
miolo - 0555
miolo - 0556
miolo - 0557
miolo - 0558
miolo - 0559
miolo - 0560
miolo - 0561
miolo - 0562
miolo - 0563
miolo - 0564
miolo - 0565
miolo - 0566
miolo - 0567
miolo - 0568
miolo - 0569
miolo - 0570
miolo - 0571
miolo - 0572
miolo - 0573
miolo - 0574
miolo - 0575
miolo - 0576
miolo - 0577
miolo - 0578
miolo - 0579
miolo - 0580
miolo - 0581
miolo - 0582
miolo - 0583
miolo - 0584
miolo - 0585
miolo - 0586
miolo - 0587
miolo - 0588
miolo - 0589
miolo - 0590
miolo - 0591
miolo - 0592
miolo - 0593
miolo - 0594
miolo - 0595
miolo - 0596
miolo - 0597
miolo - 0598
miolo - 0599
miolo - 0600
miolo - 0601
miolo - 0602
miolo - 0603
miolo - 0604
miolo - 0605
miolo - 0606
miolo - 0607
miolo - 0608
miolo - 0609
miolo - 0610
miolo - 0611
miolo - 0612
miolo - 0613
miolo - 0614
miolo - 0615
miolo - 0616
miolo - 0617
miolo - 0618
miolo - 0619
miolo - 0620
miolo - 0621
miolo - 0622
miolo - 0623
miolo - 0624
miolo - 0625
miolo - 0626
miolo - 0627
miolo - 0628
miolo - 0629
miolo - 0630
miolo - 0631
miolo - 0632
miolo - 0633
miolo - 0634
miolo - 0635
miolo - 0636
miolo - 0637
miolo - 0638
miolo - 0639
miolo - 0640
miolo - 0641
miolo - 0642
miolo - 0643
miolo - 0644
miolo - 0645
miolo - 0646
miolo - 0647
miolo - 0648
miolo - 0649
miolo - 0650
miolo - 0651
miolo - 0652
miolo - 0653
miolo - 0654
miolo - 0655
miolo - 0656
miolo - 0657
miolo - 0658
miolo - 0659
miolo - 0660
miolo - 0661
miolo - 0662
miolo - 0663
miolo - 0664
miolo - 0665
miolo - 0666
miolo - 0667
miolo - 0668
miolo - 0669
miolo - 0670
miolo - 0671
miolo - 0672
miolo - 0673
miolo - 0674
miolo - 0675
miolo - 0676
miolo - 0677
miolo - 0678
miolo - 0679
miolo - 0680
miolo - 0681
miolo - 0682
miolo - 0683
miolo - 0684
miolo - 0685
miolo - 0686
miolo - 0687
miolo - 0688
miolo - 0689
miolo - 0690
miolo - 0691
miolo - 0692
miolo - 0693
miolo - 0694
miolo - 0695
miolo - 0696
miolo - 0697
miolo - 0698
miolo - 0699
miolo - 0700
miolo - 0701
miolo - 0702
miolo - 0703
miolo - 0704
miolo - 0705
miolo - 0706
miolo - 0707
miolo - 0708
miolo - 0709
miolo - 0710
miolo - 0711
miolo - 0712
miolo - 0713
miolo - 0714
miolo - 0715
miolo - 0716
miolo - 0717
miolo - 0718
miolo - 0719
miolo - 0720
miolo - 0721
miolo - 0722
miolo - 0723
miolo - 0724
miolo - 0725
miolo - 0726
miolo - 0727
miolo - 0728
miolo - 0729
miolo - 0730
miolo - 0731
miolo - 0732
miolo - 0733
miolo - 0734
miolo - 0735
miolo - 0736
miolo - 0737
miolo - 0738
miolo - 0739
miolo - 0740
miolo - 0741
miolo - 0742
miolo - 0743
miolo - 0744
miolo - 0745
miolo - 0746
miolo - 0747
miolo - 0748
miolo - 0749
miolo - 0750
miolo - 0751
miolo - 0752
miolo - 0753
miolo - 0754
miolo - 0755
miolo - 0756
miolo - 0757
miolo - 0758
miolo - 0759
miolo - 0760
miolo - 0761
miolo - 0762
miolo - 0763
miolo - 0764
miolo - 0765
miolo - 0766
miolo - 0767
miolo - 0768
miolo - 0769
miolo - 0770
miolo - 0771
miolo - 0772
miolo - 0773
miolo - 0774
miolo - 0775
miolo - 0776
miolo - 0777
miolo - 0778
miolo - 0779
miolo - 0780
miolo - 0781
miolo - 0782
miolo - 0783
miolo - 0784
miolo - 0785
miolo - 0786
miolo - 0787
miolo - 0788
miolo - 0789
miolo - 0790
miolo - 0791
miolo - 0792
miolo - 0793
miolo - 0794
miolo - 0795
miolo - 0796
miolo - 0797
miolo - 0798
miolo - 0799
miolo - 0800
miolo - 0801
miolo - 0802
miolo - 0803
miolo - 0804
miolo - 0805
miolo - 0806
miolo - 0807
miolo - 0808
miolo - 0809
miolo - 0810
miolo - 0811
miolo - 0812
miolo - 0813
miolo - 0814
miolo - 0815
miolo - 0816
miolo - 0817
miolo - 0818
miolo - 0819
miolo - 0820
miolo - 0821
miolo - 0822
miolo - 0823
miolo - 0824
miolo - 0825
miolo - 0826
miolo - 0827
miolo - 0829
miolo - 0830
miolo - 0831
miolo - 0832
miolo - 0833
miolo - 0834
miolo - 0835
miolo - 0836
miolo - 0837
miolo - 0839
miolo - 0840
miolo - 0841
miolo - 0842
miolo - 0843
miolo - 0844
miolo - 0845
miolo - 0846
miolo - 0847
miolo - 0848
miolo - 0849
miolo - 0850
miolo - 0851
miolo - 0852
miolo - 0853
miolo - 0854
miolo - 0855
miolo - 0856
miolo - 0857
miolo - 0858
miolo - 0859
miolo - 0860
miolo - 0861
miolo - 0862
miolo - 0863
miolo - 0864
miolo - 0865
miolo - 0866
miolo - 0867
miolo - 0868
miolo - 0869
miolo - 0870
miolo - 0871
miolo - 0872

Citation preview

A me nte bem trei nada

Jessie Wise & Susan Wise Bauer

A mente bem treinada

Tradução: Alexei Gonçalves de Oliveira

A mente bem treinada: um guia para educação clássica em casa Jessie Wise e Susan Wise Bauer 1' edição - novembro de 2019 Título original: The well-trained mind: a guide to classical education at home Copyright © by Jessie Wise and Susan Wise Bauer

Conselho editorial: Jeanine Grivot Manoela Martins Leonel Francisco Martins Filho Produção editorial: Felipe Denardi Assistente editorial: Natalia Ruggiero Colombo Tradução: Alexei Gonçalves de Oliveira Revisão de provas: Jéssica Cardoso Leite Tomaz Lemos Amaral Projeto gráfico & diagramação: Virgínia Morais Capa: Mariana Kunii

FICHA CATALOGRÁFICA Wise, Jessie. Bauer, Susan Wise. A mente bem treinada: um guia para educação clássica em casa I Jessie Wise e Susan Wise Bauer; tradução de Alexei Gonçalves de Oliveira - Curitiba, PR: 1dasucá Liber, 2019. Título original: The we/1-trained mind: a guide to classical education at home

ISBN: 978-85-69049-04-3 1. Educação 2. Educação liberal 3. Educação domiciliar 1. Título II. Autor III. Homeschooling CDD 370 / 370-112 / 371-04 fndices para catálogo sistemático: 1. Educação - 370 2. Educação liberal - 370-112 3. Educação domiciliar - 371-04 Reservados todos os direitos desta obra. Proibida toda e qualquer reprodução desta edição por qualquer meio ou forma, seja ela eletrônica ou mecânica, fotocópia, gravação ou qualquer outro meio de reprodução, sem permissão expressa do editor. Os direitos desta edição pertencem

KlastKá Liber

à

Rua Francisco May, 340 - Vista Alegre CEP: 80820-420 Curitiba-PR Tel.: (41) 3528-0778 Liber Edições www.klasikaliber.com. br

Distribuição: CEDET - Centro de Desenvolvimento Profissional e Tecnológico

Rua Armando Strazzacappa, 490 Campinas-SP. CEP: 13087-605 Telefones: ( 19) 3249-0580

Para Christopher, Daniel e Emily, para Ben, Lauren e Siobhan, para Dot, Linus e Newton, e para Brooke

S u m á ri o

Agradecimentos.................................................................................................

27

O que faz uma "mente bem treinada": visão geral ............................................ O que é "Educação Clássica "?. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

31 32

Considerações práticas: como usar A mente bem treinada sem enlouquecer .....

37

Suplementando a Educação de seu fi lho: A mente bem treinada e a escolarização domiciliar em tempo integral............................................................................. 41 PRÓLOGO: UMA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO DOMICILIAR CL ÁSSICA Território não mapeado: Jessie . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

49

Uma visão pessoal da Educação Clássica: Susan ....................................... O Estudo da Ciência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

59 65

PARTE I - O ESTÁGIO GRAMATICAL: D O JARDIM D E INFÂNCIA À QUARTA GRADE ............................................................................................

69

3.

Os anos do papagaio................................................................................. Agora ou nunca . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Como é o ensino no Estágio do Papagaio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Prioridades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

71 73 75 76

4.

Destrancando as portas: os anos pré-escolares........................................... Pré-escola: do nascimento aos três anos de idade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Leitura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Escrita . . . . . . . . . . . . . ... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Matemática. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Visão geral d o aprendizado pré-escolar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Os anos d o jardim de infância: quatro e cinco anos de idade .... ................ Leitura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Quando procurar ajuda . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Escrita . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Matemática. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Aprendizado d e Ciências. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Habilidades de uso geral . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Recursos.................................................................................................... Habilidades de Leitura : Cartilhas fonéticas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Ha bilidades d e Leitura : prática complementar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Primeiras leituras . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Livros d e histórias para iniciantes: " Leituras fáceis " . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Escrita . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

79 80 80 82 82 83 83 85 93 94 96 98 98 98 99 99 100 103 106

1.

2.

Matemática: Guias.................................................................................... Matemática: Manuseáveis......................................................................... Matemática: Livros de Histórias ............................................................... Habilidades gerais..................................................................................... Explorando a Ciência................................................................................ Audiolivros ............................................................................................... Livros para leitura em voz alta.................................................................. 5.

Palavras, palavras, palavras: ortografia, gramática, leitura e escrita............ Mantendo a organização...........................................................................

Instruções gerais para as grades 1 a 4 ........................................................ Leitura: Habilidades ........................... .................................................. Habilidades de leitura: quando as coisas não estão indo bem ............... Leitura: Literatura ............................................................................... O rtografia............................................................................................. Gramática............................................................................................. Escrita .................................................................................................. Escrita: o que fazer quando parece não estar dando certo..................... Visão geral do estudo de linguagem .. ....................................................

Recursos.................................................................................................... Leitura: Habilidades.................................................................................. Leituras de nível escolar ............................................................................ Leitura: Literatura..................................................................................... Úteis para todos os quatro anos............................................................

Antiguidade, 5000 a.c.-400 d.C. (Primeira Grade) ............................... Bíblia Sagrada .................................................................................. Homero............................................................................................ Mitos gregos e romanos ................................................................... Fábulas de Esopo ............................................................................. Platão............................................................................................... Aristóteles. ....................................................................................... Mitos egípcios.................................................................................. Histórias folclóricas indianas ........................................................... Histórias folclóricas africanas .......................... ........... .................... .

Confúcio . ........................................ ............................................... .

.

Histórias folclóricas chinesas e japonesas......................................... Poesia chinesa e japonesa antiga....................................................... Virgílio............................................................................................. Contos de fadas ingleses, irlandeses e galeses....................................

Idade Média/Início da Renascença, 400 d.C.-1600 d.C. (Segunda Grade) ........................................................................................................ Santo Agostinho............................................................................... Beowulf. ........................................................................................... Sir Gawain and The Green Knight [Dom Galvão e o Cavaleiro Verde].................................................................................................... Histórias de Robin Hood ...................................... .......................... .

108 108 109 110 111 112 113 115 116 117 117 119 121 127 129 131 139 140 141 142 144 145 145 146 146 146 146 147 147 147 147 147 148 148 148 148 148 148 148 148 148 149 149

Geoffrey Chaucer, The Canterbury Tales [Contos da Cantuária]........ Edmund Spenser, The Faerie Queene [A Rainha das Fadas]............. William Shakespeare, todas as peças ................................................ Dante, O In ferno ............................................................................. Thomas Malory, Morte d'Arthur...................................................... Erasmo de Roterdã........................................................................... Martinho Lutero.............................................................................. João Calvino.................................................................................... Sir Thomas Wyatt............................................................................. John Knox........................................................................................ René Descartes.................................................................................

Renascença tardia/Início do Período Moderno, 1600 d.C.-1850 d.C. (Terceira Grade).................................................................................... John Milton..................................................................................... Contos de Fadas Franceses............................................................... Daniel Defoe, Robinson Crusoé ....................................................... Jonathan Swift, Viagens de Gulliver ................................................. John Bunyan, O Peregrino................................................................ Victor Hugo...................... ............................................................... Alexandre Dumas............................................................................. William Blake, Songs of Innocence [Canções da Inocência].............. William Wordsworth, Poemas Reunidos........................................... Jane Austen ...................................................................................... Alfred, Lord Tennyson...................................................................... Robert Browning, The Pied Piper Of Hamelin ................................. Elizabeth Barrett Browning .............................................................. Jacob And Wilhelm Grimm, Contos de Fadas dos Irmãos Grimm .... Charles Dickens ............................................................................... Edward Lear, Poemas "Nonsense".................................................... Christina Rossetti, Poemas infantis...................................................

149 149 149 150 150 151 151 151 151 151 151 151 151 151 151 151 152 152 152 152 152 152 152 152 152 152 152 153 153

Lewis Carroll, Alice no País das Maravilhas e Alice Através do Espe-

lho.................................................................................................... Mark Twain, todas as histórias......................................................... James Fenimore Cooper, todos os romances. .................................... Jules Verne, todos os romances. ........................................................ Lendas folclóricas norueguesas......................................................... Herman Melville, Moby Dick...........................................................

Período Moderno, 1850 ao presente (Quarta Grade)............................ Robert Louis Stevenson.................................................................... Arthur Conan Doyle ........................................................................ Johanna Spyri, Heidi .................................................. ...................... Cario Collodi, Pinocchio.................................................................. H. G. Wells....................................................................................... Louisa May Alcott............................................................................ Andrew Lang, contos reunidos.........................................................

Frances Hodgson Burnett, todos os romances ..................................

153 153 153 153 154 154 154 154 154 154 154 155 155 155 155

Kenneth Grahame, The Wind in the Willows [O vento nos salgueiros]................................................................................................... James Barrie, Peter Pan e todas as peças . .......................................... Rudyard Kipling, Histórias assim e O livro da Selva . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Beatrix Potter, todas as histórias....................................................... Laura lngalls Wilder, todos os romances........................................... Walter de la Mare, poemas reunidos................................................. Carl Sandburg, poemas reunidos. ..................................................... John Ciardi, poemas reunidos. ......................................................... T. S. Eliot, Old Possum's Book of Practical Cats . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Gravações para suplementar a Literatura.............................................. Antiguidade...................................................................................... Idade Média/Início da Renascença ................................................... Renascença tardia - Início do Período Moderno ............................ Período Moderno............................................................................. Recursos para memorização de poesia ...................................................... O rtografia................................................................................................. Gramática ................................................................................................. Caligrafia .. .............. ................. ................................................................. Escrita/ Redação......................................................................................... Os primeiros passos: Cópia, Ditado, Narração..................................... O próximo passo..................................................................................

6.

A a legria dos números: Matemática .......................................................... Matemática Procedural e Conceituai......................................................... Abordagem em Espiral e Abordagem de Maestria..................................... Como as crianças pensam ......................................................................... Tabuadas: uma defesa ............................................................................... Mantendo a Matemática em perspectiva................................................... Eduque-se.................................................................................................. Como escolher um programa .................................................................... Sugestões de cronogramas ......................................................................... Amostras de cronogramas (apenas duas entre muitas possibilidades)........

Recursos.................................................................................................... Educando a si mesmo................................................................................ Currículos de Matemática (lista em ordem alfabética)............................... Math Mammoth................................................................................... Math-U-See .......................................................................................... Right Start Mathematics....................................................................... Saxon Math.......................................................................................... Singapore Primary Math....................................................................... O bjetos manuseáveis................................................................................. Ábaco .................................................................................................. Varetas Cuisenaire ................................................................................ Varetas.................................................................................................. Livros ...................................................................................................

155 15 5 155 156 156 156 156 156 156 156 156 156 157 157 157 158 162 166 167 167 169 173 174 176 176 179 181 182 183 184 185 186 187 187 187 189 190 191 193 195 195 195 196 196

Fraction Stax ........................................................................................ Relógio mecânico.................................................................................. Linha numerada ................................................................................... Blocos para padrões ............................................................................. Blocos................................................................................................... Guias.................................................................................................... Cubos Unifix ........................................................................................ Cubos................................................................................................... Guia ..................................................................................................... Suplementos de Matemática Conceituai.................................................... Khan Academy ..................................................................................... Mathematics Enhancement Program. ................................................... Miquon Math....................................................................................... Suplementos de Matemática Procedural (Incluindo treinamento em fatos) Histórias Matemáticas ..............................................................................

7.

Setenta séculos em quatro anos: História e Geografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. Setenta séculos em quatro anos ................................................................. O Estudo da História ................................................................................ E se você estiver começando pelo meio?.................................................... Como fazer ...............................................................................................

Primeira Grade: Antiguidade (5000 a.C.-400 d.C.) .............................. Memorização........................................................................................

Segunda Grade: Idade Média-Início da Renascença (400-1600) .......... Memorização........................................................................................

Terceira Grade: Renascença Tardia-Início do Período Moderno (1 600 -1850) .................................................................................................. Memorização........................................................................................

Quarta Grade: Período Moderno (1850-Presente)................................ Memorização........................................................................................ Sugestões de cronogramas.........................................................................

Recursos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. Textos Básicos ("espinhas dorsais").......................................................... Espinhas dorsais em formato de narrativa ............................................ Espinhas dorsais enciclopédicas ...... ...................................................... Recursos para estudo de Geografia............................................................

Antiguidade, 5000 a.C.-400 d.C. (Primeira Grade) .............................. Lista de grandes homens e mulheres a estudar ...................................... Informação geral................................................................................... Biografias.............................................................................................. Alexandre, o Grande ............................. ........................................... Cleópatra ......................................................................................... Eratóstenes....................................................................................... Júlio César ....................................................................................... Rómulo e Remo ............................................................................... Tutancâmon .....................................................................................

196 196 196 196 196 197 197 197 197 197 197 197 198 198 201 203 205 207 208 208 210 214 2 15 2 15 216 216 217 217 218 219 220 220 222 223 225 225 226 229 229 229 229 230 230 230

Idade Média/Início da Renascença, 400-1 600 (Segunda Grade)......... Informação geral................................................................................... Biografias.............................................................................................. Cristóvão Colombo.......................................................................... Isabel I de Inglaterra......................................................................... Galileu . . .. . .. .. .. . .. . . . . ... . .. .. . . . . . . . . .. . .. .. . .. . . . . . .. . .... . .. . .. . . . . ... . . . . . ... . . . .. . .. . . . .. . .. Genghis Khan................................................................................... Joana D' Are..................................................................................... Leif Eriksson . ...... .... ... ............ .................................... ...................... Marco Polo ....... ... .......................... .. .. ........ ............ ......... . . . ....... .... . . .

Maomé.............................................................................................

Fim da Renascença/Início da Era Moderna, 1 600-1850 (Terceira Grade)........................................................................................................ Lista de temas históricos a estudar........................................................ Lista de Grandes Homens e Mulheres a estudar.................................... Informação geral................................................................................... Biografias.............................................................................................. Adams, Abigail................................................................................. Adams, John .... ................................................................................ Antonieta, Maria.............................................................................. Attucks, Crispus ..... .................. . . . . . . .... ....... ...... ...................... . . .... ..... Bach, Johann Sebastian ... ... .. .... ...... .. .. ......... .... ..... ... ... ...................... Beethoven, Ludwig van . . . . . . ... .... ... . . ... . . . . ... ..... . . . .. . . . ...... . . . . . ....... . . . . . . . . . Boone, Daniel................................................................................... Buffalo Bill. .. .. . . .. . . .. ... . . .. .. . .. . . . .. . .. . . . . . . . . . . . . . .. . . . .. . .. . . . ... .... . .. . .. . . . .. . .. . . . .. . . Crockett, Davy ... .................... ...... .. .................... . . . ........................ . . . Franklin, Benjamin........................................................................... Handel, George Frideric . . . ..... . . . . . ........... . . . . ............... . . ... ... . . . . . ..... . . . . .. Henry, Patrick.................................................................................. Jackson, Andrew ............ .... ..... ......... .. ......... ... ..... ... ......... ... .... .. .. ...... Jefferson, T homas ............................................................................ Lafayette, Marquês de...................................................................... Monroe, James................................................................................. Mozart, Wolfgang Amadeus ............................................................. Nur Jahan ... ..... . .... .... ... ...... .......... ...... .. .... ..... .. ... ...... .. ... ... .... ........... . Nzinga ..... ...... .. ... ...... ... .... ... .. .. ...... .... ........ ............. ........ .. .......... ..... .

Pitcher, Molly ... ...... ... ..................................................... ....... . . .. . . . . . .. Pocahontas....................................................................................... Revere, Paul ..................................................................................... Ross, Betsy . . . . .. . . . . . . . .... . . . . ... . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . . .. . . .. . . . . . . . .... . . . . . . . . . . . . ......... . ... Sacagawea........................................................................................ Touro sentado ...... .. ... .. ..... ........ ..... ..... .. ... . . . . . . . . . . . . . . . ... . . . . . ... .. . . . ..... . . . .. Squanto............................................................................................ Tecumseh .... .. ... ... ......... .... ....... .. .......... ... .... .......... ................. ........... Washington, George ......................................................................... Washington, Martha . . . . . . . . .... ........... .......... . ... . . . ......... .......................

230 231 234 234 234 234 234 234 234 235 235 235 235 236 237 239 239 240 240 240 240 240 241 241 241 241 241 242 242 242 242 242 243 243 243 243 243 243 244 244 244 244 244 244 244

Wheatley, Phillis. ......................................................................... ..... Período Moderno, 1850-Presente (Quarta Grade)................................ Lista de temas Históricos a estudar....................................................... Lista de Grandes Homens e Mulheres a estudar.................................... Recursos genéricos................................................................................ Biografias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Alcott, Louisa May........................................................................... Anthony, Susan B. ............................................................................ Barton, Clara.................................................................................... Bethune, Mary McLeod.................................................................... Blackwell, Elizabeth ......................................................................... Carver, George Washington.............................................................. Chavez, Cesar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Churchill, Winston........................................................................... Cixi.................................................................................................. Darwin, Charles . . . .. . . . . . . .. . . . . . . .. . . . . . . .. . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . .. . . . . . . .. . . . . . . .. . . . . . . . . . . . Douglass, Frederick.......................................................................... Earhart, Amelia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Edison, T homas................................................................................ Edmonds, Emma . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Einstein, Albert................................................................................. Ford, Henry . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Gandhi, Mohandas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Keller, Helen..................................................................................... Kennedy, John F................................................................................ King, Martin Luther, Jr. .................................................................... Lincoln, Abraham ...........................................................................

.

Marshall, Thurgood . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Parks, Rosa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Pasteur, Louis................................................................................... Roosevelt, Eleanor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Roosevelt, Franklin D....................................................................... Roosevelt, T heodore......................................................................... Stanton, Elizabeth Cady . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Tubman, Harriet . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Twain, Mark .................................................................................... Rainha Vitória.................................................................................. Wright, Wilbur and O rville . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

8.

Investigando o mundo: Ciência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O bjetivos para o estágio Gramatical . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Quais assuntos estudar - e quando.......................................................... Como ensinar Ciência: métodos gerais...................................................... Leia, narre, investigue mais a fundo...................................................... Faça projetos, converse sobre eles......................................................... Pergunte "Por quê?'', "Como?" ou "O quê": Encontre a resposta.........

245 245 245 246 247 251 251 251 251 251 251 252 252 252 252 252 252 252 253 253 253 25 3 25 3 253 253 253 254 254 254 254 254 254 254 255 255 255 255 255 257 257 258 261 262 263 264

Como ensinar Ciências da Vida (animais, seres humanos, plantas) ............ Como ler, narrar e fazer investigações adicionais .................................. Como fazer projetos e falar sobre eles...................................................

266 266 266

Como perguntar "Por quê?'' , "Como?" e "O quê?" e encontrar a resposta..................................................................................................... O Reino Animal.................................................................................... Como estudar Ciências da Terra e Astronomia.......................................... Como ler, narrar e fazer investigações adicionais .................................. Como fazer projetos e falar sobre eles...................................................

268 269 271 271 272

Como perguntar "Por quê?", "Como?" e "O quê?" e encontrar a resposta..................................................................................................... Como estudar Química ............................................................................. Como estudar Física.................................................................................. Como estudar Tecnologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Sugestões de cronogramas......................................................................... Amostras de cronogramas anuais.......................................................... Amostras de cronogramas semanais...................................................... Semanas alternadas............................................................................... Dias alternados.....................................................................................

Recursos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Textos básicos ("espinhas dorsais")........................................................... Ciência da Vida..................................................................................... Ciências da Terra . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Astronomia........................................................................................... Química................................................................................................ Física .................................................................................................... Tecnologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Enciclopédias para referência geral............................................................ Currículos formais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Recursos suplementares.............................................................................

Ciências da Vida ........................................... ....................................... .

Animais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ... . . . . . . . . . . . . . . . . Seres humanos ...................................................................................... Plantas..................................................................................................

Ciência da Terra e Astronomia.............................................................. Ciência da Terra.................................................................................... Astronomia........................................................................................... Química................................................................................................ Física .................................................................................................... 9.

Línguas mortas para crianças cheias de vida: Latim (e outras línguas que ainda estão bem vivas). . . ... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Como funciona o Latim?........................................................................... Como fazer . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Que tal outras línguas?.............................................................................. Sugestões de cronogramas.........................................................................

273 273 275 2 76 276 276 277 278 278 279 279 279 280 280 281 281 282 282 283 285 285 285 286 287 289 289 291 292 293 297 299 301 302 303

Recursos....................................................................................................

Línguas modernas.................................................................................

303 304 304 306

1 0.

Professores eletrônicos: uso de computadores e vídeos ..............................

309

11.

Questões de Fé: Religião ........................................................................... Recursos....................................................................................................

313 315

Belas coisas: Arte e Música........................................................................

Habilidades em Música.............................................................................

31 7 31 8 319 320 321 321 323 324 326

PARTE I - EPÍLOGO - TABELAS, CRONOGRAMAS, PLANILHAS, ETC.

329

O Estágio Gramatical em uma olhada ....................................................... Resumo dos cadernos - Grades 1 a 4 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Amostras de Listas de Verificação Semanais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

331 335 336 342

Textos básicos........................................................................................... Latim....................................................................................................

1 2.

Arte........................................................................................................... Música ...................................................................................................... Sugestões de cronogramas.........................................................................

Recursos.................................................................................................... Apreciação Artística.................................................................................. Habilidades artísticas .......................... ........................ ................... ........ ... Apreciação musical .......... ........................................... ..............................

Folha de planejamento de currículo........................................................... Linguagem Total e Fonética: "do todo às partes" versus "das partes ao todo" (uma breve explicação)....................................................................

347

PARTE II - O ESTÁGIO L ÓGICO - DA QUINTA À OITAVA GRADES...........................................................................................................

353

1 3.

A criança argumentativa............................................................................ Construindo a fundação............................................................................ Lógica e o trivium .............................. ....... .......................... ...................... Lógica no currículo . ..... ...................... .. ............ ...... ................. ................. .

Como deve ser o ensino no estágio Lógico ....... ........................ ....... .......... Prioridades................................................................................................ 1 4.

Branca de Neve era irracional: Lógica para os intuitivos............................ Uma introdução à Lógica.......................................................................... Como ensinar a Lógica..............................................................................

Recursos.................................................................................................... Lógica Informal "despreocupada"............................................................. Lógica Informal......................................................................................... Lógica Formal...........................................................................................

355 358 359 360 361 362 365 365 373 374 375 376 377

1 5 . A linguagem da razão: Matemática........................................................... Como planejar o ensino da Matemática para a grade intermediária.......... Sugestão de cronograma............................................................................

Recursos.................................................................................................... Antes da Álgebra....................................................................................... Álgebra ..................................................................................................... Opções para estudo online de Matemática................................................ Matemática da vida real ....................................................................... Suplementos de Matemática Conceituai................................................ Suplementos de Matemática Procedural................................................

16. Reconhecendo padrões: Ciência................................................................ Suas metas................................................................................................. Quais temas estudar - e quando estudá-los ............................................. Como ensinar conceitos científicos: métodos genéricos ............................. Definições............................................................................................. Princípios Científicos............................................................................ Descrição Científica.............................................................................. Classificações Científicas....................................................................... Como ensinar Ciências da Vida: animais, seres humanos e plantas............ Como ensinar Ciências da Terra e Astronomia.......................................... Como ensinar Química ............................................................................. Como ensinar Física ... . . . . . . . . . . . . .. . . . . . . .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Como ensinar Tecnologia.......................................................................... Sugestões de cronogramas......................................................................... Sobre os cronogramas semanais................................................................

Recursos.................................................................................................... Materiais de referência para os quatro anos do estágio Lógico..................

Ciências da Vida: Animais, Seres Humanos e Plantas ................................ Textos Básicos ("espinhas dorsais")...................................................... Recursos suplementares: Ciências da Vida ............................................ Reino Animal .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . . . .. . . . . . . .. . . . . . . .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Seres humanos.................................................................................. Reino das Plantas............................................................................. Currículos formais................................................................................

Ciências da Terra e Astronomia................................................................. Textos básicos ("espinhas dorsais")...................................................... Recursos suplementares: Ciências da Terra........................................... Recursos suplementares: Astronomia.................................................... Currículos Formais...............................................................................

Química.................................................................................................... Textos básicos ("espinhas dorsais")/ Currículos formais........................ Recursos suplementares........................................................................

Física......................................................................................................... Textos Básicos ("espinhas dorsais")...................................................... Recursos suplementares........................................................................

379 380 384 384 384 389 393 393 394 396 397 39 8 399 401 401 403 405 407 408 409 410 41 O 411 411 413 413 414 415 41 5 417 417 419 421 421 423 423 424 425 427 428 428 431 433 433 435

Currículos formais................................................................................

Tecnologia.................................................................................................

439 439

443 444 445 A linha do tempo.................................................................................. Fichamentos . ..... ... ..... ... ..... ... ..... ... ...... .... ..... ..... ... ...... ... .... ..... ..... ... ... ... . 447 Fontes primárias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 448 O caderno. .. .... ..... ... .. .. .... .. .. .. ......... .. ...... ..... ....................... ... �............... 449 451 Ajuda adicional aos pais....................................................................... 451 Começando pelo meio (ou com mais de um filho) ..................................... 453 Uma palavra sobre História Americana..................................................... Como fazer ................ ..... ... .... .... .... .............. .......... .. ... ..... ... .. ... ........ ........ . 454 Quinta grade: Antiguidade (5000 a.C.-400 d.C.)...................................... 454 Sugestão de cronograma....................................................................... 459 Sexta grade: Idade Média/Início da Renascença . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 460 A lista de fatos...................................................................................... 460 A linha do tempo.................................................................................. 461 O fichamento .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 462 Fontes primárias................................................................................... 463 O caderno............................................................................................. 463 Sugestão de cronograma....................................................................... 464 Sétima grade: Renascença Tardia/Início do Período moderno (1600-1850) 465 465 A lista de fatos...................................................................................... A linha do tempo.................................................................................. 466 O fichamento .... .. ..... . . .. .... ... ........ ... ... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 466 Fontes primárias................................................................................... 467 O caderno............................................................................................. 467 Memorização........................................................................................ 467 Sugestão de cronograma....................................................................... 468 Oitava grade: Período Moderno (de 1850 ao presente).............................. 468 A lista de fatos...................................................................................... 468 O fichamento. ................................. . . .................................................... 468 Fontes primárias................................................................................... 468 O caderno............................................................................................. 470 Memorização........................................................................................ 470 Sugestão de cronograma . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 471 471 Como fichar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Resumo do estudo de História no estágio Lógico . . . .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 476 Quinta grade ........................................................................................ 476 Sexta grade .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . .. . . . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . . . . . . . .. . . . . . . .. . .. .. . .. . .. . . . 477 Sétima grade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 477 O itava grade......................................................................................... 477 Recursos.................................................................................................... 477 Textos básicos........................................................................................... 478 479 Textos básicos de História Americana . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

17. Por que em 1492? História e Geografia ..................................................... Mantendo a organização...........................................................................

.

Recursos básicos em Geografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Recursos para linha do tempo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Recursos para desenvolver sua técnica d e ensino . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Antiguidade, 5000 a. C. -400 d. C. (Quinta Grade)................................ Lista d e Grandes Homens e Mulheres . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Fontes primárias: sugestões d e temas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Fontes primárias: Recursos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Informação geral . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Idade Média/Início da Renascença, 400-1 600 (Sexta Grade)................ Lista de Grandes Homens e Mulheres . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Fontes primárias: sugestões de temas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Fontes primárias: Recursos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Informação geral . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Renascença tardia/Início do Período Moderno, 1 600-1850 (Sétima Grade).................................................................................................. Lista de temas a estudar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Fontes primárias: sugestões d e temas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Fontes primárias: Recursos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Informação geral . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Período Moderno, de 1850 ao presente (Oitava Grade)........................ Lista de temas a estudar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Fontes primárias: sugestões de temas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Fontes primárias: Recursos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Informação geral . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

18. Pensando direito: Ortografia, Gramática, Leitura e Redação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Mantendo a organização . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Ortografia e estudo das palavras . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Gramática . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Leitura : Literatura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Leitura por diversão ( desenvolvimento contínuo de habilidades) . . . . . . . . . . . . . . . Quinta grade: Antiguidade (5000 a.C.-400 d.C.) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Sexta grade: Idade Média/início da Renascença (400-1 600) . . . . . . . . . . . . . . . . . Sétima grade: Renascença tardia/início do período Moderno ( 1 6001 850) .................................................................................................... Oitava grade: período Moderno ( 1 8 5 0-Presente) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Ficção. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Poesia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Drama . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Memorização . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Redação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Visão geral d o estudo d e linguagem. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Recursos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Ortografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Estudo de palavras . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Gramática . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

4 79 481 482 483 483 484 484 485 490 490 492 493 493 498 498 498 499 499 504 5 04 505 505 506 513 514 515 518 520 523 524 526 529 532 533 534 534 535 535 540 542 542 546 547

Recursos suplementares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Leitura: Literatura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Antiguidade, 5000 a.C.-400 d.C. (Quinta Grade) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Idade Média/Início da Renascença, 400-1600 (Sexta Grade). . . . . . . . . . . . . . . . Lista formal de leitura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Recursos suplementares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Renascença tardia/Início do Período Moderno, 1600-1850 (Sétima Grade) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Lista formal de Leitura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Recursos Suplementares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Período Moderno, 1850 a o presente (Oitava Grade). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Lista formal d e leitura. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Ficção. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Poesia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Drama . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Recursos suplementares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Leitura: habilidades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Redação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

558 558 560 561 561 561 562 5 62 5 62 563 564

Uma olhada em outros mundos: Latim e Línguas Estrangeiras . . . . . . . . . . . . . . . . . . Opções d e ensino . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Quais idiomas e quando estudá-los ? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Quando devo estudar? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Sugestões de cronogramas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Recursos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Latim . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Currículos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Recursos suplementares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Idiomas modernos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

571 5 72 574 5 75 576 577 577 577 581 581

20. Abaixo a s falácias abusivas! Religião . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Recursos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

583 586

21. A História da Criatividade: Arte e Música . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Arte . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Habilidades artísticas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Apreciação artística . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Música . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Habilidades musicais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Apreciação musical . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Sugestões de cronogramas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Recursos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Habilidades artísticas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Textos básicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Desenho . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Pintura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Modelagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

587 588 588 589 591 591 5 92 595 595 596 596 596 597 597

19.

551 551 552 554 554 556

Recursos suplementares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Apreciação artística . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Textos básicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Recursos suplementares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Apreciação musical . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Textos básicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Recursos suplementares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

598 599 599 599 602 602 603

22. Textos e tecnologia: como usar telas no estágio lógico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Habilidades tecnológicas básicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Software Educacional . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Aprendizagem online . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Pesquisa n a internet . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Filme!\, etc. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Recursos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

607 608 609 610 611 613 614

2 3 . Rumo à independência: Lógica para a vida . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Recursos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

615 618

PARTE II - EPÍLOGO: TABELAS, CRONOGRAMAS, FOLHAS DE REGISTRO, ETC. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

619

O estágio Lógico e m uma olhada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Resumos n o caderno, Grades 5 a 8 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Ciência.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . História . . .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . . .. . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . Redação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Literatura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Amostras de cronogramas semanais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Quinta grade (5 a 6 horas de estudo diário, incluindo o tempo reservado à Leitura livre) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Segunda-feira . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Terça-feira . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Quarta-feira . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Quinta-feira . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Sexta-feira . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Sexta grade ( 5 a 6 horas de estudo diário, incluindo o tempo reservado à Leitura livre ) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Segunda-feira . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Terça-feira . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Quarta-feira . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Quinta-feira . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Sexta-feira . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Planilhas de planej amento de currículo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

621 625 625 625 625 626 626 626 626 626 627 627 627 627 627 628 628 628 628 628

PARTE III - O ESTÁGIO RET ÓRICO: DA NONA À DÉCIMA SEGUNDA GRADE. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24. Preparando-se para o ensino médio: visão geral. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Exi gênci as do ensino mé dio nos Estados Unidos da América. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Definições . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

635 637 638 638

Exigênci as do Ensino Mé di o para admissão em Faculdades e Universidades dos Estados Unidos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Planejando com antecedência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Mantendo a organização. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

1 . Descrições de Cursos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2. Livros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3. Artigos e ensai os . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4. Recomendações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5. Atividade extracurriculares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6. O utros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O bservação final . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

25 . Dizendo o que você pensa: o Estágio Retórico. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Um guia geral para o estágio Retóri co. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O estudo da Retórica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Como fazer . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Alternativas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

641 642 644 644 646 646 646 646 646 647 649 650 652 654 658

Algumas palavras sobre os jovens i nclinados às disciplinas CTEM e à Retórica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Debate. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Sugestão de Cronograma. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Como i nclui r no Histórico Escolar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Recursos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . , . . . . . . . . . . . . . . Retórica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Textos bási cos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Text os suplementares. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Textos avançados.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Ajuda para avaliação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Currículos estruturados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Debate . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

26. Habilidades com palavras: Gramática e Redação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Como fazer . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O rtografia e Estudo de Palavras. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Gramáti ca. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Leitura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Redação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Sugestões de Cronogramas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Como incluir no Históri co Escolar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Recursos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Estudo de Palavras. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

65 8 659 660 660 660 661 661 661 661 663 663 667 669 670 670 672 673 673 673 674 675 675

Gramática . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Redação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Compensando o atraso . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

676 6 79 679

27. Grandes livros: História e Leitura.............................................................. Como fazer . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Fundamentos Históricos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Estudo dos Grandes Livros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Contextos Literários . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Notas Literárias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Redações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . U m exemplo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Como conversar sobre os Grandes Livros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Projetos de Redação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Preparação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . lnventio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Dispositio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Elocutio . .. . . . . . . . . .. . .. .. . . . .. .. . .. . . . .. .. . .. .. . . . . . .. . . . .. . .. .. . .. . . . .. . . . .. . .. .. . . . .. . . . . . . . . . . . .. . .. História do Governo Americano . . . . . . . .. . . . .. .. . .. .. . .. . . . .. . . . .. . .. . . . . . .. . . . . . . . . . . . . . . .. .. . Começando pelo meio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Fontes universitárias para currículos baseados em Grandes Livros . . . . . . . . . . . . Sugestões de Cronogramas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Como incluir no Histórico Escolar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Recursos.................................................................................................... Textos básicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . História Antiga . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Idade Média/Início da Renascença . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Renascença Tardia/Início do Período Moderno . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . História Moderna . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Atlas históricos e enciclopédias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Leituras auxiliares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Auxílio à discussão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Auxílio à produção de ensaios acadêmicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Governo e Economia Americanos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Leituras complementares e m História . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Grandes livros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Antiguidade, 5 0 0 0 a . C.-400 d . C . (Nona Grade ) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Idade Média/Início d a Renascença, 400-1 600 (Décima Grade ) . . . . . . . . . . . . Período Moderno, 1 850-Presente ( Décima segunda Grade) . . . . . . . . . . . . . . . . . .

681 683 683 684 684 685 686 690 693 695 696 696 698 700 700 702 703 705 705 707 708 70 8 70 8 709 710 710 71 1 71 1 712 712 713 715 716 717 720

2 8 . Intimidade com os números: Matemática.................................................. Uma palavra sobre estudantes com dificuldades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Sugestões de cronogramas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Como registrar no Histórico Escolar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Recursos.................................................................................................... Currículos de Matemática . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Art of Problem Solving . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

723 725 726 726 726 727 72 7

Math-U-See . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Saxon . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . VideoText . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Recursos Suplementares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Leituras complementares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

72 8 729 730 73 1 732

29. Princípios e Leis: Ciência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Visão geral do estudo de Ciência no estágio Retórico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O que estudar - e quando . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Como fazer . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O estudo de Princípios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Leitura de fontes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Biologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Química . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Astronomia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Geologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Física . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Tecnologia e Ciência da Computação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O Grande Diálogo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Sugestões de cronogramas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Como incluir no Histórico Escolar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Recursos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Materiais de referência para todos os quatro anos do ensino médio . . . . . . . . . . Biologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Textos básicos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Recursos Suplementares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Astronomia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Texto básicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Recursos suplementares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Geologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Textos básicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Recursos Suplementares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Química . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Textos básicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Recursos suplementares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Física . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Textos básicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Recursos suplementares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Tecnologia e Ciência da Computação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

735 736 737 73 8 73 8 739 739 740 740 740 74 1 74 1 743 744 746 746 747 7 48 748 749 750 750 75 1 75 1 75 1 75 1 752 752 752 753 753 754 754

30. Conhecendo outros mundos: línguas estrangeiras . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Que idiomas estudar? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Línguas Antigas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Idiomas modernos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Planej amento da progressão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Sugestões de cronogramas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Como incluir no Histórico Escolar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

755 75 6 757 75 8 759 759 759

Recursos.................................................................................................... Latim . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Progressão a partir dos programas do estágio Lógico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Textos básicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Recursos suplementares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Grego . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Textos básicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Recursos suplementares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Idiomas modernos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Textos básicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Recursos suplementares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

759 760 760 760 76 1 762 762 762 763 763 764

3 1 . Uma olhada por trás das cortinas: habilidades em Tecnologia................... Alertas obrigatórios sobre a Internet, Mídias Sociais, etc. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Programação básica é importante . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Sugestões de cronogramas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

765 765 766 767

32. Apologia da Fé: Religião e Ética ................................................................ Recursos....................................................................................................

769 771

33. Apreciação das Artes: Arte e Música . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Arte . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Habilidades artísticas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Apreciação artística . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Música . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Habilidades musicais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Apreciação musical . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Sugestões de cronogramas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Como incluir no Histórico Escolar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Recursos.................................................................................................... Habilidades artísticas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Apreciação artística . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Apreciação musical . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

773 774 774 774 775 775 776 777 777 777 778 778 779

34. O especialista .. . . . . . .. . . . . . . .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Orientação geral . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Flexibilidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Orientações específicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . História . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Literatura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Matemática . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Ciência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Línguas estrangeiras . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Programação de computadores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Religião e Ética . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . As Artes: Pintura, Escultura, Teatro, Música . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Esportes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Avaliação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

78 1 782 785 786 786 787 787 788 788 788 789 789 789 790

.

.

Sugestões de cronogramas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Como incluir no Histórico Escolar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

79 1 79 1

35. Algumas pessoas odeiam Homero . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

793

PARTE III - EPÍLOGO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O estágio Retórico em uma olhada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

797 799

PARTE IV - VOLTANDO PARA CASA - COMO EDUCAR SEU FILHO EM SEU LAR . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 801 3 6 . A escola d a mesa d a cozinha: por que educar e m casa? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Por que você deveria optar pela Educação Domiciliar ? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Motivação para os pais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Primeiros passos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Tirando seu filho da escola . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . A realidade da Educação Domiciliar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Uma palavra pessoal de Jessie . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Recursos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

803 804 807 809 81 O 811 812 813

3 7. Quando o aprendizado não avança: dificuldades e desafios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

815

3 8 . A criança confiante: socialização . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

821

3 9 . A questão d o caráter: pais n o papel d e professores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Recursos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

827 831

40. E a que horas farei tudo isso? Cronogramas para Educação Domiciliar . . . . Quanto tempo leva ? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Planej amento anual . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Planej amento semanal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Planej amento diário . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O método de organização de Jessie: um relato pessoal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Bom uso d o tempo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Educação Domiciliar na presença de bebês e crianças pequenas . . . . . . . . . . . . . . . . Cronogramas para Educação Domiciliar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O cronograma de uma família . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Recursos favoritos de Jessie . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

833 835 836 839 840 841 843 844 845 846 849

41. Prova documental: Grades e Registros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Notificação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Escola elementar e intermediária : portfólios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Ensino médio: o Histórico Escolar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Diploma . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Recursos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

851 851 852 853 860 861

42. Medindo o desempenho: testes padronizados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Testagem anual . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Testes AP e CLEP . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . PSAT, SAT e ACT . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Recursos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Informações para pedidos d e testes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

863 864 867 868 871 871

Onde está a equipe ? Esportes e m casa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Recursos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

8 73 876

44. A escola de sua cidade: como lidar com o sistema escolar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

8 77

45. Gritando por ajuda: tutores, recursos online, ensino a distância, cursos cooperativos, faculdades e universidades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Tutores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Recursos online . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Cursos por correspondência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Aulas cooperativas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Faculdades comunitárias e universidades locais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

881 8 82 883 883 883 8 84

46. Entrando para a faculdade: candidaturas de estudantes educados em casa Planej amento para a faculdade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . A escolha d e uma faculdade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O processo d e candidatura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O portfólio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Uma candidatura bem-sucedida . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Uma palavra sobre admissões precoces . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Recursos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Guias para o processo de candidatura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

885 886 888 890 891 891 8 94 894 894

47. Trabalho: estágios e outros empregos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Recursos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

895 897

48. Últimas palavras: começando pelo meio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Leitura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Gramática . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Escrita/Redação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Matemática . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Lógica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Idiomas . . . . .. . . . .. .. . . . . . .. . . . .. .. . .. . . . .. . . . .. . . . .. . .. .. . .. . . . . . .. . .. . . . .. . .. .. . .. . .. . . . . . . . . .. . . . . . . .. . . . . História . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Ciência . . .. .. . .. .. . .. . . . . . .. .. . . . .. . . . . . . . . .. . . . .. . .. . . . .. . . . .. .. . .. .. . . . . . . .. . .. .. . . . . .. . . . .. . .. . . . . . . .. .. .. Grandes livros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Ensaio de pesquisa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Apêndice - Registro d e uma História Oral . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

899 899 900 900 900 900 900 900 900 901 901 902

43 .

.

Ag ra d ec i m e ntos

S

ou grata a Amelia e Luther Morecock - Meme e Tio Luther - por me adotar��, me ensina �e� a ler antes de ir à escola e exi�irem que _ eu fosse d1hgente. O credito por qualquer sucesso academ1co ou

profissional que eu tenha desfrutado começa com eles. Fui apresentada ao material fonético por uma professora da primeira grade de York, no estado do Maine, em cuj a classe todas as crianças aprendiam a ler. Ela me mostrou seu programa fonético sistemático, ensinou-me como adquiri-lo e, como resultado, ensinei meus filhos a ler, dando início ao caminho da educação domiciliar. Eu sou imensamente grata porque, quando levei meus filhos " inadaptados " à Henrico Mental Clinic, lo­ calizada em Henrico, no estado da Virgínia, encontrei um perspicaz e entusiasmado psicólogo chamado Jeffrey C. Fracher. Foi o Dr. Fracher que sugeriu que eu ensinasse meus filhos em casa, uma ideia que j amais me ocorrera. Eu sou grata a meus filhos Bob, Deborah e Susan, por terem aprendido comigo e continuado a estudar e aprender depois de adultos. O trabalho com Susan neste livro foi uma tarefa desafiadora e recom­ pensadora. Quando ela era criança, eu a empurrei além de sua zona de conforto intelectual e ela, hoj e, está continuamente fazendo o mesmo por mim. Finalmente, meu marido por quarenta anos, Jay permanece em meio a tudo isso desde nossos anos de faculdade. Ele me encorajou e apoiou a cada curva do caminho.

- ]essie Wise

Nos mais de quinze anos que se passaram desde o lançamento da primeira edição de The Well-Trained Mind, a lista de pessoas com quem nos sentimos em dívida aumentou exponencialmente. Eu devo agradecimentos:

27

A MENTE BEM TREINADA

Ao pessoal maravilhoso da W. W. Norton por ter apoiado este proj eto desde de seu surgimento, em 1 999; Ao nosso editor original ( e ainda atual), Starling Lawrence, que foi o primeiro a interessar-se pelo livro e continua a apoiá-lo, e aos membros da equipe que trabalharam conosco ao longo dos anos . Alguns ainda estão trabalhando na Norton, enquanto outros mudaram-se, mas nós continuamos em dívida com todos vocês: Patricia Chui, Carol Flechner, Dosier Hammond, Bill Rusin, Jenn Chan, Golda Rademacher, Deidre Dolan, Jeannie Luciano, Drake McFeely, Ryan Harrington, Don Rifkin e os representantes de vendas que continuam a esforçar-se tão habilmente a nosso favor. A Richard Henshaw, que representou este livro em todas as suas edições . Aos funcionários atuais e passados da Peace Hill Press que apoia­ ram este livro e todos os proj etos dele derivados: Kim Norton, John Hamman, Mollie Bauer, Mel Moore, Justin Moore, Jackie Violet, Sarah Park, Sara Buffington, Charlie Park e Peter Buffington. A minha assistente executiva Pattie Worth, que mantém minha vida de pé enquanto estou escrevendo, revisando, palestrando e viaj ando. A Madelaine Wheeler, Diane Wheeler, Sherrill Fink e Christopher Bauer, todos os quais desempenharam com valentia a tarefa de conferir preços, detalhes e informações de publicação. A todos os pais educadores que tão generosamente compartilharam suas experiências e conhecimentos conosco ao longo dos anos, incluindo Diane Wheeler, Beth Ferguson, Peggy Ahern, Diane Montgomery, Beth Galvez, Traci Winyard e Heather Quintero. Aos membros dos fóruns de mensagens Well-Trained Mind, que ampliaram nossos horizontes, desafiaram nossas interpretações e su­ portaram nossa experimentação tecnológica por mais de uma década . Finalmente, à minha família: Bob e Heather Wise, que cuidaram da Peace Hill Press durante um período difícil e ocupado; Deborah Wise, que agora está se unindo a nós no proj eto de Educação Clássica de sua própria filha; minha mãe e meu pai, Jay e Jessie Wise; meu marido, Peter; e, acima 28

AGRADECIMENTOS

de tudo, meus filhos, Christopher, Ben, Daniel e Emily: muito obrigado por suportar o nosso projeto de Educação Domiciliar mesmo quando nos con­ duziu a direções estranhas e inesperadas. Eu tenho orgulho de todos vocês.

- Susan Wise Bauer

29

O q u e faz u m a

" m e nte bem tre i n a d a ": visão g e ra l

e você mora perto de uma escola básica repleta de excelentes e bem pagos professores dedicados a desenvolver as habilidades de seus filhos em Leitura, Redação, Matemática, História e Ciência; se os professores dessa escola elementar1 têm turmas pequenas, com não mais do que dez alunos, e podem dar toda atenção a cada um de­ les; se essa escola fica próxima a uma escola de nível intermediário que é segura ( sem drogas, armas ou facas ) ; se os professores dessa escola

S

intermediária treinam seus alunos em Lógica, Pensamento Crítico e Redação Avançada; se a oferta de orientação individual é a bundante, especialmente em Redação, e se, à distância (não muita ) , você encon­ tra uma escola de ensino médio que guiará os estudantes mais velhos através da História do Mundo, dos Clássicos da Literatura, das técnicas de Redação Avançada, da Matemática e da Ciência de alto nível, dos debates, da História da Arte e da Apreciação Musical ( sem mencionar o treinamento vocacional e técnico, preparação de currículos e habilidades para a busca de empregos ) , você tem sorte. Este livro é para o restante de nós. Após um esforço combinado de quarenta anos de atuação em Educação - Jessie, como professora de nível elementar e intermediário, além de administradora de escolas públicas e privadas; Susan, como estudante de pós-graduação e professora de faculdade - chegamos a 1

Nota do tradutor: No sistema educacional americano, as expressões " elementary school " , " middle school" correspondem aproximadamente aos nossos " ensino fun­ damental 1 " , " ensino fundamental 2" e " ensino médio " . Entretanto, para eliminar a ambiguidade em uma grande variedade de contextos ao longo desta obra, optamos por traduzir essas expressões por " elementar" e " intermediário " . No caso de " high school'' , como não há ambiguidade, traduzimo-la diretamente por " ensino médio " .

31

A MENTE BEM TREINADA

uma simples conclusão: caso você desej e que seu filho tenha uma ex­ celente Educação, você precisa assumir o comando pessoalmente. Você não tem que reformar o sistema escolar inteiro. Tudo o que você tem a fazer é ensinar ao seu próprio filho. Nem se preocupe com a retórica educacional sobre a necessidade de anos de treinamento especializado para a formação de professores. Esqueça tudo o que você ouviu falar sobre a necessidade de salas de aula para o desenvolvimento da criança e sobre a Psicologia Educa­ cional. Essas coisas são realmente necessárias para o professor que precisa encarar uma turma fervilhante com trinta crianças do ensino fundamental ou com vinte e cinco adolescentes desligados. Mas a sua tarefa é inteiramente diferente : a educação de seu próprio filho, somente você e ele. Você, provavelmente, acredita que não tem habilidade para ensinar seu filho em casa. Você não está só: todo pai e mãe que decide educar o filho em casa j á se sentiu assim (vej a o capítulo 1 ) . Mas nós consultamos um monte de pais - alguns, com diploma de nível superior; outros, sem diplomas de ensino médio - que conduziram com sucesso a Educação de seus filhos. Em conferências e seminários, encontramos centenas de outros mais. As revistas de Educação Domiciliar transbordam com histórias de adolescentes ensinados pelos pais que superam os padrões em Leitura, Redação, Ciência e Matemática. Tudo o de que você precisa para ensinar o seu filho em casa é de­ dicação, algum conhecimento básico sobre como as crianças aprendem, orientação para ensinar as habilidades específicas em cada assunto acadêmico, e uma grande quantidade de livros, fitas, pôsteres, " kits " e outros recursos. Este livro oferecerá tudo a você, exceto a dedicação.

A mente bem treinada é o guia dos pais para uma Educação abran­ gente, academicamente rigorosa, ao estilo " faça você mesmo " - uma Educação Clássica.

O q u e é " Ed u cação C l ássica " ? É um estilo d e Educação que enfatiza a Linguagem - não concentrado em imagens. A Educação Clássica exige que os estudantes usem e enten­ dam palavras, em vez de comunicar-se com o uso de imagens. 32

VISÃO GERAL

É um estilo de Educação intensiva em História, que oferece aos estudantes uma visão abrangente da aventura humana desde o seu início até os dias de hoj e . A Educação Clássica treina a mente para analisar e extrair conclusões. Tanto requer quanto desenvolve a autodisciplina - a habilidade de lidar com uma tarefa difícil que não promete uma recompensa imediata, em favor de um ganho futuro . Produz estudantes letrados, curiosos e inteligentes, que têm uma ampla gama de interesses e a habilidade de acompanhá-los.

A mente bem treinada é um manual sobre como preparar seu filho para ler, escrever, calcular, pensar e entender. No Prólogo, explicaremos em linhas gerais o que é a " Educação Clássica " e contaremos nossa própria experiência com ela e com várias formas de escolarização domiciliar. A Parte I deste livro mostrará a você como assentar os fundamen­ tos da excelência acadêmica, desde o j ardim de infância até a quarta grade2 - o período que, no sistema escolar brasileiro, foi batizado de "Fundamental 1 " . A Parte II traça os contornos de um programa que treinará a mente em processo de amadurecimento, no nível conhecido no Brasil como " Fundamental 2" - desde a grade 5 até a 8. A Parte III abrange as habilidades do que se chama, no Brasil, de " ensino médio " . Mesmo que você estej a começando o seu esforço com um filho mais velho, você deveria, no entanto, ler as seções iniciais para entender os princípios básicos da Educação Clássica. Cada seção inclui um resumo do conteúdo de cada grade, de modo que você pode entender, em uma única olhada, o que cada ano escolar deveria incluir. A evolução de aprendizado que descrevemos nas Partes I a III é um modelo - um ideal. Todo ideal precisa adaptar-se ( frequentemente, de maneiras inesperadas) ao entrar em contato com seres humanos reais. Certifique-se de ler o capítulo 3 7, que discute brevemente as dificul­ dades de aprendizagem e aponta o caminho de recursos adicionais . 2

Nota do tradutor: Cada " ano letivo" do sistema educacional americano é chamado de "grade " (em Português, "grau" ou " nível " ) . Optamos por manter a forma original inglesa devido à sua ampla adoção pela comunidade brasileira adepta à Educação Domiciliar.

33

A MENTE BEM TREINADA

A Parte IV é dedicada às questões ligadas à Educação Domiciliar em tempo integral - como dar início ao processo, socialização, registro de notas de avaliações, testes padronizados, candidaturas à faculdade, prática de esportes e outros temas ligados à escolarização em casa. Você pode decidir retirar seu filho da escola; você pode decidir deixá-lo continuar em suas aulas normais. De qualquer modo, este li­ vro lhe dará as ferramentas de que você precisa para ensiná-lo em casa ou para suplementar e reforçar o que ele aprende na sala de aula . Nós conhecemos pais de todo o mundo que decidiram dar aulas " pós-escola­ res " a seus filhos - trabalhando j unto deles individualmente durante as noites e nos fins de semana, tanto para remediar quanto para enriquecer a Educação que recebem na sala de aula. Se você quer manter o seu filho na escola mas j ulga necessário um esforço corretivo em Gramática ou Matemática, pode usar o currículo e os métodos sugeridos durante as noites ou intervalos. Caso o seu filho desej e saber mais do que o oferecido pelo currículo da escola em História ou Ciências, ele poderá seguir, de acordo com seu próprio tempo disponível, os programas de Educação em casa sugeridos neste livro. Uma palavra sobre recursos. Nós consideramos opressivas a s listas de recursos excessivamente grandes . Quando Susan está pro­ curando por um livro sobre o Egito Antigo para seu filho que está na segunda grade, ela não quer examinar uma extensa lista de livros recomendados para encontrar o melhor guia disponível sobre o Egito Antigo para a segunda grade - ela quer ver somente as duas ou três melhores opções. Por esta razão, nós examinamos listas de recursos disponíveis e listamos para você as melhores escolhas. Há inúmeros livros, programas e recursos compatíveis com os obj etivos da Educação Clássica, mas nós não nos esforçamos para listá-los todos aqui. Os recursos que aparecem neste livro são os que combinam excelência aca­ dêmica, facilidade de uso pelos pais, clareza e ( quando possível) preço acessível. Alguns excelentes programas podem não ser mencionados, sej a porque duplicam material de outro j á listado, porque parecem desnecessariamente complicados, especialmente para iniciantes, porque se tornaram difíceis de adquirir ou porque (em nossa opinião) estão com o preço excessivamente elevado. Mas você pode substituir nossas sugestões onde j ulgar necessário . 34

VISÃO GERAL

Muitas de nossas recomendações mudaram de edição para edição. Em alguns casos, os livros e programas simplesmente se esgotaram e não foram reeditados, obrigando-nos a encontrar novos títulos para substituí-los. Mas, em muitos casos, houve o desenvolvimento de novos currículos que (em nossa opinião) suplantaram as recomendações iniciais. Finalmente, por favor, visite www.welltrainedmind.com, onde in­ cluímos diversas páginas de recursos adicionais: currículos para crianças que não se enquadram na progressão tradicional descrita nestas páginas - sej a porque deram um salto adiante, porque tenham dificuldades de aprendizado ou porque simplesmente processem a informação de um modo diferente; uma lista continuamente atualizada de aplicativos populares, j ogos de aprendizagem baseados na web e atividades para aperfeiçoamento online; currículos alternativos que achamos excessi­ vamente complicados, caros ou especializados, mas que contam com o apoio entusiástico de muitos pais educadores veteranos. Em www. forums.welltrainedmind.com, você poderá unir-se a milhares de pais educadores que discutem desafios de aprendizagem, que compartilham suas descobertas de currículos, trocam dicas de ensino e muito, muito mais.

35

Co n s i d e rações p ráticas: co m o u sa r A men te bem treinada sem e n l o u q u ecer

E

ste é u m livro muito grande. A mente bem treinada provê infor­ mações sobre como ensinar todos os temas do currículo clássico - Literatura, Redação, Gramática, História, Ciência, Matemática,

Latim, Línguas Modernas, Arte, Música, Debate, e mais . São raros os pais que seguem este programa à risca. A liberdade de

criar um programa acadêmico personalizado para os interesses, neces­ sidades, forças e fraquezas específicos de seu filho é uma das maiores vantagens da Educação Domiciliar. Nós explicamos a filosofia geral que governa cada parte do currículo, mas nossos cronogramas, textos e programas são apenas exemplos de como aplicar essa filosofia na prática. Nós achamos que os textos e programas assentados aqui são os melhores disponíveis, mas você sempre deve se sentir livre para fazer substituições e seguir as próprias escolhas. Por exemplo, no capítulo 1 7, recomendamos que os estudantes de História da grade intermediária façam esboços de suas lições e demonstramos esse processo coletando citações na Kingfisher History

Encyclopedia, nosso texto recomendado. Mas se você encontrou outro livro de História Mundial que você adora, certamente poderá usá-lo, em vez disso. ( Leia "O que faz uma 'Mente bem treinada' : visão geral " para saber mais sobre nossos critérios de seleção) . Por exemplo, no capítulo 1 7, recomendamos que os estudantes de História nas grades intermediárias passem algum tempo fazendo fichamentos de suas leituras em História, e demonstramos este processo com uma citação da Kingfisher History Encyclopedia, um de nossos textos recomendados. Mas você pode atingir o mesmo obj etivo usando outros bons textos de História . Embora também recomendemos que os estudantes usem a forma padrão de fichamento ( 1, II, III; A, B, C; 37

A MENTE BEM TREINADA

1 , 2, 3; etc . ) , nosso obj etivo é ensinar aos estudantes a distinção entre a organização de ideias ( " tópicos " ) , frases de apoio e detalhes adicio­ nais - para familiarizá-los com a estrutura de um texto bem redigido. Assim, caso o estudante tenha aprendido em outro lugar a como fazer um " diagrama de aranha " ou um fluxograma, e esses métodos se en­ quadram melhor ao modo de pensar do estudante (e também revelem estrutura subj acente a uma redação ) você poderá usá-la em substituição ao fichamento tradicional. Você pode tomar a decisão de seguir uma parte do programa e não outra . Por exemplo, se você encontrou um currículo de Matemática que funciona bem para o seu filho que está na sexta grade, você pode usar os recursos para o ensino da Linguagem sem se sentir obrigado a adotar os livros de Matemática de que nós gostamos. Caso o seu estudante em nível de ensino médio já estej a de posse uma lista de livros cuj a leitura está em andamento, você também pode usar nossas sugestões de Gra­ mática e Redação sem adotar nossa lista de leituras. Nenhum estudante fará todo o trabalho que sugerimos - especial­ mente nas grades iniciais, em que o aprendizado da Leitura e da Escrita, bem como o entendimento da Aritmética, podem ocupar a maior parte do tempo de estudo da criança . Na tradição clássica, a Leitura, a Redação, a Gramática e a Matemática constituem o centro do currículo. História e Ciência se tornam mais e mais importantes à medida que a criança amadurece. Línguas estrangeiras, Música, Arte e Eletivas devem seguir estas áreas curriculares fundamentais. Muitos estudantes têm atividades extracurriculares ( futebol, natação, aulas de música, hobbies sérios, clubes, cursos de habilidades tais como Contabilidade e digitação ) que podem empurrar para fora do seu cronograma a Apreciação Artística e o estudo de Francês ( ou até do Latim ) . Após ler a s Partes 1 , I I e III, você terá uma boa compreensão dos princípios que guiam um proj eto de Educação Clássica. Quando você os puser para funcionar, siga seriamente nossa constante orientação sobre textos e currículos sistemáticos e rigorosos. Lembre-se de que uma criança deve ter um fundamento completo nas habilidades bási­ cas da Gramática, Ortografia, Redação e Aritmética antes que possa prosseguir rumo a um trabalho mais complexo e analítico (mais sobre esse tema na Parte 1 ) . Mas, quando você ensina seu filho em casa, você 38

CONSIDERAÇÕES PRÁTICAS

toma a decisão sobre quais livros usará e quanto tempo você gastará no trabalho escolar. Nossas sugestões são simplesmente isso - sugestões, cuj a intenção é guiar o planej amento da educação de seu filho em casa.

39

S u p l e m e nta n d o a Ed u cação d e seu fi l h o: A men te bem treinada e a esco l a riza ção

d o m i c i l i a r e m te m po i nteg ra l

N

em todos os usuários deste livro desej arão unir-se às fileiras dos pais educadores em tempo integral. Embora a maior parte deste livro (e a maior fatia da informação constante na Parte IV)

sej a útil para os pais que estão educando seus filhos exclusivamente em

casa, a informação sobre o ensino de cada assunto e a lista de recursos que se segue a cada capítulo ajudará a suplementar a Educação de uma criança que estej a na escola. Cada pai envolvido na Educação de seu filho é um educador do­

miciliar. Se você confere as redações, conversa sobre seus deveres de casa de História ou treina suas habilidades em Matemática, você j á está educando seu filho e m casa. Nesses casos, você atua como auxiliar do professor - aj udando a ensinar e reforçar o que já foi apresentado em sala de aula. Você pode descobrir-se, no entanto, desej oso de dar um passo além desse papel e assumir pessoalmente a tarefa de organizar e apresentar o novo material. Seu filho pode necessitar de aulas extras e práticas numa disciplina para dominá-la. Ou pode ter um interesse especial em um assunto, de modo que desej e ir além do currículo adotado. De todo modo, sugerimos que você leia os capítulos 1 e 2 , que explicam nossa teoria básica sobre a Educação Clássica e os capítulos que lidam com cada estágio do desenvolvimento mental: capítulo 3 , " Os Anos d o Papagaio " ; capítulo 1 3 , "A Criança Argumentativa " ; e o capítulo 25, " Expressando o que você pensa " . Esses capítulos darão uma visão geral do processo de aprendizagem, não importando idade de seu filho. 41

A MENTE BEM TREINADA

Estimule seu filho, nas grades 1 a 4, à absorção; nas grades 5 a 8 , ao pensamento crítico; e, nas grades 9 a 1 2 , à expressão. Ele deve ter boas habilidades de leitura com base fonética. Use um dos programas de fonética recomendados para ensinar as habilidades de leitura, certi­ ficando-se de que ele fará suficiente leitura extra durante as grades ini­ ciais . Use os recursos de Lógica e as recomendações de fontes primárias que indicamos na Parte II para aj udá-lo a pensar criticamente sobre a História, a Ciência e a Matemática das grades intermediárias. Redação é uma habilidade difícil de ensinar em grupo: a maioria dos estudantes necessita de prática extra e atenção individual para escrever bem. Se você quer estimular seu filho a ir além da sala de aula, use as informações que apresentamos e adapte-a ao seu cronograma escolar. Por exemplo, no capítulo 1 6, " Reconhecendo padrões " , descrevemos um programa de Ciência desde a quinta até a oitava grade que exige do estudante que complete experimentos, escreva relatórios e esboce dia­ gramas. Você pode usar os recursos de Ciência recomendados e orientar a pesquisa da criança em direção ao que está aprendendo em sala de aula . Caso ela estej a estudando Biologia da quinta grade e queira saber mais, use nossas seções de recursos sobre Biologia para suplementar o aprendizado do seu filho . Você também pode usar esses capítulos para planej ar um curso de férias de verão. Mas tenha em mente que um curso de verão com doze semanas não pode abranger todo o material listado nestes capítulos, concebidos para satisfazer as necessidades de um ano completo de es­ tudo escolar em casa. Caso você queira assegurar-se de que seu filho dominará uma área de habilidades na qual está apresentando problemas, você pode usar os livros e programas que descrevemos como sistemáticos e orientados para exercícios. Você não deveria tentar orientar esses programas ao conteúdo da sala de aula, pois cada habilidade é erigida sobre algo que já foi ensinado anteriormente. Em vez disso, dedique uma quantidade de tempo adequada ao estudo adicional enquanto atividade extracurricular. Caso você estej a particularmente insatisfeito com a abordagem de ensino de um tema na escola 1 , avalie a possibilidade de perguntar à escola 1

Nota da edição brasileira: essas alternativas são todas referentes a realidade ame­ ricana.

42

SUPLEMENTANDO A EDUCAÇÃO DE SEU FILHO

se o seu filho pode estudar aquele material específico com um professor particular. Muitas escolas permitem essa opção desde que a criança mostre um progresso consistente. Você poderá então substituir um dos programas que delineamos, sej a agindo pessoalmente como professor particular, sej a contratando alguém para trabalhar individualmente junto a seu filho (confira, nos capítulos 44 e 45, informações adicionais sobre como a bordar sua escola e encontrar professores particulares confiá­ veis) . Algumas vezes acontece: um excelente professor e um brilhante aluno mostram-se incapazes de relacionar-se em sala de aula porque seus estilos de aprendizagem entram em conflito. Além disso, muitas crianças precisam de instruções individuais para realizar o seu melhor.

43

" Pois permitimos que nossos j ovens homens e mulheres saiam desarmados num dia em que a armadura era, mais do que nunca, tão neces­ sária. Ao ensiná-los a ler, deixamo-los à mercê da palavra impressa. Com a invenção do filme e do rádio, certificamo-nos de que nenhuma aversão à leitura protegê-los-ia do incessante bombardeio de palavras, palavras, palavras . Eles não sabem o que significam a s palavras; eles não sabem como repeli-las, nem como em­ botar-lhes o gume ou nem devolvê-las; eles são prisioneiros das palavras em suas emoções em vez mestres em seus intelectos . . . Nós perdemos as ferramentas de aprendizagem e, na sua au­ sência, podemos fazer apenas um trabalho de remendos e retalhos " . - Dorothy L. Sayers,

The Lost Tools of Learning

P ró l og o : U m a h i stória d a ed u cação d o m i c i l i a r c l ássica

1 . Te rritó ri o n ã o m a pea d o: J essie

o primeiro dia e m que dei uma aula a meus três filhos e m casa, limpei a sala de brinquedos e instalei três carteiras escolares. Pendurei uma bandeira americana na frente da sala e liderei o Juramento de Lealdade à Bandeira. Eu tremia com o nervosismo.

N

Era o ano de 1 973 , e meu marido Jay e eu, havíamos, pouco antes, tomado uma decisão bem radical: retirar nossos filhos da escola. Eu estava aterrorizada, o que era ridículo. Afinal de contas, eu era uma professora certificada em meu estado. Eu ensinara em escolas públi­ cas por seis anos; completara cursos de Educação na Tulane University, no College of William and Mary e na University of Virginia. Em certo ano, eu lidara com trinta e oito alunos de segunda grade do nascer ao pôr do sol - sem pausa para almoço, sem pausa para descanso e sem um professor auxiliar. No entanto, eu estava completamente intimidada por aquelas três criancinhas, certa de que não seria capaz de fazer um trabalho adequado ao ensinar-lhes pessoalmente. Toda a minha formação como professora havia me submetido a uma lavagem cerebral. Eu estava convencida de que os pais não tinham a menor possibilidade de ensinar aos próprios filhos - certamente, não em casa. Era necessária uma instalação ins­ titucional, mantida por profissionais, com todos os seus recursos, seu treinamento e seu conhecimento especializado. Infelizmente, os profissionais haviam-nos decepcionado. Eu não desconhecia as falhas no sistema. No último ano em que lecionei na escola pública, eu tive, em minha classe de sexta grade, dois rapazes de dezesseis anos que ainda não haviam aprendido a ler. Eu j amais ouvira falar em Educação Domiciliar, mas lembro-me de ter pensado: se, algum dia, eu tiver um filho, ele saberá ler antes de ir para a escola. Eu não terei um filho incapaz de ler numa classe da sexta grade. 49

A MENTE BEM TREINADA

Então, quando meu filho mais velho chegou aos quatro anos, eu disse a ele um dia: " Bob, você prefere tirar uma soneca ou gostaria de aprender a ler ? " . Ele escolheu ler ( nem um pouco surpreendentemente ) e iniciei-o no método fonético fora de moda em que eu fora ensinada quando criança . Eu me deitava j unto com ele em sua caminha após o almoço e exercitávamos suas letras ( j á que eu também tinha filhos com dois anos e treze meses de idade, estava sempre feliz pela oportunidade de me deitar) . Praticávamos vogais e consoantes, e aprendemos a pro­ nunciar novas palavras naquele ano. Nós chamávamos nossa atividade de " fazer o jardim de infância " . Quando minha filha do meio completou três anos, ela quis entrar: " Mim fazer j ardim de infância também " , ela dizia, e eu a incentivava a repetir os sons j unto comigo. Eu estava orgulhosa de mim mesma . Eu estava preparando meus filhos para a escola. O j ardim d e infância, quando chegou, foi monótono e p uramente social. Bob adorava brincar n a escol a . E m casa, e u continuava lendo p a r a ele e ensinando-lhe h abilidades linguísticas e n uméricas. Mas quando Bob chegou à primeira grade, não conseguiu adaptar­ -se. Ele já conhecia o material e estava entediado. A escola - uma bem conceituada escola particular - colaborou e promoveu-o à segunda grade. Ele também estava entediado ali. A classe exercitava habilidades iniciais de leitura que já havíamos feito. Os alunos da segunda grade não gostavam dele porque ele era um pequeno arrivista que invadia seu território. A administração da escola devolveu-o à primeira grade mas, agora, a hostilidade vinha dos alunos da primeira grade. Ele era o figurão que pensara-se capaz da segunda grade e não queria brincar com eles. Estavam com ciúmes porque ele estava bem preparado. E assim, lá estava ele, na primeira grade, já sentindo que um bom desempenho na escola tornava-o impopular. Ele começou a mudar. Ele fora um menino animado, exuberante e curioso. Agora, ele tinha um problema comportamental. Ele parou de ir bem na escola. Seus traba­ lhos escritos sempre haviam sido meticulosamente preparados mas, subitamente, sua Escrita tornou-se desleixada. A professora queixou-se de que Bob estava sempre questionando-a em sala de aula e a viagem de ônibus até a escola era horrenda : as crianças mais velhas obrigavam as mais j ovens a sentar-se no piso, roubavam seus lanches e suj avam suas 50

TERRITÓRIO NÃO MAPEADO

roupas para que ganhassem advertências por demérito na escola . Todos os dias, Bob descia do ônibus escolar com um punhado de bilhetes com reclamações dos professores e estava sempre brigando, enfurecido ou chorando. Nesse ponto, Jay e eu percebemos que gastávamos a maior parte do nosso tempo tentando desfazer o que acontecia com ele quando es­ tava na escola e temíamos que nossa filha do meio, Susan, passasse pela mesma metamorfose. Susan mal havia começado o j ardim de infância e a professora j á estava se queixando conosco de que ela se tornaria uma pessoa socialmente desaj ustada porque queria ler em vez de brincar durante o tempo livre. Nós experimentávamos a tenebrosa pressão de nivelamento aplicada em tantas escolas : o esforço de evitar solavancos rebaixando as crianças bem preparadas ao nível das demais. Isto ainda acontece em algumas escolas. Neste ano, a melhor pré­ -escola particular em nossa área decidiu parar de ensinar habilidades iniciais de leitura a crianças de quatro anos. Os professores de j ardim de infância nas escolas públicas locais se queixaram de que as crianças oriundas dessa pré-escola ficavam entediadas no j ardim de infância porque já dominavam o conteúdo. A escolas exigiram que a pré-escola desistisse de continuar enviando crianças de cinco anos tão bem prepa­ radas, de modo que todos os alunos de j ardim de infância começassem no mesmo nível de ignorância. Eu fiquei horrorizada quando a pré-escola rendeu-se à pressão e voltou a ensinar cores e " habilidades sociais " . Lá em 1 973, ninguém me disse que e u deveria parar de ensinar fonética aos meus pré-escolares e não sabíamos o que fazer com os desaj ustados acadêmicos que eu havia conseguido produzir. Assim, levamos nossos dois filhos em idade escolar a um psicólogo do sistema de saúde mental de nossa cidade. Ele testou a ambos e descobriu o que minha cuidadosa preparação havia feito: o Bob, o aluno de segunda grade, tinha uma capacidade de leitura equivalente à sétima grade; Susan, a aluna do j ardim de infância, estava lendo material da quinta grade. O psicólogo chamou-nos ao seu consultório após os testes. " Ou­ çam " , ele disse, " se vocês mantiverem essas crianças na escola elas vão se transformar em não-aprendizes. Elas estão entediadas até a morte. Você tem um certificado de professora. Por que não os tira da escola e ensina a eles você mesma ? " . 51

A MENTE BEM TREINADA

Isto j amais havia me ocorrido. Afinal, Educação era o domínio das escolas . . . E essas eram nossas crianças ! Não conhecíamos ninguém mais que adotasse a Educação Domiciliar. A ideia, como um todo, parecia estranha e radical; sequer estávamos certos de que fosse legal, pois a legislação do estado da Virgínia era vaga quanto ao assunto. Mas não tínhamos escolha. A escola pública local era um ambien­ te socialmente horrível e a pontuação nos testes posicionavam nosso condado no fim da lista estadual ano após ano. A escola particular havia sido nossa solução. Então, foi tremendo nas bases que instalei as carteiras escolares, a bandeira americana e comecei a ensinar meus filhos em casa. Eu ficava preocupada o tempo todo. Eu me preocupava com a possibilidade de que meus filhos não fossem à faculdade. Eu me preocupava com a possibilidade de que o sistema escolar viria tomá-los de mim por negligência e absenteísmo escolar. Eu me preocupava com a possibilidade de que seu desenvolvimento social fosse prej udicado. Esses temores j amais se realizaram. Bob, meu leitor precoce, atingiu excelência em Matemática e Ciências. Ele estudou Ciência da Compu­ tação no College of William and Mary, obteve seu grau de mestre na University of Virginia e seguiu uma carreira de alto nível em Tecnologia; ele trabalhou com start-ups inovadoras em Seattle e ocupou cargos executivos na HP e na Samsung. Susan entrou para a faculdade aos dezessete anos como finalista do prêmio National Merit1 e, em seguida, conquistou três títulos de pós-graduação, finalizando com um Ph.D. em Estudos Americanos. Ela ensinou Literatura e Redação na William and Mary durante vários anos, segue uma próspera carreira como escritora, e também tem sua própria editora. Deborah graduou-se na University College da University of Maryland; obteve certificação como técnica de evidências forenses e tornou-se uma policial no estado do Maryland. Após um ferimento durante o exercício da profissão, ela obteve re­ treinamento como assistente j urídica e trabalha em um escritório de advocacia em Baltimore . Quando examino, em retrospecto, a Educação que dei a essas três crianças, verifico que segui um padrão que, em sua maior parte, desa­ pareceu da Educação pública. Para começar, eu enchi suas cabeças com 1

Nota do tradutor: A National Merit é uma organização americana sem fins lucrativos que oferece ajuda na obtenção de bolsas de estudos.

52

TERRITÓRIO NÃO MAPEADO

fatos desde pequenos. Ensinei-os a ler bem cedo e mantinha livros em todos os lugares da casa; dávamos livros como presentes e recompensas; eu era conhecida na biblioteca pública local como "a senhora do cesto de lavanderia " porque eu levava meus filhos toda semana e enchia um cesto de lavanderia com livros. A cada visita à biblioteca, pedia que escolhessem os seguintes livros: um livro de Ciência, um de História, um sobre apreciação de Arte ou Música, um livro prático ( artesanato, hobby ou " Como fazer" ) , uma biografia ou autobiografia, um romance clássico (ou adaptação adequada à idade) , um livro de histórias imagina­ tivas, um livro de poesia . Eles podiam escolher os títulos, mas pedia que seguissem esse padrão. Também permitia que eles conferissem quaisquer outros livros sobre qualquer outro assunto que quisessem. Além disso, eu os fazia memorizar. Recitavam tabuadas de mul­ tiplicação, listas de verbos, datas, presidentes e declinações do latim. À medida que seus processos de pensamento amadureceram, ensi­ nei-os a enquadrar seu conhecimento em estruturas lógicas. Investi muito tempo em discussões e interações individuais . Aprendemos regras de Ortografia, Matemática e Lógica básica; seguimos um antiquadamente estrito livro de Gramática e fizemos diagramas de frases de crescente complexidade; mantivemos cadernos e linhas do tempo de Ciência, de modo que pudéssemos sistematizar seu conhecimento crescente dos fatos em ordem lógica e cronológica. Ensinei-os como organizar um parágrafo, um ensaio, um artigo científico. Estudamos a Gramática do Latim, recebemos aulas de Música, fizemos experimentos de Ciência ( incluindo uma memorável dissecação de um olho de vaca, obtido de um vizinho fazendeiro) . Eles aprenderam a seguir cronogramas personali­ zados que equilibravam interesses acadêmicos e pessoais como Música, Programação e Redação criativa. E eles continuaram a ler. Quando chegaram ao nível do ensino médio, investi mais tem­ po aprimorando suas habilidades em Redação e autoexpressão. Eles escreveram artigos críticos e de pesquisa, estudaram os princípios da Retórica, leram amplamente - e, o que é mais importante, começaram a desenvolver seus próprios interesses específicos . Bob passou boa par­ te de seu tempo de estudo aprendendo a programar seu computador novinho em folha. Susan possuía uma inclinação especial por palavras; escreveu duas novelas, pesquisou a História e a Literatura Britânica 53

A MENTE BEM TREINADA

Antigas e aprendeu, por conta própria, o idioma Gaélico (certamente, não por iniciativa minha ) . Deborah estudou Arte e também se tornou uma competente violinista. Eu soube somente muito tempo mais tarde que seguira o padrão de Educação Clássica chamado trivium . Eu sabia apenas que estava dando certo na prática . Susan escreverá sobre o trivium no próximo capítulo; é a Teoria Clássica da Educação, que organiza o aprendizado em torno do amadu­ recimento das capacidades da mente das crianças. Isso não mais existe na Educação pública. Eu mesma não aprendi por esse método quando fui educada nas escolas públicas de condado nas décadas de 1 940 e 1 95 0 . Mas fui criada por parentes idosos que haviam sido ensinados pelos métodos clássicos populares na virada do século XIX para o XX. Meme, como eu a chamava, completara apenas a oitava grade em uma escola com uma única sala de aula e tio Luther nem mesmo chegara tão longe. Mas, na oitava grade, Meme aprendera Latim e Á lgebra; tio Luther aprendera Matemática avançada e sabia como pensar e escrever. Eles me ensinaram a ler muito antes que eu fosse à escola. A professora da primeira grade era nossa vizinha e, quando ouviu que Meme estava me treinando em fonética, fez uma visita especial para alertar-nos de que eu estaria arruinada pelo resto da vida se Meme continuasse usando esse método antiquado. Meme não se intimidou e, quando finalmente entrei para a escola, entrei diretamente na segunda grade devido às habilidades que já havia adquirido. Quando eu voltava para casa da escola, à noite, Meme e tio Luther sentavam-se comigo e me faziam aprender. Meme apontava as listas nos livros - tabuadas de multiplicação, trechos de discursos - e dizia: " Memorize-os " . " Mas a professora disse que não temos que memorizá-los " , eu protestava, "só precisamos ser capazes de usá-los " . " Eu não ligo para o que diz a professora " , insistia Meme, " essas são coisas que você precisa saber " . E u fui treinada para ser obediente e disciplinada e , assim, memori­ zava as listas, mesmo sendo a memorização uma tarefa difícil para mim. Eu aprendi Á lgebra e Gramática . Eu prossegui até a faculdade e obtive uma posição profissional; eu fui a única moça de minha turma de ensino 54

TERRITÓRIO NÃO MAPEADO

médio a obter um diploma de faculdade. Quando tive meus próprios filhos, usei o método de Meme e descobri que o processo tripartite de memorização, organização lógica e expressão clara posicionou-os muito acima de seus pares. Na metade do século XX, Dorothy Sayers, autora e criadora de Lord Peter Wimsey2, falou a uma plateia na Universidade de Oxford que a Educação havia desistido do trivium e estava agora gerenciando o que ela chamava de " capital educacional " . Nós não mais ensinávamos às nossas crianças o processo de memorização, organização e expres­ são - as ferramentas que a mente usa para aprender. Os restolhos remanescentes desses métodos nos carregaram através de décadas de escolarização sem provocar catástrofes; eu consegui completar o ensino médio no topo de minha classe porque meus guardiães ensinaram o

que eles haviam aprendido. Mas, cedo ou tarde, esse capital se esgota. Meus próprios filhos tiveram de encarar professores que os rebaixaram ao nível da classe; professores que pensavam que era mais importante ensinar " habilidades sociais " do que temas acadêmicos; livros-textos abandonaram as regras da Gramática e da Lógica Matemática em favor de uma aprendizagem desordenada e incidental. Estiveram cercados de colegas que consideravam um " CDF" qualquer um fosse bom de aprendizagem. Eles passavam sete horas por dia sentados em carteiras escolares, em pé, em fila, viaj ando em ônibus e desempenhando trabalho repetitivo e monótono para que seus colegas de classe aprendessem o que eles j á estavam cansados de saber. Eu queria algo melhor para eles. Observando a evolução da Educa­ ção Domiciliar ao longo das últimas duas décadas, convenci-me de que qualquer pai dedicado pode fazer o que fiz. Minha própria Educação j amais se estendeu ao Latim, nem ao Gaélico, nem ao Cálculo, nem à Ciência da Computação, nem à Arte, nem ao violino, mas meus filhos aprenderam tudo isso. Com a aj uda de recursos e grupos de apoio que se instalaram em todo o país - e com os princípios que oferecemos a você neste livro - você poderá prover uma Educação Domiciliar Clássica a seus filhos, mesmo que você j amais tenha sequer dado uma olhada em Latim ou em Lógica . 2

Nota do tradutor: Lord Peter Bredon Wimsey é o personagem principal da série de histórias de detetive criadas por Dorothy Sayers.

55

A MENTE BEM TREINADA

Você pode fazer o mesmo que meus guardiães fizeram e, no seu próprio ritmo, ensinar a seu filho as habilidades básicas que ele não está aprendendo na escola. Seu j ovem estudante pode precisar de uma aj uda específica em Matemática, Ciência, Leitura ou Redação. Até mesmo o melhor e mais diligente professor (falo por experiência) é frequentemente impedido de dar a atenção individual necessária devido ao tamanho crescente de sua turma. Se você usar os recursos que reunimos neste livro e investir algum tempo individual com seu filho, será capaz de educá-lo. Quando eu lecionava na escola, estava convencida de que os pais não podiam ensinar aos próprios filhos. Quarenta anos depois, posso olhar para trás e dizer: a experiência foi um sucesso. Eu fui a melhor professora que meus filhos poderiam ter porque eu era a mãe deles . Por acaso, eu tinha um certificado de professora . Mas, durante meus anos de educação domiciliar, aprendi mais sobre o uso de material acadêmico, sobre como gerenciar as relações individuais com as crian­ ças e sobre como ensinar do que em qualquer um dos meus Cursos de Educação para Professores . Esses Cursos de Educação para Professores ensinaram-me uma grande quantidade de informação sobre como lidar com grandes grupos de crianças. Eu precisava disso na escola, mas um pai ou mãe não precisa disso para ensinar a seus filhos em casa. Por acaso, eu também possuía um grau universitário. Mas, nos vinte e cinco anos desde meu primeiro contato com o movimento de Educação Domiciliar, conheci pais que possuíam apenas o ensino mé­ dio e lideravam seus filhos com sucesso até à décima segunda grade, e também vi essas crianças progredindo na faculdade. Você não deve ter medo de tirar o seu filho da escola, se necessário . Este é um passo radical para muitos pais, pois significa uma mudança na agenda, nas prioridades, no estilo de vida e, afora as preocupações acadêmicas, muitos pais perguntam, "e o desenvolvimento social de meu filho ? Então ele não precisa de coleguinhas ? " . Crianças precisam de amigos. Crianças não precisam ficar rodeadas de grandes grupos que inevitavelmente seguem a personalidade mais forte na multidão. A verdadeira pergunta que os pais devem responder é: Eu quero que meu filho sej a igual a seus coleguinhas ? Ou quero que ele se erga acima deles ? Finalmente, se você está acostumado a enviar seu filho à escola todas as manhãs e a deixar que os profissionais se preocupem com 56

TERRITÓRIO NÃO MAPEADO

o que e como ele aprende, a ideia de supervisionar todos os aspectos da Educação de seu filho pode parecer esmagadora. Eu me solidarizo. Quando comecei, parecia que j amais conseguiria fazê-lo. Mas, se você sente que seu filho está sendo ludibriado pela escola, oferecemos a você um plano para consertar isso. Neste livro, não somente apresentaremos o método trivium, mas também ofereceremos recursos para colocá-lo em prática e um plano para os doze anos que seu filho passará na escola. Eu descobri que a Educação Domiciliar tem uma grande vantagem que eu não conhecia quando comecei. A Educação Domiciliar ensina as crianças a aprender e, com o tempo, a ensinar a si mesmas. Quando meus filhos chegaram aos doze anos de idade, mais ou menos, comecei a me ocupar cada vez menos com o ensino. Eu supervisionava o estudo deles; conversava sobre conteúdo; dava-lhes responsabilidades; concedia notas; comprava livros, organizava as atividades curriculares e encontrava tutores para seus cursos avançados. Mas, no início do ensino médio, eles já haviam sido treinados nos métodos de aprendizado. Desse ponto em diante, eles começaram o processo de educar a si mesmos, com alguma aj uda de professores particulares e cursos por correspondência . Agora que estão na vida adulta, continuam a educar a si mesmos, ampliando seus horizontes intelectuais. Certamente, este deveria ser o obj etivo primário de todo projeto educacional.

57

2 . U m a visão pessoa l

d a Ed u cação C l ássica: S u sa n

E

u adorava ir à escola em casa. Na condição de estudante de ensino médio, eu me levantava pela manhã, praticava piano por duas horas seguidas, fazia minhas lições de Matemática e Gramática, completava meus estudos de Ciências e, então, dedicava o restante de meu dia escolar a meus temas favoritos - História, Línguas Antigas e Redação. Uma vez por semana, amontoávamo-nos no carro e saíamos dirigindo rumo a lições de Música, a aulas particulares de Matemática, visitas à biblioteca, aulas de faculdade. Nos fins de semana, compare­ cíamos a reuniões esportivas - as corridas de bicicleta de meu irmão e as exibições hípicas de que minha irmã e eu participávamos. Mas eu fiquei nervosa quando saí de casa para ir à faculdade. Embora tivesse me saído bem nos testes padronizados, j amais havia realmente me sentado em uma sala de aula normal, enfrentando prazos inflexíveis. Eu estava habituada a fazer as provas aplicadas por minha mãe. Eu não deveria ter-me preocupado. Fazendo provas, eu eliminei o equivalente a trinta horas de créditos de disciplinas universitárias; no meu segundo semestre, eu já estava assistindo a disciplinas do quarto ano. Eu possuía uma série de habilidades estranhas: eu era capaz de diagramar frases; eu podia ler em Latim; eu sabia o suficiente de Lógica para dizer se uma afirmação era verdadeira ou falsa. E estava cercada de j ovens de dezoito anos que não sabiam escrever, não queriam ler e eram incapazes de raciocinar. Eu trabalhei como monitora por dois anos, agindo como professora particular de Redação em Língua Inglesa e Gramática do Grego. Eu me vi ensinando Gramática da quinta grade a estudantes de faculdade. Meus colegas me procuravam porque obtinham notas baixas em Redação; eu descobri que eles não sabiam a diferença entre um fragmento e uma frase completa. Estudantes de Grego me procuravam porque tinham 59

A MENTE BEM TREINADA

dificuldade em traduzir; eles não conseguiam identificar substantivos e verbos ou, até mesmo, dizer qual era a diferença entre um e outro. Esta faculdade era pequena e não-elitista, mas o problema é univer­ sal. Dez anos depois, eu lecionava meu primeiro semestre no College of William and Mary, no estado da Virgínia, que ainda se mantém fiel ao modelo de Educação Clássica e é seletivo em seu processo de admissão de estudantes. Os alunos de minhas aulas de Literatura conquistavam notas altas, pontuações altas em testes e muitos créditos extracurriculares. Eu tive sessenta alunos em meu primeiro ano e ensinei duas partes da disciplina " Grandes Escritores Britânicos dos Séculos XVIII e XIX: de Jonathan Swift a Arthur Conan Doyle" de uma só vez. Eu investi o início do semestre no ensino de nivelamento em Língua Inglesa àqueles calouros . O primeiro sinal de problemas chegou até mim quando indiquei a leitura da obra de Wordsworth " Ode: prenúncios de imortalidade " 1 e distribuí um questionário de leitura. Ao recolher o teste, eu percebi que o título de Wordsworth havia sido completamente mutilado: " Pré Núncios," " Prenúnssios " , " Preanúncios "2• "Nenhum de vocês aprendeu a soletrar foneticamente ? " , perguntei. A maioria deles balançou a cabeça. Bem, como eu j á sabia que a foné­ tica tende a ser considerada fora de moda, decidi ser piedosa. Afinal, pensei, eles sempre podem rodar um verificador ortográfico em seus trabalhos escritos. Pedi, então, a redação de um trabalho com quatro a seis páginas em que comparassem, ou dois dos poemas que havíamos estudado, ou um desses mesmos poemas com uma obra moderna nenhuma necessidade de notas de rodapé ou de pesquisa em artigos acadêmicos. Quase imediatamente, começou a inundação em minha caixa de entrada de e-mails: " Professora Bauer, eu nunca, em minha vida, redigi um trabalho escrito sobre um poema e não sei por onde começar " . " Professora Bauer, eu quero escrever sobre 'A Balada do Velho Ma­ rinheiro'3 mas não acho que sou capaz de dizer o suficiente para encher 1

2 3

Nota do tradutor: " Ode: lntimations of Immortality " é um poema do escritor inglês William Wordsworth ( 1 770-1 8 5 0 ) que é considerado pelos críticos uma de suas maiores obras. Nota do tradutor: No original, "lntemmitions", " Intimmations " , " lnntemisions " . Nota do tradutor: " The Rime of the Ancient Mariner" é um poema do escritor inglês Samuel Taylor Coleridge ( 1 772-1 8 3 4 ) publicado no final do século XVIII

60

UMA VISÃO PESSOAL DA EDUCAÇÃO CLÁSSICA

quatro páginas " . ( "A Balada do Velho Marinheiro " tem metáforas e Filosofia suficientes para uma tese de doutorado) . "Enquanto pensava sobre o assunto do meu trabalho escrito, percebi que não tinha a menor pista sobre o que deveria escrever " . "Professora Bauer, estou completamente perdido, só tenho 'dilusões"' sobre os temas adequados para um trabalho escrito " . Entre os trabalhos escritos, quando finalmente chegaram, encon­ trei algumas preciosidades, mas a maioria era composta de textos mal escritos, ilógicos e repletos de erros de Gramática . E, com poucas ex­ ceções, meus alunos educados em escolas particulares experimentaram uma dificuldade equivalente à dos originários de escolas públicas. Eles labutaram para expor uma tese em palavras . Eles suaram, reclamaram e resmungaram na tentativa de provar suas teses e, no final, não sabiam se a haviam ou não provado quando chegaram ao final do trabalho. Eu passei bastante tempo conversando com esses calouros e so­ fômoros5 em meu escritório. Eles são j ovens inteligentes, animados, enérgicos e interessantes. Eles têm ideias, paixões, problemas filosóficos, preocupações sociais e aspirações criativas. Mas eles foram vítimas de um grave desserviço. Suas escolas lhes deram poucas ferramentas; suas mentes foram preenchidas com o material bruto necessário ao sucesso, mas eles têm escavá-lo com as próprias mãos. Eu estava à frente deles quando tinha suas idades - não devido a superiores habilidades mentais, mas porque estava equipada com um " armário" repleto de ferramentas mentais. Minha mãe ensinou-nos do mesmo modo que havia sido ensinada em casa. Nossa Educação foi centrada em linguagem, não em imagens; nós líamos, ouvíamos e escrevíamos, mas raramente apenas assistíamos. Ela passou os nossos primeiros anos escolares oferecendo-nos fatos, sistematicamente assen­ tando a fundação para estudos avançados. Ela nos ensinou a pensar por meio de argumentos e, só depois, ensinou-nos a nos expressar. 4 5

na primeira edição de sua obra Lyrical B allads ( Baladas Líricas ) . Nota do tradutor: " dillusions " , no original, provavelmente uma grafia errada da palavra " delusion " , cujo equivalente em Português é " delusão " . Nota do tradutor: " Sophomore " é o termo usado nos Estados Unidos para se referir aos estudantes segundanistas, sem tradução exata para o Português. Como a pala­ vra é proveniente do grego, tendo a mesma raiz da palavra " sofisma '', proponho a tradução direta por " sofômoro " .

61

A MENTE BEM TREINADA

Essa é a sequência clássica do trivium, o processo tripartite de treinamento mental. Os primeiros anos da escolarização são chamados de " Estágio Gramatical " - não porque você passe quatro anos apenas estudando Gramática, mas porque esses são os anos em que assentamos os " blo­ cos de construção do conhecimento " - e a Gramática é o alicerce da linguagem. Nos anos da escola elementar - grades 1 a 4 - a mente está pronta para absorver informação. Como a criança, nessa idade, acha divertido memorizar, durante este período a Educação não inclui a autoexpressão e a autodescoberta mas, ao contrário, o aprendizado de fatos e habilidades básicas de pensamento: regras de fonética e Orto­ grafia e como usá-las, regras de Gramática e entendimento sobre a boa estruturação de uma frase, poemas, vocabulário de línguas estrangeiras, narrativas de História e Literatura, descrições de plantas, animais e do corpo humano, os fatos da Matemática - e a lista segue adiante. Em algum ponto entre a quarta e a quinta grades, a mente da criança começa a pensar mais analiticamente. Estudantes do nível intermediário estão menos interessados em descobrir fatos do que em perguntar: " Por quê ? " . A segunda fase da Educação Clássica, o " estágio Lógico " , é uma época em que a criança começa a atentar a relações de causa e efeito, às relações entre os diferentes campos do conhecimento, ao modo como os fatos se enquadram numa estrutura lógica. Um estudante está pronto para o Estágio Lógico quando a capaci­ dade para o pensamento abstrato começa a amadurecer. Durante esses anos, o estudante começa o estudo da Á lgebra e aplica o raciocínio matemático a situações da vida real. Ele estuda as regras da Lógica e começa a aplicá-la a todos os temas acadêmicos . A Lógica no estudo da Redação, por exemplo, inclui construção de parágrafos e defesa de uma tese; a Lógica na Leitura envolve a crítica e a análise de textos, não somente a simples absorção de informação; a Lógica do estudo da História exige que o estudante descubra porque foi travada a Guerra de 1 8 12, em vez da simples leitura de sua narrativa; a Lógica do estudo da Ciência exige que a criança aprenda e aplique o método científico. A fase final da Educação Clássica, chamada de " estágio Retórico " , é erguida sobre a s duas primeiras. Neste ponto, o estudante de ensino médio aprende a escrever e falar com força e originalidade. O estudante 62

UMA VISÃO PESSOAL DA EDUCAÇÃO CLÁSSICA

de Retórica aplica as regras da Lógica aprendidas durante o nível inter­ mediário, bem como a informação fundamental aprendida nas grades iniciais, para expressar suas conclusões em linguagem clara, vigorosa e elegante. O estudante também começa a especializar-se em sej a qual for o ramo de conhecimento pelo qual se sinta atraído; esta é a fase para as oficinas de Arte, cursos de faculdade, viagens ao exterior, estágios profissionais e outras formas de treinamento especializado. A Educação Clássica, porém, é mais do que apenas um padrão de aprendizagem. Em primeiro lugar, ela tem foco na linguagem: o apren­

dizado é conquistado através de palavras, escritas e faladas, em vez de imagens (ilustrações, vídeos e televisão) . Por que isto é importante ? O aprendizado através da linguagem e o aprendizado através de imagens exigem hábitos de pensamento muito diferentes. A linguagem exige que a mente se esforce mais; na Leitura, o cérebro é forçado a traduzir um símbolo (palavras na página ) em um conceito. Imagens, tais como as de vídeo e televisão, permitem que a mente permaneça passiva. Defronte à tela de um vídeo, o cérebro pode " recostar-se " e relaxar enquanto, defronte a uma página escrita, a mente é obrigada a " arregaçar as mangas " e " pegar no pesado " . Segundo, a Educação Clássica segue um padrão tripartite: a mente deve, primeiro, ser abastecida com fatos e imagens; em seguida, receber as ferramentas lógicas para organização desses fatos e imagens; final­ mente, equipar-se para expressar conclusões. Terceiro, a Educação Clássica envolve um grande esforço em buscar

maestria nas áreas de habilidades, e de descoberta e exploração nas áreas de conteúdo. As áreas de habilidades são aquelas partes do currículo que dão ao estudante as ferramentas para o aprendizado: Gramática, Fonética e Ortografia, a mecânica das frases e da construção de pa­ rágrafos, operações matemáticas (da adição às equações complexas), conceitos básicos em Ciência. As habilidades são desenvolvidas em uma sequência prescrita, com cada passo sendo erguido sobre o anterior: o uso da vírgula é dominado antes de abordar frases compostas comple­ xas. Livros de exercícios e livros textos são valiosos para desenvolver áreas de habilidades. Quarto, para a mente Clássica, todo o conhecimento é inter-rela­ cionado. A Astronomia, por exemplo, não é estudada isoladamente, mas 63

A MENTE BEM TREINADA

j unto da História das descobertas científicas, o que conduz à relação da Igrej a com a Ciência e, a partir daí, às complexidades da História da Igrej a medieval. A leitura da Odisseia, de Homero, possibilita que o estudante avalie a História da Grécia, a natureza do heroísmo, o desenvolvimento da narrativa épica e o entendimento da humanidade sobre o divino. Isso tudo é mais fácil de falar do que de fazer. O mundo transborda de conhecimento e encontrar as ligações entre os campos de estudo pode ser uma tarefa de contorcionismo mental. A Educação Clássica encara esse desafio ao adotar o estudo da História como seu eixo organizador - começando com os Antigos e progredindo até os modernos na História, na Ciência, na Literatura, Arte e na Música - e conectando a História das descobertas científicas ao estudo dos princí­ pios científicos sempre que possível. Sugerimos que os doze anos de Educação consistam de três repetições do mesmo padrão quadrienal: Antiguidade (de 5000 a.C. a 400 d.C. ) ; d a Idade Média a o início d a Renascença (de 4 0 0 d.C. a 1 600 d.C. ) ; d a Renascença até o início d o Período Moderno (de 1 600 d.C. a 1 8 50 d . C . ) e o Período Moderno ( de 1 8 5 0 d.C. ao presente ) . A criança estudará esses quatro períodos históricos em variáveis níveis de dificuldade simples para as grades 1 a 4, mais difícil nas grades 5 a 8 ( em que o estudante começará a ler as fontes originais) e uma abordagem ainda mais complexa nas grades 9 a 12, em que o estudante examinará esses períodos usando fontes originais (de Homero a Hitler) e também terá a oportunidade de aprofundar-se em um interesse específico (Música, Dança, Tecnologia, Medicina, Biologia, Redação criativa ) . Este padrão de quatro anos não é uma lei entalhada e m pedra. Nós já vimos pais educadores que usaram sequências de três ou seis anos e, então, reservavam um ano para concentrar-se na História nacional do Estado em que vivem . O que importa não é a duração exata da sequência, mas o princípio subj acente: avance cronologicamente em vez de por país . O método americano tradicional de estudar História por região ( Estados Unidos, Europa, Á sia, etc . ) não contribui em nada para que os estudantes tracem conexões entre os eventos, uma habili­ dade vital ao pensamento crítico sobre História. (Nós desenvolveremos melhor essa ideia nos capítulos específicos sobre o ensino de História ) . 64

UMA VISÃO PESSOAL DA EDUCAÇÃO CLÁSSICA

O estudo da Literatura é ligado ao de História. Durante o estudo de História da Antiguidade, a criança lerá sobre mitologia greco-romana, as aventuras da Ilíada e da Odisseia, textos do início da Idade Média, contos de fadas chineses e j aponeses e (para o estudante mais velho ) os textos clássicos de Platão, Heródoto, Virgílio, Aristóteles. Ele lerá Beowulf, Dante, Chaucer e Shakespeare no ano seguinte, quando estiver estudando a História da Idade Média e do início da Renascença. Durante o estudo dos séculos XVIII e XIX, ele começará com Swift ( Viagens de Gulliver) e terminará com Dickens; finalmente, lerá Literatura Moderna durante seu estudo de História Moderna. As Ciências devem ser estudadas de modo que não as isole das Humanidades (e vice-versa ) ; a Ciência é uma empreitada humana e os estudantes devem entender tanto o seu desenvolvimento quanto seu es­ tado atual. Nas edições anteriores de A mente bem treinada, sugerimos que as Ciências fossem estudadas em um padrão quadrienal mais ou menos correspondente aos períodos da descoberta científica : Biologia, Classificação e o corpo humano (temas conhecidos na Antiguidade ) ; Ciências d a Terra e Astronomia básica (que floresceu durante o início da Renascença); Química (que encontrou sua própria personalidade durante o início do período moderno ) ; Física básica e Ciência da Computação ( assuntos bastante modernos ) .

O Est u d o d a C i ê n c i a

1

Nome do período Antiguidade

Abrangência temporal ( anos)

Temas científicos

5 0 0 0 a . C . a 4 0 0 Biologia Classificação dos d.e. seres vivos Co�o humano

Estudado durante as grades . . . 1, 5, 9

Idade Média - início da 4 0 0 d . C . a 1 6 0 0 Ciências d a Terra Astronomia Renascença d.e.

2, 6, 1 0

Renascença tardia - iní- 1 600 d . C . a 1 8 5 0 Química cio da era moderna d.e.

3, 7, 1 1

Era moderna

1 850 até o presente Física, Ciência da Computação

65

4, 8, 1 2

A MENTE BEM TREINADA

Este padrão provou-se útil para muitas famílias, mas algumas outras - especialmente aquelas que se concentravam principalmente nas disciplinas CTEM ( Ciência, Tecnologia, Engenharia e Matemá­ tica ) - acharam muito estranha a concentração exclusiva com um ano de duração em um único campo de conhecimento . Nos capítulos sobre o estudo de Ciência, oferecemos diversas maneiras diferentes de aplicar· os métodos clássicos ao estudo da Ciência. Todos eles mantêm o padrão central da Educação Clássica : nos anos iniciais, exploração; pensamento crítico e análise nas grades intermediárias; especializa­ ção e autoexpressão durante o ensino médio. Não importando quais disciplinas decidam estudar (ou em que ordem ) , os j ovens cientistas sempre passaram seus anos do estágio gramatical observando o mundo à sua volta enquanto você alimenta sua curiosidade e o sentido do maravilhoso; os estudantes do estágio Lógico aprenderão a realmente dominar os conceitos centrais da Ciência, por meio de uma combinação de leitura, demonstração e experimentação; os estudantes no nível do ensino médio começarão a realmente entender a investigação científica, as técnicas da Ciência e o desenvolvimento das teorias científicas ao longo do tempo. O padrão clássico empresta coerência ao estudo da História, das Ciências e da Literatura - temas que, com excessiva frequência, são fragmentados e confusos . O padrão se alarga e se aprofunda à medida que o estudante amadurece e aprende. Por exemplo, um estudante da primeira grade ouvirá atentamente enquanto você lê a história da Ilíada de uma das versões em livro ilustrado disponíveis em qualquer biblio­ teca pública (a experiência de Susan mostra que os alunos da primeira grade acham que a Ilíada é "o máximo " , especialmente quando Aquiles começa a arrastar o corpo de Heitor em torno das muralhas de Troia ) . Quatro anos depois, o estudante d o quinto ano lerá uma das adaptações infantoj uvenis - The Trojan War de Olivia Coolidge ou The Tale of Troy de Roger L. Green. Quatro outros anos se passam e o aluno da nona grade, diante do texto da própria Ilíada de Homero, mergulha direta e destemidamente no texto. O que há para temer ? Nos capítulos que se seguem, mostraremos como seguir esse pa­ drão para cada área temática, apresentaremos listas com os recursos necessários e diremos onde adquiri-los. 66

UMA VISÃO PESSOAL DA EDUCAÇÃO CLÁSSICA

A Educação Clássica é, acima de tudo, sistemática, em contraste direto com a natureza dispersa e desorganizada de boa parte da Edu­ cação secundária. O estudo rigoroso e sistemático tem dois objetivos. O estudo rigoroso desenvolve uma virtude no estudante: a habilidade de agir de acordo com o que se sabe que é certo. Homens (ou mulhe­ res ) virtuosos podem forçar-se a fazer o que sabem que é certo, mesmo quando vai contra suas inclinações. A Educação Clássica continuamente exige do estudante que se concentre não na gratificação imediata ( o desejo d e assistir TV ou d e j ogar n o computador por mais meia hora ) mas nos passos para atingir um objetivo - o domínio de habilidades acadêmicas vitais. O estudo sistemático permite que o estudante una-se ao que Mor­ timer J. Adler6 chama de "A Grande Conversa " : o diálogo contínuo das grandes mentes através das era s . M uito d a Educação moderna é tão eclética que o estudante tem limitada oportunidade de criar conexões entre eventos passados e a torrente de informações atuais. "A beleza do c urrículo clássico" escreve D avid Hicks, mestre-escola e m Educação Clássica, "é que ela permanece e m um problema, um a utor ou uma época por tempo suficiente para permitir que até mes­ mo o mais j ovem estudante tenha a chance de exercitar sua mente de um modo erudito: fazendo conexões , rastreando desenvolvimen­ tos, linhas de raciocínio, padrões de ação, simbolismos recorrentes, tramas e motivos."7 Minha mãe trabalhou duro p ara nos oferecer os benefícios d e uma Educação Clássica . Ela começou ensinando-nos e m c a s a em uma época em que eram poucos o s materiais disponíveis para pais educadores ; e l a teve d e criar o próprio currículo. Nós vamos expor a você um plano de trabalho completo - não s omente teoria , mas recursos, livros-textos e c urrículos. Ainda é um trabalho duro, não negamos. Nós daremos a você uma visão clara das demandas e exigências deste projeto acadêmico . M a s uma Educação Clássica vale cada gota de suor, posso testemu6

7

Nota do tradutor: Filósofo e escritor americano, cuj a obra contém importantes contribuições à teoria da Educação. É bastante conhecido pela obra How to read a book ( " Como ler um livro " ) . David Hicks, Norms and Nobility: A Treatise on Education ( New York: Praeger, 1 9 8 1 ) , p. 1 3 3 .

67

A MENTE BEM TREINADA

nhar. Eu sou grata a minha mãe por minha Educação. Ela me deu uma vantagem inicial imensurável, sob a forma de independência para inovar e trabalhar por conta própria, confiança em minha habilida­ de de competir n o mercado de trabalho e ferramentas mentais para construir uma carreira satisfatória . E agora que tive meus próprios filhos - filhos educados nesta mesma tradição clássica - e u vej o essas vantagens funcionando para eles também.

68

PA RT E 1

-

O Está g io G ra m atica l :

D o J a rd i m d e I nfâ n c i a à q u a rta g ra d e

3 . Os a n os d o pa pag a i o

Até o momento ( exceto, é claro, pelo Latim) , nosso currículo nada contém que s e afaste mui­ to da prática comum. A diferença será sentida mais na atitude dos professores, que devem encarar estas atividades menos como " temas " em si mesmos do que uma coleta e reunião de material para uso na próxima parte do trivium.

- D orothy Sayers, The Lost Toais of Learning

e

asas são erguidas sobre fundações . Jornalistas reúnem todos os fatos antes de começar a escrever suas notícias; cientistas acu­ mulam dados antes de formar teorias; violinistas, dançarinos e zagueiros de futebol confiam na memória muscular, armazenada em seus corpos por horas de treinamento. A Educação Clássica exige do estudante que ele colete, memorize e classifique informação. Embora esse processo se estenda por todas as doze grades, as primeiras quatro grades são as mais concentradas em coleta de fatos. Esta a bordagem não representa a regra na Educação infantil . Uma quantidade excessiva d e tempo e energia é gasta n a sala d e aula no esforço de dar às crianças toda oportunidade possível de expressar o que há dentro delas. Não há nada de errado com a autoexpressão mas, quando a autoexpressão expulsa do palco a acumulação de co­ nhecimento, alguma coisa está desequilibrada . Crianças pequenas são descritas como " esponj as " porque elas se embebem de conhecimento. Mas há um outro lado nessa metáfora. Esprema uma esponj a seca e nada sairá . Primeiro, a esponj a precisa estar cheia de água. A professora 71

A MENTE BEM TREINADA

de Linguagem Ruth Beechick escreve: " Nossa sociedade é tão obcecada com a criatividade que as pessoas querem que as crianças sej am criativas antes que possuam o conhecimento necessário para criar " 1 • Seu obje­ tivo, durante os anos elementares, é suprir a criança de conhecimentos e habilidades que a permitirão trans bordar de criatividade quando sua mente amadurecer. Isto não quer dizer que seu estudante de primeira grade tenha de aprender assuntos complexos em profundidade ou que você deva for­ çá-lo a memorizar longas listas de detalhes. Nos primeiros quatro anos de aprendizado, você preencherá a mente e a imaginação das crianças com tantas ilustrações, histórias e fatos quanto você puder. Sua meta é instalar os " ganchos mentais " em que poderá " pendurar " a informa­ ção adquirida posteriormente. Pense numa experiência que a maioria dos adultos já teve. Você lê alguma coisa sobre um ator de cinema não muito famoso e, de repente, você começa a ver o nome dele em toda parte. Você aprende uma nova palavra e, instantaneamente, repara em como ela aparece em diversos tipos de textos diferentes. Você esbarra no nome de um país estrangeiro minúsculo e obscuro e, nos dias que se seguem, você repara em dúzias de notícias sobre ele. Você pode até comentar com seu cônj uge: " Que coincidência ! " . Mas, normalmente, aquela informação j á rodeava você o tempo todo. O nome do ator de cinema, a nova palavra e o país estrangeiro j á estavam nas revistas e jornais que você via na fila do caixa do supermercado mas, como a informação não lhe era familiar, seus olhos passavam por cima sem reconhecê-los . Uma vez que a informação entrou em sua memória, você a reconheceu e começou a acumular mais e mais detalhes. É isso que você fará com seu filho durante a idade da escolarização elementar. Você poderá ler um livro sobre o planeta Marte para seu filho em nível de segunda grade. Se for a primeira vez que ele ouviu falar sobre Marte, ele provavelmente não vai reter toda a informação que você transmitirá. Mas ele poderá ouvir no noticiário da noite sobre as mais recentes novidades da sonda espacial em Marte e, subitamente, algo que teria passado em branco por ele causa um " estalo" em sua mente. Você falará com ele, em História, sobre o deus romano Marte, pai de 1

Ruth Beechick, A Strong Start in Language: Grades K-3 (Pollock Pines, Calif. : Arrow Press, 1 99 3 ) , p. 6 .

72

OS ANOS DO PAPAGAIO

Rômulo e Remo, e ele " pendurará " esse detalhe no " gancho" que você deu a ele quando leu aquele livro sobre planetas. Quando ele tropeçar na palavra " marcial " e perguntar o que ela quer dizer, você poderá dizer que ela significa " semelhante à guerra" e que deriva do nome de Marte, o deus da guerra - e a informação não será esquecida. A estrutura inteira do trivium reconhece que há um tempo e um lugar ideais para cada parcela do aprendizado: memorização, argumen­ tação e autoexpressão. Os anos do ensino elementar são os ideais para embeber seu filho de conhecimento . A Educação Clássica presume que o conhecimento do mundo, tanto passado quanto presente, tem prioridade sobre a autoexpressão. O estudo intensivo de fatos prepara o estudante para uma fluente e articulada autoexpressão posterior. Uma concentração excessiva na autoexpressão em idade muito tenra pode, na realidade, aleij ar o de­ senvolvimento posterior da criança; um aluno que tenha sido sempre encoraj ado a olhar para dentro de si mesmo pode não desenvolver um quadro de referências, isto é, a percepção sobre o modo como suas ideias se comparam aos pensamentos e crenças dos outros. Assim, a chave do primeiro estágio do trivium é conteúdo, conte­ údo, conteúdo. Em História, Ciência, Literatura e, em menor extensão, na Arte e na Música, a criança dever acumular massas de informação: histórias de pessoas e de guerras; nomes de rios, cidades, montanhas e oceanos; nomes científicos, propriedades da matéria, classificações; tramas, personagens e descrições. O j ovem escritor deverá memorizar " as porcas e parafusos " da linguagem: partes do discurso, partes de uma frase, raízes do vocabulário. O j ovem matemático deve preparar-se para a Matemática superior ao dominar os fatos matemáticos básicos e entender as operações aritméticas.

Ag o ra ou n u nca Por que a s primeiras quatro grades compõem uma época particularmente frutífera para concentrar-se em conteúdo ? Esta será a primeira vez que seu filho terá algum contato com os rituais egípcios de embalsamamento ou com a atmosfera de Vênus; esta será a primeira vez que ele entenderá do que é feita a luz ou por73

A MENTE BEM TREINADA

que os americanos se rebelaram contra os britânicos. Ele j amais terá uma segunda chance de ler " O Leão, a Feiticeira e o Guarda-roupas " 2 ou d e ouvir O Hobbit3 e m voz alta pela primeira vez. Capture esse entusiasmo inicial. Permita que o seu filho mergulhe fundo. Permita que ele leia, leia, leia. Não o force ainda a parar e refletir sobre a obra. Não o obrigue a decidir do que ele gosta e do que não gosta sobre a Roma Antiga; em vez disso, permita que ele se inebrie com gladiadores e corridas de carruagens. Ele quer saber como as coisas funcionam, como viviam os antigos, onde fica o Monte Vesúvio e como Pompeia ficou após ser coberta por cinzas. Esta sede pela pura acumulação nunca morrerá completamente, mas será mais facilmente satisfeita mais tarde, e a maravilha daquele primeiro encontro com uma civilização estranha j amais se repetirá. A mente imatura é mais adequada para a absorção do que para o argumento. As faculdades crítica e lógica simplesmente não se desen­ volverão até bem mais tarde. O aluno típico de segunda grade sentirá grande alegria em recitar os últimos comerciais de televisão palavra por palavra, mas ficará olhando para você de queixo caído se você lhe perguntar porque o anunciante quer que você compre aquele produto, ou quais são os méritos do produto, ou se está com um preço j usto . Não há nada de errado com a acumulação, pela criança, de informação que ela ainda não entende. Toda essa informação será armazenada para uso posterior. Susan se lembra de que, em algum momento da segunda grade, aprendeu a cantar a lista inteira de verbos auxiliares. As aplicações de um verbo auxiliar não ficaram claras para ela até bem mais tarde. Mas ela percebe que aquela lista " salta " em sua mente sempre que está revisando suas próprias redações em busca de erros de Gramática ou aprendendo uma língua estrangeira. Finalmente, há o fator diversão. As crianças gostam de listas nessa idade. Elas gostam de exibir informação bruta ruidosamente, mesmo 2

3

Nota do tradutor: "The lion, the witch and the wardrobe " é a primeira história da obra As Crônicas de Nárnia, do escritor inglês C. S. Lewis. Nota do tradutor: The Hobitt é uma novela de fantasia para crianças escrita pelo escritor inglês J. R. R. Tolkien, sendo reconhecida como um clássico da literatura infantil, tendo recebido o prêmio de " Melhor ficção j uvenil " do j ornal americano New York Herald Tribune .

74

OS ANOS DO PAPAGAIO

que não a entendam. Elas gostam de conquistar o olhar de admiração dos adultos quando desfilam seu conhecimento armazenado e o som das sílabas rolando pelas suas línguas. Como adultos, tendemos a " prote­ ger " nossos filhos do trabalho de memorização porque nós o j ulgamos difícil e tedioso. Mas a maioria das crianças pequenas se divertem com a repetição e deleitam-se com a familiaridade das palavras memoriza­ das. Quantas vezes você já teve de ler Green Eggs and Ham4 para uma criança de quatro anos que já sabe o livro inteiro de cor ?

C o m o é o e n s i n o n o Está g i o d o Pa p a g a i o N a condição d e professor d e seu filho, você servirá como fonte d e in­ formação. Nas grades iniciais, você contará histórias a seu filho, lendo para ele livros de História e Ciência, ensinando fatos da Matemática. Você deve esperar que ele sej a capaz de repetir para você as histórias e informações que ouviu. Esse processo - que delinearemos em detalhes para cada área do currículo - irá treiná-lo a reter fatos e expressá-los em suas próprias palavras. Não obrigue os alunos do j ardim de infância a pesquisar informação. Preencha sua mente e imaginação com imagens e conceitos, figuras e histórias. Espalhe o conhecimento diante deles e permita que se banqueteiem. À medida que você avançar por esta seção, mantenha em mente dois princípios importantes. Primeiramente, a meta das instruções no estágio Gramatical não é restringir seu filho ( " não, você ainda não pode pensar criticamente sobre esse assunto ! Vá decorar! " ) mas, em vez disso, proteger seu amor pelo aprendizado. As crianças amadurecem a partir do estágio Gramatical para o estágio Lógico (vej a o capítulo 1 3 ) em idades diferentes. Um j ovem estudante que já estej a pensando abstrata e criticamente pode ser estimulado a fazê-lo - mas uma criança que ainda estej a firmemente plantada no estágio Gramatical ficará frustrada e desencorajada por currículos que peçam que ela especule, prevej a, ana­ lise ou desempenhe qualquer outra tarefa que exij a maior maturidade mental do que a que ela possui. Crianças que choram, emburram ou se enfurecem diante das tarefas escolares provavelmente estão sendo sub4

História infantil do escritor e cartunista americano Theodor Seuss Geisel, mais conhecido pelo pseudônimo "Dr. Seuss " .

75

A MENTE BEM TREINADA

metidas à exigência de que trabalhem em um nível de desenvolvimento que ainda não atingiram. Deve-se permitir que elas continuem com o estudo em nível gramatical até que a Terra tenha girado um pouquinho mais em torno do sol; a maturidade não pode ser apressada. Segundo, as habilidades das crianças amadurecem desigualmente. Alguns estudantes em nível de segunda grade podem j á estar prontos para lidar com conceitos matemáticos abstratos, mas não preparados para pensar criticamente sobre Literatura até a quinta grade ou ainda mais tarde. Outras crianças em nível de terceira grade poderão ver-se ansiosas para analisar e dissecar a Literatura ( uma habilidade típica do estágio Lógico ) mas ainda se encontrar a anos de distância do pen­ samento algébrico - ou vice-versa. Quando uma criança dá um salto pelo estágio Lógico adentro em uma ou mais áreas, tendemos a dizer que ela é " dotada " , o que não é um modo exato de se expressar. O que aconteceu, na realidade, foi um processo mais rápido de amadurecimento. Dê a seu filho o tempo e o espaço para amadurecer, em cada disciplina, do estágio Gramatical ao pensamento do estágio Lógico.

Priori d a d es As escolas se esforçam para arrumar tempo para todos temas de que os alunos precisam e desej am - Gramática, Redação, Leitura, Matemática, História, Ciência, Arte, Música, Religião, Digitação, preparação para testes, e assim por diante . Parte do dilema enfrentado pela escola é resultado da concentração excessiva nos resultados de testes; os pais educadores estão livres dessa pressão, de modo que você não precisa se decidir entre preparação para testes e redação dissertativa . Mas os pais educadores também lutam com a massa de material que poderia ser coberto. Há tantos bons livros de História, experimentos de Ciência, obras de Literatura clássica, peças de piano, recursos estimulantes para o aprendizado de Matemática, concertos para piano, técnicas de Arte . Como escolher ? Nas grades elementares, sugerimos que você priorize Leitura, Re­ dação, Gramática e Matemática. História e Ciências são importantes. Mas, se você não conseguir ensinar tudo sobre Biologia na primeira grade, isso não tem tanta importância, pois a criança estudará Biologia 76

OS ANOS DO PAPAGAIO

pelo menos mais duas vezes antes de entrar para a faculdade. Se você restringir o ensino de Leitura ou de Redação, por outro lado, você provavelmente criará um sério embaraço ao progresso educacional de seu filho. História e Ciência são disciplinas dependentes de leitura. Uma criança que lê e escreve bem conseguirá absorver uma quantidade sur­ preendente de História e Ciência à medida que avança. Já uma criança com dificuldades em Leitura e Redação terá de lutar para aprender todas as outras disciplinas . Especialmente na primeira grade, a mente da criança está ocupada em aprender novas habilidades. Você investirá uma imensa quantidade de tempo no ensino individual. As habilidades em Linguagem e Matemática ocuparão a maior parte desse tempo. Se você ensinar História e Ciência apenas duas ou três vezes por semana, estará de bom tamanho . Se você não começar o estudo de Música, o céu não cairá. Se você não ensinar Arte até bem mais tarde, não acontecerá nada de drástico. Não aj a como se tivesse obrigação de ensinar todas as disciplinas em profundidade. Lembre-se de que a Educação Clássica ensina à criança como aprender. A criança que sabe como aprender vai se tornar um adulto equilibrado e bem equipado . . . Mesmo que não tenha terminado o seu livro de Ciências da primeira grade.

77

4. Destra n ca n d o a s p o rta s:

os a n os p ré - esco l a res

Pouco depois d e ter ido morar com o Sr. e a Sra. Auld, ela mui gentilmente veio ensinar-me o abecedário. Após aprendê-lo, ela me aj udou a aprender a soletrar palavras de três ou quatro letras ( . . . ). Eu não tinha uma professora " oficial " mas ( . . . ) o primeiro passo fora dado. A senhora, ao ensinar-me o alfabeto, dera-me uma mão e nenhuma precaução impedir-me-ia de tomar o braço. O plano que eu adotei, no qual tornei-me muito bem sucedido, foi o de fazer amizade com os garotinhos brancos que encontrava na rua. Tantos quantos eu pude convencer, converti-os em professores . Com sua gentil aj uda, obtida em diferentes momentos e lugares, eu finalmente obtive sucesso em aprender a ler.

- Frederick Douglass, Narrative of the Life of Frederick Douglass an American Slave, Written by Himself

Discip lina: Prep aração p ara a Leitura, Escrita e Matemática, do nascimento aos 5 anos de idade. Temp o exigido: Comece com 10 minutos diários para cada dis­ ciplina, gradualmente aumentando o tempo diário até chegar a cerca de 3 0 minutos p or dia aos 5 anos de idade.

Q

uando você educa o seu filho em casa, você não necessita demarcar uma fronteira entre a paternidade e o ensino . O ensino - isto é, a preparação da criança para os doze anos de Educação Clássica formal - começa já no nascimento. 79

A MENTE BEM TREINADA

Pré-escola: do nascimento aos três anos de idade O melhor ensino precoce que você pode dar ao seu filho é imergi-lo em linguagem desde o nascimento. Leitura Desligue a TV - meia hora por dia é suficiente para qualquer criança com menos de cinco anos. Fale, fale, fale - fale como adulto, sem tatibitate. Fale usando frases completas. Fale com o bebê quando estiver passeando no parque, viaj ando de carro, preparando o j antar. Diga o que você está fazendo enquanto estiver fazendo. ( "Agora, vou enviar um fax. Eu ponho o papel com a face impressa para baixo e digito o número do telefone da máquina de fax para a qual estou ligando . . . E , então, o papel começa a atravessar a máquina assim " . " Eu derramei farinha no chão. Vou pegar o aspirador de pó e ligá-lo na tomada. Eu acho que vou usar essa escova - é a escova de móveis, mas como a farinha penetrou nas fendas do assoalho, ela deve funcionar melhor do que a escova de pisos " ) . Este tipo de conversação contínua recobre a mente de seu filho com a linguagem verbal. Ele aprende que as palavras servem para planej ar, pensar, explicar; entende como o idioma organiza as palavras em períodos, orações e frases completas. Nós descobrimos que os filhos de famílias silenciosas ( " nós nunca conversamos muito durante o dia " , disse-nos uma mãe ) têm dificuldades para ler. Leia, leia, leia. Comece lendo livros volumosos para seu bebê ainda no berço . Dê-lhe livros robustos para que ele os examine por conta própria. (Um ou dois livros rasgados é um preço pequeno a pa­ gar pela alfabetização ) . Leia livros ilustrados, apontando as palavras com o dedo. Leia os mesmos livros diversas vezes, a repetição traz a alfabetização ( mesmo que também enlouqueça você lentamente ) . Leia livros mais longos sem figuras enquanto ela senta n o seu colo ou brinca no assoalho ou corta e cola e pinta . Invista num reprodutor de MP3 "à prova de bebês " e carregue-o com versões em áudio de livros pré-escolares. Grave sua própria voz enquanto lê, j unto com os comentários da criança, de modo que ela possa ouvir você lendo, can­ tando, conversando, contando histórias e recitando poemas enquanto ela brinca no berço. 80

DESTRANCANDO AS PORTAS

Após ler para seu bebê, faça perguntas sobre a história. O que o menino de pão de gengibre fez quando a velha tentou comê-lo ? Quando os cães chegaram ao topo da árvore no final de Go, Dog, Go1, o que eles descobriram ? O que aconteceu depois que Bananas Gorilla2 roubou todas as bananas ? Caso a criança não saiba responder, responda você mesmo usando uma frase completa e estimule-a a repeti-la depois de você. Tão logo seu filho comece a falar ( isso acontecerá rapidamente caso estej a imerso em linguagem desde cedo ) , ensine-o o alfabeto. Cante a música do alfabeto sempre que trocar suas fraldas ( isto é, várias vezes por dia) . Cole um cartaz ou marque na parede com estêncil as letras maiúsculas e minúsculas. Leia poemas e livros sobre o alfabeto. Quando ele souber os nomes das letras, diga-lhe que cada letra tem um som, do mesmo modo que cada animal faz um som - " porcos dizem 'óinc' " ; " cães dizem 'au-au"' ; e "B diz b, b, b, como em bebê " . Comece com o s sons das consoantes ( que são todas a s letras excetos a, e, i, o, u ) . Diga-lhe que o " b " é o som no começo de " bota " , " bola " e " bala " ; diga " T, t, titia " , "M, m, mamãe " e " C, c, cão " . Então, diga-lhe que a s vogais ( a , e , i , o , u ) chamam-se A , E , 1, O e U. Cante " Esta é a letrinha / que agora vou treinar. / Subo, desço, faço a volta, / redondinha vai ficar / A de abelhinha, a de avião, / é a primeira letra, não esqueço, não ! " . Então ensine que cada vogal tem um som da mesma forma que cada animal faz um som - "A de avião " , "E de elefante " , "1 de índio " , " O de óculos " e "U de uva " . Estes são os sons curtos das vogais, os únicos sons vogais que você deve ensinar inicial­ mente. Tudo isso é um esforço pré-leitura. A preparação pré-leitura funciona . Susan j á estava lendo em nível de quinta grade no Jardim de Infância. Seu filho, Christopher, já estava pegando na biblioteca livros de quarta e quinta grades em seu primeiro ano de escolarização em casa. Nós vimos os mesmos resultados sendo reproduzidos por muitos outras crianças educadas em casa. Caso você crie um lar rico em linguagem, limite a TV e os vídeos e ensine sistema­ ticamente a Fonética, você pode produzir leitores em casa. 1

2

Nota do tradutor: Go, Dog. Gol é um livro infantil publicado em 1 9 6 1 , escrito e ilustrado por P. D. Eastman. O livro descreve as ações de grupo de cães humanizados que sabem dirigir automóveis, entre outras habilidades. Nota do tradutor: Personagem da série de livros criada pelo escritor americano Richard Scarry.

81

A MENTE BEM TREINADA

Escrita Crianças muito novinhas (com menos de dois anos ) pegarão um lápis e imitarão o ato de escrever. Ensine a criança a segurar correta­ mente o lápis. Desenhe muitos círculos e voltas no sentido anti-horário; a maioria das letras usa círculos anti-horários; embora muitas crianças tenham um impulso natural a desenhar círculos no sentido horário, este hábito dificultará a caligrafia cursiva mais tarde. Desenhe bonecos de neve, bonecos de mola, fumaça saindo da chaminé de um trem, rodas de carros, e assim por diante, sempre no sentido anti-horário. Deixe que a criança pratique o desenho de letras sem usar um lápis normal. Uma criança pequena não dispõe da maturidade na coordenação motora fina, mas pode formar letras e números escrevendo em arroz ou areia com o seu dedinho indicador. Ou, caso ela queira usar uma ferramenta de escrita, ela poder usar giz em um grande quadro-negro ou giz de cera ou lápis em grandes folhas de papel. Lápis pequenos com diâmetro normal são, frequentemente, mais fáceis de manusear por de­ dinhos de criança do que os gordos lápis " pré-escolares " . Ensine à sua criança de três anos habilidades de " ligar os pontos " desenhando você mesmo seu próprio desenho pontilhado (uma casa, um rosto sorridente) usando quatro ou cinco pontos bem grandes e, então, guie a mão da criança de um ponto a outro de modo que ela vej a a figura emergindo. O desenho com linhas contínuas e os exercícios de desenhar círculos em sentido anti-horário prepararão sua criança em nível pré-escolar para as aulas de Escrita no Jardim de Infância. Matemática Comece o "letramento matemático " de seu filho já nos anos iniciais de sua vida. Enquanto você estiver lendo para seu filho de dois ou três anos, cercando-o de linguagem até que ele entenda que as palavras impressas têm uma carga de significado, você precisa agora expô-lo continuamente aos processos matemáticos e linguísticos. Só assim ele entenderá que os símbolos matemáticos também têm sua própria carga de significado. Traga números para a vida diária tão frequentemente quanto possí­ vel . Comece pelas contagens: dedos das mãos e dos pés, olhos e orelhas; brinquedos e tesouros; pedrinhas e palitos. Brinque de esconde-esconde, 82

DESTRANCANDO AS PORTAS

contando até cinco e, depois, até dez, quinze ou vinte. Faça contagens de dois em dois, de cinco em cinco, e de dez em dez antes gritar, " estou indo ! " . Brinque de nave espacial em caixas de papelão e faça contagens regressivas para decolar. Leiam j untos livros sobre números. Uma vez que a criança estej a à vontade fazendo contagens, você pode começar a exercitar somas matemáticas simples - normalmente, durante os níveis K-4 e K-5 . Visão g e ra l d o a p re n d iza d o p ré- escol a r

Além d e ensinar o seu filho a pré-leitura e a s habilidades mate­ máticas iniciais, você pode prepará-lo para os exercícios do Jardim de Infância usando os materiais de enriquecimento pré-escolar listados na seção de Recursos. Um aviso: é muito fácil gastar dinheiro e tempo em excesso durante o período pré-escolar. Não pressione um menininho de 2 ou 3 anos que estej a com preguiça de recortar e colar, ou de fazer outras atividades; uma grande quantidade de aprendizagem informal e atividades divertidas são a mais valiosa preparação para os anos de escolarização formal.

Os anos do jardim de infância: quatro e cinco anos de idade Nós temos sentimentos contraditórios com relação a programas for­ mais para crianças de quatro ou cinco anos de idade. Um programa de j ardim de infância que combine uma introdução à leitura e à escrita com muito trabalho artístico e brincadeiras ativas pode ser produtivo . Mas é rara a criança de cinco anos que estej a pronta para um trabalho intenso com papel e lápis em uma carteira escolar; além disso, uma criança de seis anos que não tenha cumprido um programa formal de j ardim de infância pode facilmente iniciar um trabalho em nível de primeira grade . " Eu sempre posso diferenciar a s crianças que frequentaram o j ardim de infância das que não frequentaram " , disse certa vez à Susan uma professora da primeira grade. " Eles estão muito à frente das demais ? " , perguntou Susan. "Não " , ela respondeu, " mas j á sabem como entrar na fila " . 83

A MENTE BEM TREINADA

O jardim de infância realmente ensina as crianças de cinco anos a entrar na fila, a esperar para ir ao banheiro, a levantar a mão quando querem fazer uma pergunta e a andar pela cantina sem derrubar sua comida. Mas se você estiver ensinando seu filho de cinco anos em casa, estas não são as habilidades de sobrevivência que ela precisa obter de imediato. O j ardim de infância realiza ainda menos para as crianças de qua­ tro anos . Quase todas as crianças de quatro anos têm um microscópico tempo de atenção; sua coordenação entre mão e olho é imatura e não conseguem ficar paradas. Além disso, crianças normais de quatro anos de idade diferem amplamente em seus níveis de maturidade: uma delas pode estar pronta para ler, mas não ter interesse em escrever; outra pode se divertir com desenho e trabalhos manuais, mas não mostrar nenhum desejo de ler; uma terceira pode gostar de j ogar intermináveis partidas de Uno, mas rej eitar qualquer coisa que se relacione a letras e palavras. Em nossa opinião, não faz muito sentido seguir um currículo formal, acadêmico, para os níveis K-4 e K-53• Em vez disso, os primeiros quatro ou cinco anos da vida de uma criança deveriam ser destinados ao ensino informal, preparatório para o trabalho da primeira grade. Somando cerca de trinta minutos diários de dedicação com o ensino informal que brota naturalmente da vida familiar, você pode facilmente ensinar o seu filho as noções iniciais de leitura, escrita e conceitos de Matemática, tudo isso sem recorrer a livros de exercícios ou manuais do professor. Se você j á está ensinando uma criança mais velha em casa, seu filho de quatro anos pode implorar para " fazer escola " também. No fim do capítulo, recomendaremos diversos programas de Leitura e Matemá­ tica para manter ocupada uma criança em idade de j ardim de infância numa extremidade da mesa enquanto seu irmão mais velho estuda a Matemática da segunda grade na outra. Mas não pense nesses currículos como "trabalhos escolares " ou você poderá flagrar-se pressionando uma relutante criança em idade pré-escolar a " terminar só mais esta página " num momento em que seu tempo de atenção j á terá expirado. 3

Nota do tradutor: Neste contexto, " K " se refere a " kindergarten " , isto é, ao " j ardim de infância " . No sistema educacional americano, as siglas " K-4 " e " K-5 " designam, portanto, o jardim de infância para crianças de 4 e de 5 anos, respectivamente .

84

DESTRANCANDO AS PORTAS

Em vez disso, você deveria estabelecer a meta de ensinar Leitura e Matemática do mesmo modo que ensinou seu filho a falar, a amarrar seus sapatos, a vestir-se e limpar-se: demonstrando você mesmo as habilidades básicas, praticando-as por alguns minutos todos os dias e falando sobre elas enquanto atravessa as rotinas da vida. ( " Nós somos quatro pessoas. Quantas colheres precisamos ter sobre a mesa de tal modo que cada um de nós tenha uma ? " . " Pode pegar para mim a lata em que está escrita a palavra tomate ? Você reconhecerá o T de

t, t, tomate ") . Você pode usar mapas, fitas, j ogos, livros de exercícios e adesivos, se quiser. Mas você não precisa deles. Leitu ra

A Educação Clássica fundamenta-se fortemente na palavra escrita . Na condição de pai-educador, sua meta número um deve ser a de que o seu filho estej a lendo fluentemente quando começar o trabalho da primeira grade. Agora, a boa notícia: para crianças que seguem um caminho normal em seu desenvolvimento, a Leitura é uma habilidade adquirida bastante diretamente - e é fácil aprender a ensiná-la. Você não precisa ser um especialista em conscientização fonêmica e habilidades de decodificação para ensinar o seu filho a ler4• Frederick D ougla s s , bem como Abraham Lincoln, Benj amin Franklin e milhares de crianças pioneiras do século XVIII aprenderam a ler com o alfabeto e alguns bons livros . Douglass aprendeu o ABC de um adulto e obteve o resto de sua competência em Leitura com meninos de rua. Eu Uessie] aprendi a ler com um conj unto de blocos de madeira com as letras do alfabeto . Entre os quatro e os seis anos, 4

Nota das autoras: No entanto, não se espante caso sej a desencorajado por alguns educadores profissionais. Eu (Jessie) fui acossada décadas atrás quanto fui até uma professora de Leitura pedir recomendações de livros para Susan. Ela disparou: " O que você pensa que está fazendo, ensinando seu filho a ler ? " . E u fiquei tão intimidada que j amais voltei a procurá-la em busca de ajuda. Em contraste, uma professora de primeira grade que tinha sucesso em ensinar todos os seus alunos da primeira grade a ler mostrou-me o material de Fonética que ela usava para que eu pudesse adquiri-lo. A propósito, esse material já sofreu tantas revisões a ponto de tornar-se irreconhecível.

85

A MENTE BEM TREINADA

a maioria das crianças para quem se tenha lido desde os primeiros passinhos e que não sofram de algum transtorno de aprendizagem ( vej a " Quando procurar aj uda " , na página 93 podem aprender a ler. Além disso, qualquer adulto razoavelmente letrado ( o que inclui qualquer um que possa ler este livro ) pode servir como tutor para as habilidades fonéticas básicas5 • Você deve continuar a imersão das crianças de quatro e cinco anos na linguagem, exatamente do mesmo modo que você fez desde o nasci­ mento. Leia com eles no "mundo real " : cartazes de rua, nomes de loj as, adesivos de para-choques, caixas de cereais no mercado, bandeirolas no posto de gasolina . Compre audiolivros para elas - não aquelas gravações de quinze minutos para crianças com todos os " sinos e apitos " concebidos para manter a criança entretida, mas livros " de verdade " , lidos por inteiro, sem efeitos sonoros. A maioria das bibliotecas públicas tem prateleiras de audiolivros na seção infantil. As crianças conseguem ouvir e se divertir com livros que estão muito, muito acima de seu nível de vocabulário. Em um ano, os filhos de três e cinco anos de Susan ouviram a todas as Histórias Assim e O livro da Selva originais de Kipling6; todos os livros de Edith Nesbit7; As Crônicas de Nárnia8; o densamente redigido Peter Pan de Barrie9; A teia de Carlota e O Cisne Apaixonado de E. B. White10, A princesinha de Frances Hodgson Burnett11, a versão integral de Um cântico de natal de Dickens12• Audiolivros servem para armazenar na mente da criança os sons de milhares de palavras diferentes. Quando a criança começar a emitir os sons das palavras escritas mais tarde, ela progredirá muito mais rápido caso reconheça as palavras que pronunciar.

5

Nota das autoras: Confira nas páginas 347-3 52 um resumo do debate " Método Fonético versus Método da Linguagem Integral " . 6 Nota do tradutor: Joseph Rudyard Kipling ( 1 865-1 9 3 6 ) , j ornalista, poeta, contista e novelista inglês. 7 Nota do tradutor: Edith Nesbit ( 1 8 5 8-1924), escritora e poetisa inglesa. 8 Nota do tradutor: Magnum opus de C. S. Lewis ( 1 8 9 8 - 1 96 3 ) , escritor irlandês . 9 Nota do tradutor: James Matthew Barrie, ( 1 860-1937) escritor e dramaturgo escocês. 10 Nota do tradutor: Elwyn Brooks "E. B." White ( 1 8 9 9-1 9 8 5 ) , escritor americano. 1 1 Nota do tradutor: Frances Hodgson Burnett ( 1 849-1 924 ) , escritora e dramaturga americana. 1 2 Nota do tradutor: Charles Dickens ( 1 8 1 2 - 1 870), romancista inglês.

86

DESTRANCANDO AS PORTAS

Leia você também. Desligue a TV e leia um livro, faça palavras cruzadas, compre um j ornal. Leia j unto com seu filho. Comece a fazer perguntas ligeiramente mais complexas sobre as histórias. " D o que Wilbur tinha medo em A teia de Carlota ? " . " Por que a mãe de Fern se preocupou quando ele contou que os animais conversavam com ele ? " . Por volta dos quatro anos, em média, a criança deveria saber o alfabeto e o som de cada letra. Continue a exercitá-la nos nomes e sons de cada letra. Ímãs de geladeira em forma de letras do alfabeto são uma boa maneira de fazer isso. Você pode dar à criança um ímã em forma de " C " e dizer " C, c, c, cão " ou dizer " Filho, pegue para mim a letra que faz t, t, t" para que ele vá até a geladeira e identifique qual é a letra que faz esse som. Em alguma época em torno dos quatro ou cinco anos, a maioria das crianças estará pronta para começar a ler. Sente-se com uma cartilha simples que ensine a ler pelo método fonético - os sons que fazem as letras quando reunidas em palavras. A cartilha escolhida deve conter instruções claras, passo-a-passo, sobre como ensinar a ler desde os estágios iniciais, começando pelos sons das letras e progredindo siste­ maticamente pela mesclagem dos sons na Leitura de palavras e frases reais. Sua meta é que a criança aprenda a ler rápida e confiantemente; o ensino da Caligrafia e da Ortografia pode ser adiado até que a criança tenha suficiente coordenação motora fina para escrever sem frustrar-se. Avance sistematicamente pela cartilha, devagar, repetindo tudo quantas vezes for necessário; releia as lições até que seu filho estej a confortável com os sons e sua combinação em palavras. Faça isso por cinco minutos, para começar, e vá ampliando o tempo até chegar a dez ou quinze minutos por sessão. Em algum outro horário durante o dia, sente-se com a criança, pe­ gue um livro " de verdade " e deixe que ela o leia . Ao final deste capítulo, você encontrará uma lista de livros que podem ser lidos com relativa facilidade, mesmo por uma criança que só tenha aprendido as primeiras consoantes e uma ou duas vogais. (Os de nível mais baixo usam somente o som vogal " a " , de modo que você pode começar a ler um " livro de verdade " logo após as primeiras poucas lições ! ) . Não se esqueça de que você já terá feito esse treinamento. Dê à criança uma boa oportunida87

A MENTE BEM TREINADA

de de pronunciar os sons das palavras mas, se ela "travar " em algum ponto, fale você a palavra por ela e siga adiante. Se você chegar a uma palavra cuj a pronúncia envolva uma regra que ela ainda não conhece, simplesmente diga qual é a regra e siga em frente. Por exemplo: CRIANÇA: Ana andou até o . . . (Trava na palavra "poço "). VOCÊ: Isso se fala "poço " . O "cê cedilha " tem som de " s " : Po-ço. CRIANÇA: . . . até o poço. Se você não souber qual é a regra, pronuncie a palavra pela criança e prossiga a leitura. ( Pesquise a regra mais rarde ) . Embora o The Ordinary Parent's Cuide to Teaching Reading sej a nossa primeira escolha porque é um programa de alfabetização fonética que provê instruções claras e explícitas para os pais, você pode seguir este processo usando qualquer programa sistemático de alfabetização fonética . Nas instruções iniciais de Leitura, é melhor limitar-se às leituras suplementares que sej am estritamente fonéticas (veja nossas sugestões na subseção "Primeiras leituras " da seção "Recursos " , no final deste capítulo) . Mas, à medida que seu filho s e torna mais confiante e m sua habilidade de pronunciar as palavras, ele desej ará ler livros fáceis que contenham "palavras de olhada " , isto é, que não seguem as regras fonéticas (e que ele precisará reconhecer numa "olhada " ) . Tais palavras são usadas com frequência nos primeiros livros de histórias e incluem palavras como: are,

hui/d, busy, buy, come, do, does, dane, eye, father, gane, have, /ove, mother, of, oh, one, there, they, to, two, was, were, where, you. 13 A grafia das palavras could, should e would, embora fonética, aparece em muitos livros de primeiras leituras antes que sej am ensina­ das em programas sistemáticos e podem ser tratadas como " palavras

13 Nota do tradutor: Tratam-se de palavras cuj a grafia sugere ao leitor iniciante uma pronúncia diferente da real, sendo necessário memorizar a pronúncia correta (tec­ nicamente chamada de "prosódia " ou "ortofonia " ) . Esse é um fenômeno muito mais frequente na Língua Inglesa do que na Língua Portuguesa mas que também é causa de problemas entre nós, por exemplo: " boia " (\ó\), "caracteres " (/é/), "ciclo­ pe " (/ó/), "condor" (\ô\), " filantropo" (/ô/), "mister" (/é/), " Nobel" (/é/), " novel " (\é\), " recorde " (/ó/) , " ruim" (/í/), " ureter " (/é/) .

88

DESTRANCANDO AS PORTAS

de olhada " 14• Faça " cartões de memória " 15 com essas palavras e ensine uma pequena quantidade de cada vez à medida que aparecerem nos livros de seu filho. Não as ensine isoladamente ! Espere até que apare­ çam nos livros para iniciantes. O ensino da Leitura é muito melhor no contexto de conteúdo significativo. Além do mais, você não quer que seu leitorzinho iniciante adquira o hábito de decorar as palavras, em vez de pronunciá-las a partir dos elementos fonéticos em cada uma . Comece com cinco minutos de treino e cinco minutos de Leitura diários de um livro fácil. Aumente o tempo gradativamente até chegar a quinze minutos para cada um. Não pergunte: "Você quer fazer sua Leitura agora ? " . ( Eles sempre dizem " não " ) . Planej e essa atividade de forma que pareça tão inevitável quanto escovar os dentes e arrumar a cama. Você se surpreenderá com a rapidez com que as crianças começam a ler pronunciando palavras por si mesmas. A vantagem deste método é que você não se limita apenas ao que você mesmo lê para a criança. Caso você pronuncie palavras que estão acima do " nível de treinamento " da criança, vocês dois j untos poderão ler praticamente qualquer coisa que estej a disponível na seção " Lei­ tura Fácil " ou " Leitor iniciante " da biblioteca. Você frequentemente descobrirá que a criança já terá absorvido uma regra no momento em que chegar a ela na cartilha. Se você repetir por um número suficiente de vezes, durante suas sessões de Leitura, que " antes de 'p ' e 'b ' só se escreve 'm', essa é a diferença entre 'campo' e 'canto' " , seu leitorzinho reconhecerá essa regra quando você chegar até ela e, dando de ombros, dirá: " eu já sabia disso " . E é isso. Você não precisa de canções, exercícios, livros de exercícios e ma­ pas ? Nós achamos que não, por diversas razões. Em primeiro lugar, muitas pessoas que ensinam uma criança de quatro ou cinco anos também têm em casa uma criança muito novinha 14 Um problema semelhante também pode ocorrer em Português, por exemplo, devido às múltiplas formas de escrever o fonema /si: s, ss, e, ç, se, xc; o fonema /z/: z, s, x; o fonema /j/: g, j; o fonema /xi: x, eh; e assim por diante. 15 Em inglês, " flashcards " . São cartões em papel, papelão, cartolina ou plástico, pro­ duzidos industrial ou artesanalmente, normalmente com dimensões próximas às das cartas de um baralho comum de j ogar, que contêm números, palavras ou figuras para aj udar estudantes a memorizar um determinado assunto .

89

A MENTE BEM TREINADA

ou recém-nascida. ( Susan tinha ambas quando seu filho mais velho estava com cinco anos ) . Organizar a aplicação de mapas e canções na tentativa de seguir um programa repleto de recursos auxiliares complica desnecessariamente a tarefa de ensinar. Com o nosso método, tudo o que você precisa é de uma cartilha e uma grande quantidade de livros. Segundo, todos esses reforços e recursos auxiliares adicionam novas etapas mentais para o estudante. Se você estiver ensinando uma criança a canção: "A, a, a, minha abelhinha / Tão engraçadinha com uma asa só / E, e, e, faz a escovinha / Faça novas asas para a abelhinha . . . ", você a estará ensinando, ao ver uma letra " a " , a pensar primeiro em " abelhinha" e só depois no som da letra " a " . Se você tiver um " cartão de memória " com uma letra " e " com o desenho de uma escova na ilustração, será a imagem - e não a letra - que se tornará um sinal para que a crian­ ça diga o som da letra " e " . Ou sej a, a criança necessita dar um passo extra para associar o som com a letra . Em vez de olhar uma letra " e " e formar o som /e/, o processo mental s e torna " E . . . escova . . . /e/" . Isso retarda o aprendizado e, em muitos casos, a criança permanece lenta porque se torna dependente da dica visual. Sem essa dica, ela não tem ideia de como " quebrar o código " da palavra. Há um j eito mais fácil. Simplesmente aponte para a letra " a " e diga "A, a, a " ; aponte para o b e diga " B, b, b " . Até mesmo crianças de dois e três anos adoram essa brincadeira e são capazes de aprender essas associações mais rápido do que você poderia esperar. Terceiro, a maior parte dos recursos de reforço - mesmo que tenham sido anunciados e produzidos para um ambiente de educação domiciliar - foram originalmente concebidos para uso em uma sala de aula com diversas crianças. Uma professora que estej a ensinando um grande grupo de crianças a ler não pode sentar-se com cada uma delas para ensiná-la a pronunciar cada letra corretamente toda vez que a vir escrita na página. Este é um processo intensivo, individual. O profes­ sor em sala de aula, portanto, tem que recorrer ao " segundo melhor " método: o reforço do som correto através do uso de recursos auxiliares secundários em um contexto de não-leitura. Você não precisa fazer isso para ensinar o seu filho. Quarto, você não está ensinando exaustivamente a seu filho de quatro ou cinco anos todos os elementos da Língua. A partir da primeira 90

. DESTRANCANDO AS PORTAS

grade, seu filho receberá uma fundamentação mais completa das regras de Ortografia, que não passam de regras fonéticas aplicadas à Escrita. ( Recomendaremos recursos para essa tarefa no capítulo 5 ) . Durante o período K-4 e K-5 16, sua meta é simplesmente garantir que a criança consiga ler tão rápida e fluentemente quanto possível. Uma criança no j ardim de infância não precisa saber de memória todas as diferentes maneiras com que o fonema /si pode ser grafado na Língua Portuguesa; ela só precisa ser capaz de pronunciar as palavras " assado " , " açúcar" , " cebola" o u " excelente " quando a s vir. Finalmente, programas concentrados em livros de exercícios deman­ dam uma considerável dose de coordenação motora fina das crianças pequenas. As crianças em nível de Jardim de Infância variam muito quanto à intensidade de exercícios de coordenação de movimentos do lápis que estão preparadas para fazer; os meninos, em especial, amadurecem mais lentamente a sua caligrafia. Vincular o treinamento de leitura a tarefas de desenvolvimento da caligrafia pode retardar o progresso na leitura, pois muitas crianças de cinco anos são capazes de ler muito melhor do que conseguem escrever. As crianças com desenvolvimento muscular mais lento podem ficar frustradas com a leitura pois são perfeitamente capazes de ler e apenas ainda não são perfeitamente capazes de escrever. A separação do ato de ler do esforço físico da tarefa de escrever permite que a criança progrida em um ritmo mais natural e prazeroso. Caso você prefira uma abordagem de ensino com livros de exer­ cícios e tenha uma criança em nível pré-escolar com boa coordenação motora e sem dificuldade com as habilidades de escrita, ou caso você tenha uma criança mais nova ansiosa para fazer exercícios em livros para imitar o irmão mais velho, você pode avaliar a possibilidade de investir em um dos recursos mais concentrados no trabalho com lápis que listamos ao final deste capítulo. Mas sej a muito sensível aos sinais de fadiga nas mãos da criança e apresente as páginas de exercícios como brincadeiras, em vez de tarefas; nenhuma delas precisa ser "completada " e você pode deixar de lado tudo o que parecer excessivamente trabalhoso ou complicado. 1 6 Nota da edição brasileira: k-4 e k-5 são as séries de educação infantil para 4 e 5 anos.

91

A MENTE BEM TREINADA

E se o meu filho não estiver pronto para ler? Caso você tenha lido para seu filho em idade pré-escolar desde que ele se tornou capaz de olhar para uma página, você pode começar esse processo aos quatro anos de idade e reservar dois anos para completá-lo. Ou você pode começar na idade de cinco anos e completá-lo em menos tempo. Segundos e terceiros filhos que j á tenham observado os irmãos e irmãs mais velhos aprendendo a ler, muito provavelmente desej arão começar mais cedo. Caso o seu filho de quatro anos peça a você uma lição de Leitura, atenda a seu pedido. Eu Uessie] ensinei Susan aos três anos de idade porque todas as vezes que me sentava com seu irmão de cinco anos para fazer uma lição de Fonética, ela também queria participar. A prontidão para a Leitura (como tudo mais neste capítulo ) não é complicada. Uma criança está pronta para aprender a ler quando reúne seus bichinhos de pelúcia e um álbum de fotografias para contar a eles uma história; ou quando ela pega um livro, senta-se no sofá e finge que está lendo para você; ou, ainda, quando constantemente pergunta para você "o que isto quer dizer ? " . Todas essas atividades mostram que ela entende que as palavras impressas carregam uma mensagem. A maioria das crianças de cinco anos é capaz de aprender a ler, o que não significa que queiram fazê-lo. Uma criança que faz muxoxo, reclama e protesta toda vez que você se aproxima com a cartilha não está demonstrando " falta de prontidão para a leitura " . Ela está apenas sendo uma criança de cinco anos. São raras as crianças que querem fazer algo que não conhecem e que envolve trabalho; de fato, nós ainda não encontramos uma única criança de cinco anos a quem pudéssemos convencer a voltar seus olhos para metas de longo prazo17• Se a criança 17 Nota das autoras: Eu (Jessie) não me impressiono com a assim chamada " Educação conduzida pela criança" (esperar que a criança traga um livro até você e implore por uma aula de Leitura) pelas mesmas razões que não deixava que meus filhos, quando em idade do ensino elementar, comessem exatamente o que desej avam; as crianças pequenas não entendem com facilidade que comida " de verdade " não somente é melhor para a saúde delas do que um saco j uj ubas, como também mais satisfatório a longo prazo. Um típico diálogo entre pai e filho sobre alfabetização em casa se parece com o seguinte: Pai: Você não quer aprender a ler? Caso você se exercite com estas listas de regras durante um ano, você poderá ler livros por conta própria! Criança (correndo os olhos por vinte páginas de regras e raciocinando que seus pais, de todo modo, sempre leem livros para ela quando ela quer ) : Ah, não eu não gosto disso !

92

DESTRANCANDO AS PORTAS

não quer aprender a ler, diga que você vai estudar j unto com ela por cinco minutos todos os dias de qualquer forma. O estágio inicial, em que você ensina a criança a pronunciar pa­ lavras de três letras pela primeira vez, é o mais difícil. Persista até que você consiga iniciar a criança nas primeiras leituras mais simples que listamos ao final deste capítulo. A maioria das crianças ficará inchada de orgulho por ser capaz de ler " um livro inteiro sozinha " . Uma vez que seu filho comece a entender frases completas, ele dirá a você que não precisa mais de treino e quer apenas ler por conta própria. Esse é um ótimo sinal, mas insista nos 1 O minutos de treino diário até que você tenha coberto todas as regras da cartilha fonética que você es­ colheu. Mas use o bom senso . Se você começou com palavras de três letras, seguindo fielmente o esquema de dez minutos diários por três ou quatro semanas, e a criança ainda não demonstra um mínimo de compreensão do texto, é porque ela ainda não fez a conexão entre as palavras impressas e os sons. Deixe de lado o treinamento por um mês ou dois e, depois, tente novamente . Qu a n d o p roc u ra r aj u d a

Uma criança d e cinco anos que ainda não estej a conseguindo acom­ panhar a leitura fonética ainda se encontra na faixa de normalidade. Como discutiremos no próximo capítulo, caso seu filho ainda não consiga entender os princípios fonéticos no ano equivalente à primeira grade, pode ser necessário ir em busca de ajuda profissional. Mas, aos cinco anos, você deve ficar à vontade enquanto espera pela chegada de um pouco mais de maturidade. Caso a criança estej a disposta a sentar­ -se com você dez minutos a cada dia para pronunciar palavras de três letras, continue trabalhando nesta habilidade básica. Caso ela resista, dê uma pausa nesse treinamento e faça mais brincadeiras com o alfabeto, retornando aos exercícios dentro de seis a oito semanas. Porém, há alguns sinais de alerta que podem indicar a necessidade de uma intervenção mais precoce . Crianças em nível pré-escolar ou de Jardim de Infância que sejam normalmente dóceis e se divirtam com outras atividades " escolares " , mas que tenham acessos de birra ou começam a chorar diante de uma tarefa de Leitura estão sinalizando que há algo de errado. Atraso no aprendizado da fala (ao três anos 93

A MENTE BEM TREINADA

de idade, uma criança j á deve usar regularmente frases com mais de duas palavras; aos quatro anos, frases completas; o seu pediatra pode explicar para você quais são os marcos de normalidade) pode indicar problemas de audição ou de processamento auditivo . Falta de interesse em leitura combinada com sinais físicos tais como a incapacidade de segurar um giz de cera, de pegar uma bola ou de abotoar uma camisa podem sinalizar uma dificuldade de desenvolvimento . A incapacidade de reconhecer o alfabeto aos cinco anos de idade é um sinal de alerta . Nesses casos, avalie primeiro a visão e a audição de seu filho. Caso os exames físicos sej am normais, procure a avaliação de um terapeuta qualificado ( leia o capítulo 37 para saber mais ) . Escrita

Muitos dos programas fonéticos de alfabetização que examinamos insistem que você combine a Escrita com a Leitura. Em outras palavras, ensinam à criança as consoantes e o som do " a " , mas não avançam para a etapa seguinte enquanto a criança não for capaz tanto de ler quanto de escrever cal, mal, sal e tal. Como dissemos anteriormente, essa política tende a ser frus­ trante para o s leitores muito j ovens. Lembre-se: você quer que a criança leia com facilidade, rapidez, e sem demora . Muitas crianças estão prontas para ler muito antes de ter a coordenação muscular para escrever. Por que atrasar o desenvolvimento da leitura até que os músculos da mão e os movimentos dos olhos comecem a ope­ rar de forma coordenada ? Assim, faça os treinamentos de leitura e de escrita separadamente entre os quatro e cinco anos de idade. Quando a criança for capaz de segurar o lápis confortavelmente e com algum controle, então você poderá progredir para as instruções formais em Escrita. Consiga para ele um livro de exercícios de Caligrafia para iniciantes bem como bastante papel pautado com espaço entre as linhas adequado aos escritores da pré-escola e do j ardim de infância (confira as páginas 1 06-1 0 7 . O seu caderno de Caligrafia deve ensinar um estilo de letra de forma que facilite a transição para a escrita cursiva. Na tradicional " escrita de 94

DESTRANCANDO AS PORTAS

bola e traço " 1 8, o estudante continuamente levanta a mão - caso escreva o " d " minúsculo, por exemplo, ele desenha um círculo, levanta o lápis e, então, conecta a linha ao círculo. Desse modo, quando começa a instru­ ção cursiva tradicional (normalmente, na metade da segunda grade ) , a criança tem de aprender um conj unto inteiramente novo de traços, pois sua memória muscular já está se consolidando. Em vez disso procure por método de "traço contínuo " 1 9, em que as letras são escritas em um único movimento, o que facilita a transição para o alfabeto cursivo. A escrita em itálico também é um estilo alternativo que também evita a mudança abrupta durante a segunda grade. Vej a a seção de Recursos, ao final deste capítulo, para ver alguns currículos que se enquadram neste padrão. Ensine apenas uma letra ( sempre em conj unto de maiúscula e minúscula) ou um número de cada vez até que você tenha coberto todo o alfabeto e os números de 1 a 1 0 . Você também pode seguir a sequência sugerida no livro de exercícios ou ensinar as letras na ordem apresentada em sua cartilha fonética. Os livros de exercícios de Caligrafia têm flechas e números que mostram o modo exato como as letras devem ser escritas : o círculo do " a " minúsculo é sempre traçado n o sentido anti-horário; a borda reta do " D " maiúsculo é sempre traçada primeiro, antes da parte curva da letra. Isto é importante ! Certifique-se de que a criança escreva cada letra adequadamente e, durante os primeiros meses, supervisione-a cuidadosamente para que não recaia em vícios. Após exercitar o alfabeto inteiro, peça à criança que comece a copiar palavras escritas por você - nomes de pessoas da família são um bom ponto de partida. Mais tarde, peça que ela copie frases bem curtas : " Eu amo você " , "Zezinho é esperto! " , "Você gosta de escrever? " . Deste modo, a criança de cinco anos não somente pratica a Caligrafia, mas começa a aprender as convenções da linguagem escrita : iniciais maiúsculas em nomes próprios e inícios de frases, espaços entre palavras, pontos finais, pontos de exclamação e de interrogação. Você dará continuidade aos exercícios de cópia, de forma mais sistemática, na primeira grade e, em seguida, progredirá para os exercícios de ditado, nos quais seu filho escreverá sem um modelo diante de si. Mas, por enquanto, escreva as frases para que seu filho copie e permita que use seus modelos como 18 Nota do tradutor: Em inglês, " ball-and-stick writing " . 1 9 Nota d o tradutor: E m inglês, "continuous-stroke alphabet." .

95

A MENTE BEM TREINADA

referência tanto quanto necessário. Dez minutos por dia, três a cinco vezes por semana, são o bastante. Frequência e consistência trazem resultados mais rápidos do que sessões prolongadas. Uma palavra sobre a caligrafia cursiva . Há um grande debate em andamento so bre o momento certo de introduzi-la . Alguns educado­ res dizem que as crianças deveriam começar com a caligrafia cursiva, saltando a etapa da versão manuscrita das letras de impressão; ou­ tros recomendam o ensino das letras de impressão até que a criança estej a escrevendo rápido e bem, quando então deverão evoluir para a caligrafia cursiva, normalmente, no meio da segunda grade . Este método parece ser mais fácil para a maioria das crianças, desde que não se exij a uma completa mudança no modo de fazer o traço; muitos escritores iniciantes têm uma grande necessidade de desenhar letras que se pareçam com as que veem nos livros, sentindo-se frustradas com a escrita cursiva. Não devemos ensinar digitação antes da quarta grade. Embora sej a certo que os estudantes, provavelmente, digitarão a maior parte de seus trabalhos escritos durante as grades intermediárias e o ensino médio, nestes anos iniciais eles ainda estarão aprendendo as diferenças entre as letras e associando-as ( bem como às suas combinações) a sons. Quando um estudante traça um " a " e um " t " , sua mão precisa fazer movimentos muito distintos; isto aj uda seu cérebro a aprofundar na distinção entre as duas letras e os sons muito diferentes que elas repre­ sentam. Na digitação, cada letra é produzida essencialmente por um idêntico movimento dos dedos. Logo, leve muito a sério os exercícios de caligrafia durante esses anos iniciais . Uma vez que as habilidades de linguagem estej am firmemente estabelecidas, a digitação pode assumir seu lugar como ferramenta útil para o escritor florescente . M ate mática

Agora que a criança j á consegue contar, continue a ensinar Mate­ mática diariamente fazendo adições e subtrações no contexto do dia a dia da família. Arrumar a mesa é um ótimo exercício de Matemática : peça a seu filho para descobrir quantos pratos, facas, garfos e colheres serão necessários . Adicione e subtraia na mercearia ( "Vej a só, querido. Estou pegando quatro tomates e, agora, peguei mais um tomate - ago96

DESTRANCANDO AS PORTAS

ra tenho cinco tomates ! " ) . Mantenha seus filhos por perto enquanto cozinha - as receitas culinárias estão repletas de frações e medidas. Quando for cortar um sanduíche ao meio ou em quartos, diga: "Vej a só, cortei pela metade ! " ou " Cortei o sanduíche em quartos " . Faça brincadeiras que usem números. "Uno " é um clássico, que ensina tanto os números quanto as combinações de cores. Jogos simples de cartas tais como " Bisca " , " Burro " ou " Oito Maluco " exigem que a criança lembre quais números são maiores e quais são menores. Pratique a escrita de números usando lápis e papel, giz e quadro­ -negro, giz de cera e cartolina, dedinhos e areia. Números grandes são divertidos e fáceis de brincar - não insista com seu filho em idade pré-escolar que escreva seus números perfeitamente alinhados em papel pautado. Faça muitas adições e subtrações usando obj etos ( feij ões, botões, lápis e pastilhas de chocolate) . Brinque com manuseáveis de Matemática: escalas Cuisenaire20, ursinhos contadores21 ou círculos fracionados. Pra­ tique a contagem até cem - de dois em dois, de cinco em cinco, de dez em dez. Ensine a contar dinheiro, a dizer as horas e dar nome a figuras geométricas - círculos, quadrados, triângulos, retângulos . A biblioteca pública mais próxima de você deve ter uma seleção bem variada e colorida de livros de Matemática para o nível do j ardim de infância, com problemas fáceis desenvolvidos a partir de figuras de obj etos . Pegue um livro toda semana e leia-o j unto com seu filho . Se você seguir estas sugestões, seu filho está pronto para a Matemática da primeira grade. Os filhos de Susan não tiveram dificuldade de adotar diretamente um currículo de Matemática da primeira grade sem comple­ tar primeiro um programa formal de Matemática em nível de j ardim de infância. Tal como em Leitura, entretanto, as crianças pequenas podem gostar de ter um programa de Matemática para trabalhar ao mesmo tem­ po que seus irmãos mais velhos. Muitos programas de Matemática para 20 Nota do tradutor: As "escalas Cuisenaire " são materiais auxiliares ao ensino de Matemática que aj udam as crianças em nível elementar a aprender conceitos mate­ máticos de forma prática. Criadas pelo professor primário belga Georges Cuisenaire (1 891-1975 ), foram popularizadas na década de 1950 por Caleb Gattegno. 21 Nota do tradutor: No original, "counting bears " - um conj unto de ursinhos de plástico coloridos que são popularmente usados nos Estados Unidos para ensino da Matemática de nível elementar.

97

A MENTE BEM TREINADA

j ardim de infância são divertidos e repletos de obj etos para manipular. Novamente, pense num programa de Matemática para o jardim de infância como uma brincadeira, não como um objetivo acadêmico. Caso a criança fique cansada após cinco ou dez minutos, não a obrigue a terminar a lição. A p re n d iza d o de C i ê n c i a s

S e você gostaria d e fazer projetos d e Ciência com seu filho e m idade pré-escolar, use os guias de atividades elementares listados na seção de Recursos; eles oferecem instruções claras e experimentos que usam objetos comuns de uso doméstico. Você pode suplementar a Leitura, a Escrita e a Matemática com um experimento de Ciência uma ou duas vezes por semana . O estudo mais formal da Ciência não é necessário neste estágio. H a b i l i d a d es de u so g e ra l

O s estudantes e m nível d e j ardim de infância podem gostar de recortar, colar, colorir e participar de j ogos. Caso você precise de aj uda para ter ideias para esse tipo de proj eto, consulte os guias de atividades que nós listamos na seção "Habilidades gerais " na seção de Recursos logo a seguir. Recu rsos

A maior parte dos livros pode ser obtida em qualquer livraria ou biblio­ teca; a maior parte dos currículos pode ser adquirida diretamente na editora ou em um grande fornecedor de material para Educação Domi­ ciliar, tal como o Rainbow Resource Center. Informações para contato com editoras e fornecedores estão disponíveis em www. welltrainedmind. com. Incluímos uma observação nos casos em que os títulos sugeridos têm disponibilidade limitada. Nos locais indicados, listamos os recursos em ordem cronológica (isto é, a ordem em que você os usará). Os livros que fazem parte de séries foram listados em conjunto. Lembre-se de que opções adicionais de currículos e outras informações estão disponíveis em: www.welltrainedmind .com. Os preços variam constantemente, mas incluímos os valores de 2 0 1 6 para que você tenha uma ideia do investimento necessário. 98

DESTRANCANDO AS PORTAS

H a b i l i d a d es d e Le itu ra : Ca rti l h a s fo nética s Hiskes, Dolores G. Phonics Pathways. 1 0th ed. Indianapolis, IN: Jossey-Bass, 2 0 1 1 . $32.95 Esta cartilha fonética abrange todos os sons das letras, bem como as combinações indispensáveis a uma leitura fluente. Páginas de amostra estão disponíveis no website da autora, o Dorbooks. Wise, Jessie. The Ordinary Parent's Cuide to Teaching Reading. Charles City, VA: Well-Trained Mind Press, 2004. $29 . 9 5 . Uma cartilha fonética que oferece total apoio ao pai educador; tudo o que você precisa fazer é ler em voz alta o diálogo do instrutor. Cartões de memória e lições de áudio também estão disponíveis. Páginas de amostra disponíveis no website da editora .

H a b i l i d a d es d e Leitu ra : p rática co m p l e me nta r Explode the Code. Cambridge, Mass.: Educators Publishing Service, 2003 . Faça seu pedido diretamente à EPS. Cada livro de exercícios serve para treinar um som fonético específico; os livros introdutórios (A, B e C ) ensinam as letras. Os livros " 112 " oferecem prática adicional. Os livros do estudante custam $9 .40 cada um. Caso você ache necessário um gabarito com as respostas, você pode adquirir o de cada um dos livros ao preço de $ 9 . 3 5 . G e t Ready for the Code B o o k A. Sons das consoantes b, f, k, m , r, t. Get Ready for the Code Book B. Sons das consoantes d, h, j, n, p, s. Get Ready for the Code Book C. Sons das consoantes c, g, 1, q, v, w, y, z, x. Book 1 . Consonants, short vowels. [Livro 1 . Consoantes, vogais curtas]22•

Book 1 1 12 . B o o k 2 . Blends [Livro 2 . Combinações] . 22 Nota do tradutor: Por questões de espaço, não traduzimos todos os títulos de livros individuais. Optamos por manter os títulos e subtítulos do conteúdo em inglês, para que os pais brasileiros interessados em adquirir o material original sugerido pelas autoras possam pesquisá-lo mais facilmente. Para orientação geral do leitor, incluímos [entre colchetes] uma tradução não oficial dos títulos e subtítulos de alguns itens individuais que, fazendo parte de séries ou coleções, trazem indicações importantes sobre o conteúdo do volume em questão.

99

A MENTE BEM TREINADA

Book 2 1 12 . B o o k 3 . Beginning long vowels, consonant digraphs, diphthon­ gs. [Livro 3. Introdução às vogais longas, dígrafos com consoantes, ditongos] .

Book 3 1 12 . B o o k 4. Compound words, common endings, syllables. [Livro 4 . Palavras compostas, terminações comuns, sílabas] .

Book 4 1 12 . B o o k 5. Word families, three-letter blends. [Livro 5 . Famílias de palavras, combinações de três letras] .

Book 5 1 12 . B o o k 6. Vowels plus r, diphthongs. [Livro 6 . Vogais mais " r " , ditongos] .

Book 6 1 12 . B o o k 7 . Soft

e

and g, silent consonants, p h . [Livro 7. O " c " e o

" g " suaves, consoantes mudas, o " ph " ] .

Book 8 . Suffixes and irregular endings. [Livro 8 . Sufixos e termi­ nações irregulares] . Hiskes, D olores G. Reading Pathways: Simple Exercises to Im­ prove Reading Fluency. 5th ed. Indianapolis, IN: Jossey-Bass, 2007. $24 . 9 5 . Os exercícios evoluem desde as palavras individuais até frases curtas, e dos monossílabos aos polissílabos, seguindo um esquema em pirâmide que desenvolve o movimento dos olhos. Páginas de amostra estão disponíveis no website da autora, o Dorbooks.

P ri m e i ra s l e itu ra s Animal Friends. Pensacola, FL: A Beka Book, diversas datas. $ 9.35. Faça seu pedido à A Beka Book. Um conj unto de oito livretes totalmente em cores, que progridem foneticamente desde as palavras de três letras até as palavras com sons vogais longos . The Emergent Reader series. Lyme, NH: Flyleaf Publishing, diversas datas. $8.50 cada, ou peça a série inteira de 41 livros por $ 1 62. Disponível diretamente na editora (e em algumas bibliotecas municipais ) . Amostras e a lista completa de títulos estão disponíveis no website da editora. 1 00

DESTRANCANDO AS PORTAS

Estes livros coloridos progridem da seguinte forma: palavras com duas ou três letras ( " vogal-consoante " e " consoante-vogal-consoante " ) nos primeiros sete livros; palavras com vogais curtas e longas, nos livros 8 a 14; palavras compostas nos livros 1 5 a 2 1 , Polissílabos e vogais longas nos livros 22 a 2 8 , palavras com finalizações e variações nos sons vogais nos livros 29 a 4 1 . Algumas palavras " de olhada " também aparecem (por exemplo, nos volumes de vogais curta s ) . Livros 1 a 7

I am Sam Cam and Sam Ann Can C and K Can You See 3 ? Pam Likes to Nap Can I see Tom ? Livros 8 a 1 4

We Can 't Stop! Dot and Dan Dot Likes to Dig To the Top On a Log Hal Likes Hats Fran Can Flip Livros 1 5 a 2 1

Ted Can D o Tricks My Wagon Is Red The Sunset Pond Jen 's Best Gift Ever We Can Get Fit This and That Scamp Gets a bath Livros 22 a 2 8

I t Is Halloween! Fred and Max in the Sandbox 101

A MENTE BEM TREINADA

Will Is Up at bat I Like Soccer I Can Mix Colors Vivid Meg and Jim 's Sled Trip Livros 29 a 4 1

A Cricket Sings Stink Bug Grandma Dot Fun in Winter, Spring, Summer, Fali ]ust a Box Am I Lucky? Hints of Fali I Like Spectrums I Sang a Song to Spring Balis Insects Dogs I Can Plant a Seed Little Books 1 - 1 2 . Pensacola, FL: A Beka Book, várias datas. $ 1 0.80. Faça seu pedido à A Beka Book. Doze livrinhos de histórias que começam somente com palavras de vogais curtas e progridem para combinações de letras, palavras e frases simples. Incluem páginas para colorir. Maslen, Bobby Lyn. Série Bob Books. Ilustrações por John R. Mas­ len . New York: Scholastic, 2006. Cada conj unto contém oito livretes em capa de papel dentro de cada caixa . Estes serão os primeiros livros que seu filho será capaz de ler por conta própria; as crianças adoram-nos porque conseguem começar a ler os Bob Books após apenas algumas semanas de lições fonéticas. A experiência de ler um livro inteiro sozinho já no começo do processo de aprendizagem oferece imensa motivação aos j ovens leitores. Altamente recomendável. A maioria das bibliotecas os têm em seus acervos, mas estes livros têm forte demanda e você pode ter dificuldade em obtê-los ( e mantê-los em sua casa por mais do que duas semanas ) . Se você planej a ensinar mais de uma criança a ler, vale 1 02

DESTRANCANDO AS PORTAS

a pena comprá-los, porque as crianças mais velhas podem ajudar os irmãozinhos a pronunciar o seu conteúdo.

Bob Books, Set 1 : Beginning Readers [Conj unto 1 : Leitores ini­ ciantes] . $ 1 0.25.

Bob Books, Set 2: Advancing Beginners [Conj unto 2 : Iniciantes em progresso] . $ 9 . 6 0 .

Bob B ooks, Set 3 : Word Families [Conj unto 3 : Famílias d e pala­ vras ] . $ 1 0 . 9 0 .

Bob Books, Set 4: Compound Words [Conj unto 4 : Palavras compostas] . $ 1 4 . 1 6 .

Bob Books, Set 5: Long Vowels [Conj unto 5 : Vogais longas] . $ 1 3 . 7 1 . B o b B ooks: Rhyming Words [Palavras que rimam] . $ 1 3 .5 9 . Historietas narradas com palavras e m vogais curtas, e m rima; pode seguir-se ao conj unto 1 , como prática complementar.

Bob Books: Sight Words, Kindergarten. [Palavras " de olhada " , Jardim d e Infância] $ 9 . 4 8 . A s trinta palavras " de olhada " mais comuns; use este conj unto a qualquer tempo após o conj unto 1 .

Livros d e h i stó ria s p a ra i n ic i a ntes: " Leitu ra s fá ceis" A categoria d e " Leituras fáceis " é u m tanto confusa, porque a maior parte destes livros são divertidos e estimulantes, mas não planej ados em função da instrução fonética . Eles têm apenas algumas palavras por página, mas leitores iniciantes não conseguem ler alguns destes livros a menos que j á tenham memorizado algumas palavras inteiras. Caso haj a muitas palavras " de olhada " ou palavras que a criança ainda não tenha encontrado em sua instrução fonética, leia estes livros para a criança, apontando as figuras e pedindo à criança que fale apenas as palavras que você sabe que ela está pronta para decodificar. Os títulos a seguir são apenas alguns dos muitos disponíveis mas, se você começar por estes, chegará a outros mais. Brown, Margaret Wise Brown. Big Red Barn. New York: Harper­ Festival, 1 995. . I Like Bugs. New York: Random House, 1 999. Eastman, P. D. Are You My Mother? New York: Random House, 2010.

___

103

A MENTE BEM TREINADA ___

. The Best Nest. New York: Random House, 20 1 0 .

. Go, Dog, Go. New York: Beginner Books, 1 9 6 1 . . Sam and the Firefiy. New York: Random House, 20 1 0 . . Snow. New York: Beginner Books, 1 962. Geisel, Theodore Seuss (Dr. Seuss ) . The Cat in the Hat. New York:

___

___

___

Random House, 20 1 3 . ___

___

___

___

___

. Dr. Seuss's A.B. C. New York: Random House, 1 996. . The Foot Book. New York: Random House, 1 968 . Green Eggs and Ham. New York: Random House, 20 1 3 . . Hop On Pop. New York: Random House, 1 9 6 3 . . One Fish, Two Fish, Red Fish, Blue Fish. New York:

Random House, 1 960. ___

. There 's a Wocket in My Pocket. New York: Random

House, 1 974. Gustafson, Scott. Alphabet Soup: A Feast of Letters. Shelton, CT: Greenwich Workshop Press, 1 994. Hoff, Syd. Danny and the Dinosaur. New York: HarperCollins, 200 8 . . Oliver. 2000. Lobel, Arnold. Frog and Toad Sto rybook Treasury. New York: Harper Collins, 20 1 3 . ___

___

. Grasshopper on the Road. 1 9 8 6 .

___

. Mouse Soup. 1 9 8 3 .

___

. Owl at Home. 2 0 1 2 .

Small Pig, 1 9 8 8 . Lopshire, Robert. Put Me in the Zoo. New York: Random House, 20 1 1 . ___ .

Minarik, Elsie. A Kiss for Little Bear. New York: Harper Trophy, 2003 . ___

. Little Bear. 200 3 .

___

. Little Bear's Friend. 200 3 .

___ .

Little Bear's Visit. 1 979.

Penguin Young Readers . New York: Penguin. Levei 1 series ( Série Nível 1 ) Andrews, Alexa. At the Beach. 20 1 3 . ___

___

. Cat Days. 2 0 1 2 .

. On a Farm. 20 1 3 . 1 04

DESTRANCANDO AS PORTAS

Blevins, Wiley. Max Has a Fish. 2 0 1 2 . . A New Friend. 20 1 3 . Ingalls, Ann. Ice Cream Soup. 20 1 3 . Level 2 series. (Série Nível 2 ) Abramson, Jill, and Jane O'Connor. Puppy Parade. 20 1 3 . Herman, Gail. Lucky Goes to School. 200 1 . . What a Hungry Puppy! 1 9 9 3 . Holub, Joan. The Pizza That We Made. 200 1 . Masurel, Claire. That Bad, Bad Cat! 2002. Moffat, Judith. Who Stole the Cookies? 1 99 6 . Thomas, Shelley Moore. Good Night, Good Knight. 2002. Level 3 series. (Série Nível 3 ) Aboff, Mareie. The Giant ]ellybean ]ar. 2004 . Clarke, Ginjer L. Fake Out! Animais That Play Tricks. 2007. Dussling, Jennifer. Pink Snow and Other Weird Weather. 1 9 9 8 . Holub, Joan. Why Do Cats Meow? 200 1 . . Why Do Dogs Bark ? 200 1 . Kramer, Sydelle. Wagon Train. 1 997. Thomas, Shelley Moore. Get Well, Good Knight. 2004. . Happy Birthday, Good Knight. 20 1 4 .

___

___

___

___

Rylant, Cynthia. Henry and Mudge: The First B o o k . New York: Simon & Schuster, 1 99 6 . . Henry and Mudge and Annie's Good Move. 2000. . Henry and Mudge and the Forever Sea. 1 9 8 9 . . Henry and Mudge and the Happy Cat. 1 990. . Henry and Mudge and the Long Weekend. 1 992. . Henry and Mudge and the Wild Goose Chase. 2003 . . Henry and Mudge in Puddle Trouble. 1 9 87. ___

___

___

___

___

___

Thomas, Patricia. "Stand Back ", Said the Elephant, 'Tm G o o Sneeze ", ilustrações de Wallace Tripp. New York: Lothrop, Lee & Shepard, 1 990. Esta história rimada contém muitas combinações de vogais que parecem diferentes por escrito, mas cuj o som é idêntico ( por exemplo, as palavras bear, fair, declare uma após a outra ) . Wiseman, B . Morris the Moose. New York: HarperCollins, 1 99 1 . 1 05

A MENTE BEM TREINADA

Esc rita O lsen, Jan Z. Handwriting Without Tears. Cabin John, MO: Handwriting

Without Tears. Um programa alternativo de escrita para crianças que têm muita dificuldade de coordenação muscular. Este programa enfatiza o uso de lápis curtos em vez de no diâmetro padrão para a pré-escola, uma vez que os lápis curtos são mais facilmente manipuláveis pelas crianças. O programa também conduz a criança por exercícios manipulativos antes de efetivamente começar a escrever. Quando ela finalmente começa a copiar letras, em vez de preencher uma linha inteira de letras ( como sugerem a maioria dos livros de Caligrafia ), escreverá uma quantidade menor de letras a cada vez, mas concentrando-se em escrevê-la tão perfeitamente quanto possível. Cada lição envolve 15 minutos de estu­ do de caligrafia: dez minutos de instruções e cinco minutos de prática cuidadosamente supervisionada. O estudante realiza uma quantidade menor de exercícios do que o previsto nos livros tradicionais de Cali­ grafia, mas o que ele faz é tão perfeito quanto está a seu alcance. Os livros de exercícios têm muitos modelos de letras por linha, de modo que a criança não vá piorando cada vez mais à medida que avança (as crianças tendem a copiar a última letra que elas próprias fizeram, em vez de voltar ao início da linha para olhar o modelo correto ) . Embora este programa ofereça muitas excelentes ideias para o ensino da Escrita, não é nossa primeira recomendação porque o desenho da letra, em si, não é tão atraente quanto o da Zaner-Bloser (vej a adiante ) ; o foco é na legibilidade, em vez de na beleza. Entretanto, as crianças com dificuldades se beneficiam fortemente deste programa. Amostras estão disponíveis para visualização no website da editora. Os livros abaixo estão listados em ordem progressiva de dificuldade. Letters and Numbers for Me ( K ) . $ 9 . 5 0 . Kindergarten Teacher's Cuide. $ 1 0 . 5 0 . Provê uma visão geral do programa e dicas para ensino. My Printing Book ( First grade ) . $ 9 . 5 0 . 1 st Grade Printing Teacher's Cuide. $ 1 0 . 5 0 . Printing Power ( Second grade ) . $ 9 . 5 0 . 2 n d Grade Printing Teacher's Cuide. $ 1 0 . 5 0 . 1 06

DESTRANCANDO AS PORTAS

Notebook Paper [Papel para caderno] . Concebido especificamente para acompanhar as habilidades ensinadas neste programa. Wide [largo] ( K- 1 ) . 1 00 folhas. $ 3 . 75 . Wide [largo] ( K- 1 ) . 5 0 0 folhas. $ 1 1 .75. Regular [Normal] ( 2-3 ) . 1 00 folhas. $ 3 . 75 . Regular [Normal] ( 2-3 ) . 5 0 0 folhas. $ 1 1 . 75 . Zaner-Bloser Handwriting series. Columbus, O H : Zaner-Bloser, 200 8 . Nossos recursos favoritos p a r a ensino da Escrita s ã o os d a Zaner-Bloser, que publica livros d e exercícios para ensinar a escrever usando o " alfabeto de traço contínuo " . Na tradicional escrita " bola e traço " , o estudante continuamente levanta a mão - caso escreva o " d " minúsculo, por exemplo, ele desenha um círculo, levanta o lápis e, então, conecta a linha ao círculo. No alfabeto de traço contínuo, a letra é escrita em apenas um movimento. Isto simplifica o aprendizado da escrita e facilita a transição para o alfabeto cursivo. Além disso, al­ gumas letras maiúsculas no alfabeto cursivo foram simplificadas para que se pareçam mais com as versões impressas. Comece com o Grade K Student Book e permita que a criança progrida em seu próprio ritmo. As linhas de manuscrito ficam cada vez menores a cada livro. Os livros não oferecem muito espaço para prática, de modo que você desejará adquirir papel para escrita. As edições do professor são desnecessárias. Páginas de amostra estão disponíveis no website da editora. Zaner-Bloser Handwriting. $ 1 1 .49 cada.

Grade K Student Book. Grade 1 Student Book. Zaner-Bloser Handwriting Paper (papel para escrita ) . $ 1 0. 9 9 por resma. Compre estes pacotes de papel da Zaner-Bloser para prática su­ plementar de escrita. Uma resma por ano é o bastante. O espaço entre as linhas de pauta se torna mais estreito a cada ano. Uma criança que tenha dificuldade com caligrafia às vezes mostrará uma melhora se você mudar para um papel com entrelinhas mais estreitas. Grade K ( 3/4" = 1 ,905 centímetros de largura ) . Grade 1 ( 5/8 " = 1 ,5 8 centímetros d e largura ) Grade 2 ( 1/2 " = 1 ,2 7 centímetros de largura ) 107

A MENTE BEM TREINADA

M ate m ática : G u i a s Embora você não precise d e um currículo formal d e Matemática para a Pré-escola e o Jardim de Infância, os guias a seguir podem ajudá-lo a seguir um padrão para desenvolvimento do " letramento " matemático. Kumon . Are You Ready for Kindergarten? Math Skills. Teaneck, NJ: Kumon Publishing, 20 1 0 . $6.95. Habilidades pré-Jardim de Infância em contagem e reconhecimento de formas, com atividades simples no caderno ( desenhar linhas, circular formas ) . Snow, Kate. Preschool Math a t Home: Simple Activities to Build the Best Possible Foundation for Your Chi/d. Charles City, VA: Well-Trained Mind Press, 2 0 1 6 . $ 1 9 . 9 9 . Jogos divertidos e atividades simples que desenvolvem a consciência matemática, j unto com explicações claras para os pais sobre os conceitos subj acentes a cada j ogo. Não é neces­ sário escrever. Williams, Robert A., Debra Cunningham, and Joy Lubawy. Preschool Math. Beltsville, M D : Gryphon House, 2005 . $ 1 9 . 9 5 . Escrito para professores do nível pré-escolar, mas acessível a todos os pais, este guia oferece princípios para o ensino prático de Matemática e sugere nume­ rosas atividades que podem ser feitas com obj etos domésticos comuns. Não é tão " a bra e faça " como os guias Snow e Kumon, mas excelente para criar uma conscientização matemática ainda maior.

M ate mática: M a n u seáveis Cuisenaire Rods lntroductory Set. Faça s e u pedido à Hand2Mind. $9.25. Um conj unto individual de setenta e quatro escalas Cuisenaire acompanhado de um breve guia para seu uso. Fraction Circles. Faça seu pedido à Didax Educational Resources. $6.95. Nove círculos plásticos divididos em metades, quartos, oitavos, etc. Geosolids. Order from Hand2Mind. $ 1 3 . Conj unto de dezenove sólidos geométricos em madeira, de cubos a elipsoides . Jumbo Sorting & Counting Bears ( "Ursinhos contadores " ) . Faça seu pedido à Lakeshore Learning Materials . $29 .99. Vinte e sete ursos 108

DESTRANCANDO AS PORTAS

em três tamanhos e três cores diferentes, j unto com uma j arra para armazenamento. Kumon Flash Cards: Write and Wipe ! ( " Escreva e apague " ) . Te­ aneck, NJ: Kumon Publishing. $ 9 . 9 5 . Cada conj unto contém trinta e dois cartões de memória em material duro e laminado, e uma caneta de hidrocor apagável. Os estudantes aprendem os números e formas com exercícios de traço e " ligue os pontos " .

Easy Telling Time Numbers 1 -3 0 Shapes Wooden Pattern Blocks ( " Blocos para padrões de madeira " ) . Or­ der from Didax Educational Resources. $22 . 9 5 . Um dos conj untos de manuseáveis mais úteis para a pré-escola; cada conj unto de 250 peças de madeira com 1 cm de espessura contém 25 hexágonos amarelos, 25 quadrados laranj as, 50 triângulos verdes, 50 trapezoides vermelhos, 50 paralelogramos azuis e 50 losangos salmão. Empilhe-os, conte-os, faça figuras com eles, refestele-se neles!

M ate mática: Livros de H i stó ria s Procure estes livros de histórias matemáticas nas livrarias ou na biblioteca de sua cidade e faça deles parte de sua rotina de leituras. Uma vez que comece a procurar, encontrará muitos outros títulos mais. Allen, Nancy Kelly. Once Upon a Dime: A Math Adventure. Wa­ tertown, MA: Charlesbridge, 1 99 9 . Anno, Mitsumasa. Anno 's Math Games. New York: Putnam & Grosset, 1 9 97. Anno 's Mysterious Multiplying ]ar. New York: Penguin, 200 8 . Axelrod, Amy. Pigs Will Be Pigs: Fun with Math & Money. New York: Aladdin, 1 997. Burns, Marilyn. Greedy Triangle. New York: Scholastic, 200 8 . ____ ,.

___

. Spaghetti and Meatballs for Ali: A Mathematical Story.

New York: Scholastic, 200 8 . 1 09

A MENTE BEM TREINADA

Jonas, Ann . Splash! New York: Mulberry Books, 1 9 97. Miranda, Anne. Monster Math. New York: Harcourt, 2002. Mogard, Sue. Gobble Up Math: Fun Activities to Complete and Eat

for Kids in Grades K-3 . Huntington Beach, CA: Learning Works, 1 9 94. Murphy, Stuart ]. Divide and Ride. New York: HarperCollins, 1 997. Myllar, Rolf. How Big Is a Foot? New York: Yearling, 1 99 1 . Neuschwander, Cindy. Sir Cumference and the First Round Table: A Math Adventure. Watertown, MA: Charlesbridge, 2002. Tambem procure pelas outras seis aventuras de Sir Cumference. Pinczes, Elinor ]. One Hundred Hungry Ants. Boston: Houghton Mifflin, 1 9 99. Schwartz, David M. How Much Is a Million? New York: Harper­ Collins, 2004. Scieska , Jon, and Lane Smith. Math Curse. New York: Viking Children's Books, 2007. Tang, Greg. Math for Ali Seasons: Mind-Stretching Math Riddles. New York: Scholastic, 200 5 . Wright, Alexandra. Alice in Pastaland: A Math Adventure. Water­ town, MA: Charlesbridge, 1 997.

H a b i l i d a d es g era i s Use qualquer u m destes recursos para complementar a experiência pré-escolar ou do j ardim de infância . Lembre-se de visitar www. welltrainedmind.com para obter links para ainda outros recursos. The Complete Book series . Greensboro, NC: Thinking Kids, 20 1 5 . $ 1 2 .99 cada. Preparação fonética e matemática, atividades para colorir, adesivos, e mais.

The Complete Book of Grade PreK. The Complete Book of Grade K. Kuffner, Trish. The Toddler's Busy Book: 3 65 Creative Games and

Activities to Keep Your 1 1 /2-to-3 -Year-Old Busy. Minnetonka, MN: Meadowbrook, 1 99 9 . $ 9 . 9 5 . Ideias para atividades de aprendizado em Arte, Música, atividades divertidas e muito mais . 1 10

DESTRANCANDO AS PORTAS

Kumon. Are You Ready for Kindergarten ? Teaneck, NJ: Kumon Publishing. $ 6 . 9 5 cada livro de exercícios. Exercícios de coordenação motora fina para pré-escolares. Coloring Skills. [ Colorir] Pasting Skills. [ Colar] Pencil Skills. [ Uso do lápis] Scissor Skills. [ Uso da tesoura] Roux, Nicolette, et al. 99 Fine Motor Ideas for Ages 1-5. CreateSpace, 20 1 4 . $ 1 8 .99. Escrito por dez mães e professores de crianças pequenas, este guia oferece dúzias de caminhos criativos e divertidos para desenvolver a coordenação motora fina em crianças pequenas e em idade pré-escolar. Schiller, Pam, and Patt Phipps. The Complete Daily Curriculum for

Early Childhood: Over 1 2 00 Easy Activities to Support Multiple Intelli­ gences and Learning Styles, 2nd ed. Beltsville, MD : Gryphon House, 2 0 1 1 . $ 3 9 . 9 5 . Desenvolvido para professores do nível pré-escolar e do Jardim de Infância, este guia oferece atividades, j ogos e projetos. Alguns dos j ogos só podem ser feitos em grupo, mas a maioria das sugestões são facilmente adaptáveis ao ambiente de ensino domiciliar. Um bom gerador de ideias.

Exp l o ra n d o a C i ê n c i a Citro, Asia. The Curious Kid's Science Book: 1 00+ Creative Hands-On Activities for Ages 4-8 . Woodinville, WA: Innovative Press, 20 1 5 . $2 1 .95. Uma série maravilhosa de experimentos e projetos nas Ciências Naturais e Físicas . Alguns são avançados demais para crianças em idade pré-es­ colar ou do Jardim de Infância, mas uma boa quantidade é adequada às crianças menores. The Little Hands series. Charlotte, VT: Williamson Publishing. $ 14.99 cada. (Alguns se encontram esgotados, mas é fácil encontrar exem­ plares de segunda mão ) . Guias coloridos e estimulantes para exploração do conhecimento científico, com projetos, tarefas e explicações claras. Castaldo, Nancy. The Little Hands Nature Book: Earth, Sky, Crit­

ters & More. 1 997. 111

A MENTE BEM TREINADA

Hauser, Jill Frankel. Science Play! 2006. Press, Judy. Animal Habitats! 2005 . . Sea Life Art & Activities. 200 3 .

___

VanCleave, Janice . ]anice VanCleave's Big Book of Play and Find Out Science Projects. New York: Jossey-Bass, 2007. $ 1 9.95. Experimen­ tos nas Ciências Naturais, Físicas e sobre o corpo humano; concebidos para que pais e crianças façam em casa.

Au d io l ivros Há muitos livros que vale a pena ouvir - apresentamos aqui alguns de nossos favoritos. Muitos estão disponíveis na biblioteca de sua cidade. Há muitas versões diferentes destes clássicos; certifique-se de procurar por versões não adaptadas . Barrie, J. M. Peter Pan. Carroll, Lewis. Alice in Wonderland [Alice n o País das Maravilhas23] . ___ ..

Through the Looking- Glass and What Alice Found There

[Alice no País do Espelho] . Kipling, Rudyard. The Jung/e Books, 1 and II [O livro da selva, volumes 1 e II] . . ]ust So Stories [Histórias assim] . ____

Lawson, Robert. Rabbit Hill. Lewis, C. S. The Chronicles of Narnia [As Crônicas de Nárnia] . A caixa com 7 CDs da HarperFestival traz excelentes atuações de Derek Jacobi, Kenneth Branagh, Patrick Stewart e outros atores clas­ sicamente treinados . Macdonald, Betty. Mrs . Piggle-Wiggle series . Se você puder encontrar as gravações de John McDonough, elas são preferíveis às versões mais recentes. MacDonald, George. The Princess and Curdie. Milne, A. A. Winnie-the-Pooh .

23 Nota do tradutor: No caso de títulos de obras literárias conhecidas, procuramos incluir [entre colchetes] , para conveniência do leitor brasileiro, o título da tradução brasileira, portuguesa ou espanhola mais popular, sempre que conseguimos encon­ trá-los na internet.

1 12

DESTRANCANDO AS PORTAS

Não perca a inigualável e premiada interpretação em áudio de Peter Dennis vendidas como The Complete Works of Winnie-the-Pooh. Visite seu website, poohcorner.com, para obter amostras. Vale cada centavo. Nesbit, Edith. The Complete Book ofDragons [O Livro dos Dragões] . The Railway Children [Os meninos e o trem de ferro] White, E. B. Charlotte's Web [A Teia de Carlota] ___

___

___

. Stuart Little. . The Trumpet of the Swan. [A trombeta do cisne]

Procure pelas versões lidas pelo próprio E. B. White, que são muito agradáveis de ouvir.

Livros pa ra l eitu ra e m voz a lta Nós temos uma quantidade grande demais de favoritos para que sej a possível listá-los todos aqui. Um bom guia para a leitura em voz alta é o The Read-Aloud Handbook, 7th ed., por Jim Trelease (New York: Pen­ guin Books, 20 1 3 ) . Este guia contém centenas de sugestões maravilhosas.

113

5 . Pa l avras, pa l avras, pa l avras:

o rtog rafi a, g ra mática, l e itu ra e esc rita

" Seus estudos deveriam começar pelas principais e necessárias regras de alguma boa Gramática ( . . . ) . Em seguida, transformá-los em peritos no uso completo da Gramática e, assim amadu­ recidos, conquistá-los desde cedo para o amor à virtude e ao verdadeiro trabalho; antes que quaisquer lisonjeiras seduções ou vãos princípios deles se apoderem enquanto vagueiam, algum fácil e deleitoso Livro de Educação para eles deveria ser lido " .

- John Milton, Da Educação

Discip lina: Ortografia, Gramática, Leitura e Escrita Temp o exigido: 60-1 1 0 minutos diários (na quarta grade).

S

ua meta nas grades 1 a 4 é fazer do uso adequado da linguagem uma segunda natureza para sua criança. Nos estágios Lógico e Retórico da Educação Clássica (grades 5 a 8 e 9 a 1 2 , respectivamente) , o

estudante precisará usar a linguagem para raciocinar, argumentar e

expressar ideias. Ele não pode fazer essas coisas enquanto ainda estiver lutando com os " cornos " da expressão escrita e verbal. Os primeiros quatro anos da Educação Clássica formal são chama­

dos de " Estágio Gramatical " porque o estudante passa por eles apren­ dendo as convenções e fatos básicos - a " Gramática " - de cada tema 1 15

A MENTE BEM TREINADA

acadêmico. De certo modo, a Gramática da linguagem é a fundação sobre a qual repousam todos os outros temas. Até que um estudante sej a capaz de ler sem dificuldade, não conseguirá absorver a Gramática da História, da Literatura, ou da Ciência; até que um estudante sej a capaz de escrever com facilidade, não conseguirá expressar seu domínio crescente sobre esse material. A aquisição da " Gramática " da linguagem envolve a prática de quatro diferentes disciplinas: a Ortografia ( a " gramática " das palavras individuais, isto é, a formação de cada palavra ) , a Gramática do idioma propriamente dita (o modo como aquelas palavras se aj ustam umas às outras para formar frases), a Leitura ( através da qual a mente do estu­ dante será preenchida com imagens, histórias e palavras) e a Escrita ( o modo pelo qual a s frases são reunidas e m histórias e ensaios ) . Dado que as habilidades linguísticas são a pedra angular da Educação Clássica, o estudante passará mais tempo em Leitura e Escrita do que em qualquer outra tarefa .

M a nte n d o a o rg a n ização Quando você exerce a função de professor d e seu filho, tem a necessidade de organizar e armazenar todo o trabalho realizado pela criança. Reco­ mendamos que você mantenha uma pasta-fichário ( que chamaremos de "caderno " ao longo de todo este livro ) para cada um dos grandes temas : Leitura, Ortografia, História e Ciência 1 • Você rapidamente reunirá uma grande pilha de pastas que demonstrarão o domínio crescente de cada tema pelo estudante. Essas pastas serão úteis também para avaliação na fase de testes (vej a a Parte IV para mais detalhes sobre os testes para crianças educadas em casa ) . Comece o ano acadêmico com três pastas-fichários ( a s que têm aneis de 3 polegadas - 76 milímetros - são as melhores), um furador de folhas de papel, e muito papel, tanto pautado quanto liso. Também reúna uma caixa de suprimentos para Arte : cola, tesoura, cartolina, 1

Nota das autoras: Os programas de Ortografia, Gramática e Matemática tendem a ser acompanhados de seus próprios livros de exercícios, portanto, você não precisará manter cadernos adicionais para estas disciplinas. Para Arte e Música, o estudante de nível elementar escreve muito pouco mas fique à vontade caso você deseje manter um portfólio de desenhos.

116

PALAVRAS, PALAVRAS, PALAVRAS

lápis de cor ( de boa qualidade, com padrão artístico, como os Sanford Prismacolor), adesivos e qualquer coisa que agrade a criança (ou a você ) . Para as Artes da Linguagem, você precisará fazer uso de dois desses cadernos. Escreva, em duas etiquetas, as palavras " Literatura " e " Escrita " , e cole cada uma delas em uma pasta separada. Você também pode usar pastas sanfonadas ou caixas de arquivo para organizar o arquivamento das tarefas. No entanto, os cadernos permitem que o estudante folheie rapidamente o seu trabalho feito e aprecie o quanto j á produziu desde o início do ano.

Instruções gerais para as grades

7

a4

Nos primeiros anos de escolarização, as crianças variam tão ampla­ mente em seu desenvolvimento que pode ser extremamente difícil de­ signar-lhes uma " grade " específica. Algumas crianças podem começar a primeira grade sendo capazes de ler " livros de primeira grade " e escrever muito bem, outras podem ler livros de " terceira grade " en­ quanto escrevem apenas razoavelmente bem, ainda há as que podem ler livros de " sexta grade " enquanto ainda mal sabem escrever. Por esta razão, muito do material que recomendamos não está dividido em grades, mas em "níveis " . Você sempre deve investir tanto tempo quanto necessário em cada nível e avançar para o seguinte somente quando seu filho tiver dominado o anterior, aconteça isto antes ou depois da idade considerada " normal " . Aj uste o tempo que você gasta em cada assunto de modo que você possa se concentrar nas áreas em que seu filho estej a mais fraco . Sua meta é levar a criança até o nível da quarta grade em cada uma das áreas - Ortografia, Gramática, Leitura e Escrita - até o final da quarta grade ( entre 1 0 e 1 1 anos de idade ) . Le itu ra : H a b i l i d a d es

Nas grades elementares, a Leitura tem duas partes: instrução continuada sobre como ler e a leitura propriamente dita de livros que valham a pena ( sobre os quais discorreremos brevemente nas páginas 1 1 8-127) . Nós chamamos essas duas partes de " Leitura: Habilidades " e " Leitura: Literatura " . Tente reservar tempo para ambas durantes a 117

A MENTE BEM TREINADA

semana; embora seja essencial o desenvolvimento de habilidades de leitura, os j ovens estudantes precisam ter a oportunidade de usá-las na leitura de livros interessantes reais. ( Ou, de outro modo, perderão o interesse no proj eto de aprender a ler ) . Caso você estej a usando uma das cartilhas fonéticas listadas no capítulo anterior, prossiga praticando diariamente até completar o livro ou currículo. Caso você não tenha começado ainda a instrução fonética, retorne ao capítulo 4 e leia-o antes de prosseguir. Suas aulas de Ortografia (veja a seguir) servirão para reforçar e consolidar essas habilidade fonéticas; não é necessário prosseguir com a instrução fonética direta uma vez que você tenha completado a cartilha. Em vez disso, quando o estudante estiver lendo fluentemente, conceda ao estudante três " períodos de leitura " durante a semana, durante os quais ele passará pelo menos trinta minutos lendo livros que ele mesmo escolheu ( isto é, escolhidos com sua ajuda ) . Enquanto estiver aj udando o seu estudante a escolher livros para leitura, estej a alerta para os três diferentes níveis de leitura dos iniciantes: 1 . Nível instrucional. O estudante ainda estará trabalhando duro para dominar a mecânica da Leitura - pensando nas combinações de letras, nos sons que eles representam e ten­ tando lembrar-se da pronúncia das palavras. A maior parte da instrução fonética é feita no " nível instrucional " . É muito comum que um estudante leia perfeitamente uma frase de nível instrucional sem fazer a menor ideia do seu significado - ele estava concentrado nos sons, não no sentido que eles produzem. Você não deve esperar compreensão perfeita no nível instrucional. 2. Nível equivalente. O estudante conhece todas as combinações de letras e palavras que encontrará . Seu conhecimento fonéti­ co pode não ser automático, mas se sente bastante à vontade para concentrar-se no significado. Ele ainda encontra palavras que não conhece, de modo que você precisa estar pronto para aj udá-lo quando necessário. A leitura em nível equivalente tende a ser lenta e a exigir bastante concentração. 3 . Abaixo d o nível ( ou "por diversão " ) . Estes são livros que usam somente palavras e combinações com as quais o estudante 118

PALAVRAS, PALAVRAS, PALAVRAS

estej a completamente à vontade. Leitura abaixo do nível é importante, pois permite que o estudante leia por diversão ( em vez de por obrigação ) e aumenta a rapidez com que o estudante lê. Planeje cada semana de modo que os "períodos de leitura " incluam essas três habilidades. Você poderá combinar as três em um único perí­ odo: comece com dez minutos de nível instrucional (peça ao estudante que leia em voz alta para que você ouça suas habilidades de pronúncia de palavras e corrij a quaisquer erros ) , permita que o estudante leia livros de nível equivalente por mais dez minutos e, nos dez minutos finais, permita que leia livros de " abaixo do nível " , para leitura fácil, por diversão. Ou, então, use um período para leitura instrucional, outro para leitura equivalente, e o terceiro para leitura por diversão. Nós oferecemos uma breve lista de livros clássicos para iniciantes que você poderá usar em suas sessões de Leitura; você encontrará muitas outras opções examinando as prateleiras da biblioteca. H a b i l i d a d es d e leitu ra : q u a ndo a s coisas não estão indo bem

Caso tenha adotado a abordagem de cartilhas de Leitura que des­ crevemos no capítulo 4, o estudante já deverá estar pronunciando pelo menos os sons das vogais e combinações de consoantes poucos meses após o início do uso da cartilha e, então, deverá progredir consistente­ mente (a rapidez individual varia ) sem demonstrar frustração constante. E se isso não acontecer ? A a bordagem que sugerimos é direta, simples e eficiente para a maioria dos leitores iniciantes, assim, comece por ela . Mas há um sólido subconj unto de estudantes que necessitam aprender a palavra escrita de forma diferente. A outra estrada para a Leitura é o método " Orton­ -Gillingham " - uma abordagem que é mais complicada e envolve mais tempo de preparação por parte do pai-educador, mas que pode abrir o mundo da leitura de uma forma inteiramente nova para um significativo número de crianças. O método Orton-Gillingham não oferece apenas letras e sons (apren­ dizagem auditiva e visual) . Em vez disso, os estudante são ensinados a entender a linguagem escrita através de uma " abordagem multissenso­ rial " - fazendo traços no ar e no papel, escrevendo na areia, ditados 119

A MENTE BEM TREINADA

e livros de exercícios, entre outras técnicas que acrescentam à mistura a instrução sinestésica e a táctil. Os currículos de Leitura baseados no método Orton-Gillingham ensinam o estudante um total de setenta e dois diferentes " fonogramas " { letras e combinações de letras que repre­ sentam sons únicos ) , recorrendo a uma grande variedade de atividades e constantemente revendo as habilidades previamente estudadas. O método Orton-Gillingham foi originalmente desenvolvido para estudantes disléxicos, mas os programas que usam os princípios 0-G podem ser úteis para quaisquer estudantes que enfrentem dificuldades com a abordagem da cartilha. Caso seu estudante estej a demonstrando frustração e falta de progresso com a cartilha, avalie a possibilidade de mudar para um programa 0-G. Fique atento, no entanto, ao fato de que, uma vez que o sistema foi originalmente desenvolvido como instrução corretiva para estudantes mais velhos, muitos currículos 0-G exercitam j untos a Leitura e a Escrita de um modo que pode forçar estudantes muito novinhos - já frustrados com o processo de leitura - a fazer um excesso de exercícios de Caligrafia, tornando o proj eto de aprendizagem de leitura ainda mais atribulado. Nossas recomendações de currículos apropriados à faixa etária estão na seção de Recursos ao final deste ca­ pítulo; você poderá ver outras sugestões de programas acompanhados de avaliações de pais educadores em welltrainedmind.com. Como você sabe se está lidando com um caso real de dislexia ( defi­ nido pelo National Institutes of Health2 como " um tipo de deficiência de aprendizagem de base cerebral que impede especificamente a capacidade de uma pessoa aprender a ler " ) ? Caso, a o final d a primeira grade, seu estudante ainda estej a apresentando forte dificuldade em entender como funciona a Leitu­ ra, sugerimos uma avaliação profissional - particularmente se essa dificuldade for acompanhada de uma incapacidade de entender os princípios básicos de Ortografia, dificuldade em entender instruções verbais e falta de coordenação motora. Um neuropsicólogo ou outro especialista qualificado ( vej a o capítulo 37 para saber mais ) poderá dizer se você está lidando com uma deficiência de aprendizado ou, 2

Nota do tradutor: O National lnstitutes of Health é o maior centro de pesquisa biomédica do mundo, formado por um conj unto de institutos de pesquisa perten­ centes ao governo dos Estados Unidos.

1 20

PALAVRAS, PALAVRAS, PALAVRAS

simplesmente, com um leitor que amadurece mais lentamente, caso em que você precisará apenas de paciência. Mas; em nossa opinião, é melhor descartar precocemente a hipótese de dislexia do que perder em frustrações vários meses de estudo. Le itu ra : Literatu ra

Enquanto o estudante estiver desenvolvendo suas habilidades básicas de leitura, ele também deverá começar a familiarizar-se com a Literatu­ ra - histórias que oferecem um rico desenvolvimento de personagens, ambientações fascinantes, tramas complexas e beleza de expressão. Você não usará um livro-texto para Literatura. Nós acreditamos fortemente que os compêndios de " interpretação de textos " ( livros com trechos de histórias e poemas seguidos de exercícios de compreensão) transformam a Leitura num fardo. Livros, desde as grades iniciais, de­ vem ser fontes de deleite e informação, não exercícios a dominar. Uma boa Educação Clássica instila no estudante a paixão pelos livros. A "interpretação de textos " mutila os livros reais ao extrair seções de seu contexto original e apresentá-los como " tarefas " . Ainda piores são os livros-textos que oferecem seleções concebidas especialmente para uso como livro-texto, o que significa que seu filho gasta seu tempo lendo prosa genérica de autores de livros-textos em vez de histórias escritas pelos mestres. D urante os primeiros quatro anos da Educação, você tem dois obj etivos : o primeiro é fazer a criança ler rápida, fluente e habitual­ mente; o segundo é preencher sua mente com histórias de todos os tipos - mitos, lendas, histórias clássicas, biografias, grandes aconte­ cimentos da História . Em vez de um "currículo de Literatura " , você usará a biblioteca de sua cidade e o caderno etiquetado com a palavra " Literatura " . Divida-o em duas subseções : " Minhas Leituras " e " Exer­ cícios de Memorização " . Sugerimos que a Leitura siga o mesmo padrão do estudo de História: Primeira grade: Antiguidade ( 5 000 a.C. a 400 d.C. ) . Segunda grade: Idade Média até o início d a Renascença (400 d.C. a 1 600 d . C . ) . Terceira grade: Renascença tardia até o início d o Período Moderno ( 1 600 d . e . a 1 8 5 0 d . C . ) . 121

A MENTE BEM TREINADA

Quarta grade: Período Moderno ( 1 85 0 d.C. até o presente ) . Veja no capítulo 7 uma explicação completa dessas divisões (uma vez que você tenha lido o capítulo 7, tudo o que se segue fará mais sentido) . O princípio é simples : experimente oferecer à criança versões simplificadas da literatura que ela lerá nas grades mais avançadas, ou apresente-a ( através de histórias ou biografias ) a um escritor que ela encontrará mais tarde. Comece com vinte a trinta minutos de Leitura, três vezes por semana, na primeira grade; sua intenção é evoluir até chegar a 45 ou 60 minutos na quarta grade. No final deste capítulo, você encontrará uma lista dos autores mais importantes de cada período. Procure, na seção infantil da biblioteca, por livros sobre as vidas desses escritores e paráfrases de suas obras. Nós oferecemos a você uma lista com alguns de nossos recursos favoritos : adaptações de mitos antigos, da Ilíada e da Odisseia, de Shakespeare e de Dickens . Alunos da primeira grade que estej am estudando os antigos podem começar com os contos de fadas chineses e j aponeses, histórias da Bíblia, mitologia greco-romana, fábulas de Esopo, histórias sobre os grandes gregos e romanos e versões simplificadas de Homero. Susan e seu marido Peter investiram seis semanas na leitura de uma versão infantil ricamente ilustrada da Ilíada com seus filhos de seis e quatro anos . Uma vez que as crianças não haviam aprendido a ter medo dos clássicos, ficaram encantadas e até fizeram um teatro de marionetes com seus bichos de pelúcia: "A Queda de Troia " , estrelando um ursinho de pelúcia no papel de Ajax. Não despreze o valor dos audiolivros como um suplemento ( e não u m substituto ) à Leitura. A maioria dos estudantes no nível da quarta grade, por exemplo, não será capaz de ler Shakespeare de forma independente, mas ouvirá atentamente a uma versão dramatizada de Como Gostais ( ou da Odisseia, ou de Oliver Twist, ou ainda à voz de Robert Frost lendo seus próprios poemas ) . As biografias listadas nos recursos de Histórias também podem ser lidas ( você verá que as tarefas de História e de Leitura se sobrepõem um pouco - isto aj uda à compreensão do estudante, uma vez que História oferecerá o con­ texto necessário à apreciação de seus estudos literários. Em termos gerais, inclua a Literatura imaginativa - histórias, mitos, contos de fadas, poemas, novelas - na seção " Minhas Leituras " do caderno de 1 22

PALAVRAS, PALAVRAS, PALAVRAS

Literatura . Já os livros factuais e biografias devem ser incluídos no caderno de História . Vej a uma explicação completa no capítulo 7) . Não limite a leitura do estudante às obras de nível de primeira ou segunda grades. Ele já está praticando a leitura independente durante seus " períodos de leitura " , de modo que você possa se sentir à vontade para ler para ele durante o estudo de Literatura. De fato, estudantes que apresentam dificuldades podem beneficiar-se ao máximo das sessões de leitura em voz alta de obras literárias; ouvir em voz alta a história de um animado livro ilustrado é divertido, e mostra à criança que a Leitu­ ra não será sempre puro trabalho duro. Algumas das mais fascinantes obras estarão acima do nível de leitura de qualquer criança pequena. Por exemplo, nós recomendamos diversas versões interessantes e belamente ilustradas da Odisseia para leitura na primeira grade. Estes livros esta­ rão bem acima da habilidade da maioria dos leitores de primeira grade. Mas experimente lê-los em voz alta : os alunos de primeira grade ficarão fascinados com as aventuras de Odisseu e as ouvirão boquiabertos. A seção "Minhas leituras " do caderno de linguagem tornar-se-á um registro da Literatura que a criança leu e gostou ou que você tenha lido para ela. Embora você não deva obrigá-lo a fazer um relatório sobre cada um dos livro que ler, você deveria pedir, pelo menos duas vezes por semana, que lhe contasse o enredo do livro que você acabou de ler. Crianças mais novas exigirão que você faça perguntas específicas: " Qual foi a coisa mais divertida que aconteceu no livro ? " , " Qual foi o seu per­ sonagem favorito e

o

que ele fez ? " são duas perguntas úteis para aj udar

a criança a estreitar o foco no tema central do livro. Algumas crianças de terceira e quarta grades serão capazes de responder à pergunta mais genérica: " Sobre o que é o livro ? " , enquanto outras precisarão de mais orientação. Sej a como for, aj ude a criança a limitar a resposta a não mais do que cinco frases. Chamamos de " narração " a estas respostas orais a perguntas sobre o livro. Aprender a identificar um ou dois itens sobre um livro como mais importantes do que os demais é um primeiro passo vital para o aprendiza­ do da Escrita; uma criança terá grande dificuldade em escrever enquanto não puder escolher uma ou duas das ideias em sua mente como centrais em sua redação. Na primeira e na segunda grades, você escreverá sua 123

A MENTE BEM TREINADA

narração, fará a criança lê-la para você e a arquivará na seção " Minhas leituras " . A maioria das crianças em nível de primeira grade se divertirá desenhando ilustrações com giz de cera para ilustrar essas narrações. Você também pode copiar poemas favoritos na seção " Minha Leitura " e permitir que a criança decore as páginas com adesivos e purpurina. Na terceira e na quarta grades, os estudantes podem começar a escrever suas próprias narrações (vej a a seção " Escrita " nas páginas 1 3 1 e ss. para uma descrição do processo de redação no nível elementar) . A narração elimina a necessidade d e " exercícios d e interpretação de textos " . Em vez de aprender a completar lacunas, a criança usa todas as suas faculdades mentais para entender, lembrar-se e relacionar os principais pontos da história. A cada três ou quatro semanas, a criança deveria memorizar um poema e recitá-lo para você . Memorização e recitação são partes im­ portante do processo de leitura, pois exercitam a memória da criança, armazenam uma linguagem bela em sua mente e oferecem a oportunidade de falar em voz alta (numa preparação precoce para o estágio retórico ) . Sua meta é a memorização de, pelo menos, quatro a oito poemas curtos a cada ano escolar. Escolha poemas que a criança tenha lido e apreciado, sej a durante suas leituras " obrigatórias " ou durante seu tempo "livre " , o u use o s recursos d e memorização sugeridos n a lista d e Recursos. Estes poemas não precisam estar vinculados à progressão da Literatura antiga até a moderna: permita que a criança memorize qualquer coisa de que gostar. Faça uma gravação de si mesmo ou da criança lendo o poema e permita que ela a ouça repetidamente. Quando ela puder recitar o poema j unto com o áudio, desligue a gravação e peça que ela se levante e recite-o por si mesma. A maioria das crianças não gosta de fazer isso - não porque não possam memorizar, mas porque não gostam de ser observadas enquanto recitam. Permita que pratiquem em frente ao espelho ou de seus bichi­ nhos de pelúcia. Então, faça com que se levantem e, sem mexer as mãos e os pés, recitem o poema em frente a você. Quando conseguirem fazer isso, traga mais um membro para a plateia : seu cônj uge, um avô, um vizinho. Você estará, agora, desenvolvendo em seu filho a habilidade de falar em público. 1 24

PALAVRAS, PALAVRAS, PALAVRAS

Quando um poema tiver sido memorizado e recitado de um modo satisfatório, escreva-o ( ou peça à criança que o faça, caso suas habili­ dades de Escrita estej am à altura da tarefa ) e acrescente-o à seção de " Exercícios de Memorização " do caderno de linguagem, anotando a data da recitação. Isto também servirá como recompensa - uma prova visual da realização da criança - bem como um lembrete para rever os exercícios de memorização em intervalos de poucas semanas. Você também seguirá este padrão básico durante a segunda, terceira e quarta grades. Os estudantes da segunda grade deveriam gastar pelo menos trinta minutos por dia lendo literatura da Idade Média e do início da Renascença: contos simples de Chaucer e Shakespeare, escritos para crianças; livros sobre a vida de Shakespeare; histórias do Rei Arthur e dos Cavaleiros da Távola Redonda. Nós apresentamos uma lista de recursos no final deste capítulo. Tal como na primeira grade, você pode ler em voz alta qualquer coisa que estej a acima do nível de Leitura da criança. Continue preparando páginas de caderno uma ou duas vezes por semana e arquivando-as na seção " Minhas Leituras " do caderno de Literatura. Ao chegar à segunda grade, a maioria das crianças poderá ditar narrações curtas para você e, então, copiar por si mesmas algumas dessas narrações. Continue a memorizar poemas e quaisquer discursos que a criança encontre - e de que goste - em suas leituras. Sua meta é a memorização de oito a doze peças durante a segunda grade. Se pos­ sível, aumente a plateia para incluir avós e amigos. Seu filho em nível da terceira grade passará de trinta a quarenta minutos por dia lendo os escritores da Renascença tardia ao período pré-Moderno, que inclui John Bunyan3 (a versão simplificada de O Pe­ regrino - A Viagem do Cristão à Cidade Celestial) e Charles Dickens (versões adaptadas) , bem como a poesia mais simples de Wordsworth4 e Blake5• Nós oferecemos uma lista completa no final deste capítulo. Por volta da terceira grade, você deveria encoraj ar seu filho a ler tudo por 3 4

5

Nota do tradutor: John Bunyan, escritor e pastor inglês ( 1 628-1 6 8 8 ) . Nota do tradutor: William Wordsworth ( 1 770-1 8 5 0 ) foi um grande poeta britânico que, j unto com Samuel Taylor Coleridge, aj udou a dar início ao período Romântico na literatura inglesa com a publicação conjunta, no ano de 1 79 8 , de suas Lyrical Ballads ( Baladas Líricas ) . Nota do tradutor: William Blake ( 1 75 7-1 827), poeta e pintor inglês considerado uma das figuras fundamentais na poesia e nas artes visuais do período Romântico.

125

A MENTE BEM TREINADA

conta própria; leia para ele apenas se você quiser que ele tenha contato com um original em vez de uma adaptação ( Um Cântico de Natal é um bom livro para ler em voz alta ) ou caso ele ainda tenha dificuldade com a mecânica da leitura . Não tenha medo de indicar versões adaptadas e simplificadas dos Clássicos. Nas grades 5 a 8 , ele novamente fará o ciclo de estudos de Antiguidade, Idade Média, Renascença e Modernidade. Caso ele j á tenha lido uma versão simplificada de Grandes Esperanças de Charles Dickens, ele já conhecerá as linhas gerais do enredo e não se sentirá intimidado pelo original . Continue a fazer páginas de anotações no caderno uma ou duas vezes por semana, incluindo resumos dos livros que a criança estej a lendo. Por volta do final da terceira grade, seu filho poderá ser capaz de narrar o enredo de uma história para você e escrevê-lo por si mesmo, sem a etapa intermediária de ditar e, então, copiar. Em resumo, nós te­ remos gradualmente aberto o caminho da criança até o ponto em que ela escreverá seus próprios parágrafos. Tenha a meta de fazer seu filho memorizar e recitar de doze a quin­ ze poemas e discursos durante a terceira grade. O estudo da História e da Leitura da terceira grade cobre o período que vai de 1 600 a 1 8 50, período durante o qual abundam os grandes documentos e discursos americanos (o preâmbulo à Constituição; a Declaração da Independência; o discurso " Dê-me a Liberdade '' , de Patrick Henry6, entre outros ) . A terceira grade é uma ocasião ideal para memorizar esses fundamentais trabalhos americanos. A criança no nível da quarta grade lerá e fará páginas de anota­ ções no caderno sobre a Literatura do período moderno, de 1 8 5 0 ao presente. Nós listamos algumas sugestões no final do capítulo, mas as crianças variam amplamente em suas habilidades de leitura na quarta grade. Sua melhor aposta seria consultar uma bibliotecária. Não negli-

6

Nota do tradutor: Patrick Henry ( 1 736-1 799 ) foi um advogado, fazendeiro e político americano que se tornou conhecido por seus discursos durante o movimento da in­ dependência dos Estados Unidos no estado da Virgínia. É considerado um dos " pais fundadores" dos Estados Unidos da América.

126

PALAVRAS, PALAVRAS, PALAVRAS

gencie a poesia: Carl Sandburg7, T. S . Eliot8, Walter de la Mare9 e outros grandes poetas do período moderno escreveram muita coisa que pode ser desfrutada por crianças. Um resumo escrito por um estudante no nível da quarta grade deveria preencher pelo menos três quartos de uma página de caderno . Não é necessário que seu estudante em nível elementar responda a questões críticas sobres os livros que lê, sej a de Literatura ou de outras disciplinas que estej a estudando. Embora alguns j ovens leitores pos­ sam divertir-se conversando sobre o desenvolvimento do enredo e as motivações dos personagens, a maioria ainda se encontra no estágio de absorção - entender como funcionam as histórias, encontrar heróis e vilões diferentes, ouvir diferentes tipos de linguagem e diálogo. Os anos do ensino elementar são a época de preencher a mente do estudante com tantas histórias diferentes quanto possível. Esse procedimento servirá como material bruto para o pensamento crítico em Literatura, que rece­ berá um tratamento mais sério durante as grades intermediárias . Pedir a estudantes em tenra idade que critiquem Literatura em uma idade muito precoce pode ser contraproducente - isso encoraj a o aluno a extrair conclusões precipitadamente, transforma a Leitura em trabalho penoso e exerce um dano potencial ao seu florescente amor pelos livros. Sempre haverá tempo para desenvolver habilidades em análise literária nos anos vindouros. O rtog rafia

A Ortografia é o primeiro passo na Escrita. Antes que você possa registrar uma palavra no papel, você precisa saber quais letras deve usar. Você poderá começar o estudo da O rtografia assim que o estu­ dante tiver decorado todas as consoantes e vogais e puder pronunciar palavras de três letras com vogais breves, mas não haverá problema em esperar até que a criança tenha estudado também as palavras com 7 8

9

Nota do tradutor: Carl Sandburg ( 1 8 78-1 967) foi um poeta, escritor e editor americano, laureado por seus poemas e por sua famosa biografia de Abraham Lincoln . Nota do tradutor: Thomas Stearns Eliot ( 1 8 8 8- 1 9 6 5 ) foi um poeta ensaísta, drama­ turgo, editor e crítico literário nascido nos Estados Unidos e naturalizado britânico ( 1 927), considerado um dos maiores poetas do século XX. Nota do tradutor: Walter John de la Mare ( 1 8 73-1 9 5 6 ) foi um poeta, contista e novelista inglês, mais conhecido por seus trabalhos em literatura infantil.

127

A MENTE BEM TREINADA

combinações e vogais longas. O estudante também deverá ser capaz de traçar suas próprias letras. Ele não precisará ter aprendido a escrever com facilidade; muitas crianças ( especialmente meninos ) demandam tempo para desenvolver as habilidades motoras associadas à Caligrafia. É perfeitamente aceitável esperar um pouco mais e começar as lições de Ortografia na segunda grade; pois a primeira grade já é um ano muito atarefado. No começo, a Ortografia é apenas a fonética ao reverso. Na cartilha fonética, seu filho já encontrou algumas regras ortográficas básicas. Por exemplo, a regra de Leitura "O 'e ' mudo no final de uma palavra faz a vogal dizer o seu nome "1º também é uma regra de Ortografia; ela diz a você que palavras inglesas como late, em que o " a " diz o seu nome, precisa ter um " e " mudo no final. Agora, chegou a hora da criança apli­ car essas regras de leitura às palavras que desej a escrever. A Ortografia é, portanto, uma questão de transformar regras de Leitura em regras de Escrita. Assim, quando você começar a exercitar a Ortografia, você não terá necessidade de investir em um programa de Ortografia em separado. Você poderá voltar à página em que sua cartilha fonética combinou pela primeira vez sons consoantes e vogais em palavras, e revisar a regra com seu estudante ( " quando você vir as letras " s " e " h " lado a lado, você deverá dizer o som /sh/, tal como em " sh, sh, não acorde o bebê ! " , confiram j untos a lista de palavras dadas (ship, shop, shed, shut, shall, shack ) e, então, dite a lista de palavras para que o estudante as escreva a título de prática de Ortografia. Dite tantas palavras quantas o estudante se sentir à vontade para escrever. Infelizmente, o Inglês não é um idioma completamente fonético1 1 ; os estudantes encontram numerosas palavras que são exceções à s regras fonéticas enquanto aprendem a escrever. É por isso que muitos pais desej arão investir em um programa de Ortografia separado. 1 O Nota do tradutor: os exemplos desta seção são, evidentemente, válidos para a Língua Inglesa . Não os adaptamos para o Português porque se referem especificamente a formulações encontradas nos livros citados pelas autoras . 1 1 Nota do tradutor: O mesmo fenômeno ocorre na Língua Portuguesa, idioma em que, pelas razões mais diversas, encontramos palavras com grafia fonética, etimológica, histórica e, até mesmo, política, por imposição de reformas ortográficas governa­ mentais e acordos internacionais.

128

PALAVRAS, PALAVRAS, PALAVRAS

Em nossa seção de "Recursos " , listamos alguns programas diferentes, desde o mais simples até o que exige maior dedicação de tempo. Você pode substituir qualquer um deles pela abordagem de cartilha em qualquer ponto, ou começar a usá-los no nível da grade após finalizar a revisão das regras da cartilha. Sej a qual for o recurso escolhido, caso você comece na primeira grade, agende de dez a quinze minutos diários para o estudo da Ortografia durante as grades elementares; nós não recomendamos que você permita que o estudo da Ortografia consuma todo o tempo dedicado ao estudo das Artes da Linguagem. Lembre-se de não vincular a instrução Ortográfica à Leitura (ou à Escrita - mais sobre esse tema na seção sobre Escrita, a seguir) . Alguns estudantes são ortógrafos naturais; outros precisam de uma instrução direta mais intensa. Um estudante que estej a pronto para progredir da "copiarte " para o ditado (confira a página 1 3 3 ) , ou do ditado para a Redação do estágio Lógico, deve dar esse salto mesmo que ainda estej a exercitando-se na Ortografia de segunda ou terceira grades; simplesmente dê-lhe tanta aj uda quanto necessário enquanto estiver escrevendo e corrija seus erros ortográficos sem muito estardalhaço. Ortografia, Gramática, Leitura e Escrita são habilidades relacionadas, mas que exigem diferentes tipos de domínio. É importante permitir que os estudantes progridam em ritmo natural em cada uma das áreas de Artes da Linguagem sem frustrá-los limitando o seu progresso à lentidão de seu avanço na pior disciplina. Por esta razão, você não encontrará, entre nossas recomendações, um currículo integrado de Artes da Linguagem que tente lidar simultaneamente com todas essas quatro áreas de estudo. G ra m ática

Você começará a ensinar a Gramática oralmente na primeira grade, procedendo a uma lenta transição rumo a lições que requerem prática mais física de escrita manual. Nos anos do nível elementar, a Gramática envolve o aprendizado dos nomes das partes do discurso (um substantivo é o nome de uma pessoa, lugar, coisa ou ideia ) , das relações adequadas entre as partes do discurso ( substantivos no singular pedem verbos no singular ) , e da mecânica da língua escrita ( indentação de parágrafos, uso de aspas, e assim por diante ) . Por que incomodar-se com a Gramática tão cedo ? 129

A MENTE BEM TREINADA

A Gramática e a Ortografia são, ambas, habilidades de apoio para a linguagem escrita, a qual abordaremos brevemente. De muitas manei­ ras diferentes, a linguagem escrita é um código não-natural, inventado pelos seres humanos muito, muito tempo depois de termos aprendido a falar. A linguagem escrita é muito dessemelhante à linguagem falada, apresentando diferentes regras e convenções. ( Em caso de dúvida, dê uma olhada na transcrição de uma entrevista oral - linguagem falada que, muitas vezes, soa erudita e inteligente, com frequência torna-se incoerente quando registrada no papel } . A meta d o estudo d a Gramática é transformar essas regras numa espécie de segunda natureza para o estudante numa fase de sua vida em que seu cérebro está particularmente a berto ao aprendizado da linguagem. Caso você ensine um escritor iniciante o uso correto dos pontos-e-vírgulas, a diferença entre uma frase completa e uma frase incompleta, bem como o uso adequado das vírgulas para dividir uma série de substantivos, esse conhecimento manifestar-se-á quando ele fizer seus exercícios de copiarte e ditado. Quando chegar a época de progredir para as primeiras redações independentes, ele não terá de parar para pensar sobre seu uso da pontuação e da sintaxe, pois a forma correta j á estará a utomatizada . Caso, por outro lado, seu escritor de quarta ou quinta grade precise avaliar constantemente a mecânica da Escrita durante o ato de escrever, ele ficará constantemente " travado " . A cada vez que ele parar para pensar na forma, perderá o fio do pensamento e terá de recapturá-lo. O estudo precoce da Gramática é um modo de evitar a relutância na Redação das grades intermediárias. " Estudar precocemente a Gramática" não significa investir grande número de horas no livro de exercícios. Na primeira e na segunda gra­ des, os estudantes simplesmente não podem fazer um esforço excessivo de escrita manual: o desenvolvimento dos músculos das mãos consome tempo com exercícios lentos e disciplinados. Os exercícios de Escrita propriamente ditos consumirão a maior parte da energia do estudante. Assim, os exercícios de Gramática devem ser feitos oralmente, sej a usando um texto da linguagem oral ou adaptando uma Gramática tradicional, concentrada em livros de exercícios, para uso oral. ( Leia a lição com 1 30

PALAVRAS, PALAVRAS, PALAVRAS

seu estudante, leia definições para que ele repita até que ele as tenha memorizado e, então, faça exercícios pedindo que ele responda para você oralmente ou aponte as respostas na página ) . Um programa tradicional de Artes da Linguagem exige uma quantidade muito maior de escrita manual por parte dos estudantes em nível de primeira e segunda grades; sej a sensível às limitações físicas de seu filho. Se ele disser que parece que sua mão vai cair, acredite nele. Dê uma pausa à sua mãozinha. Na primeira grade, são suficientes de dez a quinze minutos diários de estudo da Gramática; esse tempo pode ser expandido para vinte minutos na segunda grade, sendo que a maior parte da instrução será feita oralmente. Estudantes em nível de terceira grade podem completar maior número tarefas no livro de exercícios e, na quarta grade, o tempo de estudo da Gramática pode se expandir até chegar a trinta minutos diários. Nós listamos nossos programas favoritos de linguagem oral e de Gramática tradicional. Na maioria dos casos, nós sugerimos que você não complete qualquer elemento de Escrita do programa de Gramática. Em nossa experiência, os programas de Artes da Linguagem tendem a ser bons ou em Gramática ou em Escrita, pois ou a Gramática pade­ ce (tornando-se não sequencial e confusa ) ou a Escrita é rígida e mal concebida . Ao final da quarta grade a criança deverá saber os nomes próprios e os usos de todas as partes do discurso, as regras de pontuação e uso de maiúsculas, uso do dicionário e estrutura sintática adequada. Até que estas habilidades básicas sej am dominadas, ela não será capaz de usar a linguagem com o domínio requerido pelo estágio Lógico. Escrita

No nível iniciante, a Escrita limita-se à prática da Caligrafia. Tanto quanto a criança puder, aumente o tempo de prática de 5 até chegar a 1 5 minutos por dia usando um livro de escrita manual como o Zaner­ -Bloser ou a série Handwriting Without Tears (vej a detalhes no capítulo 4 ). Tradicionalmente, as crianças atingem a etapa da escrita cursiva na segunda grade. Caso você estej a usando o programa de escrita manual da Zaner-Bloser recomendado no capítulo 4, você começará a usar o 131

A MENTE BEM TREINADA

livro Grade 2 C Student Book por volta do início do ano da segunda grade; este livro começa com prática de letras manuscritas e, em seguida, avança para a escrita cursiva. O programa Handwriting Without Tears introduz a escrita cursiva mais tarde (próximo à terceira grade) . De todo modo, até que a criança se sinta à vontade com todas as letras cursivas ela poderá usar letras de imprensa em suas tarefas de Ortografia e Escrita. Certifique-se de fazer seu pedido de papel adequado à segunda grade, com linhas mais estreitas do que o do papel da primeira grade ( para fazer o seu pedido, vej a informações nas páginas 1 66 e 1 67 ) . Prossiga com os exercícios de caligrafia até o final da quarta grade. E sobre a " Escrita de verdade " , isto é, a Redação ? A Redação é uma habilidade difícil porque requer que a criança expresse o conteúdo ao mesmo tempo em que está adquirindo as fer­ ramentas de expressão. Por essa razão, a instrução inicial sobre Escrita deve se concentrar no desenvolvimento dessas ferramentas em vez de fazer grandes exigências para que se produza um conteúdo original. Nas grades 1 a 4, os estudantes devem avançar desde a copiarte até o ditado, e desde as narrações orais de passagens da História, Ciência ou Literatura, até as narrações escritas. É importante compreender porque você se concentra em cópia, ditados e narrativas em vez de redações e relatórios de leitura de livros. Primeiro, o escritor traduz uma ideia em palavras e, só depois, assenta essas palavras no papel. IDEIA INARTICULADA

----.

IDEIA EM PALAVRAS

IDEIA EM PALAVRAS

----.

PALAVRAS NO PAPEL

Escritores maduros podem desempenhar ambos os passos sem prestar muita atenção ao fato de que estão desempenhando duas ope­ rações diferentes. Mas, para o escritor iniciante, até mesmo um simples exercício de Redação ( " escreva o que você fez nesta manhã " ) requer o desempenho simultâneo de duas tarefas novas e difíceis . E, assim, o estudante se atrapalha - tal como um bebê que mal aprendeu a andar ficará atrapalhado se você pedir a ele que desempenhe outra tarefa (tal como coçar a cabeça ) enquanto anda . Toda a atenção do bebê precisa estar voltada para a movimentação de seus pés até que essa ação se torne automática. Se você pedir a ele que ande e coce a cabeça, ele pro1 32

PALAVRAS, PALAVRAS , PALAVRAS

vavelmente " congelará" no lugar onde está, balançando para frente e para trás sem saber ao certo o que deve fazer - tal como muitos j ovens escritores . Alguns jovens estudantes - aqueles dotados de afinidade natural com as Artes da Linguagem - conseguem absorver esse processo intuitivamen­ te. Mas a maioria necessita ser ensinada explicitamente a desempenhar ambas as tarefas. Como é importante não ensinar aos estudantes a fazer duas coisas novas e difíceis ao mesmo tempo, é importante dividir o processo. Aj ude-o a registrar as palavras no papel usando exercícios de cópia e ditado . Quando ele puder desempenhar ambas as tarefas facil­ mente, estará pronto para começar a redigir textos originais. Esta é a essência do bom ensino na tradição clássica: após a divi­ são de tarefas em seus elementos componentes, ensina-se os estudantes a executar cada elemento em separado antes de reuni-los novamente. O pianista pratica primeiro a mão direita e, em seguida, a mão esquerda, antes de reuni-las na execução da peça musical; o j ovem es­ critor pratica separadamente o processo de expressar ideias em palavras e o de registrá-las no papel antes de tentar praticá-lo simultaneamente. Comecemos pela segunda parte do processo - registrar as palavras no papel. Não é uma tarefa simples. Requer trabalho físico, coordenação motora fina e um entendimento das regras que governam a apresentação do texto: emprego de letras maiúsculas, pontuação, espaçamento, formação de letras. O estudante novato sequer sabe qual deve ser a aparência da linguagem escrita. Antes que possa registrar as palavras no papel, precisa acumular informação visual sobre a aparência das palavras. Assim, du­ rante a primeira grade, ela copiará frases de bons escritores, praticando a aparência e a sensação da linguagem adequadamente escrita. Uma vez que o estudante tenha-se habituado à reprodução, em seu próprio papel, de frases postas diante dele como modelo, você poderá remover o modelo. Agora que sua mente dispõe de um estoque de ima­ gens mentais de uma adequada linguagem escrita, ele aprenderá como visualizar uma frase por escrito em sua própria mente e registrá-la no papel. A partir da segunda grade, em vez de pôr um modelo em frente ao estudante, você ditará mensagens para ele. Isso o forçará a trazer à tona sua memória, a ver a frase em sua mente antes de escrevê-la. No tempo certo, você estará ditando duas ou três frases de cada vez para 133

A MENTE BEM TREINADA

o estudante, encoraj ando-o a manter em sua mente, enquanto escreve, trechos cada vez mais longos de texto . Muitos estudantes que enfrentam dificuldades com escrita redigem frases sem pontuação, capitalização ou espaçamento - uma pista de que j amais aprenderam a visualizar men­ talmente a linguagem escrita . Outros podem contar a você por escrito, com grande fluência, tudo o que desej am escrever; se você disser a eles : " Que ótimo! Agora escreva isso ! " , eles perguntarão " O que eu acabei de dizer ? " . Ambas são pistas de que os estudantes não aprenderam a visualizar frases e reter essas imagens em sua mente - habilidades essenciais para registrar palavras no papel. A progressão da copiarte para o ditado desenvolve essas habilidades. Ao mesmo tempo, você estará exercitando apenas a primeira parte do processo de escrita - expressar ideias em palavras - durante a prá­ tica da narração. A narração acontece quando o estudante traduz em suas próprias palavras algo que acabou de ler (ou de ouvir você lendo ) . Este procedimento começa e m u m nível muito simples : você lê para o estudante e dirige a ele perguntas específicas sobre o que acabou de ouvir, tais como " qual foi o acontecimento mais interessante nesta história ? " ou " sobre quem era essa história ? " . Você, então, pede-lhe que responda usando frases completas. À medida que o estudante ganha intimidade com o processo de narração, você poderá progredir rumo a questões mais genéricas, tais como: " Resuma em suas próprias palavras o que acabamos de ler " . Isto permite que o j ovem estudante pratique esta nova habilidade sem ter de se preocupar com a segunda parte do processo de escrita : o registro das palavras no papel. Durante a narração, você - o professor - escreverá no papel as palavras que ele disser enquanto ele observa. Ele poderá simplesmente concentrar-se na tarefa imediata sem preocupar-se com as dificuldades mecânicas de manej ar um lápis. ( Para os estudantes que ainda estão desenvolvendo suas habilidades de coordenação mo­ tora, isto é essencial; eles não conseguirão concentrar-se na narração caso estej am ponderando o quanto sua mão doerá quando tiverem de registrar sua narração por escrito ) . Por volta d a terceira grade, a maioria dos estudantes estará pron­ ta para começar a reunir as duas habilidades . Na terceira grade, os 1 34

PALAVRAS , PALAVRAS, PALAVRAS

estudantes começarão a usar parte de suas próprias narrações como exercícios de ditado. Eles farão a narração para você; você a escreverá e ditará para ele a primeira frase. Com o tempo, eles perceberão que, para escrever, tudo o que precisam fazer é expressar uma ideia em palavras ( algo que terão praticado extensamente usando a narração ) e a registrar e s s a s palavras no papel ( um hábito adquirido com a prática do ditado ) . Durante o s últimos dois anos das grades elementares, concentre-se em promover para o estudante a aproximação contínua entre essas duas habilidades. Alguns estudantes serão capazes de reunir os dois passos instintivamente, sem maior esforço. Mas muitos necessitarão ser conduzidos gradualmente ao longo desse processo, com o emprego de muitos exercícios práticos, até que se torne uma segunda natureza - e, caso não façam esses exercícios, continuarão a apresentar dificuldades quando chegarem ao nível intermediário, ao nível médio e além. É completamente normal que os estudantes continuem exercitan­ do-se nesse processo durante toda a quarta grade. Estudantes um pouco mais precoces devem continuar a escrever suas narrações, mas podem evoluir para a redação de frases e parágrafos ( vej a a seção de Recursos, páginas 1 69-1 7 1 ) . Será que este processo inibe a criatividade ? Não - ele desenvolve as habilidades de que a criança necessita para tornar-se verdadeiramente criativa. Quando um estudante em nível de primeira grade copia uma frase de A Teia de Carlota, ele está aprendendo Ortografia, mecânica (pontuação e assim por diante ) , Gramática básica (concordância de suj eito com verbo, uso de adj etivos) e vocabulário, tudo isso de um mestre da prosa em Língua Inglesa. A criança necessitará de toda esta informação para redigir as frases que ela formará em sua própria cabeça. Jack London aprendeu a escrever copiando literatura na Biblioteca Pú­ blica da cidade de São Francisco ( EUA ) ; Benj amin Franklin aprendeu a escrever copiando ensaios de The Spectator12• O aluno clássico aprende a escrever copiando textos de grandes escritores. Caso seu filho em nível de primeira grade sinta um súbito desej o de escrever uma história, um poema, uma carta a um amigo ( ou para 1 2 Nota do tradutor: The Spectator é uma revista semanal britânica fundada em 1 828, dedicada à política, com orientação editorial conservadora .

135

A MENTE BEM TREINADA

Papai Noel ) , deixe de lado os exercícios de cópia e aj ude-o a realizá-lo. Arquive as histórias e poemas no caderno de Escrita. Se possível, faça uma fotocópia da carta antes de enviá-la e arquive a cópia. Mas, no dia seguinte, volte ao trabalho rotineiro com exercícios de cópia. Você está assentando a fundação para o ditado (segunda grade ) que, por sua vez, desenvolverá as habilidades necessárias à redação de textos originais (terceira, quarta grades . . . e pelo resto da vida de seu filho ) . Incentive quaisquer impulsos criativos . S e a criança tiver uma inclinação para a narração de histórias, você poderá seguir o mesmo padrão que estiver aplicando para a narração: escreva as histórias que a criança em nível de primeira grade contar e arquive-as no caderno; escreva as histórias que o estudante em nível de segunda grade lhe contar e faça-o copiá-la com sua própria letra; aj ude uma criança em nível de terceira ou quarta grades a escrever suas próprias histórias e poemas sem um modelo escrito . Mas não exij a que a criança sej a criativa durante o estágio Gramatical da educação. Ela ainda estará absorvendo e assimilando. Se for naturalmente criativa, tudo bem. Em caso negativo, a exigência de criatividade será contraproducente . Em muitos casos, a criatividade será desenvolvida mais tarde, uma vez que a criança estej a à vontade com suas habilidades de redação. Além disso, algumas crianças j amais serão escritores criativos. Não há problema algum nisso, pois elas ainda terão as habilidades de redação expositiva de que necessitam . Que programas você deveria utilizar ? Recomendamos alguns recursos d e copiarte e ditado, ao final deste capítulo, para os pais que não se sintam à vontade com Artes da Linguagem ou que necessitam de um pouco mais de estrutura, bem como algumas boas opções para progredir rumo à redação de frases e parágrafos. Mas você não precisa de um "currículo de Escrita " para ensinar essas habilidades . Copiarte, ditado e narração podem ser pra­ ticadas como parte do estudo de Literatura, História e Ciência. Nós j á recomendamos narração como parte d o estudo d e Literatura (página 1 2 3 ) e você também nos verá sugerindo narrações em História e Ciência. Copiarte e ditados também podem ser extraídos do trabalho do estudante em todas as disciplinas do currículo. Você pode escolher frases de boa Literatura (E. B. White, C . S. Lewis, Lynn Reid Banks ) 136

PALAVRAS, PALAVRAS, PALAVRAS

ou dos estudos que a criança estej a fazendo em História e Ciência. Planej e-se para evoluir desde frases com cinco palavras até frases mais longas e complexas. Escreva essas frases (em sua melhor caligrafia ) em papel de manuscrito para a primeira grade ( vej a informações sobre pedidos nas páginas 1 6 6 e 1 6 7 ) . Ponha o papel em frente à criança e peça que ela copie a frase. Neste estágio, é melhor sentar-se j unto com a criança e corrigi-la quando ela cometer um erro . Não há vantagem em permitir que ela copie incorretamente . Ela sempre deverá usar um lápis, para que possa apagar e corrigir em caso de necessidade. Estimule-a a comparar frequentemente o seu trabalho com o modelo. Elogie-a quando terminar! Arquive o trabalho de copiarte no caderno de Redação . Uma vez que s e u filho estej a copiando frases c o m maior facili­ dade, progrida para o ditado ( normalmente, por volta da segunda grade ) . O processo é simples: dite uma frase curta lentamente para a criança enquanto ela escreve. Selecione frases de sua cartilha fonética, ou de seus livros de História, Ciência ou Literatura . Caso a criança cometa um erro, interrompa-a e faça-a escrever novamente a palavra . Ofereça-lhe toda a aj uda necessária com pontuação e Ortografia . Certifique-se de que ela use um lápis, para que sej a capaz de apagar e corrigir enquanto avança. Lembre-a de usar espaçamento adequado enquanto escreve . E isso é tudo. Inicialmente, esta atividade tomará muito tempo. Comece com palavras simples em frases muito curtas, de três ou quatro palavras, no máximo ( " O gato sentou-se " ) . Você terá de aj udar a criança a pro­ nunciar as letras, lembrando-a de suas aulas de fonética ( e dizendo as respostas caso ela fique " travada " ) . Não frustre o seu filho, especial­ mente no início: " Quais são as letras que fazem o som /k/ na palavra 'quero '? ' Q ' e 'u', lembra ? Agora escreva um 'q' e um 'u'. Você se lembra qual é a letra que vem no final da palavra 'que'? Não ? É a letra ' e '. 'Que'. Agora a palavra 'cão '. Você se lembra de quais são as letras que fazem o som lkl? É um " q " ou um " c " que vem no começo de " cão " ? Agora, qual é a letra que faz aquele som do meio ? " . A criança que tenha passado a primeira grade fazendo cópias já terá uma memória visual das palavras mais comuns . Mas, durante a transição da cópia para o ditado, você deverá aj udá-la a desenvolver as habilidades de 137

A MENTE BEM TREINADA

pronunciar e escrever palavras sem olhar para um modelo. Quando ela terminar de escrever, elogie algum aspecto de seus esforços. Como toda nova habilidade, esta também parecerá difícil inicial­ mente. Mas um breve período de exercício - três dias por semana, de dez a vinte minutos a cada vez - resultará em um rápido desen­ volvimento nas habilidades de escrita. Quando estas frases curtas se tornarem fáceis, avance para o dita­ do de frases da Literatura - qualquer frase de dez a quinze palavras constante nos livros da criança. Susan gosta muito dos livros de E. B. White : A Teia de Carlota, Stuart Little e O Cisne Apaixonado. O livros de White estão cheios de frases divertidas e ele é um maravilhoso estilista . As Crônicas de Nárnia, de C. S. Lewis, também são outra boa fonte de frases para ditado. Repita as frases ditadas tantas vezes quantas forem necessárias, mas sempre repita o trecho inteiro desde o início e estimule a criança a repetir o que você está dizendo - não dite uma palavra de cada vez ( isto não aj uda em nada o desenvolvimento da memória do estudante ) . Ofereça toda a aj uda de que a criança precisar em pontuação e Ortografia. No nível da terceira grade, incentive a criança a fazer todo o tra­ balho formal usando a escrita cursiva . Continue a praticar Caligrafia . Exij a que todo o trabalho sej a feito de forma limpa; não tenha medo de dizer a um aluno em nível de terceira grade para copiar novamente um exercício que tenha feito de forma descuidada. Use papel para terceira grade em todos os exercícios de Escrita . Os estudantes em nível de terceira grade devem continuar a fazer exercícios de ditado três vezes por semana . A maioria das crianças nesta fase pode agora progredir para frases mais complexas ou para duas ou três frases de cada vez. Ainda na terceira grade, comece a usar, em algumas lições de ditado, as narrativas do próprio estudante sobre Literatura, Ciência e História. Ao chegar à quarta grade, o estudante deverá ser capaz de escrever várias frases a partir de um ditado, inserindo sinais de pontuação tais como aspas e pontos-e-vírgulas onde necessário. Um típico ditado de quarta grade, repetido quantas vezes o estudante necessitar, pode ser o seguinte : "A casa era, de fato, um castelinho. Parecia ser toda torres; tor­ rezinhas com longos e pontudos pináculos, agudos como alfinetes. 138

PALAVRAS, PALAVRAS, PALAVRAS

Assemelhavam-se a enormes chapéus de bobos ou chapéus de bruxos. E elas brilhavam ao luar, e suas longas sombras pareciam estranhas sobre a neve ! Edmundo começou a sentir medo da casa " 13 • O aluno da quarta grade que escreve desta forma está praticando pontuação ( pontos-e-vírgulas e pontos de exclamação ) , vocabulário (o que é um "pináculo " ? ) , e Ortografia ( " torrezinhas " , " chapéus " , " à luz " ) . Acima d e tudo, ele está aprendendo como é o som de uma vívida e evocativa descrição. Continue arquivando esses exercícios de ditado ou inclua-os na seção de " Escrita " do caderno de linguagem. Isso permitirá que seu filho aprecie retrospectivamente o próprio trabalho e vej a como melhorou e em que áreas da pontuação ele continua a enganar-se. Estudantes em nível de quarta grade devem também começar a registrar por escrito suas próprias narrações em Literatura, História e Ciência . Use papel para a quarta grade em todos os exercícios . E s c rita : o q u e faze r q u a n d o pa rece n ã o esta r d a n d o certo

Crianças que ainda tenham dificuldade com simples exercícios de cópia ao final da primeira grade, ou que ainda lutem para escrever narrações de uma única frase ao final da segunda grade devem ser avaliadas por um profissional - particularmente se essas dificuldades surgem combinadas a um progresso muito lento em Leitura. Dificul­ dades de escrita podem ser indicadores de dislexia; também podem ser um sinal de disgrafia, uma " deficiência de transcrição " que afeta a habilidade de traduzir a linguagem oral em línguagem escrita . Não permita que seu filho sofra anos de frustrações antes de buscar aj uda ! Vej a mais informações no capítulo 3 7 .

1 3 Texto original: "The house was really a small castle. l t seemed t o b e ali towers; little towers with long pointed spires on them, sharp as needles . They looked like huge dunce's caps or sorcerer's caps. And they shone in the moonlight and their long shadows looked strange on the snow ! Edmund began to be afraid of the house " . Fonte: C.S. Lewis, The Lion, the Witch and the Wardrobe ( New York: Macmilla, 1 9 7 8 ) , pp. 8 8-8 9 .

139

A MENTE BEM TREINADA

Visão g e ra l d o estu d o d e l i n g u a g e m Primeira Grade Leitura : Habilidades

15 a 2 0 min utos por dia de exercícios fonéticos; introduza períodos de Leitura com 3 0 minutos d e duração, 3 vezes por sema n a . Leituras em todos os três níveis ( instrucional, equivalente, a baixo do níve l ) toda semana .

Leitura : Literatura

2 0 a 30 minutos, 3 dias por semana, concentrando-se em mitos e lendas da Antiguidade; páginas de caderno ( narraçõe s ) 1 ou 2 vezes por semana; memorização de um poema a cada 3 a 6 sem anas.

Ortografia

10 a 15 minutos por dia, 3 a 4 dias por semana .

Gramática

10 a 15 minutos por dia, 3 a 4 dias por sema n a .

Escrita

Caligrafia 5 a 10 minutos por dia; cópia de frases curtas 2 a 3 vezes por semana; completar um total de 3 narrações por semana a partir dos estudos de Literatura (vej a acima ) , História e Ciênci a .

Segunda Grade Leitura : Habilidades

Completar o programa fonético; 3 períodos semanais de Leitura com 3 0 minutos de duraç ã o . Leituras em todos os três níveis ( instrucional, equivalente, a baixo do n íve l ) toda semana .

Leitura : Literatura

3 0 minutos, 3 dias por semana, concentrando-se em histórias da Idade Média; páginas de caderno ( narraçõe s ) 1 ou 2 vezes por semana; memorização de um poema a cada 2 a 4 semanas.

Ortografia

2 0 minutos por dia, 3 a 4 dias por semana.

Gramática

2 0 minutos por dia, 3 a 4 dias por semana.

Escrita

Caligrafia, 10 minutos por dia; introduzir a escrita cursiva na metade do ano; exercícios d e ditado 2 a 3 vezes por semana, completar um total de 3 narrações por semana a partir dos estudos de Literatura ( vej a acima ) , História e Ciênci a .

Terceira Grade Leitura : Habilidades

3 períodos semanais de Leitura com 3 0 minutos de duração. Leituras em todos os três níveis ( instrucional, equivalente, abaixo do nível) toda semana . (A instrução fonética prossegue até completar a cartilha ou programa adotad o ) .

Leitura : Literatura

3 0 a 4 5 minutos, 3 dias por semana, concentrando-se em Literatura do período da Renascença tardia ao período pré-Moderno; páginas de caderno ( narrações ) 1 ou 2 vezes por semana; memorização de um poema a cada 2 a 3 semanas.

Ortografia

20 minutos por dia, 3 a 4 dias por seman a .

140

PALAVRAS, PALAVRAS, PALAVRAS

Terceira Grade Gramática Escrita

2 0 a 30 minutos por dia, 3 a 4 dias por semana.

Caligrafia, 1 0 a 1 5 minutos por dia; exercícios de ditado 3 vezes por semana, completar um total de pelo menos 3

narrações por semana a partir dos estudos de Literatura (vej a acim a ) , História e Ciência .

Quarta Grade Leitura : Habilidades

3 períodos semanais de Leitura com 30 minutos de duração.

Leituras em todos os três níveis ( instrucional, equivalente, abaixo do nível) toda semana. (A instrução fonética prossegue até completar a cartilha ou programa adotado ) . Leitura: Literatura

30 a 45 minutos, 3 dias por semana; páginas de caderno ( narrações) 1 ou 2 vezes por semana; memorização de um poema a cada 2 a 3 semanas.

Ortografia

2 0 minutos por dia, 3 a 4 dias por semana .

Gramática

30 minutos por dia, 3 a 4 dias por semana.

Escrita

Caligrafia, 15 minutos por dia; o estudante deve escrever suas próprias narrações pelo menos 3 vezes por semana sobre Literatura (vej a acima ) , História e Ciência . Caso o estudante esteja escrevendo com facilidade, pode-se acrescentar construção de frases e parágrafos.

Rec u rsos

A maior parte dos livros pode ser obtida em qualquer livraria ou biblio­ teca; a maior parte dos currículos pode ser adquirida diretamente na editora ou em um grande fornecedor de material para Educação Domi­ ciliar, tal como o Rainbow Resource Center. Informações para contato com editoras e fornecedores estão disponíveis em www.welltrainedmind. com. Incluímos uma observação nos casos em que os títulos sugeridos têm disponibilidade limitada. Nos locais indicados, listamos os recursos em ordem cronológica (isto é, a ordem em que você os usará) . Os livros que fazem parte de séries foram listados em conjunto. Lembre-se de que opções adicionais de currículos e outras informações estão disponíveis em www.welltrainedmind .com. Os preços variam constantemente, mas incluímos os valores de 2 0 1 6 para que você tenha uma ideia do investimento necessário.

141

A MENTE BEM TREINADA

Leitu ra : H a b i l i d a d es Para informações sobre cartilhas fonéticas, vej a a lista de Recursos do capítulo 4 na página 99.

Ali About Reading. Eagle River, WI: Ali About Learning Press, 2 0 1 1-20 1 6 . Faça seu pedido à editora . Nós achamos que este é o programa Orton-Gillingham mais ade­ quado à idade e amigável aos pais entre os disponíveis no mercado. Desenvolvido pela pesquisadora de dislexia Marie Rippel, Ali About Reading é uma série em quatro níveis que usa o sistema Orton-Gillin­ gham mas evita as tarefas escritas. Os livros de exercícios que compõem a série usam cartões de memória, flip chart, exercícios de recortar e colar, entre outras atividades não ligadas à escrita para reforçar o aprendizado fonético. Cada " Teacher's Manual " ( Manual do Professor) contém entre quarenta e nove e sessenta e três lições roteirizadas, com diálogos su­ geridos e instruções claras para não especialistas. As lições começam com uma rápida preparação do instrutor; planej e fazer esta parte com antecedência; a maioria não tomará mais do que dez a quinze minutos. Cada lição contém de três a oito " mini-lições " ; faça tantas quantas o seu filho puder completar sem muito esforço em uma única tentativa. Por exemplo, a Lição 26 do Nível 1 (dedicada ao ensino dos sons ff, li e ss, bem como as palavras " de olhada " said e 1) contém sete mini­ -lições: Revisão, Mesclagem de Sons com Blocos de Letras, Completar Folhas de Atividades, Pontos da Bússola ( um j ogo ) , Prática de Leitura de Palavras, Ensino de Palavras " de Olhada " , Prática de Fluência. Já a lição imediatamente anterior tem apenas três lições: Revisão, uma breve tarefa de Leitura pelo estudante, seguida de vinte minutos de leitura em voz alta para o estudante. ( Caso você decida usar a série Ali About Reading, a seção " Tempo de Leitura em Voz Alta " que integra diversas lições poderá ser completada durante seus estudos de Literatura ) . Cada nível desta série requer u m Teacher's Manual ( Manual do Professor ) , um Student Packet ( Pacote do Estudante ) que inclui um livro de exercícios em capa mole e vários conj untos de cartões, além de um conj unto de livros para leitura escolar em capa dura . Você também precisará adquirir um Interactive Kit (Kit Interativo, contendo pastilhas 1 42

PALAVRAS, PALAVRAS, PALAVRAS

com letras, um aplicativo de Phonogram Sounds ( Sons de Fonogramas) e outros recursos aúxiliares ao aprendizado multissensorial) para a série inteira. Um quadro branco magnético de 60x90 centímetros é altamente recomendável, mas não obrigatório. A série All About Reading tomará consideravelmente mais tempo e esforço do que nossa abordagem de cartilha fonética, de modo que você precisará aj ustar o ensino das outras áreas das Artes da Linguagem: caso você gaste 45 minutos diários com a série All About Reading na primeira grade, você terá de gastar menos tempo nas sessões de Lei­ tura, Literatura, Gramática ou Escrita. Entretanto, essa redistribuição de tempo valerá a pena; os estudantes que necessitam da abordagem multissensorial provavelmente terão aprendido a ler bem ao final da quarta grade e estarão prontos para progredir no estudo de todas as outras áreas das Artes da Linguagem. Amostras de cada nível e testes de nivelamento estão disponíveis no website da editora. Reading Interactive Kit, $2 1 . 8 5 . Levei 1 , $99.95 .

Levei 1 Teacher's Manual Levei 1 Student Packet Run, Bug, Run! A Collection of Short Stories The Runt Pig: A Collection of Short Stories Cobweb the Cat: A Collection of Short Stories Levei 2, $ 1 1 9. 9 5 .

Levei 2 Teacher's Manual Levei 2 Student Packet What Am I? A Collection of Short Stories, 3 rd ed. Queen Bee: A Collection of Short Stories, 3rd ed. Levei 3, $ 1 1 9 .9 5 .

Levei 3 Teacher's Manual Levei 3 Student Packet Chasing Henry: A Collection of Short Stories Shipwreck! A Collection of Short Stories Levei 4, $ 1 1 9 . 9 5 .

Levei 4 Teacher's Manual Levei 4 Student Packet 143

A MENTE BEM TREINADA

Heirloom Antics: A Collection of Short Stories The Voyage: A Collection of Short Stories

Leitu ra s d e n íve l esco l a r H á centenas de bons livros e coleções de poesia disponíveis para uma criança cuj o nível de leitura estej a entre a primeira e a quarta grades. O bibliotecário responsável pelos livros infantis ou o gerente de Literatura infantil de uma livraria de maior porte poderão indicar histórias pre­ miadas, romances e poesias adequados ao nível de leitura de seu filho. Avalie também o uso dos seguintes recursos : Hirsch, E. D., Jr. , and John Holdren. Books to Build On: A Crade­

by- Crade Resource Cuide for Parents and Teachers. New York: Delta, 1 9 96. Títulos recomendados divididos por áreas curriculares: Artes da Linguagem, História, Artes Visuais, Música, Ciência, Matemática. Lipson, Eden Ross. The New York Times Parent's Cuide to the Best

Books for Children. 3 rd ed. New York: Three Rivers Press, 2000. Uma lista comentada de livros em seis faixas, desde " livros sem palavras " para bebês até livros para j ovens adultos . Wilson, Elizabeth L., and Susan Schaeffer Macaulay. Books Chil­

dren Lave: A Cuide to the Best Children's Literature. Wheaton, IL: Crossway Books, 2002. Nós listamos apenas alguns de nossos autores e livros de leitura fácil favoritos na lista a seguir. Procure também por outros títulos desses autores e ilustradores. Cronin, Doreen. Click, Clack, Moo: Cows That Type. New York: Simon & Schuster, 2 0 1 1 . Hoban, Russell. The Frances series. New York: Trophy Picture Books, 1 9 60-1 994. Leaf, Munro. The Story of Ferdinand, illus. Robert Lawson. New York: Grosset & Dunlap, 2000. McCloskey, Robert. Make Way for Ducklings and Blueberries for

Sal. New York: Puffin, 1 9 76 and 1 9 9 1 . Meddaugh, Susan. The Martha series. Boston: Houghton Mifflin, 1 9 92-2004. 1 44

PALAVRAS, PALAVRAS, PALAVRAS

Munsch, Robert. The Paper Bag Princess. Toronto : Annick Press, 1 9 80. Rey, Margret, and H . A . The Curious George series. Boston: Hou­ ghton Mifflin, 1 95 8-1 9 8 9 . Scieszka, John. The True Story of the Three Little Pigs, illus. Lane Smith. New York: Puffin, 1 996. Steig, William. Sylvester and the Magic Pebble and The Amazing B one. New York: Simon & Schuster, 1 9 69 and 1 977. Trivizas, Eugene. The Three Little Wolves and the Big Bad Pig, illus. Helen Oxenbury. New York: Margaret K. McElderry, 1 997. Van Leeuwen, Jean. The Amanda Pig series, illus. Ann Schweninger. New York: Penguin Young Readers, 1 9 82-200 8 . Viorst, Judith. Alexander and the Terrible, Horrible, No Good, Very Bad Day, reprint ed. New York: Atheneum, 1 9 87. Waber, Bernard. The Lyle the Crocodile series. Boston: Houghton Mifflin, 1 965-1 9 9 8 . Zion, Gene. The Harry series, illus . Margaret Bloy Graham. New York: HarperCollins, 1 95 6-1 9 6 6 .

Le itu ra : Lite ratu ra Estes títulos estão listados por ordem de uso. Lembre-se de que você não precisa ler todos eles. Mas você pode selecionar tarefas de leitura entre os nomes a seguir. Observe que esta lista - especialmente as seções sobre o período pré-Moderno e Moderno - é meramente um ponto de partida. Há muitos outros autores e livros que valem a pena ler e você os descobrirá vasculhando sua biblioteca. Em vez de organizar esses livros e autores alfabeticamente, nós os listamos em ordem cronológica, e sugerimos que você os leia nesta ordem. Na maior parte dos casos, você poderá usar qualquer versão destas histórias. Sugerimos algumas edições que apreciamos particularmente. Úte i s pa ra tod os os q u atro a n os

Russell, William F. Classics to Read Aloud to Your Children: Selec­

tions from Shakespeare, Twain, Dickens, O. Henry, London, Longfellow, Irving, Aesop, Homer, Cervantes, Hawthorne, and More. New York: 1 45

A MENTE BEM TREINADA

Crown Publishers, 1 992. Trechos de clássicos adequados para leitura da primeira ( O Patinho Feio, Como Artur foi coroado, etc) à quarta grade (A glória de um covarde, The Highwayman, Chamado Selvagem, etc. ) . Um recurso prático para todos os quatro anos, abrangendo desde autores da Antiguidade até o século XX; todos os trechos são longos o bastante para uma única sessão de leitura em voz alta e incluem guias de pronúncia.

An tiguidade, 5000 a. e. - 400 d. C. (primeira grade) Leia estes livros e autores na ordem a seguir. Muitas outras indica­ ções de leituras correspondentes a períodos históricos estão disponíveis no guia de atividades do título The Story of the World, um dos recursos para estudo de História que recomendamos ( vej a no capítulo 7 . )

Histórias e poemas p o r, sobre ou baseados e m. . . BÍBLIA SAGRADA HOMERO Little, Emily. The Trojan Horse: How the Greeks Won the War. New York: Random House, 1 9 8 8 . Parte da série Step into Reading, este texto em nível de segunda grade pode também ser lido independentemente por bons leitores em nível de primeira grade. _ McCaughrean, Geraldine. The Odyssey. Ilustrações por Victor G. Ambrus. New York : Puffin, 1 997. Disponível na maioria das bibliotecas públicas; vale a pena pedir um empréstimo interbibliotecas. Excessiva­ mente difícil para estudantes em nível de primeira grade, mas maravi­ lhoso para que você leia para seu filho ao longo de várias semanas ( um capítulo por sessão ) . Geraldine McCaughrean teve sucesso em manter o fluxo poético do original. Sutcliffe, Rosemary. Black Ships Before Troy: The Story of the Iliad. Ilustrações por Alan Lee. New York: Bantam, 1 99 3 . Encontre em qualquer livraria ou biblioteca. Outro livro para leitura em voz alta com lindas ilustrações . MITOS GREGOS E ROMANOS Aliki. The Gods and Goddesses of Olympus. New York: Harper­ Trophy, 1 9 97. Conj unto de histórias adequadas à idade. 146

PALAVRAS, PALAVRAS , PALAVRAS

D 'Aulaire, Ingri, and Edgar Parin D ' Aulaire. D 'Aulaires ' Book of

Greek Myths. New York: Delacorte Books for Young Readers, 1 992. Demi. King Midas: The Golden Touch. New York: Margaret K. McElderry, 2002. Versão da história em forma de livro ilustrado, com ilustrações espetaculares. Kimmel, Eric A. The McElderry Book of Greek Myths, ilustrações por Pep Montserrat. New York: Margaret K. McElderry, 200 8 . As histó­ rias de Prometeu, Pandora, Aracne, Teseu e muito mais, com ilustrações inspiradas na arte de frisos da Antiguidade. Lock, Deborah. Greek Myths. (DK Readers, Levei 3). New York: DK Children, 200 8 . Um livro para iniciantes acessível para bons leitores em nível de primeira grade e para a maioria dos leitores em nível de segunda grade. Mayer, Marianna . Pegasus, ilustrações por Kinuko Y. Craft. New York: HarperCollins, 1 99 8 . Russell, William F. Classic Myths to Read Aloud: The Great Stories of Greek and Roman Mythology. New York: Broadway Books, 1 992. Versões curtas e vívidas para estudantes entre os 5 e os 12 anos de ida­ de, completos com informações para os pais e um guia de pronúncia (muito útil ) . Osborne, Mary Pope. Favorite Greek Myths. New York: Scholastic, 1 9 8 9 . Uma coleção para leitura em voz alta que reconta as histórias de Ovídio em um estilo adequado à idade. FÁ BULAS DE ESOPO PLATÃO ARISTÓTELES MITOS EGÍPCIOS Barker, Henry. Egyptian Gods and Goddesses . New York: Grosset & D unlap, 1 99 9 . Da série "All Aboard Reading " ; alguns estudantes

conseguirão lê-lo sozinhos. HISTÓ RIAS FOLCL Ó RICAS INDIANAS Williams, Mareia. The Elephant's Friend and Other Tales from

Ancient India. New York: Candlewick, 2 0 1 4. Este texto colorido e 147

A MENTE BEM TREINADA

divertido combina um layout ao estilo das histórias em quadrinhos com texto claro e amigável aos iniciantes. HISTÓ RIAS FOLCL Ó RICAS AFRICANAS Arkhurst, Joyce Cooper. The Adventures of Spider: West African Folktales. Ilustrações por Jerry Pinkney. New York: Little, Brown & Co., 1 992. CONF Ú CIO HISTÓ RIAS FOLCL Ó RICAS CHINESAS E JAPONESAS Bishop, Claire. The Five Chinese Brothers. New York: Paper Star, 1 996. Tente encontrar na biblioteca de sua cidade. Esta história folclórica está disponível em muitas versões diferentes. POESIA CHINESA E JAPONESA ANTIGA VIRG Í LIO Emily Frenkel. Aeneas: Virgil's Epic Reto/d for Younger Readers. London: Bristol Classical Press, 1 99 1 . Um livro para leitura de estudantes em nível das grades intermediárias, mas perfeitamente acessível como leitura em voz alta para estudantes mais j ovens. Claro e acessível, com um guia de pronúncia. CONTOS DE FADAS INGLESES, IRLANDESES E GALESES Smith, Philip, ed. Irish Fairy Tales (Dover Children's Thrift Classics ) . New York: Dover, 1 99 3 . Contos bem narrados para leitura e m voz alta com ilustrações em preto e branco .

Idade Média/Inicio da Renascença, 400 d. C.- 7 600 d. C. (Se­ gunda Grade) Leia estes livros e autores na ordem a seguir.

Histórias e poemas por, sobre ou a partir de . . . SANTO AGOSTINHO BEOWULF

148

PALAVRAS, PALAVRAS, PALAVRAS

Green, John. Beowulf (Dover Coloring Book ) . New York: Dover, 2007. Texto curto, bastante claro, com trinta cenas para colorir; um j eito divertido de estudantes em nível elementar entrar em contato com essa lenda pela primeira vez. SIR GAWAIN AND THE GREEN KNIGHT [DOM GALVÃO E O CAVALEIRO VERDE] HISTÓ RIAS DE ROBIN HOOD San Souci, Robert D. Robin Hood and the Golden Arrow, ilustra­ ções por Earl B. Lewis. New York: Orchard Books, 20 1 0 . Uma versão lindamente ilustrada para estudantes cuj o nível de leitura estej a um pouquinho abaixo do adequado à grade. Pyle, Howard, John Burrows, and Lucy Corvino. The Adventures of Robin Hood ( Classic Starts ) . New York: Sterling, 2005 . Uma versão ilustrada acessível a leitores em nível de terceira e quarta grades. GEOFFREY CHAUCER, THE CANTERBURY TALES [CONTOS DA CANTUÁRIA] McCaughrean, Geraldine. The Canterbury Tales. Ilustrações por Victor G. Ambrus. New York: Puffin, 1 997. A Junior Bookshelf afirma que esta é " uma das mais brilhantes interpretações de Chaucer para os j ovens " . Para leitura a alunos da segunda grade. Vale o esforço de pedi-lo via empréstimo interbibliotecas. EDMUND SPENSER, THE FAERIE QUEENE [A RAINHA DAS FADAS] Hodges, Margaret. Saint George and the Dragon, ilustrações por Trina Schart Hyman. New York: Little, Brown, 1 990. Um título ven­ cedor da Medalha Caldecott; reconta a história de São Jorge a partir da obra Fairie Queene de Edmund Spenser. Lindas ilustrações. Hodges retém muito da poesia original de Spenser. Disponível na maioria das bibliotecas. WILLIAM SHAKESPEARE, TODAS AS PEÇAS

A Shakespeare Coloring Book. Santa Barbara, Calif.: Bellerophon, 1 995. $4 . 9 5 . Ilustrações históricas de cenas famosas das peças de Shakespeare. 149

A MENTE BEM TREINADA

Burdett, Lois. Série Shakespeare Can Be Fun. Concebido para crianças entre 6 e 8 anos, estes livros recontam as peças em dísticos rimados, ilustrados com desenhos feitos por crianças.

Hamlet for Kids. Toronto: Firefly Books, 2000. Macbeth for Kids. Buffalo, N.Y. : Firefly Books, 1 99 6 . Much Ado About Nothing for Kids. Toronto: Firefly Books, 2002. Romeo and ]uliet for Kids. Toronto: Firefly Books, 1 99 8 . Twelfth Night for Kids. Buffalo, N.Y. : Firefly Books, 1 994. Coville, Bruce. William Shakespeare's A Midsummer Night's Dream. Ilustrações por Dennis Nolan. New York: Puffin, 2003 . Uma bela versão em formato de livro ilustrado. Esgotado, mas vale a pena procurar um exemplar de segunda mão ou na biblioteca de sua cidade. Coville tam­ bém fez lindas (também esgotadas ) versões de A Tempestade, A lenda

do inverno, Macbeth, Romeu e Julieta e Hamlet. Garfield, Leon. Leon Garfield's Shakespeare Stories, ilustrações por Michael Foreman. New Yori: NYR Children's Collection, 20 1 5 . Adaptações d e vinte e uma peças, retendo muito d a linguagem original; um clássico do século XX recentemente republicado. Lamb, Charles, and Mary Lamb. Tales from Shakespeare. New York: Puffin Classics, 2 0 1 0 . $ 4 . 9 9 . Estas versões clássicas das histórias de Shakespeare usam as palavras originais sempre que possível. Nível de leitura adequado à sexta grade; deve ser lido em voz alta para estu­ dantes da fase gramatical. Nesbit, E. Shakespeare Stories for Young Readers. New York: Dover, 2006. As versões de Nesbit devem ser lidas em voz alta para estudantes mais j ovens - ou lidas independentemente por estudantes em nível das grades intermediárias. Mais curtos e mais líricos do que as recontagens clássicas de Lamb. DANTE, O INFERNO THOMAS MALORY, MORTE D 'ARTHUR Procure por versões da lenda do Rei Artur, a maioria das quais é baseada em Malory. Gross, Gwen. Knights of the Round Table. Stepping Stone series, ilustrações por Norman Green . New York: Random House, 1 9 8 5 . 150

PALAVRAS, PALAVRAS, PALAVRAS

A série Stepping Stone adapta histórias clássicas para o nível de segunda e terceira grades. Hodges, Margaret. The Kitchen Knight: A Tale of King Arthur, ilustrações por Trina Schart-Hyman. New York: Holiday House, 1 99 3 . ERASMO DE ROTERDÃ MARTINHO LUTERO JOÃO CALVINO SIR THOMAS WYATT, ele próprio um poeta, algumas vezes apa­ rece como personagem secundário em histórias sobre Henrique VIII e Ana Bolena . JOHN KNOX RENÉ DESCARTES

Renascença tardia/Início do Período Moderno, 7 600 d. C.- 7850 d. C. (Terceira Grade) Leia estes livros e autores na ordem a seguir.

Histórias e poemas por, sobre ou baseados em . . . JOHN MILTON CONTOS DE FADAS FRANCESES Muitos foram compilados por Charles Perrault, 1 62 8-1 703 . DANIEL DEFOE, ROBINSON CRUSOÉ Defoe, Daniel, Deanna McFadden, and Jamel Akib . Robinson Crusoe (Classic Starts). New York: Sterling, 2006. Uma versão acessível para leitores em nível de terceira e quarta grades. JONATHAN SWIFT, VIAGENS DE GULLIVER Swift, Jonathan, and Martin Woodside. Gulliver's Traveis (Classic Starts). New York: Sterling, 2006. Uma versão ilustrada acessível para leitores em nível de terceira e quarta grades. 151

A MENTE BEM TREINADA

Findlay, Lisa. Gulliver in Lilliput, ilustrações por Antonio Capara. New York: Random House, 20 1 0 . Para estudantes que ainda estej am lendo um pouco abaixo do nível da grade. JOHN BUNYAN, O PEREGRINO VICTOR HUGO Hugo, Victor, and Marc Cerasini . The Hunchback ofNotre Dame. Bullseye Step into Classics series. New York: Random House, 1 9 9 5 . Adaptado a o nível d e leitura d a segunda e terceira grades . Hugo, Victor, and Manica Kulling. Les Miserables. Stepping Stone series . New York: Random House, 1 9 95. Adaptado ao nível de leitura da segunda e terceira grades . ALEXANDRE DUMAS D u m a s , A l e x a n d r e , a n d D e b o r a h G . F e l d e r. Th e Th ree

Musketeers. Stepping Stone series. New York: Random House, 1 9 94. Adaptado ao nível de leitura da segunda e terceira grades. Dumas, Alexandre, Oliver Ho, and Jamel Akib. The Three Musketeers

1 ( Classic Starts ) . New York: Sterling, 2007. Uma versão ilustrada aces­ sível a leitores em nível de terceira e quarta grades . WILLIAM BLAKE, SONGS OF INNOCENCE [CANÇÕES DA INO CÊNCIA] WILLIAM WORDSWORTH, POEMAS REUNIDOS JANE AUSTEN ALFRED, LORD TENNYSON ROBERT BROWNING, THE PIED PIPER OF HAMELIN ELIZABETH BARRETT BROWNING JACOB ANO WILHELM GRIMM, CONTOS DE FADAS DOS IRM ÃOS GRIMM CHARLES DICKENS 152

PALAVRAS, PALAVRAS, PALAVRAS

Dickens, Charles, Deanna McFadden, Eric Freeberg. Great Expec­

tations ( Classic Starts ) . New York: Sterling, 2 0 1 0 . Uma versão ilustrada acessível a leitores de terceira e quarta grades. Dickens, Charles, and Monica Kulling. Great Expectations. Stepping Stone series. New York: Random House, 1 996. Adaptado ao nível de leitura da segunda e terceira grades . Dickens, Charles, Kathleen Olmstead, and Dan Andreasen. Oliver Twist ( Classic Starts ) . New York: Sterling, 2006. Uma versão ilustrada acessível a leitores de terceira e quarta grades. Dickens, Chales, Les Martin, and Jean Zallinger. Oliver Twist. Ste­ pping Stone series . New York: Random House, 1 990. Adaptado para o nível de leitura de segunda e terceira grades . EDWARD LEAR, POEMAS " NONSENSE" CHRISTINA ROSSETTI, POEMAS INFANTIS LEWIS CARROLL, ALICE NO PAÍ S DAS MARAVILHAS E ALICE ATRAVÉS DO ESPELHO MARK TWAIN, TODAS AS HISTÓ RIAS Twain, Mark, and Deidre S. Laikin. The Adventures ofTom Sawyer:

Great Illustrated Classics. New York: Baronet Books, 200 8 . Adaptado ao nível de leitura da terceira à quarta grades . JAMES FENIMORE COOPER, TODOS OS ROMANCES . JULES VERNE, TODOS OS ROMANCES. Verne, Jules, and Judith Conaway. 2 0, 000 Leagues Under the

Sea, ilustrações por Gino D ' Achille. Stepping Stone series. New York: Random House, 1 9 8 3 . Verne, Jules, Deanna McFadden, Jamel Akib. Around the World in

80 Days (Classic Starts). New York: Sterling, 2007. Uma versão ilustrada acessível a leitores da terceira à quarta grade. Verne, Jules, Kathleen Olmstead, and Eric Freeberg. Journey to the

Center of the Earth (Classic Starts) . New York: Sterling, 20 1 1 . Uma versão ilustrada acessível a leitores da terceira à quarta grade. 153

A MENTE BEM TREINADA

LENDAS FOLCL Ó RICAS NORUEGUESAS Asbj ronsen, Peter, and Jorgen Moe. Norwegian Folk Tales. New York: Pantheon, 1 9 82. Este livro é uma versão em preço acessível da coleção original de 1 849. HERMAN MELVILLE, MOBY DICK Melville, Herman, Kathleen Olmstead, and Eric Freeberg. Moby Dick (Classic Starts) . New York: Sterling, 20 1 0 . Uma versão ilustrada acessível a leitores da terceira à quarta grade.

Período Moderno, 7 850 ao presente (Quarta Grade) Diga ao bibliotecário da seção infantil da biblioteca de sua cidade que você está procurando por Literatura clássica de 1 8 5 0 ao presente, no nível de leitura de seu filho e confira suas sugestões. ( Os bibliotecá­ rios podem ter opiniões divergentes quanto à noção do que é adequado para estudantes em nível de quarta grade; portanto, avalie pessoalmente todas essas recomendações) . Nós sugerimos as seguintes ( leia estes livros e autores na seguinte ordem ) .

Histórias e poemas p o r, sobre o u a partir de . . . ROBERT LOUIS STEVENSON Stevenson, Robert Louis. A Child's Garden of Verses, ilustrações por Tasha Tudor. Rev. ed. New York: Simon & Schuster, 1 99 9 . Stevenson, Robert Louis. Kidnapped. Narração p o r John Sessions. Franklin, TN: Naxos Audiobooks, 2000. Embora este seja um audiolivro adaptado, Kidnapped pode ser uma história difícil de acompanhar, por isso, vale conferir esta versão, pois clarifica a sequência de acontecimentos da história e Sessions é um maravilhoso narrador. Stevenson, Robert Louis, Chris Tait, and Lucy Corvino. Treasure

Island (Classic Starts). New York: Sterling, 2005 . Uma versão ilustrada acessível a leitores de terceira e quarta grades. ARTHUR CONAN DOYLE JOHANNA SPYRI, HEIDI CARLO COLLODI, PINOCCHIO 1 54

PALAVRAS , PALAVRAS, PALAVRAS

Collodi, Carlo. The Adventures of Pinocchio: Story of a Puppet, ilustrações por Robert Ingpen. New York: Sterling, 20 1 4 . Evite a versão Disney, que muda tanto a trama quanto a mensagem moral original da história . H. G. WELLS Wells, H. G., Chris Sasaki, and Troy Howell. The Time Machine (Classic Starts). New York: Sterling, 200 8 . Uma versão ilustrada acessível a leitores em nível de terceira e quarta grades. Wells, H. G., and Malvina G. Vogel. War of the Worlds: Great Illustrated Classics. Edina, MN: Abdo Publishing Company, 2 0 0 5 . Adaptado ao nível d e leitura da terceira e quarta grades. LOUISA MAY ALCOTT ANDREW LANG, CONTOS REUNIDOS Lang, Andrew. The Blue Fairy Book. New York: Dover, 1 96 5 . , The Orange Fairy Book. New York: Dover, 1 96 8 .

____

____ ,

The Lilac Fairy Book. New York: Dover, 1 9 6 8 .

FRANCES HODGSON BURNETT, TODOS OS ROMANCES KENNETH GRAHAME, THE WIND IN THE WILLOWS [O VENTO NOS SALGUEIROS] Grahame, Kenneth. The Wind in the Willows. New York: Signet Classics, 2006. JAMES BARRIE, PETER PAN E TODAS AS PEÇAS RUDYARD KIPLING, HISTÓ RIAS ASSIM E O LIVRO DA SELVA Kipling, Rudyard. The Elephant's Chi/d, ilustrações por Tim Raglin. New York: Rabbit Ears Entertainment, 20 1 3 . Texto original de Kipling acompanhado por ilustrações amigáveis aos j ovens leitores. ,How the Camel Got His Hump, ilustrações por Tim Raglin. New York: Rabbit Ears Entertainment, 2 0 1 2 . How the Leopard Got His Spots, ilustrações por Tim Raglin. New York: Rabbit Ears Entertainment, 20 1 2 . How the Rhino Got His Skin, ilustrações por Tim Raglin. New York: Rabbit Ears Entertainment, 2 0 1 2 . ____

____ ,

____ ,

155

A MENTE BEM TREINADA

----- ·

The Jung/e Book, ilustrações por Robert Ingpen. New

York: Sterling, 2 0 1 2 . BEATRIX POTTER, TODAS A S HISTÓ RIAS . LAURA INGALLS WILDER, TODOS OS ROMANCES. WALTER DE LA MARE, POEMAS REUNIDOS. CARL SANDBURG, POEMAS REUNIDOS. JOHN CIARDI, POEMAS REUNIDOS. Ciardi, John. You Read to Me, I'll Read to You, ilustrações por Edward Gorey. New York : HarperCollins, 1 9 87. Um premiado livro de poesia concebido para que pais e filhos leiam uns para os outros. T. S . ELIOT, OLD POSSUM'S BOOK OF PRACTICAL CATS G rava ções p a ra s u p l e m e nta r a Literatu ra

O contador de histórias Jim Weiss reconta histórias clássicas para crianças, incluindo versões de alguns dos títulos listados anteriormente. Estes MP3s e CDs são maravilhosos de ouvir; não substituirão a leitura, mas servirão como valioso suplemento . A lista a seguir é apenas parcial; visite a Well-Trained Mind Press em www.welltrainedmind.com para ver a lista completa . Altamente recomendável para adquirir conhecimentos sobre os clássicos e melhorar o nível de alfabetização. Algumas versões impressas para acompanhar as audições estão disponíveis para alguns títulos . Os títulos incluem: ANTIGUIDADE

Egyptian Treasures: Mummies and Myths [Tesouros egípcios: múmias e mitos]

Greek Myths [Mitos gregos] Julius Caesar and the Story of Rome Uúlio César e a História de Roma]

She and He: Adventures in Mythology [Ela e ele: aventuras em mitologia]

Heroes in Mythology: Theseus, Prometheus e Odin [Heróis da Mitologia: Teseu, Prometeu e Odin] 156

PALAVRAS, PALAVRAS, PALAVRAS

IDADE MÉDIA/INÍCIO DA RENASCENÇA

Arabian Nights [Contos das Mil e Uma Noites] Celtic Treasures [Tesouros Celtas] King Arthur and His Knights [Rei Arthur e seus cavaleiros] Romeo and ]uliet [Romeu e Julieta] Shakespeare for Children [Shakespeare para crianças] Three Musketeers/Robin Hood [Os Três Mosqueteiros / Robin Hood] RENASCENÇA TARDIA - INÍCIO DO PERÍODO MODERNO

The Prince and the Pauper: The Mark Twain Classic [O Príncipe e o Mendigo: Clássico de Mark Twain]

Rip Van Winkle/Gulliver's Traveis [Rip Van Winkle / Viagens de Gulliver]

A Christmas Carol and Other Favorites [Um cântico de natal e outros favoritos]

A Tale of Two Cities [Um conto de duas cidades] American Tall Tales [Incríveis Estórias Americanas] The Adventures of Tom Sawyer [As aventuras de Tom Sawyer] PERÍODO MODERNO

The Jung/e Book [O livro da selva] Sherlock Holmes for Children [Sherlock Holmes para crianças] Treasure Island [A ilha do tesouro) Mystery! Mystery! Sherlock Holmes, Father Brown, Auguste Dupin [Mistério ! Mistério ! Sherlock Holmes, Padre Brown, Auguste Dupin] Spooky Classics for Children [Clássicos assustadores para crianças] Twenty Thousand Leagues under the Sea [Vinte mil léguas submarinas]

Recu rsos pa ra m e m o rização de poes i a Ferris, Helen, ed. Favorite Poems Old and New, illus. Leonard Weisgard. New York: Doubleday, 1 95 7. Hall, D onald, ed. The Oxford Illustrated Book of A merican Children's Poems. New York: Oxford University Press, 200 1 . 157

A MENTE BEM TREINADA

Kennedy, Caroline, ed. Poems to Learn by Heart, illus. Jon J. Muth. New York: Disney/Hyperion Books, 20 1 3 . Prelutsky, Jack, ed. The Random House Book of Poetry for Children: A Treasury of 572 Poems for Today's Chi/d, illus. Arnold Lobel. New York: Random House, 1 9 8 3 .

O rtog rafia Há dúzias de currículos e recursos de Ortografia disponíveis no merca­ do. Nós listamos três recursos com abordagens muito diferentes aqui, selecionados por sua facilidade de uso, acessibilidade de preço e pelos extensos registros de uso bem sucedido por grande número de famílias educadoras domiciliares . Modem Curriculum Press Spelling Workout series, rev. ed. Parsi­ ppany, NJ: Modem Curriculum Press ( Pearson Learning Group ), 2002. $ 1 2 .97 cada edição do estudante (Student edition), $ 1 3 .47 cada edição do professor ( Teacher's Edition você, provavelmente, não necessi­ -

tará destes volumes antes do quarto ou quinto livro, no mínimo ) . Faça seu pedido à Pearson Learning. Nós listamos a série inteira para sua referência, mas a maioria das crianças não chegará além dos livros E ou F ao terminar a quarta grade. As correspondências com grades são aproximadas, mas nós a oferecemos como guia para onde começar com um estudante mais velho . A série Spelling Workout é o programa mais direto e objetivo desta lista: os estudantes progridem através de uma série de livros de exercícios que ensinam as regras de Ortografia ( " o som /oi/ pode ser grafado 'oy' ou 'oi', tal como nas palavras 'toy' e 'oil"' ) , os nomes adequados para as combinações de letras ( " um dígrafo é o encontro de duas consoantes que produzem um único som ) e os símbolos fonéticos usados em dicionários ( "/ar/ tem o mesmo som da palavra " farm " ) . A série Spelling Workout ensina até mesmo os elementos de marcação para revisão de textos. Comece na primeira grade pelo primeiro livro de exercícios, o

Spelling Workout A . Este livro de exercício é o mais básico de todos: procede uma revisão das letras do alfabeto, pede que a criança conecte figuras de obj etos que comecem ou terminem com a mesma letra e, então, faz a criança escrever palavras de três letras . Estes exercícios 158

PALAVRAS , PALAVRAS, PALAVRAS

ensinam aos soletradores iniciantes a ouvir os sons individuais e tra­ duzi-los em símbolos escritos. A maioria dos estudantes em nível de primeira grade achará fácil este livro . Não " pule " nenhum exercício; estes livros desenvolvem confiança e habilidades valiosas por meio de repetição . Não tente sincronizar os livros com o nível da grade; avance para o Spelling Workout B assim que tiver completado o livro A, e assim por diante . A série Spelling Workout funciona melhor com estudantes que aprendem a ler sem muita dificuldade e que não ficam extenuados com a Ortografia, reforça o conhecimento intuitivo da linguagem, ensina regras explicitamente e treina o estudante na leitura de provas tipográficas. Advertência s : Não faça os exercícios de Escrita incluídos nos volumes da série, pois são mal organizados ( tal como costumam ser muitas das tarefas de Escrita incluídas em programas de Ortografia e Gramática ) . Ignore tudo o que pareça desnecessariamente " escolar" para você, tal como o " Guia para os Pais " que explica em tom sisudo como é importante formular um plano de aulas detalhado para seu programa de Ortografia que inclua " ideias para potenciais passeios de estudos " e "conceitos chave " ( Pessoal: trata-se apenas de Ortografia. A força da série Spelling Workout é sua organização - você não tem de preparar nada, simplesmente abra o livro e siga adiante ) . Caso seu estudante não goste de quebra-cabeças, não faça as palavras cruzadas. Feitas essas observações, trata-se de um programa de Ortografia claro, simples, que exige mínima preparação. Spelling Workout A ( nível de primeira grade ) Teacher's Edition A Spelling Workout B (nível de segunda grade ) Teacher's Edition B

Spelling Workout C ( nível de terceira grade ) Teacher's Edition C

Spelling Workout D ( nível de quarta grade) Teacher's Edition D

Spelling Workout E (nível de quinta grade ) Teacher's Edition E

Spelling Workout F ( nível de sexta grade ) Teacher's Edition F 159

A MENTE BEM TREINADA

Spelling Workout G (nível de sétima grade ) Teacher's Edition G

Spelling Workout H (nível de oitava grade ) Teacher's Edition H All About Spelling. Eagle River, WI: All About Learning Press, 2006-2 0 1 4 . Desenvolvido pela pesquisadora especialista e m dislexia Marie Ri­ ppel, a série All About Spelling é baseada no sistema Orton-Gillingham. Esta série de livros de exercícios em sete níveis é ideal para estudantes que precisam de instruções mais diretas do que as oferecidas pela série Spelling Workout. Os estudantes que tenham forte dificuldade com a abordagem de cartilha que apresentamos no capítulo 4 devem ir dire­ tamente para o All About Spelling ( nem mesmo tente usar o Spelling Workout) . Os manuais do instrutor (Teacher's Manual) são " levemente roteirizados " ( ele diz o que você, o pai, deve explicar, como explicar e que auxílios visuais e obj etos manuseáveis deve usar ) . Os pacotes do estudante ( Student Packets ) contêm todos os cartões, gráficos e folhas de exercícios necessários. Em sintonia com nossa abordagem, a série All About Spelling possibilita que você dite o próprio ritmo de estudo em vez de conectá-lo a outras áreas das Artes da Linguagem, e não exige muita escrita manual durante os primeiros anos . As instruções são claras, sem burocracia, e a exigência de preparação por parte do professor é mínima. Amostras estão disponíveis no website da editora. Listamos a seguir a série inteira para sua conveniência, mas a maioria das crianças não passará dos níveis 4 ou 5 durante o período do ensino elementar. Ao começar a usar este programa, você precisará comprar um " Spelling lnteractive Kit " ( contendo blocos com letras, ímãs, cartões e um aplicativo ) que você usará por todos os níveis restantes. Você poderá avaliar as amostras no website da editora, que tam­ bém inclui a descrição da abrangência do método e documentação da sequência seguida pelo método, videoclipes, aplicativos e muito mais. Level 1 (Teacher's Manual and Student Packet) , $29 . 9 5 . Level 2 (Teacher's Manual and Student Packet), $ 3 9 . 9 5 . Levei 3 (Teacher's Manual and Student Packet) , $ 3 9 . 9 5 . 160

PALAVRAS, PALAVRAS, PALAVRAS

Levei 4 (Teacher's Manual and Student Packet) , $ 3 9 . 9 5 . Levei 5 (Teacher's Manual and Student Packet) , $ 3 9 . 9 5 . Levei 6 (Teacher's Manual a n d Student Packet), $ 3 9 . 9 5 . Levei 7 (Teacher's Manual and Student Packet), $ 3 9 . 9 5 . Spelling lnteractive Kit, $22 . 8 5 . Sequential Spelling. Clio, MI: AVKO Educational Research Foun­ dation, diversas datas. Esta série em sete níveis foi desenvolvida pelo experiente professor Don McCabe, ele próprio disléxico. A série Sequential Spelling adota uma abordagem inteiramente diferente: em vez de ensinar as regras que governam a Ortografia da Língua Inglesa, os livros ensinam "famílias de palavras" que seguem o mesmo padrão. Por exemplo, uma lição desen­ volve a combinação vogal-consoante in para ensinar a grafia das palavras inglesas bin, inn, spin, inner e chin; uma lição bem posterior ensina a combinação de letras ange e desenvolve-se a partir dessa combinação para formar as palavras inglesas range, ranges, arranges e arrangement. A série Sequential Spelling requer mais preparação por parte do professor do que tanto a série Spelling Workout quanto a Ali About Spelling, uma vez que você precisa entender e ensinar diretamente cada lição; não há um script e você precisa investir algum tempo para do­ minar o método e os resultados desej ados. No entanto, o programa é frequentemente muito eficaz para estudantes que lutam com a Ortografia baseada em regras. Adicionalmente, o editor oferece lições em DVD que ensinam diretamente ao estudante, permitindo que o pai apenas super­ visione e confira a execução dos exercícios ( uma opção especialmente boa para famílias numerosas ) . A série Sequential Spelling não ensina nenhuma regra ( A maioria das pessoas j amais necessita aprender as regras de Ortografia para aprender o Inglês), concentrando inteiramente no reconhecimento de padrões. No entanto, você pode baixar no website da editora materiais suplementares que ensinam as regras de Ortografia; sugerimos que você faça uso desse material tanto quanto possível. O editor recomenda iniciar na segunda grade; o nível 1 é intensivo demais para a primeira grade. Os níveis não são definidos por grade mas, em vez disso, por família de palavras; sempre comece pelo nível 1 . 161

A MENTE BEM TREINADA

O custo para todos os níveis é de $ 1 5 pelo manual do instrutor (Teacher Manual ) , $ 1 0 pelo livro de respostas do estudante ( Student Response Book) e $30 pelo DVD (versões em ebook, bem como "pacotes" com todos os materiais exigidos, também estão disponíveis por preços reduzidos ) . Faça seu pedido diretamente no website da editora, www. avko.org. Extensas amostras de todos os materiais estão disponíveis no website da editora . Sequential Spelling 1 Sequential Spelling 2 Sequential Spelling 3 Sequential Spelling 4 Sequential Spelling 5 Sequential Spelling 6 Sequential Spelling 7

G ra mática Wise, Jessie. First Language Lessons for the Well-Trained Mind. Charles City, VA: Well-Trained Mind Press. A série First Language Lessons abrange partes do discurso, pontu­ ação, tipos de frases e uso de palavras. Os níveis 1 e 2 são inteiramente orais. Os níveis 3 e 4 apresentam tarefas de escrita manual em livros de exercícios separados para cada nível. O programa é roteirizado para uso dos pais, de modo que mesmo os pais educadores sem inti­ midade com a Gramática podem utilizá-lo com confiança. As lições incluem revisão de todos os conceitos e exercícios de memorização . Estudantes na segunda ou terceira grades q u e estej am começando agora a usar o programa podem começar no nível da própria grade; é recomendável que os estudantes em nível de quarta grade comecem pelo First Language Lessons 3. Faça seu pedido no website da editora ou em qualquer livraia. First Language Lessons for the Well-Trained Mind, Levei 1, 2nd ed. ( 20 1 0 ) , $ 1 4 . 9 5 First Language Lessons for the Well-Trained Mind, Levei 2 , 2nd ed. ( 20 1 0 ) , $ 1 4 . 9 5 First Language Lessons for the Well-Trained Mind, Levei 3 (200 7 ) . $29 . 9 5 . 1 62

PALAVRAS, PALAVRAS, PALAVRAS

First Language Lessons, Levei 3 Student Workbook . $ 1 8 . 9 5 . First Language Lessons for the Well-Trained Mind, Levei 4 (200 8 ) . $29 . 9 5 .

First Language Lessons, Levei 4 Student Workbook. $ 1 9 . 9 5 . English for the Thoughtful Child. Lebanon, TN. : Greenleaf Press. Esta revisão de clássicos livros de Gramática do século XIX atua­ liza e simplifica os textos originais. Use como texto de linguagem oral na primeira e segunda grades; a menos que seu filho sej a uma criança incomumente desej osa de escrever e à vontade com a Escrita, pule os exercícios de Redação. Os livros English for the Thoughtful Child não contêm muitas instruções para o professor, e alguns usuários se queixam que ele ainda parece ultrapassado, mas abrange as habilidades básicas de Gramática com menor quantidade de repetição do que a série FLL. Caso você se sinta relativamente à vontade com a Gramática da Língua Inglesa, você pode fazer download grátis e usar os textos originais ( ambos estão disponíveis em books . google .com e outros lugares, bem como na maioria das bibliotecas ) . O volume 1 se baseia na obra Practical Lessons in the Use of English, Book 1: For Primary and Intermediate Grades, por Mary F. Hyde ( Boston : D. C. Heath & C o . , 1 8 94 ) . O volume 2 , em Lessons in English: B ook One, por Fred Newton Scott & Gordon A. Southworth ( New York : B. H. Sanborn & C o . , 1 90 6 , revisado em 1 9 1 2 , 1 9 1 6, e 1 92 1 ) . Com algumas adap­

tações (tais como ignorar os exercícios de cópia em placa de cobre, fazer oralmente os exercícios escritos e não fazer os exercícios de Redação ) , você poderá facilmente usar esses textos para ensino na primeira e segunda grades. Sej a qual for a versão que você decida usar, planej e a mudança para outros recursos de Gramática recomendados para a terceira e a quarta grades.

English for the Thoughtful Chi/d, Vol. 1, by Mary F. Hyde and Cynthia A. Shearer ( 1 99 0 ) .

English for the Thoughtful Chi/d, Vol. 2, b y Fred Newton Scott, Gordon A. Southworth, and Cynthia A. Shearer (2003 ) . Revisado para impressão a pedido, 20 1 3 . 1 63

A MENTE BEM TREINADA

Rod & Staff Grammar and Composition series Pais que tenham completado a série English for the Thoughtful Child ou que não desejem prosseguir com o uso do estilo " roteirizado " de First Language Lessons poderão, em vez disso, usar a série de livros-textos publicados pela Rod & Staff. O livro indicado para a terceira grade se chama Beginning Wisely: English 3 e, o da quarta grade, Building with Diligence: English 4 e toda a série é declaradamente Cristã (a Rod & Staff é uma editora Menonita ) . ( Os livros de Gramática da primeira e da segunda grades são integrados ao currículo completo de Artes da Linguagem, o que nós não recomendamos ) . Estes textos proveem um excelente, rigoroso e completo fundamento em Gramática . Lembre-se, porém, de que este programa foi original­ mente concebido para uso em sala de aula, com número de repetições suficiente para manter ocupada uma sala cheia de estudantes. Não se sinta na obrigação de completar cada um dos exercícios propostos caso a criança já tenha entendido o conceito. Os livros são não-consumíveis, de modo que se espera que o estudante copie cada exercício; tome muito cuidado com a quantidade de esforço físico de escrita que você exige de um estudante em nível de terceira ou quarta grades, e sinta-se livre para fazer oralmente tantos exercícios quantos j ulgar apropriado. Não faça os exercícios de Redação. Nós oferecemos a seguir as informações sobre os testes e as folhas para prática adicional, mas a maioria dos estudantes não necessitará desse material. Rod & Staff não tem website e sua distribuição é limitada; faça seu pedido à Milestone Books ou à Exodus Books .

Beginning Wisely: English 3 . Crockett, KY: Rod & Staff, 1 9 9 1 . Pupil Textbook. (Livro do Estudante) . $ 1 4.25 . Worksheets ( Folhas de exercícios para prática adicional ) . $ 3 .60. Teacher's Manual ( Manual do Professor ) . $ 1 7. 5 5 . Test Booklet ( Livrete d e Testes ) . $2.50. Building with Diligence: English 4. Crockett, KY: Rod & Staff, 1 992. Pupil Textbook. $ 1 7 . 5 5 . Worksheets (additional practice ) . $ 3 .60. Teacher's Manual. $23.05. Test Booklet. $2.50. 1 64

PALAVRAS, PALAVRAS, PALAVRAS

Hake Grammar & Writing series . Boston: Houghton Mifflin Har­ court, 2 0 1 4 . Anteriormente intitulada " Saxon Grammar" , a série Hake Grammar & Writing oferece uma abordagem completa e não-sectária à Gramática.

Os exercícios são abrangentes e proporcionam uma excelente transição das lições de linguagem para a linguagem escrita . A série não tem um livro para a terceira grade; em vez disso, come­ ça no Livro 4, mas você pode estender o uso das séries First Language Lessons ou English for the Thoughtful Child por três anos e começar com a série Hake na quarta grade, ou começar com a Hake na terceira grade e reservar dois anos para completar o livro. Você precisará do Student Textbook ( Livro-texto do Estudante ) e da Teacher Edition ( Edição do Professor) ; estes volumes contêm todas as instruções para o ensino da Gramática e os exercícios . Nós não reco­ mendamos o Student Workbook (Livro de exercícios do Estudante ) , que contêm o componente de Redação do programa. A série Hake introduz ensaios expositivos, narrativas pessoais, ensaios descritivos e até mesmo a redação de artigos de pesquisa na quarta grade, o que é completamente inadequado do ponto-de-vista do desenvolvimento infantil. Estas são habilidades do estágio Lógico. Compre o Student Textbook e a Teacher

Edition separadamente em vez do Homeschool Kit, que inclui o Student Workbook . Faça seu pedido no website de Educação Domiciliar da Houghton Mifflin Harcourt ou em um fornecedor de materiais para Educação Domiciliar como o Rainbow Resource. Nota: o site principal da HMH vende a versão em capa dura do programa, cuj a única diferen­ ça é o formato e que não pode ser adquirida por usuários individuais. Amostras estão disponíveis no website da editora. Fornecemos a seguir os ISBN porque o site tem navegação muito complicada. Grammar and Writing 4 Student Textbook ( ISBN 9780544044203 ) $43 .25 . Grammar and Writing 4 Teacher Guide ( ISBN 9 78 0544044227 ) . $29 . 75 . Voyages i n English series. Chicago: Loyola Press, 2 0 1 1 . Voyages in English é uma série originalmente desenvolvida pela Loyola Press para escolas Católicas que foi reeditada em uma versão 1 65

A MENTE BEM TREINADA

não-sectária . As regras são expostas de forma clara e os exercícios são adequados; o programa não é tão rigoroso ou completo como o da Rod & Staff e os exercícios de Redação devem ser omitidos (vej a a seção " Es­ crita " deste capítulo ) . Amostras estão disponíveis no website da editora. Faça seu pedido à Loyola Press ou ao Rainbow Resource Center. Voyages in English, Grade 3, Student Edition. $ 5 2 . 9 5 . Voyages in English, Grade 3, Practice Workbook. $ 1 1 . 9 5 . Voyages in English, Grade 3, Teacher Cuide. $ 8 1 . 9 5 . Voyages in English, Grade 4 , Student Edition. $52 . 9 5 . Voyages in English, Grade 4 , Practice Workbook. $ 1 1 . 9 5 . Voyages in English, Grade 4, Teacher Cuide. $ 8 1 . 9 5 .

Ca l i g rafia Olsen, J an Z. Handwriting Without Tears program, rev. ed. Cabin John, MD : Handwriting Without Tears . Faça seu pedido à Handwriting Without Tears. Os livros a seguir estão listados em ordem progressiva . My Printing Book (primeira grade ) . $ 9 . 5 0 . l st Grade Printing Teacher's Cuide. $ 1 0 . 5 0 . Printing Power (segunda grade ) . $ 9 . 5 0 . 2 n d Grade Printing Teacher's Cuide. $ 1 0 . 5 0 . Cursive Handwriting (terceira grade ) . $ 9 . 5 0 . 3rd Grade Cursive Teacher's Cuide. $ 1 0 . 5 0 . Cursive Success ( quarta grade ) . $ 9 . 5 0 . 4th Grade Cursive Teacher's Cuide. $ 1 0 . 5 0 . Double Lined Notebook Paper ( Papel d e caderno com linha du­ pla ) . Desenvolvido especificamente para acompanhar as habilidades ensinadas no programa . Regular (grades 2-3 ) . 1 00 folhas. $ 3 . 75 . Regular (grades 2-3 ) . 5 0 0 folhas. $ 1 1 . 75 . Narrow ( Estreito-grades 4 + ) . 1 0 0 folhas. $ 3 .75 . Narrow ( Estreito-grades 4 + ) . 5 0 0 folhas. $ 1 1 . 75 . Zaner-Bloser Handwriting series. Columbus, OH: Zaner-Bloser, 200 8 . $ 1 1 .49 cada. Faça seu pedido à Zaner-Bloser. Este é o mesmo método do " alfabeto de escrita contínua da Zaner-Bloser " mencionado anteriormente. 1 66

PALAVRAS, PALAVRAS, PALAVRAS

Vej a a seção de Recursos do capítulo 4 para informações sobre os dois primeiros livros da série (para as grades K-1 ) .

Handwriting: Grade 2 C Student Book. Este livro faz a transição para a escrita cursiva. Use-o na segunda ou terceira grades. Handwriting: Grade 3 Student Book . Mais prática em escrita cursiva. Handwriting: Grade 4 Student Book. Handwriting: Grade 5 Student Book. Handwriting: Grade 6 Student Book. Zaner-Bloser Handwriting Paper. $ 1 0 . 9 9 cada. Faça pedidos des­ tes pacotes de papel para escrita para prática adicional à Zaner-Bloser. Um estudante típico usa uma resma de papel para Escrita por ano. As linhas pautadas nestas folhas tornam-se mais estreitas à medida que você avança pelas grades. Vej a informações sobre o papel adequado para o nível K-1 no capítulo 4, seção de Recursos. Papel para a Grade 2 ( 1/2 " = 12,7 mm de largura ) . Papel para Grade 3 ( 3/8 " = 9,525 m m d e largura ) . Papel para a s Grades 4-6 ( 3/8 " = 9,525 mm de largura sem linha-guia central ) .

Esc rita/Red ação Os p ri m e i ros passos: C ó p i a , Dita d o, N a rra ção

Embora um currículo de Redação não sej a necessário para os pais que se sentem à vontade com os princípios deste capítulo, muitas famílias acham útil um programa mais estruturado. Bauer, Susan Wise. The Complete Writer: Writing With Ease. Charles City, VA: Well-Trained Mind Press. Susan criou um programa de nível elementar completo em sua série The Complete Writer: Writing with Ease. O livro-texto principal, Strong Fundamentais, oferece uma visão detalhada das habilidades que devem ser desenvolvidas durante os anos elementares, intermediários e do ensino médio; delineia uma progressão completa para quatro anos de trabalho de cópia, ditado e narração para estudantes de nível elementar, completo com planos de aulas semanais; e inclui soluções 167

A MENTE BEM TREINADA

para os problemas de escrita mais comuns. O livro-texto principal permite que os pais planejem os quatro anos de ensino de Escrita/ Redação em nível elementar e escolham a maioria dos exercícios de cópia, ditados e narrações independentemente . O volume Strong

Fundamentais possibilita um estudo da Escrita/Redação integrado ao restante do currículo ao permitir a escolha de exercícios de Narração e Escrita/Redação no conteúdo de Literatura, História e Ciência. Os pais que prefiram soletrar cada uma das lições do dia podem usar os livros de exercícios que compõem a série . The Complete Writer: Levei

1 Work book inclui um ano inteiro de trabalho de cópia e exercícios de narração, todos eles baseados na Literatura Clássica, e provê um roteiro para ser seguido pelo instrutor. Os livros de exercícios Levei

2 e Levei 3 abrangem, cada um, um ano de Redação/Escrita em nível elementar, progredindo desde os exercícios de cópia até os ditados e exercícios mais complexos de narração . Após o Levei 3 , os estudantes que estej am no nível das grades elementares poderão avançar para um dos cursos de Redação que listamos a seguir; o livro de exercícios

Levei 4 é opcional, para estudantes que precisam de prática adicio­ nal antes de ingressar em um curso formal de Redação. Os livros de exercícios são ao estilo " a bra e faça " , não há necessidade de reservar tempo para preparação, pois contêm roteiros com todas as instruções aos pais. Entretanto, caso você opte pela facilidade de uso e de apoio ao instrutor, você abrirá mão de parte de sua integração ao currículo. Amostras de todos os livros estão disponíveis no website da editora . Escolha a abordagem que melhor lhe convier; todos os programas abaixo ensinarão seu filho a escrever.

Writing with Ease, Strong Fundamentais: A Cuide to Designing Your Own Elementary Writing Curriculum, rev. ed. 20 1 5 . $29 . 9 5 . Levei 1 Workbook for Writing with Ease. 200 8 . $ 3 4 . 9 5 Levei 2 Workbook for Writing with Ease. 200 8 . $ 3 4 . 9 5 . Levei 3 Workbook for Writing with Ease. 2009. $ 3 6 . 9 5 . (Optional) Levei 4 Work book for Writing with Ease. 20 1 0 . $36.95. Introduction to Composition. Louisville, KY: Memoria Press. Este curso com duração de um ano usa três clássicos romances infantis ( Charlotte 's Web, Farmer Boy e The Moffats ) como bases para 168

PALAVRAS, PALAVRAS, PALAVRAS

exercícios de narração, ditado e introdução ao fichamento. Mais ade­ quado para a quarta grade ou para estudantes avançados em nível de terceira grade, esta obra pode ser usada como opção para um quarto ano de curso após completar a série Writing With Ease ou como um curso prático independente com duração de um ano . Introduction to Composition: Student Cuide, 2nd ed. 20 1 4 . $ 1 0 . Introduction t o Composition: Teacher Key, 2nd ed. 2 0 1 4 . $ 1 0 . O p róx i m o passo

A maioria dos estudantes precisa continuar fazendo exercícios de ditado e narração por toda a terceira grade e muitos devem continuar exercitando essas habilidades durante a quarta grade. Entretanto, es­ tudantes que escrevem com facilidade talvez desej em progredir rumo a u � novo desafio. Eles devem continuar escrevendo narrações escritas em História, Ciência e Literatura mas, nesse caso, você poderá agregar um dos seguintes currículos. Killgallon, Don and Jenny. Sentence Composing for Elementary

School: A Work-text to Build Better Sentences. Portsmouth, NH: Hei­ nemann, 2000. $27. 5 0 . Desenvolvido pelo professor universitário d e Redação Don Kill­ gallon e pela professora de Redação para o ensino médio Jenny Kill­ gallon, este curso de um ano, em um único volume, concentra-se na análise e imitação de boas frases de escritores renomados. Excelente preparação para as grades intermediárias e alinhado com os clássicos princípios de seguir um modelo antes de pedir aos estudantes que o completem. O curso pressupõe que os estudantes tenham completado um curso de Gramática básica. Adequado para escritores em nível de quarta grade. Uma chave de respostas está disponível no verso do texto . Amostras disponíveis no website da editora. Writing & Rhetoric: A Creative Approach to the Classical Progym­ nasmata. Camp Hill, PA: Classical Academic Press. A série de Escrita & Retórica da CAP revive o clássico progymnas­

mata ( um conj unto de exercícios criados por professores de Retórica da Antiguidade e da Idade Média para desenvolver as habilidades persua­ sivas de seus estudantes ) para estudantes de nível elementar. Tal como 1 69

A MENTE BEM TREINADA

explicaremos em maior detalhe no capítulo 25 (páginas 663-667), nós achamos que o progymnasmata é mais adequado para o ensino médio. Porém, o primeiro volume da série investe um ano inteiro no primeiro dos exercícios progymnasmata: contar uma fábula. Esse exercício ensina e aperfeiçoa as habilidades de narração; os estudantes não apenas fa­ zem resumos, mas começam a desenvolver as habilidades de reescrever, usando diálogos, mudando pontos de vista, e assim por diante . Um bom desafio para j ovens escritores que não tenham dificuldade com os aspectos mecânicos de registrar palavras no papel. Adequado para um escritor em nível de quarta grade. Amostras estão disponíveis no website da editora . Kortepeter, Paul. Writing & Rhetoric, Book 1 : Fable. 20 1 3 . $ 1 9.95. . Writing & Rhetoric, Book 1 : Fable, Teacher's Edi­ tion. 20 1 3 . $ 1 9 . 9 5 . ____

Writing Strands: Challenging Writing Programs for Homeschoolers series. Niles, MI: National Writing lnstitute, rev. ed. Esta série composta de sete volumes começa com descrições simples e progride até a construção de parágrafos, uso de tempos verbais, voz narrativa, diálogos, relatórios, entrevistas e contos. Dois volumes adicio­ nais abrangem exposição e ficção em nível de ensino médio. Como a série Writing Strands também inclui exercícios de escrita criativa, não deve ser usada por jovens estudantes que tenham dificuldade com a Redação imaginativa ou com o registro em diários. A série Writing Strands é mais adequada para estudantes que não têm problemas em registrar a palavras no papel mas que precisam abordar o processo de aprendizagem da escrita em pequenos passos; estudantes que sej am naturalmente criativos, mas que resistam à Redação expositiva; e estudantes que preferem trabalhar de forma independente. Amostras estão disponíveis no website da editora. O primeiro livro da série Writing Strands é um livro de pré-Redação que pode ser omitido. Comece com o Writing Strands 2 e permita que o estudante progrida em seu próprio ritmo ( esta não é exatamente a recomendação do editor, mas será adequada à maioria dos estudantes ) . Um alerta : o s livros d a série Writing Strands declaram que nin­ guém j amais aprendeu a escrever estudando Gramática. Embora isto sej a verdade, há um forte cheiro de " . . . portanto, ninguém precisa 1 70

PALAVRAS, PALAVRAS, PALAVRAS

estudar Gramática " ao longo dos livros. Gramática é necessária. Tal como a Redação. Empreteiros devem ser capazes de desenhar plantas e de martelar pregos; j ovens estudantes devem conhecer as regras de Gramática e ser capazes de aplicá-las em suas redações. Os livros 2 a 4 são de nível elementar; o livro 5 começa a lidar com o desenvolvimento lógico de argumentos ( vej a o capítulo 1 3 ) . O programa Writing Strands pode ser adquirido diretamente do National Writing Institute ou, com um pequeno desconto, no Rainbow Resource Center. Os livros são não-consumíveis; você fará todas as tarefas em folhas de caderno, de modo que você poderá reutilizá-los com outra criança. Writing Strands 2. $20. Writing Strands 3. $20. Writing Strands 4. $20.

171

6. A a l eg ria d os n ú m e ros: M ate m ática

Não entre aqui quem ignore a Matemática.

- Platão (inscrição so bre a entrada da Academia )

Discip lina: Matemática elementar Temp o exigido: 30 a 60 minutos diários

O

s quatro anos da Matemática elementar - da primeira à quarta grade - assentam a fundação para o pensamento abstrato de alto nível que será exigido mais tarde durante o estudo da Álge­

bra, da Trigonometria e do Cálculo. E o espírito do estágio Gramatical

é, precisamente, o assentamento de fundações. A tarefa de assentar uma fundação matemática deve ser levada a sério. A Matemática básica - habilidades de adição e subtração, mul­ tiplicação e divisão, o conhecimento das formas e padrões geométricos básicos, a habilidade de pensar problemas através de palavras, uma firme compreensão das relações entre números - é tão vital para o domínio da Matemática de alto nível quanto o entendimento da pontuação e da estrutura de frases para o da linguagem em alto nível. (A palavra da moda para isto é " numeracia ": não somente um entendimento da Arit­ mética básica, mas também um entendimento sobre " como os números funcionam " , um " bom senso numérico " ) . D e fato, Matemática é uma linguagem porque usa símbolos e fra­ ses para representar realidades abstratas. Para muitas crianças, é uma língua estrangeira, porque não crescem ouvindo-a em toda parte a sua volta. O educador clássico pode mudar essa situação ao desenvolver a " alfabetização " Matemática : aj udando j ovens estudantes a dominar as 1 73

A MENTE BEM TREINADA

operações matemáticas básicas, a memorizar fatos matemáticos e, também, a entender os conceitos subjacentes tanto às operações quanto aos fatos. Essa tarefa pode parecer intimidante para muitos pais que não se consideram aptos em Matemática. Não se preocupe; você poderá aprender j unto com seu estudante. Comece lendo cuidadosamente as seções a seguir, em que você se familiarizará com os mais importantes aspectos do ensino da Matemática elementar.

M ate mática P roced u ra l e C o n ceitu a i Assim que você iniciar o exame de seu currículo de Matemática, você esbarrará na expressão " Matemática conceitua! " . O que é Matemática Conceitua! (e por que você deveria se importar com isso ) ? A Matemática Conceitua! é uma espécie d e taquigrafia para o ensino de Matemática que explica claramente porque a s operações funcionam de determinada maneira. É frequentemente contrastada com a " Matemática procedural " , que ensina os estudantes a resolver pro­ blemas oferecendo-lhes séries de passos a desempenhar. A Matemática procedural aborda um problema elementar tal como uma subtração simples de dois dígitos: 72 - 69 ensinando os estudantes a " pedir emprestado " : uma vez que você não pode subtrair 9 de 2, risque o 7 ao lado do 2, transformando-o em um 6 e " empreste " o 1 ao 2. Isso transforma 2 em 12 e 12 -9 é igual 3 , enquanto 6 -6 é igual a O . 6-71 2 - 69 (0)3 Esta série d e passos é conhecida como " algoritmo " : u m processo estabelecido que você segue para responder a um problema. A Matemática Conceitua! explica porque o algoritmo funciona. Para começar, esses números são apenas maneiras taquigráficas de escrever 70

+

2 e 60 1 74

+

9

A ALEGRIA DOS NÚMEROS

Em vez de ensinar a emprestar 1 do 7 para fazer 1 2 , o estudante, em vez disso, aprende que o número 70 é composto de unidades que são " combinadas " ou " compostas " em sete conj untos de 1 0 : 1 0+ 1 0+ 1 0+ 1 0+ 1 0+ 1 0 + 1 0+2 e que um desses conj untos precisa ser " decomposto " em unidades e combinado às 2 unidades para formar um 1 2 . Assim, o problema de subtração pode ser, de fato, escrito da seguinte forma: 60 + 1 2 - 60 + 9 (O) 3 Este é o tipo de problema que pode ser demonstrado usando manu­ seáveis tais como palitos de dentes ou lápis unidos em grupos de 10 que possam ser separados, veja a seção " Como as crianças pensam " , logo a seguir. (As palavras "compostas " e " decompostas " foram sugeridas por Liping Ma em seu clássico trabalho sobre Matemática conceitual, Knowing and Teaching Elementary Mathematics; vej a a seção de Recursos no final deste capítulo ) . N o nível mais elementar, a diferença entre cada método pode não parecer muito grande. Mas o entendimento de que um número maior é um "composto " de grupos menores unidos para formar um maior será crucial para uma adequada compreensão de operações mais complicadas, tais como as divisões longas. Os estudantes que se limitam a aprender os procedimentos ver-se-ão, nos níveis mais altos, aplicando algoritmos sem entender por que os passos funcionam. (Nas palavras de um manual para professores de Matemática: " Muitos estudantes nos Estados Uni­ dos desistiram de descobrir algum dia porque as coisas funcionam em Matemática. Satisfazem-se quando obtêm uma resposta correta apenas seguindo um procedimento, independentemente de qualquer compreensão conceitual " ) . 1 A Matemática Procedural é importante; jovens estudantes devem aprender os algoritmos. Mas a literacia matemática envolve o aprendizado tanto dos procedimentos quanto das razões pelas quais eles funcionam.

1

Margaret M. Pearse and Kate Walton, Teaching Numeracy: 9 Criticai Habits to Ignite Mathematical Think�ng (Thousand Oaks, CA: Corwin, 20 1 1 ), pg. 4.

1 75

A MENTE BEM TREINADA

Abord a g e m e m E s p i ra l e Abo rd a g e m d e M a estria Os programas de Matemática tendem a adotar uma entre duas aborda­ gens básicas: espiral ou maestria. A abordagem em espiral presume que os estudantes aprendem melhor quando praticam uma habilidade em nível básico e, em seguida, afastam-se dela para aprender outras habilidades, retornando mais tarde à habilidade inicial para praticá-la em nível ligei­ ramente mais aprofundado. Múltiplas habilidades são ensinadas a cada ano e revisadas no ano seguinte; não se espera que o estudante domine inteiramente conceitos e operações até que ele tenha "espiralado " de volta a ela novamente e ainda outra vez. A abordagem de maestria ensina um menor número de tópicos por ano mas concentra-se por mais tempo em cada um deles. Os programas de maestria também abrangem conceitos em maior profundidade, alimen­ tando a expectativa de que o estudante desenvolva um entendimento mais profundo antes de avançar para o próximo conceito; esse conhecimento servirá, então, como fundamento para o conceito seguinte, mas não será explicitamente revisto por um período muito maior de tempo.

Como as cri a n ças pensa m Pouco importando qual programa ou abordagem você decida usar (vej a mais adiante } , o uso de manuseáveis para ilustrar conceitos é vital. Quando você ensinou seu estudante a escrever, o primeiro passo foi adotar um modelo concreto - uma palavra ou frase escrita - em frente à criança para que ela a copiasse. Somente quando ela dominava o modelo concreto você retirava o modelo e pedia que ela escrevesse a partir de um ditado. Somente após copiar um modelo escrito ela se tornava capaz de formar um quadro mental da frase falada . Este primeiro passo é necessário porque as crianças pequenas tendem a pensar em termos concretos. Elas não fazem operações matemáticas de cabeça; se você pedir a um estudante em nível de primeira grade que some 3 e 2, ele olhará em volta procurando por colheres, dedos, maçãs ou moedas para contar de modo a achar a resposta. Do mesmo modo que você pediu ao escritor iniciante que copiasse um modelo visível, você pedirá ao matemático iniciante que faça cálculos aritméticos usando "manuseáveis " - objetos que ele pode ver, tocar e mover. 1 76

A ALEGRIA DOS NÚMEROS

Empresas especializadas no ensino de Matemática vendem caixas de manuseáveis ( vej a a seção de Recursos ao final deste capítulo) mas você também pode usar feij ões, moedas, blocos ou pastilhas de chocolate. Palitos de dentes funcionam bem quando você precisa deslocar valores - você pode mover uma pilha de dez palitos da coluna das unidades para a das dezenas e, assim, ilustrar a adição de números de 2 dígitos, ou pode dividir as pilhas para ilustrar o conceito de "pedir emprestado " . A cada vez que você ensinar uma nova habilidade matemática, faça a criança montar os problemas com a aj uda de objetos reais até que o conceito faça sentido para ela. VO CÊ: Ponha estes três feij ões em uma pilha. Ponha estes dois feij ões em outra pilha. Agora j unte as duas. Isto é adição. Com quantos feijões você ficou ? CRIANÇA: ( Conta cuidadosamente os feij ões ) . Cinco . Ou . . . VOCÊ: Vamos somar trinta e seis e vinte e sete. Para o trinta e seis, nós temos três pilhas de dez palitinhos - trinta - mais seis palitinhos adicionais para as unidades. Para o vinte e sete, temos duas pilhas de dez mais sete unidades. Com quantas pilhas de dez palitos nós estamos agora ? CRIANÇA: (Conta as pilhas ) . Cinco. VOCÊ: Quantos palitos há na soma dessas cinco pilhas ? CRIANÇA: Cinquenta. VOCÊ: Quantas unidades - isto é, palitinhos soltos - nós temos ? CRIANÇA: (Agrupa os seis palitos soltos com os outros sete ) . Treze. VOCÊ: Nós podemos escrever o número treze na coluna das unidades ? Não, porque não vai caber. Onde pomos esses palitinhos que estão sobrando ? (A criança vê que ela pode reunir dez do treze palitos em mais uma pilha e uni-la às demais cinco pilhas que ela já tem. Agora, ela tem seis grupos de 1 O e três palitos soltos - sessenta e três no total. Ela acabou de aprender a fazer contas de emprestar) . Até mesmo crianças mais velhas podem beneficiar-se do uso de manuseáveis quando estiverem aprendendo uma nova habilidade; as frações, por exemplo, podem exigir a divisão de uma torta de maçã antes que comecem a fazer sentido. 1 77

A MENTE BEM TREINADA

Quando o conceito estiver dominado em um nível concreto, será hora de avançar para a Aritmética mental, em que a criança pode imaginar os itens em sua mente em vez de lidar com maçãs, moedas, feij ões ou palitos de dentes reais à sua frente2• A Aritmética mental requer pensamento a bstrato porque os numerais agora representam obj etos concretos: 3 mais 2 representam 3 feijões e 2 feij ões; o número 27 representa duas pilhas de 10 mais 7 palitos avulsos. Mas não force a criança a dispensar os manuseáveis até que estej a pronta . As mentes de cada criança amadurecem em ritmos diferentes; se você exige de uma criança que faça contas de somar apenas com numerais ( sem objetos ) antes que estej a pronta, o resultado será a frustração com a Matemática. Crianças entre 5 e 7 anos de idade normalmente precisam de ob­ j etos concretos; crianças entre 8 e 10 anos começam a transição para o modo de " imagem mental" (mas ainda precisam de manuseáveis para a introdução de novos conceitos ) . Caso você pergunte a uma criança de cinco anos quantas pessoas há em sua família, ela se voltará e contará todas as pessoas presentes. Faça a mesma pergunta a uma criança de oito anos e ela invocará a imagem de cada pessoa em sua mente para contar as imagens: " Eu, Mamãe, Papai, Jeremias. Somos quatro " . O verdadeiro pensamento abstrato - a habilidade de usar símbolos como 5 + 7 ou 27 x 2 sem usar ou visualizar obj etos concretos - é o terceiro estágio do desenvolvimento mental. O pensamento abstrato surge por volta dos nove ou dez anos de idade, coincidindo com o estágio Lógico. O estágio Lógico é a hora de ensinar "habilidades de pensamento crítico de alta ordem " . O objetivo da Matemática elementar inicial é fazer a criança progre­ dir desde a manipulação de obj etos reais até à capacidade de visualizar mentalmente esses objetos. Você realizará esse obj etivo através de muita prática com objetos reais. Num momento posterior (terceira ou quarta grades ) do ensino da Matemática elementar, você começará a condu­ zir a criança, por meio de muita repetição, na direção do pensamento simbólico, de modo que ela conquiste a capacidade de usar números escritos e entender o que esses números representam. 2

Os educadores se referem a este fenômeno como a progressão do estágio manipula­ tivo ou pré-operacional para o estágio da imagem mental ou operacional concreto.

1 78

A ALEGRIA DOS NÚMEROS

Você não pode forçar uma criança a desenvolver o pensamento a bstrato. Em vez disso, assente a fundação para ela através da prática. Você terá quatro anos para chegar lá. Não se apresse e a criança terá uma forte fundação sobre a qual construirá essas habilidades de alta ordem3 •

Ta b u a d as: u ma d efesa Nós consideramos que a memorização d e fatos matemáticos - fatos da adição e subtração, tabuadas de multiplicação e divisão - é essencial para formar uma sólida fundação. Sentimos que muito do protesto re­ lacionado à aprendizagem da tabuada surgiu porque as crianças eram ensinadas a queimar a etapa da imagem mental. Se a criança for condu­ zida diretamente do modo manipulativo para o simbólico, os símbolos 2 + 4 = 6 não terão significado algum. Ela j amais os terá praticado com feijões. Caso seja forçada a memorizar uma folha inteira de símbolos sem sentido (2 + 1 = 3, 2 + 2 = 4, 2 + 3 = 5 ) , ela estará memorizando puro besteirol. Isto é decoreba na sua pior forma e, claro, não é produtivo. Mas após ter praticado adição com objetos manuseáveis (2 fei­ j ões mais 1 feij ão é igual a 3 feijões, 2 feijões mais 2 feij ões é igual a 4 feijões, 2 feij ões mais 3 feij ões é igual a 5 feij ões ) e, então, praticado essas mesmas somas com feijões imaginários, a criança terá entendido o conceito da adição. Neste ponto, a memorização de tabuadas reforça e fortalece um conceito que a criança compreende. O esforço de memorização também conduz a criança em direção ao pensamento abstrato, simbólico. O conhecimento completo de fatos matemáticos a bre o caminho para um entendimento instintivo de rela­ ções matemáticas. Vej a, por exemplo, a tabuada de multiplicação por 9 : 9 X 2 = 18 9 X 3 = 27 9 X 4 = 36 9 X 5 = 45 9 X 6 54 =

3

O conceito de "habilidades de alta ordem " parece implicar que as " habilidades de baixa ordem " ( tais como o conhecimento da adição e dos fatos da divisão) seriam, de alguma forma, menos importantes ou desnecessários. Mas " mais alto " , neste caso, significa apenas " que veio depois " . O décimo andar de um prédio é " mais alto" do que sua fundação, mas ninguém argumentaria que a fundação é menos importante simplesmente porque é " mais baixa " .

1 79

A MENTE BEM TREINADA

Quando se multiplica um número de 1 algarismo por 9, o primeiro algarismo do número resultante é sempre 1 a menos do que o número com que você começou: 9x2= 1 9 x 3 =2 9x4=3 9 x 5 =4 9x6=5 E a soma do segundo algarismo do número resultante, quando adicionado ao primeiro, sempre somará 9 . 9

X

2 = 18 (1

+

8 = 9)

9

X

3 = 27 ( 2

+

7 = 9)

9

X

4 = 36 (3

+

6 = 9)

9 9

X

5 = 45 (4 6 = 54 ( 5

+

5 = 9) 4 = 9)

X

+

Este pequeno truque mental para lembrar a tabuada de multiplicação por 9 também revela uma importante relação matemática: como 9 é igual a 1 0 menos 1 , a multiplicação de um número de um algarismo (como o 6 ) por 9 j amais produzirá aquele mesmo número de 1 algarismo na co­ luna das dezenas. 6 x 9 tem que ser menor do que 60, porque a soma de 9 grupos de 6 obrigatoriamente será menor do que a de 10 grupos de 6 . 6

6 X

9

X

54

10 60

O domínio de fatos básicos neste momento assenta a fundação para o entendimento posterior. Um dos parentes de Jessie que está na oitava grade frequentou uma bem conceituada escola particular da vizinhança. Em vez de exigir que ele memorizasse os fatos matemáticos, a escola permitia que ele usasse a calculadora em seus estudos de Matemática desde as primeiras grades. Quando ele precisou aprender álgebra, ele conseguia resolver problemas banais - aqueles que seguiam exatamente 1 80

A ALEGRIA DOS NÚMEROS

o modelo do livro-texto - mas faltava-lhe uma verdadeira compreensão das relações matemáticas básicas. Quando se defrontava com problemas mais difíceis ou inovadores, ele ficava perdido. A máquina havia feito as computações em seu lugar por tempo demais . Isto nos leva a um firme princípio do ensino da Matemática ele­ mentar: sem calculadoras. Não se deve permitir o uso de calculadora

por nenhuma criança que ainda não tenha ainda memorizado os fatos matemáticos. Nós recomendamos que o início do uso de calculadoras se dê na sétima grade, e j amais antes.

M a nte n d o a M atemática em pers pectiva No capítulo 4, recomendamos uma ampla variedade de livros de histórias matemáticas e manuseáveis para uso com seu filho em idade pré-escolar. Quando você começa a usar um currículo matemático de verdade, é fácil permitir que as outras atividades caiam para segundo plano. Mas não se esqueça de que a Matemática não é meramente uma disciplina escolar: é uma forma de entender o mundo. No primeiro capítulo de seu livro How Not to Be Wrong: The Power

of Mathematical Thinking, o matemático Jordan Ellenberg observa que tratar a Matemática simplesmente como uma outra parte do currículo estimula os estudantes a pensar nela como se fosse irrelevante e inútil, especialmente quando chegam aos níveis mais elevados. ( " O número de adultos que j amais fará uso da . . . divisão polinomial sintética " , observa, "pode ser contado em alguns poucos milhares de almas " ) . Em vez disso, Ellenberg incentiva os leitores a pensar no conhecimento matemático como " um par de óculos de raios X que revelam estruturas ocultas sob a superfície confusa e caótica do mundo. A Matemática é a ciência de não estar errado sobre as coisas, suas técnicas e hábitos foram lapidados por séculos de trabalho duro e argumentação. Com as ferramentas da Matemática em suas mãos, você poderá entender o mundo de um modo mais profundo, inteligente e significativo " )4• Assim, enquanto você avança em seu programa de Matemática, faça um esforço para conferir livros de Matemática e para praticar a 4

Jordan Ellenberg, How Not to Be Wrong: The Power of Mathematical Thinking ( New York: Penguin Books, 20 1 5 ) , pp. 2-3 .

181

A MENTE BEM TREINADA

Matemática do dia a dia. Nós sugerimos recursos para ambos nas listas ao final deste capítulo . Caso você não se sinta à vontade para integrar a Matemática à sua rotina diária ( provavelmente porque ninguém fez isso por você durante seus anos escolares), estabeleça uma meta: leia um livro de histórias matemáticas e faça um projeto de Matemática " da vida real " a cada semana. E leve a sério esta última parte.

Ed u q u e - se Para ensinar Matemática a seu filho, você precisa desenvolver seu pró­ prio entendimento. Não se preocupe: quando seu j ovem estudante atingir os níveis mais avançados, você certamente poderá escolher o serviço de um tutor, de uma aula online ou de outra forma de instrução externa. Você não precisa necessariamente dominar as complexidades da álgebra ou de pré-cálculo para educar seus filhos em casa. Mas você realmente precisa entender os aspectos básicos do pen­ samento matemático. Se o seu estudante em nível de primeira grade é capaz de dominar o valor-posição ( realmente dominá-lo, não apenas memorizar passos ) , você também pode dominá-lo. Afinal, ele tem apenas seis anos. Você é um adulto. E você tem a responsabilidade de aj udá-lo a aprender. Um estudo de 20 1 5 publicado pela "Association for Psychological Science " 5 sugere que quando os pais ansiosos com Matemática tentam aj udar seus filhos de primeira e segunda grades a fazer seus deveres de casa, sua aj uda, paradoxalmente, reduz o desempenho matemático de seus filhos. Assim, caso o seu nível de " numeracia " sej a baixo, decida-se a ler pelo menos um livro de Matemática popular por ano. Não fique estacado tentando dominar cada equação ou problema que eles apresentarem; em vez dis­ so, tente entender o tipo de pensamento exigido pela Matemática. Nós apresentamos uma lista na seção de Recursos que vem logo em seguida. 5

Nota do tradutor: A "Association for Psychological Science (APS ) " (Associação para a Ciência Psicológica ) , anteriormente chamada de "American Psychological Society" (Sociedade Americana de Psicologia) é uma organização internacional sem fins lu­ crativos cuja missão é promover, proteger e desenvolver os interesses da Psicologia científica, especialmente em suas aplicações à Educação, Pesquisa e Bem Estar.

1 82

A ALEGRIA DOS NÚMEROS

C o m o esco l h e r u m p rog ra m a A escolha do programa de Matemática adequado para seu filho sempre envolverá algum tipo de concessão. A maioria dos currículos se inclina um pouco demais em uma direção ou outra. Programas conceituais de Matemática tendem a ter baixa pontuação no campo da " usabilidade " por pais que não sejam, eles mesmos, matematicamente vocacionados, ou no campo da escala de " acessibilidade " de preço, ou em ambos; eles também, geralmente, dedicam um tempo muito limitado à maestria dos fatos matemáticos ( " Escreva os números que somam seis. Memorize-os ! " , diz o Math Mammoth, porém, sem oferecer estratégias de memorização ou exercícios práticos de treinamento) . Os currículos que se inclinam na direção procedural são fortes na prática e no treinamento mas, ge­ ralmente, pecam por não explicar claramente os conceitos. Além disso, cada estudante aprende de forma diferente. Quem pensa de forma muito concreta pode sentir-se frustrado com programas conceituais; algumas crianças precisam aprender o procedimento e, em seguida, receber instruções adicionais sobre conceitos. Outras precisam dominar o conceito primeiro e, em seguida, precisam de muito pouco sob a forma de ensino procedural. O ensino em espiral é adequado para alguns estudantes mas frustra outros tantos. O ensino orientado à maestria acende o interesse em algumas crianças, mas parece exagerado para outras. Nós indicamos a abordagem adotada pelos currículos que apresen­ tamos na lista a seguir e também acrescentamos uma lista de recursos adicionais para ensinar conceitos e procedimentos. Se você tem um programa conceituai, suplemente-o com treino matemático adicional; se você escolheu um programa procedural, certifique-se de adicionar alguma instrução adicional no campo dos conceitos. Até que você efetivamente comece a ensinar a Matemática, você poderá não saber se a abordagem mais adequada para seu filho é em espiral ou de maestria . Nós recomendamos fortemente que você faça download de lições de amostra no website de cada editora e simule o uso dos programas antes de comprar um deles. Mas pode levar até seis meses ou mais de instrução para identificar o estilo de aprendizagem pre­ ferido de seu filho. Não se preocupe: o ensino da Matemática de primeira 183

A MENTE BEM TREINADA

e segunda grades deve ser uma fase em que você pode experimentar e trocar programas sem preocupar-se em " ficar para trás " . Sua prioridade absoluta deve ser encontrar a abordagem certa para seu filho. Uma vez que você encontre um programa funcional, esforce-se para ficar com ele. Todos os programas de Matemática se desenvolvem a partir do que foi ensinado no ano anterior. Quanto mais você mudar os sistemas, maior a chance de confundir o estudante. Muitos pais entram em desespero diante da tarefa de escolher o programa correto de Matemática. Mas cada um dos programas de Matemática que listamos aqui é uma boa opção. A decisão por um programa de Matemática não deveria levar ninguém a perder o sono. Caso seu filho comece a chorar quando você traz o livro de Ma­ temática, troque de programa, pouco importando o quanto " todo mundo " diga que é bom. Caso seu filho estej a progredindo, continue com o programa, mesmo que "todo mundo" em seu grupo de apoio à Educação Domiciliar decida trocá-lo por outro. Caso você desej e conferir se o seu filho está realmente entendendo os ensinamentos do programa escolhido ( em vez de simplesmente fazer os exercícios seguindo uma fórmula, sem nenhuma compreensão real dos princípios envolvidos), pegue uma ou duas lições de outro programa ou suplemento e peça que seu filho as complete. Certifique-se de que essas lições envolvam material estudado alguns meses antes, pois leva tempo para que os conceitos Matemáticos sej am " absorvidos " . Caso a crian­ ça consiga completar lições de outro programa, ela estará entendendo o que o programa ensina, pois é capaz de transferir conceitos de um programa para outro. Se, por outro lado, ela parece perdida, ela pode estar aprendendo " por fórmula " , isto é, descobrindo como " encaixar " as respostas exigidas por um programa específico de Matemática, sem realmente entender porque o faz. Caso isso estej a acontecendo, experi­ mente outro programa.

S u g estões de cro n og ra ma s É melhor estudar Matemática todos o s dias, especialmente durante as grades iniciais. (A maioria dos pais educadores faz da aula de Mate­ mática a primeira da manhã, momento em que as crianças estão mais 1 84

A ALEGRIA DOS NÚMEROS

alertas e dispostas a encarar um desafio ) . Um típico ano escolar tem 36 semanas, ou 1 8 0 dias, embora você possa organizar o ano escolar para aj ustar-se às particularidades de sua família (vej a o capítulo 40 para mais detalhes ) . Conte o número de lições em qualquer que sej a o currículo escolhido. Em seguida, decida se você desej a fazer lições de Matemática cinco ou quatro dias por semana ( reservando, no segundo caso, um dia para viagens a campo, visitas à Biblioteca, leituras sobre Matemática ou proj etos práticos ) . P o r exemplo, o kit Saxon para ensino domiciliar na primeira grade tem 1 3 0 lições, o que significa que você pode fazer quatro lições por semana e reservar um dia para outra atividade, ou quatro lições por semana com a opção de estender uma lição ou duas por dois dias ou mais ( algumas lições são mais longas do que as demais), ou ainda cinco lições por semana, tirando uma semana de folga do currículo de vez em quando. Quando Susan estava na primeira grade, ela adorava as lições de " brincar de loj a " e, assim, nós estendíamos essas lições por dois dias . Nós também tirávamos uma semana de folga de tempos em tempos para nos concentrar em algum projeto específico de História ou Ciência : construir um modelo da Grande Muralha da China; montar um caderno de Natureza; plantar um j ardim; visitar o museu científico. Lembre-se: especialmente na primeira e na segunda grades, você não desej ará tirar mais do que uma semana de folga das lições de Matemá­ tica. Conceitos matemáticos com que a criança não estej a familiarizada são facilmente esquecidos.

Amost ra s de c ro n og ra ma s (a p e n a s d u a s entre m u ita s possi b i l i d a d es) Primeira Grade Lição de Matemática .

30 a 40 minutos por Segunda-feira

dia Terça-feira

Lição de Matemática, leitura de livros de histórias matemáticas.

Quarta-feira

Lição de Matemática.

Quinta -feira

Lição de Matemática, projeto de Matemática da " vida real " .

Sexta-feira

Dia reservado para projeto ou biblioteca.

1 85

A MENTE BEM TREINADA

Segunda, Terceira e_ç_uarta Grades Lição de Matemática.

40 a 60 minutos por Segunda-feira

dia Terça-feira

Lição de Matemática, leitura de livros de histórias matemáticas.

Quarta-feira

Lição de Matemática.

Quinta-feira

Lição de Matemática, projeto de Matemática da "vida real " .

Sexta-feira

Dia reservado para proj eto ou biblioteca.

ou Primeira Grade Lição de Matemática.

30 a 40 minutos por Segunda / Quarta dia / Sexta

Terça-feira

Lição de Matemática, leitura de livros de histórias matemáticas.

Quinta-feira

Lição de Matemática, proj eto de Matemática da " vida real " .

Sc:g_u nda, Terceira e_ç_uarta Grades Lição de Matemática. / Sexta Terça-feira Lição de Matemática, leitura de livros de histórias matemáticas. Lição de Matemática, projeto de Matemática Quinta-feira da " vida rea l " .

40 a 60 minutos por Segunda / Quarta

dia

Rec u rsos

A maior parte dos livros pode ser obtida em qualquer livraria ou biblio­ teca; a maior parte dos currículos pode ser adquirida diretamente na editora ou em um grande fornecedor de material para Educação Domi­ ciliar, tal como o Rainbow Resource Center. Informações para contato com editoras e fornecedores estão disponíveis em www. welltrainedmind. com. Incluímos uma observação nos casos em que os títulos sugeridos têm disponibilidade limitada. Nos locais indicados, listamos os recursos em ordem cronológica (isto é, a ordem em que você os usará). Os livros que fazem parte de séries foram listados em conjunto. Lembre-se de que opções adicionais de currículos e outras informações estão disponíveis em www.welltrainedmind .com. Os preços variam constantemente, mas incluímos os valores de 2 0 1 6 para que você tenha uma ideia do investimento necessário. 1 86

A ALEGRIA DOS NÚMEROS

Ed u ca nd o a si m e s m o Comece com: Ma, Liping. Knowing and Teaching Elementary Mathematics: Te­

achers ' Understanding of Fundamental Mathematics in China and the United States, anniversary ed. New York: Routledge, 20 1 0 . O estudo feito por M a sobre a s diferenças entre o s professores americanos e chineses de Matemática em nível elementar é uma mara­ vilhosa introdução ao pensamento matemático e também oferece uma compreensão de conceitos de ensino para j ovens estudantes. Em seguida, experimente aprofundar-se com alguns dos seguintes títulos ( você descobrirá outros à medida que for lendo) : Benj amin, Arthur. The Magic of Math: Solving for x and Figuring Out Why. New York: Basic Books, 20 1 5 . Eastaway, Rob, and Jeremy Wyndham. Why D o Buses Come in Threes? The Hidden Mathematics of Everyday Life. New York: John Wiley & Sons, 2000. Ellenberg, Jordan. How Not to Be Wrong: The Power of Mathe­ matical Thinking. New York: Penguin Books, 20 1 5 . Fernandez, Oscar E . Everyday Calculus: Discovering the Hidden Math Ali Around Us. Princeton, NJ: Princeton University Press, 2 0 1 4 . Mlodinow, Leonard . The Drunkard's Walk: How Randomness Rufes Our Lives. New York: Vintage, 2009. Oakley, Barbara. A Mind for Numbers: How to Excel at Math and Science (Even If You Flunked Algebra) . New York: Tarcher, 2 0 1 4 . Strogatz, Steven. The ]oy o f x: A Guided Tour o f Math, from One to Infinity. New York: Mariner Books, 20 1 3 .

C u rríc u l os d e M atem ática ( l i sta e m o rd e m a lfa bética) Math M a m m oth

O Math Mammoth é um programa de Matemática elementar relati­ vamente novo, mas altamente conceituado e fortemente orientado para a maestria que tem uma abordagem conceitua! - de fato, é provavelmente o mais conceitua! dos programas listados aqui. A apresentação é simples (há apenas um livro para cada nível, contendo tanto as explicações 187

A MENTE BEM TREINADA

quanto os problemas), os conceitos são explicados em pequenos passos, contém muitas ilustrações (embora não inclua manuseáveis) e você pode fazer o download de cada nível por um preço extremamente atraente. O programa é muito forte em termos de conceitos, de Matemática mental e de solução de problemas. Ele é bastante mais fraco em termos de procedimentos práticos e muito breve na parte de treinamento repetitivo. ( Ocasionalmente, o texto traz notas com o título "Memorize these facts ! " [ " Memorize estes fatos ! " ] mas não oferece muita aj uda adicional) . Adicionalmente, não h á praticamente nenhuma orientação a o pro­ fessor. O programa é divulgado como sendo " de auto-ensino " , mas não é, de forma alguma. Não há nada errado com as explicações do texto mas, caso seu filho não as entenda em uma primeira leitura, você terá de descobrir como reapresentar o material por conta própria . O pro­ grama Math Mammoth é definitivamente melhor para pais orientados à Matemática (e eu recomendaria fortemente que você lesse o livro de Liping Ma antes de tentar ensiná-lo ) . Você precisará adicionar diversos elementos a o programa: treina­ mento de fatos matemáticos, conforme a necessidade; revisão frequente de conceitos abordados anteriormente; um conj unto de manuseáveis . A maior parte dos estudantes em nível elementar necessitará de algum esforço com a " mão na massa" em vez de simplesmente observar ilus­ trações. O autor do programa recomenda o uso de um ábaco, mas você também precisará adicionar outros dos recursos manuseáveis que recomendamos mais adiante nesta seção. Amostras de lições e muitos recursos adicionais estão disponíveis no website da editora . O currículo está disponível tanto para download como em CD. Cada nível contém dois livros: um livro "A" para o primeiro semestre e um livro " B " para o segundo . Quando você adquire o " Full Set" [ " Conj unto completo " ] você também recebe chaves de respostas, revisões adicionais e um gerador de planilihas conectado à internet. O download de cada conj unto custa $ 3 7.50; o preço dos CDs é $42 . 5 0 : Math Mammoth Light Blue Series Grade 1 full set. Grade 2 full set. Grade 3 full set. 188

A ALEGRIA DOS NÚMEROS

Grade 4 full set. Grade 5 full set. Math - U -See O programa Math-U-See é baseado em uma série de vídeos instru­ cionais em que se demonstram os conceitos com o uso de manuseáveis; o estudante também se exercitará com esses manuseáveis enquanto estiver completando as tarefas do livro de exercícios . É adequado para pais que se sentem intimidados com a ideia de ensinar Matemática e para crianças que tenham um estilo de aprendizagem que sej a muito visual ou tátil. A abordagem multissensorial é especialmente adequada para estudantes que tenham algum nível de dislexia. O programa tem uma abordagem conceituai; certifique-se de com­ prar folhas de exercícios para prática adicional da própria MUS ou de suplementar o programa com os recursos sugeridos mais adiante, de modo que os estudantes tenham plena oportunidade de solidificar seu conhecimento dos fatos matemáticos . O Math-U-See é primariamente um programa orientado à maestria, incluindo revisões frequentes. Em vez de oferecer textos divididos por grade, o Math-U-See Elementary Curriculum é dividido em níveis. O nível Primer (Cartilha), para a pré-escola e j ardim de infância, provavelmente

poderá ser omitido para a maioria dos estudantes, a menos que você j ul­ gue necessária uma introdução suave ao ensino formal da Matemática. Caso contrário, avance pelos seis livros do Currículo Elementar segundo a ordem: Alpha ( adicão e subtração de números com um algarismo), Beta (adicão e subtração de números com múltiplos algarismos), Gamma (mul­ tiplicação), Delta (divisão) , Epsilon ( frações) e Zeta (números decimais e porcentagens) . Esta progressão levará seu filho até à quinta ou sexta grade. ( Esta descrição reflete a revisão do programa Math-U-See do ano de 2004; caso você compre material de segunda mão com data de 2003 ou anterior, você encontrará um currículo dividido em Foundations of Mathematics, abrangendo o material da primeira, segunda e terceira grades, e Intermediate Mathematics, que abrange a quarta, quinta e sexta grades ) . Cada nível inclui u m Student Pack ( Pacote d o Estudante ) , que in­ clui um livro de exercícios e um livrete de testes, e um Instruction Pack ( Pacote de Instruções ) , com manual de instruções e DVD. 1 89

A MENTE BEM TREINADA

Visite o website da editora para acessar os testes de nivelamento, vídeo demonstrativo e outros recursos. Manipulative Blocks (Blocos manuseáveis) . $ 3 8 . Necessários para todos os níveis . O editor recomenda que você compre dois conj untos. Primer ( pré-escola e j ardim de infância ) .

Instruction Pack. $ 3 1 . Student Pack. $22. Alpha ( adicão e subtração de números com um algarismo ) . Instruction Pack. $43. Student Pack. $30. Beta ( adicão e subtração de números com múltiplos algarismos ) . Instruction Pack. $43. Student Pack. $ 3 0 . Gamma (multiplicação ) . Instruction Pack . $44. Student Pack . $ 3 0 . Delta (divisão ) . Instruction Pack . $44. Student Pack . $ 3 0 . Epsilon ( frações ) . Instruction Pack . $45 . Student Pack . $ 3 0 . Folhas para sobreposição d e frações. $40.

Zeta ( número decimais e porcentagens ) . Instruction Pack. $45 . Student Pack . $ 3 0 . Encartes para Á lgebra e números decimais. $20. Right Sta rt M at h e m atics

O programa Right Start Math tem uma abordagem prática, baseada em princípios montessorianos. O programa, que faz uso intensivo de um ábaco e de manuseáveis, reduzindo a ênfase em folhas de exercícios, é bem concebido para estudantes que têm dificuldades com a coordenação motora fina; a aprendizagem não é vinculada à habilidade de Escrita do estudante. 1 90

A ALEGRIA DOS NÚMEROS

Right Start Math tem uma orientação conceituai mas também ofe­ rece um bocado de instrução procedural. Embora sej a, provavelmente, o mais abrangente programa de nossa lista, é também, de longe, o mais caro. Embora o editor alegue que o programa tenha uma abordagem tanto de maestria quanto em espiral, ele se inclina fortemente em direção à a bordagem em espiral. O programa elementar é dividido em níveis, em vez de grade; o nível A é uma preparação preliminar para o j ardim-de-infância, e a maioria dos estudantes de primeira grade pode avançar diretamente para o nível B. O website da Right Start oferece um teste de nivelamento. Ao completar os níveis de B a E, o estudante estará no nível do quarta grade completa; vej a no capítulo 1 5 , [página 3 8 7] nossos pensamentos sobre a transição do Right Start para outro programa de Matemática. Em 2 0 1 5 , o programa estava sob revisão; a segunda edição estava parcialmente completa, com os níveis restantes previstos para lança­ mento em 20 1 7. Amostras estão disponíveis no website da editora. RS2 Math Set (ali manipulatives for all levels) . $280. Levei A Book Bundle (2nd ed. ) ( optional ) . $ 8 5 . Levei B Book Bundle (2nd ed. ) . $ 8 5 . Levei C Book Bundle (2nd ed. ) . $ 8 5 . Levei D Book Bundle (2nd ed. ) . $ 8 5 . Levei E Starter Kit. $2 1 5 . Saxon Math

Saxon Math é o mais procedural dos programas de nossa lista . Alguns estudantes vão achá-lo seco e nada· inspirador, enquanto ou­ tros necessitarão da cuidadosa instrução passo a passo, dos exemplos concretos e da repetição constante para encontrar seu caminho na Matemática . Os Home Study Kits da Saxon contêm livros de exercícios para o estudante e um manual do professor que explica os conceitos para o pai-educador e esclarece a melhor maneira de ensiná-los . As grades 1 a 3 também incluem um Daily Meeting Book, que guia o pai-educador através de habilidades práticas como medições, aprender a ver as horas no relógio, leitura de mapas, entre outras . O programa Saxon Math também tem muitas atividades: j ogos de histórias, medição 191

A MENTE BEM TREINADA

de aposentos, plotagem gráfica das idades de todos os que a criança conhece, e assim por diante . Os manuais recomendam que a criança pequena estude Matemática por curtos períodos, duas vezes por dia : na primeira sessão, explique o conceito usando manuseáveis e complete um lado da folha de exercícios; mais tarde, no mesmo dia, faça a criança revisar o material completando o outro lado da folha . Muitos pais-educadores (Susan entre eles ) consi­ deram que uma sessão por dia (e um lado da folha ) são o bastante, e que não é necessário fazer os exercícios do Daily Meeting a menos que você goste muito deles. Certifique-se de usar os manuseáveis recomendados . O programa Saxon tem uma abordagem fortemente em espiral. Saxon Math é graduado em níveis K, 1 , 2 e 3 para estudantes des­ de o j ardim de infância até a terceira grade. Após a terceira grade, os livros-textos são divididos por " nível de habilidade " em vez de " nível de grade " . Assim, o volume Math 3 é seguido pelo Math 5/4, dirigido a estudantes em nível de quarta grade que tenham completado o livro Math 3 ou para crianças em nível de quinta grade que tenham levado dois anos para completar o livro Math 3. Ao volume Math 5/4 seguem-se os volumes 615 , 716, 817 (Matemática em geral para aqueles que neces­ sitem de prática adicional) e, então, por Algebra 1/2 (vej a o capítulo 5 ) . Idealmente, você deveria passar direto d o Math 7/6 para o Algebra 1/2 . Sugerimos enfaticamente que você combine o programa Saxon com um dos suplementos conceituais listados a seguir. Além disso, os treinos cronometrados de fatos matemáticos não são adequados para estudantes do nível elementar, pois eles frequentemente entram em pânico quando o relógico começa a tiquetaquear; faça os treinos, mas não controle o tempo. Saxon Homeschool Mathematics. Boston: Ho ughton Mifflin Harcourt. Saxon Math 1 Homeschool Complete Kit ( l st ed. ) . $ 1 1 7. 5 5 . Saxon Math 2 Homeschool Complete Kit ( l st ed. ) . $ 1 1 7. 5 5 . Saxon Math 3 Homeschool Complete Kit ( l st ed. ) . $ 1 2 1 .20. Saxon Math 514 Homeschool Complete Kit ( 3rd ed. ) . $96 . 8 5 . Para estudantes e m nível d e quarta grade. Saxon Homeschool Manipulative Kit ( l st ed. ) . $94.40. Contém todos os manuseáveis exigidos para as grades 1 a 3 . 1 92

A ALEGRIA DOS NÚMEROS

S i n g a pore P ri m a ry M ath

Singapore Math é o programa usado nas escolas de Singapura6; o método tornou-se popular nos Estados Unidos em grande parte devido à elevada pontuação obtida pelas crianças cingapurenses nos testes in­ ternacionais de Matemática. O programa Singapore Math é fortemente conceituai, concentrando-se no ensino do pensamento matemático desde o início, sendo que os exercícios de " Matemática mental" são atribuídos tão logo as crianças aprendam a contar. Devido ao fato de que a meta do programa Singapore Math é produzir um entendimento do modo de funcionamento dos processos matemáticos, as habilidades são introdu­ zidas em momentos diferentes dos adotados pelos métodos americanos. A multiplicação e a divisão entram em cena bem cedo ( j á no comecinho da segunda grade ) de modo que o estudante se conscientiza da relação entre multiplicação e adição, e entre subtração e divisão. Cada semestre do programa Singapore Primary Math (para as grades 1 a 6) consiste em um livro-texto, um livro de exercícios e um guia para os pais. Os livros-textos são coloridos, com ilustrações semelhantes às de histórias em quadrinhos e figuras que mostram cada novo conceito trabalhado com obj etos reais (muito importante para estudantes no estágio Gramatical ) . Os livros de exercícios são consumíveis. O programa Singapore Math não é tão orientado a fatos como o Saxon ou Math-U-See, e não contém toda a instrução procedural que você pode encontrar no programa Right Start. Muitas crianças florescem com ele, enquanto outras simplesmente precisam de uma abordagem menos abstrata nos anos iniciais. O método Singapore conduz as crian­ ças ao pensamento do estágio Lógico muito mais cedo do que outros 6

Nota do tradutor: A República de Singapura é um país insular localizado no ex­ tremo sul da Península Malaia, no Sudeste Asiático, apresentando o maior Í ndice de Desenvolvimento Humano (IDH) dos países asiáticos e o 9º melhor do mundo. No exame Pisa 2 0 1 5 , teste para avaliar a preparação dos estudantes de 72 países pertencentes à OCDE ( Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econô­ mico ), Singapura obteve o primeiro lugar em todas as disciplinas testadas ( Mate­ mática, Leitura e Ciência ) . No teste de Matemática, Singapura obteve 564 pontos contra apenas 548 de Hong Kong, o segundo colocado. Para efeito de comparação, no mesmo teste, a média da OCDE foi de 490 pontos. Os estudantes americanos obtiveram 470 pontos, ficando em 40º lugar. Já os brasileiros conquistaram apenas 3 77 pontos, ficando em 67º lugar, à frente apenas de Macedônia, Tunísia, Kosovo, Argélia e República Dominicana.

1 93

A MENTE BEM TREINADA

programas. Caso você experimente o programa Singapore e seu filho fique frustrado, isto pode indicar uma lacuna de maturidade: mante­ nha-se com outro programa mais uns dois anos. Os " Home Instructor's Guides" ( " Guias para o Instrutor Domiciliar" , que são indispensáveis) proveem listas de manuseáveis recomendados, mas não são incluídos no programa . A abordagem de Singapura segue o método concreto pictorial - abstrato - primeiro, você ensina os conceitos com obj etos concretos; depois, com figuras; e, finalmente, com símbolos - de modo que é essencial ter à mão os obj etos manuseáveis . Além disso, lembre-se de que este programa produz elevada pontuação em Singapura porque é parte de uma cultura orientada para a Matemática que provê amplo reforço adicional. Os livros-textos e de exercícios, sozinhos, não oferecem prática suficiente; invista nos recursos adicionais oferecidos pelo pro­ grama, tais como os livros Extra Practice e Challenging Word Problems. Singapore Math, U.S. edition. $ 1 2 . 5 0 cada livro-texto e livro de exercícios, $ 1 7.50 cada " Home Instructor Guide " . O programa pode ser adquirido na Singapore Math, Inc. (o distribuidor nos EUA, não a editora do programa ) , ou em um fornecedor de material para Educação Domiciliar. A edição dos EUA usa pesos e dinheiro americano.

Primary Math Primary Math Primary Math Primary Math Primary Math Primary Math Primary Math Primary Math Primary Math Primary Math Primary Math Primary Math Primary Math Primary Math Primary Math Primary Math Primary Math

US 1A Textbook. US 1A Workbook. US 1A Home Instructor's US 1 B Textbook. US 1 B Workbook. US 1 B Home Instructor's US 2A Textbook. US 2A Workbook. US 2A Home Instructor's US 2B Textbook. US 2B Workbook. US 2B Home Instructor's US 3A Textbook. US 3A Workbook. US 3A Home Instructor's US 3B Textbook. US 3B Workbook. 1 94

Cuide.

Cuide.

Cuide.

Cuide.

Cuide.

A ALEGRIA DOS NÚMEROS

Primary Math US 3B Home Instructor's Cuide. Primary Math US 4A Textbook. Primary Math US 4A Workbook. Primary Math US 4A Home Instructor's Cuide. Primary Math US 4 B Textbook. Primary Math US 4B Workbook. Primary Math US 4B Home Instructor's Cuide. Extra Practice for Primary Math US Edition 1 . $ 1 1 .2 0 . Extra Practice for Primary Math US Edition 2 . $ 1 1 .20. Extra Practice for Primary Math US Edition 3 . $ 1 1 .20. Extra Practice for Primary Math US Edition 4. $ 1 1 .5 0 . Extra Practice for Primary Math US Edition 5. $ 1 1 .5 0 . Challenging Word Problems for Primary Mathematics Core Edition 1 . $ 1 2 . 8 0 . Challenging Word Problems for Primary Mathematics Core Edition 2. $ 1 2. 80 . Challenging Word Problems for Primary Mathematics Core Edition 3. $ 1 2 . 8 0 . Challenging Word Problems for Primary Mathematics Core Edition 4. $ 1 2 . 8 0 . Challenging Word Problems for Primary Mathematics Core Edition 5. $ 1 2 . 8 0 .

Common Common Common Common Common

O bj etos m a n u seáve i s Ábaco

Wooden Abacus. $ 1 4 . 9 9 . Armação autossustentável, cem contas coloridas em fileiras 1 0 x 1 0. Faça seu pedido ao Rainbow Resource Center. Va retas C u i se n a i re

As varetas Cuisenaire vêm em comprimentos de 1 a 1 0 cm, cada uma delas identificada por um código de cor. Use-as j unto com um dos livros da lista a seguir para representações visuais e práticas de valor das casas decimais e de operações matemáticas. Todos esses itens podem ser pedidos à Hand2Mind. 1 95

A MENTE BEM TREINADA

Va reta s

Cuisenaire Rods lntroductory Set ( Conj unto Introdutório de Varetas Cuisenaire ) , em plástico, conj unto com 74. $ 9 .25 . Livros

Bradford, John. Everything's Coming Up Fractions with Cuisenaire Rods. New Rochelle, NY: Cuisenaire Company of America, 1 9 8 1 . Davidson, Patricia. Addition and Subtractions with Cuisenaire Rods. New Rochelle, NY: Cuisenaire Company of America, 1 9 8 9 . Davidson, Patricia, and Robert E. Willcott. From Here to There with Cuisenaire Rods: Area, Perimeter & Volume. New Rochelle, NY: Cuisenaire Company of America, 1 9 8 1 . Marolda, Maria R . Cuisenaire Rods Alphabet Book: Problem Sol­ ving A to Z. Vernon Hills, IL: Learning Resources, Inc., 2002. F ra cti o n Stax

$22 . 9 9 . Faça seu pedido à Carson-Dellosa Publishing Group. 51 peças empilháveis permitem que o estudante forme metades, terços, quartos, quintos, sextos, oitavos, décimos e doze-avos. Re l ó g i o mecâ n i co

Student Geared Clock. $ 3 . 9 9 . Faça seu pedido ao Rainbow Re­ source Center. Li n h a n u m e ra d a

Linhas numeradas para estudantes com giz o u marcador apagável. $2.50. Faça seu pedido ao Rainbow Resource Center. B l ocos p a ra pad rões

Em madeira, plástico ou espuma (maiores para mãozinhas meno­ res ) . Avalie a possibilidade de pedir um dos guias listados a seguir. Faça seu pedido à Didax. B l ocos

Blocos para padrões em plástico. 250 peças, seis formas e cores, 0,5 cm de espessura . $ 1 7. 9 5 . 1 96

A ALEGRIA DOS NÚMEROS

Blocos para padrões em espuma. 1 .250 peças, 1 cm de espessura. $47. Blocos para padrões em madeira. 250 peças, seis formas e cores. $22 . 9 5 . G u ia s

Swan, Paul, e White, Geoff. Developing Mathematics with Pattern Blocks. Greenwood, WA: RIC Publications, 2006. C u bos U n ifix

Cubos encaixáveis que permitem que você ensine padrões, contagem, adição, subtração, multiplicação e divisão, tudo em um único conj unto. Avalie a possibilidade de comprar o guia. Faça seu pedido à Didax. C u bos

1 00 Cubos Unifix. $ 1 3 .9 5 . 300 Cubos Unifix. $ 3 7 . 9 5 . Guia

Swan, Paul, White, Geoff. Developing Mathematics with Unifix, Grades K-3 . Greenwood, WA: RIC Publications, 2006.

S u p l eme ntos d e M atemática C o n ceitu a i K h a n Aca d e my

Fundada por Salman Khan como uma organização educacional sem fins lucrativos, a Khan Academy oferece " micropalestras " sobre todos os conceitos matemáticos elementares, acompanhadas de exercícios online e problemas práticos. Use para aprender ou revisar tópicos específicos, ou para criar um plano de instrução personalizado. Altamente reco­ mendável como suplemento para qualquer programa de Matemática - www.khanacademy. org. M athe matics E n h a ncement P rog ra m

Uma versão britânica de um programa de Matemática desenvolvido na Hungria, o MEP oferece gratuitamente online folhas de prática com respostas e dicas para o professor, bem como linhas numeradas e cartões 197

A MENTE BEM TREINADA

de formas. Quando seguido fielmente, as lições têm uma abordagem espiral. Faça o download no Centre for Innovation in Mathematics Teaching - www.cimt.plymouth.ac.uk M i q u o n M ath

Miquon Math é um programa de " descoberta Matemática " que usa livros de exercícios ( " fichas de laboratório " ) e varetas Cuisenaire para estimular os estudantes a entender princípios matemáticos através de uma combinação de atividades práticas, pensamento crítico e dedução. É especialmente útil como suplemento para o Singapore Math, pois oferece ilustrações práticas para compensar a abordagem mais abstrata do método de Singapura . O programa exige uma boa dose de preparação por parte dos pais. Algumas crianças vão adorar a a bordagem Miquon; outras ficarão frustradas devido à sua necessidade de que os conceitos sej am expostos claramente desde o começo. No entanto, o uso do programa Miquon depois que o conceito tenha sido apresentado e detalhadamente expli­ cado em outro lugar pode levar a um novo patamar de entendimento. Amostras, a brangência e sequência estão disponíveis no website da editora . Cada livro custa $ 8 . 9 5 . Orange Book ( Levei 1 ) Red Book ( Levei 2 ) Blue Book ( Levei 3 ) Green Book ( Levei 4 ) Yellow B o o k ( Levei 5 ) Purple Book ( Levei 6 ) Varetas Cuisenaire, conj unto introdutório. $ 9 . 9 5 .

S u p l e m e ntos de M ate m át i c a P roced u ra l ( I n c l u i n d o t re i n a m ento e m fatos) Audio Memory Songs. Newport Beach, CA: Audio Memory. $ 9 . 9 5 cada CD, $ 1 2 .95 cada conj unto de CD/livro de exercícios. Faça seu pedido à AudioMemory. Estes CDs contêm os fatos da adição, subtração, multiplicação e divisão em forma de Música. Toque-as no carro e aprenda todos os fatos matemáticos. Addition Songs ( Canções de Adição ) . 198

A ALEGRIA DOS NÚMEROS

Subtraction Songs ( Canções de Subtração) . Multiplication Songs ( Canções de Multiplicação ) . Division Songs ( Canções d e Divisão ) . Developmental Mathematics : A Self-Teaching Program. Halesite, NY: Mathematics Programs Associares. Cada nível oferece um livro de exercícios ( $ 1 0 ) , um guia do pro­ fessor ( $4 ) e um manual de soluções ( $ 1 5 ) . Uma descrição completa dos vinte níveis disponíveis e um teste nivelamento estão disponíveis no website da editora. Inclui uma grande quantidade de problemas para prática extra em operações matemáticas elementares; útil para revisar conceitos abordados anteriormente durante o uso de um programa de maestria, ou para desenvolver maestria durante o uso de um programa em espiral. Melhor se adquirido no Rainbow Resource Center.

Levei 1 . Ones: Concepts and Symbols. ( Nível 1 . Unidades: Con­ ceitos e Símbolos )

Levei 2 . Ones: Addition Concepts and Basic Facts. ( Nível 2 . Uni­ dades: Conceitos e Fatos Básicos)

Levei 3 . Ones: Subtraction Concepts and Basic Facts. ( Nível 3 : Unidades: Conceitos d e Subtração e Fatos Básicos) .

Levei 4 . Tens: Concepts, Addition and Subtraction of Tens. (Nível 4: Dezenas: Conceitos, Adição e Subtração de Dezenas ) .

Levei 5 . Two-Digit Numbers: Addition and Subtraction without Regrouping. (Nível 5: Números com Dois Algarismos : Adição e Sub­ tração sem Reagrupamento) .

Levei 6 . Tens & Ones: Adding and Grouping. (Nível 6 . Dezenas & Unidades : Adição e Agrupamento )

Levei 7. Tens & Ones: Subtracting with Exchange. (Nível 7. Dezenas & Unidades: Subtração com " Empréstimos " )

Levei 8 . Multiplication: Concepts and Facts. ( Nível 8 . Multipli­ cação: Conceitos e Fatos ) . Learning Wrap-Ups $ 8 .99 cada. Faça seu pedido à Learning Wrap­ -Ups. À medida que você avança pelos fatos impressos em cada cartão, passe um cordão pelos furos das respostas certas para formar um padrão. Addition ( Adição) . Division (Divisão) . 1 99

A MENTE BEM TREINADA

Fractions ( Frações ) . Multiplication ( Multiplicação ) . Subtraction ( Subtração ) . Montessori Flash Cards Estes cartões de memória incluem não apenas os números (3 + 4 = ) mas pontos de unidades impressos ao lado de cada número para servir de lembrete visual. O verso exibe a resposta da mesma maneira. Uma boa opção para um " primeiro conj unto de cartões de memória " . Faça seu pedido à Shiller Math ou ao Rainbow Resource Center. $ 9 . 95 cada.

Montessori Flash Montessori Flash Montessori Flash Montessori Flash

Cards: Addition Cards: Subtraction Cards: Multiplication Cards: Division

Snow, Kate. Addition Facts That Stick: Mastering the Addition Tables in Six Weeks. Charles City, VA: Well-Trained Mind Press, 20 1 6 .

Subtraction Facts That Stick: Mastering the Subtraction Tables in Six Weeks. Charles City, VA: Well-Trained Mind Press, 20 1 6 . _______,.

$ 1 4 .95 cada. Faça seu pedido à editora. Cada livro contém um programa simples e eficiente, com seis semanas de duração, contendo j ogos e atividades que não apenas explicam, mas cimentam os fatos da adição e da subtração. Adequado para as grades 1 a 4 ( e acima ) . Timed Math Flash Cards ( Cartões de Memória Cronometrados para Matemática ) . U m conj unto d e cartões d e memória tradicional contendo fatos matemáticos; mas não cronometre o exercício, apenas use os cartões para treinamento. $ 1 1 . 99 cada. Faça seu pedido ao Rainbow Resource Center.

Timed Math Timed Math Timed Math Timed Math

Flash Flash Flash Flash

Cards: Addition Cards: Subtraction Cards: Multiplication Cards: Division

Times Tales $ 1 9 . 9 5 . Faça seu pedido à Times Tales . Um sistema não-tradicio­ nal de memorização para as tabuadas de multiplicação, baseado em figuras e em uma narrativa simples. 200

A ALEGRIA DOS NÚMEROS

Times Tales Print Edition. $26 . 9 5 . Times Tales DVD. $26 . 9 5 . Math Bundle Deluxe. $ 6 9 . 8 0 .

H istó ria s M atemáticas Esta é somente uma lista preliminar; você encontrará outros títulos à medida que começar a procurar. Adler, David A. Perimeter, Area, and Volume : A Monster Book of Dimensions. New York: Holiday House, 20 1 2 . . Shape Up! Fun With Triangles and Other Polygons. New York: Holiday House, 1 9 9 8 . Calvert, Pam. Multiplying Menace: The Revenge of Rumpelstiltskin, ____

illus. Wayne Geehan. Watertown, MA: Charlesbridge, 2006. The Multiplying Menace Divides. Watertown, MA: Charlesbridge, 2 0 1 1 . Clements, Andrew. A Million Dots. New York: Simon & Schuster, 2006. Dodds, D ayle Ann. Full House: An Invitation to Fractions, illus. Abby Carter. Cambridge, MA: Candlewick, 2 0 0 9 . The Great Divide: A Mathematical Marathon, illus. Tracy Mitchell. Cambridge, MA: Candlewick, 1 99 9 . Minnie's D iner: A Multiplying Menu , illus . John Manders . Cambridge, MA: Candlewick, 2004. Ellis, Julie. What's Your Angle, Pythagoras? A Math Adventure. Watertown, MA: Charlesbridge, 2004. Gifford, Scott. Piece = Part = Portion, illus. Shmuel Thaler. Berkeley, ---- ·

---- ·

---- ·

CA: Tricycle Press, 200 8 . Giganti, Paul. Bach Orange Had 8 Slices: A Counting Book. New York: Greenwillow Books, 1 992. Hulme, Joy N. Wild Fibonacci: Nature's Secret Code Revealed. Berkeley, CA: Tricycle Press, 2005. Jenkins, Steve. Actual Size. Boston: Houghton Mifflin, 2004. Juster, Norton. The Dot and the Line: A Romance in Lower Ma­ thematics. San Francisco, CA: Chronicle Books, 2 0 1 2 . Lasky, Kathryn. The Librarian Who Measured the Earth . Boston: Joy Street Books, 1 994. 201

A MENTE BEM TREINADA

Neuschwander, Cindy. Mummy Math: An Adventure in Geometry. New York: Henry Holt, 2005 . . Patterns in Peru: An Adventure in Patterning. New York: Henry Holt, 2007. Pallotta, Jerry. Apple Fractions, illus. Rob Bolster. New York: _____

Scholastic, 2002. Pappas, Theoni. The Adventures of Penrose the Mathematical Cat. San Carlos, CA: Tetra, 1 997. · Fractais, G oogols, and Other Mathematical Tales. San Carlos, CA: Tetra, 1 99 3 . Pinczes, Elinor J . A Remainder o f One. Boston: Houghton Mifflin, 1 99 5 . Reimer, Luetta. Mathematicians Are People Too: Stories from the Lives of Great Mathematicians. Palo Alto, CA: Dale Seymour Publica­ tions, 1 99 5 . Schwartz, David M . On B eyond a Million: An Amazing Math ]ourney, illus. Mike Reed. New York: Simon & Schuster, 2006. Silveria, Gordon. The Greedy Triangle. New York: Scholastic, 1 994. Tang, Greg. Math Fables: Lessons That Count. New York: Scho­ lastic, 2004 . Math Potatoes: Mind-Stretching Brain Food. New York: Scholastic, 2005 . -----

----- ·

202

7. Sete nta séc u l os e m q u atro a n os:

H i stó ria e G eog rafi a

A história do mundo nada mais é do que a biografia dos grandes homens .

- Thomas Carlyle

Disciplinas: História e Geografia Temp o exigido: Em média, 3 horas p or semana, cerca de 60 mi­ nutos p or dia, 3 vezes p or semana ou 90 minutos por dia, 2 vezes p or semana.

O

diretor de filmes documentários Ken Burns apresentou, no Na­ tional Press Club, no início de 1 997, seu mais recente proj eto (a vida de Thomas Jefferson ) . Em seguida, abriu uma sessão de

perguntas. Um dos presentes mencionou o fato de que uma porcentagem astronômica de estudantes de segundo grau não via sentido em estudar

História e pediu um comentário. A resposta de Ken Burns: a História é o estudo de tudo o que aconteceu até agora . A menos que você planej e viver inteiramente no momento presente, o estudo da História é inevitável. A História, em outras palavras, não é um assunto. História é o assunto. É o registro das experiências humanas, tanto pessoais quanto comunitá­ rias. É a história dos desdobramentos das conquistas humanas em todas as áreas - Ciência, Literatura, Arte, Música e Política. Um entendimento dos fatos históricos é essencial ao restante do currículo clássico. Quando você introduzir o estudo da História a um estudante do nível fundamental, você deve manter um fato central em mente: a His­ tória é uma história. 203

A MENTE BEM TREINADA

A maneira lógica de contar uma história é começar (como disse o Rei a Alice ) pelo começo e prosseguir até chegar ao fim. Qualquer história faz menos sentido quando aprendida em pedaços e fragmentos. Se você for contar a seu filho de cinco anos a história de Joãozinho e Maria começando pela casa feita de doces e biscoitos (porque esta será, provavelmente, a parte mais interessante da história para a criança) e, depois, voltar atrás para contar sobre o infeliz segundo casamento do lenhador e, em seguida, saltar adiante até à morte da bruxa e, mais uma vez, regressar no tempo para o relato da caminhada de Joãozinho e Maria no bosque, a história não formará um todo coerente na mente da criança. Mesmo que ouça até o fim, você terá perdido sua atenção muito antes do final. O ensino da História não é diferente. No entanto, é muito frequen­ temente ensinada de forma assistemática, como uma série de fragmentos não relacionados: História da América neste ano, História Antiga no ano seguinte, França do século XVIII no ano posterior. Pense em retrospecto. No momento em que você se graduou no ensino médio ou na faculdade, você havia estudado Rei Tut, a Guerra de Troia e a Idade do Bronze; você provavelmente ouviu falar no fim da monarquia ateniense e na ascensão da cidade-estado; você pode ter assistido a aulas sobre o Êxodo ou a Magna Carta ou a história da Etiópia primitiva. Há uma boa chance de que você tenha estudado esses assuntos em anos diferentes, a partir de diferentes livros-textos. Você provavelmente tem dificuldade em concatenar esses fatos cronologicamente. Indo além, se você cresceu nos Estados Unidos, provavelmente começou seus estudos pela História da América ( uma época bem pró­ xima ao fim da História tal como a conhecemos ) e, então, passou pelo menos o dobro do tempo estudando História da América, em relação ao tempo investido no estudo da História do resto do mundo . Sim, a História da América é importante para os americanos, mas esta divisão míope do currículo presta um desserviço aos Pais Fundadores. Crianças que mergulham no estudo da Revolução Americana sem nenhum co­ nhecimento dos modelos clássicos usados por Jefferson, Washington e seus colegas podem obter somente um entendimento parcial dos ideais e do governo americanos. A História da América precisa ser mantida em perspectiva: o currículo de História abrange setenta séculos; História da América, apenas cinco. 204

SETENTA SÉCULOS EM QUATRO ANOS

Uma suposição comumente encontrada nos currículos de História parece ser a de que a criança não pode compreender (ou interessar-se por) pessoas e eventos distantes demais de sua própria experiência. As­ sim, a aula de História da primeira grade é renomeada como " Estudos Sociais " e começa com o que a criança conhece: primeiro, ela própria e sua família; em seguida, sua comunidade, seu estado, seu país e, somente então, o resto do mundo. A meta do currículo clássico é multicultural no verdadeiro sentido da palavra: o estudante aprende o lugar adequado de sua comunidade, seu estado e seu país ao receber uma ampla varredura da História desde o seu começo e, então, encaixa seu próprio tempo e espaço na grande paisagem geral. O estudo sistemático da História nos primeiros quatro anos assenta a fundação do estágio lógico, em que o estudante começará a entender as relações entre os eventos históricos - entre o Egito e a Grécia, entre a Grécia e Roma, entre Roma e Inglaterra, entre a Inglaterra e a América. De um ponto de vista prático, faz todo sentido começar o currículo pela História Antiga. Alunos da primeira grade são fascinados pelos tempos antigos - as múmias do Egito, os mitos da Grécia, as grandes guerras de Roma, os exércitos da China. O aluno médio da primeira grade prefere antes ler sobre o processo de embalsamamento do que fazer uma viagem de campo à sede da Prefeitura.

Setenta sécu los e m q u atro a nos Onde encontramos o texto que fornece essa visão abrangente da História desde seu começo ? Bem, não há um. O trivium, em geral, afasta-se de "textos " - isto é, de fatos históricos pré-digeridos, analisados e reduzidos por alguém - e requer que o estudante encare fontes primárias, ou sej a, os textos originais. Nos anos que virão, seu estudante de História lerá Heródoto, não uma versão de livro-texto sobre suas histórias; ele também lerá The Federalist1, não uma explicação simplificada da relação entre os estados e o governo federal. É claro que os estudantes não lerão livros desse nível logo nas pri­ meiras quatro grades . Mas, em vez de limitar o seu estudante do nível 1

A obra O Federalista (Federalist Papers) é uma reunião de 85 artigos escritos a partir

205

A MENTE BEM TREINADA

elementar a um " texto " , você fará uma pesquisa Histórica básica ( lis­ tamos diversos recursos e abordagens diferentes ao final deste capítulo) para ancorar seu estudo. Armado com um cartão da biblioteca, você ensinará História usando os fascinantes, inventivas e coloridos livros de História publicados para crianças pequenas. Ao longo dos quatro anos do estágio gramatical, você evoluirá desde 5000 a . C . até o presente, acumulando fatos ao longo de todo o caminho . Estes quatro anos serão uma exploração das histórias da His­ tória: lendas de grandes homens e mulheres de todos os tipos; batalhas e guerras; invenções importantes; religiões do mundo; detalhes da vida cotidiana e da cultura; a criação dos grandes livros. À medida que você trilhar esse caminho, será importante lembrar-se de que a História não é uma disciplina de habilidade ou de " maestria " . Você j amais abrangerá toda a História (ou mesmo a maioria dos even­ tos mais famosos) e seu estudante em nível elementar não reterá tudo ( ou sequer a maior parte ) do que aprender. História é uma exploração, uma oportunidade para que até os mais j ovens estudantes comecem a desenvolver as habilidades necessárias para a posterior pesquisa em Humanidades, um lugar onde seu filho pode praticar a leitura e a redação com conteúdos fascinantes. O estudo da História em nível elementar tem três objetivos principais: propiciar aos estudantes uma visão geral da progressão dos eventos históricos desde a Antiguidade até o presente; desenvolver habilidades em leitura e redação; ensinar a conscientização geográfica . N a s grades elementares, o estudo da História deve s e r divertido. Na seção de Recursos, ao final deste capítulo, sugerimos diversas " espinhas dorsais " , isto é, livros de História Mundial em ordem cro­ nológica que podem servir como sua linha organizadora e ponto de partida para o estudo da História. Sugerimos que, ao usar um desses títulos, você divida a História em quatro segmentos, sendo um segmento por ano de estudo . Da primeira à quarta grade, a criança estudará a História desde 5000 a . C . até o presente dia . D a quinta à oitava grades (o estágio Lógic o ) ela a estudará novamente, concentrando-se nas relações cronológicas e de causa e efeito . Nas grades 9 a 1 2 , ela ainda de reuniões que ocorreram na Filadélfia, em 1 787, tendo em vista a elaboração da Constituição Americana.

206

SETENTA SÉCULOS EM QUATRO ANOS

repetirá novamente este ciclo, estudando fontes originais e dissertando por escrito sobre elas. O método clássico se inclina fortemente ao uso das fontes origi­ nais. Como estas aumentam em número à medida que o tempo passa, os séculos não são divididos uniformemente ao longo dos quatro anos de estudo (vej a a tabela ) . Esta divisão, entretanto, permite uma divisão bastante equilibrada do trabalho de um ano a outro, considerando o fato de que uma imensa quantidade de excelente literatura foi produzida entre os anos 1 600 e 1 850, e que as descobertas científicas e mudanças tecnológicas aceleraram-se a uma taxa estupenda entre 1 8 5 0 e os dias atuais.

O Est u d o da H i stória

Do ano ... ao ano ...

Estudado durante as grades

5000 a.e . - 400 d . e .

1 , 5, 9

Idade Média - Início da Renascença

400 - 1 600

2, 6, 1 0

Renascença tardia - Início do período moderno

1 600 - 1 8 5 0

3, 7, 1 1

1 8 5 0 - presente

4, 8 1 2

Período Antiguidade

Moderno

Esta progressão, obviamente, não foi entalhada e m pedra. Você pode decidir condensar a sequência de quatro anos em três e, então, investir um ano para estudar a História nacional e estadual. Você pode decidir esperar até a segunda grade para começar o estudo de História (uma boa escolha caso seu estudante em nível de primeira grade já estej a gastando um bom número de horas diárias em Leitura, Redação e Ma­ temática ) e, então, condensar a sequência em três anos, ou esticá-la até entrar no estágio Lógico (vej a o capítulo 1 7 para mais informações sobre esta opção ) . Tente apenas manter-se fiel a dois princípios: a progressão cronológica a partir do ponto inicial escolhido oferece aos estudantes uma forma organizada e ordenada de pensar sobre a História; e a maior parte de seu estudo de História deve concentrar-se no mundo como um todo, não numa abordagem país a país. 207

A MENTE BEM TREINADA

E se você estive r começa n d o p e l o m e i o ? S e você estiver começando a Educação Domiciliar d e uma criança em nível de segunda ou terceira grades, lembre-se de que a História é uma história e que você, normalmente, deve começar pelo começo. A maioria dos recursos que recomendamos pode ser usado e apreciado por estu­ dantes entre as grades 1 e 6. Não importa em que grade você comece: progrida até os modernos em quatro anos; quando o estudante chegar à quinta grade (o " estágio lógico " ) , suplemente seu estudo com a King­ fisher History Encylopedia, com uma linha do tempo e com as técnicas de ensino sugeridas no capítulo 1 6 (vej a o capítulo 1 6, " Começando pelo meio " , para mais detalhes ) . Caso você esteja ensinando a mais de uma criança, certamente poderá aj ustar suas lições de História para que todos os estudantes abordem o mesmo período. Gramática, Ortografia, Redação e Matemática devem ser ensinadas individualmente, mas tanto um estudante de primeira quanto um de terceira grade podem estudar História Antiga. Peça mais redação, mais discussão e mais leitura externa ao estudante de terceira grade. Quando seu estudante de terceira grade chegar à quinta grade, incorpore as sugestões do capítulo 1 6 a seu estudo de História, não im­ portando qual período histórico ele estiver estudando naquele momento.

C o m o faze r Para estudar História e Geografia, você necessitará de uma pasta-fichário de 3 polegadas com 3 anéis - referida deste ponto em diante como "caderno de História" - muito papel, um furador de papéis com três furos, material de arte, um volume do livro escolhido como " espinha dorsal " , recursos para estudo de Geografia ( um globo terrestre, um mapa-múndi de parede e mapas para colorir - vej a a seção Recursos para informações sobre pedidos ) e um cartão de biblioteca. O caderno de História conterá as figuras, redações e narrações de seu filho e organizará o estudo para as grades 1 a 4 . Crie quatro divisões: Antiguidade, 5000 a . C .-d. C . 400 Idade Média/Início da Renascença, 400-1 600 Renascença tardia/Início do período Moderno, 1 600-1 8 5 0 208

SETENTA SÉCULOS EM QUATRO ANOS

Moderno, 1 8 5 0-Presente No capítulo 5, explicamos a você a técnica da narração, isto é, ler ou passar uma tarefa de leitura para seu filho e, então, pedir a ele que conte para você o que acabou de ler. Você usará extensivamente esta técnica durante o estudo de História . ( Não se esqueça de que as narrações feitas para História e os trabalhos de cópia/ditado esco­ lhidos nos livros de História de seu filho também podem ser usados para cumprir as metas de Redação, tal como dissemos no capítulo 5 ) . Você precisará decidir quantas páginas o u capítulos d a " espinha dorsal" de História adotada você estudará por semana ( vej a as no­ tas na seção de Recursos para obter algumas orientações sobre este tema ) . Caso você estej a estudando História duas vezes por semana, cubra metade do material em cada lição e, caso estej a em regime de três aulas semanais, cubra um terço em cada uma. Não importando quantas páginas ou capítulos você tenha decidido estudar, siga sempre este padrão básico: 1 . Leia o material para seu filho enquanto ele acompanha a leitura. Assim que ele estiver lendo independentemente, alter­ ne com ele a leitura em voz alta de parágrafos ou seções . A partir da terceira ou quarta grade, alguns estudantes estarão prontos para ler sozinhos ( embora a maioria consiga fixar maior fração do material quando eles mesmos leem para você; para as mentes j ovens, é fácil divagar quando estão lendo obras de " não-ficção " ) . 2 . Faça uma página de narração . Depois que seu estudante de primeira ou segunda grade contar de volta para você o que você acabou de ler para ele, escreva a versão dele em papel de desenho ou de caderno ( ao final da segunda grade, ou no início da terceira, as crianças devem ser capazes de registrar por escrito as próprias narrações, vej a a página 1 3 8 ) . 3 . Peça à criança que faça um desenho ilustrativo do que acabou de ler (e aj ude-a a fazer uma legenda ) ou peça que pinte uma figura relacionada à história . 4 . Localize a área geográfica e m questão e m u m globo terrestre ou mapa-múndi e pinte o local no mapa em preto e branco. 5 . Vá até a biblioteca e descubra mais coisas sobre o tema. 209

A MENTE BEM TREINADA

Você não precisa cumprir todas cinco etapas a cada leitura. Caso os estudantes estej am interessados, passe mais tempo em um tópico; caso contrário, peça ao estudante para fazer uma narração oral para você e, em seguida, avance para o próximo tópico sem se preocupar em fazer uma nova página ou qualquer outro trabalho adicional ( embora você deva sempre localizar no mapa as regiões sobre as quais acabou de ler ) . Todas a s páginas d e narrações e desenhos feitos pela criança devem ser arquivados no caderno de História. Mais ou menos uma vez por mês, leiam j untos o caderno; isto aj udará o estudante a lembrar-se do que estudou.

Primeira Grade: Antiguidade (5000 a. C. -400 d. C.) Durante a primeira grade, tenha por meta investir pelo menos três horas semanais no estudo de História . Use o bom senso. História é importante, mas o aluno d a primeira grade está aprendendo do zero toda sorte de habilidades fundamentais: ler, escrever, formar frases, acompanhar datas, dizer as horas, somar, subtrair, e assim por diante. Se a criança perder alguma coisa de História Antiga na primeira grade, poderá recuperá-la na quinta ou na nona grade, ou em leituras independentes. Caso não aprenda a ler, escrever ou fazer as operações matemáticas básicas, isto constituirá um empecilho grave pelos anos seguintes. Assim, nas primeiras grades, priorize a Leitura, a Gramática, a Ortografia, a Redação e a Matemática . História e Ciência se desenvolvem a partir dessas habilidades. Idealmente, você ensinará História três vezes por semana por uma hora a cada dia; ou duas vezes por semana por um período um pouco mais longo; ou, ainda, ensinará Matemática, Gramática, Redação e Leitura quatro dias por semana e devotará o quinto dia à História e à Ciência ( vej a a parte 1 do Epílogo, " O Estágio Gramatical em uma olhada " , para ver diversas amostras de cronogramas ) . Sente-se n o sofá com seu aluno d e primeira grade e leia para ele em voz alta uma seção da "espinha dorsal " escolhida para o estudo de História. Permita que ele faça perguntas. Quando você terminar a se­ ção, vá para uma superfície de escrita ( uma escrivaninha ou a mesa da cozinha ) . Pegue uma folha de papel de caderno e dê-lhe o mesmo título da seção que você acabou de ler (por exemplo, "A primeira inscrição " 210

SETENTA SÉCULOS EM QUATRO ANOS

ou " Fazendo múmias " ) . Então, peça à criança que conte qual foi a coisa mais importante ou interessante do que você acabou de ler para ela. Interpele-a com perguntas, caso necessário. 2 Escreva sua narração na sua melhor letra - você quer que a criança sej a capaz de lê-la. Quando esta página estiver completa, peça à criança para lê-la de volta para você. Então, inclua-a no caderno de História da criança. Agora, peça à criança que complete uma página de colorir relaciona­ da à lição de História ( veja a seção Recursos ao final deste capítulo), ou que desenhe uma figura de algum elemento da lição pelo qual ela tenha se interessado. Embora a atividade deva ser divertida, não permita que a criança faça um trabalho desleixado; estimule-a a desenhar ou a colorir cuidadosamente (isto a ajudará a desenvolver a coordenação motora fina). Quando a página para colorir ou a ilustração estiver completa, escreva uma legenda para a página. No final da primeira grade, você deve escrever a legenda em outra folha de papel e pedir à criança que a copie para o desenho; do final da segunda grade em diante, ela deve ser capaz de escrever as próprias legendas. Então, inclua também esse desenho no caderno. Mantenha essas páginas em ordem cronológica. Ao final do ano, este caderno conterá a história da própria criança em relação à História Antiga. (Nota: o trabalho feito para o caderno deve ser cuidadoso: a caligrafia, as bordas, as etiquetas e o colorido devem ser todos exemplos dos melhores esforços da criança) . Uma vez que a criança tenha terminado a narração e a atividade de colorir, examine j unto com ela o mapa no início do capítulo. En­ contre o local do mapa em seu globo terrestre. A maioria das crianças se diverte colocando o dedo no lugar onde moram e, então, viajam até o país antigo em questão. Então, vão até o mapa-múndi, que é maior e mais detalhado do que o globo, e encontre nele o local. Finalmente, peça à criança para colorir o mapa em preto e branco da região, sej a do livro de atividades ou de um dos recursos listados no final deste ca­ pítulo. Após colorir, faça furos no mapa em preto e branco e ponha-o no caderno também. 2

Vej a no capítulo 5 , páginas 1 34 e 1 3 5 , uma discussão sobre o método de narração. Você avançará desde os ditados que a criança fará para você até um segundo mo­ mento, em que você escreverá suas palavras e pedirá que ela as copie em que sua própria letra e, finalmente, à etapa em aj udará a criança a escrever suas próprias frases originais sem um modelo escrito à sua frente.

211

A MENTE BEM TREINADA

Você pode terminar todo este trabalho em uma única sessão de maior duração ou alongá-lo por duas sessões. (Alternativamente, você pode ler um capítulo inteiro na primeira sessão e usar a segunda sessão para fazer uma narração, uma página de colorir e um exercício no mapa que abran­ j am todo o capítulo ) . Uma vez que você tenha completado o processo de ler/narrar/colorir/mapear, é hora de visitar a biblioteca. Pesquise livros na seção infantil sobre qualquer coisa na lição que interesse à criança. O bibliotecário pode aj udá-lo; a maioria das bibliotecas tem trabalhos de referência que aj udarão o bibliotecário a encontrar, por exemplo, livros ilustrados sobre o Antigo Egito. Nós incluímos alguns títulos recomendados no final deste capítulo (você pode usá-lo tanto como lista de biblioteca ou como lista de compras, caso você decida comprar os livros em vez de pegá-los emprestado) . Pegue esses livros e leia-os em casa. Então, siga adiante para o próximo tema no livro de História. À medida que você prosseguir, constatará que alguns temas ofe­ recem oportunidades muito limitadas de leitura adicional ( até onde sabemos, não há um guia sobre Ur para alunos de primeira grade nas prateleiras de nossas bibliotecas), enquanto outros o levarão a carradas de livros maravilhosos (o Antigo Egito provavelmente ocupará sozi­ nho uma prateleira inteira da biblioteca ) . Use o bom senso. Você não tem que fazer uma visita à biblioteca a cada capítulo que estudar ou esforçar-se para encontrar livros sobre temas obscuros : simplesmente faça a narração, uma página de colorir e siga em frente . Por outro lado, caso o interesse da criança sej a atiçado pela invenção da escrita, pela mumificação ou pelos Jardins Suspensos da Babilônia, reserve tanto tempo quanto quiser para investigar esse tema de forma mais completa . A História deve ser uma atividade deleitosa para a criança no estágio gramatical. Permita que ela explore, faça atividades e projetos, e se divirta . Você sempre poderá apressar ( ou saltar) capítulos posteriores sem provocar danos. Mantenha em mente as seguintes dicas enquanto estuda História : • Não se limite a livros que a criança possa ler por si mesma . Muitos livros de História para crianças são escritos num nível de leitura variável entre a terceira e a sétima grades. Exami­ ne-os, leia-os para seu j ovem estudante e, em breve, ele estará lendo por si mesmo . 212

SETENTA SÉCULOS EM QUATRO ANOS •











Você j amais conseguirá ler cada um dos bons livros disponíveis na biblioteca, portanto, nem tente. No começo, você achará mais fácil ir até a biblioteca por conta própria e trazer os livros para casa. Na segunda grande, entretanto, você deverá levar o seu filho com você por pelo menos parte do tempo, de modo que ele aprenda a encontrar livros no catálogo e localizá-los na prateleira. (Um bibliotecário da seção infantil terá prazer em mostrar à criança - e a você - como o catálogo funciona) . Não se esqueça de conferir a seção de audiolivros da biblio­ teca; procure por versões não-adaptadas em áudio de títulos de História para crianças. Use projetos de atividades manuais além dos livros. Nós re­ comendamos vários recursos para projetos de História: baús do tesouro contendo colares de contas egípcios, j ogos chineses antigos, livros que explicam como fazer roupas ao estilo grego antigo ou comida típica da Roma antiga. Peça a seu filho que faça páginas de caderno sobre alguns dos livros que pegar na biblioteca ou sobre proj etos que venha a executar. Confie em seu próprio j ulgamento. Tal como na leitura, não o obrigue a fazer uma página para cada livro, ou a diversão da descoberta brevemente se transformará em um trabalho penoso. Uma dica para registrar proj etos de História. Os pais educado­ res mais experientes sempre perguntam o que fazer com todos os mapas, proj etos, obras artesanais e atividades que a criança produz. Nós sugerimos que, assim que terminar um proj eto, fotografe-o, cole a foto em uma página de caderno e anote a data. O projeto estará, deste modo, imortalizado, mesmo que, mais tarde, você queira desmontá-lo ou j ogá-lo fora. Dê atenção especial às biografias. Tente fazer uma página para todos os grandes homens e mulheres que você encontrar (Sargão, Moisés, Hamurabi, Hatchepsut, Tutancâmon, Alexan­ dre o Grande, Júlio César, a lista prossegue) . Estas biografias podem ser maravilhosos "pregadores " nos quais você poderá dependurar o progresso da História. Você pode não se lembrar muito sobre História Antiga, mas provavelmente lembrar-se-á 213

A MENTE BEM TREINADA

de que Alexandre, o Grande, chorou quando descobriu que não tinha mais mundos para conquistar. Nós oferecemos uma lista de grandes homens e mulheres no final deste capítulo, para sua referência. Novamente, não se sinta obrigado a ler uma biografia para cada figura histórica. Os anos do ensino fundamental não são a hora para desenvolver um conhecimento abrangente, mas de ver como a história progride. Os alunos de primeira grade não estão apenas aprendendo como registrar a informação, mas a própria informação em si; assim, você terá que progredir lentamente no início. Se você gastar muito tem­ po estudando os primeiros Jogos Olímpicos e, no final, saltar o estudo dos Citas, não será nenhuma tragédia . Seu filho estudará novamente este período na quinta grade, quando estiver lendo e escrevendo bem. Lembre-se de arquivar todas essas páginas no caderno de História cronologicamente. Ao final da quarta grade, o caderno de História estará abarrotado de informações fascinantes; a primeira viagem do estudante pela expansão inteira da História Mundial, organizada e registrada pelas próprias mãos (e pelas suas também) . E sobre a s provas ? A aplicação de provas e testes formais é desnecessária neste nível. Caso a criança possa contar a você o que você leu para ela, é porque ela esteve ouvindo e prestando atenção. Caso ela leia diversos livros sobre o mesmo tema, a informação se fixará em sua mente. Uma vez por mês, sente-se com a criança e leia as páginas já feitas para que ela possa revisar o conteúdo de História que já estudou. M e m o riza ção

O trabalho no caderno de História deve ser acompanhado de uma certa quantidade de memorização. Datas, personalidades e guerras ser­ vem como " pregadores " em que você pode dependurar a informação nova. (Alexander Graham Bell inventou o telefone em 1 8 76. Responda depressa : Isso foi antes ou depois da Guerra Civil Americana ? ) . Você pode escolher seus próprios " pregadores " . Praticamente toda série de eventos ou personalidades importantes servirá, mas estes " pregadores mentais " serão mais úteis se corresponderem ao interesse da criança. Na primeira grade, pessoas e eventos provavelmente serão 214

SETENTA SÉCULOS EM QUATRO ANOS

mais significativos do que datas. Um aluno de primeira grade poderá memorizar os faraós do Egito e os primeiros vinte imperadores de Roma ( qualquer criança de seis anos que sabe dizer " Tiranossauro " pode aprender a dizer Amen-hotep ou Pertinax ) . Nós sugerimos alguns recursos extras para memorização no final deste capítulo. Na primeira grade, tenha por meta a memorização de mais ou menos vinte fatos (governantes, principais guerras, datas de nascimento de grandes inventores, etc) ou duas listas diferentes de nove a dez fatos ao longo do ano. Você pode adicionar mais itens caso o seu estudante ache divertida a atividade de memorização.

Segunda Grade: Idade Média-Inicio da Renascença (400- 7 600) Usando narração, páginas para colorir, exercícios com mapas e viagens à biblioteca, o estudante em nível de segunda grade ( ou no se­ gundo ano de estudo da História ) estudará o período entre os anos 400 e 1 600. Você seguirá o mesmo procedimento básico, mas encontrará maior número de livros sobre os temas deste período histórico. No começo da segunda grade, escreva metade da narração da criança e peça que ela copie a outra metade a partir de seu modelo. Tenha por meta levá-la a escrever as próprias narrações completas até o final do ano. Novamente, não faça narrações para todos os livros que seu filho venha a ler, pois isto o forçaria a atar suas habilidades de leitura às de escrita que, tipicamente, se desenvolvem de forma mais lenta. Caso seu filho escreva a narração dos temas estudados em História, ele poderá ditar outras narrações para você ( ou desenhar figuras ) . Não s e esqueça d e fazer revisões mensais e d e dar uma olhada nas páginas da primeira grade várias vezes durante o ano. M e m o rização

Um estudante em nível de segunda grade pode memorizar os go­ vernantes da Inglaterra desde Egberto até Isabel I, bem como as ligações familiares de cada governante ( S axônica, Dinamarquesa, Normanda, Plantageneta, Lancaster, York, Tudor ) ; essa informação se encontra no verso da Kingfisher History Encyclopedia. Outras opções, dependendo do interesse e da informação prévia da criança, podem incluir os go­ vernantes da Escócia desde Malcolm II até Jaime VI, os últimos Sacro 215

A MENTE BEM TREINADA

Imperadores Romanos, ou os governantes de outros países medievais - França, Espanha, Japão e Rússia. Estudantes em nível de segunda grade também podem memorizar as principais guerras e descobertas ( listadas no verso do " Kingfisher " ) . Tenha por meta a memorização de duas listas: os governantes da Inglaterra mais um outro conj unto de governantes, guerras ou descobertas. Os estudantes em nível de segunda grade também podem memo­ rizar um soneto de Shakespeare (O soneto 1 8 , " Devo comparar-te a um dia de sol ? " é, provavelmente, o mais familiar; confira todos os sonetos em shakespeare-online.com ) e um solilóquio Shakespeareano (como o discurso "Amanhã, e amanhã, e amanhã " do ato 5, cena 5, de " Macbeth " ; vej a mais sugestões na seção de Recursos ) . Não é neces­ sário que as crianças pequenas entendam cada palavra de um poema ou discurso para memorizá-lo e recitá-lo; o processo de memorização e recitação, por si mesmo, começará a acostumar a criança padrões de linguagem mais complexos e a vocabulário mais difícil.

Terceira Grade: Renascença Tardia-/n[cio do Período Moderno ( 7 600 - 7 850) Os estudantes em nível de terceira grade (ou estudantes no terceiro ano de estudo de História) mergulharão nos anos entre 1 60 0 e 1 8 5 0 . Prossiga com as atividades d e narração ( estas narrações, agora, serão mais detalhadas e começarão a ficar mais parecidas com redações em dois parágrafos; vej a o capítulo 5 para mais detalhe s ) , páginas para colorir, trabalho com mapas, leituras em biblioteca e proj etos . Na terceira grade, algumas crianças estarão prontas para começar a escrever diversas páginas por semana para arquivar no caderno de História; trabalhe nesta direção caso a escrita tenha se tornado mais fácil para o estudante . M e m o rização

D urante o ano reservado à terceira grade, o estudante deveria memorizar pelo menos o começo da D eclaração da Independência ( a maioria das crianças pode decorar o documento inteiro, se houver tempo para um número suficiente de repetições ) . O aluno da terceira grade também deve memorizar os primeiros doze presidentes dos Es216

SETENTA SÉCULOS EM QUATRO ANOS

tados Unidos e as principais guerras do período de 1 600 a 1 8 5 0 . ( Os pais de outros países devem aj ustar estas metas de memorização às suas próprias histórias nacionais ) . Você pode atribuir outras listas - governantes d e outros países, descobertas e explorações importantes - a seu próprio critério. Esta­ beleça uma meta de memorização de pelo menos três diferentes listas com doze a dezoito itens cada uma no decurso do ano.

Quarta Grade: Período Moderno (7850-Presente) O estudante em nível de quarta grade estudará o período entre 1 8 5 0 e o presente . Siga o mesmo padrão: narração ( agora, sob a forma de redações curtas com dois ou três parágrafos ) , ilustrações ou páginas para colorir, mapas e visitas à biblioteca. Um número ainda maior de recursos estará disponível na biblioteca para o estudante de temas con­ temporâneos; assim, não se sinta obrigado a ler nem mesmo uma fração dos textos suplementares disponíveis; permita que a criança escolha os temas que a interessam para leitura adicional. O alunos americanos em nível de quarta grade devem usar recursos cartográficos adicionais para aprender os cinquenta estados dos Estados Unidos da América. Use um dos recursos de colorir ou de Geografia listados na seção Recursos, seção " Período Moderno, 1 8 5 0 - Presente ( Quarta Grade ) " no final deste capítulo. Ao final do ano, o aluno da quarta grade deverá ser capaz de localizar cada estado no mapa dos Estados Unidos . Também inclua em seus planos um investimento de diversas semanas (de três a seis, dependendo da ênfase que seu estado dê à História Esta­ dual ) estudando a História de seu próprio estado, província ou região. Nos Estados Unidos, a maior parte das bibliotecas públicas deve incluir diversas séries de livros sobre os estados (confira na seção de Recursos ) . Use o mesmo procedimento básico para estudar esses livros: leia, faça a criança completar uma narração e, então, procure por recursos adicio­ nais, em sua biblioteca, sobre os assuntos que a interessam. M e m o rização

Alunos da quarta grade devem saber o Preâmbulo à Constituição Americana, o Discurso de Gettysburg, e o objetivo ( senão as palavras 217

A MENTE BEM TREINADA

exatas) das emendas à Constituição. Além disso, inclua em seu planej a­ mento a memorização completa da lista de presidentes desde 1 8 5 0 até o presente, as datas das principais guerras desde 1 85 0 e as capitais dos cinquenta estados. No final deste capítulo, sugerimos músicas, j ogos, cartões de memória e livros para colorir que aj udam nesse esforço de memória. Tal como dissemos anteriormente, caso você viva em outro país, aj uste estas tarefas para adequar-se à sua situação .

S u g estões d e c ro n og ra ma s Um bom cronograma para segundas, quartas e sextas pode s e parecer com o seguinte: Segunda-feira

Leia páginas selecionadas do livro escolhido corno espinha dorsal para o estudo de História . Procure locais no globo terrestre e em um mapa. Faça perguntas ao estudante sobre o texto lido; aj ude-o a responder usando frases completas.

Quarta-feira

Ajude o estudante a fazer urna página de narração sobre o materia! estudado na " espinha dorsal " escolhida ( estudantes em nível de primeira e segunda grades narrarão para você; os de terceira e quarta grades podem começar a escrever as próprias narrações) . Estudantes mais j ovens também têm a opção d e fazer u m desenho e, em seguida, narrar urna frase para você sobre a figura .

Sexta-feira

Leia capítulos adicionais ou livros da biblioteca sobre o terna estudado ou faça um proj eto ou atividade de História. Faça exercícios de memorização.

Um cronograma para as terças e quintas poderia parecer-se com o seguinte: Terça-feira

Ler páginas selecionadas do livro escolhido corno " espinha dorsal " . Localizar n o mapa e n o globo terrestre a região estudada. Faça perguntas ao estudante sobre o texto lido; aj ude-o a responder usando frases completas . Ler um capítulo adicional ou livro da biblioteca sobre o terna estudado.

Quinta-feira

Ler pelo menos um capítulo adicional ou livro da biblioteca. Pedir ao estudante que faça outra página de narração adicional abrangendo um dos recursos adicionais. Ou execute um projeto ou atividade de História. Faça exercícios de memorização.

Você também pode alternar semanas: 218

SETENTA SÉCULOS EM QUATRO ANOS

Semana 1

Leia o livro escolhido como " espinha dorsal " para estudo de História às segundas, quartas e sextas ou às terças e quintas; faça pelo menos uma página de narração sobre um tópico estudado.

Semana 2

Leia livros adicionais na biblioteca ou execute projetos/atividades de História baseando-se em pelo menos um dos assuntos abordados na Semana 1 . Faça pelo menos uma página de narração.

Seja qual for o padrão escolhido, planeje investir pelo menos 1 hora e meia semanal estudando história na primeira grade; um mínimo de 2 horas na segunda grade e, pelo menos, 3 horas semanais na terceira e na quarta grades. Rec u rsos

A maior parte dos livros pode ser obtida em qualquer livraria ou biblio­ teca; a maior parte dos currículos pode ser adquirida diretamente na editora ou em um grande fornecedor de material para Educação Domi­ ciliar, tal como o Rainbow Resource Center. Infarmações para contato com editoras e fornecedores estão disponíveis em www.welltrainedmind. com. Incluímos uma observação nos casos em que os títulos sugeridos têm disponibilidade limitada. Nos locais indicados, listamos os recursos em ordem cronológica (isto é, a ordem em que você os usará). Os livros que fazem parte de séries foram listados em conjunto. Lembre-se de que opções adicionais de currículos e outras infarmações estão disponíveis em www. welltrainedmind .com. Os preços variam constantemente, mas incluímos os valores de 2 0 1 6 para que você tenha uma ideia do investimento necessário. Os títulos que listamos aqui são apenas algumas opções entre os muitos disponíveis. Inclua em seus planos a visita às prateleiras de bi­ bliotecas e livrarias para garimpar títulos por conta própria. Durante a primeira e a segunda grades, programe-se para ler muitas das biografias listadas a seguir em voz alta. Nós sugerimos alguns livros simples que as crianças pequenas podem ler sozinhas. Textos básicos para os quatro anos do estágio Gramatical aparecem no início da lista. Oferecemos uma lista suplementar para cada ano de estudo. A primeira seção de cada ano lista os títulos que proveem informação geral sobre o período histórico em estudo, incluindo livros 219

A MENTE BEM TREINADA

de colorir e outros recursos para projetos. A segunda seção lista alfabe­ ticamente por tema algumas das biografias mais úteis. Como as biografias normalmente são a leitura suplementar mais útil para crianças pequenas, nós oferecemos listas cronológicas de pessoas famosas para ajudar em suas pesquisas de títulos na biblioteca. Para a terceira e quarta grades, fase em que as crianças já são mais capazes de entender os '"temas " históricos, nós também compilamos uma lista dos principais eventos históricos em que o estudante pode se aprofundar.

Textos Básicos ("es p i n h a s d o rs a i s") E s p i n h a s d o rsa i s e m fo rmato d e na rrativa

Estes programas são apresentados em formato de histórias, estimu­ lando a imaginação do estudante e tornando mais simples a retenção de informações . Eles têm poucos recursos visuais e somente a série The Story of the World é acompanhada de guias curriculares . Estudantes que precisam de figuras para aprender podem beneficiar-se de uma das enciclopédias a seguir. Espinhas dorsais narrativas e enciclopédicas podem ser usadas individualmente ou em conj unto. Bauer, Susan Wise. The Story of the World: History for the Classical Child series . Charles City, VA: Well-Trained Mind Press. Esta série em quatro volumes provê uma narrativa estimulante que conecta eventos ao redor do mundo de forma que as crianças no estágio Gramatical conseguem entender com facilidade . Cada volume abrange um ano de estudo de História . Os volumes 1 E 2 (Ancient Times e The Middle Ages ) podem ser lidos em voz alta; os volumes 3 e 4 (Early Modern Times e The Modern Age) podem ser lidos de forma independente . Cada volume foi redigido em um nível de leitu­ ra ligeiramente superior ao que o antecede. Você pode montar seus próprios mapas, ilustrações e listas de leitura usando as sugestões que apresentamos aqui; alternativamente, cada volume de The Story of the World pode ser pedido acompanhado de um livro de atividades que contém perguntas e respostas para testar a compreensão do con­ teúdo, amostras de narrações para cada seção ( para que você tenha uma ideia do nível de detalhamento adequado que você deve esperar 220

SETENTA SÉCULOS EM QUATRO ANOS

ouvir de seu filho ) , listas de livros de ficção e não-ficção para leituras adicionais, mapas lineares e exercícios para cada capítulo, e instruções para proj etos ( para aprendizagem prática ) . O s volumes estão disponíveis em capa de papel ( $ 1 6 . 9 5 ) o u em capa dura ( $2 1 .95 ) , bem como para download em formato PDF. Versões integrais em audiolivro foram gravadas por Jim Weiss e estão disponíveis tanto em CD como para download em formato MP3 . Também estão disponíveis livretes de testes. Não achamos que os testes sej aM necessários durante o estágio Gramatical, mas eles servem como excelentes folhas de revisão. A série The Story of the World não é extensamente ilustrada; crianças que precisam de recursos visuais apreciarão o uso de uma das enciclopédias a seguir como recurso suplementar. Extensas amostras estão disponíveis no website da editora .

Volume I: Ancient Times: From the Earliest Nomads to the Last Roman Emperor, rev. ed. (2006 ) . Abrange a História Mundial desde 5000 a . C . até 400 d.C.

Activity Book I: Ancient Times, 3 rd ed. (2006 ) . $34.95. Volume 1 Audiobook, rev. ed. (2006 ) . $ 3 9 . 9 5 , MP3 download $25 Rountree, Elizabeth. Volume 1, Ancient Times: Tests and Answer Key (2007) . $ 1 2 . 9 5 . Volume II: The Middle Ages: From the Fali of Rome to the Rise of the Renaissance, rev. ed. (2007) . Abrange a História Mundial desde o ano 400 d.C. até 1 600.

Activity Book II : The Middle Ages, rev. ed. (200 8 ) . $ 3 6 . 9 5 . Volume II Audiobook, rev. e d . (200 8 ) . $44.95, MP3 download $29. Rountree, Elizabeth. Volume 2, The Middle Ages: Tests and Answer Key (2007) . $ 1 3 . 9 5 . Volume III: Early Modern Times: From Elizabeth the First t o the Forty-Niners (2004 ) . Abrange a História Mundial entre 1 600 e 1 8 5 0 . Activity Book III: Early Modern Times (2 004) . $ 3 6 . 9 5 .

Volume III Audiobook ( 2 0 0 7 ) . $49 .95, MP3 download $ 3 2 . Rountree, Elizabeth. Volume 3, Early Modern Times: Tests and Answer Key (2007) . $ 1 3 . 9 5 . 22 1

A MENTE BEM TREINADA

Volume IV, The Modern Age (2004 ) . Abrange a História Mundial desde 1 8 50 até o presente.

Activity Book IV: The Modern Age: From Victoria's Empire to the End of the USSR. (2004 ) . $ 3 6 . 95 Volume IV Audiobook ( 2006 ) . $54.95, MP3 download $ 3 5 . Rountree, Elizabeth. Volume 4 , The Modern Age: Tests and Answer Key (2007 ) . $ 1 4 . 9 5 . Gombrich, E. H. A Little History o f the World. New Haven, CT: Yale University Press, 200 8 . $ 1 5 a edição em capa de papel; uma versão ilustrada em capa de papel (20 1 3 ) também está disponível por $22 . Esta História Mundial em um volume conduz os j ovens leitores desde a Idade da Pedra até meados do século XX em quarenta capítulos. Ernst Gombrich, cuj o treinamento foi em História da Arte, escreveu esta Little History no idioma alemão em 1 93 5 e, no final de sua vida, revisou-a para os leitores falantes do idioma inglês. É uma História legível e divertida que abrange os eventos do mundo com bem menor detalhamento do que The Story of the World; você necessitará de pelo menos uma das enciclopédias abaixo para encorpar os detalhes. A História da Á sia recebe muito pouco espaço e você deve avaliar a possibilidade de adquirir o quarto volume de The Story of the World com um suplemento, j á que a História do mundo após a Primeira Guerra Mundial é abordada de forma muito esparsa. Entretanto, esta é uma boa opção para pais que preferem reunir maior número de fontes externas; também é uma boa escolha para estudantes mais velhos que desej am fazer um levantamen­ to com duração de um ou dois anos sobre História Mundial antes de entrar no estágio Lógico. Amostras de capítulos podem ser vistas no website da editora. E s p i n h a s d o rs a i s e n c i c l o pé d i c a s

Estas enciclopédias cronológicas oferecem breves e facilmente deglutíveis bocados de texto acompanhados de grande quantidade de tabelas, gráficos e ilustrações. A informação é mais fragmentada do que nas espinhas dorsais narrativas, mas alguns estudantes demonstram preferir a abordagem mais visual, enquanto outros a consideram uma intromissão distrativa. 222

SETENTA SÉCULOS EM QUATRO ANOS

Infelizmente, todas as três editoras ( DK, Kingfisher e Usborne) são terrivelmente pouco confiáveis, de modo que estas enciclopédias estão constantemente esgotadas, sendo substituídas por novas versões - al­ gumas vezes, destinadas à mesma faixa etária; outras, em nível consi­ deravelmente mais avançado do que a edição anterior. Versões usadas destes recursos podem ser facilmente encontradas online. As enciclopédias também podem ser usadas como suplementos práticos aos recursos narrativos listados anteriormente. Bingham, Jane, Fiona Chandler, and Sam Taplin. The Usborne Internet­

Linked Encyclopedia ofWorld History. Tulsa, OK: E.D.C. Publishing, 2003 . Esta é a versão em capa dura; a versão em capa de papel mais atual é de 2 0 1 0 . Definitivamente a enciclopédia mais adequada à faixa etária do estágio Gramatical, porém (irritantemente ) esgotada. Procure online por edições usadas.

History Year by Year: The History of the World, From the Stone Age to the Digital Age, l st American ed. New York: DK Publishing, 20 1 3 . $24.99. Mais acessível para j ovens estudantes d o que a Kingfisher, mas com texto mais fragmentado (número excessivo de "chavões " de uma ou duas frases) do que a Usborne encyclopedia. Visualmente agradável e muito bem organizada, mas programe-se para suplementá-la com uma espinha dorsal narrativa ou com grande quantidade de recursos ao estilo " livros de histórias " para que os estudantes se familiarizem com um texto histórico contínuo. Amostras disponíveis para visualização no website da editora. The Kingfi.sher Histo ry Encyclopedia, 3rd ed. New York: Kingfisher, 2 0 1 2 . $32.99. De fato, mais adequada para uso a partir da quinta grade (vej a o capítulo 1 7) , mas que pode ser adaptada para uso com crianças mais novas (com algum esforço dos pais ) e mais amplamente disponível do que a enciclopédia Usborne. Programe-se para lê-la em voz alta nas grades 1 a 3 . A seção Ready Reference ( Pronta Referência) ao final do livro oferece úteis listas para memorização: dinastias, imperadores, reis, primeiros-ministros, presidentes e as principais guerras.

Recu rsos pa ra estu d o d e Geog rafia Globos terrestres e mapas de parede atualizados podem ser encontrados na loj a online de mapas da National Geographic (maps.nationalgeo­ graphic.com ) . 223

A MENTE BEM TREINADA

Arnold, Caroline. The Ceography Book: Activities for Exploring, Ma­

pping, and Enjoying Your World. New York: Jossey-Bass, 200 1/Wiley, 2002. $ 1 5 . 9 5 . Para uso a partir da terceira grade. Uma excelente introdução à Geografia física: os pontos da bússola, fusos horários, diferentes tipos de mapas, formações físicas (continentes, vales, oceanos, mares, etc) e clima. Atividades e proj etos em todo o texto. Bom para um estudo concentrado em Geografia.

Ceography. Louisville, KY: Memoria Press . Para crianças em nível de terceira grade ou superior. Um curso organizado, sequencial, em Geografia Política; exercícios ensinam quais são as fronteiras atuais e as principais características de cada país, acompanhadas de um breve levantamento histórico do desen­ volvimento do país e uma tabela de " fatos rápidos " que apresenta as principais cidades e dados sobre a população e outras informações importantes. Use-o na ordem listada a seguir. Amostras disponíveis no website da editora .

States & Capitais. Student Cuide. $ 1 2 . 9 5 . Teacher Manual. $ 1 2 . 9 5 . Ceography I: The Middle East, North Africa, & Europe. Memoria Press é uma editora Cristã; as seções sobre a História do Oriente Médio fazem uso de relatos do Antigo e do Novo Testamentos. Student Text. $ 1 4 . 9 5 .

Workbook. $ 1 2 . 9 5 . Teacher Cuide. $ 1 4 . 9 5 . Ceography II: Sub-Saharan Africa, Asia, Oceania, & the Americas. Student Text. $ 1 4 . 9 5 . Workbook. $ 1 2 . 9 5 . Teacher Cuide. $ 1 4 . 9 5 . Ceography III, 2nd ed. Uma revisão mais detalhada sobre Geografia Mundial (envolvendo definitivamente habilidades do estágio Lógico ) .

Student Text. $ 1 6 . 9 5 . Workbook. $ 1 7. 9 5 . Teacher Cuide. $ 1 7. 9 5 . 224

SETENTA SÉCULOS EM QUATRO ANOS

Geography Songs Kit. Newport Beach, CA: AudioMemory, 1 9 99. $22 .95 cada CD. Trinta e três canções que abrangem continentes, oce­ anos, planetas e 225 países; inclui 23 mapas para legendar. Johnson, Terri. B lack line Maps of World History. Boring, OR: Knowledge Quest Maps. Geografia Histórica; concentra-se nas mudanças em países, impérios e reinos ao longo do tempo; útil como suplemento para todas as grades. Mapas lineares para legendar e colorir; mapas em cores para o professores e mapas em branco para o estudante. Extensas amostras e planos de aulas também estão disponíveis no website da editora. Todos os downloads devem ser feitos no website da editora.

Map Trek, Vl : Ancient World. $ 1 4.95 por download. Map Trek, V2: Medieval World. $ 1 4 . 9 5 por download. Map Trek, V3 : New World. $ 1 4.95 por download. Map Trek, V4: Modern World. $ 1 4 .95 por download. Map Trek, US Edition. Mapas históricos e contemporâneos dos estados dos E UA. $ 1 9 . 95 por download. Map Trek: The Complete Collection. $55 pelo livro em capa dura mais um CD-ROM, $47 por download. VanCleave, ]anice. ]anice VanCleave's Geography for Every Kid. New York: Wiley, 1 99 3 . $ 1 6 . Para estudantes em nível de terceira grade ou superior. Combina o estudo de Geografia Histórica e Física; repleto de atividades (por exemplo, como fazer você mesmo sua proj eção Mercator ou como desenhar mapas para que os outros sigam) com alguma conexão a eventos históricos (tal como a primeira viagem em torno do continente africano) . Bom para um curso de um ano concentrado em Geografia.

Antiguidade, 5000 a. C.-400 d. C. (Primeira Grade) Li sta d e g ra n des h o m e n s e m u l h e res a estu d a r

Quéops, faraó d o Egito ( 2700-2675 a . C . ) Abraão ( aprox. 2 1 00 a . C . ) Hamurábi ( aprox. 1 75 0 a . C . ) Rainha Hatchepsut d o Egito ( aprox. 1 4 8 0 a . C . ) Moisés ( aprox. 1 45 0 a . C . ) Tutancâmon ( aprox. 1 3 5 5 a . C . ) 225

A MENTE BEM TREINADA

Nabucodonosor ( 1 1 46-1 1 2 3 a . C . ) Rei Davi ( aprox. 1 000 a.C. ) Homero ( aprox. 8 0 0 a . C . ) Rômulo ( 75 3-7 1 6 a . C . ) Senaqueribe ( 705-6 8 1 a.C. ) Lao-tsé (filósofo chinês, nascido em 604 a.C. ) Pitágoras ( 5 8 1-4 9 7 a . C . ) Confúcio (K'ung Fu-tsu) ( 5 5 1-479 a . C . ) Buda ( Sidarta Gautama ) ( 5 5 0-4 8 0 a.C. ) Sócrates ( 470-3 99 a . C . ) Platão (427-347 a . C . ) Aristóteles ( 3 84-322 a . C . ) Alexandre, o Grande ( 3 5 6-323 a . C . ) Aníbal (lutou contra Roma entre 2 1 8-207 a . C . ) Cícero ( 1 06-43 a . C . ) Júlio César ( 1 00-44 a.C. ) Virgílio ( 70-1 9 a . C . ) César Augusto ( aprox. 45 a . C.-1 4 d.C. ) Jesus Cristo ( aprox. 4 a. C.-3 3 d . C . ) S ã o Paulo ( aprox. 45 d.C. ) Nero (morto em 6 8 d.C. ) Constantino, o Grande (governou de 3 0 6-3 3 7 d.C. ) I nfo rmação g e ra l

Ali, Daud. Ancient India: Discover the Rich Heritage of the Indus Valley and the Mughal Empire. Wigston, Leicester: Armadillo, 2 0 1 4 . $ 1 2 . 9 9 . Quinze projetos amigáveis a estudantes e m nível d e primeira grade e mais de trezentas ilustrações trazem à luz os costumes e a His­ tória da antiga Í ndia. Broida, Marian. Ancient Egyptians and Their Neighbors: An Activity Cuide. Chicago: Chicago Review Press, 1 999. $ 1 6 . 9 5 . Peça em qualquer livraria. Inclui informações e atividades sobre os mesopotâmios, núbios, hititas, bem como sobre os bem mais famosos egípcios. Carlson, Laune. Classical Kids: An Activity Cuide to Life in An­ cient Creece and Rome. Chicago: Chicago Review Press, 1 99 8 . $ 1 4 . 9 5 . Peça e m qualquer livraria. Informações e atividades manuais sobre a s culturas grega e romana. 226

SETENTA SÉCULOS EM QUATRO ANOS

A Coloring Book ofAncient Egypt. Santa Barbara, Calif.: Bellerophon Books, 1 9 8 8 . $4.95. Livro de colorir com qualidade de loja de museu contendo desenhos e imagens de tumbas e monumentos egípcios. A Coloring Book of Ancient India. Santa Barbara, Calif. : Bellero­ phon Books, 1 9 8 9 . $4.95. Cenas desenhadas a partir de antigas pinturas e gravuras indianas que mostram a vida diária, bem como figuras de mitos e lendas. A Coloring Book of Ancient Rome. Santa Barbara, Calif. : Belle­ rophon Books, 1 9 8 8 . $4.95. Livro de colorir com qualidade de loj a de museu contendo obras de Arte Romana que mostram césares, senadores, corridas de carruagens e outras cenas da vida romana. Ford, Michael. You Wouldn 't Want to Be a Greek Athlete! New York: Franklin Watts, 2014. $9.95. A vida cotidiana de um atleta; contém um glossário. Green, John. Life in Ancient Egypt. New York: Dover, 1 9 8 9 . $3.99. Livro de colorir; desenhos detalhados de um artista sobre a vida no An­ tigo Egito. . Life in Ancient Greece. New York: Dover, 1 993. $3.99. Livro de colorir; desenhos detalhados de um artista sobre a vida na Grécia Antiga. . Life in Ancient Rome. New York: Dover, 1 997. $4.99. Livro de colorir; desenhos detalhados de um artista sobre a vida na Roma Antiga. Life in Old ]apan. New York: Dover, 1 994. $4.99. Livro de colorir; desenhos detalhados de um artista sobre a vida no Antigo Japão. Guerber, H. A. The Story of the Greeks. 3d ed. Fort Collins, Colo. : Nothing New Press, 2003 . $2 1 . 95. Uma narrativa empolgante dividida em seções pequenas e legíveis, publicada pela primeira vez no século XIX; um ótimo livro de referência para ter à mão como leitura adicional ao longo do ano. . The Story of the Romans. 3d ed. Fort Collins, Colo. : Nothing New Press, 2002. $2 1 .95. Uma narrativa empolgante dividida em seções pequenas e legíveis, publicada pela primeira vez no século XIX; um ótimo livro de referência para ter à mão como leitura adicional ao longo do ano. Krebs, Laurie. We're Sailing Down the Nile: A Journey Through Egypt, illus. Anne Wilson. Cambridge, MA: Barefoot Books, 2007. $7.99. _____

_____

____..

_____

227

A MENTE BEM TREINADA

Um livro ao estilo " leia você mesmo " para estudantes mais novos, com informações adicionais sobre o Antigo Egito para o pai ou professor. Malam, John. You Wouldn 't Want to Be a Roman Gladiator! Gory Things You 'd Rather Not Know. New York: Franklin Watts, 20 12. $9.95. Tudo sobre gladiadores e a cultura romana antiga que os rodeava. Mann, Elizabeth. The Great Pyramid. New York: Mikaya Press, 2006. $ 9 . 9 5 . Um guia profusamente ilustrado para a construção desta maravilha do mundo antigo, com seções dobráveis. . The Great Wall. New York: Mikaya Press, 2 0 0 6 . ____

$ 9 . 9 5 . Outro lindo livro que abrange a história e a extensão da Grande Muralha da China, com uma cena dobrável mostrando um ataque ao centro da Muralha. Morley, Jacqueline. You Wouldn 't Want to Be a Pyramid Builder! A Hazardous ]ob You 'd Rather Not Have. New York: Franklin Watts, 20 1 3 . $9.95. Uma olhadela estimulante sobre a vida nos níveis inferiores da sociedade Egípcia.

. You Wouldn 't Want to Be a Sumerian Slave! A Life of Hard Labor You 'd Rather Avoid. New York: Franklin Watts, 2007. _____

$9.95. Uma rara (e engraçada ) olhadela sobre os costumes dos Sumérios. _____

. You Wouldn't Want to Be in Alexander the Great's

Army! Miles You 'd Rather Not March . New York: Franklin Watts, 2005 . $ 9 . 9 5 . Abrange um bom número das regiões conquistadas por Alexandre, o Grande. ( Contém cenas de morte e esquartej amento, em­ bora representada em forma de cartum ) . . You Wouldn 't Want to Work on the Great Wall of ____

China! Defenses You 'd Rather Not Build. New York: Franklin Watts, 2006. $ 9 . 9 5 . Um exame divertido da Grande Muralha da China pelos olhos de um de seus construtores. Oakes, Lorna . Mesopotamia: Ali About Ancient Assyria and Ba­

bylonia. Wigston, Leicester: Armadillo, 2 0 1 2 . $ 1 2. 9 9 . Quinze proj etos adequados a estudantes em nível de primeira grade e mais de cem ilustrações ilustram os costumes e a História da Antiga Mesopotâmia . O ' Connor, Jane. Hidden Army: Clay Soldiers of Ancient China (All-Aboard Read ing ) . New York: Grosset & Dunlap, 2 0 1 1 . $ 3 . 9 9 . U m guia e m capa d e papel para leitores iniciantes para os soldados de terracota da Antiga China. 228

SETENTA SÉCULOS EM QUATRO ANOS

Payne, Eliza beth . The Pharaohs of Ancient Egypt. New York: Random House, 1 9 8 1 . $5 . 9 9 . Cada capítulo conta a história de um faraó. O nível de leitura é adequado à quarta e quinta grades, mas é facilmente lido em voz alta . Abrange a História do Egito desde o começo até sua conquista por Grécia e Roma. Queen Nefertiti Coloring Book. Santa Barbara, Calif. : Bellero­ phon Books, 1 992. $ 3 . 5 0 . Faça seu pedido à Amazon. Livro de colorir com qualidade de loj a de museu contendo imagens reais de tumbas e monumentos do Egito . Sanders, Nancy 1. O /d Testament Days: An Activity Cuide. Chi­ cago : Chicago Review Press, 1 9 9 9 . $ 1 8 . 9 5 . Atividades e informação sobre as terras do Oriente Próximo durante os tempos antigos . Steele, Philip . Ancient China: Step Into the Time of the Chinese Empire. Wigston, Leicester: Armadillo, 20 1 2 . $ 1 2 . 9 9 . Quinze proj e­ tos adequados a estudantes em nível de primeira grade e mais de cem ilustrações ilustram os costumes e a História da Antiga China . Tames, Richard. Ancient Greece: Step Into the World of the Classical Greeks. Wigston, Leicester: Armadillo, 2 0 1 2 . $ 1 2. 9 9 . Quinze proj etos adequados a estudantes em nível de primeira grade e mais de cem ilus­ trações ilustram os costumes e a História da Grécia Antiga. B i o g rafi a s

ALEXANDRE, O GRANDE Demi. Alexander the Great. New York: Marshall Cavendish, 20 1 0 . $ 1 9 . 9 9 ; a versão e m ebook é mais barata . Um levantamento sobre a vida de Alexandre sob a forma de livro ilustrado com texto adequado a crianças, com lindas ilustrações. CLE Ó PATRA Stanley, Diane, and Peter Vennema. Cleopatra. New York: Harper­ Trophy, 1 997. $7.99. O formato de livro ilustrado torna esta biografia atraente para j ovens leitores, mas você precisará lê-la em voz alta. ERATÓ STENES Lasky, Kathryn. The Librarian Who Measured the Earth . New York: Little, Brown & Co., 1 994. 229

A MENTE BEM TREINADA

Infelizmente, está disponível apenas numa cara encadernação adequada a bibliotecas, confira na biblioteca de sua cidade. Este livro ilustrado conta a história do antigo bibliotecário grego que conseguiu medir a circunferência da Terra usando as sombras proj etadas pelo sol. J Ú LIO CÉSAR Medina, Nico. Who Was Julius Caesar? illus. Tim Foley. New York: Grosset & Dunlap, 2 0 1 4 . $ 5 . 9 9 . Uma acessível biografia para leitura em voz alta com capítulos curtos. RÔMULO E REMO Rockwell, Anne. Romulus and Remus (A Ready-to-Read Book ) . New York: Simon Spotlight, 1 9 97. $ 3 . 9 9 . A série Ready-to-Read é acessível para leitores iniciantes. TUTANCÂMON Sabuda, Robert. Tutankhamen 's Gift. Glenview, Ill . : Scott Fores­ man, 1 997. $7.99. Peça em qualquer livraria. Esta biografia em forma de livro ilustrado conta a história da vida de Tutancâmon, não apenas a de sua tumba.

Idade Média/Inicio da Renascença, 400- 7 600 (Segunda Grade) Lista de grandes homens e mulheres a estudar Santo Agostinho ( começa a escrever, aproximadamente, a partir do ano 4 1 1 ) Á tila, o Huno ( aprox. 4 3 3-4 5 3 ) Rei Artur ( provavelmente morto e m 5 3 7 n a Batalha d e Camlann ) Maomé ( 5 70-6 3 2 ) Charlemagne ( reinado: 76 8-8 1 4 ) Alfredo, o Grande ( 84 9-8 9 9 ) Leif Ericsson ( descobriu a América por volta d o ano 1 00 0 ) Eduardo, o Confessor ( 1 042-1 0 6 6 ) Genghis Khan ( 1 1 62- 1 227) Dante Alighieri ( 1 265-1 3 2 1 ) Geoffrey Chaucer ( c . 1 34 0- 1 4 0 0 ) J a n v a n Eyck (c. 1 3 9 0-1 44 1 ) 230

SETENTA SÉCULOS EM QUATRO ANOS

Johannes Gutenberg (c. 1 3 96-1 4 6 8 ) Cristóvão Colombo ( 1 45 1 - 1 5 0 6 ) Leonardo da Vinci ( 1 45 2-1 5 1 9 ) Américo Vespúcio ( 1 454-1 5 1 2 ) Nicolau Copérnico ( 1 4 73-1 543 ) Michelangelo ( 1 4 7 5-1 5 64 ) Ferdinand Magellan ( 1 4 8 0- 1 5 2 1 ) Martinho Lutero ( 1 4 8 3- 1 5 4 6 ) Raphael ( 1 4 8 3- 1 5 2 0 ) Nostradamus ( 1 5 03-1 5 6 6 ) João Calvino ( 1 5 0 9-1 5 6 4 ) Hernando Cortés ( entrada na capital d o México, 1 5 1 9 ) Tycho Brahe ( 1 546-1 6 0 1 ) Walter Raleigh ( 1 5 54-1 6 1 8 ) William Shakespeare ( 1 5 64-1 6 1 6 ) Galileu Galilei ( 1 5 64-1 64 2 ) I nfo rmação g e ra l

Aliki. A Medieval Feast. New York: Harper, 1 9 9 8 . $ 6 . 9 9 . Um registro colorido da viagem de um rei medieval e dos preparativos para sua chegada. Apte, Sunita. The Aztec Empire: A True Book. New York: Scholastic, 2 0 1 0 . $ 6 . 9 5 . A origem dos Astecas, a construção de Tenochtitlan, a vida cotidiana, a extensão do império e a conquista pela Espanha. Carlson, Laurie. Days of Knights and Damsels: An Activity Cuide. Chicago: Chicago Review Press, 1 99 8 . $ 1 5 . 9 5 . Atividades e informações sobre a Idade Média, concebido para estudantes de nível fundamental. A Coloring Book of the Middle Ages. Santa Barbara, Calif. : Bel­ lerophon Books, 1 9 8 5 . $4 . 9 5 . Reproduções de autênticos desenhos e pinturas medievais que mostram a vida diária, a religião, os cavaleiros, os reis, os monges e a guerra. Copeland, Peter F. Exploration of North America. New York: Dover, 1 990. $ 3 . 90 . Um informativo livro de colorir. . Indian Tribes of North America. New York: Dover, 1 990. $ 3 . 9 9 . Um informativo livro de colorir. Green, John. Life in a Medieval Castle and Village Coloring Book. New York: Dover, 1 990. $4.99. ____

23 1

A MENTE BEM TREINADA

MacDonald, Fiona. You Wouldn 't Want to Be a Crusader! A War You'd Rather Not Fight. New York: Children's Press, 2005 . $ 9 . 9 5 . Gira em torno das primeiras cruzadas . _____

. You Wouldn't Want to Be a Medieval Knight!, rev.

ed. New York: Franklin Watts, 20 1 3 . $ 9 . 9 5 . Um passeio divertido pelo treinamento, vida e deveres de um cavaleiro .

You Wouldn't Want to Work on a Medieval Cathedral! A Difficult ]ob That Never Ends. New York: Franklin Watts, 2 0 1 0 . ____..

$ 9 . 9 5 . Uma olhadela, adequada a crianças, sobre a monumental tarefa de construir uma catedral. Manning, Mick, and Brita Granstrom. Viking Longship: See History

as It Happened. London: Frances Lincoln Children's Books, 20 1 5 . $9.99. Um guia interativo e divertido à vida dos Vikings, da bem conhecida série Fly on the Wall. Miller, Christine, H. A. Guerber, and Charlotte M. Yonge. The Story of the Middle Ages. 3d ed. Fort Collins, Colo . : Nothing New Press, 2002. $30.95. Uma narrativa empolgante, quebrada em seções pequenas e legíveis, que reconta dois textos do século XIX em uma crônica de eventos e personalidades pitorescas. Mooney, Carla. Explorers of the New World: Discover the Golden Age of Exploration. White River Junction, VT: Nomad Press, 2 0 1 1 . $ 1 5 . 9 5 . Um guia legível para os exploradores dos séculos quinze e dezesseis, com vinte e dois proj etos práticos (como usar uma bússola, como fazer nós, etc ) . Newman, Sandra . The Inca Empire: A True Book . New York: Scholastic, 2 0 1 0 . $ 6 . 9 5 . A localização, os costumes, a ascensão e a queda dos Incas. Olmon, Kyle, and Tracy Sabin. Castle: Medieval Days and Knights. London: Orchard Books, 2006. $ 1 9 . 9 9 . Desenvolvido pelos engenhei­ ros do papel Robert Sabuda e Matthew Reinhart, este livro " pop-up " conduz o leitor a um castelo maravilhosamente detalhado e completo, com prisioneiros, j ustas e uma ponte levadiça . Esgotado, mas vale a pena procurá-lo, especialmente para estudantes com mentalidade de engenheiros .

Paper Soldiers of the Middle Ages: 1 00 Years' War. Santa Barbara, Calif. : Bellerophon, 1 992. $ 3 . 9 5 . 232

SETENTA SÉCULOS EM QUATRO ANOS

Paper Soldiers of the Middle Ages: The Crusades. Santa Barbara, Calif. : Bellerophon, 1 992. $4. 9 5 . Polin, C. J. The Story of Chocolate. New York: Dorling Kindersley, 2005 . $ 3 . 9 9 . Um DK Reader desenvolvido para alunos de segunda e terceira grades, esta História do Chocolate fornece detalhes sobre seu uso no mundo Asteca e na época medieval - uma maneira divertida de conectar a América antiga aos dias de hoje. Queen Elizabeth I: Paper Dolls to Calor. Santa Barbara, CA: Belle­ rophon, 1 9 8 5 . $4. 9 5 . Bonecos de papel de Isabel I de Inglaterra, de Sir Walter Raleigh, do Conde de Essex, e de outros, com figurinos e alguns textos escritos pela própria rainha Isabel 1. Renaissance. Santa Barbara, CA: Bellerophon, 1 9 8 3 . $4. 9 5 . Livro de colorir com imagens de pinturas, gravuras e afrescos renascentistas. Senior, Kathryn. You Wouldn't Want to be Sick in the 1 6th Century! Diseases You 'd Rather Not Catch, rev. ed. New York: Children's Press, 2 0 1 4 . $ 9 . 9 5 . Uma introdução levemente bem-humorada à Medicina medieval: teoria dos humores, epidemias, feridas de batalha e o lento progresso da Medicina em Pádua.

Shakespeare Fandex Family Fie/d Cuide. New York: Workman Publishing, 2003 . $ 9 . 9 5 . Cinquenta cartões, unidos em forma de leque, com muitas ilustrações e fascinantes fatos sobre Shakespeare, suas peças e sua época. Smith, A. G. Castles of the World Coloring Book. New York: Dover, 1 9 8 6 . $4.99. Castelos medievais não somente da Inglaterra e da França, mas também de Espanha, Portugal, Japão e outros países. . Knights and Armar Coloring Book. New York: Do­ ver, 1 9 8 5 . $ 3 . 9 9 . Desenhos de cavaleiros e armaduras em diferentes ____

períodos da História . . Life in Celtic Times Coloring Book. New York: Dover, _____

1 997. $4. 9 9 .

. Story of the Vikings Coloring Book. New York: Dover,

_____

1 99 8 . $4.99. Conta a história da presença Viking na Europa, bem como na Rússia e em outros países . Vikings . Mahopac, NY: Z-Man Games . $ 5 9 . 9 9 . Para j ogar em família com até quatro j ogadores; lidere um bando Viking, descubra ilhas, construa assentamentos e conquiste seus vizinhos. 233

A MENTE BEM TREINADA

B i o g rafias

CRISTÓVÃO COLOMBO DeKay, James T. Meet Christopher Columbus. New York: Random House, 200 1 . $4.99. Um volume da série Landmark Biography no nível de leitura da segunda até a quarta grades. Foster, Genevieve. The World of Columbus and His Sons. Sandwich, Mass. : Beautiful Feet Books, 1 99 8 . $2 1 . 9 5 . Uma biografia, para leitura em voz alta, de Colombo e seus filhos, entrelaçada com outras biografias: Erasmo, Copérnico, Ricardo III e outros. Wade, Mary Dodson. Christopher Columbus: A Rookie Biography. San Francisco, Calif. : Children's Book Press, 20 1 4 . $ 5 . 9 5 . Um volume da maravilhosa série Rookie Biographies para leitores em nível de pri­ meira a terceira grades. ISABEL I DE INGLATERRA Stanley, Diane. Good Q ueen Bess. New York: HarperCollins, 200 1 . $ 1 7. 9 9 . GALILEU Sis, Peter. Starry Messenger. New York: Square Fish, 2000. $7.99. Conta a história das descobertas de Galileu, com ilustrações baseadas nos diários e registros do próprio. GENGHIS KHAN Demi. Genghis Khan. Tarrytown, NY: Marshall Cavendish, 2009. $ 1 9.99; o ebook está disponível por muito menos. Uma adorável biografia em formato de livro ilustrado para j ovens estudantes, com texto curto e muitas ilustrações. JOANA D 'ARC Stanley, Diane. Joan ofAre . New York: HarperCollins, 2002. $ 8 .99. LEIF ERIKSSON d' Aulaire, Ingri, and Edgar Parin. Lei( the Lucky. Minneapolis: Uni­ versity of Minnesotta Press, 2014. $ 1 6.95.

234

SETENTA SÉCULOS EM QUATRO ANOS

MARCO POLO Herbert, Janis. Marco Polo for Kids. Chicago: Chicago Review Press, 200 1 . $ 1 6.95. Uma biografia de Marco Polo que inclui atividades e projetos. MAOMÉ Demi. Muhammad. New York: Margaret K. McElderry Books, 2003 . $ 1 9 . 9 5 . Procure em uma biblioteca; também há muitas cópias usadas disponíveis. Um livro ilustrado fácil de ler com ilustrações modeladas a partir de miniaturas persas e Maomé representado como uma silhueta dourada. Who in the World Biography Series. Charles City, VA: Well-Trained Mind Press. $9.50 cada. Faça seu pedido a qualquer livraria ou à Well­ -Trained Mind Press. Esta série, desenvolvida especialmente para leitores em nível de segunda à quarta grades, mescla-se ao Volume II de The Story of the World. Audiolivros lidos por Jim Weiss também estão disponíveis em CD por $ 1 2.95. Beckham, Robert. Who in the World Was the Secretive Printer? The

Story of]ohannes Gutenberg. 2005 . Clark, Connie. Who in the World Was the Unready King? The Story of Ethelred. 2005 . Lambert, Lorene, Who in the World Was the Forgotten Explorer? The Story of Amerigo Vespucci. 2005 . Phillips, Robin . Who in the World Was the Acrobatic Empress?

The Story of Theodora. 2006. Fim da Renascença/Inicio da Era Moderna, 7 600- 7 850 (Ter­ ceira Grade) Li sta d e temas h i stóricos a estu d a r

O seu bibliotecário pode indicar livros e m nível d e terceira grade que abordem estes eventos principais ( listados em ordem cronológica ) : O Mayflower Os primeiros assentamentos americanos. A Rússia sob Pedro, o Grande, e seus sucessores . A Prússia no século XVIII. 235

A MENTE BEM TREINADA

O Iluminismo. A revolução agrícola. Culturas americanas nativas . Os ingleses na Índia. A Revolução Francesa. O conflito franco-britânico no Canadá . A Revolução Americana. As guerras Napoleônicas. A Revolução Industrial. A luta de Simón Bolívar pela independência da América do Sul. O cerco do Á lamo. A corrida do ouro na Califórnia. O início da Austrália na condição de colônia penal. Li sta d e G ra n des H o m e n s e M u l h e res a estu d a r

Maria Stuart (Maria, R � inha d a Escócia ) ( 1 542-1 5 8 7 ) Tokugawa Ieyasu ( 1 543-1 6 1 6 ) Jaime VI de Escócia e I de Inglaterra ( 1 5 66-1 652) Rainha Nzinga de Angola (Dona Ana de Sousa) ( 1 5 82-1 644 ) Shah Jahan ( 1 5 92-1 6 6 6 ) Oliver Cromwell ( 1 5 9 9-1 65 8 ) Carlos I de Inglaterra ( 1 600-1 649 ) Rembrandt ( 1 606-1 6 6 9 ) John Milton ( 1 608-1 674 ) Robert Boyle ( 1 627-1 69 1 ) Luís XIV de França ( 1 63 8-1 7 1 5 ) Isaac Newton ( 1 642-1 747) William Penn ( 1 644-1 7 1 8 ) Pedro I (Pedro, o Grande ) ( 1 672-1 72 5 ) Yoshimune ( 1 6 84-1 75 1 ) Johann Sebastian Bach ( 1 6 8 5-1 750) Frederico Guilherme I ( Frederico, o Grande ) ( 1 6 8 8-1 74 0 ) Benj amin Franklin ( 1 706-1 790) Qianlong ( 1 7 1 1-1 795 ) Maria Teresa ( 1 71 7-1 7 8 0 ) Catarina, a Grande ( 1 729-1 796) George Washington ( 1 732-1 79 9 ) 236

SETENTA SÉCULOS EM QUATRO ANOS

Franz Joseph Haydn ( 1 732-1 8 0 9 ) Thomas Jefferson ( 1 743-1 8 2 6 ) Betsy Ross ( 1 752-1 8 3 6 ) Phyllis Wheatley ( 1 75 3-1 784) Luís XVI ( 1 754-1 793 ) Maria Antonieta ( 1 7 5 5-1 79 3 ) Wolfgang Amadeus Mozart ( 1 7 5 6-1 79 1 ) Jorge III da Inglaterra ( 1 760-1 820) Eli Whitney ( 1 765-1 825 ) Capitão James Cook ( 1 76 8-1 771 ) Tecumseh ( 1 76 8-1 8 1 3 ) Napoleão ( 1 769-1 82 1 ) Ludwig van Beethoven ( 1 770-1 827) Meriwether Lewis ( 1 774-1 8 0 9 ) e William Clark ( 1 770-1 8 3 8 ) Simón Bolívar ( 1 78 3-1 8 3 0 ) Shaka Zulu ( 1 7 8 7-1 8 2 8 ) Sacagawea ( c . 1 78 8-1 8 1 2 ) Nat Turner ( 1 8 00-1 8 3 1 ) I nfo rmação g e ra l

Aliki. The King's Day: Louis XIV of France. New York: Crowell, 1 9 8 9 . Esgotado, mas vale a pena procurar na biblioteca; um dia na vida de Luís XIV, com ilustrações e descrições de seu suntuoso estilo de vida. Benchley, Nathaniel. George the Drummer Boy. New York: Har­ perTrophy, 1 9 8 7 . $ 3 . 9 9 . Faça seu pedido ao Rainbow Resource Center. Ficção histórica no nível de leitura da segunda à quarta grades sobre as batalhas em Lexington e Concórdia. . Sam the Minuteman, illus. Arnold Lobel. New York: HarperTrophy, 1 9 8 7 . $ 3 . 9 9 . Ficção histórica em nível de leitura da segunda à quarta grades sobre um soldado da Guerra Revolucionária . Bliven, Bruce . The American Revolution. New York: Random House, 1 9 8 1 . $ 5 . 9 9 . Parte da excelente série Landmark. Brill, Ethel. Madeleine Takes Command. South Bathgate, N.D. : Be­ thlehem Books, 1 996. $ 1 3 .9 5 . Livro para leitura em voz alta que corrige o foco exclusivo nos Estados Unidos da maioria dos livros sobre esse ____

período enquanto conta a história de uma heroína franco-canadense. 237

A MENTE BEM TREINADA

Copeland, Peter F. Early American Trades Coloring Book. New York: Dover, 1 9 8 0 . $4.99. Desenhos de diferentes profissões na América Colonial. . Life in Colonial America Coloring Book. New York: Dover, 2002. $4.99. . The Story of the American Revolution Coloring Book. New York: Dover, 1 9 8 8 . $4.99. Daugherty, James. The Landing of the Pilgrims. New York: Random House, 1 9 8 1 . $ 5 . 9 9 . Um clássico relato. Dennis, Yvonne Wakim, and Arlene Hirschfelder. A Kid's Cuide to Native American History. Chicago: Chicago Review Press, 2009. $ 1 6.95. Proj etos, j ogos e obras artesanais que abragem nove áreas geográficas principais na América do Norte, j unto com sugestões para leituras adi­ cionais e uma linha do tempo. Guerber, H . A . The Story of the Great Republic. Ed. Christine Miller. Fort Collins, CO: Nothing New Press, 2006. $26.95. Uma nar­ rativa empolgante quebrada em seções pequenas e legíveis, publicada pela primeira vez no século XIX. A primeira metade do livro aborda a América antes da Guerra Civil. . The Story of the Thirteen Colonies. Fort Collins, CO: Nothing New Press, 2002. $26 . 9 5 . Uma narrativa empolgante quebrada em seções pequenas e legíveis, publicada pela primeira vez no século XIX. Um ótimo livro de referência para ter à mão como leitura adicional ao longo do ano. Harness, Cheryl . They're Off! The Story of the Pony Express. New York: Aladdin, 2002. $ 7 . 9 9 . A história das comunicações entre as costas leste e oeste em meados do século XIX, redigido para leitores em nível de terceira e quarta grades. _____

_____

_____

King, David C . , and Bobbie Moore . Colonial Days: Discover the Past with Fun Projects, Games, Activities, and Recipes. New York: Jossey-Bass, 1 997. $ 1 4 . 9 5 . . Pioneer Days: Discover the Past with Fun Projects, Games, Activities, and Recipes. New York: Jossey-Bass, 1 9 97. $ 1 2 . 9 5 . Maestro, Betsy a n d Giulio. A More Perfect Union: The Story of Our Constitution, illus. Giulio Maestro. New York: Harper Collins, 200 8 . $ 7 . 9 9 . A mais simples e clara introdução à Constituição e sua História, redigida para as grades 2 a 4 . _____

238

SETENTA SÉCULOS EM QUATRO ANOS

Moore, Kay. If You Lived at the Time of the American Revolu­ tion. New York: Scholastic, 1 99 8 . $ 6 . 9 9 . Parte da série Scholastic para crianças pequenas; abrange tanto a vida quotidiana quanto a História de um modo divertido . Morley, Jacqueline. You Wouldn 't Want to B e an American Co­ lonist. New York: Children's Press, 2 0 1 3 . $ 9 . 95 . Conduz os j ovens estudantes, passo a passo, através dos perigos da vida nas colônias americanas primitivas . Mullenbach, Cheryl. The Industrial Revolution for Kids: The People and Technology That Changed the World. Chicago : Chicago Review Press, 20 1 4 . $ 1 6 . 9 5 . Uma apresentação prática das mudanças que o industrialismo provocou em nível mundial; fotografias, explicações e vinte e uma atividades e proj etos . San Souci, Robert, and N . C . Wyeth . N. C. Wyeth 's Pilgrims. San Francisco, CA: Chronicle Books, 1 9 9 6 . $ 6 . 9 5 . Textos simples acompanham as maravilhosas pinturas de N. C. Wyeth retratando peregrinos . Em linhas gerais, é informativo, mas ignore a página que explica como os primeiros colonizadores ofereceram um banquete de Ação de Graças para agradecer aos índios ( ! ) . Esgotado, mas vale a pena procurar por uma edição usada. Schwartz, Heather. The French Revolution: Terror and Triumph. Huntington Beach, CA: Teacher Created Materiais, 20 1 3 . $ 8 .9 9 . Parte da série Primary Source Readers, esta edição ilustrada em capa de pa­ pel discute os principais atores da Revolução Francesa (a família real, Robespierre e mais ) e abrange os eventos que levaram à Declaração dos Direitos do Homem. Tierney, Tom. American Family of the Colonial Era: Paper Dolls in Full Calor. New York: Dover, 1 9 8 7. $ 6 . 9 5 . Bonecos de papel em tamanho grande com desenhos historicamente precisos. Marie Antoinette Paper Doll. New York: Do ver, 200 1 . $ 6 . 9 5 . Bonecos de papel d a rainha Maria Antonieta e de sua camareira, j unto com 15 vestidos (e perucas) . _____ ,.

B i og rafi a s

ADAMS, ABIGAIL Wagoner, Jean Brown. Abigail Adams: Girl of Colonial Days. New York: Aladdin, 1 992. $ 6 . 9 9 . Redigido para o nível de leitura entre a 239

A MENTE BEM TREINADA

terceira e a quinta grades, estas imaginosas biografias da série Childhood of Famous Americans concentram-se na infância de cada pessoa. Alta­ mente recomendável. ADAMS, JOHN Benge, Janet. John A dams: Independence Forever. Lynnwood, Wash.: Emerald Books, 2002. $ 8 . 9 9 . Um volume da série Heroes of History, redigido de forma divertida para estudantes em nível de quarta e quinta grades. Hopkinson, Deborah. John Adams Speaks for Freedom, illus. Craig Orback. New York: Simon Spotlight, 2005 . $ 3 . 9 9 . Um volume da série Ready-to-Read, é ideal para estudantes com nível de leitura equivalente ao da segunda e terceira grades (mais simples do que o Heroes of History mencionado anteriormente) . ANTONIETA, MARIA Hockinson, Liz. Marie Antoinette: Madame Deficit (The Thinking Girl's Treasury of Dastardly Dames ) . Foster City, CA: Goosebottom Books, 2 0 1 1 . $ 1 8 . 9 5 . Disponível em ebook por um preço mais baixo. Uma belamente ilustrada e bem redigida biografia de Maria Antonieta que abrange a sua época; escrito no nível de leitura de estudantes entre a terceira e a quinta grades, com um pouco de vocabulário avançado. ATTUCKS, CRISPUS Millender, Dharathula H. Crispus Attucks: Black Leader of Colo­ nial Patriots. New York: Aladdin, 1 9 8 6 . $ 6 . 9 9 . Uma biografia da série Childhood of Famous Americans. BACH, JOHANN SEBASTIAN Venezia, Mike. Johann Sebastian Bach (Getting to Know the World's Greatest Composers) . New York: Children's Press, 1 99 8 . $ 6 . 9 5 . Uma simples biografia ilustrada de Bach acompanhada de informação sobre seus maiores sucessos; uma boa opção de leitura independente para estudantes em nível de terceira grade. BEETHOVEN, LUDWIG VAN Venezia, Mike. Ludwig Van Beethoven (Getting to Know the World's Greatest Composers) . New York: Children's Press, 1 9 96. $ 6 . 9 5 . Uma 240

SETENTA SECULOS EM QUATRO ANOS

simples biografia ilustrada de Beethoven acompanhada de informação sobre seus maiores sucessos; uma boa opção de leitura independente para estudantes em nível de terceira grade. BO ONE, DANIEL Stevenson, Augusta. Daniel B oone: Young Hunter and Tracker. New York: Aladdin, 1 9 8 6 . $ 6 . 9 9 . Uma biografia da série Childhood of Famous Americans. BUFFALO BILL Stevenson, Augusta. Buffalo Bill: Frontier Daredevil. New York: Aladdin, 1 9 9 1 . $ 6 . 9 9 . Uma biografia da série Childhood of Famous Americans. CRO CKETT, DAVY Parks, Eileen Wells. Davy Crockett: Young Ri-fleman. New York: Aladdin, 1 9 8 6 . $ 6 . 9 9 . Uma biografia da série Childhood of Famous Americans . FRANKLIN, BENJAMIN Cousins, Margaret. Ben Franklin in Old Philadelphia. New York: Random House, 2004. $6.99. Um volume da série Landmark Biography. Giblin, James Cross. The Amazing Life of Benjamin Franklin. Illus. Michael Dooling. New York: Scholastic, 2006. $ 7 . 9 9 . Uma bem redigida biografia sob a forma de livro ilustrado com muita informação adicional sobre a época de Benj amin Franklin. Harness, Cheryl. The Remarkable Benjamin Franklin. National Geographic Children's Books, 200 8 . $ 7 . 9 5 . Outra excelente biografia - com muitas ilustrações - adequada à leitura por estudantes no nível da terceira à quinta grade. HANDEL, GEORGE FRIDERIC Venezia, Mike. George Handel. Chicago : Children's Press, 1 99 5 . $ 6 . 9 5 . Parte da série de leituras e m nível j únior Getting t o Know the World's Greatest Composers . 241

A MENTE BEM TREINADA

HENRY, PATRICK Adler, David A. A Picture Book of Patrick Henry. New York: Ho­ liday House, 200 1 . $7.99. Um guia simples e interessante sobre a vida de Patrick Henry. Parte da série Picture Book Biographies . Fritz, Jean. Where Was Patrick Henry on the 29th of May? Illus. Margot Tomes . New York: Putnam, 1 997. $ 6 . 9 9 . Um clássico livro infantil que abrange a história do início da Revolução enquanto narra a vida de Patrick Henry. JACKSON, ANDREW Venezia, Mike . Andrew Jackson: Seventh President, 1 82 9-1 83 7. Chicago, Ill . : Children's Press, 2005. $7.95. Um livro em linguagem mais simples do que a biografia de Jackson listada a seguir, este volume é parte da série Getting to Know the U.S. Presidents. Stanley, George Edward. Andrew Jackson: Young Patriot. New York: Aladdin, 2003 . $6.99. Um volume da série Childhood of Famous Americans. JEFFERSON, THOMAS Barrett, Marvin. Meet Thomas Jefferson. New York: Knopf, 200 1 . $4.99. Um volume da série Landmark Biography. Giblin, James Cross. Thomas Jefferson: A Picture Book Biography. New York Scholastic, 2006. $7.99. Uma biografia simples com atraentes ilustrações coloridas; parte da série Picture Book Biographies. LAFAYETTE, MARQUÊS DE Fritz, Jean. Why Not Lafayette? Illus. Ronald Himler. New York: Putnam, 200 1 . $5.99. Uma biografia em nível de quarta e quinta gra­ des; a leitura em voz alta também será capaz de divertir os estudantes mais 1 ovens . MONROE, JAMES Venezia, Mike. James Monroe: Fifth President, 1 8 1 7-1 825. Chicago, Ill . : Children's Press, 2005 . $7.95 . Parte da série Getting to Know the U.S. Presidents .

242

SETENTA SÉCULOS EM QUATRO ANOS

MOZART, WOLFGANG AMADEUS Venezia, Mike. Wolfgang Amadeus Mozart (Getting to Know the World's Greatest Composers). New York: Children's Press, 1 995. $6.95. Uma simples biografia ilustrada de Mozart acompanhada de informação sobre seus maiores sucessos; uma boa opção de leitura independente para estudantes em nível de terceira grade. NUR JAHAN Bridges, Shirin Yim. Nur ]ahan of India (The Thinking Girl's Tre­ asury of Real Princesses) . Foster City, CA: Goosebottom Books, 2 0 1 0 . $ 1 8 .95. Disponível como ebook por u m preço mais baixo. Uma biografia belamente ilustrada e bem redigida de Nur Jahan que também discute Shah jahan e o Império Mughal; redigido em nível de leitura de terceira a quarta grades com um pouco de vocabulário avançado. NZINGA Havemeyer, Janie. Njinga: "The Warrior Queen " (The Thinking Girl's Treasury of Dastardly Dames). Foster City, CA: Goosebottom Books, 2 0 1 1 . $ 1 8 . 9 5 . Disponível como ebook por um preço mais baixo. Uma biografia belamente ilustrada e bem redigida da Rainha Nzinga; redigido em nível de leitura de terceira a quarta grades com um pouco de vocabulário avançado. PITCHER, MOLLY Stevenson, Augusta. Molly Pitcher: Young Patriot. New York: Alad­ din, 1 9 8 6 . $ 8 . 9 9 . Um volume da série Childhood of Famous Americans. POCAHONTAS Penner, Lucille Rech. The True Story of Pocahontas. New York: Random House, 1 994. $ 3 . 9 9 . Uma biografia da série A Step Into Rea­ ding, em nível de segunda grade. REVERE, PAUL Stevenson, Augusta. Paul Revere: Boston Patriot. New York: Aladdin, 1 9 8 6 . $6.99. Um dos volumes da série Childhood of Famous Americans.

243

A MENTE BEM TREINADA

ROSS, BETSY Greene, Stephanie. Betsy Ross and the Si/ver Thimble, illus. Diana Magnusson. New York: Simon Spotlight, 2002. $ 3 . 9 9 . Um volume da série Step Into Reading de leitura fácil para iniciantes. SACAGAWEA Seymour, Flora Warren. Sacagawea: American Pathfinder. New York Aladdin, 1 9 9 1 . $ 6 . 9 9 . Um dos volumes da série Childhood of Famous Americans . TOURO SENTADO Stevenson, Augusta. Sitting Buli: Dakota Boy. New York: Aladdin, 1 996. $ 6 . 9 9 . Um dos volumes da série Childhood of Famous Americans SQUANTO Bulia, Clyde Robert. Squanto, Friend of the Pilgrims. New York: Scholastic, 1 990. $ 5 . 9 9 . TECUMSEH Mayer, Cassie. Tecumseh . Portsmouth, N.H. : Heinemann, 2007. $5.99. Da série First Biography, redigido em um nível de leitura bastante simplificado. WASHINGTON, GEORGE Adler, David A. A Picture Book of George Washington. New York: Holiday House, 1 9 90. $ 7 . 9 9 . Uma biografia simples com ilustrações coloridas; parte da série Picture Book Biographies. Harness, Cheryl. George Washington. Des Moines, Iowa: National Geographic Children's Books, 2006. $ 8 . 9 9 . Ilustrações em tamanho grande, texto claro e direto em nível de terceira a quinta grades. Heilbroner, Joan. Meet George Washington. New York: Random House, 200 1 . $4.99. Um volume da série Step-Up Biography. WASHINGTON, MARTHA Wagoner, Jean Brown. Martha Washington: America 's First First Lady. New York: Aladdin, 1 9 8 6 . $ 6 . 9 9 . Peça em qualquer livraria . Um dos volumes da série Childhood of Famous Americans. 244

SETENTA SÉCULOS EM QUATRO ANOS

WHEATLEY, PHILLIS. Weidt, Maryann. Revolutionary Poet: A Story about Phil/is Whe­ atley. Minneapolis, MN: Carolrhoda Books, 1 997. $ 6 . 9 5 .

Periodo Moderno, 7 850-Presente (Quarta Grade) Li sta d e te m a s H i stó ricos a estu d a r

O seu bibliotecário pode indicar livros e m nível de quarta grade que explorem estes eventos importantes ( listados cronologicamente) . Para estudar a História dos estados dos EUA, escreva para a Câmara de Comércio do seu estado e peça materiais para estudar a História, a Geografia e a Economia do seu estado. Á frica sob controle Europeu. As rebeliões na Í ndia. A Guerra da Crimeia. A era Vitoriana. O movimento sufragista e a declaração de Seneca Falls. A Guerra entre os Estados ( Guerra Civil Americana) . A exploração d o oeste americano. O conflito euro-americano com as tribos nativas americanas. O Levante dos Boxers. A Primeira Guerra Mundial. A Revolução Russa. A União Soviética. A Grande Depressão. O " New Deal " . A Guerra Civil Espanhola. O Eixo e os Aliados. A Segunda Guerra Mundial. Alemanha nazista / Hitler. O Holocausto. O sionismo e o retorno dos j udeus à Palestina. O " apartheid " / Segregação na Á frica do Sul. A China sob Mao. A Guerra da Coreia. O movimento dos direitos civis. 245

A MENTE BEM TREINADA

A Guerra do Vietnã. A corrida espacial e o pouso na Lua. Li sta d e G ra n d es H o m e n s e M u l h e res a estu d a r

Andrew Jackson ( 1 767-1 845 ) Louis Joseph Papineau ( 1 78 6-1 8 7 1 ) Samuel Morse ( 1 79 1 -1 8 72 ) Commodore Matthew Perry ( 1 794-1 8 5 8 ) Sant'Ana ( 1 794-1 8 76 ) Robert E . Lee ( 1 8 07-1 8 70 ) Abraham Lincoln ( 1 809-1 8 6 5 ) David Livingstone ( 1 8 1 3-1 8 73 ) Otto von Bismarck ( 1 8 1 5-1 8 9 8 ) Elizabeth Cady Stanton ( 1 8 1 5-1 902) Karl Marx ( 1 8 1 8-1 8 8 3 ) Rainha Vitória ( 1 8 1 9-1 90 1 ) Victor Emmanuel II ( 1 820-1 8 7 8 ) Susan B. Anthony ( 1 820-1 9 0 6 ) Florence Nightingale ( 1 820-1 9 1 0 ) Harriet Tubman ( 1 820-1 9 1 3 ) Ulysses S . Grant ( 1 8 22-1 8 8 5 ) Cetewayo, rei dos Zulus ( 1 826-1 8 84 ) Touro Sentado ( 1 8 3 1-1 8 9 0 ) Imperatriz Dowager Cixi ( 1 8 3 5-1 90 8 ) Samuel Clemens ( Mark Twain ) ( 1 8 3 5-1 9 1 0 ) George Custer ( 1 8 3 9-1 8 7 6 ) Claude Monet ( 1 840-1 926 ) Alexander Graham Bell ( 1 847-1 922 ) Thomas Edison ( 1 847-1 9 3 1 ) Mutsuhito ( o imperador Meij i ) ( 1 8 5 2-1 9 1 2 ) Theodore Roosevelt ( 1 8 5 8-1 9 1 9 ) Henry Ford ( 1 8 6 3-1 947) Wilbur Wright ( 1 8 6 7-1 9 1 2 ) e Orville Wright ( 1 8 7 1-1 94 8 ) Mahatma Gandhi ( 1 8 6 9-1 94 8 ) Vladimir Lênin ( 1 870-1 924 ) Winston Churchill ( 1 8 74-1 965 ) Josef Stálin ( 1 8 79-1 95 3 ) 246

SETENTA SÉCULOS EM QUATRO ANOS

Franklin D. Roosevelt ( 1 8 82-1 945 ) Benito Mussolini ( 1 8 8 3- 1 94 5 ) Adolf Hitler ( 1 8 8 9-1 945 ) Dwight D. Eisenhower ( 1 8 9 0-1 9 6 9 ) Charles d e Gaulle ( 1 8 9 0-1 970) Francisco Franco ( 1 8 92-1 975 ) Mao Tsé Tung ( 1 8 93-1 976) Czar Nicolau II ( 1 8 95-1 9 1 7) Amelia Earhart ( 1 8 97-1 9 3 2 ) Albert Einstein ( 1 8 9 7-1 95 5 ) Charles Lindbergh ( 1 9 02-1 974 ) John F. Kennedy ( 1 9 1 7-1 9 6 3 ) Nelson Mandela ( 1 9 1 8-20 1 3 ) Margaret Thatcher ( 1 925-20 1 3 ) Martin Luther King, Jr. ( 1 929-1 9 6 8 ) Neil Armstrong ( 1 9 3 0-20 1 2 ) Saddam Hussein ( 1 93 7-2006) Bill Gates ( 1 9 5 5-) Recu rsos g e n é ricos

Caso você sej a uma família educadora residente nos EUA, seu dis­ trito poderá exigir que você invista a quarta grade no estudo da História Americana; sugerimos que você continue a estudar História Mundial, mas concentre suas atividades de leitura adicional e suplementar com os recursos de História Americana listados a seguir. O livros a seguir são apenas alguns entre os muitos disponíveis. Archambault, Alan. Black Soldiers in the Civil War Coloring Book. Santa Barbara, CA: Bellerophon, 1 99 5 . $ 3 . 9 5 . Um livro de colorir com qualidade de loj a de museu com imagens da época da Guerra Civil Americana. . Civil War Heroes: A Coloring Book. Santa Barbara, CA: Bellerophon, 1 9 8 8 . $4 . 9 5 . Um livro de colorir com qualidade de loj a de museu com retratos da época da Guerra Civil. Bernhard, Annika . State Birds and Flowers Coloring Book. New York: Dover, 1 990. $ 3 .99. Bunting, Eve. The Wall. Boston: Houghton Mifflin, 1 992. $ 6 . 9 9 . U m menininho é levado a procurar o nome d e s e u avô n o Memorial dos Veteranos do Vietnã. ____

247

A MENTE BEM TREINADA

Carey, Charles W. The Emancipation Proclamation. Chanhassen, MN: Child's World, 2 0 1 4 . $20 . 9 5 . Parte da série Journey to Freedom, este informativo livro para jovens estudantes está disponível apenas no formato ebook.

A Coloring Book of Our Presidents, Washington through Clinton. Santa Barbara, CA: Bellerophon, 1 999. $4.95. Retratos contemporâneos de cada presidente. Conklin, Wendy. The Cold War. Huntington Beach, CA: Teacher Created Materiais, 20 1 3 . $ 8 .99. Uma introdução ricamente ilustrada ao comunismo, à corrida armamentista e à corrida espacial, ao Muro de Berlim, à Guerra da Coreia, à crise Cubana e ao conflito no Vietnã, legível por estudantes em nível de quarta grade. Copeland, Peter F. Famous Women of the Civil War Coloring Book. New York: Dover, 1 9 99. $ 3 . 9 9 . . Story of the Civil War Coloring Book. New York : ____

Dover, 1 9 9 1 . $ 3 . 9 9. Demuth, Patricia Brennan. What Was D-Day?, illus. David Grayson. New York : Grosset & Dunlap, 20 1 5 . $ 5 . 9 9 . Um relato sobre os eventos que levaram ao Dia D, bem como sobre a invasão propriamente dita, interessante e adequado à faixa etária ____

. What Was Pearl Harbor? illus . John Mantha. New

York: Grosset & Dunlap, 20 1 3 . $5.99. Os eventos do dia 7 de dezembro de 1 94 1 e suas consequências. Dubois, Muriel L. The U.S. House of Representatives. Mankato, MN: Capstone Press, 2003 . $7.29. Um guia simples e ricamente ilustrado. _____

. The U.S. Presidency. Mankato, MN: Capstone Press,

2003 . $7.29. Um guia simples e ricamente ilustrado de um dos três ramos do governo. . The U.S. Supreme Court. Mankato, MN: Capstone _____

Press, 200 3 . $7.29. Um guia simples e ricamente ilustrado. Foster, Genevieve . A braham Lincoln 's World. Sandwich, MA: Beautiful Feet Books, 200 3 . $2 1 .9 5 . Conta não somente a história de Lincoln, mas também as de outros homens e mulheres cujas vidas se cruzaram com a dele. Fradin, Dennis Brindei!. From Sea to Shining Sea series. Danbury, CT: Children's Book Press. Esta série inclui um título para cada estado 248

SETENTA SÉCULOS EM QUATRO ANOS

e é redigida em nível simples adequado para estudantes em nível de leitura equivalente ao de segunda à quarta grades. Graham, Ian. You Wouldn't Want to Be a World War II Piloi! Air Battles You Might Not Survive. New York: Franklin Watts, 2009. $9.95. Um estimulante guia para os combates aéreos na Segunda Guerra Mun­ dial com ilustrações ao estilo das histórias em quadrinhos. Holling, Holling C. Minn of the Mississippi. Boston: Houghton Mifflin, 1 97 8 . $ 1 1 . 9 5 . A História do Mississippi narrada através das aventuras de uma tartaruga. . Paddle-to-the-Sea. Boston: Houghton Mifflin, 1 9 80. ____

$ 1 1 .9 5. Uma história vencedora do prêmio Caldecott sobre a canoa de brinquedo de um menino índio e sua j ornada desde os Grandes Lagos até o Atlântico. . Tree in the Trai!. Boston: Houghton Mifflin, 1 990. $ 1 1 . 9 5 . A História das Grandes Planícies e da Trilha de Santa Fé, cen­ trada no ponto-de-vista de um choupo. King, David C. Civil War Days: Discover the Past with Exciting Projects, Games, Activities, and Recipes. New York: Jossey-Bass, 1 99 9 . $ 1 6. 9 5 . Acompanha a s vidas d e duas famílias, uma branca e outra negra, em suas atividades diárias; rico em sugestões para aprendizagem prática. . World War II Days: Discover the Past with Exci­ ting Projects, Games, Activities, and Recipes. New York: Wiley, 2000. $ 1 2 . 9 5 . Explore a cultura da América nas décadas de 1 93 0 e 1 940. Levine, Ellen. If You Lived at the Time of Martin Luther King. New York: Scholastic, 1 994. $ 6 . 9 9 . Leitura simples sobre o Movimento dos Direitos Civis. Lincoln, Abraham. The Gettysburg Address, illus. Michael McCur­ dy. New York: Houghton Mifflin, 1 99 8 . $7.99. Cada frase do Discurso de Gettysburg se destaca em letras grandes sobre uma ilustração em xilogravura; este livro trará à vida o famoso discurso. Malam,John. You Wouldn't Want to Be a SecretAgent During World War II! A Perilous Mission Behind Enemy Lines. New York: Franklin Watts, 201 0. $ 9 . 9 5 . Siga os passos de um espião enquanto ele penetra por trás das linhas inimigas na França sob ocupação alemã. Matthews, Rupert. You Wouldn't Want to Be a Chicago Gangster! Some Danger Characters You'd Better Avoid. New York: Franklin Watts, 20 1 0 . $ 9 . 9 5 . Os loucos anos 20 e m Chicago. ____

____

249

A MENTE BEM TREINADA

Meyer, Carolyn. Anastasia: The Last Grand Duchess, Russia, 1 9 1 4 . New York: Scholastic, 20 1 3 . $ 6 . 9 9 . Parte da série Royal Diaries, esta história da Revolução Russa é narrada sob a forma dos curtos registros no diário mantido por Anastasia, a mais j ovem filha do czar Nicolau II e da czarina Alexandra. As notas históricas mostram o retrato da sociedade russa e de seus conflitos no início do século XX. Moore, Kay. If You Lived at the Time of the Civil War. New York: Scholastic, 1 994. $ 6 . 9 9 . Nível de leitura simples. Murphy, Jim. The B oys ' War. Boston: Houghton Mifflin, 1 99 3 . $ 8 . 9 5 . Meninos com idades tão reduzidas quanto onze e doze anos lu­ taram na Guerra Civil; este livro conta suas histórias em suas próprias palavras. Pascal, Janet. What Was the Great Depression ?, illus. Dede Putra. New York: Grosset & Dunlap, 20 1 5 . $ 5 . 9 9 . Oitenta ilustrações e texto adequado a crianças.

Presidents of the United States Pocket Flash Cards. $ 2 . 9 9 . Todos os presidentes dos Estados Unidos em cartões de memória contendo retratos, breves biografias e curiosidades.

The Presidents Song. Animaniacs, 1 99 5 . O mais contagiante auxi­ liar de memória disponível; Wakko e seus amigos cantam os primeiros quarenta e três presidentes. A canção pode ser adquirida como parte da série Animaniacs, ) 3 temporada, Episódio 75; que foi ao ar pela primeira vez em 1 1 de novembro de 1 99 5 . Você também pode encontrá-la em YouTube.com. Rasmussen, R. Kent. World War I for Kids: A History with 2 1

Activities. Chicago: Chicago Review Press, 20 1 4 . $ 1 7. 9 5 . Texto claro sobre o conflito, boas ilustrações e muitas atividades para explicar como funcionava a guerra de trincheiras. Rickman, David. Cowboys of the Old West Coloring Book. New York: Dover, 1 9 8 5 . $4.99. Smith, A. G. Easy-to-Make Plains Indians Teepee Vil/age. New York: Dover, 1 990. $ 6 . 9 9 . Um proj eto de modelagem que não necessita de tesoura s ! ____

. Union Army Paper Soldiers. New York: Dover, 1 99 5 .

$ 6 . 9 5 . Vinte e quatro soldados e m tamanho grande. 250

SETENTA SÉCULOS EM QUATRO ANOS

States and Capitais Songs. Newport Beach, CA: AudioMemory, 1 99 8 . $ 1 2 . 9 5 pelo CD e o kit. O kit inclui o CD com as canções dos estados e das capitais, e um mapa para colorir. Wyk, Chris van, ed. Nelson Mandela: Long Walk to Freedom, illus. Paddy Bouma. New York: Flash Point, 2009. $ 1 8 . 9 9 . Esta adaptação da autobiografia de Mandela, destinada a leitores em nível de terceira a quinta grades, é uma boa forma de saber mais sobre o apartheid e seu colapso. Biog rafi a s

ALCOTT, LOUISA MAY Meigs, Cornelia. Invincible Louisa: The Story of the Author of Little Women. Boston: Little Brown, 1 99 5 . $9. Vencedor do prêmio Newbery. ANTHONY, SUSAN B. Monsell, Helen Alhee. Susan B. Anthony: Champion of Women's Rights. New York: Aladdin, 1 9 8 6 . $6.99. Um volume da série Childhood of Famous Americans, biografias imaginosas, escritas no nível de leitu­ ra da terceira à quinta grades, que se concentram na infância de cada biografado. Altamente recomendável. BARTON, CLARA. Stevenson, Augusta. Clara Barton: Founder of the American Red Cross. New York: Aladdin, 1 9 8 6 . $6.99. Um volume da série Childhood of Famous Americans. BETHUNE, MARY MCLEOD Greenfield, Eloise. Ma ry McLeod Bethune, illus. ]erry Pinkney. New York: HarperCollins, 1 99 4 . $ 6 . 9 9 . Uma biografia simples da famosa educadora nascida como a décima quinta criança de um casal de ex-escravos. BLACKWELL, ELIZABETH Henry, Joanne Landers. Elizabeth Blackwell: Girl Doctor. New York: Aladdin, 1 99 6 . $ 6 . 9 9 . Um volume da série Childhood of Famous Americans. 25 1

A MENTE BEM TREINADA

CARVER, GEORGE WASHINGTON

Moore, Eva. The Story of George Washington Carver. Ilustrações por Alexander Anderson. New York: Scholastic, 1 990. $5.99. Esta Scholastic Biography foi redigida para bons leitores da terceira à quinta grades . CHAVEZ, CESAR Krull, Kathleen. Harvesting Hope: The Story of Cesar Chavez, illus. Yuji Morales. New York: Harcourt, 2003 . $ 1 7.95. Um registro fascinante sob a forma de livro de colorir sobre a infância de Cesar Chavez e sua ascensão ao ativismo. CHURCHILL, WINSTON Labracque, Ellen. Who Was Winston Churchill?, illus. Jerry Hoare. New York: Grosset & Dunlap, 20 1 5 . $5.99. Uma estimulante biografia ilustrada redigida para o nível de leitura da quarta à quinta grade. CIXI Yim, Natasha. Cixi: "The Dragon Empress " (The Thinking Girl's Treasury of Dastardly Dames). Foster City, CA: Goosebottom Books, 201 1 . $ 1 8 . 95. Disponível em formato ebook por um preço mais baixo. Uma bem redigida e belamente ilustrada biografia da última governante da dinastia Qing; redigida para o nível de leitura da terceira à quinta grade com um pouco de vocabulário avançado. DARWIN, CHARLES Hopkinson, Deborah. Who Was Charles Darwin? Ilustrações por Nancy Harrison. New York: Grosset & Dunlap, 2005 . $5.99. Uma bio­ grafia simples, mas completa, no nível de leitura de quarta grade. DOUGLASS, FREDERICK Adler, David A. A Picture Book of Frederick Douglass. New York: Holiday House, 1 997. $6.95. Um guia simples e ilustrado para a vida de Douglass. EARHART, AMELIA Henderson, Meryl. Ame/ia Earhart: Young Aviator. New York: Ala­ ddin, 2000. $5.99. Um volume da série Childhood of Famous Americans.

252

SETENTA SÉCULOS EM QUATRO ANOS

EDISON, THOMAS Guthridge, Sue. Thomas Edison: Young Inventor. New York: Alad­ din, 1 9 8 6 . $6.99. Um volume da série Childhood of Famous Americans. EDMONDS, EMMA Reit, Seymour. Behind Rebel Lines. New York: HMH Books, 200 1 . $6.9 5 . A história real de uma menina d a era d a Guerra Civil que s e fingiu de homem para se tornar um soldado e, mais tarde, uma espiã. EINSTEIN, ALBERT. Hammontree, Marie. Albert Einstein: Young Thinker. New York: Ala­ ddin, 1 9 8 6 . $6.99. Um volume da série Childhood of Famous Americans. FORD, HENRY Aird, Hazel B. Henry Ford: Young Man with Ideas. New York: Ala­ ddin, 1 9 8 6 . $6.99. Um volume da série Childhood of Famous Americans. GANDHI, MOHANDAS Demi. Gandhi. New York: Margaret K. McElderry, 200 1 . $2 1 . 99. Uma biografia que a maioria dos estudantes do nível fundamental pode ler sozinha. KELLER, HELEN Davidson, Margaret. Helen Keller, illus. Wendy Watson. New York: Scholastic, 1 9 8 9 . $ 5 . 9 9 . Esta Scholastic Biography foi redigida para bons leitores no nível da terceira à quinta grades. KENNEDY, JOHN F. Frisbee, Lucy Post. ]ohn F. Kennedy: America 's Youngest President. New York: Aladdin, 1 9 8 6 . $ 6 . 9 9 . Um volume da série Childhood of Famous Americans. KING, MARTIN LUTHER, JR. Millender, Dharathula H . Martin Luther King, Jr. New York: Aladdin, 1 9 8 6 . $ 6 . 9 9 . Um volume da série Childhood of Famous Americans. 253

A MENTE BEM TREINADA

LINCOLN, ABRAHAM Freedman, Russell. Lincoln: A Photobiography. Boston: Hough­

ton Miffiin, 1 9 8 9 . $ 9 . 9 5 . Este vencedor do Prêmio Newbery mostra as mudanças sofridas por Lincoln ao longo do tempo. Harness, Cheryl . Abe Lincoln Coes to Washington, 1 83 7-1 863 . Washington, DC: National Geographic Children's Books, 200 8 . $ 7 . 9 5 . Uma simples e bem ilustrada biografia que abrange os anos mais im­ portantes da vida de Lincoln. MARSHALL, THURGOOD Adler, David A. A Picture Book of Thurgood Marshall. New York: Holiday House, 1 9 99. $7.99. Um guia simples e ilustrado sobre as re­ alizações de Marshall. PARKS, ROSA Mara, Will. Rosa Parks. Chicago, Ili . : Children's Press, 2007. $ 5 . 9 5 . Um título bem simples da série Rookie Biography. PASTEUR, LOUIS Alphin, Elaine Marie. Germ Hunter: A Story About Louis Pasteur. Ilustrações por Elaine Verstrate. New York: Carolrhoda Books, 2003 . $ 8 . 9 5 . Parte da série Creative Minds Biography, este livro é redigido quase que em tom romanceado - uma leitura divertida no nível das grades 3-5 . ROOSEVELT, ELEANOR Weil, Ann. Eleanor R oosevelt: Fighter for Social Justice. New York: Aladdin, 1 9 8 9 . $ 6 . 9 9 . Um volume da série Childhood of Famous Americans. ROOSEVELT, FRANKLIN D. Mara, Will. Franklin D. Roosevelt. Chicago: Children's Press, 2004 . $4.95 . Um título bem simples da série Rookie Biography. ROOSEVELT, THEODORE Mara, Will. Theodore Roosevelt. Chicago, Ill . : Children's Press, 2007. $4 . 9 5 . Um título bem simples da série Rookie Biography. 254

SETENTA SÉCULOS EM QUATRO ANOS

STANTON, ELIZABETH CADY Fritz, Jean. You Want Women to Vote, Lizzie Stanton? New York : Paper Star, 1 99 9 . $ 6 . 9 9 . Um registro divertido da vida de Stanton. TUBMAN, HARRIET McDonough, Yona. Who Was Harriet Tubman? New York: Grosset & Dunlap, 2002 . $4.99. Faça seu pedido em qualquer livraria. Uma com­

pleta, mas simples, biografia redigida no nível de leitura da quarta grade. TWAIN, MARK Mason, Miriam E. Mark Twain: Young Writer. New York: Aladdin, 1 99 1 . $ 5 . 9 9 . Faça seu pedido em qualquer livraria. Um volume da série Childhood of Famous Americans. RAINHA VITÓ RIA Gigliotti, Jim. Who was Queen Victoria ? , illus. Jerry Hoare. New York : Grosset & Dunlap, 20 1 4 . $ 5 . 9 9 . Uma estimulante biografia ilus­ trada redigida em nível de leitura adequado da quarta à quinta grade. WRIGHT, WILBUR AND ORVILLE Schulz, Walter A. Will and Orv. New York: Carolrhoda Books, 2003. $ 6 . 9 9 . Um registro de leitura simples do dia em que o primeiro avião voou. Stevensori, Augusta. Wilbur and Orville Wright: Young Fliers. New York: Aladdin, 1 9 8 6 . $ 5 . 9 9 . Um volume da série Childhood of Famous Americans.

255

8. I nvest ig a n d o o m u n d o: C i ê n ci a

O mundo inteiro é um laboratório para a mente curiosa.

- Martin H. Fischer

Discip lina: Introdução à Ciência Temp o exigido: Em média, de 2 a 3 horas p or semana, 60-90 minutos, duas vezes p or semana.

D

urante os próximos quatro anos, o estudante que se iniciará em Ciência vai explorar o mundo físico: animais e pessoas

( Biologia ) , a Terra e o Céu ( Ciências da Terra e Astronomia ) , o modo como o s elementos trabalham j untos ( Química ) e as leis que

governam o Universo ( Física ) .

O bjetivos pa ra o está g i o G ra matica l Tal como nas outras áreas do currículo, o estudante no estágio Gramatical deve acumular informação básica . Em Ciência, isto significa a investiga­ ção do mundo à nossa volta: aprender a anatomia e o comportamento animal, as funções do corpo humano, os movimentos dos planetas e a posição das estrelas, os modos como interagem os átomos. O estudo durante o estágio Gramatical, no entanto, tem um obj etivo mais amplo. Enquanto os estudantes em estágio Gramatical estiverem reunindo toda essa informação, você (o pai-educador) deve cultivar duas atitudes importantes: um senso de maravilhamento e um compromisso de observar atentamente o mundo à nossa volta. O obj etivo geral do estudo de Ciência durante o estágio Grama­ tical não é apenas acumular informação, mas começar a desenvolver um ponto de vista científico. O cientista não deixa passar em branco as 257

A MENTE BEM TREINADA

operações naturais. Ele pergunta: por que os objetos caem em direção à terra ? O sol parece mover-se de um lado a outro do horizonte, o que ele realmente está fazendo ? Um dos primeiros cientistas de todos, Aristóteles, começou seu estudo da Natureza perguntando: Por que as coisas crescem ? O que transforma uma semente numa árvore ? Por que o gatinho se transforma em gato ? Estas questões se tornaram catalisadores da primeira obra científica da literatura Ocidental - A História dos Animais, de Aristóteles - o estudo que deu à luz o campo de estudo da Biologia. Os compatriotas de Aristóteles também já haviam visto gatinhos se transformando em gatos e sementes em árvores, mas eles deixaram passar em branco essas mudanças; eles não ficaram maravilhados com elas e, portanto, não as observaram atentamente. Aristóteles estava pensando como um cientis­ ta . Ele estava maravilhado e, assim, tentou encontrar uma explicação. É assim que os j ovens estudantes devem aprender a pensar durante o estágio Gramatical. As nuvens são maravilhosas. As flores e os golfi­ nhos e as reações químicas e as coisas que caem são maravilhosas . Por que se comportam dessa maneira ? Assim, enquanto você estiver estudando, tenha em mente esses objetivos. Você não está tentando ensinar ao seu estudante em nível de segunda grade tudo o que há de importante para saber sobre a terra e o céu (isso seria esmagador) . Você está aprendendo informações bá­ sicas sobre nosso planeta e sobre o universo e, em seguida, usará essa informação como um trampolim para perguntar: Por quê ? Observe atentamente as informações . Questione-as. (E maravilhe-se ) .

Qu a i s assu ntos estu d a r - e q u a n d o Pense n a Ciência como s e estivesse dividida e m cinco principais campos de estudo: Biologia/Ciências Naturais (o estudo dos animais, das plantas e das pessoas ) , Astronomia, Ciências da Terra, Química e Física. Você pode decidir acrescentar uma sexta área de investigação que podemos chamar de Tecnologia - como e por que as máquinas, os aparelhos eletrônicos, robôs, aparelhos de música digital e criações em Lego fun­ cionam de determinada maneira. 1 1

É comum vermos o currículo dividido em dois campos principais: as Humanidades 25 8

INVESTIGANDO O MUNDO

Nas edições anteriores deste livro, sugerimos a divisão dos quatro anos de estudo de Ciência em áreas temáticas que correspondem, grosso modo, a períodos históricos. Estudantes em nível de primeira grade, que estarão estudando a Antiguidade, aprenderam sobre as coisas que os Antigos podiam ver - vida animal, corpo humano e plantas. Eles farão coleções, caminhadas na Natureza e cultivarão feij ões em vasos. Estudantes em nível de segunda grade estudarão a terra e o céu enquanto também estudam a Idade Média e o início da Renascença, uma época em que a Astronomia era a rainha das Ciências. Os estudantes em nível de terceira grade estudarão a Química básica - átomos e moléculas, o que são os elementos e como eles interagem - enquanto também esti­ verem estudando a História do período entre 1 600 e 1 8 5 0 (o período em que viveram Robert Boyle, Georg Ernst Stahl, Antoine Lavoisier e John Dalton) . Estudantes em nível de quarta grade, estudantes dos tempos modernos, aprenderão Física básica e serão apresentados à Tecnologia moderna. Estas divisões - o estudo da vida, o estudo da terra e do céu, o estudo da Química e o estudo da Física - também correspondem à cres­ cente capacidade da criança para o pensamento abstrato. Uma criança de seis anos pode coletar e examinar plantas e animais; uma criança de sete anos, um pouquinho mais madura, pode entender alguma coisa sobre a vastidão do espaço; uma criança de oito anos pode compreender os átomos, mesmo que não possa vê-los; e uma criança de nove anos pode entender do que são feitos a luz e o som. Esta é uma maneira útil de organizar seus estudos de Ciência - mas apenas uma. Pais que, eles próprios, são cientistas, disseram-nos que preferem ensinar as Ciências em termos de suas conexões umas com as outras em vez de relacioná-las à História. Outros pais descobriram que seus filhos se sentem mais estimulados e apresentam melhor retenção de informações caso passem por todas as Ciências em um único ano, em intervalos de seis a oito semanas, em vez de cobrir um campo de estudos durante um ano de estudos completo. ( Artes da Linguagem e Ciências Sociais) e o que é comumente referido como áreas CTEM (Ciência, Tecnologia, Engenharia e Matemática ) . Tecnicamente, " Engenharia " envolve projetos e, a Tecnologia, o ato de trazer esses projetos à vida mas, para efeito do estágio Gramatical, ambos os aspectos podem ser combinados.

259

A MENTE BEM TREINADA

Quando e como você ensinará cada campo da Ciência é muito menos importante do que manter em mente os obj etivos primários (coleta de informações básicas e fatos, aprender a observar atentamen­ te e a formular perguntas, manter-se maravilhado ) . Qualquer um dos seguintes esquemas - ou qualquer outro que você desenvolva por si mesmo - pode funcionar no estudo de Ciência em nível elementar. (Para mais explicações sobre os métodos empregados, vej a a seção " Como fazer " , mais adiante ) . Primeira grade

Biologia

Reino Animal (1 8 semanas) Corpo humano (10 semanas) Reino das Plantas ( 8 semanas)

Segunda grade

Ciência da terra e do cé u

Ciências da Terra (1 8 semanas) Astronomia (1 8 semanas)

Terceira_grade

Q_uímica

Quarta grade

Física

_,Ç_uímica básica (36 semanas) Física básica (1 8 semanas) Tecnol ogi a e Engenharia ( 1 8 semanas)

ou Primeira grade

Ciências básicas da Natureza

Ciências da Terra ( 8 semanas) Astronomia ( 8 semanas) Reino Animal ( 8 semanas) Corpo humano ( 8 semanas) Reino das Plantas (4 semanas)

Segunda grade

Espiando sob as superfícies

Química básica (12 semanas) Física básica ( 12 semanas) Tecnol�a e EI'lgenharia (12 semanas)

Terceira grade

Repetição dos tópicos da primeira grade: revisão e ap_rofundamento

Quarta grade

Repetição dos tópicos da segunda grade: revisão e a_.E._rofundamento

ou Primeira grade

Todas as Ciências

Ciências da Terra (5 semanas) Astronomia (5 semanas) Reino Animal (6 semanas) Coi:E_o humano (5 semanas)

260

INVESTIGANDO O MUNDO

Segunda grade

Mesmos tópicos com maior �afundamento

Terceira grade

Mesmos tópicos com maior

Quarta grade

�o fundamento Mesmos tópicos com maior �rofundamento

Enquanto estiver fazendo seu planej amento, lembre-se de que os anos do ensino fundamental são a época em que a prioridade é o desenvolvimento de certas habilidades básicas vitais ( Leitura, Escrita, Aritmética ) . Um estudante em nível de segunda grade que não aprenda todas as constelações não sofrerá danos permanentes. Mas um aluno de segunda grade que não compreenda a ideia de que é necessário escrever frases completas em vez de fragmentos, ou os fatos básicos da adição, sofrerá embaraços . Assim, certifique-se de dedicar tempo suficiente ao desenvolvimento de habilidades, mesmo que isso signifique menor in­ vestimento nas áreas de conteúdo - História, Ciência, Arte, etc. Algumas academias clássicas radicalizam essa ideia ao ponto de banir, do Estágio do Papagaio, o estudo da Ciência. Nós não achamos que esta é uma boa ideia. As grades 1 a 4 são uma época de descober­ tas - por que deixar a Ciência fora da equação ? Mas é verdade que o estudante no nível fundamental - especialmente o de primeira ou segunda grade - investirá um grande percentual de seu tempo e ener­ gia na aquisição de habilidades básicas. Graças a isso, você agendará o estudo de Ciência por apenas um ou dois dias por semana para os estudantes mais j ovens . Você também poderá deixar para apresentar o estudo da Ciência apenas algumas semanas após o início das aulas da primeira grade, quando a criança de seis anos tiver se adaptado à sua rotina de Leitura, Redação e Matemática.

Co m o e n s inar Ciê ncia: m étodos g erais Os únicos livros mais chatos do que os livros-textos básicos de História são os livros-textos padronizados de Ciência. Eles tendem a pecar por falta de organização, de redação decente, de layout legível e/ou qual­ quer senso de obj etivo . (Um livro-texto que analisamos avançava de florestas tropicais para dieta e nutrição e, depois, para ondas sonoras, 261

A MENTE BEM TREINADA

num período de doze semanas. Por quê ? ) . Assim, em vez de usar um único texto, sugerimos que você utilize trabalhos enciclopédicos para funcionar como " espinha dorsa l " e s uplemente-a com livros, kits e proj etos - exatamente como você faz com História. (Nós listamos alguns de nossos favoritos ao final deste capítulo, mas você encontrará muitos outros mais, à medida que começar a investigar. ) Você também pode desej ar, em vez disso, adotar um currículo de Ciência, particularmente se você sentir que precisa de um programa mais estruturado. Nós também listamos algumas opções de currículos para você. Enquanto você estiver ensinando Ciência, recomendamos que você faça uso de três métodos genéricos.

Leia, narre, investigue mais a fundo O processo é simples: você lerá o conteúdo da enciclopédia ou " es­ pinha dorsal" de Ciências para a criança em voz alta. Em seguida, peça que ela narre - isto é, que conte de volta para você em suas próprias palavras - dois ou três fatos importantes que tenha aprendido (vej a, no capítulo 5, a descrição do processo de narração ) . Você escreverá essa narração (ou pedirá à criança que a escreva, caso suas habilidades permitam) . Caso a criança mostre interesse, encontre livros adicionais na biblioteca sobre o tema. Caso contrário, avance até o próximo tópico. Não se esqueça de que você pode parar a qualquer tempo para aprofundar-se em um assunto. Sua meta não é completar um levanta­ mento predeterminado de um campo científico inteiro. Caso a criança desenvolva um súbito e devorador interesse por porquinhos-da-índia ou vulcões ou sobre como funciona o fogo, isto é uma boa notícia. Invista algum tempo pegando livros na biblioteca, lendo, fazendo narrações adicionais e permitindo que o estu dante faça desenhos e ilustre suas páginas de narrações. Sugerimos que você guarde todas as narrações e figuras de Ciência em um caderno específico para consulta fácil. Este é um excelente método para um primeiro contato, pois apresenta os estudantes a uma completa gama de tópicos, fatos e ideias que, de outra forma, não conheceriam, permite que eles pratiquem a habilidade de expressar em palavras o conhecimento adquirido e dá-lhes a chance de aprofundar-se conforme o interesse. (No entanto, como explicaremos 262

INVESTIGANDO O MUNDO

nas próximas seções, você provavelmente omitirá este passo quando estudar Química e Física, pois o aprendizado prático é mais adequado a essas áreas ) .

Faça projetos, converse sobre eles

No estágio Gramatical, os estudantes não fazem "experimentos " (no sentido estrito da palavra ) . Um experimento requer que você tenha uma hipótese - alguma teoria sobre qual resultado pode ser encontrado - e crianças no estágio Gramatical não têm informação de base suficiente para criar hipóteses. Em vez disso, sua meta deve ser oferecer-lhes pro­ j etos: explorações práticas do mundo. Um projeto é algo que você faz em vez de algo que você simples­ mente lê. Um proj eto pode não ser mais do que o ato de observar alguma coisa (realmente observar, não apenas ver o que você já sabe que está ali ) e descrevê-la: um mosquito sob a lente de um microscópio, uma formação de nuvens, um motor em movimento . Um projeto pode ser o ato de assistir a um documentário científico j unto com seu filho e, então, listar três coisas que você aprendeu e que ainda não sabia antes de assistir ao filme. Um proj eto pode ser a construção de uma máquina simples a partir de blocos ou Legos e explicar como ela funciona. Um projeto pode ser a reunião de um conj unto de cones de pinheiro para que você os abra e vej a o que há dentro deles . Um projeto pode ser a o bservação de uma mamãe-passarinho no quintal e o registro da frequência com que ela deixa o ninho, quanto tempo fica fora e quando ela volta. A medição e o registro da precipitação de chuva durante o período de uma semana é um proj eto. Também o é a separação de um pedaço de pão e o registro de quanto tempo leva para que ele fique mofado, a observação de uma chuva de meteoros - tomando nota do número de segundos entre a aparição de um meteoro e outro; a criação de limo em casa e a descoberta de quais são os ingredientes que o tornam limoso, a criação de um mapa salino de uma placa tectônica . Os proj etos transformam

a

Ciência em algo concreto, do mesmo

modo que os obj etos manuseáveis dão um aspecto concreto à Ma263

A MENTE BEM TREINADA

temática. Nós listamos diversos recursos de proj etos no final deste capítulo; escolha à vontade ou elabore o seu. S ó há um requisito : faça algum tipo de registro de seu proj eto. Para estudantes em nível de primeira e segunda grades, peça que eles digam a você em duas ou três frases o que aprenderam ou que dúvidas ainda permanecem. Escreva a resposta e peça que eles a leiam para você . Guarde as frases no caderno de Ciência. Para a terceira e a quarta grades, faça o estudante completar uma Página de Proj eto com respostas breves para as seguintes perguntas: O que usamos ? O que fizemos ? O que aconteceu ? O que aprendemos ? ( Caso o estudante ainda estej a com dificuldades no processo de redação, ofereça toda a ajuda que ele necessitar. ) Estas Páginas de Proj eto prepararão o estudante para a redação de registros de laboratório em anos vindouros e também servirão como registro de proj etos completados . (Para Química e Física, você provavelmente combinará este método com o que se segue; vej a nossas explicações mais detalhadas a seguir ) .

Pergunte "Por quê?", "Como?" ou " O quê": Encontre a resposta Faça uma pergunta para a qual você não sabe a resposta. Por que a pipa voa ? Por que os aviões voam ? O que cai mais rápido: obj etos leves ou obj etos pesados ? Por que o pão fica mofado ? Qual é a árvore mais comum em minha vizinhança ? O que há naquela água azul que j ogamos nas flores que as ajuda a crescer ? Como sabemos o que há no núcleo do planeta Terra ? Com o que realmente se parecem as câmaras do coração ? Como funciona um forno de micro-ondas ? Vá atrás de livros e faça proj etos que aj udem a encontrar a respos­ ta . Leve tanto tempo quanto for necessário. Quando você encontrar a resposta, registre-a usando o seguinte formulário: 264

INVESTIGANDO O MUNDO

Pergunta inicial. Recursos que consultamos . Projetos que fizemos. Nossa resposta. Arquive esse registro no caderno de Ciência. Quando você estiver trabalhando com um estudante em nível do estágio Gramatical, será importante fazer perguntas que possam ser respondidas em termos de seu conhecimento muito básico e concreto . Assim, pergunte: "Uma pedra grande cai mais rápido do que uma pedra pequena ? " ( algo que pode ser facilmente pesquisado e, em seguida, testado ) , e não " por que pedras grandes e pedras pequenas caem com idêntica velocidade ? " ( uma questão que exige que você lide com os princípios do " empurrão gravitacional " , um conceito para o qual apenas alguns poucos estudantes em nível elementar estarão prontos para entender) . Adquira o hábito de perguntar " por que " , " como " e " o que " com tanta frequência quanto possível . Toda vez que seu estudante fizer um proj eto ou ler um livro, pense consigo mesmo: há uma pergunta que podemos formular sobre isso ? Um proj eto que envolva o uso de dois fertilizantes diferentes em duas plantas para ver qual funciona melhor leva à pergunta: " Quais são as substâncias químicas nos fer­ tilizantes que estão afetando as plantas e por quê ? " Um livro sobre golfinhos também leva a uma pergunta : " Como funciona a audição dos golfinhos ? " . O desenvolvimento desse hábito é vital para o pensamento cien­ tífico - o que significa não deixar nada passar em branco. Do mesmo modo que Aristóteles, questione o óbvio . E no momento em que você perceber que responder à questão envolverá Matemática em nível de ensino médio ou um entendimento avançado de Física, recue e for­ mule uma pergunta mais adequada. Tentativa e erro também é parte da Ciência .

Nota: Sugestões sobre como equilibrar estes três métodos estão disponíveis na seção "Amostras de Cronogramas Semanais " , nas pá­ ginas 277. 265

A MENTE BEM TREINADA

Como e n s i n a r Ciências d a Vida (a n ima is, seres h uma­ nos, pla nta s) Durante o estudo em nível de estágio Gramatical das coisas vivas, você examinará, descreverá e explorará animais, seres humanos e plantas. Como texto básico, escolha um dos guias coloridos e com letras grandes para o mundo natural listados na seção de Recursos e use-o como trampolim para leituras, proj etos e investigações mais profundas. Caso você estej a dedicando o ano inteiro ao estudo da Ciência da Vida, divida as trinta e seis semanas de seu ano escolar em aproximadamente vinte semanas para o reino animal, dez semanas para o corpo humano e as últimas seis semanas (mais ou menos) para o reino das plantas. Mantenha essas proporções caso você decida dedicar menos tempo ao estudo das Ciências da Vida.

Como ler, narrar e fazer investiga ções adicionais Comece lendo o verbete de enciclopédia ( normalmente, com uma página de extensão) para a criança e, em seguida, peça que ela narre a informação de volta para você enquanto você escreve. Nota: A melhor maneira de dar início a uma narração de Ciência neste nível é perguntar: " Pode me dizer duas coisas que você aprendeu sobre este animal ? " ou " Qual foi a coisa mais interessante que lemos sobre esta planta " ? Em seguida, vá à biblioteca e inspecione os livros j uvenis para ensino de Ciência. Você encontrará muitos títulos com figuras coloridas e texto claro e simples. Leiam j untos alguns desses títulos. Você não precisa fazer uma página de narração para cada livro, mas tente fazer uma página de narração de mais ou menos uma em cada três fontes externas. A criança poderá ilustrar as páginas de narração com ilustrações que ela tenha desenhado, fotocopiado ou recortado de revistas. As páginas de narração devem ser arquivadas no caderno de Ciência.

Como fazer projetos e fa lar sobre eles Nós listamos uma ampla variedade de recursos para projetos na seção de " Recursos " ao final deste capítulo; lembre-se de pedir aos es­ tudantes em nível de primeira e segunda grades que contem a você duas 266

INVESTIGANDO O MUNDO

ou três frases sobre o que fizeram, e de pedir a estudantes em nível de terceira e quarta grades que completem uma Página de Projeto. Mas, no estudo das Ciências da Vida, a observação externa tam­ bém pode servir como " projeto " para o estudo de animais e plantas. No caso de animais, saia de casa e vá caçar minhocas, borboletas ou aranhas. Ponha os espécimes em uma j arra ou " casinha de insetos " . Peça à criança que faça um desenho do espécime. Depois, escreva as respostas às seguintes perguntas: Tem espinha dorsal ? Tem pelos ? Tem asas ? Como é a sensação de tocar em sua pele ? Quantos pés ele tem ? Como são os seus pés ? Quantas pernas ele tem ? Como são suas pernas ? Com o que se parece seu corp o ? O que e l e come ? Onde vive ? Qual é o s e u tamanho ? Com o que se parecem os seus bebês ? É domesticado ( domado pelo homem) ou selvagem ? Está em risco de extinção ? A observação d e minhocas pode resultar e m perguntas e respostas como as seguintes: Tem espinha dorsal ? A minhoca não tem espinha dorsal. Tem pelos ? A minhoca não tem pelos. Tem asas ? A minhoca não tem asas. Como é a sensação de tocar em sua pele ? A pele da minhoca é lisa

e escorregadia. Quantos pés ela tem ? Como são os seus pés ? A minhoca não tem pés. Quantas pernas ela tem ? Como são suas pernas ? A minhoca não

tem pernas. Com o que se parece seu corpo ? O corpo da minhoca é redondo

e liso, com segmentos. O que ela come ?

A minhoca come solo.

Onde ela vive ? Ela vive na terra de todos os lugares do mundo. Qual é o seu tamanho ? [Meça a minhoca] Com o que se parecem os seus bebês ? Não sabemos. [Onde pode­

mos descobrir?] 267

A MENTE BEM TREINADA

É domesticado ( domado pelo homem) ou selvagem ? [Você já viu uma minhoca doméstica ?] Está em risco de extinção ? [Pergunte à criança quantas minhocas ela viu. Será que estão em risco de desaparecer do planeta ?] Este processo desenvolve o hábito de observar atentamente - a criança está observando o animal numa tentativa de responder a certas perguntas e está começando a aprender como fazer deduções a partir do que vê. Para o estudo das plantas, você pode seguir o mesmo processo básico, com uma forte ênfase na identificação de árvores a partir de suas folhagens e sua casca, e de flores silvestres a partir de seus brotos. Não se sinta compelido a ensinar a classificação das plantas a menos que seu estudante demonstre interesse no assunto (a diferença entre as monocotiledôneas e as dicotiledôneas é bastante abstrata para estu­ dantes em nível elementar ) . Concentre-se na observação atenta do que pode ser visto . Sugerimos uma ampla variedade de proj etos para estudo do corpo humano no final deste capítulo. Você também pode manter registros sobre os batimentos cardíacos ou sobre o ritmo respiratório do seu estudante (e de outros membros da família ) em diferentes atividades, extrair impressões digitais e examiná-las, registrar todo o alimento con­ sumido em um determinado período e comparar a ingestão de proteína/ carboidratos/gorduras/vegetais, criar gráficos de atividade física, assistir a documentários sobre as funções corporais - ou, simplesmente, fazer uma busca online por estudo do corpo humano para crianças e usar qualquer uma da miríade de atividades que saltar à tela.

Como pergunta r "Por quê?", "Como?" e "O quê?" e encontra r a resposta Agora que você fez a observação, comece a formular perguntas sobre as estruturas das coisas vivas e como elas funcionam. O que as minhocas fazem pela terra ? Como elas o fazem ? Como funciona uma planta ? Qual é a função das raízes e folhas, como as plantas fabricam a clorofila, de que nutrientes necessitam para sobreviver, como as árvores aj udam a terra ? Agora que você sabe onde fica o coração e qual é sua 268

INVESTIGANDO O MUNDO

estrutura, pergunte: por que ele bate? Como a circulação do sangue aj uda o corpo ? De que é feito o sangue ? No estudo dos animais, concentre-se no modo como a anatomia animal afeta seu comportamento e sua sobrevivência. No estudo das plantas, observe a sua estrutura, como funciona, o que fez com a área a seu redor. No estudo do corpo humano, pergunte: Como o corpo reage a diferentes situaçõe s ? Por que os órgãos estão localizados em certas partes do corpo e não em outras ? Qual é a função desses órgãos ? Os recursos para proj etos listados no final deste capítulo contêm uma série de projetos que respondem por quê, como e o quê; use-os para aj udar o estudante a descobrir e responder perguntas. Uma vez que você encontre uma resposta, aj ude o estudante a redigir tanto a pergunta quanto a resposta . Uma palavra sobre classificação: As enciclopédias sobre a vida animal que listamos ao final deste capítulo estão organizadas alfabeticamente e não por classificação. Nós achamos que esta é uma política adequada para estudantes mais j ovens que (em muitos casos ) ainda não estão prontos para separar e classificar o mundo; as classificações têm maior probabilidade de bene­ ficiar os estudantes de nível intermediário que já estej am entrando no estágio Lógico. Entretanto, caso você precise agrupar os animais por filo, use esta tabela simples para estudar animais do mesmo filo e classe ao mesmo tempo :

O Reino Animal Filo

Classe

-=

Animais

Mollusca

Caramuj o, polvo, lula.

Annelida

Minhoca.

Echinoderma ta

Arraia, estrela-do-mar.

Cnidaria Chordates

Medusa ( água-viva). Amphibia

Anfíbios, sapos e rãs, tritões .

Reptilia

Camaleões, cobras, dragões de comodo, iguanas, j acarés e crocodilos, lagartos, tartarugas e j abutis .

Chondroichthyes

Tubarões

Aves

Todos os pássaros, galinhas e perus, patos e gansos.

269

A MENTE BEM TREINADA

Filo

Arthropoda

Classe

Animais

Mammalia

Alces, antílopes, asnos, babuínos, baleias, bisões e bois almiscarados, bodes, búfalos, cães, camelos, camundongos, cangurus e c angurus-anões, castores, cavalos, chimpanzés, coalas, coelhos e lebres, doninhas, elefantes, esquilos, fascólomos e gambás, focas e leões marinhos, gamos e veados, gatos, girafas, golfinhos, gorilas, guaxinins, hienas, hipopótamos, iaques, j aritacacas, lêmures, leopardos, leões, lhamas, lobos, lontras, macacos, morcegos, morsas, orangotangos, orcas, orictéropes, ouriços, ovelhas, pandas, peixes-bois, porcos, porcos-espinhos, porquinhos-da-índia, preguiças, pumas,

Mammalia

raposas, ratos, renas, rinocerontes, suricates, tamanduás, tatus, texugos, tigres, toupeiras, ursos, ursos polares, vacas e touros, zebras.

Chilopoda

Centopeias

Arachnida

Aranhas e escorpiões

Insecta

Abelhas e marimbondos, borboletas e mariposas, formigas e cupins, grilos e gafanhotos, li bélulas, moscas.

Crustacea (subfilo Malacostraca de Arthropoda)

Camarões e pitus, caranguejos, lagostas e lagostins.

Caso você decida apresentar as classificações ao seu jovem estudante, comece explicando o que é uma classificação: classificação é a organi­ zação das coisas em grupos. Por exemplo, os tipos de loj as: mercearias, lojas de ferragens, loj as de brinquedos e loj as de roupas vendem todo tipo de coisas diferentes. Aj ude a criança a pensar nas diferenças entre alimentos, ferramentas, brinquedos e roupas. Então, explique que os reinos ( animal e vegetal ) são como loj as que organizam diferentes tipos de seres vivos - animais e plantas. Você pode brincar com esse tema em sua casa também. Por que você mantém algumas coisas no quarto, outras na cozinha e, outras ainda, na sala ? Cada cômodo representa um reino onde se guardam diferentes tipos de obj etos domésticos. Prossiga explicando que, dentro de cada reino, as coisas são divi­ didas em grupos menores . A mercearia é o " reino dos alimentos " . Mas 270

INVESTIGANDO O MUNDO

a mercearia não põe toda a comida em uma única grande pilha - a carne está em um lugar, os cereais em outro, as verduras em outro ainda. Use sua próxima visita à mercearia como um exercício de classificação e vej a se vocês dois conseguem descobrir porque os alimentos são clas­ sificados deste modo. Por exemplo, por que ovos, leite e queij o estão sempre j untos ? Uma vez que a criança entenda este conceito, você pode explicar os diferentes grupos ( filos) no reino animal. Quando ler a seção sobre minhocas, explique que elas estão no grupo dos Anelídeos porque têm o seu corpo dividido em segmentos em forma de anéis; mas os platelmintos2 não, porque seus corpos não têm segmentos. Explique que os corpos dos insetos são dividos em três partes (cabeça, tórax e abdômen) , seis pernas e asas; as aranhas, portanto, não são insetos, porque seus corpos têm apenas duas partes (cabeça e abdômen) , oito pernas e nenhuma asa. (Não se preocupe - toda esta informação está claramente apresentada nos livros que recomendamos ) . À medida que faz suas páginas de narrativas, tente anotar o grupo (filo) a que pertence cada animal. Você provavelmente desej ará começar cada grupo com a leitura da página específica ( "Mamíferos " , " Insetos," "Anfíbios " ) que descreve o filo ou a classe em estudo.

Como estu d a r Ciências da Terra e Astro n o m ia Agora que seu filho estudou a vida na Terra, ele está pronto para estudar o planeta propriamente dito. Tal como no estudo das Ciências da Vida, sugerimos que você use um dos recursos enciclopédicos listados ao final deste capítulo como " espinha dorsal " . Comece com as Ciências da Terra e, em seguida, avance para a Astronomia.

Como ler, narrar e fazer investigações a dicionais Leia uma página do texto da " espinha dorsal " escolhida em voz alta para o estudante. Estimule-o a começar a ler trechos do texto em voz alta para você, caso sej a capaz. Após a leitura, peça que narre para você o que acabou de ouvir; use a pergunta de estímulo " pode me dizer 2

Nota do tradutor: Tipo de minhocas achatadas.

271

A MENTE BEM TREINADA

duas ou três coisas que você acabou de aprender ? " para encoraj á-lo. Esta narração deverá ser anotada e arquivada no caderno de Ciência. Na segunda grade, algumas crianças j á estarão prontas para anotar pelo menos a primeira frase de suas próprias narrações. Em seguida, proceda à leitura adicional. Novamente, use as visitas à biblioteca; nós recomendamos alguns excelentes títulos sobre a Terra e o Espaço em nossa lista de Recursos. Uma busca no catálogo da bi­ blioteca de sua cidade também oferecerá outros tantos. Tenha por meta criar uma página de narração para pelo menos um recurso adicional. Lembre-se: não tente cobrir todos os detalhes de todas as páginas ! Escolha os tópicos que empolgam o seu filho. Se ele ficar animado com informações sobre vulcões ou sobre o Sol, permita que ele gaste semanas na biblioteca descobrindo tudo o que puder. Não o apresse! Você não

está oferecendo à criança um curso exaustivo em Ciências da Terra e Astronomia. A meta da Educação Clássica é ensinar o estudante a gos­ tar da investigação e do aprendizado. Caso você possa apresentar-lhe com sucesso à Astronomia, você o verá pegando livros sobre planetas e estrelas - e lendo-os em seu próprio ritmo.

Como fazer p rojetos e fa la r sobre eles Listamos recursos para atividades e projetos no final deste capítulo; mais ideias podem ser encontradas numa pesquisa online pela expres­ são " Ciência da Terra para crianças " e "Astronomia para crianças " . Atividades d e Ciências da Terra podem envolver escavações n a terra para examinar suas camadas, investigações sobre o clima, coleções de rochas, assistir a documentários sobre vulcões e terremotos, e tabulação de marés; proj etos de Astronomia podem incluir a tabulação das fases da lua, fazer um relógio solar, construir um modelo do sistema solar e ( acima de tudo) observação de estrelas. A observação astronômica pode ser difícil em áreas urbanas; caso você estej a rodeado de poluição luminosa, planeje uma viagem noturna para fora da cidade e distante de suas luzes. A maior parte das maiores cidades têm clubes de astronomia que patrocinam " festas estelares" com telescópios montados e especialistas prontos para dar explicações. Procure no j ornal de sua cidade, ou telefone para o museu de sua cidade e peça informações. 272

INVESTIGANDO O MUNDO

Caso o estudante mostre interesse, você poderá investir várias se­ manas no estudo das constelações e fazer páginas de caderno sobre as lendas por trás de suas constelações favoritas . Continue a pedir aos j ovens estudantes que descrevam o projeto que acabaram de completar em duas ou três frases; peça aos estudantes em nível de terceira e quarta grades que completem uma Página de Proj eto.

Como perguntar "Por quê?", "Como?" e "O quê?" e encontrar a resposta Por que se formam certos tipos de nuvens ? Que tipo de condições de clima elas produzem ? Como a lua afeta as maré s ? Por que o sol parece mover-se no céu ? Uma vez que o estudante tenha observado, dê uma olhada um pouco mais profunda em cada fenômeno. Lembre-se de fazer perguntas com respostas concretas; é fácil, especialmente em Astronomia, encontrar-se subitamente em território muito avançado. " Quanto tempo leva para que a luz de Sirius chegue até a Terra ? " é uma pergunta que pode ser respondida com um pouco de pesquisa bá­ sica . " Como medimos a radiação eletromagnética das estrelas " é uma pergunta que é melhor poupar para mais tarde. Aj ude o estudante a escrever a pergunta e a resposta .

Como estu d a r Qu ímica Muitos textos de Ciência destinados a crianças em nível fundamental ignoram completamente a Química e, embora haj a no mercado um bom número de bons títulos de " Química para Crianças " , eles são redigidos em nível do estágio Lógico ou superior. Assim, em vez de seguir o proces­ so de investigação em três passos que descrevemos anteriormente (ler e narrar, fazer proj etos e conversar sobre eles, e então perguntar por que) sugerimos que você salte direto para a execução de projetos e formula­ ção de perguntas. Essencialmente, a Química para iniciantes combina os métodos de fazer projetos e de conversar sobre eles com o de perguntar por quê/como/o quê em um único estudo concentrado em atividades. Nós também sugerimos que você reserve o estudo da Química para a terceira ou quarta grade, de modo que os estudantes possam registrar cada atividade em uma Página de Proj eto . As perguntas da Página de Projeto:

A MENTE BEM TREINADA

O que usamos ? O que fizemos ?

O que aconteceu ? O que aprendemos? são especialmente úteis para o estudo da Química. Nas grades elementares, os " experimentos " de Química são sim­ plesmente atividades que ensinam os princípios da Química de um modo bastante prático. ( Recomendamos diversos bons recursos ao final deste capítulo ) . Escolha um experimento, realize-o j unto com o seu filho e peça que ele complete a Página de Proj eto. Isto servirá como primeira parte da lição de Química. Em seguida, peça ao estudante que pesquise todos os termos de Química encontrados durante o experimento numa enciclopédia de Ciência. Ele deve, então, fazer uma Página de Definição que contenha o termo (ou termos ) , sua definição e um desenho ou diagrama que es­ clareça o sentido do termo. Por exemplo, a criança poderá investigar o movimento molecular usando corante alimentício e um copo de água . Ela observará as molé­ culas coloridas espalhando-se através .das moléculas transparentes da água e, então, completará uma Página de Proj eto, cuj o conteúdo será semelhante ao que se segue: Página de Proj eto Será que as moléculas se movem ?

O que usamos ? Usamos corante alimentício e um copo de água . O que fizemos ? Pingamos uma gota de corante na água e não movemos o copo.

O que aconteceu ? A cor se espalhou pela água mesmo com o copo se mantendo parado .

O que aprendemos? Isto nos mostrou que as moléculas da água estavam se movendo . O estudante, agora, terá aprendido a partir d a experimentação um princípio básico da Química: as moléculas estão em constante movi­ mento. Em seguida, ele deverá pesquisar a definição de " molécula" em uma das enciclopédias de Ciência recomendadas e fazer uma Página 274

INVESTIGANDO O MUNDO

de Definição com uma breve definição e um ou dois desenhos simples representando diferentes moléculas . Alguns experimentos contêm múltiplos termos que pedem defi­ nição. Um experimento com leveduras que explore o modo como as moléculas podem ser quebradas em moléculas menores poderá incluir as palavras enzimas, leveduras e fermentação. Após fazer o experimen­ to, a criança escreverá a palavra " enzima " em uma página em branco de seu caderno, j unto com a definição constante do livro: " Enzimas são moléculas complexas feitas por organismos vivos " . Quando ela procurar por enzimas na enciclopédia de Ciência adequada, encontrará uma explicação mais completa, além de diagramas e ilustrações. Com a sua aj uda, ela usará essa informação para fazer sua página de caderno e incluí-la na seção " Definições " . Ela deverá fazer o mesmo com os próximos dois termos. Alongue o prazo para execução dessa tarefa por quantos dias forem necessários caso a criança sej a lenta ao escrever. Arquive a Página de Proj eto e a Página de Definição no caderno de Ciência. Por um lado, nós gostaríamos que toda esta informação estivesse registrada em um único volume; por outro, a criança está praticando como procurar e registrar informação - uma empreitada bastante científica . Mesmo que você tenha dificuldade com Ciências, não se preocupe - todos os textos indicados são escritos em linguagem obj etiva, fácil de entender, com muitas ilustrações.

Co m o estudar Fís ica A Química é o estudo do modo como as moléculas reagem umas contra as outras para formar diferentes substâncias. A Física é o estudo sobre como essas substâncias agem no universo. A Física é simplesmente o estudo do mundo físico e do modo como ele funciona. O modo como o som viaj a, o magnetismo, as leis de eletricidade, a energia, o movimento - são estes os conceitos da Física . Do mesmo modo que a Química básica, o estudo da Física elemen­ tar se concentra em atividades (veja a seção de Recursos ao final deste capítulo) . Após fazer um " experimento" (por exemplo, investigar o atrito esfregando dois blocos de madeira um contra o outro e, então, repetir 275

A MENTE BEM TREINADA

o procedimento após cobrir os dois blocos com sabão ou vaselina) , o estudante deverá preencher uma Página de Projeto: Página de Projeto: Atrito

O que usamos? Nós usamos dois blocos de madeira e uma barra de sabão.

O que fizemos? Esfregamos os dois blocos um contra o outro. Então, revestimos os blocos com sabão e os esfregamos novamente um contra o outro. O que aconteceu? Os blocos se moveram mais facilmente quando foram revestidos com sabão. O que aprendemos? O sabão revestiu a superfície da madeira de tal modo que os blocos não chegaram, na prática, a tocar-se. Isto reduziu o atrito entre eles. Finalmente, a criança deve completar a lição fazendo uma Página de Definição: procure pela palavra atrito em uma das enciclopédias de Ciência recomendadas e escreva uma breve explicação (em duas ou três frases) . Tal como em Química, sugerimos que o estudo d a Física sej a reser­ vado para a terceira grade ou superior.

Como estu d a r Tec n o l o g i a Caso você desej e incluir o estudo d a Tecnologia a estes campos básicos da Ciência, use um dos recursos listados no final deste capítulo e siga o mesmo procedimento básico descrito para o estudo da Física.

S u g estões de c ro n og ramas Amostras de cronogramas a nua is Avalie a possibilidade de usar um dos cronogramas sugeridos a segmr: Grade Primeira grade 2 vezes por semana

''

Disc�ina

Reino animal (20 semanas) Corpo humano ( 1 0 semanas) Reino das Plantas ( 6 semanas)

276

INVESTIGANDO O MUNDO

Segunda grade 2 vezes por semana Terceira grade 3 vezes por semana Quarta grade 3 vezes por semana

Astronomia ( 1 8 semanas) Ciências da Terra ( 1 8 semanas) Química OU Física ( 1 8 semanas) Tecnologia ( 1 8 semanas) Química OU Física ( 1 8 semanas) Tecnolo_g!a ( 1 8 semanas)

Disc!Elina

Grade Primeira grade 2 vezes por semana

Reino animal (12 semanas) Corpo humano (6 semanas) Reino das plantas (4 semanas) Ciências da Terra ( 1 4 semanas)

Segunda grade vezes por semana

Astronomia (10 semanas) Química (10 semanas ) Física ( 1 0 semanas ) Tecnologia (6 semanas)

Terceira grade 3 vezes por semana

Reino animal ( 1 2 semanas) Corpo humano (6 semanas) Reino das plantas (4 semanas) Ciências da Terra ( 1 4 semanas )

Quarta grade 3 vezes por semana

Astronomia ( 1 0 semanas) Química ( 1 O semanas) Física ( 1 O semana s ) Tecnologia (6 semanas )

2

Disciplilia

Grade Primeira grade 2 vezes por semana

Ciências da Terra (5 semanas) Astronomia ( 5 semanas ) Reino Animal (6 semanas) Corpo humano (5 semanas) Reino das plantas ( 5 semanas ) Reações químicas ( 5 semanas) Física (5 semanas)

Segunda grade vezes_E_Or semana

Mesmos assuntos com maior profundidade.

Terceira e quarta grades 3 vezes_E_Or semana

Mesmos assuntos com maior profundidade.

2

Amostras de cronogramas semanais Você pode organizar seu cronograma semanal de muitas maneiras diferentes. Use um dos métodos a seguir como base: 277

A MENTE BEM TREINADA

Sema nas a lternadas Semana Um: Leitura, narrações, investigações adicionais . Semana Dois: Faça um projeto e fale sobre ele. Semana Três: Faça uma pergunta sobre a leitura e os projetos e respondam-na j untos.

Repita a sequência trissemanal. Dias a lternados Primeira e segunda grades: • Semana Um a Dia Um: Leitura e narração. Faça uma Página de Narração. a Dia Dois: Faça um proj eto, fale sobre ele. Faça uma Página de Proj eto. Semana D ois a Dia Um: Leitura de livros adicionais. Faça mais uma Página de Narração. a Dia Dois: Faça uma pergunta e respondam-na j untos. Registre a pergunta e a resposta. Terceira e quarta grades: • Semana Um a Dia Um: Leitura e narração. Faça uma Página de Narração. a Dia Dois: Investigação em outros livros. Faça mais uma Página de Narração. • Semana Dois a Dia Um: Complete um proj eto. Faça uma Página de Proj eto. a Dia Dois: Faça uma pergunta e comece a respondê-la . a Dia Três: Termine de responder à pergunta. Registre a pergunta e a resposta . Quando estiver estudando Química e Física, alterne entre as atividades de execução de experimentos e de Páginas de Projetos, e as de busca de definições e criação de Páginas de Definições. Permita-se guiar pelo interesse do estudante: permita que as leituras, projetos e sessões de perguntas e respostas fluam por dias adicionais, caso •

278

INVESTIGANDO O MUNDO

necessário. Alguns temas podem se estender por vários dias antes que fi­ quem completos. Algumas perguntas podem ser respondidas em um único dia de trabalho; outras podem consumir dois ou três dias, ou ainda mais. Lembre-se: a meta é a prática do fazer Ciência e o cultivo do entu­ siasmo e não cobrar uma certa quantidade de material a cada ano!

Recursos

A maior parte dos livros pode ser o btida em qualquer livraria ou biblioteca; a maior parte dos currículos p ode ser adquirida direta­ mente na editora ou em um grande fornecedor de material para Edu­ cação Domiciliar, tal como o Rainbow Resource Center. Informa­ ções para contato com editoras e fornecedores estão disponíveis em www.welltrainedmind.com. Incluímos uma observação nos casos em que os títulos sugeridos têm disponibilidade limitada. Nos locais indi­ cados, listamos os recursos em ordem cronológica (isto é, a ordem em que você os usará). Os livros que fazem parte de séries foram listados em conjunto. Lembre-se de que opções adicionais de currículos e ou­ tras informações estão disponíveis em www.welltrainedmind.com. Os preços variam constantemente, mas incluímos os valores de 2016 para que você tenha uma ideia do investimento necessário.

Textos básicos ("es p i n has d o rsa is") Qualquer um destes recursos pode aj udar você a organizar seu estudo e servirá como trampolim para investigações mais profundas. Para ver recursos para projetos, atividades e experimentos, confira as listas suplementares a seguir.

Ciência da Vida Carlson, Laurie. Green Thumbs: A Kid's Activity Cuide to Indoor and Outdoor Gardening. Chicago: Chicago Review Press, 1 995. $ 14.95. Embora não sej a um guia exaustivo para o reino das plantas, este livro de proj etos explica os fatos básicos sobre sementes, plantas e árvores, oferecendo proj etos de j ardinagem para fazer tanto dentro quanto fora de casa. Combine com leituras e atividades suplementares para fazer uma estimulante introdução à Botânica. 279

A MENTE BEM TREINADA

DK First Animal Encyclopedia, reissue ed. New York: DK Children, 20 1 5 . $ 1 6.99. Excelente para estudo em nível de primeira e segunda gra­ des. Não tente cobrir todo o conteúdo do livro; escolha alguns entre os tópicos disponíveis. Aborde um tópico ( uma página) por semana, j unto com leitura adicional (e se a criança desenvolver uma paixão por tatus ou cascaveis, não se prenda a este cronograma ) . Leia a tabela de conteúdo j unto com seu estudante e permita que ele escolha o que quer estudar. DK First Human B ody Encyclopedia. New York: DK Children, 2005. $ 1 6 . 9 9 . Ideal para estudantes em nível de primeira e segunda grades . Não tente cobrir todo o conteúdo do livro; escolha seu tópicos

favoritos. Human Body: A Visual Encyclopedia. New York: DK Publishing, 2 0 1 2 . $24.99. Bastante adequado para estudantes em nível de terceira grade e superior, esta lindamente ilustrada enciclopédia abrange os sis­ temas corporais em mais detalhes do que o First Human Body. Spelman, Lucy. National Geographic Animal Encyclopedia. Wa­ shington, DC: National Geographic Children's Books, 2 0 1 2 . $24.95. Excelente para estudantes e m nível d e terceira grade e superior: 2.500 animais com fotografias fantásticas, texto claro e mapas.

Ciências da Terra

First Earth Encyclopedia. New York: DK Children, 20 1 0. $ 1 6.99. Uma b o a introdução ao estudo da Terra. Nível d e leitura simples para as grades 1 a 3 . Woodward, John. Geography: A Visual Encyclopedia. New York: DK Publishing, 20 1 3 . $ 1 9.99. Desenvolvido em cooperação com o Smi­ thsonian Institute, esta obra de referência ricamente ilustrada abrange os principais tópicos em Ciência da Terra (a estrutura do planeta, rochas e minerais, oceanos, clima, etc.) bem como tópicos em Geografia e Cultura. Mais adequado para estudantes em nível de terceira grade ou superior.

Astronomia Dickinson, Terence. Exploring the Night Sky: The Equinox Astro­ nomy Cuide for Beginners. Camden East, ON: Camden House, 1 9 87. $9.95. Um guia ilustrado em capa de papel para as estrelas, que começa em nosso sistema solar e viaj a pelo universo afora . Bom para as grades 3 e 4, mas você sentirá necessidade de simplificar algumas partes do texto. 280

INVESTIGANDO O MUNDO

Hughes, Catherine D. National Geographic Kids First Big Book of Space. Washington, DC: National Geographic Children's Books, 2012. $ 1 4.95. Para estudantes e m nível d e primeira e segunda grades, é um guia colorido e bem organizado para o sistema solar, para nossa galáxia e para o universo além. Thompson, C. E. Glow-in-the-Dark Constellations: A Field Cuide for Young Stargazers , illus. Randy Chewning. New York: Grosset & Dunlap, 1 999. $ 8 .99. Versões curtas das lendas por trás das constelações, com descri­ ções e diagramas de cada constelação e, atravessando o diagrama, uma figura do céu que brilha no escuro para que você pratique a identificação de constelações no escuro antes de sair de casa.

Química Heinecke, Liz Lee. Kitchen Science Lab for Kids: 52 Family Friendly Experiments from Around the House. Beverly, MA: Quarry Books, 2014. $24.99. Reações químicas básicas, cristais, polímeros, coloides, ácidos, bases e mais, tudo com ingredientes comuns . Van Cleave, J anice. ]anice VanCleave's Chemistry For Every Kid: 1O1 Easy Experiments That Really Work. New York: John Wiley & Sons, 1 989. $ 1 4.95. Experimentos simples e divertidos que trazem à luz a natureza da matéria, forças, gases, mudanças de estado, soluções, ácidos e bases.

Física Hodge, Deborah. Starting with Science: Simple Machines. Tonawan­ da, NY: Kids Can Press, 1 99 8 . $7.95. Treze experimentos com alavancas, rodas e eixos, polias, planos inclinados, cunhas e parafusos; combine com outro recurso para criar uma "espinha dorsal" para estudo de Física. Mandell, Muriel. Physics Experiments for Children. New York: Dover, 1 968. $6.95. Cento e treze experimentos divididos em sete capítulos: Matéria: Ar; Matéria: Água; Energia Mecânica e Máquinas; Calor; Som; Luz; Magnestimo e Eletricidade. Há uma boa dose de superposição entre os experimentos, de modo que não é necessário exigir que o estudante faça cada um deles. Elimine os experimentos que exigem materiais não disponíveis em sua casa, pois alguns deles exigem itens que eram mais comuns na década de 1 95 0 do que hoj e em dia ( uma garrafa de remédio selada com rolha de cortiça ? ) . 281

A MENTE BEM TREINADA

Osborne, Louise. Starting With Science: Solids, Liquids, and Gases. Tonawanda, NY: Kids Can Press, 1 9 9 5 . $ 7 . 9 5 . Treze experimentos com matéria em todos os três estados; combine com outro recurso para criar uma espinha dorsal de Física. VanCleave, Janice . ]anice Van Cleave 's Physics For Every Kid:

101 Easy Experiments in Motion, Heat, Light, Machines, and Sound. New York: John Wiley & Sons, 2009. $ 1 4 . 9 5 . Experimentos simples e divertidos com eletricidade, ímãs, flutuação, gravidade, equilíbrio, máquinas simples, inércia, luz, calor e som.

Tecnologia Macaulay, David, and Neil Ardley. The New Way Things Work, rev. ed. Boston: HMH, 1 99 8 . $ 3 5 . Um livro denso e fascinante que proverá a criança curiosa com meses de exploração adicional. Classifica as má­ quinas de acordo com seus princípios de funcionamento: engrenagens, som, magnetismo, tecnologia da computação e muito, muito mais.

Enciclo péd ias pa ra referência g e ra l Use para descobrir definições quando estiver estudando Química e Física, bem como para referência geral em todos os campos da Ciência.

DK First Science Encyclopedia. New York: DK Children, 2 0 0 8 . $ 1 6 . 9 9 . Escrito para estudantes no nível das grades 1 a 3 , esta obra contém verbetes redigidos em linguagem simples sobre os principais temas em Ciências da Vida, Ciência Física, Química elementar e Ci­ ências da Terra e do Espaço .

The Kingfisher Science Encyclopedia, 3rd ed. New York: Kingfisher, 2 0 1 1 . $ 3 4 . 9 9 . A mais detalhada e útil das enciclopédias, redigida para estudantes em nível de quarta grade ou superior (excessivamente difícil para estudantes em nível de primeira e segunda grades ) .

The New Ch ildren 's Encyclopedia. New York: D K Children, 20 1 3 . $ 1 9 . 9 9 . Para estudantes em nível entre as grades 3 e 6; nível de leitura mais detalhado e ligeiramente mais difícil do que o da First

Science Encyclopedia. Abrange Ciências da Vida, Química básica e forças físicas, bem como alguns tópicos em História. 282

INVESTIGANDO O MUNDO

Cu rríc u l os fo rma is Alguns pais preferem usar u m currículo desenvolvido e m vez d e seguir os métodos exploratórios descritos neste capítulo. Os seguintes programas são compatíveis com nossa abordagem, mas avalie a possibilidade de suplementá-los com livros adicionais, proj etos e tarefas de narração. Elemental Science. Wytheville, VA: Elemental Science, 20 1 4 . Desenvolvido por u m pai-educador orientado para a Ciência, a série Elemental Science segue vagamente as nossas recomendações sobre experimentação prática, leituras externas suplementares e páginas de narração. Contém planos de aulas e adicionais apoios ao professor. Vej a amostras no website da editora. Cada conj unto é destinado a um ano completo de estudos .

Biology for the Grammar Stage [Biologia para o estágio Gramatical] Teacher Cuide [Guia do Professor] $2 1 . 9 9 . Student Workbook [Livro d e exercícios d o estudante] . $ 1 9 .4 9 . Coloring Pages [Páginas para Colorir] $ 6 . 5 0 . Experiment Kit [Kit para experimentos] $45 . 9 9 . Earth Science & Astronomy for the Grammar Stage [Ciências d a Terra & Astronomia para o estágio Gramatical Teacher Guide. $ 2 1 . 9 9 . Student Workbook . $ 1 9 . 4 9 . Coloring Pages. $ 5 . Experiment Kit. $ 4 5 . 9 9 .

Chemistry for the Grammar Stage [ Química para o estágio Gra­ matical (Requer a compra, ou o uso na biblioteca, de livros adicionais; vej a o website da editora para saber mais detalhes . Teacher's Guide & Student Workbook Comba. $ 2 8 . 9 9 . Experiment Kit. $ 6 0 . 9 9 .

Physics for the Grammar Stage. ["Física para o estágio Gramatical"] (Requer a compra, ou o uso na biblioteca, de livros adicionais; vej a o website da editora para saber mais detalhes. ) Teacher's Guide & Student Workbook Combo . $2 8 . 9 9 . Experiment Kit. $ 5 5 . 9 9 . Great Science Adventures, b y Dinah Zike a n d Susan Simpson. Melrose, FL: Common Sense Press. À medida que o estudante progride 283

A MENTE BEM TREINADA

pelas lições, eles cortam, dobram, desenham e colam folhas de papel para formar minilivros e construir modelos de papel. O programa foi desenvolvido para ensinar estudantes de diferentes idades na mesma sala de aula; cada lição traz três projetos diferentes em três diferentes níveis de dificuldade. A maioria dos estudantes em nível elementar deve fazer apenas o primeiro e mais fácil proj eto; alguns talvez estej am prontos para progredir até o segundo. O programa é bem organizado e interes­ sante, mas pode frustrar estudantes (e pais ) que não gostam de cortar e colar. Faça seu pedido à Common Sense Press. Cada livro custa $24, oferece vinte e quatro lições e deve consumir de oito a doze semanas para ser concluído. Suplemente-o com experimentos e leituras externas. Amostras estão disponíveis no website da editora .

Discovering the Human Body and Senses (Ciências da Vida) The World of Insects and Arachnids (Ciências da Vida) The World of Vertebrates (Ciências da Vida) The World of Plants (Ciências da Vida) Discovering Earth 's Landforms and Surface Features (Ciências da Terra )

Discovering the Ocean (Ciências da Terra ) The World of Space (Astronomia) Discovering Atoms, Molecules, and Matter (Química) The World of Light and Sound (Física ) The World of Tools and Technology (Tecnologia ) R.E.A.L. Science Odyssey. Mount Dora, FL: Pandia Press. Desenvol­ vida para uso por pais-educadores e pequenas salas de aula, o programa R.E.A.L. Science enfatiza o aprendizado prático. Os níveis elementares começam com uma lição para leitura em voz alta, seguida por atividades " de laboratório " destinadas a ensinar os elementos básicos do método científico, j unto com o desenvolvimento de habilidades de observação atenta e registro de achados de pesquisa . Cada nível foi projetado para um ano completo de estudo de Ciências. As Páginas do Estudante e do Professor são encadernadas j untas dentro dos livros; suprimentos adicionais são necessários. Amostras e listas de suprimentos estão dis­ poníveis no website da editora. Também estão disponíveis versões mais baratas em formato ebook. 284

INVESTIGANDO O MUNDO

Life, Levei One. $ 6 8 . Earth & Space, Levei One. $ 6 8 . Chemistry, Levei One. $ 6 8 . Recu rsos s u p l e m e ntares Ciências da Vida Animais Audubon , J. ]. , and Paul E. Kennedy.

Audubon Birds of America Coloring Book. New York: Dover, 1974. $3.99. Inclui legendas instrutivas e fotos coloridas nas capas internas. Bernath , Stefen. Tropical Fish Coloring Book. New York: Dover, 1978. $3.99. Inclui legendas instrutivas e fotos coloridas nas capas internas. Green , John. Birds of Prey

$3 .99.

Dover, 1989.

Inclui legendas instrutivas e fotos coloridas nas capas internas. 1985.

.

Horses of the World Coloring B ook. New York: $3 . 95. Inclui legendas instrutivas e fotos coloridas nas

____

Dover,

Coloring Book. New York:

capas internas. ____..

Wild Animais Coloring Book.

New York: Dover, 1987.

$ 3 . 95. Inclui legendas instrutivas e fotos coloridas nas capas internas. Grow-A-Frog Kit. $24.95. Crie um sapo vivo híbrido com pele transparente (de modo que você possa ver seus órgãos internos!). National Audubon Society Pocket Guides. New York: Knopf. Se você puder sair a campo em busca da vida selvagem enquanto prepara seu caderno de Ciências da Vida , avalie os guias de bolso da National Audubon Society. Eles são repletos de lindas e coloridas fotografias com descrições completas; podem ser difíceis para crianças de seis anos , mas são ma­ ravilhosos recursos para os pais. A maioria das bibliotecas têm os guias de campo mas , se preferir, você poderá comprá-los em qualquer livraria.

Familiar Birds of North America: Eastern Region. 1987. $11.95 Familiar Birds of North America: Western Region. 1987. $10.95 Familiar Insects and Spiders of North America. 1988. $10.95 Familiar Reptiles andAmphibians of North America. 1988. $10.95 285

A MENTE BEM TREINADA

Quirk, Thomas C . , Jr. Reptiles and Amphibians Coloring Book. New York: Dover, 1 9 8 1 . $4 . 9 9 . Inclui legendas instrutivas e figuras coloridas nas capas internas . Rookie Read-About Science Series. San Francisco, CA: Children's Book Press. $4. 95-$5.95 cada. Esta série de obras para leitores iniciantes é ricamente ilustrada e tem um breve texto em letras grandes em cada página . Excelente para estimular os j ovens leitores! Fowler, Allan. The Chicken or the Egg? 1 99 3 . ____

____

. Life in a Tide Pool. 1 997. . These Birds Can 't Fly. 1 999.

Herrington, Lisa M. Frogs and Toads. 20 1 5 . ____

. It's a Good Thing There Are Spiders. 2 0 1 4 .

Mattern, Joanne. It's a Good T hing There Are Ladybugs. 20 1 4 . Sovak, Jan. Butterflies Coloring Book. New York: Dover, 1 992. $4. 9 9 . Inclui legendas instrutivas e fotos coloridas nas capas internas . ____..

Insects Coloring Book. New York: Dover, 1 994. $4.99.

Inclui legendas instrutivas e fotos coloridas nas capas internas. ____

. Snakes of the World Coloring Book. New York:

Dover, 1 9 9 5 . $4 . 9 9 . Inclui legendas instrutivas e fotos coloridas nas capas internas. TOPS Learning Systems Activities (Life ) . Watsonville, CA: TOPS Learning Systems . Desenvolvido por um educador em Ciências, as lições do TOPS usam materiais simples e enfatizam a curiosidade, a descoberta e a experimentação. Amostras extensas estão disponíveis no website da editora. Para estudantes em nível de terceira grade ou superior.

Animal Survival. Vinte atividades concentradas em torno da adap­ tabilidade e sobrevivência animal. $ 1 8 .

Seres humanos My First Skeleton (Tiny Tim ) . Baltimore, MD: Anatomical Chart Company (Lippincott, Williams & Wilkins ) . $24 . 9 6 . Um esqueleto hu­ mano em plástico totalmente montado sobre um suporte, com mandíbula móvel e costelas destacáveis, medindo 20,3 cm de altura. 286

INVESTIGANDO O MUNDO

Cole, Joanna. The Magic School B us: Inside the Human B ody. New York: Scholastic, 1 990. $ 6 . 9 9 . Uma viagem por todas as principais partes do corpo! Colombo, Luann. Uncover the Human B ody. San Diego, CA: Silver Dolphin Books, 2003 . $ 1 8 . 9 5 . As páginas grossas permitem que você monte e desmonte um corpo humano, um sistema de cada vez. Hands On Lab. Torrance, CA: Artec-Educational. Faça seu pedido à editora. Recurso com projetos práticos e divertidos acompanhados de guias para estudos. Para todos os estudantes de nível elementar. Build Your Own Internai Organs. $ 9 . 9 9 . Cells of Life. $ 1 2.99. Constrói modelos d e células animais e vegetais. Model Eye with Liquid Lens. $ 1 4. 9 9 . Reproduz o interior do olho; vej a a diferença entre lentes côncavas e convexas. Human Anatomy Floor Puzzle. Wilton, CT: Melissa & Doug. $ 1 3 . Este quebra-cabeças d e piso com dupla face e 1 2 1 cm de comprimento apresenta o sistema esquelético em sua frente e, no verso, outros siste­ mas corporais. Rookie Read-About Science Series. San Francisco, CA: Children's Press . $4.95-5 .9 5 cada. Esta série de obras para leitores iniciantes é ricamente ilustrada cada tem um breve texto em letras grandes em cada página. Excelente para estimular os j ovens leitores! Curry, Don L. How Do Your Lungs Work ? 2004. . How Does Your Brain Work ? 2004. Fowler, Allan. Arms and Legs and Other Limbs. 1 99 9 . . Knowing About Noses. 1 999. . A Look at Teeth. 2000. _____

____

____

Somebody: Five Human Anatomy Games. Plainwell, MI: Talicor­ -Aristoplay. $ 3 0 . Jogue cinco diferentes j ogos sobre partes do corpo com crescente complexidade - maravilhoso para ensinar anatomia, bem como o funcionamento dos órgãos. Plantas Arbel, Ilil. Favorite Wildflowers Coloring Book. New York: Dover, 1 9 9 1 . $4. 9 9 . Inclui legendas instrutivas e fotos coloridas nas capas internas. 287

A MENTE BEM TREINADA

Bernath, Stefen. Garden Flowers Coloring Book. New York: Do­ ver, 1 975 . $4. 9 9 . Inclui legendas instrutivas e fotos coloridas nas capas internas . Hands On Lab. Torrance, CA: Artec-Educational. Faça seu pedido à editora . Recurso com projetos práticos e diver­ tidos acompanhados de guias para estudos . Para todos os estudantes de nível elementar. $9.99 cada.

Anatomy of a Plant. Dez diferentes experimentos que esclarecem a estrutura das plantas.

Photosynthesis in a Tube. Observe o processo em andamento. Roots & Shoots. Um tanque transparente permite que os estudantes observem o crescimento das raízes.

Sprout Garden. Observe como diferentes condições ( qualidade do ar, luz solar, gravidade, etc ) afetam o crescimento das plantas. National Audubon Society Pocket Guides . New York: Knopf. Se você puder sair a campo em busca da vida selvagem enquanto prepara seu caderno de Ciências da Vida, avalie os guias de bolso da National Audubon Society. Eles são repletos de lindas e coloridas foto­ grafias com descrições completas; podem ser difíceis para crianças de seis anos, mas são maravilhosos recursos para os pais. A maioria das bibliotecas têm os guias Audubon mas, se preferir, você poderá com­ prá-los em qualquer livraria.

Familiar Flowers of North America. 19 87. $10 . 95. Familiar Mushrooms. 1990. $11.95. Familiar Trees of North America: East. 19 8 7. $ 1 0.95. Familiar Trees of North America: West. 1 9 87. $ 1 0 .95. Rookie Read-About Science Series. San Francisco, CA. : Children's Press. $4.95 cada . Faça seu pedido a qualquer livraria ou na bibliote­ ca de sua cidade; muitos exemplares também podem ser pedidos ao Rainbow Resource Center. Esta série de obras para leitores iniciantes é ricamente ilustrada e tem um breve texto em letras grandes em cada página. Excelente para estimular os j ovens leitores! Fowler, Allan . Cactuses. 2002. . It's a Fruit, It's a Vegetable, It's a Pumpkin. 1996. ____

288

INVESTIGANDO O MUNDO ____

____

. Pine Trees. 2002. . Plants That Eat Animais. 200 1 .

Herrington, Lisa M . Seed to Plant. 2 0 1 4 . Robinson, Fay. Vegetables, Vegetables! 1 99 5 . Soffer, Ruth. Coral Reef Coloring Book. New York: Dover, 1 99 5 . $4 .99. Inclui legendas instrutivas e figuras coloridas n a s capas internas. TOPS Learning Systems Activities ( Life ) . Watsonville, CA: TOPS Learning Systems. Desenvolvido por um educador em Ciências, as lições do TOPS usam materiais simples e enfatizam a curiosidade, a descoberta e a experimentação. Amostras extensas estão disponíveis no website da editora. Para estudantes em nível de terceira grade ou superior.

Green Thumbs: Radishes. Vinte atividades que usam brotos de rabanetes de fácil crescimento: entenda a estrutura da planta, faça experimentos com luz e solo, com os efeitos da gravidade, e muito mais. $ 1 8 .

Ciência da Terra e Astronomia

Ciência da Terra Burns, T. D. Rocks and Minerais. New York: Dover, 1 99 5 . $4 . 9 9 . Este é u m livro d e colorir d e alta qualidade com legendas instrutivas e figuras coloridas nas capas internas. Cole, Joanna. The Magic School Bus Inside the Earth, illus. Bruce Degen. New York: Scholastic, 1 9 8 9 . $ 6 . 9 9 . Hands On Lab. Torrance, CA: Artec-Educational. Faça s e u pedido à editora. Recurso com proj etos práticos e divertidos acompanhados de guias para estudos. Para todos os estudantes de nível elementar.

Home Volcano. $ 1 2. 9 9 . Meça a distribuição de cinzas, observe a erupção de uma câmara de magma, e mais. Planet Anatomy. $9 .99. Faça um modelo da Terra e de suas camadas.

Shiny Earth Balis. $ 1 2.99. Investigue o solo, as pedras e os minerais. Weather Watcher. $ 1 2. 9 9 . Proj etos básicos em meteorologia. Rocks and Minerais of the U.S. Collection. Faça seu pedido ao Rainbow Resource Center. Estas são as coleções de pedras mais baratas do mercado e incluem guias de estudos . $ 3 1 . 5 0 . Basic Collection, 3 5 peças. 289

A MENTE BEM TREINADA

$22 . 8 0 . Reference Collection, 24 peças. Rookie Read-About Science series . San Francisco, CA: Children's Press. $4.95 cada. Faça seu pedido em qualquer livraria ou procure em sua biblioteca. Esta série para leitores iniciantes é ricamente ilustrada e contém texto curto em letras grandes em cada página . Excelente para estimular j ovens leitores Fowler, Allan. Ali the Colors of the Rainbow. 1 9 99 . Icebergs, Ice Caps, and Glaciers. 1 99 8 . . The Top and Bottom of the World. 1 9 97. . What's the Weather Today? 1 992. Mara, Wil. The Four Oceans. 2005 . Robinson, Fay. Where Do Puddles Go? 1 99 5 . ____

____

____

Science i n a Nutshell series. Nashua, NH: Delta Education. $45 . Faça seu pedido à Delta Education. Estes kits oferecem um experimento completo de Ciências e um centro de atividades, planejado para as grades 2 a 6. Avalie a possibilidade de dividir o custo com um vizinho, uma vez que os kits incluem material suficiente para dois ou três estudantes. Fossil Formations. Este kit inclui seis amostras de fósseis reais, areia, gesso de Paris, argila para modelar, um guia de atividades e um diário. Rock Origins. Investigue as origens de 22 amostras de pedras e minerais; inclui as amostras. Simon, Seymour. $6.99. Os livros elementares de Simon sobre Ciên­ cias, disponíveis em bibliotecas e livrarias, têm fotografias espetaculares e texto redigido para o nível de leitura da terceira à quarta grades. Earthquakes. New York: HarperCollins, 2006. Hurricanes. New York: HarperCollins, 2007. Icebergs and Glaciers. New York: HarperCollins, 1 99 9 . Lightning. New York: HarperCollins, 2 0 0 6 . Mountains. New York: HarperCollins, 1 997. Oceans. New York: HarperCollins, 2006. Storms. New York: HarperCollins, 1 992. Tornadoes. New York : HarperCollins, 200 1 . Volcanoes. New York: HarperCollins, 2006. Weather. New York: HarperCollins, 2006 . 290

INVESTIGANDO O MUNDO

Astronomia Cole, Joanna . The Magic School Bus: Lost in the Solar System. New York: Scholastic, 1 992. $ 6 . 9 9 . Hands On Lab. Torrance, CA: Artec-Educational. Faça s e u pedido à editora. Recurso com proj etos práticos e divertidos acompanhados de guias para estudos. Para todos os estudantes de nível elementar. Planet Engineer. $ 9 . 9 9 . Construa uma planeta no nosso sistema solar, ou invente o seu próprio.

World Time Sundial. $ 9 . 9 9 . Construa um relógio solar que pode dizer a hora em qualquer país. Ghez, Andrea Mia, and Judith Love Cohen. You Can Be a Woman Astronomer, illus. David Katz. New York: Cascade Press, 1 99 5 . $ 6 . A Drª Ghez tem extensa experiência com Astronomia, que vai desde um estágio em um laboratório chileno até o trabalho no Telescópio Espacial Hubble. Este título pertence a uma série que mostra mulheres reais que seguem carreiras em Ciência e Matemática. Lafontaine, Bruce. Constellations in the Night Sky. New York: Dover, 2003 . $4. 9 9 . Um livro de colorir das constelações. Rey, H. A. The Stars: A New Way to See Them, 2nd ed. New York: HMH, 200 8 . $ 1 1 . 9 9 . O autor da série George, o Curioso oferece uma maneira de mostrar as constelações que é muito mais simples do que os desenhos clássicos dos mitos gregos. O texto foi redigido para as grades intermediárias e acima, mas os desenhos valem uma olhada por estudantes mais j ovens. Rookie Read-About Science series. San Francisco, CA: Children's Press. $4.95 cada. Faça seu pedido em qualquer livraria ou procure em sua biblioteca . Esta série para leitores iniciantes é ricamente ilustrada e contém texto curto em letras grandes em cada página. Excelente para estimular j ovens leitores! Bullock, Linda. Looking Through a Te/escape. 2004. Fowler, Allan. Energy from the Sun. 1 9 9 8 . . So That's How the Moon Changes Shape! 1 992. . The Sun's Family of Planets. 2002. ____

____

291

A MENTE BEM TREINADA

____ .

When You Look Up at the Moon. 1 9 94.

Simon, Seymour. $ 7 . 9 9 cada. Os livros elementares de Simon sobre Ciências, disponíveis em bibliotecas e livrarias, têm fotografias espetaculares e texto redigido para o nível de leitura da primeira à terceira grades. Alguns títulos estão disponíveis em formato ebook. Comets, Meteors, and Asteroids. HarperCollins, 1 9 9 8 . Destination: fupiter. New York: HarperCollins, 2000. Destination: Mars. New York: HarperCollins, 2004. Destination: Space. HarperCollins, 2 0 0 6 . Galaxies. New York: HarperCollins, 1 9 9 1 . Saturn. New York: HarperCollins, 1 9 8 8 . Stars. New York: HarperCollins, 2 0 0 6 . The Sun. New York: HarperCollins, 1 9 8 9 . The Universe. New York : HarperCollins, 2006. Uranus. New York: HarperCollins, 1 9 9 0 . Venus. New York: HarperCollins, 1 9 9 8 .

Solar System Floo r Puzzle. Wilton, CT: M e l i s s a & D o u g . $ 1 3 . Faça seu pedido à Fat Brain Toys . U m quebra-cabeças d e piso com 2 x 3 pés ( 6 1 x9 1 cm) com o sistema solar e o cinturão de asteroides.

Solar System: Glow in the Dark. San Francisco, CA: Great Explorations. $24. Faça seu pedido à Fat Brain Toys. Nove planetas que brilham no escuro, 200 estrelas que brilham no escuro e material para transformar tudo isso em um móbile. Star Theater Home Planetarium. Agoura Hills, CA: Uncle Milton Toys. $ 3 0 . 9 5 . Faça seu pedido à Home Science Tools. Projete constelações nas paredes e no teto de uma sala escura; aprenda a posição das prin­ cipais estrelas e das constelações ao longo do ano.

Quím ica Atom Chartlet. $ 2 . 4 9 . Faça seu pedido ao Rainbow Resource Center. Uma tabela com 4 3 x 5 6 cm que mostra as partes de um átomo .

Fizzy Foamy Science. Seattle, WA: Scientific Explorer. $ 1 9 . 9 5 . Kit seguro de ácidos e bases acompanhado de um conj unto de experimentos que borbulham e fazem espuma . 292

INVESTIGANDO O MUNDO

Hands On Lab. Torrance, CA: Artec-Educational. Faça seu pedido à editora. Recurso com projetos práticos e divertidos acompanhados de guias para estudos . Para todos os estudantes de nível elementar.

Fun With Polymers. $ 1 2 . 9 9 . Investigue a s propriedades dos polímeros.

Marvelous Molecules. $ 1 2 .99. Construa modelos de átomos e uma variedade de moléculas.

Unmixables: Water and Oil. $ 1 2 . 9 9 . Faça experimentos com as propriedades de ambos ( água e óleo ) .

The Magic School Bus Slime, Gel

&

Goop Science Kit. $ 1 9 . 9 5 .

Faça seu pedido à Science Tools . Transforme líquidos e m sólidos, faça experimentos com polímeros, cultive cristais de gel.

My First Chemistry Kit. Seattle, WA: Scientific Explorer. $2 1 . Faça seu pedido à Fat Brain Toys. Um conjunto de Química e microscópio desenvolvidos especialmente para estudantes em nível eleme n tar.

Rock Candy Crystal Growing Experiment Kit. $ 1 6 . 9 5 . Faça seu pedido à Home Science Tools . Cultive grandes cristais em uma semana; todos os ingredientes estão incluídos no kit. Rookie Read-About Science series. San Francisco, CA: Children's Press . $4.95 cada. Faça seu pedido em qualquer livraria ou procure em sua biblioteca. Esta série para leitores iniciantes é ricamente ilustrada e contém texto curto em letras grandes em cada página. Excelente para estimular j ovens leitores ! Garrett, Ginger. Solids, Liquids, and Gases. 2005 . Trumbauer, Lisa. What Are A toms? 2005.

Science Wiz Chemistry Kit. $2 1 . 99. Faça seu pedido à Home Science Tools. Trinta atividades; alguns dos itens necessários (cera, tubos de ensaio, areia, etc) estão incluídos no kit; os demais são itens domésticos comuns.

Físi ca Hands On Lab . Torrance, CA: Artec-Educational. Faça seu pedido à editora. Recurso com proj etos práticos e divertidos acompanhados de 293

A MENTE BEYI TREINADA

guias para estudos. Para todos os estudantes de nível elementar. Light Rays: Re-flection and Refraction. $ 1 2.99. Moving Heat. $ 1 4 . 9 9 . Múltiplos experimentos para investigar as propriedades do calor. Pendulums and Collisions. $ 1 2.99. Construa um berço de Newton e mais. Pulley Systems. $ 1 2. 9 9 . Polias móveis, polias compostas e sistemas. Sound Waves: Frequency and Pitch. $9.99. Waves in Motion. $ 1 4. 99. Observe ondas com luzes LED e muito mais.

Our Amazing Bridges Architecture Kit. Plymouth, MI: Poof-Slinky, lnc. $20. Faça seu pedido à Fat Brain Toys. Um pouco mais difícil do que os outros kits listados, mas adequados para alunos de quarta grade que estej am interessados na física das pontes. Com este kit, construa três diferentes modelos de pontes . Science in a Nutshell series. Nashua, NH: Delta Education. $45 . Faça seu pedido à Delta Education. Estes kits oferecem um experimento científico completo e um centro de atividades, concebido para as grades 2 a 6. Avalie a possibilidade de dividir o custo com um vizinho, uma vez que os kits trazem material suficiente para dois ou três estudantes. Bubble Science. Variáveis que afetam o tamanho, a forma, a cor e a durabilidade das bolhas. Charge It! Static Electricity. Cargas positivas e negativas, eletricidade estática.

Electrical Connections. Circuitos simples e complexos, corrente, pilhas e baterias.

Energy and Motion. Energia armazenada, movimento; pesos, bolinhas de gude e rampas.

Gears at Work. Sistemas de interação de engrenagens. Magnet Magic. Materiais magnéticos, força polar. Sound Vibrations. Ondas sonoras e sua interação com vários materiais. Work: Plane and Simple. Planos inclinados, força e atrito. Rookie Read-About Science series. San Francisco, CA: Children's Press. $4.95 cada. Faça seu pedido em qualquer livraria ou procure em sua biblioteca. Esta série para leitores iniciantes é ricamente ilustrada e 294

INVESTIGANDO O MUNDO

contém texto curto em letras grandes em cada página. Excelente para estimular j ovens leitores ! Barkan, Joanne. What Is Density? 2006. . What Is Velocity? 2005. Bullock, Linda. You Can Use a Balance. 2004. Curry, Don L. What Is Mass? 2005 . . What is Matter? 2005 . Fowler, Allan. Simple Machines. 200 1 . . What Magnets Can Do. 1 99 5 . Murphy, Patricia J. Push and Pull. 2002. Stewart, Melissa. Energy in Motion. 2006. Trumbauer, Lisa. Ali About Light. 2004. . Ali About Sound. 2004. . What Is Electricity? 2004. . What Is Friction? 2004. . What Is Gravity? 2004. . What Is Volume? 2006 . Young, June. Energy Is Everywhere. 2006.

____

____

____

____

____

____

____

____

TOPS Learning Systems Activities ( Physics 1). Watsonville, CA: TOPS Learning Systems . Desenvolvido por um educador em Ciências, as lições do TOPS usam materiais simples e enfatizam a curiosidade, a descoberta e a experimen­ tação. Amostras extensas estão disponíveis no website da editora. Para estudantes em nível de terceira grade ou superior. Diving Into Pressure and Buoyancy. Quatorze atividades envolvendo deslocamento, volume, princípios de Arquimedes, etc. Disponível para downloado no website da editora. $ 7 . 5 0 .

Electricity. Vinte atividades baseadas na montagem d e circuitos elementares. $ 1 8 . Magnetism. Vinte atividades que envolvem o mapeamento e a repre­ sentação gráfica de campos e a construção de máquinas elementares. $ 1 8 . Perfect Balance. Vinte atividades envolvendo massa e peso. $ 1 8 .

295

9. Lín g u a s m o rta s pa ra c ri a n ç a s c h e i a s d e vi d a : Lati m ( e o u t ra s l ín g u a s q u e a i n d a estã o b e m viva s)

Docendo discitur. 1

- Sêneca

Disciplina: Latim (e outras línguas estrangeiras ) Tempo exigido: 3-4 horas semanais, começando na terceira ou quarta grade.

e

orno você certamente já reparou, não consideramos o Latim como o elemento definidor da Educação Clássica. A Educação Clássica se relaciona com a aquisição de fundamentos sólidos, com aprender a aprender, com disciplina mental, com curiosidade in­ telectual e um desej o de enredar-se nas lições do passado. Tudo isto é muito mais importante do que um simples curso de Língua Estrangeira. Mas, assim mesmo, você terá que estudar o Latim. Estudantes no nível fundamental são perfeitamente capazes de estudar o Latim para iniciantes. Na terceira e na quarta grades, os estudantes fazem exercícios básicos de memorização ( vocabulário e partes do discurso ) , exercitam derivações inglesas de palavras latinas e estudam a Gramática Latina essencial . No final deste capítulo, recomendamos cursos de Latim sistemáticos e simples de acompanhar que você pode usar para ensinar ao seu filho que estej a no nível da terceira ou quarta grade. E você terá a oportuni­ dade de aprender j unto com ele. 1

Nota das autoras: "Aprende-se ensinando " (uma coisa que você terá oportunidade de fazer à medida que progrida com seu estudante de terceira grade ) .

297

A MENTE BEM TREINADA

Por que Latim ? Por que incomodar-se com o Latim ? Afinal, trata-se de uma " lín­ gua morta " ( no sentido pej orativo da expressão ) - em que ninguém mais produz qualquer tipo de Literatura, que ninguém mais fala e que ninguém mais usa para fazer negócios. Nós nos incomodamos com o Latim por muitas razões. O Latim treina a mente a pensar de um modo organizado. O Latim ( inclusive por estar " morto " ) é o idioma mais sistemático disponível . A disciplina de reunir os finais de palavras e de organizar a sintaxe (padrões gramaticais ) de acordo com conj untos de regras é o equivalente mental de correr três quilômetros todos os dias. Como o Latim exige precisão, a mente nele treinada habitua-se a dar atenção a detalhes, um hábito que trará benefícios especialmente ao estudo da Matemática ou da Ciência . O estudo do Latim refina suas habilidades com o idioma inglês . A estrutura gramatical do idioma inglês, bem como 50 por cento do vocabulário, é baseada no Latim. O estudante que entende o funciona­ mento do Latim raramente fica confuso com as formas sintáticas mais complicadas ou com as palavras mais obscuras da Língua Inglesa. Por décadas, estudos críticos confirmaram que as crianças a quem se ensina Latim consistentemente obtêm pontuações melhores do que seus pares em Compreensão de Textos, Vocabulário e até mesmo em Pensamento Crítico e Soluções de Problemas2• O Latim prepara a criança para o estudo de outras línguas estran­ geiras: o Francês, o Espanhol e o Italiano são todos idiomas relacionados ao Latim. Até mesmo línguas não-latinas podem ser mais facilmente aprendidas caso o aluno tenha estudado previamente o Latim. Uma criança que tenha sido treinada na sintaxe latina entende os conceitos de concordância, de flexão de substantivos, de conj ugação verbal e de gênero gramatical pouco importando a língua em que encontre esses conceitos. 2

Nota das autoras: Veja, por exemplo, Nancy A. Mavrogenes, " The Effect of Elemen­ tary Latin lnstruction on Language Arts Performance," in The Elementary School Journal 77, 4 ( March 1 9 77), pp. 26 8-73; Richard L. Sparks et ai., "An Exploratory Study on the Effects of Latin on the Native Language Skills and Foreign Language Aptitude of Students With and Without Learning Disabilities," in The Classical ]our­ nal 9 1 , 2 (January 1 9 9 6 ) , pp. 1 65-84; Timothy V. Rasinski et ai., " The Latin-Greek Connection: Building Vocabulary Through Morphological Study," in The Reading Teacher 65, 2 ( October 2 0 1 1 ) , pp. 1 3 3-4 1 ; e muitos, muitos mais.

298

LATIM

O Latim nos defende contra a arrogância. O estudo da língua mos­ tra à criança que seu mundo, sua língua, seu vocabulário e seu modo de expressão são apenas um modo possível de viver em um mundo grande, tumultuado e complicado. O Latim força o estudante a adotar uma nova forma de encarar as palavras e conceitos: •

Qual o significado real desta palavra latina ? • Esta é uma boa palavra inglesa para traduzi-la ? • Será que esta palavra em Latim expressa alguma coisa para a qual a Língua Inglesa não tenha equivalente ? • Será que isto revela uma lacuna em meu próprio processo de pensamento ? Uma língua estrangeira, como escreve Neil Postman em sua obra The End of Education, " provê uma porta de entrada para uma visão de mundo diferente de sua própria . . . Caso sej a importante que nossos j ovens deem valor à diversidade de pontos de vista, não há maneira melhor de realizar esse obj etivo do que fazê-los aprender uma língua estrangeira " 3•

Como fu nciona o Latim? Você poderá aprender o Latim j unto com seu filho, mas aj udará muito se você tiver um entendimento básico de como o idioma funciona. O Latim é uma língua flexionada, o que significa que os finais das palavras

são mais importantes do que a ordem das palavras. Se eu quisesse dizer que meu marido acabou de colidir seu sapato contra as costelas do cachorro, eu diria: Peter chutou o cão. ( Embora eu saiba que ele j amais faria tal coisa ) . Como você sabe que o cão foi o receptor do chute e que Peter foi o agente do chute ? Porque a palavra " Peter" vem antes do verbo e, " o cão " , vem depois. Isto diz aos falantes em Língua Inglesa que o cão é o obj eto ( receptor) do chute e que Peter é o sujeito ( o agente) do chute.

3

Neil Postman, The End of Education: Redefining the Value of Schools (New York: Knopf, 1 995 ) , p. 147.

299

A MENTE BEM TREINADA

Mas o Latim funciona de forma ligeiramente diferente. Um con­ j unto de finalizações especiais (chamadas flexões ) dizem ao leitor se um substantivo é o suj eito ou o objeto. É como se, em Inglês, cada substan­ tivo que desempenhasse a função de suj eito recebesse um " s " no final, e cada substantivo que funcionasse como obj eto tivesse um " o " no final:

Peter-s chutou o cão-o. Caso o Inglês funcionasse dessa maneira, poderíamos reverter a frase: O cão-o chutou Peter-s. E o leitor ainda saberia que Peter deu o chute e o cachorro o rece­ beu - graças à finalização. É assim que funciona o Latim. As variações no final das palavras tomam o lugar da ordem das palavras . As finalizações de palavras di­ zem a você se uma palavra está sendo usada com sentido de suj eito, de obj eto, possessivo, e assim por diante. Você também precisa saber que o Latim usa esses finais de palavras em verbos para substituir os pronomes. Se eu disser: " I kicked the dog " [Eu chutar o cão] 4 Você sa beria que eu pratiquei a ação, por que o " I " [pronome "eu " , em inglês] vem antes do verbo " kicked" [chutei] . Mas, em vez de usar pronomes antes dos verbos, o Latim conjuga os verbos afixando os pronomes no final dos verbos: Kicked-1 the dog. [Chutar-eu o cão] . Agora, eu poderia dizer " O cão chutar-eu " para dizer a mesma coisa. Há muito mais em Latim do que isso, é claro, mas as explicações acima servirão como ponto de partida . Há algumas maneiras diferentes de pronunciar o Latim: a assim chamada "pronúncia clássica " (em que, por exemplo, o "v" é pronunciado como " u " ou "w" ) e a pronúncia " Cristã " ou "eclesiástica " ( usada pelos corais) são as duas mais comuns . Nós preferimos não nos preocupar 4

Nota do tradutor: Como o idioma Inglês não tem, propriamente, "conj ugações verbais", a autora se esforça para explicar essa noção aos seus leitores. Para oferecer ao leitor brasileiro uma noção dessa dificuldade, apresento, entre parêntesis uma "tradução" não conj ugada da frase-exemplo, com o verbo no infinitivo, como se a Língua Portuguesa também não possuísse o recurso da conjugação verbal.

300

LATIM

demais com a pronúncia. Mesmo nos tempos antigos, a pronúncia latina variava amplamente conforme a região e o século. A pronúncia eclesi­ ástica será útil caso a criança precise cantar em Latim. De outro modo, não se deixe distrair em excesso pela tentativa de dominar a pronúncia.

Co m o fazer Caso você decida começar o ensino do Latim na terceira ou na quarta grade (vej a o capítulo 1 9 para mais opções ) , você tirará vantagem da " j anela" natural da criança para aprendizado da linguagem. Os recursos que sugerimos ao final deste capítulo são adequados para estudantes de nível elementar e não exigem que você tenha conhecimento prévio do idioma. Os currículos que sugerimos seguem o método " das partes ao todo" (conj ugações e declinações são ensinadas todas de uma vez, em vez de apenas incidentalmente) e não " do todo às partes " 5 • Vej a aqui o que queremos dizer. No Latim, cada verbo (tal como "amo ", " Eu amo " ) tem um radical, que carrega o sentido básico do verbo (am-, " amor " ) , e finalizações ( sufixos ) , que servem como pronomes: -o significa " eu " ; -as significa " tu " no singular, e assim por diante. Estes sufixos pronominais são os mesmos para cada verbo que a criança encontrará nos primeiros dois anos de estudo. Assim que a criança aprender a lista de sufixos para " eu " , " tu " , " ele/ela " , " nós " , " vós " e eles/elas " , poderá incluí-las em qualquer verbo que quiser: amo

Eu amo

voco

Eu chamo

amas

Tu amas

vacas

Tu chamas

amat

Ele/ela ama

vocat

Ele/ela chama

amamus

Nós amamos

vocamus

Nós chamamos

ama tis

Vós amais

vocatis

Vós chamais

amant

Eles/elas amam

vocant

Eles/elas chamam

5

Vej a nas páginas 347-3 52 uma explicação completa sobre os estilos de instrução "do todo às partes" versus " das partes ao todo " .

301

A MENTE BEM TREINADA

Assim é a instrução no estilo " da partes ao todo " : primeiro, o estu­ dante aprende as partes; depois, aprende a uni-las para formar um todo. Por outro lado, as cartilhas latinas ao estilo " do todo às partes" dizem às crianças que a palavra amamus significa " nós amamos'' , j amais explicando que a palavra tem tanto um radical quanto um sufixo pes­ soal. Mais tarde, a criança encontrará a palavra vocamus em uma frase e descobrirá que a palavra quer dizer " nós chamamos " - mais uma vez, sem nenhuma explicação . Cedo ou tarde ela perceberá que -amus significa "nós " . Ou, então, ficará frustrada com essa aparente ausência de padrão e desistirá . Em qualquer hipótese, ela terá desperdiçado uma grande quantidade de tempo e energia tentando entender como funciona o Latim . Mas caso ela simplesmente receba a lista de sufixos pessoais para memorizar, ela terá o poder de formar qualquer verbo latino que desej e, bem como o conhecimento para decodificar as palavras latinas que encontrar durante suas leituras. A instrução ao estilo " do todo às partes" é frustrante, contraproducente, e elimina j ustamente a principal habilidade que as lições sistemáticas de Latim podem desenvolver - o hábito de pensar sistematicamente.

Que ta l outras l í n g u as? Por que recomendamos que você inicie o estudo do Latim quando todo mundo sabe que iniciar o estudo de uma língua estrangeira em tenra idade é a melhor maneira de conquistar fluência ? Bem, nós concordamos. As grades elementares realmente são o melhor momento para aprender uma língua estrangeira moderna, e nós achamos que toda criança americana deveria aprender a falar espanhol (para dizer o mínimo ) . No final deste capítulo, recomendamos um par de programas de ensino de línguas modernas adequados para uso em casa. Entretanto, nossa experiência diz que nenhum desses programas fará você falar uma língua estrangeira . Isto só acontecerá se você for capaz de falar a língua (com uma pessoa de verdade ) pelo menos duas vezes por semana . A conversação requer que você pense na língua que está aprendendo e, portanto, é o único caminho para a fluência . Caso você fale fluentemente uma língua estrangeira que gostaria de ensinar a seu filho, vá em frente e faça isso durante o período da terceira à quarta grades e reserve o Latim para mais tarde. Ou, caso você consiga 302

LATIM

que um tutor ( preferivelmente, um falante nativo do idioma desej ado) vá até a sua casa e converse com seu filho pelo menos duas vezes por semana, vá em frente e estude uma língua moderna agora e, novamente, adie o estudo do Latim até a sexta ou sétima grade. Muitos pais já nos relataram que a frequência a um curso de idiomas aos sábados foi a única maneira pela qual seus filhos obtiveram pelo menos uma fluência básica em outro idioma . Mas, caso você não possa obter aulas de conversação em uma língua moderna, faça do Latim o núcleo de seu aprendizado de línguas estrangeiras por enquanto. O estudo da sintaxe e do vocabulário do Latim proverá muitos dos mesmos benefícios do estudo de uma língua moderna, bem como aprimorará as habilidades linguísticas da crianças. O estudante que tenha completado um curso de Latim terá muito menos dificuldade quando, mais tarde, se defrontar com uma língua estrangei­ ra moderna. Além disso, já que o Latim não é uma língua falada, não haverá necessidade de preocupar-se com o componente conversacional. Enquanto você estiver estudando o Latim, você poderá usar um dos programas de idiomas modernos listados abaixo como recurso adicional, talvez acrescentando-o a seu cronograma uma ou duas vezes por semana . Isto exporá seu filho a uma língua moderna, preparando-o para o aprendizado posterior.

S u gestões d e c ronog ramas Reserve de duas horas e meia a 4 horas semanais para o estudo do Latim, dependendo da maturidade e do interesse da criança. É mais produtivo gastar trinta minutos todos os dias do que fazer uma lição longa ou, até mesmo, duas lições mais curtas, por semana. Três dias por semana é a frequência mínima absoluta, sendo quatro um número muito mais recomendável.

Recursos

A maior parte dos livros pode ser obtida em qualquer livraria ou biblio­ teca; a maior parte dos currículos pode ser adquirida diretamente na editora ou em um grande fornecedor de material para Educação Domi­ ciliar, tal como o Rainbow Resource Center. Informações para contato 303

A MENTE BEM TREINADA

com editoras e fornecedores estão disponíveis em www. welltrainedmind. com. Incluímos uma observação nos casos em que os títulos sugeridos têm disponibilidade limitada. Nos locais indicados, listamos os recursos em ordem cronológica (isto é, a ordem em que você os usará). Os livros que fazem parte de séries foram listados em conjunto. Lembre-se de que opções adicionais de currículos e outras informações estão disponíveis em: www.welltrainedmind.com. Os preços variam constantemente, mas incluímos os valores de 2 016 para que você tenha uma ideia do investimento necessário. O ensino e a prática online de idiomas concebidos para estudantes em nível elementar estão disponíveis para muitos, muitos outros idiomas. Visite www.welltrainedmind.com para ver links e descrições!

Textos básicos Lati m Lowe, Cheryl. Prima Latina: A n Introduction to Christian Latin, 2d ed. Louisville, Ky. : Memoria Press, 2003 . A série Prima Latina consiste em um livro do estudante, um ma­ nual do professor e um CD de pronúncia; você também pode comprar um DVD instrucional e cartões de memória (flashcards) prontos. O programa se chama Christian Latin ( " Latim Cristão " ) porque ensina a pronúncia eclesiástica ( embora o website da editora ofereça dicas para usar outros estilos de pronúncia ) e também usa cânticos cristãos antigos e orações em algumas das lições. O manual do professor tem um resumo da Gramática Latina em seu início. Leia-o, mas não permita que ele o confunda. Nas 25 lições do livro, você aprenderá a Gramática básica indispensável j unto com seu filho. Você pode começar o ensino com a Prima Latina tanto na terceira quanto na quarta grade; o programa completo consumirá um ano de estudos, ou um pouco menos. Quando você completar esta introdução ao Latim, você poderá prosseguir o estudo com a Latina Christiana I, publicada pela mesma editora e concebida para dar seguimento à Pri­ ma Latina. Ambos os programas são escritos para pais que não sabem Latim e trazem instruções muito claras. Os DVDs opcionais oferecem instruções dadas por Leigh Lowe, uma das autoras do programa. 3 04

LATIM

Faça seu pedido à Memoria Press . Há amostras disponíveis no website da editora.

Prima Latina Text Set (student book, teacher manual, pronuncia­ tion CD). $ 3 4 . 9 5 . Prima Latina Complete Set (Text Set plus instructional DVDs and fiash cards). $90.90. Lowe, Cheryl . Latina Christiana: An Introduction to Christian

Latin. Louisville, KY: Memoria Press, 200 1 . A série Latina Christiana d á sequência à Prima Latina e apresenta aspectos mais complexos da Gramática Latina. Na maioria dos casos, os estudantes deverão encontrar-se pelo menos em nível de quarta grade no estudo da Gramática da Língua Inglesa antes que estej am aptos a começar a usar esta série.

Latina Christiana I Set (livro do estudante, manual do professor, CD de pronúncia ) . $4 1 . 95 .

Latina Christiana I Complete Set ( inclui também DVDs instrucio­ nais e cartões de memória) . $ 9 8 . 9 0 .

Latina Christiana II Set (livro d o estudante, manual d o professor, CD de pronúncia) . $4 1 . 9 5 .

Latina Christiana II Complete Set ( inclui também DVDs instrucio­ nais e cartões de memória) . $ 9 8 . 90 . Song School Latin. Camp Hill, PA: Classical Academic Press . Song School Latin é um curso de Latim para iniciantes com uma abordagem muito diferente da Prima Latina. A instrução é muito mais fortemente aural (canções, cânticos, conversações ) e ensina as frases e o vocabulário latino num estilo muito mais próximo dos métodos adota­ dos para o ensino de idiomas modernos. Qualquer pronúncia pode ser usada. O curso é muito mais elaborado e toma muito mais tempo do que o Prima Latina. Bom para ensino multissensorial e para pais que querem fazer do ensino do Latim uma prioridade. Observe que, embora o primeiro livro sej a comercializado para uso j unto às grades 1 a 3 , nós não sugerimos que você comece este programa antes da terceira grade, pois contém muitas tarefas que devem ser feitas a lápis. Faça seu pedido à Classical Academic Press. Há amostras disponí­ veis no website da editora. 305

A MENTE BEM TREINADA

Song School Latin Book 1 Program. Inclui livro do estudante, manual do professor, conj unto de aulas em DVD e um j ogo de cartões de memória. $ 8 2 . 9 5 .

Song School Latin B o o k 2 Program. Inclui livro d o estudante, ma­ nual do professor, conj unto de aulas em DVD e outro j ogo de cartões de memória. $ 8 2 . 9 5 . Latin for Children . Camp Hill, PA: Classical Academic Press . Concebido para dar seguimento ao Song School Latin 2 Program, esta cartilha começa num nível entre a quarta e a quinta grades. Um suplemento online oferece jogos adicionais e oportunidades para reforço. Faça seu pedido à Classical Academic Press. Há amostras disponíveis no website da editora .

Latin for Children Primer A Program. Inclui livro de exercícios do estudante, chave de respostas, conj unto de DVD e CD, livro de atividades e um livro para leitura em nível simples. $ 9 9 . 9 5 . Drown, Catherine. The Big Book of Lively Latin. S a n Marcos, CA: Lively Latin, 200 8 . Bom para aqueles que vão começar com um estudante avançado em nível de terceira ou quarta grade. Redigido pela professora de Latim e mãe educadora domiciliar Catherine Drown, o Big

Book provê um bom fundamento básico em Gramática e Vocabulário bem como material suplementar ( fundamento histórico, atividades e j ogos, estudos sobre a mitologia e a sociedade romanas ) . O Big Book é autoexplicativo, concebido para que pais e estudantes aprendam j untos. Após completar o Big Book, os estudantes podem prosseguir para um dos programas listados no capítulo 1 9 . Amostras estão disponíveis n o website d a editora .

Big Book 1. $55 pela versão online em PDF, $79 pelo PDF em um conj unto de 2-CDs, $ 1 25 pela versão impressa incluindo o CD.

Big Book 2. $70 pela versão online em PDF, $ 8 9 pelo PDF em um conj unto de 2-CDs, $ 1 40 pela versão impressa incluindo o CD.

Línguas modernas

Song School Spanish. Camp Hill, PA: Classical Academic Press. 306

LATIM

Uma divertida introdução ao vocabulário e à Gramática da Lín­ gua Espanhola; comece a qualquer momento a partir da terceira grade em diante ( ou da segunda grade, caso a criança estej a à vontade com a escrita ) . Grande quantidade de canções e conversação básica; j ogos, quebra-cabeças e um suplemento online com atividades adicionais. Faça seu pedido à Classical Academic Press. Amostras disponíveis no website da editora.

Song School Spanish Program. Livro do estudante, edição do pro­ fessor, j ogo de cartões de memória e acesso online; observe que não há DVD ou CD instrucionais. $ 6 6 . 9 5 . Kraut, Julia, e t a l . Spanish for Children. Camp Hill, PA: Classical Academic Press, 200 8 . Concebido para dar sequência à série " Song School Spanish " , mas você pode começá-la na quarta grade ou, até mesmo, mais tarde, caso ainda não tenha usado o material Song School. Faça seu pedido à Classical Academic Press. Amostras podem ser visualizadas no website da editora.

Spanish for Children, Primer A Program. Inclui livro do estudante, chave de respostas, conj unto de DVD e CD, livro para leitura de inician­ tes, acesso online a j ogos e treinamentos. $94. 9 5 .

La Clase Divertida. Holly Hills, Fla . : L a Clase Divertida. Faça seu pedido a La Clase Divertida. Este programa de espanhol, desenvolvido por um pai-educador com vinte anos de experiência no ensino do Espanhol, foi concebido como um projeto para aprendizagem da família. Enquanto os cursos Rosetta Stone listados abaixo são orienta­ dos primariamente ao aprendizado da linguagem, este programa oferece j ogos, histórias, proj etos culinários, atividades, e outros recursos, j unto com instruções em vídeo e fita cassete, transformando o aprendizado do Espanhol em algo mais próximo de um estudo em microunidades. Bom para diversão em família. Cada kit oferece material suficiente ( livros de exercícios e suprimentos para atividades) para dois estudantes.

Levei 1 Kit. $ 1 20 . 0 0 . Additional Student Packet. $ 1 5 . 00. Levei II Kit. $ 1 3 0 . 0 0 . Additional Student Packet. $ 2 5 .00. 307

A MENTE BEM TREINADA

Linney, William E., and Antonio L. Orta . Getting Started with Spa­ nish: Beginning Spanish for Homeschoolers and Self-Taught Students of Any Age. Burke, VA: Armfield Academic Press, 2009. $20 . 9 5 . Gra­ mática sistemática e clara concebida para uso domiciliar, acompanhada de arquivos MP3 para auxílio à pronúncia. Os pais podem aprender j unto com seus filhos. Schultz, Danielle. First Start French. Louisville, KY: Memoria Press, 200 8 . Faça seu pedido à Memoria Press. Este programa d e Francês para iniciantes segue a mesma abordagem da Prima Latina. O CD de pro­ núncia foi gravado por um falante nativo. Cada livro oferece um ano de estudo . Amostras podem ser vistas no website da Memoria Press.

First Start French I Set. Livro do estudante, manual do professor e CD de pronúncia. $43 . 9 5 .

First Start French II Set. Livro d o estudante, manual d o professor e CD de pronúncia. $43 . 9 5 .

308

1 0. P rofesso res e l et rô n i cos: u so d e com puta d o res e víd eos

Nick Bilton, repórter d o New York Times: " E então, seus filhos amam o iPad ? " . Steve Jobs, CEO d a Apple Inc. e d a Pixar Ani­ mation : " Eles não o usaram. Nós limitamos a quantidade de tecnologia que nossos filhos usam em casa " .

V

ocê notará que não recomendamos quaisquer vídeos o u j ogos de computador em nossas listas de Recursos. Sim, nós sabemos que eles existem (e sugeriremos várias maneiras

de usar a tecnologia com seus estudantes das grades intermediárias e do

ensino médio nas seções que virão) . Nós apenas não achamos que eles devam ser seu método preferido para o ensino de crianças no estágio

gramatical. O ato de ler é mentalmente ativo e força o estudante a usar todo um conj unto de habilidades inteiramente novas. O ato de assistir a uma apresentação online é mentalmente passivo. Escrever é um ato intensivo em trabalho. Clicar em ícones não exige esforço. Imagens que ficam paradas e não sacodem, não falam, nem mudam de cor fazem o cérebro trabalhar duro em sua interpretação. Uma figura que pula sem parar, muda de cor e canta musiquinhas interpreta-se a si mesma por você e não faz o cérebro trabalhar de forma alguma. Todas as crianças preferem a facilidade ao esforço. Parece razoável que limitemos sua exposição ao fácil até que tenham dominado o difícil. 309

A MENTE BEM TREINADA

Há algumas evidências científicas que embasam esta nossa posição. A atividade cerebral criada pelo ato de ler e escrever é significativamente diferente daquela criada pelas tecnologias baseadas em imagens. Jane Healy, Ph.D. em Psicologia Educacional e autora do livro Endangered Minds [Mentes Ameaçadas], assinala que, enquanto a leitura e a escrita dependem do desenvolvimento do hemisfério cerebral esquerdo, a pro­ gramação de TV destinada a crianças depende inteiramente do estímulo ao hemisfério direito - imagens que mudam rapidamente, em vez de serem estáveis; ruídos ( explosões, estilhaços e exclamações de uma única palavra ) em vez de frases complexas; cores brilhantes, movimento rápi­ do e resoluções imediatas em vez de sequenciamento lógico de ações1 • Nas grades iniciais, o cérebro se desenvolve mais rapidamente do que em qualquer outro período. É a época em que se estabelecem no­ vas conexões e caminhos neuronais . O estágio gramatical é uma época especialmente crucial para o desenvolvimento verbal: o cérebro está mapeando as estradas que usará pelo resto da vida da criança. ( Este é o motivo pelo qual se adquire completa fluência nas línguas estrangeiras aprendidas durante a mais tenra infância, enquanto, nas outras línguas aprendidas mais tarde, j amais se atinge tal naturalidade ) . É vital que a criança se torne fluente em Leitura e Escrita durante os anos do ensino fundamental - e o desenvolvimento cerebral exigido para a aquisição dessa fluência é marcadamente diverso daquele usado para compreender imagens. O aprendizado online para os estudantes mais j ovens é centrado em imagens, não em palavras. "Na cultura impressa " , escreve Neil Post­ man em The End of Education, " nós dizemos que é preciso 'desenhar' uma explicação para que sej a entendida pelas pessoas menos inteligentes. A inteligência implica que a pessoa pode viver confortavelmente sem figuras, em um campo de conceitos e generalizações"2• De fato, os estágios mais elevados da Educação Clássica exigem que a criança pense sem figuras, que se sinta tão confortável com conceitos não visuais tais como responsabilidade, moralidade e liberdade, que possa avaliar os sentidos que essas palavras assumem em uma ampla variedade de contextos. A 1

2

Cf. Jane Healy, Endangered Minds: Why Our Children Don't Think and What We Can Do about it (New York: Touchstone, 1 99 ) , eh. 1 0 , " TV, Video Games and the Growing Brain " , esp. p. 2 1 1 . Neil Postman, The End of Education: Redefining the Value of School (New York: Knopf, 1 9 9 5 ) , p. 2 5 .

3 10

COMPUTADORES E VÍDEOS

Educação centrada em palavras exige do estudante a interação com o material didático - compreendê-lo, interpretá-lo e falar sobre ele. Um estudante precisa envolver-se ativamente no processo de aprendizagem para que dele se beneficie; é por isso que enfatizamos tão fortemente as atividades de Leitura em História e Ciência e, em seguida, a Redação sobre o conhecimento adquirido. Assistidas com frequência e precocidade excessivas, as imagens nos vídeos e softwares poderão começar a substituir a própria imagi­ nação da criança. Susan, certa vez, alugou uma cópia do filme clássico infantil Crônicas de Nárnia: o Leão, a Feiticeira e o Guarda-roupas para Christopher, seu filho de seis anos. Eles leram o livro em voz alta j untos e, embora ele tenha se divertido com o vídeo, soltou um longo suspiro quando o filme acabou. " Qual é o problema ? " , perguntou Susan. " Mamãe " , ele disse, "eu tinha outra imagem da Lucy dentro de minha cabeça, e aquela menina não se parecia em nada com ela " . " Bem, você ainda pode pensar nela como quiser em sua cabeça " . " Não " , ele disse, " agora, a imagem dessa outra menina está na minha cabeça e não consegue mais sair " . Pode haver, ainda, implicações n o desenvolvimento d a criança quando o software recebe prioridade sobre a leitura e a escrita tradi­ cionais. Em 20 1 3 , a American Academy of Pediatrics3 recomendou que todas as crianças com menos de 4 anos de idade fossem afastadas de qualquer atividade em frente a telas, e que o uso de computadores, iPads e outros dispositivos fosse limitado para todas as crianças pequenas, pois quando os movimentos de deslizar e tamborilar na tela ganham precedência sobre o desenho, escrita e movimentação, as habilidades de coordenação motora fina permanecem subdesenvolvidas e a força muscular é afetada. E o que dizer sobre o aprendizado online ? Nós somos fãs do uso de aulas e tutoriais online, mas somente quando o componente online é um método de entrega de informação que ajuda mais estudantes e pais a trabalhar j unto com excelentes professores sobre conteúdo fascinante. 3

Nota do tradutor: A American Academy of Pediatrics (Academia Americana de Pe­ diatria) é uma associação profissional com sede nos Estados Unidos que representa 66.000 pediatras em atividade no país .

311

A MENTE BEM TREINADA

Mas, como os estudantes no estágio Gramatical ainda estão aprenden­ do os fundamentos da comunicação humana, eles precisam interagir com pessoas reais em tempo real; só assim eles aprendem a interpretar expressões, tons de voz e movimentos corporais. O aprendizado face a face é um estágio vital de seu processo de amadurecimento. Não estamos dizendo que você deveria banir as telas. Limite o seu uso, particularmente na Educação. Supervisione o conteúdo. Tanto quanto possível, evite aqueles programas altamente visuais, com imagens que mudam o tempo todo acompanhadas de uma barragem constante de efeitos sonoros. Não matricule em cursos online o seu filho em nível do estágio Gramatical; ensine-o você mesmo . Quando você estiver gripado, ou quando estiver tentando ensinar frações ao seu filho em nível de terceira grade enquanto seu filho de quatro anos fica correndo para lá e para cá, ou quando as visitas es­ tiverem a caminho e o banheiro não estiver limpo, coloque um filme. Mas, volta e meia, pergunte a si mesmo : do que estou abrindo mão ? Se eu não pusesse este vídeo, as crianças iriam j ogar basquete no pátio ou pegariam o j ogo Cobras e Escadas só para matar o tédio ? Elas leriam um livro ? Eu seria forçado a aquietar meu filho de quatro anos dando a ele uma lição de Matemática ? Se disser a minha filha de dez anos que ela não pode j ogar no computador, será que ela ficaria andando à toa ou leria contos de fadas ? Vídeos educacionais podem ser úteis no estudo da Ciência. Nós gos­ tamos da fotografia espetacular da série de vídeos de Ciência Eyewitness e assistimos os especiais da National Geographic com a atenção arrebatada (é preciso ver para crer a descida de um fluxo de lava pela encosta de uma montanha ) . Mas nós assistimos vídeos à noitinha - enrodilhados em torno de uma tigela de pipoca - não durante o horário escolar. Durante o horário escolar, nós lemos livros, fazemos experimentos e escrevemos sobre o que estamos aprendendo. É trabalho duro mas, quanto mais o estudante lê e escreve, mais naturais se tornam a leitura e a escrita. Infelizmente, o mesmo vale para assistir TV e jogar no computador. O cérebro se transforma num especialista em tudo que faz com maior fre­ quência durante seus anos de formação. Assim, limite as lições da criança com o " professor eletrônico " . Nós garantimos que, mais tarde, ela não terá problema nenhum em acompanhar o desenvolvimento tecnológico. 312

1 1 . Qu estões d e Fé: Re l i g i ã o

O Homem é , por sua constituição, um animal religioso.

- Edmund Burke Reflections on the R evolution in France

s antigos classicistas chamavam a Teologia de " rainha das ciências " porque governava todos os outros campos de estu­ dos. De fato, ela ainda o faz, sej a em sua presença ou em sua ausência. A presença ou ausência do divino tem implicações imensas para todas as áreas do currículo: somos animais ou alguma coisa ligei­ ramente diferente ? As regras matemáticas funcionam devido às formas coincidentes do espaço e do tempo ou porque Deus é um ser ordeiro e, portanto, o universo reflete o Seu caráter ? Um homem que morre por sua fé é um herói ou um tolo? As escolas públicas, que assumem a tarefa impossível de ensinar a crianças de muitas diferentes religiões, devem proclamar sua neutrali­ dade. "Nós não lidamos com questões de fé " , explicam os professores, " somos neutros " . Pense nisso por um minuto. Argumentos a favor d a presença de Deus são geralmente considerados "enviesados " . Já a presunção de Sua ausência é normalmente chamada de " neutralidade " . No entanto, tanto uma quanto a outra são declarações de fé; ambas tingem com suas cores a abordagem do professor sobre qualquer assunto; ambas têm como ponto de partida uma pressuposição fundamental sobre a natureza de

O

homens e mulheres. Chamar a isso " neutralidade " é desonestidade intelectual. A Educação não pode ser neutra quando se refere à fé: ou bem a ataca, ou bem a defende. O objeto da Educação é a humanidade: suas 313

A MENTE BEM TREINADA

realizações, o modo selvagem com que trata seus semelhantes, sua dis­ posição para suportar o autossacrifício. Você não pode aprender - ou ensinar - nada sobre a humanidade sem incluir Deus. Tomemos a Biologia como exemplo. Os mamíferos se caracterizam, entre outras coisas, por sua tendência a cuidar e a proteger sua prole. As mães amam seus bebês devido apenas a um imperativo biológico ? Em caso positivo, porque somos tão duros com pais que negligenciam seus filhos ? É raro um mamífero macho que preste muita atenção à sua prole. Será que os pais amam seus bebês apenas devido ao desej o de ver seu material genético preservado ou porque os pais refletem o caráter de Deus Pai ? Como um pai deveria tratar um filho deficiente ? Por quê ? Nós não devemos culpar as escolas públicas por deixar de lado esse tipo de questões. Na maioria dos casos, é a única estratégia que podem adotar. No entanto, esta separação entre fé religiosa e Educação torna incompleta esta última . Nós não estamos argumentando que a religião deveria "voltar" ao currículo das escolas públicas. Nós apenas gosta­ ríamos de alguma honestidade: uma Educação que não dá qualquer notícia da fé, para dizer o mínimo, é incompleta . Já que está ensinando a seu próprio filho, você pode retificar essa situação. Não ignore a instrução (para dizer o mínimo ) sobre os fatos relativos às mais importantes religiões do mundo. Tente relacionar os estudos de seu filho à sua própria fé, à sua própria herança religiosa. Seu filho provavelmente começará a fazer perguntas duras no estágio Lógico ( um obj etivo que você deve perseguir) : Por que aconteceram as Cruzadas ? Não é errado mudar a religião das pessoas à força ? Bem, e por meios pacíficos ? O Papa estava errado ao pôr toda a Inglaterra sob um interdito ? Por que um acadêmico medieval se arriscava à excomu­ nhão ? Por que Newton acreditava em Deus ? E o que dizer sobre aquele pai e seu filho deficiente ? O estudante do nível elementar ainda não estará pensando neste nível, de modo que você pode relaxar por alguns anos. Mas agora é a época de entender o básico sobre as fés que moldaram tanto a História quanto a Ciência. Explique o Islã, o Budismo e a adoração aos ancestrais. Discuta elementos do Cristianismo e do Judaísmo. Ensine o Êxodo, a Conquista, o Exílio e o nascimento de Cristo j unto com a História An3 14

QUESTÕES DE FÉ

tiga. Mostre como essas religiões do mundo colidiram - porque, por exemplo, os ingleses que dominavam a Í ndia ficavam tão pasmos com o suttee ( queima de viúvas) enquanto os indianos consideravam essa prática um ato honorável. Não tema o passado puritano e dissidente da América. E não caia na " armadilha da Ação de Graças " 1 • Caso você não faça isto agora, seu filho chegará a o estágio lógico mal equipado - incapaz de entender completamente os eventos da His­ tória e porque eles se desdobraram em sua forma presente. A Religião desempenha um papel maj oritário na formação de qualquer cultura. Por esta razão, é imperativo que a Educação continuada da criança inclua a influência da Religião sobre a Arte, a Música, a Literatura, a Ciência e a própria História . Nós acreditamos que o papel d a Religião, tanto sobre a s culturas do passado quanto as do presente, será mais bem ensinado pelos pais a partir da força de sua própria fé. Eu (Susan) não quero que meu filho de seis anos receba ensinamentos religiosos na escola . Esse papel é meu. É minha responsabilidade ensinar a minhas crianças aquilo em que eu mesma acredito, porque acredito nisso, e porque isso faz diferença .

Recursos

Para o ensino da religião, use recursos de sua família ou peça sugestões à sua comunidade religiosa.

1

Muitos textos de História em nível elementar, temendo correr o risco de se expor a ações j udiciais, dizem que os Peregrinos davam graças no Dia de Ação de Graças mas j amais mencionam Deus . Um texto particularmente ruim diz que os Peregrinos davam graças aos índios.

315

1 2 . Be l a s coisas: Arte e M ú s ica

Oh, o mundo está tão pleno de um tão grande número de coisas.

- Robert Louis Stevenson

Disciplina: Arte e Música Tempo exigido: 1 a 4 horas semanais

ma das características distintivas da Educação Clássica é a atenção que destina aos fundamentos . A Educação Clássica se dedica fortemente ao assentamento adequado das fundações para a Leitura, Redação, Matemática, História e Ciência. O assentamento de fundações consome tempo. Caso você aprenda estes assuntos completamente, você poderá descobrir que não sobrou muito tempo para outras áreas de estudo em profundidade semelhante. No capítulo sobre Ciência ( capítulo 8 ) , dissemos que você não deve tentar estudar todo o reino animal ou toda a Astronomia . Sim, o propósito destes anos elementares é acumular conhecimento; mas o foco não é na simples quantidade de material abrangido . Em vez disso, seu filho deveria aprender como encontrar informação, como encaixar essa informação em outras e como absorver informação através da narração, páginas de caderno e memorização. O que é verdade para a Ciência também é verdade para todo o currículo elementar. Você j amais será capaz de cobrir cada assunto ensinado nas escolas do nível fundamental . Resista à tentação de ampliar demais o seu currículo, tornando-o " aguado " . Dê o melhor de seu tempo e energia aos fundamentos acadêmicos durante estes anos mtc1ais .

U

317

A MENTE BEM TREINADA

Isto posto, diremos que Arte e Música têm um grande valor para estudantes do nível elementar. A instrução em Desenho e Apreciação Artística melhora as habilidades de coordenação e percepção . Estudos recentes demonstraram que lições de piano melhoram as habilidades de raciocínio de crianças em idade pré-escolar. Sugerimos que você agende pelo menos um bloco de tempo ( uma ou duas horas) semanal para apreciação de Arte e Música . Caso você consiga administrar dois blocos de tempo durante a semana, reserve um dia para apreciação artística e, o outro, para apreciação musical. Caso você possa reservar apenas um bloco de tempo por semana, alterne - apreciação artística numa semana, apreciação musical na outra .

Arte O ensino da Arte para o estudante em nível elementar deve envolver um treinamento básico em duas áreas: o aprendizado de técnicas e elementos da Arte ( desenhar, colorir, e assim por diante ) e da vida e obra dos grandes artistas. Você pode alternar proj etos de Arte com a leitura de livros sobre grandes artistas. Para os · proj etos de Arte, recomendamos diversos recursos para ensino do Desenho ao final deste capítulo. Alterne pro­ j etos de Arte com o estudo de imagens, o método usado por Charlotte Mason, a educadora que primeiro usou a narração como ferramenta de ensino. Do mesmo modo que a narração, o estudo das imagens requer que o estudante absorva informação e, em seguida, repita-a para o professor. Usando os livros de Arte para crianças que recomendamos na seção de Recursos, peça à criança que olhe atentamente para uma pintura durante algum tempo - dois ou três minutos para crianças mais j ovens, até dez minutos para crianças em nível da quarta grade. Então, tire fora a figura e peça a seu filho que fale sobre ela . De início, você provavelmente terá de liderar o processo com perguntas. " De que cor é o [diga aqui um elemento da cena retratada

na obra] ? " . " O que o homem do lado direito está fazendo ? " . Com a prática, entretanto, o estudante começará a notar mais e mais detalhes e retê-los por cada vez mais tempo. 318

ARTE E MÚSICA

Sempre que você ler a biografia de um artista, certifique-se de usar pelo menos uma de suas pinturas para estudo de imagens.

M ú s ica Tal como outros assuntos, a Música, nas grades 1 a 4, é uma questão de acumulação - o obj etivo, neste fase, é familiarizar a criança com o que existe no mundo. Você pode pedir à criança que, duas vezes por semana, passe de meia a uma hora ouvindo Música erudita. A maioria das bibliotecas públicas têm uma extensa lista de títulos sobre música erudita para emprestar. Comece com livros de Música planej ados para para crianças, tais como Peter and the Wolf [Pedro e o Lobo] e, em seguida, façam j untos uma pesquisa adicional. Você encontrará outras sugestões na seção de Recursos. Da primeira vez que uma criança ouvir uma obra musical, faça com que ela a ouça duas ou três vezes seguidas. Certifique-se, então, de executá-la novamente no início do próximo período de audição. A familiaridade traz o prazer. A criança pode fazer trabalhos manuais tais como brincar com massinha de modelar ou colorir livros sobre o compositor cuj a obra está ouvindo (vej a a lista de Recursos no final deste capítulo) mas nada que envolva palavras; sua atenção precisa estar concentrada no que ela ouve, não no que ela vê. Não há uma maneira fácil de " narrar" sinfonias. É duvidoso que sej a útil perguntar à criança como ela se sentiu ouvindo uma música; pedir que ela cantarole a melodia só funciona se ela souber cantar e se a melodia for muito simples. Sugerimos que você simplesmente se certifique de ela ouviu a obra pelo menos duas vezes. ( Dançar acompanhando a música é sempre uma boa ideia) . D o mesmo modo que a Matemática e a Leitura são mais fáceis para crianças que já tenham ouvido falar em somas e histórias durante toda a sua vida, a apreciação musical surge mais naturalmente em crianças cuj as famílias sempre apreciam Música em casa. A melhor maneira de acompanhar a evolução da criança é tocar a obra novamente duas semanas depois da audição inicial e ouvi-la em família. Tocar música erudita animada enquanto faz as tarefas domésticas, e música erudita suave durante as refeições, são duas maneiras de aumentar a intimidade de sua família com a Música erudita. 319

A MENTE BEM TREINADA

Caso você possa pagar, aulas de piano são uma ótima ideia. Eu (Jessie) acredito que toda criança deveria ter dois anos de aula de pia­ no (todas os meus filhos tiveram ) . Minha experiência diz que, se não mostrarem interesse no assunto após dois anos de estudo, obrigá-las a continuar será um desperdício de tempo e energia, além de contrapro­ ducente para seu amor e apreciação da arte da Música . Caso eles demonstrem algum interesse em um instrumento, faça seu melhor para oferecer-lhes lições. Se possível, tal como o piano, exij a que completem dois anos de lições antes que lhes sej a permitido desistir; dois anos são o tempo mínimo que se leva para que o estudante comece a desfrutar o instrumento em vez de simplesmente se esforçar para aprender a usá-lo.

S u g estões de cro nog ramas Primeira e segunda grades Semana 1

1 lição de Arte, 60 a 90 minutos.

Semana 2

Ler a biografia de um artista, fazer estudo de imagens, 60 a 90 minutos.

Semana 3

Ouvir música erudita por 2 horas em algum momento da semana.

Semana 4

Ler a biografia de um compositor

Repita a sequência. Terceira e quarta grades Semana 1

Dia 1 : Lição de Arte, 60 minutos. Dia 2: Ler a biografia de um artista. Dia 3: Fazer estudo de im�ens, 15 a 20 minutos .

Semana 2

Dia 1 : Ouvir música erudita por 1 hora. Dia 2 : Ouvir música erudita por 1 hora. Dia 3: Ler a bi�afia de um com_Q_ositor.

Repita a sequência. Nota: Você também pode escolher concentrar-se em Música durante o primeiro semestre e em Arte no segundo semestre, ou vice-versa.

320

ARTE E MÚSICA

Recursos

Selecione alguns entre estes livros e fitas para familiarizar seus filhos com uma ampla variedade de habilidades e estilos em Arte e Música. A maioria destes títulos (e algumas das fitas ou CDs) estará disponível na biblioteca ou livraria mais próximas. Apreciação Artística Dover Art Postcards. New York: Dover. Faça seu pedido ao Rainbow Resource Center. Estes conj untos de cartões postais de Arte (24 cada conjunto) proveem uma maneira simples de estudar pinturas. De $ 5 . 9 5 a $6.95 cada conj unto.

Berthe Morisot Dalí Degas Ballet Dancers [Bailarinas de Degas] ( formato de álbum de cartões postais por $ 1 . 9 9 )

Leonardo da Vinci Manet Paintings Masterpiec.es of Flower Painting [Obras primas da pintura floral] Monet Picasso Pre-Raphaelite Paintings [Pinturas pré-Raphaelitas] Renoir Van Gogh Vermeer Winslow Homer Martin, Mary e Steven Zorn. Start Exploring Masterpieces: A Fact-Filled Coloring Book. Philadelphia: Running Press, 20 1 1 . $ 1 1 . 9 5 . Sessenta pinturas famosas para colorir, acompanhadas pelas histórias de cada uma. Venezia , Mike. Getting to Know the World's Greatest Artists . Chicago: Children's Press. $ 6 . 9 5 cada. Faça seu pedido ao Rainbow Resource Center ou procure na biblioteca. Estes livros infantis curtos, de 32 páginas, oferecem uma divertida introdução a alguns dos mais 321

A MENTE BEM TREINADA

importantes artistas da Renascença bem como muitas excelentes repro­ duções de pinturas. O texto foi redigido no nível de leitura da terceira à quarta grades. Botticelli. 1 994.

Bruegel. 1 9 94. Mary Cassatt. 1 994. Paul Cézanne. 1 9 9 8 . Dalí. 1 994. Da Vinci. 1 994. Gauguin. 1 994. Francisco Goya. 1 994. Edward Hopper. 1 994. Paul Klee. 1 994. Henri Matisse. 1 997. Michelangelo. 1 9 9 1 . Monet. 1 994. O 'Keeffe. 1 994. Picasso. 1 994. Pollock. 1 994. Rembrandt. 1 994. Renoir. 1 9 96. Diego Rivera. 1 99 5 . Toulouse-Lautrec. 1 9 9 5 . Van Gogh. 1 9 94. Grant Wood. 1 996. Wolf, Aline D. How to Use Child-size Masterpieces. Hollidaysburg, PA: Parent Child Press, 1 99 6 . $ 1 2 . 0 0 . Faça seu pedido à Parent Child Press ou ao Rainbow Resource Center. Este método Montessoriano de apreciação artística para crianças com idades entre três e nove anos co­ meça com simples exercícios de " encontrar o par" e evolui para outros mais complicados. O manual de instruções informa ao pai educador como usar as reproduções de obras de arte em formato de cartão postal listadas abaixo: as crianças são estimuladas a combinar, formar pares e agrupar as pinturas; a aprender os nomes dos artistas e de suas obras; a aprender sobre as Escolas de Arte; e, finalmente, a posicionar as pinturas numa linha do tempo. 322

ARTE E MÚSICA

Child-size Masterpieces. $ 1 6 cada. Cada unidade dos livros abaixo inclui reproduções de pinturas em formato de cartão-postal para destacar e usar para o estudo de imagens, tal como descrito no manual que apre­ sentamos acima. Use estes três livros para combinar e agrupar pinturas e artistas:

Child-size Masterpieces: Levei 1 - Easy Levei Child-size Masterpieces: Levei 2 - Intermediate Levei Child-size Masterpieces: Levei 3 - Advanced Levei Use os próximos três livros para aprender os nomes de pinturas e artistas:

Child-size Masterpieces: Step 4 Learning the Names of the Artists. Child-size Masterpieces: Step 5 - Learning About Famous Paintings. Child-size Masterpieces: Step 6 & 7 Modern Schools of Art. -

-

H a b i l i d a d es a rtísticas Artistic Pursuits . The Curriculum for Creativity, rev. e d . Arvada, C O : Artistic Pursuits, 200 8 . Faça seu pedido à Artistic Pursuits. O s livros custam $47. 95 cada.

Grades K-3 Book One: An Introduction to the Visual Arts. Grades K-3 Book Two: Stories of Artists and Their Art Grades. Grades K-3 Book Three: Modern Painting and Sculpture. Elementary 4-5 Book One: The Elements of Art and Composition. Suprimentos artísticos podem ser adquiridos em qualquer um dentre várias empresas fornecedores de material para Arte (links e listas de ma­ teriais para cada livro estão disponíveis no website da Artistic Pursuits website ) ou em um kit pré-montado. Supply Kit Grades K-3 Kit 1. $76. Supply Kit Grades K-3 Kit 2. $92. Supply Kit Grades K-3 Kit 3. $ 8 1 . Supply Kit Grades 4-5 Kit 1 . $45 . Press, Judy, a n d Loretta Trezzo Braren. The Little Hands Arte Book: Exploring Arts and Crafts with 2-to 6- Year- Olds. Charlotte, Vt. : Williamson Publishing, 200 8 . $ 1 2 . 9 9 . Desenvolvido para crianças pequenas, esta obra contém proj etos de Arte ( usando cola, tinta, papel, pastéis e marcadores ) e artesanato ( usando pregadores de roupas, pi323

A MENTE BEM TREINADA

colés, sacolas de papel, etc. ) que são simples de fazer (e usam objetos domésticos comuns ) . Usworth, Jean. Drawing Is Basic. Parsippany, N.J. : Dale Seymour Publications, 2000. $2 1 .47 cada. Faça seu pedido ao Rainbow Resour­ ce Center. Para os pais ocupados que querem ensinar Arte mas não conseguem encontrar tempo para isso, estes livros oferecem " pausas para desenho " com duração de quinze minutos para que você oriente o seu filho; cada uma dessas pausas ensina habilidades introdutórias e se tornam um pouco mais exigentes a cada ano.

Drawing Is Basic: Drawing Is Basic: Drawing Is Basic: Drawing Is Basic:

Grade 1 . Grade 2 . Grade 3 . Grade 4 .

Apreciação mu sica l Beethoven 's Wig. Cambrige, Mass . : Rounder Records. $ 1 1 .99. Um dos favoritos da família Bauer, esta coleção acrescenta letras (tolas ) à grande Música, criando familiaridade e revelando a estrutura subj acente das sinfonias e de outras formas musicais. Sing-Along Symphonies. 2002. Vol. 2: More Sing-A long Symphonies. 2004 . Vol. 3 : Many More Sing-Along Symphonies. 2006. Vol. 4: Dance-Along Symphonies. 2008 ( $ 1 4 . 9 8 ) . Brownell, David. A Coloring B ook o f Great Composers: Bach to Berlioz. Santa Barbara, Calif. : Bellerophon. $4.95 . Faça seu pedido à Bellerophon. Retratos para colorir acompanhados de esboços biográficos de quinze compositores.

Vol. One: Bach to Berlioz. Vol. Two: Chopin to Tchaikovsky. Vol. Three: Mahler to Stravinsky. American Composers. Classical Composers Collections: 50 Best of series. Chicago: GIA Publications, Inc. Um conj unto de " maiores sucessos " e trechos mais conhecidos, esta coleção abrange 9 mestres da música erudita mais 324

ARTE E MÚSICA

recente. Os preços variam entre $7.99 e $ 1 0 . 9 9 no iTunes; cada álbum tem uma média de quatro a cinco horas de música.

50 50 50 50 50 50 50 50 50 50 50

Best of Bach. Best of Brahms. Best of Grieg and Dvorak. Best of Haydn. Best of Liszt, Strauss, and Mendelssohn. Best of Prokofiev. Best of Rachmaninov. Best of Ravel and Schubert. Best of Rimsky-Korsakov, Borodin, Mussorgsky. Best of Smetana, Bizet, Orff. Best of Vivaldi.

Hammond, Susan, producer. Classical Kids series. Toronto: Chil­ dren's Group. $ 1 6 . 9 8 . Faça seu pedido a qualquer loj a de música, ao Rainbow Resource Center ou pegue emprestado na biblioteca. Estes CDs combinam Música com História e narração dramática para familiari­ zar as crianças com os grandes compositores e suas obras . Altamente recomendável.

Beethoven Lives Upstairs. 2000. Um menino aprende sobre a vida de Beethoven através de cartas a seu tio.

Hallelujah Handel. 2000. O compositor se vê envolvido em um plano ( fictício) para aj udar um menino órfão que sabe cantar, mas não sabe falar.

Mozart's Magic Fantasy: A ]ourney Through "The Magic Flute." 2000. Uma menina é magicamente transportada à história de A Flauta Mágica. Mr. Bach Comes to Call. 1 99 9 . Uma criança de oito anos que está praticando o Minueto em Sol Maior é surpreendida pela aparição de Bach em sua sala de estar. Inclui mais de vinte trechos de obras de Bach.

Tchaikovsky Discovers America. 2000. O compositor chega a Nova York em 1 8 9 1 para a inauguração do Carnegie Hall.

Vivaldi's Ring of Mystery. 1 994. Uma violinista órfã tenta descobrir mais informações sobre sua família na Veneza do tempo de Vivaldi . Inclui mais de vinte obras de Vivaldi. 325

A MENTE BEM TREINADA

Rise of the Masters: 1 00 Supreme Classical Masterpieces series. Stockholm, Sweden: XS Music Group. Preços variam entre $4 . 9 9 e $ 7 . 9 9 no iTunes, cada uma destas coleções do editor exclusivo de músicas digitais X5 Music Group con­ tém cem peças ou trechos (somando até doze horas de música) de cada compositor. A reprodução de trechos é uma boa forma de fazer crianças pequenas serem " fisgadas " pela música erudita; elas são, normalmente, as mais melodiosas e atraentes partes de obras mais longas e complicadas.

Beethoven Chopin Debussy Grieg Handel Mozart Schubert Schumann Tchaikovsky Tomb, Eric. Early Composers Coloring Book. Illus. Nancy Conkle. Santa Barbara, Calif. : Bellerophon, 1 9 8 8 . $ 3 . 9 5 . De Palestrina a Corelli, com uma nota biográfica e um retrato ( para colorir) de cada um.

H a b i l i d a d es em M ú s i ca John Thompson's Modern Course for the Piano. Embora você deva procurar um professor experiente o mais cedo possível, você pode usar o curso de piano de John Thompson como introdução para iniciantes ao piano; os livros não presumem que você tenha qualquer tipo de conhecimento prévio. Faça seu pedido à J. W. Pepper ou a uma loj a de música em sua cidade.

Teaching Little Fingers to Play: A Book for the Earliest Beginner. $9.99.

First grade: Book/CD. $ 1 0. 9 9 . Popular Piano Solos, first grade: Book/CD. $ 1 0 . 9 9 . The Violin Book Series. Clearwater, Fla. : Ebaru Publishing. Faça seu pedido à Ebaru Publishing. Eden Vaning, violinista con­ certista e professora de violino, desenvolveu esta série de livros de au326

ARTE E MÚSICA

toaprendizagem para pais e estudantes. Do mesmo modo que o curso Thompson mencionado anteriormente, provê uma introdução barata às habilidades no instrumento. Em nossa opinião, você deverá procurar um professor já no segundo ano, mas a série Ebaru oferece uma boa formação básica . Susan ( que não sabia nada sobre violino) iniciou um de seus filhos nesta série; quando ele começou a instrução formal, no ano seguinte, seu professor elogiou os fundamentos obtidos com o mé­ todo Ebaru (ele prosseguiu por mais quatro anos na orquestra j ovem do ensino médio e se tornou graduado em Música na faculdade) . Saiba mais (e adquira tanto livros quanto violinos de preço razoável para estudo ) em seu website, www.theviolinbook.com. O s níveis iniciais estão listados abaixo.

The Violin Book Book O: Let's Get Ready for Violin/Practice and Performance CD. $43 . 9 6 .

B o o k 1 : Beginning Basics/Practice and Performance CD . $43 . 9 6 . B o o k 2: The Left Hand/Practice and Performance CD. $20 . 9 5 . Student violins (violinos para estudantes - vej a o website ) .

327

PA RT E 1 - E píl og o - Ta b e l a s, C ro n og ra m a s, P l a n i l h a s, etc.

O Está g i o G ra m at i ca l e m u m a o l h a d a

E

stas linhas-mestras sobre quanto tempo você deve investir em cada assunto são bastante genéricas; os pais devem sentir-se livres para ajustar seus cronogramas à maturidade e à habilidade de seu filho. Jardim de Infância ( Quatro e cinco anos de idade)

Leitura

Gaste algum tempo todos os dias lendo em voz alta, por tanto tempo quanto você puder. Ensine a Fonética básica para uma leitura fluente . Comece com 10 minutos, gradualmente aumentando a carga até chegar a 30 minutos. Pratique a leitura de livros fáceis.

Escrita

Prática da escrita . Aumente a carga até chegar a 10 minutos por dia. Cópia de frases curtas a p artir de um modelo .

Matemática

Aprender a contar de 1 até 1 00 . Use obj etos concretos para que a criança entenda o que significam os números de 1 a 1 00 . Adquirir a capacidade de escrever os números de 1 a 1 00 . Praticar a contagem " salteada " , de 2 em 2, de 5 em 5 e de 10 em 1 0 . Ensine a Matemática durante suas atividades cotidianas. Caso você use um programa de Matemática para o jardim de infância, reserve para ele não mais do que 30 minutos de estudos por dia.

Aprendizagem Geral

Exercite a coordenação motora fina (colorir, recortar e colar, adesivos, etc . ) por 10 a 15 minutos por dia. Agende diariamente um horário para brincadeiras ativas . Primeira Grade

Leitura

15 a 20 minutos diários de exercícios fonéticos. 30 minutos de leitura ( desenvolvimento de habilidades ) , 3 vezes por semana; uma leitura instrucional, uma leitura "no nível" e uma " abaixo do nível " .

Literatura

20 a 30 minutos, 3 dias por semana, concentrando-se em mitos e lendas da Antiguidade; preparação de páginas de caderno ( narrações) uma ou duas vezes por semana; memorização de um poema a cada 3 a 6 semanas .

Ortografia

10 a 15 minutos diários, 3 a 4 dias por semana.

Gramática

10 a 15 minutos diários, 3 a 4 dias por semana.

331

A MENTE BEM TREINADA

Primeira Grade

Escrita

Caligrafia, 5 a 10 minutos por dia. Cópia de frases curtas , 2 a 3 dias por semana (pode ser completada com uma tarefa de História ou Ciênci a ) . Faça um total de três narrações por semana (pode ser completada com uma tarefa de Literatura, História ou Ciênci a ) .

Matemática

30 a 40 minutos por dia ( lição de Matemática e leitura de um livro de histórias matemáticas ) ; experimente incluir um proj eto de " Matemática da Vida Rea l " por semana.

História

Estude a Antiguidade ( 5 0 00 a . C.-400 d.C. ) . Leia biografias e livros com histórias fáceis para a criança; peça que a criança diga para você o que acabou de ler; crie uma página de narração a cada semana para o caderno de História. Faça isto pelo menos 90 minutos por semana, divididos em duas ou três sessões.

Ciência

Gaste pelo menos 2 horas por semana, em um ou dois dias, lendo livros de Ciência, desenvolvendo atividades ou proj etos de Ciência, ou perguntando e respondendo a questões científicas. Escreva pelo menos um dos seguintes, a partir da narração da criança: uma página de narração do livro de Ciência, uma breve descrição do proj eto ou atividade ou uma pergunta e sua resposta.

Religião

Aprenda sobre as religiões do mundo através do estudo da História; aprenda os conceitos básicos da fé de sua família por 10 a 15 minutos diários, como parte de seu " tempo em família " .

Arte & Música OPCIONAL: Invista de 1 a 2 horas semanais desenvolvendo projetos de Arte, lendo biografias de compositores ou artistas, ou ouvindo a Música. Segunda Grade

Leitura

2 0 a 25 minutos diários de exercícios fonéticos até completar o programa. 30 minutos de leitura (desenvolvimento de habilidades ) , 3 vezes por semana; u m a leitura instrucional, u m a leitura " no nível" e uma " a baixo do nível " .

Literatura

30 minutos, 3 dias por semana, concentrando-se em histórias da Idade Média; preparação de páginas de caderno ( narrações) uma ou duas vezes por semana; memorização de um poema a cada 3 a 6 semanas.

Ortografia

20 minutos diários, 3 a 4 dias por semana.

Gramática

20 minutos diários, 3 a 4 dias por semana .

Escrita

Caligrafia, 1 0 minutos por dia, introduzindo a escrita cursiva a partir da metade do ano. Exercícios curtos de ditado 2 ou 3 vezes por semana (pode ser completada com uma tarefa de História ou Ciência ) . Faça um total de três narrações por semana (pode ser completada com uma tarefa de Literatura, História ou Ciência ) .

Matemática

40 a 60 minutos por dia ( l ição de Matemática e leitura de um livro de histórias matemáticas ) ; experimente incluir um projeto de "Matemática da Vida Real " por semana.

332

EPÍLOGO

Segunda Grade

História

Estude a Idade Média/início da Renascença (400 - 1 6 0 0 ) . Leia biografias e livros com histórias fáceis para a criança; peça que a criança diga para você o que acabou de ler; crie pelo menos uma página de narração a cada semana para o caderno de História. Faça isto pelo menos 120 minutos por semana, divididos em duas ou três sessões.

Ciência

Gaste pelo menos 2 horas por semana, em um ou dois dias, lendo livros de Ciência, desenvolvendo atividades ou projetos de Ciência, ou perguntando e respondendo a questões científicas. Escreva pelo menos um dos seguintes, a partir da narração da criança: uma página de narração sobre o livro de Ciência, uma breve descrição do projeto ou atividade ou uma pergunta e sua re�osta .

Religião

Aprenda sobre as religiões do mundo através do estudo da História; aprenda os conceitos básicos da fé de sua família por 10 a 15 minutos diários, como parte de seu " tem_IJ_o em família " .

Arte & Música OPCIONAL: Invista de 1 a 2 horas semanais desenvolvendo projetos de Arte, lendo biografias de compositores ou artistas, ou ouvindo a Música. Comece a ensinar um instrumento musical, caso desej ado. Terceira Grade

Leitura

20 a 25 minutos diários de exercícios fonéticos até completar o programa . 30 minutos de leitura (desenvolvimento de habilidades), 3 vezes por semana: uma leitura instrucional, uma leitura "no nível " e uma " a baixo do nível " .

Literatura

30 a 45 minutos, 3 dias por semana, concentrando-se na Literatura da Renascença Tardia e do início do período Moderno; preparação de páginas de caderno ( narrações) uma ou duas vezes por semana; memorização de um poema a cada 3 a 6 semanas.

Ortografia

20 minutos diários, 3 a 4 dias por semana.

Gramática

20 a 30 minutos diários, 3 a 4 dias por semana.

Escrita

Caligrafia, 1 0 a 1 5 minutos por dia. Exercícios de ditado 3 vezes por semana (pode ser completada com uma tarefa de História ou Ciência ) . Faça um total d e três narrações por semana (pode ser completada com uma tarefa de Literatura, História ou Ciênci a ) .

Matemática

40 a 60 minutos por dia ( lição de Matemática e leitura de um livro de histórias matemáticas); experimente incluir um projeto de " Matemática da Vida Real " por semana.

História

Estude o período que vai da Renascença tardia ao início do período Moderno ( 1 600-1 8 5 0 ) . Leia livros de História para a criança; passe à criança tarefas de leitura de biografias e histórias fáceis; crie pelo 1!1-enos uma página de narração a cada semana para o caderno de História. Faça isto pelo menos 1 8 0 minutos por semana, divididos em duas ou três sessões.

333

A MENTE BEM TREINADA

Terceira Grade

Ciência

Gaste pelo menos 3 horas por semana, em dois ou três dias a cada semana, lendo livros de Ciência, desenvolvendo atividades ou projetos de Ciência, ou perguntando e respondendo a questões científicas. Ajude a criança a escrever pelo menos um dos seguintes: uma página de narração sobre o livro de Ciência, uma breve descrição do projeto ou atividade ou uma pergunta e sua resposta .

L a t i m/Lí n g u a OPCIONAL: Invista 3 0 minutos por d i a no estudo do vocabulário Estrangeira básico e da Gramática. Religião Aprenda sobre as religiões do mundo através do estudo da História; aprenda os conceitos básicos da fé de sua família por 10 a 15 minutos diários, como parte de seu " tempo em família " . Arte & Música OPCIONAL: Invista de 2 a 3 horas semanais desenvolvendo projetos de Arte, lendo biografias de compositores ou artistas, ou ouvindo a Música . Comece ou continue a ensinar um instrumento musical, caso desej ado. Quarta Grade

Leitura

30 minutos de leitura ( desenvolvimento de habilidades ) , 3 vezes por semana: uma leitura instrucional, uma leitura " no nível" e uma " a baixo do nível " .

Literatura

30 a 45 minutos, 3 dias por semana, concentrando-se na Literatura do período Moderno; preparação de páginas de caderno ( narrações ) u m a ou d u a s vezes p o r semana; memorização de um poema a cada 3 a 6 semanas.

Ortografia

20 minutos diários, 3 a 4 dias por semana.

Gramática

30 minutos diários, 3 a 4 dias por semana.

Escrita

Caligrafia, 15 minutos por dia. O estudante deve escrever suas próprias narrações 3 vezes por semana ( pode ser completada com uma tarefa de História ou Ciência ) . OPCIONAL: acrescente prática de construção de frases e parágrafos caso o estudante j á estej a escrevendo com facilidade.

Matemática

40 a 60 minutos por dia (lição de Matemática e leitura de um livro de histórias matemáticas ) ; experimente incluir um proj eto de " Matemática da Vida Rea l " por semana.

História

Estude o período Moderno ( 1 850 ao presente ) . Leia livros de História para a criança; passe à criança tarefas de leitura de biografias e histórias fáceis; crie pelo menos uma página de narração a cada semana para o caderno de História . A criança já deverá encontrar-se apta a redigir a maior parte das tarefas por conta própria. Faça isto pelo menos 1 8 0 minutos por semana, divididos em duas ou três sessões.

334

EPÍLOGO

Quarta Grade Ciência

Gaste pelo menos 3 horas por semana, em dois ou três dias a cada semana, lendo livros de Ciência, desenvolvendo atividades ou projetos de Ciência, ou perguntando e respondendo a questões científicas. Peça à criança que escreva pelo menos um dos seguintes: uma página de narração sobre o livro de Ciência, uma breve descrição do projeto ou atividade ou uma pergunta e sua resposta.

L a t i m / L í n g u a OPCIONAL: Invista 3 0 minutos p o r d i a no estudo do vocabulário Estrangeira básico e da Gramática. Religião

Aprenda sobre as religiões do mundo através do estudo da História; aprenda os conceitos básicos da fé de sua família por 10 a 15 minutos diários, como parte de seu " tempo em família " .

Arte & Música OPCIONAL: Invista de 2 a 3 horas semanais desenvolvendo proj etos de Arte, lendo biografias de compositores ou artistas, ou ouvindo a Música. Comece ou continue a ensinar um instrumento musical, caso desej ado.

Res u m o d o s cad e rnos - G rad es 1 a 4 Literatura. Use o mesmo caderno para as grades 1 a 4 ou comece uma nova pasta-fichário a cada ano. Este caderno conterá duas seções:

1. Meus Livros. Use para os resumos ou ilustrações de livros das listas de Literatura do capítulo 5 . 2 . Exercícios de Memorização. Todos o s textos decorados e reci­ tados em frente à família ou amigos. Escrita. Use para arquivar exercícios de cópia, ditados, exercícios de narração não arquivados nos cadernos de Literatura, História ou Ciência. Opcional: histórias criadas pelo próprio estudante, caso ele aprecie a escrita criativa. História. Se possível, use o mesmo caderno para as grades 1 a 4 . Este caderno contém quatro divisões; cada uma contém ilustrações,

redações e narrações sobre História, e fotografias de projetos, tudo or­ ganizado em ordem cronológica. Inclua também no caderno cópias de listas memorizadas, discursos, etc, para revisão periódica.

1. Antiguidade 2. Idade Média - início da Renascença 3. Renascença tardia - início do período moderno 4. Período Moderno

335

A MENTE BEM TREINADA

Ciência ( use um novo caderno a cada ano ) . Os cadernos destinados a o estudo d a Ciência d a Vida, Astronomia

e Ciências da Terra devem ter três divisões. 1 . Narrações. Para narrações dos livros de Ciência. 2. Páginas de projetos. Descrições em duas ou três frases para a primeira e a segunda grades, respostas para todas as quatro perguntas da Página de Proj etos para a terceira e quarta grades. 3. Respostas a perguntas. Use o formulário da página 264. Para Química e Física, acrescente mais uma seção:

4 . Definições. Todos os termos, brevemente definidos e, caso ne­ cessário, ilustrados.

Amostras de Lista s de Ve rificação Sema n a i s Nota: Estas listas têm apenas o obj etivo d e ilustrar o modo como suas semanas de aulas podem ser organizadas. Faça aj ustes e modificações ou, ainda, faça suas próprias listas de verificação. Caso algumas áreas curriculares pareçam desafiadoras e exij am tempo adicional, elimine estudos opcionais até que as habilidades principais tenham sido do­ minadas pelo estudante. Fique alerta para sinais de exaustão e inclua bastante pausas ! Primeira grade (média de 1 5 0 a 2 1 0 minutos de atividades por dia)

Nota: Tarefas de Escrita podem ser completadas como parte do estudo de História, Ciência e Literatura. Também podem ser programadas como um curso em separado (confira a segunda grade ) . Segunda-feira Fonética (20 minutos) Literatura (20 minutos )

__

__

Leitura "no nível" ( 3 0 minutos ) Caligrafia ( 5 minutos ) Gramática ( 1 0 minutos) Matemática ( 3 0-40 minutos)

__

__

__

__

História (40-45 minutos) _ (Inclui cópias de 1 frase)

336

EPÍLOGO

Terça-feira

Fonética (20 minutos)

__

Ouvir música e colorir ( 3 0 minutos ) Ortografia ( 1 5 minutos ) Gramática ( 1 0 minutos )

__

__

__

Caligrafia ( 5 minutos )

__

Matemática ( 3 0-40 minut os ) Ciência ( Inclui 1 narração ) ( 1 hora ) __

__

Quarta-feira

Fonética ( 1 5 minutos ) Projeto de Arte/Desenho ( 3 0 a 40 minutos) Leitura em nível instrucional ( 3 0 minutos ) Literatura ( inclui cópia de 1 frase) (25 minutos ) Matemática ( 3 0-40 minutos ) História ( inclui uma narração ) (40-45 minutos ) __

__

__

__

__

__

Quinta-feira

Fonética (20 minutos ) Matemática ( 3 0-40 minutos ) Ortografia ( 1 5 minutos) __

__

__

Ciência ( inclui cópia de 1 frase ) ( 1 hora ) Gramática ( 1 0 minutos ) Caligrafia ( 1 O minutos )

__

__

__

Sexta-feira

Fonética (20 minutos ) Literatura (inclui 1 narração ) (25 minutos) __

__

Leitura abaixo do nível ( inclui 1 narração) ( 3 0 minutos ) Matemática ( 3 0-40 minutos) Ortografia ( 1 5 minutos )

__

__

__

Caligrafia ( 5 minutes )

__

Gramática ( 1 0 minutos )

__

Segunda Grade (média de 2 1 0 a 240 minutos de atividades por dia; faça ajustes de acordo com o nível de maturidade de seu estudante! ) . 337

A MENTE BEM TREINADA

Nota: Tarefas de Escrita são feitas como um curso à parte, de modo que um pouco menos de tempo foi destinado para História, Ci­ ência e Literatura. Eles também podem ser completados como parte de períodos mais longos de estudo de História, Ciência e Literatura (vej a a Primeira Grade) . Segunda-feira

Fonética (25 minutos ) Literatura (25 minutos) Leitura "no nível " ( 3 0 minutos ) Caligrafia ( 1 0 minutos ) Gramática (20 minutos ) Matemática (45 minutos) História (40 minutos) Escrita ( ditado, 1 5 minutos ) __

__

__

__

__

__

__

__

Terça-feira

Fonética (25 minutos ) Ouvir música e colorir ( 3 0 minutos ) __

Ortografia (20 minutos) Caligrafia ( 1 0 minutos ) Escrita (narração, 25 minutos ) Matemática (45 minutos ) Ciência ( 1 hora) Gramática (20 minutos )

__

__

__

__

__

__

__

Quarta-feira Fonética (20 minutos) Matemática (45 minutos ) Leitura em nível instrucional ( 3 0 minutos ) Literatura (25 minutos) Escrita ( ditado, 1 5 minutos) Proj eto de Arte ou Desenho (45 minutos) __

__

__

__

__

__

Quinta-feira Fonética (25 minutos) Caligrafia ( 1 0 minutos )

__

__

338

EPÍLOGO

Ortografia (25 minutos ) Matemática (45 minutos ) Gramática (20 minutos) Ciência ( 1 hora ) Escrita ( narração, 25 minutos ) Latim ( 3 0 minutos ) __

__

__

__

__

__

Sexta-feira Fonética (25 minutos) Literatura (25 minutos ) Leitura " abaixo do nível " ( 3 0 minutos) Latim ( 3 0 minutos ) Ortografia (25 minutos ) Matemática (45 minutos) Escrita ( ditado, 1 5 minutos ) Gramática ( 1 0 minutos) Caligrafia ( 1 0 minutos) Escrita ( narração, 25 minutos ) __

__

__

__

__

__

__

__

__

__

Terceira Grade ( média de 2 1 0 a 240 minutos de atividades por dia; faça ajustes de acordo com nível de maturidade de seu estudante! ) . Nota: Tarefas d e Escrita são completadas como parte d o estudo de

História, Ciência e Literatura (veja a Primeira Grade) . Eles também podem ser programados como um curso em separado (vej a a Segunda Grade) . Segunda-feira Fonética (20 minutos) Literatura ( inclui exercício de ditado) ( 3 0 minutos) __

Leitura " no nível" ( 3 0 minutos ) Matemática (45 minutos) História (inclui exercício de narração ) ( 6 0 minutos) Caligrafia ( 1 5 minutos ) Latim ( 3 0 minutos)

__

__

__

__

__

Terça-feira

Fonética (20 minutos ) Caligrafia ( 1 5 minutos)

__

__

339

__

A MENTE BEM TREINADA

Ortografia (20 minutos) Matemática (45 minutos) Gramática ( 1 0 minutos) Ciência ( inclui uma narração) ( 9 0 minutos) Ouvir música e colorir ( 3 0 minutos ) Latim ( 3 0 minutos) __

__

__

__

__

__

Quarta-feira Gramática ( 3 0 minutos)

__

Literatura ( inclui exercícios de narração) ( 3 0 minutos ) Leitura em nível instrucional ( 3 0 minutos ) Matemática (45 minutos) História ( inclui exercícios de ditado) ( 6 0 minutos ) Proj eto de Arte/Desenho ( 3 0-40 minutos) Latim ( 3 0 minutos)

__

__

__

__

__

__

Quinta-feira

Fonética ( 20 minutos ) Caligrafia ( 1 5 minutos ) Ortografia (20 minutos ) Matemática (45 minutos ) Gramática ( 1 0 minutos ) Ciência ( 9 0 minutos ) Latim ( 3 0 minutos)

__

__

__

__

__

__

__

Sexta-feira Leitura " a baixo do nível " ( 3 0 minutos )

__

Literatura (40 minutos ) Matemática (45 minutos) Ortografia (20 minutos ) História ( inclui exercícios de ditado ) ( 6 0 minutos) __

__

__

Caligrafia ( 1 5 minutos ) Latim ( 3 0 minutos )

__

__

__

Quarta Grade (média de 2 1 0 a 240 minutos de atividades por dia; faça ajustes de acordo com nível de maturidade de seu estudante! ) . 340

EPÍLOGO Nota: Este estudante começou um curso de redação de frases/ parágrafos. Outros estudantes poderão ainda se encontrar na fase de narrações e ditados (vej a a segunda ou terceira grades ) . Segunda-feira

Literatura (45 minutos ) História ( inclui breve resumo escrito) ( 6 0 minutos) Leitura " no nível " ( 3 0 minutos ) Matemática (45 minutos) Caligrafia ( 1 5 minutos) Latim (30 minutos ) __

__

__

__

__

Terça-feira

Caligrafia ( 1 5 minutos) Curso de Redação (25 minutos ) Gramática ( 1 0 minutos ) Matemática (45 minutos ) Ouvir música e colorir ( 3 0 minutos ) Ciência ( 9 0 minutos ) Latim ( 3 0 minutos ) __

__

__

__

__

__

__

Quarta-feira

Gramática ( 3 0 minutos) Literatura ( inclui breve resumo por escrito ) ( 3 0 minutos) Leitura em nível instrucional ( 3 0 minutos ) Matemática (45 minutos ) História ( 6 0 minutos ) __

__

__

__

Latim ( 3 0 minutos) Projeto de Arte/Desenho ( 3 0-40 minutos ) __

Quinta-feira

Curso de Redação (25 minutos ) Latim ( 3 0 minutos ) Caligrafia (25 � inutos) Ortografia (20 minutos ) Matemática (45 minutos) __

__

__

__

341

__

__

__

A MENTE BEM TREINADA

Gramática ( 3 0 minutos ) Ciência ( 9 0 minutos)

__

__

Sexta-feira Leitura " a baixo do nível" ( 3 0 minutos ) Latim ( 3 0 minutos ) Literatura (45 minutos ) Ortografia (20 minutos ) Matemática (45 minutos ) Gramática ( 3 0 minutos ) História (inclui redação de breve resumo ) ( 6 0 minutos ) __

__

__

__

__

__

__

Fo l ha d e p l a n ejamento d e cu rríc u l o Use esta planilha para começar a planej ar cada ano de estudo. Faça download de uma versão em formato PDF desta planilha em welltrai­

nedmind. com. Habilidades de Leitura Abordagem de Cartilha

Ordinary Parents' Cuide Outro

___

Phonics Pathways

___

___

Abordagem 0-G

Ali About Reading

Outro Opções de livros para ter em mãos ao iniciar o ano de estudos: ___

Poemas a memorizar neste ano:

342

EPÍLOGO Ortografia

Spelling Workout Sequential Spelling

Ali About Spelling Outro

___

___

__

___

Gramática

First Language Lessons English for the Thoughtful Chi/d (Somente grades 1 & 2 ) Rod & Staff ( Somente grades 3 & 4 } Hake Grammar ( S omente grades 4 ou 3 & 4 ) Outro Voyages in English ( Somente grades 3 & 4 ) ___

__

__

___

__ _

Caligrafia

Handwriting Without Tears

__

Zaner-Bloser

__

Outro

__

Escrita

Writing with Ease

___

Cópia, ditado e narração ao longo do currículo Introdução à Redação ( Somente para a grade 4 ou para aluno avançado da terceira grade ) Redação de Frases ( Somente para a grade 4 ) Escrita e Retórica 1 : Fábula ( Somente para a grade 4 ) ___

___

___

___

Writing Strands

Outro

___

Matemática Abordagem conceituai

Math Mammoth Right Start Singapore

Math- U-See 1 00%

__ _

___

Outro

___

___

Abordagem Procedural

Right Start

Saxon

___

Outro

___

Suplementos Conceituais (para Cursos Procedurais )

Khan Academy Outro

MEP

___

343

Miquon

___

A MENTE BEM TREINADA

Suplementos Procedurais (para Cursos Conceituais )

Audio Memory Montessori Flash Cards Timed Math Flash Cards Times Tales Learning Wrap- Ups

Developmenta/Mathematics

___

___

___

---

Outro Opções de livros de histórias matemáticas para ter à mão no início do ano : __ _

___

História Abordagem de "Espinha Dorsal" Narrativa

Story of the World

Outro

Little History

__ _

Abordagem de " Espinha Dorsal " Enciclopédica

Usborne I-L Encyclopedia History Year by Year Kingfisher History Encyclopedia

___

___

Outro Estimativa de capítulos/páginas a cobrir por semestre: Estimativa de capítulos/páginas a cobrir por semana: Opções de livros para ter à mão no início do ano:

___

__ _

___

Geografia

Black-line Maps Geography Songs Kit The Geography Book ( somente grades 3 & 4 ) MP Geography ( somente grades 3 & 4 ) ]anice VanCleave's Geography ( somente grades 3 & 4 ) __ _

___

___

Outros

___

344

___

EPÍLOGO

Literatura Opções de livros para ter à mão no início do ano:

Ciência

Campos científicos a abordar neste ano e quantas semanas dedicar a cada um: Reino Animal / Reino das Plantas / Corpo humano / Ciência da Terra / Astronomia / Química / / Física Tecnologia / __

__

__

__

__

__

__

__

__

__

__

__

__

__

__

__

Ciências da Vida: Espinhas Dorsais e Currículos

DK First Animal Encyclopedia National Geographic Animal Encyclopedia Green Thumbs DK First Human Body Encyclopedia Human Body: Visual Encyclopedia Great Science Adventures E/ementai Biology Outro (s) R.E.A.L. Science, Life ___

___

___

___

___

___

Ciências da Terra: Espinhas Dorsais e Currículos

First Earth Encyclopedia Geography: A Visual Encyclopedia Exploring the Night Sky National Geographic Kids . . . . Space Glow-in-the-Dark Constellations E/ementai Earth Science & Astronomy __ _

___

__

___

___

345

___

___

A MENTE BEM TREINADA

Great Science Adventures R.E.A.L Science, Earth & Space

__ _

___

Outro(s)

__ _

Química: Espinhas Dorsais e Currículos

]anice VanCleave's Chemistry Kitchen Science Lab E/ementai Chemistry Great Science Adventures R.E.A . L. Science, Chemistry v Outros

___

__ _

__ _

__ _

Física: Espinhas Dorsais e Currículos

Starting with Science: Simple Machines Starting with Science: Solids, Etc. Physics Experiments for Children ]anice VanCleave's Physics Great Science Adventures E/ementai Physics Outros ___

___

___

___

___

___

Tecnologia: Espinhas Dorsais e Currículos

Great Science Adventures

The New Way Things Work Enciclopédias

D K First Science New Children 's

Kingfisher Science Outro

___

___

___

Línguas Estrangeiras (Somente grades 3 e 4 )

Latina Christiana Prima Latina Song School Latin Latin for Children Big Book of Lively Latin 1 Big Book of Lively Latin 2 Song School Spanish Spanish for Children La Clase Divertida Getting Started with Spanish Getting Started with French Outros First Start French

__ _

__ _

___

__ _

__ _

___

__ _

___

___

___

__ _

346

___

EPÍLOGO

Arte & Música ( opcional)

Apreciação Artística

Dover Art Postcards Start Exploring Masterpieces Child-Size Masterpieces Getting to Know the World's Greatest Artists __ _

___

___

___

Outro

___

Habilidades Artísticas

Artistic Pursuits Little Hands Art Book Drawing is Basic

__ _

___

___

Outro

_ __

Apreciação Musical

Coloring Book of Great Composers Beethoven's Wig Classical Kids Classical Composers Collections Rise of the Masters Outro Early Composers Coloring Book

__ _

___

___

___

Habilidades Musicais

John Thompson Outro

Violin Book

___

Lessons

___

___

Ling uag e m Total e Fonéti ca: "do todo à s partes" versu s "das partes ao todo" (u ma breve exp l i caçã o) O método fonético - isto é, o método de ensinar à criança os sons das letras e de suas combinações - é o melhor meio de ensinar a ler. O mé­ todo da " linguagem total " , amplamente disseminado nas salas de aula, é baseado em uma inovação da década de 1 93 0 - o chamado método " olhe-diga " . O s inventores d o método " olhe-diga " de ensino de leitura pensavam que ensinar à criança a ler através das combinações de sons (fonética ) exigia muito treinamento e memorização, resultando e m tédio. Será que esse passo desnecessário poderia ser eliminado ? Afinal, os bons leitores não emitem os sons individuais de uma palavra desde seu início até o fim: os bons leitores olham uma palavra e dizem-na inteira em um só fôlego. 347

A MENTE BEM TREINADA

As crianças deveriam aprender deste modo desde o início. Assim, um novo método de aprendizagem de leitura dominou o cenário: o método da "palavra total " ou "olhe-diga " . Em vez de aprender combinações de letras e a soá-las para formar palavras, as crianças eram ensinadas a dizer cada palavra separada e isoladamente. O ensino da "palavra total " , que se destinava a preservar a criança dos treinamentos maçantes, na verdade aumentou a quantidade de trei­ namento necessário. Também serviu para evitar que as crianças lessem qualquer coisa que contivesse palavras desconhecidas, o que foi o motivo pelo qual Theodore Geisel (Dr. Seuss ) levou quase um ano para escrever o livro infantil The Cat in the Hat: "Aquele maldito Cat in the Hat exigiu de mim nove meses de trabalho antes que eu ficasse satisfeito " , Geisel escreveu mais tarde: " Eu o redigi para uma editora de livros didáticos e eles me enviaram duzentos e trinta e três palavras para usar no livro. Eu li a lista três vezes e quase fiquei maluco " . As crianças que aprenderam aquela lista de palavras conseguiam ler The Cat in the Hat e praticamente nada além disso. Os pais não eram capazes de ensinar seus filhos a ler pelo método da "palavra total" 1• O método " olhe-diga " exigia professores especializados. Você não podia simplesmente começar a ensinar palavras à criança; você precisava ensiná-las em uma ordem específica, de tal modo que a criança pudesse ler suas lições. E você precisava reforçar essa memorização com um complexo sistema de treinamento e de jogos de palavras. O método " olhe-diga " é geralmente reconhecido por ter sido um desastre. É verdade que algumas crianças - aquelas cuj os subconscien­ tes possuíam um estoque bem grande de palavras e sons porque vieram de lares onde a palavra impressa era importante - eram capazes de se entender e assimilar o processo. Mas a maioria simplesmente desistia. A leitura pela "palavra total" poderia ter sofrido uma morte rápida e ignóbil não fosse pelos professores do método fonético, que estavam se 1

Nota das autoras: Este ânimo antiparenta! ainda tem voz em muitas salas de aula que adotam o estilo " linguagem total " , expressas em frases (descobertas por nós durante pesquisas) tais como " nenhum pai deveria ensinar o seu filho sem o co­ nhecimento do professor " , " provavelmente o pai não deveria ensinar a criança" e "a leitura de material instrucional não foi concebida para pais " . Caso você tenha ouvido um professor dizer que você não deveria ensinar o método fonético a seu filho, você terá sentido na pele esta hera nça .

348

EPÍLOGO

esforçando por transformar o seu método em uma Ciência. Em vez de aprender como pronunciar o alfabeto, as salas de aula de alfabetização pelo método fonético ensinavam as crianças a notação fonética e treina­ vam sons individuais durante meses antes que lhes permitissem a leitura de frases de verdade. Com o tempo, tanto a " fonética científica" quanto a "leitura olhe-diga " abriram caminho para a sala de aula de " linguagem total " , em que os estudantes - em vez de aprender a pronunciar palavras - são " imersos " em linguagem. Os professores leem histórias, apontam para palavras, conversam com as crianças e, via de regra, cercam-nas de palavras, tal como sugerimos que você faça durante os anos pré-escolares. Infelizmente, o analfabetismo ainda está nas alturas em estados onde domina o método da " linguagem total " . Há vários motivos para isto. Primeiro, muitos professores do método de " linguagem total " , embora insistam em dizer que seus métodos diferem do sistema "olhe-diga " , ainda usam treinos desse método. Eles leem textos repetidamente, apontando para cada palavra e estimulando as crianças a participar da atividade. As crianças, cedo ou tarde, acabam reconhecendo muitas das palavras apenas pela mera repetição. Isso, é claro, em nada contribui para ensiná-las como ler literatura de verdade, que sempre pode conter palavras que elas não viram na sala de aula. Segundo, a maioria dos professores do métod_o de " linguagem total" insiste em dizer que não confiam apenas no método " olhe-diga " ; eles também ensinam uma coisa que chamam de " fonética incidental " . Se, por exemplo, a criança viu repetidamente as palavras sorriso, soneca, soluço, sobrado e sofá, o professor finalmente dirá que o conj unto "so" faz o mesmo som todas as vezes. A fonética incidental ensina as conexões entre palavras e sons apenas quando as crianças tropeçam nelas durante a leitura de textos. Isto significa que uma criança que não encontre muitas palavras com " xc" poderá chegar à sexta grade sem entender que esse conjunto tem o som de " ss " . Este j ogo de adivinhação é rotulado de " desenvolvimento de cons­ ciência fonêmica " . Também é chamado "instrução fonética do todo às partes " , porque o estudante recebe o " todo " ( a palavra inteira) e só mais tarde ele aprende as partes (os sons das letras) que a compõem. De fato, é um avanço em relação ao método " olhe-diga " , que j amais permitia qual­ quer conexão entre as palavras e as letras de que são feitas. Mas o ensino 349

A MENTE BEM TREINADA

pela " linguagem total " ainda estimula as crianças a adivinhar. Elas veem uma combinação de letras que parece familiar, mas não aprenderam as letras que vêm depois. Por exemplo, elas veem uma palavra que começa com in- mas, em seguida, precisam usar o "contexto " para descobrir se a palavra é incidental, incidente, incinerador, incitar, e assim por diante. A menos que um professor estej a diante delas para aj udar, elas não têm ferramentas para ler o resto do mundo2• Mas, por que forçar a criança a adivinhar ? Por que não, simplesmente, colocá-las num programa fonético e oferecer-lhes as regras ? Um bom e sistemático programa fonético faz exatamente isso antes de mais nada, ele diz às crianças quais são as regras . Este método é chamado de " instrução das partes ao todo" porque ensina ao estudante as partes das palavras e, então, mostra como elas se encaixam. Um bom programa fonético consegue que a criança comece a ler livros o mais rapidamente possível. A maioria das crianças ensinadas pelo método fonético começa a ler livros ilustrados com facilidade após algumas se­ manas. Muitas já começam a ler livros com vários capítulos após apenas alguns meses de instrução3• Os professores do método de " linguagem total" querem saturar crianças com linguagem; a Educação Clássica também exige isso. Entre­ tanto, a filosofia da " linguagem total" colide com a da Educação Clássica. Os professores do método da " linguagem total " priorizam ao máximo o processo mental da criança, não a informação que está na página. Caso a criança estej a construindo algum significado enquanto lê, está bom o bastante para eles. Não faz diferença se esse significado corresponde ou não ao que está diante deles. A adivinhação (os professores da " linguagem total" preferem chamar a isto de "predição pelo contexto" ) é perfeitamente 2

3

Nota das autoras: O método da " linguagem total" é infame por ter sugerido que não faz diferença se a criança ler " incitar" ou " i ncidente " desde que a frase faça sentido para a criança . Nota das autoras: E, sim, a Língua Inglesa é um idioma fonético. Rudolph Flesch escreve: " Cerca de 1 3 por cento de todas as palavras inglesas são parcialmente irregulares em sua Ortografia. Os outros 87 por cento seguem regras fixas. Mas até mesmo esses 13 por cento não são 'afonéticas', como as chama Dr. Witty mas, normalmente, con.têm apenas uma vogal grafada irregularmente: 'clone' é pronun­ ciada como 'dun', 'one' como 'wun', 'are' como 'ar', e assim por diante " ( Rudolph Flesch, Why Johnny Can 't Read and What You Can D o about It [New York: Harper & Row, 1 9 8 5 ] , p. 1 3 ) .

350

EPÍLOGO

tolerada. Ken Goodman, professor de Educação na Universidade do Ari­ zona - um dos proponentes da " linguagem total" - diz que "precisão não é uma meta essencial da Leitura "4• Esta atitude é um dos aspectos mais preocupantes da " leitura pela linguagem total " . A Educação Clássica tenta equipar a criança para unir-se ao Grande Diálogo, para entender, analisar e argumentar com as ideias do passado. Aquelas ideias são importantes. Aquelas palavras são importantes. Aristóteles escolhia suas palavras cuidadosamente; o leitor deve se esforçar para entender as razões que o levaram a escolher cada uma delas, e não substituí-las por outras mais simples. Além disso, a " linguagem total " rejeita todo o treinamento e o tra­ balho repetitivo de memorização. É claro que podem acontecer exageros na memorização (e realmente acontecem em algumas salas de aula do método fonético) . Mas a meta da Educação Clássica é mostrar à criança como se formam as diversas disciplinas - Leitura, Redação, Ciência, História - a partir dos elementos mais básicos até sua estrutura final. O treinamento é importante porque equipa a mente da criança com as ferramentas mais básicas para o entendimento da linguagem. O ensino da Leitura através de uma abordagem pura de " linguagem total" é como treinar um construtor de casas mostrando-lhe uma mansão e explicando-lhe como construir aquelas partes que captam sua atenção - uma chaminé aqui, um pórtico de entrada ali - e, em seguida, deixar que ele descubra o resto por conta própria. A abordagem clássica primeiro explica as propriedades dos tijolos, da madeira, do concreto, do reboco e do aço; depois, ensina o aspirante a construtor a ler uma planta e, só então, começa a ensinar-lhe o processo de construção de casas. Um construtor que conheça seu ofício de alto a baixo pode consertar um vazamento ou um piso frágil em vez de limitar-se a observar desamparadamente o problema e perguntar-se o que, afinal, saiu errado. Nas grades iniciais, todo o ensino deve ser " das partes ao todo" , em vez " do todo às partes " . O ensino " das partes ao todo " oferece os fatos ao estudante - os blocos de construção - e, então, permite que ele os reúna em uma estrutura significativa. Já a instrução no estilo "do todo às partes " apresenta à criança a estrutura completa e, então, remove os 4

Art Levine, Education: The Great Debate Revisited, Atlantic Monthly, December 1 9 94, p. 4 1 .

351

A MENTE BEM TREINADA

pedacinhos e explica-os, um de cada vez, à medida que a criança vai se deparando com eles. O ensino "das partes ao todo " conta ao j ovem historiador as his­ tórias dos deuses e deusas da Roma Antiga e explica como os romanos usam auspícios e augúrios para predizer o futuro. O ensino " do todo às partes" conta à criança histórias sobre os costumes religiosos de Roma e pergunta " que deuses os Antigos Romanos adoravam ? Por quê ? Como se compara com a religião moderna de nosso país ? Como se compara à sua experiência com a religião ? A Ciência "das partes ao todo" informa o entomologista iniciante que os insetos têm cinco tipos diferentes de pernas e pés (pernas nadadeiras, pernas escavadoras, pernas saltadoras, pernas carreadoras de pólen e pés com escovas para experimentar alimentos) e, então, pede ao estudante que identifique os insetos que pertencem a cada uma dessas categorias. Já a Ciência "do todo às partes " apresenta uma bandeja de insetos e pergunta: "Quais são as diferenças que você vê entre estas pernas e aquelas outras ? " . Qual é o problema com a abordagem de ensino "do todo à s partes ? " . Nada, exceto que é extremamente frustrante para crianças que s e encon­ tram no estágio do papagaio. A instrução pelo método "do todo às partes " requer pensamento analítico, uma habilidade que só será desenvolvida mais tarde (em nossa experiência, por volta da quarta ou quinta grades) . E o ensino pelo método " do todo à s partes " presume uma certa base de conhecimento que a criança ainda não tem. Examine os exemplos que acabamos de dar. O exemplo de História requer que uma mente imatura reflita sobre práticas religiosas que conhece bem pouco. E o exercício " do todo às partes " em Ciência não pode ser feito a menos que o estudante saiba que diferentes insetos fazem diferentes coisas com suas pernas. O aprendizado através da dedução e da análise é um método va­ lioso - mas no segundo estágio do trivium, o Estágio Lógico, em que o estudante já terá o conhecimento acumulado nos anos do papagaio como ponto de partida. A tentativa de instruir as crianças em dedução e análise sem primeiro assentar uma boa base de conhecimento sólido e sistemático é como construir uma casa a partir do telhado. Muitos textos escolares popularmente recomendados tentam adotar a orientação " do todo às partes " nas grades elementares; quando você reconhecer que está diante de uma abordagem desse tipo, evite-a. 352

PA RT E l i

-

O Está g i o Lóg ico -

Da q u i nta à o itava g ra d es

1 3 . A c ria nça a rg u m e ntat iva

A Idade do Atrevimento ( . . . ) se caracteriza pelo contraditório, pelas respostas desaforadas, pelo gosto por "pegadinhas " (especialmente nos pais e pessoas mais velhas ) pela profusão de enigmas . Seu valor na escala de aborrecimento é extremamente alto.

- Dorothy Sayers, The Lost Tools of Learning

E

m algum momento no decorrer da quarta grade, a mente em desenvolvimento começa a mudar de marcha. A criança que gos­ tava de matraquear suas regras de Ortografia decoradas começa a notar todo tipo de exceção esdrúxula. O j ovem historiador diz: "Mas por que Alexandre, o Grande, queria conquistar o mundo inteiro ? " . O jovem cientista pergunta : " O que mantém a Terra em órbita em torno do Sol ? " . A mente começa a generalizar, a questionar, a analisar - a desenvolver a capacidade do pensamento abstrato. No segundo estágio do trivium, o estudante começa a conectar to­ dos os fatos que aprendeu e a descobrir as relações entre eles . A criança em nível de primeira grade terá aprendido que Roma caiu diante dos

bárbaros; a que estiver em nível de quinta grade perguntará " por que " e descobrirá que os elevados impostos, a corrupção e um exército feito quase que inteiramente de mercenários enfraqueceram o império. O estudante em nível de segunda grade terá aprendido que um substantivo nomeia uma pessoa, um lugar, uma coisa ou uma ideia; na sexta grade, ele descobre que os gerúndios, infinitivos e certas orações também podem funcionar como substantivos. O estudante no nível da terceira grade terá aprendido como mul­ tiplicar números de doi � dígitos e produzir uma resposta; o aluno da 355

A MENTE BEM TREINADA

sétima grade perguntará "e se eu tiver apenas um número de dois dígitos e uma resposta ? Posso descobrir o número que falta se chamá-lo de "x? " . Esta é a época d o pensamento crítico. " Habilidade de pensamento crítico " tornou-se um slogan de edu­ cadores desde o j ardim de infância até o ensino médio. Abundam os livros, softwares e currículos de "pensamento crítico " . Catástrofes são previstas para as crianças que percam este treinamento vital. "Você vai esperar até que as escolas ensinem a pensar diretamente ? " - pergunta a contracapa de um livro sobre "pensamento crítico " - " quando esse dia chegar, poderá ser tarde demais " . Mas o que são essas " habilidades de pensamento crítico " e como elas devem ser ensinadas ? Uma olhada rápida nos materiais de educação revela certas frases saltando repetidamente: " Pensamento de ordem superior " , " solução de problemas " , " estratégias metacognitivas " . Todas essas palavras se resu­ mem a um único conceito simples: " pensamento crítico " significa que o estudante para de absorver fatos acriticamente e começa a perguntar " Por quê ? " : " Por que os EUA esperaram tanto tempo para entrar na Primeira Guerra Mundial ? '' , " Por que os cientistas acreditam que nada pode se deslocar mais rapidamente do que a luz ? " , " Por que as palavras que começam com 'pré-' sugerem a ideia de algo que vem 'antes ' ? '' , " Como sabemos que a água ferve a duzentos e doze graus Fahrenheit? " . O estudante que tenha dominado o "pensamento de ordem supe­ rior " e "técnicas de solução de problemas" não se limita a simplesmente memorizar uma fórmula. ( " Para encontrar a área de um quadrado, multiplique o comprimento de um de seus lados por ele mesmo " ) . Em vez disso, ele memoriza a fórmula e, então, descobre como ela funciona. ( " Hmmm . . . Os lados do quadrado são iguais, então, a área dentro do quadrado medirá sempre o mesmo, horizontal e verticalmente. É por isso que eu multiplico o lado por ele mesmo " ) . Uma vez que saiba como a fórmula funciona, pode extrapolá-la para abranger outras situações. ( " Como acho a área de um triângulo ? Bem, um triângulo é como um quadrado pela metade . . . Assim, se eu multiplicar este lado por ele mesmo, terei a área de um quadrado . . . Então, se eu tirar a metade disso, saberei qual a área recoberta pelo triângulo. A área de um triângulo é o valor da medida deste lado multiplicado por si mesmo e dividido por dois " ) . 356

A CRIANÇA ARGUMENTATIVA

Alguns defensores do " pensamento crítico " advogam que as "habi­ lidades de pensamento " podem, de alguma forma, substituir a aquisição de um conhecimento específico. Referem-se ao " ensino tradicional " , ironicamente, como " mera assimilação de fatos " o u "memorização ro­ tineira " , um modo de aprendizagem obsoleto que deve ser substituído por aulas para " aprender a pensar" . O popular j ornal para professores Education Week define o pensamento crítico como "o processo mental de adquirir informação e, então, avaliá-la para chegar a uma resposta ou conclusão lógica " e acrescenta, "cada vez mais, os educadores acreditam que as escolas deveriam dirigir seu foco ao pensamento crítico em vez de à memorização de fatos " 1 • Mas você não deveria considerar o pensamento crítico e a coleta de fatos como atividades mutuamente exclusivas . O pensamento crítico não pode ser ensinado isoladamente ( ou " diretamente " , como sugere a citação do manual de pensamento crítico ) . Você não pode ensinar uma criança a seguir uma receita sem entregar-lhe manteiga, açúcar, farinha e sal; as habilidades ao piano não podem ser ensinadas sem um tecla­ do. Seu novo foco nos " porquês" e " portamos " não significa que seu filho não mais aprenderá fatos . Um estudante de Matemática não pode pensar criticamente sobre a área do triângulo a menos que já saiba a fórmula para encontrar a área do quadrado . Um estudante em nível de quinta grade não poderá analisar a queda de Roma até que conheça os fatos por trás da decadência de Roma. Um estudante em nível de sétima grade não poderá rastrear os traços dominantes e recessivos a menos que saiba o que é um alelo. Assim, não recomendaremos livros que alegadamente desenvolvem "habilidades de pensamento crítico " de forma isolada. Em vez disso, enquanto cobrimos cada um dos assuntos - Matemática, Linguagem, Ciência, História, Arte, Música - ofereceremos instruções específicas sobre como ensinar o seu filho que se encontre no nível das grades in­ termediárias a avaliar, traçar conexões, encaixar os fatos em um quadro lógico de referência e a analisar os argumentos de outras pessoas . O estudante em nível das grades intermediárias ainda absorve informação. Mas, em vez de aceitá-la passivamente, interage com ela, decidindo so­ bre o seu valor, seu obj etivo e seu lugar no esquema do conhecimento. 1

" Criticai Thinking" , Education Week on the Web, www.edweek.org.

357

A MENTE BEM TREINADA

Constru i n d o a fu n dação O estágio d o papagaio preparou o estudante em nível das grades inter­ mediárias de duas formas importantes. Primeiro, o estudante em nível de grade intermediária não deve ter maior dificuldade com as habilidades básicas de Leitura, Redação e Aritmética. A criança deve ser capaz de ler fluentemente antes de entrar no estágio Lógico; o estudante que ainda estej a batalhando para ler uma frase não conseguirá concentrar-se no significado dessa frase. O estudante no estágio Lógico escreverá extensa­ mente à medida que avalia, analisa e conclui. O estudo da Gramática e da pontuação prosseguirá até o ensino médio, mas a mecânica básica da Ortografia, do emprego da vírgula, do uso de maiúsculas e da construção de frases não deveria mais impor barreiras à sua expressão. A criança no nível das grades intermediárias começará a avançar rumo ao estudo de uma Matemática cada vez mais abstrata; algo que não poderá fazer a menos que os fatos básicos da Aritmética tenham a solidez de uma rocha em sua mente. Segundo, o estudante, nesta fase, j á terá sido exposto aos fatos básicos de História, Ciência, Arte, Música e outros assuntos. Ele já tem um quadro de referências de conhecimento que permitirá que pense criticamente. Nas páginas 347-352, discutimos as diferenças entre a instrução "das partes ao todo " e "do todo às partes " . Quando você ensinou sobre insetos na primeira grade, você usou a instrução das partes ao todo. Primeiro, você obteve todas as figuras de insetos (ou insetos de verdade) e descreveu os cinco tipos diferentes de pernas e pés. Em seguida, você pediu à criança que repetisse o que acabou de ouvir, que identificasse os diferentes tipos de pernas, que escrevesse uma frase ou desenhasse uma figura. Em outras palavras, você ensinou os pedacinhos de informação - as partes - à criança e, só então, orientou-a sobre como reuni-las em um todo. O estudante no nível das grades intermediárias j á terá aprendido alguma coisa sobre insetos. Sua mente estará amadurecida e desenvol­ vida além do ponto de precisar " receber a comida na boca " . Nas grades intermediárias, você avançará rumo a um método de ensino " do todo às partes " - você apresentará o estudante a um fragmento de informação ou a um fenômeno e pedirá que ele o analise. Quando você estudar 358

A CRIANÇA ARGUMENTATIVA

Biologia com um aluno de quinta grade, exibirá diante dele uma ban­ dej a cheia de insetos e perguntará: " Que diferenças você vê entre estas pernas e estas outras ? " , " Como você descreve cada uma delas ? " , " Que função tem cada uma delas ? " . Ele terá, agora, conhecimento básico suficiente sobre insetos para aplicar categorias à informação bruta que tiver à sua frente. Nos próximos capítulos, guiaremos você por este tipo de ensino no currículo das grades intermediárias.

Lóg ica e o trivium Adotar a Educação Clássica não é uma questão de introduzir Lógica e Latim num currículo padrão de quinta grade. Ao contrário: a Lógica é um treinamento mental para abordar todos assuntos de uma forma específica - a busca de padrões e conj untos de relacionamentos em cada área temática. Mas a Lógica Formal é uma parte importante deste processo. O estudo sistemático da Lógica provê ao pensador iniciante um conj unto de regras que o aj udarão a decidir se pode ou não confiar na informa­ ção que está recebendo. A Lógica o aj udará a fazer as perguntas ade­ quadas : " Esta conclusão é mesmo consequência dos fatos tais como os conheço ? " , "O que esta palavra realmente quer dizer ? Será que a estou usando com precisão ? " , " Este orador está se mantendo fiel ao tema ou está tentando distrair-me com afirmações irrelevantes ? " , " Por que esta pessoa está tentando me convencer deste fato ? " , " Por que não acredito neste argumento - o que eu próprio tenho em j ogo ? " , " Que outros pontos de vista existem sobre este assunto ? " . Estas são perguntas com que a s mentes muito j ovens não conse­ guem lidar. Uma criança de sete anos tem dificuldade em entender que ( por exemplo) uma figura pública possa distorcer os fatos de acordo com sua conveniência, ou que um texto específico pode não ser confi­ ável devido ao viés do escritor, ou que as notícias de um j ornal podem não ser verazes. Mas, no universo em expansão das crianças da grade intermediária, perguntas como estas logo começarão a fazer sentido. Você pode se descobrir em dívida com a Lógica Formal. Todo pai de um estudante em nível de quinta grade deveria ser capaz de identi359

A MENTE BEM TREINADA

ficar falácias tais como o argumentum ad nauseam (a crença incorreta de que uma afirmação será aceita como provavelmente verdadeira se repetida incessantemente ) e o argumentum ad populum ( se todo mundo está fazendo, então deve ser certo fazê-lo ) .

Lóg i ca no cu rrícu l o N o âmbito da linguagem, o estudante d o estágio Lógico começará a estudar a sintaxe - as relações lógicas entre as partes de uma frase. Ele aprenderá a arte da esquematização (representações gráficas dessas relações ) . O estudante, no estágio Gramatical, escrevia redações que resumiam informação - como era a escrita dos egípcios, quais foram as batalhas importantes da Guerra Civil, como foi a vida de George Washington. Agora, suas redações começarão a orientar-se para a es­ trutura: como reunir fatos e ideias em argumentos central e de apoio, como desenvolver um argumento de um modo que faça sentido, como apresentar a informação de forma clara e organizada. O estudantes no estágio Lógico também começarão a abordar mais criticamente a Literatura, avaliando o desenvolvimento do enredo e dos personagens . Propriamente falando, a Matemática do estágio Gramatical preocu­ pa-se com a Aritmética - adição, subtração, multiplicação e divisão de números. A Aritmética não é teórica. Os problemas de Aritmética podem ser solucionados em termos de maçãs, laranj as e fatias de pão. Mas, no segundo estágio do trivium, o estudante começa a estudar propriedades Matemáticas - o estudo das muitas e diferentes relações entre números, tanto conhecidos ( 1 01 3 ) quanto desconhecidos (2y

+

6x) . Em outras

palavras, a Aritmética é o fundamento das propriedades Matemáticas. Em Ciência, os estudantes aprenderão conceitos científicos, o modo como eles se relacionam uns com os outros e como se manifestam no mundo físico. Eles esclarecerão esses conceitos com o uso de experi­ mentos e demonstrações, bem como praticarão o seu adequado registro por escrito . A História, no estágio Lógico, assumirá uma nova roupagem. O estudante ainda será responsável por datas e lugares, mas você o enco­ raj ará a aprofundar-se nas motivações dos líderes, nas relações entre diferentes culturas que coexistiram em uma mesma época, nas formas 360

A CRIANÇA ARGUMENTATIVA

de governo e causas das guerras . A moralidade também deve se tornar uma matéria de discussão. Afinal, esta ação (esta guerra, esta ameaça) é j ustificável ? Por quê ? O estudo da Arte e da Música, neste estágio, será sincronizado com o estudo da História. O estudante conhecerá os desenvolvimentos sociais e culturais mais amplos e tentará entender como eles se refletem nos trabalhos criativos de sua época .

Como d eve ser o e n s i n o no está g i o Lóg ico Para você, o professor, o processo de ensino será ligeiramente modificado. Entre a primeira e a quarta grades, você se concentrava na memorização - no aprendizado de regras, datas, histórias e fatos científicos. Você dizia ao estudante o que ele precisava aprender, fosse lendo um livro ou ministrando uma pequena palestra, e você esperava que fosse capaz de repetir a informação para você. Você usava narrações e páginas de caderno para concretizar a tarefa de ensinar. De agora em diante, você não mais dará comida na boca da crian­ ça. Você pedirá que ela mergulhe um pouco mais fundo, que faça mais descobertas por conta própria. Em vez de ministrar palestras, você se concentrará em manter um diálogo com seu filho, uma conversa em que você o guiará em direção às conclusões corretas, enquanto permite que ele encontre seu próprio caminho. Você permitirá que a criança discorde de suas conclusões, caso consiga apoiar seus pontos de vista com fatos . Sua expectativa será a d e que que ele n ã o s e limite a repetir o que leu, mas que reelabore o conteúdo para refletir seus próprios pensamentos. Uma vez que tenha feito isto, terá aprendido o conteúdo de uma vez para sempre. Neste ponto, o ensino um a um tem uma óbvia vantagem sobre as grandes salas de aula de escolas públicas. As salas de aula estimulam as crianças a responder a perguntas, enquanto a instrução um a um estimula a criança a formular suas próprias perguntas e a perseguir as respostas. Até mesmo o professor mais dedicado não consegue permitir que uma sala de aula com trinta alunos encontre o caminho da compreensão através do diálogo, pois o barulho seria ensurdecedor. À medida que você progredir ao longo do estágio Lógico, usará cada vez mais as fontes originais, afastando-se progressivamente dos 361

A MENTE BEM TREINADA

"livros-textos " . Muitos livros-textos são entediantes. A maioria deles apresenta a informação de um modo ativamente incompatível com o objetivo do estágio Lógico. A História, por exemplo, é frequentemente apresentada como uma série de fatos incontroversos. Como observa Neil Postman, normalmente "não se dá nenhuma pista quanto a quem alegou que aqueles foram os fatos pertinentes ao caso . . . Nenhuma no­ ção da fragilidade e da ambiguidade do j ulgamento humano, nenhuma pista de possibilidades de erro "2• Um livro-texto nada deixa a cargo da investigação ou do questionamento da criança; não deixa abertas conexões para que o estudante as descubra. Como guiar seu filho durante esta j ornada em direção à descoberta ? Comece pela Lógica . No próximo capítulo, você será apresentado ao estudo formal da Lógica. Nos capítulos que se seguem, será guiado na aplicação das categorias e estruturas da Lógica aos diferentes assuntos. Nós vamos cobrir primeiro a Lógica propriamente dita; depois, a Ciência e a Matemática; então, uma vez que o currículo de Humanidades nas grades intermediárias se estrutura em torno da Lógica da História, apresentaremos a História antes de prosseguir para a disciplinas de Lei­ tura, Redação, Gramática, Ciência, línguas estrangeiras, Arte e Música .

Prioridades O estudante no estágio Lógico realiza uma quantidade muito maior de tarefas independentemente do que o estudante no estágio Gramatical e requer muito menos atenção individual de sua parte. Os estudantes educados em casa tipicamente realizam uma hora de estudo autodirigido para cada dez minutos de orientação parental. Graças a essa nova economia de tempo, e também graças ao fato de que o estudante tem agora o domínio dos elementos mais básicos da Leitura, da Escrita e da Matemática, você perceberá que consegue abranger um conteúdo bastante mais amplo. Linguagem, Matemática, Lógica, História e Ciência são o " feij ão com arroz " indispensável ao estágio Lógico; Arte e Música devem constituir metas a atingir dentro de suas possibilidades. 2

Neil Postman, The End of Education: Redefining the Value of Schools ( New York: Knopf, 1 995), p. 1 1 5.

362

A CRIANÇA ARGUMENTATIVA

Embora você não necessite oferecer tanta orientação individual ao estudante, mantenha uma supervisão cerrada . Todo pai educador já cometeu o erro de entregar um livro-texto para um estudante apa­ rentemente maduro da sétima grade somente para perceber, no dia de Ação de Graças, que a maior parte dos exercícios não foi feita. Confira semanalmente a execução das tarefas. Como a educação domiciliar é flexível, você pode estruturar seu dia acadêmico de um modo que permita que a criança siga um interes­ se. Por exemplo, caso seu estudante em nível de sétima grade adquira uma paixão pelo Rei Artur, permita que ele siga os cavaleiros da Távola Redonda em Literatura e História por vários meses; não insista para que ele comece o estudo da Reforma Protestante no momento exato previsto em seu cronograma . Caso ele desej e fazer uma imersão em um complexo proj eto de cristalização que inclua o controle de uma ampla gama de variáveis (temperatura, impurezas externas, diferentes técnicas de mistura ) , não insista para que complete rápido demais o experimento de modo que você possa avançar logo para o próximo assunto: permita que ele faça o trabalho até o fim. Durante as grades intermediárias, muitos estudantes começam a desenvolver uma clara preferência, sej a por Ciências Humanas, sej a pelas disciplinas CTEM ( Ciência, Tecnologia, Engenharia, Matemática ) . Isso exigirá d e você u m certo equilibrismo. Por u m lado, é boa prática de ensino estimular os estudantes a se aprofundar nas áreas em que demonstram talento. Por outro lado, os estudantes no nível da grade intermediária ainda não estão prontos para escolher uma especialida­ de, algo que só acontece durante o ensino médio (veja o capítulo 3 4 ) . U m aluno e m nível d e quinta grade que prefira a História pode ser um acadêmico nato em Humanidades, mas também pode ainda estar se digladiando com conceitos matemáticos elementares e se sentindo perdido diante de tarefas cada vez mais difíceis. Um aluno em nível de sexta grade que odeie Literatura e prefira trabalhar em proj etos tecnológicos pode estar revelando a semente de um futuro engenheiro - mas também pode ser um leitor imaturo que começará a revelar seu talento quando sua habilidade em leitura atingir o mesmo nível de seu conhecimento tecnológico. 363

A MENTE BEM TREINADA

Portanto, insista que seus j ovens estudantes mantenham um bom desempenho em cada uma das áreas temáticas principais enquanto per­ mite que eles sigam seus interesses em áreas de estudo menos essenciais. O seu filho inclinado às disciplinas CTEM deve fazer um complemento em Gramática, Redação, Ortografia, Literatura e História, mas você pode reduzir a atenção dispensada à Arte e a Música para que gaste mais tempo com seus projetos de Ciência. Seu j ovem novelista ainda deve ser estimulado a entender os rigores da Matemática e da Ciência, mas não insista que ele faça proj etos para Feiras de Ciências caso ele prefira passar esse tempo esboçando personagens.

364

1 4. B ra n ca d e N eve e ra i rra c i o n a l : Lóg ica pa ra o s i ntu itivos

Capitão, esta é uma conclusão ilógica.

- Sr. Spock

Assunto: Lógica formal e solução de quebra-cabeças, grades 5 a 8. Tempo exigido: 3 horas por semana

e

orno ensinar Lógica sem j amais tê-la estudado ? Caso você saiba ler, poderá entender os textos de Lógica que recomendamos no final deste capítulo. Nenhum deles exige co­ nhecimento prévio. O mais importante conhecimento básico necessário ao estudo da Lógica (você talvez se surpreenda ao descobrir) é gramatical: você precisa ser capaz de distinguir entre uma proposição e uma pergunta,

entre um verbo de ligação e um verbo de ação, entre um sujeito e um objeto. Se você pode fazer essas coisas, você pode entender a Lógica.

U m a i ntro d u çã o à Lóg ica O que é Lógica, afinal ? A Lógica é simplesmente o estudo das regras do raciocínio. Pense na Lógica como um mapa rodoviário que mantém você na direção correta. O mapa rodoviário não controla o seu ponto de partida, do mesmo modo que as regras da Lógica não garantem que um argumento começou com os pressupostos corretos. Caso você comece um argumento, por exemplo, sobre as políticas de ação afirmativa, partindo da propo­ sição de que uma raça é inferior a outra, a Lógica não evitará que você chegue a uma conclusão intolerante. Mas, caso você tenha coletado os fatos corretamente, as regras da Lógica guiarão você ao destino correto. 365

A MENTE BEM TREINADA

A Lógica tem uma estrutura tripartida, que é usada para aj udá-lo a examinar um argumento: 1 . As premissas, isto é, os fatos que servem de ponto de partida, sob a forma de declarações . 2. O argumento, isto é, a s deduções que produz a partir desses fatos. 3 . A conclusão, isto é, a dedução final, também sob a forma de uma proposição. Uma falácia é uma falha nesse processo, resultante de premissas mal formuladas, de um argumento incorreto ou de uma proposição irrelevante. Vamos desmistificar esse ponto com a aj uda de Branca de Neve e os Sete Anões (na versão dos Irmãos Grimm ) . No início da história, uma rainha está sentada diante de sua j anela de ébano, contemplando a neve que caía lá fora. Ela perfura o dedo e o sangue cai sobre a neve. "Ah " , ela suspira, "como eu gostaria de ter uma criança tão branca como a neve, tão vermelha como o sangue e tão preta como ébano " . Algum tempo não especificado depois, é exatamente isso o que acontece. A rainha dá ao bebê o nome de Branca de Neve e morre imediatamente ªP.ÓS o parto. Neste ponto, já temos material suficiente para começar a trabalhar. A história contém um certo número de declarações, de frases que nos dizem se alguma coisa pode ser verdadeira ou falsa. A primeira lição de Lógica nos diz que as declarações ( que são a fundação dos argumentos lógicos ) devem ser distintas de outros tipos de frases. A rainha estava feliz com seu bebê ? Esta não é uma proposição. Ela não nos provê informação e não pode ser classificada como verdadeira ou falsa. Portanto, não pode ser usada como parte de um argumento. O mesmo é válido para as frases de comando como, por exemplo: "Termine de ler essa história " . Somente frases que proveem informação podem ser usadas em um argumento lógico. A rainha perfurou o próprio dedo. A rainha desej ava um bebê branco, vermelho e preto. Branca de Neve nasceu após o desej o da rainha. A rainha morreu após o nascimento de Branca de Neve. Todas essas frases oferecem informação, assim, elas passam no teste: elas são declarações (em oposição a, por exemplo, perguntas ou coman­ dos ) . Agora, temos de decidir seu valor de verdade. 366

LÓGICA PARA OS INTUITIVOS

A rainha perfurou o próprio dedo. Verdadeiro. A rainha não queria um bebê. Falso. Um argumento válido é feito de dois tipos de declarações: declarações verdadeiras, chamadas de " premissas " , e uma proposição de conclusão. Premissa A: A rainha desejava um bebê branco, vermelho e preto. Premissa B: Mais tarde, a rainha teve um bebê branco, vermelho e preto. Conclusão: Logo, a rainha obteve o que desej ava. Este é um argumento válido. As premissas são verdadeiras e a conclusão brota diretamente da informação contida nas premissas. Mas é incrivelmente fácil perder o rumo. Avalie este argumento: Premissa A: A rainha desej ava um bebê branco, vermelho e preto. Premissa B: Mais tarde, a rainha teve um bebê branco, vermelho e preto. Conclusão: Logo, o desej o da rainha foi atendido. Qual é o problema ? Bem, as premissas não dizem nada sobre o atendimento a um desejo. Não é porque um evento se segue a outro no tempo (o bebê veio após o desej o) que podemos presumir que o primeiro evento causou o segundo. Esta falácia tem um belo nome em Latim post hoc, ergo propter hoc e surge o tempo todo na atividade política. Premissa A: Fui eleito em 200 8 . Premissa B: A economia começou a melhorar e m 2009. Conclusão: Minhas políticas causaram a melhoria nas condições econômicas. Observe como as premissas são verdadeiras, mas a conclusão não é válida porque não brota diretamente das premissas. Este tipo de falácia é chamado de " falácia indutiva " - a conclusão pode ser verdadeira, mas não dispomos de informação o suficiente nas

-

-

premissas para j ustificá-la. As falácias indutivas aparecem quando você chega a uma conclusão (uma "indução" ) a partir de evidências insuficientes. Outro tipo de falácia indutiva é a generalização indevida: Premissa A: A madrasta de Branca de Neve era má. Premissa B: A madrasta de Cinderela era má. Premissa C: A madrasta de João e Maria era má. 367

A MENTE BEM TREINADA

Conclusão: Todas as madrastas de contos de fadas são más . Isto pode até ser verdade (não consigo pensar em exceções de ime­ diato ) mas, a menos que você tenha feito um levantamento exaustivo das madrastas de contos de fadas, você não pode ter certeza. Prosseguindo. O pai de Branca de Neve, um homem desorientado, casa-se com uma bruxa que não suporta a ideia de que alguém rivalize com sua beleza. A cada manhã, ela pergunta ao espelho mágico: "Espelho, espelho na parede, quem, entre elas, é a mais bela ? " . E o espelho, que jamais mente, responde: "Tu, entre elas, és a mais bela " . Mas, certo dia, Branca de Neve supera a bruxa em beleza, e o espelho informa à bruxa: "Tua beleza, minha rainha, é rara; mas com a de Branca de Neve, ninguém se compara " . A rainha, incapaz de conviver com esta competição, instrui o caçador-chefe para levar Branca até a floresta, matá-la e trazer de volta seus pulmões e seu fígado. O caçador concorda, mas tem uma crise de consciência na floresta e deixa que Branca de Neve se vá. Ele leva de volta o fígado e os pulmões de um j avali como prova de que Branca de Neve estava morta. Segundo os Irmãos Grimm, a rainha malvada, em seguida, comeu os órgãos no jantar (com sal ) . Observe a Lógica d a rainha : Premissa A: Branca de Neve é mais bela do que eu. Premissa B: Eu acredito que não posso viver se alguém for mais bela do que eu. Conclusão: Não posso permitir que Branca de Neve viva. Este é um argumento válido ? Bem, vamos começar pelas premissas. Afinal, uma das primeiras regras de Lógica é: confira suas premissas, porque as premissas falsas conduzirão sempre a uma conclusão falsa. Premissa A: A terra é uma superfície plana. Premissa B: É possível cair da borda de uma superfície plana. Conclusão: É possível cair da borda da Terra. Este é um argumento impecavelmente válido em sua forma mas, como a primeira premissa é falsa, a conclusão é inútil. Como é o argumento da rainha ? A premissa B é aceitável, porque é uma proposição autossuficiente

-

uma proposição que deve ser aceita

368

LÓGICA PARA OS INTUITIVOS

como verdadeira. Há três tipos de proposições autossuficientes: Como é o argumento da rainha ? A premissa B é aceitável, porque é uma pro­ posição autossuficiente uma proposição que deve ser aceita como verdadeira. Há três tipos de proposições autossuficientes: aquelas que necessariamente são verdadeiras porque cobrem todas as possibilidades ( Branca de Neve ou está viva, ou está morta ) , aquelas que necessaria­ mente são verdadeiras porque contêm suas próprias definições (o espelho reflete ) , e aquelas que se relacionam a crenças pessoais ( chamadas de " autorrelatos " ) . A frase "eu acredito que o sol é azul " precisa ser aceita como logicamente válida, mesmo por aqueles que não concordam com ela. Eu posso provar a você que o sol é amarelo, mas tenho de aceitar o fato de que você acredita que é azul. A premissa B é um autorrelato, pois se relaciona com os sentimentos da rainha. Logicamente, é válida. Mas, observe . Nós já encontramos aqui um dos limites da Lógica. É moralmente aceitável que você tenha de ser a pessoa mais bela da Terra ? Não, claro que não. Mas a Lógica se interessa pela forma do argumento, não por seu conteúdo. Você sempre pode descartar uma conclusão válida caso você discorde de suas premissas. Apliquemos essas ideias por um momento ao estudo de História. Um típico livro de História da sexta grade, ao relatar a Guerra Civil Americana, poderia proceder da seguinte forma: Premissa A : Lincoln j ulgava necessário que o governo federal abolisse a escravidão. Premissa B: Somente uma guerra civil poderia abolir a escravidão. Conclusão: Era necessário que o governo federal americano lutasse numa guerra civil. Caso encerrado ? Não para o estudante classicamente treinado, que tenha aprendido em suas aulas de Lógica formal a acautelar-se contra autorrelatos quando aparecem como premissas de argumentos. Reformule este argumento sem uma " premissa A" autorrelacionada e o argumento parecerá muito diferente : Premissa A : Era necessário que o governo federal abolisse a escravidão . Premissa B: Somente uma guerra civil poderia abolir a escravidão. Conclusão: Era necessário que o governo federal americano lutasse -

numa guerra civil. 369

A MENTE BEM TREINADA

Esta ainda é uma conclusão válida mas, agora, a premissa A não é mais um autorrelato, um estudante não precisa mais aceitá-la como válida . Era realmente necessário que o governo federal abolisse a escravi­ dão ? Esta proposição deixou de apoiar-se em si mesma e tornou-se uma

proposição apoiada: é preciso trazer evidências externas para apoiá-la. A premissa B também é uma proposição apoiada. Antes que o aluno da sexta grade possa aceitar este argumento, ele precisa investigar ou­ tros remédios para a escravidão e concluir que eles eram inadequados . Uma vez que ele o tenha feito, entenderá a Guerra Civil de uma nova e vívida maneira . Voltemos agora à Branca de Neve e à sua egomaníaca madrasta. Mesmo que garantíssemos à rainha malvada o direito a fazer um autorrelato na premissa B, ainda teríamos de lidar com a premissa A: " Branca de Neve é mais bela do que eu " . Esta não é uma proposição ca­ paz de apoiar a si mesma: não cobre todas as possibilidades ( " Branca de Neve, ou é bela, ou não bela " ) , não contém sua própria definição ( " Branca de Neve é branca como a neve " ) nem se relaciona a uma crença pessoal. Deste modo, trata-se de uma proposição apoiada. Há um argumento oculto nesta premissa: Premissa A: O espelho sempre diz a verdade. Premissa B: O espelho diz que Branca de Neve é mais bela do que eu. Conclusão: Branca de Neve é mais bela do que eu. Como o espelho é mágico, a premissa A é verdadeira e a conclusão é válida . Branca de Neve foge pela floresta até encontrar a casa dos sete anões, onde ela se alimenta de sobras e adormece em uma das camas dos anões. Os anões voltam para casa, descobrem suas coisas desarrumadas e exclamam: " Quem comeu nossa comida ? Quem se sentou em nossas cadeiras ? " , em um eco da história dos Três Ursos. Quando encontram Branca de Neve, eles decidem que ela pode ficar desde que assuma o preparo das refeições e a limpeza da casa. Entrementes, a rainha malvada descobre (com a aj uda de seu espelho mágico ) que Branca de Neve ainda está viva. Ela se disfarça de velha cam­ ponesa e vai até à choupana dos anões munida de uma maçã envenenada - metade vermelha, metade branca, magicamente construída de modo que todo o veneno estivesse na metade vermelha. Os anões alertaram Branca 3 70

LÓGICA PARA OS INTUITIVOS

de Neve para que não deixasse ninguém entrar enquanto estivessem nas minas, mas Branca de Neve realmente desejava aquela maçã. "Veja " , diz a rainha disfarçada, "eu a cortarei ao meio e comerei eu mesma uma das metades " . Ela come a metade branca e, quando Branca de Neve vê que a maçã parece inofensiva, dá uma mordida na parte vermelha e cai morta. Mais adiante na história, chega um príncipe que carrega seu corpo embora e os solavancos fazem a maçã envenenada cair de sua garganta; ela acorda, eles se casam e vivem felizes para sempre. Há um grande número de falácias lógicas - proposições que se pa­ recem com argumentos válidos, mas não são - implícitas nesta história: • Falácia da evidência anedótica - usar a experiência pessoal como prova de uma afirmação: " Eu já havia me encontrado com camponesas antes e nenhuma delas tentou me envenenar" . • Argumentum ad hominem - um ataque ao orador, em vez de ao argumento propriamente dito: "Os anões disseram que você não deveria deixar entrar ninguém ? Eles só querem que você fique preparando as refeições e esfregando o assoalho " . • Argumentum ad misericordiam - apelo à piedade: "Eu sou apenas uma pobre camponesa tentando ganhar um dinheiro para meus filhos doentes; portanto, você deve me deixar entrar" . • Argumentum ad verecundiam - apelo à autoridade, isto é, usar o nome de uma pessoa famosa em apoio a uma proposição: " Eu acabei de vender uma maçã para o rei e ele disse que era a melhor maçã que já havia comido ! " (a menos que o rei fosse um notável conhecedor de maçãs, esta informação é irrelevante) . • Argumentum ad lazarum A pressuposição de uma pessoa pobre é automaticamente mais virtuosa do que uma pessoa rica: " Sou apenas uma pobre mendiga; portanto, eu j amais -

faria mal a você " . Uma vez que você tenha estudados estas - e uma hoste de outras falácias lógicas, você descobrirá que elas estão em toda parte: discursos políticos, campanhas publicitárias, slogans eleitorais, editoriais jornalísticos e livros-textos de História para a grade intermediária. À medida que avança no estudo da Lógica, o estudante começará a entender que todas as afirmações podem ser classificadas em uma de quatro categorias - a afirmativa universal ( "Todas as madrastas são bru­ xas " ) , a negativa universal ( "Nenhum príncipe é um vilão " ), a afirmativa 371

A MENTE BEM TREINADA

particular ( "Alguns anões são mineradores " ) e a negativa particular ( "Algumas heroínas de contos de fadas não são inteligentes " ) . Estas são chamadas de proposições categóricas. O silogismo é um tipo de argumento lógico usado na avaliação de proposições categóricas. O silogismo de Branca de Neve, provavelmente, seguia mais ou menos por este caminho: Minha madrasta é uma bruxa. Esta camponesa não é uma bruxa. Logo, esta camponesa não é minha madrasta. Os silogismos seguem regras específicas. Para começar, a primeira proposição no silogismo: "Minha madrasta é uma bruxa " precisa descrever a última frase da conclusão, o assim chamado "termo maior", neste caso, "minha madrasta " . Além disso, o silogismo precisa ter um termo médio - um termo que aparece em ambas as premissas, mas não na conclusão. O "termo médio " no silogismo de Branca de Neve é " bruxa " . Até aqui, tudo bem. Mas o termo médio de Branca de Neve tem um problema. Num silogismo, o termo médio precisa se referir a todos os membros de sua classe em pelo menos uma das premissas (isto se chama "termo médio distribuído " ) . Branca de Neve jamais faz uma afirmativa abrangente (uma proposição categórica universal) sobre bruxas. Ela cometeu a falácia do termo médio não distribuído, o que sempre conduz a uma conclusão falsa. Caso ela tivesse construído este silogismo adequadamente, ele se pareceria com o seguinte: Minha madrasta é uma bruxa. Nenhuma camponesa é uma bruxa. Logo, esta camponesa não é uma bruxa . Neste silogismo, a proposição: "Nenhuma camponesa é uma bruxa " tem um termo médio distribuído porque diz alguma coisa sobre todas as bruxas (nenhuma delas é uma camponesa ) . Mas, caso Branca de Neve tivesse realmente feito este argumento - que é logicamente válido - teria hesitado quanto a essa premissa intermediária. Afinal, como ela sabe que nenhuma camponesa é uma bruxa ? Ela se encontrou com todas elas ? Branca de Neve paga por seu raciocínio confuso engasgando-se até à morte com a maçã. Felizmente, ela vive numa floresta encantada e, assim, ressuscita e vive feliz para sempre - algo que viola todas as leis conhecidas da Lógica. 3 72

LÓGICA PARA OS INTUITIVOS

Como ensinar a Lóg ica A Lógica é apenas um tipo de pensamento crítico. O estudo da arte da ar­ gumentação não transformará o estudante, por si mesmo, em um pensador analítico. Mas a Lógica é uma ferramenta útil. Ela ensina ao estudante a prestar atenção às palavras exatas empregadas em um argumento - uma habilidade de pensamento crítico vital em todas as áreas do currículo. A Lógica treina a mente a seguir certos padrões e dá aos estudantes uma nova maneira de pensar as categorias verdadeiro e falso. Há três tipos básicos de Lógica: Informal, Formal e Simbólica. A Lógica Informal confere atenção especial aos argumentos feitos com palavras, com foco particular na busca de falácias. A Lógica Formal dá um passo adiante, destilando argumentos verbais em fórmulas (tais como premissa maior, premissa menor e conclusão) e dá muito mais atenção à forma e à sintaxe do que ao significado. Já a Lógica Simbólica reduz os padrões de argumentação ainda mais, até chegar a expressões simbóli­ cas. (A Lógica Proposicional é o maior subcampo da Lógica Simbólica e, também, o tipo que você mais frequentemente encontrará em textos avançados de Lógica) . A Lógica Simbólica é tema para estudantes em nível de ensino médio avançado e de faculdade, e nem todos os estudantes precisam avançar até a Lógica Proposicional, pois ela é mais útil para a Filosofia e para a Matemática Avançada. Nas grades intermediárias, você começará com o estudo da Lógica Informal, com a meta de avançar até completar, pelo menos, um ano de Lógica Formal. Sej a sensível ao nível de entendimento do estudante. Nem todas as crianças em nível de quinta grade estão prontas para a Lógica Informal. Um estudante que ainda esteja pelej ando com a Gramática deveria esperar pelo menos um ano antes de começar o estudo da Lógica Informal e, pos­ sivelmente, não estará pronto para a Lógica Formal antes da nona grade. Você não pode forçar a maturidade mental; prepare-se para ser flexível. Sugerimos que você inicie o ano com o que chamamos de Lógica Informal " despreocupada " : um ano para conhecer e aprender os termos e métodos da Lógica Informal através de livros de histórias, quebra-ca­ beças e outras atividades divertidas. Isto servirá como aquecimento para um estudo mais organizado da Lógica Informal. Planeje gastar dois ou 3 73

A MENTE BEM TREINADA

mais anos em um curso de Lógica Informal e, então, emende com pelo menos um ano de Lógica Formal. A progressão para o segundo ano de Lógica Formal é opcional e pode até atravessar os anos do ensino médio. Vej a a seguir dois exemplos típicos de progressões: 1

Para o estudante que se sente à vontade tanto com Gramática

-

quanto com Matemática: Grade

Tem_..e_o semanal

Assunto

Quinta

2 horas

L�ca Informal " despreoc�ada" Lógica Informal I

Sexta

3 horas

Sétima

3 horas

Lógica Informal II

Oitava

4 horas

Lógica Formal I

Progressão opcional para estudantes que demonstrem inclinação por Matemática e Filosofia

Nona

4-5 horas

L�ca Formal II

Décima

5-6 horas

Introdução à Proposicional

2

-

Lógica

S imbólica/

Progressão mais lenta:

Grade Quinta

Tem_e_o semanal

Assunto

-

-

Sexta

2 horas

Lógica Informal " despreocupada"

Sétima

3 horas 3 horas

Lógica Informal I

Oitava Nona Opcional

4 horas

L�ca Informal II Lógica Formal I

Décima

4 horas

Lógica Formal II

Recursos

A maior parte dos livros citados nessa seção pode ser obtida em qualquer livraria ou biblioteca; a maior parte dos currículos pode ser adquirida diretamente na editora ou em um grande fornecedor de material para Educação Domiciliar, tal como o Rainbow Resource Center. Informações para contato com editoras e fornecedores estão disponíveis em www. welltrainedmind.com. Incluímos uma observação nos casos em que os títulos sugeridos têm disponibilidade limitada. Nos locais indicados, lis­ tamos os recursos em ordem cronológica (isto é, a ordem em que você os 3 74

LÓGICA PARA OS INTUITIVOS

usará). Os livros que fazem parte de séries foram listados em conjunto. Lembre-se de que opções adicionais de currículos e outras informações estão disponíveis em www. welltrainedmind.com. Os preços variam cons­ tantemente, mas incluímos os valores de 201 6 para que você tenha uma ideia do investimento necessário.

Lóg ica I nforma l "despreocu pada" Escolha um entre os títulos a seguir, listados em ordem de dificuldade: Langman, Kris. Adventures in Reason series. Boston: Post Hoc Publishing. Logic to the Rescue: Adventures in Reason. 200 8 . The Prince o f Physics: Adventures in Reason. 2014. Uma divertida série de e-books sobre uma heroína que entra numa terra mágica repleta de cavaleiros, espantalhos falantes, castelos, poços dos desejos e falácias lógicas. Uma introdução divertida em nível de quinta grade, excelente para estudantes que gostam de ler. Risby, Bonnie. Blast Off With Logic series. Austin, TX: Prufrock Press, 2005 . Logic Countdown ( Grades 3 a 4 ) . Logic Blastoff ( Grades 4 a 6 ) . Orbiting with Logic ( Grades 5 a 7 ) . Com uma abordagem bastante diferenciada, esta série d e livros de exercícios orienta-se para o ensino do pensamento dedutivo: uso de grades, diagramas, tabelas, preenchimento de sequências, analogias e outras ferramentas para afiar as habilidades de pensamento do estudan­ te. O primeiro livro será simples para a maioria dos estudantes em nível de quinta grade, mas é importante completá-lo como preparação para o conteúdo mais avançado do segundo e do terceiro livros. Bom para estudantes que se sentem mais à vontade com a notação Matemática do que com explicações escritas. Baker, Michael. The Basics of Criticai Thinking. North Bend, OR: Criticai Thinking Company, 20 1 5 . Combina a abordagem d e livro d e exercícios d a série Blast Off com alguma atenção extra às falácias lógicas; trata-se de um curso com duração 3 75

A MENTE BEM TREINADA

de um ano que começa num nível bem fácil, adequado à quinta grade e, aos poucos, torna-se mais complexo. Algumas páginas de amostra podem ser vistas no website do editor. Almossawi, Ali. An Illustrated Book of Bad Arguments, 2nd ed. New York: The Experiment Publishing, 20 1 3 . Desenhos estimulantes ilustram falácias lógicas, cada um deles se­ guido de uma breve explanação da falácia propriamente dita. Bastante adequado para o nível da quinta grade e acima. Givler, Ray. Don't Get Fooled! How to Analyze Claims for Fallacies, Biases, e Other Deceptions. Ray Givler, 20 1 3 . Este livro é uma edição d o autor (disponível através d a Amazon. com na versão ebook; uma versão impressa com capa de papel pode ser feita a pedido ) oferece explicações claras sobre as falácias lógicas e o modo como aparecem na vida real. Nível de leitura da quinta à sexta grade; você provavelmente precisará gastar algum tempo adicional para encontrar explicações adicionais das falácias (na vida real, em notícias, em debates no Facebook, etc ) .

Lóg ica I nfo rma l Sequência de Lógica Informal da Classical Academic Press. Camp Hill, PA: Classical Academic Press. Larsen, Aaron, e Joelle Hodge. The Art of Argument: An Introduction to the Informal Fallacies. Student Text. $22. 95.

Teacher's Edition. $24 . 9 5 . DVD Set. $ 5 4 . 9 5 . Johnson, Shelly. The Argument Builder: Constructing a n Argument Piece by Piece. Student Text. $22 . 9 5 . Teacher's Edition. $24.95. Juntas, estas duas séries de livros oferecem um curso de dois anos de duração em Lógica Informal (estudo das falácias, introdução aos "tópicos e subtópicos comuns " de Aristóteles, desenvolvimento de argumentos válidos). Comece com The Art of Argument (que, opcionalmente, pode incluir um DVD ) e prossiga com o Argument Builder. Amostras das obras 3 76

LÓGICA PARA OS INTUITIVOS

estão disponíveis no website do editor. Embora o editor liste esta obra como adequada para a sétima grade e acima, os livros são facilmente acessíveis para j ovens estudantes que sej am bons leitores e tenham com­ pletado um ano de estudo de Lógica Informal " despreocupada " , tal como descrevemos anteriormente. Série Criticai Thinking. North Bend, OU: Criticai Thinking Company. Harnadek, Anita. Criticai Thinking Book One: Problem Solving,

Reasoning, Logic, e Arguments. 1 9 9 8 . Student Text. $24.99. Instruction/Answer Cuide: $ 1 0.99 . Criticai Thinking Book Two: Problem Solving, Reaso­ ning, Logic, e Arguments. 2014. Student Text. $26.99. Instruction/Answer Cuide. $ 1 0.99 ____

O'Meara, William, e Daniel Flage. James Madison Criticai Thinking Course. 2 0 1 1 . Student Text. $ 3 9 . 9 9 . Answer Cuide. $ 1 0.99. O formato de " livro de exercícios " adotado neste curso de Lógica é bem adequado para estudantes que acham difícil ler textos complexos ou cuj o método primário de aprendizagem não sej a a leitura. Os livros 1 e 2 abrangem a Lógica Informal, incluindo dedução, inferência e falácias lógicas. A obra oferece também uma breve introdução a alguns termos e categorias da Lógica Formal. O James Madison Criticai Thinking Course treina o estudante na solução de problemas no contexto de histórias de mistérios e se aprofunda mais na Lógica Formal introdutória. Você pode optar por completar todos os três livros em dois anos, por completar um livro po� ano e começar a Lógica Formal no ano seguinte ou por saltar o curso James Madison e ir diretamente para a Lógica Formal logo após completar o Criticai Thinking Book 2.

Lóg ica Form a l Cothran, Martin. Traditional Logic. Louisville, KY: Memoria Press, 2000.

Traditional Logic I: An Introduction to Formal Logic. 3 77

A MENTE BEM TREINADA

Basic Set (student book, teacher key, quizzes). $ 3 8 . Complete Set (student book, teacher key, quizzes, instructional DVDs). $ 75 . Traditional Logic II: Advanced Formal Logic. Basic Set (student book, teacher key, quizzes). $ 3 8 . Complete Set (student book, teacher key, quizzes, instructional DVDs). $ 75 . U m curso obj etivo e m Lógica Formal básica. Os livros d o estu­ dante e do professor são concisos; os DVDs instrucionais são altamente recomendáveis. Bom para pensadores matemáticos/filosóficos/científicos que pretendam estudar a Lógica Formal por dois anos completos . O editor também oferece uma versão online do curso. A Memoria Press é uma editora Cristã e um número significativo de exemplos é extraído de autores bíblicos e de textos dos Pais da Igreja. Nem todos os estudantes necessitarão completar o Livro II. Você encontrará amostras no website do editor. Hodge, Joelle, Aaron Larsen, e Shelly Johnson. The Discovery of Deduction: An lntroduction to Formal Logic. Camp Hill, PA: Classical Academic Press, 2009. Student Text. $26 . 9 5 . Teacher's Edition. $29 . 9 5 . Uma introdução à Lógica Formal com duração d e u m ano, ade­ quada a estudantes que não têm a intenção de prosseguir a um segundo ano de estudos. Em vez da combinação de texto curto e aulas por DVD encontrada no curso da Memoria Press, este é um texto mais elaborado, dirigido a um nível de leitura um pouco mais complexo. A maioria dos exemplos é extraída dos clássicos, em vez de autores Cristãos. Amostras disponíveis no website da editora.

378

1 5 . A l i n g u a g e m d a razã o : M ate m á t i ca

Matemática é a extensão do bom senso por outros meios .

- Jordan Ellenberg, How Not to Be Wrong

Disciplina: Matemática e Álgebra, grades 5 a 8 Tempo exigido: 45 a 60 minutos por dia

D

urante o estágio lógico, o estudo da Matemática começa a se deslocar do foco em Aritmética predominante no nível funda­ mental (entendimento e solução de operações matemáticas como

adição, subtração, divisão, multiplicação, e assim por diante ) para um

entendimento mais amplo da Matemática (o modo como os números,

quantidades e formas se relacionam uns com os outros e explicam o mundo ) . A Aritmética usa números; a Matemática também faz uso de símbolos, sinais e provas. A Á lgebra, a Trigonometria e o Cálculo são ramos da Matemática; eles dependem e se desenvolvem sobre a base de um forte entendimento da Aritmética. O foco maior em Matemática se torna possível porque a mente da criança está fazendo a transição do modo de imagem mental (visu­ alização de obj etos que acompanham os símbolos numéricos ) para o modo simbólico ( uso exclusivo de numerais ) . Até que esta transição estej a completa, são impossíveis as operações abstratas exigidas pela pré- Á lgebra e pela Á lgebra propriamente dita . Um problema tal como 9 x 2 exige apenas que você visualize dois conj untos de nove obj etos. Já um problema tal como -5 x = - 1 5 requer que você lide com símbolos que não têm por trás de si uma realidade perfeitamente visualizável. Se 3 79

A MENTE BEM TREINADA

eu não sei o que é "x " , como poderei visualizá-lo ? Que imagem mental posso fazer de um número negativo ? Esta transição para o modo simbólico acontece, para a maioria dos estudantes, em algum tempo entre a quinta e a oitava grade, mas é impossível esta belecer uma regra que defina o momento exato. A mudança do pensamento concreto para o abstrato depende da maturi­ dade mental, que não pode ser apressada . No entanto, quanto melhor o estudante entenda os conceitos e operações aritméticas, mais simples será essa transição.

Como pl a n ej a r o e n s i n o da M atemática pa ra a g ra d e i ntermed i á ria Tudo o que dissemos sobre a s abordagens d a Matemática n o capítulo 6 também é aplicável ao currículo do estágio Lógico. Deste modo, não repetiremos tudo novamente aqui. Caso você não tenha lido o capítu­ lo, faça-o agora e revise a distinção entre a Matemática procedural e a Matemática conceituai. Do mesmo modo que os programas do estágio Gramatical, os programas do estágio Lógico inclinam-se em direção a uma abordagem ou outra e você precisa continuar se certificando de que o estudante tenha a oportunidade tanto de praticar operações quanto de entender conceitos. Analogamente, revej a a explanação sobre a abordagem em espiral versus a abordagem de maestria na instrução matemática, pois essas ideias continuam a ser aplicáveis aos programas da grade intermediária. Embora você possa optar pelo uso de tutoriais, aulas online e outros recursos de aj uda enquanto seu estudante se aproxima do estudo da Á lgebra, a exortação que fizemos no capítulo 6 para que você melhore o seu próprio entendimento de Matemática ainda permanece verda­ deira . Você não precisa dominar as funções quadráticas j unto com seu estudante, mas você deveria ser capaz de, pelo menos, explicar o que é uma função quadrática. Um ou dois dos recursos para autoeducação listados no final do capítulo 6 ainda devem permanecer em sua mesa de cabeceira. No início do estágio Lógico, você deve concentrar-se em solidificar o entendimento e a habilidade do estudante nas operações aritméticas. 380

A LINGUAGEM DA RAZÃO

Você começará a introduzir conceitos mais abstratos: números negativos, porcentagens, probabilidades e números decimais. Aumente o tempo investido na solução de problemas e avance rumo a problemas mais complexos, que exij am tanto o raciocínio lógico quanto o abstrato. Seu currículo deve envolver muita prática e nenhum uso de calculadoras. Até que a transição para o modo simbólico estej a completa, os estudantes devem continuar a fazer as próprias operações matemáticas. Sugerimos também que você faça alguns trabalhos práticos de Ma­ temática durante este período. Os estudantes das grades intermediárias se impacientam facilmente com conteúdo que não parece ter conexão lógica com a vida real, motivo pelo qual o National Council of Teachers of Mathematics1 sugere que o currículo da grade intermediária insira o ensino da " Matemática no contexto da vida diária dos estudantes . . . provendo atividades práticas "2 e soluções d e problemas d a vida real. A maioria dos currículos de matemática pode ser completada em um ano se você fizer quatro lições por semana e reservar um dia extra para testes, matemática do consumidor, problemas de matemática da vida real ou j ogos matemáticos. Sugerimos alguns livros sobre mate­ mática do consumidor e de j ogos matemáticos no final deste capítulo. Problemas da vida real podem incluir: • Calcular o orçamento familiar para gastos com mercearia durante uma semana (ou um mês ) ou encontrar as melhores ofertas na mercearia . • Calcular despesas e lucros para um negócio familiar infantil - aparar a grama, cuidar de animais domésticos, cuidar de bebês, assar um bolo. • Fazer o balanço de movimentação bancária (antes agora do •

1

2

que na faculdade ) . Calcular os j uros mensais e anuais de uma dívida de cartão de crédito.

Nota do tradutor: O NCTM ( Conselho Nacional de Professores de Matemática ) é urna organização fundada em 1 920 com a missão de prover apoio aos professores e promover as melhores práticas de ensino. A entidade reúne 80 mil membros e mais de 230 organizações afiliadas nos EUA e no Canadá. Debra Viadero, " Math Texts Are Multiplying," Education Week on the Web, May 8, 1 9 96, www.edweek.org.

381

A MENTE BEM TREINADA •

Calcular a área de uma sala, uma parede ou da casa inteira para aplicação de papel de parede, carpete ou qualquer outro proj eto doméstico. • Calcular o custo de dirigir um carro na ida e na volta de um evento especial. • Calcular quanto uma refeição de um restaurante iria custar caso fosse preparada em casa . • Calcular o· custo em horas de trabalho de entradas para o cinema, shows ou outros tipos de diversão. • Alterar uma receita de tal modo que sej a capaz de servir a um número diferente de pessoas - por exemplo, reduzir uma receita para seis pessoas de modo que sirva a apenas duas ou ( o que é mais complicado) reescrever uma receita para quatro pessoas de modo a servir nove ou onze pessoas. • Traçar o itinerário para uma viagem em família, completa com rotas, horários e paradas. Sua própria vida familiar trará uma grande quantidade de pro­ blemas adicionais. Procure atentar para as ocasiões em que você usa números, medidas ou cálculos e, então, pergunte a si mesmo se está diante de um problema ao alcance do conhecimento de seu j ovem estudante de Matemática . N a maioria d o s programas de Matemática, a reorientação no sentido da Matemática simbólica começa a sério com a pré- Á lgebra. É normal que um estudante só estej a pronto para a pré- Á lgebra em qualquer tempo entre a sexta e a nona grades. Enquanto você avança, lembre-se de que os estudantes precisam de três anos de Matemática de ensino médio - Á lgebra 1, Á lgebra II e Geometria - para graduar-se no ensino médio. Assim, a nona grade é o momento mais tardio em que todo estudante deveria entrar em contato com a pré- Á lgebra . (Mesmo que a pré- Á lgebra sej a dada na nona grade, você não pode obter um crédito de ensino médio por ela, pois é considerada um curso em nível de grade intermediária ) . Muitas faculdades preferem ver quatro anos de Matemática no histórico escolar; assim, começar a pré- Á lgebra na oitava grade deixa aberto um ano de ensino para pré-Cálculo ou Trigonometria. Estudantes inclinados para disciplinas CTEM ( aqueles que se concentram em Ciência, Tecnologia, Engenharia e Matemática) 382

A LINGUAGEM DA RAZÃO

deveriam começar a pré- Á lgebra logo na sétima grade, de modo que o ano da décima segunda grade fique a berto para uma disciplina eletiva avançada em Matemática. O domínio da Á lgebra tem consequências muito mais amplas do que o sucesso nas matrículas em faculdades. A Á lgebra, mesmo em seu nível mais básico, requer que o estudante trabalhe com incógnitas, o que significa que ele não pode memorizar conj untos de respostas e preenchê-las mecanicamente. Em vez disso, deve analisar cada pro­ blema, descobrir seu ponto central e, então, aplicar o conhecimento disponível para descobrir a solução . A Á lgebra, tal como a Lógica, ensina a mente a pensar de forma obj etiva . Ela exige não somente a memorização da informação, mas também a habilidade de aplicar essa informação a uma ampla variedade de situações diferentes . Isso é pensamento de alta ordem. É impossível enfatizar em excesso que o pensamento de alta or­ dem requer o domínio de habilidades de baixa ordem. Calculadoras somente serão aceitáveis quando o estudante estiver completamente fluente em Aritmética. Novamente, discordamos da opinião do National Council of Teachers of Mathematics, que recomenda o uso de calcula­ doras já a partir da quarta grade - um padrão que, inevitavelmente, produz alunos de sétima grade com limitado entendimento intuitivo da Matemática . Os recursos listados no final deste capítulo estão divididos em "Antes da Á lgebra " ( currículos que consolidam o entendimento da Aritmética, tipicamente utilizada na quinta e na sexta grades) e "Á l­ gebra " ( incluindo pré- Á lgebra, que introduz conceitos algébricos. Use os recursos "Antes da Á lgebra " até que seu estudante estej a confiante e trabalhando problemas com facilidade; então, apresente-o à pré- Á lge­ bra . Se, após dois meses de experiência, o estudante estiver frustrado, tente mudar de programa; se não houver melhora em seis semanas, volte aos programas "Antes da Á lgebra " e dê ao estudante mais seis meses para amadurecer. Não é sempre fácil dizer quando um estudante está pronto para avançar em direção ao pensamento algébrico, e você deve se sentir livre para fazer experiências sem entrar em pânico caso o seu filho não estej a progredindo " rápido o bastante " .

383

A MENTE BEM TREINADA

S u g estão d e c ronog rama 45-6 0 minutos por dia

2", 3", 4ª e 5ª feira

Lição de Matemática

6 0 minutos ou mais

6ª feira

Projeto ou atividade de Matemática da vida real

Rec u rsos

A maior parte dos livros pode ser obtida em qualquer livraria ou biblio­ teca; a maior parte dos currículos pode ser adquirida diretamente na editora ou em um grande fornecedor de material para Educação Domi­ ciliar, tal como o Rainbow Resource Center. Informações para contato com editoras e fornecedores estão disponíveis em www. welltrainedmind. com. Incluímos uma observação nos casos em que os títulos sugeridos têm disponibilidade limitada. Nos locais indicados, listamos os recursos em ordem cronológica (isto é, a ordem em que você os usará). Os livros que fazem parte de séries foram listados em conjunto. Lembre-se de que opções adicionais de currículos e outras informações estão disponíveis em www.welltrainedmind.com. Os preços variam constantemente, mas incluímos os valores de 201 6 para que você tenha uma ideia do investi­ mento necessário.

Antes da Á l g e b ra Os currículos a seguir foram listados em ordem alfabética . Nota: Caso você j á estej a usando com sucesso u m programa ele­ mentar, continue com ele pelo menos até o final do ano da quinta grade; confira abaixo observações sobre a transição para a pré- Á lgebra. Caso você tenha começado agora a Educação Domiciliar de seu filho, verifique nas descrições a seguir nossas orientações sobre onde começar.

Math Mammoth A série Math Mammoth é fortemente orientada à maestria, com uma abordagem altamente conceituai. A apresentação é simples (um livro para cada nível, contendo tanto as explicações quanto todos os proble­ mas a resolver); os conceitos são explicados de forma clara em passos curtos; a obra tem um grande número de ilustrações (embora não inclua manuseáveis) e você pode fazer download de cada nível por um preço extremamente atraente. 384

A LINGUAGEM DA RAZÃO

O programa é muito forte em conceitos, Matemática mental e so­ lução de problemas. É mais fraco na prática de procedimentos e muito leve em treinamento. Além disso, praticamente não há orientação para o professor. O programa é anunciado como " autodidático" o que, defi­ nitivamente, não é. Nada há de errado com as explicações no texto mas, caso seu filho não entenda na primeira leitura, você terá de descobrir por conta própria como reapresentar o conteúdo. Continue a acrescentar treinamentos de fatos matemáticos enquanto houver necessidade, j unto com revisões mais frequentes de conceitos que já tenham sido abordados no passado . Amostras de lições e muitos recursos adicionais estão disponíveis no website da editora . O currículo está disponível tanto para download quanto em CD. Cada nível contém dois livros: "A" para o primeiro semestre e " B " para o segundo. Quando você compra o Full Set ( Conj unto completo) você também recebe o ga­ barito dos exercícios, uma revisão adicional e um gerador de planilhas conectado à internet. O download de cada conj unto custa $37.50; os CDs custam $42.50. Os estudantes recém-chegados ao programa devem fazer o teste de nive­ lamento no website da editora. Os estudantes que já usem o programa Math Mammoth com sucesso podem simplesmente continuar em seu próprio ritmo até que o livro da Grade 7 estej a completo. A Grade 7 abrange a pré- Á lgebra; a maioria dos estudantes deve ser capaz de fazer a transição para outro programa de Álgebra 1 sem maior dificuldade. No entanto, como a maioria das opções em Á lgebra oferece um programa sistemático para quatro anos (pre- Á lgebra, Á lgebra 1, Geometria e Á l­ gebra II), você também pode optar por abandonar este programa após a Grade 6 e começar a sequência de Á lgebra com o livro de pré- Á lgebra da outra série que você vier a adotar. Math Mammoth Light Blue Series Grade 5 full set. Operações aritméticas, valor-posição, números decimais, equações simples, gráficos, frações, Geometria básica. Grade 6 full set. Operações aritméticas; revisão de números deci­ mais; revisão de frações; Estatística; razões e porcentagens; divisão em fatores primos; primeira introdução a tópicos pré-algébricos . Grade 7 full set. Introdução à Á lgebra: conceitos básicos, equações de uma etapa, números negativos, equações lineares, razões e proporções, Geometria, probabilidade, Estatística . 385

A MENTE BEM TREINADA

Math- U-See O Math-U-See é um programa conceituai com uma abordagem de maestria, baseado em uma série de vídeos instrucionais em que os con­ ceitos são demonstrados usando manuseáveis. É adequado para pais que se sentem intimidados pela ideia de ensinar Matemática e para crianças que são bastante práticas ou visuais em seu estilo de aprendizado. A abordagem multissensorial é particularmente boa para estudantes que tenham algum nível de dislexia . Suplemente o programa com tanto treinamento adicional quanto necessário (confira nos suplementos " procedurais " listados mais adiante ) . O s estudantes que já estej am usando a série Math-U-See devem com­ pletar os livros do currículo elementar que são, pela ordem, Alpha (adição e subtração de números com um algarismo), Beta ( adição e subtração de números com múltiplos algarismos ) , Gamma (multiplicação ) , Delta ( divisão ) , Epsilon ( frações) e Zeta (números decimais e porcentagens ) . O s estudantes que estej am começando a usar este programa devem fazer o teste de nivelamento oferecido no website do editor. Ao currículo elementar, segue-se a sequência de Á lgebra. Os estu­ dantes que terminarem o nível Zeta e ainda não estiverem prontos para a pré- Á lgebra devem avaliar a possibilidade de dar um passo para o lado e adotar um dos programas da lista "Antes da Á lgebra " . Cada nível inclui um Student Pack (pacote d o estudante ) composto de livro de exercícios e livrete de testes, e um Instruction Pack ( pacote do instrutor) que inclui o manual do instrutor e um DVD. Gamma (multiplicação ) . Instruction Pack. $44. Student Pack. $ 3 0 .

Delta (divisão ) . Instruction Pack. $44. Student Pack. $ 3 0 . Epsilon ( frações ) . Instruction Pack. $45 . Student Pack. $ 3 0 . Fraction Overlays. $40. Zeta (números decimais e porcentagens ) . Instruction Pack. $45 . 386

A LINGUAGEM DA RAZÃO

Student Pack. $ 3 0 . Á lgebra/Decimal Inserts. $ 2 0 . Right Start Mathematics O programa Right Start Math, que tem uma abordagem prática baseada nos princípios Montessorianos, é primariamente conceituai, mas também provê extensa prática procedural. Inclina-se em direção à abordagem espiral e é bastante adequado para estudantes que ainda lutam para aperfeiçoar sua coordenação motora fina. Os estudantes recém-chegados ao programa devem fazer o teste de nivelamento no website da editora e comprar o starter kit ( kit de partida ) que inclui manuseáveis. Estudantes que tenham usado o programa nas grades ini­ ciais precisam apenas dos manuais individuais e das folhas de trabalho . Todos os estudantes devem ter o Levei G Starter Kit ( kit de partida do nível G) que contém ferramentas não usadas previamente. O programa elementar é dividido em níveis, não em grades. Atualmente, o programa vai diretamente do nível E ( que pode ser completado na quinta grade, ou até um pouco mais cedo, na quarta grade ) para o nível G, que é um curso bastante avançado de Geometria/Pré- Á lgebra equivalente ao nível de sétima grade oferecido por outros programas. À exceção dos estudantes matematicamente precoces, nós recomendamos um passo ao lado, passando do nível E para qualquer outro dos programas de Á lgebra recomendados . O editor está planej ando u m nível " F " para servir d e ponte entre os níveis E e G mas, no momento em que escrevemos esta obra, o nível F ainda não estava disponível. Confira atualizações e lições de amostra no website da editora. Levei E Starter Kit. $2 1 5 . O r Levei E Lessons ( $70 ) e Levei E Worksheets ( $20 ) . Levei G Starter Kit. $ 1 5 0 .

Saxon Math O Saxon Math é um programa procedural e fortemente espiral. Alguns estudantes o acharão seco e pouco inspirado, enquanto outros necessitarão de sua instrução cuidadosa e passo a passo, dos seus exemplos concretos e de sua repetição constante. Os Home Study Kits contêm livros de exercícios para o estudante e um manual do professor. 387

A MENTE BEM TREINADA

O programa Saxon contém mais treinamento do que o necessário para a maioria dos estudantes, de modo que você deve sentir-se à vontade para saltar algumas tarefas ou aj ustar o programa às necessidades de seu filho. Após a terceira grade, o programa Saxon se organiza por "nível de habilidade " em vez de " nível de grade " . O primeiro nível da grade intermediária, Math 514, pode ser adotado tanto no ano da quarta quanto no da quinta grade, sendo seguido por 615 , 716, 817 ( um ano opcional) e, em seguida, por Á lgebra 1/2 (pré- Á lgebra ) , qu e pode ser iniciado logo após o 716, a menos que os estudantes necessitem de tra­ balho e prática adicionais. Testes de nivelamento estão disponíveis no website da editora, no link " Resources" para a Saxon Math Homeschool. Nós sugerimos enfaticamente suplementar o programa Saxon com o da Khan Academy ou algum outro dos recursos conceituais listados abaixo : Saxon Homeschool Mathematics. Boston: Houghton Mifflin Harcourt. Saxon Math 514 Homeschool Complete Kit, 3rd ed. $96 . 8 5 . Saxon Math 615 Homeschool Complete Kit, 3rd ed. $ 96 . 8 5 . Saxon Math 716 Homeschool Complete Kit, 4th ed. $ 1 07.75 . Saxon Math 817 Homeschool Complete Kit, 3rd ed. $ 1 07.75 . Este é o livro de transição para os estudantes que não estiverem prontos para começar a pré- Á lgebra . Caso seu estudante passe pelo Math 716 sem nenhuma dificuldade fora do comum, dispense o Math 817 e vá direto para Á lgebra 1 12 ou outra sequência de Á lgebra que você venha a escolher.

Singapore Primary Math O programa Singapore Math é altamente conceitua!; seu foco é no ensino do pensamento matemático desde o início, indicando quebra-cabeças para "Matemática mental " assim que as crianças apren­ dem a contar. Cada semestre da série Primary Math para a grade K-6 consiste em um livro-curso e um livro de exercícios . A série Singapore não é tão orientada a fatos como a Saxon ou a Math-U-See, e lhe faltam as instruções procedurais encontradas na Right Start; os livros-cursos e os livros de exercícios sozinhos não oferecem prática suficiente, sendo necessário investir nos recursos adicionais oferecidos pelo programa tais 388

A LINGUAGEM DA RAZÃO

como os livros da série Extra Practice. Certifique-se de acrescentar os livros Challenging Word Problems nos anos da quinta e sexta grades. Os estudantes que completem o nível 6 devem estar prontos para a pré- Á lgebra mas, caso sej a necessário um ano adicional para amadu­ recimento, avalie a possibilidade de dar um passo para o lado usando os outros programas recomendados. Singapore Math, U . S . edition . $ 1 2 . 5 0 cada livro-texto, $ 1 1 .20 cada livro de exercícios, $ 1 7. 5 0 cada Home Instructor Cuide ( Guia para o Instrutor Domiciliar) . O programa pode ser pedido à Singapore Math, Inc. (o distribuidor nos EUA, não o editor do programa ) ou a um fornecedor de material para ensino domiciliar. A edição americana usa pesos, medidas e dinheiro americano.

Primary Math US SA Textbook. Primary Math US SA Workbook. Primary Math US SA Home Instructor's Cuide. Primary Math US SB Textbook. Primary Math US 5B Workbook. Primary Math US 5B Home Instructor's Cuide. Primary Math US 6A Textbook. Primary Math US 6A Workbook. Primary Math US 6A Home Instructor's Cuide. Primary Math US 6B Textbook. Primary Math US 6B Workbook. Primary Math US 6B Home Instructor's Cuide. Extra Practice for Primary Math US Edition 5. $ 1 1 .5 0 . Extra Practice for Primary Math US Edition 6. $ 1 1 .5 0 . Challenging Word Problems for Primary Mathematics Common Core Edition 5. $ 1 2 . 8 0 . Challenging Word Problems for Primary Mathematics Common Core Edition 6. $ 1 2 . 8 0 .

Á l g e b ra Os currículos a seguir estão listados alfabeticamente. 389

A MENTE BEM TREINADA

Nota: Há muitos programas disponíveis para educadores domici­ liares; conheça mais opções de ensino de Á lgebra e leia avaliações de usuários em www.welltrainedmind.com.

Art of Problem Solving O programa de Matemática Art of Problem Solving é altamente conceituai, orientado à descoberta . Concebido ( nas palavras do editor) para " estudantes excepcionais de Matemática " , é provavelmente mais adequado para estudantes que floresceram com a abordagem dos mé­ todos Singapore e Math Mammoth. Em vez de aprender conceitos e, em seguida, praticar habilidades para reforçá-los, os estudantes são desafiados a resolver problemas com o obj etivo de encontrar seu caminho rumo à maestria; a perplexidade é uma parte importante do programa . Os estudantes avançam através de conj untos de problemas cuj a dificuldade aumenta lentamente para desvelar um conceito e somente depois recebem uma explicação sobre o conceito propriamente dito . Este método se encaixará em estudantes que se divertem com de­ safios e preferem encontrar seu caminho de forma independente, mas frustrará aqueles que necessitam de uma orientação um pouco mais específica e da liderança de um professor. Para aqueles cuj o estilo de aprendizagem se encaixa no programa, a série da AOPS pode levar a grandes conquistas. Testes de diagnóstico e amostras do conteúdo estão disponíveis no website do editor; lições online baseadas nos livros e versões online dos textos também estão disponíveis. Para textos adicionais mais avançados, confira o capítulo 2 8 . Art of Problem S olving Mathematics curriculum. Alpine, CA: AOPS Press.

Pre-Algebra. Richard Rusczyk, David Patrick e Ravi Boppana. Texto e soluções, $54.

Introduction to Algebra. Richard Rusczyk. Texto e soluções, $59. Um curso completo de Á lgebra 1 que inclui algum conteúdo de Á lgebra II.

Introduction to Geometry. Richard Ruscyzk. Texto e soluções, $57. 390

A LINGUAGEM DA RAZÃO

Math- U-See Nos níveis superiores, a série Math-U-See continua usando a com­ binação de livro texto/vídeo/manuseáveis usada anteriormente (vej a acima ) . A sequência para ensino de Á lgebra segue a progressão padrão de pré- Á lgebra, Á lgebra de primeiro ano, Á lgebra de segundo ano e trigonometria. Cada Universal Set ( Conj unto Universal) inclui todos os manuseáveis bem como um DVD instrucional, manual de soluções, livro de exercícios para o estudante e testes de avaliação . Os estudantes que tenham usado os níveis anteriores da Math-U-See talvez ainda tenham os manuseáveis e podem simplesmente pedir o Base Set for pre-Algebra ( Conj unto Base para pré- Á lgebra ) e Algebra 1 por $90. Testes de nivelamento, amostras online, e mais opções para pedidos podem ser encontrados no website da editora. Math-U-See. Lancaster, PA: Math-U-See, lnc. pre-Algebra Universal Set ( $ 1 69 ) or Base Set ( $ 90 ) . Algebra I Universal Set ( $ 1 69 ) o r Base Set ( $ 9 0 ) . Geometry Universal Set ( $92 ) .

Saxon Os níveis superiores do método Saxon continuam com a mesma cuidadosa abordagem procedural das grades elementares e intermediárias (vej a acima ) . Testes de nivelamento podem ser baixados no website da editora. Suplemente com recursos conceituais quando houver necessidade. As edições anteriores da Saxon continham " Geometria Integrada " em vez da tradicional divisão sequencial americana em Á lgebra 1, Ge­ ometria e Á lgebra II; os três livros ( Á lgebra 1, Á lgebra II e Matemática Avançada) distribuíam os tópicos algébricos e geométricos ao longo de três anos. A edição atual segue o modelo padronizado americano. Caso você estej a usando uma versão mais antiga, estej a ciente de que a coleção não abrangerá todos os tópicos em Geometria antes do final do terceiro ano, o que pode afetar os resultados de testes (pois a maioria dos testes padronizados americanos partem do princípio de que todo o conteúdo de Geometria será ensinado no segundo ano ) . Saxon Homesch o o l Mathematics. Bosto n : Houghton Mifflin Harcourt. Saxon Algebra 1 12 Kit with Solutions Manual, 3rd ed. $ 1 20 . 6 0 . 391

A MENTE BEM TREINADA

Saxon Algebra 1 Homeschool Kit with Solutions Manu al, 3rd ed. $ 1 29.20. Saxon Homeschool Geometry Kit with Solutions Manual, l st ed. $1 35.80.

VideoText Desenvolvido pelo professor de Matemática Tom Clark, a série VideoText adota uma abordagem diferenciada no ensino de Álgebra. O primeiro curso, Algebra: A Complete Course, abrange a pré- Á lgebra, Á lgebra 1 e Á lgebra II em um único curso que se estende por 1 76 lições (e pode levar até três anos para ser completado ) , enquanto Geometria: A Complete Course tem 1 76 lições que abrangem Geometria, Trigo­ nometria e introdução ao Cálculo. Uma vez que o curso de Geometria acompanha o curso de Álgebra, os estudantes completarão apenas alguns anos mais tarde os tópicos em Geometria normalmente ensinados após Á lgebra I; esta é uma estratégia perfeitamente sensata, mas que pode afetar os resultados de testes de avaliação para estudantes que comecem a sequência um pouco mais tarde. A série VideoText, recomendada pelo criador da série RightStart como uma boa opção para adotar após completar o curso elementar da RightStart, é orientada ao domínio dos conceitos ( não espiral) e equilibra perfeitamente o ensino conceituai com a prática de exercícios. Os estudantes assistem a uma lição em DVD; quando solicitados, dão uma pausa no vídeo para responder a perguntas ou completar tarefas e, finalmente, solucionam problemas práticos . O programa é especialmente adequado para estudantes que estão prontos para começar mais cedo o programa de pré- Álgebra, oferecendo uma boa oportunidade de completar os dois cursos antes do início dos testes SAT. Os estudantes que não desej em entrar logo no estudo da Trigonometria provavelmente desej arão adotar um curso de Geometria à parte . Explicações extras sobre a abrangência, a sequência e mais in­ formações sobre o método estão disponíveis no website do editor. Os materiais didáticos incluem DVDs, livro de exercício, manual de soluções, testes de avaliação e guias para o instrutor; o editor também oferece uma versão online do programa com preços que variam em função do número de alunos participantes. 392

A LINGUAGEM DA RAZÃO

Algebra: A Complete Course. Algebra Modules A-B-C. $279. Algebra Modules D-E-F. $279. Geometry: A Complete Course with trigonometry. $529. O pções pa ra estu d o o n l i n e d e M atemática A pré-Álgebra costuma ser o ponto e m que os pais decidem terceirizar o ensino de Matemática. Há uma grande quantidade de aulas de Mate­ mática de boa qualidade , "ao vivo " e interativas disponíveis online. Os endereços web , os professores e os materiais empregados mudam com muita frequência; para acessar uma lista continuamente atualizada de cursos recomendáveis , visite www.welltrainedmind.com.

Matemática da vida real

Checkbook Math: Detailed Exercises for Learning to Manage a Checkbook. Scottsdale , AZ: Remedia Publications , 2010. $7.99. Faça seu pedido à Remedia Publications. Os estudantes aprendem como preencher cheques , manter um registro e a fazer o balanço do talão de cheques.

Math on the Menu.

Berkeley , CA: GEMS ,

1999. $20.

Faça seu pe­

dido à loj a do museu do Lawrence Hall of Science. Desenvolvido pelas professoras Jaine Kopp e Denise Davila , esta unidade de Matemática com

144

páginas conduzirá você por um cenário de Matemática da

vida real: a família Rosada abre e , em seguida , expande seu restaurante mexicano e precisa de aj uda para estabelecer os preços no cardápio , combinar ingredientes , analisar custos , abrir uma filial , e assim por diante.

Menu Math: Market Math e Extra Price Lists. Scottsdale , AZ: Reme­ dia Publications , 2009. $17.99. Faça seu pedido à Remedia Publications. Uma lista de preços de mercearias e problemas reais de matemática para os estudantes resolverem comparações de preços e quantidades , uso de cupons , e assim por diante.

Moneywise Kids.

Ann Arbor, MI: Aristoplay ,

1994. $12 .

Faça seu

pedido à Talicor. Dois j ogos que exigem de crianças a partir de sete anos de idade que façam orçamentos e usem um salário hipotético. Stanmark , Jean , et al.

$19.95.

Family Math.

Berkeley , CA: Equals ,

1996.

Faça seu pedido a uma livraria , ao Rainbow Resource Center 393

A MENTE BEM TREINADA

ou à loja do museu do Lawrence Hall of Science. Publicado pelo progra­ ma Family Math do Lawrence Hall of Science, esta série foi concebida para uso por toda a família (especialmente para o nível K-6 ) . Contém atividades práticas de Matemática, j ogos e quadros de referência. Um bom guia para problemas de Matemática da vida real. Thompson, Virginia, et al. Family Math: The Middle School Years, Algebraic Reasoning e Number Sense. Berkeley, CA: Equals, 1 99 8 . $20 . 9 5 . Faça seu pedido a uma livraria o u à loj a do museu do Lawrence Hall of Science. Uma sequência da série Family Math, este livro oferece mais atividades orientadas à família, incluindo algumas que reforçam habilidades em Á lgebra.

Sup lementos de Matemática Conceitua i Série Arbor Algebra . Uma estimulante abordagem n arrativa às habilidades algébricas, com grande quantidade de exemplos e livro de exercícios. Faça seu pedido à Arbor Algebra . Vej a amostras no website da editora. Títulos adicionais, que lidam com tópicos mais avançados, estão disponíveis no capítulo 2 8 . Rollman, Linus . ]ousting Armadillos & Other Equations: An In­

troduction to Algebra. Livro do estudante e livro de exercícios. $25 . Livro de respostas e testes. $ 3 5 . Gardner, Martin. Martin Gardner, matemático e mágico, criou quebra-cabeças de Ciência e Matemática para a revista Scientific American3, para o New York Times e para a NPR4• Embora muito do trabalho de Gardner sej a mais útil para estudantes em nível do ensino médio, uma seleção de seus quebra-cabeças foi reimpressa pela Dover Press para pensadores mais jovens. É uma maneira divertida de estimular os estudantes do estágio Lógico a exercitar aquelas habilidades de pensamento de " alto nível " . 3

4

Nota do tradutor: A Scientific American é uma revista americana de popularização científica. Com mais de 1 70 anos de publicações ininterruptas, é a mais antiga revista mensal ainda em atividade nos Estados Unidos. Nota do tradutor: A National Public Radio (NPR) é uma organização americana de mídia sem fins lucrativos, financiada pelo governo e por organizações privadas, que distribui conteúdo para mais de 900 estações de rádio públicas nos Estados Unidos.

3 94

A LINGUAGEM DA RAZÃO

Classic Brainteasers ( 1 99 5 ) . Entertaining Mathematical Puzzles ( 1 9 8 6 ) . My Best Mathematical and Logic Puzzles (20 1 3 ) . Perplexing Puzzles and Tantalizing Teasers ( 1 9 8 8 ) . Hands-On Equations. Allentown, PA: Borenson and Associates. Hands-On Equations é um método suplementar de resolução de problemas, excelente para apresentar os estudantes mais novos ao pensa­ mento algébrico. A combinação de manuseáveis e atividades torna mais claros os conceitos abstratos da Matemática para estudantes com estilo de aprendizagem visual ou sinestésico ao ensiná-los a desenhar modelos de funcionamento das equações . Uma versão em forma de aplicativo também está disponível (vej a em www. welltrainedmind.com). No website da editora você também encontrará opções adicionais de compra. Hands-On Equations Deluxe Home Set. $69.95. Manual do instrutor, livro de exercícios com problemas verbais, manuseáveis, folhas de exercícios e um DVD. Os itens individuais também podem ser adquiridos separadamente. Khan Academy. Fundada por Salman Khan5, a Khan Academy é uma organização sem fins lucrativos que oferece "micropalestras " sobre todos os conceitos de Matemática elementar acompanhadas de exercícios online e problemas práticos. Use para aprender ou revisar tópicos específicos ou para traçar um plano de ensino personalizado. Fortemente recomendável como suple­ mento para qualquer programa de Matemática. www. khanacademy.org Mathematics Enhancement Program. Uma versão britânica de um programa de Matemática desenvolvido na Hungria, o MEP oferece folhas de prática gratuitamente online, com respostas e orientação ao professor, além de linhas numeradas e cartões de formas. Quando sua sequência é acompanhada rigorosamente, as lições revelam uma abordagem espiral. Faça o download no Centre for Innovation in Mathematics Teaching. www.cimt.plymouth.ac.uk. 5

Nota do tradutor: Salman Amin Khan é um educador americano e ex-analista do mercado financeiro, fundador da Khan Academy, uma organização que mantém uma plataforma educacional online gratuita com mais de 6.500 lições em vídeo para ensino de uma grande variedade de temas, incluindo Matemática e Ciência .

395

A MENTE BEM TREINADA

Su plementos de Matemática Procedural Developmental Math: A Self-Teaching Program. Halesite, NY: Mathematics Programs Associates. Cada nível oferece um livro de exercícios ( $ 1 0 ) , um guia do pro­ fessor ( $4 ) e um manual de soluções ( $ 1 5 ) . Uma descrição completa dos 20 níveis do programa e um teste de nivelmente estão disponíveis no website da editora . Contém muitos problemas práticos adicionais para operações matemáticas elementares . Útil para rever conceitos enquanto se usa um programa de maestria, ou para desenvolver maes­ tria enquanto se usa um programa em espiral. É mais fácil pedi-lo ao Rainbow Resource Center.

Levei 9. Division: Concepts and Facts. Levei 1 0. Hundreds and Three- Unit Numbers. Levei 1 1 . Three- Unit Numbers: Multiplication and Division Skills. Levei 1 2 . Thousands and Large Numbers: Concepts and Skills. Levei 1 3 . Decimais, Fractions, and the Metric System: Concepts and Basic Skills. Levei 1 4. Fractions: Concepts and Skills. Levei 1 5. Fractions: Advanced Skills. Levei 1 6. Special Topics: Ratio, Percent, Graphs and More. Levei 1 7. A lgebra 1 : Signed Numbers. Levei 1 8. A lgebra 2: Equations. Levei 19. Geometry 1 : Foundations of Geometry. Levei 2 0. Geometry 2 : Two-Dimensional Figures.

396

1 6. Reco n h ece n d o pad rões: C i ê n c i a

A Ciência é conhecimento organizado . -

Herbert Spencer

Assunto: Ciência: Biologia, Astronomia e Ciências da Terra, Química, Física. Tempo exigido: 3 horas por semana 90 minutos por dia, dois dias por semana, mais algum tempo adicional para experimenta­ ção independente. -

a Ciência do estágio Lógico, o estudante começa a fazer co­ nexões. A Ciência do estágio Gramatical foi um tempo de descoberta . O estudante mais j ovem explorava o mundo à sua volta, mergulhando nas Ciências da Vida e na Astronomia, na Física e na Química, coletando fragmentos de informações interessantes . Durante o estágio Lógico, o cientista emergente mergulha mais fundo e entende como esses fragmentos de informação se interconectam. O estudante de primeira grade aprendia sobre os animais; o da quinta grade aprenderá sobre as células que formam o corpo do animal, como elas funcionam, como elas o mantêm vivo. O aluno de segunda grade memorizava as constelações; o de sexta grade aprenderá como e por que as estrelas nascem e morrem. O estudante de terceira grade fazia experimentos com corante alimentício e água; o da sétima grade estudará os átomos e moléculas que compõem a água propriamente dita, sua estrutura e as regras que governam seu movimento. O aluno

N

da quarta grade fazia experimentos com pesos e planos; o da oitava grade aprenderá as leis do movimento e os princípios da gravitação . Estudantes do nível elementar descobriam fatos; estudantes de nível intermediário começam a entender os conceitos científicos e a conectar 397

A MENTE BEM TREINADA

esses fatos . Eles começarão a reconhecer padrões. "Fazer Ciência " , ob­ servou certa vez o ecologista Robert MacArthur, " é procurar padrões repetitivos, não apenas acumular fatos " . D urante o estágio Lógico, seu filho começará, de fato a fazer Ciência.

Suas metas Seu foco nas grades 5 a 8 deve ser nos conceitos científicos, em entender não apenas " como" mas "por quê" o mundo funciona de certa maneira. Sempre que possível, o estudante do estágio Lógico deve não apenas aprender sobre os conceitos, mas reforçar esse conhecimento com tra­ balho prático: experimentos, demonstrações e proj etos. Pense nos conceitos que você ensinará nas grades intermediárias como elementos de uma entre três categorias. Primeira categoria : princípios científicos. Princípios científicos são proposições ( o estudo da Lógica aj udará o estudante a reconhecê-las ) sobre o funcionamento do mundo. Princípios científicos são verdadeiros quando são demonstrados no mundo real ou testados através de expe­ rimentos. Princípios podem simplesmente expressar o funcionamento de alguma coisa: " Organismos vivos crescem e se reproduzem através da divisão celular" (o estudante pode ver células se dividindo no You­ tube como forma de demonstração ) . Os princípios também podem ser enunciados sob a forma de leis. A Terceira Lei de Newton sobre o Movimento - "A toda ação corresponde uma reação, de igual módulo, igual direção e sentido oposto " - é uma lei científica. (O estudante pode testar esta lei ficando parado sobre patins e atirando longe uma bola - a ação de atirar a bola para a frente produz a reação de fazer os patins rolarem para trás ) . Segunda categoria: descrições científicas. Quando s e descreve uma reação química desde o início até o fim, ou o ciclo de vida de um salmão, ou se investiga os passos de uma erupção vulcânica ou, ainda, lê-se sobre o nascimento, vida e morte de uma estrela, está-se fazendo uso da descrição científica: uma na rrativa cronológica que estabelece uma série de passos ordenados que ocorrem repetidamente. Quando se descreve os anéis de Saturno, as partes de um tubérculo ou as ca­ racterísticas da Fossa das Marianas, você também está fazendo uso da descrição científica . 398

RECONHECENDO PADRÕES

Terceira categoria: classificações científicas. A tabela periódica, as categorias taxonômicas, o agrupamento de planetas em tipos (metáli­ cos, rochosos, gasosos, fluidos ) , a categorização de estrelas em gigantes vermelhas, gigantes azuis, anãs vermelhas, anãs amarelas, anãs marrons e binárias - todos esses são exemplos de classificações científicas. Atentar a essas três categorias ajudará você a oferecer ao estudante do estágio Lógico uma fundamentação completa dos conceitos da Ciên­ cia e dos padrões que trazem ordem a nosso conhecimento do mundo.

Qua i s temas estu d a r - e q u a n d o estu d á - los Tal como n o estágio Gramatical, você abrangerá os cinco maiores cam­ pos da Ciências - Biologia/Ciências Naturais, Astronomia, Ciências da Terra, Química e Física - talvez adicionando Tecnologia como um sexto campo. Novamente, tal como no estágio Gramatical, você dedicará um ano a cada um desses campos: Quinta grade

Biologia

Reino animal ( 1 8 semanas) Corpo humano ( 1 0 semanas ) Reino d a s Plantas ( 1 0 semanas)

Sexta grade

Ciências da Terra e Astronomia

Ciências da Terra ( 1 8 semanas) Astronomia ( 1 8 semanas)

Sétima grade

Química

Conceitos em Química ( 3 6 semanas)

Oitava grade

Física

Conceitos em Física ( 3 6 semanas )

ou

Física e Tecnologia

Conceitos em Física ( 1 8 semanas) Tecnologia e Engenharia ( 1 8 semanas)

Este esquema tem duas vantagens. Primeiro, os conceitos em Biologia e Ciências tendem a ser mais simples para os estudantes mais j ovens do que os de Astronomia, Química e Física; assim, o estudante entra em contato com os princípios mais abstratos quando está mais maduro. Segundo, o estudante que estej a estudando simultaneamente História na ordem que recomendamos no capítulo 1 7 entrará em contato com muitos dos inovadores em cada campo de conhecimento tanto em His­ tória quanto em Ciência. Entretanto, você também pode escolher um dos seguintes padrões de estudo: 399

A MENTE BEM TREINADA

Quinta grade

Ciências básicas da natureza

Ciências da Terra (8 semanas) Astronomia ( 8 semanas ) Reino animal ( 8 semanas) Corpo humano (8 semanas)

Reino das Plantas (4 semanas) Sexta grade

Olhar abaixo da superfície ·

Química Básica ( 1 2 semanas )

Física Básica ( 1 2 semanas )

Tecnologia e Engenharia ( 1 2 semanas) Sétima grade Oitava grade

Repetir tópicos da quinta grade: revisão e �ofundamento. Repetir tópicos da sexta grade: revisão e �ofundamento.

OU: Quinta grade

Ciências da Terra (5 semanas)

Todas as Ciências

Astronomia (5 semanas )

Reino animal (6 semanas)

Corpo humano ( 5 semanas)

Reino das Plantas (5

semanas ) Reações Químicas ( 5 semanas ) Física (5 semanas) Sexta grade

Mesmos temas com maior LE_rofundidade .

Sétima grade

Mesmos temas com maior .E_rofundidade.

Oitava grade

Mesmos temas com maior Eofundidade.

( Confira mais adiante, na seção " Como ensinar conceitos cientí­ ficos " , sugestões sobre como avançar em profundidade e dificuldade a cada ano ) . Nós alertamos n o estágio Gramatical, contra a tentativa d e fazer um estudo " abrangente " de qualquer campo da Ciência. Isto não será possível nem mesmo no ensino médio ( nem na faculdade, para sermos sinceros ) ; a descoberta científica dá um salto adiante enquanto os estu­ dantes escolhem seu caminho com cuidado através do contato com novos conteúdos. Assim, repetimos o alerta: alunos da grade intermediária têm mais maturidade e melhores habilidades de leitura e escrita do que estudantes do nível elementar, mas ainda não podem ser " entupidos " de conhecimento científico exaustivo. Sua meta não é cobrir todos os 400

RECONHECENDO PADRÕES

conceitos importantes da Ciência, mas começar a treinar o estudante a fazer Ciência .

Como e n s i n a r c o n ceitos cie ntíficos: m éto d o s g e n é ricos Tal como n o estágio Gramatical, você usará algum tipo d e " espinha dorsal" para organizar o seu trabalho . Na seção de " Recursos " no final deste capítulo, nós sugerimos algumas possíveis " espinhas dorsais " que podem servir como seus textos básicos de Ciência, bem como alguns currículos completamente desenvolvidos para pais que preferem não planej ar o próprio estudo de Ciência. Para bem planej ar o seu ano de estudos, decida quantas semanas você dedicará a cada campo científico e quantas páginas de sua "espinha dorsal " de Ciência você cobrirá durante essas semanas. Em seguida, sugerimos que você, novamente, use o método do caderno para orga­ nizar o estudo. Faça quatro divisões no caderno: • • • •

Definições científicas Princípios científicos Classificações científicas Descrições científicas

O uso do caderno de Ciência, não importando quais textos ou cur­ rículos você escolha, tem três benefícios . Primeiro: o estudante pratica a habilidade de tomar notas, aprendendo a destilar informação em uma forma mais sucinta e registrá-la para consulta futura. (Vej a, no capítulo 1 8 , uma explicação sobre como este tipo de redação se enquadra no plano geral do programa de Redação do estágio Lógico ) . Segundo: o estudante aprende a manter registros limpos e cuidadosos, uma habili­ dade importante para todo cientista em formação. Terceiro: o caderno se tornará uma referência para guiá-lo à medida que evolui rumo a um estudo mais complexo da Ciência.

Definições Use a primeira seção do caderno para coletar os fatos básicos que o estudante deverá ser capaz de lembrar-se - os fatos com que ele prova­ velmente já se encontrou no estágio Gramatical mas que, agora, precisa 40 1

A MENTE BEM TREINADA

manter em mente. Sempre que o estudante esbarrar em um termo ou ex­ plicação desse termo, deve anotá-lo na seção de Definições do seu caderno. Esta prática aj uda o estudante a criar uma lista de referência de informações importantes, mas também força-o a " peneirar" a informação mais importante em vez de simplesmente anotar tudo ( uma habilidade vital no estágio Lógico ) . Uma definição, normalmente, assume a forma de " substantivo + verbo de ligação + frase descritiva " . Por exemplo, digamos que o estudante leia o seguinte texto: Ao redor do sol. A gravidade do sol mantém sob seu j ugo um variado sortimento de objetos celestiais, bem como os oito planetas, com suas próprias famílias de anéis e luas. O sistema solar é composto de bilhões de pedaços de entulho rochosos e gelados. Os planetas orbitam o Sol na mesma direção e praticamente sobre o mesmo plano. Mais próximos do Sol, há quatro mundos pequenos e rochosos: Mercúrio, Vênus, Terra e Marte. Nas extensões mais geladas e distantes do sistema solar, encontramos os planetas gi­ gantes: Júpiter, Saturno, Urano e Netuno. Eles são compostos de substâncias mais voláteis do que a rocha, tais como hidrogênio, hélio, me­ tano e água. Os asteroides, a maior parte dos quais reside entre Marte e Júpiter, são massas de entulho rochoso que sobraram do nascimento dos planetas. A fronteira do sistema planetário é formada por blocos gelados - cometas e os objetos do cinturão de Kuiper - remanescentes dos primeiros dias do sistema solar1 • Ele deverá, então, escrever na seção de Definições do seu caderno: "Asteroides: massas de entulho rochoso que sobraram do nasci­ mento dos planetas " . As outras informações desse trecho são interessantes, mas esta é a única definição. 1

Heather Couper et ai., The Planets: The Definitive Visual Cuide to Our Solar System (New York: DK/Smithsonian, 2 0 1 4 ) , p. 1 2 .

402

RECONHECENDO PADRÕES

Princípios Científicos A cada vez que o estudante encontrar um princípio científico em sua enciclopédia, livro ou currículo, ele deve anotá-lo e arquivá-lo na seção " Princípios Científicos " de seu caderno. Um princípio explica como o mundo funciona. Um princípio pode ser uma simples declaração, uma regra ou uma lei. Em Biologia, os princípios incluem as regras da herança de Mendel e (para estudantes da grade intermediária ) o princípio das transferências de informação de DNA de uma geração para a seguinte ( um entendimento mais preciso sobre o que faz o DNA virá mais tarde ) . Nas Ciências da Terra, a "deriva dos continentes " pode ser considerada um princípio; em Astronomia, as leis de Kepler sobre o movimento planetário; na Química, " átomos formam moléculas ao compartilhar seus elétrons " ; em Física, a Primeira Lei da Termodinâmica. Nas seções que se seguem, nós oferecemos mais alguns exemplos para cada campo científico. ( Lembre-se de que a Tecnologia é um tipo ligeiramente diferente de estudo: a Tecnologia é a aplicação de princípios científicos a situações da vida real, de modo que ela não produz novos princípios. Caso você escolha passar algum tempo estudando tecnologia, o estudante revisará princípios de outros campos da Ciência ) . Em seguida, peça a o estudante que participe d e u m experimento, demonstração ou ilustração ativa de um princípio. Tecnicamente, um experimento acontece quando nos ocorre uma pergunta ( " como a temperatura afeta o crescimento dos cristais ? " ) , fazemos alguma pesquisa para obter uma pista de qual poderia ser a resposta, formulamos uma resposta possível ( " cristais crescem mais rapidamente em temperaturas mais baixas " ) e testamo-la através de experimentação ( formar cristais em soluções em três temperaturas di­ ferentes, com todas as demais variáveis devidamente controladas ) . Os resultados do experimento podem confirmar ou negar a hipótese - ou podem, ainda, ser inconclusivos, o que significa que você terá de refazer o experimento (talvez de um modo diferente) . Alguns princípios estão a o alcance d e experimentação real para estudantes da grade intermediária: o princípio de que "a fotossíntese converte a energia do sol em comida e energia para as plantas" pode ser a base para um experimento em que alguns brotos de rabanete sej am 403

A MENTE BEM TREINADA

mantidos expostos ao sol enquanto outros sej am mantidos no escuro, para que seu vigor sej a medido após algum tempo. Mas a experimentação é apenas uma maneira de fazer Ciência . Muitos princípios - particu­ larmente as leis fundamentais da Física e da Química - estão fora do alcance até mesmo de estudantes avançados. ( Seu estudante em nível de sétima grade não será capaz de medir a dobra da luz das estrelas quando passa pelo Sol; os colegas de Einstein só conseguiram observá-la uma década após ele tê-la enunciado ) . Em vez disso, os estudantes podem desenhar diagramas, construir modelos ou assistir a demonstrações em vídeo (tanto ao vivo quanto em animação ) . Sua meta é simplesmente retirar o princípio das páginas do livro e trazê-lo ao mundo real. Na seção " Recursos " , ao final deste capítulo, listamos uma gran­ de variedade de kits práticos, livros de experimentos e projetos para ajudá-lo. Mas você também pode encontrar numerosas demonstrações e experimentos online, simplesmente pesquisando. Por exemplo, caso você busque por " Newton " + second law of motion + demonstration ( " Newton" + " segunda lei do movimento " + " demonstração " ) você en­ contrará diversas demonstrações no YouTube, uma ilustração do Pêndulo de Newton e diversas atividades ( uma com um io-iô, diversas com uso de bolinhas de gude e rolamentos, e uma com uma arma de dardos ) . Uma vez que o estudante tenha feito o experimento, assistido à de­ monstração ou executado o projeto, ele deve escrever um breve resumo da atividade e adicioná-lo ao caderno j unto com o enunciado do próprio princípio. Ele foi preparado para isso durante suas tarefas de Ciências do estágio Gramatical, em que mantinha " páginas de projetos " , e durante as tarefas de Redação do estágio Gramatical, em que era encarregado de redigir resumos. Estudantes em nível de quinta grade devem escrever três ou quatro frases; em nível de sexta grade, dois parágrafos; em nível de sétima e oitava grade, meia página ou mais . Caso a atividade consista num experimento real, esse resumo escrito deve lembrar um registro de laboratório. A preparação de registros de laboratório reais são tarefas em nível de ensino médio, mas os estudantes no estágio Lógico precisam de treinamento para manutenção de registros cuidadosos e ordeiros. Na seção de " Recursos " , sugerimos alguns guias básicos para experimentação e registros de laboratório; use-os como referência, quando necessário. Geralmente, o registro de laboratório do 404

RECONHECENDO PADRÕES

estudante em nível intermediário deve ser uma página redigida com as seguintes informações :

Que pergunta estou tentando responder? (enuncie a pergunta) 2. Qual poderia ser a resposta ? (formule uma hipótese) 3 . Como testarei esta resposta? a. Materiais usados b. Passos do experimento 4. Que resultados obtive? 5. O resultado está em concordância com a resposta que pensei que iria obter? Em caso negativo, que resposta eu deveria dar em vez da anterior? 1.

Descrição Científica

À medida que o estudante avança pela obra escolhida como " es­ pinha dorsal " de Ciência, ele encontrará descrições: descrições físicas de obj etos na natureza ( as partes de uma célula, as camadas da Terra, a estrutura de um átomo ) e narrações descritivas de processos naturais (a fissão de um átomo, a j ornada de uma árvore desde a semente até o broto, a órbita de um planeta ) . Sempre que encontrar uma destas descrições, ele deverá resumi-la brevemente em suas próprias palavras, tomar nota e incluí-la na seção " Descrições Científicas " de seu caderno. Por exemplo, um estudante de Ciência da Vida pode esbarrar em uma descrição como a que se segue da família dos invertebrados : "A palavra cefalópode significa 'cabeça-pé' em Grego, refletindo sua anatomia . Seu tamanho é medido pelo comprimento de sua cavidade corporal, chamada 'manto' , localizada atrás da cabeça. O seu grande cérebro e seus sentidos avançados tornam-nos criaturas sociáveis, com a habilidade de comunicar-se uns com os outros - algumas vezes, eles até se unem a cardumes de peixes em busca de companhia . Os cefalópodes podem mudar a cor e a padronagem d e seus corpos para camuflar-se ou afastar predadores. Eles têm tentáculos com ventosas e se movimentam absorvendo água e disparando-a para fora, criando um movimento de propulsão a j ato. Os cefalópodes produzem tinta e, quando ameaçados, liberam uma nuvem de tinta para confundir os predadores. Alguns podem produzir uma 'nuvem fantasma', semelhante 405

A MENTE BEM TREINADA

a seus próprios corpos em tamanho, forma e cor, que funciona como isca e oferece ao cefalópode a oportunidade de fugir."2• Ele escreveria, em seguida, um resumo semelhante ao que se segue: " Cefalópodes têm uma cavidade corporal, o manto, que fica atrás de sua cabeça. Eles têm cérebros grandes e tentáculos com ventosas. Eles se movem por propulsão a j ato e podem liberar tinta e nuvens para proteger-se de predadores " . Esta é uma descrição física de um obj eto na natureza. Ao estudar Ciências da Terra, ele pode esbarrar nesta descrição de um processo natural: " Em 1 960, Hess propôs uma ideia radical. Ele sugeriu que o fun­ do do oceano se move de modo análogo a correias transportadoras, carregando os continentes j unto com elas. Este movimento começa na Cordilheira Mesoceânica. A Cordilheira Mesoceânica é formada ao longo de uma falha na crosta oceânica. Na Cordilheira Mesoceânica, o material fundido ergue-se desde o manto e entra em erupção. Esse ma­ terial fundido então se espalha, empurrando as rochas mais antigas para ambos os lados da Cordilheira . À medida que o material fundido esfria, forma uma linha de rocha sólida no centro da Cordilheira . Em seguida, mais material fundido flui para dentro da falha. Este material racha a linha de rocha sólida que havia se formado anteriormente, empurran­ do-a para o lado. Hess batizou o processo que agrega continuamente novo material ao fundo do oceano de expansão do fundo oceânico. Ele percebeu que o fundo do oceano se espalha ao longo dos dois lados da Cordilheira Mesoceânica à medida que novas crostas são agregadas " 3 • O estudante pode resumir essas informações e m duas ou três frases: A expansão do fundo oceânico acontece quando o material fundi­ do se ergue para fora do manto através do fundo oceânico, se espalha, esfria e forma uma linha de rocha sólida. Então, mais material fundido se eleva, racha essa linha e esfria . Isto resulta em mais crosta no fundo do oceano. O estudante sempre pode adicionar desenhos às descrições para torná-las mais claras ( lápis de cor são divertidos ! ) . 2 3

Jenny Broom, Animalium, ilustrações por Katie Scott ( Somerville, MA: Big Picture Press, 2 0 1 4 ) , pp. 1 2-1 3 . Michael ]. Padilla et ai., Prentice-Hall Science Explorer Inside Earth (Needham, MA: Pearson Prentice-Hall, 2005 ) , p. 3 5 .

406

RECONHECENDO PADRÕES

Classifi cações Científicas Finalmente, sempre que o estudante encontra uma explicação sobre uma classificação científica, ele deve anotá-la e adicioná-la à seção de " Classificações Científicas " de seu caderno. As classificações ocorrem sempre que os objetos ou processos natu­ rais são enquadrados em categorias. Por exemplo, ao estudar Química, o estudante pode encontrar um parágrafo como o que se segue: "O mundo dos compostos químicos pode ser dividido de forma ampla em compostos orgânicos e inorgânicos. O nome 'orgânico' in­ tuitivamente sugere suavidade, semelhante a algo que você encontraria crescendo no j ardim. De fato, muitos compostos orgânicos estão es­ treitamente associados à vida. Por outro lado, a expressão 'compostos inorgânicos' soa áspera como uma rocha e, de fato, muitas rochas são realmente inorgânicas. Mas esta definição 'suave versus áspero' não funciona na prática - o número de exceções é simplesmente grande demais. Assim, como é definida, exatamente, a divisão entre 'orgânico' e 'inorgânico"' 4 ? Não é necessário que o estudante escreva cada detalhe d a discussão acima; ele só precisa escrever: Com ostos Químicos Orgânicos

Inor ânicos

E incluir no caderno. À medida que ele for encontrando novas ca­ tegorias e divisões, ele poderá adicioná-las a esta tabela, ou redesenhá-la para incluir os novos grupos. Nota: É importante não " atolar-se " tentando tomar nota de todas as definições, todos os princípios e todas as classificações. Você não tentará dar ao estudante um fundamento científico completo em cada campo da Ciência; aguarde o ensino médio para um estudo mais téc­ nico, sistemático e avançado. Em vez disso, você treinará o estudante para que ele mantenha bons registros; o estudante está praticando a habilidade de redigir e tomar notas enquanto começa a compreender melhor os padrões mais amplos da Ciência. O estudo da Ciência no 4

Theodore Gray, Molecules: The Elements and the Architecture of Everything, ilus­ trações por Nick Mann ( New York: Black Dog & Leventhal, 2 0 1 4 ) , p. 47.

407

A MENTE BEM TREINADA

estágio Lógico deve ser mais desafiador e mais organizado do que no estágio gramatical mas, ainda assim, deve ser divertido e não tedioso. Use estas regrinhas básicas: • Estudantes em nível de quinta grade devem fazer pelo menos duas ou três entradas por semana no caderno de Ciência . • Estudantes em nível de sexta grade devem fazer três ou quatro entradas por semana. • Estudantes em nível de sétima e oitava grades devem fazer de cinco a sete entradas por semana.

Como e n s i n a r C i ê n cias da V i d a : a n i m a i s, seres h u m a n os e p l a ntas Selecione uma das "espinhas dorsais " recomendadas na seção "Recursos" ao final deste capítulo e suplemente-a com os kits de proj etos e livros recomendados, ou pesquise atividades e demonstrações na internet.

Procure por estes princípios científicos: •

• • •

Regras de Mendel para a herança genética ( características dominantes e recessivas) Transferência de informação de DNA de uma geração a outra Seleção natural Cadeia alimentar

Tente incluir estas descrições no transcurso de seu plano de estudos: • •



Partes e estrutura de uma célula Partes de uma flor ( receptáculo, pétalas, sépalas, nectários, estames, pistilos ) Principais sistemas do corpo humano (podem incluir a pele e os sistemas esquelético, muscular, digestivo, respiratório, circulatório, urinário, reprodutivo, endócrino e nervoso )







Principais ossos (crânio, mandíbula, clavícula, escápula, caixa

torácica, ulna, rádio, pelve, carpo, fêmur, patela, fíbula, tíbia) Componentes do sangue e suas funções (glóbulos vermelhos transportam oxigênio, glóbulos brancos lutam contra doenças, plaquetas cessam sangramentos ) Es trutura básica e função dos genes

408

RECONHECENDO PADRÕES

Categorias importantes de classificação: • • •



Reino Animal: filo e classe ( vej a no capítulo 8 ) Reino das Plantas: filo e classe listado Tipos de folhas compostas (palmadas, trifoliadas, ternadas, pinadas, bipinadas) Tipos de raízes ( aprumadas, fibrosas, adventícias, aéreas, escoras)

Como e n s i n a r Ciências da Terra e Astro n o m i a Selecione uma das "espinhas dorsais" recomendadas na seção "Recursos" ao final deste capítulo e suplemente-a com os kits de projetos e livros recomendados, ou pesquise atividades e demonstrações na internet.

Procure por estes princípios científicos: • • • • •

Teoria heliocêntrica ( Copérnico) Leis do movimento planetário de Kepler Deriva continental Expansão do universo Velocidade da luz

Tente incluir estas descrições no transcurso de seu plano de estudos: • • •

• • • • • •

Sistema solar (planetas, em ordem ) Partes e camadas da Terra, do núcleo à crosta Placas da Terra (Norte Americana, Cocos, Caribenha, Sul Americana, Nazca, Africana, Eurasiana, Indo-Australiana, do Pacífico ) Camadas da atmosfera terrestre Principais constelações Nascimento, vida e morte de uma estrela Fases da lua Marés O " Big Bang "

Categorias importantes de classificação: • • •

Tipos de nuvens Tipos de rochas/minerais Tipos de estrelas e suas características ( gigantes vermelhas, anãs brancas, estrelas variáveis, supernovas, pulsares, estrelas binárias, buracos negros, estrelas de nêutrons, etc . ) 409

A MENTE BEM TREINADA • •

Classificação das galáxias Classes de planetas

Como e n s i n a r Qu ím ica Selecione uma das "espinhas dorsais " recomendadas n a seção "Recursos " ao final deste capítulo e suplemente-a com os kits de proj etos e livros recomendados, ou pesquise atividades e demonstrações na internet.

Procure por estes princípios científicos: •



Formação de moléculas a partir dos átomos (como eles com­ partilham/trocam elétrons) Lei de Boyle

Tente incluir estas descrições no transcurso de seu plano de estudos: • • •

Partes e estrutura de um átomo: elétron, próton, nêutron, núcleo Estrutura das principais moléculas Fissão de um átomo

Categorias importantes de classificação: • • •

Tabela periódica dos elementos Orgânica/inorgânica Três estados da matéria

Como e n s i n a r Física Selecione uma das "espinhas dorsais " recomendadas na seção "Recursos" ao final deste capítulo e suplemente-a com os kits de projetos e livros recomendados, ou pesquise atividades e demonstrações na internet.

Procure por estes princípios científicos: • • • • •

Princípio de Arquimedes Três leis do movimento de Newton Lei da Gravitação de Newton Leis da Termodinâmica Lei da conservação de energia

Tente incluir estas descrições no transcurso de seu plano de estudos: • • • •

Cores do espectro da luz Corrente contínua e alternada Massa, força e peso Ondas sonoras 410

RECONHECENDO PADRÕES

Categorias importantes de classificação: • •

Tipos de energia Tip o s de transferência de calor ( condução, convecç ã o , irradiação)

Como e n s i n a r Tec n o l o g i a Selecione uma das "espinhas dorsais" recomendadas na seção " Recursos " ao final deste capítulo e suplemente-a com os kits de projetos e livros recomendados, ou pesquise atividades e demonstrações na internet. Como a Tecnologia é a aplicação de princípios científicos a proble­ mas da vida real, ensine-a de forma ligeiramente diferente dos outros campos científicos. Caso você decida investir algum tempo no ensino de Tecnologia, crie uma divisão à parte no caderno de Ciência com a etiqueta "Tecnologia " . Para cada projeto tecnológico, responda às duas questões seguintes, redigindo três ou quatro frases para cada uma:

Que problema ou necessidade esta invenção/projeto/máquina resolve? Quais são os princípios científicos que estou colocando em prática? Insira as respostas escritas no caderno. Você também pode adicionar um desenho ou foto do proj eto finalizado.

S u g estões de c ro n og ra ma s Avalie a possibilidade d e usar um dos cronogramas sugeridos a seguir: Cronograma 1 Grade

Assunto

R�stros no caderno

Quinta grade (3 vezes por semana)

2 ou 3 registros por semana, distriReino Animal (20 semanas) Corpo humano ( 1 0 semanas) buídos entre definições, princípios, Reino das Plantas ( 6 semanas) descrições e notas sobre classificação.

Sexta grade (3 vezes por semana)

Astronomia ( 1 8 semanas) Ciências da Terra ( 1 8 semanas)

Sétima grade Química ou Física ( 1 8 (3 vezes por semanas) semana) Tecnologia ( 1 8 semanas)

3 ou 4 registros semanais, distribuídos conforme a descrição acima. Para Química ou Física, 5 a 7 registros por semana, distribuídos conforme a descrição acima. Para Tecnologia, tente completar pelo menos 7 projetos com uma página para cada um.

411

A MENTE BEM TREINADA

Grade

Assunto

Registros no caderno

Oitava grade Química ou Física ( 1 8 (3 vezes por semanas) semana) Tecno logia ( 1 8 semanas)

Para Química o u Física, 5 a 7 registros por semana, distribuídos conforme a descrição acima. Para Tecnologia, tente completar pelo menos 7 projetos com uma página para cada um.

Cronograma II Grade

Assunto

R�stros no caderno

Quinta grade (3 vezes por semana)

Reino Animal ( 1 2 semanas) 2 ou 3 registros por semana, distriCorpo humano (6 semanas) buídos entre definições, princípios, Reino das Plantas (4 semanas) descrições e notas sobre classificação. Ciências da Terra ( 1 4 semanas )

Sexta grade (3 vezes por semana)

Astronomia ( 1 0 semanas) Química ( 1 0 semanas) Física ( 1 0 semanas) Tecnologia (6 semanas)

3 ou 4 registros semanais, distribuídos conforme a descrição acima. Para Tecnologia, tente completar 2 ou 3 projetos com uma página para cada um.

Sétima grade Reino Animal ( 1 2 semanas) 5 a 7 registros por semana, distribuídos (3 vezes por Corpo humano (6 semanas) conforme a descrição acima. semana) Reino das Plantas (4 semanas) Ciências da Terra ( 1 4 semanas) Oitava grade Astronomia ( 1 0 semanas) (3 vezes por Química ( 1 0 semanas) sema na) Física ( 1 0 semanas) Tecnologia (6 semanas)

Para Astronomia, Química ou Física, 5 a 7 registros por semana, distribuídos conforme a descrição acima . Para Tecnologia, rente completar 3 ou 4 projeros com uma página para cada um.

Cronograma III Grade

Quinta grade (3 vezes p o r semana)

Assunto Registros no caderno Ciências da Terra (5 sema nas ) 2 ou 3 registros por semana, distribuídos entre definições, princíp i o s , Astronomia (5 semanas) Reino Animal ( 6 semanas ) descrições e notas sobre classificação. Corpo humano ( 5 semanas) Reino das Plantas ( 5 semanas) Reações químicas ( 5 semanas) Física ( 5 semanas )

Sexta grade ( 3 vezes por semana )

Mesmos temas em maior profundidade.

3 ou 4 registros semanais, distribuídos conforme a descrição acima.

Sétima e oitava grades ( 3 vezes por semana)

Mesmos temas em maior profundidade.

5 a 7 registros por semana, distribuídos conforme a descrição acima.

412

RECONHECENDO PADRÕES

S ob re os c ronog ra mas sema n a i s Nas grades intermediárias, deixe que o programa escolhido como " es­ pinha dorsal " dite o seu trabalho a cada dia. Leia a obra e, à medida que ela abordar definições, princípios, descrições e classificações, faça o registro no caderno; dê uma pausa após cada princípio para reforçá-lo com um experimento ou demonstração; faça experimentos e projetos relacionados ao texto de acordo com o interesse do estudante . Deixe que o interesse do estudante também guie você; permita que leituras, proj etos e sessões de perguntas e respostas transbordem para dias adicionais de estudo, caso necessário. Alguns tópicos levarão a leituras, experimentos e atividades extras; outros, a proj etos mais complexos, que poderão consumir alguns dias de dedicação antes que fiquem completos. Alguns temas podem ser cobertos em um único dia de trabalho; outros, poderão estender-se por uma semana ou mais. Lembre-se: Tal como no estágio Gramatical, a meta é fazer Ciência e cultivar o entusiasmo, não cobrir uma certa quantidade de conteúdo a cada ano !

Recu rsos

A maior parte dos livros pode ser obtida em qualquer livraria ou biblio­ teca; a maior parte dos currículos pode ser adquirida diretamente na editora ou em um grande fornecedor de material para Educação Domi­ ciliar, tal como o Rainbow Resource Center. Informações para contato com editoras e fornecedores estão disponíveis em www. welltrainedmind. com. Incluímos uma observação nos casos em que os títulos sugeridos têm disponibilidade limitada. Nos locais indicados, listamos os recursos em ordem cronológica (isto é, a ordem em que você os usará). Os livros que fazem parte de séries foram listados em conjunto. Lembre-se de que opções adicionais de currículos e outras infarmações estão disponíveis em www. welltrainedmind.com. Os preços variam constantemente, mas incluímos os valores de 201 6 para que você tenha uma ideia do investimento necessário. Materiais de referência para todos os quatro anos do estágio Lógico foram listados em primeiro lugar. Para cada campo científico, as opções de 413

A MENTE BEM TREINADA

"espinha dorsal" foram listadas em primeiro lugar, seguidas por recursos suplementares para experimentos e demonstrações e, finalmente, por opções de currículo completo.

M ateria is d e referência p a ra os q u atro a nos d o está g i o Lóg ico Blister Microscope. Minneapolis, MN: General Science Service C o . $ 6 5 . Faça s e u pedido à Blister Microscope. Este microscópio d e baixo custo pode ser usado com lâminas comuns ou com as lâminas personalizadas Blister Slides, que têm uma ligeira depressão para facilitar a observação de insetos e de pequenos organismos em líquido. Acompanham cem lâminas. (O preço sem as lâminas é $ 5 7. 5 0 ) . Brock Magiscope. Maitland, FL: Brock Optical, Inc. A partir de $ 1 79. Faça seu pedido à Brock. Caso você prefira um conj unto óptico superior ao do microscópio de $65 listado acima, use um Brock Magis­ cope - resistente, confiável, fácil de usar e com boa ampliação. Dinwiddie, Robert, et ai. Science: The Definitive Visual Cuide. New York: DK Children, 2 0 1 1 . $24 . 9 9 . Uma enciclopédia ilustrada redigida no nível de leitura da sexta à oitava grade. Kramer, Stephen P. How to Think Like a Scientist: Answering Ques­ tions by the Scientific Method, ilustrações por Felicia Bond. New York: HarperCollins, 1 9 8 7 . $ 1 6 . 8 9 . Uma introdução ao método científico baseada em histórias de fácil leitura; apropriado para as grades 5 e 6 . Lemke, Donald B. Investigating the Scientific Method with Max Axiom, Super Scientist, ilustrações por Tod G. Smith. North Mankato, MN: Capstone Press, 200 8 . $ 8 . 1 0 . Parte da série Graphic Science, con­ cebida para estudantes no nível da grade intermediária até o primeiro ano do ensino médio. O formato de graphic novel é excelente para leitores lentos ou relutantes. Taylor, Charles. The Kingfisher Science Encyclopedia, 3 rd ed. New York: Kingfisher, 2 0 1 1 . $ 3 4 . 9 9 . Redigido no nível de leitura da quinta à sétima grade.

4 14

RECONHECENDO PADRÕES

Woodford, Chris, and Steve Parker. Science: A Visual Encyclopedia. New York: DK Children/Smithsonian, 2014. $29.99. Belamente ilustrado, redigido no nível de leitura da quarta à sexta grade. Yomtov, Nel. How to Write a Lab Report. Ann Arbor, MI: Cherry Lake Publishing, 2 0 1 4 . $ 1 2 . 79 . Um guia no nível elementar-avançado/ intermediário-iniciante para produzir bons registros de laboratório; altamente recomendável como um claro e simples manual até mesmo para estudantes ligeiramente mais velhos ( que talvez precisem ignorar o camundongo desenhado em estilo de cartum ) .

Ciências da Vida: Animais, Seres Humanos e Plantas Textos Básicos ("espinhas dorsa is") Escolha entre os seguintes . Alderton, David. The Encyclopedia of Animais. New York: Char­ twell Books, 20 1 3 . $ 1 9 . 9 9 . Lindas fotografias e texto detalhado. Broom, Jenny. Animalium, ilustrações por Katie Scott. Somerville, MA: Big Picture Press, 2014. $35. Parte da série Welcome to the Museum, este guia para o reino animal tem um texto claro e lindas ilustrações a bico de pena . Estimulante, excelente para estudo na quinta e sexta grades. Suplemente com " espinhas dorsais " do Reino das Plantas e do Corpo Humano. CPO Life Science. Nashua, NH: CPO Science, 2007. Este curso de Ciências da Vida com duração de um ano é um bem produzido e bem escrito livro-texto desenvolvido para escolas; é mais caro do que as outras opções ( como tendem a ser os materiais para uso em sala de aula ) mas inclui o Reino Animal e o Reino das Plantas, bem como o corpo humano. Faça seu pedido diretamente à editora ou à School Specialty. CPO Science Middle School Life Science Student Book Set ( inclui texto do estudante e um Manual de Investigações com atividades de laboratório. $ 72 . 9 5 . CPO Science Middle School Life Science Teacher's Cuide. Planos de aulas, questões para revisão e sugestões para ensino; útil, mas não indispensável. $ 1 29 . 9 5 . 415

A MENTE BEM TREINADA

Macaulay, David. The Way We Work: Getting to Know the Amazing Human Body. Boston: HMH Books for Young Readers, 200 8 . $ 3 5 . Este livro cuidadosamente ilustrado n o estilo característico d e David Macaulay é completo, de fácil leitura e fascinante . Desde o nível celular até os principais sistemas corporais. McHenry, Ellen Johnston. Botany in 8 Lessons. Ellen McHenry's Basement Workshop, 20 1 3 . $32.95. Um completo (e interessante ) currí­ culo em Botânica que inclui atividades em um único volume, que inclui páginas do estudante e do professor.

Prentice Hall Science Explorer: Life Science. Needham, MA: Prentice Hall School Division. Os conceitos básicos das células e da heredita­ riedade, bem como um levantamento dos seres vivos desde as bactérias até os seres humanos. Um livro-texto completo para um curso de um ano em Ciências da Vida, desenvolvido para salas de aula, mas útil para pais educadores. Boas ilustrações, texto claro. As duas edições mais recentes são de 2005 e 2009; ambas são úteis mas, se você comprar o livro de exercícios, certifique-se de que é do mesmo ano do livro-texto. Faça seu pedido à Amazon, à textbook.com ou a outro fornecedor de livros-textos. As cópias novas têm preço de livro-texto ( o que significa que são ridiculamente caras) mas você pode encontrar cópias com pouco uso, ou até cópias novas, em livrarias online, por menos de um terço do preço de capa . Student edition, $ 95 . 5 1 é o preço de capa, mas está disponível online a partir de $ 2 9 . Guided Reading and Study Workbook, $ 1 0 é o preço d e capa. Recurso para revisão, com folhas de estudos . Útil, mas não essencial. Rothman, Julia, and John Niekrasz. Nature Anatomy: The Curious Parts and Pieces of the Natural World. North Adams, MA: Storey Publishing, 20 1 5 . $ 1 6 . 9 5 . Um divertido guia visual para o Reino das Plantas, com alguma atenção ao Reino Animal. Bom para uma visão geral das plantas na quinta ou sexta grades . Suplemente com recursos sobre o Reino Animal e o Corpo Humano . Spilsbury, Louise, and Richard Spilsbury. The Life of Plants series, 2nd ed. New York: Heinemann, 200 8 . Esta série ricamente ilustrada 416

RECONHECENDO PADRÕES

oferece uma introdução simples e estimulante ao Reino das Plantas e às características individuais de diferentes famílias de plantas. Inclui sugestões de atividades. $7.99 cada.

Plant Classification. Plant Parts. Plant Growth. Recursos suplementares: Ciências da Vida REINO ANIMAL Arnold, Nick. The Horrible Science series. New York: Scholastic, 2014. Esta série divertida, criteriosa e amigável a crianças combina um texto bem-humorado e ilustrações no estilo dos desenhos animados com explicações daras e experimentos exequíveis. Algumas edições em capa de papel estão esgotadas, mas todas estão disponíveis sob a forma de ebooks, sendo também possível adquirir cópias impressas de segunda mão.

Nasty Nature. Ugly Bugs. Basic Animal Dissection Kit. Burlington, NC: Carolina Biological Supply Company. $22.95. Faça seu pedido à Carolina Biological Supply. Burnie, David. Eyewitness: Bird. New York: Dorling Kindersley, 2008. $ 1 6.99. Um bom recurso para ter à mão durante o estudo dos pássaros. Carolina Bio Lab: Pig. Burlington, NC: Carolina Biological Supply Company. $ 8 7.50. Faça seu pedido à Carolina Biological Supply. Um software de " dissecação virtual " que permite aos estudantes o estudo da Anatomia, observando coração, músculos, função renal e mais. Fetos de porcos reais e manuais de dissecação estão disponíveis no website da Carolina Bio Lab. Gilpin, Daniel. The Animal Kingdom Classification series . New York: Compass Point Books, 2006. Estes livros profusamente ilustrados abrangem as características físicas, habitats e hábitos de diferentes famílias animais. O foco na classificação é ideal para o ensino da Ciência no estágio Lógico e a série abrange animais incomuns, frequentemente ignorados em outros guias . O preço é de $29 .99 cada, mas você provavelmente os encontrará na biblioteca de sua cidade. 417

A MENTE BEM TREINADA

Lobsters, Crabs, and Other Crustaceans. Nematodes, Leeches, and Other Worms. Snails, Shellfish, and Other Mollusks. Sponges, ]ellyfish, and Other Simple Animais. Starfish, Urchins, and Other Echinoderms. Graphic Science series. New York: Capstone Press. $ 8 . 1 0 cada. Quadrinhos ao estilo "graphic novels " estimulantes e inteligentes, ideais para leitores lentos ou relutantes. Biskup, Agnieszka. Decoding Genes with Max Axiom, Super Scien­ tist. 2 0 1 0 . _____

. A Journey into A daptation with Max Axiom, Super

Scientist. 2007. . The Surprising World of Bacteria with Max Axiom, Super Scientist. 2 0 1 0 . . Understanding Viruses with Max Axiom, Super Scientist. 20 1 0 . _____

_____

Keyser, Amber J . The Basics of Cell Life with Max Axiom, Super Scientist. 2009. O'Donnell, Liam. Understanding Photosynthesis with Max Axiom, Super Scientist. 2007. ____ ..

The World of Photosynthesis with Max Axiom, Super

Scientist. 2007. Kneidel, Sally Stenhouse. Creepy Crawlies and the Scientific Method: Over One Hundred Hands-On Science Experiments for Children, 2nd ed. Golden, CO: Fulcrum Publications, 20 1 5 . $24 . 9 5 . Mostra aos pais como ensinar os cinco passos do método científico: questão, hipótese, metodologia, resultado e conclusão. Owl Pellet Dissection Kit. $4. 9 9 . Faça seu pedido à Discover This. Parker, Steve, and Dave King. Eyewitness: Mammal. New York: Dorling Kindersley, 2004. $ 1 6 . 9 9 . Um bom livro de referência para ter à mão durante o estudo prático de mamíferos. . Eyewitness: Seashore. New York: Dorling Kindersley, 2004. $ 1 6 . 9 9 . Um bom livro de referência para ter à mão durante o _____

estudo prático de peixes de água salgada e anfíbios . 418

RECONHECENDO PADRÕES

Parker, Steve, and Philip Dowell. Eyewitness: Pond and River. New York: Dorling Kindersley, 20 1 1 . $ 1 6 . 9 9 . Um bom livro de referência para ter à mão durante o estudo prático de peixes, anfíbios e répteis . Peterson, Roger Tory, et al. Birds (Peterson Fie/d Cuide Color-In Books). Boston: Houghton Mifflin Harcourt, 20 1 3 . $ 8 . 9 5 . Este livro de colorir, baseado na série Peterson's Field Guide, contém desenhos detalhados com informações sobre cada espécimen. _____

. B utterflies (Peterson Fie/d Cuide Color-In Books).

Boston: Houghton Mifflin Harcourt, 20 1 3 . $ 8 . 9 5 . Este livro d e colorir, baseado na série Peterson's Field Guide, contém desenhos detalhados com informações sobre cada espécimen. . Reptiles and Amphibians (Peterson Fie/d Cuide Co­ lor-In Books). Boston: Houghton Mifflin Harcourt, 20 1 1 . $ 8 . 9 5 . Este livro de colorir, baseado na série Peterson's Field Guide, contém desenhos detalhados com informações sobre cada espécimen. ____

VanCleave, Janice. A+ Projects in Biology: Winning Experiments for Science Fairs and Extra Credit. New York: Jossey-Bass, 2003. $ 14 . 9 5 . Inclui experimentos científicos com animais e plantas. . Biology for Every Kid. New York: Wiley, 1 99 0 . $ 1 6 . ____

SERES HUMANOS Arnold, Nick. The Horrible Science series. New York: Scholastic, 2014. Esta série divertida, criteriosa e amigável a crianças combina um texto bem-humorado e ilustrações no estilo dos desenhos animados com explicações claras e experimentos exequíveis. Algumas edições em capa de papel estão esgotadas, mas todas estão disponíveis sob a forma de ebooks, sendo também possível adquirir cópias impressas de segunda mão.

Blood, Banes, and Body Bits. Body Owner's Handbook. Bulging Brains. Deadly Diseases. Disgusting Digestion. Microscopic Monsters. Cumbaa, Stephen. The Banes Book and Skeleton, ilustrações por Kim La Fave. New York: Workman Publishing, 2006. $ 1 9 . 9 5 . Monte um 419

A MENTE BEM TREINADA

esqueleto com 50 centímetros de altura, vinte e cinco peças de plástico e j untas móveis . Fingerprint Kit. Plymouth, MI: Slinky Science. $ 9 . 8 8 . Faça seu pedido à Are You Game . Genetics & DNA. Portsmouth, RI: Thames & Kosmos . $ 3 6 . 9 5 . Faça seu pedido à Thames & Kosmos. Kit d e experimentos com manual; isolamento do DNA das plantas, construção de um modelo dos filamen­ tos em dupla hélice, mapeamento de características herdadas, e mais. Matt, Margaret, et al. Human Anatomy Coloring Book. New York: Dover, 1 9 82. $4 . 9 9 . Desenhos detalhados, cientificamente precisos· de órgãos e sistemas do corpo humano, com tabelas que listam os nomes das partes do corpo. Optical Science Experiment Kit. Portsmouth, RI: Thames & Kosmos. $34.95 . Faça seu pedido à Thames & Kosmos. Experimentos com luz, lentes, ilusões ópticas e outros fenômenos relacionados à visão. Science in a Nutshell series. Nashua, NH: Delta Education. $45 cada. Faça seu pedido à Delta Education. Estes kits oferecem um completo centro de experimentos científicos e de atividades; avalie a possibilidade de dividir custos com um amigo, pois os kits proveem material para dois ou três estudantes. Body Basics. Este kit inclui materiais para uma visão geral do corpo humano; acompanha um guia de atividades e um diário do estudante. The Human Machine. Este kit inclui materiais para estudo dos ossos, músculos e articulações; acompanha um guia de atividades e um diário do estudante. A Peek Inside You. Respiração, digestão e circulação. Smell, Taste, and Touch. Os sentidos. Vision and Hearing. Experimentos baseados em ilusões visuais e sonoras. Stark, Fred. Gray's Anatomy: A Fact-Filled Coloring Book. Phi­ ladelphia: Running Press, 2 0 1 1 . $ 1 2 . 9 5 . Esta versão simplificada em desenho linear preto e branco de Gray's Anatomy é mais difícil e mais interessante do que o livro de colorir da Dover listado anteriormente. 420

RECONHECENDO PADRÕES

The Visual D ictionary of the Human Body. New York: Dorling Kindersley, 1 99 1 . $ 1 8 . 99. Desenhos grandes e claros, visões explodidas, cortes e secções, todos rotulados com os nomes latinos adequados. Um lindo livro. REINO DAS PLANTAS Arbel, Ilil. Medicinal Plants Coloring Book. New York: Dover, 1 993. $4 .99. Bernath, Stefen. Herbs Coloring Book. New York: Dover, 1 977. $3.99. Botanical D iscoveries : Science F a i r K i t . Chagrin Falis, O H : DuneCraft. $24 . 9 9 . Faça seu pedido à Discover This ou à Home Scien­ ce Tools. Cultive plantas estranhas e incomuns. Burnie, David. Eyewitness: Plant. New York: Dorling Kindersley, 2 0 1 1 . $ 1 6 . 9 9 . Um bom recurso para ter à mão durante o estudo do Reino das Plantas. Carnivorous Creations Terrarium Kit. Chagrin Falis, OH: Dune­ Craft. $24.99. Faça seu pedido à Discover This ou à Home Science Tools. Graphic Science series. New York: Capstone Press. $ 8 . 1 0 cada . Quadrinhos ao estilo "graphic novels " estimulantes e inteligentes, ideais para leitores lentos ou relutantes. O'Donnell, Liam. Understanding Photosynthesis with Max Axiom,

Super Scientist. 2007. Peterson, Roger Tory, et al. Wildfiowers (Peterson Fie/d Cuide Calor-ln Books). Boston: Houghton Mifflin Harcourt, 20 1 3 . $ 8 .95. Faça seu pedido ao Rainbow Resource Center. Este livro de colorir, baseado na série Peterson's Field Guide, contém desenhos detalhados com informações sobre cada espécimen.

Currículos formais Alguns pais podem preferir o uso de um currículo desenvolvido por terceiros em vez de seguir os métodos exploratórios descritos neste capí42 1

A MENTE BEM TREINADA

tulo. Os seguintes programas são compatíveis com nossa abordagem, mas avalie a possibilidade de suplementá-los com as sugestões de atividades no caderno de Ciência deste capítulo. Elemental Science. Wytheville, VA: Elemental Science, 2 0 1 4 . De­ senvolvido por um pai-educador orientado à Ciência, a série Elemental Science segue as linhas gerais de nossas recomendações para experimen­ tação prática e leituras suplementares externas. Inclui planos de aulas e bastante apoio ao professor. Vej a amostras no website da editora . Cada conj unto é planej ado para um ano de estudo.

Biology for the Logic Stage. Printed Combo (Teacher's Guide and Student Guide) . $40 . 9 9 . Experiment Kit. $ 6 5 . 9 9 . Great Science Adventures, b y Dinah Zike and Susan Simpson. Mel­ rose, FL: Common Sense Press. A medida que os estudantes avançam pela lições eles recortam, dobram e colam folhas de papel para formar mini-livros ou modelos de papel. O programa foi concebido para ensinar a várias crianças de diferentes idades ao mesmo tempo, pois cada lição contém projetos em três diferentes níveis de dificuldade. Os estudantes do estágio Lógico devem ambicionar a realizar os projetos de segundo e terceiro níveis a cada lição. O programa é bem-organizado e interessante, mas pode frustrar os estudantes (e os pais ) que não gostam de recortar e colar. Faça seu pedido à Common Sense Press . Cada livro custa $24 e contem vinte e quatro lições que consomem de oito a doze semanas de estudo. Amostras estão disponíveis no website da editora . Suplemente o estudo com experimentos e leituras externas. Amostras disponíveis no website da editora .

Discovering the Human Body and Senses ( Ciência da Vida ) . The World of Insects and Arachnids ( Ciência d a Vida ) . The World of Vertebrates ( Ciência d a Vida ) . The World of Plants ( Ciência d a Vida ) . R.E.A.L. Science Odyssey. Mount Dora, FL: Pandia Press. Desen­ volvida para pais educadores e salas de aula com poucos alunos, a série R.E.A.L. Science enfatiza o aprendizado prático . Cada lição é acom­ panhada por tarefas de laboratório, atividades e pesquisas. Enfatiza a 422

RECONHECENDO PADRÕES

redação de registros de atividades em laboratório. Cada nível é projetado para um ano inteiro de estudo de Ciência. As páginas do estudante e do professor são reunidas nos livros; são necessários suprimentos adicionais. Amostras e listas de suprimentos podem ser vistas no website da editora. Versões mais baratas em formato de ebook também estão disponíveis.

Biology, Levei Two. Biology 2 (student book ) . $ 1 32 . Biology 2 Teacher Cuide. $42 .

Ciências d a Terra e Astro n o m i a Textos básicos ("espinhas dorsais") Escolha um entre os seguintes. Allaby, Michael. National Ceographic Visual Encyclopedia of Earth. Washington, DC: National Geographic Children's Books, 200 8 . $24 . 9 5 . Guia ilustrado para Ciências d a Terra n o nível das grades 5 e 6 . CPO Earth Science. Nashua, N H : C P O Science, 2 0 0 7 . Este curso de Ciências da Terra com duração de um ano é um bem produzido e bem escrito livro-texto desenvolvido para escolas; é mais caro do que as outras opções ( como tendem a ser os materiais para uso em sala de aula ) mas pode ser adquirido a preço mais baixo em livrarias online. Faça seu pedido direto à editora ou à School Specialty.

CPO Science Middle School Earth Science Student Text Book. $54.95 .

CPO Science Middle School Earth Science Investigation Manual. Questões de revisão e sugestões de atividades. $ 1 8 . 9 5 . Dinwiddie, Robert, e t a i . Universe: The Definitive Visual Cuide, rev. and updated ed. New York: DK Publishing, 2 0 1 2 . $ 5 0 . Um detalhado e lindo guia para o Cosmos, incluindo um atlas estelar com todas as constelações conhecidas, um mapa planetário e centenas de fotografias. Desenvolvido em cooperação com o Smithsonian Institute. Para o nível da sétima grade e superior. Earth: The Definitive Visual Cuide, rev. and updated ed. New York: DK Publishing, 20 1 3 . $ 5 0 . Um belíssimo guia detalhado ____ .

423

A MENTE BEM TREINADA

para o nosso planeta, incluindo ilustrações tridimensionais de muitas das características da Terra. Desenvolvido em cooperação com o Smithsonian Institute. Para o nível da sétima grade e superior. Space: A Visual Encyclopedia. New York: DK Children, 20 1 0 . $24.99. Um guia para todos os temas relacionados ao espaço, desde o nosso sistema solar até os limites mais distantes do Universo. Texto em nível de quinta e sexta grades com espetaculares fotografias da NASA. Space: The Universe as You 've Never Seen It Before. New York: DK Publishing, 20 1 5 . $24.99. Desenvolvido em associação com o Smithsonian Institute, este é um bom texto para a quinta e a sexta grades. Muitas fotos e um bom levantamento de temas em Astronomia.

Recursos suplementares: Ciências da Terra Crystal PRO Crystal Growing & Crystallography Kit. $29 .95. Faça seu pedido à Discover This. Graphic Science series. New York: Capstone Press. $ 8 . 1 0 cada. Quadrinhos ao estilo "graphic novels" estimulantes e inteligentes, ideais para leitores lentos ou relutantes. Krohn, Katherine. The Earth-Shaking Facts about Earthquakes with

Max Axiom, Super Scientist. 200 8 . The Whirlwind World of Hurricanes with Max Axiom, Super Scientist. 20 1 0 . Harbo, Christopher L. The Explosive World of Volcanoes with Max Axiom, Super Scientist. 200 8 . ____ ..

lntroductory Earth Science Collection. $ 7 9 . Faça seu pedido ao Rainbow Resource Center. Setenta e cinco amostras de rochas, j unto com um guia para estudos e equipamento para testar suas propriedades. National Geographic Earthquakes & Volcanoes Experiment Kit. $36.95. Faça seu pedido à Thames & Kosmos. Science in a Nutshell series. Nashua, NH: Delta Education. $45 cada. Faça seu pedido à Delta Education. Estes kits oferecem um completo centro de experimentos científicos e de atividades; avalie a possibilidade de dividir custos com um amigo, pois os kits proveem material para dois ou três estudantes. 424

RECONHECENDO PADRÕES

Fossil Formations. Seis amostras de fósseis, areia, gesso de Paris e massa para modelar, acompanha um guia de atividades e um diário do estudante . Rock Origins. Vinte e duas amostra de minerais e materiais para investigar suas propriedades. TOPS Learning System Activities (Earth & Space ) . Watsonville, CA: TOPS Learning Systems . Desenvolvida por um educador em Ciência, as lições da série TOPS usam materiais simples e enfatizam a curiosidade, a descoberta e a experimentação. Amostras extensas estão disponíveis no website da editora. The Earth, Moon and Sun. $ 1 8 . As atividades baseadas em obser­ vações e demonstrações. Rocks and Minerais. $ 1 8 . Teste e classifique as rochas de seu pró­ prio quintal. VanCleave, Janice. Earth Science for Every Kid. New York: John Wiley, 1 99 1 . $ 1 4 . 9 5 . Cento e um experimentos. Spectacular Science: Mind-Boggling Experiments You Can Tum into Science Fair Proj ects series. New York: John Wiley. Estes experimentos são mais complexos (e interessantes ) do que os da série Every Kid series . Adequados para exposições . Rocks and Minerais. 1 99 6 . $ 1 2 . 9 5 . Volcanoes. 1 994. $ 1 6 . Weather. 1 99 5 . $ 1 6. _____ ..

Van Rose, Susanna. Eyewitness: Earth. New York: Dorling Kin­ dersley, 20 1 3 . $ 1 6 . 9 9 . Um bom trabalho de referência para a redação de relatórios. Wind Power 2 . 0 : Renewable Energy Science Kits . Portsmouth, RI: Thames & Kosmos . $49 . 9 5 . Faça seu pedido à Thames & Kosmos.

Recursos su p lementares: Astronomia Arnold, Nick. The Horrible Science series . New York: Scholastic, 20 1 4 . Esta série divertida, criteriosa e amigável a crianças combina um texto bem-humorado e ilustrações no estilo dos desenhos animados com explicações claras e experimentos exequíveis. Algumas edições em capa 425

A MENTE BEM TREINADA

de papel estão esgotadas, mas todas estão disponíveis sob a forma de ebooks, sendo também possível adquirir cópias impressas de segunda mão.

Space, Stars and Slimy Aliens. Lafontaine, Bruce. Exploring the Solar System Coloring Book. New York: Dover, 1 99 8 . $4.99. Faça seu pedido ao Rainbow Resource Center. Lippincott, Kirsten. Eyewitness: Astronomy. New York: Dorling Kindersley, 20 1 3 . $ 1 6 . 9 9 . Ilustrações maravilhosas .

Mars 2020. Dexter, MI: Aristoplay. $30. Neste jogo de tabuleiro para a família, uma corrida até Marte ensina sobre o espaço e a exploração espacial.

The Planets: The Definitive Visual Cuide to Our Solar System. New York: DK Publishing, 2 0 1 4 . $ 3 0 . Um estudo detalhado e ricamente ilustrado do sistema solar destinado a bons leitores. Acompanham mo­ delos tridimensionais da estrutura de cada planeta . Excelentes textos . Primer for the Beginning Astronomer/Astromax lntroductory As­ tronomy Binocular Kit. $5 pela cartilha com cinco lições, $99 kit com binóculos de alta potência e mapa estelar. Faça seu pedido à Astromax. Staal, Julius D. The New Patterns in the Sky: Myths and Legends of the Stars. Granville, OH: McDonald & Woodward, 1 9 8 8 . $27. 9 5 . Para bons leitores, é u m guia completo dos mitos por trás dos nomes das constelações em diversos países diferentes. Styrofoam Solar System Kit $23 . 9 9 . Faça seu pedido à Rainbow Resource Center. Pinte e construa um modelo do sistema solar com bolas de isopor. TOPS Learning System Activities (Earth & Space ) . Watsonville, CA: TOPS Learning Systems . Desenvolvida por um educador em Ciência, as lições da série TOPS usam materiais simples e enfatizam a curiosidade, a descoberta e a experimentação. Amostras extensas estão disponíveis no website da editora.

Pi in the Sky. $ 1 8 . Desenvolvido em colaboração com a NASA; use o número "pi" para medir obj etos celestes; investigue ângulos radianos, acuidade visual e paralaxe. 426

RECONHECENDO PADRÕES

The Planets and Stars. $ 1 8 . Constelações, mensuração do espaço, e mais.

Scale the Universe. $ 1 8 . Mais de quarenta ordens de magnitude de distância e tempo. VanCleave, }anice. Astronomy for Every Kid. New York: Jossey­ -Bass, 1 99 1 . $ 1 6 . Constellations for Every Kid. New York: Wiley, 1 997. $ 1 6 . Experimentos simples em Astronomia. ____ ..

Currículos Formais Alguns pais podem preferir o uso de um currículo desenvolvido por terceiros em vez de seguir os métodos exploratórios descritos neste capítulo. Os seguintes programas são compatíveis com nossa aborda­ gem, mas avalie a possibilidade de suplementá-los com as sugestões de atividades no caderno de Ciência deste capítulo. Elemental Science. Wytheville, VA: Elemental Science, 2 0 1 4 . De­ senvolvido por um pai-educador orientado à Ciência, a série Elemental Science segue as linhas gerais de nossas recomendações para experimen­ tação prática e leituras suplementares externas. Inclui planos de aulas e bastante apoio ao professor. Vej a amostras no website da editora. Cada conj unto é planej ado para um ano de estudo.

Earth Science

& Astronomy

for the Logic Stage.

Printed Combo (Teacher's Guide and Student Guide ) . $40 .99. Experiment Kit. $60.99. Great Science Adventures, by Dinah Zike and Susan Simpson. Mel­ rose, FL: Common Sense Press. À medida que os estudantes avançam pela lições eles recortam, dobram e colam folhas de papel para formar minilivros ou modelos de papel. O programa foi concebido para ensinar a várias crianças de diferentes idades ao mesmo tempo, pois cada lição contém proj etos em três diferentes níveis de dificuldade. Os estudantes do estágio Lógico devem ambicionar a realizar os proj etos de segundo e terceiro níveis a cada lição. O programa é bem organizado e interes­ sante, mas pode frustrar os estudantes (e os pais ) que não gostam de recortar e colar. Faça seu pedido à Common Sense Press . Cada livro custa $24 e contêm vinte e quatro lições que consomem de oito a doze 427

A MENTE BEM TREINADA

semanas de estudo. Amostras estão disponíveis no website da editora. Suplemente com experimentos e leituras externas. Amostras disponíveis no website da editora . Discovering Earth 's Landforms and Surface Features ( Ciências da Terra ) Discovering the Ocean ( Ciências da Terra ) The World of Space (Astronomia )

Química Textos básicos ("esp i n has dorsa is") / Currículos formais Embora haj a muitos diferentes livros e kits de Química voltados para os estudantes mais j ovens, eles tendem a uma abordagem desordenada: os livros de exercícios centrados em experimentos frequentemente não explicam os conceitos, e livros conceituais lindamente apresentados nor­ malmente não incluem experimentos. Graças a isso, sugerimos que você use um dos seguintes currículos de Química como sua " espinha dorsal " . Continue a usar o sistema de anotações no caderno que recomendamos; peça ao estudante que escreva definições, princípios, descrições (haverá apenas algumas poucas destas) e classificações. Suplemente o estudo com os livros conceituais e experimentais na seção seguinte. CPO Physical Science. Nashua, NH: CPO Science, 2007. A primeira metade inteira deste curso de um ano abrange Química Básica. Uma obra muito bem produzida, com texto bem escrito, concebido para escolas; mais cara do que as outras opções (tal como tendem a ser os materiais produzidos para uso em sala de aula) mas podem ser encontradas a preços mais baixo em loj as online de livros-textos. Você também pode comprar diretamente da editora ou da School Specialty. É uma excelente escolha caso você não queira passar o ano inteiro ensinando apenas Química; na segunda metade do ano, você pode usar os recursos TOPS ou McHenry listados mais adiante.

CPO Science Middle School Physical Science Student Book Set. $ 72 . 9 5 . Texto do estudante mais um manual de investigação com ques­ tões de revisão úteis e sugestões de atividades .

CPO Science Middle School Physical Science Teacher's Cuide. $ 1 29 . 9 5 . Respostas, sugestões de ensino, revisão, e outros materiais de apoio; útil, mas não essencial. 42 8

RECONHECENDO PADRÕES

Elemental Science. Wytheville, VA: Elemental Science, 2 0 1 4 . De­ senvolvido por um pai-educador orientado à Ciência, a série Elemental Science segue as linhas gerais de nossas recomendações para experimen­ tação prática e leituras suplementares externas. Inclui planos de aulas e bastante apoio ao professor. Vej a amostras no website da editora. Cada conj unto é planej ado para um ano de estudo. Adequado para uso em qualquer tempo entre as grades 5 e 8 .

Chemistry for the Logic Stage. Printed Comba (Teacher's Guide and Student Guide ) . $40.99. Experiment Kit. $ 6 5 . 9 9 . Keller, Rebecca W. Focus on Middle School Chemistry. Albuquerque, NM: Gravitas Publications, 20 1 3 . $67 pelo Middle School Chemistry Book Bundle, que inclui o livro do estudante, o manual do professor, um livro de exercícios em laboratório e um plano de aulas disponível para download. Faça seu pedido diretamente à editora; amostras estão disponíveis no website da editora . É um curso de um ano de duração, com uma boa cobertura dos conceitos essenciais de Química e dez experimentos ( você provavelmente desej ará recorrer a suplementos ) . McHenry, Ellen Johnston. Basement Workshop chemistry series. Ellen McHenry's Basement Workshop, 20 1 3 . Você desej ará suplementar este curso com experimentos dos recursos suplementares listados na próxima seção. Faça seu pedido no website da autora ou a uma empresa de suprimentos para Educação Domiciliar. The Elements: Ingredients of the Universe. $24 . 95 pelo livro com um CD incluso. Esta é uma excelente introdução à Química que abrange temas difíceis de uma forma clara e divertida, com grande número de atividades. Páginas para o professor e para o estudante estão incluídas. Uma amostra pode ser lida no website do autor. Altamente recomendável como primeiro contato com a Química; concebido para dez semanas de estudo.

Carbon Chemistry: An Introduction to Organic Chemistry and Biochemistry for Ages 9-14. $24 . 9 5 pelo livro com um CD incluso. Concebido para seguir-se ao The Elements, este curso pode ser cumprido em doze a dezesseis semanas e abrange uma ampla gama de tópicos em Química Orgânica, incluindo polímeros e a estrutura do DNA. 429

A MENTE BEM TREINADA

Prentice Hall Science Explorer: Physical Science. Needham, MA: Prentice Hall School Division. Os primeiros oito capítulos deste livro­ -texto com vinte e dois capítulos voltado para o estudante do nível intermediário lidam com os conceitos básicos da Química . Claro e bem apresentado, mas suficiente para apenas cerca de doze semanas de estudo; bom para estudantes que dedicarão menos tempo ao estudo da Química. Pode ser a base para um ano completo de estudos se combi­ nado com os livros de Ellen McHenry ou com materiais selecionados da TOPS. Faça seu pedido na Amazon, na textbook.com ou em outro fornecedor de livros-textos . As cópias novas têm preço de livro-texto ( isto é, ridiculamente caras) mas você pode comprar cópias com pouco uso, e até mesmo cópias novas, por menos de um terço do preço de capa.

Student edition, $ 8 9.40 o preço de capa, mas disponível online a partir de $29.

Guided Reading and Study Workbook, $ 1 4 . 1 4 é o preço de capa. Revisão e folhas de estudos; útil, mas não essencial. TOPS Learning System Activities ( Chemistry ) . Watsonville, CA: TOPS Learning Systems . Desenvolvido por um educador em Ciências, as lições do TOPS usam materiais simples e enfatizam a curiosidade, a descoberta e a experimentação. Amostras bastante extensas estão dis­ poníveis no website da editora. Aplique todos os cinco livros na ordem apresentada; mais adequado para estudantes em nível de sétima ou oitava grade. Suplemente este curso com experimentos adicionais listados na seção " Recursos suplementares" mais adiante. Faça seu pedido à editora; versões em ebook estão disponíveis a preços mais baixos.

Analysis. Uma introdução de quarenta e oito páginas ao estudo da Química com dezesseis atividades .

Analysis Starter Kit. $25 . 5 0 . Todos os suprimentos e produtos quí­ micos necessários para completar os experimentos do volume Analysis. Cohesion/Adhesion. $ 1 4 . Vinte e quatro projetos que demonstram a coesão, aderência, tensão superficial e capilarização. Usa obj etos do­ mésticos comuns .

Oxidation Starter Kit. $ 3 0 . 5 0 . Nada incomum aqui (pilhas, lã de aço, limo de j ardim, ímã de cerâmica, etc . ) mas é conveniente ter tudo reunido em um lugar só. 430

RECONHECENDO PADRÕES

Solutions. $ 1 6 . Vinte e oito experimentos que demonstram sus­ pensões, soluções, coagulação, cloração, cristalização, concentração, saturação e solubilidade. Solutions Supplies. $ 1 8 .5 0 . Sete produtos químicos não muito co­ muns para acompanhar os ingredientes comuns usados nos experimentos. Kinetic Model. $ 1 4 . Sólidos, líquidos, gases e seu comportamento. Kinetic Model Starter Kit. $54. Itens comuns reunidos para você; inclui cilindros graduados, tubos de ensaio, seringas, pipetas e tubos.

Recursos sup lementa res Arnold, Nick. The Horrible Science series . New York: Scholastic, 2 0 1 4 . Esta série divertida, criteriosa e amigável a crianças combina um texto bem-humorado e ilustrações no estilo dos desenhos animados com explicações claras e experimentos exequíveis. Algumas edições em capa de papel estão esgotadas, mas todas estão disponíveis sob a forma de ebooks, sendo também possível adquirir cópias impressas de segunda mão.

Chemical Chaos. CHEM C2000 Chemistry Kit, version 2 . Portsmouth, RI: Thames & Kosmos. $ 1 4 9 . 9 5 . Faça seu pedido à Thames & Kosmos. ElementO. $ 3 4 . 9 5 . Faça seu pedido ao Rainbow Resource Center. Neste j ogo ao estilo " Monopoly" , os j ogadores coletam elementos e pagam um ao outro com certificados de prótons e nêutrons. Acompanhe o j ogo usando a Tabela Periódica dos Elementos no centro do tabu­ leiro . Uma excelente maneira de memorizar as propriedades básicas da Química. Elements series . Danbury, CT: Grolier. Confira na biblioteca; a maioria terá pelo menos alguns dos títulos a seguir. Os livros contêm explicações claras e detalhadas sobre os elementos, de modo que é aconselhável ler por inteiro pelo menos dois deles. Nossa lista segue a ordem em que os elementos aparecem na tabela periódica.

Hydrogen and the Noble Gases. Sodium and Potassium. Calcium and Magnesium. 43 1

A MENTE BEM TREINADA

Iron, Chromium, and Manganese. Copper, Si/ver, and Gold. Zinc, Cadmium, and Mercury. Aluminum. Carbon. Silicon. Lead and Tin. Nitrogen and Phosphorus. Oxygen. Sulfur. Chlorine, Fluorine, Bromine, and Iodine. Uranium and Other Radioactive Elements. Graphic Science series. New York: Capstone Press . $ 8 . 1 0 cada . Histórias em quadrinhos ao estilo graphic novel, ideais para leitores lentos ou relutantes. Biskup, Agnieszka. The Dynamic World of Chemical Reactions with Max Axiom. 20 1 0 . _____

. Super Coo/ Chemical Reactions with Max Axiom.

20 1 5 . Gray, Theodore. Elements: A Visual Exploration of Every Known

Atam in the Universe. New York: Black Dog & Leventhal, 2 0 1 2 . Pôsteres e m página dupla dos primeiros cem elementos d a tabela periódica, com fotografias coloridas de cada elemento acompanhadas por imagens e explicações sobre suas aplicações. $ 1 9 . 9 5 . Altamente recomendável. _____

. Molecules: The Elements and the Architecture of

Everything. New York: Black Dog & Leventhal, 2 0 1 4 . $29 . 9 5 . O vo­ lume que dá continuidade ao Elements: A Visual Exploration; como os elementos formam os materiais ao redor do mundo. Newmark, Ann. Eyewitness: Chemistry. New York: Dorling Kin­ dersley, 2005 . $ 1 6 . 9 9 . Um bom guia para a história da Química . Periodic Table of Elements Chartlet. $2.49. Faça seu pedido ao Rainbow Resource Center. Uma cartaz em formato 4 3 x 5 6 cm da tabela periódica dos elementos. 432

RECONHECENDO PADRÕES

Trombley, Linda, and Thomas G. Cohn. Mastering the Periodic Table: Exercises on the Elements. Portland, ME: J. Weston Walch, 2000. $24 . Faça seu pedido à J. Weston Walch ou ao Rainbow Resource Center. VanCleave, Janice . Janice VanCleave's Chemistry for Every Kid: 101 Easy Experiments That Really Work. Boston: Jossey-Bass, 1 9 89. $ 1 4.95. ]anice VanCleave's A+ Projects in Chemistry: Winning Experiments for Science Fairs and Extra Credit. New York: John Wiley, _____ ..

1 9 9 3 . $ 1 4 . 9 5 . Estes experimentos, ligeiramente mais complexos do que os da série Every Kid, são adequados para exposições.

Molecules: Mind-Boggling Experiments You Can Turn lnto Science Fair Projects. New York: John Wiley, 1 99 5 . $ 1 5 . ____.. _

Física Textos Básicos ("espinhas dorsa is") Escolha entre os seguintes .

Prentice Hall Science Explorer: Physical Science. Needham, MA: Prentice Hall School Division. Os últimos quatorze capítulos deste texto em vinte e dois capítulos para alunos de nível intermediário lidam com os elementos básicos da Física. Bem apresentado e claro, mas não suficiente para um ano completo de estudos, a menos que suplementado com outras unidades (tais como as unidades TOPS lis­ tadas mais adiante ) . Faça seu pedido à Amazon, à textbook .com ou a outro fornecedor de livros-textos. As cópias novas recebem preços de livros-textos ( o que significa que são ridiculamente caras ) , mas você pode encontrar cópias com pouco uso, e até mesmo novas, em livrarias online por menos de um terço do preço de capa. Você precisará de uma grande quantidade de suprimentos. Ver­ sões online de algumas das ferramentas estão disponíveis na Explore Learning; vej a nosso link em www.welltrainedmind.com. Student edition, $ 8 9 .40 preço de capa, mas disponível online a partir de $29. G uided Reading and Study Workbook, $ 1 4 . 1 4 preço de capa. Revisão geral e folhas de estudos; útil, mas não essencial.

433

A MENTE BEM TREINADA

Reynolds, Helen. Complete Physics for Cambridge Secondary 1 . Oxford: Oxford University Press, 20 14. Este curso britânico, ideal para estudantes avançados e m nível de sétima grade ou em nível de oitava grade, é um bom e sistemático fundamento em conceitos de Física. Está normalmente disponível nos EUA em livrarias online mas, caso estej a esgotado, pode ser pedido à amazon.co.uk para entrega nos EUA. O pacote do professor é reco­ mendável, mas não absolutamente essencial. Vej a amostras online no website da editora .

Student B o o k : For Cam bridge Checkpoint and B eyond. $ 3 1 . (f1 9.50) Teacher Pack. $ 1 1 3 . (f63 .25 ) TOPS Learning System Activities ( Physics 1 and Physics II ) . Wat­ sonville, CA: TOPS Learning Systems . Desenvolvido por um educador em Ciências, as lições do TOPS usam materiais simples e enfatizam a curiosidade, a descoberta e a experimentação. Amostras bastante ex­ tensas estão disponíveis no website da editora . A lista a seguir evolui desde o mais simples até o mais difícil; sugerimos usar o material na ordem apresentada e progredir, no ritmo natural do estudante, por tantos volumes quantos forem possíveis cobrir ao longo do ano. Cada livro em capa de papel contém múltiplas atividades, mas você não precisa fazê-las todas. Uma vez que o estudante entenda os conceitos apresentados no volume, você pode passar para o próximo livro. Um ótimo fundamento prático que prepara os estudantes para a Física do ensino médio, facilmente adaptável para um período de estudos que vá desde seis semanas até um ano completo. Faça seu pedido à editora; versões em ebook estão disponíveis a preços mais baixos. O kit inicial contém todos os suprimentos necessá­ rios; a maioria é de itens domésticos comuns, mas você pode achar mais conveniente encontrá-los todos em um único lugar; a lista completa está disponível no website da editora. Os títulos individuais também podem ser usados para suplementar outros recursos listados nesta seção. Perfect Balance. $ 1 8 . Recorte e dobre pesos para balança em papel como introdução ao estudo de massa e peso. Diving Into Pressure and Buoyancy. $7.50 para o download em formato PDF. 434

RECONHECENDO PADRÕES

Electricity. $ 1 8 . Introdução aos circuitos. Electricity Starter Kit. $29.50. Magnetism. $ 1 8 . Uso d e imãs para construir bússolas, motores e outras invenções.

Magnetism Starter Kit. $20.75. Pendulums (I). $ 1 8 . Ciclos, medidas, dados gráficos, razões, tudo isso usando pêndulos.

Focus Pocus. $ 1 8 . Use lentes para fazer experimentos com refração. Weighing. $ 1 3 . Construa uma balança para fazer experimentos com a diferença entre massa e peso, restauração de forças e mais . Balancing. $ 1 3 . Faça experimentos com a Matemática do equilíbrio usando móbiles e cantiléveres. Light. $ 1 8 . Use lentes para examinar a natureza ondulatória e de partícula da luz.

Light Starter Kit. $ 3 1 .50. Floating and Sinking. $ 1 4. Deslocamento de volumes, densidades, peso e flutuação.

Pressure. $ 1 7. Construa sistemas à prova de ar e de água para experimentar as propriedades da pressão. Sound. $ 1 3 . Amplitude, comprimento de onda, diapasão, frequência. Motion. $ 1 8 . Massa, inércia, forças equilibradas e desequilibradas, aceleração, ação e reação. Machines. $ 1 3 . Construção de máquinas simples para calcular eficiência e esforço. Pendulums (II). $ 1 3 . Foco em comprimento e amplitude. Requer habilidades algébricas. Heat. $ 14. Calor nos sólidos, nos fluidos e no espaço. Electricity (II). $ 1 8 . Cargas atrativas e repulsivas, fluxo de corrente, circuitos paralelos e em série, e muito mais. Electricity Supplies. $ 1 2.50. Os cinco itens necessários mais difíceis de encontrar; altamente recomendável . Magnetism (II). $ 1 1 6 . Vinte e oito atividades envolvendo a natureza do magnetismo.

Recursos sup lementa res Arnold, Nick. The Horrible Science series. New York: Scholastic, 20 1 4 . Esta série divertida, criteriosa e amigável a crianças combina um 435

A MENTE BEM TREINADA

texto bem-humorado e ilustrações no estilo dos desenhos animados com explicações claras e experimentos exequíveis. Algumas edições em capa de papel estão esgotadas, mas todas estão disponíveis sob a forma de ebooks, sendo também possível adquirir cópias impressas de segunda mão.

Fatal Forces. Frightful Flight. Killer Energy. Shocking Electricity. Terrible Time. Eyewitness Science series. New York: Dorling Kindersley. $ 1 6.99 cada. Verifique s e estes títulos estão disponíveis n a biblioteca d e sua cidade. Burnie, David. Light. 200 1 . Challoner, Jack. Energy. 20 1 2 . Gribbon, Mary, and John R. Gribbon. Time and Space. 2000. Lafferty, Peter. Force and Motion. 1 99 9 . Parker, Steve . Electricity. 20 1 3 . Graphic Science series. New York: Capstone Press. $ 8 . 1 0 cada. Quadrinhos ao estilo "graphic novels " estimulantes e inteligentes, ideais para leitores lentos ou relutantes. Biskup, Agnieszka. The Powerful World of Energy with Max Axiom,

Super Scientist. 2009. . The Solid Truth About States of Matter with Max Axiom, Super Scientist. 2009. Gianopoulos, Andrea. The Attractive Story of Magnetism with Max Axiom, Super Scientist. 200 8 . O'Donnell, Liam. The Shocking World o f Electricity with Max Axiom, Super Scientist. 2007. Sohn, Emily. Adventures in Sound with Max Axiom, Super Scien­ tist. 2007. . A Crash Course in Forces and Motion with Max Axiom, Super Scientist. 2007. . The Illuminating World of Light with Max Axiom, Super Scientist. 200 8 . ____

-----

____

436

RECONHECENDO PADRÕES

Great Science Adventures, by Dinah Zike and Susan Simpson. Mel­ rose, FL: Common Sense Press. À medida que os estudantes avançam pela lições eles recortam, dobram e colam folhas de papel para formar minilivros ou modelos de papel. O programa foi concebido para ensinar a várias crianças de diferentes idades ao mesmo tempo, pois cada lição contém proj etos em três diferentes níveis de dificuldade. Os estudantes do estágio Lógico devem ambicionar a realizar os proj etos de segundo e terceiro níveis a cada lição. O programa é bem organizado e interessante, mas pode frustrar os estudantes (e os pais ) que não gostam de recortar e colar. Faça seu pedido à Common Sense Press. Cada livro custa $24 e contem vinte e quatro lições que consomem de oito a doze semanas de estudo. Amostras estão disponíveis no website da editora.

Discovering Atoms, Molecules, and Matter. The World of Light and Sound. Gurstelle, William. Backyard Ballistics: Build Potato Cannons, Paper

Match Rockets, Cincinnati Pire Kites, Tennis Bali Mortars, and More Dynamite Devices, 2nd ed. Chicago: Chicago Review Press, 2012. $ 1 6.95. Horemis, Spyros. Visual Illusions. New York: Dover, 1 973 . $ 3 . 9 5 . Faça seu pedido a o Rainbow Resource Center. Você não saberá dizer se as linhas são retas ou curvas até que você termine de colori-las. Ao terminar, o efeito visual será espetacular. Mercer, Bobby. ]unk Drawer Physics: 50 Awesome Experiments

That Don't Cost a Thing. Chicago: Chicago Review Press, 2014. $ 14.95. Um ótimo suplemento para qualquer programa de Física; cinquenta experimentos sincomuns que não requerem equipamento especializado, abrangendo força, energia, movimento, luz, magnetismo e pressão. Physics Discovery. Portsmouth, RI: Thames & Kosmos . $3 1 . 9 5 . Faça seu pedido à Thames & Kosmos. Construa doze diferentes modelos para estudar força e máquinas simples . Physics Pro . Portsmouth, RI: Thames & Kosmos. $99.95. Faça seu pedido à Thames & Kosmos. Estudo prático de temas mais avançados em Física: dinâmica de fluidos, energia, oscilação, hidráulica, pneumática. 437

A MENTE BEM TREINADA

Physics Solar Worksho p . Portsmouth, RI: Thames & Kosmos . $69.95. Faça seu pedido à Thames & Kosmos . Trinta experimentos e doze projetos de construção de modelos usando células solares para transformar em energia o poder da luz solar. Physics Workshop . Portsmouth, RI: Thames & Kosmos. $54 . 9 5 . Faça seu pedido à Thames & Kosmos. Construa trinta e seis modelos e faça experimentos com eles para estudar a Física Mecânica: forças básicas, força centrípeta e mais. Sato, Koichi. Optical Illusions Coloring Book. New York: Dover, 1 994. $ 3 . 9 9 . Faça seu pedido à Rainbow Resource Center. Figuras alucinantes para colorir. Nível de oitava grade. Science in a Nutshell series. Nashua, NH: Delta Education. $45 cada. Faça seu pedido à Delta Education. Estes kits oferecem um completo centro de atividades e de experimentos científicos concebidos para as grades 2 a 6. Avalie a possibilidade de dividir os custos com um vizinho, pois os kits oferecem material suficiente para duas ou três crianças. Bubble Science. Variáveis que afetam o tamanho, a forma, a cor e a durabilidade das bolhas. Charge It! Static Electricity. Cargas positivas e negativas, eletrici­ dade estática . Clever Levers. Construa um carrinho de mão, equilibre uma ba­ lança, levante pesos, e mais. Electrical Connections. Circuitos simples e complexos, corrente, baterias .

Energy and Motion. Armazenamento de energia, movimento; pesos, bolinhas de gude e rampas. Flight! Gliders to ]ets. Construa projetos de paraquedas, planadores, aeroplanos a hélice e a j ato. Ensina os princípios da pressão do ar e a terceira lei de Newton. Gears at Work. Engrenagens em ação. Magnetic Magic. Materiais magnéticos, força polar. Pulley Power. Use polias fixas e móveis para reduzir a força neces­ sária para levantar objetos. Sound Vibrations. Ondas sonoras e sua interação com diversos materiais. 43 8

RECONHECENDO PADRÕES

Work: Plane and Simple. Planos inclinados, força e atrito. VanCleave, Janice. Magnets: Mindboggling Experiments You Can Turn into Science Fair Projects. New York: John Wiley, 1 99 3 . $ 1 6 . . Physics for Every Kid. New York: John Wiley, 1 99 1 . ____

$ 1 4. 9 5 . Experimentos mais simples d o que o s d a série Spectacular Science, abordam movimento, calor, luz, máquinas e som.

Cu rrícu los formais Alguns pais podem preferir o uso de um currículo desenvolvido por terceiros em vez de seguir os métodos exploratórios descritos neste capítulo. Os seguintes programas são compatíveis com nossa aborda­ gem, mas avalie a possibilidade de suplementá-los com as sugestões de atividades no caderno de Ciência recomendadas anteriormente. Elemental Science. Wytheville, VA: Elemental Science, 2014. De­ senvolvido por um pai-educador orientado à Ciência, a série Elemental Science segue as linhas gerais de nossas recomendações para experimen­ tação prática e leituras suplementares externas. Inclui planos de aulas e bastante apoio ao professor. Vej a amostras no website da editora. Cada conj unto é planej ado para um ano de estudo.

Physics for the Logic Stage. Printed Combo (Teacher's Guide and Student Guide) . $40.99 Keller, Rebecca W. Focus on Middle School Physics. Albuquerque, NM: Gravitas Publications, 20 1 3 . $67 pelo pacote " Focus On Middle School Physics Book Bundle " , que inclui o livro do estudante, o manual do professor, um livro de exercícios em laboratório e um plano de aulas disponível para download. Faça seu pedido diretamente à editora; amos­ tras estão disponíveis no website da editora . É um curso de um ano de duração, com uma boa cobertura dos conceitos essenciais de Química e dez experimentos (você provavelmente desej ará recorrer a suplementos) .

Tecnologia Caso você decida dedicar algum tempo exclusivamente ao estudo de Tecnologia, você pode usar os recursos das listas elementares de Ciên439

A MENTE BEM TREINADA

eia do capítulo 5 (particularmente o "The New Way Things Work " ) bem como qualquer uma das sugestões a seguir. Confira recursos para programação de computadores em www.welltrainedmind .com. Arnold, Nick. The Horrible Science series . New York: Scholastic,

2 0 1 4 . Esta série divertida, criteriosa e amigável a crianças combina um texto bem-humorado e ilustrações no estilo dos desenhos animados com explicações claras e experimentos exequíveis. Algumas edições em capa de papel estão esgotadas, mas todas estão disponíveis sob a forma de ebooks, sendo também possível adquirir cópias impressas de segunda mão.

Evil Inventions. Really Rotten Experiments. Brain, Marshall. How Stuff Works. New York : Chartwell Books,

20 1 0 . $ 1 4 . 9 9 . Um guia enciclopédico ilustrado sobre a Tecnologia de obj etos de uso diário.

. More How Stuff Works. New York: John Wiley, 2002. $ 1 4 . 9 9 . Disponível no mercado de usados ou como ebook. ____

Fuel Cell 1 O Experiment Kit. Portsmouth, RI: Thames & Kosmos, 2009 . Construa um modelo de carro movido a água. Great Science Adventures, by Dinah Zike and Susan Simpson. Mel­ rose, FL: Common Sense Press. A medida que os estudantes avançam pelas lições eles recortam, dobram e colam folhas de papel para formar minilivros ou modelos de papel. O programa foi concebido para ensinar a várias crianças de diferentes idades ao mesmo tempo, pois cada lição contém proj etos em três diferentes níveis de dificuldade. Os estudantes do estágio Lógico devem ambicionar a realizar os proj etos de segundo e terceiro níveis a cada lição. O programa é bem organizado e interessante, mas pode frustrar os estudantes (e os pais ) que não gostam de recortar e colar. Faça seu pedido à Common Sense Press. Cada livro custa $24 e contém vinte e quatro lições que consomem de oito a doze semanas de estudo. Amostras estão disponíveis no website da editora.

The World of Tools and Technology.

440

RECONHECENDO PADRÕES

LEGO Mindstorms . Billund, Denmark: The LEGO Group . Cons­ trua e programe robôs com sensores de tato, cor e radiação infraver­ melha . Visite o website da LEGO para ver muitas outras opções. LE G O Mindstorms E V3 . $349 . 9 9 . Kit com 601 peças para cons­ truir cinco robôs diferentes . Mercer, Bobby. The Robot Book: Build and Contrai 2 0 Electric G izmos, Moving Machines, and Hacked Toys. Chicago : Chicago Review Press, 20 1 4 . $ 1 4 . 9 5 . Proj etos simples que usam ferramentas e itens domésticos comuns, j unto com alguns suprimentos especiais ( luzes LED, etc . ) que podem ser facilmente encontrados em uma loj a de ferragens.

Nanotechnology: Experiment Kit. Portsmouth, RI: Thames & Kos­ mos, 20 1 5 . Para estudantes inclinados às disciplinas CTEM ( Ciência, Tecnologia, Engenharia, Matemática ) , o kit contém uma série de expe­ rimentos orientados ao entendimento, e até ao uso, de nanopartículas. Platt, Charles . Make: Electronics. A Hands-On Primer for the New Electronics Enthusiast. Sebastopol, CA : Maker Media, Inc . , 2 0 0 9 . $ 3 4 . 9 9 . Uma viagem completa e baseada e m descobertas pelo mundo da Eletrônica, incluindo explicações claras, listas de compras e orientações para os proj etos . Salvadori, Mario. The Art of Construction: Projects and Principies for Beginning Engineers & Architects, 3rd ed., illus. Saralinda Hooker. Chicago : Chicago Review Press, 200 1 . $ 1 6 . 9 5 . Aprenda os princípios por trás da construção de pontes, arranha-céus, e mais; todos os pro­ j etos são feitos com itens domésticos comuns . Snap Circuits . Wheeling, IL: Elenco Electronics, Inc . Estes cir­ cuitos fáceis de montar vêm em kits de variável complexidade, acom­ panhados por manuais detalhados . Excelente para todos os tipos de proj etos eletrônicos, desde rádios AM até gravadores de som digitais . Nós listamos apenas algumas das opções disponíveis; confira a linha completa de produtos no website da Snap Circuits website .

Snap Circuits Basic Electricity Mini-Kit. $ 1 9 . 9 5 . Snap Circuits Beginner. $24 . 9 5 . 44 1

A MENTE BEM TREINADA

Snap Snap Snap Snap Snap

Circuits Electromagnetism Mini-Kit. $ 1 6 . 5 0 . Circuits jr. Educational 1 00 Experiments. $54.95. Circuits Motion Detector Mini-Kit. $26.95. Circuits Pro 500 Experiments. $99.95. Circuits 3 00 Experiments. $66.95.

VanCleave, }anice. ]anice VanCleave's Engineering for Every Kid. New York: John Wiley, 2007. $ 1 4.95. 25 projetos (estruturais, solares, elétricos e químicos ) que aplicam princípios científicos a situações da vida real.

442

1 7. Po r q u e e m 1 49 2 ? H i stó ria e G eog rafi a

Todas as coisas da eternidade são como formas e retornam em círculo.

- Marco Aurélio, Meditações II. 1 4

Assunto: História e Geografia, grades 5 a 8 . Tempo exigido: 3 horas d e estudo intensivo, 9 0 minutos por dia, duas vezes por semana, ou 60 minutos por dia, três vezes por semana, mais tanto tempo adicional quanto puder ser investido em leitura livre e pesquisa.

D

urante o estágio Lógico, o estudante aprende como encontrar conexões. Na Lógica Formal, ele descobre conexões entre um conj unto de proposições e uma conclusão. Em Matemática, ele aprende as conexões entre as partes de uma equação. Em Ciência, ele começa a reconhecer os padrões que agem no mundo natural. Em História, ele se concentrará em encontrar conexões entre os eventos do mundo. Em vez de simplesmente ler a história da queda de Roma, o estudante em nível de quinta grade observará o que aconteceu antes da queda - os eventos que levaram à destruição do império. Em vez de estudar a Guerra Revolucionária como um evento isolado, o estu­ dante em nível de sétima grade lerá sobre os primeiros dias das colônias e indagará: quais foram os acontecimentos que causaram a insatisfação dos americanos ? O que aconteceu após a guerra que permitiu que a América permanecesse independente como nação ? No estágio Lógico, o estudo da História deixa de ser um conj unto de histórias para se tornar uma história longa e sequencial recheada de relações de causa e efeito. 443

A MENTE BEM TREINADA

A partir do estágio Lógico, o estudo da História se torna a espinha dorsal do estudo clássico de Humanidades. O estudo da Literatura, da Arte e da Música é organizado em torno das linhas gerais traçadas pela História. A História é o campo de treinamento onde o estudante aprende a organizar e avaliar informação. E esta é a meta da Educação Clássica: produzir um adulto capaz de absorver informação, avaliar o seu valor e, em seguida, descartá-la ou pô-la em bom uso. Na parte 1 , nós descrevemos a mente de um estudante em nível elementar como um armazém que precisa ser estocado com todos os tipos de imagens e palavras. Imagine o que aconteceria com um ar­ mazém se você o atulhasse continuamente com mais e mais obj etos, sem j amais parar para organizá-lo. História da Grécia, contos de fadas chineses, classificações biológicas, a vida de Bach, os campos de concen­ tração do Terceiro Reich - tudo isso armazenado no mesmo lugar. O estudante que não consegue passar desse ponto j amais perceberá que as leis de Hamurábi, a Magna Carta e a Declaração de D ireitos estão relacionadas . A informação permanecerá emaranhada e, em última análise, inútil. A menos que o estudante receba as habilidades mentais para selecionar e classificar todo esse conhecimento, ele se tornará um adulto que terá (nas palavras do mestre-escola clássico David Hicks ) uma " mente confusa, desordenada, incapaz de fazer as conexões fun­ damentais entre ideias básicas ou de . . . participar inteligentemente do debate público sobre as grandes questões que confrontam sua nação e sua época " 1 • Tal como no estágio Gramatical, os estudantes não usarão uma interpretação pré-digerida da História mundial. Em vez disso, farão uso de um texto-base que apresente os eventos da História mundial e permita que eles pesquisem mais a fundo. Vej a opções na seção " Re­ cursos " ao final deste capítulo.

M a nte n d o a o rg a n ização Como o estudante seleciona e classifica todo esse conteúdo ? Ele ainda fará cadernos de História, tal como nas grades elementares. 1

David Hicks, Norms and Nobility: A Treatise on Education (New York: Praeger, 1 9 8 1 ) , p. 1 32.

444

HISTÓRIA E GEOGRAFIA

Mas o estudo de História, neste estágio, incorporará quatro elementos:

1 . Criação de uma linha do tempo. 2. Fichamentos. 3 . Uso e avaliação de fontes primárias. 4. Organização destas informações no caderno de História. Cada uma destas atividades desempenha um papel diferente no desenvolvimento mental. A criação de uma linha do tempo ensina o estudante a traçar conexões cronológicas; os fichamentos treinam o es­ tudante a enxergar além da cortina de fumaça e dos jogos de espelhos da Retórica para chegar ao " osso " do argumento de um discurso ou ensaio; o uso de fontes primárias ensina o estudante a interpretar o conteúdo por conta própria, em vez de confiar em " especialista s " ; a organização do conteúdo nas divisões do caderno de História ajuda o estudante a classificar e agrupar eventos e tendências históricas semelhantes.

A l inha do tempo A linha do tempo é simplesmente um pedaço de papel comprido o bastante para estender-se ao longo de uma ( o u mais ) paredes do quarto do estudante. ( Corredores também são bons lugares para incluir uma linha do tempo ) . Você pode colar folhas de cartolina em tamanho grande com fita adesiva ou usar uma linha do tempo comercial; vej a a seção de Recursos, mais adiante neste capítulo, para obter informações sobre pedidos. As linhas do tempo aj udam o estudante a fazer conexões visuais entre os eventos. Um j ovem historiador poderia estudar as conquistas de Gengis Khan, a fundação por Francisco de Assis da ordem Francis­ cana e a morte de Ricardo, Coração de Leão, sem perceber que esses eventos ocorreram na mesma década2 - até tê-los visto marcados na linha do tempo.

2

Nota das autoras: Ricardo, Coração de Leão, foi morto na França em 1 1 99. Ele

foi sucedido pelo Rei João. Gengis Khan derrotou seu grande rival em 1203 e foi coroado príncipe dos mongóis em 1 206. João foi excomungado em 1 209, no mesmo ano em que foi fundada a ordem Franciscana.

445

A MENTE BEM TREINADA

A linha do tempo deve começar com uma data razoável da História Antiga. Nós sugerimos 5000 a.C.3, quando a agricultura em fazendas se desenvolveu em larga escala na China, na Mesopotâmia e no vale do Rio Nilo. Faça a linha do tempo tão longa quanto puder. Meça-a e divida-a pelo número de séculos que você estudará naquele ano. Repita as divisões que usou durante o estágio Gramatical: Antiguidade

5000 a . C.-400 d.C.

Idade Média-Início da Renascença

400 d. C.-1 600 d.e.

Renascença tardia- início do período moderno

1 600 d .C.-1 8 5 0 d.e.

Período Moderno

1 8 50 d.C - Presente

Durante o primeiro ano do ensino de História no estágio Lógico, já que seu obj etivo é cobrir cinquenta e quatro séculos, você dividirá a linha do tempo em cinquenta e quatro partes iguais e rotulará cada uma delas. Não se esqueça de que a sequência de anos a.C. progride do maior para o menor, enquanto o anos d . C . progridem do menor para o maior: 200 a.C.

1 00 a.C.

1

d.e. 1 0 0

d.e. 200

( Uma peculiaridade da cronologia: não há ano O. A datação vai desde 1 a.C. a 1 d.C. sem interrupção ) . Tente fazer a s divisões e m séculos tão longas quanto puder. Não acontece muita coisa entre 5000 e 3000 a . C . , mas resista à tentação de fazer esses séculos iniciais mais curtos apenas para poupar espaço a linha do tempo deve ser mantida em proporção. A linha do tempo de cada ano de estudos deve ter séculos com igual comprimento. O espaço entre 3500-3400 a . C . pode permanecer vazio, quando comparado com o espaço lotado de informações entre 300 e 200 a . C . Mas parte do pro­ pósito da linha do tempo é tornar perceptível a aceleração progressiva do registro histórico. -

3

Nota das autoras: A civilização ocidental tradicionalmente divide o tempo nos sé­ culos anteriores ao nascimento de Cristo ( " antes de Cristo " ou "a.C." ) e nós séculos após o nascimento de Cristo (d.C. = " depois de Cristo " ou "A.D." = "Anno Domini " - o " ano do nosso Senhor " ) . Algumas pessoas preferem usar as abreviações E.C. ( " Era Cristã " ou " Era Comum " ) e a.E.C. ( " antes da Era Cristã " ou " antes da Era Comum " ) . Como ocidentais, estamos acostumados às abreviações a.C. e d.C.

446

HISTÓRIA E GEOGRAFIA

A linha do tempo pode ser simples ( datas de nascimento e morte registradas em lápis vermelho, eventos políticos em verde, descobertas científicas em roxo, e assim por diante ) . O u pode ser tão complicada quanto o estudante quiser ( adornada com desenhos ou figuras recortadas; com anexos do tamanho de folhas de caderno penduradas acima ou abaixo de uma data específica para funcionar como expansão - por exemplo, um registro mês a mês da Guerra Civil ou uma descrição das conquistas árabes do século VII) . Você pode comprar linhas d o tempo publicadas por editoras, mas evite aquelas que já vêm com datas e eventos impressos. Escrever as datas é parte do processo de aprendizagem. Sugerimos que você acrescente dois espaços no início da linha do tempo da Antiguidade, um deles rotulado " antes de 9000 a . C." e, o outro, " de 9000 a 5000 a . C." . Você pode incluir nesses dois espaços a pequena quantidade de informação disponível sobre civilizações e eras muito antigas . Antes 9000 a.C.

9000 a.C.

5000 a.C.

4900 a.C.

4 8 00 a.C.

A linha do tempo não será apenas uma ferramenta de referência rápida, mas também agirá como um resumo visual de áreas de conhe­ cimento. Datas de nascimento e morte de grandes escritores, avanços científicos na Biologia e na Química, datas de publicação de sinfonias e pinturas ou da inauguração de catedrais - tudo será registrado na linha do tempo. Astrônomos, poetas, reis, guerras, descobertas e datas de publicação se destacarão, rompendo as barreiras entre Ciência, História e Literatura. Uma vez que as histórias do Antigo Testamento influenciaram tanto o pensamento Ocidental, você provavelmente desej ará integrá-las à História secular registrada.

Ficha mentos Você fará um exercício de fichamento pelo menos uma vez por se­ mana. Nas grades elementares, o estudante criava narrações - primeiro, dizendo a você o que havia acabado de ler enquanto você anotava por ele e, depois, escrevendo a narração por conta própria. Este processo desenvolvia as habilidades de compreensão do estudante e o ensinava 447

A MENTE BEM TREINADA

a dizer a diferença entre detalhes irrelevantes e elementos importantes da trama ou argumento . Mas, à medida que os textos se tornam mais complexos, o sim­ ples processo de narração deixará de ser adequado. Em vez de fazer narrações, o estudante começará a fichar o que leu. Cedo ou tarde, será capaz de pinçar a ideia central de um capítulo em qualquer livro e distingui-la das ideias acessórias. Esta é uma habilidade valiosa para tomar notas durante palestras na faculdade e que também prepara o estudante para pesquisa avançada. Uma vez que ele possa escrever um resumo sucinto de um trabalho acadêmico, ele estará pronto para encarar trabalhos de pesquisa científica sem debater-se com massas de informação desnecessária. A técnica do fichamento envolve a localização das ideias de um tra­ balho e a listagem das ideias acessórias que a apoiam. Na quinta grade, o estudante começará a desenvolver esta habilidade ao simplesmente resumir cada parágrafo que lê. Por volta da oitava grade, ele será capaz de condensar um capítulo de livro em forma de numerais romanos. Ele também aprenderá a usar esses fichamentos como base para redações originais curtas. Esse fichamento não precisa ser feito a partir do texto principal (al­ gumas das sugestões mais enciclopédicas não se prestam ao fichamento ) . Em vez disso, o estudante pode fichar vários parágrafos o u páginas de um recurso suplementar. Nós apresentaremos os "cornos" do fichamento mais adiante neste capítulo. (O fichamento aj uda o estudante a memorizar e entender suas lições de História, mas também serve como um vital exercício de Redação; vej a uma explicação completa no capítulo 1 8 ) .

Fontes primárias No estágio Lógico, a criança ainda usará paráfrases de trabalhos difíceis tais como a Eneida, a Odisseia e os Contos de Cantuária. Mas ela também começará a travar contato com material de fonte primá­ ria cartas originais, relatórios, gravuras, diários e ensaios . O uso de fontes primárias é vital para o estudo da História no estágio Lógico; o estudante não pode avaliar eventos históricos a menos que tenha informações de primeira mão. -

448

HISTÓRIA E GEOGRAFIA

Na seção de " Recursos" ao final deste capítulo, listamos métodos para encontrar fontes primárias para cada período histórico. Uma fonte primária é qualquer coisa que tenha suas origens no próprio período estudado. A Epopeia de Gilgamesh, por exemplo, será uma fonte pri­ mária caso você a leia em uma boa tradução ( uma releitura sob forma de livro ilustrado não é uma fonte primária, porque a história terá sido substancialmente modificada e simplificada ) . A Magna Carta, a poesia de Henrique VIII, os diários de Martinho Lutero, a Declaração da Inde­ pendência, as cartas dos soldados da Guerra Civil, todas essas são fontes primárias . (Um livro sobre a Magna Carta, a biografia de Henrique VIII ou Martinho Lutero, ou a história da Declaração de Independência, seriam fontes secundárias ) . Sempre que o estudante encontra uma fonte primária, ele precisa avaliá-la. Enquanto estuda História, ele desenvolverá seus próprios cri­ térios de avaliação de fontes primárias. Para começar, sugerimos que o estudante preencha a seguinte lista de verificação sempre que terminar de ler uma fonte primária: •

O que diz esta fonte ? ( Conteúdo ) Quem é o seu autor? ( Posição social, profissão, afiliações políticas, idade, qualquer outro detalhe pessoal relevante ) • Qual era o obj etivo de seu autor ? • O que ele/ela teria a perder ou ganhar ao convencer os outros de sua opinião ? • Que eventos levaram a esta peça de literatura ? • O que aconteceu como resultado deste texto ? Para cada fonte primária, faça o estudante criar um cabeçalho em uma folha de caderno com o nome da fonte (A Primeira Emenda à Constituição Americana) e responda às questões acima. Deste modo, ele •

aprenderá a questionar criticamente os documentos históricos. Arquive essas folhas de papel no caderno de História .

O caderno O estudo de História no estágio Lógico envolve tanto a síntese (contextualização de informações em um quadro geral) quanto a análise (entendimento de eventos singulares ) . A linha do tempo será a ferramenta de síntese do estudante. Para aj udá-lo na análise, ele criará outro caderno 449

A MENTE BEM TREINADA

de História - uma gorda pasta-fichário cheia de papel para caderno. Rotule este caderno com o período a ser estudado ( "Antiguidade: 5000 a.C. a 400 d . C ." ) e divida-o em nove seções: 1. Fatos 2. Grandes homens e mulheres 3. Guerras, conflitos e eventos políticos 4. Invenções, Ciência e descobertas 5. Cotidiano, crenças e costumes 6. Artes e Literatura 7. Cidades e assentamentos 8 . Fontes primárias 9. Fichamentos Os recursos básicos para o estágio Lógico são o texto principal que você escolheu, um mapa de parede, um globo terrestre e um atlas. Avalie a possibilidade de ter dois atlas à disposição: um atlas contempo­ râneo que mostre as fronteiras e localidades políticas atuais e um atlas " histórico" que ilustre as mudanças nas fronteiras dos países ao longo do tempo ( vej a sugestões em nossa seção de Recursos ) . História e Ge­ ografia caminham j untas com naturalidade; cada vez que você estudar uma pessoa ou evento; confira o local no Globo Terrestre, no mapa de parede e no atlas ( que lhe dará não apenas as fronteiras políticas, mas também uma breve história da região ) . Nota: Não negligencie o uso d e u m globo terrestre - todos os mapas de parede distorcem as massas de terra ao exibi-las numa su­ perfície plana. Agora, o estudante está pronto para começar. Pelos próximos quatro anos, ele seguirá sempre o mesmo padrão básico: 1 . Lerá uma seção do texto-base e listará fatos importantes. 2 . Marcará todas as datas em uma linha do tempo . 3 . Localizará a região s o b estudo no globo, no mapa d e parede e no atlas. 4 . Fará leituras adicionais na biblioteca ou da nossa lista de Recursos. 5. Preparará resumos de informação sobre um ou mais entre os tópicos acima e o arquivará no caderno de História. 6 . Praticará o fichamento de uma a quatro páginas de texto, uma vez por semana. 450

HISTÓRIA E GEOGRAFIA

Mais ou menos uma vez por mês, ele deverá folhear o caderno de História e revisar seus fichamentos e resumos. Isso o ajudará a lembrar-se dos temas j á estudados.

Ajuda adiciona l aos pais O j ovem que estudar História usando os métodos descritos a seguir será capaz de aprender com o uso de três habilidades básicas de estudo: leitura, fichamentos e resumos. Ele, então, seguirá seus próprios interesses para aprender mais com livros adicionais de História, proj etos práticos, modelos, livros para colorir detalhados e outros recursos (listados ao final deste capítulo ) . O estudante que sej a fluente e m leitura e que tenha seguido um bom curso padrão de Gramática e composição no estágio Gramatical não deverá ter dificuldade com os métodos que sugeriremos a seguir. No entanto, alguns estudantes necessitam de prática complementar, sej a para aumentar a confiança, sej a para reforçar habilidades básicas. Na seção de Recursos, nós listamos opções para aj udar com a leitura de textos de não-ficção, anotações e fichamentos. Se necessário, use-os para aguçar a habilidade do estudante com as tarefas de História.

Começa n d o pelo meio (ou com m a i s de u m fi l ho) Nós descrevemos um padrão de estudos que conduz o estudante através de quatro anos de estudo de História cronologicamente, uma vez no estágio Gramatical (grades 1 a 4) e, novamente, no estágio Lógico (grades 5 a 8 ) . N o entanto, você certamente poderá adaptar esta progressão para um estudante que não comece o ciclo de História exatamente na primeira ou na quinta (ou nona) grades. Escolha uma das estratégias abaixo:

1 . Comece com a Antiguidade e progrida mais rapidamente, para que o estudante complete o período moderno ao final da oitava grade e comece a progressão do ensino médio com a Antiguidade na nona grade. Concentre-se nos " pontos-altos " da História em vez de tentar abrangê-la por completo (o que você j amais conse­ guirá, em qualquer hipótese); faça menos leituras complementares. 2. Comece com o período histórico que seu filho estaria estudando se houvesse começado a progressão na quinta grade: Idade Mé45 1

A MENTE BEM TREINADA

dia/início da Renascença para a sexta grade, Renascença tardia/ início do período moderno na sétima grade, período moderno na oitava. Avance a partir desse ponto. Afinal, o estudante vai começar tudo de novo com a Antiguidade quando chegar ao ensino médio.

3 . Comece com qualquer período histórico que você quiser, pro­ grida em ritmo normal e faça a transição para os Grandes Livros recomendados para o ensino médio assim que o estu­ dante chegar à nona grade - não importando qual período o estudante tenha alcançado. Por exemplo, um estudante que comece o estudo cronológico da História na sétima grade pode adotar o seguinte padrão: Sétima grade

Antiguidade. Faça uma linha do tempo e fichamentos. Use os recursos recomendados para a quinta grade (a maior parte dos livros listados na seção de Recursos ao final deste capítulo é adequada para uso em qualquer época entre a quinta e a oitava grades ) .

Oitava grade

Idade Média/início da Renascença. Faça uma linha do tempo e fichamentos. Use os recursos recomendados para a sexta grade.

Nona grade

Comece o estudo dos Grandes Livros da Renascença tardia /início do período moderno.

Décima grade

Grandes Livros do período Moderno.

Décima primeira grade

Grandes Livros da Antiguidade.

Décima segunda grade

Grandes Livros da Idade Média/início da Renascença .

Esta progressão cronológica oferece uma visão coerente ao estu­ dante, mesmo que você decida começar em um ponto mais avançado. (De fato, pode ser uma troca útil abordar os Grandes Livros nesta sequência: as listas de livros medievais são tecnicamente muito desa­ fiadoras e, no cronograma sugerido acima, o estudante encontra-los-á quando estiver mais hábil e amadurecido. No entanto, a lista de livros do período moderno pode ser perturbadora, embora as obras sej am tecnicamente mais fáceis, sendo normalmente melhor lidar com esses livros a partir da décima grade ) . 452

HISTÓRIA E GEOGRAFIA

Caso você esteja estudando História com mais de uma criança, siga o mesmo princípio básico: aborde o mesmo período histórico com todas elas, para que você não tente se manter em dia com dois ou três períodos históricos ao mesmo tempo - um caminho certo para a estafa . Quando cada um dos estudantes atingir a quinta grade, dê início aos procedimentos do estágio Lógico com a manutenção de linhas do tempo e fichamentos, não importando o período histórico em que você se encontre; quando o estudante atingir o fim do período moderno, ele poderá voltar à Antiguidade e começar a preencher o início da linha do tempo . Quando cada estudante atingir a nona grade, comece a transição para o estudo dos Grandes Livros ( vej a o capítulo 27 para saber mais ) . Caso você estej a educando estudantes e m idades diferentes, você pode usar o texto básico de nível elementar para manter todos os es­ tudantes no mesmo assunto básico. Primeiro, leiam j untos as páginas o u capítulo do texto do estágio Gramatical. Em seguida, peça aos estudantes mais velhos que ( 1 ) leiam as páginas do texto básico de nível mais avançado correspondentes ao assunto e ( 2 ) completem as outras tarefas descritas a seguir.

U ma pa l avra s o b re H i stó ria A m e rica na Muitos estados americanos exigem que estudantes d e ensino médio cursem pelo menos um ano completo de História Americana . Na maior parte dos casos, os pais-educadores não são forçados a seguir esse padrão, e o programa que apresentamos aqui abrange, sim, a Histó­ ria Americana; mas se espalha ao longo da sétima e da oitava grades, para inserir a História dos Estados Unidos em uma perspectiva global. Entretanto, caso você prefira completar um curso de História Americana com um ano de duração, avalie a possibilidade de inseri-lo na sétima grade e, no ano seguinte, aborde a História Mundial ( com foco nos Estados Unidos) de 1 600 ao presente. Estudantes em nível de oitava grade têm maior capacidade de avançar rapidamente e de conseguir lembrar-se do que estudaram no mês anterior. Recomenda­ mos uma grande quantidade de recursos sobre História Americana nos suplementos para a sétima e oitava grades. Sugerimos também um texto-base na lista de textos básicos do final deste capítulo. 453

A MENTE BEM TREINADA

C o m o fazer Quin ta grade: Antiguidade (5000 a. C.-400 d. C.) Suponhamos que seu filho em nível de quinta grade tenha acabado de abrir seu texto-base de História numa seção sobre os fenícios . Como ele deve proceder ao estudá-lo ? ( 1 ) Tal como descrevemos nos seis tópicos da seção " O caderno " deste capítulo, ele começará suas tarefas lendo o texto designado e fazendo uma lista de seis a oito fatos importantes sobre os fenícios. Esta lista não precisa incluir todos os fatos constantes na página ( o estudante pode escolher o s fatos que achar mais interessantes) e devem ser redigidos sob a forma de frases completas. As·s im, caso a seção tenha o seguinte texto: " Comerciantes da Fenícia. Os fenícios eram descendentes dos ca­ naanitas, que viveram na extremidade oriental do Mar Mediterrâneo. Por volta de 1 200 a.C., eles se tornaram os mais bem sucedidos comer­ ciantes do mundo antigo. Cidades costeiras. Os principais portos comerciais fenícios eram as cidades de Tiro, Sidom e Biblos. As cidades eram protegidas com fortes muralhas e cada uma delas tinha seu próprio rei, que vivia num palácio luxuoso. Navios e navegação. Os fenícios eram exímios navegadores. Seus robustos navios comerciais navegavam por todo o Mediterrâneo e iam além, provavelmente chegando até às ilhas Britânicas . Uma expedição chegou até a circum-navegar a Á frica . Artesanato. Hábeis artesãos, eles faziam obj etos para vender em outros países . Os fenícios eram conhecidos por suas finas gravuras em

marfim e suas belas garrafas e contas de vidro . Povo roxo. Os fenícios usavam um molusco chamado múrex para fazer uma caríssima tintura roxa. O nome " fenício " vem de uma palavra grega que significa "homens roxos " . A cidade de Cartago. O s mercadores estabeleciam entrepostos comerciais e colônias por todo o Mediterrâneo . A mais famosa era Cartago, no litoral norte da Á frica, que foi fundada por uma princesa fenícia chamada Dido, que induziu o governante africano da região a dar-lhe terra suficiente para construir uma cidade. 454

HISTÓRIA E GEOGRAFIA

Escrita. Os fenícios inventaram um alfabeto simples com apenas 22 letras, que gradualmente evoluiu para o alfabeto que usamos hoj e em dia. O fim dos fenícios. Embora os fenícios tenham se tornado parte dos poderosos impérios da Assíria, Babilônia e Pérsia, seu estilo de vida

sobreviveu até que foram conquistados por Alexandre, o Grande, em 332 a.C. A cidade de Cartago manteve seu poder durante mais 200 anos, mas foi totalmente destruída pelos romanos em 146 a.C."4 A partir do texto acima, o estudante poderia redigir uma lista de fatos como a seguinte: 1 . Os ancestrais dos fenícios vieram de Canaã. 2. As cidades de Tiro, Sidom e Biblos eram seus principais entrepostos. 3 . Os fenícios circum-navegaram a Á frica. 4 . Eles faziam tintura roxa a partir de moluscos. 5 . Eles inventaram um alfabeto com 22 letras . 6. Foram conquistados p o r Alexandre, o Grande. 7. Cartago foi destruída pelos romanos . Lembre-se de que a lista de fatos não tem a pretensão de ser exaustiva; deve ser um registro das informações que o estudante achar mais interessantes. ( Em textos enciclopédicos, alguns fatos importantes costumam ser mencionados nas legendas das imagens; essas informa­ ções também podem ser incluídas . Inclua a lista de fatos no caderno de História sob a divisão " Fatos" (a primeira seção) que servirá como um resumo em andamento da informação aprendida. (2) Agora, chegou o momento de marcar datas na linha do tempo. A passagem tem três datas importantes: 1 . Entre 1 200 e 1 000 a . C . : O s fenícios se tornaram comerciantes bem-sucedidos.

2. 332 a . C . : A Fenícia foi conquistada p o r Alexandre, o Grande. 3 . 1 4 6 a . C . : Cartago foi destruída pelos romanos. Cada uma dessas datas deve entrar na linha do tempo, j unto com a informação sobre o que aconteceu. ( Caso haj a outras informações 4

Nota das autoras: Este texto específico foi extraído de Jane Bingham et ai., The Usborne Internet-Linked Encyclopedia of World History ( London: Usborne, 200 3 ) , pp. 1 44-45. Este título s e encontra, atualmente, esgotado, embora sej a fácil encontrar cópias usadas. A intenção do exemplo é meramente mostrar um tipo de detalhamento adequado a estudantes de quinta grade; idêntico procedimento deve ser seguido não importando qual seja a " espinha dorsal" adotada.

455

A MENTE BEM TREINADA

importantes sobre acontecimentos em outro lugar da página, tal como

boxes informativos ou legendas de ilustrações, elas também devem entrar na linha do tempo) .

( 3 ) Uma vez que a s datas tenham sido inseridas n a linha d o tempo, o estudante deve encontrar o Mar Mediterrâneo no globo terrestre, no mapa de parede e no atlas. Ele também deve fazer uso de mapas his­ tóricos, sej a em seu texto-base ou em outra fonte de mapas históricos ( listamos algumas opções no final deste capítulo ) , para encontrar os mais importantes países e cidades mencionados na passagem: Fenícia, Babilônia e Pérsia; Tiro, Sidom, Biblos e Cartago. ( 4 ) e ( 5 ) Este é o momento em que o estudante fará leituras extras. Ele pode se concentrar em qualquer um dos seguintes tópicos : • •

As cidades portuárias de Tiro, Sidom e Biblos. Expedições fenícias às ilhas britânicas e à Á frica.



Gravuras em marfim.



Garrafas e contas de vidro.



Tintura roxa.



Entrepostos comerciais e colônias fenícias.



Cartago .



A princesa fenícia Dido .



O alfabeto fenício.



Conquista dos fenícios pela Assíria, pela Babilônia e pela Pérsia.



Conquista dos fenícios por Alexandre, o Grande.



Destruição de Cartago pelos Romanos .

Inicialmente, você terá de ler o conteúdo e aj udar o estudante a escolher entre esses tópicos, mas estudantes em nível de quinta grade ra­ pidamente estarão capacitados a cumprir esta tarefa independentemente. Qualquer um desses tópicos serve como assunto para leitura com­ plementar - na biblioteca, em outra enciclopédia ou livro de História que estej a à mão, ou em qualquer fonte online confiável ( vej a a seção "Usando a internet para pesquisa e leitura " , no final deste capítulo ) . Se, por exemplo, ele estiver interessado n o artesanato fenício, ele pode procurar por livros ou pesquisar online por informações sobre tinturas e vidrarias antigas. Ele também pode investigar o catálogo da Biblioteca 456

HISTÓRIA E GEOGRAFIA

- a bibliotecária ficará feliz em ajudar5 • Após fazer algumas leituras adicionais, peça ao estudante que escreva algumas frases (no mínimo, três; à medida que ele adquirir maior prática, aumente esse número para 5 ou 6) sobre como os fenícios construíam navios ou sobre como come­ çaram a soprar o vidro6• Caso ele tenha dificuldade em extrair os fatos relevantes do texto, dê uma olhada no livro que ele está consultando e faça perguntas: De onde o vem o múrex ? Como os fenícios extraíam a tintura ? Qual era o seu cheiro ? O processo era difícil ? Lembre-se de que, no estágio Lógico, a conversa se torna sua ferramenta primária de ensino. Converse com o estudante sobre o que ele está lendo; estimule-o a conversar com você usando frases completas . Conceda atenção especial às biografias. Tente fazer uma página para muitos dos grandes homens e mulheres que encontrar (perso­ nalidades funcionam como " ganchos de memória " nos quais se pode " dependurar " a progressão da História ) . No início, não surgirão muitos nomes de indivíduos mas, quando seu estudo chegar a 3000 a.C., você começará a encontrar muitos grandes indivíduos (a maioria deles, ho­ mens ) . Por exemplo, nos séculos entre 3000 e 2500 a . C . , você terá os faraós Djoser, Quéops ( Khufu ) e Quéfren (a esfinge foi construída para vigiar a pirâmide de Quéfren ) bem como Gilgamesh, que reinou sobre a Suméria em 2700 a . C . Tal como n a s grades iniciais, alguns tópicos ( faraós egípcios e a vida na Roma Antiga) estarão disponíveis em dúzias de livros na bi­ blioteca, enquanto, sobre outros, os recursos serão escassos ou nulos. Não desperdice tempo escavando em busca de detalhes obscuros . Caso nossa lista de recursos e o catálogo da biblioteca não ofereçam títulos úteis, siga em frente. Confira a lista de " Recursos " no final deste capítulo para execu­ tar o trabalho de consulta a fontes primárias. Os arquivos online e as antologias oferecem grande quantidade de recursos de fonte primária acessíveis para estudantes das grades intermediárias. Tenha como objetivo consultar pelo menos duas fontes primárias por semestre na quinta grade 5

6

Nota das autoras: O estudante que recebe uma Educação Clássica aprende a usar a biblioteca para fazer pesquisas - treinamento prático é um dos benefícios do método clássico. Os programas de Redação recomendados nos capítulos 5 e 1 8 aj udarão a preparar o estudante para esse tipo de redação curta.

457

A MENTE BEM TREINADA

- quatro, no transcurso do ano. Estude cada fonte primária, responda por escrito às perguntas sugeridas acima ( usando frases completas) e arquive as respostas na seção " Fontes Primárias " do caderno. O estudante usará a seção "Artes e Grandes Livros" do caderno para arquivar as páginas criadas durante o estudo de Arte e Literatura ( vej a os capítulos 1 8 e 2 1 ) . Sempre que encontrar um escritor, músico ou artista - Homero, Virgílio, Cícero, Praxíteles - faça uma página biográfica que liste suas obras e inclua detalhes sobre sua vida. Embora estas páginas sejam arquivadas na seção " Grande Homens e Mulheres " , a s páginas d e caderno abrangendo o s livros, pinturas e obras propria­ mente ditas serão criadas fora da aula de História . Ao final da quinta grade, o estudante terá criado duas fontes de recursos históricos : uma linha do tempo que sintetizará todo o seu conhecimento sobre eventos, personalidades e realizações históricas im­ portantes, e um caderno lhe mostrará em uma olhada o desenvolvimento de áreas específicas da realização humana. Ele poderá folhear a seção " Guerras, conflitos e eventos políticos " de seu caderno e ver a progres­ são da guerra que uniu o Alto e o Baixo Egito, o cerco grego a Troia, todo o caminho até as guerras de Alexandre, o Grande, e as Guerras Púnicas . Ou também pode rastrear o desenvolvimento da Ciência no mundo antigo, ou revisar o estabelecimento de grandes cidades desde Jericó até Mohenj o-daro e Alexandria. ( 6 ) Peça ao estudante que escolha uma página de texto ( aproxi­ madamente 250 a 300 palavras, ou cinco a seis parágrafos) do mais interessante livro de História. que ele tenha lido durante a semana. Ele deve fichar esse recurso em seu próprio caderno. Essa prática de fichamento começará a preparar o estudante para redações mais avançadas . (Vej a no capítulo 1 8 uma explicação com­ pleta sobre o processo de Redação na grade intermediária ) . Quando ele progredir para o ensino médio, ele precisará saber como escrever uma redação a partir de um fichamento . Antes que ele possa fazer isso, porém, ele precisará estudar os fichamentos de outros escritores . A melhor e mais fácil maneira d e fazer isso é criar um fichamento a partir de um trecho de texto finalizado. O estudante precisa dominar o elemento mais básico de um fichamento: o tema principal. Peça que ele sintetize cada parágrafo em uma única frase perguntando: " Qual é 45 8

HISTÓRIA E GEOGRAFIA

a declaração mais importante deste parágrafo ? " . As declarações devem ser enunciadas em suas próprias palavras e, a cada uma delas, deve ser dado um numeral romano: 1. Tema principal do primeiro parágrafo. II. Tema principal do segundo parágrafo. III. Tema principal do terceiro parágrafo . E assim por diante. Vej a a seção " Como fichar" , mais adiante neste capítulo, para obter instruções mais detalhadas . Este fichamento deve ser arquivado na seção " fichamentos " do caderno de História. (O estudante pode fazer essa prática de fichamento antes ou após completar o resumo; escolha a sequência que lhe parecer mais natural) .

Sugestão de cronogra ma Uma vez que você tenha selecionado seu texto-base, calcule quan­ tas páginas ou capítulos você precisará completar a cada semana para abranger os anos até 400 a . C . Este número servirá como sua meta semanal básica. Mas lembre-se de que sua meta é ensinar ao estudante estudar História, e não a fazer um levantamento exaustivo de todos os assuntos históricos possíveis ! Se o cronograma atrasar ou caso o estudante simplesmente precise avançar mais devagar, omita algumas seções. ( Nada de terrível acontecerá caso o estudante não estude os Hititas ) . Ou, então, gaste uma semana de vez em quando não fazendo nada além de ler o texto ( sem fazer redações, fichamentos ou leituras complementares ) para ficar em dia com o cronograma. Caso você esteja estudando História às segundas, quartas e sextas: como

Segunda-feira Complete a leitura da semana usando o texto-base de História. Faça uma lista de fatos e arquive-a no caderno. Marque todas as datas na linha do tem_IJ_o ; encontre h1g_ares no_globo, no mapa de_IJ_arede e no atlas. Quarta-feira Escolha um ou dois assuntos em livros emprestados da biblioteca ou recomendados na lista de Recursos para fazer leituras complementares. Escolha um desses recursos e faça o fichamento de uma página (cinco ou seis parágrafos). Arquive o fichamento no caderno de História. Sexta-feira

Prepare um resumo por escrito das informações sobre o tópico escolhido e arquive-o na seção �o�iada do caderno de História .

Caso você estej a ensinando História às terças e quintas: 459

A MENTE BEM TREINADA

Terça-feira

Complete a leitura da semana usando o texto-base de História. Faça uma lista de fatos e arquive-a no caderno. Marque todas as datas na linha do tempo; encontre lugares no globo, no mapa de parede e no atlas. Comece a leitura complementar de um ou dois temas escolhidos em livros da Biblioteca ou recomendados na seção " Recursos " .

Quinta-feira

Termine a leitura complementar. Escolha um desses recursos e faça o fichamento de uma página (cinco ou seis parágrafos ) . Arquive o fichamento no caderno de História. Prepare um resumo por escrito das informações sobre o tópico escolhido e arquive-o na seção apropriada do caderno de História .

Duas vezes a cada semestre, reserve o tempo de estudo de Histó­ ria para ler, avaliar e completar uma página de caderno sobre a fonte primária que você escolheu. Uma observação para pais-educadores muito ocupados: o estudo de História no estágio Lógico envolve uma grande quantidade de Leitura e Redação. O currículo clássico é orientado em torno da Leitura e da Redação como meios primários de aquisição de conhecimento. Caso você estej a se perguntando quanto tempo essa atividade consumirá, observe que você gastará várias horas semanais aj udando a criança a encontrar temas e a localizar livros na biblioteca, além de oferecer aj uda na redação e na avaliação do trabalho finalizado . Mas os educadores domiciliares inevitavelmente descobrem que o tempo que precisam de­ dicar à instrução um a um decresce dramaticamente durante as grades intermediárias. Seu estudante em nível de quinta grade poderá dedicar uma hora à leitura de História às quartas-feiras, mas isso não consumirá o seu tempo; você gastará apenas dez minutos no início do período de estudos para dar instruções e orientações, mais dez minutos no final para conversar com ele sobre o que ele leu, de modo que possa registrar os fatos em uma redação.

Sexta grade: Idade Média/inicio da Renascença Para estudar o período entre os anos 400 e 1 600, você seguirá um padrão básico idêntico ao que adotou na quinta grade.

A l i sta de fatos O estudante em nível de sexta grade lerá suas páginas de História e fará uma lista de seis a oito fatos importantes no caderno de História. 460

HISTÓRIA E GEOGRAFIA

Lembre-o de escolher os fatos mais importantes em vez de apenas listar os primeiros que encontrar. Por exemplo, suponhamos que o trecho do texto que o estudante está lendo sej a o seguinte: " Em 1 240, Sundiata Kelta, o governante do pequeno reino Ma­ linquês, na Á frica Ocidental, provocou o colapso da nação de Gana e estabeleceu uma nova nação chamada Mali. Ele ergueu um bem orga­ nizado estado que possuía terras férteis cultiváveis às margens do rio Níger. Sob o reino de Sundiata, Mali controlou o comércio de ouro, tornando-se rico e poderoso. Muitas das rotas de caravanas de camelos atravessavam o deserto do Saara até as mais requintadas cidades de Mali, tais como Cumbi Salé, Djenné e Tombuctu. As cidades comerciais de Mali exportavam marfim, ouro e escravos para o mundo muçulmano, bem como para Veneza e Gênova, na Euro­ pa. Em troca, eles importavam sal, tecidos, cerâmica, vidro, cavalos e produtos de luxo. Tombuctu e Djenné tornaram-se centros educacionais onde muçulmanos se misturavam com africanos. Tombuctu possuía uma universidade e 1 00 escolas. Mali atingiu o pico de seu poder e se tornou muçulmana sob o reinado do neto de Sundiata, Mansa Musa

( 1 307-3 7 ) . Ele fez uma peregrinação a Meca em 1 324, levando consigo 500 escravos e 90 camelos carregados com ouro . Em 1 325, Mali sub­ j ugou Songai, mais abaixo do rio Níger mas, em 1 464, o líder Songai declarou independência . O declínio de Mali havia começado em 1 350 e em 1 500, foi conquistada por Songai "7• Para o texto acima, a lista de fatos poderia ser como a seguinte: 1 . Sundiata Keita fundou Mali em 1 240.

2. 3. 4. 5.

Mali controlava o comércio de ouro. Mali tornou-se muçulmana sob Mansa Musa ( 1 307-1 334). Mansa Musa fez uma peregrinação a Meca e m 1 324. Mali foi conquistada por Songai em 1 500.

A linha do tempo O estudante deve incluir as datas encontradas no texto em sua linha do tempo. Comece o ano escolar criando uma linha do tempo que abranj a o período da Idade Média/início da Renascença - doze 7

The Kingfisher History Encyclopedia (New York: Kingfisher, 2004 ) , p. 1 64 .

461

A MENTE BEM TREINADA

séculos, ou doze divisões iguais. Você terá muito mais espaço para cada século, o que é bom - os séculos ficarão lotados.

400

500

600

700

800

O fic ha mento O estudante ainda deverá escolher páginas de suas leituras complemen­ tares para fichar. Mas, em vez de limitar-se a condensar a leitura em uma frase por parágrafo, ele identificará uma ideia central e de duas a quatro ideias acessórias ( ideias de apoio) por parágrafo. Essas informações serão escritas na forma adequada aos fichamentos, usando numerais romanos e letras maiúsculas. Embora já tenha aprendido como se faz essa tarefa na quinta grade (vej a seção anterior neste capítulo) , vale a pena repetir: 1.

Primeira ideia central A. Primeira ideia acessória B. Segunda ideia acessória

II.

Segunda ideia central A. Primeira ideia acessória B. Segunda ideia acessória C. Terceira ideia acessória

E assim por diante. Nesse tipo de fichamento, dois parágrafos curtos que abordem o mesmo assunto podem ser combinados como se fossem apenas um, enquanto um longo parágrafo pode ser quebrado em dois, caso comece um novo pensamento no meio do caminho. A meta é criar um fichamento que exponha o desenvolvimento lógico do texto. Em um bom fichamento, cada ideia acessória está relacionada à ideia central. Vej a a seção " Como fichar " , neste mesmo capítulo, para ver instruções mais detalhadas; à medida que o estudante ganha prática, ele deve evoluir para fichamentos de até duas páginas do recurso escolhido. Na passagem acima, a vida de Mansa Musa pode ser objeto de uma pesquisa para criar uma página de caderno para a seção " Grandes Homens e Mulheres " ; a exportação de marfim, ouro e escravos, bem como a importação de sal, tecidos, cerêmica, vidro, cavalos e produtos de luxo podem oferecer material para uma página que seria arquivada 462

HISTÓRIA E GEOGRAFIA

na seção " Cotidiano, crenças e costumes " ; a cidade de Tombuctu pode se tornar assunto para uma página em " Cidades e assentamentos " . Estas curtas redações seguem as regras ensinadas durante o estudo de Arte da Linguagem (veja no capítulo 1 8 ) . Tenha por meta escrever de meia a uma página ( isto é, de 200 a 400 palavras) em cada redação. (Veja no resumo ao final desta seção a quantidade de texto que o estudante deve fazer durante o estágio Lógico) .

Fontes p rimá ria s O estudante continuará a usar fontes primárias, avaliando-as ao perguntar a si mesmo as mesmas questões da quinta grade. Estabeleça o objetivo de cobrir quatro a seis fontes primárias durante o ano ( duas ou três por semestre ) . Tente incluir a Magna Carta, que é um documento fundador da cultura Ocidental. Você encontrará uma lista mais longa de material disponível na seção de Recursos no final deste capítulo; substitua por outros assuntos, caso assim o deseje.

O ca derno Etiquete uma pasta fichário de três anéis com os dizeres "Idade Mé­ dia/início da Renascença: 400-1 600 " e divida-a nas mesmas nove seções definidas na quinta grade8• O estudante completará os mesmos cinco passos: leitura e fichamento, localização no globo/mapa/atlas, leituras complementares e arquivamento de resumos no caderno. Novamente: certifique-se de que você não tentará abranger cada detalhe do período entre 400 e 1 600. O estudante encontrará muitos assuntos para pesquisas complementares. Você deve sentir-se à vontade para omitir alguns temas ou para gastar algum tempo adicional em outros; o texto-base é um trampolim, não uma prisão9• Por outro lado, se você avançou somente cem anos desde setembro até o Natal, você precisa fazer uma reavaliação. O estudante está fazendo 8

9

Nota das autoras: Alguns pais optam por manter o mesmo caderno durante todos os quatro anos, arquivando páginas cronologicamente em cada seção, de modo que (por exemplo) a seção " Grandes Homens e Mulheres" comece com um herói da Antiguidade e termine com uma personalidade notável dos dias atuais. Nota das autoras: Esta é uma das chaves do sucesso no ensino em casa: você é o chefe. Você define os cronogramas. Use o bom senso. Caso a criança gaste três horas

463

A MENTE BEM TREINADA

as tarefas preguiçosamente ? Precisa de reforço em Redação ou Leitura ? Você faria melhor adotando um texto de História mais simples por algum tempo ? Você está permitindo que outras coisas - telefonemas, trabalhos, visitas de amigos, trabalho doméstico - prej udiquem o en­ sino ? Caso sej a este o caso, talvez você precise reaj ustar o cronograma diário de estudos da criança.

Sugestão de cronogra ma Caso o ensino de História ocorra às segundas, quartas e sextas: Segunda-feira Complete a leitura da semana usando o texto-base de História. Faça uma lista de fatos e arquive no caderno. Marque todas as datas na linha do tempo; encontre lugares no globo, no mapa de parede e no atlas. Quarta-feira

Escolha um ou dois assuntos em livros emprestados da biblioteca ou recomendados na lista de Recursos para fazer leituras complementares. Escolha um desses recursos e faça o fichamento de uma página ( cinco ou seis parágrafos ) . Arquive o fichamento no caderno de História .

Sexta -feira

Prepare um resumo por escrito das informações sobre o tópico escolhido e arquive-o na seção apropriada do caderno de História.

Caso você prefira ensinar História às terças e quintas: Terça -feira

Quinta-feira

Complete a leitura da semana usando o texto-base de História. Faça uma lista de fatos e arquive no caderno. Marque todas as datas na linha do tempo; encontre lugares no globo, no mapa de parede e no atlas. Comece a leitura complementar de um ou dois temas escolhidos em livros da Biblioteca ou recomendados na seção " Recursos " . Termine a leitura complementar. Escolha um desses recursos e faça o fichamento de uma ou duas páginas (cinco a dez parágrafos) . Arquive o fichamento no caderno de História . Prepare um resumo por escrito das informações sobre o tópico escolhido e arquive-o na seção apropriada do caderno de História. Duas ou três vezes por semestre, reserve o tempo dedicado ao estudo de História para leitura, avaliação e preenchimento de uma página de caderno sobre uma fonte primária.

Duas ou três vezes por semestre, dedique o tempo reservado para o estudo de História à leitura, avaliação e preenchimento de uma página de caderno sobre uma fonte primária .

fichando sua lição d e História, sua exigência está excessiva . Comece a omitir seções. Ou não termine o livro. Quantos livros seus professores ensinaram até o fim quando você estava na escola ou na faculdade ?

464

HISTÓRIA E GEOGRAFIA

Sétima grade: Renascença Tardia/Inicio do período mo­ derno (7 600- 7 850) A l ista de fatos Tal como nos anos anteriores, o aluno em nível de sétima grade lerá suas páginas de História e fará sua lista de seis a oito fatos importantes para incluir no caderno de História. Embora você possa prosseguir com o uso do mesmo texto-base de História da sexta grade, leitores mais avançados provavelmente desej arão mudar para os textos mais difíceis, em estilo narrativo, recomendados na seção " Recursos " deste capítulo. Isto exigirá uma seleção mais cuidadosa de fatos importantes. Por exemplo, caso o texto estudado sej a o seguinte: "A Í ndia fragmentou-se em diversos estados durante o século XVIII quando os mongóis que governavam o subcontinente começaram a perder o poder. Enquanto um Império Mongol definhante resistia nas proximi­ dades de Déli, as antigas províncias se tornaram reinos independentes; os Maratas, um povo montanhês, espraiaram-se desde a Índia central; e os Sikhs assumiram o controle do Panj abe, ao noroeste. Entrementes, florescia o comércio europeu com a Í ndia, tendo os britânicos como principais negociantes. Para proteger seus interesses econômicos, os bri­ tânicos estabeleceram exércitos compostos principalmente de soldados nativos, chamados de 'si paios'. Armados e equipados tal qual o Exército britânico, os sipaios eram os mais eficientes guerreiros do subcontinente. Como bons homens de negócios, os comerciantes britânicos queriam conquistar riqueza, não território. Mas, ao longo do tempo, um obj etivo levou ao outro. Calcutá, na rica província de Bengala, era um dos princi­ pais centros comerciais britânicos. Em 20 de j unho de 1 756, o governante indiano de Bengala capturou a guarnição britânica de Calcutá por vio­ lação das leis comerciais da região. Como parte da ação, os prisioneiros foram mantidos, durante a noite, em uma cela quente, com má ventilação, mais tarde chamada de Buraco Negro de Calcutá. Pela manhã, a maioria havia morrido. O incidente - frequentemente recontado exagerando os números - tornou-se um símbolo britânico para a brutalidade indiana. Em j aneiro de 1 757, o Cel. Robert Clive retomou Calcutá e, então, pros­ seguiu rumo à conquista de toda a região de Bengala10• 1 0 Patricia S . Daniels and Stephen G. Hyslop, National Geographic A lmanac o f World History, 2nd ed. (Washington, DC: National Geographic, 20 1 1 ) , pp. 2 1 9-20.

465

A MENTE BEM TREINADA

A lista de fatos compilada pelo estudante a partir do texto acima poderá ser semelhante à que se segue: 1 . No século XVIII, os mongóis perderam poder e a Í ndia se dividiu em muitos estados. 2. Os Maratas e os Sikhs começaram a ganhar poder. 3 . Calcutá tornou-se o centro do comércio britânico. 4 . Os britânicos mantinham soldados nativos chamados " sipaios " . 5 . Em 1 75 6 , o governante indiano d e Bengala aprisionou o s bri­ tânicos de Calcutá . 6 . O Buraco Negro de Calcutá foi a cela onde os prisioneiros foram mantidos (e a maioria morreu) . 7. Os britânicos recapturaram Calcutá e, em seguida, tomaram o resto da província de Bengala.

A lin h a do tempo Você deve criar uma nova linha do tempo para o período entre 1 6 00 e 1 8 5 0 com divisões em segmentos de 25 anos: 1 6 00

1 625

1 65 0

1 6 75

1 700

O fic hamento O estudante em nível de sétima grade deve prosseguir com o mé­ todo de fichamento adotado na sexta grade até que fique à vontade ao usá-lo. Ele pode tentar introduzir mais ideias acessórias do que antes: Primeira ideia central I. A. Primeira ideia acessória 1 . Primeira ideia subordinada 2. Segunda ideia subordinada

li.

B. Segunda ideia acessória 1 . Primeira ideia subordinada 2. Segunda ideia subordinada Segunda ideia central A. Primeira ideia acessória B. Segunda ideia acessória C. Terceira ideia acessória 466

HISTÓRIA E GEOGRAFIA

O aluno da sétima grade deve começar esse novo procedimento somente quando o método da sexta grade tornar-se fácil, algo que pode acontecer a qualquer tempo do ano reservado para a sétima grade, ou no início da oitava grade. Cada ideia subordinada deve relacionar-se à ideia acessória a que se segue. Vej a a seção " Como fichar " , anterior­ mente neste capítulo, para ver instruções mais detalhadas; observe que, à medida que o estudante adquire mais prática, ele deve estabelecer o obj etivo de fichar duas a três páginas do recurso escolhido .

Fontes primárias As fontes primárias para este período incluem os documentos fun­ dadores da América ( dos Pais Peregrinos até a Revolução) bem como muitos outros temas, escolha alguns na lista de "Recursos " deste capítulo. A avaliação de uma fonte primária pode substituir a leitura na biblioteca e a criação de uma página do caderno . O estudante deve continuar a fazer páginas de avaliação para essas fontes primárias (vej a a seção " Fontes Primárias " , no início deste capítulo ) e arquivá-las na seção " Fontes primárias " do caderno de História. Tenha em mente o obj etivo de abranger três a quatro fontes primárias a cada semestre, totalizando de seis a oito ao longo do ano.

O ca derno Rotule uma pasta-fichário de três anéis com os dizeres " Renascença tardia/Início do período moderno: 1 600-1 850" e divida-a em nove seções idênticas às da quinta e sexta grades. Esse período tem grande número de guerras - a Revolução Gloriosa, a anexação da Irlanda, a Grande Guerra do Norte, a Guerra dos Sete Anos, a Revolução Americana, a Revolução Francesa, as Guerras Napoleônicas, a Guerra de 1 8 12, e mais. Você encontrará grande quantidade de material em sua biblioteca sobre esses temas, bem como sobre a criação da Declaração de Independência e sobre as pessoas que definiram o início da vida política americana. A Revolução Industrial também aconteceu durante esse período.

Memorização Alunos americanos em nível de sétima grade devem reservar al­ gum tempo durante o ano para memorizar as seções introdutórias da Declaração de Independência e